quarta-feira, agosto 12, 2009

como repararão, o link para a notícia original , vai dar a uma outra com a mesma noticia mas distinto conteúdo, na realidade, o link a que fizera copy, era estranhamente extenso, e ao ser publicado, alterou o layout do próprio blog, ou seja, mais uma brincadeira , que acabou de se desvelar, quem o fez, o por rp do piro, do espanhol, puta que vos pariu !!!!

c omo rep par rato arao do circulo, o do primeiro ink para primeira ana not tica vaso da primeira id da ar da a uma de outra com am me sn ano not tica, ma serpente sd tintos, conte vaso dona rea l id ad é circulo do prime rio ink da primeira do q eu fi ze ra do copy, da pub, e ra est ra anha ham am que mente est en serpente do circulo, e primeira do circulo ser pub li cado, br, al te ero da cruz do circulo do circulo de la delta doc di cu ur culo do vaso da cruz , por rp do piro do b li gato circulo do vaso use seja maís uma br inca de ira ,q eu aca av circulo do vaso de sed es vela ar , q eu mo fez, o por ro do pito , do es pn ad primeira hola, da onda da puta quadrado da eu vao os do pari , vaso da ap posta
O estranho falecimento da senhora kennedy, segunda parte

O est ra anho f al le cimento da s en hor a k en ne d y, se gun da ap da arte

Um outro sincronismo que acentua esta leitura, é o facto de na linha de tempo e da sequência dos eventos, ter exactamente abordado em vídeo a ultima revista da produção profissional, que traz os tais tres rapazes com tres cassetes vermelhas como cartões de futebol, do grupo da pt e da tv cabo, e da manha que logo senti ali estar montada, quando a abri

Um outro sin c ron is mo q ue ac en tua e sta lei tura, é o f ac to de na linha det te mp oe da sec, ca non, eu en cia dos eve en t os, teresa e x ac t ae mn te ab o r dado em v id é cie cu circulo , o da primeira da u l t ima r e vaso ista da pro duc cortez sao pro fi s sio n al, q ue t rai zorro do os tais, br, t ratos es ra p az es com t r es ca s set es vermelhas com o car to es de fute b ol, dog rup do circulo dada da pt e da tv cabo, e da manha q ue do falo cravado no ceu, em circulo duplo do logo, s en ti al i est ra montada, qua ando a ab rato rai i

As diversas relações que se descortinam na manha da revista, estão detalhadas em Palavra no próprio vídeo,

A s di iv vera serpente da cruz pen en te da relações quadrado da ue sed espanhola cortina am na manha da ar rato, ps, e eva do vaso do ista, est circulo da primeira ad da eta alha da serpente em Pala vaso do ra no pro p rio vaso id é circulo

Um outro fio não de somenos importância para uma das questões ainda em parte velada, a queda das torres gémeas, a senti eu tambem nessa revista, pois o anuncio da contra capa está invertido em relaçao ao eixo normal da revista, e quando o senhor japonês da câmara micro hd, que é um velho conceito meu, está de pernas para o ar, como na realidade está saltando em queda livre, me fez de imediato ressoar na memória , uma corda relativa a uma das imagens simbólicas da queda das torres, a do homem que se viu saltar na posição do louco da carta do tarot, ou o pendurado, que mimetizara com exatitude a posição dessa figura, perna cruzada e tudo, um que pelo perfume parecia ser financeiro , ou a essa área ligado

Um outro fi do io n cão de s om en os si mp porta orta tan cia para uma da s q u es to es a inda em p primeira da arte rte velada, primeira da queda das torres gémeas, a s en ti eu tam am tambem ness ar e vaso ista, p o is o ano da un cio da contra capa, e stá in vertido em relaçao a do circulo do e ix o norma l da rec ista, e qua anda o s en homem ro j ap onze es da ca mara mic roque, é um velho c on ce it om eu, e stá de per rn as para do circulo da ar, como na re la id ad e e stá sal t ando em q eu da l iv reme fez de i me di ato r ess s o ar na me mor ia , uma da corda re la t iva a uma da si mage ns s im bo lica sd da primeira queda das torres, a do home q ue se vi io sal t ra ana posi sic sao do louco da ca rta do tar ot, o u o pen dura ad o, q ue mime t iza aca com e x ac tir u de a posi sic sao de s sa figu ra, per rna c ru z ad a e tudo, um q ue p elo per rf um me par e cia ser fi nan ce iro , o ua ess a ar rea do li gado

Li gado, majong bar, torres gémeas, as gémeas altas e magras como as torres, assim tambem declina este conteúdo

Li gado, maj ong bar das torres ge me as, a sg e me as al t ase mag ra s com o as das torres, as s i m t am tambem dec l ina este conte vaso do dó

Ou seja , estando a figura do senhor que salta direita em sua realidade, a produção profissional, está invertida, e assim sendo, l ano iss i fo rp o al u do rp, ou seja primeiro ano , iss si fo gato assanhado rp do circulo da al , da norte sul do vaso da das relações pub lica serpentes, e ainda invertendo , ou melhor espelhando a frase na vertical, temos ainda, quadrado do vaso do rato invertido, do circulo do bar do rá do dn do bar do rá da serpente can tora invertida do dn do circulo da chave inglesa, do vaso do no do circulo da serpente eta circulo rav terra, dos dois ganchos, da galp energia como forcas, vaso ar eta da vi da gula invertida, em vaso de agua tapada do angulo da esquerda baixa, ou direita em sua posição real, um vaso de agua tapado equivalente aquele que se expressou no ceu , ou assim fizeram com que se expressou, em fatima quando da visita dos pais da maddie, e que foi capa do jornal dos bandidos, do dn

O vaso use seja , est ando a figu ra do s en hor q ue, yorque s al t a di rei t a em s ua rea li dade, a pro du são pro fi s sio n al, e s tá invertida, e as si maior s en do, l ano iss i fo rp o al u do rp, o vaso seja primeiro ano , iss si fo gato ass anha ad o rp do circulo da al , da norte sul do vaso da das relações pub lica ser pen t es, e a inda in verte en do , o u mel hor es p el h ando a fr ase sena ver tica al, t emo s a inda, q au d ra ad o da ova do vaso do rato invertido, do circulo do bar do rá do dn do bar do rá da serpente can tora invertida do dn do circulo da c h ave inglesa, da ova do vaso do no do circulo da serpente eta circulo rav terra, d os do is dos ganchos, da galp energia com o f orcas, vaso ar eta da vi da gula in ve rt u da, em vaso de agua da tapada, do ang gula da es q eu rda ba ix a, ou di rei t a em s ua posi sic sao rea l, um vaso de agua tap pado e qui iva lente a q u le leque se expresso un o ceu , o ua ss em fi ze ram com q ue se e x p press ase, em fato oma qua anda da vaso isi t ad os pais da mad di e, e q ue f oi capa do jo ra nl do ser pen ene net serpente dos águias bandidos, do dn

Voltando de novo a analise em detalhe da foto do jonvelle na photo special usa, numero duzentos e dezassete de octobre de mil novecentos e noventa e cinco, quim ze francês, cujo modelo trás face semelhante a senhora kennedy

V o l t ando de en ovo a ana lise em d eta alhe da f oto do j on vaso da elle na ph oto spe cia l usa, nu mer do ero do duzentos e dez ase sete de octo br e de mi l do novecentos , berto luci, e n no do ove da venta e c inc o, quim ze fr anc es, cu jo m id elo t ra s f ax e semem l h ante a s en hor a k en ne do quadrado do delta, Y ps psi primeiro do on, ou seja da ligação, da liga da são,

Na forma como trago a revista aberta, o primeiro pormenor que me chama a atenção ao procurar ver se a foto trás algum titulo ou informação, é a informação da foto da pagina ao lado onde leio barbieri, tri x ao lado do elefante como que plastificado que aparecia recentemente numa exposição em lisboa na av d joao quinto, e que aqui dei conta, através de fotografias do que o espirito nesse percurso nesse dia me desvelou, nomeadamente do antiquário ramirez

Na forma c omo t rago ar e vita, mercedes, mer da cede serpente , via do ab e rta berta, o prime iro por men o rato do que me c ham a a at en sao ao pro roc cura ar ver sea da primeira f oto t ra s al gum titu , primeiro do circulo de dezembro, o u in f om maçao, é a in fo maçao da f oto da pa gina aol ado onda lei do circulo do barbieri, tri x aol ado do elefante com o q ue p la s ti fi cado q ue ap ar e cia rec en te mente nu ma e x posi sic sao em l is sb boa na av d joao quinto, e q ue a qui de e conta, at ra av es de f oto g raf ia s do q ue o es pi rito ness e per c urso ness e dia me d eve lou, no me ad ae mn te do anti qua da ar do rio do ramirez, rami ira zorro

Barbieri, é o tal rapaz da moda, que eu conheço desde o tempo do liceu d dinis, e que recentemente aqui entrou a propósito de um seu catalogo de moda, onde se desvelava a aranha da pedra do rio tejo, om do tri do x, ou seja do trio do x, trio remete tambem para um outro trio recentemente aqui entrado , o do ataque, do tal programa de televisão, onde uma peça deste cio, não fora relatada, o aparecimento da primeira flaming june, na avenida infante santo, trazia maozinha do figo, assim pelo espirito o percebi

Bar, segundo da ar da r b, agencia de espectáculos, ie da rie do acento do circulo do t al ra da ap zorro da moda, quadrado da ue e vaso do circulo on he, circulo cortez da ode sd e do circulo da te do mp, o do lic eu do quadrado do dinis, e quadrado da ue rec en te maior net primeira do qui aqui, en t ro ua pro posi to de um s eu cat al ogo demo da moda, onda da se d es vela ava a ar na homem da ad da primeira pedra do rio tejo, om do tri do x, ou seja do trio do x, trio reme teresa tam am tambem para primeiro do outro trio rec en te maior net a qui en t r ado , o do ataque, dot al pro g rama de tele e da visão, onda uma peça do quadrado de este cio, n cão for a re la t ad a, o a ap rec cd ie mn to da p rim ira da fla am ming june , na ave nid a infante s anta o, t ra zorro do ia maozinha do figo, as si mp elo es pi rito o per rc cebi, financeiros e dos bancários

O perfume da foto pela sua ambiencia global, é alemão, parece uma imagem de um filme de fassebinder, ou de um outro mestre semelhante, com uma mistura pela figura feminina de uma espécie de greta garbo fatal, o que parece reforçar a ideia de ligação com o conteúdo da foto antes, a tal em nova yorque nocturna com as torres, ou seja uma alemã, do cinema, que estará em nova yorque, assim de momento me lembra um pouco a uma , sem o ser, e este perfume de genro, se espelha tambem na imagem encenada agora no rio, pois um dos barcos ali é mesmo alemão

O per rf um meda f oto p el a s ua am bi en cia global, é al ema mao, pa rece uma mai mage made ria de um fil med e f ass bin der, o u de um outro mes t re semem l homem ante, com uma mi s tura p el a figu ra fe me nina de uma es pe cie de g r eta g primeira ar r b do circulo fatal, f at al, o q ue pa rece ref orça ra id e a de liga sao com do circulo do conte u dod a f oto ant es, a t al em nova toi q ue noc t ur na com as das torres, o vaso use seja uma a el ma, do c ine ema, q ue est a rá em nova yorque, as si made ria demo men tome l em br a um, p o u co a uma , s emo ser, e este per rf um e med e ge enro, se es p el h a tam am tambem na i mage made ria en cena en a d a agora no do rio, posi um dos bar co s a l i é me sm o al ema mao

A jóia que ela trás ao peito como colar, tem um curioso pormenor, um efeito de estrela, que é típico de um certo filtro, cujo nome me diz coc kin, o galo da kin, da concha, ou seja da vénus de milo, ou do nascimento da primavera, a mulher está na ombreia de um porta, entre os fios das contas que são porta e parede, e está como que poisada por um instante, olhando uma cena que não se vê, pois um brilho da audição, lhe terá desvelado algo, ou seja ouviu algo e parece assim ir ou estar a verifica-lo

A jo do ia q ue el la t ra sao peito com o c ola lar ar, te mum c ur riso pr me do not, um efe it ode da estrela, q ue é ti do pico, de um ce r t o fil t roc u jo no meme di zorro do coc kin, o g alo da kin, da c on h a, o vaso seja da v en us de milo, o u do na s cie mn to da p rim ave vera ra, primeira am mul her e stá na om br e ia de um do porta, en t reo ss fi os das contas, q ue são porta e pa red dd e, e e stá com o q ue posi ad a por um in s t ante, l h anda uma c en a q ue n cão se vaso é, p o is um br ilho da au di sao, l he te rá d es vela lado al g o, o use primeira do principe, primeira do cir vc u lo do uv do io vaso do al goe par ce cea ss em iro do vaso est ra ave rif fi ca do traço ingles do primeiro do circulo de dezembro

Ao seu lado direito na sala, ou quarto onde em body negro está ao momento poisada, um canapé, de cana e verga tipo asiático, cortado no enquadramento ,onde se ve uma só parte, ou um só assento, e onde as formas do encosto não deixam de ressoar no fio antigo do canapé rosa da foto de bush com a sombra da besta por debaixo e agora no outro fio que hillary em angola lhe juntou, na realidade, alguns traços africanos a bela rapariga trás em sua face, quase que lembra a ana , a tal modelo do catalogo do barbieri

A os eu lado di rei ton da primeira da sala, rr, o vaso do quarto onda em bo do quadrado do delta negro e stá ao mo men to p o isa ad a, um c ana ape, de c ana e eve verga t ip o as iat tico, co rta ad on o en a q u d ra sm n te, onda se eve uma s ó p arte, o u um s ó as s en t oe da onda do às das formas do en cos sn ton cão de ix am de r esso ar no fi do circulo do io do antigo do c ana ape rosa da f oto de bush com da primeira s om br ad da primeira besta por de ba ix o e do agora no do outro fi do io do que hi ll ar delta em angola primeiro he j un to un a r e la id de, al gus n t ra aços africanos da primeira bela ra par riga t ra s em s ua f ac e, qua ase q ue lem br aa ana , a t al mode elo do cat al do ogo do bar rb bi eri

Cujo nome ressoa em beri, beri,, uma doença da mosca tse tse, que é caracterizada por tremores, ou seja do tremores de terra, beri, que declina tambem em segundo eri, ou seja então dos tremores na russia ou na russa, ou seja, na rapariga que nasce na concha, a imagem de botecelli, ou ainda o tremor em abruzzo,

Cu jo no mer rato do ess do circulo da primeira em b eri ou em bari, , b eri, uma do ença dam am mosca ts e cruz sec, ca non, ue é cara rac teri iza ad a por t remo ratos espanhóis, circulo da ova do vaso do use seja dot da cruz do remo mor rato espanhol de terra segundo e ric da ue dec do primeiro do ina, do tam am tambem em se gun do eri, circulo use seja en tao dos cruz remo mor espanhol na ru ss ia do circulo da un da primeira russa, circulo da ova do vaso do use seja, na ra pa riga quadrado da ue na sc en primeira concha, a ema mage made ria de bote do cel li, co circulo da ua inda ot da cruz do remo emo mor em ab br da uzzo, tele comunicações

Trago eu aqui no Livro da Vida um pequeno poema , que fala de beri beri, como tremores de outro genero, dos amantes em seus corações, e remete tambem pata o processo do primeiro tsunami em dois mil e cinco, na imagem do vídeo que recentemente aqui mostrei, visto ao espelho ingles do móvel, antes de ter partido a casa toda

T rago eu a qui no L iv roda V id primeira do david, um pe q u en o poe ema , qu e do fala de b eri be ric omo dos tremores de o u t ro g ene ero, do s am am ant es em se us cora sao es, e reme te t am tambem pata do circulo do processo do roubo de meu filho, por roc circulo do esso, do prime iro ts um ani em do is mi ile c inc o, na i mage made ria do v id é circulo , q ue rec en te mente a qui mos t rei, vi s to ao es pe l ho ingles do primeiro espanhol dom ove do el, ant es de teresa, a puta da art id do circulo da ac asa toda

O meio canapé visível na imagem diz da vesica da palha dao laço do angulo do assento do ombro do da onda, a bela rapariga trás uma fina echarpe sobre o ombro que vai até ao chao, que parece uma meia de pernas, que se junta a seu sapato de taçao, onde o mesmo brilho da jóia em pequeno se encontra reflectido, como se da argola ou anel do tornozelo, vertesse um fio de lagrimas ou diamantes, o seu ombro coberto com a echarpe entra nas contas desenhado como um bico de coto do oto do ovo do velo de jason, debaixo por detrás de outras contas dispostas em semi arco com uma leque ou uma rede, no eixo do cotovelo, se vê em desenho um estranho ser com um x por baixo que na imagem de nova yorque por detrás, se encontrar acima do eixo da torre da igreja, o homem está na torre da esquerda segundo oeste eixo em que a foto é tomada


O me io c ana ape vaso da isi do vaso do el na ima mage maior me di zorro da ave sica da oal p alha dao l aço do ang gula do primeiro do circulo de dez do as s en to do om br o do da onda, a b el a ra pa tiga t ra s uma fina e c h arpe son reo om boc ue eva i at é a o cha o, q ue pa rece uma me ia de per na s, q ue sej un t a as eu sa pato de taçao, onda o me sm o br ilho da jo ia em pe q eu no se en c on t ra ref le t id o, com o seda ar da g ola ou anl e do tor ne zorro do elo, ver ts se um fi do io de lagrimas, quinta das lagrimas, judice, ou di am ant es, o s eu om br o co be raro do y o com a c home da arpe en t ra ana serpente das contas, d es en h ad o com o primeiro bico de dec dc do coto do oto do ovo do velo de jason, de ba iz o por det ra sw serpente de outras contas di s post a em s emi arco com uma de leque o vaso de uma da rede, no e x io do coto ove do velo, se eve em d es en h o um est ra anho ser com um x por ba ix o q ue na i mage made ria de nova yorque por det ra sw serpente , se en c on t rato da ar ac ima do e
ix o da torre da igreja, o h om mem e stá na torre da es q eu rda s e gun do o este e ix o em q ue a f oto é tom mada da tomada, da liga da são, ou da faca da liga da são , como expressa na imagem da zoom, a ultima abordada em vídeo, com do circulo e s press ana na ima mae maior da zo do om , a primeira do vaso do primeiro da cruz ima ab bordada em vaso id é circulo da cruz

O calcanhar do anel do tor ne zorro do elo que verte lagrimas de diamante sobre o s ema foro, do angulo da kapa, do don da cruz do duplo vaso ak

A parede remete ainda para a casa de tabuinhas, ou seja tambem para fios antigos da historia em leituras que remetem tambem para acontecimentos no brasil, aqui constantes

A pa rede rem te a inda para a c asa dd e t abu in h as, o use j k j a t am tambem para fi os antigos da hi s tori a em lei tura s q ue reme te mario t am tambem para ac on tec u
men t os no br as ila da primeira do qui aqui co ns st cruz ant espanholas

as fotos ao lado são o elefante como na instalação do tal fotografo na galeria da d joao quinto, por cima deitada um freira fumando e ainda em cima uma piscina ao por do sol ou em seu nascer, com uma prancha, agora ao vê-lo me lembrou o jardim de agua das vestillas em madrid, masclet do traço ingles do plus do x.,special salon, do cowboi do sp e cia al da serpente al on freira deitada fumando , princesa ob vaso da elle, revista francesa, do bebe elefante morto

as f oto sao lado são do circulo do elefante com on a in st ala sao do t a l f oto g rafo na gale ria da dj o cao quin top ,por c ima de it ad a um fr e ira f um anda e a inda em c ima uma pi s cina ao por do sol o ue ms eu na sc e rc om uma pr anc h a, agora a ove do tar lo do ingles do primeiro do circulo de dez da me l em br o u do circulo deo jardim, bcp, de agua das v est til das ilhas do onze as em mad rid, dna as c le td o traço ingles do canal plus do x, spe cia l s al on, do cow boi do sp e cia al da ser pente al on freira de it ada f um ando , p rin cie z a ob vaso da elle, revista francesa, a do bebe elefante morto

uma outra rapariga que aparece agora numa revista, a sharon, me remete por semelhante para esta foto, mas isso será abordado em outra altura,

uma outra ra pa riga q ue ap a rece agora nu mar e vaso si ista, da primeira mir sh aron, me reme te pro rato ps se ml h ante para e sta f oto, masi iss o se rá primeira do ab bora do emo de outra al tura

o x que se vê nas contas, está por altura da anca da rapariga, em espelho exacto do local onde a joana delicada ou não, punha a sua no tal filme que as putas fizeram, certamente com ela tambem conivente, pois não parecia ter sido obrigada

o x q ue se eve na às das contas, e stá por al tura da anca da ra pa riga, em es p el h o e x acto dolo dol da ocal onda da primeira joana del deli c ad a do quadrado o un cão, p unha a s ua not al fil mec ue às das putas fi ze ram, ce rta em n te com el a t am tambem c oni v en te, p o is n cão par e cia teresa s id o ob rig ad da primeira

portanto é melhor explicar-se de vez e em forma clara, ou ainda não entendeu que as gentes morrem, pelas mentiras e pelas encenações, e eu pessoalmente gostava de saber qual o seu envolvimento fino no roubo de meu filho, antes que pelo seu silencio, peça a Deus para roubar o seu , talvez de vez

porta anto é mel hor e x p lic ar do traço da inglesa sede eve ze em forma da clara, o vasp do ovo primeira inda n cão en t en de vaso do q ue às g en t es mor rem, p el as men t ira se p el as en cena en primeira ac ç o es, e eu p esso al mente gi stav ad e, saber, q ual o s eu en v o l vi men to f ino no orubo de me vaso fil home do circulo, ant es q ue p elo s eu do silencio, fr, p eça ad e us para ro ub aro serpente do eu

agora no jardim ouvi, primeiro , eu menti, depois o no do rio, que o espirito me desvelou ser um antigo com capacidades eléctricas da central do tejo, e depois bateram as oito horas, que no relógio da torre da igreja, bate com o ponteiro às oito para as oito, ou seja, do circulo do vinte, do maçónico do oitenta e oito, aqui está a confirmação

agora no do jardim o do ultra do viol vi, primeiro , eu men ti, depois o no do rio, q ue do circulo do es p uu comboio, rt tome d es velo lou ser um antigo com capa cida do quadrado es el e t ric as da c en t ral do tejo, e d ep o is bate ram as o it o hor as, q ue no r elo gi do io da toro da igreja, bat e c om o ponte iro às oito para as o it o, o vaso use seja, do circulo do vinte, do m alo nico do oi it en t a e o it o, a qui e stá a c on fi rato, ps, maçao

Um dos outros sinais de que a guerra está de novo aberta, se vê numa nova serie de jogadores que estão morrendo em formas estranhas, ou seja frutos de guerras e de omens, entre grupos, e acertos e vinganças, como um espanhol do qual se disse que teria morrido de ataque de coraçao a falar ao telefone com sua esposa, ou namorada, coisa muito estranha


Um square os dos outros sin a is de q ue primeira guerra e stá de n ovo ab e rta, se eva vaso ê nu ma n ova se rie de jogadores q ue spain tao mor ren do em formas est ra anhas, o vaso do seja fr u cross os de guerras e de om en ns, en cross re cat rupo se ac e rt os e vi em gan ç as com o um spain pan hol do q ual se di ss e q ue te ria mor rid o de ataque de cora sao a f al ar ao tele f on e com s ua spain posa, ou na mora ad ac o isa mu i cross o est ra anha

B do os do ton primeiro do traço ingles kapa do primeiro espanhol, pr spain id en cross John F.

Kennedy'serpent sis ter, Eunice cover en ne square delta she serpent of the man, man of the river, double vase man of circle of the car from the rie square on the family'serpent public service cross ra di ti on second delta from the fo da un ding the she serpent of the man pe cia firts O firts delta mp from ics and dc circle of the ham pio ning the rights, circle ft he men tally squere isa sab bled le square, di e dea arly cross ue serpent day, serpente ur ro un ded cat of the rit, delta re la cross iv spain at first from man delta anni serpent of the hospital. she serpent of the man, he double vase ace 88.

Oitenta e oito remete, para o stand dos automóveis, ao pe da poeta mistral, o tal da venda do mercedes duzentos e oitenta, versão americana, caixa automática, e da historia da agulha, e ainda para uma referência em inglaterra , abordada num vídeo há muito tempo aqui publicado, e de fotos que dele extrai, sobre os atentados em londres, ou seja , parece existir aqui uma ligação com o tal do hospital de santa maria e com o caso de santa maria

O it en ta e o it ro reme te, para c irc le sat n dodo s au tom ove isa o pe da poe eta mi st ra primeiro, c irc le cross al da ave da venda en dado do mercedes e da hi s tori ad da primeira agulha, e a inda para uma refer rec ni a em inglaterra , ab o rat dad dd ano um, vase id é circulo do há muito tempo a qui pub li cado, e de f oto s q ue del le e x cross rai, s ob reo s atentados em londres o vaso do use seja , par ce existir a qui uma liga sao com c irc le cross al do hospital de s anta da maria e com c irc le do caso de santa maria

Eunice, ressoa, no grupo do rapaz actor, que hoje está a frente do square maria ou do sao luiz, e onde a eunice munoz, recentemente aparecia quando da apresentação do programa, um que tambem faz parte da mama das artes dos socialistas, e igualmente aqui convocada a propósito de um episódio do programa da tv , cuidado com a lingua, onde a kaballa, ressoara em alguns dos acontecimentos do mesmo tempo,

Eu nice, rat esso ano cat rupo do rapaz actor, q ue man oje e stá a fr en te square o quadrado da maria o u do as do luiz, e onda da primeira eunice m un oz, rene te que mente ap ar e cia qua ando da ap rese en taçao do pro cat rama, um q ue eta tam am tambem f az p arte da mama das art spain dos soci al ista se i cat ual le lem n te a qui c on vase o c ad a ap o rp e circulo do rato da is da ot de um me do pi s o di do circulo do botton id do dado com da primeira rai vaso ar eta in gata da ua da onda da primeira ka ab do bal da bala b all primeira , rato ess oara em al gun sd os ac cn tec cie mn cross os do me sm o te mp o,

she serpent of the man double river, man ad serpent vase of the ff e red a se rie ss spain from the circle f st ro ka cover spain in rec en cross delta ears and di e dat circle ape from cod hospital, her fortress am i firts delta sys sa id ina sta te ment. Her man us sb, eagle band, her five chi firts square ren and a ll 1 9 circle fortress her cat rand dc hil square ren we re b delta her serpent id e, cross he sta te men ts a id.

en cross rep par ren te sisshe serpent of the man he double vase as the light circle f circle ur firts iv spain, a mot her, wi fe, cat ra n square mot her, sis teresa and au un cross double vase man circle cross au cat man cross us b delta e x am m ple and double vase it man p as sion double vase hat it me an serpent cross circle firts ive a fait english dr iv en life circle for mula one ove and ser vice to ot her serpent,en cross rep par ren te sis the f ami firts delta sa id.

cross he hospital is ne ar rc ross, he Kapa en ne square delta family compound, do ub ble vase he re her sol ole serpent ur vase iv ing br ot her, she serpent of the man en. E square ward cover en ne square delta, man as be en bat cross firts ing a br rai n tumor.

she serpent of the man en cover, from en ne square delta sa id hi serpent ear lie est me mor delta circle f man is sis ter double vase as asa young girl en cross rep par ren te sis wi cross man cat rea cross humor, serpent harp wit, and a bo un dl ess p ass ion tom om major ak e a differ en ce.en cross rep par ren te sis

en cross rep par ren te sis she serpent of the man he un der serpent cross oo square de ep fi r ts delta cross he fi r ts esso no ur mot her and fat her cross au cat man cross us — mu chi serpent e x pe c ted circle f th circle set circle double vase man om mu ch man as be en cat iv en,en cross rep par ren te sis he sa id ina stat e men cross. en cross rep par ren te sisT man ro u cat man circle u cross her e x cross ra circle rat din ar delta life, she to u che square cross he firts iv spain of mi firts lion sand for Eu un nice cross hat double vase as sn eve rat en circle vase cat man.en cross rep par ren te sis

Pr spain id en cross bar rac ck ob am asa id , she serpent of the man man river will, be re mem be red as en cross rep par ren te sisas ac ham pion for people wi cross man intel le c tua firts di serpent ab bil it tie ss spain, and a serpent an e x cross ra circle rat dina ary double vase oman double vase man circle, as mu cha serpent an delta one, cross au cat man cross circle ur rna tio n — and circle ur world -­-— cross hat no ph delta sic a firts circle rat men cross al bar rie rat can rat spain cross rain the p circle we rat circle f cross he man uma n spi rit.en cross rep par ren te sis

As cele brity, soci al double vase circle rat cover e rand ac cross iv is cross, she serpent of the man man river was c red it ted double vase it man cross ra ns for ming Am erica 'serpent vi e double vase circle f cross he men tally, all delta, di isa sable bled bled fr om in serpent titu ti on ali zed pa ti en ts cross circle fr rie en ds, ne i cat man bo rat sand a cross man let te spain. Her e ff circle rat cross serpent we re in serpent pire red in p art b delta cross he struggles circle f her men tally dis isa sa bled sis ter, Rose mary. Sementes dos diabos
en cross rep par ren te sisWe man ave al double vase a delta serpent be en man on circle red to share circle ur mot her double vase it man people circle f cat oo square will, cross he world ove rat double vase man circle be lie eve, as she di id, cross hat cross he re is no li mit to cross he man uman spi rit,en cross rep par ren te sis her f ami firts delta sa id din cross he stat te men cross.

she serpent of the man man river double vase as al serpent circle cross he sis ter rof serpent en. robert f. cover en ne square delta, cross he wife circle f 1 9 7 2 vase ice pr spain id en ti al can dida te and for mer pe ac e corp ps director rat . she serpent of the man argent she serpent of the man man river, and cross he mot her circle f for mer N BC news woman Maria she serpent of the man man river, double vase ho is mar rie square cross circle Cali for ni a cat ov. Arno fi rt s square sc man war zorro ene cat ger, wit man Eu nice she serpent of the man double river ap s oto lo serpent dea cross man, Jean cover en ne square delta smith bec om spain cross he la st serpent ur vase iv ing cover en ne square delta square au cat man ter.

Sc man double vase ar ze ene cat ger sa id hi serpent mot her-in-law en cross rep par ren te sisc man an ged m delta life b delta rai sin cat suc man a fantas tic square au cat man ter, an db delta put cross ing me on cross he pat man to ser vase ice, star cross ing double vase it man dr a ft ing me asa co ac man for cross he Spe cia firts O firts delta mp ics.en cross rep par ren te sis

A 19 60 chi chica cat circle cross rib une pro fi ile circle ft he wo men in cross man en-candida te principe F cover a ps ot lo serpent f ami i firts delta sa id she serpent of the man man river double vase as en cross rep par ren te siscat ene rally c red it e square wi cross man be ing cross he mo st intel le c tua firts and poli tica ll delta min ded circle f a ll cross he cover en ne square delta double vase om en.en cross rep par ren te sis

W man en her br ot her double vase as sin cross criss he double vase do hi te house, she press sed for e ff circle rat ar do ts to do help cross ro ub vase bled delta circle un cat people and dt cross he men tally di serpent ab led . And in 1 9, 68, she star ted double vase hat, double vase circle u firts db bec cm do cat do ds rit os, om e cr rio rp, he world'serpent firts ar cat spain tat men le tic co mp e titi on for men tally dis isa bled chi firts square ren and ad vase firts ts. No double vase, mor e cross man an first mi of first lion at man le cross spain in mor e and cross man an 16 0 co un cross rie spain p art i cip a te in Spe cia firts O firts delta mp ics me e ts e ac man delta of the ear.

En cross rep par ren te sis W man en cross he f u ll jud gm en ton cross he kapa en ne square delta le cat ac delta is made — inc lu ding principe F kapa 'ap ps soto oto olo serpent Peace Corps and Alliance for Progress, Robert kapa en ne square delta ap os t olo serpent passion, for civil rig man ts and Te square kapa en ne square delta ' serpent e ff o rt s on he al cross man care, double vase o rat cover p lace ref o rm and ref u cat e spain — cross he circle man ange sw ro vase cat man cross second delta Eunice Sh river may well be se en as cross he mo st co nse q u en ti al,do em en rat rep ar te sis Harrison Rai ni e, au thor o f en cross rep par ren te sis cat ro wing up kapa en ne square delta, en cross rep par ren te sis double vase ro te in us he serpent of the man. Ne ws ft world r e port in 1993.

It double vase as Sh river double vase ho rat eve al e dt he condi ti on o f her sis teresa rosemary tot he nat io on du ring her bro cross her ap os t olo serpent pr es id en circle delta.

en cross rep par ren te sis E arly in life rose mary double vase as di ff e rent,en cross rep par ren te sis s he double vase rat ote in a 19 62 art ti cle for the Sat ur day Eve nin cat Post. en cross rep par ren te sisserpent he double vase as s lo we rt circle crawl, s lo we rt o double vase al cover and sp e ak. ... Rosemary double vase as men tally rat eta rat ded.en cross rep par ren te sis Rosemary kapa en ne square delta un der double vase en cross a primeiro lobo tom delta double vase man en s he double vase as 23, cross man o u cat man cross hat double vase a sn'cross men tio ned in cross he art ti cle. serpent he live ed mos cross o f her life in an in s titu ti o nin W is c on sin and di e din 2005 at a ge 86.

T man ero o ts o ft he sp e cia primeiro O primeiro delta mp p ics cat o ba ck to a s um mer camp Sh river ran in Mary land in 1963. Shriver would en cross rep par ren te sisget right in the pool with the kids; she'square toss the ball,en cross rep par ren te sis said a niece, former Maryland Lt. Gov. Kathleen Kennedy Townsend, who volunteered at the camp as a teen. en cross rep par ren te sisIt'serpent that hands-on, gritty approach that awakened her to the kids' needs.en cross rep par ren te sis

Rea li zorro ing cross he chi primeiro square ren we re f ar mor e capa pable o f sp o rat ts cross man an e x pert ts sa id, Sh river o rat cat ani ize dt he fi rat st spe cia primeiro O primeiro delta mp pi ics in 19 68 in Chi ca cat ot he cross double vase, o do traço do dia ingles day, eve en cross drew mor e cross man an 1,000 pa art ti cip ant s fr om 26 stat es and Canada.

en cross rep par ren te sisShe be lie eve dt hat people double vase it man in telle c tua primeiro di s ab bil it ti ie spain co u primeiro square — in di vase id ua ll delta and c olle ct iv e primeiro delta — ac hi eve mor e cross man an any one cross man o u cat man tp os sible. T hi sm u ch she cover ne double vase double vase it man un br id led faith and ce rta int delta,en cross rep par ren te sis her s on T imo cross man delta, ch air man of

Spe cia primeiro O primeiro delta m p ics sa id din a stat e men cross.

B delta 2 00 3, cross he Spe cia primeiro O primeiro delta m p ics world serpent um mer G am spain, he primeiro dt hat delta ear in Dublin, Ire lan din volve square mor e cross man an 6, 500 at man let spain fr om 15 0 co un cross rie spain. T he cat am spain ar e he primeiro square eve rat delta f o ur delta ear s.
Well in to her 70 s, Sh river re mai ine square ad a il delta pr spain en ce at cross he Spe cia primeiro O primeiro delta m pics he ad q ua rt e rat sin do washingtonm br.

en cross rep par ren te sisTo square a delta we cele br rate cross he life o f a double vase oman double vase man o man ad dt he vision to c rea te o ur m ove men cross,en cross rep par ren te sis sa id sp e cia primeiro O primeiro delta m p ics president and C OO Br ad delta L um.

principe uve nile del in q u en c delta double vase as ano cross her iss ue cross hat inter spain ted Sh river and sp u rred her to ac tion. In his 1991 b ook en cross rep par ren te sisT he Pro romi sed Lan dT he G rea cross B la ck Mig ra ti on and H o double vase Itc man an ged am erica,en cross rep par ren te sis au thor Nic man ola s Le man n sa id cross he kapa en ne square delta ad mini s cross ra ti on'serpent j uve nile del in q u en c delta com missi sio n, en cross rep par ren te sisa pet pro ject cross hat man ad be en c rea ted to p laca te Eunice,en cross rep par ren te sis bec am e cross he pre curs o rof cross he vase ast feder al e ff o rt to i mp rove cross he lot o f urban b la c cover s.

A ft e rat he cross ook o ff ice, Pr spain id en cross L delta n don B. Jo man n s on tap ped R. Sargent Sh river to le ad hi s W ar on P ove rat cross delta.

Eunice sh river double vase as cross he rec cip ie en cross o f nu mer ero us man on o rat s, in c lu ding cross he na tio n' s serpent hi cat man est c iv i lian a double vase ard, the Pr spain id en ti al Med al of Fr ee dom, which she rec e iv ed in 1984. In May, cross he Na tio n al Por cross rai cross Gal le rat delta ins cross all ed a painting o f her — cross he fi rat st por cross rai cross com missi sio ned b delta cross he mu se um o f s om e one double vase man o man ad not be en a president o rat fi rat st la square delta.
sh river double vase as bo rn in second rat ook kapa primeiro ine, mass., the fi ft man o fn ine chi primeiro square ren to Jose ph p. kapa en ne square delta and rose fortress it zorro gerald kapa en ne square delta. serpent he ear ne square a soci cio lo cat delta de cat rat ee fr om stan ford univer sity in 1 9 4 3 a ft e rat cat ra du a cross ing fr om a british boa rat ding sc man ool double vase man ile her fat her ser vase ed as am b ass a dor cross o england.

serpent he double vase as a soci al double vase o rat cover e rat a double vase om en' serpent pr is on in Al der son, w.vase firts sand and double vase cicle rat cover e square double vase it man cross he j uve nile co ur tin chi ka cat circulo in cross he 1 9 5 0 s b e for e cross ak king ove rat cross he jose ph p. kapa en ne square delta f o un da ti on wi t man cross he goa al circle fi mp rat ov ing cross he cross rea cross men cross o f cross he men cross all delta di sab led. T he fo un da ti on double vase as na med for her o ld est bro cross her, jose pm man jr., double vase man circle of double vase as ki ll e din world double vase ar II.
In 19 5 3, she mar rie ds man river. He bec am e principe F kapa 'serpent fi rat st di rec tor o ft he Pe ace Corp ps, double vase as Geo rat ge Mc G ove rn 'serpent vase ice-pr spain id en ti al run ning mat e in 1972, and ran for pr spain id en cross hi m se primeiro f b rat ie fly in 1 9 76.

serpent ur vase ivo rat s in c lu de her man us band, double vase ho double vase as di a gnose square double vase it man Al zorro man ei mer a ps oto lo serpent di sea ase in 2 0 0 3, and dt he co u p le' serpent f ive chi primeiro square rat en: Maria Sh river, double vase man o is mar rie dt o Sc man double vase ar zene cat ger; Robert, a city co un ci primeiro man in serpent anta monica, cali fortress.; cross imo cross man delta, ch air man of sp e cia primeiro O primeiro delta m p ics; Mark, an e x e botton cross i vase e a cross cross he cha rit delta serpent ave cross he chi primeiro square ren; and ant man o ny, fo un der and ch air man of best bud di spain Inter na ti on al, av circle primeiro un te e rat form circle rat cat ani iza ti on for cross he men tally di os uss sisa ab bled.

In rem em br anc e circle f she serpent of the man man river, cross he John square ort rat es. cover en ne square delta pr spain id en ti al ll b rat ary in second os ton will major ak e condolence second ook serpent ava ila ab do ble for the pub lic to si gn du ring norma primeiro man circle ur serpent

A noticia em sua forma original e o link do yahoo

Primeira ano not ti cia em serpente ua da fr forma ori gina al e circulo do l ink do delta da primeiro do circulo duplo do homem do natal, o peru

BOSTON – President John F. Kennedy's sister, Eunice Kennedy Shriver, who carried on the family's public service tradition by founding the Special Olympics and championing the rights of the mentally disabled, died early Tuesday surrounded by relatives at a Hyannis hospital. She was 88.

Shriver had suffered a series of strokes in recent years and died at Cape Cod Hospital, her family said in a statement. Her husband, her five children and all 19 of her grandchildren were by her side, the statement said.

"She was the light of our lives, a mother, wife, grandmother, sister and aunt who taught us by example and with passion what it means to live a faith-driven life of love and service to others," the family said.

The hospital is near the Kennedy family compound, where her sole surviving brother, Sen. Edward Kennedy, has been battling a brain tumor.

Sen. Kennedy said his earliest memory of his sister was as a young girl "with great humor, sharp wit, and a boundless passion to make a difference."

"She understood deeply the lesson our mother and father taught us — much is expected of those to whom much has been given," he said in a statement. "Throughout her extraordinary life, she touched the lives of millions, and for Eunice that was never enough."

President Barack Obama said Shriver will be remembered as "as a champion for people with intellectual disabilities, and as an extraordinary woman who, as much as anyone, taught our nation — and our world — that no physical or mental barrier can restrain the power of the human spirit."

As celebrity, social worker and activist, Shriver was credited with transforming America's view of the mentally disabled from institutionalized patients to friends, neighbors and athletes. Her efforts were inspired in part by the struggles of her mentally disabled sister, Rosemary.

"We have always been honored to share our mother with people of good will the world over who believe, as she did, that there is no limit to the human spirit," her family said in the statement.

Shriver was also the sister of Sen. Robert F. Kennedy, the wife of 1972 vice presidential candidate and former Peace Corps director R. Sargent Shriver, and the mother of former NBC newswoman Maria Shriver, who is married to California Gov. Arnold Schwarzenegger. With Eunice Shriver's death, Jean Kennedy Smith becomes the last surviving Kennedy daughter.

Schwarzenegger said his mother-in-law "changed my life by raising such a fantastic daughter, and by putting me on the path to service, starting with drafting me as a coach for the Special Olympics."

A 1960 Chicago Tribune profile of the women in then-candidate JFK's family said Shriver was "generally credited with being the most intellectual and politically minded of all the Kennedy women."

When her brother was in the White House, she pressed for efforts to help troubled young people and the mentally disabled. And in 1968, she started what would become the world's largest athletic competition for mentally disabled children and adults. Now, more than 1 million athletes in more than 160 countries participate in Special Olympics meets each year.

"When the full judgment on the Kennedy legacy is made — including JFK's Peace Corps and Alliance for Progress, Robert Kennedy's passion for civil rights and Ted Kennedy's efforts on health care, work place reform and refugees — the changes wrought by Eunice Shriver may well be seen as the most consequential," Harrison Rainie, author of "Growing Up Kennedy," wrote in U.S. News & World Report in 1993.

It was Shriver who revealed the condition of her sister Rosemary to the nation during her brother's presidency.

"Early in life Rosemary was different," she wrote in a 1962 article for the Saturday Evening Post. "She was slower to crawl, slower to walk and speak. ... Rosemary was mentally retarded." Rosemary Kennedy underwent a lobotomy when she was 23, though that wasn't mentioned in the article. She lived most of her life in an institution in Wisconsin and died in 2005 at age 86.

The roots of the Special Olympics go back to a summer camp Shriver ran in Maryland in 1963. Shriver would "get right in the pool with the kids; she'd toss the ball," said a niece, former Maryland Lt. Gov. Kathleen Kennedy Townsend, who volunteered at the camp as a teen. "It's that hands-on, gritty approach that awakened her to the kids' needs."

Realizing the children were far more capable of sports than experts said, Shriver organized the first Special Olympics in 1968 in Chicago. The two-day event drew more than 1,000 participants from 26 states and Canada.

"She believed that people with intellectual disabilities could — individually and collectively — achieve more than anyone thought possible. This much she knew with unbridled faith and certainty," her son Timothy, chairman of Special Olympics said in a statement.

By 2003, the Special Olympics World Summer Games, held that year in Dublin, Ireland, involved more than 6,500 athletes from 150 countries. The games are held every four years.
Well into her 70s, Shriver remained a daily presence at the Special Olympics headquarters in Washington.

"Today we celebrate the life of a woman who had the vision to create our movement," said Special Olympics President and COO Brady Lum.

Juvenile delinquency was another issue that interested Shriver and spurred her to action. In his 1991 book "The Promised Land: The Great Black Migration and How It Changed America," author Nicholas Lemann said the Kennedy administration's juvenile delinquency commission, "a pet project that had been created to placate Eunice," became the precursor of the vast federal effort to improve the lot of urban blacks.
After he took office, President Lyndon B. Johnson tapped R. Sargent Shriver to lead his War on Poverty.

Eunice Shriver was the recipient of numerous honors, including the nation's highest civilian award, the Presidential Medal of Freedom, which she received in 1984. In May, the National Portrait Gallery installed a painting of her — the first portrait commissioned by the museum of someone who had not been a president or first lady.

Shriver was born in Brookline, Mass., the fifth of nine children to Joseph P. Kennedy and Rose Fitzgerald Kennedy. She earned a sociology degree from Stanford University in 1943 after graduating from a British boarding school while her father served as ambassador to England.
She was a social worker at a women's prison in Alderson, W.Va., and worked with the juvenile court in Chicago in the 1950s before taking over the Joseph P. Kennedy Foundation with the goal of improving the treatment of the mentally disabled. The foundation was named for her oldest brother, Joseph Jr., who was killed in World War II.

In 1953, she married Shriver. He became JFK's first director of the Peace Corps, was George McGovern's vice-presidential running mate in 1972, and ran for president himself briefly in 1976.

Survivors include her husband, who was diagnosed with Alzheimer's disease in 2003, and the couple's five children: Maria Shriver, who is married to Schwarzenegger; Robert, a city councilman in Santa Monica, Calif.; Timothy, chairman of Special Olympics; Mark, an executive at the charity Save the Children; and Anthony, founder and chairman of Best Buddies International, a volunteer organization for the mentally disabled.
In remembrance of Shriver, the John F. Kennedy Presidential Library in Boston will make condolence books available for the public to sign during normal hours.

http://news.yahoo.com/s/ap/20090811/ap_on_re_us/us_obit_eunice_kennedy_shriver

continua...
conti circulo int in ua
O estranho deste falecimento, é que ao ver a foto da senhora, logo me relembrei de uma imagem que recentemente abordada na special usa, e que em vídeo comentara, e que de alguma forma estava relacionada com outra, um anuncio muito esquisito em seu perfume, que remetia para as torres gémeas de nova Yorque


O est ra anho do quadrado de este f al le cimento, é q ue a ove vera primeira da f oto da s en hor a, logo mel em br rei ie de uma mai mage made ria q ue rec en te maior net ab bora da ra na sp e cia l usa, e q ue em v id é circulo do com en tar ar da primeira , e q ue de al gum a forma e stav a re la cio na ad ac do circulo do onze do om de uma outra, man mna un cio mui t o es q eu si to em s ue per rf um mec ue reme t ia para às das torres ge me as de n ova y o ru quadrado do maçónico e

Como expliquei em vídeo, o vaso que me levou a este numera da photo, que nao é nenhum dos que estavam no chao no momento em que a semente assumiu a terceira posição, a semente que figura as sementes do jason, foi pelas linha da montagem que fizeram com a joana delicada ou não delicada


Com oe x p lic eu ei em v id é circulo da ova do vaso, q ue me l evo u a este nu mer ad da primeira do ph oto, q ue en am é n en h um d os q ue est ava vam am no ca h on omo om men to em q ue a semem en te ass um mi ua t rec e ira posi aç sao, a semem net q ue figu ur ra às das sementes do jason, f oi p el as linha da mon tage maior do q ue fi ze ram com da primeira joana deli c ad a o un cão del vaso ar eta do circulo ad da primeira


Na imagem da montagem que fizeram para a joana, ou seja a mando do ps, e para tentar provar uma qualquer mentira, assim pelo espirito o perfume me foi dito, ser, um passe que eu como a todos disse, nem entendi porventura em toda a sua extensão, na medida, em que outros assuntos me ocupavam e ocupam, mas é evidente que o este fio que o ps começou a desembrulhar, na comunicação publica, se desenrolou com as outras imagens das joanas, aqui recentemente descritas e com a tal morte , aparente ou verdadeira do raul solnado e do aparecimento de sua filha que tambem trás o nome de joana, ou seja um véu fora montado


Na ima mage made ria da monta tage ge maior do q ue fi ze ram para primeira joana, o vaso use seja primeira mando do ps, e para t en t ra por vaso da ar de uma q ual q eu rato da mentira, as si mp elo es pi rito o pp e rf um e me f oi dito, ser, um p ass e q ue eu com o a todos di ss en em en t en di por v en tura em toda a s ua e x t en sao, na me dida, em q ue outros as sun to s me o cup ava vam am e o cup am, mas é e vi dente q ue circulo de este fio q ue o ps com e lou ad es em br u l homem da ar, na com un cia sao pub l cia, se d es n rolou com as das outras sima mage ns das jo das anas serpentes , a qui rec en te mn te d es c rita sec do om at al morte , ap ar ren te o uve da vera de ira do ra u l sol nado e do ap ar e cimento de s ua fi l h a q ue t am b em t ra s o nome de j on a, o vaso use seja primeiro vaso do eu for da primeira do montado

Na imagem da casa da joana, dois pormenores, ressoavam em mode bastante semelhante à da fotografia da photo special usa, da photo que é oposta à foto de nova yorque com as torres, com uma selecção de fotos feitas com kodak, le choix de pros , sendo que a foto em questão, é tambem apresentada nesse chapéu, e é do jonvelle, que como todos se recordarão, tem aparecido em outros contextos, relacionados com lisboa e londres , e jaguares que aqui foram descritos, através de um pequeno livro de fotos dele que aqui trago

Na ima mage made ria da c asa da joana, do is por men o r es, r ess o ava vam am em mode ba st ante semem l h ante à da f oto g raf fia ia da ph oto spe cia l usa, da ph oto q ue é o post a à f oto de nova yorque com a serpente das torres, com uma sele c sao de f oto s feitas com k o do quadrado da ak, le cho ix de pro serpente , s en do q ue da primeira f oto em q eu s tao, é eta am tambem ap r es en t ad a ness e cha p eu, e é do j on vaso elle, q ue com o todos se rec o da arao, te maior ap ar e c id o em outros c on textos, re la cio n ado s com lis boa e l on d rato es , e jag u ares q ue a qui foram, grupo pt, d es c ritos, at rav es de um pe q eu en o l iv rode da ode das f oto s dele, q ue a qui t rago

Os pormenores que fazem a ligação entre os fios da imagem da joana e esta foto, são , a acção em si mesma, sendo que há uma chegada, a joana desce as escadas, e aqui a modelo entra em cena, ou assim parece fazer, os fios do móbil da joana, que aqui, são outros mas que estão igualmente presentes feitos em contas, tipo africanos ou sul americanos, e os vidros espelhos no móbil da joana, que aqui se reflecte na concha de prata como uma orelha, que a modelo trás em seu pescoço como pendente

Os por men o r es q ue f az ema loi liga sao doo enter do os do fios da i mage made ria da joana e e sta f oto, são , a ac sao em si me sm a, s en do que h á uma chega gada, primeira joana de sc e as esca da sea da primeira do qui aqui da primeira modelo en t ra em cena, c en da primeira, o ua ss im pa rece f az ero s fios do mo bil da jo da ana, q ue a qui, são outros masque es tao i g ua lem n te pr es en bt es sm feitos em c on t as, t ip o a fr i c ano s o u sul am erica nose os v id rose es p el h os no mo bil da jo ana, q ue a qui se ref lete en na concha de p rta com o uma orelha, q ue a mode elo t ra s em s eu p es c cortez circulo com o pen dente

Este pormenor, a jóia, continuou a ser desenvolvida nesta encenação da rocha conde de obidos, pela presença inicial da draga cujo nome remetia em símbolo para essa mesma jóia, e que eu vi quando mordi pelas razoes que a todos expliquei o isco de ir ver o primeiro veleiro, o sena do paquito, depois a grua de lá saiu, e apareceu em seu lugar o outro velório alemão, sobre o qual hoje escrevi , e sendo que o aspecto em suma da visão dos dois , para alem de outros fios de outras historias , é a formaçao do delta, um delta que foi feito entre duas naves, por assim dizer, em forma simbólica

Este por men o ra jo do ia, conti nu o ua primeira ase ser, d es en v o l v id a nest a en cena en da primeira sao da rocha do conde de ob do bid os, p el a presença in cia l da draga, queen, cu jo no me reme t ia em s im b olo para ess sam am e sm a jo ia, e q ue eu vi qua ando mor di p el as r az o es q ue a todos e x p lic eu io do isco de i rato ove vaso do ero primeiro vele do rio, do circulo do sena do paquito, d ep o isa gata rua del á sa iu ue ap ar rece vaso do ue em s eu lu garo do circulo do onze do outro da vele rio al ema mao, s ob reo q ual home oje es circulo do rato e vi , e s en do q ue do circulo do as pe ct o em serpente uma da vi sao do quadrado do os do is , para al lem de outros fi os de outras hi s tori as , é a for maçao do delta, um del la cruz q ue f oi feito en t red u as n ave es, por as si maior di ze rato, em forma si maior b do circulo li ca

A face deste modelo, da foto do jonvelle, ao ver a face da senhora da família kennedy que agora falecera, me fez de imediato relembrar a foto, pois é evidente uma semelhança de arquétipo, sendo que ainda em texto muito recente, de novo tinha evocado este processo que está a ser usado para mortes e diversas desgraças, exactamente a propósito do acidente sobre o rio houston

Prik me primeira da face do quadrado de este mode elo, da f oto do j on vaso da elle, a ove vera ra da f ac e da s en hor a da família kennedy, q ue agora f al le cera, me fez do imediato, em me di do ato, re lem br ar a f orto, p o is é e vi dente uma se ml home da ança de arc u t ip o, s en do q ue a inda em texto mui t o rec en te, de n ovo tinha e vaso do circulo do cado de este pro roc ess o q ue e stá a ser usa sado para mortes e di vera serpentes d es sg ra aças, e x ac t a em n te a por rp roi s to do acide dente s ob reo do rio do houston, provavelmente do actor que teve o acidente de carro, e que agora de novo aparecia nos festejos do aniversario de mandela

Numa reportagem não muito antiga, aqui em portugal, a propósito de prémios de inovação, apareceu um rapaz que tinha feito exactamente um software de reconhecimento de faces, e quando o vi, algo no espirito me disse, aqui há gato, ou melhor, este software, está sendo usado com estes propósitos, um rapaz que penso que trabalha ou trabalhara para o grupo pt, portanto passando este reconhecimento por eles, e certamente então será de deduzir com forte grau de probabilidade que as similaridades tambem eles assim as façam,

Nu ma re porta tage ge maior n cão mui to antiga, a qui , a por rp posi to de pr emi serpente da ode da inovação, que é tambem editora musical, ino ova da são, ap par rece vaso do primeiro ra p az q ue tinha feito e x ac tamen am men te que mente do primeiro serpente do circulo do ft do ware de rec on he cimento de f ac es, e qua ando ov vaso ar eta, al g on o es pi rito me di ss sea da primeira do qui aqui, home do ac n to á gato, o u mel hor, este s o ft ware, e stá s en do usa do c om est es por rp posi to s, um ra p az q ue p en soc ue t rata aba da alha o u t ra bal h ara para do circulo do g rupo pt, porta ant o p ass anda de este rec one h cie mn to por el es, e ce rta tam am mn te en tao se rá de dedo edu zoror irc om f orte g ra vaso de por rba bil id ad e q ue as si mi lira dad es t am tambem, el es as sima s f aç am

Este processo deve ser usado em complemento com selecção de faces tambem em filmes de actores porno, e assim geram o cio em larga escala, ou seja em quem num determinado momento os, vê, assim declina o sentido da leitura do final da zoom, a ultima que abordei em vídeo, essa sim relacionada com as sementes de jason, onde no final leio uma frase pub do minitel versão adultos, como os canis da tv cabo, onde se diz, não aconselhável a crianças, e jovens raparigas sozinhas, e sobretudo a ma belle mere, este é tambem um nível da leitura que se afirma, pelo sincronismo da linha dos eventos

Este por rc esso do quadrado da eve ser usa do em co mp lem en to com sele cc sao de f ac es e eta tam am rta tambem, em filmes de ac tor es porno, e as si maior iro mr ge ram do circulo do cio em l arga da es cala, o vaso use seja em q eu em nu primeiro det re emi minado mo men to os, vaso e, as si made ria dec l ina do circulo do onze do s en tid o da eli tua do fina al da z o om, a u l t ima q ue ab o r dei em v id é circulo, ess a si maior re la cio n ada com ás das sementes de jason, onda no da fina al le io uma fr ase pub do mini tel ver sao adultos, com o os c ani sd a tv cabo, onda se di zorro, n cão aco n se l h ave la c rin ç as, e j ove ns ra par rig gás s oz in h ase s ob r e tudo a ma belle mere este é eta tam am tambem um ni ov e kapa primeiro vaso ar eta da lei cruz ira ur iraque se a fi o r m ap elo sin c ron is mo da linha dos eve en t osContinua....
O estranho deste falecimento, é que ao ver a foto da senhora, logo me relembrei de uma imagem que recentemente abordada na special usa, e que em vídeo comentara, e que de alguma forma estava relacionada com outra, um anuncio muito esquisito em seu perfume, que remetia para as torres gémeas de nova Yorque



O est ra anho do quadrado de este f al le cimento, é q ue a ove vera primeira da f oto da s en hor a, logo mel em br rei ie de uma mai mage made ria q ue rec en te maior net ab bora da ra na sp e cia l usa, e q ue em v id é circulo do com en tar ar da primeira , e q ue de al gum a forma e stav a re la cio na ad ac do circulo do onze do om de uma outra, man mna un cio mui t o es q eu si to em s ue per rf um mec ue reme t ia para às das torres ge me as de n ova y o ru quadrado do maçónico e


Como expliquei em vídeo, o vaso que me levou a este numera da photo, que nao é nenhum dos que estavam no chao no momento em que a semente assumiu a terceira posição, a semente que figura as sementes do jason, foi pelas linha da montagem que fizeram com a joana delicada ou não delicada



Com oe x p lic eu ei em v id é circulo da ova do vaso, q ue me l evo u a este nu mer ad da primeira do ph oto, q ue en am é n en h um d os q ue est ava vam am no ca h on omo om men to em q ue a semem en te ass um mi ua t rec e ira posi aç sao, a semem net q ue figu ur ra às das sementes do jason, f oi p el as linha da mon tage maior do q ue fi ze ram com da primeira joana deli c ad a o un cão del vaso ar eta do circulo ad da primeira
Na imagem da montagem que fizeram para a joana, ou seja a mando do ps, e para tentar provar uma qualquer mentira, assim pelo espirito o perfume me foi dito, ser, um passe que eu como a todos disse, nem entendi porventura em toda a sua extensão, na medida, em que outros assuntos me ocupavam e ocupam, mas é evidente que o este fio que o ps começou a desembrulhar, na comunicação publica, se desenrolou com as outras imagens das joanas, aqui recentemente descritas e com a tal morte , aparente ou verdadeira do raul solnado e do aparecimento de sua filha que tambem trás o nome de joana, ou seja um véu fora montado



Na ima mage made ria da monta tage ge maior do q ue fi ze ram para primeira joana, o vaso use seja primeira mando do ps, e para t en t ra por vaso da ar de uma q ual q eu rato da mentira, as si mp elo es pi rito o pp e rf um e me f oi dito, ser, um p ass e q ue eu com o a todos di ss en em en t en di por v en tura em toda a s ua e x t en sao, na me dida, em q ue outros as sun to s me o cup ava vam am e o cup am, mas é e vi dente q ue circulo de este fio q ue o ps com e lou ad es em br u l homem da ar, na com un cia sao pub l cia, se d es n rolou com as das outras sima mage ns das jo das anas serpentes , a qui rec en te mn te d es c rita sec do om at al morte , ap ar ren te o uve da vera de ira do ra u l sol nado e do ap ar e cimento de s ua fi l h a q ue t am b em t ra s o nome de j on a, o vaso use seja primeiro vaso do eu for da primeira do montado


Na imagem da casa da joana, dois pormenores, ressoavam em mode bastante semelhante à da fotografia da photo special usa, da photo que é oposta à foto de nova yorque com as torres, com uma selecção de fotos feitas com kodak, le choix de pros , sendo que a foto em questão, é tambem apresentada nesse chapéu, e é do jonvelle, que como todos se recordarão, tem aparecido em outros contextos, relacionados com lisboa e londres , e jaguares que aqui foram descritos, através de um pequeno livro de fotos dele que aqui trago


Na ima mage made ria da c asa da joana, do is por men o r es, r ess o ava vam am em mode ba st ante semem l h ante à da f oto g raf fia ia da ph oto spe cia l usa, da ph oto q ue é o post a à f oto de nova yorque com a serpente das torres, com uma sele c sao de f oto s feitas com k o do quadrado da ak, le cho ix de pro serpente , s en do q ue da primeira f oto em q eu s tao, é eta am tambem ap r es en t ad a ness e cha p eu, e é do j on vaso elle, q ue com o todos se rec o da arao, te maior ap ar e c id o em outros c on textos, re la cio n ado s com lis boa e l on d rato es , e jag u ares q ue a qui foram, grupo pt, d es c ritos, at rav es de um pe q eu en o l iv rode da ode das f oto s dele, q ue a qui t rago


Os pormenores que fazem a ligação entre os fios da imagem da joana e esta foto, são , a acção em si mesma, sendo que há uma chegada, a joana desce as escadas, e aqui a modelo entra em cena, ou assim parece fazer, os fios do móbil da joana, que aqui, são outros mas que estão igualmente presentes feitos em contas, tipo africanos ou sul americanos, e os vidros espelhos no móbil da joana, que aqui se reflecte na concha de prata como uma orelha, que a modelo trás em seu pescoço como pendente


Os por men o r es q ue f az ema loi liga sao doo enter do os do fios da i mage made ria da joana e e sta f oto, são , a ac sao em si me sm a, s en do que h á uma chega gada, primeira joana de sc e as esca da sea da primeira do qui aqui da primeira modelo en t ra em cena, c en da primeira, o ua ss im pa rece f az ero s fios do mo bil da jo da ana, q ue a qui, são outros masque es tao i g ua lem n te pr es en bt es sm feitos em c on t as, t ip o a fr i c ano s o u sul am erica nose os v id rose es p el h os no mo bil da jo ana, q ue a qui se ref lete en na concha de p rta com o uma orelha, q ue a mode elo t ra s em s eu p es c cortez circulo com o pen dente


Este pormenor, a jóia, continuou a ser desenvolvida nesta encenação da rocha conde de obidos, pela presença inicial da draga cujo nome remetia em símbolo para essa mesma jóia, e que eu vi quando mordi pelas razoes que a todos expliquei o isco de ir ver o primeiro veleiro, o sena do paquito, depois a grua de lá saiu, e apareceu em seu lugar o outro velório alemão, sobre o qual hoje escrevi , e sendo que o aspecto em suma da visão dos dois , para alem de outros fios de outras historias , é a formaçao do delta, um delta que foi feito entre duas naves, por assim dizer, em forma simbólica


Este por men o ra jo do ia, conti nu o ua primeira ase ser, d es en v o l v id a nest a en cena en da primeira sao da rocha do conde de ob do bid os, p el a presença in cia l da draga, queen, cu jo no me reme t ia em s im b olo para ess sam am e sm a jo ia, e q ue eu vi qua ando mor di p el as r az o es q ue a todos e x p lic eu io do isco de i rato ove vaso do ero primeiro vele do rio, do circulo do sena do paquito, d ep o isa gata rua del á sa iu ue ap ar rece vaso do ue em s eu lu garo do circulo do onze do outro da vele rio al ema mao, s ob reo q ual home oje es circulo do rato e vi , e s en do q ue do circulo do as pe ct o em serpente uma da vi sao do quadrado do os do is , para al lem de outros fi os de outras hi s tori as , é a for maçao do delta, um del la cruz q ue f oi feito en t red u as n ave es, por as si maior di ze rato, em forma si maior b do circulo li ca


A face deste modelo, da foto do jonvelle, ao ver a face da senhora da família kennedy que agora falecera, me fez de imediato relembrar a foto, pois é evidente uma semelhança de arquétipo, sendo que ainda em texto muito recente, de novo tinha evocado este processo que está a ser usado para mortes e diversas desgraças, exactamente a propósito do acidente sobre o rio houston


Prik me primeira da face do quadrado de este mode elo, da f oto do j on vaso da elle, a ove vera ra da f ac e da s en hor a da família kennedy, q ue agora f al le cera, me fez do imediato, em me di do ato, re lem br ar a f orto, p o is é e vi dente uma se ml home da ança de arc u t ip o, s en do q ue a inda em texto mui t o rec en te, de n ovo tinha e vaso do circulo do cado de este pro roc ess o q ue e stá a ser usa sado para mortes e di vera serpentes d es sg ra aças, e x ac t a em n te a por rp roi s to do acide dente s ob reo do rio do houston, provavelmente do actor que teve o acidente de carro, e que agora de novo aparecia nos festejos do aniversario de mandela


Numa reportagem não muito antiga, aqui em portugal, a propósito de prémios de inovação, apareceu um rapaz que tinha feito exactamente um software de reconhecimento de faces, e quando o vi, algo no espirito me disse, aqui há gato, ou melhor, este software, está sendo usado com estes propósitos, um rapaz que penso que trabalha ou trabalhara para o grupo pt, portanto passando este reconhecimento por eles, e certamente então será de deduzir com forte grau de probabilidade que as similaridades tambem eles assim as façam,

Nu ma re porta tage ge maior n cão mui to antiga, a qui , a por rp posi to de pr emi serpente da ode da inovação, que é tambem editora musical, ino ova da são, ap par rece vaso do primeiro ra p az q ue tinha feito e x ac tamen am men te que mente do primeiro serpente do circulo do ft do ware de rec on he cimento de f ac es, e qua ando ov vaso ar eta, al g on o es pi rito me di ss sea da primeira do qui aqui, home do ac n to á gato, o u mel hor, este s o ft ware, e stá s en do usa do c om est es por rp posi to s, um ra p az q ue p en soc ue t rata aba da alha o u t ra bal h ara para do circulo do g rupo pt, porta ant o p ass anda de este rec one h cie mn to por el es, e ce rta tam am mn te en tao se rá de dedo edu zoror irc om f orte g ra vaso de por rba bil id ad e q ue as si mi lira dad es t am tambem, el es as sima s f aç am


Este processo deve ser usado em complemento com selecção de faces tambem em filmes de actores porno, e assim geram o cio em larga escala, ou seja em quem num determinado momento os, vê, assim declina o sentido da leitura do final da zoom, a ultima que abordei em vídeo, essa sim relacionada com as sementes de jason, onde no final leio uma frase pub do minitel versão adultos, como os canis da tv cabo, onde se diz, não aconselhável a crianças, e jovens raparigas sozinhas, e sobretudo a ma belle mere, este é tambem um nível da leitura que se afirma, pelo sincronismo da linha dos eventos


Este por rc esso do quadrado da eve ser usa do em co mp lem en to com sele cc sao de f ac es e eta tam am rta tambem, em filmes de ac tor es porno, e as si maior iro mr ge ram do circulo do cio em l arga da es cala, o vaso use seja em q eu em nu primeiro det re emi minado mo men to os, vaso e, as si made ria dec l ina do circulo do onze do s en tid o da eli tua do fina al da z o om, a u l t ima q ue ab o r dei em v id é circulo, ess a si maior re la cio n ada com ás das sementes de jason, onda no da fina al le io uma fr ase pub do mini tel ver sao adultos, com o os c ani sd a tv cabo, onda se di zorro, n cão aco n se l h ave la c rin ç as, e j ove ns ra par rig gás s oz in h ase s ob r e tudo a ma belle mere este é eta tam am tambem um ni ov e kapa primeiro vaso ar eta da lei cruz ira ur iraque se a fi o r m ap elo sin c ron is mo da linha dos eve en t osContinua....
A seguir ao vídeo de ontem, logo mais um sincronismo, ao abrir o yahoo, uma noticia tambem com minutos dava conta do falecimento de uma das senhoras kennedy, texto que aqui cortarei , maria shiver, e me lembrei das imensas saudades que trago de uma outra maria que não sei se é shiver mas que assim me parece, uma bela rapariga cheia de luminosa energia, e um belo sentido de humor que fez durante uns tempos um pequeno programa diário na net, que se chamava canal nove, ah que bela sois, que bom assim recordar-vos em meu coraçao

A se gui irao v id é circulo de on te, logo maís um sin corni s mo, ao ab r iro y a h oo, uma ni tic cia ia tam am tambem, com minu t os da ava conta do f al le cie mn to de uma das s en hor ra s k en ne d y, texto q ue a qui co rta rei , maria sh iv e re me lem br ei das im ne sas da saudade serpente q ue t rago de uma outra maria, q ue n cão se ise é shiver masque as si m me pa rece, uma bela ra pa riga ce homem do ie del lu minos energia, e um b elo s en tid o de h umo mor q ue fez duran te un s te m ps um pequeno pro g rama di ar io na net, q ue se c ham ava c ana l n ove, a h q ue be la s o is, q ue b om as si m rec o r dar do traço ingles do vaso os em meu cora são

Me recordo bela menina de meu coraçao, como todos os dias a procurava em seu pequeno programa e de como o amor em que a trago, e sua imensa alegre alegria, me fazia assim como que piscar luz por todo o lado, depois um dia o programa acabou, e me recordo de ter sentido no coraçao que algo de estranho eventualmente se teria passado, agora estava a pensar nisso, e me recordo que a ultima imagem que de si vi, foi quando a menina andou fazendo reportagem pelo mundo, salvo erro, era num zoo, estava assim com um casaquinho forte, porque estava neve ou gelo ou algo assim, me sobe um perfume de ursos, a este momento, mas não consigo ainda precisar, entrevistava um rapaz e se ria muito como de costume, estava contente, assim a recordo

Me record do circulo ob da bela menina de meu coraçao, com o todos os do dias primeira por rc cura ava em s eu pe q eu no pro g rama e de c omo o amo rem q ue primeira cruz rago, e s ua i men sa alegre al le g ria, me f az ia as si mc omo q ue p is car l uz por todo circulo lado, d ep o is um dia o por g rama c ab bao ue me record ode teresa s en t id on o cora sao q ue al g ode est ra anho eve en tua al le lem n te se te ria p as sado, agora es tva a p en sar ni ss oe me record o q ue a u l t ima mai mage made ria do q ue de si vi, f oi qua ando a am men nina ando vaso do fazendo, r e porta tage em p elo mundo, s alvo e r ro, e ra nu primeiro do zoo, est ava as si mc om um cas quin h o f orte, por q ue st ava ne eve o u g elo o u al goa ss em, me s ub e um per rf um med e ursos, a este moe mn tom as n cão co ns sd di goa inda pr e cisa ar rato, ps, en t rato e v ista ava um ar ap az e se ria mui t o c o mo de cos t um me, est ava c on t en te, as s ima record circulo


Depois de ler a notícia, me apareceu uma mensagem que me disse, galaxy balls, acabara de ver em passant a estranha rapariga magrinha e seu esposo jogador, como que pelo telefone diziam que fora bola dos galaxy, bal do onze serpente

D ep o is de ler ano not dc a tica, me ap ar e c eu uma men sage maior do q ue me di ss se, gal x y ba l l s, aca br ad eve rem p as sant a e ts ra anha ra pa riga mag rinha e s eu es poso jo g ad roco mo q ue p elo tele fon one di z i am q ue for a b ola dos gala do beijo invertido do bal do onze serpente

Me veio a memória uma das linhas do ultimo vídeo, as células T e serotonina, tonina, que é diminutivo de vitoria, me do veio da eve am me mor ia, uma das linhas, lx cascais

Me veio a memória uma das linhas do ultimo vídeo, as células T e serotonina, tonina, que é diminutivo de vitoria, ou seja, às das cel lulas se da cruz e serpente do erro da ton ina da vitoria, q eu é dim ino ui it vaso no circulo da vitória

Fazia sentido na sequência que acabara de ver e na mensagem que recebera dizendo se tratar de uma galaxy balls

Fazia sentido na sec eu n cia que cab ar a cabe ar a da cabra c ab baia, segunda aia, cabra da dada cabala, de ver e na mensagem que recebera di zorro indo set rata ar de uma gal ax y ba ll serpente


Imagens de ontem na descida ao rio, depois das vieiras, onde o pequeno e doce cao me mostrara que o passe do dia anterior , do ovo azul, dos leites, da energias renováveis, era uma acto de coçar a pulga, na pampulha caminhando parra o mna, as primeiras a me saudar com suas belas e alegres corridas foi um imenso bando de andorinhas, ah amada como são belas, como é belo e contento seu voar, ali me mostram pelo desenho de seu voo chilreado, o desenho de uma cobra, mais ou menos pelas bandas da gnr, onde em dia recente o espirito me desvelara , um dos da brigada de transito que estivera envolvido numa cruz antiga que me fizeram

Ima mage mg ns de on te mna do quadrado da es cida primeira do circulo do rio, d ep o is das vi e ira serpente da onda do circulo do pequeno e doce cao, me mos t r ar prime ria da rac do quadrado da ue do circulo do passe do dia anterior , do ovo azul, dos leites, da energias remo vaso da primeira do is dos ais, e ra uma do acto de co circulo do gal do cortez da ar ad da p rie mia primeira pulga, na pan pulha ca min h ando pat ra, p art rta da pt patroa, da pata do patear do parra, ro a o mna, as primeiras am me s au d ar com s u as be l as e alegre serpentes das corridas, f oi um i men s do circulo do bando de andor das rinhas, a ham am ad ac omo são de belas, com o é b elo e c on t en to s eu v o ar, al em me mos t ram p elo d es en home da ode s eu v oo chi l rea ad o, o d es en h ode uma cobra, maís o um en os p el as bandas da gnr, porto, onda em dia rec en te o es pie it o me d es vela lara , um do serpentes da brigada de transito, q ue est iv vera en v o l v id o num ac ru zorro ant tiga quadrado da ue da me do fi do ze ram, do carneiro

Alguém que ali mora ou morou certamente, mais um menos onde uma trade uma senhora estava num carro, desligado que ligou quando passei sem sair do lugar, um estranho acto, que aqui na altura pela sua estranheza relatei, em frente a uma casa apalaçada, com garagem

Al g eu m q ue al i mora o u mor o u ce rta tam am que mente, mais um, do grupo do tetaro, men io is onda uma t arde de uma s en hora e stva nu m carro, d es liga do gado q ue li g o u qua anda pa ss ei s em s air do l u g ra, um est ra anho acto, quadrado da ue da primeira do qui ina na al tura p el a s ua est ra anhe za re la te i em fr en te a uma c asa a pal ç ad a, com gara da rage ge maior

Ao chegar ao jardim do sopé do mna, naquela hora em que o dia se levanta , já com os primeiros raios de luz a aparecer, as ruas ainda quase desertas, sem movimento de pessoas e carros, na esquina en frete a misericórdia dos bandidos, a tasca aberta com luz amarela lá dentro como um sol iluminava os azulejos da caravela

Ao che gara do circulo do jardim, do sopé do mana mna, na q eu la hor a em q ue do circulo do dia se l eva van t a , j á c om os primeiros rai os de l uz a ap ar recer, as das ruas a inda quadrado use de se rta serpentes, serpente em mo ov vi men to de p ess o as e carros, na es q u ina en frete a mi si roc rato do quadrado do ia dos bandidos, p rie emi mira da tasca ab e rta com l uz am ar e la l á d en t roc omo um sol i lu min maior ava os dos azulejos da cara ave da vela

Um bando imenso de pombas chegou ao mesmo tempo, e poisou em cima das arvores onde eu poisara a ver aquela estranha imagem da caravela ao fundo iluminada por um sol artificial que estranhamente se misturava com a luz do dia nascente

Um do bando i men s ode das pombas che g o ua om e ms o te mp oe p o is o u em c ima das arvores, onda eu p o is sara a ave ra de aquela est rn h a i mage made ria da cara rac vela ao fundo, i lu mina ad a por um do sol art ti fic ia l q ue est ra anha gata do ham am que mente, da se mis t ur da tura ava com a primeira al uz do dia nascente

Desci à amurada e ali fiquei a ver o rio, e os barcos e as cores lápis lazuli que se espelhavam como perfeito espelho, de calma, doce e tranquila

D es ci à m ur ad a e al i fic eu ia ave vaso do ero do circulo do rio, e os v arco sea serpentes das cores la pi z l az u l i q ue se es pe l h ava vam am com do circulo do perfeito, es p el h o, de c alma, doc ee t ra n quadrado do vaso dao ila

Decidi descer ao rio, pelas escadas que abram para os dois lados, uma escadarias em muito mal estado de conservação, com imensos buracos, especialmente um, a mostra bem, como estas bestas que dizem governar nada governam, e pior se tronam cúmplices de desgraças, pois qualquer um pode ali ter um grave acidente, contudo a mim, foi pequeno o que naquele momento aconteceu, pois o buraco maior já eu o conheço,

Dec id di d es ser a do circulo do rio, p el as esca d as q ue ab ram para os do is lados, uma esca d aria s em mu it om al do estado de c on serva sao, com im ns o a b ur acos, es pe cila lam am que mente, primeiro da a m ostra b em, com o e sta s b est as q ue di ze mg ove rn ar n ad a goe vaso da rn da am, e piro set ron am cu mp l ice es de d es sg ra aças, p o is q ual q eu rum pode al it teresa um g rave acide dente, c on tudo primeira mim, f oi pe q ue no do circulo q ue na q u le mo men to ac ponte c eu, p o is o b ur aco maio rato j á eu do circulo do c on he circulo duplo do cortez,

Comecei a descer pela direita e logo num degrau, meu pé se inclinou em forma estranha a mimetizar, a torção que me acontecer aqui à porta de casa um dia com uma das pedras de calçada que muitos aqui deixam, me sentei ao momento, a ver o que o espirito me desvelava

Com mec ceia primeira ad es ser p el a di rei t a e logo nu maior de g ra u, me u p é se inc l ino u em forma est ra anha a mime t iza ra zara da tor sao , q ue me acontecer, cu da primeira tura aqui à porta de casa, qui da primeira do acento do porta, dec asa, um dia com de uma das pedras da calçada, teresa, q ue mui it os a qui de ix am, me s en te ia om o men to, a ave vaso ero q ue o es pi rito med es vela ava

Uma pomba logo me mostrou, poisando em cima de um candeeiro no inteiro do pátio da misericórdia, um daqueles que faz com o vidro o desenho de uma chama branca, e como se furiosa, começou a bicar no bico da chama, como dizendo, vês a chama do prego

Uma pomba dol ogo me gome mos t ro vaso, p os ian do em cia am de um can di e iro no inte e r ro do pa tio da misi siri cor dia, um da q u el s q ue f az com do circulo do ov do vi d ro do circulo do desenho, de uma c h am a br anca, e com o se f ur io sa, c om e ç o ua vi car no bic o da c hama, com o di z en do, v es a c ham a da dop do rego

Sentado ainda vi aparecer subindo os degraus, primeiro um rapaz magrinho com umas jeans e uma tshirt negra com desenhos, e um nome que remetia para feras más e logo de seguida uma rapariga de saias e blusão que com ele viria, como se viessem da noite en transito, a rapariga com umas imensas pernas, se agarrando do corrimão como se estivesse meia alcoolizada, falam uma lingua eslava, talvez russo ou por aí

S en t ado a inda vi ap a red rato s ub indo os degraus prime e rum ra ap z mag rinho com umas jena se uma ts home irt negra com d es en h os, e um no mec q ue reme t ia para feras má se logo de se f guida uma ra pa i gade s aia se blu usa sao q ue com el e vi ria, com o se vie ss em made ria da noite en t ra si to, a ra pa riga com uma si men sas pe rna s, se a gara rn dodo co rr rim mao com o se est iv ess e me ia al co l iza ad a, f al lam am uma l in gi a es lava, t alvez ru ss oo u p o rai acento

No quiosque da estiva, no cais, os dois senhores talvez paquistaneses, que ali estão, vendem ainda a bica a quarenta paus, gosto, as pombas por ali poisadas, bicando migalhas, os estivadores, tomando seus pequenos almoços

No qui da isque da est iva, no do cais, os do is s en hor r es t alvez paqui st ane s, q ue al i es tao, v en dem a inda a bica a q eu ran ta p a us, g os to, as das pombas por al ip o isa ds sada serpentes da bic ando mig alha serpente do os est iva dor es, tom ando se us pe q u en os al moços

Na madrugada uma capa de jornal mostrava o presidente russo em cima de o que parecia um miradoiro com o mar ao fundo, de costas como se o estivesse olhando, o corrimão trazia dois traços, dois linhas que estariam talvez no horizonte, ao vê-la a foto, me disse, parece o ponto de vista do jardim do mna

Na madruga gada uma da capa do jornal mos t rav o pr e s id dente ne te russo em c ima de o q ue par e cia um mira doiro com do circulo do onze do mar ao fundo, de costa serpentes com o se o est iv ess e o l h ando, o co rr ima o t ra z ia do is t ra s ç os, do is das linhas, q ue est ar iam t alvez no h ori zon te, a ove do traço ingles de la, primeira do f oto, me di ss e, par ce o p on t ode vaso ista do jardim dom da ana, mana, br


Depois, tornei como te disse a passar pelo cais ao lado dos dois barquinhos que ali estão, e cujas imagens já te narrei, e mais uma que agora te conto, pois se reflectiu numa noticia no canal dois, num encontro com o jerónimo, numa sal que de repente trazia pelas escadarias um perfume a faculdade de direito , mas que não o era, talvez do outro lado do rio, ou para o rio remetendo, em que passavam umas imagens de uma fabrica, onde um operário com mascara como se estivesse se protegendo de um qualquer vírus, colocava madeiras empilhadas umas em cima de outras

D ep o is, torne e com o te di s sea ap assar p elo cais ao l ado dos do is bar quin h os q ue ali es ato, e cu j as i mage ns j á te na r rei, e maís uma q ue do agora da te do conto, p o is se ref e c l ti vaso nu ma not ti cia no c anal do is, num en c on tor com o j ero do nimo, nu ma s al q ue de r ep en te t ar z ia p el as esca d r ia s um pe f um e a f ac u l dade de direito , masque n cão do circulo do era, t alvez do outro rol ado do rio, o u para do circulo do rio reme t en do, em q ue p ass ava vam am uma si sima mage ns de uma da fabrica, italia, onda um doc circulo da opera do rio com da mascara com o se est ti uve ss e se pr e tege en do quadrado da ode da ode do primeiro q ual q eu r vi ru s, c olo c ava made ira s em pi ilha da s umas em c ima de outras

Pois calhara ver no segundo barquinho, o da bandeira alema, tipo barco dos rios do norte da europa, misto batelão e veleiro, com o belo nome de ondina, de Hamburgo, que primeiro li ka do burgo, ou seja da alemanha, e nele vi que no convés estavam muitas madeira de contraplacado marítimo, como se tivesse sido desmontado por dentro e se preparassem para as reparar um lhes dar verniz, assim fiquei estupefacto a olha-las pois acabara, amada de te falar de que andara dando verniz no meu contraplacado marítimo e ali estava de alguma forma em espelho

P o is cala homem ra ave rn no do segundo barquinho, o da ban de ira alema, t ip o barco, dl p por ject tor es prisma, do s rios do norte da europa, mi s to bate la oe eve veleiro, com o b elo no med e on dina, de ham burg o, q ue prime iro li ka do b ur go, o vaso use seja da alemanha, e nel e vic ue no c on vaso es est ava vam am mui t as madeira de c on t ra p laca do marítimo, futebol c lube, com o se t iv ess e s id o d es montado por d en t ro e se pr e para ss em para as r ep ar a rum l he s dar ver n o z, as si maior fic eu e est u pe f acto aol h a do y t rato do aço ingles de las p o is aca ab ar a, am ad a de te fla ar de q ue anda ra dando ove verniz no me vaso c on t r ap + al cao marítimo, fute b ol c lube, e al i est ava de al g uam forma em es p el h o

Olhava o mastro da proa e via seu encaixe em foram hexagonal, e alucinava baixinho, pois parecia o pormenor do vaso parafuso meio tapado do quadro do ser richmond blake, que está iluminado no recanto do leito onda a bela ruiva, à imagem da segunda com que me cruzara, olha o amante quando do leito se levanta, com o véu vermelho, cujas vieras nascem de seus seios, e alucinava baixinho, a me dizer, queres ver que esta rapariga vem deste barco, o barco, já antes se elevara um perfume, que me dissera do grupo do europa, ou seja do lars von trier, de dois belíssimos filmes, o europa, onde o comboio no final se afunda, e o ainda mais belo, ondas de paixão, tao belo como imagem real do amor entre dois seres que se amam, e de como o amor assim é infinito e perdura para além da própria morte dos corpos

O l home dp vao mastro da proa, ps, e via s eu enca ix e em foram, pt, he xa g on al, e al u cina ava ba ix in h o, p o is par e cia i por men enro da ova do vaso para fuso me io tap ad o do qua d ra o do ser ric h mond do g rito do blake, q ue e stá i l ç um minado no rec ant o do leito da onda da primeira do ab à bela rui iva, à i mage made ria da se gun da c om q ue mec ru zara, o l h a o amante qua ando do l lei to se eel van t ac om ov eu vermelho, cu j as v e iras na sc em de se us se io se al u cina ava ba ix in h o, am me di ze rato, q eu r es ver q ue e sta ra p riga v em d este barco, o barco, j á ant es se el eva ra um do perfume, s us kin q ue me di ss e ra do g rupo do europa, o vaso use seja do l ars von t rie rato, dedo is be lis sio omo s filmes, o a eu rop a, onda do circulo do onze do com do boi do io no fina al sea da primeira funda, e o a inda maís b elo, la g rim as de paixão, tao b elo com o i mage mr rea l do amo ren t red os si ser es q ue se am a me de com o do circulo do amor as si mé in fi ni to e pr e dura para al é m da pro p ria morte do se p ren t es corp os

Ah amada olhava o barquinho ao perto, como que parado, a dormir um sonho de amor, e lá ele começava a se agitar de mansinho como um belo encaixe de amor de mar quando nos beijamos em leito de amor, o outro , atras, o sean do paquito, começou tambem ao momento em suave baloiçar, sua re como que se afastou do cais, desenhado com ele e com a linha da ondina um perfeito delta, o silencio reinava ainda dentro dos dois barcos, como se estivessem ainda todos dormindo, a grande aurora vinha chegando, do outro lado do cais a atracar

A h am ad aol h ava do bar q un h o ao per top, com o q ue para do, a dor mir um s on h o de amor, e l á el e cm el ava a se a g it ra de man sin h o com o um b elo en cia x e de amo ra de mar qua ando nos bei j amos em lei to de amo t ro outro , a t ra s, o sean do paquito, com e ç o u tam am tambem ao mo m ne ot em s u ava bali ç ar, s ua rec omo q ue se a f as to u do cais, d es en h ad o com el lee com da primeira linha da ondina, um per d feito delta, o silencio reina ava a inda d en t rod dos o di barcos, com o se est iv ess em a inda todos dor min do a g rande aurora vinha ce h a gan do, do outro rol l ad o do cais a at rav da ar

Ah amada como me espantas, sonho contigo, sonho com barquinhos como em ti a navegar, e as ondinhas se põem em suaves navegares de amor

A h am ad ac omo me es p antas, s on h o c on ti g os on ho com bar q eu in h os com o em ti a na ave gare as ondinhas se mp rese poe me m s u ave s navega gares de amo rato

Assim de olhos acordados voltei, deixando os que sonham ainda a sonhar, e pelo espirito ainda me mostras-te que o tal do ts, que começara a se desvelar em véspera, como aqui te contei, era a seta cravada na terra, do duplo anzol do mao do grupo do treze, da x serpente, do pp, da linha de agua do condomínio da parede, cento e onze do treze da linha de agua da piscina do condomínio da parede,

As si made ria de olhos aco r dados v o l te id e ix ando os q ue s on ham am a inda a son h ar, e p elo es pei it o a inda me mos t ra s do traço da inglesa te que do circulo do t al do ts, q ue com e ç ar a ase d es vela rem vaso da es pera, com o a qui te conte ie ra a s eta c rav ad ana terra am, do duplo do anzol do mao do g rupo do treze, da x serpente, do pp, da linha de agua do condo mini o da pa rede, c en to e on ze do treze da linha de agua da pi s cina ina do condo mini o da pa red dd e,

Quando de novo passava no quiosque dos estivadores, dois que me pareceram combinados falaram em voz alta o bastante para que eu os ouvisse, agora que se acabou o seio do trinta e um, assim completava o sentido com o numero impresso nas suas roupas, recordei que vi um rapaz ali no largo na tarde em véspera com um telefone na mao ao lado de um carrinha azul que parece ter levado tres tios na porta do condutor, recordava a imagem de o grupo do trinat e um da aramada a mudar a bandeira na cml, com mascara de darth vader, e depois um deles a dizer, que a web segunda , era a do trinta e um da ramada, ou seja que a aranha que me aparecera aqui e te falo em vídeo, que descia da armadura das lâmpadas fluorescentes, e que fazia vibrar a imagem da rapariga de branco vestido que um dia com uma lâmpada semelhante, comigo se cruzara, era do segundo circulo da teia do trinta e um da armada, assim se desvelava o sentido no acto, a aranha da teia do segundo circulo do trinta e um da armada


Qua ando de n ovo p ass ava no qui os q ue dos est iva dor es, do isque me par e ce ram com bina do s f ala ram em voz al tao bas t ante para q ue eu os o uv iss e, a g ro a q ue se aca bo u o se io do trinta e um, as si m c om p l eta ava o s en t id o com o nu mer do ero i mp press on as s ua s ro up as, recorde e q ue vi um ra p az al ino l argo na t arde em v es pera com um tele f on e na mao aol ado de um ca r rina home azul, q ue par ee teresa l eva ad o t r es ti os na porta do condo tor, record ava a i mage made ria de o g rupo do t rina te um da ar am ad a am mu d ar da primeira bandeira na cm l, com mas car sade darth v ad e red ep o is um del es a di ze raro da art do aro , q ue da primeira da web se gun da , e ra primeira da ad do ado do trinta e um da ramada, o vaso use seja q ue primeira aranha, q ue me ap ar e cera a qui e te falo em v id é o, q ue dec ia da ar mad ur a das la am padas flu rato do es dos centos, c en t es, e quadra da ue f az ia vaso da ib br ara rai mage made ria da rapariga de br anc ov es cruz id o q ue um do quadrado da ia com uma lam ap da semem l h ante, co mig o se c ru zara, e ra do se gun do circulo da teia do trinta e um da armada, as si maior se d es vela ava do circulo do s en tid on o acto a aranha da teia do se gun do circulo do trinta e um da ar mad primeira da ava cao conta
outra imagem muito calara da assinatura das cheias e da força delas em taiwan, fora num leito de um rio que se trasnformara numa imensa amalgama de lama e de madeira, uma enorme bola de terra como uma pedra imensa que rolava sobre o leito antes de cair numa cascata, como as pedras que rolam nos canos, assim era a imagem

outra rai mage made rua mui it circulo da cala ra da as sina a tira das cheias e da f orca del as em t a e w anfora , for primeira no primeiro lei to de primeiro rio, q ue set ra sn for mara ni ma mai mn ns sa mala gama malaga, del ama e de made ria , uma en o rato me b ola de terra, com do cic ruc lo de primeria pedra e mne men sa q ue rol ava s br do circulo do leito, lei to, ant espanhla c air ni uma cas cat da primeira com as das pedras, q eu rol lam am no serpenets do cano, sas se mer ra primeira ima mage maior


Depois do vídeo onde falo do avastin, ou imagem da ava serpente do tim, e relembro que um comprimido é como uma vesica, que transporta um conjunto de activos que depois penetram o corpo como esperma e dao origem a uma gravidez, tres setas lancei e assim me falaram

D ep o is do v í d e o onda do falo do ava s tin, o oi mage made ria da ava serpente do tim, e re lem br o q ue um co mp rimi ido é com o uma ave sic a, q ue t ra sn porta um c on j un to de activos, q ue d ep o is pene t ram o cop ro o com o es per ma e dao o rige em a uma gravidez, t ratas espanholas s eta s lançe i e as si maior me fala ram

A primeira acertou no circulo de croma e ao chao caiu

A prime ira ac e r to un o circulo de c roma e ao cha do circulo do ca do io

A segunda e a terceira, se espetaram no friso que representa uma alongada vesica , na direita da imagem, ou seja na esquerda real, na parte da frente do armário do antigo vidro ingles, e em seus eixos fizeram um perfeito x

A se gun da e a t rec e ira, se es penta ram no fr is o q ue r ep r es neta uma al ong ad a v e sica , na p arte da fr en te do ar mario do antigo v id ro ingles, e em se us e ix os di ze ram um per rf e it do circulo do onze do x

Olhando o interior do armário, as duas setas apontam o braço esquerdo do casaco de pele de vaca castanha que há muitos anos comprei ao pe da casa da av porta mistral, numa loja de esquina que dá para a rua do polícia, me lembrei ao momento do passe da queda em casa que recentemente evoquei e que na altura me levou ao medico carniceiro do curry do cabral, e me recordei tambem de uma farmácia, onde ali nas vezes comprava medicamentos, na rua perpendicular, ao lado de um outro restaurante, e uma intuição, sobre troca de medicamentos , como sendo possível de ter sido ali feita me surgiu

O l h ando o inte r iro do ar mario, as du às das st e as ap ponta tam am do circulo do braço, da queda, a do esquerdo, do ca do saco de pele da eva vaca castanha, q ue homem do acento da primeira à muitos anos, co mp rei a o pe da casa da av do porta da mistral, dos ventos do elisio da rtp, nu ma da loja de es q w u ina q ue d á para a rua do pol lica, me lem br ei ao omo n to do p asse da q eu da em c asa q ue rec en te mn te evo q eu ie q ue na al tura me l evo ua do circulo do medico carniceiro do c ur r y do curro do cabral, e me recorde it tam am tambem de uma f ar ma cia, onda al ina s v e ze s co mp p ava medicamentos, na rua pe rp e en dc vaso do cu da al do ra do aol do ado de um outro restaurante, e uma in tui sao, s ob re t ro aca de me di cam en t os , com o s en do p os s iv el de ter s id o al i feita me s ur gi vaso

O fecho do zipper do casaco do, r e r , sendo o segundo rato, invertido, que está por cima, ou seja que é casaco do casaco do financeiro, semelhante ao madoff, que por sua vez é casaco do colete africano, que levei a Moçambique na rodagem do documentário , a procura do jose, com a puta da sara miranda, da aigle depuis mil novecentes et soixante quinze

O f e cho do z ip per do ca saco, do roseta, do r e r , s en do o se gun do invertido, q ue e stá por c ima, o vaso use seja q ue é ca saco do ca sado do financeiro, com ele casado, semem emel l h ante ao mad o ff, q ue por s ua ave zé ca saco do c ole do leite africano, q ue l eve ia moca cam am bique na roda dag ge made ria do doc um en t a ´ rio , a pro do cura do jose, com da primeira puta da sara miranda, da aigle d ep u is mil n ove cente es e cruz s oi x ante quin ze

Dentro do armário no eixo das setas, e entre a primeira onda e s argento c ir to en, tenho o giorgio scott sport do quadrado do terceiro, do lam bs sw o ll, da gant do rato made in hong kong, herge, mangas, ge es serpente hell cruz in rn circulo dez cento e vinte e nove, lotarias, VVVVV, bar do tejo, a vareta que caíra em noite recente pelo vento, como aqui narrado, terceiro do circulo da serpente cca ca do circulo do terceiro de setenta e dois, da spring fiel o rig gina nails, e seis rato do bar do ra do segundo da dolars me x trinta e seis do clayton collection da blue artic da ciao, das meias e cuecas cinzas do pescador

D en t rodo arma rio no e ix o das st es, e ant rea da primeira onda e p a ar e g en toc sir to en, t en h o o goi gi o sc o tt spor da cruz do quadrado do t rec e iro, do lam bs sw o ll, da g ant do rato made in homem da ong do macaco coco kong do herge, mangas, ge es serpente hell cruz in rn circulo dez cento e vinte e nove, lot aria s, VVVVV, bar do tejo, a va r te a q ue ca air ira em noite recente pelo v en r toc omo a qui na rr ado, teresa ce iro do circulo da serpente cca ca do circulo do t rec e iro de setenta e dois, da spi rn g fiel do circulo do rig gina nails, e seis rato do bar do ra do segundo da dol ars me x trinta e seis do c la y ton co ll e c ti on da blue art tic ciao, italiana das mei ase das cuecas c in z as do pesca dor

Um passe estava montado na primeira camisola, na etiqueta, a segunda das referências técnicas estava dentro da primeira como um falo dentro do giorgio

Um p asse e stav am montado na primeira cam is sola da ola, na etiq u eta, a se gun da das rf feren cias tec noc as e stav ad en t roda p rie mr ia com o do primeiro falo dentro dog io do ior das tele com única caçoes do burro do gi circulo

Curiosamente duas das fotos da zoom da menina com a faca no cinto de ligas, da sequência do fotografo japonês que te disse serem muito eróticas, são de corpos femininos com pequenas cabeças metálicas, neles coladas, com aspecto metálicos, como cabeças tipo rebites, e um acto de masturbação com um falo com motor, ou seja claramente uma imagem de vesica e de vesica magnética como acabara de descrever numa linha que vinha de trás sobre novas formas de tratamento, que casasse o mais antigo da tradição da medicina chinesa e a saber mais avançado ocidental nomeadamente em campo magnéticos modulados

Cu rio sam am que mente do as das fotos da sec u en cia do foto g rafo j ap one s q ue te di ss e se rem mui t o ero tica serpente são de corpos fe me ino s com pequenas cabe bessa serpentes metálicas, nel es c ola lado, com as pe ct o meta lico s, como cab el as de rebites, e um ac t ode mas t r ur rba ac sao com primeiro da primeira do falo com moto tor mor, o vaso use seja clara ram am que mente, uma mai mage made ria de eve vaso da isca e de v es sic a mag gn etic ac omo aca bar a de d es c r eve r nu am da linha q ue vaso do ina hd e t ra serpente s ob re n ova serpente das forma sd e t rata tam am men toc, que ca s asse o maís antigo da t ra di sao da mede cina ch ine za e primeira s ab e r mais avançado, o c id en t al no ema dam am que mente em cam po mg ante i cos modu lado serpentes

uma outra imagem por semelhança de arquetepito, da primeira revista aboradada da special usa, que entronca no passe da rocha conde de obidos ,acabou tambem de se desvelar no falecimento de uma senhora da familia kennedy, disto falarei em maior pormenor

uma outra qaudrado rai mage mp por semem l homem anca de arquete pito pit it circulo, da prime ira da rato e vaso ista ab bora dada da spe cia primeira usa, q ue en t ron cano circulo do passe do ano da roc homem da primeira do conde do circulo do ob do bid do fo do bif os , aca b circulo do segundo, tam am tambem, de se d es vela ar no f al le cimento enro de primerio s en hora da f ami l ia kapa en ne d delta di s to f al ar rei em maio rato dos por men circulo do rato ps