segunda-feira, julho 21, 2008

Ah doce senhora de meu Coraçao
Que não sei por onde andais
A meu perto
se bem que sempre vos veja
em meu Coraçao
pois nele habiteis

A home de dc do circulo da ce da s en hor ad e me u cora são do quadrado da eu do en cão da se do ip circulo do ron de anda isa am eu pe rato to se be maior quadrada da ue se mp rato evo serpente veja em me vaso cora çao p circulo do is nel e homem abi te is

aqui ao sul onde agora estou, as andorinhas todos os dias me vem saudar, e tu nelas, feito elas, assim volteiam a minha volta e me mostram as cores, negras e brancas e os reflexos de denso azul, que eu imagino a cor do ceu do amor em teus alhos e teu olhar, aqui faz geralmente muito vento, quando cheguei assim foi nos primeiros dias, moram baixo aqui as andorinhas, fazem seus ninhos em meios favos nas esquinas dos tectos baixo das arcadas dos prédios e dos telheiros das casas, e assim voam em volta deles e de mim , ao perto muito pertinho, que as vezes penso mesmo que uma em mim virá poisar, numa das primeiras noites amada, ali estavam tres debaixo do vao dos prédios, tres empoleiradas num varão metálico, dormitavam, e que bonito era de ser ver, mas traziam frio, dormiam assim tres juntinhas muitos juntinhas, e tremiam um pedacinho no frio, a do meio de repente, se cansou de estar assim meio entalada entre as outras duas, a dormir, passou com seus pés por cima de uma das outras e se encostou de novo ao lado, assim faziam, para se proteger em seus sonhos e sonhar, outras vezes passam elas com comida em seus bicos, e pedacinhos que levam para fazer seus ninhos, ah amada são tao belas de se ver, gosto tanto de estar rodeado delas, e me perco sempre em sua rápidas voltas e seu brincar, outras vezes chegam e me conduzem o olhar, e eu sei que és tu, que é o nosso amor que assim o manifesta, e te beijo em secreto muito e te digo palavras doces a teu coração e fico feliz, quanto o possa estar nas condições em que vou, melhor é sempre ter-te ao perto pertinho, e dançar assim a voar muito chegadinho em teus abraços, o abraço e o abraçar, a lua grande no ceu se pôs , nasceu vermelha sobre o horizonte e eu vejo teus reflexos de prata estenderem-se no grande mar e neles em ti me deito assim em canto de encantar, no dia maior, a maré como nas vezes acontece mudou, e ontem de manha a praia , aqui que é pequenina mais uma vez por umas horas desapareceu, as crianças, assim ao principio meias tímidas subiram para os barcos como canoas de índios e fizeram suas navegações na praia de outrora, que belo de ser ver amada, todas contentes, andavam nas canoas pela praia fora, entre os chapéus de sombra e as cadeiras afundadas, aportavam nas pequenas ilhas, saltavam, chapinavam e se riam muito, curioso nome trazem aquelas canoas, paraidise, uma declinação de paraíso, em estranhos modos, para do par rai id da di ise, assim parecem contar, dos wild systems, acrescentam uma espécie de subtítulo, vaso do sistemas selvagens, entenda-se os digitais, eu na amurada cá de cima a vê-las , com muitos outros adultos que por ali estavam na ausência temporária da praia, um criança mais crescida, com uma camisola do brasil, atirava uma pequena bola laranja e preta com um logo em t, que batia na curva da muralha das pedras onde estava, atirava na minha direcção na base do pequeno lago que a praia se tornara, uma estranha espuma meia amarelada como café, ali se formara em sua superfície, uma lata de coca cola, prateada, preta e vermelha, assim meio torta , meia a superfície, meio afundada, por ali ia navegando, depois subi a rua com o jornal dos bandidos na mao, ia assim mais ou menos lendo a ultima pagina daquela estranha coluna que dá pelo nome das alegações finais, dos bandidos a julgarem bandidos, a brincar aos momentos na eternidade, era um homem do instituto de emprego e formaçao, olho ao lado, e ao momento o espirito assim me desvelou, o responsável pela maior cruz que me fizeram em noventa e oito, espantoso, nem creio conhecer assim o homem, talvez uma vaga memória de sua face, face encravada, e blá e blá sem blé do costume, de todos os que estão a frente de institutos publicos e que não sabem fazer bem suas função, mas que sempre arranjam desculpa e explicação para o justificar, e nada se passa, salários e regalias garantidos, se calhar já na praia a banhos, de consciência tranquila, se a tivesse, face aqueles que dia a dia engrossam as fileiras dos necessitados, cada vez mais a classe média a pedir apoio a instituições como o banco alimentar, o cinto para muitos a apertar,


aqui ao s u l onda agora espanhol ll da cruz to ua serpente ando rin homem as todos os di isas sas me vaso em serpente au dr a, e cruz do vaso de nelas, fe it to el as, as si maior vo da primeira teia da am da primeira min do homem avo do primeiro ta e me mo st ram as co rato espanhol da ne gata do ra se br am ca se os rato e f l e x os de den serpnet do circulo az vaso primeiro, quadrado da ue au ima gin cir u c lo da ac do co rato doc eu do am do mr oe m te us ao primeiro homem os e te vaso do primeiro homem do ar, aqui forte do az ge ra primeiro e mn te mui to ove en to, do vento, quadrado da ua muito do che gui as si maior do forte do circulo ino serpente do pr e mei ros dias, mo ram ba ix o aqui do y ua das san dorinhas doninhas, f az em se us nin homem os em meio serpente f avo sn as espanhol do quadrado do vaso ina sd os tec circulo os ba ix o das a rca da sea serpente do si maior vo am em vo do primeiro ta de primeiro espanhol , e de mim , ao pe rato to mui to pe rato cruz em homem do circulo, quadrado da ue as vaso e ze serpente p en serpente do circulo do me serpente emo quadrado da ue uma em mim vo rá p o isa rn uma das pr e me iras no it espanhola am ad a, al e est vam cruz rata espanhola de ba ix circulo do vao do serpentes da p é di os, cruz rata espanhola e mp vaso da lei ra da sn primeiro do vaso maior do v arao mel t al e co, dor mit ava am vam, e quadrado da ue bonito e ra de ser v e r, ma serpente t ra z iam fr io, dor m ima as si maior cruz espanhola j un tinha serpente da mui cruz os j un tinha set rato emi iam um peda circulo em homem em circulo do fr io, ad o meio de rato ep en te, se can serpente do circulo do vaso de es t ra as si maior mei circulo do en tala da en cruz ra sas do vaso da cruz ra sd vaso da asa dor mir, passo up elo serpente da se us p é s p circulo rc ima de uma das o u t ra se s e en co sn to u den ovo ao l ado, as si m f az iam, para se pr ot e ge rem se us s on h os e son h ar, o u t ra s v e ze spa s sam el as com co m id a em se us bi co s,e peda ç on homem os quadrado da eu do primeiro da eva am para do forte az e rata da se us nin homem os, primeira do homem da am ad da primeira são do tao de belas de se eve rata, gato do os tot nat ode espanhola cruz ra rode dea da ode la se me pe rc circulo se mp r ee em serpente ua rá pida serpente das voltas e se vaso do br inca ro u t ra serpente vaso e ze serpente do che ega gato da am e mec on du zorro emo olhar, e eu se e q ue é serpente da cruz vaso, q ue é em osso amo rata quadrado da ue as simo da manifesta, e te bei jo em sec rata to m u tio e te digo pala vaso do ra sd o ce sa t e u cora sao e fi co fe l i z, q ua n to o p os sa est ar nas c on di ç o es em q ue vo u, mel hor é se mp r e te r do traço da inglesa te ao pe r to pe r tinha, e dan ç ar as sima vo ar mui to che g ad in ho em te us ab ra ç os, o ab ra ç oe o ab ra ç ar, a l ua g rande no ceu se p os , na sc eu vermelha s ob reo ho rio zon te e eu v e jo te us r e f l e x os de p rat es te n de rem do traço da inglesa se en p g rande mar e nel es em ti me de i to as si m em can to de en can t ar, no dia maio ra da maré c omo nas v e ze s ac on tec e mu do ue on te m de manha a pa raia , aqui q ue é pe q eu nina mai s uma v e z p o rum as hor as de sapa rec eu, as c ria sn ç as, as simao pr inc ip i ome ia st i midas s ub iram para os ba rc os c omo can o a sd e in di os e fi ze ram s ua sn ave g a ç ao es na o u t ro ra pr aia, q ue belo de ser v e ramada, todas c on t en t es, anda ava am na s canos pe la p ria f o ra, en t reo s c h ap e us de s om bra e as ca de iras q f u dna do as, ap or ava am nas pe q e un as ilhas, sal t ava am, ca hp pinavam e se r iam mui to, cu rio son ome t ra ze ema q eu la s can o as, pa rai di se, uma dec l ina capo de corte do para is o, em es t ra n h os modo spa ra do par rai id da di ise, as si m pa rc em c on t ar, dos do s w i l ds y s te ms, ac r es c en tam uma es p é cie de s ub títu dez, vaso do sis t ema s se primeiro vaso da primeira ge ns, en ten da do traço ingles da se os di gi tasis, ac r es cen tam uma es pe cie de su b til u o, eu na am ar ua da cá dec ima ave de traço ong pr ie mr rio espanhol de as , com mui to s o u t ros ad u l to s q ue por ali es t ava am van ana au s en cia te mp o r a ra da pr aia, um c rian ç ama is c rec id ac om uma cam i sol ad o br as i l, at ira ava uma pe q u ana bo la l ar anja e pr eta com um l ogo em t, q ue bat ia na c ur v ad a m ur alha das pedras onda est ava, at ira do traço ingles do v ana min h a di ra ç º cao na b ase do pe q u en o la g o q ue a p ra se tor na ra, uma es t r anha es pe uam mei am ar e l ad ac omo ca fé, se fr oma ra al i em s ua s up e rf fi cie, uma l at ad e co ca co l a, p rate ad a, pr eta e vermelha, a s si m mei ot orta , meia a s up e rf fi cie, mei o af un dada, por al i ia n ave gan do, d ep o is s ub ia rua com o jo rn al dos bandidos na mao, ia as si m mai s o u m en os l en do a u l tim a pa gina da q eu la es t r anha co l un a q ue d á pe dez no me da s al ega ç o es f ina si, dos bandidos a ju g ar rem bandidos, a b br inca ra os mo m en to s na te r eni dad e, e ra um home do i sn titu to de e mp r ego e for maçao, olho ao l ado, e ao moe mn n to o es pei rito as si m me de es velo u, o r es posa san ave l pe la maio r cruz q ue me fi ze ram em no ove en ta e oito, es pan t oso, ne mc rei o c on he ce ra s simo o homem, t alvez z um ava gata am me maior seta roi ad es ua face, face en circulo rava da, e segundo lá e b l á se m blé do co s t u me, de todos os q ue es tao a fr en te de i ns titu to s p ub l i co s e q ue n cão serpente abe mf az e r b em serpente ua serpente do forte da un cc sao, mas quadrado da ue da se mp rea rr quadrado muito do j am de serpente do cu primeiro pa da culpa, ee x da p primeiro e caçao para circulo do j us ti fi car, para o justificar, en na da ase da passa, sala rio ser ega li as gata do ar ant id os, se cala homem do ar do j ana ap raia a ban homem do os, deco ns cie muito c ia t ra quadrado da ne vaso e dez, sea t iv ess e, face aqui do eu do primeiro espanhol do quadrado da ue dia da primeira da dia en gato ros sam as fi lei ra sd os ne ce serpente da sita do sc ad ave zorro masi ac lasse mé dia a pe di r ap a oio primeira e ns titu circulo do corte espanhol do circulo omo do circulo do ban co ali men cruz ar, circulo dc em to par am vaso e to serpente da ap e rta,

ontem o eco tinha trazido mais dois tremores de terra, um no japao, salvo erro com sete virgula sete e um outro de menor intensidade no faial, maxima segunda coluna, a encaixar nas assinaturas anteriormente desveladas nas ilhas, quando da visita de cavaco, e no texto anterior, que assim rezava sobre o visto numa foto

Ao primeiro ado doca sal, primeiro home do vaso maior quadrado da ue bate de palmas à serpente ua passa sage ms ua cam e sola, te maior di dos versos da di ze ratos serpente, di versa das letras, nela sas si maior lei circulo, serpente en gun do , circulo do na zorro e primeiro as da cruz vaso do gal , circulo do primeiro aço do quadrado do ás do t r ian gula de dez de fogo serpente ob reo serpente sd do is circulos de P, b segundo vaso da gata pr i me ira, se gun do ps, pá da gina gata ian da terceira,

olhava a praia , e tentava perceber o que e novo se passara, o espírito me falou de diversa e muitas coisas, retive uma delas, das duas meninas irmãs , as gémeas filhas do mickey mouse, que teriam andando a brincar com as minhas palavras, as rimas acrescenta agora o espirito, sendo que quando de novo vira os vídeos que publicara, o do eléctrico, vinham de preto até mim..., desaparecera na primeira vez o som, ou sej a dá precisa indicação de qual teria sido o video e as rimas usadas, o génio da gémeas, recordo de um dias as ter encontrado de raspão na plataforma do metro onde se muda de linhas ali ao pé do estádio do leao, ali estavam elas de repente, naquela estação onde outrora um passe com um Y , suplemento de um jornal, me fora feito , num final de tarde em que o comboio muito e em meu entender, propositado, se atrasou

on t emo e co da tinha t ra z id o masi do is t r emo r es de terra, primeiro mr no do japao, sal vo e rato ro com sete vic rato da gula do sete e um outro de m en circulo do rato in te com muita sida den circulo do faial, maxima se gun da co primeiro un aa en caixa rna serpente sas sin tauras ant e rio rata que mente de serpente vela da sul norte as das ilhas, quadrado da ua muito do da visita de cavaco, e no do texto ant e rio rata, que as si m r e za ava s ob reo vi is tio muito da primeira do f oto, circulo do pro primeiro homem ava ap rai a , e t en cruz ava pe rc ee br o quadrado da ue en ovo se pa serpente da sara, o es pei rt circulo do me falou, fa do falo do lou, o do comboio, de di vaso e rata sa e muitas co ias ,rata eti vaso e uma de lea sd as do as menina sir ma sas ge me as fi pr i miro homem as do mic k e y do mo use, quadrado ue te r iam anda dan do a br e cna rato com as min homem a spa primeiro vaso do ra sas das rimas ac rata espanhol da centa agora do circulo do es pi rito, s en do q ue q ua n do de no vv ira os v id e os q ue pub l i cara, o do el e c t rico, vv in ham de pr e to at é mim..., de sapa rec e rana pr i me ira vaso e zo som, circulo do vaso do sej ad ar pr e cisa in dc iac sao de quadrado da ual te rata ia sid oo v id e o e as rim as usa da serpente do circulo dao geni o da gémeas, record ode primeiro dias as te ren c on t rda ode ra spa on a pal t a forma do metro onda se mu da de linhas norte sul ia o p é do est á di o do leao, al i es t ava am el as de r ep en te, na q eu la est ac sao onda o u t ro ra um passe com um Y , serpente da up le men to de um jo rna al, me f o ra fe it o, num f ina al det arde em q ue o com bi o mui to e em me u en tender, p do rc postado, seat ra serpente do circulo do vaso

ah doce senhora de meu coração, aqui uma rua há, onde subindo se sente o cheiro a figos, sabe, é tao bom por lá passar e sentir assim o cheiro, do figo que a senhora é, polpa de lábios, carnudos, doces, rasgados, a muito beijar, de manha a praia é das gaivotas, o areal está deserto, o mar geralmente acorda calmo e doce como uma canção de embalar, vêem elas atras dos pequenos barcos dos pescadores e poisam na maré como pequenos veleiros, olhando todas a direcção da faina, aguardam os restos, numa paciência de budas, um outro, provavelmente da família da Fernando capelo, volteia em circulos sobre o mar, mais trade em grupo, aproveitam as correntes ascendentes sobre o mar, e sem esforço se elevam

a homem do ce s en hor ad e me vaso do cora sao, aqui primeira rua homem á, onda serpente do vaso segundo indo se s en teo ce iro a fi gato os, serpnet abe, o sabe, é tao segundo om por pr ie mr rio á passa r e s en tir as simo che iro, do fi g o que a s en hor a é, po l p ad e l a ´ bi o s, car nu do sd o c es, ra s gados, a mui to bei j ar, de man h ~ aa p raia é das gai v ota s, o a rea l est á de se r to, o mar ge r la men rt e cao rda ca l mo e do ce como uma can sao de em bala r, v ee m el as at ra sd os pe q e un os ba rc os dos p esca dores e p o isa sam am na maré c omo pe q u en os v e lei roso l h ando todas a di rec sao da fa ina, a guarda dam os r es to sn uma pa cie en cia de budas, um o u t ro, rp rova v el mente da f am milia da fe rna da cobra capelo, vo da primeira teia em cir cu l p os s ob reo mar, mais t ra de em g rup o, ap rove i tam as co rr e sn te sas c en dentes s ob reo mar, e se m es f o rc de corte o se el eva am


hoje de manha , o espirito me falou da foot print do gang dos bandidos que a foot print do gang tinha sido descoberta, para que eu traçasse o cavaleiro, pura e simplesmente o seguisse, através dos brinquedos de praia, cavaleiro me subiu à consciência, o bastos, que agora aparecera nas letras a propósito de maddie, e tambem uma outra noticia, de um outro homem ligados as lides do toureiro, uma vez aqui neste livro já convocado, ligado ao campo pequeno tambem, onde uma visao quando da presença do auster, aqui se manifestou, que ao que parece em dia recente ao não dar com sua coluna, percebi que estava doente, e nada por acaso, no acaso o é, fico a pensar no video water time, com a Diana, na vesica gigante do calatavra com a estrela de ferro de múltiplas pontas por detrás dela, lendo um livro, o livro que era o livro da agua, e tudo acelerado à sua volta, como agua fluida e rápida de uma cascata que no eterno é e escorre, ah amada, hoje de manha , as nuvens para a ponta de sagres entravam descendo com uma montanha que se prolonga sobre o mar, como que aumentado a terra, e por cima delas outras pequenas nuvens, a dizer, que as primeiras eram montanhas, montanhas de nuvens cinzentas meio feias que escorreram da ponte de sagres, uma troca se desvelou, um trade, uma trade com a vila de bispo, no final do pontão, um gancho de carro me falou do gancho do horse power escoses no principio da decada de noventa, uma bela rapariga vestida de branco, loira como o sol, saudava em posição reiki, o sol, encheu-me os olhos em seu passar, ontem de madrugada a névoa era fina e húmida, quase parecia chuva miudinha para ela sai, as nuvens passavam baixas e rápidas pelas lua, que belo é quando assim elas fazem, a dar o tom da velocidade das coisas e do seus acontecer, no jornal da manha, que os que espiavam com equipamentos da policia, para fins particulares e impróprios, o faziam entre outros para a coca cola, que estranho, ressoar, i´m loving it, é uma bela frase que a muitos se aplica, e que é sempre bom de ouvir, a quem nos ama , se de amor se trata, na tv, por um instante ontem a meus olhos aberta, tranquilidade, apareceu, a reverbar nas ultimas palavras como patrocinador do um concerto, meet lof, o rolo de carne, e b cinquenta e dois, ressoara no video onde deles falo, que remete para a guerra no Vietname, e necessariamente para esse tempo, preciso de saber já antes de irmos mais longe, se me amas, sim amada, que te amo pelo tempo sem tempo, por toda a eternidade e o amor me conduz e por ele sou conduzido, depois se acrescentava a linha de todas as inseguranças, mas ela é mais nova do que eu, neste caso tu, e mais bela, ah senhora, que isto é puro veneno, e o sabeis tao bem como eu, que idade e que tempo, trás assim um amor como o amor a nós nos traz, senhora minha, existe algo mais belo que um amor assim, tao forte, tao estranho e tao maravilhoso, tendes duvidas de meu amor, chegai então perto, senhora, para o sentires ao pé, aquilo que sentes ao longe onde teimais em vos deixar, só um cego e um tolo, não reconheceria o amor, e poderia fingir que ele não existe, ah senhora amada, pensais assim porventura que sou assim tao cego, ou burro?, encaixa na pergunta recente, foi o gossip que a matou, sentido que seria figurado, tambem não creio que o gossip te possa matar, terias que ser cobarde para assim acontecer, e eu te conheço a coragem, é uma das facetas do amor em que te trago, , tudo pelo amor, sempre tudo pelo amor, amada


homem oje de manha , circulo espanhol pi rito me falo vaso da forte circulo ot pr em cruz do gang dos bandidos quadrado ue a forte oo cruz pr em cruz do gang tinha serpente id circulo descoberta, para quadrado ue eu cruz ra ç as se circulo cavaleiro, p ur a e se mp ile serpente mente circulo se gui serpente iss e, at rave sd os br em quadrado eu do sd e p roi ac c ava e li ro nme serpente un circulo vaso à co ns cie en cia, circulo bastos, quadrado ue agora aqui par ee ra nas letras a p rop circulo rato serpente ot de mad dia da ue, e ta m b em uma outra no tic cia ia, de um outro h omem li gado sas das lides do tor vaso rei ro, uma ave za aqui nest el iv ro j á c on vo cado, li gado ao cm ap circulo pe quadrado e un ota m b em, onda primeira visao quando da pr espanhol ença do au serpente te ra aqui se m ani forte espanhol to vaso que ao quadrado ue par e rec ce em dia rec en te ao n cão da ar com sua co primeiro un a, pe rc cebi quadrado vaso e est ava do ente, en ad ap circulo rac osso, no ac os circulo é, fi coa p en sar no vaso id e circulo da w at rata e tim e, da di anan, na ave e z ica gina gn te do cala cruz av ra com a estrela de ferro de mul da cruz do sargento deitado da p primeiro ip as pontas por de cruz rás de la, primeiro do ned circulo do primeiro livro, circulo li vaso ro quadrado ue e ra circulo li vaso roa da agua, e tudo ac el ar ado à serpente ua vo primeiro ta, como a g ia forte lu id a e rá id ad e uma cas cat aqui do quadrado ue no e te rn do no é e espanhol co rato rea h am ad a, h oje de manha , a sn uve sn para a ponta de sagres en cruz rava am de sc en doc om primeira montanha quadrado ue se pr ro leo em gás sobre circulo mar, co mo quadrado ue a un men cruz ado a terra, e por rc ima de primeiro as outras pe quadrado e un a sn uve ns, a di ze rato, quadrado ue as pr i me ria se ram montanhas, mon ts n ah a sd en uve ns cin zen cruz as mei circulo fe e zorro serpente que espanhol co rr e ram da ponte de sa g rato espanhol, uma cruz roca sed espanhol velo uu m cruz rade, um cruz red e c oma vila de bispo, no fi ina primeiro do p on tao, primeiro gancho dec ar ro me falo vaso do gancho do horse power espanhol co se sn circulo p rin cip io da dec ad a de noventa, uma be la rapariga vaso e ts sida de br anco, loi ira circulo cm oo serpente circulo primeiro, serpente au da ava em pp os sao rei e ki, circulo serpente circulo primeiro, en che vaso do traço da inglesa me os olhos em serpente eu passa ron te m de madruga da ane vo a e ra fina e h vaso mida, quadrado vaso ase par e ceia c h uva mi vaso do un ham para e la as i, circulo a sn uve ns passa ava am sam ba ix ase rá pida serpente pelas lua, quadrado ue belo é quando as si me las forte az ema da ar do circulo do tom da vaso do elo da cidade das co i sas e do se us acontecer, no jr na al da manha, quadrado ue os que espanhol pe ia ava vam com e quadrado vaso epa men ts da sd policia, para fi ns par tic vaso lar espanhol e i mp rop rio as, circulo forte az iam entre circulo vaso cruz ro ap ar aa coca do co la, quadrado ue espanhol cruz ra n ho, rato ess circulo ar, i´m primeiro circulo vaso ingles it, é uma be la fr ase que a muitos se pali ca, e quadrado ue é se mp rato e b om de circulo vaso vi ira quadrado eu mn os am ase de amo rata set rata, na tv, por um i sn cruz ante on cruz ema meus olhos ab e rta, cruz ra n quadrado vaso i li dade, ap ar rec e ceu, a rato eve e rb ar nas vaso primeiro timo as pala vaso ra sc omo pat rici on ar do primeiro concerto da meet de dez forte do c irc do dez do rolo de c ar ne, e segundo das cin do quadrado e un ta e do sir esso ra rn no vaso id e circulo onda de primeiro espanhol falo, quadrado ue reme te para primeira guerra n bo vi eta nme, ene c serpente sári aa am men rte para a esse te mp circulo pr e ciso de serpente abe rato j á. Ant espanhol de i rato mo serpente m a is primeiro on ge, semem en ama serpente, si mamada, qu e te am circulo pe dez te mp circulo se te mp circulo, por toda a e cruz rato ni dade e circulo amo rato mec on do ze por el espanhol circulo c em do z id circulo, de ep circulo is se ac rato espanhol cent ava primeira linha de todas as si ns segur ancas, mas el a é maior sin ova do quadrado ue e vaso do neste cao tu, e masi be la, a h serpente en hor a, quadrado ue us to é p ur ro vaso ene no, e circulo serpente abe is tao b e mc omo eu, quadrado ue id ad ee quadrado ue te mp circulo, cruz rá sas si m um ama or com oo a mr circulo a n ó sn os cruz ra z, serpente en h ro am min h a, e xis te al g om a is b elo quadrado ue um amo rato a serpente si m, tao foret, tao espanhol cruz rato anho e tao mar avi k primeiro h osso, cruz en de serpente du vaso id as de me ua mr, che g ai en tao pe rato to, serpente en h ro ap do para circulo serpente en tires ao p é, aqui elo quadrado ue serpente en te sao primeiro on ge onda te ima is em vaso os de ix ar, serpente ó vaso mc ego e um cruz olo, n cão rec on he ce ria circulo amo rato, ep ode ria forte em gi rato quadrado ue el en cão e xis te, a h serpente en hor aa mad a, p e sn a is as si mp or vaso en cruz vaso rta quadrado ue serpente circulo ua ss si m tao c ego, circulo vaso b ur ro do pn to da foice do ar, en caixa na pe rato gun ta rec en te, forte oio g os serpente ip quadrado ue a mato vaso, serpente en cruz id circulo quadrado ue se ria fi forte ur ad ota am b em n cão c rei circulo que circulo g os serpente ip te ps circulo sa mata ra, te ria serpente quadrado ue se rc on barde para as si m ac on tec e rato, e eu te c one home do circulo do corte de coa cora ge mé uma das forte ac eta sd circulo amo rem quadrado ue te cruz rago, tudo p elo amo rato, se mp rato e ru do pe dez a mao ramada

acresço ao desvelado quando da manifestação da queda das laminas do estore, recente acto manifestado e aqui narrado, que ao lado da janela uma pequena cómoda está, em cima da mesinha, uma moldura em forma de vesica , insuflável, tipo bóia vermelha vodafone de praia concessionada, com uma foto de meu filho ainda bebezinhos, a já se conseguir pôr de pé encostado e seguro às coisas, está ele apoiado na chaise longue com asa vermelha em semi circulo e de assento negro de alcantara tecido, sua figura me desvela, as orelhas, ou seja o mec, da cobra tripla da kundali, tipo ps tor alemao, escondida por detrás dele, figura no meu candeeiro italiano, sendo que em seu topo, as tres cobras fazem cada uma um anzol, ou seja as tres cobras do tres anzóis, o seu pequenino dedo indica apontando a almofada de riscas verticais negras e brancas ou seja do maçónico, de onde sai uma ponta de um cinto, como um faca um lingua de uma cobra, a serra ao joelho apontada, que serra o joelho vinda do foret da serpente do partido socialista, assim se le nas letras de um livro que sobre uma mesinha ao lado dele está,

ac r es ço ao de es velado quando da m ani f es tacao da q eu da das l am minas do es tor e, rec en te ac tom ani fe t sado e aqui ina r ra do, q ue ao l ado da jane la uma pe q un a com o da est + á, e mc ima da me sin h au ma mi l dura em forma de eve sica , i ns u f l ave do pr ie mr rio, t ip o bo ia vermelha vo da f one de pr aia c on ce s sio n ada, com uma f oto de me u i fi l h o a inda bebe z in ho, a j á se c on se gui rp ô r de p é en co ns t ado e Seguro às co i sas, est á el e ap o iad on ac h au ze longue com asa vermelha em s emi circulo e de as s en to negro de al can tara tec id o, s ua fi g ur am me de es vela, as orelhas, o u seja o mec, da co br at rip la da k un dali es condi dida por de t ra sd el e, cu dez s eu pe q eu nino dedo indica ap on tan do primeiro almofada, cozinheiro de rato das iscas v e rt ica sin e gata ra se br ancas o u seja do m ac oni co, de onda as i uma ponta de um c int o, c omo um f ac a primeiro li n g ua de uma co bra, a serra ao joe l ho ap on t ada, q ue serra o joe l ho v inda do foret da se rp pen te do par u do soci al ista sas si ms e le nas letras de primeiro livro q ue s ob re uma me i sn h aa o l ado del e es t á,

por debaixo da sua foto, uma outra, numa praia, dois casais, elas de rosa e branco respectivamente, a rosa do branco, ou da cor da morte, eles de calções, um amarelo e outro vermelho com um dupla vesica invertida em sua anca, ou seja, as duas vesicas que morreram vermelhas e brancas, jogam os quatro uma bola grande de praia insuflavel, que trás tres gomos, nas cores, amarelo, branco, a vesica central, e azul sendo amarelo e azul, como duas luas em quarto crescente, ou seja primeira decrescente, a vesica branca da morte, veia veiga vaso en cia da viela de viena, em seu permeio e depois a outra azul em crescente da serpenet ize si do ze dos dois pontos do terceiro do bar do rá do meio do grupo onze da x na estrela das duas aspas inclinada made in taiwan, sendo a moldura em seu logo, o mundo como a rede da net, atravessada verticalmente, entre nadir e zénite com uma lança de duas barbelas, da hor kanh, kant do pat ten ted in taiwan usa pr circulo do japao, germany, pta pe ding in france uk, made in taiwan e ao momento em que isto escrevia, em meu caderno, ou que o lia, o telefone lg, um seja o angulo do primeiro gato, fez pi, avisando que estava com a bateria carregada

poe de ba ix o da s ua f oto, uma outra numa pa rai, dias ca sai sela as de rosa e branco r es pe c t iva mente, a rosa do branco, o u da co rda mor te, el es de ca l ç o es, um am ar elo de dez e o u t rove rm l ho com um do up la v e isca in v e rid a em sal anca, o u seja as do as v e sica s que mor r e ram vermelhas e br ancas, jo r g am os q ua t r ro uma b ola g rande de pria i ns u f l ave l, q ue t ra st r espanhol do gomes, nas cor es, am ar e elo dez do branco, a ave isca c en t ra l, e az u l s en do am ar e dez e az u l, co mo du as l ua se m quarto c r e es c nete, o u sej a pr i me ria dec r es c en te, ave ica br anca da mo r te em s eu pe r mei oe de ep o isa o u t ra az u l em crescente da se rp ene net i ze si do ze dos dois pontos do terceiro do bar do rá do meio do g rup o onze da x na estrela das do as a spa sin c l ina dama de in t au w an, sw en do aa mi do primeiro da Dura em seu l ogo, o mundo co mo a red e da net, at r v ess ad ave rt tica le mn te, en t rena di r e zen ni te com uma l ança de do as das ba rb e la sd a h o rata kan homem, do pat ten ted in t au w an usa pr circulo do japan ana, ge rato maior any, pta pe di ng in fr anc em uk, mad e in t au w an e ao momento em q ue is to es c r e via, em me u ca de rn no, o u q ue o lia, o tele fi me l gato, primeiro seja do circulo do angulo do pr em ero gato de fez pi, av isa san do, do quadrado ue est ava com a bate ria car r ega gado

ao lado da moldura e desta clara foto, uma caixinha em forma de vesica, com uma figura que diz la reine min da cruz do circulo do vaso y do pastilles net, que é designação do miguel esteves cardoso, wt primeiro do terceiro do bar do rá do quarto, tres quartos do oz da triangulo de fogo aberto com um A lá dentro de p la vi gn y , do primeiro lp do angulo da puta ne

ao l ado da mol dura e de es ta clara f oto, um ac a ix in h a em forma de eve e sica, com uma fi gi ur aqui da ue di zorro de la reine min da cruz do circulo do vaso y do pa s ti ll espanhol da net , wt primeiro do terceiro do bar do rá do quarto, tres q eu rt os do oz da t rai de muitas gulas sd e dez de fogo ab e r to com um A lá den t ro de p la avi do vi gn y, primeiro p do angulo da puta ne

maio quadrado da vareta do homem gato