terça-feira, agosto 21, 2007

ah amada, que a cidade está cheia de cartazes redondinhos que dizem , vai uma rapidinha, e eu estou mais numa lentinha, o livrinho se estende e se estende nas entrelinhas das linhas entretidas e tecidas em amor a ti e contudo nada tenho contra elas, as rapidinhas sobretudo se forem, eternas, uma vez assim, outra assado e ainda outra diferente, estou brejeiro amada, para não explodir como um maçaroca transgiénica, perante tamanho circo

e o senhor todo pimpão aperaltado, que a lei é para todos, e não me responde, e pensará senhor e os senhores, quanto senhores se podem chamar, por acaso, que uma espiga de milho, ou uma questão à volta de campos de milhos é mais merecedora do respeito pela lei do que um roubo e tortura de um filho?

blá e blé e blé da treta das contra informações de todas as ilusões, e o homem inventa como sempre, hoje o milho modificado, ontem a propriedade privada e o respeito e antes o porquê disto tudo e mais além, se são homens e pais, já que pelo menos os cargos que dizem desempenhar, prova provada provadissima está de que não o fazem, nem sabem fazer, nem lhes mora ideia util, nem coração para o albergar.

e a destruição, a via correcta, coragem ratinhos de passo em passo até ao fundo do abismo final, que criativiadade não vos falta nas saladas em que misturais tudo para criar os nevoeiros das ilusões

não falta comida no mundo?
não está porventura o corpo grande em parte abandonado a fenecer?

e vem uns e dizem, sem trans, não existe mesmo plano de a todos alimentar, mas a racionalidade da produção está a vista, tolos e tolinhos, a cair no fundo,

isso, isso, inventais e descobrireis depois ao fazerem de aprendizes de feiticeiros, as consequências mais tarde, muito mais tarde, que já cá não estarão, curtos as curtas vistas de quem não tem coração,venha a peste negra ou amarela ou outra, de repente em massa, porque pensais que os organismos se modificam, serão eles , estarão eles vivendo isolados do resto do corpo, serão porventura ets como vós que vão cegos, muda ali, muda aqui, e muda acola, no mesmo lá que se transforma mais tarde ou mais cedo em grande fá, misere, misere

e depois a rebeldia civil, a costatação dos que vem dizer que estão pelos outros entre a espada e a parede, brincais, vós todos que não garantis a presença viva e diária da justiça neste país e depois vos espantais, com esta imagem?

oh filabusteiros dos partidinhos, porque em vez de virem a terreiro nem sei de que milho, não me respondeis ao que aqui vos venho perguntando sobre o rapto em que alguns com a complacência de muitos que mentem e cobrem e trazem meu filho?

ao grupinho do sol em tres foices, talvez para o cortar aos pedaçinhos, porque não vão à casa do miguelinho e do francisquinho e lá entram e trazem os bens para a rua e os dividem e dão aos pobres?

vamos começar a resolver assim o milho e os problemas do milho?

as vossas balanças vão tortas , os ventriculos não equacionam os auriculos e vice não versa, blá e blá e circo e muito circo, de bilhete a borla pelos raios catódicos e vem um ministro e outro e outro ainda, ministro não sei de que função nem de nada, e se discute a acção da guarda, porventura ficariam felizes, uns, se a pancada tivesse reinado?

e se fossem todos presos? para quê, se nem sabem nada de justiça, falta justiça, faltam homens nesta terra e o circo dos medias faz o falso pão e as barrigas com fome, aqui no acola que é um mesmo lá no uno lado

e veio logo o ministro e hoje mesmo dizia, rápida a conta e contar que o prejuizo do agricultor fora de 3900 euros com e sem iva dupla das duplas tributações legais e plenamente justificadas à luz da justiça manhosa das vossa manhas, senhores, justiça, sabeis ainda o que é? ou já se habituaram a ser escravos, desde que o pingue no fim do mês, que vossas senhoras e os vosso senhores cumpram regularmente a função de vos dar milho a tolos, e que hajam bikinis para ver verões torridos da vida torrada,

espantavam-se meus olhos se ainda se pudessem espantar, tão rápido, precioso e exacto, e festinhas no homem e tudo, e quanto a uma criança raptada e coberta pela corrupção do negro polvo que sois e que cultiveis e deixais andar, nada, silêncio,

e uma espiga de milho, mais valor que um filho?

segundo Meu Pai,ambos são filhos, vós certamente os bastardos, do comércio do diabo com a besta que trazeis dentro de vós a espumar misérias, que a peste desça no peito de cada um de vós

circo de macaquinhos amestrados, peguem lá amendoins no entretanto, depois quando terminar o livro vou por-vos uma trela em cada um e levo o bordão, o maior que o caminho me deu

e proventura fizeram algo do que vos disse,

as casas aumentaram seu valor em seu modo de construir?
trazem elas vestidos de paineis solares?
fizeram delas centros produtores de energia e de rendimento, visto o crédito ser de risco, porque a quem o deram, não tem dinheiro para o pagar, foram inteligentes na forma de reproduzir o milho, cultivaram bem?

ou pensaram que coma falta de crédito da operação iriam fazer mais valia?
tão pouco assim conheceis os perfis, e os meracados?
e as cidades passaram leis que estendessem a construção em vez de a concentrar em caixinhas de fosforos?
e trouxeram as arvores e as plantas para o lado e para dentro das casas?
e naquelas que tem condutas de lixo, já as dividiram e multiplicaram para de acordo com os critérios à data de reciclagem?
e já pensaram melhor neste assunto, ou ainda não se deram conta da imensa confusão e do consequente desperdicio na própria reciclagem, ironia das ironias?
e já aplicaram o mesmo pensar, conceito e solução às aguas da cidades e do uso domestico, que não, mais canos, valha-nos o diabo dos custos a crescer e do lucro a estreitar
e já resolveram o problema da poluição amosferica nas cidades
e dos modos de locomoção, ou ainda estarão entretidos a pensar se poem ou não o cimento equivalente a uma nova muralha da china na ota a ver se portugal, se torna de vez jangada a solta no fundo do mar?
ah que não, os radares, são solução, dão rendimento e não protestam
e as escolas das gentes pequeninas, já tem jardins e riachos e professores e paredes e equipamentos modernos?

hoje o apelinho do banco falava dos ninjas, não rendimento, não pagamento, quem são então os ninjas desta história, quem assim como maus ninjas se comporta, quem não faz nem parece saber fazer o render?

e se esqueceram de como são os balões?

que se mete lá um ar mais leve do que aquele que respiramos ou não, sendo que no primeiro caso sobem, os outros não, mas ambos com o passar do tempo se esvaziam e que isto é noção e regra de valor e de valor mal visto, porque mal medido, porque mal pensado, sem imaginação critiva nem saber, e que sempre que assim é, um dia mais tarde ou mais cedo, tudo tende a esvaziar, mera acção da correcção do mercado pela acção do fundo da gravidade, e depois façam lá as contas, se o que se perdeu nos mercados e mais o que foi injectado, a quantos no mundo que morrem todos os dias e que nem mesmo casa ou comida tem, daria para salvar?

anda tudo doido, amada, tudo no circo a facturar no arame vazio sobre o meio do ceu de nada, sem coração a dar a dar, só falta mesmo chegarem os leões, a ver se de novo os comem, assim pelo menos haverá carne para os mais necessitados, um bocadinho mais radical do que ir arrancar milho em ceara alheia

ainda existem seres pensantes, aqui em portugal?

ou será já muito imaginar?

Ah Amada, milho, és tu para mim em campo infnito de amor, ummilho que se come e volta a comer e dá sempre mais , um mistério do campo, da sementeira e do colher

sentença, para os meninos,

ir cultivar o que destruiram, de preferencia convencendo o senhor que os plantava a plantar milho não trans, se o milho trans der maior rendimento no quadro da asneira montada, então que encontrem e ponham de pé novas formas de rendimento de forma obstar que o seu rendimento não decresça no entretanto, se forem mesmo bons de coração e consequentemente tiverem olhos e saibam ver e queiram mesmo o bem fazer, que o aumentem ainda, assim farão prova ao mundo que melhor solução existe, porque fostes capaz de a fazer, ou irão esperar por vosso pais, que vos venham acudir?

e no entretanto, garantir à familia afectado os rendimento normais que traziam

ah amada, chega depressa depressinha, que eu tambem sou milho e estou em ponto de rebuçado, é do calor do verão


pn vaso figueira da dupla dor do pm

será que lhe dói alguma coisa, ou será mais, pm, de paulo miguel,
certamente que a ele não lhe doi nada, pois parec mesmo não existir,e ao que não existe nada doi

deve ser contudo da história anterior

dizia-me o espirito que a maior parte dos malandros que vão sendo listados pertencem ao quadro daquele que porta tal insignia, sem a saber mesmo usar, talvez como o betão na ota, se afunde com o peso dela.

cu, cu, estás aí alguém?
alguem sabe o que é a justiça?
alguem pensa que ela é importante no dia a dia?

é favor contactar Deus sobre o assunto, se é que O conhecem, coisa dificil visto parecer, tudo mas tudo assim o indica,pois nem vos conhecem a vós próprios

quero o meu filho de volta, e aguardo ver o que se diz ser presidente e o ministro da justiça e o da agricultura na televisão a dizer que a lei é para todos, que as queixas apresentadas são para proseguir as investigações que pela sua natureza dela decorrem, bem como a expressar voto de fidelidade à justiça e voto de afastamento dos corruptos, sobretudo os que estão no dominio da justiça, pois quando assim não é, se abre caminho para destruir os campos de milho alheio, quanto o milho e o campo e o agricultor é alheio, ou assim não estudaram na escola

corruptos e cobridores de corrupções e incumpridores das leis, vós que dizeis por elas velar

quadrado do circulo da kapa da vareta grande do vaso no dia da dupla dor do y inglês da dupla dor do gato dos muitos xs , yen, vareta grande do principe zaz , do duplo z primeiro, com o primeiro no meio