quarta-feira, junho 27, 2007

uauotcdu

o vaso da au, o do circulo do tribunal constitucional do dia do vaso, pressuponho que seja o do estúpido recadinho, sendo estúpido aqui aplicado a perfidez, que sem sustentação nemlogica de argumentos nem coração, sempre a desvela nas palavras perfidas e trocadas, que se troque o senhor, pim pam pum!

Ah Amada que isto está belo, mesmo belo, agora aqui cheguei, e relia o texto, estava mesmo no ponto, da caixa da pandora e pum outra vez, mais dois carros, acabaram no preciso momento de chocar, no meu ecra, o enquadramento exacto do texto que estava a reler começava

Caixa de Pandora, abriram alguns com a complacência de muitos e muitos são os cegos e a única boa noticia é que a luz sempre vai crescendo e se expande

e acabava em,

Quantos filhos são trazidos roubados a seu pais neste país que hoje aqui fecha e é pela Palavra Fechado e Selado?

e saio a rua a ver o que se passou, felizmente ninguém se maguou.

à porta estão três motas estacionadas em paralelo, fazendo uma fiada de cores preto vermelho prteo e me dizem assim,ou três ondas

o rato negro do cb, o terceiro do segundo do primeiro, da onda mil

o rato vermelho da serpente nona do rá, do angulo ao circulo 34 frança

o Ka do duplo vaso da dupla dor das SA do Ki do ZZ do Ar, 28 do dia oo, do raio maior, nono do segundo em janeiro de 2004, pelas sete horas e dez minutos

caixa de pandora CIR

os carros que chocaram na cruz, foi o polo negro 86 50 da Fé , RTM que vinha da av do mediterraneo, contra fiat branco 18 71 PV em junho de 2002 que vinha pela av do infante



Ah Amada, voltaram ontem outra vez o bando das andorinhas a voar pertinho de mim, que eu fico preocupado quando é primavera e não as vejo, pois sei que voas nelas e hoje acordei com o dia a nascer, não tinha dormida na noite anterior à anterior e depois de subir do rio deitei-me na cama e adormeci de luz acesa e me recordo de pela madrugada acordar com frio, de o ter sentido infiltrar a té me fazer acordar, abri a bela colcha branca da cama e me tapei, seriam sete quando acordei

Hoje voaram bem pertinho de minha varanda e uma mesma amais atrevida como tu, passava mesmo rasante e lhe vi em seu dorso um reflexo de um azul muito bonito, um azul denso de mar e tu andorinha me rasas, disse-me agora o espirito que eu te rasei e logo me perguntei, onde?, mas não consigo nem pousar a teu lado nem tu ao meu, que estranho e raro e precioso voo, este.

E me disse o espirito, neste momento já irá a caminho do canada

Ah Amada gosto eu de dormir com as persianas levantadas e mesmo com luz quando tenho sono durmo, e quando estou muito cansado, lá as baixo um bocadinho, para dar mais recolhimento ao espirito e a alma e ao corpo, mas sempre com um bocadinho de luz

E já reparei Amada, que os Amados e Amadas variam em sua formas de dormir e espero Amada que também gostes de dormir com alguma luz, é muito bom acordar com a primeira luz mesmo que depois se feche os olhos um bocadinho mais, se leva assim para o novo sonho a forma do novo dia, mas se quiseres dormir na escuridão do breu, também não há problema pois és minha luz

Ah Senhora Amada, me cantam as trovas do vento de um reino distante muito distante e de uma rainha e do gentil ogre que vai à procura de um rei e me fica o coração a perguntar sua direcção.

E sabes amada, ogre agora ao instante me apareceu gore, será o amado gore, que fez muito bem seu trabalho de casa e deixou cá um documento muito completo e sincrético com muitas se não todas, as áreas necessárias de intervenção para cuida do nosso corpo grande e deveriam todos olhar para a lista, pois ela é imensa e dá bem a ideia do muito que há a fazer. Se o gore for o ogre será gentilmente como amado sreck e como ele já tem sua Fiona, só me falta eu ter a minha que é minha sem o ser, e que és tu.

Ah que vi um bela rainha e em seu cabelo trazia uma cornucópia daquelas em que se escuta o mar, agora mesmo, que bela era, vinha numa barca ao som das cantatas de Bach, numa mistura de imagens muito modernas no meio da selva e também extracto de um filme que me pareceu muito belo sobre pastores, onde no meio de um campo doirado de trigo, surgiam de repente de entre as espigas, um casal de crianças a sorrir.

Ah Amada que pingo e pingo amor e vou pingando para o mar, pois não te vejo na praia ao aportar, Ah Amada, chegar ao leito e ver quem se ama a dormir e a sonhar, e de mansinho sorrateiro como uma quente e leve brisa em seu lado encaixar, Ah delicia das delicias e então quando o espirito o reconhece mesmo a dormir e o corpo o expressa, com um sorriso a ajeitar, nasce no instante o mel e tudo escorre doces nas paredes do nosso quarto sem elas, não sei por que te digo isto, a não ser por Amor, mas o Amor é assim, põem-nos desejos e lembranças de futuros no peito e eu amada desejo-te no Eterno de todos os dias

Ah amada fui agora tomar um café, encontrei uma bola de hexágonos vermelhos rasgados, um pau da fiesta, do primeiro quadrado de duas fiadas verticais, ouvi agora um enorme estrondo como uma explosão, um sistema de ventilação a ronronar com aquele irritante barulho que muitos ainda fazem, ao lado dele as luvas de cirurgião, transparentes, o papel de limpeza das luvas transparentes do cirurgião ao lado de um parqueamento para deficientes, de uma pedra que deita abaixo um avião em Luanda, da energia do Tomás, dos ovos de Tomás ao Fonseca, e o vento se agitou ao momento nas copas das arvores, será então ele um deles, o segundo da divisão da estrela, divisão da estrela do infinito europeia do vaso da isa electrica, a serpente Kapa do tic, da pá do Rá ca da fé, me diz a leitura de papeis a caminho do cemitério das olivais e me aparece um associação nas memórias recentemente evocadas, dentro dos olivais entre o miúdo morto no poço do esqueleto do prédio onde hoje é a cuf, da fundação cardeal cerejeira, do tempo da ditadura e o Miguel por associação com o Fonseca

Um callipo, um cone ca de duplo angulo hipo do br , de um ovo antigo, feito ali ao pé da nora.

Uma rodela de plástico como um preservativo ou um anel ao lado do lugar para deficientes ao lado do ventilar, o que terá sido então uma das assinaturas do furacão, o que provavelmente, levou alguém a uma cadeira de rodas com pagamento da queda de um avião.

Um outro papel ao lado rasgado com a bandeira nacional, onde leio de Portugal, e serpente do auto das más de Portugal, autónomas de Portugal, do gato kapa do gal, o rasgo da folha faz um L que toca os distritos de Coimbra e Viana do castelo e corra a madeira em diagonal, da eira, da maria do vaso da eira.

Uns tapetes de carro pretos e vermelhos dentro do cilindro do lixo ao pé do aparelho do ar e da agua, será então do carro, ao lado um ursinho com um fio e um arame gancho que o prende pela cabeça..

De madrugada saíra para a rua e espirito me mostrou o seguinte dizer,

Do XI gang, o I rope, beijo do gang onze da fé do zorro inglês que empurrou o Daniel da um ao contrário do chou da china da unu, do vaso da ideia da medeia mo do um mental da bio lógica das runas americanas do castelo do Lopes do rio sul, a serpente homem ping que pingava pim no luso mundo alma da foró um do espanhol mil e mil e um da alva galáxia.

A serpente do kA da ré de capa verde, feio e com mau hálito casou com a fi ona e o rei harold fazia, k Ra, k Ra

O rec mais o burro e gato das botas very very far away andaram a buscar o pretendente , a kA da mia alma da dança da má do cine do porto mão e passaram por atlântida do castello do Lopes do shopping do allgrave da conta corrente do jumbo do kas Tello

Da conta corrente do modelo, do mo de lo, da serpente LA, vo cais , o villa, a serpente do vaso da feira de Londres, das compras em Londres, do rio sul das torres.

Id ari es sp, da maçaneta de doze pétalas de oiro, cl, o angulo c, paredes oiro, amarelo, verde e azul arco íris do rectângulo comprido que rasga a moldura beije , charlestown, a mesma cor do friso 01 da imagem do fogo na TV dos dominós do cio us, da inversão dos pratos da balança da justiça cega da dupla serpente verde da serpente vermelha do mar sobre branco, do iogurte da inversão do vaso da moss do vaso sexto, tropical 74 da tarifa de bordo do terreiro, do toiro azul e vermelho da manga gelada, do z ap do furacão dos três cruzes da maria do Y tropical , tu es avec l´epé, tu estás com a espada, cantava o senhor das pinturas a pintar, serpente da fi do salão erótico de Lisboa, do conde do sport MC, do hexágono das formiguinhas da maria invertida, do aprender compensa, a LE, Ro, Ne que tapou pequenas folhas verdes em lençol branco de cetim, do quadrado do metro da escolha natural sol La driblo do traço negro no rectângulo branco do metro da vareta dobrada vermelha e branca, do escadote português de três degraus e altar do português da moeda amarela da águia do fio do P invertido, pal mal da chama violeta da dupla maria, das necessidades?, colher azul da vesica rosa que quebra os tijolos em múltiplos cacos e põem uma pena negra na grade metálica do rectângulo, canto esquerdo de baixo, castanha sobre eles, da irma que espeta a haste no olho esquerdo do inglês e do espanhol, terceiro, do quinto ró preto e rosa do beijo invertido da bt d 93, formiguinhas a passar, I q S, serpente da vareta da humanidade da universidade do vaso português para as compras em Espanha das produções fictícias dos piratas da net do filme do michel mo ré mais morangos, lei La cão de Imo ginger, singer, dos quadros azuis e brancos dos peixes bambo do erro mo e flor, relações publicas do kapo do europeu, e vó da vareta vertical da vaso da serpente da maria, pa do Rá , as noites de Lisboa, ernani?, da tavola da arvore mágica das formigas, d gancho da pena negra, cão a ladrar, luz da serpente ivo, pv C da blue re syn the ti nona serpente que entra na vesica da etic da má do tic A, 9 vó, serpente invertida branca e verde da formiga do cordão dos dois laços corrediços dos cigarros finos de filtro branco da espiga d´oiro do L Dl da mola dos soldadores ingleses, da folha dobrada das finanças chio da dobra da vareta de luz da grade portuguesa hot pizza Al da escova e do copo que é deitado ao lixo da maionese dos cogumelos má s. Roque do pingo doce dos cones 50 50 20 i Ce t e a, 60 euros, do fio da chaveta da cunha na madeira do vaso invertido do P ou do P inclinado à vareta vertical kapa, do bico da inversão do Y, quatro riscos da ginástica de argolas do laço b ao infinito do c da pauta de música ou musical, da vareta branca rachada do L do Bu que ri que envolve o circulo branco do mar L B oro dp , no dia X na fiada dos rectângulos verticais que sustentam as grades de prisão, da pedra da baleia da cunha, da chaveta que pisou uma flor lá dentro, uma asa de pomba do pássaro amarela da mimosa de chocolate do dia X , zona de CS do auto das hot pizzas, foice do bico Z do anjol do furacão primeiro na lua deitada para cima do rato que entra no P, como símbolo de Portucale, ouvi avião a jacto ao fundo, três ondas cinzentas em muitas mais que vejo depois, na pega vermelha do príncipe da dura celle dez euros do parque dos baloiços infantis protector, corpos danone, líquidos e pêssego e banana com colar no tubo do pássaro violeta e prata, 3 M, do segundo hexágono CML sopraram fortes as folhas, s t aaples co py, dos quadrados de dois vasos, um sobre o outro com leão azul invertido, rimas várias no Y, três folhas ao lado, uma por baixo das espinhas do bacalhau com luz dupla arredondada, or es ca e lhores, lloret, e cos pá a e com pó na primeira da porta dos tornados da serpente ua, serpente do infinito deitado, maria que atravessa o infinito deitado.

I homem primeiro da hora sete, dois pontos em baixo como quase exclamação dupla, vareta homem primeiro homem anzol do ponto da oitava vertical das sombras das grades no prego na laje, da chaveta do prego que suporta as minhas grades, da minha prisão, a espinha do fino e alto bico da onda entre duas verticais dos riscos sinuosos da serpente furacão da lâmpada de aladino de muitas pontinhas vermelhas, o mrpp , o ruam furacão do vento forte que chia r faz as coisas abanar, das caixas pretas da mina do sul da mãe que leva a menina pela mão, mdk, faby, Ra Tm fuck the cops.

id ari, a le x an d e r fe r nan des, portu gato sis K, sven sk, setima serpente do caso inglês, o ra do do K , serpente verão das crinaças e jo v en s, ex anes cam bridge, o surfista prateado, UN L , eco no mia e g e s t ão, gato electrico da serpente do cão dos furacões, de empresas, do pr das serpentes SA, z ip secu riti sYs T em out, 25100 euros e novembro 25100 euros, g ab ine te e s tudos, ban co e em pr e sa s fina nc eiras e s e g u ra doras, con se lh eiro s u ni ve r si tá rio s do in s ti tuto poli té c nico in t e r na cio nal ,li c bi e ta pica, ge s tão ur ban is tic a e hot e lei ra do guia Vi do s anto d as al turas, hoss ana, p´rá có no ovo homem e serpente finaceira ami goa serpente cem, o do fado de lisboa e coimbra do bairro alto e de alfama, o boss , bo ss, do guia de lisboa em 2003 do serpente homem do ping pong do shoping dos ol v ais. o be r trand da din t er mal, 4,84 euro do escudo de oro almada, terreiro do paço, be~lem , sintra e sé



E depois quando entrei no elevador, seu chão estava parado um pouco abaixo do que é seu costume, e achei que me indicava a cave e assim a ela desci e no caixote dos papeis estavam diversos jornais e revistas, oiro para os olhos cheio de amor para quem não anda abonado e lá dentro vi uma imagem que era semelhante a da chaveta onde depois uma folha aterrara mostrando-me a acção, a chaveta é um dos suportes da grade que está por cima dos dois hexágonos cinza da cml e a sombra que projectava nas lajes dos ondas de cinza era dupla, feita pela chaveta e pelo ferro vertical que estava à sua frente, fazendo um desenho de duas linhas que afunilam, partindo de uma posição próxima e num artigo que falava sobre a arte de fritar, como forma de capturar a alma das aves, que neste caso eram as melhores que vasco graça moura alguma vez tinha comido em citação francesa em casa de alguém, que expressamente dizia não querer desvelar, ficou assim a reverbar a semelhança em mim entre as duas imagens na sequência quase imediata que se apresentou ao olhar.

Agora ao escrever ouvi uma referencia ao ralis, e se bem me lembro um dos que foram do d dinis , os primeiros a lá chegar era o ruam do mrpp, quando do ataque dos aviões no onze de março.

E continuando as notas em sequência, a seguir a cops, e te r, uma mala verde, partida no furacão, o 8 do b de 92, 13, 13, 13, to Po t k ini Bo do carneiro invertido 6 a y s, gay´s serpente gay, les b vaso invertido c as, que se pode ler como lésbicas, ou serpente latina do vaso b invertido do às do C, wella, da dupla w do ella, El, La.

Hoje de manhã na TV uma antiga imagem, de blair e swazneger e a porta por detrás que se abre uma frincha que deixa desvelar um outro homem que não aparece o suficiente para se reconhecer, como a dizer, os dois pelo pensar, abriram a frincha da porta e depois o GB, gordon brown, for england em cima de um palanque, primeiro tropeça ao subir para ele, depois um enquadramento da multidão do congresso, onde as pessoas eram silhuetas, enquadrava um desvelado pormenor no palanque , que assim dizia, n w, n W, muitas dor de duplos vasos.

Porta A b 5 Fábio, do semi circulo azul, Raul 100% friends do vaso do prédio da nora, do lisbonenses, do belenenses do restelo, de dois traços negros que escorrem no rectângulo como o de charlestown, na baliza, ouvi pancada ao momento, o primeiro leão negro da CM em 99, dos quatro pontos vermelhos e dois amarelos a piscar, 54, co de 91 do xá Pt, do onze da Di A mat i cd de Espanha e Inglaterra, 62, 52, 6 G dos losangos D.B. 11 , 3, do 5 ró house maid vip , dos beijos invertidos , colher azul invertida do Zacarias, ela vai morrer, levar um tiro na cabeça na ilha dos amores, a outra já descobriu também, ...aquela hora, era o trailer na TV ao momento de passar estas notas, n traços 79-96 OL, n gatos todos OP do meu circulo , 93 OE, 9 ...,... do vó, 5o do circulo da estrela, primeira da tv.

Agora mesmo, a noticia, uma mulher no porto foi baleada numa perseguição

Na torre do fundo aqui aos olivais, onde estava o reflexo do bacalhau , hoje está um bico de três fiadas de casas, seis na base, triângulo 11 11 1, a invertido, S 11, bico ao 9º, e traços como marcas que abrem do topo direito para a esquerda baixa , da asa do vó dos doze duplos da jante de pneu da lança , ouço pancadas fortes, daquelas que abanam a terra e agua e uma explosão, passa senhora com um cão perdigueiro millenium preso na mala preta, na cave, mar cover do borja, da Diogo couto SA, do gps de sábado, 17 anos depois, a primeira pedra do rio, ex TT Rá, n TS.

O gajo assina tudo, diz o arguido no portucale, referindo-se a telmo correia, que inverteu o verdadeiro sherec , o jo C do mel da musica da gulbenkian, do trio da gulbenkian, Pt, o cristiano Ronaldo de milhões de porto santo, Miguel Santos vencedor do mba, primus inter pares, 99 serpente, microsft, o seu potencial , a nossa paixão, a amada de fogo do blizt, o sexto serpente que sai do vaso, a serpente do infinito que pica a foice da morte, no dia da um, a era, da madeira
perdizes divinais frites pour surpreende l´ ame das alemãs, vaso da ua, das folhas b 6 do transito de 98, 9´, os passarinhos que apanham as migalhas e as levam a arvore mãe, o primeiro da bomba da bd de 78, aki aos olivais zagalo maior de 72 das quatro anéis de prata na grelha, dos sapatos em bico da senhora de branco com mala da mesma cor e azul e rosa de mala preta e branca, serpente rato de 90 , sombra de duas pombas, das vivendas de trás de angola e da luz, do lourinho careca actor da luz, das três andorinhas , Bi de 98, bombas, A.V. 82 do beijo invertido, o xo, de 91 de prata francesa da loja do chinês lx de sapatos vermelhos vesica da fiat amarela , escorpião do comboio amarelo, do hexágono cml ou do rio do peito a escorrer, escorpião negro da Teresa vermelha e azul, alto e loiro tb cinza da vesica do comboio do jardim do Ra Di Al de Zurique.

No supermercado quatro garrafas de litro de coca cola tombam no tapete da caixa em seu andar e caíram em diagonal sobre pacotes de leite matinal, foi visível ao olhar o número dois, e a primeira imagem que me acorreu, foi a das duas torres gémeas, eram quatro as garrafas como se bem me lembro foram quatro os edifícios que nesse dia sinistro em nova Yorque desabaram, bateu as duas horas ao momento da escrita, o número da divisão e li depois ainda no centro, da estaca espetada mesmo na crista da onda ao amanhecer, serpente da estava, que cravou a estaca no meio da asa, o ambiente era África, a loja, a da salsa, zoom nikon af t 18 55 11 M 1.3.5.5.6, o patim da criança 64, na televisão da loja do cantor, a imagem era do novo encontro no médio oriente, o da UN, o Co da UN e me leão, a imagem da memória no instante, o Mello do Brasil

A menina loira, bela e pequenina andava à roda de sua avó, com passos próprios como um ritual, com passos de ritual, depois encostou-se em posição de touro inclinado ao cilindro largo e maior do que ela de alumínio com o circulo dividido em três aberturas em seu topo, onde está o orgânico e a avó lhe disse então cuidado e depois se foram a sua vida.

Pusera a menina em seu ritual brincar e desvelar a meu olhos e olhar depois de voltear em torno do alumínio antes de o tentar empurrar, seus pés poisados num dos traços da rosa do cento em circulo

E meu filho, cartógrafo real do real me ofereceu um desenho, diz o seu titulo, é o segundo invertido de este, do Rá e laço da dupla dor do duplo vaso da pá do lo e reza o desenho em seus elementos o seguinte,

Em seu centro uma vesica tripla, ou seja três vesicas que se repetem umas dentro de outros como as bonecas russas.

Na maior está uma face de mulher no corpo que é como uma como uma cruz . a sua face está no quadrante superior direito da cruz. O desenho estende os braços da crua, desenha mais duas verticais e uma horizontal na base e forma assim um rectângulo onde está um I que corresponde a trave vertical da cruz, disse-me ele que a menina está na cama, e então será a menina que foi crucificada na cama. A cama tem pés de dossel, que sobem acima do nível de seu estrado.

Diz-me a menina do leito, a primeira da humanidade deitada, da segunda onda.

Na segunda vesica, que está no interior da primeira, uma vesica com quatro traçinhos e uma cobra lá dentro que faz saltar o sapo que está à sua frente e que parece um cão, será então um cão do sapo.

Olha o cão do sapo, a terceira vesica onde está desenhado um quadrado

Há uma face no desenho, tem nariz de pinóquio e dois corninhos em sua testa, um diabo que mente, e se está num quadro, devera ser quadro importante da administração da Pt, me veio agora a imagem do conde do titulo comprado

Tem algumas administrações quadros dos seu dirigentes nas paredes das salas luxuosas das suas administrações com contadores da india do século quinze e tapetes únicos feitos a mão que custam fortunas.

As linhas do desenho do interior do rectângulo que é o quadro, são semelhantes a umas outras que apareceram hoje no jornal e sua imagem me subiu ao momento à visão. Acrescenta uma cor de fundo, o verde, a relva, o golf, e é de uma perseguição na América, de um carro da policia a outro que entrou por um campo verde.

Por cima das vesica à direita, está o sol à direita, e ele mesmo é vesica e me remete para um que eu tinha desenhado no dia anterior em meu caderno circulando os nomes dos portugueses que me tinham aparecido na sic noticias ao ralenti, um grupo salvo erro de onze, mas que não fixei todos pois as expressões de cada um em ralenti eram um livro grosso de muitas páginas sobre a alma de cada.

Tem 15 raios que parecem uma penugem e vertem por um funil para o circulo do homem da maria da esquerda, do circulo da visão ligado ao circulo da visão da direita por um ponte em circulo e que fazem seu desenho, uns óculos, sendo os círculos, as lentes.

Os lentes, os dois círculos de lentes de Portugal que se juntam em semi arco e uniram neste projecto todo, ou assim o tentam fazer tanto a direita como a esquerda, será portanto numa visão maniquaista à medida do maniquaismo de quem assim se vê na vida ou na ideologia ou no quer que seja, ou um circulo de magos brancos ou de negros, ou uma terceira via de um negro e outro branco.

Na lente da direita, à esquerda no desenho, debaixo do semi circulo de cima, duas mãos que são muitos mais do que duas simples mãos.

A que está mais a direita, parece ser duas mãos que agarram lateralmente um falo, como se lhe fizessem festas de vai e vem, tem o falo forma de bico e faca com um olho e de sua ponta saem quatro traçinhos que descem no olho para sul e para mais ou menos seu centro, já iremos à localização mais precisa do local do crime

A que está mais à esquerda, mas que continua na lente da direita, ou seja será de centro direita, tem como todas as mãos cinco dedos, sendo que o terceiro está espetado, tem forma e olho de cobra e de sua ponta descem também cinco traçinhos que descem para sul, se cruzam com os outros desenhando uma cruz, um ponto central nela na lente que em seu todo representa o mundo, é como um mapa do tesouro dos piratas.

Na lente da direita no desenho, do olho esquerdo real temos um M no que seria uma espécie de protector lateral daqueles que os alpinistas usam ou mais antigo, usavam os soldados que andavam de motas no deserto ou no combate de aviões, antes de se fazerem viseiras integrais.

No circulo, um traço que faz um Y deitado, uma serpente em z e um outro y deitado em posição simétrica que aponta como uma seta para uma outra pequena figura ao lado direito do circulo do lente esquerda, que é definida por um aro do circulo e um outro a seu lado mais irregular, que faz uma espécie de serrilha que remete por semelhança, pela sua irregularidade para a vesica que está dentro das três encaixada uma nas outras de onde saí sapo cão, ou seja o homem cão do sapo estará no circulo da esquerda e faz uma espécie de ondas a partir do circulo mais perfeito em seu interior, em direcção onde está um menino desenhado.

O braço direito do menino tem por cima da mão um circulo que é como uma seixo do mar, com perna que faz um nove invertido, a humanidade invertida, e lá dentro diz a primeira serpente, a que faz a onda no circulo, que dele parte, do circulo dos lentes da esquerda, seu outro braço, o esquerdo tem a seu lado no sitio da sua mão, figurando a mão, uma vesica com um anzol lá dentro no sentido de Neptuno, e um nove mais pequeno também invertido, portanto o homem que leva o filho, que o tira dos braços de seu pai, os pés da criança no desenho indicam o C 6.

Os braços do menino quando se juntam, desenham um y invertido em seu peito, que confirma o sentido da leitura acima, ou seja inverte Deus no coração da criança ao afastá-lo de seu Pai. Tem o Y invertido a sua perna partida, e existe um filho da babilónia que de facto mais ou menos nesse tempo do acontecer, quando a família foi quebrada, apareceu de muletas, é o me aparecera em espirito como sendo a lâmina máxima aqui em Portugal, seu nome josé socrates.

Na cabeça da criança, é visível o vaso que verte nel e faz o X no carneiro pai e o crucifica
Debaixo deste elementos temos assente num horizonte que é desenhado e figura a onda gigante com quatro pontos, à direita do desenho uma montanha que desenha um w do vaso e uma cabeça de tubarão da qual sai na zona de seu olho um outro balão vesica com um circulo, um bico com um angulo e uma indicação de tempo que também está em outro lado , da lua em posição deitada virada para o zénite.

Cinco dedos tem a montanha, montanha de cinco picos, cinco dedos tem a mão, cinco é o nume da estrela, um W e um tubarão a seu lado, na vida à esquerda do W, só tem um olho, donde é o pirata

Ao lado direito da montanha uma barca com uma grande pénis erecto de onde si uma espermatozoide serpente ao centro do barco que é misto pássaro e faca.

Ao lado esquerdo do pénis imenso, uma outra figura humana, o primeiro invertido no olho do furacão que sai do U da cabeça, que jorra da cabeça, pensado.

Diz a montanha que tem a face que olha o barco lamina e pássaro do pénis grande, Ah, Ah, nuca me vais vencer, responde o que vai no barco, isso é o que vamos ver e nesta frase com está grafada, um outro sentido complementar ao desafio e bravata do homem do vaso da dupla dor que também grafa M N V ou MNI, do vaso do Mini, na zona do pescoço, deve ter sido o local onde a lamina cortou.

E ainda , homem AA, no kA do ME do sis, serpente ao circulo é o que do circulo lançou o pau à cabeça da humanidade, da eu, o vaso que entrou na vesica e que dela fez sair uma serpente como um anzol casado com um bordão, um anzol do mo que laça o traço de cima esquerda do Y, um pássaro da M do rato das finanças.

Abro o atlas do nosso tempo à procura do ponto onde as rotas que saem das mãos do circulo da direita se cruzam que será o local, da deita e o processo da elaboração da faca.

O ponto da boca que faz girar a lamina circular que penetra o tambor e corta um dos cornos do pénis gigante

O ponto do pegasus, o cavalo do céu com asas onde dentro do céu está o circulo do mundo, Lisboa, Rio, Londres e New Yorque

O ponto se cruza no mar vermelho, onde o reflexo e assinatura se deu no navio se afundou e morreram muitas centenas, num ponto entre Nilo e Eufrates e a península arábica, o laço da corrente negra gerado pelo transformador do vaso de agua vermelho debruado a negro com cruz branca em seu interior, que está por debaixo, ou atrás das três vesicas que se encaixam com matrioskas e tem no zénite do laço a vesica grande do sol com 15 raios, quinze seres

Quem de direito, de preferencia a policia se ainda existir a funcionar autonomamente dos perversos que a comandam na inacção com que pretendem cobrir o que chamariam de crime perfeito contra a humanidade que proceda à verificação das viagens a estes locais, que deverá ter-se realizado em lua decrescente em vésperas da primeira das quatro grandes ondas, sendo a primeira, a primeira que afectou o sudoeste asiático em dezembro, na qual deverão ter tido encontro na região do local.

Poderão ter lá estado o circulo inteiro dos quinze mais a maria, ou só maria e o homem do sis do mne, cujas prováveis iniciais serão M N V ou MNI ou mesmo o socrates cuja perna partida poderá ser só sinal de eco e assinatura da proximidade e ligação com a maria, provavelmente a que vem a ser referida nestes últimos textos.

O avó lavou a roupa, a roupa é toda da Rita
O rato roeu o ramo

6 cam, serpente de LA, ve Ari, maria, for ma ss, a Gâmbia do Zaire da sola do Qatar e da Tailândia dizia-me o painel da bela cisne portuguesa e Goa, que é muito jolie, a espectadora acrescentou, bali ou mali, a ana do gato do bau

Anita s e lap da tia à eta na Gâmbia, serpente do angulo matinal, a me do Ra b serpente do circulo do Zaire, bau serpente DN do atlas mali ana gata Qatar e Tailândia, do aterrar dos aviões, vi agora um com um pedra em Luanda

a in asa z na tm T gato na da ana e ia italiana serpente do homem ba e AA 9 dos ais da vareta man El1, às do ba tman do dia alta s o Al ais pala, pá de LA do ui do Ra


e para hoje em beleza terminar, aqui louvo,


Xavier moro, capitão da minha alma, a de Marta, que bela paixão indiana, fadas e traição, acrescenta a barbara, Ah moura, a ana, que belas és a cantar!, elefante em loja de porcelana, Anita delgado

...
vaso do dia K homem ie f
continua...