quinta-feira, março 26, 2009







primeira parte do vídeo

Em suma, nada trago de conhecimento directo para pensar que a pedra e a espada, seja um bandido, os poucos mails, que com este endereço electrónico, o da pagina troquei foram correctos em seus termos, e como disse masi uma vez todo o que no blog li, me agradou e foi de útil leitura,

E ms primeira, na da t rago de c on he cimento di rec to para pen sar q ue da primeira pedra e primeira es pada, sej a um bandido, os p o u cos mai primeiro serpente, q ue c om este en de reç o el e ct ron nico, o da pa gina t roque u i fr oma co rr e sc t os em se us te r mose cu mo di serpente da se ma si uma ave zorro todo do circulo do q ue no do blog li, me a g ra do ue f circulo e vaso do til,

Agora imaginemos esta possibilidade, suponhamos que o P, me quis na realidade enviar um livro, e que o fez em estranha forma, pois o nome que a aparente ups, que é masi do que aparente, pois liguei para o numero que vinha em nome da ups e lá na aparência fui parar, não era o meu , ou seja parte , era, outra não,

Agora ima gin emo s e sta p os sibil bi kapa primeiro id ad e, s up on ham os quadrado da ue do circulo do P, mec vaso do cu da is na real id ad e envi da ar primeiro rol do primeiro nono ro, e quadrado da ue circulo de fez em espanhola cruz ra anha forma, p circulo do is on ome quadrado da ue primeira da ap ar en te vaso do ps, quadrado da ue é ma serpente id do circulo do q ue ap ar en te, p circulo do is li g ue ip do para do circulo do don do primeiro ero quadrado da ue da vinha em no da me da u ps, é lana da ap ar e c nia forte do caso do vaso do ip para rn cão e ra om eu , circulo do vaso do seja da p arte , e ra circulo do vaso da cruz ra muito cão,

Imaginemos que P me quis enviar um livro em forma por assim discreta, e pouco segura de me chegar desta maneira a mao, e que assim acabou por nao chegar

Ima gine emo serpente do q ue P mec vaso do is en vi da ar dop primeiro bono ro em forma por ass em di serpente de creta, ep circulo do vaso do co segur a de me che g ar de sta mane ira primeira mao, e q ue ass em ac ab circulo do vaso do porn cao do che do gato da ar

Se assim fosse, me poderia queixar eu de ter sido roubado, e em certa parte na certa medida o mesmo P poderia dizer, mas é tambem um facto que nunca nada disse, ou seja, parece isto, indicar tambem, ou melhor conformara que terá sido provavelmente uma teia

Se a ss im f os se da me p ode ria q ue ix ar eu de te r s id o ro ub ado, e em ce rta p arte na certa me dida om es mo do Pp ode da ria da di ze rato, mas é t am b em primeiro f ac to que n un canada di s se, o vaso do seja, pa rece is to, indica r t am b emo u mel hor c on for mara q ue te rá s id o pro ova ave primeiro que mente da primeira teia, te do ia

Imaginemos que outrem, dos imensos que sempre me espiam, e dos imensos que sempre me roubam, e dos imensos que sempre me colocam pauzinhos no caminho, ficaram indevidamente com a encomenda, que conteria, partamos desse principio, livros mágicos

Ima gin emo s q ue o u t rem, do si men s os q ue se mp reme es pi am, e do si men sos q ue se mp reme o ru bam, e dos i m en s os q ue se mp reme c olo cam p au z in h os no ca do minho, fi caram inde vi dame do dam en te com da primeira en comenda, q ue conte ria, p art amo s d ess e p rin c ip io, l iv ros magic os

Imaginemos que quem os recebeu nao estava preparado para com eles lidar, ou que os mal usou, e ou que os usou para criara um conjunto de desgraças no mundo

Ima gin e ms soc quadrado da ue do quadrado da ue do mos da g rava sao e beu un cao e stav ap do pr e para do ado do para do com el espanhol li d ar, circulo do vaso do quadrado da ue do os m al us os ue circulo do vaso do quadrado da ue os us circulo do vaso do para circulo da ria ra primei roi circulo em j un to de d espanholas do sg rato das aças do no do mundo

É uma possibilidade teórica, mas se alguém enviasse um livro tao poderoso a um outro, certamente quereria ficar com a certeza que ele teria chegado a mao certa, e provavelmente nao o enviaria dessa forma tao mal feita, e na aparência tao bem feita, eu explico

É uma p os sibil bil id e teo ric a, nma serpente da se al gume en via ss e primeiro l iv ro tao p ode roso a um do outro, ce rta mente q ue r iria fi car com da primeira ce rt e za quadrado da ue do el e te ria che gado am mao ce rt aa, e ep da pro da ova da ave le mn te muito en cao, circulo do en via da ria de serpente da sa forma do tao m al f e i t a, e na ap rec en i a tao b em f e i t a, eu e x p lico

Pois se o nome vinha em parte trocado, nunca seria esta a forma de garantir que chegasse ao correcto destinatário, e por outro lado, o pormenor, do tal endereço, que era uma espécie de assinatura de quem o enviaria que eu descobri mais trade, parece servir r para me confirmar ou induzir a pensar que me fora enviado, ou masi subtilmente, para me fazer assim pensar maia tarde

P o is se on om e vinha em p arte t roc ado, n un ca se ria e sta primeira forma de f gara n tir q ue che g ass e ao co rr e c to d es t ina t a rio, e por o u t ro l ado, o por m en o r, do t al en de rec o, q ue e ra uma es pe cid e de ass sin a tura de q ue emo en via ria q ue eu d es co br ima si trade, pa rece sef sir para me c on fi mar o u indu z ira p en sar q eu me for a en via do, o um a si s ub bt tile mn te, para me f az e r as si m p en sar maia t ard e

Por outro lado os dois gif dos recibos que me enviaram por correio electrónico, da ups, referentes a este envio, sao gif, ou seja, sao digitalizações feitas a partir de scanner dos papeis reais das guia de remessa, ou seja o endereço, só poderá ter sido embebido por quem o fez, ou por segunda parte, relacionada com o envio do mail, que o recebeu em seu server e fez a traficância, ou ainda alguém que o fez aqui remotamente depois de eu o ter recebido, entrando no meu pc pela rede de forma a faze-lo

Por o u t ro l ado os do is do gi f do s rec cibos q ue me en via ram por co r rei o el e c t r oni co, da u ps, r ep per e fn te sa este en vaso do io, sao gi f s, o u sea j, sao di gita l iza ç o es feitas a p art tir de s a can ne r do s pap e is reais da s guia de reme s sa, o u seja o en der e co, s ó p ode rá ter s id o en be bid o por q ue mo fez, ou por se g un da p arte, r e la cio n ada com do circulo onze do envio do mail, q ue o rec e b eu em s eu ser vere de fez da primeira t ra fi can cia, o vaso da primeira inda al g ue maio q ue circulo de fez aqui reme tamen te d ep o is de eu o t re rec ib id o , en t ra ando no me vaso da pac pro rede de forma a f az e do traço ong do primeiro espanhol do primeiro do circulo

E depois um outro facto significativo de importância na compreensão deste processo, o fat que eu relatei no video e que se encontra incompleto em seu dizer, ou seja, falta-lhe um pedaço de lógica, complementar, ou seja, nao nega o que lá afirmo, mas que demonstra ainda uma outra possibilidade

E d ep o is um outro do f ac to si gn ni fi cat ivo de i mp orta n cia na co mp pr e en sao d este pro c esso, o fat q ue eu r e la te ino v id é circulo do oe q ue se en c on t ra inc mo p le to em s eu di ze ro do ero vaso do seja, f ala t a do traço ingles primeiro do circulo ingles do primeiro ped do aço del, sin os do circulo do gi ca, co mp le men tar, o vaso do seja quadrado da ue n cao ne g a o q ue l á a fi r moma s q ue demo sn t ra a inda uma o u t ra ps os s ib li dade

Pois relato eu, que em determinado momento do tal julgamento on line, no tempo de ir comprar cigarros, ao chegar, a raiz dos ficheiros e da pasta especifica que criara para guardar os dois gifs, estava realçada, e quando verifiquei , estavam apagados, e digo no video que tal poderia ter sido feito aqui , por alguém que aproveitando a minha saída, entrara e os apagara no meu pc, porque nessa altura por outros factos tambem relatados, tenho que concluir que alguém, que estaria com forte probabilidade dentro do prédio aqui entrava, como ainda entram,

P o is r e la to eu, q ue em det r emi minado mo neto do t al ju l game en to on line, no te mp ode irc om pr ar ci garros, ao che g ar, a rai zorro dos fic he i rose da pasta, it dinheiro, es pe ci fi ca q ue c ria ra para g ua rda ros do is gi f se ts e stav a real ç ada, e q ua ando v eri fi q ue i , e stav am ap pa dos gados, e di go no v id é circulo do q ue t al p ode ria te rato sid do circulo f e i to aqui , por al gume q u e ap rove it ando am min h a sa ida, en t r ar a e os ap a gara no me vaso do pc, pro q ue ness a al tura por o u t ros f ac to s t am b em r e la t ad os, t en ho q ue c on c lui r q ue al gume q ue est aria com f orte pro b a bil id ad e d en t ro do pr sd di do io aqui en t rava, com o a inda en t ram,

De seguida levanta-se então a questão, do porque deste apagar

De se guida l eva van t a do traço da inglesa se en ato tao primeira q ue s tao, do por q ue d este ap primeira do gato da ar

Na realidade apagar os recibos, foi destruir a prova que eu tinha relativo a esta pretensa ou real encomenda que me fora na aparência dirigida, e foi igualmente destruir o pormenor da assinatura que mesmo tendo desaparecida depois da primeira vez que por ela dei, fora embebida no ficheiro, pois tal poderia vir a ser traçado por um especialista

Na real id ad e ap a garo s re cibos, f o id es tui ra pr ova q ue eu tinha r e la t ivo a e sta pr e t en sa o u real en comenda q ue me for ana ap ar e cn ia di rig id a, e f o i igual em n te d es t rui ro iro do por m e n or da as sin a tura q ue me s mo t en do d es spa rec id ad e p o is da prime ira ave zorro do q ue por el a de i, for a em be bid ano ficheiro, p o is t al p ode ria v ira ser t ra ç ado por primeiro es pe cia primeiro do ista


Com base neste pressuposto lógico, se abrem então as seguintes possibilidades,

Com da base do nest e p r ess u post o do galo do circulo do duplo da lógica, se ab rem en tao as se gui n te s p os sib li dad es

Primeira, o remetente embebido na ups, ou no sistema de correio, ou posteriormente no meu pc por remoto, foi feito por quem dizia enviar a encomenda, o que pressupõem uma relaçao entre a ups e P

Prime ira, do circulo onze do reme t en te em be bid don da primeira do vaso do ps, o un o is t ema de co r rei oo u p os te rio ar que mente no me vaso do pc por r emo oto, f o i f e i to por q ue m di z ia en via ra en comenda, o q ue pr ess up poe maior da primeira da relaçao en t rea vaso do ps e P

Segunda, quem o fez pretendeu apagar o que tinha feito, e se assim foi só uma razão se me afigura para assim terem procedido, que nenhuma relaçao existia entre aquele envio e o P, mas assim me criam fazer crer

Se da gun d a, q ue mo do circulo de fez pr e t en de vaso a pa garo q ue tinha f e i to, e se as si m f o is ó uma ra z ã os se da me a figu ra para as si em te rem pro ce dido, q ue n en h uma da relaçao e x is tia en t rea q ue le en v io e o P, masa ss em me c rato iam f az e rc duplo rato

Assim sendo a lógica deduzida dos factos , outra possibilidade, se coloca, que quem assim me o fez crer, tambem o poderia fazer, para , fazer de igual modo crer ao eventual remetente, que eu sabia que era dele que a encomenda vinha, ou seja, se levanta ainda uma outra possibilidade mais complexa

As si ms en do a lógica dedo z id ad do os dos factos , o u t ra p os sibil bil id ad e, se c olo ca, q ue q ue m ass im me o fez crer, t am b emo p ode ria f az e r, para , f az e r de i gula mod o crer ao e eve en tua l remetente, q ue eu sa bia q ue e ra dele, q ue a en comenda vinha, o vaso do seja, se l eva van t a a inda uma o u t ra p os s ib li dade maís co mp le sa

Imaginemos que na realidade P me envia uma encomenda, e até a envia correctamente, ou seja com o endereço e remetente correctos, e que portanto pela lógica normal dos correios a dita encomenda a minha mao chegaria,

Ima gin emo s q ue na r 3 e la id ad e P me en via uma en comenda, e a té a en vaso do ia co rr e c tamen te, o vaso do seja com do circulo do en der e co e reme t en te co rr e c to ze q ue por a t n top el a lógica norma l dos correios da primeira dita en comenda a min homem da primeira da mao do che gato da ar do ia,

Que essa encomenda foi desviada por outros, e que este sistema, foi montado, para me deixar ana duvida se seria ele ou nao a ma ter enviado, e ainda criar assim a possibilidade complementar de P vir a pensar que eu a teria recebido, mas que noa lhe confirmaria a recepção,

Q ue ess a en comenda f o id es via d ap por de outro o u t rose q ue este sis t ema, f o i mo n t ado, para me de ix ar ana du v id ase se ria ele o un cao ama teresa rea r en viado, e a inda c ria ra s sima p os sibil bil onze dade co mp l ene t ra de P v ira p en sar q ue e ua te ria rec e bid oma s q ue noa l he c on fi mar aia a rec ep sao,

Pois a lógica sendo a lógica, a premissa de que se P, ou alguém enviasse a outrem algo valioso e de importância, certamente quereria ter a confirmação da sua chegada, imaginemos , pela dedução de outras premissas, que ele a enviara em forma discreta, sem mencionar especificamente quem a enviava, mas que dentro dela, viria por exemplo uma carta, com um seu endereço, pedindo a confirmação escrita de minha parte depois de a receber, ou que dentro da encomenda viria uma qualquer instrução, que pelo seu cumprimento ou incumprimento, ele saberia se eu tinha ou nao na realidade recebido, tipo do genero, depois de receber a encomenda dirigi-te a esta morada, onde me conhecerás pessoalmente , e como eu nao aparecera, sabia ele que algo teria corrido mal

P o isa da lógica s en do a lógica, a pr emi miss ad e q ue se P, ou al gume en via s sea o u t rem al g ova li osso e de im pr t an cia, ce rta mente q ue r ire ia te ra c on f oma maça a o da s ua che gada, ima gin es sm os , pe la dedo do vaso da sao deo de outras, u t ra s per missas, q ue el lea en via ra em forma di s creta, se m men cio n ar es pe ci fi ca mente q ue ema ma en via ava, masque d en t ro del a, v iria por e x e mp lo primeira ca rta, com primeiro s eu en der e co, ped di id dn do a c on f oma maçao es c rita de min h a p arte d ep o is de a rec e be ro do ero do caso si do vaso do q ue d en t ro da en comenda v iria uma q u l q ue r in s t ru sao, q ue p elo s eu cu mp rie mn to o u inc mp rim en to, el e s abe ria se eu tinha o un cao na r e la id ad e rec e bid o, t ip o dog ene ro, d ep o is de rec e be ra en comenda di rig i do traço da inglesa te a e sta mora da, onda me c on he ce rá s p ess o al mente, e com o eu n cao ap ar cera, sa bia el e q ue al g o te ria co r rid oma al

Imaginemos então, ainda , uma outra possibilidade, quem a desviou teve tambem acesso a essa instrução, encontrou-se com P e por exemplo o matou, pois trazia em si essa intenção, ou com ela ficou depois de perceber o que roubara

Ima gin emo s en tao, a inda , uma o u t ra p os sibil bil id ad e, q u ema d es vi o u teve t am b em ac esso a ess a i ns t ru sao, en c on t ro u do traço da inglesa se com P e por e x e mp lo o mato u, p o is t ra z ia em si ess a in t en sao, ou com el a fi co u d ep o is de per ce b ero q ue ro ub bar da primeira

Que todas as minhas comunicações, sao controladas, disso nao trago eu duvida, como tambem nao trago duvida sobre uma prova que se estabeleceu sobre um outro desvio, e de quem com ele está relacionado, o que reforça a suspeita de que uma encomenda de P poderia ter sido na realidade a mim enviada e de igual modo desviada

Quadrado da ue to da sas min homem do as do com da única caçoes, sao circulo em cruz da rola da serpente da di ss em cao da cruz do rago europeu do vaso id do ac omo tambem muito cao da cruz rago di vaso si, id as ob re primeira por vaso da primeira aqui do q ue se e stab e le circulo do eu serpente do ob re de um outro, o do quadrado espanhol do vaso do io, e de q ue mc om el ee e stá rato e la cio em ad circulo , o quadra ue rato e f orça as us pe it primeira de q ue uma en comenda de Pp ode ria te rato serpente id dona real id ad e primeira mim da en via da e de igual da mode deo do quadrado espanhol via ad da primeira

É um episódio igualmente relatado no Livro da Vida, e que se prende com o desvio da uma carta do tribunal de menores de lisboa, que me levou na altura a me dirigir aos correios de portugal, na zona da ajuda, na rua estreita que desce para o rio, com um antigo palácio do outro lado da rua para entender o que com ela se passara, e de ter pedido para falar com o responsável, que me disseram nao estar e depois o ver a sair muito rapidamente dentro de um carro da zona das docas de carga da correspondência, como quem levava fogo no rabo, ou seja como quem fugia de mim, ao se pensar descoberto

É um ep do pi s o di o igual kapa do primeiro que mente r e la t ado no L iv roda da vida, e q ue se pr en de c om o d es vaso do io da uma ca rta do t rib un al de m en o r es del, sin os da is boa, q ue mel e vo un a al tura a me di rig irao s co r rei o s d e portu gal, na zon a da ajuda, na rua es t rei t aqui do q ue de sc e para do rio, com um ant ti g o pala cio do outro lado da rua para en t en de ero q eu com el a se p ass sara, e de te r ped id o para f ala rc om o r es ponsa ave l, q ue me di ss e ram n cao es t ra e d ep o is o ove ra sa i r m u i t o ra pida dame do dam que mente d en t ro de primeiro carro da zon, a das docas dec carga da co rr ep ps son em d en cia, com o q ue ml eva ava vaso primeira fogo no do rabo, o vaso do seja com o q ue m f u g ia de mim, ao se p en sar d es co do berto


Imaginemos que um foi assim morto e que muitos milhares de outro tambem,

Ima ge ine ms q ue um f o ia ss em mo rto e q ue mui t os mi kapa h ar es deo de outro t am b em,

De quem é a responsabilidade,

De q ue mé a r ep ps os ba i li dade,

A quem vou pedir a conta

Aqui do q ue m v o u ped ira conta


Pois nao tenho eu sempre convosco falado a verdade!

E nao fazem vós na maior parte dos casos se na em todos, o contraio, se remetem a insinuações em diagonais, que nas masi das vezes tentam sacudir a agua de vossos capotes e aproveitara assim para queimar , literalmente, aqueles a quem chameis vossos inimigos

E 3 n cao f az em v ó s na mia o rp arte dos casos sena em todos, o c on t rai o, se rem en t ema in sin ua ç o es em dia g on a is, q ue nas masi das v e ze s t en tam s ac u di ira agua de vaso dos ossos capo t es e ap reo ove i tara ss em para quim a ra , lite ra l mente, q ue lee a a q ue mc ham e is vaso do ossos dos inimigos, almada, xutos, in ni mig os

E nao é verdade que a haver sangue neste caso, a policia e os tribunais e os governo na extensão de todos os seus organismos, nao foi pelo menos cúmplice deles, e assim nao sao eles cúmplices de morte, e nao trazem eles todos as maos manchadas de sangue?

En cao é verde ad e q ue a h ave r san g ue nest e caso, a poli cia e os t rib un a ise os g ov reno na es t en sao de todos os se us o r g ani s mos, n cao f o ip do elo m en os cu mp l ice del, sin os es, e ass em n cao sao el es cu mp l ice s de m orte, en cao t ra z em e lee s todos as maos man ch ad a s de s an h ue da f o cie foice

Os já se esqueceram do que tem vindo a acontecer às queixas que apresento de acordo com o mandamento da lei nos lugares certos e adequados para esse fazer!

O s j á se es q ue ce ram do q ue te maior vaso indo a acontecer às q u ix as q ue ap r es en to de acordo com o man dame en to da lei nos lu g ar es ce rt os e ad q ua dos para ess e f az e rato da s eta

E nao prova isto à exaustão, o que a todos venho sempre dizendo, de como a justiça quando nao a é, faz da balança torta o local do sangue, da violência e da morte!

E n cao pr ova is to à e x au s tao 1o q ue a todos vaso en h o se mp r e di z en do, de com o a j us t ila para un do na o a é, f az da bala ança da to rta o l ocal do san g ue, da viol en cia e dam orte!

Síncrono a isto, aparecia o bandido dos versos alexandrinos, a cumprimentar Manuela ferreira leite, ao mesmo tempo, assim li, a chave da terceira cave, a chave vermelha do sangue, que abre a porta, certamente, então um dos que aqui entra,, o negativo, a mando do conte ra do prodi dos oito toiros, os tais circulos que aqui fizeram quando tentaram a minha morte, sao do conte rá do maizum, esta besta, do psd

Sin c ron o a is to, ap ar e ceia do circulo do bandido dos v ero s al e x and rino sa cu mp rato ine net ra da manu le fer rie ra da leita, ao me s mo te mp o, as si m li, a c homem da ave da t rec e i rta circulo da ave da cave, a c homem da ave verme le home da primeira do sangue, q ue ab rea porta, ce rta em n te, en tao um do s q ue aqui en t ra,, o ne gat ivo, am mando do conte ra do pro da di dos oito ro iro dos roços t a is c irc u l o d q ue aqui fi ze ram quando t en t aram a mi k n ham orte, sao do conte rá do maizum, e sta b es t ad do circulo do psd


Como é seu filho da puta, vai responder, ou nao!

pelo principio da noite ali na infante santo, no sinal em frente a cimitarra que um dia aqui relatei, impressa no macadane, o espirito me desvelou que a pedra , a roca , que tambem remete para barcelona, do ribatejo, viera do circulo do lima, certamente estaremos a falr do pires de lima

p elo do pr in cip io da ano no i vaso da teresa ali lina nba infante santo, no do sin al, em fr en teresa primeira cimitarra, q ue primerio dia aqui raro e lat e te e empresa, no do ma aca d ane do circulo do es pi rato tome d es velo lou q ue primeira pedra, ar oca roca q ue tambem reme teresa do para de barcelona do riba do tejo vie ra do circulo da dol ima, ce rta mente es t ar emo sa f al rato do pires de lima







segunda parte







video 29, terceiro desta sequencia