quinta-feira, junho 11, 2009

S hots, Sh irt ts, S h o rt s

Uma
Secreta
As
Das
Eleições, leo
Portu gal

Uma puta da casa das puta de s bento, estranho dizer, dizia, no seguimento da reuniao secreta aberta e fechada de coisa nenhuma que se deu com o constâncio, no dia a seguir as eleições, e no seguimento da publicação dos slides, da tal campanha da marca portugal , slides, declina tambem em derrapagems, mais ou menos descontroladas, com pum no final nestes caso mais lides espanholas

Primeira
Puta
Os
Cio
Isa
Dia
Serpente das lides espanholas


Primeira puta da cas da serpente da puta de s b, águia, do en to, est ra do anho di ze rato, di zorro do ia, no se gui mn en to da r en uniao da secreta ab e rta e fe c h ad a de co isa ne h un aqui da ue sed eu com do circulo do doc da conta de muitos cio, no do dia , primeira se gui ira serpente se l e i ç o es, e no se gui m neto da pub li caçao dos serpente das lides, espanholas, da t al ca mp anha da m arca portu gal , s lid, aria es , cel lina tambem em der ra page en ns, maís circulo do vaso men en o s d es c on t o lada s, com pum fina al, nest serpente caso das maís lid es

Uma das aplicações
Par da cia do constâncio
Ap pert tar ditos

Uma bela evidencia lógica, que parecia encaixar na imagem que depois nos jornais aparecia do constâncio , com um lenço branco que passava com sua mao pelo seu pescoço, como que a limpara o suor e dizendo em gesto, uff, que calor, que me estão a a apertar os ditos

Uma
ue
cortez
primeira
ap per tat do os dos ditos


Uma be la e vi id dd den cia da lógica, q ue par ac cia enca ix ar na i mage made ria q ue d ep o is no s serpente do sj do jornais ap ar e cia do constâncio , com primeiro len ç ç o do branco, q ue p ass ava com s ua mao p elo s eu p es coço, com circulo do q ue primeira li mp para o s ua o r e di z en do em g es to, u ff, q ue c al o r, q ue me es tao a a ap per tar do os dos ditos
A melhor forma de roubar um banco é controlá-lo, na realidade, é um belo sistema de inside job, eficaz, se é patrão, e o sendo se rouba, a parte masi enigmática, era como de costume a falta do contexto alargado, ou seja, na realidade, quem acusava assim de o fazer


Am mel hor
Ingles
Fi
Com
Ac
Usa


Am mel hor da forma de ro ub ar do primeiro banco é c on t rola acento la do traço ingles primeiro do circulo de dez, na re la id ad e, é um b elo sis t ema de in s id e job, e fi ca serpente zorro , se é pat ra o, e o s en do se ro ub a, a p arte ma si eni gm a tica, e ra com ode cos t um e a f al t ad o c on texto al ar gado, o use seja, na re la id ad e, q eu em ac usa ava as si made ria de o f az e rato

Na
Bp a
Inc acento eu rito

Na extraordinária metafísica do bpp igual a bpn, quem sabe mesmo, se, tambem igual a bpa e bcp, dos ladroes, que eram a gerência do dito banco, se ouvira na comissão de inquérito da ar, declarações extraordinárias, de elevado gabarito criativo

Na
Be
Do
Dito
Das espanholas

Na e x t ra o r dina ria met a fi ca do b p p i g ual a bp n, q eu m s abe me sm o se t am be i gula da primeira do bpa e do b cp, do s l ad ro es dos ladroes, q ue e ram a ger ren ia do dito do banco, se o u vaso da ira na co miss sao de inc eu rito da ar, dec lara rações espanholas e x t ra o r dina ria sd e el eva do g ab bar da primeira do rito c ria t ivo

P o is
Informativo
A g rav van b teresa
Com o
Se pode ria
S ua s pr e t en s o es,


Pois dois administradores, declararam que nem possuíam as passwords dos sistema informático do banco que na aparência administravam, com a bela e mais suspeita ainda agravante, que pelo que saiu a publico nos telejornais, de que sistema se estava a falar, se poderia mesmo perguntar entao, se tinham pc verdadeiros nas secretárias, ou se são como aqueles falsos livros que alguns trazem nas estantes, para engatar meninas nas suas pretensões de muito lerem, muito saberem

P do grupo
Word
Com
Publico
Sm
Circulo use
espanhol

P o is do is ad mini s t ar dor es, dec lara aram ram q ue ne m p os s u iam as p ass dos word ds dos sis t ema in f om mat tico do banco q ue na ap ar en cia ad mini s t rav am, com da primeira bela e mais s us pei t a a inda a g rav ante, q ue p elo q ue sa e ua do publico no serpentes dos telejornais, de q ue sis t ema se est ava a f al ar, se pode ria me sm o per gun t ra ato a, se tinha do ham pc verde ad e irao s n as secreta acentos das rias, o use são com o aqui da aqueles f al s os l iv rosque, pig, al gun s t ra ze mna s est ant es, para en gan tar meninas nas s u as pr e t en s o es de mui to le rem, mui to s ab e rem

Ce rta tam tamen men te que mente
E de outros
Bo quim homam Às
Por q eu
G rande À francesa


Certamente fariam uma administração com contas feitas com pincéis de lingua molhada e de outros daqueles que nascem entre as pernas, nas costas das meninas, ou mesmo nas boquinhas dos contribuintes roubados, melhor dizendo enrabados, à grande, não sei porque, nem sei se será o caso, mas se costuma aqui na lingua portuguesa, dizer, a grande e á francesa

Ce rta
Contas
En
Cruz
Rea
Por
Guesa
India

Cc e c rp gi
Icp
Rea
Ce
Cc
Contas

As e zorro za ar aa
Aa ra zen sa

Ce rta am tam que mente do caralho do faria am, uma da ad min si t raçao com das contas feit as com pi n ce is de li n g ua mol h ad a e de outros da q u eels q ue na sc em en t rea serpente das pernas, na serpente costas das me ninas, ou me sm o nas bo quin h as dos c on ti b u int es roubado, mel hor di z en do en ra ba do s, à g rande, n cão se ip por q ue, ne m se ise se rá do circulo do caso, masse cos t uma aqui na lin g ua portu guesa, di ze ra g rande e á fr anc es a

Maso
Circulo co em tar do io
Da te maior do banco
Forma mna man
Poli cias as
Co ns t ante que mente
Feita
Est iv e ra dor mir, dor na russia


Mas como não eram destes maravilhosos administradores, que a puta da ar falava, pois o comentário versava a reuniao com a puta mor do banco de portugal, a pergunta que se tem que fazer, é se o senhor, está dizendo que a puta constâncio, é um ladrão, a frente do banco que administra o dinheiro de todos, pois se o for, convém que esclareça, de forma a se tomar previdências, depois de novo dar pistolas e estrelas de prata as policias, e certamente retirar os juizes das cadeias e das algemas com que constantemente andam, em suas sessões, maso, visto que não se vê vindima nenhuma feita, assim se pode então deduzir da alegoria semântica, a das algemas, para quem estiver a dormir

Mascara maso al ava
P orti gal
O q eu
Maior nin
Ase
Tomar
As
Policias
Gemas
Vi
Al


Mas c omo n cão e ram d estes mar av ilho s os ad min si t ra dor es, q ue a puta da ar f al ava, p o is o co men tar ia ove r s ava a r eu ni o ac om a puta mor do banco de portugal, a pe gun t aqui do q ue sete maior do q ue f az e ré se o s en hor, e stá di ze dn o q ue da primeira puta co ns tan cia, e primeiro la dr a o, a fr en te do ban coc q ue ad m nin st ra o din he iro de todos, p o is se o for, c on vaso em q ue es clare ç a, de forma a se de tomar, pr e vi id d en cia s, d ep o is de n ovo d ar das pistolas e estrelas de p rta as pol i cias, e ce rta am tam que mente re tora rato do os juizes das cadeias e das al gemas com q ue co ns tan te mente and do dam da manha, em s u as s es s o es, maso, vi s to que n cão se eve v in di ima n en h uma feita, as si m se pode en tao dedo z i r da al le gor iza se man tica, a das al gemas, para q eu m est iv vera dor mir


Nest doc irc do circulo q eu , todos do os do caralho mor do dias loureiro
O vaso vi do io
P o is nin

Neste circo que todos os dias enche os telejornais, com fumos diversos, nunca masi se ouviu falar de dois pequeninos e insignificantes pormenores, sem a mínima importância, pois ninguém trará duvida que a bandidagem aqui reina, a saber

Nest
F umo s
Ni
V id aqui

Neste c irc o q ue todos os dias en che os do serpente das tele e dos jornais, com dos fumos di vaso dos eros, nu unc am asis e o u vi u f al r de do is pe q eu nino se in sig gn ni fi can t es por m en o r es, se ema mínima i mp porta an cia, p o is nin g eu m t ra rá do v id aqui da ue da primeira ban di dag em aqui reina, a s ab e rato

Primei
Ave sica
E
Ram o it toc dos centos ingles
Pepe ino serpente
Do constâncio


Primeiro foram ao bolso de todos à grande e à francesa, começaram por desvelar, que eram oitocentos milhões , o que desaparecera, talvez depois quinze dias, ia já em mil e oitocentos milhões de euros, e depois silencio, sobre os tais racios de crescimento dos pepinos que enfiam no cu aos portugueses todos sem excepção, tao do agrado do constâncio

P da vesica
Aram
Alvez
Euro
Pepe
dodo

P 0 rime iro do foram da pt, a o bo l s o de todos à g rande e à f ar rn c es a, c om e ç aram por d es vela ar, q ue e ram oi toc en bt os dos milhões , o q ue d es ap ar e cera, t alvez, d ep o is quin ze do dias, ia j á em maior ile o it toc do centos mi l h o es de euros, e d ep o is do silencio, fr, s ob re os tais, br, rac dos ios de c r es cimento dos pepe inos q ue en f ima no cu a os portugueses todos sem e x ce p aç sao, tao do a g ra dodo conta tan cia circulo italiano

A outra espantosa, constante ausência de noticia, é, e então, com tantas reuniões, comissões de inquérito, fabulosas policias de investigação e coisa e tal menos em dobro, quanto plim já recuperamos todos, quem já teve os seus patrimónios penhorados e convertidos de forma a cobrir o buraco, algum terá sido mesmo acusado , talvez quem sabe no ano dois mil e vinte, depois de morto, citado em talhão de cemitério, certamente

Primeira
De
Outra
Es
Pan
Tosa
Es
En
Te
Do
Circulo
Di
Is
Do
Morto

P d oe ep pt te e td dc d id m

A outra es pan tosa, co ns t ante au s en cia de not ti cia, é, e en tao, com t anta s reu ni o es, co miss o es de inc eu rito, f ab u lo sas pol i ca s d e in v e tiga sao e co isa e ta al m en os em do br o, q au un to p l im j á rec u pera amos todos, q eu m j á teve os s eu us pat rim moni os p en hor a o ds e c on verte id os de forma a co br iro do buraco, al gum te rá s id o me sm o ac usa sado , t alvez q eu em s abe no ano do is mi da ile vinte, d ep o is de morto, cita ado em t al h a o de c emi teresa rio, ce rta am tam que mente


Puta que vos pariu a todos, seus caralhos !!!