terça-feira, novembro 16, 2010


200 milhões de refugiados ambientais até 2050


ou a natureza dos argumentos reais irrefutáveis

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1711685

aqui na aparência se diz , se mostra e faz prova da cegueira fatal dos homens que ao que parece discutem termos e correcção de termos relativos a conceitos migratórios, mas como poderão ler no miolo da dita noticia, nada de concreto se diz ou se pensa ou mais importante se fala do que fazer ou mesmo se anuncia do fazer

esta previsão a assim acontecer, nos diz antes de mais da enorme confusão que será em si mesma e igualmente para todos os lados do uno vaso da vida e portanto quem sabe pensar e pensa , sabe também que estes duzentos milhões, muitos dos quais irão morrer, se não se inverter a compreensão dos sistema de harmonização de desenvolvimento e sua implementação, terão também um efeito de potenciar muitas outras desgraças, violência, doenças,  epidemias, e guerras cuja soma pode vir a somar o total dos humanos no planeta, ou seja o desaparecimento total ou quase de todas as espécies

quando se diz que poderão existir 200 millhoes de refugiados por questões ambientais, ou seja desregulação do clima e da terra e do viver até 2050, se está a dizer que se calculou até essa data, mas como acima demonstrado, não entra neste calculo a quantificação das restantes centenas ou milhar de milhões, do que estes problemas do clima, originaram em sua consequência, nem de igual modo se diz que que tudo não poderá desaparecer logo nas primeiras grandes migrações por esta consequência

e se estes dois axiomas ou preposições gerais no dois períodos acima enunciados, são irrefutáveis, isto é, sabemos da sua validade real pensemos então em que ponto estamos

numa linha, a síntese de onde estamos todos neste momento, ou seja como vemos o problema e mais do que isso como com ele não lidamos se pode ilustrar nestes extremos

existe uma espécie de mesa comum onde todas as nações se sentam, mas que na realidade não governa, pois é mais uma casa de remendos e do remendar, pois cada pais trás seu próprio governo, e ainda ontem se dava a noticia de por exemplo se ter descoberto um outro, provavelmente sem governo nos moldes em que o conhecemos, constituído por quinze índios que vivem nas florestas e que até a data nunca tinham sido vistos pelo mundo, contudo vivem, são e fazem o mesmo

na casa das nações como todos sabem e é facto não discutível, falta sempre o pão para todos aqueles que são os mais necessitados, entendendo como necessitados, aqueles que não trazem meios para o produzir, como os filhos pequenos que sempre os pais tem de cuidar durante o seu tempo de crescer

o dinheiro que vai havendo se esgota neste últimos tempos a tentar resolver emergências, que são fogos, como agora esta semana se viu num surto de cólera, e portanto quantas mais emergências houverem, como as que decorrem da natureza do clima menos haverá para não só para responder a elas, como para resolver tudo o resto, ou seja ensinar e dotar os filhos do conhecimentos e dos meios que lhes permitam como sempre se faz , obterem e viverem em auto suficiência






video


16 11 10

 16v 1010 16 11 1 0
dez ase is vaso do binario, bina rio, bic cic l eta de za ase se is do cento e onze , onze do prime ero circulo

70,2 MB (73.622.362 bytes)

mais uma vez esta palavra responde a um conjunto de dizeres da ilusão,  alguns dos quais encenados do mundo, e de sumo só fala relembrando, ou seja mais uma vez uma repetição,  da equação e solução dos transportes nas grandes cidades que parece cada vez de somenos importância face aos problemas gerais do contexto alargado à escala do uno mundo, e também nos diz a necessidade de repetição,  que mesmo os que se dizem mais desenvolvidos nem conseguem arrumar suas casas, quanto mais ajudar as outras

ilustra isto, muito bem, um dizer de hoje  da chanceler de um dos países considerados motores de um dos grandes agrupamentos da europa que viu de novo o seu partido ser eleito na continuidade da governação, e diz que o milagre da eficiência da alemanha se prende com o trabalho, e que ninguém a criticara por ela dar ao mundo bons produtos, mas parecem todos se esquecer que quando a confusão alastra em larga escala , ou mercados sofrem grandes convulsões e as gentes deixam de ter dinheiro para comprar seja o que for, pois o patamar assim será o da sobrevivência de cada um, seja a escala que se entenda, pessoa, ser , ou pais

esta pseudo politica da europa, se encontra igualmente demonstrada na manutenção por três anos em prisões de sessenta mil migrantes de África, como se sabe

Sem comentários: