quinta-feira, abril 26, 2007

tic tico tic é a minha serra no espirito feita de espirito
olhai o céu senhores e vejai-A

credo, credo, cruz, dizem os ratos assustados no convés
que a agua sobe ao porão, ai, ai, ai, ai

é agudo, amor, o som da morte em seu chegar

a aranha, essa trepa ao mastro, vive nas alturas
onde está minha teia, onde está minha teia...

o cavalo fogoso do convés, a amurada do salva vidas partido da ilha azul, pergunta
onde é o céu, onde é o céu

o céu, diz-lhe o peixe voador, vive dentro de ti

tic tico tic tico tic, pum, a serra a serrar o céu negrao, negras as nuvens

por detrás da Senhora, na janela do tic, visivel a teia da aranha

Obrigado Amor

Ah amada, que a produtividade é enorme neste país, tudo escorre bem, fluido como o amado tejo, que nos banha o pensar, ou como nossos beijos molhados de linguas tesas e nroscadas, razão tens que nem é preciso muito o barulho no acto, pois assim não faz o beija flor ao beijar sua amada, anda por ali à volta do vaso, beija aqui, beija acolá, torna a ir e a voltar, pelo bico chupa lento lentidões de mel, e leva o polem à flor do lado, como o amor e o céu, como o vento a passar, no permeio, o Estar, mais grunhem os animais desvaridos em sua ansias cheias de coisas de nada, pressa, pressa, presa, apressada, sem minimo deleitar, que o amor se quer lento e os orgasmos parados, quanto algo se pode dizer ou achar ou fazer parado, ansias de dinamos carregados em desiquilibrios internos, provisões de bestas, a jorrar, aí que bom já está, dizem então, depois da descarga do raio, que venha outro e outro e outro ainda mais, ah amada, que em lento sempre se desenham os melhores sorrisos e encontros e estar e poderão ser minha mãos de cor de cobre, como um cavaleiro azul do deserto, mas não são metálicas garras para te abraçar, nem arranham estranhos ruidos, só festas a festejar, pomba e pombo a arrulhar

estou sim, podia falar com a senhora engenheira fátima proença
um momento

ouvem-se martelinhos irritantes no auricular na espera feita a esperar, e tuas belas orelhas cornucópias, ao longe de meus lábios, não escuto eu o mar, nem vejo em teus olhos o infinito do horizonte e observo as andorinhas em que chegas , à minha volta, e tento ver se virás montada numa, mas não ainda, o deleite de te apanhar

senhora, ficou de me ligar meia hora depois de termos falado, como já passou duas horas, aqui estou eu outra vez

na anterior, a senhora, ia procurar o processo, que o numero que ele tem na recepção, informatizado, não tinha mais correspondência nas longas viagens intercontinentais da camara do mundo de lisboa, certo, certo, será, o erro da aplicação, a nova, aquela que permite fazer ponte, pois se o departamento estava fechado, como é que ela se instalou?

remotamente, disse-me um pássaro que tinha convidado sua amada a fazer ponte, aproveitando a gaiola aberta no ceu fechado do vinte e cinco.

bravissima a ciência dos pássaros, basicamente a questão prende-se em saber se o neutrino, tem ou não tem massa, reunem-se os passaros discretos que investigam discretas particulas, como se algo nomeado, não fosse sempre possuidor de numen

procurai, bem Amados pássaros, que encontrareis o nome de Deus, que Ele está por todo o lado.

proença, estranho, estranhei, continuam a reverbar os nomes escritos em palavra recente, galo, remédios, la borde, cal, e agora e proença, como uma especie de espelho de Deus em tempo real, como se o tempo existisse, por sisso lhe devem chamar pelo seu anverso, como real, ah amada, espaço, espaço de ti em mim, de mim em ti, infinitas planices para nossas mãos e dedos quentes a escorrer, por todos os vales, cumes, lagos e recantos.

então, é agora senhora, que resposta me dá, que resposta me tem a dar para os assuntos, sabe continua o perigo na via publica
agora vai para o dois
para o dois?
e quando chega ao um que me dará a resposta
e o que é isso do dois?
dept obras infraestruturas e saneamento
de facto, é um dois...
olhe, eu preparei o parecer e o que lhe posso dizer é que está em cima do director de projectos
em cima salvo, seja, acrescentei
sim, está na secretária dele
ah e quando é que vai a despacho e diga-me se bem o percebi, daí por despacho vai para outro departamento, que ainda não é o um
depois irá para a almirante reis, sessenta e cinco
é isso,
e é despachado quando,
ah isso não lhe posso dizer
e em que dias e em que horas procede o senhor a despacho, ah isso não sei, ele vai despachando os papeis que tem em cima da secretària no intervalo das reuniões...
certo, e diga-me uma coisa, tem lá ele muitos papeis em cima do tampo
ah isso não lhe sei dizer
não sabe, mas dissse-me que lá o pôs
não, não lá o pus, apontei-o
ah diz-me que fez com a folha do parecer um avião de papel e o apontou a sua secretária
certamente ainda irá a voar

desculpe minha senhora, amo-a muito, mas isto é uma alucinação, não devemos habitar o mesmo país
como me pode amar, se nem me conheçe...
passe bem, obrigado, boa tarde

juro por Deus e pelos Pássaros que foi, mais palavra menos palavra assim, deveriam ver a aguas que andam a beber, devem estar todos a tripar

trim, trim, trim, boa tarde que a tarde é bela e eu amo muito, poderia ligar-me ao gabinete da presidência para falar com o senhor cal,
doutor cal!
pois seja, e é da viva ou da morta
aguarde
flutas de pan, aqui em vez de martelinhos são as flautas de pan, é o que digo, devem andar todos a tripar

trim, trim, trim, olhe senhora caiu a chamada, já informei em dia recente que deve existir problema no pbx, pois as chamadas muito caem
pois é, nós até já informamos...

poderia falar com o senhor cal?,
não está ao telefone e vai demorar pelo menos dez minutos
devem ser espiritas... pensei, até preveem a duração das chamadas ou será forma combinada de apelo à desistência...
senhora elsa, sff deixo então recado, que tenteo de novo falar com ele e ou a senhora laborde, que estão ambos ao corrente e que pedia retorno, pois a questão ainda não está resolvida.

uma hora e meia depois, trim trim, olá sou eu, o amante, de novo, poderia então falar com eles?
não estão em reunião.

assim se foi meia tarde, uns largos escudos em chamadas e nada concluido, a saga continua, eo perigo publico continua na mesma, perigoso, a ver se alguém se lá magoa no entretanto.