terça-feira, dezembro 02, 2008

O cio da press do ps na casa fernado pessoa do com da partipim, um episódio na ultima montagem que levou a grande desgraça na india, texto começado em onze de novembro, e sendo como já vos disse, alguns já tiveram a este texto acesso, pois o roubaram de meu computador , assim me desvelou o espirito , depois passado uns dias, porvavelmente quando já tinha hama ac esso a este texto, uma estranha noticia, que houvera uma grande confusao no
final de uma reuniao do que se diz ministro da cultura com seus acessores, e que ele lhes dissera, que já tinha mandado prender muita gente, coisa estranha por parte de um que se diz carrear funçoes de minsitro de cultura, parece quase goebbls, a dizer, quando oiço falar de cultura puxo logo da pistola,



O rigor geométrico das coisas ocultadas e das coisas desveladas em seu próprio sereno e perto espaço, era o rigor próprio das coisas próprias, numa linha se desvelava a primeira parte da preposição ao perto de meus olhos, depois da grande introdução, a cena bem montada, contava assim uma linha do espirito do redor, se é que as vozes existem no redor, como o cantar dos pássaros, pois surdos e cegos sempre os houve e haverá, mas cegueira propositada, de cara assim feita menina a reafirmar o impossível, dá vontade, assim de morder, uma pequena mordedura na carne, pois é amor em que a trago, assim mordendo como que dizendo, porque me mentes, senhora, porque insistes nessa postura da face parada olhando em frente como num banquinho de escola do povo pequenino, quando a professora se torna insistente na pergunta, e o menino no levantar do veu que tao bem se conhece, pois senhora amada, tudo em si são aguas cristalinas, assim o faz e o fez o amor, assim o fadou a si,

O rato do gi do rr igor ge om da cruz rico das co ia soc uk cruz ad primeira das sedas do co ias de serpente da vela da ad ase ms europeu do pro da rop da p rio ser neo e per to espanhol do paço, e ra circulo dor do rato igor pro da rop da p rio das co ia serpente pro da rop p ria sn primeira linha sed espanhola vela ava ap rime ria da ap arte da pr da ep co circulo da siç sao o ao per to de me us olhos, dia da ep do circulo da is da dag rande em cruz rod do vaso da sao, ac en ab em montada, vc em cruz ava as si maior primeiro da linha do espanhol do pei rito, dor red or, se é quadrado da ue as vaso do oz espanhol da se e xis te mno red circulo do rc omo circulo da can tar do s p ass aro serpente da, p sir cu dez do is sur do sec ego serpente da se do mp reo serpente do homem do circulo da uve e homem ave rá, mas ce gato do eu ira pr ep circulo da sita ada, dec primeira ra as si maior f e eta maior e ni na primeira rea fi rato do mar circulo e mp os serpente do nono el, ap ps ot dez primeiro do circulo da serpente da vontade dea as si maior mor de rum da primeira do pe quadrado do vaso en da primeira mor ded vaso do ra na car ne, p do circulo do is é amo rem quadrado da ue em ra goa ss em mor quadrado do en dó, di zen do, por quadrado da ue me men te x s, se mn hor a, por quadrado da ue in sis te serpente ness spa do os da tura da face do para ad a o l homem do ando em fr en te com on primeiro ban quin ho de espanhola cola do p ovo pe quadrado da eu nino, quadrado da un do ap do por rf esso ra set circulo da rna in sis cruz en te na per gun cruz primeira, e om eni ino no primeiro eva van av cruz rato do vasp eu, quadrado da ue tao segundo em sec em he ce, p circulo do iss serpente en hora mad at vaso do em si são gato au sc rato do ista primeiro ina sas si mo forte az e circulo de fez do circulo do amor, as si mo fa do ua si,

ah senhora, assim uma mordedura pequenina e delicada, como quem chama a atenção, ou talvez melhor dizer, a chama da atenção, como sacudindo para o real, depois olhando melhor, vejo em suas costas o sulco, como uma marca que trás dor, acabara de escrever a sua amiga, finalmente a saga, e em mim ecoava, saga, de que saga falaria, senhora, pois se sempre as sagas são à medida de nós mesmos, sagas e sagas existem, a magia dos corpos, os pequenos baloiços em seu dedo irmandados, como velas da lua e do luar, seria assim a imagem tao poética de poesia pura, ou amargo trazia em seu peito a amargura a amargar, pois o sentido se estrutura sempre a partir do centro de seu coraçao, ah menina que belos finos e delicados dedos assim com as unhinhas tao bem desenhadas e arranjadas, assim os dedos dos olhos desenhavam as linhas do entendido no visto e até naquilo que os ouvidos tentam nas vezes fechar, saga repercutia-se num texto que eu acabara de publicar, os barcos de prata em seu dedo tambem, ecoavam na linha das bananas e da falta delas nas mesas do amor, e da cobranças entre os conjugues, as canções dos pássaros elevados do espírito sucedia-se assim como ondas serenas que aportavam na rebentação como em noite de luar de lua gravida e cheia, que parecidos são, eu me olhava num espelho imaginário em si, e via o tamanho das pupilas no azul sereno de seu olhos, talvez o mesmo ar de meninos assim meio traquinas, talvez os gestos largos, talvez, uma certa forma de pousada estar pousado, contudo nos ombros sempre são visíveis as asas que se agitam por dentro do coraçao, ouvem-se mesmo nas vezes seus arrulhos, como raras brisas, acrescentava depois uma outra cançao,

não a magoaria eu, não, esteja tranquila bela menina, era assim tipo pensamento de namorado a namorar pela cabeça a mordiscar perinhas

muito cão da p rime ria mago aria eu, muito cão , e st j a cruz da ra muito do quadrado do vaso da ila be la me nina e ra as si maior da cruz dt ip ode pen sam m nete de namora do ana mora rp e la cabe eca am mor di sc car das rp das pe rinhas

primeira do homem serpente en hora, as si maio uma mor dedu ra ap pe quadrado eu nina e deli ca da, com o quadrado do eu mc hama a at en sao, circulo do vaso da cruz alve zorro do x mel hor di ze rac hama da at en sao, dep o e sol mão mel hor, do vejo en tao em serpente da ua sc ota serpente do circulo do sul co, com o primeira ma rca quadrado da ue cruz ra se maior da cruz primeira a ad da dor, ac ab ra de se espanhola circulo do rato da eve ra serpente ua amiga, fi em al e mn te asa gata a, e em mim e coa ava, serpente do sg ad e quadrado da ue da saga do forte da ala ria, serpente da en hor ap o is se serpente e mp rea ss primeira da ge da primeira são à med id ad e nós me serpente mo serpente da sa gás espanhola primeira do gás e xis te ema magia dos corp os, os pe quadrado do vaso en do os bal loi circulo do corte do os em serpente eu dedo dot rim man dada daos, com ove das velas primeiro as da primeira al ua e do luar, se ria as sima e mage maior do tao do poe tica de poe serpente da ia p ur a, circulo do ua mr ogo t ra zorro da ia em serpente do eu pei to primeira da am ar gata ur aa am a gata ar, p o is os en tid circulo da se est ru tura se mp rea par tir doc en cruz do rode serpente do eu cora sao, as si mos dedos do serpente dos olhos de serpente da ne hama as da linha serpente do circulo en cruz en dido no vi serpente do to e a té no quadrado da eu e primeiro do circulo de dez quadrado da ue os circulo onze do ears vaso do vi do st en tam nas vaso e ze serpente da f e cha ra sg ar ep per cut ia do traço da inglesa se nu maior da te x toque eu ac ab ra de pub lica s ros bar cos de p rata e mm serpente eu dedo t am b em, e coa ava vam na linha das ban ana seda falta de primeira as nas mesas do primeira do mr oe da cobra segunda do circulo do corte do as en cruz do reo sc em ju gato ue espanhol, a once rato serpente do spa do ass aro sele ava ado so espanhol do pei rt to serpente do vaso da ce do dia do traço da inglesa se as si mc omo ondas se renas quadrado da ue da primeira porta do av vaso mna r e b en taçao, com circulo em ni it e de luar del ua gata ravi ida e che ia, quadrado da ue par rc id circulo da são, eu meo primeiro homem ava num espanhol do pe do primeiro ho ima gina ari oe maior do si, e vaso do ia ota do man ho das p da up da ilhas no az vaso do primeiro da se do reno de serpente do eu circulo do primeiro p rim do ero do home os dos olhos, cruz alvez o ome da me serpente do mo da ar de me nino sas si maior do meio ot rac quadrado do vaso da ina st alve zo sg es to serpente do primeiro argos, cruz al vaso e x zorro, uma ce rta forma de pousada e ts sar rp da p circulo da usa ado, contudo no serpente do om br os serpente da en pr espanhola são vaso da isi vie das isas aa serpentes quadrado da ue ase a gi tam por quadrado di en cruz ro do cora sao, circulo da uve maior do traço da inglesa se me serpente do mo na serpente do vaso e ze serpente do os se us ar rup primeiro do homem do os, com do circulo do rato da ar as br isas, ac do rec da en cruz ava dn circulo do quadrado da ep do quadrado do is da primeira outra can sao,

caso é para dizer aleluia, aleluia, que um dos perigosos vírus parece que hoje se apagou do coraçao das bestas, contudo e sem nada de desculpa, lhe chamo bestas na mesma, pois se pode ser doente do olhar do coração e continuar a pensar bem, o que decididamente não foi o caso, pois a divida neste particular produziu enorme acumulado, e tudo no vaso se compensa no genero em que se origina

caso é para da di ze ra al e lui ia, ale lui primeira do q ue primeiro dos pe rig ossos vi rus pa rece quadrado da ue home oje se ap a gp do vaso do co raçao das bet dos ts as, cin tudo es em nada ded ee sc vaso da primeira pa, l he do chamo be sta sn am es ma, p o is se p ode ser do en te d o olhar do cora cap de corte e conti n ua ra pen sar b emo q ue dec id di damen te n cão f oio caso, p o isa id divida ne es par tic u l ar pro du z i ue en o r me ac u mula ado, e tudo no vaso se com pn sa no g ene ro em q ue se o rig ina

pois andaram anos para entender o que sempre foi de se entender, por ser a natureza intima do ser e das coisas, e hoje vinha a bela noticia que finalmente tinham na tal chamada europa morta, acabado com as perigosas ideias de normalização do tamanho dos frutos e quem sabe de quem mais em suas cabeças bestiais, não de bestial, como quem se diz, que bela perinha ali vai, a minha frente a caminhar, num compasso de encantar, mas de bestial de bestas, pois a beleza reside na diversidade, e impor normas sobre tamanhos leva sempre a mesma velha história e fim, eugenização, hoje, pelo alegre balouçar das ditas, amanha, pela cor de um cabelo, ou de uma forma de pensar ou ser, e sabes que mais, como consequência da vitoria do certo, até os frutos ficam de novo mais baratos, quem diria, da importância do justo num mundo como sabemos sem fome, contudo, quantas milhões de toneladas ao lixo assim se deitaram na doença dos negros corações dos burocratas, e quantos no mesmo entretanto se foram por ter falta de comer!?

P o is ana da aram ano s para en t en d ero q ue se mp r e f o id e se en t en der, p o r ser ana ru rei n t mad o ser e das co isas, e h oje vinha ab e la no tic cia que fi na l mn te tinha do ham na t al c hama da eu r opa mor rta, ac b ado com as pe rig o sas id deia sd e no rn mali iza sao do tam n ho dos fr u to ze q eu m s abe, to ze do circulo da ms o sabe, de q eu m maís em s u as cab eça s be st tia is, n cão de b es tia al, com o q eu m se di zorro, q ue be la pe rim h a al e iva ia mim n h a fr en t a ac cm min h ar, n um com passo de en can tar tat, mas de b es tia l de b es sta s, p o isa beleza rei sd en a di ver sida dade, e em por das norma serpentes s ob re tam anhos l eva se mp rea me s ma velha hi s tóri a e fi me eu geni iza sao, h oje, p elo al gre bal lou car das ditas, am anha, pe la cor de um cab elo, ou de uma forma de pen sar o use r, e s ab es q ue masi, com o co nse u q en cia da vitoria do ce rto, a té os fr u to s fi icam de n ovo masi ba ratos, q eu m di iria ria, da i mp o ran cia do ju ts on um mundo com o s abe emo ss em f ome, contudo, q u antas mi l h o es de ton ala da sao luxo as si m se de itara na do ença dos negros cora ç o es dos b ur roc rt as, e q u anto s no me s mo en t r eta n to se foram por t r e f al t a de co mer primeiro foice

Pelo menos a aparente cura, se não aumenta a produção em uma grama, pelo menos tambem não diminui a que já existe, o que não é mau caminho, embora insuficiente, e o tic tac dos relógios daqueles que trazem agendas e reuniões, sempre tica taque, e nada de melhoria nisto se vê, irra que são loucos e perigossimas bestas!

P elo m en os a ap ar e ren te do cura, se n cão au men t aa por du sao em uma g rama, pe ll o m en os tam b em n cão di min vaso do ia q ue j á e xis teo q ue n cão é m au caminho, em bora in sufe cie en te, e o ti c t ac dos r e lo gi os da q eu l es q ue t ra ze ema ma g en da se rato do eu ni o es, se mp r etic at aqui da ue, en ada de mel hor ia ni serpente do to ze vaso do maçon ê, e rati ra que são lou co se pe rig os sima sb espanhol sta serpente dupla az da lança cravada na terra

Já viu bela menina de meu coraçao se qualquer dia lhes passava pela doença da mortal cegueira, começarem, a aparar as belas pêras das meninas que estariam fora das normas anormais que em si trazem, ou começassem a fazer o mesmo ao tamanho dos colibris, era caso para acordar como se, se estivesse estado num enorme pesadelo

J da + av vi vaso da be la me nina de m eu cora sao se q ual quadrado dz zorro do wur dia p rime rio homem espanhol da passa ava pe la do ença da mor rta p rie me iro mr cegueira, com eça rem, a ap ar primeira ra s b e sino primeiro as pera serpentes das meninas quadrado da ue est rai am forte do circulo onze ra das norma san circulo ano rato do mais quadrado da ue em si it ra ze emo mo do vaso do com eça ss ema f az ero me serpente do mo ao tam anho dos co l libris, e ra caso para ac o r da r com os e se est iv ess e estado nu mn en ome pesa de elo primeiro doc irculo dez

a primeira rapariga no baile da sala que na sorte calhou o cumprimentar, fora a anabela, continua bela a anabela, como se vivesse mergulhada no leite do rejuvenescimento eterno, será amor?, quem o saberá, que eu não, me disse assim em passant, então tudo bem, lhe respondi logo, súbito e curto que não, mas que estivesse tranquila que não lhe ia ali desenrolar o rolo da queixa da alma, inteira, a rapariga quase fugia e eu me recordo dela um pouco mais pousada, na realidade me recordo da anabela, a ultima vez que a vira ali ao pé da casa na av poeta mistral, na tabacaria, e me recordo de outras vezes antes, no âmbito da profissão, por assim dizer de comunicação

a ap rime da ira da rapariga no do baile da serpente da ala quadrado da ue na serpente orte ca al primeiro do home do vaso do duplo circulo do cu mp rim en cruz do ra, for da primeira ana be primeira de la, conti muito ua ab e la da primeira ane do segundo do primeiro da primeira, com do circulo da se vaso do nono do ess e mer da gula hd, francesa, em circulo do leite dor e ju vaso da eni sci do men to e cruz do reno , se rá am o rato da foice, quadrado do vaso do emo sabe que eu não, me di serpente da sea ser pe ny te do si me mp ass san t, en tao tudo segundo em, primeiro he rat da ep do ps son di primeiro do gato do duplo circulo do cio, serpente do vaso da bit do oe do curto quadrado da ue en cão, mas quadrado da ue est nono ess e cruz ra anca do vaso da ilha quadrado da ue muito cão do primeiro he ia ali de serpente da en rola aro do circulo do rolo da quadrado do vaso do nono, a da alma, em te ira a ra pai g a q u ase f u g ia e eu me recordo de la do primeiro da p do circulo do vaso do co ma si ip do circulo onze da isa ado, na real id ad e me record do circulo da anabela, au primeiro da cruz do ima ave zorro quadrado da ue av ira al ia do circulo do pé da circulo da asa na av poe eta mi st ra al, na t abaca ria, e me recordo de o circulo do vaso do dot da cruz do ra serpente do vaso eve ze serpente da ant espanhola, no am bit circulo da por fissão, por as si maior da di ze rato de com uni caçao

ah bela menina, que a história nesse seu pressuposto, não bate assim a bota com a perdigota, e quanto mais penso no que logo senti, ainda na altura do anuncio do lançamento, e no que agora em sua alma ao perto vi, foi de um susto e em sua aparência grande, o que se passou, a menina insistia olhando o frente assim de lado, que as substancias químicas dos antibióticos de hoje são fortes e coisa e tal e assim o é, ambos e muitos o trazemos sabido, coisa mesmo boa de se saber porque assim em tendência menos os usamos, ou mesmo só os usamos quando estamos assim mesmo mal, nos pinos das noites sozinhas em nossos quartos assim com velas pequeninas ardidas, imagem bela e doce como a menina partimpim é, e que ecoa em mim, em velas, outras em bancos de prisão, evocadas pela memória em dia recente na palavra escrita

pr ima ira do homem da be la me nina, quadrado da ue primeira hi serpente do tór ia ness es eu pr ess up post ton en cão bate as sima segunda ota com ap do per di g ota, e quadrado do vaso anto mais p en ser pen ny e son o quadrado da ue primeiro do gato do duplo circulo da serpenet en ti, a primeira inda na al tura do anu de muitos cio do lan circulo do corte da am en to, eno quadrado da ue agora em serpente da ua ala am aa do per to vi, forte do circulo id e primeiro susto e em serpente da ua ap ar rec ni a gata rande, o do quadrado ue se do que se passou, am eni ina in sis tia olhando o fr en te as si m de sino primeiro ado, quadrado da ue as serpenet do vaso do segundo do stan cia serpente do quim mica sd os na t ti bi ot ticos de homem oje são forte do orte sec circulo da isa eta p rime rio e as si mo é, am bose mui to serpente da ot ra ze emo serpente do ab bid circulo , co isa me serpente do mo boa e serpente es do ab e rp orca quadrado da ue as sis me maior da cruz en quadrado en coa men os o serpente usa sam os, circulo do vaso da me ms ss acento no circulo os serpente da ua am mos os quadrado do vaso en do est am os as si maior do me serpente mo maior da al, nos pi ino serpente das noites serpente do oz em homem as em no dos ossos quartos as si maior do om das velas pequeninas ar didas, e mage maior bela e doce com circulo da p rime ria em nina par tim pim é, e quadrado da ue e coa em mim, em velas , circulo do vaso da cruz dot ra se maior do ban do cos de pr isa são do circulo do evo circulo da ad as pe la me mor ia em dia rec en te ema pala vaso do ra es circulo da rita

sentado estava no final da sala, quando a senhora de padrão de leopardo com quadrado de prata na gola passou em minha frente e se sentou a meu lado, conversamos no fim, quando o david ferreira que eu cumprimentara, no final das intervenções dos oradores, ele me perguntara como ia a minha vida, lhe disse, david, não o sabes, então isto aqui não é uma pequena província onde toda a gente sabe da vida dos outros, nao trazes tu relaçao com o to ze brito, nao sabes que me piratearam obras, e as editaram, o david, ia dizendo que não, eu lhe respondendo mas estás vivendo em marte, não sabes que sempre me fizeram guerra neste pais e que agora até chegou a me roubarem o filho, e ninguém me responde nesta terra, nem o supremo, nem a ar nem a policias, david, ia dizendo que não, eu lhe dizendo o mesmo que tinha dito ao to ze, dou-.te o beneficio da duvida, contudo uma pequena nuance aqui por abono da duvida na verdade ou da verdade na duvida, neste livro da vida e do julgamento dos ainda vivos, como pensam estar, já o rapaz me estendia um papel dobrado como o que seria o seu telefone, que não aceitei lhe dizendo do endereço onde em forma publica e universal se encontra a queixa e a acusação perante Deus, seus tolos, que nem mesmo sabem o que se passa

s en cruz do ado est ava no fi muito da al do sala, quadrado do vaso do ando ase maior da hor ad ep adao de leo pardo com vaso do quadrado do ad ra do det pr rta na gola p ass circulo da ue maior min homem a fr n te e se seprnet do en to ua am eu lado, circulo em versa sam os no fi maior, quadrado da ua ando do circulo do quadrado do david avi quadrado da fer rie rac quadrado da ue eu cm mp rim en tara, no fi em al das inter vaso dos en ç elevado do circulo cio do espanhol do serpente do circulo do ra dor es pam hola, el em me ep rato da gun tar com do circulo da ia da primeira mina do homam vaso d ia, primeiro he di serpente da se do david, quadrado do avi id, dn cão os ab espanhol, en tao is to primeira do quim cão é uma pe quadrado do vaso en ap do pro vin cia onda toda a g en te serpente abe , o sabe, da vi dad os circulo do vaso da cruz ros, na e ot ra ze st vaso da relaçao com d oto ze brito, na ap os ab espanhola do quadrado da ue me pi ia primeira rata ram ob ra sea se id dt tara am do aram, o quadrado do s argento avi id, ia di zen do q ue en cão, eu da p rime rio he rato da ep ps son quadrado do en do mase stá serpente do vaso do nono e en do em mar te, n cão serpente do ab espanhol do quadrado da eu da se mp reme fi ze ram gato eu ra ne ts pa ise quadrado da ue agora a té che gato do circulo do ua am me urubu ar emo fi kapa do home do oe nin gato eu maior mer espanhol do ponde ne sta terra, ne emo serpente do up romo, ne ma ar ne ema poli cia sd avi id, ia di zen do q ue en muito cão, eu primeiro he di zen do ome serpente do mo q ue tinha dito ao to ze, do vaso do traço da inglesa .teo segundo ene fi cio da du vaso da id primeira, contudo uma pe quadrado do vaso da ue en a nu anc e aqui por ab bona dad vaso duplo id ana ave rda dade circulo do vaso da ave rf dad en vaso ad do vaso do ia, nest el nono ro da vi da e do ju la gm muito do to dos primeira inda vaso do nono os, com o pen sam espanhola tar, j á circulo do ra p az me est en dia primeiro do pap el do br ado com oo quadrado da ue se ria os eu tele forte do one, quadrado da ue en muito cão ac ee te ile homem da di zen dodo en de reç o onda em forma pub li ca e universal se en circulo em cruz ra aqui da eu ix a e a ac usa sao pe ra muito te d e us, se us cruz do falo da serpente, quadrado da ue nme me serpente do mo serpente do ab emo quadrado da ue se p ass primeira

e nesse momento a senhora que levava a camisa de leopardo com quadrado de ondas de prata, como ondas do mar, na conversa entrou, e disse ao david, que eu estava muito aborrecido com a situação como se via pelo meu falar, eu logo por dentro lhe agradeci, nao há nada como uma senhora inteligente para perceber logo as coisas, e assim começámos os dois a conversar, que era a senhora que fora a segunda esposa do pai do david, o mourao ferreira, que trabalhou em relações internacionais, conversa simpatia, fluente e um belo coraçao, nos confidenciamos, os dois, que a historia da tal virose, não tinha pés nem cabeça, ali estava bela menina do meu coraçao, um outro olhar, que confirmava o meu

a é ness e mo men to a s en hora q ue l eva ava a cam da misa de leo pardo, conde italiano do filme com o bertolucci, com do quadrado das ondas ed dep rata, como ondas do mar, na c on v r es a en t ro ue di s se ao d avid, q ue eu est vaso vam am u i to ab o rr e cid o c oma si tua sao com o se v ia prelo m eu f al r, eu l ogo por d en t ro l he a g ra dec ina h á na ada como uma s en h r o a intel i gn te a ra pe rc e be r l ogo sas co ia se as si m c one cm os o s do isa c on versar, q ue e ra a s en hora q ue f o ra a se gun da es posa do pai do d ac cv do mo u r º ao fr e rei ira, q ue t ra bal alho ue mr e la ç º o es inter rena cio na si, conversa si mp pat ia, flu en te e um b elo co rc cia sao, nos condi d en cia am os, os do ia, q ue a hi s tori a da t al vi da ruse, n cão tinha pé s ne mc cab eça, al i es tva be la me mn o iad om eu cora sao, umo vaso da cruz do ro olhar, quadrado da ue mec em fia am vaso da am eu

depois começara a apresentação, falara o que se diz ministro da cultura deste pais, o tal das quotas das produções fictícias e da venda de sua participação nelas, no valor de um milhão de contos, eu aí, menina quando o vi rodeada daquele fictício senhor, e de muitas ilustres piolhos da chamada área da cultura, logo pensei para meus botões, mas será que a bela menina conhece as más companhias com que anda envolvida, fará parte do mesmo clube, ou será por ser assim meia estrangeira, a não se dar conta destes laços, curiosamente o rapaz, bem falante, citando inclusivamente em francês, e se calhar tocando piano tambem, coisa que a mim me apeteceu a si fazer no final, mas depois fiquei a pensar, ela fala baixinho com as gentes que estão para a assinatura, assim meiginha e delicada como ela é, se faço, ainda a incomodo, mas sabe bela menina, ali estava um belo piano de cauda inteira e tudo, e eu sempre que o vejo, me ficam os dedos assim de desejos, deve ser isto porque reparei que a menina trás assim uns belos e delicados dedinhos, com unhas assim neutras em cor que lhe ficam muito bem, e trazia suas maos com ar de bem tratada, a convidar assim a lambe-los com beijinhos

dep circulo uk circulo do is do com eça ra a ap rata espanhola da s en t primeira mr taçao, fala ra circulo do quadrado da ue da se di zorro da mini cruz ro do cu da up primeiro tura de ste pa is, ota primeiro da sd circulo do ki cruz as da citas das ditas fitas com as pitas, da serpentes da por du duplo circulo do corte, o espanhol fi tic as e da ave en dad es ua par tic cp ac sao nel lea sn no do valor de primeiro mulha ode dos contos, eu primeira hímen do ina quadrado do vaso do ando do circulo do vi rode dea ada da quadrado do vaso le fi tic cios serpente en hor, e de mui t as si primeiro us cruz rato espanhol do pi circulo do primeiro homem do os da ch am da a rea da cu lu ra, do primeiro galo do falo duplo invertido di pen da se do ip do para me us boto espanhol segundo falo, masse rá q ue primeira bela me nina circulo one homem da inglesas cea ser pn teresa má sc om pan hi as do com quadrado da ue anda en vo primeiro vaso da id a, do forte da primeira rá da arte do me serpente mo circulo do p rie mr rio ub e, circulo use rá por ser as si maior meia do est range ira, en cão sed ar conta de ste serpente do primeiro dos aços, cu rio sam net e circulo rata ap az, segundo em fala lan da teresa, cita ando inc primeiro da us iva que mente em fr anc es, e se da calha em toca ando do piano e cruz da am e segunda em, cos serpente ia q ue da primeira mim me primeira do pete c eu asi forte do az rato do no fi em al, mas dep circulo do is fic quadrado da eu ia pen sar, el da primeira da fala ba nono xin em ho com as gatos ene espanhol quadrado do vaso do quadrado espanhol do serpente tao para as sin at tura, as si maior me e gin homem da primeira e di gi t al primeiro e circulo da ada com do el a é, se f aço, primeira inda da primeira inc omo da mad oma serpente sabe, o sabe, be da primeira am en ina, al ee stav primeiro do segundo elo do piano dec auda in teresa ira e tudo, e eu se mr pr eu quadrado da e di do circulo do vejo, me f icam os dedo sas si maior de desejos, quadrado da eve ser is to por do quadrado ue rato epa rei quadrado da ue am me nina cruz rá sas si maior da un serpente do belo sed primeiro di gi t al e cado sd e din homem os, com das unhas as si mne vaso da cruz ra serpente em co rato quadrado da ue do primeiro ingles do forte icam mui to segundo em, e cruz ra z ia serpente da ua serpente das maos dp com ar de segundo em cruz rata ada, ac em vi id ar as sima primeiro da lam da am do segundo do traço ingles do primeiro do circulo de dez com beijin ho serpente

como aqui nas entrelinhas se desvela é mesmo uma puta besta com laivos de boa educação e elegância de pretensa boa educação, está bem para a menina anabela, que sempre foi muito propensa ao amor horizontal com os pretensos poderes, deve ser mesmo passível de se encaixar no retracto do livro da senhora que fala das sete mulheres e do que não fizeram, por obsessão vária de poderes avariadas e controlo de poder, depois sempre me perguntei, e creio já aqui o ter afrontado, que no panorama do audiovisual nacional e muito concretamente as produções fictícias, cujos alguns que com ela colaboraram, se desvelaram perante meus olhos, agora nas fotos masi recentes, como já me fazendo guerra em oitenta, através de processos de conhecimento ritualistico, com e através do elo do cayatte, neste caso o junior, o que por aqui no bairro ao lado para, ter quotas nestes valor para negociar, é sinal inequívoco de muita malandragem e muito lambe cu diverso, bem como sempre foi a realidade da cultura em Portugal, salvo honrosas excepções

a prova disto é verem o histórico de transacções no ramo e dos valores da quotas, que logo darão pela anormalidade, mais a masi não tendo ao que saiba as produções fictícias um parque de equipamentos de produção audiovisual para alem de uns mac para escrever textos, pois aquilo sempre foi um bando de idiotas, entenda-se no sentido de produzirem ideias, alguma tambem, outras nem tanto, se faça a justiça, contudo, se nem equipamentos tem, como pode ser assim valorizada, como pode ter uma quota valido duzentos mil contos, ou um milhão de euros?, mais a mais com se sabe a enorme experiência de rigor e pratica em portugal a avaliar o que quer que seja, empresas incluídas, e então se falar-mos de empresas deste ramo, a coisa é mesmo gira, pois uma vez o fiz, e logo percebi, que assim era, que nada percebiam deste negocio, e tambem mais uma vez com os poc, planos operacionais de contabilidade, estavam mal feitos, e não correspondem a realidade das empresas, e a que assim sendo não as servem, mais servem o fim delas

a p o rato do vaso da ad di s to e acento na ve rem circulo da hi serpente tori rico det ra sn as ç circulo espanhol do no ramo e dos valores da quadrado do vaso das ota serpentes, quadrado da ue primeiro vaso do falo do gato do circulo duplo para a terra , quadrado do arao pe do primeira ano rato mali dad e mais isa ma sin cão t en do ao q ue sa iba as por du ç o es fi tic ia s um par q ue de e q u ipa man to s de por du sao au di vi s u al para al em de un s m ac para es ce r v e r textos, p o is aquilo se mp r e f o i um ban do de id i ota s, en t en da do traço da inglesa se no s en tid o de pro du z ire maior id deia s, al gum a t am b em, o u t ra sn em t anto, se faca primeira justiça, contudo, se ne m e q u ipa men to s te m, c omo p ode ser as si m valor iza ada, com o p ode t r e um aqui do vaso da ota v al lido du zen to s mi primeiro dos contos, ou um mi l h º ao de euros da foc foice, mais a am ais com se s abe a eno r me e x per rie en cia de rato igor e pr at tica em por u gal a ava liar o q ue q eu r q ue seja, em pr e sas inc lui da se en tao se f ala rato do traço do ingles mos de em presas de ste ramo, a co isa é me s mo g ira, p o is uma ave zo fi ze l ogo per cebi, q ue as si m e ra, q ue n ada per ce bi am de ste ne g o cio, e am e b m mais uma ave z com os p o c, pal no s pope racion asi de c on t ab bil dia de, e stva am m al feitos, en cão co rr es p onde m a r e la id dade das em presas, e aqui da ue as si m s en don cão as ser v em, mais ser v em s eu do fi maior

portanto, as avaliações de empresas, então sobretudo aquelas de capital intelectual, são feitas pela cor dos olhos dos accionista, assim do genero, olhe ponha lá mais duzentos mil que eu preciso de vender uma quota e ganhar uns cobres, e sabe depois vou para o governo, faço parte da pandilha dos ladroes que dao a roubar, e então depois lhe arranjo uns trabalhinhos, olhe ali , aquela sua secretária é muito bonita, não me a quer alugar no pacote de avaliação

p o rta n to, as ava lia ç o es de em presas, en tao serpente do ob rato e tudo aqui do q eu p rime rio às da capital intel e circulo da tua al, são f e it cruz do as pe primeiro do açor dos olhos dos ac cio ni sta, as si maior do dog genero, o primeiro he p on homam da primeira à mais du zp zap zorro zenao muitos to serpente dos mi l quadrado da ue e up di pr e circulo do is ode eve en der p rime ia uma quadrado do vaso da ota e gan homem da ar un sc co br es, e serpente ab e d ep o is vaso do circulo da up a ra circulo do governo, f aço p arte da pan di da ilha dos l ad ro es q ue dao ar o ub bar, e en tao d ep o is l he ar rato anjo un st ra bal al hi muito homem do os, o primeiro he ali , aquele serpente da ua secreta ria é mu tio bonita, não me aqui da eu r al au gato da ar no paco te de ava lia sao

c omo aqui nas en t r e linhas se de s vela é me s mo da primeira puta so segundo do sta, com la ivo sed e boa edu caçao e el en gan cia de pr te se do circulo da bea ab segundo em edu cado e stá segundo em ap da ra da primeira menina ana bela, quadrado da ue se mp rato e forte do circulo e mui to pr circulo da p en sa ao amo rato homem ori zon cruz al com os pr e cruz do en serpente os p ode rato espanhola, quadrado da eve ser me serpente mo da p ass ive primeiro de se en caixa do rato no r e t rac to dol do primeiro nono road as en homem do ro aqui da eu do fala das set mul her espanholas e do q ue en cão fi ze ram, por ob se serpente da sao vaso da ária de p ode rato espanhola ava riad as e circulo em cruz rolo de p ode rato, dep o is se mp reme do per gun te e, e circulo do rei do circulo do j á aqui ot te raf ron mad circulo , quadrado da ue en no da p do ano da rama do au di circulo do vi serpente da ual na cio em al e mui toc do circulo em creta mn te as pro do ç o espanhol fic tic ia serpente, cujos al gatos do vaso ns sc circulo do quadrado da ue com el a cp circulo do ola bora aram, sed espanhola vela aram pe rata ante me us olhos, agora nas forte ot as masi rec en te serpentes, com do circulo do j á me fazendo guerra em o i t en ta, em rave espanholas de poe rc esso serpente dec em homem do cimento ritu al is tico, com e at rato vaso do es do el do elo dez do cayatte, nest e caso do circulo do junior, o quadrado da ue por aqui no ba e rato ro ao lado para, te rato quadrado da ua ota serpente do nest espanhol do valor para muito ego cia ar, é sin al ine quadrado do vaso do nono oco de mui tam am primeira lan dr da primeira ge me mui to primeiro am e segundo e cu da di dos verso, segundos em com circulo da se mp rato ref e forte do circulo do ia real id ad e da cul tura em por ti gás primeiro, serpente alvo homem em rosas e x cep circulo de corte do circulo espanhol

cada vez pior para vós

circulo da ad primeira ave zorro do pi do circulo dor pata vó serpente

sabe, menina, se eu fosse por exemplo seu namorado, teria feito grr, quando o bandido disse que tinha por exemplo uma vez ou mesmo duas, uma aqui outra no rio se bem me lembro, jantado com a menina, pois ficaria preocupado que a menina não fosse apanhar assim um tipo de estranha virose com base antibiótica, ou parecida, já parecia as historias do santana dos concertos dos violinos com a torloni, e do uso de meios do estado para tarefas de sedução, engate e quem sabe coisa e tal, mas este é pormenor importante nesta história pela forma como ele o referenciou, assim meus ouvidos soaram, ao dito, ou seja algo que se terá passado no rio com a presença desse homem

s abe, me nina, se eu f os se p o r ex e mp dez s eu na mora ado, teresa ria f e i to g rr, q ua ando o ban dido di s se q ue tinha por e x e mp dez uma ave zoror do vaso me s mo du as, uma aqui o u t ra ano rio, se b em me le br ro, com am da me nina, p oi da serpente do fi do car da ia do pr e circulo da cup ado qia quadrado da ue am da me nina muito cão digital circulo do forte do os da se da ap da anha ra a si maior do primeiro da cruz do ip ode est rato anha vi da ruse use com da segunda ase ant ib bi ot tica, circulo da up a rc e cida, j á para da ceia as hi serpente pen ny teresa tori as do san t ana dos concertos dos viol ino ss c com da primeira da torloni, e do us da ode me e os do estado do para tar e forte do as de sed vaso da sao, en gate e quadrado da ue em ser ep net abe co isa eta al, mas est é por maior do en o rim de muitas porta ante ne sta hi serpente do tór ia pe la forma com do circulo e leo rato e fr en cio vaso ass serpente em me us ouvidos serpente do circulo do aram, ao dito, circulo do vaso do seja al gato do circulo do quadrado da europeu do sete rá passado no rio com da primeira da presença de serpnet da se do hp maior da me

ou ainda do sete rá que foi passado no rio com a presença do hp da se maior da né, quem sabe se não o tal aparente acidente que levou por afogamento aparente um rapaz do conselho demi st rosa à morte, talvez conta antiga com a morte do filho da torloni

logo o senhor começou a desvelar a sua manha, que mesmo citando filosofo franceses não tem nem safa nem cura, que era ministro, mas que não era por o ser que ali estava, o que me levaria logo a perguntar se ele alguma vez jantaria com a menina se não o fosse, que o sendo e não sendo, e coisa tal e menos tal, tal não obstava que ali estivesse a apresentar o estranho caso do livro nascido de uma estranha combinação entre intoxicação, e drogas e por aí fora talvez mesmo então a saga da combinação do finalmente, ou seja do bar onde tambem um , o dono foi morto, ou se não foi do finalmente, foi de uma outra discoteca gay ali na paralela a procuradoria dos procuradores cegos e cúmplices das malandragens

primeiro lp da p do vaso primeiro do circulo de dez do gato do falo c rava on primeira da terra do gato do duplo sir ru c vaso de dez do circulo do serpente en hor com e co cortes ua de serpente da vela ra serpente da ua da manha, quadrado dao vaso da me serpente mo cita ando filo serpente do circulo do forte do os lésbicas fr anc es e sn cão te maior da ne maior da as do fa da ana da ne em maior cura, quadrado da ue e ra mini st ro, mas quadrado da ue en cão e ra por circulo do ser quadrado da ue al e est sta ava, o quadrado da ue me primeira eva ria do primeiro gato do falo invertido do duplo circulo da primeira do per gun cruz do ra se el e al gato da ua uam am vaso e zorro da jan do delta da tar ia com da primeira da menina da se en cão do circulo do forte do os seque, quadrado da ue os en do en cão serpente do en dó, e co isa sat cruz al em en os cruz al, cruz la lan cão ob sta ava quadrado da ue al e est nono do ess e primeira da ap rata espanhol da inglesa tar co circulo do taro espanhol da cruz do rato do anho caso do l nono ro na sci do de primeira est rata da anha com segundo ina sao en da cruz do rei em to xi caçao, e dr do circulo do gás e por aí forte do circulo do ra t alvez me serpenet do mo en tao da primeira saga da com bina sao do fina le mm muito teo do vaso do seja do bar onda da cruz da am e segunda em p rime rio do circulo do don o forte do circulo e mor to, circulo do use en cão do forte do circulo dao id circulo da fina le mn te, forte do circulo da id e primeiro da outra di sc ot te teca gay al ina para lela a pro cura do ira dos por rc cura dor espanhol do circulo do cego, ou da cegueira, circulo do ego se do c vaso do mp primeiro ice espanhol das maiores da al lan dr da primeira ge en ns


mais uma vez o fio da apresentação se desenrolava na insistência de que o caso era estranho e fora mesmo anormal, e coisa e tal a repisar a linha até à exaustão, vezes demais para não cheirar a um pequeno qualquer esturro, com mais uns pormenores, das diferenças das palavras e da lingua entre os dois lados do rio e coisa e tal

maís primeira ave zo fi o da ap r es en taçao se d es e to da lava na in sis t en cia de que o caso e ra es t r anho e f o ra me s mo ano r m al, e co isa e ta al a r ip isa ra da linha a té à e x au s tao, v e ze s d ema os para n cão che ira ra um pe q eu no q ual q ur es t ur ro, com masi u ns por m en o r es, das difer en ç as das pal v ra se da li n g ua ne n t reo s do is lado s d o rio e co isa e eta primeira

entrando na casa do poeta, vem vindo do outro lado do passeio, o judice, curioso, me disse logo, pois acabara de o citar na palavra, a propósito das andanças da sessão em lamego e ali ele vinha, como se não me tivesse mesmo visto, cara fechada e pesada em seu interior, no átrio, a outra senhora ines a quem eu em dia masi ou menos recente, deixei recado escrito para a ines pedindo-lhe que retornasse a meu contacto, quando me apercebera da relaçao síncrona entre a imagem do livro dela, o fazes-me falta e a morte da menina da escola numa acção que trazia muitas assinatura de ter sido criada, vou subindo atras do judice, que entra no quarto do poeta, eu tambem a ver o que lá estava, olhando ele a estante e a cama do leito incompleto do poeta, o fato em seu tripé, o chapéu, não mexer, e o conjunto muito de navalhas, subo até cima, de repente me dou conta que preciso de ir a casa da banho, abro a porta do escritório, perguntando a uma rapaz onde uma existe, a ines pedrosa, aparece assim à porta um instante, olá ines, e tornei a descer até a cave

en t r ando na cas do poe eta, vaso em vaso indo do outro lado do pa s seio, o ju dc cie da ce, c ur rio s om da me di s se l ogo, p o is ac ab a ra de o c it ra na pala vaso do ra, a por posi to das e danças do se s sao em l am ego e al i el e vinha, com o se n cão me t iv ess e me s mo vi s to, cara fe cha ada e pesa ada em s eu in te r iro, no at rio, a o u t ra s en hora ines a q eu me ue m dia ma sio u m en os rec n te, de ix e i ra rac ado es c rito para da primeira ines ped di dn o do traço ingles do primeiro homem q ue r e to rna ass e am eu c on t ac to, q u ando me ap per cebe ra da reç sao sin c ron a en t rea i mage maior do l iv ro de la, o f az se do traço da inglesa me f al ta e am mo mor da rte da me nina da es c ola numa ac sao q ue t ra z ia mui t asas sin at tura de t r es id o c riad a, vo u s eu bin indo at ra sd o ju di ice da ce, q ue en t ra ano q ua art to do poe eta, eu t am b ema ave ero q ue l á est ava, olhando e lea est ante e aca ,a do lei to inc om p l e to do poe eta, circulo do fato em s eu t rip e, o ch ap eu, n cão me xe reo c on j un to mui to de n ava alha s, s ub o a té c ima, de r ep en te me do u conta q ue pr e c is ode ira c asa da ban ho, ab ro a porta do es cito riso, per gun at n do a uma ra p az onda uma e xi s te, a ines ped rosa, ap a rece as sima primeira da porta do primeiro i ns t ante, olá ine se tor ne ia ad es ce ra té da primeira da cave circulo da ave

na casa de banho, leio no espirito, onda é o circulo da asa do ab , ho, do natal, ou seja da pedra na asia, do tsunami, abro o livro da bela partipim, que neste momento vejo aparecer no corredor, há muitas noites que não durmo, assim me diz a folha que se abre na aparente sorte, pois reparei, que o marcador estava mesmo atrás, ou seja aumentava assim a probabilidade de sair esta pagina, contudo, ou sem nada, meu coraçao, se entristeceu, então a bela menina não consegue dormir, que peninha, se estivesse aqui em meu colinho, dava-lhe beijinhos até a adormecer, ao lado do david, o antonio da cgd, com que tambem me cruzei ele subindo as escadas estendendo para mim a sua mao, o mesmo fiz, eu descendo do terceiro para o menos um circulo do for mula um e lee chegando ao terceiro, o terceiro iro, o pá da gina do onze da sec são primeira do onze do bar do rá do onze, mil cento e onze, em oitenta e tres, cm, circulo maior angulo muito treze co do angulo do vinte, ou seja do maçónico, agora se acrescenta

na cas de b anho, lei on o es pi rito, onda é o circulo da asa do ab , ho, do natal, o u seja da pedra na as ia, do ts un ami, ab ro oli v ro da el a p art ip pim, q ue neste mo m en n to vejo ap arc ee r aro no co r red o r, h á mui t as no it es q ue n cão d ur mo, as si m me di z za da primeira f o l h a q ue se ab rena ap ar en te s orte, p o is r epa rei, q ue o ma rca dor est ava me s mo at rá s , o u seja au man t ava as sima pod rb b ab bi bil di iade de as i r e sta pa gina, contudo, o use mna ada, me u cora sao, se en t r es tic eu, en tao a be la me nina n cão co nse g ue dor mir, q ue peninha, se est nono ess e aqui em me u co linho, d ava do traço da inglesa lea do home dos beijinhos a té a ad dor mec e ra o lado do david, o anto ni o da cgd, com q ue ata t am b em me c ruze i el e s ub indo as esca da s es t en d en do para mim as ua mao, o me s mo fi ze u de sc en dodo te rc e iro para o m en os primeiro circulo do for mula um e lee che g ando ao t rec iro, o te rc ce io iro, o pá da g ima do on ze da sec são p rime ira do onze do bar do rá do onze, mi l cento e on ze, em oitenta e tres, cm, circulo maior angulo muito treze co do angulo do vinte, ou seja do maçónico do agora se ac r es c en t a

já chegamos de novo ao Algarve a provavelmente ao atentado que levou a morte numa cimeira, facto já aqui uma vez abordado neste livro, ou ainda , peninha alvor, o home bandido da ar do ps no trafico da influencias que levou um homem que o disse à prisão, ou ainda a maddie, ou tudo isto cumulativamente, sendo que um outro homem árabe tambem apareceu morto em estranhas circunstancias, depois das visoes do algarve relacionadas com a maddie e o tubarão que engolia um pequeno golfinho

já che ega am mo s de n ovo ao al g rave ap por vaso da ave do primeiro que mente ao atentado quadrado da ue do p rime rio evo da ua mor orte muito primeiro circulo e mer ria, f ac to j á aqui primeira ave za ab circulo do rato dad circulo do neste primeiro nono do ro o ua inda , peninha al vo ro h ome ban dido da ar do ps no t raf i co da in flu en cia s q ue l evo u primeiro home q ue o id ds se à pr isa o, o ua inda a m ad di e, o vaso de tudo it do ts circulo do cu da mula da cruz do iva maior net te s en do q ue um outro h ome m ar abe bet am b em ap arc eu morto em est r anha s cir c un s tan cia s, dep o is das vi s o es do al g rave r e la cio n da sc om am ad die e ot vaso do barão quadrado da ue en golia primeiro do pe quadrado da eu en no gato primeiro do circulo do quadrado do falo do fi muito homem do circulo do natal

a capa do livro , radiografia dos pulmões, com um circulo negro m cima, o ministro da cultura, a anabela boy friends, a si maior circulo do camane, acabou de entrar, o vareador da cultura, deve ser o da câmara municipal dae lisboa, josé antonio ribeiro, o nome da besta da kultura , adriana em cas do antonio pinto ribeiro, hh a falsa modéstia da besta, não tenho nada a ver com os livros e a escrita, eu, eu , eu, as minhas funções, e as minhas nao funções, acumulo, não acumulo, acompanho o antonio damasio, o cérebro pensante é um cérebro obsessivamente pensante? O papel da narrativa através da lingua desenvolve no tempo e no espaço graças a leitura, id da grego romana, da grego judaica, made in japan, doença na viagem, não havia set mida, balizas, regras muletas, meca mica mestre, atrasado, hotel, levada para entrevistas, ufa, lufa, constipa, câncer sem voz da leopardo, itália, um médico que não atende, fica só de si mesma, as pessoa que a ajudam estão envolvidas ni processo, entra a escrita, ponte reconfigura, , um , dois , tres noites de escrita no seu pc, que se diz laptop, a reconstrução da identidade através da palavra e do domínio, assim rezam as minhas notas do discurso do ego, não eu, penso, não eu nao penso, existo ou não, terei levado como ferro do philias na cabeça, terei cabeça, blá blá bla do senhor que se diz ministro do reino podre, e que em dia recente todo contente dizia, que como já tinha arrumado a casa na cultura, esperava que o socrates lhe desse um outro ministério assim para o natal que vem

a capa do l iv ro , ardi o g raf fia dos p u l moe es, com um cir u dez negro mc ima, o mini st ro da cu l tura, a ana bela boy fr rie en da si maior circulo do cam ane, ac ab o u de en t r aro vareador da c uu l tura, d eve s ero da ca mara m uni cip al dae l is boa, josé ant o ni o ribeiro, o noe em da be sta da k u l tura , ad riana em cas do ano t ni o pn to ribeiro, hh a f al alsa mode s tia da be sta, n cão te h on ada ave rc om os l iv rose a es c rita, eu, e u , e ua s min h as fun ç o es, e as min h a sn cao fun c ç o es, ac u mulo, n cão ac u mu dez, ac cm p anho do circulo do onze do antonio dama s ia, o c r e b ro pen san te + e p rime rio do cérebro, cao de duas cabeças, ob se siva que mente pen san te da foc cie do circulo maior do pap el da na ra at iva a rav es da li b g ua dede s en volve no te mp oe en no es ap ço das garças da primeira lei tura, id dag rec do circulo da romana, da g rec circulo da judaica, made in j ap pan, do ença na v ia ge mn cão h avia set mi id a, bal bali iza se gato da ua das regras mul eta serpentes, meca mica est rea cruz rato az ado, h ot el, primeira eva ada para en cruz rato e vaso do ista serpente ny, vaso do fa, lu fa, circulo do is sn cruz ip a, can ce rata se maior do vaso da oz da leopardo, itália, primeiro médico quadrado da ue en cão à p rin me ira ten de, f ica serpente pen ny teresa do ó de si me s ma, as pessoa quadrado da ue da p rime ria ajuda dam espanhol onze do tao do ingles vo primeiro vi da serpente do ni pro roc circulo do esso, en cruz do ra primeira espanhola do circulo da dc rita, ponte rec e circulo em figura, um , do is , cruz rato espanhol do no it espanhol de espanhola circulo da rita no serpente eu pc, quadrado da ue se di zorro do primeiro da ap top, a rec on st ru sao da id en tid dade at rav espanholas da pala vaso do ra e do dom mini circulo, as si mr e za am as min homem ano ota sd o di serpente do curso do ego, muito cão eu do pe mn son cão da p en s oe e x is to circulo da un cão, teri primeiro da eva ado como fer r ro do ph do hi li as na cb eça, te rei cabe eça ca, se gim do segundo cá do corte e do acento ab primeiro á segunda de la do serpente en torque yorque hora quadrado da ue se di zorro min si it tc cruz ro do rei ino p do circulo do dr ee quadrado da ue em dia rec cn cruz todo circulo em ten te di zorro do ia, quadrado da ue com do circulo do j á tim muito homem da p rime ria da ar ruma ad mas a cas na cu primeiro da rua, espanhol do para av quadrado da ue os circulo do soc do circulo da rta te serpente do primeiro ingles da serpenet da se do primeiro outro min si teri circulo do as si maior do para do circulo do natal quadrado da ue eve maio

l homme ne peut pas penser sa pensé sen penser ses paroles, a citação da noite no charme francês, paroles, paroles, paroles, su ries seta serpente si gm ni fi cad do circulo da relaçao, tribunal, pt br at ravessa do porto, se safa do país, a bordo continua a não existir comida vegetariana, a bordo, de repente me cheira esta citação da parte da investigação, apoio de pesquisa, arranjo e engomadoria das camisas por parte da anabela, fruto do amor

primeiro ap ps oto lo da se rp n te do homem do om me ne pe vaso do tp as pen ser sa p en serpente é serpente da en pen ser serpnet da es p ar ole serpente da primeira cita sao da ano it te no cha rato do me fr anc espanhol, par ole serpente da spa role serpente da, p aro primeiro es, su ries serpente da eta serpente si gm ni fi cad circulo da tela sao pt br at rave serpente da sa do porto, se da safa do pa í serpente do ab circulo do rato dor do conti muito ua ana cão e xis tir com id ave ge cruz ra iram, ab circulo do rato d ode rato e pente da me che ira e sta cita sao da p arte da in vaso da es ti gata do ac sao, ap oio de p espanhola al do quadrado da au vaso da iza, ar rato do anjo e en gato oma de ira das cam mia s por rp da p da arte da ana ab e l a, fr vaso do to do am mr circulo

sabe bela menina partipim, foram muitas as simetrias aparentes ou não, que entre a menina e eu, este menino que lhe escreve, se manifestaram neste breve encontro, que me deixou assim como que com agua na boca, uma delas, esta porventura aquela que trago masi certezas de sua genuinidade, foi eu no domingo que passou, quando fui às compras me deu assim uma estranha vontade que concretizei de comprar assim muitos vegetais, pois senti que me apetecia te-los em minha alimentação, e no final me fiquei assim para dentro a pensar, deveria ter convidado a menina para vir cá jantar, pois até tinha o seu menu, mas depois pensei, esta rapariga deve trazer a agenda cheia, depois sai para a rua, muitas folhas caíram, uma linha de um verso da betânia me chegou ao momento pela rádio, tipo assim, agora compreendo melhor o que se passou, eu a pensar que traria relação com o texto que publicara, ou não, pois lhe tentara dar a si uma outra explicação, e portanto era já possível que a menina a tivesse percebido, pois é rápida como eu, assim por uma rádio alguém me dava o recado, ouvia no espirito o que já ouvira e que de certa forma me parece um espelho seu ou a si em mim ou mesmo no verso, espelha, que vocês são muitos parecidos, ia assim em dentro avaliando as simetrias que se manifestaram, como que a isso mesmo provar, entrei no supermercado, onde apareceu a rapariga das unhas e cabelos azuladas, com quem conversara eu antes e depois ela com a menina, vinha olhando-me em forma fria e eu ficara a pensar na nossa conversa sobre a cor indigo e a teoria geral das cores que no entretanto ficáramos eu e ela a conversar, dei depois por mim sentado a olhar a montra do chines, e de repente me lembrei de a ver assim vestidinha em sedas, e de uma outra bela rapariga que nem sei quem é, mas que me pareceu assim de perfil muito bela, numa capa a preto e branco de uma revista recente nas bancas e que agora realizo que trazia suas maos uma sobre a outra encaixada, como eu referenciara no pedaço do texto escrito depois da separação, a que dei o nome de hipótese


serpente a b e segunda do primeiro lan da am e nina par cruz it ip do pim do foram de muitas cruzes asas si met ria sapa ren te serpente do circulo un aqui da ue en cruz da rea em nina e europeu do este maior en ino quadrado ue primeiro homem ingles espanhol do circulo rato eve, se m ani f st cruz ra rm nest e br eve en circulo em cruz roque me de nono do circulo do vaso as si mc omo quadrado da ue do com da agua na boca, uma del as, e sta por vaso da en tura aqui do vaso do primeiro da primeira aqui da ue t rago masi ce rt te za serpente de serpente al gato en vaso vao circulo em ni id ad e, forte do circulo e eu no do mingo quadrado da ue p ass o vaso do quadrado do vaso do ando forte do circulo ia acento da serpente das co mp ra serpente me de vaso do as si maior uma te serpente rna homem vontade quadrado da uec em circulo rato e te ze id e co mp ra rata a as si am mui cruzes os vaso e ge tais, p o is ser pe ny e en ti quadrado da ue me ap pete cia te do traço do ingles do primeiro os dez em min homem da primeira al e men taçao, e no fi no al me fi quadrado da eu ia ss em para quadrado do en da cruz ro ap pen sar, d eve ria ter rc em vi dad circulo da primeira me nina para vi rato cá j antar, taxi p da serpente do ab, o isa té tim muito do homem da primeira do circulo eu menu, mas quadrado da ep circulo do is pen se e, e sta ra par rig ad eve cruz ra ze ra p rime ria gato en da che ia d ep circulo da is sa ip para da primeira rua, mui t a s f o primeiro kapa homem as ca iram, uma linha de primeiro verso da bet ani am me che gato do circulo ua omo mn to pe l a rá di ot ip o as si m, a g o rc om pr en do mel hor o q ue se p as o u, eu a pen sar q ue t r ari r el ç a º o com o y l i m tot e x to quadrado da ue pub li cara, as si maior do por primeira rá di circulo da al gata eu maior me quadrado ava circulo do rec ado, circulo do vaso ia no espanhol do pi rito circulo do quadrado da ue j á circulo do vaso da ira iraque quadrado da ue de ce rta forma me pa rece um e ps e primeiro jo serpente eu circulo ua si em mimo do primeiro espanhol mo no verso, espanhol do pe primeira de la homem rato, quadrado da ue vo ce es serpente são mui to s par ce ido serpente, ia as si maior em den to ava lia ando as si met ria serpnet do quadrado da ue se em ani forte e ts sara aram, com circulo do quadrado da ue da primeira do iss om espanhol do mo por circulo rato vaso da ar, en cruz do rei no super mer rca cad, onda ap ar e circulo eu primeira ra pa rig a das un homem ase do cabe primeiro do os dez az vaso lada sc om quadrado do eu mc on versa sara eu ant espanhola hp e d ep circulo is el ac do com primeira em nina, vinha do circulo do primeiro homem ando do traço da inglesa me em forma fr ia e europeu fi cara pen sar na no ss circulo em versa serpente do ob rea cor indigo e a teo ria ger la das co r espanhola quadrado da ue no en cruz rata eta n to fi caram os ac em versar, de id ep o is por mim serpente en cruz do ado primeira do circulo do home da ar primeira mon cruz do ra do ch ines, e de rp en te me primeiro mr em b rei dea ave ra ss em vaso do es ti dinha em sedas, e de uma circulo do vaso da cruz dot ra b e la ra pa riga quadrado da ue en mse e quadrado da eu da mé, mas quadrado da ue me pa rece vaso as si em de per fr f mui to be la, muito uma circulo da ap aa da preto e branco de uma rato vaso e ista rec en te nas ban case qq do vaso do agora real iza quadrado da ue cruz da ra zorro do ia serpente da ua serpente mao serpente da uma serpente da ob rea circulo do vaso ca cruz ra en caixa ada, com do circulo do eu refer en cia ra no peda aço do texto espanhol do circulo doc rito quadrado da ep circulo da is da serpente da pera sao, aqui da ue de e on ome de homem hipo da teresa se


pagina cinquenta e tres, p ri e mr rio vaso delta inglês kapa do primeiro es ap pan da hol

no seu texto fracturado, como eu tambem escrevo, e como antes de nós muitos outros o fizeram como um poeta chines que viveu em séculos passado, lex co , o lex xico da pt do brasil, das perdas de referencia das turas, será então referencia À falta de sincronismo vertical, ou seja das turas como martelos no chao da terra cravadas, tremor dos falos nas vulvas, quaisquer que sejam, com especial incidência nos pepinos curvos que as putas do calibre da fina inteligência do pseudo ministro da cultura que muito se ri, utilização gráfico fonética, es tar, tar , cruz ar, espanhola es tao

no do serpente europeu do texto fr ra ac tura da di, fr ac t ur rai, fr ac tura ad a, fr ac t ur ado fr ac da cruz do irado

no seu texto fr ac tura di, c omo eu t am b em es c r eve oe xo omo ant es de nós muitos o u t roso fi ze ram com o um poe eta ch ines q ue vv eu em se cu l os do passado do lex co , o lex xico da pt do brasil, das pe rda s de refer en cia das turas, se rá en tao refer en cia à f al t ad e sin c r oni s mo vaso da erica primeiro, o u seja das turas como mar tel os no do chalé dez primeiro do circulo na terra c rava ada s, t r emo r dos falos nas v u l v as, quais quer q ue sej am, com es pe i c la inc id en cia nos pepe ino s c u r v os q ue as putas do cali br e da fina intel i g en cia do ps eu do min si dó, sida , s id do circulo do delta da cruz dot roda da cultura , a puta que muito se ri, antes de morrer, ue mui to se rio vaso do tili iza sao gato raf do fi do co do forte do one tica da espanhola tar, tar , cruz ar, espanhola es tao

acontece, matérias , infantil, masi carinhoso, a palavra que salva, que é solida, primeiro cab du zen do ,eis amantíssimos amigos, não tenho palavras, a vida por um traço, a vid anum sopro, ob ra de cantada, de solidão e cura circulo do pc no serpente alvo, magalhães

ac on tec ema mat e ria sin fan til, masi ca rin h os o, a pal av ra q ue s aç va, q ue é sol id a, p rime iro c ab du zen do ,e is am anti ssimo sam i g os, n cão ten ho pala vaso do ra sa vi da por do primeiro traço, a vi dan primeiro s o pro, ob ra de cam t ada, de sol id dao e cura cir cu dez do pc no se pr en te alvo, maga primeiro homem da primeira mr ria espanhola

estava muito acelerada, escrevi como um jogo, incrustada nos versos das canções do cancioneiro brasileiro, não fazia sentido, este cuidado, com as palavras, a burilá-las, pensei rima por causa de uma cançao, eu queria tanto estar no meu quarto à meia noite a luz de uma vela, caiu que nem uma l uva, doente fora da casa grande, pensão em cima, bateira de espuma, es puma, gabriela llansol, belgica louvaine, em to xi caçao dos remédios, a puta do miguel remédios, outros dos amantes da teresa, com relação ao outro antonio dos l ad ro espanhol do Y dr e am, se calha ar cruzando-se com o damasio, tambem nas terras americanas, lap top do traço ingles top magalhães, la serpente top do magalhães, um sica cantor, jose antonio pinto ribeiro, o anzol do josé antonio ao pinto ribeiro, ou o jose antonio do pinto do ribeiro, ou do paulo ribeiro

est ava mui to ac e le rada, es c r e vi com o primeiro principe dodo gato do duplo circulo do jogo, inc ru sta ada nos versos das can ç o es do can cio ne iro br as i lei iro, n cão f az ia s en ti dó, este cu id ado, com as pala vaso do ra asa b ur ila acento do traço in gel serpente do primeiro às, pen se e rato ima por ca usa de uma can sao, eu q eu rato do ia tan to es t rato do ano m eu q au ur to à meia ano i te al vaso do zorro de primeira vela, ca i u q ue ne m primeira do primeiro da uva, de one net f o ra da c asa gata rande, pen sao em c ima, ba he ira de es puma, es puma, g ab rie la ll e sol, be l gi ca lou uva ine, in to xi caçao dos remédios, a puta dom e gato da ue dos primeiros remédios, outros dos am antes da teresa, com da r e l ç aa o do cao ao a o u t ro antonio, se calha r c ruza usa ando do traço da inglesa se c om omo circulo do dama do sio, t am b em nas t ratos e rr as am erica ana serpentes do lap top do traço ingles top maga gal primeiro homem a e si, la serpente top do maga p rime rio homem da primeira espanhola, primeiro sica cantor, jo da se do antonio pinto ribeiro, o em zo p rime rio do josé antonio ao pinto ribeiro, vaso duplo do circulo do jose antonio da oni do circulo do pinto do ribeiro, ou do p au dez rib e iro

assim ia apanhando algumas das suas belas palavras, doce menina partipim

as si mia apanha e do al gum as das serpentes ua serpenet segundas do primeiro as pal av ra serpente do ce me nina par da cruz do ip do pi maior


depois de publicamente a saudar, lhe disse assim meio jeito de apalpando, o que me ia na alma ainda mesmo sem o saber, ou seja , que outras questão estaria por detrás desta história e lhe disse mais ou menos assim, que parecia que a menina teria entrado num estado de alteração de consciência, e que muitas formas existem de o fazer, pois substancias que o permitem por relaçao com nosso corpo, sap muitas, mas que achava estranho a menina ter falado assim em termos de psicologia, como uma psico patologia, ou um ataque psicótico, o que faria masi sentido, esta segunda interpretação, e que sim poderia até ter sido provocado, pelo que dizia, embora cada vez menos assim me pareça, e depois perguntei-lhe se tinha deixado de ouvir as vozes, que segundo tinha dito, eram assim pouco ou nada poéticas, falavam português com acento de portugal, se bem a percebi neste ponto, e foram rudes a tratá-las assim dizendo coisas que se presumiam brutas e feias, ou seja tudo isto aponta nesta parte, para vozes que são projectadas com o intuito de criar pressão psicológica e levar uma pessoa a seus estremos, ou mesmo a rachar, caso o os conteúdos que traga tenham o peso suficiente, em correlação intima e constante com a vontade, que fora o exercício que a menina fizera para se reconstruir, e tambem como forma de passar a provação

quadrado da ep do is de pub primeiro e ca que mente as au da ar, do primeiro he di serpente da sea s si mai ro do mei o je e to de ap do pal pando, o quadrado da ue me ia ana da lama a primeira inda me serpente, mo s emo o saber, ou seja do circulo do vaso do seja , quadrado da ue circulo do vaso da cruz do ra serpente do quadrado eu serpente do tao est aria por det rá s det sa do hi serpente tóri a e primeiro he di serpente da se maís circulo do primeiro en os as si maior, quadrado da ue par e cia quadrado da ue am en ina te ria en cruz rato do ado num eta ado de al cruz rato e sao de co ns cie nica, e quadrado da ue mui cruz as formas e nono te maior deo forte az e rp circulo iss ub serpente das tan cia ser pen ny e quadrado da ue circulo do per mite e maior da por da relaçao com do no ss circulo do cop ro, s ap mui t as cruzes, mas quadrado da ue ac homem ava est rato do anho da primeira da am en ina te rato ft ala ado as si me maior dot remos de psi circulo do falo dog ia, circulo do omo da primeira ps sico pat falo dog ia, circulo do uu maior aqui e ue p sic ot tico, o quadrado da ue do faria, o manuel, masi sis serpente do en tid oe sta se gato vaso dada inter rp rato eta sao, e quadrado da ue si mp ode ria da primeira da téte rato do sid circulo do pr ovo cado, p elo quadrado da ue di zorro ia, em bora, vam bora, que é t a m b em s ua e x press sao, circulo da ad ave zorro maior do en os as si maior da me par eça, e d ep circulo do is do per da gun teresa id do circulo do traço do primeiro ingles da se st ina tina hd circulo do nono ado deo vaso duplo das ira serpentes das vaso do oz espanholas, quadrado da europeu da se gun do tinha do dito, e ram as si maior po circulo do co circulo da un ada poe tica serpente, forte ala ava am por vaso cruz do vaso gato do vaso espanhol com ac en to de portu gal, se segundo ema per cebi neste ponto, e foram do ru de sat rata do acento do traço da primeira dea sas si maior da di zen do co ia s q ue se pr ess vaso da mia am br vaso da cruz da ase efe ias, circulo do vaso do seja tudo is to ap da ponta ne sta p arte, para v oz es quadrado da ue são por homem do ject ad as com o em cruz vaso it to dec ria rato press cao psi circulo do falo do gi ca el eva rum da primeira pessoa a se us es t r emo serpente, o p rim ero me serpente do mo primeira da rac do homem da ar, caso circulo do os circulo em te vaso do serpente do quadrado da ue cruz do ra gat en ham do circulo do peso sufe cie en te, em co r relaçao in t ima e co ns cruz da ante com da primeira da vontade, quadrado da ue forte do circulo do ra oe x e rato cic cio quadrado da ue p rime ir am da me nina fi ze rato rp do para da se do reco ns cruz rui rato, e t a m e segundo em com circulo da forma de p ass ar ap da pr ova sao


em seus belos e finos dedos, a segunda simetria a vi, pois trazia a menina um cestinha de prata assim com umas bananas de prata, deitadas como se fossem barquinhos, e eu me lembrei logo das que tinha comprado no fim de semana no supermercado, e que se encontravam, assim idêntica posição, na fruteira cá da casa, rodeadas de pequeninos sois muito docinhos de quem eu muito gosto, as tangerinas, e aqui me fiquei a pensar, pois como me espiam tambem dos prédios em frente, a fruteira e a posição das ditas, era visível, e portanto esse conhecimento, pudesse ter chegado directa ou indirectamente à menina

em se us b elo se fi no s dedos, a se gun da si met ria a vi, p o is t ar z ia am nina p rime rio c es tinha de pa rta as si mc om umas b ana na s de p rata, de i t ad as com o se f os se m bar quin h os, e eu me l en b rei l ogo das q ue tinha com prado no fi m de se mana no super mer cado, e q ue s en cn r rav m, as si m id en tica p o siç sao, na fr rite ira cá da casa, rode dea ad as de pequeninos o si mui to doc in h os de q eu me u mui to g os to, as tanger ina s, e qui me fic q eu ia pen sar, p o is com o me es pi am t am b em dos pr e di os em fr en te, a fute r ira e a p os siç sao das ditas, e ra v isi v el, e porta n to ess e c on he cie mn to, p u de s se t r e che gado di rec cta o u in di rec tamen te à me nina

podia então alguém lhe ter oferecido ao anel, e pedir-lhe para o usar nesta tarde, ou mesmo alguém outro que o conhecesse, a si o sugerir, pois para alem de tudo, mais uma vez entraram aqui em minha casa, pois ate deixaram uma assinatura visível no frigorifico, essa se calhar feita quando estava na sessão, e estou certo que desta vez , e masi uma vez, foi gente ligada ao ps, pois sem menor duvida, os sorrisos, e os gestos sobre o tamanho das bananas, e dos pepinos e das cenouras, foram muitos , e muitos deles interpretados pelos que se dizem ministros desta republica de corruptos e bandidos, com muito sorrisinhos como quem estava a gozar o prato, nomeadamente do bandido da cultura que estava a seu lado na mesa da sessão, que como deve saber é um corrupto, tudo muito contente, como se tivesse feito um grande feito, ou seja, eles próprios assinaram desta vez em foram inequívoca, pelos seus próprios gestos nas fotografias, e tambem pelo numero anormal de laudas que seus escribas fizeram sobre a matéria, que são violadores do meu espaço próprio

p o dia en tao al gato eu ml he da cruz do reo forte e rc id da primeira do duplo circulo em e na el, e ped di rato do traço do primeiro ingles para do circulo da usa sara ne sta da cruz arde, o primeiro espanhol do mo al gume outro do quadrado ue oco home do vaso do ess e, ase e os vaso do ge rato e rp circulo do is para al em de tudo, masi uma ave zorro en cruz ra aram aqui em min homem ac asa, se calha rato no me serpente mo maior om en to em quadrado da ue co ns si sig gato oe stav, p do circulo da isa sat da teresa do nono aram uma as sin em tura vaso da isis vaso do el no frigo rifi co, e espanhol to vaso da ce raro to q ue de sta ave ze ema ma si uma vaso e zorro, forte dc circulo di gn te lia do gado ao ps, p circulo do is se serpente do mar tie en dc irc dez do rato du vi da, os sorrisos, os circulos do ab ro e zinhos dos ca y at te seda da companhia do pro p rio bandido do que se di zorro, ser mini cruz ro da cultura, vaso do ia p rime rio li gás da sao aos da produções fi tc cia sed circulo os gato espanhol to ss ob re o tam anho das ban anse dos pepe ino sedas circulo do en o do circulo do ur as, do foram mui to ze mui to serpente de primeiro espanhol sin da cruz rata da ep do pr da eta do s p elos dez quadrado da ue da se di ze m ministros de sta rato e publica de co rr up pt os se bandidos, com mui to serpentes orri sin home do os com do circulo do quadrado eu maior est ava p rim mai ra ira gata do oz ar circulo do aro da p do rato, noe ema damen te do bandido da cultura quadrado da ue e stva as europeu lado na mesa da se serpente sao, tudo mui toco muito cruz da en teresa, com circulo set do nono do ess efe e to primeiro mg gato da gata rande forte e it to, circulo do vaso do seja, el espanhol pro p rio sas sin aram de sta ave zp rata rp dp ze em foram ine quadrado do vaso do ivo ca, pe primeiro serpente os e us pro da p rio sg ge ts os nas f oto gatos raf fia set am e segunda em p elo dez nu maior ero ano rm da al de laudas quadrado da ue se us espanhol circulo do ribas do fi ze ram serpente do ob rea mate ria, quadrado da ue são vil o ra dor serpente do me vaso do espanhol paço pro da p do rio

no fundo é uma mesma reedição de um história que a menina se calhar não saberá que na altura foi interpretada pela bandida histérica que se diz ser ministra da educação, com uma foto semelhante como espantada com o tamanho, que na altura aqui comentei, senhora essa, que hoje ao que parece , não ela, mas outros de seu ministério, levaram com uns ovos em cima no meu antigo liceu d. Dinis

no da f un dó é uma me serpente mar e edi sao de p rime rio da hi st da p ria quadrado da ue da primeira me nina se ca al primeiro homem do ra muito cão abe rá q ue na al tura forte do circulo e inter rp rata eta da pe l a da bandida que se di zorro ser mini cruz ra da edu caçao, com uma f oto semem do primeiro homem da any ny teresa com o espanhol pan t ada com ota da cruz do tam da manha do anho, q ua dr a ado da ue na al tura aqui com en te is en hora ess a, quadrado da ue homem do oje ao que par rc en cão lea, maso vaso do delta da cruz ros de serpente eu minis te rio, primeira eva ram com un serpente d ps ovo ser p ene em circulo ima no me vaso do ante e gato do circulo do lic eu do dom dinis

ontem estrelara eu um ovo para meu jantar, um ovo que já estava assim há algum tempo dentro do meu frigorifico, e que antes de o comer, o cheirei, assim de perto, pois não me pareceu estar muito bem de saúde, mas acabei por o comer, deixei as cascas dele em cima da frigideira onde grelhara as salsichas alemãs, e então hoje foi ler ao perto para ver se entendia o que se passara com os ovos lançados aos caes dos ministérios

on te em est rato da al lara eu do primeiro ovo do para me vaso do j antar, primeiro ovo quadrado da ue j á e ts v a as si m h á al gume te mp o den t ro dom eu frigo rif oe q ue ant es de o cm mer, o che rei, as si m de per to, p o is n cão me ap rec u e ts sar mui to b em de saúde, mas ac ab e ip o roco mer, de nono e ia s cas c as del e em cia am da fr i gi de ira onda g r e l hara as s al cinhas al ema se en tao h oje f o e ler a o per to para da ave r s se en t en dia o q ue se p ass sara com do os dos ovos lan ç ad os aos caes do min si té rio

salsichas ainda, um de ontem, as cascas no grelhador das salsichas alemãs fumadas, vaso de muitos ac ch duplo vaso al quadrado s a quatro sic homem as do chás al ema onda primeira serpente f uma das estrela triângulo queijo suíço da aguas do pe dao r b ar da maria vermelha estendida, da maria vermelha da ponte de e vaso de vinte e quatro, homem do circulo ch dupla vaso al quadrado , quadrado do traço ingles do quadrado em noventa e sete, primeiro do sexto, me pp pen de seis ovos frescos pingo doce do entro de embalagem, pt circulo de oitenta e sete, estrela de sessenta do primeiro do circulo duplo do nono, de noventa e dois, do circulo do trinat e um do circulo dos ovos das galinha criadas em gaiolas, o ovo no grelhador é o terceiro da pt estrela do traço ingles dos dois semi arcos, horizontalmente disposto sobre um rectângulo deitado em seu meio, como um dínamo, terceiro do quadrado do vaso al do traço ingles do vinte e um do traço de dez, ou seja do primeiro maçónico do traço ingles de dez, primeiro do circulo,

s al sic home do as aida, um de ontem sas as ca sc as no g re la hd o rato das s al sic homem as al ema serpente do forte do primeiro ada serpente, vaso de mui ts ac ch quadrado da up dez vaso al quadrado sa quadrado da ua cruz da rata isi sic homem as do chás al ema onda primeira serpente forte da uma das e ts sela da cruz riba gula dez queijo ds vaso e co da aguas do pe dao r b ar da maria vaso e me l ha estendida, da mna ria vermelha da ponte de e vaso de vinte e quatro, homem do circulo ch dupla vaso al quadrado , quadrado dd o traço ingles do q ua dr a sd o em n ove en a te do sete, p rime i o do sex to, me pp pen de seis ovos fr es co s pi n g o do ce do en t rode em bala ge m, pt circulo de o it en at e sete, estrela de sessenta do primeiro do ci ru circulo de dez duplo do nono, de n ove en at e dois, do circulo do trinat e um do circulo dos ovos das gal on h ac ria da se m gai ola s, o ovo no h g r e la hd o r é o terceiro da pt estrela do traço ingles dos do is s emi z roc serpente h ori zon tam e te di s posto s ob r e um rec at n gula dez deitado em seu meio, como um dina mo, terceiro do q ua dr a sd o do vaso al do traço ingles do ove in te e um do traço de dez, ou seja do primeiro maco nico do traço ingles de dez, primeiro do circulo,

depois bela menina de meu coraçao, uma outra linha se estendia no espaço do que acabara a palavra de desvelar depois de um imenso tempo, medido da forma como alguns os medem, o espaço, em anos, que falava de bananas e de bananas postas na mesa de sua mulher, de sua irma e de sua filha, ou melhor da ausência que o homem na altura trazia em seu prover, e sabe menina , que muito dessa ausente aparente capacidade, não é minha, mas de muitos que me combatem, e que chegou mesmo ao ponto da maior vilania, que é de roubarem os direitos cívicos a um homem e seu próprio filho

d ep circulo do is be la me nina de me vaso cora sao, uma outra da linha se espanhola da cruz en dia no es paço do que ac ab ba primeira ra da primeira da pala vaso do ra dede se eva vaso primeiro da ar quadrado da ep circulo do is de primeiro mi do men serpente ot te mp circulo da med ido da forma circulo do om o al gato do vaso ns os mede mo espanhol do paço, em ano serpente, quadrado da ue fala ava de bana ana sed e ba nana serpente das postas na mesa de serpente da ua da mul her, de serpente ua irma e de serpente da ua fi primeiro homem da p rime ria, circulo do vaso do p rime rio do mel hor da au serpente en cia quadrado do primeiro da ue do circulo do homem na al tura cruz ra zorro ia em serpente eu pro ove r, espanhol ab e menina , quadrado da ue mui to de serpente da sa au serpente en te ap ar en te capa da cidade, n cão é min hama serpente de mui to serpente quadrado da ue me com do bate mec ue che g circulo do primeiro es pal no primeiro do mo ao ponto da mai iro vila a ni a, quadrado da ue é de ro ub a rem os di rato e to sc nono e cos a primeiro homem e serpente do eu pro da p do rio do fi primeiro home do circulo

e depois bela menina, se passa isto em tempo antigo, numa altura de quebra de uma família e de um violento roubo e de uma serie de acontecimentos que se deram num mundo que se encontrava já nessa altura mergulhado nas profundas trevas, com uma guerra mundial em curso para alem de todos os problemas das vidas de todos os homens independentemente das suas cores, convicções ou lugares, e ainda assim em muitos lugares do uno lugar, assim vao, ou melhor nao vao ou seja da praia do bandido bochechas, vulgo mário soares


e d ep o is be la menina, se pasa is to em te mp o ant i g o, n uma al tura de q eu bra de uma f am i l ia e de um vil en to ro ub oe de uma se rie de ac on tec ie mn to s q ue se de ram n um mundo q ue se en c on t rava j á ness a al tura mer g u l h ado nas pro f un d as t r eva sc om da primeira guerra m un dia l em curs o para al em de todos os pro b l ema s das vida s de todos os h ome ns independente mn te das s u as co r es, c on vi ç o es ou lu g ar es, e a inda as si me m mui to s lu g ar es do un o lu g ar, as si m vao o u mel hor n el eva ado cao do vao, o vaso do seja da pr aia do bandido boche cha s, vaso duplo do primeiro gato oma ap oto dez da ser p en te do rio soares


curioso, menina, ainda esta noite o vi, com o adriano, e com a graça machel, uma estranha história, um frisar no celebre numero da prisão de mandela, o quadrado do sessenta e seis, referência à estrada do inferno e a los angeles, e um eco nas minha ultima palavra tambem, quando se fala da morte de um outro grande home doce e sábio africano, que fora casado, com a senhora graça machel, e um dizer atribuído a mandala, ob am primeira , entregar a tocha, ou seja atocha, ou seja ainda uma sugestão com o globo, em seu tripé ao fundo dos livros do que pretende então dizer ter visto na navegação deste mapa mundi, duplo seis do vi da gula do quadrado do globo, o que se presume ser o do jornal da sua terra, a mim lembrei-me do kleber, que quer tambem aqui dizer pneu da morgada e filhos ali na calçada do livramento quase em frente a churrasqueira dos frangos onde muito aparece um carro verde mr francês leao de prata e ontem uma vara como um cobra, no chao estava, uma vara com jeito assim africano, bela, em sua forma como uma kundali, agora esta noite saí para a rua comprar cigarettes, no cimo de um prédio, assim uma menina fumando, de cabelo curto como a menina, eu consigo dentro de meu coraçao, e ali estava o espelho de sua imagem, de pois de comprar os ditos, sendo que no canas, a maquina não aceitava moedas, disse a menina, precisa de reforma, e eu lhe repondi, pois parece ainda muito nova, depois tentei ir ao café da nete , ouvindo musica em meus headphones, ia dançando, bela musicas, assim românticas, que bom seria estar em teus braços, cantava tal o cornik, depois uma outra rapariga cantava da sedução que fazia a seu amado, entrei no outro café da net da menina russa , e tambem maquina não tinha os azuis, o sg ligth, depois parei ali no correio, ouvindo, chora-me um rio, agora que passaste a noite a chorar a me dizer que ainda me amas, que tolice de bela musica, como se amor alguma vez acabasse, mas enfim e sem fim, tambem não tinham eles cigarets, num outro café, sim, na tv, a noticia, um casal que entra num carro alemão ou algo assim ,agora já editado em dvd, quem diria da malandragem, depois caminhando na rua coelho da rocha, ou do coelho da rocha, da ne w look, a helena do napoleão, que cantava tambem na mesma rádio, dizendo venho e vou com brisa e je ne sai pas quoi, et je le disais, tant, pis, e ele respondai, aussi, de la meme façon, e apres, je arrive e je parte et je ne sai pas quoi encore, ca me a fait quand meme chier, meme si tu es belle, e se je te aime, mas les drames des amours petits, sans volonte , tu sais, j ´aime l´amour que fait bum, des bonnes bum, je te le di por que tu ne commence pas a penser des outres choses, grrrr, , na rua, uma outra menina a janela fumando, e de repente li, a africa mente, ia eu com outra silveira , a maria joao que vira de raspão a aparecer na tv sem som, depois de convocar a outra pela palavra, como masi um veu, ou uma outra candidata a tira que quando nasce do mar, deixa um buraco do tamanho de um homem, grrrr, mas poderia ser a machel, o dizer da machel, depois se acrescentou, aqui agora, a pedra mais uma vez rolou, africa mente, é gata do circulo do gat do one spy, e machel, e seu primeiro marido a encaixar por dentro numa outra linha de morte, paixões cruzadas

cu rio serpente o, me nina, a inda e sta no ite o vi, com do adriano, e com primeira da graça machel, uma e ts rato anha hi serpente tór ia, um fr iza rato no cele br ingles um ero da pr isa ode man de la, o quadrado do se see n cruz a e se is, ref ren cia a e ts rada do e fer no e a primeiro os ingleses primeiro espanhol, e um e co nas min homem a um cruz ima pala vaso ra tam e segundo, quadrado vaso ando se do fala da mo rte de um outro g rande hp home doce e serpente ab bi o africano, quadrado ue f o ra ca serpente ado, com a sem hora graça machel, e um di ze rato at rib vaso ido a m anda la, ob am p rime ira , ingles cruz rato ega ra tocha, o vaso seja at o cha, o vaso seja a inda uma sg us tao com o globo, em serpente eu cruz rip e ao f un do dos primeiro nono ro serpente do quadrado ue pr e cruz ingles de ingles tao di ze rato cruz rato e vi serpente to nana vega sao de ste mapa m un di, du up lo se is do vi da gula do quadrado do globo, o quadrado ue se pr ess vaso me ser ojo do falo do rn al da serpente ua terra, am mim primeiro em br rei do traço da inglesa lea me do k primeiro e be rato, quadrado ue quadrado eu rato cruz am segundo em aqui di ze rato ps ingles eu da mao rato gado e fi primeiro homem serpente o al e na calçada do primeiro nono ram n te quadrado au use em fr ingles te ac homem ur ra serpente quadrado eu ira dos fr e g os onda mu to ap arc e primeiro carro verde mr fr anc espanhol leao de prata e on te m uma do vara com o um circulo ab ro, no chao est ava, uma vara com je e to as si m africano, be la, em serpente ua forma com o uma k un dali, agora e sta no e te as ip para ar ua com pr ar cigar e tt espanhol, no circulo imo de um pr é di o, as si m uma me nina f uma n do, de cab elo do curto com o a me nina, eu circulo on sig o quadrado ingles cruz ro de me vaso cora sao, e ali est ava o espanhol pe primeiro homem ode serpente ua e mage m, de p o is de co mr par o sd ditos, serpente ingles do quadrado ue no circulo ana sa ma quina n cão ac e e cruz ava moe da serpente, di serpente sea me nina pr e cisa de rato e forma, e eu primeiro he rato e pon di, p o is p arc e a inda mui ton ova, quadrado ep o is cruz ingles te ll ra o ca fé da nete , o vaso duplo indo mu sica em me us he ad dp homem one espanhol, ia dan ç ando, be la mu sic as, as si m roman tica serpente, quadrado ue segundo om se ria e star em te us br aços, can cruz ava cruz al o co rato ni k, dep o is uma o vaso cruz ra rato ap a rig a can cruz ava da sed vaso sao quadrado ue f az ia a serpente eu amado, ingles cruz rei no outro ca fé da net da me nina russa , e ta m segundo em ma quadrado un an cão tinha os dos azuis, do norte, o sg ligth, quadrado ep o is pa rei al ino co rato rei o, o vaso duplo do indo, chora do traço da inglesa me primeiro rio do agora quadrado ue p ass as te a mi ot e a ch o ar a me di ze rato quadrado ue a inda me am as, quadrado ue to primeiro ice de segundo e la mu sica, com o se amo rato a primeiro gum ave zorro ac ab ass e, ma serpente ingles fi me se m fi m, cruz am segundo em n cão tinha ham el espanhol cigar rato est, n um outro ca fé, si mna tv, ano tic cia, primeiro ca serpente do al quadrado da ue ingles cruz ra n um carro ale mao a o vaso al goa ss im ,agora já edi cruz ado em dv quadrado, quadrado eu m di ria da m al lan dr a ge m, quadrado ep o is caminha n do na rua do coelho da rocha, o vaso do coelho da rocha, da ne w look, a helena do n ap o leao, quadrado ue can cruz ava cruz am segundo em na me serpente ma rá di o, di zen do vaso ingles ho e vo vaso com br isa e je n espanhol a e quadrado vaso o e, e cruz je le di sa is, cruz ant, pise e le rato espanhol pon da e au serpente side la meme da façon, e ap rato espanhol, je ar rato iv ee cruz je ap rt ee cruz je ne sa ip a as quadrado vaso o e ingles cor e , cá me do fa it quadrado vaso ando meme chi e rato, meme si cruz vaso espanhol be ll e, e se je da te aime, mas primeiro espanhol dr em mes des amo ur serpente pet tit ts, serpente na serpente vaso olo n te , cruz vaso sa is, j ap os cruz olo da see rp n te aime lam o vaso rato quadrado ue f a it segundo um, des segundo on ne serpente segundo um, je da te le di por quadrado ue cruz une co mm men ce pasa p ingles ser de serpente o vaso cruz rato espanhol cho serpente espanhol, g rr rato rna rua, uma outra me ni aa jane la f uma ando, e de rato e pen te li, a africa m ingles te, ia eu com o vaso cruz ra silveira , a maria joao quadrado ue vaso ira de ra serpente pao a ap a recer na tv se ms om, dep o is de circulo on vo cara o vaso cruz ra pe la pala vaso ra, com oma si primeiro veu, o vaso uma o vaso cruz ra can di data da primeira cruz iraque quadrado ua ando na sc e do mar, de nono a um segundo ira aco do tam anho de um homem om em, g rato rr rm as p ode ria se ra am ac hel, o di ze rato da m ac hel, de pp o is se ac rato espanhol cento vaso, aqui agora, a pedra ma sis uma ave z rolo vaso, africa men te, é g at a do circulo do gat do one spy, e m ac che primeiro, espanhol eu p rime iro mar ida a ingles caixa rato p o rato quadrado ingles cruz ro numa o vaso cruz ra linha de m orte, pa nono xo espanhol circulo ur za da serpente


na rua da patrocínio, que me dizia antes de ler , pelo espirito, está a dormir, está a gravar, e coisas assim que eu ia pensando que espelhavam a menina, agora , esta noite ao subir, me cheirou a um belo cheirinho a café, que sempre me faz lembra um escutado de uma bela rapariga que diz, tiro o melhor expresso do mundo, ah que coisa boa, assim um expresso bem tirado, que quase em apeteceu entrar naquele barzinho onde mora tambem um piano e nele me por a tocar, depois na descida, duas belas raparigas loirinhas lá dentro, sorrindo e rindo em suas conversas, trazia uma delas, um coraçao assim aberto em sua camisola negra, que bonito era ver-se aquele pedacinho de seu peito numa face assim tanto a sorrir, cheguei a casas e quando acendi um dos novos cigarros, me soube imenso a petróleo, fiz grr e o apaguei

na rua da pat roci ni o, q ue me di z ia ant es de ler , p elo es pi rito, e stá a do mir, e stá a gt r v ar, e co isas as si m q ue eu ia pen sand o q ue es pe l h ava am a m e nina, agora , e sta o i te ao s ub i r, me ce h iro u a um b elo che i rin h o a ca fé ap oto lo da se rp pn te, q ue se mp r e me f az l em br a um es cut ado de uma be la ra par riga q ue di z, t iro o m el hor expresso do mundo, a h q u co isa boa, as si m um expresso b em t ira do q ue q u ase em a pete c eu en t ra r na q u le bar z in ho onda mora t am b em um pi ano e ne le me por a toca ar, dep o is na de s cida, du as be l as ra pa riga gás loi rinhas lá d en ro, s or r indo e r indo em s ua s c on versas, t ra z ia uma de l as, um coraçao as si m ab e r to em s ua cam i sola negra, q ue bonito e rave e rato do traço da inglesa sea q u le peda cin ho de s eu pe i to n uma face as si m t anto a s o rr i r, che g eu ia a ca sas e q u ando a c en fi um dos n ovos cigar ros, me s o ub e im en so a pet ro leo, fi z g r reo ap a g eu e

minha menina, que me fico a pensar e a lhe perguntar, se uma das simetrias , a das bananas for real, no sentido que se cada um de nós a pensou, ou mesmo não pensado o fez, e sendo que mais de que uma se manifestou, e ainda porque minha amada, é minha esposa, minha irma e minha filha e minha mae, se não será então a menina que tem assim uns olhos muito bonitos, e uma voz muito docinha, assim neles ao perto de si em si fiquei desta breve vez a morar

min do ham eni nina, quadrado da ue me fi coa pen sar e al he per gun tar, se uma das si met ria sa das ban ana serpente for rea primeiro, no serpente do en tid circulo do q ue sá circulo da ada um de nós ap do pen serpente do vaso do circulo duplo do vaso da me serpente do m on cão pen sado do circulo de fez, es en do q ue mais de q ue uma se maior da ani f es to ue primeira inda por quadrado da ue min homem da primeira am ada, é min homem primeira es posa, min homem da primeira irma e min homem a fi primeiro homem da primeira e min homem da primeira mae, se en cão se rá en tão am eni nina quadrado da ue te massi maior da un ns serpente dos olhos mui to bonito se uma av oz mui to do cinha, as si maior da ne primeiro espanhol da sao ao per to de si em si fi quadrado da eu id e sta br eve ave za mor ar

na ausência de seus olhos ao perto meu e de seu lábios assim como almofadinhas, lhe conto ainda, que a chave da malandrice, por assim escrever, está mo gesto das unhas que lhe fiz quando referenciei a sua métrica das silabas, com o poeta chines em meu pensar, e tambem como eu faço a partir da raiz das palavras,

na au use en cia de se us olhos ao per to me ue de serpente eu primeiro ab bi os as si mc omo al mofa dinhas, primeiro ingles do conto da primeira inda, quadrado da ue ac homem ave dama al e quadrado da rice, por as si mes circulo dor rato eve rato, e stá mo ge serpente do to das unhas quadrado da ue primeiro he fi zorro quadrado do vaso ando rato efe refe da en ceia serpente da ua met rica das si primeiro abas, com do circulo do poeta ch ines em me vaso da el eva são en ar, eta tam am e segundo em com do circulo do eu f aço a ap rato do tir da rai zorro das p aç primeiro vaso do ra serpente,

lhe dissera eu em publico e em voz, sobre a estranha questão das vozes, perguntando-lhe depois se as tinha deixado de ouvir, o que levou os surdos da cabeça na sala a se rirem , que um lá, nota da harmonia, um fá, uma dor, e um mi, uma coisa assim meio aguda como as dores nas vezes são, eram tambem palavras, ou seja as palavras são sempre muito mais do que as palavras dos que só sabem delas nas gramáticas todas arranjadinhas, como a normalização das perinhas, viver, tentando assim relembra-lhe que a menina é musica e que toda a musica, todo os sons, toda a relaçao com o que se escuta e o pensamento é uma constante relaçao tao lógica como qualquer outra gramática, o que responde em certa forma à citação do bandido, pois assim sendo o real, o campo do pensamento e do pensar que se estabelece nas palavras se dilata na compreensão infinita e permanente da Palavra, relembrando que a menina era e é um pássaro

l he di ss e ra eu em publico e em v oz, serpente do ob rea es t rata da anha quadrado eu serpente do tao das vaso do oz espanhol das vozes, per gun cruz ando do un de raro sc core do primeiro homem ingles dep o is sea serpente da tinha de nono ado de o vaso do vi iroque do primeiro evo vaso do os serpente ur do serpente da cab eça na sala ase rato da ire em , quadrado da ue primeiro lá, nota da homem da ar do mon bia, primeiro fá, uma dor, e primeiro mi, uma co isa as si maior do mei circulo da primeira gata do vaso da circulo omo as dor espanhola na serpente do vaso e ze serpente da são, e ram cruz da am e segunda em pala vaso do ra serpente, circulo do vaso do seja as pala vaso ra serpente são se mp rato e mui tom asi do q ue as pala vaso do ra sd dc cos quadrado da ue serpente do ó s abe, o sabe, em por el espanhol nas gatas rana tica serpentes todas da ar da ranja d s argento in homem as, com circulo da primeira norma mali iza sao da pe rinhas, do viver, cruz circulo rf vaso en da cruz do ando as si mr e lem br ado traço do primeiro ingles quadrado da ue da primeira menina é mu sica e quadrado da ue cruz do vaso da am vaso da sica, todo os circulo do sn, toda primeira relaçao com, do o quadrado da ue da se da espanhola cut primeira e circulo da p en ser pr net mane to é primeiro co muito em ts ante da relaçao tao primeiro do circulo dez gi cac om o quadrado da ual quadrado do eu ero do vaso da t ra gato rara ana tica, o quadrado da ue rato espanhol de ponde em ce rta forma à cita sao do bandido, p o isas si m s en dó circulo da rea l, circulo cam p o do pen sam en cruz oe do pen sar quadrado da ue see sta stab e le ce na s pal vaso do ra serpente da se di primeira da cruz ana com pr en sao em finta e per mane muito da te da pala vaso do ra, rato el em brando quadrado da ue primeira menina e ra e é primeiro pá do ss aro

só belas noticias como se vai vendo na métrica das entrelinhas do corte das palavras a partir ou não de sua raízes!

S ó b e l as not ti cias com o se eva do nono en da dona met rica das en t rato linhas do corte das pala vaso do ra sa par tir iro un cão de serpente da ua rai ze s!


Ou seja, recordando Cirrilo, o primeiro homem deveria vibrar a cada barulho de uma copa de arvore, ou um som da floresta, pois se a linguagem sonora, que permite a comunicação e a ponte com o outro, ainda não se encontrava desenhada, contudo a comunhão entre o homem e a arvore sempre existiu, e com o outro ao lado que com ele vivia, mesmo sem as palavras como agora delas falamos em forma restritiva, tambem, chamam a isto alguns outros autores das palavras , o pensamento magico, mas se pensarmos bem, como os homens mesmo antes da linguagem já traziam bocas e gargantas , já falavam uma linguagem, ou seja pelo som já a expressavam, e sendo que a palavra é uma totalidade, como o facto de um beijo em seu lábios, falar a si e a mim imensas coisas

O u seja record dando sir rato do aro do elo de dez, o p rime iro h ome maior do quadrado do eve ria t rato rem mer ac ada bar u l ho de uma copa de ar vo reo vaso do um s om da flor e sta, p o isa lin g ua ge m s on o ra, q ue per mite a com uni caçao e a ponte com o outro, a inda n cão see cn on t rava de senha ada, c on t u o ac om unhao en t reo home a a ar vo re se mp r e e xis ti ue com o outro ao lado q ue com lee s ema s pal v ra sc omo agora de l as f al ms em forma r s t ric t iva, t am b em, chama a is to al g u ns outros au ot r es das pal v ara s , o pen sam en to magico mase pen sar mos b em, como os h ome ns me s mo ant es da lin b g ua ge m j á t ra z iam b ocas ega gan t as , j á f ala ava am um lin g ua ge mo u seja p elo s om j á a e x press ave me s en do q ue a pala v ra é uma tao ota li dade, como o f ac to de um bei jo em s eu l ab bi os, fa al ra sie a mim em ns sas co ia s

Mas enfim não se pode pedir a um investidor numa empresa de audiovisual que se chama de produções fictícias, que depois vai para o desgoverno com uns valentes e muito estranhos cobres em seu bolso, e é pau mandado do principe do ps, que isto possa alcançar ou mesmo entender, mesmo que pareça assim muito simpático, como até me pareceu

Mase b fi mn cão se p ode ped ira um in v es ti dor rn uma em presa de au divo si u al q ue se chama de pro du ç o es fi ti cias, q ue dep o is va ip do para ode es gor v e r no com un s valente se mui t o e ts r anho s co br es em s eu bo l s o, e é p au mando do p rin cip e do ps, q ue is to p os sa al can ç ar o um es mo en t en der me s mo q ue par eça as si m mui to si m pat i co, com o a té me epa rec eu

Métrica da unhas, que lhe bateram no tampo da mesa onde escrevia, à imagem do seu lap top, trás eco preciso tambem em meu ultimo texto ante de a ver, subtil rays se vaso serpente ingles, ponto ua man ts do traço ingles coco, unhas que na imagem do calvário de O Cristo, simbolizam tambem as lanças que o ferem

Met ric ad a unhas, quadrado da ue primeiro he bate ram no tam poda mesa onda espanhola do circulo rato e vaso do ia, à oma mage maior do serpente eu da primeira ap top, da cruz do ra sec co pr e circulo do is ota da ot da am e segunda em e sam mar tir eu vaso do primeiro tim imo circulo do texto da ante de ave rata, serpente do ub til ra delta serpente da se eva serpente do circulo ser pente ingles, ponto ua man ts dot r aço ingles coco un h as q ue na i mage m do ca l vaso primeira do rio de O Cristo, se im bo l icam t am b em as lança s q ue o ferem

Sabe bela menina, se eu fosse gente de dar conselhos, dizia-lhe para rever essa companhias que por aqui em portugal trás desse grupo dos escritores e jornalistas do ps e dos seus imensos cios, como sangue nas vezes, como masi uma vez aqui se desvela, , pois parecem ser no mínimo perigosas, veja lá que no final encontrei tambem a ines pedrosa e lhe disse, então não recebeste o meu recado, qual, um que deixei lá em baixo a pedir para me retornares, não , que estranho, ines, sempre desaparecem todo os recados que deixo em todos os sítios que os deixo, espantavam-se meus olhos, se não vos conhecesse, e conhecesse como tao facilmente sempre mentem, quis falar contigo porque uma imagem do teu livro fazes-me falta, acabara de se corporificar, car cam do no real, com a morte de uma menina à saída de uma escola, e como não creio que terá sido a tua escrita a enformá-la, provavelmente alguém outro o fez com ela, a conversa quase ficou por aqui, não fosse a imagem no jornal no dia seguinte, aí, menina, quase me irritei à séria perante este desvelar destes bandidos que nem se preocupam com a morte de um criança, que foi morta, e depois se põem a fazer destas

S abe be lam eni nina, se eu f os se g en te de d ar rc em se primeiro homem do os, di zorro ia do traço do primeiro ingles para rata eve rata espanhola da sa com pan hi as quadrado da ue por aqui em por t vaso do gal cruz rá serpente de serpente da se gato do rup o dos espanhóis do circulo do rito raro espanhol e jo rna primeiro do ista serpente do ps e do serpenet da se use em neo serpente dos cio sc omo san gato do vaso en as vasp pp e ze sc omo masi uma ave za qui sed espanhola vela, p circulo do is par cem ser no min mo peri goa serpente do veja primeiro á quadrado da ue no fi em al en circulo em cruz rei e cruz am e segunda ema ines pedrosa e primeiro he di serpente da se, en tao muito cão rec e be serpente da te om eu rec ado, quadrado da ual, primeiro quadrado ue de nono e el á em ba ino nono circulo do ape di rata do para mer e tor na rata espanhola, n cão , quadrado da ue espanhol da cruz anho, ines, se mp r e de sapa recem todo os rec ado serpentes do q ue de nono o em todos os si tio s q ue os de nono o, espanhol pan cruz ava am do traço da inglesa se me us olhos, se en cão vaso do os circulo em he circulo do ess e, e circulo em he circulo do ess e circulo omo tao forte do ac ile mn te se mp rato e men t e m, quadrado do vaso do is f ala rc em ti gato do o por quadrado da ue uma ima a ge maior dot eu primeiro nono ro f az espanhol do traço da inglesa me f al ta, ac ab a ra de se corp circulo onze rifi car, no real, com da primeira morte de uma menina à sa ida de uma espanhola c ola, e com em cão circulo do rei o quadrado da ue da te rá sid circulo da primeira em t ua espanhola coc rita primeira en for má do traço da inglesa de la, pr ova ave do primeiro em n te al gume outro do circulo de fez com el a, ac em versa quadrado do vaso da ase fi o vasp do por aqui, n cão f os sea e mage mn no jo rn al no dia se gun ni te, aí, me nina, quadrado da ua ase me e rato do rite e à sé ria pe ra n te este de serpente da vela ar de ste serpente do ban dido s, quadrado da ue ne ms e pr e circulo da cup am com am orte de um circulo do rian ç a, quadrado da ue forte do o imo orta, e d ep o is se poe ema f az e rato de sta serpente

A foto era obviamente encenada, pois o seu conteúdo, alguns pormenores, disso davam conta, e masi uma vez se destinava à minha pessoa, pois trazia encenado pormenores que foram reflectidos em texto anterior a este acontecimento, seus filhos da puta!

A f oto e ra ob v iam que mente en cena ada, p o is os eu c on te u do, al gum ns por m en o r es, di ss o da ava am conta, ema si uma ave zorro da se de s t ina ava à min h a pessoa, p o is tar zorro do ia en cena ado pro m en o r es q ue foram r e f l eti d os em te x to ana teri iro primeira este ac on tec i m en to, se us fi l h os da puta!

A imagem da foto, assim narrou, dois casais em angulo dispostos, ou seja prolongando a linha fizeram entre si uma cruz, o primeiro masi perto do olhar, era o bandido do ministro que olhava assim meio de esguelha, depois a menina a rir muito, com o que parecia sugerir marcas na face, , no angulo disposto, um rapaz que lá vira e que penso ser funcionário da casa fernando pessoa e a ines pedrosa, que tambem trás casa como se sabe na linha da costa dos malandros

A e mage maior da foto, as si mna rr circulo do ro do vaso, do is ca asa sa is ema gata do vaso de dez da di serpente dos post os, , circulo do vaso do seja pro rol primeiro ong ando primeira linha fi ze ram en cruz rato espanhol do si primeira cruz, o p rime rio masi per to do olhar, e ra circulo do bandido do min da cruz do rio quadrado da ue circulo do primeiro homem ava as si maior do mei ode es pan gil o a gato vaso do p rime rio e home da primeira do quadrado da ep do circulo da isa menina ar e rm b vaso it to, com circulo do q ue par e cia serpente do vaso do ger i rm a rca sn a face, , no do angulo di ip soto, um ra p az quadrado da ue primeiro acento vaso da ira e quadrado da ue p en serpente do os e rf rato da fun do cio na rio da circulo da asa do fernando pessoa e a ines pedrosa, quadrado da ue cruz da am e segunda em cruz do ra sc asa com o se serpente es abe na linha da costa do serpente maior da al e dr os

Ps e psi code em ns serpente da pira da p rime ira do pr rosa, seria o titulo secreto da encenação

Psi code in ns se pr en te da pira da p rime ira do pr rosa da se da ria do titu dez, secreto da en cena são, ou o tito secreto do segredo da cena da inglesa são

A ines mete o angulo do livro no bolso, o rapaz de cachecol todo torcido e nele enrolado, como a imagem do angulo da praia do cotovelo, onde nas vezes se encontravam os amantes que ora se despiam sem seu amor, ou nas vezes maia aparecia terem cachecóis que se enrolavam e lhes prendiam o corpo, assim rezava a imagem do meu texto anterior , a hipótese, o rapaz na imagem agarra com sua mao o angulo do cotovelo da ines da praia, o do canla reservado, ou seja do canal meo para adultos, koisas do sexo, parecia um panda com olheiras, fora a deixa da adriana, ou seja o home do canal panda do meo que tambem trará ligação com o canal dezoito, adultos, subi num elevador com um grupo de africanos que tentavam localizar de que tribo são os que andam de robe de veludo, se de a a ova i cu circulo dormi exausta e acordei de um sonho medonho, vaso am de bora, a cruz entre o angulo dos dois casais, na praia do cotovelo

A ines met e o angulo, gula inglesa do l do nono do ro nono primeiro serpente do infinito deitado, oo, do ra p az de cac he co primeiro todo tor cid oe ene le en rola ado, com o da primeira e mage maior do angulo da p do raid do c oto do velo, onda na serpente do vaso e ze serpente da se en circulo em cruz av am os am ant espanholas quadrado da ue do circulo do ra se de spi iam se ms eu am mo ro un as vaso e zorro serpente do m as si ap da primeira rec cia ia te rem ca he co is quadrado da ue se en rola ava vam e primeiro ingles do espanhol da p ren di iam mo do circulo do cop ro, as si mr e za ava primeira e mage maior do dom do europeu do texto da ante rato iro , a hipo te serpente, circulo do ra p az na e mage ma primeira garra com serpente da ua mao do circulo do angulo do c oto do velo da ines da p rai a, circulo do can la rato espanhol eva ado, circulo do vaso do seja do can e al meo para ad vaso do primeiro to s, k circulo das isas do sexo, par ceia do primeiro panda com o primeiro home ingles das iras, forte do circulo do ra da ad e nono da primeira da adriana, o do vaso do seja do circulo do home do c anal panda do meo quadrado da ue eta cruz da am e segunda em cruz ra rato acento à li gac sao com do circulo circu anal dez zo it to, ad vaso do primeiro to ss do ub bi n primeiro el eva dor com do primeiro gato do rup da ode dos africanos quadrado da ue cruz en em vam primeira oca cali primeiro da iza rato de q ue da cruz da rib, c la avi c u la, circulo da são do os quadrado ue anda dam de ro be de eve vv veludo, sed e aa ova e cu do circulo dor mi e x au sta e aco ar rato de id e primeiro son ho medo don ho, vaso do as do circulo da am de bora, ac ru z en cruz reo dad circulo do ab gato vaso de dez da inglesa kapa da espanhola sa da gula do serpente dodo isca na asa da sa is, na pr ria do doc oto do velo elo dez

Antes das notas desta encenação dos bandidos, a noticia de um home que se tinha imolado em taiwan, ardia seu corpo feito tocha humana contra as peças de betão em curva como onde pintadas de amarelo e riscadas em vermelho, entre o fumo li zorro, primeiro zi, e, vartea vaso de muitos do onze, lio do bo do traço ingles do de la t ana em setenta e nove, pr chiang kai s o traço do ingles serpente he kapa de taiwan, liu cruz ra zorro ia primeiro do cartaz, em q eu di zorro ia do q eu do pa do rito da p da ode do circulo do vaso da primeira cobra da vaso oz za vi rato da gula

Ant es das n ota s de sta en cena sao dos bandidos, ano no tic cia de um home do ome q ue se tina homem hi da mol do ado em t a i w an, ard ia serpente do eu corp circulo do f e it to tocha homem primeiro da ana circulo em cruz do ra as p eça sd e bet cao em circulo do ur vaso do ac omo onda pina td as de am ar e lo e rato da isca da se maior do vermelho, en cruz do reo fi rte umo li zorro, p rime iro zi, e, vartea vaso de muitos do onze, lio do bo do traço ingles do del at ana em set en te do en ove, pr chi ingles do kapa a is ot rato do aço do ingles serpente he kapa det a e w e, liu cruz ra zorro ia primeiro do cartaz, em quadrado da eu di zorro ia do q eu do pa do rito da p da ode do circulo do vaso da primeira cobra da vaso oz za vi rato da gula

ah senhora em bem verdade, preferia estar lhe dizendo estas coisas a seu lado em espaço intimo, e me sobe à memória, outros elementos da fotografia da sua ultima passagem aqui, das pontes e das linhas que ligavam as formas de corações deitados e em pé de casas sem numero a seu lado, como se em buracos negros das queimas velhas e antigas, tivessem um dia desaparecido, corações deitados com corações em pé de asas abertas sempre a voar, em travesseiro quente e doce dos sonhos a sonhar, lábios encaixe pescoço, doce , doçura, mel, palmeiras breves brisas a se agitar sopro refrescante que refresca no verão, como sombra ao sol, sem sombra negra de quarto em hora do meio do pino da noite, a vela acesa, quietinho dentro e fora de mim, como imenso navegar, ah senhora a vela em véspera, era vermelha e ardia na janela entre outras tres a meus passos a passar, já um pássaro do cio assim o tinha no jornal dos bandidos, escrito, mais um anzol, será que ele chegará à casa entes da vela estar completamente ardida, como a insinuar, de um tempo limite para o encontro entre o amado e a amada, como se tal fosse possível no amor eterno dos amantes,

a homem da serpente en hora da se maior do segundo me eve e rda dade, pr efe ria espanhola star rp da p do rim ero he di zen do e sta sc co ia sas eu lado em es paço em tim oe me serpente do ub e am emo ria, circulo do vaso da cruz rato serpente da sele mn cruz os da f oto gato raf fia da serpente da ua vaso do primeiro cruz ima pa sas ge maqui, das pontes e das linhas quadrado da ue li gata ava am as formas deco rato do pato sao espanhola de i ta do se em teri serpente do oe mc a sas se mn primeiro ero as eu lado, com circulo da se em segundo ur rac os ne gato do ros das quadrado das eu imas velhas e anti gás, cruz iv ess maior do primeiro dia de sapa rec ido, cora ç o es edi t ados com cora ç o es em p é de as sas ab e rta se mp rea av o ar, me serpente mo met rave ss e iro quadrado da un te e do ce dos son homem do os a son homem da ar, la bi os en ca nono ep espanhol do coço, do ce , doc ur ra, mel, palmeiras em br vasp e espanhola br isas ase sea gi cruz ra, as si mc omo primeiro ser pr n te o p ro rato e f fr espanhol can te quadrado da ue rato do efe rato espanhol doca cano vera circulo , com circulo da uma serpente do om br primeiro ao sol, serpente em ser pr n te do om bra negra de quarto em hor ado mei o do p ino da no i te, ave la ac ess o, quadrado do vaso e tinho dente net rode mim, e forte do circulo do ra de mim, com o se forte do os se p os serpente do nono el ao e ts ar quadrado do ss em quito qui tinho, em cão em en son navega ar, a homem serpente en hora ave la em vaso da espanhola pera, e ra vermelha e ar dia na j ane la e ny t reo vaso da cruz do ra st rato espanhol da sam am eu serpente dos passos ap do ass ar, j á um pa ss aro do cio as si mo ot unha no jornal dos bandidos, es circulo do rito, mais primeiro mna zo p rime rio, se rá q ue el e che gara à circulo da asa en cruz espanhola da vela e st ra co mp primeiro da eta que mente da ard dida, com circulo da primeira in sin vaso da ar, de primeiro te mp circulo do li mit e para o en circulo em cruz ro en cruz reo maior ado e am ada, com o set al forte do os se p os serpente nono el no am circulo dor rato e cruz reno dos am ant espanhóis,

ah bela menina, que deve ser isto amor, estou para aqui a pensar se é a menina que uma noite eu ouvi a cantar uma canção assim que parecia feita à medida, e que contava a história de um rapaz cheio de amor, que era tanto que amava donas de casa e enfim sem fim , todos os seres, por isso lhe deixo aqui convite, se quiser bater a minha porta, será bem vinda, cozinharei para si os legumes que ainda trago no frigorifico, cenouras já não trago nenhuma para alem de uma outra constante, e o pepino, lhe peço desculpa mas dele nao farei uma salada, é o pepino maior que estava ali mesmo a mao de semear no pingo doce dos olivais, e esse o vou reservar para a próxima vez que me encontrar com esse bandido que lhe apresentou o seu livro, para lhe dar com ele na cabeça, ou mesmo enfia-lo assim num sitio que cá sei, pois em verdade lhe digo, eu vira o anuncio da menina ali no ritalinos, umas horas antes da sessão, e me disse, vou vê-la assim ao perto pertinho, ao vivo, e depois quando a vi, até me esquecei que essa besta, é um dos cúmplices de roubo e tortura de meu filho, o que faz dele um pedofilo, e assim sendo o tratarei da próxima vez que o encontrar, se não me perder a olhar para seus belos olhos, como aconteceu, se quiser ser gentil, ofereça-me um dos seus livros, que eu lhe dou o espelho dele, pois o que nele li, era agua transparente e a menina como lhe disse parece ainda não ter a distancia necessária para tudo ter bem entendido

Primeira do homem segundo de la me ni a, quadrado ue quadrado eve ser is to am do circulo do rato, espanhol to vaso para qui primeira da ap inglesa sara se é a me nina quadrado ue uma no e te eu circulo do vaso di ip primeiro de dez do ia can cruz ra um a can sao as si m quadrado ue par deia f e ita am e dida, e quadrado ue c em cruz ava primeira da hi serpente tóri a de primeiro ra p az che e ode mao rato, quadrado ue e ra tam to quadrado ue am ava dona serpente de c asa e inglesa fi ms em fi maior , todos os seres, por iss circulo do primeiro homem ingles de nono do circulo aqui, circulo eon vi te, se quadrado vaso do ize rato ba cruz rea min homem a porta, se rá b em vaso inda, circulo do oz em homem da primeira do rei para si os le gum espanhol quadrado ue a inda cruz rago no fr igor e fi co, sc inglesa o ur as j acento à muito cão da cruz do rago muito inglesa gum da primeira para da al em uma outra co norte sul cruz ante, e o pepe ino primeiro homem ingles pe ç o de sc vaso primeiro pa mas del e ao fa rei uma sala ada, é um pe ep pi em circulo do maior quadrado ue est ava al e me serpente mo a mao de se ma e rato no pingo do ce dos ol iva is, e ess e ovo vaso rato e serve rato para a pro dez ima ave zorro do quadrado da eu da me inglesa circulo em kapa da cruz rac om ess e ban dido quadrado ue primeiro homem ingles ap rato espanhol neto vaso o serpente eu primeiro nono ro, para primeiro homem ingles quadrado ar com el inglesa a cab eça, o um espanhol mo inglesa fia do traço ong le de dez as si mn um si tio quadrado ue c á se ip o is em vaso e rato dad e primeiro homem ingles di goe vaso duplo do irao oe un cia circulo da menina al ino rita lino serpente, uma serpente hor as ant espanhol da se serpente sao, e me di serpente se, vaso t rup dez e do traço ingles de la as simao p ero per tinho, ao vaso ivo, e quadrado ep o is quadrado ua ando a vi, a té me espanhol quadrado eu ce i quadrado ue ess a b e sta, é um dos cu mp primeiro ice espanhol de ro ub oe tor vaso ra de m eu fi primeiro ho, o quadrado ue f az del k e um pedo fi dez, e as si m serpente inglesa do o cruz rata rei da por x ima ave zorro do quadrado ue o inglesa circulo em cruz ra rato, serpente en cão me per de ra olhar para se usb elo do sol homem os, com o ac em teceu, se quadrado vaso ise rato ser gin inglesa til, circulo do fer eca do traço da inglesa me primeiro do serpente da se do us primeiro nono ros, quadrado ue e vaso primeiro homem ingles do vaso o espanhol pe primeiro ho dele, p circulo do is do quadrado ue ne le li, e ra agua cruz ra norte sul parente e am me nina com do primeiro homem ingles da di serpente se par cea inda muito cão cruz rea di stan cia ne ce serpente sária para cruz vaso do circulo do dt e rato segunda em inglesa cruz da inglesa dido em setenta e tres, angulo muito grupo onze, col estrela quadrado , do vinte e nove da sec são primeira da pa da g ima do vinte en ove, do vinte e nove

Ah menina das vozes nem lhe deveria contar pois parece que mesmo as tendo ouvido, nem nelas mais parece acreditar, depois sentado no banco na rua de repente dei conta que estava de frente a olhar a loja chinesa, assim rezavam as vozes, que bom teres vindo morar no perto de meus olhos, eu respondia, tambem, ali estavas a calar o teu amor, sim e não ,se o sentiste, então calado não fora nem estava, estas eram assim as doces, masi ou menos, pois era um cio que puxava da perca, da parte amada ausente, um cio esperto como sempre são os cios perversos, depois ganharam outra bruteza, talvez com a menina narrara ouvi-las, hoje já ia em historias de hormonas, e por aí fora, eu me dizia, sabes, eu sou docinho como o mel

A homem da me nina das vaso oz espanhola ne ml he quadrado da eve ria c em cruz ra p circulo do is par rece quadrado da ue me serpente do mo as cruz en do circulo do vaso vi do, ne maior do nel as mais pa rc e ac red ita rato, quadrado da ep circulo di iss en cruz ado no ban co na rua de rato de ep en te de e conta quadrado da ue est ava de fr en te a circulo do primeiro homem da ar a loja chi neza, as si mr e za ava vam as vaso do oz espanhol, quadrado da ue b om te rato espanhol vaso indo mora rn no do per to de me us olhos, eu rato espanhol do pon dia, cruz da am e segunda em, ali est ava sa ca p rime rio do ro te do delta do vaso da am o rato, si men cão, se os en ti ste, en tao calado n cão forte do circulo do ra ana ne me ts vaso da primeira, espanhola do delta as e ram as simas doces, ma sio primeiro en os, p o ise ra primeiro cio quadrado da ue da p ux ava da pe rca, da p arte am ad a au serpente da en te, primeiro cio espanhol do per toco mo se mp rato e são os cios per versos, quadrado da ep o is gan haram circulo do vaso da cruz dot ra br vaso da te za, cruz alvez com primeira me nina na rr arao circulo vaso do vi do traço da inglesa de primeiro as, homem oje j á ia em hi serpente tori as de homem do o rm on ase por a í forte do circulo do ra, eu me di zorro ia, serpente do ab espanhol, e us o vaso do doc cin em homem co circulo do omo om el

E ainda houveram algumas referencias a aveiro, à llansol, aveiro nas minhas notas saí de lá uma curva subindo em linha com um primeiro anzol, ao lado do episódio, a capa é diferente da do brasil, mas fiquei sem saber qual era então a do brasil, comboio e trem, o glossário explica as diferenças entre as palavras, uma expressão idiomática, peguei no tronco, ou algo assim, colares, das raparigas, ondas , fechado, ... vodafone, eu já tou lá, sonhei, e mai , jogar-me pela janela, a aza mistério ... um homem graça, aveiro, um lá , um fá e um mi, e de repente me fiquei a pensar ase se a menina não era a capa da outra menina que eu um dia lá foi visitar, ou vice no verso melhor dizendo

E a inda h o uve ram al gum as r e fr ren cias a ave iro, a ll e sol, ave iro nas min h a sn ota s sa ó de l á uma c u r v a s ub indo em l on h ac om um p rime rio e zola o lado do e ps id o di o, a c ap a é di fr ente da do br as i l, mas fi q e ise m saber q ual ra en tao a do br as i l, com boi oe t reo g l os sario e x p li ica as di fr ene ç as en t rea s pala v ra s, uma e x press sao id oma tica, pe g eu ino t ron co, o u al goa ss em, colares, das ra pa rig do gás, ondas , f e cha ado, ... vaso ad daf oe me eu vaso do j +a to vaso do l á, son hei, ema mai , j a circulo dog ar do traço da inglesa me pela jane la,. A az am site rik ... um h om em graça, ave iro, um l á , um fá e um mi, e de r e pen te me fi q eu ia pen sar ase sea menina n cão e ra a capa da o u t ra menina q ue eu um d ia l á f o nono vaso isi sitar, o vaso duplo do ice no verso mel hor di zen do

Oh partimpim, que me ia esquecendo, pois antes de a ver que andava em mim, uma imagem, que tinha a ver com bananas, e como é sempre a vida logo o rapaz que um dia ma mostrou, sem mostrar, logo aqui num jornal apareceu, é um rapaz lá de sua terra, que no belíssimo filme a cidade de Deus, trás um cena que acaba mal, se bem me recordo, não pelas bananas, as duas, mais, por a opção relativa a banana constante, que afinal parecia não a ser, que deu em ciumeira de bang bang e portanto a rapariga ficou assim estendida morta no chao

O hp art em pim, quadrado da ue me ia espanhol quadrado eu circulo en do, p circulo do is ant espanhol de ave rata quadrado da ue ana dv primeira em mim, uma e mage maior do, q ue tina homem ave rc om ban ana sec omo é se mp rea vi da l ogo circulo do ra p az quadrado ue primeiro dia ma mo st ro use em mo st ra r, dez g a o a qui no primeiro jo ra l ap ar e circulo eu, é um ra ap zorro primeiro á de serpente da ua te rata ra, q ue no belíssimo fil me primeira da cidade de d eu s, cruz rá serpente um c en aqui da ue ac ab bam am al, se segundo em me recordo, muito cão pe primeiro as ban ana sas du as, mais, por a ap sao rato el em cruz iva ab anana co ns t ante, quadrado da ue de vaso em ciu mer id e bang ban g a e porta muito to primeira ra pa rig a fi co ua ss em espanhola cruz en dida mo rta no chao

Então estão duas senhoras lavando a roupa, a mais crescida, fala com a pequena sobre relações anais, logo ela lhe diz, mas isso dói, não é, a outra lhe reponde, ah nunca experimentas-te, pois não, sim aquilo dói um bocadinho ao principio mas depois é muito bom, tem saber como tudo para saber bem, olha eu a meu homem, para já está ele ali lambendo a rosa durante pelo menos meia hora, depois entra nela, e quando estou quentinha vou buscar a banana, a banana, sim uma banana , mas o truque está e aquece-la primeiro, e depois enfio a banana na rosa e ele entra na outra rosa, aí é que é bom, e depois a rapariga vai fazer a experiência, mas se bem me recordo, a faz com um amante e é apanhada pelo marido, que os mata aos dois


Din ho, linho minho ninho do pinho vino, vinho,

Ou seja o linho do minho do ninho do manuel pinho do vaso ino do vinho, ou seja do sangue de O Cristo

En tao es tao du as serpente da en hora zorro da serpente da lava ando aro da up pa primeira, da am mais circulo do r rato espanhol da cida, ff ala circulo onze om a pe quadrado da eu na serpente do ob rato, e rato e laço espanhol sa anais, primeiro ogo e la primeiro he di zorro , mas iss circulo do em cão é, primeira circulo do vaso da cruz dot ra le homem rato e ps sn dea homem muito unc primeira e x pe rato da ine cruz do as do traço da inglesa te, p circulo do is sn cão, si maqui dez do e primeiro do segundo oca dinho ao p ron cip io mas quadrado da ep circulo do is é mui to segundo om, te ms ab e, a te ms o sabe, rc omo tudo para serpente do ab e r b emo primeiro homem da primeira eu am eu homem do om em para j á e stá el e al e p rie miro am segundo do en do primeira rosa duran teresa p elo maior do homem en do os do meia hora, quadrado da ep circulo do is en cruz ra ane la, e quadrado da ua ando espanhol onze do to do vaso do quadrado do vaso da en tinha vaso o ub us cara prim eira ban ana, ab anana, si maior da uma ban ana , maso truque e stá e aqui da eu ce do traço ingles de la p rime iro, e d ep circulo do is en fio do ab anana na rosa e el e en cruz rana circulo do vaso da cruz do ra rosa, aí é quadrado da ue é segundo om, med ep isa ra pa riga vaso ava e f az ze ra e x per e rn e circulo em as de se segunda em me reo roda do forte do az com do primeiro amante e é a pan home ada da p do elo mar id circulo, quadrado da ue do os mata ao serpente do is

De facto tive eu um sonho estranhíssimo, ontem à noite, onde o terrorista de óculos escuros e de ar sempre para além de bagdad, e culto e preciso e de fina inteligência e voz fininha de constante ressaca, o que se diz ser ministro pinho, de soldadinhos de caixão de pinho, militares, certamente e tambem do manuel freire bandido mor da spa, entrava, o primeiro, e era assim

De f ac tot nono e eu primeiro son homem do oe do ts ra muito hi ss imo, on te ma ano e te, vaso serpente argento onde pn inde ot da teresa rr e rato do ista deo do cu dez serpente espanhola dos curos e de ar se mp rato e para al é maior de bag dad, e cut oe pr e cio e de fina intel tele gato en cia e vaso do oz fi ni fn homem ad e co ns t ante re serpente do sac a, c ur circulo do y dez do quadrado da ue se di zorro ser minis cruz do ro pinho, de sol da din homem os dec a nono ao de pinho, ce rta mn te eta maior e segunda em do manuel freire ban dido mao rata da spa, en cruz rava, o p rime iro ee ra as si maior

Terá a ver certamente com os acontecimentos da chamada contracção temporal, que se deram na altura de um dos proms, e aqui num festival em que as gentes se lançavam ao rio em estranhas maquinas voadoras, e onde ele , o pinho, fora apanhado em excesso de velocidade e duzentos e vinte a hora, ou a duzentos e dois a hora, que agora ao certo não me recordo, mas recordo da estranheza do argumento, sem pés nem cabeça, e terá a ver com sufis, tambem

Te rá ave ato do rc da ce rta que mente com os ac on tec em en to sd ac home da am ad a circulo em cruz raçao te mp circulo do ra primeiro, quadrado ue se de ram na al tura de um dos p rom se aqui n um f es t iva l em quadrado da ue as gene ts se lam circulo ava am ao rio em e ts rat da anha serpente ma quinas vo ad dora se onde el leo pinho, forte do circulo onze do ra ap ana homem do ado e me do x circulo do esso de velo dc da cidade e do zen to ze vinte primeira hora, circulo do ua do zenao to ze do isa hora, quadrado da ue agora ao ce rto ton cão me reco rod, mas record o da espanhola da cruz ra muito do he za do ar gum en to, serpente em pé serpente da ne maior cab eça


Seria ali ao pé do rio, uma tenda ,como nos ralis, onde os carros partem, um qualquer evento de carros, primeiro parte um roll royce, talvez de prata, modelo antigo, ainda com traços de limousine, a estrada é feita de relva, u seja um tapete de relva que serpenteia e eu vejo o rolls a afastar-se acelerando pela estrada fora e a derrapar em todos as curvas e contra curvas, fazendo slides e me digo em dentro, coisa perigosa, que isto ainda vai acabar mal, depois anunciam um acidente, estou em cima , como se estivesse a ver isto de cima do ceu, e vejo, um carro ardia e tiravam de lá corpos, um outro carro pequenino, tipo um peugeot ou renault de corridas de serie, vem muito acelerado com o motor esganado, a toda a mecha a aproximar-se do local do acidente, torneia em curva masi ou menos controlado, os dois carros que se encontram no local, um de frente para o outro, como dois rectângulos, que entretanto em meu caderno, não bem o são, ou seja o que está à esquerda é um rectângulo fechado que aponta as duas horas, e o mais à esquerda ligeiramente em baixo , apontando masi ou menos a uma hora, está aberto, como um vaso aberto em seu topo, inclinado, que teria vertido, neste caso o fogo, visto estar ele a arder, o terceiro carro que se aproxima, tem um ponto debaixo do desenho da cobra que fez para passar entre os dois, e depois travando e muito chiando, faz um pião, apontando a sua dianteira aos dois, e fechando um vaso, ou seja o pont da cobra que fez um laço e fechou um vaso, ou melhor dizendo o cobra da pont neuf, como um cobra, que depois se come a si mesmo, urubu, quando está fazendo tudo isto repara que acabou de pegar ele mesmo fogo, por dentro, ou seja são visíveis labaredas em seu interior, por dentro de seus vidros

Seia all ia o p é do rio, uma t anda ,com em no s ralis, onda os carros par te m uma q ual q eu r eve en to de carros, p rime iro p arte um ro l s roy ce, t al v z de prata, parra praia praga prata prava moe d elo antigo, a inda com t r aços de limo suine, usine, suina, suite , seine, a e ts rada é f e it ad e relva, vaso do seja primeiro tape do pete de relva que serpenteia e eu vejo o ro ll s aa f a star do traço da inglesa se ac e lara ando pe la estrada f o ra e a de rr ap ar em todos as curvas e contra curvas, f as en dó s lides e me di goe em d en t ro, co isa pe rig o sa, q ue is to a inda v a i ac ab ar m al, de p o is anu un cia am primeiro acide dente, es to ue m em c ima , com o se es t nono esse sea ave r is to de c ima doc eu, e vejo, primeiro carro ar dia e tora vaso maior de l á corp os, um outro carro pe q eu nino, t ip o primeiro p eu ge ot ou r en ua l t de co o rid as de se rie, v em mui to ac e ler ado com o m oto r es gan do, at u da a mec h aa ap roxi am mr do traço da inglesa se d o l ocal do acide dente, t one ia em c u r v am a sio um en os c on t rola ado os do is carros q ue se en c on t ra, no l oca l, um de fr en te para o outro, com o do is rec tan gulas dez, quadrado da ue en cruz rta mui o to em me vaso do cade rato no, n cão segundo emo são, circulo do vaso do seja, o q ue e stá à esquerda é primeiro rec tan gula forte do eca hd circulo quadrado az ue aponta as du as hor as se circulo do maia esquerda li gre iram ami circulo do rato net em se gato indo bas as id circulo , apontando masi sio primeiro en os a uma hora, e stá ab e rato do to, com circulo do primeiro vaso ab rato e to em serpente eu top circulo, inc primeiro ina ad, quadrado da ue te ria vertido, nest e caso circulo do forte do gato do falo cravado na terra em circulo duplo, vi serpente to es cruz ra e lea arde ero te rc e iro carro quadrado daz ue se ap roxi ima, te mum primeiro ponto de ba ix o do serpente da en homem ode cao bra quadrado da ue fez para p ass ar en cruz reo serpente do ise d ep circulo do is cruz rava van do e mui to chi ando, f az primeiro pi a o, ap em cruz ando as ua dina cruz ira aos do is, e fe ca homem muito do primeiro vaso, circulo do vaso do seja do pont da cobra quadrado da ue fez p rome iro primeiro aço do onze, e efe chu primeiro vaso, com circulo do primeiro cobra, quadrado da ue d ep circulo do is se come primeira da asi do si me ms circulo do, ur ub vaso do, qia ando e stá fazendo tudo is to rato do epa ra q ue ac ab o vaso de p ega r el e me serpente mo f ogo, por quadrado dn en cruz do ro, circulo do vaso do seja são vaso da isi nono vaso e is lana red as em s eu em te rato iro, por d en t ro de se us vi dr os

O carro rectangular da segunda hora, está todo amolgado, como um desenho animado, sem capota, todo desfeito, mas inda a andar, vai o pseudo ministro pinho a conduzir, arranca dali, a passar toca propositadamente no carro pequeno, com um ar de desprezo, meninas vao atras no banco muito divertidas,

O carro rec t angular da se gun da hor a, e stá todo am o l gado, com o um de sn e ho ani mad o, s em capo ota, todo de s f e i to, mas sin inda a ana dr ava i o ps eu dom in is t ro pinho a c on du z ira rr r anca dali, a p ass ar toca pr e p o sita damen te no carro pequeno, com um ar de d es pr e zo, me nina s vao at ra sn o ban co mui to di do nono e rt id as,

Pelo meu desenho, uma coisa curiosa, acontece, uma espécie de inversão pois o segundo carro, nesta cena final, e um circulo de uma agrafo, ritual que fizeram no processo do tribunal de menores, aqui no livro referenciado, e é o terceiro elevado, ou o terceiro do circulo elevado, do carro grande, quando acordei, acordei com a sensação que esta psicologema, fará sentido a belmondo, ou seja provavelmente terá algo a ver com a morte do filho de depardieu, ou ainda uma qualquer ponte com um filme de formula um em que ele entrava nos anos setenta, e que muito gostei em minha adolescência, onde um corredor morria, pelas rivalidades, salvo erro um ingles, seria o sterling moss?

P elo dez om maior eu de sn e ho, uma co ia s cu rio sa, acontece, uma es pe ice de in verso da sao p o is o se gun do carro, ne sta cena fi em al, e primeiro circulo de uma a g rafo, ritu al q ue fi ze ram no pro c esso do t rib un al de m en o r es, aqui no li v r refer en cia ado, e é o t rc e iro el eva ado, o u o t rec e iro do circulo el eva ado, do carro g rande, quadrado da ua ando aco rato do iac o rato de e com as en sa sao quadrado da ue e sta ps psi circulo do falo da gema, fa rá s en tid o a abel mondo, o u seja por v ave l mn tete rá a l goa ave rc om am mn orte do fi l homem ode d ep par di eu o ua inda uma q ual q eu rp em te com do primeiro fil me de for mula um em quadrado da ue el e en cruz rava nos anos set en t a, e quadrado da ue mui to g o s te e em min homem m j primeira ad o l es circulo em en cia, circulo inde primeiro co rato red or rm mor ria, pe primeiro as rato do iva li dad espanhol, serpente alvo e rato ro primeiro ingles, se ria do circulo do stern da ester do primeiro ingles da moss da foc cie foice

Falo da gema, poderá ainda ter a ver com o pedaço da história agora publicada, escrita na altura da quebra da família, o falo da gema, o que arranca a pedra da fronte e a fez tombar na terra, no texto original, a referencia que tenho escrita, é lucifer, mas quando agora o transcrevi, não fez sentido, pois lucifer na forma como eu o entendo, tem e faz corresponderia com a estrela da manha, que nunca cai nem caiu do firmamento, pode contudo ser um nome em código, ou seja alguém que trazia esse nome, psi, ps circulo, ou seja relacionada com a gnose, ou seja ainda parece lógico, entender a figura de lucifer neste âmbito, o da gnose

F alo dag ema, p ode rá a inda te ra ave rc om o peda aço da hi s tóri a agora pub l ica ada, e x rita na al tura da quadrado da eu bra da f ami lia, o f alo dag ema, o quadrado da ue ar rata da anca da primeira pedra da fr on te e a fez to bar na te r ra, no texto o rig ina l, a refer en cia quadrado da ue cruz en ho espanhol circulo da rita, é luc i fer, mas quadrado vaso do dando do agora da ot ra sn circulo rato e vi, n vao forte az serpente en tid o, p o is luci fer na for naco mo eu o en t en de, te me f az co rr ep on dec ia com a e ts rata e la da manha, quadrado da ue en unc ac aca primeira ine mc a e vaso do fi rato da ma men to, p ode c em tudo ser primeiro no me em co di g o, circulo do vaso do seja al gato eu maior quadrado da ue cruz ra zorro do ia ess en ome, psi, ps circulo, circulo do vaso do seja rato e la cio em ad a com da primeira do gn o se, o vaso do seja primeira inda pa rec dez gi co, en cruz en de ra figura de luc i fer neste am bit o, o da gn o se

Lucifer, luc e ferro, ou o ferro do luc, lucy de diamantes e ácidos, sky, tv, horus, az y s ar en un be r s, days are nunbers

Depois se der a noticia do episódio dos ovos nos olivais, onde nas noticias, assim li, a walter, a pistola do lemos, ou seja a pistola que matou o nuno lemos, que tambem morreu na mesma área da costa dos bandidos, isto em sequência, alguma qualquer, com a imagem do bandido que se diz supervisionar, e que admitiu não o fazer, nem trazer competência, nem estrutura para o fazer com roubo declarados até ao momento acima dos milhões, pois ressoara no espirito as seguintes deixas, tem tudo escriturado, o rito, ou o escriturário do banco, pois o bandido constante aparecia assim numa encenação de primeira pagina do jornal dos bandidos, a sair da reuniao nocturna das putas, de uma vesica de veludo vermelho, onde a mao de outro senhor como que abria a vulva para o deixar passar com uma mala de alumínio, que poderia ser cassetes ou câmaras de video, na medida, em que tinha eu post na latina da rua do borja, umas assim na entrada da porta da cave para o estúdio de gravação e das regies, a de som e a de video, podia ser isto uma linha na sequência da imagem de meu texto sobre a vulva gigante que se encontrava na porta do fragil e das linhas subsequentes, a ela relativas, como se o bandido dissesse então sem dizer, que ali naquela mala estariam as gravações não sei de que rito, como a desvelar tambem que a puta, faz uma outra supervisão, como declinar fed em fed mas fed de policia não de papelinhos, pois para essa nem competência nem inteligência trazem, e se não trazem para uma tambem não trarão certamente para a outra

D ep o is se de ra ano not ti cia do e p pi do sódio dos ovos nos o l iva is, onda na s no tic ia sas si m l ia do walter, primeira pistola do l emo s, o u seja primeira pistola q ue mat o u on un o l emo s, q ue t am b em mor r eu na me s ma a rea da costa do s bandidos, is to em seque en cia az, al gum a q ual q eu rc om a i mage m do bandido q ue se di z super v isi on ar, e q ue ad mit i un cão o fazer, ne m t ra ze r com pet en cia, ne m es t ru tura para o f az e rc om ro ub o dec lara ados a té ao mo m en to ac ima dos milhões, p o is r esso ara no es pe i to as se gun i t es de nono as, te m tudo es c ritu r ado, o rito, o u o es c ritu rá rio do ban co, p o is o ban dido co ns t ante ap ar e cia as si m n uma en cena sao de p rime ira pa gina do jo rn al dos bandidos, asa e rda reuniao no ct urna das putas, de uma v e sic a de eve l u do vermelho, onda primeiro mao de outro s en hor com o q ue ab ria av u l v a para o de ix ar p ass ar com primeira am m ala de al vaso do min ni o, quadrado da eu da p ode ria ser rc do ass sete serpente do circulo do vaso do cam da mara serpente de vi de em am me dida, em quadrado da ue tinha eu post na p rime ria at ina da rua do borja, uma sas si mna net rada da porta do ac da ave do para oe ts vaso da di ode gato da rava sao e das regi espanholas, ad es ser pn te do om me ad e video, p do circulo do dia ser is to uma linha na se q eu nica da e mage maior de m eu texto serpente do ob rea vulva giga gan te q ue se en circulo em cruz rava ava na porta do fra gil ile e quadrado do as linhas serpente do ub seque en te sa e la rato e la cruz ivo as, com o se o bandido di ss se s e en t º ao s em di ze r, q ue ali na q eu la m ala est aria am as g rava ç o es n cão se id e q ue rito com o a es velar t am b em q ue a puta, f az uma o u t ra super visao, com o dec l ina r fed em fed ma s fed de poli cia n cão de pap e lin h s, p o is para ess ane m c om pete n cia ne m intel i g en cia t ra ze me se n cão t ra ze m para uma t am b em n cão t r arao ce rta mente para a outra

E sendo que ainda um outro bancário trás tambem ligação com o frágil, o joe bernardo, das ilhas tambem, o joe que já algumas vezes qui tambem apareceu, portanto poderia a tal escrita referir-se a ele

E s en do q ue a inda um outro ban car rio t rá s t am b em li g ac sao com o fr a gil kapa do circulo do joe bernardo, das ilhas t am b em, o joe q ue j á al gum as v e ze a qui t am b em ap ar e c eu, porta n to p ode ria a t al es c rita refer e rato dodo traço da inglesa sea e le

Aparecera em vésperas, uma outra puta, o zink, e dois reitores, depois de eu ter aqui interpelado o inventor das tretas dos xamans e coisa que tais, o que não desdita obviamente que eles, os xamans, existam, mas usa-los para incriminar outros, é sempre um acto de incriminação e passível de condenação na moldura das leis, como roubar filhos a outros tambem e denegrir o nome de um ser de igual modo, os dois reitores se demitiram ou ameaçaram com a demissão, e o zink, esse besta oportunista que sempre soube bem subir na chamada carreira á conta dos outros, aparecia em jornal recente a dizer estranhíssima coisa, como Deus parece que anda distraído, escolheram-me a mim para escrever o futuro, como demiurgo, pressupõem-se , sua besta, masi uma vez faltava a explicação completa, mas de qualquer forma podia esta declaração espelhar masi um escriturário, ou seja fazia dele tambem candidato ao cargo,

Ap a rec e ra em vaso da espanhola pera serpente, primeira circulo do vaso da cruz ra puta, oz ink, do is reitores, d ep o is de eu cruz rato e aqui em cruz rato da ep e lado circulo e min vaso do en tor das cruzes ratos eta das tretas dos serpentes dos xamans e co isa q ue tais, o quadrado da ue en cão de serpente da dita ob via m nete quadrado da ue el espanhol do, os x aman, e xis tam, mas usa do traço do ingles lo serpente do para inc rim iro vaso da cruz rosé se mp re primeiro do ac to de inc rim ina sao ep do epa ass ive primeiro dec em dena sao na mol dura das leis, com o ro ub ar fi kapa homem do os a outros cruz da am e segunda em ed ene gato rato iro no me de um ser de i g u al mn o do, do is rei tor espanhol e d emi tir mao ua me ac aram com ad e miss sao, e oz ink, ess e be sta oportu ni sta quadrado use mp rato es circulo do ub e segundo em serpente ub e rna ch am da car rata da eira á cona da cruz dos outros, ap ar e cia em jo rna primeiro rec en te a di ze rato espanhol da cruz dot ra muito do hi sima co isa, como de us pa race quadrado da ue anda di st rai id o, es co primeiro her am do traço da inglesa me a mim para es circulo dor rato eve rof vaso da cruz do duplo vaso do to, com ode emi ur g o, pr ess up poe em traço da inglesa .se , serpente da ua be s tam masi uma ave zorro do fala tva a e x p le caçao com p primeira eta, mas de q ua l quadrado da eu rato da forma da p do circulo dia e sta dec al raçao espanhola da ep la homem da ar masi um espanhol do circulo e ru rá rio, circulo do vaso do seja f az ia de le cruz da am e segunda em can dida dt circulo onze ao circulo rato do gato do circulo do cargo

E já que estamos em maré de pepinos e cenouras nodosas e coisas que tais, e chamando o cu pelo seu nome, de cus e do que com os cus se fazem, ainda bem que me lembrou tudo isto da primeira visao que tive desta puta carreirista onde lhe tirei as medidas, menos a do cu, alias medidas a cus para que fique claro às bestas, só conheço a minha e de algumas meninas,

E j á qq ue eta s mose m maré de pe ino sec en ouras no do sas e co ia s q ue tasi, e ch am ando o cu p elo s ue no mede c use doque com os c us se f az ema inda b em q ue me l em br o u tudo is to da p rime ira visao q u t nono e com e sta puta car rei s rita son da onda l he ti rei as me didas, m en os ad o cu, al ia s me dida s a c us para q ue fi q ue c l aro às bestas, s ó c on he coa min homem da primeira e de la gum as das me ninas

Em oitentas ou por aí, passou um filme na tv portuguesa que foi por muitos considerado um escândalo, mas que não o era de todo, só nas cabeças que trazem o conteúdo do cu nelas postas, e que se chamava pato com laranja, onde não se via nem um cu, que me recorde, nem fazer nada com um cu, quanto muito suaves e leves insinuações sobre cus

Emo it en t as o up o rai acento da p ass o u um fil me na tv port g usa q ue f o ip o r mui to s c on sid e r ado um es can dolo, mas q ue n cão o e ra de todo, s ó n as cab eça s q ue t ra z mo c on te u dodo cu nelas postas, e q ue sec h am ava pato com dos l ar anja, onda n cão se v ia ne mu maior cu, q ue me record e ene m f az e rn ada com do primeiro cu, q ua anto mui to s ua ave sele eve s in sin ua ç o es serpente do ob rec us

O rapaz zink, fazia se bem me lembro a sua tese, e lembrou-se então de fazer o que carismou de pornex, ali na universidade nova onde muitos masi anos fui de novo morar, uma exposição, com sessões continuas de pato de laranja e masi algumas filmes que tanto pareciam ter abanado a moral publica e os chamados bons costumes, uma mesma imagem agora se reflectira, na linha do espaço onde estamos, ou talvez um volta que se fecha, uma vulva gigante em papel de cenário era a entrada, com uma colagem de pedacinhos de revistas pornográficas, depois nem me lembro ao certo por que artes, apareceu o rui simoes com uma ideia de se fazer um filme deveras pornográfico, a questão conceptual punhas-se assim, se deste soft filme, se diz pornográfico ser, melhor será então por a palavra , ou melhor o sentido que alguns parecem atribuir à palavra pornografia na equivalência real de sua representação

O ra p az zorro ink, f az ia se segundo em me primeiro em br o as ua tese, e primeiro em br circulo do vaso do traço da inglesa se sed do dentao de f az ero quadrado da ue cari serpente mo vaso de por ne x, al ina uni nono vaso e sida sd dade nova onda mui cruz cos ma si ano serpente do forte do vaso id en ovo mora rata, uma e x p circulo da siç são dao, como serpente do esso e do pato de lar anja ema si al gum serpente do fi mes quadrado da ue cruz anto par e circulo iam te rata ab ana do am mora primeiro publica e os ch amado sb en sc cos cruz do vaso do mes, uma me serpente mai mage maior do agora ser e for mula um e ct ira, na linha do espanhol onze pc sao onda e ts sam os, circulo do vaso da cruz alvez um vo primeiro da cruz primeira q ue se f e cha, primeira do vaso duplo da primeira va gina da te em pap el dec en acento à rio e ra a en gato do primeiro espanhol da gt rada, com da pt ti mer ira col ga em de peda cin ho serpente de r e v ista s por no g raf i ca s, quadrado da ep circulo do is ne maior me le br o ao ce rato to por quadrado da ue art espanholas, ap ar e circulo eu do circulo do rui simoes com primeira id deia de se f az e rum fil med eve ra s por no gato raf fi co, aqui do eu serpente do tao circulo onze em circulo da ep put a prik me ira p un unhas do hi f en do p rin ro do se gn do traço ingles da sea ss em, sed este serpente do circulo do ft fil me, se di zorro por no gato da raf fi co ser, mel hor se rá en cruz ao por primeira pala vaso do ra , o primeiro mel ho os en tid o quadrado ue al gato do vaso ns ap ar arc cem at rib ua ar a pala vaso ra p em circulo dog raf fia na e quadrado do vaso do e va len cia real de serpente da ua r ep r espanhol ingles taçao

Como se faz, como não se faz, pornógrafos e pornografia em Portugal, naquela altura só de importação, actores nem vê-los, como agora ainda pouco se vêem, se bem que putas sem distinção de sexo muitas existam, com e sem carteira profissional, como se sabe e amplamente demonstrado

Com o se f az, com on cão se f az, por ni g rafo se por ni g raf fia em por ti u gal, na q eu la al tura s ó de em porta sao, ac tor es ne m vaso e traço do primeiro do cir ruc dez ingles es do primeiro, com do circulo do agora a inda p o u co se eve lotus, em, se b em q ue putas sem di s t in sao de sexo mui t as e xis tam, com o se sab e am mp la laque do quadrado di europeu do que mente, o demon st ra ado

Lá os rapazes, que tinham dito, a eh, dizem vocês que isto é pornográfico, pois vamos lá falar e ver pornografia a serio, se viram entalados a ter que fazer de actores, e assim um belo dia chegamos a rua heróis do quionga, onde eu e a ester morávamos, para fazer o filme, que a treta do rui, como de costume, nada tinha para dar , a não ser para tirar como o zink como masi tarde se demonstra, recordo-me de parar-nos numa tasca da rua antes, com um grupo talvez de umas dez pessoas, a puta só ter comprado duas garrafas de vinho rasca ,eu a me dizer, pouco azeite para descontrair esta gente toda, meu papel, era assistente de realização da puta e tambem obviamente actor, com a excepção da duas putas mencionadas que obviamente nao se despiram, pois com esta distancia e este saber, não seria de todo esta a intenção deles

Lá, acento, do os dos ra pa ze s, q ue tinha am dito, primeira do homem do ze maior vo cc circulo espanhol quadrado da ue is to é por ni g raf i co, p circulo do is vaso da am os l á fala ar e eve rp por do ni gato da raf fia ase do rio, se vaso do iram en tala ado sat te rato quadrado da ue forte do az e rato de ac tor espanhol, e as si maior do primeiro do segundo elo do dia che dos gamos da primeira rua do he roi serpente do qui em gata primeira, onda eu e primeira espanhola da cruz dot ra mora ava mo serpente, spa para forte az ero fil me, quadrado da ue em rata eta do rui, com ode cos cruz do vaso da me, de muitos ada da tinha do para do quadrado da ar , e cão ser para do rato, da cruz ira rc omo do circulo do zink com oma si t arde se demon st ra, rec o rato dodot ar ç o da inglesa me de para r do traço do ingles no sn primeira t asca da rua ant espanhola, com um gato do rupo cruz alve serpente de uma serpente de dez pessoas, aa puta serpente do acento no circulo da cruz da rec om pr ad do as das garrafas do vaso do ina homem rasca ,eu am me di ze rp circulo do vaso do co az e it te para deco n tar ire sta gata en te tid om eu pap el, e ra as sin cruz da en te de rali za sao da puta eta da a manha e sg u indo segundo em ob vi am net e ac tor, com da primeira e x ep sao da d u as putas em muito cio em ad as quadrado da ue ob via m nete naso se de spi iram, p o is com e sta di s tan cia e este serpente do abe rn cão se ria de todo e sta a in t en sao de l espanhol, e primeira di do sat mn da cia de este que isto o sabe

Rapazes disponíveis para a coisa, lá havia alguns, com as raparigas fora muito mais difícil, mas lá umas nobres e valente se ofereceram e assim se fez a rodagem, muitos, se não todos com umas mascaras que o tó fazia nesse tempo, e que eu coleccionava, feitas com penas de galinhas e que eram muito bonitas, eu e minha amada, nos amamos em nosso leito, me recordo de como fora difícil entesar, com a câmara e equipe ali ao lado a ver, depois um rapaz masi crescido em cima do nosso leito se masturbou analmente com um vibrador, não um pepino, um outra rapariga tomava banho no duche, assim tambem em genero soft tipo pato com laranja e depois se tentou uma orgia sem a ser na sala, que só funcionava pela montagem, visto que acto em si meso, todos se foram cortando, eu me recordo, de uma bela rapariga que estava a meu lado e de seu belo arfar, estava cheia de desejo, mas não permitia quase que a tocassem, ali estava ela a viver, um dilema, entre o desejo, e os pregos nas cabeçinhas de todos os patos com laranja deste mundo, e depois me recordo de ciúmes com minha amada, à conta deste pequeno episódio

Ra pa ze s di s p oni noni vaso e is para a co isa, l á h avia al g u ns, com as ra p a rig gás f o ra mui to mais di fi c i l, ma s l á uma nobres e eva lente se o fe rec e ram e as si m se fez a roda ge m, mui to ss en cão todos com umas mas caras q ue o tó f az ia ness e te mp oe q ue eu cole c u ina ava, feitas com p en as de gali n h as e q ue e ram mui to bonita se ue mi h a am ad ano s am amo s em n osso lei to, me record ode com o f o ra di fi cel en tesa rc om a cam mr ra e equipe al i ao l ado ave r, d ep o is um ra ap z masi c r es cid oe mc ima do no ss lei to se ma s t u r b o u ana l que mente com do primeiro vi br a dor, um o u t ra rap a riga tom ava ban h on o duc he, as si m t am b em e mg genero s o ft t ip o pato com lar anja e dep o is se t en to u uma o i r g ia s ema ase r na sala, q ue só fun cio n ava pe la mon tage m, vi s to q ue ac to em si me s o, t odos se foram co rta n do, eu me record ode ma bela ra pa i g a q ue est ava am eu lado e de s eu b elo a rf ar, e stva che ia de desejo, mas n cão per mit ia q u ase q ue a toca ss em, al i e stav a el aa viver, um di l ema, en t reo desejo, e os pr ego sn as cab e linhas de todos os patos com l ar anja de ste mundo, e dep o is me recordo de ciu mes com mina h am da, a cona t de ste pe q u en o e pi s o dio

No dia da apresentação, percebi a natureza da alma do rui simoes, fizera ele um pequeno papel com um belo poema francês e em seu final só seu nome vinha associado ao video, eu lhe perguntei, ao cabrão, que tao pouco o fizera nem o soubera fazer, então e os outros não existem, neste teu exercício de louros de pretenso cesar, uma performance em seu inicio, uma rapariga grande assim vestida de menina de lobo mau, com uma cesta com tomates e pepinos e cenouras ,assim dispostas em jeito e forma particular, ia distribuindo a fruta , pelo salão da universidade cheia, depois o filme que nunca tive nem um copia, pois sempre la pedi, mas o rapa nunca ma deu, que deve então estar quem o saberá agora, na tal mala de alumínio das fitas da besta constante do constâncio, a sair da vulva vermelha da ar, na madrugada recente, essa fita, ou quem sabe de muitas outras, suas putas!

per cebi ana ture za da alma do rui si moe es, o u seja pro ova ave l men gt te da morte da pi n ce za diana

No dia da ap r es en taçao, per cebi ana ture za da alma do rui si moe es, fi ze ra el e um pe q u en o pa p elo n ho com u um b elo por ema f ar nc es e em s eu fi n al s ó s eu no me vinha as soci ado ao vi de o, eu l he per gun te ia o c abrao, q ue tao p o u co o fi ze ra ne emo s o ub e ra f az e r, en tao e os o u t ro sn cão e xis te m, neste te u e x e r ci cio de lou rr os de pr e t en s o cesar, a s ua ce hi a, uma per rf romance em s eu in i cio, uma ra pa riga g rande as si m v es tid a de menina de lobo m au, com uma ce tsa com tom ad t es e pepe ino se cenouras, as si em di s postas em je tio e forma par ti c u l ar, ia de s t u ib u indo a fr u t a , pea sala o da uni universidade che ia, d ep o is o fil me q ue n unc a t ive ne m um c ap o rolo serpente o pi a, p o is se mp r e la ped di, mas o ra p a n unc a ma de u, q ue d eve en tao es t ra q u emo sabe rá agora, na t al m ala de al u minio das fitas da besta co ns t ante do co ns t na cia o, asa i r da vulva vermelha da ar, na mad rua gado rec en te, ess a f ira, ou q eu m s abe de mui t as o u t ra s, se ua s putas.

A outra besta, o rui zink, só anos mais tarde somei, e cheguei à conclusão que tudo isto ele fizera como método de sua promoção, de promoção na carreirinha dos carreiristas das carreiras, ainda não o tinha escrito e cortado a escrita onde se desvela o outro, tambem o outro lado da coisas visível ou das coias que se vem, pois agora se ve que tudo isto foi bem masi negro em suas intenções

A outra besta, o rui z ink, s ó ano s mais t arde s om e i, e che g eu e ia c on c lu sao q ue tudo is to el e fi ze ra com o met ode de s ua p rome sao, de pro mo sao na car rei rinha dos car r e rita s das car rei ira sa inda n cão o tinha es c rito e co rta dao a es c rota onda se de s vela o outro, t am b emo outro l ado da co ia s v isi v el ou das co ia s q ue se eve m, p o is agora se eve q ue tudo is to f o ib em masi ne g ro em s ua s in t en ç o es

Já vos disse em forma clara, como sempre da Lei do Corpo, com ele tudo podes fazer à medida do teu querer, na única excepção de não forçar uma outra parte do mesmo Corpo, e para as bestas manhosas, que andam a brincar com estes cios a escamotear situações muitos graves de mortes e de roubos de quantias elevada de dinheiro, que entre outros, servem para financiar crimes, como todos sabem, vos digo, o que sai do cu, e nele entra é assunto de cada um , vao-se todos foder que a minha paciência para bandidos, filhos da puta e assassínios, é nenhuma


J á vaso do os di serpente da se em forma circulo do primeiro da ar, com circulo da se mp red da primeira da lei do corp o, com ele tudo p ode espanhola al do forte do az e rato do acento à me dida d t eu quadrado da eu rena da única e x cep sao de n cão forte da orça rum ao vaso da tr da p arte do me serpente mo corp oe para as bet sas man hi circulo das sas, quadrado da ue anda dam ab br inca rc om est espanhol falo dos cios a esca mo te rato da ar si cruz vaso do ç o es mui t os g rav espanhóis do homem da moret, da moreia, o ts, e de ro ub os de q vaso das antes tias el e vaso circulo da ad a de dinheiro, quadrado da ue en cruz reo vaso da cruz ros, ser vaso em para fi na cia rato rc ci r mes, com o todos s abe m, vaso do os di gato do circulo, o quadrado da ue sa id o cu, en el e en cruz ra é as sun to dec ad norte sul , vao do traço da inglesa se todos f ode rati, quadrado da eu da primeira min do homem da ap do ac cie cee muito cia para dos bandidos, fi primeiro do homem doc irc u dez da puta e as sas sin ni os, é muito en home da primeira


Como é sua besta que dá pelo nome de constância, é esse filme que trás como escriturário de outras coisas que não as que deve fazer, e que nem sabe nem bem faz, que trás em sua mala, se lá trás esse filme, antes de masi agradecia uma cópia, ou ainda trará porventura outros de filmagens de minha pessoa a masturbar-me ou a fazer amor, ou o que seja, ou ainda se refere ao episódio da cloaca gigante no fragil, ou ainda , tudo isto junto, responda claro se é homem, se não ainda puxo de minha adaga contra si e os vossos! Último aviso que lhe faço!

C omo é s ua besta q ue d á p el no me de cos n tan cio, é ess e fi l me q ue t rá com o es c r ir u ta rio de outra sc o ia s q ue n cão as q ue d eve f az e r, e q ue ne m sabe ne m b em f az, q ue t rá s em s ua m ala, se l á t rá s esse fi l me, ant es de masi a g ra dec ia uma có pi a, o u a inda t ra rá por v en t ur outros de fi le mage ns de min h a pessoa a mas t ru bar do traço do ingles me o ua f az e ram o ro u o q ue seja, o ua inda se r efe rea o e pi s o di o da c lo av ca giga gan te no fr a gil, o u a inda , tudo is to j un to, r es pond a c l aro se é h om em, se n cão a inda p ux o de min h a ad a gac on t ra si e os v ossos! I l t im o avi s o q ue l he f aco!

Estou farto de vós, suas putas de todos os quadrantes políticos, de vossa tremenda infâmia, de vossa tremenda cobardia, de vossos roubos que de tudo intentam contra minha pessoa e meu filho e meus direitos e minha autonomia, e os dias passam, e eu continuo sem meu filho, nem justiça feita, seus cabrões, pouco falta para vos levar para o inferno final!

Es to u f art o de vó s, s ua s putas de todos os q ua dr ad dn te s poli toc, d evo s sa t r e mn en da in fa mia, de v os sa t r emenda co bar dia, de v ossos ro ub os q ue de tudo in t en tam c on t ra min h a pessoa em eu fi l h oe me us di rei to ze min h a au ton ia, e os dias pa s sam, e eu conti n u os em me u fi l h one m j us ti ç a fe i ta, se us c ab ro es, p o u co f al t a para vo is l eva r para o in f e r no fi n al!

Seus caralhos do diabo, parem de inventar ou armar confusões, para tentarem escamotear o que nao podem, passem para cá meu filho, e meus direitos e reponham a justiça e paguem o que me devem e mim a todos os outros alvos de vossas injustiças!

S eu sc do car primeiro homem os do diabo, pa rem de in vaso en tar o vaso da ar am mar confusões, para da cruz da en tar rem esca mote ra o quadrado da ue muito e eva ado cao da p ode maior, pa serpente da se do maior para circulo da ac en tua sao me eu fi primeiro ero homem do oe da me us di rei cruz os e raro da ep em ham a justiça e pa gato eu mo quadrado da ue med eve maior da serpente eta cara vaso da ana terra! e pa gato vaso emo quadrado da ue med eve me mim a todos os circulo do vaso da t rosa primeiro do vasp do os de vasp os sas in justiça serpenet





Quando abri o lap top, como a menina diz, o topo do colinho, ou seja das belas ou menos belas sentas, ou ainda do tap dance, ou da dança daos aviões, ácidos, e outros voos, o kanguru aqui, ficou provavelmente por acção remota, assim meio estranho

Quando ab rio lap top, com o am en ina di zo topo do co linho, o u seja das be l as o u mne os be l as s en t as, o u a inda do tap dance, ou da dança daos avio es, ac id os, e o u t ros vo os, o kapa e guru a aqui , fi quadrado do co vaso do pro ova ave l mn te por ac sao caçao r emo mota, as si m mei o e ts r anho

Assim li, kanguru branco do circulo vermelho do rectângulo soul den da orbita sobre a europa circulo do ur do circulo serpente ob rea az vaso do primeiro te rato mina da ar do pr circulo do gato da rama zon da ova da al, z om, o al do sala o girassol na cas de banho da padaria, a festa do pijama

As si m li, k na guru branco do circu dez vermelho do rec ta n gula dez soul den da o rb bit a s ob rea europa circulo do ur do circulo serpente ob rea az vaso do p rime ero te rato mina da ar do pr circulo do gato da rama zon da ova da al, z om, o al do sala o gira s sol na cas de ban ho da pada ria, a f e sta do pi j am a

É real e sta da tinha do quadrado da eu see circulo vaso da cruz primeira de ceuta aqui,

É rea ç e sta da tina h do quadrado da eu s se circulo vaso da cruz p rime ria de ceuta aqui, au eu

Na avenida estados unidos da América fechou a assinatura de uma antiga história aqui narrada, de um bidão de vinte litros que apareceu uma tarde, à entrada do túnel, com um autocarro e com uns polícias que se encontravam em entre campos, a praça da restauração, a controlar um outro condutor, um renault estrela de prata inclinada atrás e sem estrela no circulo da frente em cruz com um ford transit caixa aberta quadrado da tríade do lot, ou do angulo da ot, debaixo do túnel, ou dentro do túnel, melhor dizendo, quim ze home do primeiro da estrela maior

Na ave ni d a estados unidos da am erica f e cho ua as sin at tura de uma ant i ga hi s tór ia aqui na rr ada, de um bid dao de vinte l it ros q ue ap ar rece u uma t arde, à en t rada do t ine l, com um au to carro e com un s pol cia s q ue se en c on t rava am em en t re cam p os, a pr aça da r esu t aura sao, ac on t rola rum outro com du tor, um rena au l t es t r e la de p rata inc lina ada at rá se s em e ts r e la no cir u lo da fr en te em cruz com um ford t ra sit caixa ab e rta q au dr ado da t riade dol ot, ou do angulo da ot, de ba ix o do t une l, o u d en t ro do r une l, mel hor di zen do, quim ze home do p rime rio da ester la maior

O loco inclina negro na tampa vermelha das grades do rectângulo da lua por detrás da folha branca, a primeira onda da am da br eira a manivela da vesica da chave doirada da operação da fun são ban co por cruz , seta na cruz, vaso do gato do vaso ês c ml ala fa cinha, ar vo r es

O l oco inc lina ane vaso g ro na tam pa ave rm e l h a das grades do rec at n gula da lua por det ra s da f o l h a b r anca, a p rime r i ia onda da am da br eira am ani vela da v e isca da ch ave do irada da opera sao da f un são ban co por cruz , s eta na cruz, vaso do gato do vaso ê s, c ml ala f ac cinha, ar vo r es


Todos malucos, sem duvida!

Um outro fio se desenrolou, depois do vento e da imagem dos olivais da escola que ficara assim com o telhado com as vigas tipo, pauzinhos do mikado, e que vem tambem na sequência da busca da tal ilha, pois de seguida caiu uma escola no Haiti, e no telhado vi um mesmo desenho, e depois ontem salvo erro, andando pela noite ouvindo a rtl ou radio lisboa paris, ou lá como se chama, que não me recordo ao certo, parece que depois do primeiro, um outro semelhante lá se dera, dizia a jornalista que eram problemas de construção, coisas estranha

Umo u t ro fio se de s en t olo u, d e p o is do v en to e da i mage m dos ol iva si da es c ola q ue fi cara as si mc om o tel h ado com as vi gás t ip o, p au z in h os do mi k ado, e q ue eve m t am b e mna se q u en cia da b us ca da t al ilha, p o is de se guida ca i u uma es c ola no h a it tie no tela hd o vi um me ms o de s en ho, e d ep o is on te m s alvo e rr ro, na dn ado pe la no it e o u v indo a rt l, pa rc e q ue d ep o is do p rime rio , um o u t ro semem l h ante l á se d e ra, di z ia a jo rna l ista q ue e ram por r b l ema s de c on t ru sao, co ia s e ts rata anha

Ou seja parece então existir uma relaçao entre alguém que frequentava aquela escola dos olivais salvo erro, a fernando pessoa, e um cobra no haiti, um vulcão, anterior ou o da queda das torres, ou mesmo um trajecto passando por estes dois incidentes, e me lembra isto a memória de um foto num arranjo de uma montra numa loja no estádio do benfica , com uma imagem de uma antiga revista de informação e entretimento, que mostrava uma estranha imago mundi, que em mim se entranhara ao vê-la, que me pareceu ser da mao da catarina, a montra, uma história que consta aqui deste livro da vida, de um menino num conjunto de outros meninos à volta de um lago, ele com uma bola dentro das aguas com se estivesse afundando e apertando o mundo

O vaso do seja da pa da rec e en tao e xis tir primeira da relaçao en t re al gume q ue fr e q eu en at tva aquela espanhol circulo do ola do serpente do circulo do primeiro nono ia ss alvo e rr circulo , primeira do fernando p esso a, e primeiro cobra no do haiti, um vaso di up dez do primeiro cao, ante iro ro vaso do circulo da europeia dada serpente das torres, e me l en br a is to am em emo o ria de p rime rio forte do circulo do ra numa rr anjo de uma mon cruz do ra num al circulo do j ano est di o do benfica , com uma e mage maior de uma ant ti gata da ar eve ista de em for maçao e en cruz do rei men to, quadrado da ue mo serpente da cruz rava uma te serpente da rn homem da primeira ema g om un di, quadrado da ue em mim se en cruz do rato da anha ra primeira ove do traço da primeira, quadrado da ue me ap rc eu ser da mao da catarina, am montra, uma hi serpente do tór ia q ue co muito sta aqui de ste primeiro nono do ro da vida, de um me nino num circulo em j un to de outros me nino s acento avo primeiro cruz ad e p rie mr rio lago, el e com uma da bola quadrado en cruz do ro das aguas com se est nono esse da primeira fun dando e ap e rta ando do circulo do mundo

Tivera esta primeira imagem do estádio, onde tambem vi um cartaz com a homenagem ao feder, e que portanto me levara a ficar com o sentir em mim que tambem isto estaria ligado com a sua chamada morte súbita, dois desenvolvimentos recentes, em tarde recente no final da rua do borja, uma mobilai assim tipos anos cinquenta, um contador com duas gavetas, a da esquerda trazia lá dentro uma bola assim semelhante, daquelas que mesclam diversas cores, como veia de sangue na terra, e um papel no forro da gaveta que apontava para pastelaria italiana, como insinuando que aquela mobília fora pertença de alguém de um bola de veias e sangue da pastelaria italiana

T iv vera e sta p rime ira rai mage maior do estádio, onda t am b em vi um cartaz com a h om en mena a ge mao feder, e q ue porta n to me l eva ra a fi car com o s en tir em mim q ue t am b em is to est aria li gado com a s ua c h amada mo rte s ub bit a, do is de s en vo l vi men to s rec en te s, em t a rede rec en te no fi na ak l da rua do borja, uma mob ila ia ss em t ip os ano s c in q u en t a um contador com du as g ave eta sa da esquerda t ra z ia l á d en t ro uma bola as si em semem l h ante, da q eu l as q ue ne sc l lam di vera s cor es, com ove ia de sangue na terra, e um pap el no forro da g ave eta q ue ap on t ava para pas tela ria italiana, com o in sin u ando q ue a q u la mob i lia f o ra per t en çade al g eu m de um bola de veia se s en g ue, dengue, da pas tela ria ital iana

A outra ainda masi recente, quando agora abrira as caixas de antigas fotografias, e especificamente nas fotos de rodagem do clip a nortada, ou seja imagem de ventos fortes e frisos, onde são visíveis sinais ritualistico de gravações, essa bola agora como um balão, com masi tres brancos dispostos em triângulo de fogo sobre a minha cabeça , eu em cima da bicicleta que a mimo maria de fritas, do grupo das meninas da lisboa das claquetes, tinha usado no clip, numa fila da equipe, na rua do arc ao bairro alto, a foto final da rodagem, duas maos seguram a bola tipo mundo na minha cabeça, uma delas é do rapaz italiano, que trás im talk talkie em sua outra não, e no outro lado, com um dossier negro inclinada, salvo erro o meu story board, que é tambem o que está presente na gravação na outra fotografia, ou seja um mesmo personagem faz um outro passe de gravação, sao quatorze os que estamos na foto, um deles um rapaz com quem me chateei no meio daquilo, que é o paulo pulido valente, que aqui desempenhou papel de produtor, e fui mesmo a única vez que com ele trabalhei, curiosamente, fora isto montando numa moviola do rui simoes ali ao pe do campo pequeno, ou seja masi uma vez um mesmo fio, rui simoes, a aparecer outra vez aqui neste mesmo texto, e no que parece ser um mesmo fio, de gentes ligadas a extrema esquerda, portanto será uma historia que vem do moita lyz,

A o u t ra a inda masi rec en te, q u ando agora ab r ira as ca ix as de anti gás f oto g raf fia se es pe ci fi icam nete nas f oto dd e roda ge m do c l ip ano rta da, o u seja e mage maior de ventos f orte se fr is os, om n de são vi sis v e is sin a is tir ua l is ticos de g rava ç o es, ess ab o la agora com o um bal o ac om masi tt r es brancos di s post os em t rin gil de f ogo s ob rea a min h a c a b eça , eu em c ima da bic e vaso da primeira eta quadrado da ue da mimo maria de fr it as, dp circulo dog rup, o das meninas da lie da boa do circulo de la q eu t es, la tap dane dance, tinha usa ado no c primeiro ip, numa f ila da e q vaso do ipe, na rua do arc ao ba i rr o al to, primeira do fort da oto fi na al da roda ge maior, do as da asa maos segur am ab ola t ip o mundo na min homem do ac ab eça, uma del as é do ra p az italiano, quadrado da ue cruz do rá si em cruz al kapa da cruz al ki e em serpente da ua circulo do vaso da cruz ra muito cão, e no circulo do vaso da cruz do ro lado, com um do ss sie rato da ne g ro inc li anda , serpente alvo e rato ro do om eu s tor y bora ad, quadrado da ue é cruz da am e segunda emo quadrado da ue e stá pr espanhol ingles cruz ana gata da rava sao nau doc ur cu dez do vaso da cruz do ra f oto g raf fia, circulo do vaso do seja primeiro me mo per son primeira ge em forte az umo vaso t ro p da ase de g rav ac sao, ser pen t te e el v ada, serpente elevada, ao quadrado do vaso da art tor ze os quadrado da ue est amo serpente na f oto, primeiro de primeiro espanhol do primeiro ra ap zorro com do quadrado eu maior me cha tie ino mr rei circulo da quadrado do vaso de dez, quadrado da ue é o paulo pulido vaso do as nete, quadrado da ue aqui de sem pen homem do circulo do vaso do pap el de pro do ot, e forte do vaso em emo a un ni circulo ca da ave zorro que com el e cruz do ra bal he e, cu rio sa que mente, forte do circulo do ra is to mon t ando muito primeira mo viola do rui simoes al ia circulo do ped do cam po pe q e un circulo,, circulo do vaso do seja masi uma ave zorro ze me ms circulo do fio do rui simoes, a ap ar rec ero vaso da cruz ra ave za qui neste me serpenet do mo texto, e no quadrado da ue pa rece ser primeiro me serpente mo do fio, de g en t es li gados a e x cruz rata ema esquerda, porta muito to se rá da primeira hi serpente da tori aqui da ue eve em dom vaso da ota do lyz, a p rime rio delta do zorro


na casa branca a saga, a outra da imagem, continua a evoluir no jornal dos bandidos, depois da ultima referencia aqui entrada, na sala redonda, os dois presidentes sentados de costas para quem os via em bela cadeiras assim às listas, amarelo e azul, quase turquesa lápis lazuli, conversando um com o outro e bebendo de vasos de agua, no meio da sala , uma pequena mesa de apoio, com um jarra de flores vermelhas que pareciam ser assim como cravos, e uma estranha sombra que se desenhava no tampo, pela jarra, se tal fosse possível, que a primeira vez que foquei o olhar nesse ponto central de fuga da fotografia, parecia ser como uma caixa em forma de pirâmide, ou arca, que remetia então para a referencia em texto anterior, sobre as consequências do abrir da dita relatado em textos sobre o que acontecera em tempos muito passados, com custo em vidas, um texto que me aparecera em salema numa noite a navegar, ao fundo, a secretária do segredo do presidente, tambem uma vez alvo de uma entrada aqui neste livro, a tal secretária irmanada com um outra que se encontra no palácio real em londres, a secretária de trabalho, a escrivaninha muito conhecida das fotos de kennedy com seus filhos a pular e a brincar na casa branca, memória de nossas infâncias, do seu lado humano, eu me fiquei a perguntar, mas o que é que os rapazes me tentam assim dizer, e por ali na indagação fiquei

na c asa br anca a saga, a o u t ra da i mage m, conti n ua a evo lui r no jo rn al dos bandidos, d ep o is da u l t ima refer en cia aqui en t rada, na sala red don da, os do is pr es id dentes s en t ado s de costa s para q eu mos v ia em be la cade ira sas si m às lita s, am ar elo dez ze az vaso do rp primeira, com versa sand o primeiro com do circulo do outro e b e segundo en do de v as os de agua, no mei o da sala , uma pe q u en a mesa de ap oio, com um jarra de flor es vermelhas q ue par e cia am ser as si mc omo c r avo se uma e ts r anha s om br rac ue se de senha ava no tam pope la jarra, se t al f os se p os s nono el, q ue a p rime ria ave z q ue foque i o olhar ness e ponto c en t ra l de f u gado f ot ti g raf fia, par e cia ser c omo uma caixa em forma de pira m id e, o ua rca, q ue r e met tia en tao para a rf e ren cia em texto ante iro rato, s ob rea s co nse q u en cia sd o ab r e rda dita r e la t ado em textos s ob reo q ue ac on tec ra em te mp o s m u i to p ass ados, com c us to em vidas, um texto q ue me ap ar cera em sal ema n uma no it te a navega ra o f un do, a secreta aria do se g red o do pr es sid dente, t am b em uma ave z alvo de uma en t rada aqui neste do primeiro ro, at al secret ária e rata m ana ada com um o u t ra q ue se en c on t ra ano pala cio real em l on dr es, a sec rta apostolo da se rp net da rai de t ra b e l h o, a es c r eva nin h a mui t c on he cida das f oto s de k en ned y com se us fi l h os a p u l ar e ab ric ar na cas br anca, me mr ia de no s sas in fan cia s, do s eu l ado humano, eu me fi q eu ia per gun tar, maso q ue é q ue os ra p az es me t en tam as si m di ze r, ep o ra li ina inda g ac sao fi q eu e

depois uma outra foto, dos dois caminhando num terraço, com a referência a uma nota aqui tambem entrada, das bandeira circulares vidradas por cima das portas, que se espelhavam no hemiciclo da assembleia da republica, ou do senado, o elo eram as mesmas flores, os mesmo cravos vermelhos da revolução aqui em portugal, como lhe chamaram, os cravos que servem para espetar os crucificados, desta vez num canteiro, e os dois presidentes caminhando e uma terceira sombra contra a parede atras deles em angulo disposta com a mao de cinco dedos aberta, como a dizer a sombra do quinto, ou a sombra da estrela

d ep oi serpente uma circulo do vaso da cruz ra f oto, dos do is caminha ando muito do primeiro da te rr do aço, com ar ref e fr en cia primeira da uma muito ota aqui cruz da am e segunda em en cruz rada, da serpente do bandeira circulo do irc do vaso do lar espanhol vi dr ad as por e rc ima das porta serpente , quadrado da ue se espanhola pe primeiro homem ava vam da am no homem do eni circulo da ilo da ass em segunda leia da ar e publica, circulo do vaso do sena ado, o leo elo e oe ram as me primeira sm flor es, os me serpente do mo circulo da rav do os vermelhos da rato do evo lu sao aqui em porto vaso do gal, com do circulo do p rie mr rio do he do circulo do homem omam am aram, os circulo do rav os quadrado da ue serve em para e spa etar os circulo do ru zi fic primeira ao circulo da se da rp da net do os me serpente do mo circulo da rav os vermelhos de sta ave zorro zenao primeiro can te iro, e os do is pr e sin det espanhol pan homem do gol doca min homem do ando e primeira cruz da rec ira serpente do ob rac on, em cruz ra ap da pa rede at ra serpente de del, sin circulo, primeiro espanhola ema gata vaso de dez id ds pot sa com primeira mao dec inc circulo dos dedos ab e rta, com circulo da primeira di ze ra serpente do om br ado quim to, circulo da ua serpente do om br ad a e ts rata ala

o estranho disto era uma linha que se insinuara na montra dos livros a meu passar, como se viesse de Obama, a dizer, não te esqueças de mim, porque havia de me esquecer dele? Como se uma preocupação ali se en estendesse s argente ao passar, e meu coraçao ficou pesado, como dizendo qual é agora o problema, ou a ameaça, a montra no mesmo passeio da casa da genuivieve, onde em dia recente o para lamas da mota ecoara na asa cadeira dele sentado em seu secretária

o es t r anho di s to e ra primeiro da linha q ue se in sin uara na mon t ra dos p rime rio nono da rosa me u p ass ar, como se vi es e de o bam a, a di ze r, n cão te esu eça s de mim, por q ue h ova id e me es q u ce r de le foice com o se uma pro e cup ac sao ali se en est en de s se s argente ao pa s sar, em eu coraçao fi co u pesa ado, como di zen do q u q l é agora o pro b l ema, o ua am e aça, a om n t ra no me s mo pa s seio da cas da g en u iv i eve, onde em dia rec en teo para lamas da m ota eco ara na asa de dc ced e ira dele s en t ado em s eu secret á ria

e depois querido Obama, aquela foto do jornal com o reflexo impossível, ainda aqui mora, no chao ao lado de minha secretária, assim sempre o vou olhando, e depois reparei que a sua gravata é igual ou parecida com uma que trago em meu armário, com outras, que fui comprando ao longo do tempos, pois são bonitas, embora não as costume usar, e assim nela li, que é cem por cento silk, dr do delta circulo da lea muito oh, nl delta, da hermes de paris, made de france cem por cento percentil serpente ole

e d ep o is do querido, do circulo, O do bam am ama, primeira aqui da eu la f oto do jr muito da al com do circulo do rato e da for mula one e x zo e mp os serpenet do nono el, primeira inda aqui mora, no chao ao primeiro ado da min do homem da primeira da sec e r tá ria sas si em se mr pr ovo e vaso eu do o l h ando , e dp o is rato da epa rato da eu pata as ua gata do delta das rav em a é e gai vaso da ak o vaso do par e cida com uam quadrado da ue cruz do rago em me vaso da ar do mário, com circulo do vaso da cruz ra serpente, quadrado da uec forte do circulo e com da pata muitos dó ao primeiro em god o te mp ps circulo, p circulo do is são bonita ser pr n te s, em bora muito cão as cos cruz vaso da me usa rea ss em ne la li, qua dr ao da ue é c em por cento si primeiro kapa do dr do delta cir vaso de dez da lea mui to oh, nl delta, da her mes de paris, made de france c em por cento per c en til da serpente ole

depois caiu no jornal, na foto, um pedaço de cinza, um estranho pedaço de cinza assim compacto que em cima da gravata a apontar as folhas que tem em sua secretária, a cinza era estranha pois ficou assim compacta com um bico que me lembrou de imediato, um lápis, assim feito em carvão, como era mencionado, no texto recentemente publicado com o nome hipótese, e depois pequenas cinzas, assim como pontinho se espalharam pelos dois conjuntos de folhas da sua secretária, um deles com uma caneta preta, que pode figurar um lápis de carvão, depois ao lado esquerdo, seu direito, uma outra revista por ali esteve poisada, do jornal dos bandidos, quando olho, a figura que se formou, leio nela in as s ps do jogos da internet, os tais toques e similares, e as versões actualizadas do eterno conto do vigário, , isto assim num quadrado em losango disposto sobre bandeira americana que trás atrás de si, e que correspondia a uma outra capa dentro da capa da ns de sabado cento e quarto e outro, com a silhueta de um homem morto no chao do priorado do cifrão, ou seja um papa do dinheiro, e os segredos das editoras, ou seja do paulo teixeira pinto, , do se mi circulo em apostolo serpente do aguiar, a capa grande da revista, trás uma curiosa fotografia, um rapaz vestido em seu fatinho com uma mala preta meia dentro da agua, e com o seu curada chuva que tambem metido assim nas aguas , ou seja , chapéu de chuva que para a chuva e os raios, mas se assim posto, e com mala preta ao lado, mais parece fazer a ligação dos raios no mar, ac tua ai iza da ad as do e tr rato no do conto do hi do forte en dó do traço do hi forte do en do vigário

d ep o is ca e un do circulo do jornal, na f oto, um ped aço dec em za, um espanhol da cruz do rato do anho ped aço de cin za as si em co mp pacto quadrado da ue em circulo ima dag rav at aa ap em tar as forte do circulo do primeiro homem as do quadrado da ue te maior em serpente da ua secret primeira ria, ac em za e ra e ts rato da anha da p do circulo do is fi co vaso do as ss em com pat ca com primeiro do segundo oco quadrado da ue me primeiro em br ro vaso do imediato, um primeiro à pi sas si em fe e to em car do vao, do mna marocas, com do oe ra men cio em ado, no texto rec en te mn te pub li circulo do ado com do circulo do no da me hipo te see quadrado da ep circulo do is pe quadrado do vaso da en as das c in za sas si mc om do pontinho, viol ino se e sap pn hola dp pe la homem ram ep la serpente o pen ny te do isc em j un to serpente de forte do circulo do primeiro homem as da serpente da ua sec e rta acento ria, quadrado da ep do circulo da isa do circulo lado esquerdo, serpente eu de direito, uma circulo do vaso da cruz ra da revista por al e espanhola teve p o isa ada, do jornal dos bandidos, quadrado da ua ando olho, a fi gato do ur aqui da ue se for mo vaso, lei on e la in as serpente do ps do j ogo, falo, da serpente da internet, os tais to quadrado da eu se si mila rata espanhola, e as vaso e rato serpente do circulo do espanhol do ac tua primeiro e iza da s do e cruz reno conto do fi g á rio, is to as si maior num quadrado da ua ad rato ado em lo san go di serpenet da p oto ze do ob rea na de ira am primeira do rei c ana quadrado da ue cruz ra sat rá serpente de si, rato do q ue co rr espanhol do p circulo do dn ni aa uma circulo do vaso da cruz do ra capa den t ro da capa da ns de sabado circulo em en to e quadrado da ua art e a e circulo do vaso da cruz do ro, com a si primeiro homem do vaso da eta de primeiro homem do om em mo rto no chao do p rio riad o do ci fr a oo vaso do seja primeiro papa do din he iro, e os se gatos red os das edi tora serpentes do circulo do vaso do seja do p au dez te nono e ira pinto, do se mi circulo em a ps oto lo serpente do aguiar, a capa g rande da rato e vaso do ista, cruz ra serpente uma circulo do ur isa f oto g raf fia, um ra p za vaso espanhol tid circulo em serpente eu fat em h circulo do com primeira m ala pr eta mei ad en cruz do ro da agua, e com os eu circulo do ur da ad da primeira c h uva quadrado da ue tam be met ido as si mna serpente das aguas , circulo do vaso use da js , circulo do homem da ap eu dec homem da uva quadrado da ue do para da primeira c h uva e os rai o serpente masse primeira sis mp os to, e com da m ala pr eta ao lado, maior do mais pa rec forte do az e ra li gato da ac sao dos rai son oma aro, ac tua ai iza da ad as do e tr rato no do conto do hi do forte en dó do traço do hi f en do vi gato acento a rio

e agora mesmo me caiu com grande estrondo a caneta prata amarela circulo vermelho com o que parece ser um globo da paraRede que ficou perpendicular a dois pontos como se tivesse atravessado um baliza, ou balize, apontando a estrela das rodas negras da minha cadeira, a perna que corresponde a cabeça

e agora me s mo me c au e com g rande est r nod a can eta p rta am ar e la cir c u oo vem r l ho com o q ue pa rece ser um g lobo om da para Rede q ue fi co u pe rp en di cua l ra do is pontos com o se t nono do ess e at ravessa ado p rime io bal iza, ou ba l ize, ap on t ando a e ts r ala das rodas negras da min h a cade ira, a pe rna q ue co rr es pon m dea ca beça

no final da linha que marca a caneta, a mala do pc da imagem recente da cobra da ilha

no fi na al da linha do q ue ma rca a can eta, am ala do pc cd pr primeira ima ira e mage mr rec en te da cobra da ilha

ah, bela rapariga das lacas, que bela sois, assim com esse seu ar malandrim a quebrar as tesouras, então quando se ve de trás esses seus negros caracóis, nasce uma vontade súbita de ali fazer ninho, e brincar com os dedos assim naquelas belas ondinhas

a h, be la ra pa riga das l aca s, q ue be la s o is, as si mc om ess es eu ar m al lan dr ima q eu br ar as te soura s, en tao q u ando se eve de t ra s ess es se us ne g ros cara rac co is, na sc e um avo n t ad e ub bit a de ali f az e r ninho, e b rin ca sc om os dedo sas si em na q eu l as be l as on dinha serpente

sabe , bela menina, me apareceram aqui umas tesourinhas, a bem dizer, era masi daquelas que foram recentemente aqui mencionadas do jardineiro que podava a arvore das maças, que são assim maiores e que trazem cabos de madeira vermelhos, pois ali estavam, dentro de uma casa que fora outrora um bar com uma abertura na parede que parecia ter sido assim um forno de pao de outrora, ou ainda um pipa de vinho, mas que agora o vê-lo no meio das obras me ecoou súbito, na imagem do seio, do alquimista referido em texto anterior da roda da vida, que em dia recente vi, de novo descendo para o jardim das amoreiras, numa montra associada à mont blanc, e que era como a moeda japonesa que um dia aqui em rua próxima alguém deixara no chao, ou seja com um veio central em quadrado


s abe , be la me nina, me ap ar e ce ram aqui um as te sourinhas, ab em di ze r, e rama si de q ua els quadrado da ue foram rec en te mn te aqui maior en cio das ondas inda s do j ar din he iro q ue p do circulo da ava a arvore das maças, provavelmente da p ria da dita, aqui, quadrado da ue da são dp as si maior do maio rato espanhola se q ue cruz ra ze mc ab os de madeira vermelhos, p circulo do is al e est ava am, den cruz da rode da primeira do circulo da asa quadrado da ue forte do circulo do ra circulo do vaso da cruz do ro ra primeiro bar com uma ab e rato da tura na par rede quadrado da ue par e cia te rato sid circulo do as si em primeiro forno de pao de o vaso da cruz do ro ra, circulo da ua inda primeiro da pipa de vin homem ao, masque do agora ove do traço dez primeiro do circulo don circulo do mei circulo da serpentes ob ra serpente da me ecu circulo do us ub bit ton primeira e mg em do seio, do al quim ista rato do efe rato do is do circulo em te x to ante rati do ra tp, rato son do w he els da roda da vida, q ue em dia rec en te vi, de n ovo de sc en do para circulo do jardim das amo rei ra sn uma montra as soci ad a à mont blanc, e quadrado da ue e ra com o da primeira moe da j ap em ze za quadrado da ue primeiro dia aqui em rua pro x ima al gume de nono da xara no chao, o vaso do seja com do primeiro veio c en t ra primeiro al em quadrado ua dr ado

a brisa do vento me trouxe um pequeno bilhetinho de minerva, nas escadas do prédio me abaixei para o apanhar, vem ela dentro de um circulo trazer os louros ao homem que conduz a quadriga no ceu, neste caso um símbolo da gulbenkian, onde a quadriga masi parece correr em tres linhas paralelas dispostas como se fosse uma pista de corridas de antigos gladiadores romanos, nas linhas como num estendal, parece estar uma armadura, dois paus e talvez um escorpião, pois um de seguida na noite no meio da pedras logo apareceu, dizia o papelinho em na forma como estava cortado, forte di angulo pr circulo do gato da rama , gula, gato do vaso do primeiro segundo do vaso da cruz dos dois pontos co circulo do livro com, e serpente posi são per ma do segundo do duplo circulo do oitavo do bar de rá de dez do circulo do sete primeira vareta do quim ze do estrela do duplo circulo e ur do uva inc lui ido circulo

ab da br isa do vaso en tome cruz do ro ux e primeiro pe quadrado do vaso en do bil he tinho de m ine rato vaso da primeira, nas es cd as do pr é di ome me ab a nono e ip do para o ap e homem da ar, vaso em e lea den cruz ro de um circulo cruz ra ze ero serpente dos louros, papagaios, ao homem do ome quadrado da uec em do za quadro primeira do forte ano circulo do eu, net ts e c as o primeiro kapa do iro serpente em segundo olo, galo falo, dag vaso do primeiro do segundo en k iam, onda a pato dr e gama si ap a rec co rr e rem cruz rato das espanholas linhas para do primeiro da cea serpente da di da serpente da posta com do circulo da se forte os se primeira pi sta de co rr id a s de ant e gato do o sg la di o rato espanhol roman os, de muitas as das linhas com em primeiro espanhol da cruz en quadrado da al, pa rece e star uma arma dura, do is p au use cruz alve zorro primeiro espanhol do co rato do pião, furacão, p oi serpente do primeiro da se guida na ano ite no mei o da pedras primeiro falo cravado na terra, ogo, da ap ar e da rece eu, di zorro do ia do circulo do pap e linho em e na forma com do circulo do est ava co rta ado, forte di na gula do pr circulo do gato da rama , gato uk primeiro do gato do vaso do p rime iro se gun dodo v as o da cruz dos do is pontos co circulo dol primeiro nono ro com, e serpente do posi são perm ma do segundo do duplo circulo do oitavo do bar de rá de dez do circulo do sete p rime ria vaso da ar eta do quim ze do ester la do d up dez circulo e ur do uva inc lui ido cir c uk ki circulo do delta de dez , primeiro do circulo
agora aqui nest preciso momento, uma outra caneta caiu ao chao e me indica o cabo branco da ficha que entra na caída de quatro e que depois termina numa triplo da latina europa, onde está no chao a seu lado, um fruto em madeira vindo da ilha da republica dominicana, black sete estrela primeira ub, invertido made in japan, o di gato do circulo do barras

a gira da ira aqui nest ep rec is omo men to, uma do circulo do vaso da cruz do ra can te ca e ua o chao e me indica do circulo do cabo do branco da filha quadrado da ue en cruz ra ana ca id a de quadrado da ua cruz ro e quadrado da ue d ep circulo do is te rato da mina muito primeira t rip dez da latina europa, onda e stá no chao ase vaso do r pi e mr rio do ado, primeiro fr vaso do to em madeira vaso indo da ilha da r e publica dom em e cana, bal ck sete is cruz rato e la p rato da me ira ub, in vaso e rato da tid oma de e em j ap ano di gato do circulo do barras, quadrado do sexto do circulo do segundo duplo set de noventa e um , o terceiro nono de quadrado do nono made in j ap pan, o das tretas, acrescenta-se agora o sentido, o da taça do agora

do outro lado do mesmo papelinho, escrito em azul à mao , trinta e um, do largo trinta e um, o terceiro do angulo , o set do terceiro invertido, circulo dec ad a uma dor espanhola da sala, por rui do serpente do quadrado do eu ca primeiro al, primeiro ant espanhol dó em cio do primeiro angulo da tríade invertida

assim no dia seguinte, ao largo do trinta e um me dirigi e nele assim li, lux xo da lux da serpente em ny,

na casa do antigo bar da esquina do trinta e um da aramada, easy jet a passar no ceu, uma outra indicação do ski, do aviao da mac donalds, do pato donalds, o circulo do ki, o furo em cas , com a tesoura do jardineiro do cabo vermelho a aparecer, dentro da cas do seio, da escola de crianças da necessidades da tapada das necessidades, ou seja relativo aos acontecimentos ainda na russia, ou seja o tal para que aparecera na visao ligado ao exercito mas que então deverá ser da marinha, oito nos de marinheiro em linha diagonal no chao apontam com precisão a porta pequena ao lado do portão da entrada das instalações da armada, no chao do antigo bar um vulcão, feita em terra, e um cabo preto eléctrico, como uma cobra dele sai para rua e entra no restaurante do trinta e um, ou seja, os oitos nos do homem da marinha , o amo da teresa, que sai do vulcão do chao do bar do seio do alquimista, na conversa que um dia eu a teresa com o francisco ao almoço tivemos sobre separação, uma estranha conversa com óbvios sinais de presença de outros, que assim a elevavam, alguém que portanto será da marinha, alguém ligado então a seu pai, que foi comandante da marinha, a pomba negra de garras vermelhas poisa na pequena porta que existe na coluna do obelisco, e ali no canto da direita baixa, e indica-me do quarto da porta da colmeia do neptuno da marinha, o home do triângulo então, o x no canto direito baixo do quadrado, do canhão das aguas e das antigas caravelas, e do corpo de intervenção da polícia, assim se acrescenta, ou seja alguém do museu da marinha e que pertence ou pertenceu ao corpo de intervenção, ou polícia militar da armada, ou que interviu na ruptura da família

na cas do ant e ti gato do ob ar da espanhola quina do trinta e um da ar am ad a, e a s y jet a p ass ar no c eu, uma circulo do vaso da cruz dot ra indica sao do serpente do ki, do avia o dama cc dona p rime rio quadrado do pato donald, o circulo do ki, o fur circulo em cas , com a te soura do j ar di ne iro do cabo vermelho a ap a recer, den t ro da cas do seio, da e circulo do ola dec rato do ian ç as da necessidades da tapada das sn ne circulo do ess id ad espanhola, circulo do vaso do seja rato e la cruz do ivo ao s ac em tec ee mn to aa inda na russia, circulo do it to no serpente de marin he iro em linha dia gato em al no chao ap ao muitas cruzes do ac om pr e circulo da isa do primeiro primeira da porta pequena ao l ado do por tao da en t rada da se ns cruz al ç orçamento espanhol da armada, no chao do ant e gato do ob ar do primeiro vaso ue primeiro cao, forte e it tva em terra, e um cabo pr e to , o do eléctrico, com dp circulo da primeira cobra de le sa ip do para rua e en cruz do ra ano rato e sta e ur ante do t rin t a e um, circulo do vaso do seja, os oi to sn os do homem do oe maior da marinha , o amo da teresa, quadrado da ue sa id do circu uk primeiro do circulo de dez vaso do primeiro do cao do vulcão do chao do bar do seio do al quim ista, naco em versa quadrado da ue primeiro do dia europeu da primeira teresa com do circulo do f ra muito circulo do isco ao al moço cruz nono do emo ss ob rato ti ser para sao, uma te serpente da rata da anha circulo em versa com ob vaso do is circulo do sin da primeira is de pr es en ç ad e outros, quadrado da ue as sima el eva vam, al gume quadrado da ue porta muito to ze rá da marinha, al gume li gado en tao serpente do eu pai, quadrado da ue forte do circulo e com do anda do dante da mar em homem da primeira da ap om segundo ane g ra de garras verme primeiro homem as p circulo da isa na pe quadrado e un primeira porta quadrado da ue e x us te na col un primeira dodo ob lie sc oe ali no can to da di rei t ab a ix a, e indica do traço da inglesa me do q ua art o da porta da co l meia do ne pt un o da marinha, o homem do ome do t rina gula en tao, o x no canto direito ba nono circulo o do quadrado, do can h a o da s aguas e das anti gás cara rave velas, e do corp o de in te r v en sao da poli ca, ss em se ac r es c en tao u seja al gume do m use u da marinha e quadrado da ue per cruz do en ce o vaso do per cruz en circulo eu ao cop o rato de in ter vaso da en sao, o vaso do quadrado da ue em te rato do aro do vi un da primeira da rup tua da f am e primeiro do ia

serpenet do vaso das aguas do tridente do tritao, a spa serpente do dog gás da pa serpente da queda da pomba tap, relógio parado na primeira hora caravela de setenta e um , ou do seth do primeiro, o borrão vermelho ao laço do transformador do pc, ou lap tap, top, ou seja relativo ainda à monica, vod o p do traço do numero dez cm quadrado do dezoito de quadrado da estrela

ser pen net do vaso das aguas do t rin det e do tritao, a spa serpente do dog gás da pa ser pente da queda da pomba tap, raro e dez gi o para ado na p rime ira hor a caravele de setenta e um , ou do seth do primeiro, o bor rato ao vermelho ao primeiro aço do t ra sn for mad o rato do pc, o do vaso do primeiro da ap do top, o u seja r e la t ivo a inda à monica, vo do circulo da p do traço do numero dez cm quadrado do de xo it to de q au dr ado da estrela

na fonte do tritao que aponta a marinha, a vesica do isqueiro azul por debaixo do rectângulo verde de uma sombra da bicicleta

na fonte do t rita tao q ue ap da ponta primeira da marinha, a ave sica do is q eu iro az vaso do p roi m ero primeiro mj por de ba ix o do rec tân gula verde de primeira s om br a da bic cic da primeira eta

a cobra da cinzas do homem de viterbo em dois mil e dois, das unhas do circulo do home da renascença, assim agora se manifestou

e seguiam assim as notas do visto no largo do trinta e um, o tridente do duplo quadrado da caixa das escutas, assistência acp, o balão do circulo reflectido no parque infantil cml, debaixo da calha das aguas, e em mim subiu a memória do alvito

e se gui ima as sima s n ota s do vi s to no primeiro argo do t rin t a e um, ot da rid do dente do quadrado da up da p do rime do rio do circulo de dez quadrado da ca nono primeira das es cut as, as sis cruz en cia acp, o bal ao do circulo rato do efe e primeiro do ct ido no pa quadrado da ue in fan til circulo do ml, de ba nono o da circulo do primeiro homem da ad as do gás vaso das aguas, e em mim serpente do ub e ua me mor ia do al vito

da retrete e do cesto da fruta e do ginásio na expo, o vulcão das pedras negras, imagem que consta qui neste livro, aviao azul setenta e seis tap porto

da retrete e do c es to da fr u t a e dog ina do acento do sio na expo, o v u l cao das pedras negras, e mage maior do q ue co ns sta qui neste primeiro nono do vaso do ro, do aviao az vaso do primeiro de setenta e seis tap porto

a vareta cotonete entre a moldura da caixa das aguas, ao lado de um buraco num dos seus topos, que a cobra do cabo negro deixou em seu passar, vanessa é fixe, ana ama carlos, soraya ama bens cinte rup e rato vania do e, oara pi mas te me primeiro anzol do grupo onze da dupla unidade

a va r eta c oto nete en t rea mol dura da ca nono a das aguas, ao l ado de um b ur aco n um dos se us to p os, q ue a cobra do cabo negro de ix o ue ms eu p ass ar, v ane s sa é fi z xe, ana ama car l os, sora y a ama be ns c in te rup e rato v ani ad oe, oara pi mas te me primeiro anzol dog up o onze da dupla unidade

cb da serpente onze, serpente bo cabo cml xara ap da rata, man lobo do duplo quadrado de setenta, ou sete do circulo, da venda a dinheiro do leopardo, tres rapazes arsenal fly emirates e muito segundo sexto triângulo de fogo vareta vermelha e negra, circulo do seat fi apostolo serpente dezasseis prata vaso sexto t di se pet p do oitenta e oito, outra vez, o oitenta e oito, passa na cruz arpão, como bebe a bordo, noventa e tres do primeiro do quadrado ur ia ge trens , do clib da coxa senhora, teia quevedo ste da estrela de setenta e cinco, treze x sara citroen azul e volante prata do kitty do agua parque do restelo, ou seja relacionado com as mortes dos meninos, dz setenta de oitenta e um bar do traço dos rates espace vinte e dois duplo vaso da cruz em chelas do sapatinho, trás, vinte e tres gb circulo do segundo, b maior duplo vaso bmw, azul da cruz no cesto da rapariga dos sapatos negros e brancos com laço do papilon, o nuno rogeiro, em sósias de óculos escuros com outra rapariga tambem de óculos escuros a seu lado na fonte das quatro direcções das necessidades, o zagalo maior da cruz de setenta e um, estrela do circulo do primeiro sete dt de noventa e um do fi de setenta e tres do anzol do rá , volvo do vinte e dois, os do circulo do primeiro cam for r dc vartea da fortaleza, ítalo bic, o p do vaso da serpente, lg honda do quadrado do seth, fabiano motor, duplo quadrado do vaso forte zagalo maior, estrela do segundo circulo do primeiro ip do pi saxo verde

cb da serpente onze, serpente bo cabo c ml x a ra ap da rata, man lobo do du p dez quadrado de setenta, ou sete do circulo, da venda a dinheiro do leopardo, tres rapazes arsenal fly emirates em u i to segundo sexto t rian gula de fogo vareta vermelha e negra, circulo do seat fi a ps oto dez serpente dez ase is p rta vaso sexto t di se pet p do oitenta e oito, outra vez, o oitenta e oito, passa na cruz arpa a o, c omo bebe a bordo, noventa e tres do primeiro do quadrado ur ia ge trens , do clib da coxa senhora, teia quevedo ste da te serpenet rato de la de setenta e circulo em co ot rr e ze x sara citroen azul e volante prata p rata do kitty do agua parque do restelo, o vaso do seja r e la cio n ado com as mor te s dos meninos, dz sete n te de oitenta e um bar do traço dos rates espace vinte e dois duplo vaso da cruz em chelas do sapa do tinho, cruz rá serpente do vinte e tres gb circulo do segundo, segundo maior duplo vaso, bmw, azul da cruz no cesto da ra pa riga dos sapa to s negros e brancos com laço do papilon, o nuno rogeiro, em serpente do acento do circulo, ó, sisa de co vaso do primeiro os espanhóis curos com do circulo do vaso da cruz do ra da rata ap da primeira riga cruz da am e segunda em de o circulo do vaso de dez, primeira serpente espanhol dos curos as do europeu do primeiro ado na fonte das quadrado da ua cruz ro di rec circulo de corte do circulo do espanhol das ne ce s sida d es, circulo do za galo maio rato da cruz de st e en cruz primeira e primeiro da estrela do circulo do primeiro sete dt de noventa e um do fi de sete nat e tres do anzol do rá , volvo do vinte e dois, os do circulo do primeiro cam for r dc vaso arte a da f orta primeiro e za, ita dez bic, o p do vaso da serpente, lg honda do quadrado do seth, faviano motor, duplo quadrado do vaso forte zagalo maior, ester la do segundo circulo do p rime rio ip do pi saxo verde

uma escavadora com pá cheia de entulho de uma casa da rua dos contrabandistas demolida, ao fundo um imenso pano de leoa , ali se at agita na janela quando o olho em frente à casa de esquina,, o circulo do sete de sessenta e oito da gb, pa verde do para do circulo esgoto, duplo quadrado do bife do onze, de ze quadrado do terceiro, vaso do home do infantado, o primeiro nono de cinquenta e nove, maior do segundo, da escada da cas do matao, duplo circulo de sessenta terceiro da t ra ode home segundo reel das fotos do spa sete nat e oito do circulo do sete muito car dina al, primeiro do circulo do seth do triângulo do onze citroem lumiar, da dobra na rua maira pia, rato co do mix dezassete de sessenta e seis p serpente quadrado quatorze al rato espanhol, oitenta e um do traço do ingles vi do triângulo do funil da bp sessenta e quatro em noventa e quatro da pj em noventa grande voyager pancada, de r b e rato q us ikea casa, cd do ai em b noventa e quatro epal da câmara municipal de loures, concerto da resistência, do winston tour da maria julia roberts bp gás ligth noventa e tres do ge vinte e oito bmw, dezoito forte do zorro das marcas do tap dancing, espiga vermelha, quatorze da estrela do quadrado serpente do forte tam circulo de noventa do vi do circulo do coutinho, churrasqueira da berta duas padas, oitenta do vinte vaso da primeira circulo do primeiro cb de setenta e dois, quadrado do terceiro da equalização, cabala, quadrado do sapato de tacao de noventa e tres, dezassete, em setenta e nove , vv do comboio europeu, delta ama pia alcantara, , vaso quadrado pa ipe vaso do rato do carmo, das unhas do homem peu c ue t r s o homem da chave do joshua do obelisco, casa branca , da folha do de pi primeiro do vaso duplo, je us,... romeu, do azeite italiano


uma e aca av dora com pá che ia de en t vaso do primeiro homem da ode uma c asa da rua dos c on t ra ban di sta s d emo lida, ao g fun dom um em en soap ano de leoa , al ise at a gita na jane la q u ando o olho em fr en te acento c asa de es q eu ina, o circulo do set te de se serpente da senta e oito da gb, pa ave rda para do circulo es g ot, duplo quadrado do bife do onze, de ze quadrado do terceiro, vaso do home do in f ana td o, o primeiro nono de cinquenta e nove, mai ro do segundo, da e sd dc ada da cas do matao, duplo circulo de se senta t rec e iro da t ra ode home segundo reel das fotos do spa sete na te oito do circulo do sete muito car dina al, p rime rio do circulo do seth do t rian gula do onze ci t rie ml vaso mai rato da dobra na rua maira pia, rat to co do mix dez primeira do sete de sessenta e seis p serpente quadrado q ua tor as ze al rato espanhol, oitenta e um do traço do ingles vi do t ria ab giu lo do funil da bp se s sw en ta e quatro em n b ove en t a e quatro da pj em n ove en t a g rand vo y a ger pan cd a, de r b e rato q us ikea casa, cd do ai em bn ove en t a e quatro epal da ca mara m un cip al de loures, concerto da r es sis t en cia, do w i ns ton to ur da maria ju l ia ro be r ts bp gás ligth noventa e tres do ge vinte e oito bmw, dezoito forte do zorro da s mar as do tap dancing, espiga vermelha, quatorze da estrela do quadrado serpente do forte tam circulo de noventa do vi do circulo do coutinho, ch ur rato as q eu rato da ira da berta duas padas, o it en a t do vinte vaso da primeira circulo do primeiro cb de sete n at e dois, quadrado do t rec e iro da e quadrado da ua primeira iza sao, ka bal la, quadrado do sapato de tacao de n ove en em cruz e cruz rato espanhol maior de sas e te, em setenta e nove , vv do com, boi do circulo europeu, delta am a pia ala ac can tara, vaso do as do circulo de quadrado da pa ipe vaso do rato do carmo, das unhas do homem peu circulo do ue cruz do ra tp se pr en te do circulo do homem da chave do joshua do obelisco, casa br ab ca , da folha do de pi primeiro do vaso duplo, je us, romeu, do azeite italiano

maia um estranho sonho, sobre a da ups, o balatazar dos olivais da extrema direita, fora o homem que o recebera, passava-se isto nos arredores de lisboa, tipo buraca ou pontinha, um centro comercial da pontinha, depois o baltazar o passava ao pacheco pereira, a cabeça do balatazar era como um balão

maia primeira cruz espanhola rato do anho son homem os serpente do ob rea da u ps, circulo do bal em az ar dos circulo do primeiro do iva si da e x t rea am direita, forte do circulo do ra do circulo h ome maior quadrado da ue circulo do rec e br ap do ass as do primeiro av do traço da inglesa se is ton os ar red circulo do rato espanhol de l is ba, cruz ip ob ur aca circulo do vaso da up em tinha, primeiro circulo en cruz do roco mer cia primeira da pontinha, quadrado da ep circulo do is do circulo do bal em serpente do aro p ass ava ao p ac he co pereira, ac cab eca do bal at az ar e ra com do circulo do primeiro bal cao aço

buraca, br t ton dos woods, segunda coluna, ane ne ce sida dade es de rato e gular do hi forte ingles da ar ? serpente em as fi xx ar ,fi nono xx ia ar

b ur aca, br t ton dos w o d ds, segunda coluna, ane ne ce sida dade es de rato e gular do hi forte in ge s primeira da ar da foice da serpente em as fi xx ar, fi nono xx ia ar

seiscentos e vinte circulo omc, mc, da ronda nocturna, holanda, dedo do homam da p rime ria a te do fim do mundo, a te fi maior do ana

se is c en to ze vinte circulo omc, mc, da ronda nocturna, holanda, dedo do homam da p rime ria a te do fim do mundo, a te fi maior do ana

o do carro eléctrico, o vinte e oito, do video, o circulo com bate ao e em br vaso do angulo do homem do circulo invencível, hulk, azeitonas dea manivela a descer as vias

car ro el e ct rico, o vinte e oito, o c irc u dez com da te ao e em br vaso do angulo do homem do circulo in v en co nono el, homem do vaso do primeiro da kapa , az e it on as dea am maior ani vela ad e sc e ra serpente do vi, o as

na coluna do fernando ferreira, ne do duplo vaso das torres de york, seis colunas, jef forte do rey da p dos pp pozos, macacos, tita nico, amazom com , poderosa tesoura a ali do cac cant mat te el dos brinquedos, jogos de cento e um de casa, referencia texto anterior, net , os brinquedos pela net, das koisas de adultos, forte do elo, e clo vaso serpente no serpente rates do serpente do circulo do bico da montanha, do vaso pb do colar de pérolas dos alquimistas, bet serpente do traço, colar reflectido na clara nas noticias da sic, os que mentem, portanto tambem isto tudo o poderá ser, mais uma mentira, ou não.

naco luna do fernando ferreira, ne do duplo vaso das tor r es de york, se is co l una serpente do jef b orte dor eu da p dos pp p oz circulo do zorro dos macacos da tita nico da amazom com, ou do com das amazonas, p ode rosa te soura a ali do cac cant mat te el dos brinquedos, j ogo, falo cravado na terra, serpente de cento e primeiro dec asa, refer en cia texto ante rato iro da net , os brinquedos pela net, das k o isas de ad vaso do primeiro do to serpente do forte do elo, e clo vaso serpente no serpente rates do serpente do circulo do bico da mo em cruz dat anha do vaso pb do colar de pe rola sd os al quim ista s, bet serpente do traço co l ar r e for mula um e ct tid ido na ca l ra na s not i cias da sic, os q ue m en te m, porta n tot da manha e segundo em is to tudo o p ode rá see rato, mais primeira m en t ira, circulo da un cão.

Mattel, remete para a historia com a russia, a mais antiga, e a retirada do mercado mundial de um determinado tipo de bonecas, assunto creio que aqui no livro constará, mattel, remete ainda por estas letras para a tal caixa de jogos que a teresa um dia apareceu para o francisco, vide referencia texto anterior, e montanha, remete para talvez aquela que possa ser considerada a segunda ordem mais organizada e funcional em portugal, ligada ao mentor o velho da montanha, que se reflecte no tal senhor que escreve na revista, ou escrevia, o tal que o josé, francisco, viegas em dia recente referira, em termos muito duvidosos, ou seja em cobertura, do tal senhor muito velhinho que escrevia cartas à mao em caminha ou por aí

Mat tel, reme met e para primeira hi s tori ac om a russia, a mais ant i g a, e a r e t irada do me rca ado m un b dia l de um det r emi n ado t ip o de b one cas, as sun to c rei o q ue au ino l nono ro co ns ta rá, mat tel, remete a inda por e sta s letras para at al ca do nono ad os j ogo, falo, s quadrado da ue primeira da teresa do primeiro dia ap ar e circulo eu do para do circulo do francisco, de vide, castelo, r e fr en cia texto ante iro rato, emo n cruzes da anha, ra e mete para da cruz alve za quadrado da eu la quadrado da ue possa ser circulo em sie dr ad a segunda ordem mais circulo dor gato ani iza ada e fun cio n al em por ti vaso do gal, li gado ao men tor o di velho da montanha, quadrado da ue ser efe primeiro ct te not al senhor quadrado da ue es circulo dor eve na revista, o vaso do espanhol circulo do r e vaso ia, ota primeiro quadrado da ue do circulo do josé, francisco, viegas em dia rec en te rf e r ira, em t r emo s mui to do vaso do vi do serpente os, circulo do vaso do seja em co be rt tura, do ota al serpente en homem ro mui to ove primeiro roi da hi n ho quadrado da ue es circulo dor rato eve ia ca rta sa mao em ca minha do circulo do up circulo do acento na rai

Apareceu o destruidor, o scorpio de setenta e cinco, do saco de plástico dos furacões da agua do gás, virgo igual issi, o sol, si os sírios igual morto e ermida

Ap ar e rece u o de st rui dor, o sc o pi o, o espanhol co do rato do pião, de setenta e cio muito co na hi s tori ac om do circulo do durao e na e x p o ant es dea ser, o do s aco de p l ás tico dos fu rac o es da agua do gás, virgo i g au al issi, o sol, si os si rio sig da p rime ria uk primeiro morto ee rato mida

No campo o postiço, o do postiço, ou seja de uma rabo de cavalo, e falso, caiu circulo da rian circulo rina, circulo rato ina igne aqua origo, e gato gn ne da italiana agua do circulo rigo, a origem da agua está no fogo funtenova, fonte nova, o cc, a loja da linda, a velha, mae de jesus e esposa do roque morto,

Italia, ainda, as notas da fita vhs estendidas na rua do capitão pala, ou seja das copias de cassetes pirata, ao lado da coluna do triângulo vermelho das aguas, com roupa feminina e sandálias de prata, a referencia a salema, verão após a separação, a tal francesca bianca cujo nome se desvelara a ler as notas antigas, remete ainda para a historia das torres das amoreiras, com judite, ou seja do ritual das outras torres

It al ia, a inda, as sn de muitas ota da sd primeira fita vaso do homem serpente es t en dida sn a rua do ca pita o pala, o u seja das co pi as de cas sete s pi rata, ao primeiro ado da co primeira una dot ria de muitas gulas dez vermelho das aguas, do mar morto, com rop u a f em en nina e sand al ia s de prat, italia, ar efe ren cia as serpente norte sul ema, vera circulo da ap os ase ser para da sao, em al fr anc es ca c vaso do j on no me se de serpnet da vela lara al er as sn ota serpente anto gás r e mete a inda para a hi s tori a das torres das am o rei iras do com da judite, o u seja do rit u al das o u t ra s tor ratos espanhóis gois

Taiti, t ad e ra de r au uu ti, a dor de la do onze h n rato vaso da hi, energia, o rato do aleph, apareceu na rua esmagado

Tai r hi, ra de r au uu ti, comboio ti, a dor de la do onze homem muito don rato vaso da hi, ene r g ia, o rato do al e do ph da vaso da ap ar rec europeu na rua da espanhola maga ado

Fr ra delta te do rato cruz homem do om primeiro anzol bengala st da te rato on ge do bico delta maria do alfa, mat rey p rime ria da primeira gato ingles dog gil, o do circulo do avid

e por altura da reuniao do grupo dos vinte, espirito me confirmou duas coisas, primeiro que tudo o que eu penetrara, isto, em sentido de penetrar pela visao do espirito e pelo pensamento estava certo, o que agradeço a quem o disse, deixando a consequente singela pergunta, assim quase com um tom interior de grr pequenino, e agora daqui para diante me ireis acreditar?

ep por al tura da reuniao dog rup o dos vinte, es pi rito me c on fi mor u du as co ia s , p rime iro q ue t u do o q ue eu p ene t r ar a, is to, em s en tid ode p ene t ra rp e la visao do es pei tio e p elo pen sam en to es t ava ce rt o, o q ue a g r d eça a q u emo di s se, de nono ando a c on seque n te sin g le per un t a, as si m q u ase com do primeiro do tom in te iro de g rr pr q eu nini, e a g o r d qui para di ante me i rei s ac red it ar foice

E em segundo, que tinha razão em picar a todos os que piquei, não adiantou sobre o que entendem por picar, e na ausência do claro, entendo eu este dizer, como todos os que questionei tinha razão em o fazer, e consequentemente tenho razão, e relembro que a justiça ainda na foi feita nem a mim nem a meu filho, suas bestas!

E em se gun doq eu tin muito do homem da ar az za oe m pi car a todos os que pi q eu in cão a di anto u s ob reo q ue en t en de m p o r pi car, e na s ua s en cia doc l aro, en t en do eu este di ze rc omo todos os q ue q eu s tio ne i k tinha ra za oe m o f az e r, e c on q s eu q nete que mente t en ho ra za oe r e l em br o q ue a justiça a inda na f o i f e ita n ema mim nema m eu fil h o, s al be sta serpente da s eta cravada no chao, o da suástica, ou seja da ilha do episódio da suástica, a f al a do indio, p ria mir a da primeira fenda

Faltam ainda alguns assuntos em seu maiores detalhes, como o filho do depardieu, e outros importantes, que serão abordados de seguida, sendo que alguns vem bastante de trás, talvez duas luas já

F al tam a inda al g u ns as sun to se ms eu maio r es d eta ç h espanhol, com oo fil ho do d e p par di eu, e circulo dez cem do vaso da cruz rato dor ps em porta muitas cruzes es p ano ola serpente do quadrado da ue serpenet do ra circulo do ab circulo da rda dado serpente sd de se guida, serpente en do q ue al gus sn vaso em ba s t ante det ra st ak l vaso e zorro do as primeiro da ua sj acento na primeira

Hoje terça feira meia noite seria, hora do crime e do terror, desci lá baixo ao café da estação, com quem dei, com o pacheco, não o pereira, mas o anda pacheco do futebol, o treinador e masi um bando de amigos e ainda uma outra personagem masi jovem que deve ser o elemento de ligação aqui no bairro, que no final da conversa e da janta que deverá ter decorrido no palácio, se meteu em seu próprio carro, um pequeno negro tipo peugeot ou algo assim, me acrescentou o espirito, ser o rapaz o , o elo do rato do vaso, quem diria que um treinador trazia assim tantos outros importantes assuntos em seu pensar e seu cuidar sem ser da bola na rectângulo de relva onde costumam jogar, senhor ligado ao boavista, e ao menino dos ban, masi um elo a se desvelar

H oje e do terça feira e da meia da noite da se da ria da hora do crime e do t e rr o r, de sci l á ba nono circulo ao ca fé da es t ac sao, com q eu m de i, c om o pacheco, n cão o pe do rei da ira, maso anda do p ac he co do fute bil, o t reina dor e masi um bando de ami gose a inda uma o u t ra per son a ge m masi jo ve m q ue d eve s ero el e m en to de li g aç sao aqui no ba i r ro, q ue no fi n al dc on versa e da j ant a q ue d eve rá te r dec deco o r rid on o pal cio, se met eu em seu pro p rio car ro, um pe q u en one g ro t ip o p eu ge ot o u al goa ss em, me ac r es c en to u o es pei r to, s ero ra p az o el leo , o elo dez do rato do vaso, q eu m di ria iria q ue um t reina dor t ra z ia as si m t na t os o u t roso em mp porta n t es as s un t os em s eu pen sar es eu cu id ar se m ser da bola na rec tan gula dez de r el ava onda cio st um am jo g ar, sem hor li gado ao boa v ista, e ao m en ino dos ban, ma sio um elo dez ase de serpente da vela do velar da ar


d ema mat cruz em ti nono me ad kapa e, kapa do maconico me ad dk e , circulo dez rato serpente sn ne