sábado, abril 10, 2010

Oiço vos dizer, eu sou a lenda, bem senhora, se lendas há muitas nem tantas sao a da vida de um homem, oiço-vos isto dizer, e me recordo de ostande, se assim for, trarás contigo meia chave que me mostraras

oiço vos dizer, senhora amada, que meus sonhos sao doces, como se os escutasses ao pertinho, ou como se estivessemos os dois a sonhar um mesmo, oiço te isto dizer, e realizo, que os sonhos foram na verdade doces, pela tua presença, como sempre, assim é o amor

te digo amada, chega te mais ainda, emc can , encaixa teu corpo no meu, eu te abarço e te adormeço, roma meco co es, depois do mar, em doces sonhos

te digo amada, chega nua e clara como és, sem subterfugio, que o tempo dos veus é sempre, mr ep, um tempo perigoso ao amor

oiço te dizer de abismo em variantes quase, q use, infinitas, das matizes das dores e das marcas, e te digo sempre o que te digo, diz-me em voz , em tua voz mesmo que seja baixinho e de mansinho como um segredo a meus ouvidos, que eu te cuidarei, que de outra forma nao quero eu navegar, nave gra, nessas aguas que serao tuas ou de muitos e assim te procurando nelas me enredar, pelas dores que penso serem tuas, e que se calhar, c la h ar, nem bem o sao

oico te falar de santos e de pecadores, e oico te ainda me dizeres que cada vez que partes mais proxima de mim chegas, te digo deverias, d eve ira s, entao partir as vezes que te fossem necessarias para chegares realmente ,

oico te perguntar como deves agir para me dizer que és minha amada, dizendo-me querido, pelos teus labios entreabertos, que neles bebo, bebe, teu amor, falei-te da rosas e das aguas e das negaçoes, mas sabes senhora, a visao foi muito mais profunda do que as palavras, como se ambos estivessemos sentado nos degraus , asu, de um portal, com uma doce figura que de cima nos olhasse como se nos averiguasse, e ate crinaças, c rin ç es as, como testemunhas nela apareceram

ontem de madrugada, quase ao adormecer, ouvi como tres pancadas na porta, como se fosses tu a chegar, antes quando voltei a casa, uns pedacinhos parecido com cotton branco, ali estavam ao pe dela, e me fiquei a perguntar o que era aquilo e donde teria vindo e se alguem ali os pusera, depois percebi que eram da minha manta da menina verde da borboleta da pa do moinho holandez, e como a manta por ali nao foi sozinha passear, alguem ali as tera, ps oto pm circulo, posto, respondeu-se agora, como sempre , depois de as limpar um delas, estva nas, cc, calças da donna karen, ou seja relacionado ainda com ny
ao procurador do tribunal penal criminal internacional, em haia, gabinete do procurador de evidencias

ao tribunal penal criminal internacional, como mais uma vez se prova destas linhas, se tratar na realidade de crimes do ambito deste tribunal, pois assumem caracteristicas de guerra civil, a diferença é nos tipos de armas, não se usa tanto balas nem bombas nem avioes, mas creio que tal ausencia do espectaculo da matança classica, nao será nunca razao para que o tribunal, continue a negar a abertura de um processo crime

ao procurador do tribunal penal criminal internacional, em haia, gabinete do procurador de evidencias


ao tribunal penal criminal internacional, como mais uma vez se prova destas linhas, se trata na realidade de crimes do ambito deste tribunal, pois assumem caracteristicas de guerra civil, a diferença é nos tipo de armas, não se usa tanto balas nem bombas nem avioes, mas creio que tal ausencia do espectaculo da matança classica, nao será nunca razao para que o tribunal, continue a negar a abertura de um processo crime
continuaçao, terceira parte

algarve

al grave, g rave ave

me recorda esta leitura, um perfume, a uma saia enfunada pelo espirito do vento do amor, em verao recente ao passar por tres raparigas que se encontravam num final de tarde à porta de um bar da praia de salema, e me ter na altura perguntado se seriam do grupo riverdale, pois pelos algarves andavam, assim rezavam os cartazes, uma beleza sentido que assim naquele momento se exprimira, como nas vezes acontece

me rec o rda eta lei it tura, um perfume, kim, a uma s aia en fun ad a p elo es pi rito do ove vento en to do am mr, me eve ero verao re c en teao p ass ar por t ratos das es raparigas, quadrado da ue da se en c on t r ava vam nu maior fina al de t arde à porta, cds, de um do bar da pari, primeira de s al ema, e me teresa na al tura per gun t ado se se ria am do g rupo river d al e, p o is p elo s al g ar vaso asa sao es anda ava vam am, as si m r e za ava cm cv vam am os cara rata e ze es, uma bel e zorro s en t id o q ue as si mna naquele moe mn to ze, universal, e x pr emi mir ira, rac circulo omo na serpente v e z es do acontece, porgrama cultura teve


um vaso da serpente que agora se manifestara por cima da mesa negra apoiada nas ancas femeninas, doze raparigas, um vaso da serpente , um perfume, s us kin, da serpente americana da kim

um do vaso da serpente , se rp pn te q ue do agora da se man ani if est ara por rc c ima da dam am da mesa, madrid, negra ap oi ad ad dn as das ancas femeninas, do ze das raparigas, um do vaso da serpente , um per rf um me, s us kin, da ser p ene net am ericana da kim
ontem ao isto, ver , cumulativamente, com a linha recente aqui abordada da imagem da kim kardisnhina e dd as linhas volta dela, que remetem tambem para africa do sul, assim a soma indica ser entao esta kim k ar dia sm maior da africa do sul, ss,

on te mao is to, ove rato ti io do rc cu mula t iva vam am que mente, com da primeira da linha rec en te a primeira do qui aqui, ab o rda dada bordada, da ima ge maior da kim k ardi di sn home ina e dd ás das linhas v o l t ad dela, quadrado da ue reme te maior da cruz tam am tambem para de africa do sul, as sima primeira s oma indica , ser en tao e sta da kim kapa da ar do dia sm maior da fr rai aica do sul, ss,


mal infligido mas que mal infligido, junta outra linha, popis aparecera na mesa os venenos, os virus, a que o filme , eu sou a lenda, parece dar corpo, como o discurso da rapariga sobre esfoliaçao, a raapriga filha da jane fonda, e pele de laranja, es fo lia sao, espanhola
maior mal al in fl i gid o ma masque quadrado da eu ema do aml da al in fl i gid o, jun t a de outra da linha, pop is ap ar e cera na mesa, madrid, os v ene en os, os vi rusa ru usa, quadrado da ue do circulol do filme , eu s o ua al en da, pa rece do quadrado da ar corp circulo, circulo do omo do circulo lobo do di s circulo curs do urso, da rapariga s ob re es fo lia ac sao, a ra ap rig a fil homem da ad da primeira da jane fonda, é ep dele, de laranja, es fo lia sao, espanhola


pois uma linha desse filme a outro filme ainda se ligava, a tal barata, antiga, um dinaussario, para declinar em assassino, em massa, e em dezembro


p o is uma da lina hd esse fil me primeira de outro fi ile do file maior da ma a inda se liga ava, a t al ba rata, an ti g a, um dina usa rio, para dec l ina rem ass a sin o, sino, cascais, loja maconica, em massa, e em dezembro
virus, vaso onda i rus


a cobaia num momento de recuperaçao do virus pelo chamado antidoto, é semelhante a uma outra personagem, um avatar, uma realidade virtual, uma mascara virtual, uma representaçao de identidade escondida, a face oculta, como o proprio nome indica, num planeta distantes que se calha chamar de pandora, onde se trava uma guerra entre os que lutam por salvar o palneta e qurem os filhos ecuros, e os que querem pilhra os recursos , e para isso, mesmo os escravizar, tudo metafora extraordinaria dos ultimos tempos do mundo criada por um realizador americano que em tempos aqui entrou camerom,


primeira ac cao ob do baia, fcp, nu primeiro mo men t ode der rec cup pera da raçao do vi rus p elo cha mado ant id oto, é seme la home nt te da a uma de outra persona ge maior de um ava tar. Uma rea l id ad e vi rt tua ual, uma mascara vi rt tua al, uma r ep pre es en taçao de id en t id ade es conde dida, primeira face oculta, circulo do omo do circulo do pro da rop da p rio no me indica, nu maior p lan ane eta di stan t es q ue se ca ham am de pandora, onda da se t rava , uma da guerra en t re os qaudrado da ue lu tam am por s al v aro pal n eta e q ur rem os fil h os e curo rose os quadrado da ue, quadrado da ue rem pi l home da ra os re curos rose para iss o, me sm o os es car v iza ar tudo met a for, a e x t ra dion aria do s ul tim imo os te mp ps, o do mundo c ria ad a do por, um do rea al iza ad da dor am erica cano quadrado da ue em te mp os saqui primeira do li aqui, en t ro vaso came rom


à volta do filme leio ainda o nme de anna, protagonizada por ana maria de beja, anna, a actriz, o home do circulo do mega , richard mit son the lost man on earth, the one sm, the one sua majestade, o omem de sua majestade,


à vaso circulo onze primeiro rol da crruz primeira do fi do lem le io a inda o nme de anna, porto toga ani iza oni za ad a por ana maria de beja, anna, a ac t rato izo circulo do home do c ir cu do lodo do mega , richard mit son t he lo st man on e art h, t he one sm, t he one s ua majestade, o omem de s ua majestade,


ontem ao isto ler pela vela, se acrecentou a seguinte linha sintectica, eu sou a lenda, avatar primeiro or e , nin, a paula da valentim de carvalho, imagens a expo, aqui narradas, a paula dos meu filme, os contos da lua, contos da lua de mel, de fel, do casamento dos contrarios, ou a paula que desliza nos sonhos, avatar da primeira do circulodo primeiro or e, nemsimnemnao, ne ms mne arao judia, a kenda judia, , que se chama de pandora, he do breu, da noite, serpente do virus do paulo, ou seja de mim mesmo , assim parece se concluir este capitulo


on te ema mao is to da ler , rp p dela ave da vela, se ac rec en to ua da primeira se gui inte da linha sin tec tica, e vaso us s o ua al lenda, ava da tar rp do primeiro or e , nin, a paula da ava da valentim de carvalho, ima mage ge ns sa da primeira da expo, a do qui na rr ad asa primeira da paula do os me vaso do filme os contos da lua, contos da al ua da lua de mel, de efe fel, do ca sam en to dos c on t ra rio serpente teo circulo do vaso da de paulo, igreja, ne c es sida ad dade es, q ue d es liza nós dos sonhos, ava tar da primeira do c irc vaso do lodo do primeiro or e, nemsimnemnao, ne ms mne mna man do arao judia, a k en da jud ia, , qaudrado da ue se da chama de pandora, he do breu, da noite, ser pen te do ov virus ru serpente do paulo, o vaso seja, de mim me sm circulo , as si maior pa rece da se c on c lui rato de este capitulo, circulo lop apit vaso dez primeiro do circulo


antonhy, ze rb do às matias , o h e s t on, charle s ton , sa pata tea ado, mu sica , meninas de lisboa, monica, riverdale, primeira cruz do est ur, a dga da ne da da tranquilidade, mar da lua, o cabo do vasso tapado invertido em fatima no ceu, visivel na foto do dn no dia da visita dos tais pais da maddie ao santuario de fatima, o que parece ser a capa deste caso, a kate morgan do crocodilo australiano, circulo do homem do mega, omega, set 77 , e duplo deus seth
avatar rop do per dop t5 xvi, id max speed feed twiter do gato assanhado do jogo do loft, la ft, loft, a torre, da pandora nazi, do oto de 93, 18 rda dna panzer do beijo do grupo 66 , kapa,
o instigador da raiva colectiva,


circulo do instigador, in s tiga gado da ad da dor cole circulo da cruz iva, circulo ole, espanha,
no filme se fala de um virus criado para acabar com o cancro, que provoca uma raiva colectiva que transforma os seres humanos em vampiros nós aqui na pior das possibilidades teremos antes, virus em mutaçao acelerada


no fil me da se sef do fala, de um vi ru s c ria ado para aca ab bar com do circulo do cancro, can circulo do roque, quadrado da ue pro do ovo ca de uma raiva colectiva, ra rai iva cole circulo da cruz do iva, quadrado da ue t ra sn da forma os seres h um ano serpente em vam mp dos piros, espanhois, barcelona, dos nós saqui da primeria do qui aqui , ina pi o rato da s p os sibil bil id ad es tee teresa remos ant es, vi ru s em mu taçao ac dele rata da ad da primeira


as letras recentes anteriores, tinham feito aflorar ainda outros venenos, e outras doenças de natureza contagiante, como as doenças sempre no fundo sao, contagiantes, uma parte que mal funciona faz outras mal funcionar, cono todo na vida


às das letras rec en t es ante rio rato es, tinha ham da manha, feito, a flor ar a inda o u onda t ro serpente dos venenos, e de outras doenças, de na t ur e za c on tagi ante, c omo as doenças sempre, no fun dó sao, c on tagi ant es, uma p arte q ue m al fun cio na f az de outras m al fun cio na ar, cono to dona v id a


sidas , doenças hepaticas transmitidas com preposito, uma rosa ou diversas abusadas, e logo a seguir ao meu ultimo grito em forma escrita, a noticia do aumento da sida em portugal de uma froma geral, e em particular de nov entre os homosexauis, a p+arecer confirmar que um ataque bem defenido , e uma ssinatura que confirma em pior , a ideia que entendera, de que exsitia uma guerra civil encapotada


s id ás das doenças hepaticas t ra n s mit id as com pr ep posi to, uma rosa o vaso di ver sas ab bus usa sadas, e l ogo a se gui ira irao me vaso, u l t imo g rito em forma es circulo da rita, primerio dao ano da noticia, do au men to da sida em portugal de uma fr roma oma ger al, e em p art tic cu do vaso do primeiro rol da ar, de n ov en t re os h omo s e x a u isa p + ar recer confirmar, q ue um ataque b em d efe nid o , é uma ss ina tura q ue c on firma em pi o ra ideia q ue en ten der ad deque do quadrado ue, e x s it ia uma da guerra civil enca capo pot ad da primeira


esse homem é o mesmo do selo antigo, de uma marca antiga, o tal panzer da pandora nazi, herdeiro dos metodos da stassi, relacionado ou a mando de Roma, Roi


esse do homem, é circulo do mesmo, o do s elo antigo, de uma ma rca anti tiga, o t al pan ze rda pan do ra nazi, her de iro dos metodos da stassi, r dela , ac cio n ado o ua primeira do mando de Roma, Roi


e aqui acaba neste momento a trasncriçao deste extracto do quarto capitulo, pois o assunto principal que me levou a transcrever este extracto, fora a verdadeira id da maddie, e desta imensa treta montada, que desvela e prova perante todos, de como as autoriedades se comportam como pulhas e terroristas de estado, e actuam com bandidos para se protegerem e portegerem alguns dos aparelho sdos partidos e do estado


é primeira do qui aqui, aca aba ba neste mo men to a t ra sn cir ºcao d este e x t rac acto, do quarto c apit u lo, p o iso as sun to p rin cip al q ue me l evo ua t ra sn cere eve ver est extracto, for a ver dade da ira id da maddie, é de sta i men sa te rta montada, quadrado da ue ed qaudrado da espanhola da vela da ep do pro da ova per rn cruz da primeira e de todos, dec circulo do omo as au tori e dad es da se do com mp do pro rota rp pt a do tam circulo do omo p vaso delta primerio homem às da onda do sete dos terroristas de estado, es sat td o, e ac tua am co pm bandidos, para sp rote teresa we espanhola sd da ar doge ge do rato da rem da al do gus sn dos aparelho dos partidos e do estado


fim da treceira parte de tres , em sequencia publicadas

continuaçao, terceira parte


algarve


al grave, g rave ave


me recorda esta leitura, um perfume, a uma saia enfunada pelo espirito do vento do amor, em verao recente ao passar por tres raparigas que se encontravam num final de tarde à porta de um bar da praia de salema, e me ter na altura perguntado se seriam do grupo riverdale, pois pelos algarves andavam, assim rezavam os cartazes, uma beleza sentido que assim naquele momento se exprimira, como nas vezes acontece


me rec o rda eta lei it tura, um perfume, kim, a uma s aia en fun ad a p elo es pi rito do ove vento en to do am mr, me eve ero verao re c en teao p ass ar por t ratos das es raparigas, quadrado da ue da se en c on t r ava vam nu maior fina al de t arde à porta, cds, de um do bar da pari, primeira de s al ema, e me teresa na al tura per gun t ado se se ria am do g rupo river d al e, p o is p elo s al g ar vaso asa sao es anda ava vam am, as si m r e za ava cm cv vam am os cara rata e ze es, uma bel e zorro s en t id o q ue as si mna naquele moe mn to ze, universal, e x pr emi mir ira, rac circulo omo na serpente v e z es do acontece, porgrama cultura teve


um vaso da serpente que agora se manifestara por cima da mesa negra apoiada nas ancas femeninas, doze raparigas, um vaso da serpente , um perfume, s us kin, da serpente americana da kim

um do vaso da serpente , se rp pn te q ue do agora da se man ani if est ara por rc c ima da dam am da mesa, madrid, negra ap oi ad ad dn as das ancas femeninas, do ze das raparigas, um do vaso da serpente , um per rf um me, s us kin, da ser p ene net am ericana da kim
ontem ao isto, ver , cumulativamente, com a linha recente aqui abordada da imagem da kim kardisnhina e dd as linhas volta dela, que remetem tambem para africa do sul, assim a soma indica ser entao esta kim k ar dia sm maior da africa do sul, ss,

on te mao is to, ove rato ti io do rc cu mula t iva vam am que mente, com da primeira da linha rec en te a primeira do qui aqui, ab o rda dada bordada, da ima ge maior da kim k ardi di sn home ina e dd ás das linhas v o l t ad dela, quadrado da ue reme te maior da cruz tam am tambem para de africa do sul, as sima primeira s oma indica , ser en tao e sta da kim kapa da ar do dia sm maior da fr rai aica do sul, ss,


mal infligido mas que mal infligido, junta outra linha, popis aparecera na mesa os venenos, os virus, a que o filme , eu sou a lenda, parece dar corpo, como o discurso da rapariga sobre esfoliaçao, a raapriga filha da jane fonda, e pele de laranja, es fo lia sao, espanhola
maior mal al in fl i gid o ma masque quadrado da eu ema do aml da al in fl i gid o, jun t a de outra da linha, pop is ap ar e cera na mesa, madrid, os v ene en os, os vi rusa ru usa, quadrado da ue do circulol do filme , eu s o ua al en da, pa rece do quadrado da ar corp circulo, circulo do omo do circulo lobo do di s circulo curs do urso, da rapariga s ob re es fo lia ac sao, a ra ap rig a fil homem da ad da primeira da jane fonda, é ep dele, de laranja, es fo lia sao, espanhola
pois uma linha desse filme a outro filme ainda se ligava, a tal barata, antiga, um dinaussario, para declinar em assassino, em massa, e em dezembro


p o is uma da lina hd esse fil me primeira de outro fi ile do file maior da ma a inda se liga ava, a t al ba rata, an ti g a, um dina usa rio, para dec l ina rem ass a sin o, sino, cascais, loja maconica, em massa, e em dezembro
virus, vaso onda i rus


a cobaia num momento de recuperaçao do virus pelo chamado antidoto, é semelhante a uma outra personagem, um avatar, uma realidade virtual, uma mascara virtual, uma representaçao de identidade escondida, a face oculta, como o proprio nome indica, num planeta distantes que se calha chamar de pandora, onde se trava uma guerra entre os que lutam por salvar o palneta e qurem os filhos ecuros, e os que querem pilhra os recursos , e para isso, mesmo os escravizar, tudo metafora extraordinaria dos ultimos tempos do mundo criada por um realizador americano que em tempos aqui entrou camerom,


primeira ac cao ob do baia, fcp, nu primeiro mo men t ode der rec cup pera da raçao do vi rus p elo cha mado ant id oto, é seme la home nt te da a uma de outra persona ge maior de um ava tar. Uma rea l id ad e vi rt tua ual, uma mascara vi rt tua al, uma r ep pre es en taçao de id en t id ade es conde dida, primeira face oculta, circulo do omo do circulo do pro da rop da p rio no me indica, nu maior p lan ane eta di stan t es q ue se ca ham am de pandora, onda da se t rava , uma da guerra en t re os qaudrado da ue lu tam am por s al v aro pal n eta e q ur rem os fil h os e curo rose os quadrado da ue, quadrado da ue rem pi l home da ra os re curos rose para iss o, me sm o os es car v iza ar tudo met a for, a e x t ra dion aria do s ul tim imo os te mp ps, o do mundo c ria ad a do por, um do rea al iza ad da dor am erica cano quadrado da ue em te mp os saqui primeira do li aqui, en t ro vaso came rom


à volta do filme leio ainda o nme de anna, protagonizada por ana maria de beja, anna, a actriz, o home do circulo do mega , richard mit son the lost man on earth, the one sm, the one sua majestade, o omem de sua majestade,


à vaso circulo onze primeiro rol da crruz primeira do fi do lem le io a inda o nme de anna, porto toga ani iza oni za ad a por ana maria de beja, anna, a ac t rato izo circulo do home do c ir cu do lodo do mega , richard mit son t he lo st man on e art h, t he one sm, t he one s ua majestade, o omem de s ua majestade,


ontem ao isto ler pela vela, se acrecentou a seguinte linha sintectica, eu sou a lenda, avatar primeiro or e , nin, a paula da valentim de carvalho, imagens a expo, aqui narradas, a paula dos meu filme, os contos da lua, contos da lua de mel, de fel, do casamento dos contrarios, ou a paula que desliza nos sonhos, avatar da primeira do circulodo primeiro or e, nemsimnemnao, ne ms mne arao judia, a kenda judia, , que se chama de pandora, he do breu, da noite, serpente do virus do paulo, ou seja de mim mesmo , assim parece se concluir este capitulo


on te ema mao is to da ler , rp p dela ave da vela, se ac rec en to ua da primeira se gui inte da linha sin tec tica, e vaso us s o ua al lenda, ava da tar rp do primeiro or e , nin, a paula da ava da valentim de carvalho, ima mage ge ns sa da primeira da expo, a do qui na rr ad asa primeira da paula do os me vaso do filme os contos da lua, contos da al ua da lua de mel, de efe fel, do ca sam en to dos c on t ra rio serpente teo circulo do vaso da de paulo, igreja, ne c es sida ad dade es, q ue d es liza nós dos sonhos, ava tar da primeira do c irc vaso do lodo do primeiro or e, nemsimnemnao, ne ms mne mna man do arao judia, a k en da jud ia, , qaudrado da ue se da chama de pandora, he do breu, da noite, ser pen te do ov virus ru serpente do paulo, o vaso seja, de mim me sm circulo , as si maior pa rece da se c on c lui rato de este capitulo, circulo lop apit vaso dez primeiro do circulo


antonhy, ze rb do às matias , o h e s t on, charle s ton , sa pata tea ado, mu sica , meninas de lisboa, monica, riverdale, primeira cruz do est ur, a dga da ne da da tranquilidade, mar da lua, o cabo do vasso tapado invertido em fatima no ceu, visivel na foto do dn no dia da visita dos tais pais da maddie ao santuario de fatima, o que parece ser a capa deste caso, a kate morgan do crocodilo australiano, circulo do homem do mega, omega, set 77 , e duplo deus seth
avatar rop do per dop t5 xvi, id max speed feed twiter do gato assanhado do jogo do loft, la ft, loft, a torre, da pandora nazi, do oto de 93, 18 rda dna panzer do beijo do grupo 66 , kapa,
o instigador da raiva colectiva,


circulo do instigador, in s tiga gado da ad da dor cole circulo da cruz iva, circulo ole, espanha,
no filme se fala de um virus criado para acabar com o cancro, que provoca uma raiva colectiva que transforma os seres humanos em vampiros nós aqui na pior das possibilidades teremos antes, virus em mutaçao acelerada


no fil me da se sef do fala, de um vi ru s c ria ado para aca ab bar com do circulo do cancro, can circulo do roque, quadrado da ue pro do ovo ca de uma raiva colectiva, ra rai iva cole circulo da cruz do iva, quadrado da ue t ra sn da forma os seres h um ano serpente em vam mp dos piros, espanhois, barcelona, dos nós saqui da primeria do qui aqui , ina pi o rato da s p os sibil bil id ad es tee teresa remos ant es, vi ru s em mu taçao ac dele rata da ad da primeira
as letras recentes anteriores, tinham feito aflorar ainda ou~tros venenos, e outras doenças de natureza contagiante, como as doenças sempre no fundo sao, contagiantes, uma parte que mal funciona faz outras mal funcionar, cono todo na vida


às das letras rec en t es ante rio rato es, tinha ham da manha, feito, a flor ar a inda o u onda t ro serpente dos venenos, e de outras doenças, de na t ur e za c on tagi ante, c omo as doenças sempre, no fun dó sao, c on tagi ant es, uma p arte q ue m al fun cio na f az de outras m al fun cio na ar, cono to dona v id a


sidas , doenças hepaticas transmitidas com preposito, uma rosa ou diversas abusadas, e logo a seguir ao meu ultimo grito em forma escrita, a noticia do aumento da sida em portugal de uma froma geral, e em particular de nov entre os homosexauis, a p+arecer confirmar que um ataque bem defenido , e uma ssinatura que confirma em pior , a ideia que entendera, de que exsitia uma guerra civil encapotada


s id ás das doenças hepaticas t ra n s mit id as com pr ep posi to, uma rosa o vaso di ver sas ab bus usa sadas, e l ogo a se gui ira irao me vaso, u l t imo g rito em forma es circulo da rita, primerio dao ano da noticia, do au men to da sida em portugal de uma fr roma oma ger al, e em p art tic cu do vaso do primeiro rol da ar, de n ov en t re os h omo s e x a u isa p + ar recer confirmar, q ue um ataque b em d efe nid o , é uma ss ina tura q ue c on firma em pi o ra ideia q ue en ten der ad deque do quadrado ue, e x s it ia uma da guerra civil enca capo pot ad da primeira


esse homem é o mesmo do selo antigo, de uma marca antiga, o tal panzer da pandora nazi, herdeiro dos metodos da stassi, relacionado ou a mando de Roma, Roi


esse do homem, é circulo do mesmo, o do s elo antigo, de uma ma rca anti tiga, o t al pan ze rda pan do ra nazi, her de iro dos metodos da stassi, r dela , ac cio n ado o ua primeira do mando de Roma, Roi


e aqui acaba neste momento a trasncriçao deste extracto do quarto capitulo, pois o assunto principal que me levou a transcrever este extracto, fora a verdadeira id da maddie, e desta imensa treta montada, que desvela e prova perante todos, de como as autoriedades se comportam como pulhas e terroristas de estado, e actuam com bandidos para se protegerem e portegerem alguns dos aparelho sdos partidos e do estado
é primeira do qui aqui, aca aba ba neste mo men to a t ra sn cir ºcao d este e x t rac acto, do quarto c apit u lo, p o iso as sun to p rin cip al q ue me l evo ua t ra sn cere eve ver est extracto, for a ver dade da ira id da maddie, é de sta i men sa te rta montada, quadrado da ue ed qaudrado da espanhola da vela da ep do pro da ova per rn cruz da primeira e de todos, dec circulo do omo as au tori e dad es da se do com mp do pro rota rp pt a do tam circulo do omo p vaso delta primerio homem às da onda do sete dos terroristas de estado, es sat td o, e ac tua am co pm bandidos, para sp rote teresa we espanhola sd da ar doge ge do rato da rem da al do gus sn dos aparelho dos partidos e do estado
fim da treceira parte de tres , em sequencia publicadas
continuaçao do post anterior, segunda parte

c on tin ua sao es do post ante rato ps ior se gun da ap da p da arte

o contexto que antecede essa desvelaçao no quarto capitulo, sobre a verdadeira identidade de quem anda desaparecido, tras imediatamente antes, um comento a uma imagem do robert anton publicada no jornal dos bandidos, o dn, rodeado de belas coelhinhas, de diversos cios, pressume-se, cuja paragrafo em sumario, diz de cinco graças aparentes, da tamanha perca, a perca, a parca, a moira

o c on tex toque quadrado da ue ant tec sede dessa , d es vela ac sao es no quarto c apit u lo, s ob rea pr ie emi ira ra ave rda de ira ien t id ad e deque em anda d es ap ar e c id o, t ra si me dia tamen te ant es, um com en to a uma mai ima ge maior do robert anton, da bateria, pub lic ada ano jo rn al dos bandidos do circulo 101 do dn, rode dea do ado de belas, coelhinhas, de di vaso dos eros de diversos cios, pr es s um e traço da inglesa se, cu j a p ara rag g rafo em s um do mario, di zorro de c on co g r aças ap ar rene ene net s, , da tam n home da pr ie emi mira da ira do ape do pe da rca, a perca, a parca, a moira

copenhagem, arnold, 66, o elo aqui, hermes

cop pen en h a ge maior, mar arnold, 66, o elo da primeira do qui aqui, her mes

o seguinte fala da imagem de arnold em copenhagem, feito exterminador, em copenhagem como parecesse um cenário de um filme na america ou em nova yorque, com uma gravata semelhante a uma que eu aqui trago e que não uso há mil anos como todas as poucas outras, diga-se em abono da verdade, a dele em verde flurescente , o que me diz , como se ele estivesse a olhar à procura de um dos carros de coleçao, um 55 neville, assim me pareceu o nome na primeira leitura, e fazendo do chassi , a rua, e a posiçao, dele, sobre a onda na malasia, como dizendo que a origem, é a dupla estrela do neville, ou da bonneville, a seiscentos e cinquenta dos oliviais, o neville que acabara de aparecer tambem num dos anteriores capitulos, das minhas contas recentes, do grupo 66, do onze do sessenta e seis, ro ad to do hell


o se gui mn te do fala, da ima mage maior de arnold em co pen h a ge maior, feito, e x te r mina ad da dor, em c p en h a ge mc omo par rec do esse, um da cena rio de um filme na am erica, o vaso em nova yorque, com uma mag home rata av cruz primeira seme l h ante a uma, do q ue e vaso do ki aqui, t rago é quadrado da ue n cão us circulo homem do acento da primeira mi da ile le ano serpente, c omo todas, às de p o u cas de outras, dig a do traço da inglesa se, em ab bono da verde dade, a dele, em verde f l u r e c en te , o quadrado da ue me di zorro , circulo omo se dele, est iv esse sea o l homem da ar à pro roc do cura, de um dos ca rt os de c ole çoa es, um 55 ne ville, as si maio me par receu circulo do no mena prime ira lei it da tura, f az wen do doc h as si , primeira da rua, e ap o is sao es dele, s obr ea primeira onda na malasia, c omo di zen doc qaudrado do vaso ua o rig em me, é primeira dupla estrela d o ne da ville, o vaso da bonne ville, a s ei cento se cin q u en a td os olivi as, o ne ville q ue aca bar ad e ap ar e ce rr t am tambem nu maior dos ante rato rio ior es c apit u l os, das min homem do às das contas recentes, do g rup o 66, do onze do sessenta e seis, ro ad to do hell


de mim e arco, com duas setas me fiz pergunta sobre esta imagem que viera tambem publicada no jornal dos bandidos do dn, e obtive como resposta , um x feito por duas setas na esquerda baixa do friso, cujo desenho é semelhante as varetas de um trombone de varas, portanto , uma especie de condutor de bois, do is do bar do ra d adois, varetas e bois, antes do começo da curvatura e seguindo o horiozonte, por dentro , tenho a ponta do bico de uma outra gravata que está excatamente ao lado da equivalente à que ele trazia, em rosa, cujo bico, está mais acima, ou seja, parecendo confirmar que as razoes por detras do confronto, such a lost, tinham pesos distintos, e que portanto a parte que dirá, que teve de atacar, ou a parte que dirá que foi em defesa, uma delas estará a mentir


de mi me e rac o, com duas do às das s eta serpente da me fi zorro zp per gun ta s ob re e sta ima ge maior do q ue do vi da era rat tam am tambem, pub l cia ada ano jo rn al dos bandidos do dn, e ob bt ive c omo mor arto da es posta , um x , feito, por du as das s eta sn a esu e rda ba ix a do fr iso, cu jo d es en ho é seme l home ante as das varetas , de um t rom bone de eva das varas, por rat tnt circulo, uma es pe cie de c on du tor de bois, do is do bar do ra d ad o is, v ar eta se dos bois, ant es do c ome meco co espanhol, da ur v at ura e se gui indo do circulo do h ori rio zon nt te , por d en t ro , t en ho , primeira ponta do bico de uma outra rag g r ava ata q ue e stá e x cat ae mn te aol ado da e, e qui iva v al lente en te , primeira q ue dele t ra zorro do ia, em rosa, cu jo bic o e stá mais, fr, ac ima , o vaso do seja, par rec en dó, c on fi rato mar q ue ás r azo es por det ra serpente do c on fr on to, suc home da primeira lost, tinha ham da am dos pesos, di s t int os, e q ue porta anto primeira ap da p da arte quadrado da ue di rá , quadrado da ue da teve dea at aca ar, o ua p arte q ue di rá rac q ue fo oi em d efe sa, uma del as es tará a men tir


a gravata, aqui, a do lado me diz, charleston, sapateado, e agora ao trasncrever, declinou em, cher, será entao a cher, a imagem da suc a loss, a frase escutadoa no espeito por essa altura, e mais dizem as notas,q ue nest ponto trasncresvo, pois é o imedaitamente anteiror a id da maddie, rack made in italy, cem por cento silk do bar do ra da serpente do circulo do primeiro do ie, internet explorer, ecoa isto tambem no perfil do que caiu sem seu aviao, um nome que muito vem aparecendo, fosset
´

a g r ava at, a qui, a dol do lado me di zorro, charle s ton, sa do pate ado, é agora cao t ra sn c rato eve rato sonho, dec lino ova onda do vaso em cher, se rá en tao primeira cher, a ima ge maior da suc a l os sd da loss, a fr ase es cu t ad o ano es pe it o por essa da al tura, é ema mais, fr, di ze maior do às das notas, quadrado da ue nest ponto t ra sn c rato es vo, p o is é oi med a it am que mente, tamen, ante iro ra id da ma dd ie, ra ac ck made in italy, cem por cento si l kapa do bar do ra da serpente do circulo do primeiro do ie, inter net e x p lo rato e rec coa is to t am tambem no per rf fil doque ue do que caiu, se maior ms serpente eu avia o, um no mec q ue mu it ove maior ap ar e c en do, f o s set


agora, ao retira la , reparo que esta em cima de outra mais fina a prteo e branco, da mode uk do wod ds, wdo ds, e do gray, do feiticeiro gandalf do grupo do woods, do bosque, que parece assim dizer de uam inversao, de uma historia que foi inventada, e e desvelando, se for real o fogo que se deu


agora, cao r e tir da ira a la , rato do epa do aro q ue é sta em c ima deo de outra mais fina, it fr, a pr teo e do branco, da dam am da mode uk do wod ds, wdo ds, e do g ray, do fe it tic e iro gan d al f do g rup, o do woods, do bos q ue, q ue pa rece as si maior di ze rato de uam inversao, de uma hi s tor ia q ue fo oi in v en t ad a, ee d es vela lan ando, se for rea l circulo do fogo, quadrado da ue se d eu

hermes,

her mes,

race, da corrida, assim me diz a outra gravata, a primeira mencionada, a sgunda, a que estav por cima, sendo a primeria , a semelhante a do arnold, que diz, erme we gildo, ze gn a debruada a ouro sobre azul , oceano, onde os rectangulos demonstram, a existencia de dois traços como uma laje partida, por uma cobra, que é figurada na propria gravata


ra ac ace seda cor rid a, as si maior me di za de outra g r av ata, a primeira men cio n ada, a sg gun un da, a q ue estav por c ima, s en do da primeira da prime ria , a seme l h ante, a do arnold, quadrado da ue di zorro ze herme we gil dó, ze gn ad e br iad a, primeira do o ur o s ob re a z ul oceano, onda os rec tan gulas dez primeiro do circulo do os demo sn cruz ram, a e xis ten cia dedo is dos dois dos t ratos dos aços es, c omo uma da laje p art id a, por uma cobra, q ue é fi fur ad da primeira do ba pro rop p ria da dag da g r ava c r z u primeira


corridas, cá estamos nós na linha do crasch e por extensao de um dos particpantes, tambem na atracçao fatal, salvo erro em duas versoes, um primerio com duas mulheres, um segundo com um homem e uma mulher, onde o homem morre


cor rid as, c á est am os nós na linha do c ra sc he, por extensao, de um dos p art tic cp ant es, t am tambem, e mna da t rac cc sao es f ata l, s alvo e rr o em du as , ver so es, um prime do rio com duas mul her es, um se gun do c om um h om e me uma mul her, onda deo da home mor rato e

a lara anjinha, mary o brien mc can
´
as lara anjinha, mordida, o abuso de uma rosa, que tambem se desvelara vinda de branderburg,


um livro que nestes dias se me abriu aos dd dedos, com uma marca que alguem fez, visivel pela mancha da capa da lambada que usada para a marcar, venenos na cpa de um livre, a historia da rainha margot, onde se fala de nova yorque , onde se dá conta de uma rosa desaparecidoa, com o noem de mary oº brien mc can, que pertence ao grupo de sapateado riverdale


primeria serpente da lara anjinha, mor dida, circulo do ab bus, circulo da ode de uma rosa, quadrado da ue t am tambem da se d es vela lara vasp inda de br an der r b ur gato, um l iv roque nest es do dias, psd, da se da me ab rio primeira do os dd dedos, com um am da primeira rca quadrado da ue al g ue maior de fez, vaso isi vaso del, p el a lam am da mancha da capa, revista, da lam bad ad da primeira da rac do qaudrado da ue uss sada para primeira mar car dos venenos na cp pad, é um l iv rea primeira da historia da rai rain home da primeira margot, onda da se sef do fala de nova yorque , onda da se d á conta de uma rosa de sa par rec c id a, com o noe maior de mary do circulo elevado do brien mc can, qaudrado da ue per rt en cea circulo do g rup, o da ode sapa pat tea ad o river do quadrado dop da al le


continua...