quinta-feira, março 18, 2010

vós sois mesmo bestas, por programação arranjaram uma forma de me retirar o som durante a gravação e assim me ireis obrigar a repetir o que aqui vos digo

vaso ó ss, o is me sm o bestas, por pro g rama maçao ar ran j ar ram am, uma forma de me r e tir ar o s om duran te a g r av aç sao es, e as si maior me ire is o br i gara a r e pet iro q ue a qui v os dig circulo

assim respondeis oh putas do bordel máximo do pais, que cobardes e vermes sois

o cobrador das cobranças das cobras das cobranças

o co br ad dor da sc ob ran anças espanholas, das cobra sn das cobranças bed

as si m r es ponde ia s o hp da puta do bordel maximo do pais, tvi, q ue co br a ed ds se vermes s o is

o video a que roubaram o som




video 4 t 0 r alo ing k l es onda do 13 03 10, treze circulo t rec e iro dez
avi 91 6 mb, mu ti banco
96 ss 220 144

96 ss, com vera, diz vera saudade e silva, 220, o mercedes, cheiro, che do ior , a en xo fr e n a esu u ina do jardim, nome, banco, da g u l b en kian, c en t ro e qua renta é quatro, r ue sa int lam do berto
96 1 2 24 7 0 4 tam am anho disco
anho num dico, dic o t rago eu aqui um salvo erro num que remete pata a matança no estadio, esa sat td io, q ue mos t rei num video ante r ior, salvo erro do wi m we r t en s



acabei o vídeo, dizendo que a minha vontade será levar cem hoje, acrescento, deixem de vez de serem esquizofrénicos, depois olhei o ecrã, e vi uma estrela que desce do céu, com um circulo em cima, e uma cauda numa descida, ou seja como uma cobra ou um esperma, ficou sobre os cabelos, ou seja imagem da vera dos cabelos, a imagem que comento aqui e antes em vídeo sobre a Turquia

aca b ei o v id deo, di zen do que eu da prim ira min home da primeira von a td e se rá lev ra cem h oje, ac r es cento, de ix em de eve z de se rem esquizofrenicos, d ep o is o l h ei o e c ra, e vi uma estrela q ue de sc e sed o c eu, com um c irc culo em cima, é uma c auda nu ma d es cida, o use seja c omo uma cobra ou um es per ma, fi co u s ob re os cab elo s, o u seja ima ge maior da ave vera dos cabelos, a ima ge maior q ue co men to a qui e ant es em v id deo s ob re a turquia,,

o inverso do papel que mostro em imagem, ou seja o reverso de certa forma do tremor, t reo r, no chile, é um desenho que fiz à daniela ruach quando apareceu uma noticia de que estava, estav, doente na america, ou seja ruach, espirito em hebraico, he br ria co, e me diz ainda rua aurea, vaso do ouro com o que parece ser uma gulo recto a subir de um trevo outrora deitado, irish re fr en cia, a am manta circulo lodo senhor home cruz, shak es pea ar e, seis eti c id dn n e epa ,ge eti cid 10 dn bar do ra iee, g cruz estrela borboleta dó, ge lara gel ado xy j dio primera vareta xy j ano, da cruz da costureirinha, em team b 5 80 bar do ra percentil 60 j 5601, 645, 21, 74, 92, olivasi sete quadrado de setenta e quatro, em noventa e dois

curiosamente a coca que aqui se desvelou no corte como também se desvelou na imagem do vídeo anterior sobre os metros, quando mostro a disk drive e os bastão de parta parafusos cravados no leito, ecoa também precisamente numa imagem no mesmo sitio onde hoje de madrugada os mochos me mostraram e que comento neste vídeo, e que é também o lugar onde vi a primeira imagem na noite a seguir ao tremor de terra no Chile,

c ur rio io sam net primeira coca q ue a qui se d es velo un o corte, c omo tam b em se d es velo u na ima ge maior do v id deo ante rato ie r s ob re os metros, qua ando mos t ro a di sk dr ive e os ba s tao de pa rta para raf fusos c ra v do s no leito, e coa tam bem pr é cisa am que mente numa imagem no me sm o si ti o onde ho pje de mad ru gada os mochos me mos t r aram e q ue com en to nest v id deo, e q ue é t am bem o lu g ar onda vi a primeira ima ge mna no it e a se gui irao t remo mor de te rr ano do chile, ou seja qaund por la vivia, e sendo ainda que o sonho, ainda nem esta transcrito, aquele que tive ao escrever doq ue vi e entendi da imagem do chile, do tremor, mas que remete para a zona do chile bairro em lisboa, como é obvio

pois me cruzei com um casal cujo pai trazia o filho as cavalitas, a mão se afastou por um momento com o telefone na mão, como dizendo que era um telefonema, a criança vinha de braço erguido espetado apontando em frente na esquina da capitão pala com a descida da rua do costa, trazia um gorro andino, tipo chileno, e um fio que lhe descia do nariz direito, como me dizendo por soma, coca, e sendo que esta imagem do fio que lhe descia do nariz é também idêntica a estrela que agora me apareceu no ecrã, ou seja uma confirmação da vera ss

p o is mec armadilha, ru ze ei com um ca s al cu jo pai t ra z io fil ho as c ava lit as, a mao se a f as to u por um mo men to com o tele fon e n a mao, c omo di zen do q ue, é era um tele fon ema, a c ria ança es vina hd e br aço e r guido es peta ado ap on t ando em fr en t ema es q u ina da c apit ao pal s com ad do quadrado da espanhola cida, da rua do costa, cruz ra zorro do ia de um gor ro an dino, t ipo chi len o, é um fio qaudrado da ue primerio el he dec ia do na rato do is direito, circulo omo da me di zen do por serpente oma, coca, é serpente en do que ue , é sta desta imagem do fi o quadrado da ue do el, he do quadrado da es cia do na rata e z serpente + e eta am bem id en tica p r ie emi , can tora de mira es t rato dela, quadrado da ue do agora da me da ap da ar ce cu no ecra, o vaso seja uma circulo on fi maçao da ave vera ss

pois uma coisa nessa imagem ao momento senti, que fora preparada, a dos pais com a criança

The Legend of Vera



Only the desperate, and only a fool
Picks up hitchhikers, by day or by night;
This is the wisdom and this is the rule.

One midnight, a stranger, ubuntu-fuelled,
Saw a girl weeping, caught in his headlights.
Only the desperate, and only a fool

can’t see how distress is used as a tool
of seduction: the age-old rescue rite.
This is the wisdom and this is the rule.

Under his hot hands she is strangely cool,
His hero’s reward, his own wife despite:
(Only the desperate, and only a fool.)

Their love sighs ebb as the dark night unspools,
Flesh has been eaten from bones of delight.
This is the wisdom, and this is the rule:

Naked is he (who made love to a ghoul)
in the graveyard, betrayed by the daylight:
only the desperate, and only a fool,
this is the wisdom, and this is the rule.

Gossips laugh as aggrieved cries the stranger:
“How did our bed become this grave I’m in?”
Silence falls. Eyes avert, skirt his anger,
Until one brave man relates Vera’s sin.

“Who can say that they own another’s soul?
Isaac and Vera, the couple divine
Soweto’s fairest, each playing their role.

Isaac, pantechnikon pimp of the road,
Girls and beer drove his wife out of his mind,
Who can say that they own another’s soul?

Lonely, she reached out for someone to hold:
She hosted the handsome, the brave, the kind,
Soweto’s fairest, each playing their role.

Isaac, home early, eyes bulging, brain stalled,
At his soft wife, in passion clandestine.
Who can say that they own another’s soul?

Her blood stained the road, that weary night’s toll:
Her life bore the price of his injured pride.
Soweto’s fairest, each playing their role.

That marriage was a burden to shoulder.
A body is easy, easy to hold.
Who can say that they own another’s soul?
Soweto’s fairest, each playing their role.”

Truth was her name, and truth had been spoken,
Good intentions by lust had been broken.
From now, the stranger vowed, like all spouses,
To keep his kindness inside his trousers.



Top

© Phillippa Yaa de Villiers

From: Taller than buildings

Center for the book, Cape Town 2006

Audio production: LiteraturWERKstatt Berlin 2009

de os terroristas das putas do putedo da nação, sem naco , só osso e sifilis diversa galopante, ontem, ao tentar pela segunda vez enviar as queixas das almas dos filhos roubados a pais, as fotinhas da pagina manhosa dos pedófilos da tal revolução do plano tecnológico e da banda larga de todos os vis actos, me levou de sugestão em sugestão, ate á a casa fernando pessoa, e de lá ate este site onde encontrei este belo poema e muitos outros

de os terroristas das putas dop do putedo da naçao, se maior do naco , só osso e si fil is di ver sa galo pn a te, on te mao t en t ra p el s se gun da ave z en via ar as das q ue ix as das almas dos fil h os ro ub a bad do s a pais, tvi, as fo pt tinhas da pa gina manhosa dos pedo filo s d a t al r evo lu sao es do p l a n o p tec no lo gi co é a da banda larga, de todos os vis actos, me l evo vaso de su g es tao em s u g es tao, a teá a casa fe rn ado pessoa, e de lá a te este s it e onda en c on t rei este b elo poe ema e mu it os sd deo de outros

se bem que nova demais assim pareceu a este foll meio cego dos olhos, para se aquecer nos braços do bravo e do herói, a rapariga que descia a infante santo, de madrugada aqui recentemente evocada, e o escutado pelo espírito da obrigação dos passos dela, o efeito nao deixa de ser muito próximo

se b em q ue en nova de ema mais as si maior par c eu a este fo ll me io c ego, psi, do s ol h os, para se a q u ser nós br aços do br avo e do he roi, a ra ap pr riga q ue d es cia a infante santo, de mad ru gada a qui rec en te mn te e v o c ad a, é o es cu t ad dop o p elo es pi rito da ob rig açao es dos passos, os loucos, dela, o efe it o n º cao de ix a de ser mu it o pro roc c imo




http://lyrikline.org/index.php?id=162&L=1&author=py00&show=Poems&poemId=5932&cHash=f19c9fc911