domingo, janeiro 31, 2010

Pelo inicio da madrugada seria, bergman na tv, corria o filme, persona, quando o movimento dos ratos aqui começou, ou seriam ratas a atender aos tacões, durante, talvez meia hora, entravam e saiam batendo as portas do prédio, é incrível como na aparência podem estar tantos dentro do prédio, os ratos fogem, assim escutei depois

puta da tv , ratos espanhois do às do porto, de madeira de este, ei id

Puta do elo in ni cio dama do dam da madrugada se rato do ria do ia, be r gm anna tv, cor ria circulo do filme, persona, qua anda do circulo do omo vi men to dos ratos, primeira aqui com e ço es vaso, o use rei am rata asa a t en der aoa tacoes es, duran te, t alvez me ia do jornal meia hora, en t r av vam am , e sa iam bat en do as oport as do predio, é inc rato iv de el comon , primeira ap ar rec cn ia pode dem est ra t ant os d en t ro do pre dio, os ratos fo ge made ria , as si m es cu t ei id do quadrado da ep do circulo do is

começou com alguém que chegava, talvez um casal, e no tempo da entrada, a porta de grade aqui, que me desvelou em dia recente um dente, de uma cobra, começou a abanar da mesma forma que o fizera, nas vésperas de copenhagen, e da treta dos falsos tremores, o primeiro aqui em portugal, depois a seria em outros locais do mundo

co mp lou ue eta

co meço, meco espanhol,vaso do com da al gato da ue da made ria doque da ue da chega ava, t alvez um ca asa serpente da al, é no te mp circulo , o da entrada, primeira porta de g ra de a qui, q ue me d es sd velo lou em dia rec en te um dente, de uma cobra, com eco ua ab ana rda me sm a forma q ue o fizera, nas vaso das espanholas pn peras de cop en h a g ene en da t rato da eta dos f al s os tremores, o prime rio a qui em portugal, d ep o isa se ria em outros l o cais do mundo

a porta de grade aqui se pôs a tremer da mesma forma, rápida, durante uns largos segundos

a presidente da primeira forma

a pr ie mr ia da porta de grade a qui se p os a t rem mer da me sm primeira da forma, ra pida, duran cruz espanhola un s l argos se gun do quadrado do os

ra pida , pro da ova dos tremores

ra pida, a puta da fac de direito, ou seja a reacção a puta vera saudade e silva, ou seja, prova do envolvimento destas putas nos tremores

a puta pida

ra pida primeira do quadrado das serpentes

ra pida, primeira puta da fac de direito, o vaso do seja primeira rea çortez º cao primeira da puta vera saudade e silva, o vaso seja, pro da ova do en vaso circulo do quadrado , o pr ie mr io, o ex mrpp, agora psd, av vaso do imen to de sta das serpentes destas putas nós t remo emo mor espanhol dos tremores

ra pida, a puta da fac de direito, ou seja a reaçºao a puta vera saudade e silva, ou seja, prova do envolvimento destas putas nos tremores

informações de contexto sobre este fio aqui desvelado na altura de copenhagem e depois, no texto grande

in for de

in for maçoes dec on tex to s ob re este fi do io aqui, d es v el ado dona al tura de copenhagem e d ep o is, no tex tog rande


o cio, ah pois o cio no dn, da eventual, eventualissima rapariga velada, ou que velada estaria numa proposta de encontro velado, um jet antes pelo ceu em dia, quem diria, da ausência do claro, amor claro, ouvira eu pelo espírito, tu a tratas como uma princesa, devias leva la ao leito, e ela assim conhecendo a tua doçura, não mais de lá queria sair, tinha casado com um fucker, antes se acrescentara, no selo do carro, ao pé da casa com quadros italianos, um manjo jambo, falava da ines alva, ou algo assim em declinação de qualquer coisa, a krichner, acrescentava uma delirante linha de viagra, e carne de porco, e segredos perante o seu marido, face ao consumo da vaca, certamente, a bela sakira em baixo, em foto, dela se dizia estar confirmada a presença num qualquer concerto aqui lá mais para adiante, ah bela sakira, sabe, ainda nao lhe contei, mas depois da menina aqui ter estado, logo de seguida, ali na rua poço dos negros, talvez imagem de furação, em nova orleans, entrei de novo na tal pastelaria que faz pao, e ali estava quando a menina de lá ligou uma radio ou uma cassete, e me apareceu a menina a cantar um linha de uma canção, que dizia qualquer coisa como, que o seu amante teria perdido o controlo, certamente de charriot de fire, ou algo assim estilo bradenburg, eu me sorri por dentro ao ouvir, o que podia entender dentro de mim como acusação, cá fora olhei o toldo, e entendi, o resto, na realidade o espírito me tinha comentado antes, que a menina era assim tipo, relações publicas de um cantor americano, talvez aquele que faz duetos consigo, que a menina lhe trazia algumas dividas, e assim lhe fazia relações publicas, no toldo, dizia serpente roque, for ninho, do ninho americano, que pena menina, ter que fazer favores por dividas, se precisar de ajuda , é só dizer, e continua em aberto a oferta de vir cá comer um porquinho, quem sabe fazemos, groo, grro de seguida barriguinha cheia, a ronronar

circulo do cio do io, primeria do home do hp o iso circuloo lop do cio do no do dn, puta mor, da eve en tua al, eve en tua al iss ima ra par rig ave velada, o u q ue vela lada est raia nu ma por rp da posta de en c on t rove l ado, q ue made ria di da iria, da au s en cia doc l aro, amo mor c l aro, o u vi reu p elo es p ei it o, t u onda do vaso t rata s la c omo uma pi rn ce za, de vi as l eva la ao lei t oe ela as si m c on he c en do a t ua doc ur ana do circulo mais del acento q ue ria s air, tinha ca sado com um fucker, ant es se ac r es c en tara, no s elo do carro, ao peda da casa com quadros italianos, um mãn jo jam bo, f ala ava da ines alva, o ual goa ss em em dec l ina çao de q u q l quadrado do ur co isa, primeira da krichner, ac r es c en t ava uma deli lira ran te lina hd é via gato ra, é car ne de porco, é segredo s p pera ran teo s eu mar id o, face cao c on sumo da ava vaca, ab dela s ak ira em ba ix o , em f ot y o, dela se di z ia es star c on fi r mada, a pr es en ça nu priemrio q ual q ue rato c on ce rt o a qui lá mais para ad di en te, a h b dela s ak ira, sabe, a inda n º dao cao l he conte ei, mas d ep o is da menina a qui teresa do estado, logo de sg guida, a l ina da rua poço dos negros, t alvez ima ge made ria de fur da racao, en nova orleans, en t rei de n ovo na t al pas tela ria q ue f az pao, e al i es tva qua ando primeira da menina de lá li g o u uma da radio, o u uma ca ss sete, e me ap receu a menina a c ana t rum l ina hd , é uma can sao, es, q ue di zorro do ia q ual q ue rc xo isa c omo, q ue o s eu amante teresa ria per dido o c on t rolo, ce rta tam am , a que mente, de c harriot de fire, o ual goss si m es til ilo br ad en burg, eu me sor rato ps do ip por ,dentro, cao o uv iro roque pod ia en t en der d en t rode da mim c omo da acusaçao, ac usa ºcao, cá for priemira do olheiro, o tol do, e en t en dio circulo do resto, na r el aida deo es pi it o me it n h ac om en t ad o ante, q ue am da menina, era as si made ria t ip o, relacoes pub l cias de ei um can tor am mer cia ano, t alvez aquele q ue f az du teo sc on sig o, q ue priemeira da menina, l he t ra z ia al gum as di v ida se as si ml, he f az ia relacoes publicas, no tol do, di z ia ser pn te do roque, for ninho, do ninho am a erica circulo do cano, q ue pena menina, teresa q ue f az e rf f avo rato spor dividas, se pre c isa rato de ajuda , é serpente do circulo do ó di z ie rato ps, é conti nu a em ab onda, é rt o a o f e rta de vi rca com ne rum porquinho, q ue maior, o sabe, f az em ms, sg ro o, g rato ps da rode se guida bar rig gui em home da primeira cheia, a ron ro em ar

ontem caminhando , um bmw, x5, ali estacionado ao lado da casa da misericórdia, ao lado do museu, o tal do bal, me disse, ser então o segundo nono do dia x , o dia vinte quatro de dezembro de dois mil e cinco, parava um por ali ao lado dessa casa, na capitão palas

on te mc ca mina homem n do primeiro do bmw, x5, al i est ac cio na ad o cao l ado da c asa da misiricordia, aol ad circulo , o do museu, o t al do bal, me di iss sd se, se ren tao do circulo do segundo nono do dia x , o dia vinte quatro de dezembro de dois mil e cinco, par ava um por al ia cao l ad do circulo , o lop, dessa casa, na capitao da palas, atena