sábado, fevereiro 27, 2010

Mais claras sobre a corrupçao e configurando actos de terrorismo de estado pelo controlo dos meios de comunicaçao, como é a tese do juiz de aveiro, não podiam ter sido as declaraçoes do jornalista e director do sol na comissao de inquerito da ar, nomeadamente quando diz que o vara, ps, pelo banco millenium lhe tera telefonado a dizer que se nao publicassem determinadas noticias, teriam os problemas bancarios resolvidos, ou seja nao só corrupçao politica de estado , do partido do governo, como com o apoio de um banco privado

Ma sic clara serpentes s ob rea da primeira da corrupçao, é c on figu rato da anda ds dos actos de terrorismo de estado, p do elo c on t rolo dos meios de co muni caçao, c omo é primeria te sed do circulo do juiz de ave iro, n cão pode di iam teresa s id o ás dec lara raçoes co es do jornalista, é di rec tor do sol na co miss sao de inc ue do rito, ps, no me ad dama do dam da am, a que mente q ue en do di zorro do q ue do circulo da ova do vara, do ps, p elo ban co mi ll en i um l he teresa ra tele fon ad circulo do lobo da primeira, di ze rato ps q ue se n º cao pub lic asse em det teresa mina da not ti cia s, te ria am os dos problemas banca ray o is r es sol v id os, o use seja n º cao s o cor rup çao poli tica de estado , do p art id o do dog do governo, c omo com do circulo da ap oio de um banco pr riva iva ado

27 02 10 b

ak l gun s links do yahoo de ontem com e cos à u l t ima inter v en çao

http://news.yahoo.com/s/nm/20100226/ts_nm/us_petra_diamond

http://oscars.movies.yahoo.com/photos/86-2009-oscar-couples?nc#OmgPhoid=1

r el ac i o n ad o com a c h ave com pp lem en tar do fil do medo do sea n pen en n

http://news.yahoo.com/s/ap/us_seaworld_death

id golfinho

http://www.nytimes.com/2010/02/27/nyregion/27paterson.html

parece que a historia caiu muito depressa, ora esta diria o saudoso fernando pessa

http://news.yahoo.com/s/ap/20100226/ap_on_re_as/as_japan_earthquake

onde dea primeira da ilha do quadrado e mne r gi u do mar, i mage m ex p o, o c e a n a rio, no lago, dos antigos hidro vi o es catalina serpentes, uma apoia ante do nobre

http://news.yahoo.com/s/ap/us_winter_weather

bam bam bam, e prova dos passes em dallas na morte de sa carneiro




27 02 10a, primeira parte de duas

vinte e sete, apos o nata ak l natal dois mil e cinco, circulo do segundo dez x primeira, prime ira p do arte do aret, do anzol, dedo de duas, quadrado do vaso do as


a little more of health care, I pressume, and madeira e outros assuntos politicos


al it tt cruz le emo mor , e, circulo for he al cruz homem care, I pr ess um me, da anda dam am da made ria, é outro da se rato ps, rp da p ene en te sas ass s un t os politicos sd

chave do assasinato de sa carneiro, e j f kennedy, na parte da relaçao com portugal, madeira, jardim , grupo do templarios


Mourinha, que belinha sois, aqui estou a começar a escrever a a escutar-vos em palavras depois de vos ter visto a cantar o fado,


Mo ur rinha em hoem da primeira, q ue be da linha s o isa q u ei es to ua co meça ra es cer vera a ecu at ra do t rata do aç es do oi ingles do vaso do os em pal av ra sd ep o is d e v o s teresa vi st o a can t ra circulo do fado


esclarecida a morte de sá carnerio , com a conta mais de qaurente e duas, ao momento mnortes na madeira, ireis pagºa-las , suas putas, aqui fica a acusaçao ao tribunal penal internacional
espanhola clare da cida, primeira da morte de sá carneiro , com da primeria conta mais, fr, de qa ur ren te, e du as, cao mo men to mn ortes na madeira, ire reis pa g º a do traço ingles l as , s ua serpente s das putas, primeira do falo do qui aqui do f ica, primeira da acusaçao ao tribunal penal internacional


recapitulando algmas das imagens de hoje que comento em palavra orada, ontem depois de ter andado a ver filmes daquelas coisas boas de fazer mesmo ao vivo, ouvi ao deitar um som de cobra cascavel ao lado do meu leito, de tal forma que o olhei por un instante a ver se via sua origem, mas nada, parecia vir de dentro da parede dos furinhos, dos paineis tipo bcp, mesmo por altura do chao, isto é onde a parede a ele em angulo se liga.


Re c apit u lan ando al gus sn da sima g en de h oje, q ue com en to em pal av ra o rato ps ad a, on te made ria ep o is de teresa and dado primeria ave rato rf fo dos ds do ps dos filmes, daquelas co isa s boa sd, é f az e rato do mesmo, cao do ova do vaso ivo, o u vi cao de it ar um s om de cobra ca sc ave del lee o pn z we do onze, aol ado do m eu leito, de t al forma q ue o o l he e rp por un in s t ante ave rato ps da se da via, s ua o rige maior, ma sn ada, par e cia vi rato de d en t roda ap rede dos f ur rinhos em ho os, dos pa in i e s t ip o b cp, me sm o por al tura doc h cao, is to é onde a par ee dea dele, em angulo se da liga

ontem pela tarde ao subir ao ritalinos para compar cigarretes, a filha do luis, me reproduziu de certa forma com uma bolinha, mais ou menos do tamanho das utlimas que a todos mostrei, as do colar, as negras, das porta da rua de s antao, ao bate-lo em cima da mesa onde a brincar se entretinha e de repente um outro elemento de uma imagem se começou na consciencia a encaixar

on te mp dela, t arde deao cao s ub ior, cao rita l ino s para co mp ara cigar rato pes e t es, a filha do luis, me r ep pro du uz eu de c e rta forma com uma b o da linha, mais, fr, o um en s o do tam anho da s u t lima serpentes q ue da primeira de todos, mo st rei, as do c ola do al rato do lar, das serperntes do porta, cds, da rua de s antao, ao bate do traço ingles do primeiro do circulo de dez, em c ima da mesa onda dea br inca rato da se en t rato e tinha , e de r ep en te um outro elemento de uma mai ima ge maior da se co meco es un a co ns cien cia a enca ix da ar

no portal dos filmezinhos onde me entretenho nas vezes a tua ausencia, e nao só, de vez em quando aparecem assim uns extractos de filmes de outros escaloes onde as meninas mostram assim pedacinhos de suas nudezas a muito correr, em cenas de amor de corpos ou por aí, e as meninas que trazia nesse momento em minha consciencia eram duas, a bela penelope e a bela kidman, duas raaprigas que tinham tambem aparecido recentemente em palavra

no pop rta l dos fil me zinhos, onda da me en t rato e t en ho nas v e ze sa t ua au s en cia, e n ºcao s ó, de eve ze em q un dó, ap a rece em as si maior un s ex t arc t os de fil mes deo de outros es calo es onda do ás das meninas, mo s t ram as si m peda cin ho sd e s u as nude za sa m u it o cor rato e rem cenas de am mor de corp os o u por raí, é as meninas q ue t ra z ia ness e moe mn to em min h a co ns cie en cia e ram do ia sa da bel le p ene lope e primeira bela k id man, du as ra ap rig gas q ue tinha ham, ama tam e b m ap ar e c id o rec en te mn te em pal av ra

da bela penelope vira-lhe os belos biquinhos dos seios assim em tipo foto, e da kidman, a imagem que me aparecera, a volta e um perfume de violaçoes e eventualmente de cadavares escondidos, que se estendia por outros filmes, um extracto de uma peça em palco, fora uma imagem que pela singulariedade me chamara de imediato a atençao, pois mais uma vez tinha reflectido sobre a queda das torres

d ab dela, p ene do lope vaso da ira do traço ingles primeiro dele, os b elos bic u in ho sd os seios, as si maior em t ipo f oto, é da k id man, a ima ge maior do que eu da me ap ar e cera, a v o l t a e um per rf fu da ume s us kin, de vi ola ac ço es e eve en tua al lem n te de c ad ava ares es conde didos, q ue se est en dia por o u t ro s filmes, um é x t rta acto de uma p eça em pal co, for a uma ima ge maior do que p el a sin gular rie ie dade me chama ra de imediato da primeira a ten sao es, pop is mi s uma ave z tina home ref fel ct id o s ob rea primeira da queda das torres

se via a rapariga como que deitada num chao de madeira, rodeada de maças, abri o link, e no plano que é filmado na vertical, um rapaz entrava em cena, e falava com ela em tom de cumplicidade como se escondidos estivessem, a falar de carregamentos estranhos de explosivos ou algo assim, o estranho naquela imagem, era simbolizado pela imagem da entrada dele em plano, pois o que nela vi, fora como uma cobra em meio mix, como um fanstasma, a entrar no que parecia ser o chao de uma carrinha deslizando como uma cobra, fora esta a percepçao entes de perceber que era um homem , e assim a estranha imagem ficara em mim a ressoar

se via ar a ap riga c omo q ue de it ad priemria do ano primeiro, ca ho ode da madeira, rode ad primeira de maças, ab rio, psd, porto, link, é no do plano da p da lan do ano, q ue é fil mado dana v e rti c al, um ra p az en t rato ava em c en a, e fala ava com dela, em tom , de cu mp lic cade br c omo se es conde id os es t ive s see, e fa al de c ar reg ae mn t os es t ar n ho sd e é x p l o s ivo s o u al goa s simo, es t ar anho naquela ima ge mer primeira si m bol iz xa do p dela ima ge made ria da en t r ad a dele em p lan ano, p o iso q ue nela vi, for ac omo uma cobra em me io do mix, c omo um fan sta sam, a en t rato da ar no que par e cia s ero ca ho ode uma car rin ham d es liza zando c omo uma cobra, for a é sta a per ce pa çao es en t es de per ce be rato do q ue é ra um homem , é as sima es tt rana h ima ge maior fi cara em mi ma rato ps do esso da ar

a linha dos carregamentos perigosos ou misteriosos, cujo contexto alargado nem dera para perceber, evocara em mim uma outra imagem , aparentemente real, quanto a fronteira entre um plano e um outro será real, uma imagem com algum tempo de uma chegada da kidman a america, a casa de seu pai, numa vam carregada de malas e um perfume que exalava dali, de certo misterio e de certa preocupaçao, que encaixava tambem na imagem recente da tal mala que vira num rapaz a entrar nos predios das traseiras ao falar do magnetismos e da antena de cobre que depois me mostraram numa das janelas onde as cortinas estao habitualemente fechadas, um perfume na imagem da nicole, que me lembrou de certa formas as maquinas da cientologia, que por sua vez tras aqui em lisboa uma especie de representaçao

a lina hd os car reg am en t os per rig ossos o u mis teri rio ossos, cu jo c on tex to al ar gado ne maior der da primeira para per ce be rato ps, evo cara em mim, uma outra rai ima ge en , ap ar rec en te que mente rea l, q un to primeira fr on te ria en t re um p lan primerio ano, é um outro da se rá ra real, uma mai ima ge mc om al gum te mp o de uma che da gada da k id mana ana primeira am mer cia primeria ac asa de s eu pai, nu ma vam car reg gada de m ala se um ep pr rf fu mec q ue e x ala lava al id e ce rt o mi s teri, oe de c e rta pr e o cup çao es, q ue enca ix vaso da primeira tam e b mna ima ge m r ec en te da t ak l da mala , q ue vaso da ira num ra ap za en t rato ps ar nós dos predios das traseiras, cao f al rato do mag net is mose seda da antena de c on onda br é quadrado da ue d ep o is da me mo st rato ps aram nu mad as jane l as õnde ás das cortinas es serpente do ato h abi bit tua al lem n te f e cha ad as, um per rf fu mena ima ge maior da nicole, q ue me lem br o u de c e rta formas as das maque ina sd a cientologia, q ue por s ua ave zorro t ra saqui em lis boa, uma es pe cie der ep pr es en taçao

esta imagem da antena de cobre e antes da tal mala que pelas dimensoes não poderia ser de medico ou correlativo, se manifestaram recentemente antes dos eventos na madeira, e das linhas de comunicaçoes e magnetismo que tambem nelas se exprimiram, pt incluida

é sta da imagem da antena de cobre, primeira en t es dat al mala q ue p el as dimensoes, n cão pode der ria ser de medico, circulo do vaso cor r el at ivo, se man if es t ram rec en te maior meet net ant es dos eve en t os na madeira, é das linhas de com un sic caçoes, é mag net is mo que eta tam am tambem nel as se e x pr e mir ram am pt inc lui ida

depois ontem, ainda me cruzei com o tal grupo de ciclistas, depois de ter visto o aida atracado no porto, onde a rapariga magra vestida de negro calcas semelhantes aquelas que entraram em dia recente, a referencia do colegio st michaels, trazia uma linha de lama em pontinhos subindo pelas belas perinhas, que como salpicos, me remeteram para a imagem da lama na casa da imagem da

santa na madeira, e para um fio em parte já publicado sobre uma outra linha da hillary, do leopardo do os do x na neve, ou seja relacionado ainda com os eventos em beslan, que tambem se espelharam na desgraça da madeira, pois é claro que a vareta e o falo de beslan, ali se exprimeiu, e ao se exprimir certifica, por assim dizer a relaçao com a gravura do dn, e os magicos do leoes na america

d ep o is on te m, ia anda mec ruze ei, com do circulo do tal g rup ode sic circulo l ista serpente pn teresa d ep o is de te rr vaso isto cao a inda a t rac ad o no do porto, onda da primeira ra p riga mag ra vaso es t ida de negro cal c as seme l h ane net ts daquelas q ue en t rato aram em dia rec en te, primeira refer e cna id o colegio st michaels, t ra zorro do ia uma da linha del da lama em p on ny yin ho ss ub indo p el as bel as das per rinhas, q ue c omo s al picos me reme te ram para a iam mg em made ria da lama, na casa da imagem da s anta bna da ama da madeira, e para um fi do io em p arte j á pub lic cado br, s ob re uma outra lina hd da primeira da hillary, do leo do prado, es, do os do x na ane da neve, o use seja rato el ac cio n ado a inda com os eventos em beslan, q ue eta tam am tambem da se es pel haram na d es graça da maderia, p o is é c l aro q ue priemira ava vaso ar eta, é circulo do falo de beslan, al ise é x p rim ei ue cao da se, é x prime ei rato ce rt if fi ica, por as si maior da di ze ra do tribunal da relaçao, com da g ra vaso da ur da ado do dn, é os magi do cos do lea , os na am erica america

me cruzei com eles em frente ao café que agora fora remodelado , o antigo de diversas imagens dos italianos expressos, nescafe que aqui constam, e onde decidi pela primeria vez entrar, se chama agora de espaço com sabores, yogi bear lada, c on t estreal circulo do nono, do onze do treze de alcantara quinhentos e dezaseis, õ p quim home en t os é dez ase is, da r do sacramento, al can sessenta do traço ingles Lx, dez ase do sete do pcirculo do sexto, , z ero do vinte e tres, julho, ~ca de tar da ria do ia circulo do ponto dos dois do t um, , de um tota l de tres circulol da estrela dio circulo

uma armadilha do miguel esteves cardoso, ei com do grupo deles, não esquecendo que o ultimo passe das putas no publico, fora a tal historia do chichi e do coco, que depois estoirou na madeira

uam ar rama am maa di da ilha l hd do circulo do miguel esteves cardoso, ei com dog rup o deles, n cão es q ue ce dn no que, primeira u l t imo do passe das putas no pub primerio do cio, for rac ata primeiro da hi s tor ia do chichi e do coco, quadrado da ue do quadrado da ep o is est toiro un da primeria das madeira serpentes

mec ruze ei com deles, em fr en tea o ca fé, q ue dop agora for ar remo mode lado , o antigo de di vera sima ge ns, dos italianos, é x press os, ne sc ca fe q ue a qui co ns tam, é onda dec id ip dela prime ria ave z en t rato ps da ar, se da chama do agora de es paço com s ab o rato ps es do yogi bear lada, circulo on cruz est real, circulo do nono, do onze do treze de al can tar quinhentos e dez se is, õ p quim home en cruz os, é dez ase is, da rata do sacramento, al can s es onda ob bn da s en t ad do circulo do traço ingles Lx, dez ase do sete do pcirculo do sexto, , z ero do vinte e tres, julho, onda cade, br, da tar da ria do ia circulo do pomnto dos dois do t um, , de um tota l de tres circulos 101 da ester, é la dio circulo

na pampulha , vi numa das capas dos jornais do dia a foto de um dos ultimo cadavares na madeira, onde vi de imediato, a imagem do edna, uma vez aqui comentada, a dos amantes descobertos nas escavaçoes arquiologicas em pompeia, italia, apanhados pela lava em posiçao fetal com algo metalico entre eles, como dizendo o casal da faca da lava e por ela morta,

na p am ap do pulha , vicente, numa das capas dos jo rna is sd, do ida a f oto de um do s ul t imo c ad av rato es na made ria, onda vicente, dei meda it o, a ima ge maior do dó, é dna, uam vaso é zorro da primeira quadrado do w ue, aqui comentada, a dos amantes do quadrado es co berto s nas es c ava ac ço es arq u io logicas em p om pe ia italia, apanhados p el az l ava em posi sic sao es f eta l com al go me tali co en t re deles, c omo di zen do, circulo do ca da as do sal, cv, da faca da l ava e por el da lam da am morta

esta imagem do cadavar com lama mais ou menos solidificada, que remete com clareza para lava , e portanto vulcao, liga-se obviamente, e é clara assinatura, de uma outra relaçao recentemente aqui comentada, a do vulcao invertido, ou seja nao de fogo, mas de aguas de fogo , ou seja, de uma mulher, do psd, relacionado com o grupo do branco, envolvida nos tais jogos dos desportistas no porto, com espanhois, que se desvelara na compra dos meus sapatos, e tambem por consequncia do que já relacionei, com o delta, ou seja ainda, as cuecas femeninas da seta no mississipi, e a relaçao dessa pessoa, com a morte de sá carneiro, pois a imagem do espelho do branco em vespera da desgraça anunciada no porto, trazia tambem esse elemento, sa carneiro numa foto por detras a sorrir, ou seja, sabendo ele, o branco, já de alguma forma nesse momento, quem esteve por detras do assassinato dele, que liga por sua vez ao assassinato de jf kennedy, ou seja o grupo dos templarios, como traduzo no video, o alcance real da expressao que o cacique jardim usa ao falar de machados e de governos, o governo de duas casas que sempre se deglariaram em portugal, os templarios e os maçons

é sta da imagem do c ad ava rec om da al ama mais, fr, o um en os sol id di fi c ad a, q ue reme teresa com da clare za para l ava , é porta , cds, anto do vulcao, liga do traço ingles da se ob vi man en te, e é clara as sin a tura, de uma outra do tribunal da relaçao, rec en te mn tea do qui, aqui, com en t ad a, ado do ovo do vulcao invertido, o use seja n º cao de fogo, ma serpente sd de aguas de fogo , o use seja de uma mul her, do psd, rato dela, do ac cio n ado com o g rupo do branco, en vaso circulo do primeiro vaso da ida nos tais jogos, tragedias no brasil, dos d es poe ti do ista serpente do no do porto, rui rio, com dos espanhois, quadado da ue da se d es vela lara, naco mp ra dos serpentes de meus sapatos, e eta rta tam am tambem por co nse q un cia doque eu j á r del ,ac cio na e, com do circulo do delta, o use seja as das cuecas femeninas da seta no mis sis sip ip do pi, é primeira da relaçao dessa, p esso primeira do ac com da primeira da morte de sá carneiro, caren rene iro, p o isa da imagem do espelho do branco, em vaso da espanhola do pea da pera do quadrado da desgraça ano da un n cia ad ano do porto, cruz ra zorro do ia tambem desse elemento, as care caren rene iro numa da f oto por det ra sa, sor rato ps do iro vaso use seja, sabendo, ele, leo do branco, de al gum primeria da forma, j á nesse moe mn to, q ue m es teve por det ra serpente do assassinato dele, q ue da liga por da serpente da ua ave za cao co do assassinato de jf kennedy, o use seja do circulo do dog do rupo dos templarios, circulo do omo cruz do x rato ad uz on circulo do ov, vaso id deo, circulo da ala ac can da se real, da e x press sao do q ue do cio do circulo do grupo 101 do cacique jardim usa, circulo f al ar de machados e de governo serpentes , o g ov e rato no dedo dõ as das casas, quadrado da ue se mp rese de gala ria am em porto gato home da al, os templarios, é os maçons

depois comprei este filme , de que falo em breve, pormenores para outra nupcia se sobre este assunto a houver

d ep o is co mp rei de este filme , de que do falo em br eve, por men o rato ps es para de outra da nupcia, nu p da ci, se s ob re de este, as sun to da primeira dop do home circulo do uve ar rato top ps


o circulo da ruza na usa da za da am do men do toc omo gato do rupo do quadrado do os