quinta-feira, outubro 16, 2003

havia um país onde há 20 anos existiam pessoas que aguardavam em prisão preventiva quase por dois anos. Era imenso tempo a manter alguém preso antes de ser julgado e portanto eventualmente enfrentar uma condenação, porque enquanto isso não acontece o cidadão é considerado inocente e nos casos em que o é mesmo, o tempo da prisão preventiva deveria ser o mínimo possivel, pois desta forma se reduziriam as consequências.

havia um país onde há 20 anos se ouvia falar de uma história de abuso de crianças. Um país que dorme todas as noites durante tanto tempo com isto não pode dormir bem.



cena interior da prisão

o Anti herói

preso na sua cama, acabara de acordar a andar de bicicleta, consistindo o andar de bicicleta, em alguém colar com cuspo uma tira de papel a uma parte destapada da adormecida vítima e depois lançar-lhe fogo, aquilo ardia e quando chegava à pele o corpo agitava-se por reflexo automático a tentar apagá-lo e curioso mesmo era que aquilo, parecia aos olhos de alguns como que andar de bicicleta. Enfim cada um vê como vê e é aquilo que vê. Estranhas terapias de reintegração.

ah este é mais visual, muito mais fácil de planificar.


Olha querido, afinal não me quero ir embora, é de ti que eu gosto e estive a pensar, e a voz dele, não achas estranha, ainda não definida como homem, quase de falsete de adolescente, uma aceitação inter pares, como o organizador capaz, de construir as rédeas do partido, uma certa leitura de menino pródigio que dele mostram. Oh querida, agora poderia dizer o mesmo de ti, que fizeste uma terrivel insinuação sobre a sua sexualidade, que estás a colocar lenha para ele se queimar, não querido, agora é a minha vez de dizer que estou só a pensar.
olha alguém já pensou como é que ele pode retomar a sua função de deputado sendo suspeito de 15 crimes, olha, é por que é só suspeito, é inocente, não está julgado e anunciou ser paladino do apuramento de todo este escândalo, anunciou esta meta, mais nobre e acima do que a restauração da sua própria honra, aliás uma não poderia existir sem a outra. Que leve Esta Nobre tarefa até ao Fim, é o que lhe desejo, sabes porque já há mais de vinte anos que se fala nesta história e o mais triste é ser mais uma vez com aqueles que são os mais desprotegidos, aqueles que não tem familias, os menos aptos a se defenderem e que por essa razão estão entregues aos cuidados de todos, porque aqui o Estado somos nós também.