terça-feira, março 23, 2010

breve interludio a minha amada, serias tu, a visita

ah doce senhora de meu coração

porque não aportas te ainda em meus braços
porque não fizeste ainda ninho em meus lábios
porque não durmo eu entre teu peito
porque não me deito e levanto com teu sorriso

ah serias tu senhora minha amada
fulvos os reflexos em teus cabelos
a saia como uma coroa em tuas pernas

ali estavas sentada sorrindo de mansinho
os porquinhos institucionais ladroes de filhos alheios
que se dizem culturais e agentes de cultura
liam poeminhas,

ah inquietação , inquietação de coisa nenhuma
só mesmo de aportar em ti e assim estar de mansinho como um gato lambendo

te te te

depois em dia seguida,escuto pelo espírito do vento, diz-me que me queres e eu chego, ah amada, terás porventura duvida de como te amo

porque não acreditas amada, que assim nas vezes me fazem ouvir, para parecer que és tu, e assim nos confundirem o encontro, chega amada, por ti e decidida, bates a porta, e eu abro a eternidade por ti, como a rosa que és

só os tolos não sabem que a poesia não precisa de dias próprios, mas fica bem como chá e caridade de quem não tem neurónios, nem livre é

ah doc es serpente da en hora de me eva vaso cora raçao, por qaudrado da ue n º cao ap portas cds, tea primeira inda em me us br aços es por q ue noa fi ze zorro de este a inda nin ho em me us l ab bio spor pt q ue nº cao d ur mo eu en t re t eu pe it o, por q ue n cao me de i to e l eva anto com t eu sor rato iso a h se ria s t u s en hora min h a am ad afu l vaso do os , os rato do efe leo ox do x em te us cab elo sa s ia c omo uma coroa em t ua s per n as al i est ava s s en t ad a sor indo de man sin ho os porquinhos in s titu cio na si kapa dos ladroes de fil h s o al he io s, q ue se di ze mc cu lu t arais se a g en t es se cu l tura, l iam poe emi min h as a h in q u it taçao, inq u ie eta taçao de c o isa n en h uma s ó me sm mode ap o rta ar em ti e as si maior es star de man sin ho c omo um gato lam b en do t e tete d ep o is em dia se gui id,es cu top elo es pi roto do ove v en to, di z do traço inglesa mec ue da me q ue rata es e eu c homem  ego, a ham ad a, te ra s por v en t ur rta d uv id ad e c omo te amo por quadrado da ue en cao ac red dita s am ad a, q ue as si mna~s v e ze es me f az em o uv i rato rp para pa recer q ue es t vaso, e as si maior nós co bn fun di remo encontro, ch e g a am ad a, por ti e dec id dida, ba a tap o ray, e eu ab ro a e te r ni dade por ti, c omo a rosa q ue é es serpente s ó os t olo sn cao s ab em q ue a poe s ia  n cao pre c isa de dias, psd pro rop rio s,m as f ica b em c omo cha e ca ri rid id dade de que em n cao te maior neuronios, ne ml ivre é

apanhados pelos reflexos

assim escutara pelo espirito, assim se desvela a chave da relaçao entre as tres velas por cima da cabela de joe biden,na foto da capa do jornal publico de hoje , e as tres que apareceram no meu ecra na imagem que publiquei

as si maior me es cu dt da tara p elo es pi rito, as si maior da se d es vela primeira da chave da relaçao, do tribunal, en t re as t rastos es velas por c ima da cab ab dela, de joe bi id dd en,na f oto da ac capa do jo rn al do publico de home do oje , e às tres q ue ap ar e ce ram no me onda ava vaso e circulo rana imagem q ue pub lic quadrado ue ei

http://ourosobreazul.blogspot.com/2010/03/continua_21.html

que simbolizou a queda das torres, o da dp do cruz do sete

circulo do ps top da ue do lic da pub, é o da agência de pub francesa, responsável pelas eleições dos socialistas, já aqui abordado há muito tempo atrás, o rato top do ps,

assim começa esse texto

o estranho sonho do cha da piramide e um sincronismo

e caiu a caneta uni ball prata vermelha depois de publicar o post anterior, e o bico aponta o cartao de metro no chao, visivel num dos ultimos video e ainda em seu seguimento, o x do delta dos bastoes do grupo espírito santo, banco

e ca  e ua can te au uni ni b all p ata rta vermelha de posi de pub lic aro post a ante rato do iro, é circulo do bico ap da ponta do circulo do car rta tao, o de metro no cha o, v isi vaso el nu maior do s ul t imo s v id deo +e a inda em s eu se gui men to, o x do delta dos ba stop es do g rupo es p ei it o santo, banco



na verdade onte pela noite tinha tomado um cha lipton de limao das piramides, e tive um estranho sonho, que em, forma sincretica me disse, do electrico do vinte e oito, ser alguem ali da zona do cjile e de arroios, uma cena dentro dele, com um que trazia uma faca e que ameaçara um casal de africanos e acabara estendido, depois ainda outra tentatvia, parecia mesmo s sinopse da serie do jack bauer, era o eléctrico vinte e oito, sem o ser,

na ave verde rda dade on te p ela no it e tina home tom ado um cha l ip pt do ton del ima mao das piramides, e t iv e um e ts rato do anho sonho, q ue em, fr roma oma sin c r etic a me di s se, do electrico, codo do vinte e oito, se rato ps al g ue mali da zon ad o c ji da ile e  dd ed ar roi os, uma c en ad en t ro dele, com um q ue t ra z ia uma faca e q ue am e aça ra um ca s al de a fr ican s oe ca bara es t en dido, d ep o is a inda outra t en tat tv via, pa reci me sm os sin o pse da se rie do j ac k bao ue rato ps, e ra do circulo do eletrico vinte,  e o it o, s emo ser,

depois me apareciam os sete jardins de aguas suspensos de telheiras, onde uma noite, aqui recentemente evocada, em parte, ouvi o som do instrumento de sopro australiano,  e hoje a tempestade tinha soprado em perth

ep o is me ap ar e cia am os sete do jardins, bcp,  de aguas s us pen s os de tele hi das iras, onda uma ano da noite, 2005, a qui rec en te maior net we eve o c ad a, em p arte, o uv io s om do in s t rum w e n to de s o pro australiano,  e ho pje a te me ps t ade da tinha s o prado em per rt cruz homem

andava la com uma rapariga a tentar passar entre pequenos  parapeitos de casas , as paginas tantas a rapariga saltara e os sapatos , se enterravam entre as tabuas, fiquei espantado a olhar para aquilo, depois levantei-as para  os buscar, e dei com uma inteira sapataria,  aparecia uma professora assim tipo yoga, como uma das raparigas arquetipas recentemente evocadas,

ana ad do quadrado da ava de la com uma ra pa riga a t en t ra p ass ar en t re p e q u en os  para p ei t os de c asas , as pa gim as t antas a ra ap riga sala tara e os sapatos pt, se en te rr ava vam am en t rea s t abu as, fic q ue ei es p ana td o a ol home da ar para a q u ilo, d ep o is l eva van t ei do traço ingles as para l he os bu sc ar, e d ei com uma int e ira sapa pata ria,  a ap rec ia uma pro f es sora as si maior t ipo y o g ac omo uma das rapa par rig do gas arque ti o p a s rec en te maior net e vo c ad as,

uma outra aparecia com o monte de venus aparado em perfeito rectangulo negro vertical como eu nunca vira, parecia uma barrinha do velo de jason em perfeito negro, depois a coisa se complicava, armadilhas de redes de bombistas, e exércitos de espectros, tipo zombies, que aguardavam aos urros, dentro de baias,  que alguem lhes espetasse uma faca pois os libertaria assim pelo mundo, ou seja matando a morte, vida a eles se dava, depoi de novo o eléctrico na zona da baixa, com alguem a representar uma revoluçao do tempo da republica, que me lembrou a imagem do peça de teatro no técnico, agora evocada nas visoes sobre aqueles locias, e ainda o maizum, que representou algo mas no metro

uma outra a ap rec ia com do circulo do monte de eve venus ap ar ado em per rf e it o rec tan gulo negro ver tic al c omo eu n unc a v ira, par e cia uma bar rinha do ove do velo de jason em per rf e it one negro, d ep  ois a co isa se c o mp pil c ava, ara am di das ilhas de red es de b om bi sta se e x e rf c it os de es p c t ros, t ipo z om bi es, q ue a guarda ava vam a os urros, q ue al g ue ml home es es peta asse uma f aca p o is os liber tar ia ss em p elo mundo, o u  seja mata ando a am morte orte, v id a a deles se d ava, d ep oi de en vo o eletric na zoan da ba ixa, com al g u ema r ep r es net ra uma r evo lu sao es do te mp poda rep pub l cia, q ue me lem br o ua ima ge maior do p eça de tetaro no tec nic, agora evo c ada dana s v iso es s ob rea daqueles lo cia se a inda o mai z um, q ue r ep rese es en to ual gom as no metro

a cruz nas costas, o reverso dos amantes


circulo ub lic circulo 23 bar do ra do segundo em dez
ad ds se gas cruz circulo do vaso quadrado ua ase se can tora mi prim mr rio dos milhoes de euro s com  vera na funçao publica, fun da sao espanhola publica, pub lic primeira


http://jornal.publico.pt/noticia/23-03-2010/clinton-poe-em-causa--empenho-israelita-no-processo-de-paz-19045658.htm

a foto da capa do publico de hoje, a imagem de joe biden e obama, a imagem mostra o tacão do sapato, o bico de god da vaca, representado na cadeira visível na foto,  aip ac, assim diz outras linha da hillary, a mão

a f oto da ac da capa do pub lic code hõme oje, a ima mage ge maior do joe b id quadrado en e ob am a, a ima ge maio mo st ra o circulo do t aca do tacao do sa pt o, o bic code god da ava vaca, r ep pr re en  t ado na cade ira vaso is v ie el na f oto,  aip ac, as si maior di zorro de outras da linha da hi ll ar delta, pr ie mr ia mao

a cruz nas costas dos dois, é o reverso da imagem que me acompanha e recentemente aqui publicada, um original da leonor praça, que não posso agora linkar pois o blue tooth, deixou de novo de funcionar, alguém assim de novo o estragou, rodam as pedras no v iso r a do no k i a procura do device, com um tamanho como a tempestade em perth, na australia, depois da de aqui comentada, dos cabelos e das extensões,

ac ru zorro  na s c ota sd os dois, é o r eve psi iso soda ima mage ge maior q ue da me ac om p anha he rec en te mn te a qui pub lic ad a um,  o rig gina ina al da leo no rp pr  rata aça es, q ue nº cao p do osso do agora li mk da ar p o is o b l ue t oo t homem hd d ei xo u de n ov de fun cio n ar, al g ue maior massi em de n ov o est rago u, rt o da sm as das pedras a por rc do cura do devi ice, com um tam na ho c omo da primeira da tempestade, te mp es sat td e em per t h, na australia, de posi sida dea a do qui aqui co men t ad a, dos cab ab dos elos seda s ex t en s oe es,

está minha imagem agora em cima de cd s  master c l ip segundo julio do pereira, ps, m forte do bar do ra le mp e gato segunda coluna, es c rever circulo do sol , da teresa do torga, coimbra ps, da nortada, vento sobre  a pitis, o bn boreas,  cd rato do az cabo to do audio vazio, de um rapper com bone andino,  la t ina do traço da europa, ce acento eu da ac boca, pa gina s quadrado do segundo da prime ria do stand 88,. cruz f oto serpentes, v id deio poe si as mp e gatp sete bar do ra do quadra sd o  sean penn ,  circulo c homem ave eta do as sas sin io de richard nix o n

 a lua estava em três quartos decrescente, e foi rasgada pela cintura tendo assim se separado os outrora amantes

 al primeira lua est ava em t ratos es quartos dec r es cente en tee fo do oi da ira do ra sg gada p el primeira ac da cintura, c int tura, tendo as em se se epa ard o os o vaso da c ru x zorro  do rato da hora aman t es 

savitri e o coraçao rachado da cidade da maça, queda das torres


continua...


a imagem abaixo publicada, me diz

primeira ima mage ge maior ema ab aixo pub lic cd a me di zorro

três sementes, três veias de sangue, como imagem do dinheiro como sangue, e do sopro que se juntando no coraçao de ny, o coração financeiro, rachou a maça ao meio,

t ratos es e men net serpente das tres veias de sangue, c omo ima mage ge maior do s o pro roque da se ue, se jun t ando no cor sao espanhola de ny, cora raçao es fina anc e iro, r ac ho ua mna aça espanhola cao me io,

a imagem id, e savitri

savitri, rim, declinou agora mesmo em sivitri, ou seja, serpente ivi si vaso it tri, do terceiro ou das tres sementes, ao passar agora na porta ,meu corpo me acrescentou, angulo co oto velo , ou seja, jason rhodes, agora tocou o telemovel, que estava selecionado nas fotos, abri e vi a primeira com a referencia, triplo circulo , cruz rip dez do principe da cif, o da confederaçao industrial portuguesa, ao fundo contra o ceu azul c roma, a figura das torres, no suporte de pratos ingleses, feito pelo richard

s av it rai, rim, dec lino vaso agora do mesmo , em s ivi t rio vaso use seja, ser pn te ivi si vaso it tri, do t e rc e iro o vaso das tres sementes, e me ene es cao p ass ar agora ran do porta,cds, me eu cop pro rome , ac rec en to vaso do angulo co do oto do ove do velo, o vaso use seja, j as om r ho ode do quadrado espanhol do agora toc o u o tele emo ove el dos telemoveis, , q ue estav sele cio n ad na s f oto s, ab rie via prime ia com a fr e f ren cia, t rip polo circulo , c ru zorro rip dez do pr i n ipe da cif, o da c on feder raçao indu s t ria al portuguesa, cao f un do c on t ra o c eu az u primeiro dc circulo de roma, a figo ur ra das t oo ratas es, no s up orte de p rta s in g l es es, feito, p elo ric hd da ar

as veias, correspondem a imagens feitas por som em superficies liquidas visiveis num dos video da serie de pequenos clips do you tube, um dos quais aqui linkei recentemente, onde se via a relaçao entre energia e materia, entre som e alteraçoes na materia considerada mais solida, ou mais densa

as das veias, redes, cor r ep onde ema ima ge ns feitas por s om em super rf fi cie es lic ue id as v isi v ei s nu maior dos v id deo da se rie digital, de pe q u en o cv lip ip do y o u tube, um dos q u is a qui l ink ei rec en te mn te, onda da se da via da relaçao en t re energia e mate da ria, en t re s om e al te raçoes es na mate ria c on s ie r ad dama ma si sol id ida priemria, cao u ma si d en sa

ness é vaso id deo se da eve em si mb lo, a ima ge maior das hordas dos espectros, q ue se le ban tar ram am no mundo, nu ma per sp e c t iva fr rac ac t al, o use seja a d es muti ip lic do caçao da mesma, figu da onda do ur do ra em es cala serpentes es, di s t int as, o use seja ima ge da horda q ue se mp rese ela bn t ani ñi do io mundo qua ando a h ar moni a se torn a d ema si ado de sar moni oni ca, a ar aza o, os flu xo fia anc e iro

é isto mais uma porva do que sempre a todos relembro, sem se resolver esta questao de vez, amanha teremos e novo uma crise semelhante que sera sempre pior pelo que a todos já expliquei do mecanismo

é is toma masi, it, uma por vaso do ado q ue eu se mp rea primeira de todos , rato lem bro, rose se maio da se r es solver e sta q ue s ato de eve zorro am manha teresa remo se en ov uma c rise se ml homem ante q ue se ra se mp re pi o rp da p do elo q ue primeira de todos j á e x p lic ue id o meca can ni sm circulo

no ultimo decomentario que aqui linkei sobre a investigaçao da queda das torre, é feita prova dos movimentos financeiros e dos seguros que foram feitos a boca da queda, provando assim o envolvimento desta componente e tambem obviamente quem por detras o fez, é isto tambem uma versao do dinheiro da sabotagem para a matança e lançamento do projecto de nova ordem, por quem a operou, e isto é passivel de levar a muito claras identificaçoes, que existem já, pois em seis meses alguns foram presos
no u t l imo dec deco mu en tar rio do io quadrado do eu a qui l ink ei s ob rea in v es tiga ac sao es da queda das torre, é f ei t a por v ad os m ov ie mn t os fina ac e iros rose dos seguros, q ue da forma f ei it os sa da boca da queda, por v ba vso n do as simo en volv e men to d eta co mp om nete e eta tam am tambem ob via am , a que mente, q ue maior do por det rta s o fez, é s it tota t am tambem, uma ver sao do din he ero da sabotagem, para da primeira da matança, é lan ç am e bn to do por ject, o de nova ordem , por q ue ema o pero ue ei st o é p ass ive el de l eva vara ps, primeira am mu it o clara seprente id en ti fic caçoes es, q ue e x i ws te maior j á, p o is em se is mes es al gum ns foram pt, presos

nesta mesma vela, da noite onde isto tudo perante meu olhar e minha consciencia se desvelou, tres outras informaçoes na ordem que se apresenta apareceram, e explicam ainda melhor esta questao da desarmonia dos fluxos financeiros e permitem tirar uma especie de regra universal, que é tambem, o ponto que nunca se deve ultrapassar,

nest me sm primeira ave da vela, da do ano da noite, 2005, onda is to tudo pe ran te me vaso o l homem da ar e, min home da primeira co ns cie en cia se d es velo lou, t ratos es p o u t rain for maçoes na o rem q ue ap ree ram, é x p l cia am a inda mel hor e sta da questao da de sar mini do moni ad do os flu uz do xo na fia n da cie do ero da rose, ps, per mit em tir ira do rato, ps, uma es pe cie, é regra a da universal, q ue é eta tam am tambem, do circulo do ponto q ue nu unc ase sed eve u l t ra p ass da ar,

primeiro dei com o filme cujo titulo é, adenda do sinais do tempo, ou seja, a parte segunda do filme que um dia aqui a todos linkei. e que muito tambem aconselho, se bem que só tenha visto ainda talvez os primeiro vinte minutos, pois é uma boa explicaçao sobre o dinheiro e os problemas dele e consequentemente as necessidade de regulamentacao comum nestas materias

prime iro dei com do circulo do filme , cu jo tito vaso dez, é ad en dado sin as l dos te mp os, o u sj e a ap da p da arte se gun dado do filme, q ue um dia a qui ie primeira dea de todos l ink ei. é q ue mu it o tota tam am tambem ac on sel ho, se b em q ue s ó ten h a v is to a inda t alvez os prime iro vinte minu t os,p o is é uma boa, e x p lic caçao s ob reo dinheiro e os por rb l ema serpentes dele, é co nse u q nete maior, rn net do às das necessidades, ne c ess sida dade es, de reg gula men tacao com um nest as mate ria serpentes

parei o visionamento, num preciso ponto que é um grafico, um grafico, onde se ve um cruzamento entre dois vectores, que definem um x, uma marca, e que acontece no tempo na altura das queda das torres

pa rei do io do v iso na onda do men to, nu maior pre do ciso ponto, q ue é um g raf fi do cao, um grafico, onda da se eve um c ru uza em ti en t red o is vaso, é circulo da cruz do toes, botas do top tor es, q ue de fine maior do primerio om do x, uma mar rca, é qaudrado do segundo da ue do ac on tec e en no te mp on za l tura das queda das torres

se explica ate esse ponto, os processos inflacionados, criados atraves do credito, e da consequncia da depreciaçao que existe na moeda corrente, visto que ese mesmo credito, se tal se pudesse chamar em propriedade, se monta no dinheiro circulante e portanto o deprecia, até chegr ao ponto onde os vectores , aumento de credito emitido, e a depreciaçao da moeda corrente, se cruzam, e pum

se e x xo primeiro da cia te es se o pn to, os por rc esso in fla ac cio n ado s, c ria sado s at rav es do c red dito, e da o nse q un cia da d ep pre cia ac sao es q ue e x it en a am moeda ante o rio, vi s to q ue es é me sm o c red dito, se t al se p u de esse c h a am mr em pro rop p rie dade, se da monta ano do no d fi bn he do ero quadrado c irc cu l na te tee, e é porta orta anto de pre cia, a té che gato ra o ponto onda do os v e c toe es , au mem n to dec c red diot it o emi it id o, é d ep rec ia sao es da moe dc r ren te, se c ru uza z am, é pum, p do um


quando vi o grafico, a minha consciencia me disse, ora aqui esta a prova

q un do vi o grafico, a min h a co ns cie en cia me di s se, o rac do qui e sta ap por vaso da primeira pro da ova

depois dei com o tais video do belo rapaz que comentei em vieo e que explica as teorias da materia, da energia e da luz com um belo titulo, como criar um universo, onde as pagina tantas, licçao segunda parte, salvo ero, ele mostra uma descoberta que fez em relaçao a semelhança das ondas harmonicas e sub harmonicas, com um outro grafico de data proveniente de um estudo de factores economicos que tera feito em setenta e sete, ou seja inda a id do duplo deus financeiro,

do quadrado da ep do circulo lodo is dei, com do circulo tais, br, ava vaso id deo do ob elo ra p az quadrado da ue com en cruz ei em vi ie é circulo do iro, é quadrad da ue, é x p primeiro cia as teo ria sd a dama mate ria, da ene gato da ria e da uz da luz, com um mb segundo do elo tito da ova do vaso de dez circulo omo dc circulo da ria rum univer serpente circulo, onda deas as pa gina stant sa, lic sao espanhola da seda gun da p arte, serpente alvo ero dele, mo s t ra uma ad quadrado espanhol co be rat quadrado ue fez em tribunal da relaçao, a seme primerio homem ança es das ondas do homem da ar moni ca se ss es serpente ub homen ar maio do oni c as, com de um outro grafico de dt a por vaso da eni en te de um est vaso da ode f ac tor espanhol, é cono mico serpente quadrado do vaso da teresa ra, feito, em sete en t a e sete, circulo da uva , durao, do vaso do seja inda da primeira id do duplo deus, o financeiro,


home tt tp dos dois circulos do duplo , bra d ra da rede, delta circulo do vaso do tube, com bar do ra do a at c homem da fo ice vao vaso e g ual homem p principe kapa delta zorro zp, delta circulo ft e n rato prio

ou seja em suma, existe uma explicaçao com base no conhecimento cientifico ou teorico sobre a similariedade de comportamento transversal entre materia e energia, que se aplica a todo na vida, pois é raiz comum

o use seja we maior da s uma, e x it e uma e x p l cia ac sao es com base, seno c on he cie mn to ce int ti fio circulo do vaso do teorico, s ob rea si mila rie dade de c om por rat men to t ra sn ver s al en t re mate ria, é ene rato gi a, q ue se pal ica primeira todo dn dona v id a, p o is é rai zorro com um

num dos graficos que ele apresenta assim em suma li, o sessenta e nove da vespera do natal, tsunami, quim ze do segundo 666, quadrado do medico segundo, do vinte e quatro, o medico há cinco anos serpente do onze , meses, ou seja novembro de dois mil e quatro, setenta e dois, sete segundo, 26, 33 , terceiro nono do terceiro do bar do ra do nono do cento e quarenta e quatro, o numero da matricula do corpo diplomatico, que depois me apareceu nessa manha ao caminhar

nu mp rime iro dos sg raf fi do cos q ue dele, ap rese en t a as si maior em s uma li, o s ess en t a e n ove da ave do vaso da espanhola pera do natal, ts ua n mi, quim ze do se gun do 666, quadrado do medico se gun dodo do vinte e quatro , me dic o h á c inc o ano ss serpente do onze , me s es, o vaso do seja no v em br ode do is mi ile lee da quatro, setenta e dois, sete segundo, 26, 33 , terceiro nono t rec e iro do bar do ra do nono do cento e quarenta e quatro, on um mer do ero da mat riu c la do corp o d ip loma tc io, q ue d ep o is me ap ar e c eu ness a am manhado cao ca da min homem da ar

o terceiro dado, foi o que obtive por corrrelaçao algaritma, de navgaçao quando busquei a chave digitakl e data que me aparcera no desenho que a todos mostrei feito antes do tremor de terra no chile, onde algumas desta mesmas consideraçoes se explanam

o terceiro do dado, fo io q ue ob t ive por cor rr dela , do ac sao es alga rato it made dena n av g aç sao es qua ando bu s q ue ia c h ave di gita ak l , é data, empresa, q ue me ap ar cera no d es en ho q ue primeira de todos, mo st rei , feito, ant es do t remor mor do tremor de terra no chile, onda al gum as de sta das mesmas, co ns id der raçoes es se e x p l anam

digitei no motor e busca 11 01 10

di gite ei no mo oto rato ps e bu sc a 11 01 10

http://wiki.answers.com/Q/Convert_binary_number_110110_to_decimal

e obtive

Convert binary number 110110 to decimal?

E ac h di git fr om t he rig h t deno not t es a power o f 2, be gin nin g w it h 20. S o, t he number indica cat ted, 11 01 10, is 25 cruz 24, cruz 22 , cruz 21, o rato 54. T hi isis da agencia just l ike o ur norma al base 10, dez, sys te maior, w her e t he fi r s td di git is 100, t he w en t he "tens" di git is 101, ande t c.

e ainda em

http://wiki.answers.com/Q/What_does_110110_translate_to

dude inter ro g ac sao es da se do rio us do ly foice , fo ice, e s circulo la am maçao de ny, if fit bina ary t he en it is 54. He x ad dec ima l it is 111 43 de 84. octal it is 3 69 39. de pen ds w hat base y o u c on s id der it. y o u can t ak e any b ase y o u w ant.

de sivitri, o big da ad rea am sonho, psi, delta dos sonhos, do cesar park hotel



de sivitri


o big da dream, y dreams, big dream piper, pi pi per, estoril, penha longa, cesar park hotels, mino fla serpente homem azores, o peter mendelson, circulo do 303 top mg m6 da volta gomos De,

o do circulo do big da dream, delta d rea am ms, big d rea maior mp do piper, ra angulo primerio delta, pi pi per, estoril, penha longa, o do cesar park hotels, mino fla serpente homem azores, o peter mendelson, circulo do 303 top mg m6 da volta gomos De,

o do ruby crime, circulo da rie do emo do circulo do lido lodo , o do home do olo do casuto, alvaro de cam am mp os, o maestro, o do holocausto

e depois dei com outra peça , que se liga a uma imagem que encontrara antes por navegação, a que aqui publico, e que se liga à navegação que me levou as teorias de maxwell, das la ws o f el del ll do leque da cruz rato, e city, and mag net is me da am li gt homem do dam, que por sua vez explica e confirma uma das facetas na desarmonia global do mundo que levou a queda das torres e da relação com os financeiros por detrás

e d ep o is dei com outra p eça , q ue se da liga a uma, mai ima mage maior do quadrado da ue en c on tara ant es por navega ac sao es, primeria q ue a qui pub l cio, é q ue se da liga a ana navega ave da sao es q ue me l evo u as teo ria sd e ema do maxwell, maximo do wedo once, das la ws o fel del le circulo cc da cruz re city, and mag net is me da am li gt homem do dam, q ue por s ua ave ze x p lic a, é c on firma uma das f ac e t sa ana de sar moni ia da primeira do jornal global, gato l ova do bal da al, do mundo q ue l evo ua da pr ie mr ia da queda das torres, é a da relaçao com os financeiros por det ra serpente

continua...
a ultima parte desta visão na mesma madrugada, e que se relaciona com a quedas das torres, é muito simples de explicar os passos, porventura um bocado mais difícil para alguns de acreditar, contudo a meu espírito se afiguram como verdade

au l da cruz do ima par ed rede , é sta da vi isa sao da visao, revista, na me sm primeria am mad ru gada, é q ue se r dela ac cio na com da primeira das quedas das torres, é mu it o si mp l es de e s x p lic aros serpentes dos passos, por v en t y ur a um bo cado, br, ma si di fic l para al gun sd e ac red di it ra, c on tudo a m eu es p ei rt tto to ze , universal, a figu ur rt tam c omo ove verde dade

depois temos ainda a chave do dinheiro usado para a sabotagem, vinda do filme o assassínio de nixon, que existe em diversos planos e locais distintos, mas sendo que muito desvela e confirma, que o grupo da sabotagem é um mesmo como sempre a todos afirmei desde que o espírito isso me desvelou em dois mil e seis

d ep o is t emo sa inda primeira da chave do dinheiro usado, usa sado para da primeira da s ab boat tage ge maior, vaso da inda do fil meo circulo do assassínio , ass sas ss sin ni nid id dc co circulo do io, de ni x on, quadrado da ue e x ie cruz em di ver s os p la sn os se loca si di s tintas, masse s en n dó doque da ue da mu it o d es vela e c on forma, q ue o g rupo da s ab bota do rio , porto, ge mé um em ms o c omo se mp rea primeira de todos, a fi rato mei, rata desde madeira q ue o es pe it io iss circulo lodo onze, med es velo lou em do is mi dali ilhe le es se is

volto ainda ao que a sequência das imagens que ao serem copiadas desvelaram no ecrã a estrutura das torres, inteiras e depois quebrada, me disse pelas que me fizeram na leitura ao momento sentido

v o l to a inda cao q ue primeira sec ue en cia da s ima ge ns q ue cao se rem co pi ad as d es vela lara ram ni do ecra, primeria est ru tura das tor ratas es, ine ira e d ep o is q ue br ad dame am me da di iss serpente da se p el as q ue me fi ze ram na lei it tura cao mo men to s en t id o


imagem da primeira do setenta e cinco, sete da estrela, a do porto, do bello, bar do ra do segundo do guido da markel, e de outros, segunda da primeir ase ase pr rn te vinte e nove, se pr do duplo vaso te bailarina segunda de trinta e nove, senhora do br do cerne do peito desnudado, da quarta cena de vídeo, assim escrevera , a quarta cena de vídeo, é uma foto de uma conversa , salvo ero a única , na mesa da dimensão, que remete entre outros elementos para a cobra que atravessa e liga o ceu a terra, do príncipe da gb da cornualha, ou seja do corno da alha


ima mage ge maior da prime ira do sete en t a e c inc o, sete da estrela, a do porto, do bello, bar do ra do segundo do g u id o da mark e l, e de outros, se gun da da prime ei rato da se ase pr rn te vinte en ove, se pr do duplo vaso te bailarina se gun dade t rina te en ove, s en hora do br do cerne do p ei it o d es snu dado, da q au ur rta da cena de v id deo, as si maior es c red da era , a q ua rta c en ad e vi deo, é uma f oto de uma c on ver sa , s alvo ero da primeira da revista sat da unica , na mesa, madrid, da dimensao, q ue rem te en t reo de outros elementos, para da primeira cobra quadrado da ue at cruz ravessa, é liga do circulo doc circulo eu da primeria da terra br, do p rin c ipe da dag gb da cornualha, ou seja do corno da alha, a da explosao em londres, assim me fez a do ecra cao ove vera ss as f oto s no al bum pica ass ad ado pe ru

a ima mage ge maior da primeira em noventa e cinco, a da dele, a dos olhos pintados, parecida com a cisne hillary, sines, pela semelhança do edifício, ed di fi do cio da primeira pedra cubica das aguas, kapa cama serpente do vaso da cruz ra Michael parker, primeira esfinge maior de horus e Cleópatra, savitri, sa vitri, as vidro, sado dog dp glass, o sapo, pt, o da cama do leoa, cabo espichel serpente top dp o Barroso, bar rosso, italia, do sw can do t rip dez vinte

a minha imagem a dormir com uma gata pb, a imagem sobre a qual recentemente o pêndulo aqui figurado pela antena, deslizara, como um pêndulo, ou seja o pêndulo que passou por cima e nós a dormir, e que se relaciona com as torres de nova yorque, e do tal passe do peito cravado por um parafuso, vide o ultimo vídeo no leito, a diana da polis do museu circulo elevado da art de indianapolis, do sir richard blake mond , a diana da pol do lis

a m in homem da primeira do ia do iam da mg da ema da dor mir, com de uma gata da ata pb, a ima ge maior serpente do ob da ra quadrado da aul rec en te maior da net do dn, neto, o do pen dulo a qui figu ur cao p el a ant en a, d es liza zara, c omo um pendulo, o vaso use seja do circulo do pendulo q ue p ass o u por rc c ima, é nós da priemria da dor mir, é quadrado dop da ue se r el ac cio no aco naco coc om ás das torres de nova yorque, é do t al p ass e sed o p ei t o c rav ado por um para raf fuso us circulo , v id é onda do circulo do ultimo video nó do leito

a foto de ted kennedy, kee en quadrado do delta, a teresa do ted, dez ase is e primerio nono, o nono do acidente de carro, que espelha o que tive no geres, aqui narrado

he homa as do fo da un segundo gai vaso ota is way ana he gai vaso ota as be do sun, tmn cruz serpente vaso mi ile le, he s mi deles, at eve rato delta pone one

he is a ar re nota, s emi cantora, co primeiro da cheia, da dag gular, gato vaso ãnguk do lar, priemrio da ar, fat her da teresa, do time, bush comes circulo duplo vaso st rato ong da grid lock doze setembro do 88, londres stand, grecia harpa, dois coraçoes entrancado como um pentagrama do world tour, m mu cento e onze,

mm mix, s mar do tie es do exercito, mi ix, leo w ar co he eh tupolev irao primeiro e sgundo, vaso cruz radiaçao, ad kim zo do bacco, alcantara e a puta do que se diz poeta do ps, kpa e ts em primrio delta, veleiro ds os dos dois da guine, da vera brasileira,

w clhild segunda do ~miguel sete circulo forte do 66, ste do nota do anzol, ce rt cruz circulo, maior delta guardina, my guardian, bea, aba srpente ua ar e cruz circulo ru le ana gui ine gide amen aman,

sivitri, brando, encontro dos magicos, onze dos illuminator, e ll da lu mina do tor, sivitri, o dragao, da sivitri scar, o do cento e quarente e quatro do traço do sam da barra nag king, mad ad da al angulo asa lasa, asa circulo rn do rato ps do not do fo do ice pan do quadrado da serpente ava br se is cruz hoemm ren

e depois a confirmaçao porque no dia seguinte a esta leitura, quando de manha cedo descia a alcantara, ali exactamente na esquina da descida da rua do costa, estava a passar um carro do corpo diplomatico cuja matricula a letras vermelhas trazia este mesmo numero, cento e quarenta e quatro,

e d ep o isa primera ac c on fi rato maçao por quadrado do vaso no dia seguinte, rtp, primeira desta lei tura, qua ando De manha, circulo ed dó do quadrado da espanhola cia primeria dea de alcantara, al da lie do ie, x aca cata em n te na es quadrado do vaso dao do ina, a da d es cida da rua do s ota do costa, es tva a p ass ar um car rodo do corp do circulo di ip loma tico cu j am at ricula, italia, priemria das le t ra serpente das vermelhas, t rai iza de este mesmo numero, c en t oe qua sd da onda da renta, é quatro, tvi

contudo durante a noite ainda, outros aspectos se desvelaram, que mais precisam esta id

continua...

belen, e os pedofilos da puta do mexia, ed dp


continua...
tres, ou quatro comentarios sobre aspectos abordados nas partes anteriores deste texto e sendo que como disse, outras informaçoes complementares sobre esta sequencia existem, e foram outrora aqui publicada, 

t r es, o u q u t ro co ome men tar iso s ob re as pe ct os ab o r do sn as p art es ante rio rato es deste e t x t oe s en doque eu do c omo di s seo deo de outras in fom mr sao es co mp l ene net ra s ob re e sta sec u en cia e xis te e fo do oi de outrora qui pub lic ad a, 

na foto do telefones, se lei, grupo dos pedófilos, gravação , 1, 2, 3, quadrado, e se ve a faca vermelha que esta por cima da pedra cúbica das aguas e do semi arcos das laminas, ou do sopro, mais uma vez relacionado com abusos infantis, como processo operativo, ou seja dos telefones do mexia
na f oto do tele fon do io do one es, se da lei, g rupo dos pedo fil s o, g rav aç sao es , i, 1, 2, 3, quadrado, é se eve primeira faca ave vermelha, q ue desta por rc ima da pedra cubica, ad as aguas é do s emi arco madrid, sd as la lam am minas, o vasp do s o pro, mais, fr, uma ave es r el ac cio na do com ab bus os in fan t is, c omo pre c s es s o opera rat t ivo

o aspecto da foto da modelo da revista que se reflecte na cas dos pidwell em Sines, é sobretudo da parte arredondada da gare, ou seja o mesmo desenho visível num dos vídeo sobre o al berto aqui publicados, onde por detrás dele na sala se vê o mesmo semi arco, esse vídeo onde ele le um dos seus poemas, é muito simbólico em relação a esta linha desta historia

o as pe c to da f oto da mode elo da r e v ista q ue se ref fro mula one l we ct en a ca sd os p id well em sines, é s ob br e t vaso do circulo da pa orte e r red don dada dag are, o vaso do seja do circulo do mesmo , mode d es en ho v isi v el nu maior dos v id deo s ob reo al berto a qui pub lic a sd o, onda p + o rato ps e t ra serpente dele, na sala, rr, se eve o do mesmo, s emi arco, ess e v id deo onda dele le um dos seus poe ema sé mu it o si mb o lic o em relaçao, primeira é sta lina hd desta hi s toira da ira


pois se ve ele a ser envolvido e tragado pelo mar, a casa vai abanando suavemente, e o som mistura o mar, a agua, e uma vespa, ou seja, a vespa que mordeu as aguas do mar, o ferrao, ou seja a espada das aguas 

pp oi os se eve dele, fel le lea primeira ser en volv id o e t rag a o dp elo mar, a c asa havai ab ban anan do s da ua da ave que mente, é os do om do mi serpente da tura do circulo do mar, a agua, é uma ava do vaso espanhol do pao da ova do vaso do seja da primeira ave do vaso da vespa, vaso da es spa q ue mo pr de eu as das aguas do mar, o ferrao, o use seja a es ap dada s aguas

a imagem da lua de relva, me diz ainda, o delta terceiro da pedra da lua da relva, ou seja dos put, ou seja, sexo

primeira ima mage maior da al lua der el vaso da primeira am me di za inda, circul do delta terceiro da ped ra da lua d ar el vao vaso do seja dos put, ou seja se x co

ac ru armadilha zorro da se es stabe le cena gara mar it ima de al can tara, porta anto uma cruz ant ti g a , t alvez em noventa e cc ino nume eve vento de demo da moda, nu am festa, sed dn no q ue ata al n cão d es sd da dita de uma outra no te mp circulo lobo da pode de sta s d es sg g ratas aças serpenets espanholas

ac ruz se estabelece na gara maritima de alcantara, portanto uma cruz antiga , talvez em noventa e ccino nume vento de moda, nuam festa, sedno que atal não desdita uma outra no tempo destas desgraças

a estaçao porta tambem um nome simbolico, belem, ou seja israel

a est aca do caco espanhol do porta, cds, p o rta t am tambem, um no me si mb o lic coa de belem, o use seja is ra el

uma outra sub linha da ,ase, sequenecia das fotos como elas aparecem organizadas no blog, me diz da bp da edp, museu de electricidade, a sombra de um homem, o tal ux dos boys, da carina da ami, que pelos telefones, tipo uma imagem invertida do 2001, ou 2010, como um moeda de oiro no espaço que sai dos telefones rosa, e cai dentro do vaso do arco vermelho da faca vermelha sobre as aguas da pedra cubica, 1,2,3, abusos, e dai parte um bombardeiro japonez que parece bombardear a nicole, ou é pensado por ela, um amor, entre um casal, kamasutra e erotismo, a rapariga do erotismo , blog, outra rapariga do grupo do alberto, ve a imgem mundi da pedra cubica que rachou um aviao do sonho de cleopatra e de horus, assim a esfinge das deusas observa e lança o colibri depois de beijar o sapao camaleao, sobre o sonho de savitri e da mulher que o ama, savitri como um homem de mascara, ou seja cego, ou velado,


uma outra serpente ub da lina do homem da me di zorro da bp da, é a da dp, muse ue es dee le c t ric cd a, e, primeira s om br ad e um home, o t al ux dos bois , delta serpente, da ca rina da ami, q eu p el os tele fon one es, t ipo uma mai ima mage ge min vaso eri rid id co circulo do 2001, ou 20 10, maconico de dezembro, ibe da onda vaso rei id o, vc omo um moe dade deo o it o, o it o noe es paço q ue sa id os telefones rosa cortada, co prat td a, e ca id d en t rodo do ovo do vaso do arco vermelho da faca verme dela , h a s ob rea s aguas dp pedra cubica, 1,2,3, ab bus os, e da ip da p arte de um b om bar de iro j ap one zorro q u we pa rece b om bar dea ra nicole, o vaso é pen sado por dele, um amo mor, en re um ca s al, kama s it ra, e ero t is mo, a ra ps riga do ero roi it imo , b l ço es g, outra ra ap rig do g rupo do al berto, ve primeira i mge ma sio do mundi da dida da pedra cu da bica q ue rac ho ue um avia, do circulo dd do sonho de cleo pat r oe e do ed horus, as sima es fing e das deusas usa s ob ss rata v al lanca anca do circulo do coli vaso br id d ep o is de bei j aro sapa pao da cama al leoa, s ob reo don s on hoome da ode s a v it rie da dam mu ler q e o ama de savitri, c omo um home de mascara, o vaso use seja c ego, o uve lada dao,


a puta do mexia, edp, me apareceu aos olhos numa capa de um jornal de fim de semana, como um expressao, misto de culpa e arrependimento a dizer na aparencia que tinha sido uma ma decisao acabar com os premios fiananceiros nas empresas publicas, cca, escandolosos premios a atender a situaçao de uma imensa maioria, acrescento eu , pedra cubica, remete tambem para o parlamento da nova zelandia, ou australia, onde agora ao lado a terra de novo tremeu, fidji


primeira puta do mex ia, e dp, me a ap rece cv vaso a os ol hi os numa da capa de um jornal, é fi maior de se mana, c omo um e x press sao, mi st ode dec da culpa e ar r ep en dim en to primeira di ze rata na ap ar rec cn ia q ue da tinha s id o uam ma dec isa sao aca bar com os pr emi iso dos fianaceiros, fia anc we iros nas em presas pub l cias , es ca cn dolo ossos, pr emi miso iso primeria a t en der, a da primeria siutaçao, é uma im en sa maio ria, ac r es cento eu da pedra cu bica, reme te t am tambem para do circulo do parlamento da dop ano da nova, fac, ze lan dia, o u astra u lia, onda agora aol ado primeira da t re rr da terra, primeira de n ovo t rem ue, fi id dj gi


volto a primeira imagem aqui publicada desta sequencia no dia 21 , domingo ultimo, a imagem da estrutura outrara inteira, quebrada em dois pedaços que se reflectira no monitor, pois nessa imagem para alemn do já descrito, se ve as tres sementes como um delta deitado no ceu, feitos por tres brilhos, sendo que um está na parte alta das torres, como dizendo que um deles, era das torres, ny, ou de uma firma ali relacionada, e que a morta, fora pelo que depois originou, a secreta razao, ou ainda a mola da razao por detras das quedas, e sendo que uma outra recente imagem aqui publicada, de um conjunto de imagens na montra da barata em campo de ourique, de uma rapariga na capa De Um, livro, infantil, reproduz tambem as tres sementes num delta na mesma posiçao, sobre a rapariga, sendo um delas, como uma rosa branca, no coraçao, ou seja, uma dor que nascera no coraçao dessa rapariga que tras uma palhinha como um gancho , um arame, na boca,


vaso o l to a primeira rai ima mage ge am ior do maqui ip da pub k lic ada d este sec un cia no do dia 21, odo sol iva si olivais, do min g o ul t imo, a iam mg ge maior da es t ru rata ra de outra inte rato da ira, rac quebrada, em do is ped aços es q ue se r el f e ct ira no moni tor, p o is ness a ia mg em para al lem n dó j á d es c rito, se eve mas tres sementes c omo um delta deli t ad on o s eu, feitos, por t r es br ilho s, s en do q u um e stá na p arte al t ad as torres, c omo di z en d fo q ue um deles, e ra das torres, ny, o u de uma fi r maali r el ac cio n ada, é a q ue da primeira morta, for ap elo q ue d ep o is o rig gin u o, a secreta ra cao, o ua inda a am mol , a da r aza cao por det ra sd as das quedas, e sed dn no q ue uma o u t ra rec en te ima ge maqui pub l ci ad, de um c on jun t ode ima ge ns na mon t ra da barata em campo de ourique, de uma ra pa rig h ana capa De Um, ar e v isa sat, l iv ro, in fan til, r ep pro d uz tam e bn as das tres sementes, e men t es nu maior delta da me es sam posi sic sao es, s ob rea ra p riga, s en do um delas, c omo uma rosa br anca, no cora raçao, o u seja, uma dor q ue na sc era no cora raçao d essa ra p riga q ue t ra s uma pala in h ac omo um gan cho na boca,


outro elementos visiveis no ecra, sao quatro, tvi, folders, sendo que por cima da casa do pidwel um deles faz uma cruz, uma cruz real se atendermos a que o alberto foi outrora morto, por duas chavenas de cha, ou venenos, de dois grupos de cha, que com ele no meio desenham tambem um triangulo isosceles, e um outro folder elevado ao nivel das torres, ou seja, um financeiro, que parece ser de onde caem as duas sementes
outro rop el em en t os v isi v ei is no do ecra, sao q u t ro fo l der ss en do que eu por rc c ima da c asa do p id wel, um del es f az uma c rua az, uma ce ru zorro do real se at en der mosa q ue o al berto fo do oi deo outrora morto, por du as cha ave en sade cha, ou v en e nós de do is sg g rupos de cha, quadrado do vas com dele, no me io d e s en ham am tambem, um t ria ang gulo iso s c el es, e um outro fo l der el eva ad o vao cao n iv el das torres, o vaso do seja, um fina ac e iro, q eu ap rece ser de onda caes es às duas semen net ts


curioso ser ter colocado ao escrever maisculas precisamente sobre, de um, dinamarca, a primeira da dinamarca, que é ainda um fio só em parte abordado desde a visita aos reis quando da recepçao do premio nobel, relacionado com um passe tambem aqui, e o relançamento da guerra no afagnistao, e sendo que dinamarca remete aqui em pt tambem para o miguel sousa tavares, e que no tocante a dinamarca, me diz a imagem da sombra de uma princeza loira branca, desde o tempo em que vivi em bruxelas,

c ur rio do io sop, ser teresa rc c olo cado br cao es c reve rato ps psi s am ami s uvu l as pr es isa sam am que mente s ob bb br rede, um dina n rao vc a, o prime ria da dina am mr rca, q ue é a inda um fi os o em p rte ab bora do de sd e a v isi da sita a os reis qua ando da rec ep sao es do pr emi do io do nobel, r el ac cio n ado com uma ap ps se da eta tam am tambem a qui, é o r e lan cça ex em n to dag guerra no a fag gm ni s tao, e s en doque ue da dinamarca reme te a qui em pt t am tambem para o mig ue k l do sousa tavares, é q ue no t aca can te a dina marca, me di zorro da ia mg e made ria da s om br ad, é uma pric e za loi ira br anca, de sd deo te mp oo, em q ue v iv ie em br ux delas,


dou conta agora, pelas sete da manha desta terça feira que as quatro ultimas imagens, onde estava a sequencia com a foto do pc, foram apagadas dento do folder, ou seja remotamente alguem o fez, fotos feitas neste dia cinco do corrente, fez, circulo da puta ali do largo do trinta e um da armada, assim parece se desvelar, ou seja um dos grupos que aqui entram em casa


do vasp da conta a g o rta, pel sas do sete dd da dama do dam da am manha, de sta te rc e f ei iraque que as das quatro, q ue t ro u l t ima sima mage ge en ns, onda estav primeira sec e un cia com da primeira f oto top do pc, foram pt, primeira curz a gadas dent o do fo l der, o vaso do seja r ema mat am nete al g u emo do circulo de fez, f oto s f ei it as nest, é dia c inc cod do corrente, torrrent, fez, c irc ulo da puta al id dol l argo do t rina teresa, um da ar rama da mad a, as si maior pa rece se d es v el da ar, o vaso seja um dos sg g rupo serpenets q ue a qui en t ram em casa

continua...


a festa em belen da pedra cubica no mar, a bela kidman e kama sutra



































imagens em relaçao à queda das torres

as outras imagens que a volta me fizeram leitura foram, a primeira, de setenta e cinco de porto bello, londres, imagens o vídeo, sendo que durante a tarde, num estranho e complexo sonho, a data era de oitenta e tres ou por aí, depois uma outra foto desse cimeira em italia, com o guido e a markel e outros, uma senhora que na altura uma semelhança me despertou, segunda a se pr rn da te do vinte nove se do pr do w da te bailarina, dois tres nove, da senhora de br cerne do peito desnudado, e quarta cena de um vídeo meu, assim crismado,

as de outras ia iam mg ge en ns q ue primeira da volta que me fizeram , fi zer am ram , lei it tura do foram pt, a prime ira de ste en t a e cio n code port do bello, l on d rato es ima mage ge en ns do circullo do v id deo, s en doque eu do duran , a te da priemira cruz arde, nu maior est rata do anho, é co mp lex o s on ho, primeira da data, empresa, e ra deo circulo da it en ta, é cruz ratos espanhois do circulo da up por raí, d ep o is uma outra f ot de esse seda ci me ira em italia, circulo do omo guido, é primeira da mar kapa el e de outros, uma s en hora q ue na al tura uma seme l h ança es me d es per rt o u, , se gun da ase pr n te vinte nove se do pr do w da te ba ila da rina, do is t r es n ove, das s en h ro ad e br cerne do pe it o d es snu dado, é qua rta c en ad, é um v id deo me uva onda vaso , as si maior mc circulo rato do is mado,

imagem cento e noventa e cinco, a tal imagem que de repente ao ve-la , logo vi a relação com belen, pois o edifício da gare branca que se encontra nessa foto espelhado em reflexo no vidro do mupi com essa capa, se assemelha a uma perspectiva do edifício que se desenhou quando a estrutura se partiu, e o desenhou na base, ou seja sobre a barra azul, pagina 24/35, reparo agora, onde estou, do windows, in nic circulo si da ar, como se estivesse de alguma forma meio mergulhado, como que afundado sobre as aguas, em correlação com uma barra vertical no lado direito da imagem, esquerda real, do monitor nec mul ti sinc, delta de nc, n círculos, que ficou simbolizada na imagem aqui publicada em parte deste texto anterior , com a cor amarela, ou seja, representa a imagem em seu todos, uma queda, e um angulo feito entre quem é reflectido na estação de belem, e a montante do prumo amarelo vertical que marginara outrora a estrutura inteira

em mg c en to e n ov en a tec cio n coa primeira da t al ima mage ge maior quadrado da ue de r ep en teao ove do traço ingles gel dela , l ogo vi da primeira da relaçao, rat el sao es com de bes lan, p o iso e di do fio da garra br anca quadrado da ue da se es c on t ran ane, essa da foto, es p el h ado em ref for mula one do lex xo no v id deo rato do m up do pi com essa da capa, ca spa, se as seme l home da primeira da a uma, per s pe c t iva do eidi fi do cio quadrado da ue da se d es en ho do vaso q un ad do circulo da primeira da est ru tura, se p art ti vaso do ue do circulo de dez x n ho un da primeria base, o vaso do seja so pb br rea bar ra da primeria da onda az uk kapa da primeira da pa gina do 24 do bra do ra do vinte e cinco, dia a seguir ao natal, tsunmai, 35, r epa aro do agora, do one es to vaso, do w indo ws, in nic circulo si da ar, circulo do omo se est iv esse de al guam forma me io meg vaso primeiro ho homem ado, circulo omo a fun dado s ob rea sa serpentes das aguas, em cor do tribunal da relaçao, com uma do bar ra v eri ti cal no l ado di rita da ima mage ge m, es eu ur rata rda real, do moni it do tor do nec da mul ti sinc, delta de nc, n circulos, quadrado da ue fi co un da primeira imagem da primeria do qui aqui do ip da p ub kicada em p arte det ser tex to ante rato do ior , com da primeira da cor am mar dela, o vaso do seja r ep pr es neta a ima mage ge maior em serpenets eu, todos, uma queda, e uma ang gula, feito, en t rec q ue mé r efe fel c t ido dn dona es taçao de bel lem, é primeira monta ante do p ru rum do meo am mer lo ove vertical quadrado da ue mar gina ra de outrora, primeira da est ru tura int delta eira

a imagem 195 foi aqui outrora publicada na sequência dessas fotos dessa manha em belen, recapitulando em breve, a rapariga de olhos pintados nessa capa de revista no mupi, como esta que recentemente aqui esteve pelo pormenor dos olhos, é também a mesma ou semelhante a um outra que aparecera uma manha cedo aqui com o rapazinho e outra rapariga assim meia guarda costas, aqui recentemente evocada, a imagem da casa reflectida no vidro da foto ,estabeleceu na minha consciência, a relação com a estrutura do wire frame quebrada, e de certa forma, esta imagem é também uma imagem mundi, espelhado no céu e na terra, ou no mar, o mar onde nessa sequência, no rio fotografei a grande pedra cúbica que por la esta, a gare remete ainda pela arquitectura para a casa dos pidwell em sines,

a ima mage ge am maior de 1 95 fo oi onze a q ue ei o u t ro ra pub l cida na sec w ue en cia dessa f oto s ess primeira da manha em e bel len en, rec apit pita ual ln dó em br eve, primeria ra p riga de o l ho s pin t ad os ness a da capa de rec cv da vita ano do no do mu pi, co pm circulo desta, qaudrado da ue rec en te maior net a qui es teve, é eta tam am tambem, a me sm mao u se ml homem ante a um , de outra, q ue ap ar e cer sa uma da manha cedo aqui com do circul lodo do rapazinho, e rata primeria dea de outra rapariga as si maior me ia guarda costas, a qui rec en te mn te evo c da onda ad a, a ima mage ge maior da casa rato efe fel c t id a no v id der ero da f ot, es stab e le ceu na min home da primira co ns cie en cia, primeira da relaçao com da primeira da es t ru tura do w ire fr am e quebrada, e dec ce rta forma, nest a ima ge maior dela, é eta tam am tambem uma ima ge maior do mun di, es p l h ado no c eu e n a t terra,br, o un circulo do mar, o mar onda ness primeria sec u en cia, no do rio, fo ti io g raf e ia a g rande da pedra cubica qui ie por la é sta, a garra reme te a inda p el a arqui it tec tora para da primeria da ca sd os pid well em sin ine es,

esta rapartiga estabelece ainda um semelhanca com a bela hillary que por aqui passou no tal evento das sete maravilhas do mundo, e assim se deduz um primeiro laço de id, relativa a america, e a brando por extensao, pois savitri, de certa forma me remeteu para brando

é sta ra p art tiga es stabe le ce a inda um se ml homem anca com da pr ie me da ira do ab à bela hillary q ue por qa onze p ass o un do circulo do tal evento das sete maravilhas do mundo, é as si maior se ded zorro do vaso de um primeiro laço de id, r el at iva a am mer cia, é a primeira da brando por extensao , cabelos da brand, pub, p o is sa vitri, dec ce rta forma m we reme te vaso do up do para do brando, tambem brand circulo, largo do calvario, duplo sentido esta palavra aqui, largo em alcantara, discotecas e calvario de calvario

a primeira imagem dessa sequncia, ou melhor aqruivada na mesm su b pasta desvelou tambem um pormenor e uma relaçao qu mais se desnvolveu ness nesma vela, onde tudo isto se desvelou perante minha consciencia,

a prime ira rai ima mage maior dessa da sec un cia, o um el hor a qui rui iva dana me sm s u b da bp da pasta, it, d es velo lou t am tambem um por men o rato, é uma da relaçao, quadrado do vaso mais, fr, se d es sn volve eu ness ne sm ave da vela, onda dea tudo is to ze d es velo vaso pe ran te min home da primeria ac c on sc ie en cia,

a imagem de savitri, do michael parker, a da esfinge, esfinge, com asa, das mulheres e deuas, deusa do matt, que beija o sapo camaleao, e horus e cleopatra, que reflecte em seus cabelos uma imagem aqui recentemnte evocada em relaçao ao tremor de terra na turquia, e tambem espelho de duas raparigas, a tal das calças negras arabes e a marta leite pela forma dos cabelos, como crinas de belas, eguas, cleo no leito sonhando ao espelho vendo horus sobre ele velando no sonho,

a ima mage ge maior de sa v it rid id co circul do mic h a el p ar kapa e r, a da es sg g ine e fing e, com da asa das mul her e e de ua s, de usa do matt, q ue bei j a do circulo do sapo , net, cm al leao, é hor ruse c leo pat ra, q ue r efe fel c te em se us cab elo s uma ima ge maqui rec en te mn te evo c ad a em relaçao, cao t rem tremor ode terra na turquia, e eta tam am tambem es p el ho dedo do vaso do ás das ra ap riga asa sa t al das c al ç es as negras arabes, é primeria marta do leite, c leo no do leito s on h ando ao es p el ho ove v en do hor us s ob reel dele vela lan ando no do sonho, psi

ou seja se constelam aqui, duas mulheres em figuras, em desenhos, a esfinge que observa o voo do seu colibri, que personifica o papel da esfinge, cleopatra e ainda uma outra ocultada que beija savitri, uma fulva, como uma outra real, rea primeira, que tambem aqui se encontra nesta sequencia junto ao rio, a kidman, numa foto semelhante como espelho, imago mundi, a da rapariga da capa

o use seja se c on stela qui du as mul her es em figu ra s, em d es en ho sa es finge q ue ob ser vao v oo do s eu coli br e, q ue pero sn if ica cao pap el da es fu in n ge, cleo pat ra, é a inda um fo da outra ocultada, q ue b ei j asa vitri, uma fu l v ac omo uma o ur rt r ar dela, q ue rta eta tam am tambem qa u ise en c on t ra nest a sec un cia jun to c vao rio, a ki id do man, numa f oto seme l h ante c omo es p el ho, em mag o mundi, a da ra ap riga da capa

e temos ainda tres nomes de outras tres raparigas reais, a tal que poderia ser do erasmus e consequentemente turca, ou nao, a marta leite, e a tal modelo da capa de revista no mupi recentemente convocadas em linhas recentes, e a modelo que se desmultiplica ainda na hillary, e dois homens, horus e o rapaz que beija a kidman no tempo da guerra

é t y emo sa primeria inda t ratos es no me sd , é outra serpente das tres ra ap rig do gas rea is, a t al q ue pode der ria ser do we rasmus, é co nse sec q u en te mn te t ur rca, o vaso un da noa, é primeria marta leite, é a t al mode elo da capa der e vita no da mu ip do pi rec en te mn te c on vo c ad as em linhas re en t es q ue se d es muti ip p lica a inda na hi ll ar y, é do is dos homens horus, é o ra p az q ue b ei j a ak id man not e mp poda dag da guerra

na ordem fora de ordem em que se paresnatm na pasta, savitri e uma rapariga se beijam, a esfinge envia o colibri,a horus que protege o sonho de cleo, que sonho com horus,

na ordem for, ad ,e, ordem, em quadrado da ue se par es na tm, cruz maior, na pasta, it, s av it rie ie de uma rapariga gase da se bei j am, primeria es finge en via da onda da inveja, em veja, br, circulo do coli br ia da primeira do hor us q ue pro tege do circulo do sonho de c leo, q ue s on ho c om hor ru us

um airelon de asas com um buraco, como um hidroviao, ou barracuda, ou catalina, tubarao, uma laje partida e marcada, uma gaivota em cima da pedra cubica nas aguas, a rapariga com os olhos pintados, como personagem de ridley scott, que fala de sexo, e teste do gel dos orgasmos, erotismo e kamasutra fio plast ia da nicole do bombardeiro, do se mi arco, como iman das telefones, do dois mil e dez odisseia no espaço, do aro colocado no falo da amarra no cais amarelo com um anel azul, carina da ami, vaso dos boys, 56, do quadro do circulo de sessenta, do traço ingles do ux coa das marcas e reflexos nas pedras do tanque dos petroleos das danças do da edp, uam borboleta castanha caida no meio dos trevos, da sombra do braço das palmeiras, da folha cobra verde sobre delta de folha violeta com dois traços, do ferry das bancos da estaçao de chao pb, quatro dedos numa semi lua verde e branca, a sombra do mesmo homem , uma fiesta de oitenta hp, onde savitri e a ruiva se abraçaram,

um aire prik da ira elo n de asas com um b ur rc cao, c omo um hi id ov via ia o, o u barracuda,dat vaso do barao, uma da laje, azores, p art ida e marcada, uma gai v ota em c ima da pedra cu sd ub da bica na sa das aguas, a ra pa riga com os ol h os pin t ad os, c omo per s on a ge maior de rio r id dele e delta do scott, q ue da fla, de sexo, e t este do g e k dos o r gas mo s, ero ti sm oe kama sutra fi do io da plast da ia da nicole do b om bad eiro, do s emi do arco, es, c omo iman da ser rp pn t es dos tele fon one es, do do is mi le dez , o da odisseia no does paco es ap çod, o do aro da roca c olo cado no do falo da am rr ra ano ca si am mar mr elo com um a nl e az u l, ca rina da ami, vaso dos boys, 56, do quadra, o do circulo des es e en te do t ar ç o in g l es do ux coa das marcas e r efe fel xos nas pedras do t anq ue dos per t ole s os das danças, o do da edo dp , uam boro b l eta cas t ana home da caida no mi é circulo dos trevos, das s om br ad o br aço es das palmeiras, da folha da cobra verde s ob rede delta de fo l h a v viol eta com do is t ra sç os do ferry das ban cio s da es taçao dec cha o pb, q au t ro dd os nu ma s emi lua ave r e b r anca, a s om bar do me sm o homem , uma fiesta deo it en t a hp, onda s av it rie da ruiva se ab br aça es ram,

as vitri, declina em ainda em sa do vitri, às dos vidros, ou seja tambem relacionado com os passes nos vidros aqui em casa e certamente nao só, pois uma especialidade é sempre um especialidade e portanto plausivel de ser aplicada transistemicamente, e sendo que trago eu no Livro da Vida, dados sobre os vidros aqui em casa, e de passes que neles e atraves deles fizeram

as vitri, dec l ina ema inda, ema sd dó v it ria as dos vidros, o vaso do seja tam e b mr dela ac cio n ado do cm do os dos passes no v id rosa saqui primeira do qui aqui em c ase seda casa, ce rta em n te nº cao serpente do circulo ó, p o is uma es pe cia li dade é sm pre um es pe ci lia dade, é porta anto top p l au s iv el de ser ap lic ad dt cruz ra sn sis t emi mica cam am que mente, e s en doque ue t rago eu no L iv roda david primeria, dados s ob re os vidros a do qui em casa, é de p ass es q ue nel es se t ar vaso es deles fi ze ram

continua...