sexta-feira, novembro 26, 2010

ainda diamantes, londres e aneis diversos, 8

a inda diamantes, londres é ane si diver ero rop circulo do ps


nas amoreiras no dia em que depois vi por duas vezes a keira ou uma sósia dela no carro e ela em foto na parta da loja chinesa aos olivais, mais uma linha de encenação do tal anel que fora ao que parece o anel de casamento dela e agora da katie


na s am am mor rei ei iras no do dia em q ue de posi vi p o r du as de duas ,  v e ze sa da keira o u uma serpente do osdo  ia dela no carro, é ela em foto na pa rta da loja chi neza primeira do os oliva is, massi uma lina hd e en cena ac sao do t al ane l q ue for a cao q ue ap r ee circulo do anel de ca sam en to dela, é agora da ka do tie da cruz ie, inter net , e x p lorer, canárias

ali ao lado das escada rolantes de acesso ao segundo andar, um cartaz com uma estranha expressão na mariza, a fadista, ou ainda as linha da can tora das frequências da revista lx, aqui detalhadas, 


ali cao lado das esca ad a rola lan t es de ac esso cao se gun do anda da ar, um cara rat zorro com uma t es rn home da primeira , é x press sao n mar iza, primeira fadista, o ua inda serpente   as da linha da can tora das fr eq uen cia s da r e vaso do ista dol do pri mr circulo do primerio x aqui , ide ie det  das alhadas


uma face certamente retocada com uma expressão de joker, lábios em forma de lua invertida, e num anel o mesmo padrão das velas triangulares que também tinham aparecido aqui no prédio mais alto da rua recentemente pintado, talvez na varanda da irma da vera mantero


 uma da rata é vaso si ds sita da revista face ser y ae maior nt e r e toca ad a com uma e x press sao de joker, la bi do  iso em forma de lua invertida, é en um anel da ne do  elo do mesmo , o do padrao, o  das velas t rina gular eres q ue eta tam am tambem tinha ham am ap ar ee id o aqui no pre dio massi alto da rua rec ene net , mente,  pin t ad o, t alvez na varanda, nome de uma outra,  da irma da vera man da cruz do ero
a posiçao da mao apontava os cartazes da lusumondo,  ou seja dos cinemas, e o primeiro do lado direito como fotgramas de uma fita de cinema, se lia hp quadrado do harry, bar do pot da teresa
a p os siç sao es dama da  mao ap on t ava os cartazes, sic da luso mondo vaso do seja dos cinemas, é circulo do prim ero dol lado da di rei t o c omo fot g ramas de uma fita de cine ema, se da l ia hp quadrado do harry, bar do pot da teresa

mariza que vira passar em dia não muito ido na ponte da pampulha conduzida por um qualquer num carro de alta cilindrada a fazer a mesma expressão com os lábios de lua invertida, um pormenor frequente nestas ultimas linhas, como sabeis , os atentos

mar da puta do am condo, expresso, is sat en cruz os

mar iza, que aqui declina em marina,  quadrado da  ue eva do vaso da ira ap do ass ds da ar em diana,  cao mu it o id dona da ponte da p am pulha condo uz id a por um q ual q ue rn um carro dea alta,  si lin dr ad a a f az e ra da mesma,  expresso,  com os l ab os de lua in vertida, um por men o r f r eq uen te nest as u l t ima s linhas, c omo sabe is , o s at en t os

na livraria onde costumo entrar como sabem, pois já tinham a manha montada como de costume, a linha era a mesma do cio da outra puta, a judite de sousa, cio á volta de meu filho, na montra uma fiada de capas, trazia ao lado da puta margarida rebelo pinto, uma outra onde se via uma criança, de costas sobre a linha do comboio com um titulo do género, levaram-me, fiquei logo muito mal disposto, com qualquer pai que sabe que trás o filho roubado o e abusado a quase seis anos com o  conluio deste merdosos todos e dos policias e dos tribunais de corruptos e dos que se dizem políticos, que o inferno vos seja quentinho a todos, assassinos de merda, 

na al iv vaso da rata da aria onda deco dec cos t umo en t rato da ar c omo , sabem, p o is já tinha do ham am primeria da manha da montada,  c omo mode cos t um me, a linha e ra da primeira , a mesma do cio da outra puta, a judite de sousa, cio acer priemrio  vol t ad e me u fil h on a mon t ra , uma fia dade capas, t r az ia cao lado da puta margarida rebelo pinto, uma outra da onda da se da via de uma criança, de costa serpente  s ob rea da linha do com boi com um tit u lodo g ene ero, l eva vara ram do traço da inglesa me, fic u ei logo mu it o ma al di sp o st o, com q ual q ue rato rp do pai q ue , sabe,  q ue t r as o fil h o uroubu bad ad o oe ab usa sado a quadrado da use há seis anos,  com do circulo do  concluio de este , merd ossos todos , é dos policias e dos tribunais,  de co rr u pt o s ze do s q ue se di ze maior pol it ticos, q ue do circulo do inferno vaso do os do seja q u en tinho primeira de todos, assa s sino s de merda

entro, a  primeira que vejo com um brilhante sorriso, é a gillian dos ficheiros secretos que me olha como se escondida debaixo de uma das pequenas estantes que a livraria tem, a gillin a parecer a more

en t ro, primeira da prime ria q ue eve do vejo, br,  com um br ilha ante sor rato do iso, é a gil l ian dos fi che iros rose dos secretos, dos poc osdos porcos,   q ue da meo l home da primeira c omo da se es c on dida de ba, é xo de uma das pequenas es sat tnt es q ue da primeira da liv rata da aria t ema gil l ina a pa recer primeira da mor e

me dirijo a zona das revistas pois procurava uma em especial, poisa vira a passar na tabaquaria cá fora a entrar, e me dissera , parece a bela dos anturios nos cabelos que entretanto passaram para um dos olhos a ressoar na imagem da capa da joni mitchell, aqui outrora abordada, das shadows ou das sombras, a anja magra,  da shell sea da morning star 

me di rig circulo da primeira da zon ad ás das revistas,  p o is por cu ar ava uma em es pe cia al, po isa vaso da ira da primeria  pa ss ar na t aba baca qaudrado da uri primeria aca for a a en t rata da ar, e me di ss e ra , pa rece da primeira  bela dos an t ur iso nós dos cabelos,  q ue en t r eta nt o p as sara ram am do para,  um dos olhos da primeira r esso da ar na ima ge md a ca pad a j oni mit circulo dele , o do  hell aqui outrora ab o rda dada serpente das sh ad o ws o u das s o mb r as, a anj kapa circulo da mag ra,  da shell sea da morning star

um grupo de putas ao me ver chegar a prateleira ali se compactou ao momento como se me quisessem obstar a ver alguma coisa em particular, que espertas sois, morreis no inferno suas merdosas secas sem filhos, que o diabo vos enraba sem nenhum prazer, agarro na revista onde a vira, ao longe parecera que estava a imitara a bela guria assim vestida em pintura de terra, mas não , estava coberta de caviar pelo belo corpo, assim com um ar meio de satisfação meio de surpresa, como se fosse um outro tipo de bolinhas de caviar, eu dei uma sonora gargalhada, as putas em silencio absoluto que revistas como a photo não são para os olhos falsos pudicas delas   
 
um dog gato do  rup pode das putas cao me ver chega ar a pr tele da ira ali da ise se co mp ac to u cao mo men toco mose da me qui ss é mairo  ob str a ave r al g ua co isa em p art tic cu l ar, q ue es per rta ss o is, mor rei ser pn te do no inferno s ua serpenet das  merdosas sec as se maior dos filhos, q ue do circulo do diabo vaso do os en r aba se maior  nen home um para az ze rato , rag garro na r e v bi sta onda dea primeira do vas da ira, cao l c on ge pa ar cera q ue est ava primeira rai emi tara ad da primeira gata rata ritos do ab à bela guria, gi sele,  as si maior  vaso est id a em pin da tura de terra, br  ma serpente  n cao , est ava co be rat de c avia rp da puat da elo b elo corp o, as si mc om um ar me io de sati s façao me io de s u presa, c omo da se da fosse de um outro t ipo pode bo linhas de caviar, eu de ei uma son o ra g arga gal da ahada, as putas em si len cio ab sol u tao q ue r e vaso das  sitas c omo da primeria do ph  puta hot n cao sd sao dao para os olhos f al s os p u dica serpenets  delas

depois na volta a bela keira de boina francesa a deitar a prisca pela janela aberta do tal mercedes doirado em corrida esotérica de beijos de vento certamente e de velas dos bums em londres, que bela formas de se fazer justiça nos dias de hoje

d ep o is na vol t a ab ela keira de boina francesa, primeria e it ar a pr isca p ela jane la ab e rta do t al merce cede es do irado em cor r id a es o teresa ica de bei j os de v en to ce rta tam am , mente, é de eve das velas dos bums em londres, q ue bela das for ma sd é se f az e rato da just tiça es nós da puta do dias, psd,  de homem do oje

a bela gemma, também a vi, que belinha estava, a ressoar ainda numa outra linha em que pretendem ligar esse anel ao tal livro, que existe ou nao existe, assim como num frame do filme, onde parece que a menina dá um livro a alguém, e depois assim uma floresta com raios, a pretender lembrar a floresta magica ao pé de aveiras, onde um livro mas meu foi queimado, e o vento certamente o soprou, talvez do grupo do rui rio que por lá com os espanhóis estava

a b dela ge mai iro ma,  t am tambem primeira vi, q ue da bel da linha est ava, a r esso da ar a inda nu ma outra da linha em q ue pre ten de ml liga rato desse anel cao do t al livro, q ue é xis teo , laurinda, vaso n cao é xis te, as si mc omo nu primeiro fr a med o filme, onda par ee q ue primeira da menina d á um livro, primeria a al gume, é d ep o is as si maior  uma flor desta,  com rai iso, a pre ten der lem bara da primeria da floresta magica  cao pede de aveiras, onda um liv romas me eu vv vaso  fo ique ima m ad o, é o v en to ce rte maior teo s o pr pro rato vaso onda do cir clo ota al alvez do g rupo do rui rio q ue por l á com os espanhois est ava

sua puta abaixo de verme, judite de sousa, com os seus amiguinhos americanos a quem faz broches, contentes com o abc reacção em que participou, dorme bem com mais trezentos jovens mortos em sua conta, sua badameca, pum!!!!


s ua da puta aba do xo de verme da judite de sousa, com os se us am mig gui n h os am erica ano sã q ue maior do f az br roc h es, c on t en t es com o abc rea ac sao es em q ue p art ric cp o u, dor me be mc om mais , fr, t rez x en t os j ov ens mortos em s ua da ad dc  conta, s ua b ad dam de meca, p um!!!!


o bela gilliam, fiquei a pensar se nao seria a menina que me apareceu de neglige aqui no outro dia no chiado

o b dela, a  gil do ll do iam, fic ue ia p en s ar se n cao seia primeira men ia q ue me ap receu d e n e gato lige a qui ino do outro dia,  no do chi iad ad circulo

agora de manha ao sair para a rua, li, o x de setenta e tres, ou seja alguém parece indicar talvez em relaçao entre a matança de mais estes trezentos jovens com a cruz feita em setenta e tres


agora De manha cao s air para da primeria da rua, li, o x de setenta e tres, o vaso do seja al g ue m pa rece indica car é sta lei tura t alvez em relaçao a da matança de mais, fr,  estes trezentos jovens



Sem comentários: