sábado, julho 17, 2010

acusaçao de actos de tortura controlo psiquico, feitos pelo ps e pelo psd, lll

terceira parte,

na verdade a forca do chaveiro não caíra ali na rua ao pe da pedra e da tal serra figurada num pulseira, em cores azuis violetas, pois voltei lá a procura-la e não a encontrei, estava caída ao lado do elevador aqui no pátio de meu andar, ou seja, o triângulo da corrente dos elevadores, que puxa a vesica egípcia, que tem o meu nome em hieróglifos, e onde a muito tempo atrás se desprendeu o ultimo símbolo, uma virgula, ou seja um bebe perdido, ou seja ainda responsável pela perca de um bebe, pela morte de um bebe, meu assim deduzo, pelo facto de o porta chaves ser meu,. Ou seja um crime de assassino, para que fique clara a acusação, relacionada com o quadrado das chaves que trazem de minha casa, também,

n a ve rda dea da primeira forca , a do cave home vaso eiro n cão ca ira al ina rua cao peda da pedra é da t al serado ra figo, rato ad ano um p u l se ira, em cor es a x do az do vaso do is do viol eta s, p o is v o l tei l á ap por cura do traço ingles primeira , e n cão a en c on t rei, es tva c aida cao lado, o do elevador aqui, no do pa t io de me vaso anda da ar, o vaso do seja, circulo do t rin g au lo da corrente dos dele , da eva ad dor es, q ue p ux a ave sica e gi p ip cia, q ue te emo me vaso no me em hiero g l if os, se da onda dea primeir à mu it o te mp o at rato as se d es pre cn eu do circulo do u t l imo si mb lo, uma vi gula, o vaso do seja de um bebe, per dido, o vaso do seja a inda r es ponsa ave dele, p dela, a per ca da parca de um bebe, p ela mo pr e td e um bebe, meu as si maior dedo uz o, p elo f acto deo porta, cds, c h ave s ser me da eva vaso ,. O , ema nu da elle, do seja de um crime de ass a sin io, para q ue fic eu cala lara da primeira ad , a da acusaçao, cu isa usa sao rato dela , a do ac cio n ada com do circulo do quadrado , o cabrao do psd, da historia do ar condiconado, das caves deque t r az e maior de min homem da primeira do ac à casa, tambem, ou seja dos que me tentaram matar

esta puta que se diz militar, o do prédio, quando no fim da conversa lhe disse, é também com estas merdas que trago eu meu filho roubado e abusado há cinco anos, se sorriu a puta, que Deus lhe pague em quíntuplo, seu cabrão


é sta da puta que sed di zo pr rodo do militar, o do predio, qua bn do n o fi maior da convers al he di ss se, é eta tam am tambem com d est as das merdas, q ue t rago eu me vaso fil home do circulo do ro ub bad ad circulo, é av us sado h á cinco anos, se sor rai vaso, q ue De us l he pa g ue em quin t up lo, s eu c ab br rato do cao

da mãe e da filha, também aqui narrados alguns passes, sao certamente pertença do grupo das amazonas, dessas putas como a loirinha assassina dentista da rtp em, judite, em parceria com o assassino do ps, antonio vitorino, a quem recentemente pelo que o espírito me desvelou, acusei de ter sida a assassina de carlos paredes, e certamente de muitos, mas muitos milhares de mortos, como a fatima campos ferreira do mesmo grupo, e da óbvia ligação da aliança que trazem com o ps, a quem servem , reparai ainda que dois sítios vieram esta semana com noticias de fecho, a biblioteca nacional, relacionado com os degelos, assim pretendiam insinuar pelas temperaturas e os elevadores, na parte provocados e das bombas como aqui disse, e ainda da morte de as carneiro, cuja relaçao se liga também ao grupo da amazonas, e que liga por sua vez ao grupo da senhor clinton,

dam ae, grecia, e da fil home da primeira, tam am tambem a qui na rr ado s al gus n p ass s es da sao cera rate mn te per ten çado es br dp g rupo das am a zon as, de s sas putas co pm o da priemria lorinha assa sin da primeira d en t ista da r tp em, bum em londres, par ce ria com do circulo do assassino do ps, antonio vitorino, priemira q ue maior rec en te mn te p elo q ue do circulo do es pe it io me d es velo lou vaso, ac use ei id e teresa sida da primeira assa sin ad dec c arlo serpente da parede se, cera rate mn te de mu it os s, mas mu it os mil h ares demo mortos, c omo da primeira da fatima do campos das ferreira, psd, do mesmo g rupo, é da ob via liga da sao es da aliança, chave ultima da faca do pao, conversa com a gwen, q ue t r aze maior co omo do circulo do ps, a quem servem , rata da epa rai a inda q ue do is siti os v ie ram e sta se mana com not ticas de efe cha o, primeira da biblioteca nacional, bi bn lio e tca anc , do nacional, rato dela ac cio ando com o dd e gel os na p art e pro ova aca do seda s bombas c omo a qu ei di s se, e da dama do dam morte de as caram ne iro, cu j a da relaçao, tribunal, se da liga t am tambem aco g rupo da am a zon as, e q ue liga por s ua v e zaorro do cao g rupo da s en hor da clinton,

a outra o fecho de um hospital de psiquiatria, ou seja dos psi envolvidos nesta tramoias

primeira de outras coc circulo do fecho, z ip, de um ho s pita l de psi qui a t ria aveiro, o vaso seja dos psi en volv id os nest da primeira das tramoias, grupo gnosismed, gn no ss sis med

desculpa lá, com cara de zanga, disse a vizinha e assim tendo dito, disse tudo, sabe bem ela das culpas que tras

d es cul pa l á, com cara de zan g ad , di ss seia primeira v e ze em home da primeira e ass si maior ten do dito, di zorro tudo, s ab e b em dela, das cu l p as q ue t rat as

oiço pelo espírito ao isto escrever que alguns não acreditam em parte destas palavras, pois crêem que os sinais de controlo que aqui descrevo, sao uma interpretação subjectiva de uma mente hiper sensível ou mesmo doente ou louca

oi ço es p elo es pi do rito cao de isto, es c rever q ue al gun s n cão ac red dita it tam da am em p arte de sta s pal av r as, p o is c rem q ue os sin a is de c on t rolo q ue aqui , id de es c rato e vaso evo circulo da, sao uma inter pre eta taçao es s ub ject iva de uma mente do hiper, ping o doc e, s en s iv el o u n es mo doente o vaso da louca

na verdade a fronteira, se estabelece, na percepçao e entendimento, que se a maior parte do aqui descrito em tremos de manhas, sao habitualemente presenças normais na vida de cada um, como por exemplo ir a passar numa rua, e uma persiana, ser fechada com estrondo, elas deixam de o ser quando há consciencia de um padrao, ou seja um reconhecimento de frequencia anormal e de regulariedade em seu acontecer, e outras aqui narradas como os passes na rua com especificos candieiros publicos, sao bem prova , de que tais fazeres, sao reais, ou seja sao planificados, e controlados e executados por gente que prepositadamente o faz

na ver dade primeira fr one t ira, se e stab e le cena per ce p sao es , é en t en dide mn to, q ue sea da primeira maio rp da puta da arte, do a qui d es c rt io em t remo s de manhas, sao h ab bi u t al lem n te pre s enças es norma mais is na v id ad dec c ad a um, c omo por e x e mp lo ira da primeira p ass ar nu ma da rua, é uma persia n, ser f e c h ad a c om est rando, delas de ix am deo ser qua dn circulo h á c on cien cia de um pad rato ps cao, o vaso do seja , um rec on he cie mn to de r e gula rie dade em s eu ac on tecer, e o ur as a qui na rr ada s c omo do circulo do ops p ass es na rua com es pe cif cos can di eiros pub l cios, sao b em pro ova , de que tais, br, f az e r es, sao rea is, o vaso do seja sao p lan if, cc, ica ad os, se c on t rolo ad os se executados por gente q ue pre posi t ad dam am , a que mente do circulo do f az

estou cansado de vos falar e descrever em pormenor estes processos, e mais do que isso fazendo em muitos e não todos os casos que aqui abordei, prova da existencia de mecanimos desta natureza, não exclusivos, nestas matanças, que levam muitas crianças por todo o lado do mundo inclusivamente aqui, e tem provocado igualemente matança de foice larga, como esta que ainda atravessa estas linhas, relativa à matança dos polacos

est o u can as sede so sado, evo vaso os f al da ar e d es c rever em por men o ratdo do delat do os de estes pro roc esso se ema ma s id o q ue iss o circulo do luis fazendo, em mu it o se n cão todos os caos q ue a qui ab o r dei, pro ova da e xi e tn cia de meca can simo s de sta na t ur e za, n cão é x c lu s ivo s, nest as das matanças, q ue l eva vam am mu it as c ria anças es por todo circulo lado , do quadrado do mundo inc l us iva emn te a qui, é te maior por v aca x cado, i g ual lem n te da matança de fo ice l arga, c omo desta q ue a inda at ravessa e sta s lina home, r dela t iva à matança dos polacos

vos digo ainda, que por a natureza deste crime, se prova a presença ainda em curso de uma conspiracia, feita por muitos, com o conluio das autoriedades e dos partidos, que sao desta forma acusados de cumplicidade neles, e que alguns terao que dar apoio tecnico, isto, terao explicado e ensinado a muitos estes processos, e que tal aponta a presença etao de grupos, e sendo que grupos na sociadesd e hoje temos as estruturas partidarias e as ordens, ainda onte essa puta do laçao, do ps, na ar, dizia que os que sao escolhidos pelos politicos para como dizia, ajuadra a actividade politica, entenda-se tambem estas, eram trabalhadores como trabalhores, o que é prova da falsidade, pois sao escolhidos pelos politcos, que vermes sois, seus pedofilos de merda!

Vaso do os figo a inda, q ue por ana t ur e za d este crime, se pro ova da primeira pre s ença a inda em c urso, russia, e bill clinton, de uma co ns pira cia, feita, por mu it os, com co circulo do c on lui io das au tori ed ad es e dos partidos, q ue sao d esta forma ac u sados de c um p li cida dade nel es, e q ue al gun s te rato cao q ue da ar , o do apoio tecnico, is to, teresa ra cao e x p l cia ado e en s id dn ad a am u it os de estes por c esso se q ue t al ap on t a ap resen ça eta tacao, de g rupo se s en do q ue g rupo s na soci ad e s d e h oje t emo s as est ru tui r as p art id aria s *as das ordens, a inda on te de essa puta do laçao, do ps, na ar, di z ia q ue os q ue sao es co l h id os p elos pol it i cos para c omo di z ia, a ju ad ra a ac teve id ad e pol it ica, en t en d a traçop da inglesa se e eta tam am tambem destas, e ram t ar aba bal h ad o r es c omo t r aba l hor es, o q ue é pro da ova da f al sida de, p o is cao es co l h id os p elos pol it cos, q ue e vaso rato da me da sosi, s e us pedofilos de merda!

Pelos vermes que se dizem psi, aqui envolvidos neste roubo e acto de torutra tudo aponta a gnosismed, a puta ana paula, mas obviamente pela natureza e extensao dos danos, muitos outros estarao tambem envolvidos, visto ate se saber que uma das componentes constantes passa pela televisao e e pela internet

P ela os vermes , q ue se di ze maior psi, a qui en volv id os neste do roubo e acto de to ru t ra tudo ap pao nt primeira,. a gn o sis med, a puta ana paula lamas ob via am mente, p ela na t ur e za e e x ten sao dos d ano s, mu it os outros est ara aro t am tambem en volv id os, vi s to a te se s ab e rato q ue de uma das co mp one nets co ns t ant es p ass a p dela na televisao e ep dela nainternet

processos de controlo rem e porcessos indutorios e de controlo da psiques, sao velhos como o homem, vos deixo aqui alguns links paar qeum queira entender alguns destes processos

por c esso de c on t rolo rem, é por c esso sin indu tor io sede c on t rolo da psi q u es, sao velhos c omo do circulo do homem, vaso do os de ix o a qui al gun s l in kapa s pa da ar quadrado do e, um q ue ira en ten der al gun s d estes pro roc c esso serpentes

os processos de hipnotismo, sao feitos com base em scripts, scripts afirmativos, onde se obtem a concordancia por resposta, independentemente do nivel em que se a entenda, em forma repetitiva de forma a criar, a aceitaçao, das ordens de comando, que com o sofisticaçao da ciencia e dos meios disponiveis, pode ser gatilhada, em muitas e subtis formas , dificeis mesmo de detectar por parte dos alvos, yes we can, repetido, não deixa no fundo de ser um tecnica que passa pela afirmaçao de truismos, verdades evidentes que todos ou muitos tendem a concordar,

os por c esso s de hi ip pn not is mo, sao , feitos, com base em s c r ip pt ts, scripts a fio rato do mna t ivo serpente da onda da se do ob da teresa tee ema circulo em cor dan cia por rata da es posta, a do independentente, grupo paulo portas, do nivel, maconico, em q ue sea da primeira en t anda, em forma r ep pet i it itv a de forma primeira c ria ra aceit raçao, das ordens de c oma ando, q ue com o sofi s ti caçao da ciencia e dos meios, pub, di sp oni v e is, pode ser gat til h ad a, em mu it as e s ub ti s formas , di fic e is me sm mode de tec cat por p aret dos alvo s, y es we can, r e p et id o, n ão de ix ano fundo de ser um tec nica q ue p ass a p ela a fi maçao de rui sm s o, verd ad es e v id dente q ue de todos, o u mu it os ten de em c on cor da ar, pa gina onze do bar do ra do onze, rede efe ni sao es pr porto gues, porto gal in ser pad ad do arte do risco, cem per cen til

chamo a atençao para este pdf, de emilie coue, escrito há muitas decadas, e sobretudo os ultimos paragrafos pois foi como um abismo que se abriu na consciencia depois de o ler, a possibilidade real de induçao com tecnicas de implementaçao de gatilhos em idades muito jovens, nomeadamente nas escolas primarias que trazem creches, como as dos filhos da puta do clegio moderno, pois como vos deveis lembrar, não há muito tempo um texto desvelava a mesma ideia, a presença de um exercito treinado em distintas artes para matar e a imagem apontava sem sombra de duvida para o colegio moderno,.

Cho omo da primeira, a ten sao es para de este p d f, é sobretudo os u l t imo s para g rafos p o is fo i c omo um ab is mo que se ab rat ps eu na c on cie cn id ep o is deo do circulo da ler, viegas, a p oss i bil id ade real de indu sao com tec nicas dei~, mp lem en taçao de g at til h os em id ad es mu it o j ove ns, no me ad dam a, que mente nas escolas, prime irai rai s q ue t r az e maior das creches, c omo ás dos filhos da puta do c le gi do moderno, p o is c omo v os de eve is lem b d a ar, n cão home á mu it o te mp o um tex t o d es vela lava ava primeria da mesma ideia, a pr es ença w es sde um do exercito t reina ado em di s t int as art es para am ata rea primeira rai i mage maior ap on t ava se maior ms om b da ar de d uv id a para do circulo do colegio moderno

assim tambem se prova esta senha persecutoria e constante impedimento e ocultaçao de todos as vias que as leis garantem a um cidadao, para investigar e prevenir o abuso de um filho, ou seja a magnitude da conspiracia diz claramente que muito de mau trazem em jogo, só assim se entende tanto e variado esforço em esconde-lo, e sendo obviamente neste caso e em particular o delfim actual do ps, o socrates, o filho da puta que pelas funçoes publicas de que abusa em permanente crime de atentado ao estado de direito,o cabrao encarregue dessa ocultaçao, tambem assim se percebe uma das razoes porque decidiu ele ter na mao dele o controlo de todos as policias secretas, ou seja coligir informaçao que lhe permite chantagear quem no estado , nos tribunais e nas policias se poderia a ele tentar opor,

ass si maior t am tambem se pro ova é sta da senha per duc o ria, é co ns t ante i m ped ie mn t oe o cu l taçao de todos a serpentes das vias, q ue ás das leis gara ran te ema a um cida dao, para in v es rt ti gare pre eve ni rato ps do circulo do abuso de um fi kapa do primeiro do natal, tsunami 2005, o vaso do seja da primeira mag gn it vaso id dedo da da co ns pira cia di zorro clara ram, mente, q ue mu it o de emau t ra ze maior em j ogo, s ó as si maior se en t en de t anto e va ria ado es for ço es em es conde dedo do traço ingles lo, é s en dó ob via am , a que mente neste caso, e em p art ti u c l aro do delfim ac tura da ural, russia, o do ps, circulo do socrates, circulo do filho da puta q ue p delas, fn ço es publicas , deque euroepeu dos abusos, ab bus usa em per mane en te c rime crime de a t en t ad o cao es t d o de direito, circulo do c abrao enca rr e g ue de essa cobra da o cu l taçao, t am tambem as si maior da se per cebe, uma das r az os por q ue dec sic di vaso dele, teresa na mao dele do circulo 101 doc on t rolo, de todos às policias secretas, o vaso do seja coli gi rato rin in for maçao q ue l he per mit e circulo do homem da anta tage da arque do maior do no do estado , o dos nós nos tribunais, é policia serpente da se da pode da ria da primeira dele, t en t aro portugues,

e esta deduçao é gravissima, pois dá bem a conta do tremendo e ilegal pantano em que este cabrao e os deles mergulharam a democracia e o estado de direito, sao verdadeiros nazis, é bom que todos o entendam em forma clara, pois não a há duvida no nome naqueles que roubam os direitos e as garantias dos cidadaos, e usam as intituiçoes para fazerem o tenebroso mal , atraves dos filhos aos pais, de quem os roubam e sem peias de fazer pior mal , como sempre , as próprias crianças, as pro rop o pp das rias serpenets das crianças,

e es sade dedo vaso da sao es, é g ra v iss sima si am do ima, p o is d á b ema primeira conta do t rato ps é mendo, e ile gal p ant ano em q ue este cabra oe os deles , mer g u l h aram a demo c rac ia é circulo do estado de direito, sao verd ad e iros nazis, é b om q ue todos do circulo en t en dam em forma da clara, p o is n cão primeira do homem á d uv id primeira do ano no mena daqueles, q ue ro ub am os direitos e as gara ran ti as dos cida dao se usa sam as in tito do tui e ço es do para a f ze rem o t ene vaso br osso m al at r av es dos fil h os a os pais q ue os ro ub bam da am

http://pt.wikipedia.org/wiki/Magnetismo_animal
http://www.yourdictionary.com/biography/franz-anton-mesmer
http://web.archive.org/web/20040710162753/http://www.unbf.ca/psychology/likely/readings/mesmer.htm

http://hypnosisschool.org/hipnosis/Emile_Coue_Self_Mastery.pdf


http://lavather.deviantart.com

homem da uber cu lo se hipo nose sis ss scholl
http://hypnosisschool.org/hipnosis/Hypnotic_Inductions.pdf
http://hypnosisschool.org/hypnotic/hypnosis-induction.php
http://www.hypnoticworld.com/subscriptions/selfhypnosis_course_1.asp
http://hypnosisschool.org/hypnotic/hypnosis-training.php
http://hypnosisschool.org/hypnotic/suggestibility.php
http://hypnosisschool.org/hypnotic/hypnotic-trance.php
http://hypnosisschool.org/hypnotic/stroop-effect.php
muito importante o acima
http://hypnosisschool.org/hypnotic/mind-control.php
http://www.hypnoticworld.com/write_scripts
http://serendip.brynmawr.edu/Mind/James.html
http://serendip.brynmawr.edu/Mind/Table.html
continua...

da condenaçao dos bandidos especuladores aqui e alem mar

da conde dena ac sao espanhola. a dps, por ject tor do ps,a da ad do ps, bandidos es pe cu la ad dor es aqui, e primeira do al lem, mar, maior da ar

Ontem obama na metáfora real sobre a tampa na ruptura do óleo, dizia, também que uma serie de gente ligado a especulação fora condenada na america, aqui se dava a conta dos banqueiros portugueses, do bcp, que igualmente foram condenados, todos eles participaram na asa de dezembro, assim confirmava obama,

On te maaior ob am mana and a met a for a real s ob rea primeira da tampa na ru pt ur da primeira da tura do circulo do leo, sporting, di zorro do ia, t am mne maior q ue de uma da se da rie de gente kapa liga dp gado da primeira da es pe cu laça sao es for a conde dena dana am erica, a qui se d ava priemria do ac conta dos banqueiros porto vaso dog ue es, o do bcp, q ue i g ua lem nt e foram, pt, conde dena ad os, miguel horta e costa, todos eles p art ti cp aram na ass de dez em br o, as si maior c on firma ava ob ama,

se via um equipamento de recreio de crianças, com uma bola verde que corresponde a uma outra utilização, pulos e uns particulares pulos, na verdade ao ver este elemento se me confirmou na consciência, uma outra semelhança de imagem recente, a partir dos destroços do barco no local das torres em ny, que também ontem pela sapatilha era dada a chave no canal dois, ou seja sapa do til da ilha, que fora a imagem da estrela em oclusão,oculista, o prato da imagem era também de perfil o desenho de um casco de um navio, ou seja o navio ali em baixo no largo do trinta e um da armada, ou seja a sas de dezembro, com as diversas ids, aqui identificadas sendo a ultima a chave da loja chinesa, pel que a pupeiere, na conversa em vídeo a ela liga

se da via , um e q u ipa pam am men t o de rec rei ode dec crianças, com uma bola verde q ue cor r es ponde a uma de outra u tili iza sao es, pulos é un s pa rt i cu l ares pulos, na verd ad e cao ver este dele lem en to ze me c on fi r mo un a c on ci en cia, uma outra s emel h ança es de i mag em rec en te, a p art tir dos det roços do barco no l ocal das torres em ny, q ue e eta tam am tata tammbem on te m p dela ,a sapa tila home e ra dada da primeira chave no c anal dois, o u seja sa pado til da ilha, q ue for a a iam mge maior da estrela em o cu l ss cao, o pr ato da e meg me e ra tam tambem de per fil o de sn ho de um ca sc code um na v io, o u seja o n av io ali em ba ix on o la argo do t rin t a e um da ar mad a, o u seja asas de dezembro, com as di v e r sas i d s, a qui id en ti fi c ad as s en do a ul t i m a a c h ave da loja chi ine za, p el q ue da primeira pup pei e rena convers a em v id deo primeira ed dela, liga

outro link emergiu, pela memoria, pois o barco é de certa forma imagem ainda, de tesouro, e tesouro escondido sobre o camoes, ou seja o príncipe do calhariz, tambem aqui há muitas lua foi mencionado quando do acto de corrupçao, entre o ps e opus dei, com troca e doação de terreno da zona da fac à família da puta soares, na que depois deu a exploraçao comercial do actual parque subterraeno,


outro rol link, primerio inc kapa do oe mer gi vaso, p dela , am am me mor ia, p o iso barco é de ce rat forma mai mag ema inda, de te souro, e te souro es cond dido s ob reo cam moes, o u seja o pric n ipe pedo cala homem riz, ar r oz , tam am tambem a qui aqui há mu it as lua fo i men cio na ado qua ando do acto de cor rup sao es, en t reo ps e , circulo do pus dei com t roca, é do aç são es de te r reno da zon a da f ac à familia, a da puta soares, na que d ep o is de ua e x p lo raçao comercial do ac tua l par q ue s ub bte rr a en o,

uma vez no camoes , um homem me disse, que quando levantaram as pedras da estatua, est tat tura ur da primeira , do camoes, encontraram um cofre, lhe perguntei, o que estava lá , me respondeu, que estava vazio, a ser verdade, a imagem fala então dos que roubaram o cofre, e por extensão de quem roubou as torres

externato e x e cu tor e x e cu t ar exercito, as si m dec k lina a qui o corrector,financeiro, a pala v ra e x ten são, cab elos, exe cu t ab ble, ts nau

uma v e zorro do no cam moe o es , um homem me di ss e, q eu q un dó l eva van t aram as das pedras da est au tura do cam o es, en c on t r aram um co fr e, l he per gun eti, o q ue est ava l á , me r es ponde u, q ue est av v az io, a s e r vera dade, a ima ge m f ala en tao dos q ue ro ub aram o co fr e, e por e x e ts nao de q ue mr o ubo u às torres

cofre e tesouro de camoes, é o tesouro do quinto império e do reino do amor e da poesia

co fr e e te souro de c am o es, é o te souro do quin to im per io é do rei ino do amo red a poe s ia, espírito santo, banco,

a chave do Reino, a ac homem ave dor rei ei ein ino, uma virgem abusada, ab bus usa sada
paupiere, p au pierre, a boneca, a filha do pierre

acusaçao de actos de tortura controlo psiquico, feitos pelo ps e pelo psd, ll

segunda parte

escrevia eu, em tarde recente ao acordar, num pulo subi as escadas e escutei o interior do atelier, e da casa ao lado, onde vive a tal jovem com a criança africana, cuja senhora se relaciona com a casa da família numerosa na rua capitão pallas, que trazem apoio da casa da misericórdia ou algo assim, portanto o elo da espionagem devera passar por aí, e liga obviamente ao ps e a maria barroso, envolvidos no roubo e acto de tortura de meu filho, e o silencio reinava, na verdade durante as tardes, por baixo da casa da senhora, que devera ser das mais pequenas do prédio, geralmente ela não se encontra ali, mas outras tardes, se houve sons , arrasto de cadeiras e sons assim, ou seja alguém usara a casa durante a ausência da senhora, o que prova o envolvimento e as ligações acima descritas

es c rec ia europeu, em t arde rec cente en teao acor do quadrado da ar, nu maior rp da p vdo aso dez s ub i as das escadas, e es cu te io inter iro rodo do atleier, é da c asa cao lado, onda v ive primeira tal j ove mc oma primeira criança, cia ança es a fr i c a nam, cu j a s en hor a se rea l cu io na co om a c as da f ami el ia nu mer rosa na rua ca pita circulo do pallas, q ue t ra ze maior ap oio da c asa sada mi siri cor dia o ual goa ass si maior porta anto do circulo do elo da es p ei on a ge maior d eve vera p ass ar por aí, é liga ob via am n teao cao do ps , é a primeira da maria barroso, en v o l v id os no do roubo e acto de tortura de meu filho, é circulo do si len cio cristina coutinho, reina ava, ana ver dade duran te às das tardes, por ba i xo da ac asa da senhora, q ue de vera, se rato ps das mais, fr pequenas do pr ed io, ge rale lem nt, é ela n cão da se en contra al ima s de outras t ard es, se h o uve ms on serpente , ar rasto s de cadeiras e s on s ass si m,o vaso seja al g ue maior usa sara primeira da ac asa duran tea primeira au s e n cia da sen hor a, o q ue por vao, soares, en volvi ie mn t o e ás das ligaçoes primeira ac ima dec s c rita serpente


se desvela aqui no corte do paragrafo acima, a confirmação de que trazem um especialista no controlo durante as tardes, portanto deduzo que trarão pelo menos três, em equipes e que deverão rodar, ou seja, mais gente ainda envolvida, e cada um trás ainda uma especialização em particular arte, as escadas, os trincos, os elevadores, os interruptores eléctricos que muitas vezes também servem o negro baile, as pancadas, o arrastar de objectos, os cães na traseira na gestão dos dias e das noites em função do que acordam, a solta nos pátios, os dos objectos e dos papeis na rua, o som magnético como um vibrador que se escuta na coluna da casa de banha, o controlo das luzes dos candeeiros públicos, no apagar e acender a passagem ou como forma de definir um trajecto, ou seja uma traçao, que se estende como agora reparei até a outra margem, e porto de lisboa também, e ainda outras invenções que surgem e desaparecem em função da criatividade, como dizia em texto não muito ido, um verdadeiro exercito com competências especializadas e um exercito que esta distribuído por organismos e entidades publicas diversas, como prova a natureza de alguns destes passes, nomeadamente os feitos com os candeeiros da iluminação publica, ou seja prova também a implicação dos partidos políticos neste fazer

se d es vela aqui no co rte do par a g raf o de acima, a c on fi rn do maçao, aç sao es de eu e t ra ze maior de um especialista, no c on t rolo duran te as t ard es, porta nt o dedo uz o q ue t rato aram p do elo men os t ratos es, em e q u ipe se q ue d eve vera cao roda da ar, o vaso do seja mais gente a inda en volv id a, e c ad a um t ratas as a inda, uma es pe cia liza sao es em p art i cu l ar arte, as das escadas, os t rin c os, os dele eva dor es, os inter r r up pt tor es eletrecos, q ue mu it as v e z es tam am tambem ser v emo negro ba da ile, as das pancadas, circulo ar rata, a rata de objectos os dos caes na traseira na g es tao dos dias, psd, é das noites, em fun sao es do q ue acor dam am, primeira sol t ano se rp cruz en te pat io s, os dos ob ject os e d os pap e is na rua, o s om mag net etic tico c omo de um v ib r ad dor q ue se e cu t ana c luna da c asa sade da banha, o c on t rolo das luzes, dos can di e i ros pub l cos, no a pa g ar e ac en der a ps sage mo vaso como forma dede efi ni rato rum t ra ject dp vaso do seja, uma da t raçao es, q ue se est en de c omo agora r ep ar ei a té primeira da outra margem, é porto de lis boa t am tambem, é a inda de outras in v en ço es q ue s ur ge me de s a pr recem em fun ç º cao da c ria ti v id ad e, c omo di z ia em tex t on vão mu it o id o, um verd ad eiro do exercito, com co mp e ten cia s es pe cia liza ad as se de um do exercito, q ue e sta di st rib u id o por organismos e en t id as publicas di v e r sas, c omo pro ova da primeira ana da natureza de al gus n d este passes, noe ema mad dam am que mente, os feitos, com os dos can di eri ratos os da i lu mina sao es da publica, o vaso do seja por vaso da primeira rata dot cruz tam da am b ema i mp lic caçao dos partidos politicos nest e f az é rato ps

subi ao res do chao em tarde recente, e qudno ali escutava de orelha colada as portas, ouvi barulho no primeiro andar, o andar do militar, o do lado direito, e da esquerda uma casa que na aparencia se encontra fechada, pouco depois nesse momento ainda, ouvi, o militar que saia de uma dessas casas com alguns metais pelo barulho que faziam, sem o ver, minha intuiçao me disse, pelo som, que as pancadas serao em parte feitas por ele

s u bi cao rato es do cha o em t arde rec en tee q u dn no ali, es cu t ava deo do orelha, co lada ás portas,cds, o uv i bar au l h on circulo do primeiro andar, o andar do militar, o do l ad do circulo direito, é da esquerda, uma da casa q ue na a ap rec en ia se en contra f e c h ad a, p o u co d e p o is ness emo men t o a inda, o uv io do circulo do militar q ue s aia de uma de ss as c asa s c om al gun s metais p elo ba ru l h o q ue f az iam, s emo ove rato, min homem da primeira in tui sao es da me di ss e, p elo s om, q ue ás das pancadas se ram em p arte , feitas, por dele

hoje pela tarde, ou melhor já ontem, acordei depois de um sono induzido, com a mesma percepçao que me estavam de novo a induzir um sonho, o objectivo é claro, que eu posteriormente ao narra-lo de indirectamente credito a outras sondagens que estes grupos fazem sobre outras pessoas, como descrevi na primeira parte deste texto

home do oje p dela, a da t arde, o u mel hor j á on te m, acor dei , d ep o is de um s on o indu z id o, com da primeira da mesma per ce pa sao es q ue me est av maior de n ovo da primeira indu zorro é rato da art do circulo de do sonho, o ob ject ivo é c l aro, q ue e vaso poste rio rato que mente, cao na rr a do traço ingles lo p de indi e r cta em n te c red dito primeira de outras s on dag e s n q ue est es g rupo s f az e maior s ob reo ur t rt as p esso as, c omo d es c r e vina primeira p arte d este tex t o

de novo rapido vesti as calças e a camisa e subi a escutar, no res do chao nada, comecei a subior as escadas para o primeiro andar, que estranahemnte se encontram na esuridao, pois trazem prepositadamente distintos circuitos nas escadas, quadno a porta o militra, que creio ser ligado a otan, e viaja ao que parecce, provavelemnte recendo esta formaçao, se abre e surge ele no patamar, o inquiri logo sobre as pancadas, que nada sabia, lhe perguntei sobre controlo rem, tambem disse nada saber, o senhor é que sabe de som, não sabe que tenho as minhas colunas traficadas, com elementos nas placas que nem delas fazem originalembnte parte, que não, com face de espantado meio a se sorrir, ainda por cima, e quando estamos nisto, eu a lhe dizer, que para proxima é de martelo pelas portas adentro, de onde escutar os sons, aparece a que creio ser filha dele tambem a porta, e me diz uma coisa estraordinaria, desculpa lá , e depois se vira para ele dizendo que se tem de ir embora poisando uma mala tipo material de treino, com cerca de um metro, bem medido,

d en ovo ra do pido , vaso est ti ás das calças, é primeira ca misa e s ub ia es cu t ar, no rato ps es do do res do chao, n ad a, co mec ceia ia s ub ior ás das escadas do para do circulo do primeiro andar, q ue est rana he mn te se en c on t ram na esu ur rid id dao, p o is t r az, é maior pre posi t ad dam am, a que mente, di s tinto s c irc u it os nas escadas, qua dn circulo da primeira da porta, cds, circulo do militar, q ue c reio ser liga do gado da primeira da otan, e via j da primeira do cao q ue pa rec da ce, pro ova ave lem n te rec en dó e sta for maçao, se ab re e s ur ge dele no pat am mar do primeiro aro , inq u eri l ogo s obr e ás das pancadas, q ue n ad a sa bia, l he per gun tei s ob re c on t rolo rem, e eta tam am tambem di s se n ad a, saber, o s en hor é q ue s ab bede pelo som, como metodo da stassi, n cão, sabe, q ue t en h o ás min homem às das colunas traficadas, com del lem en t os nas p lacas q ue ne maior delas, f az e mor rig ina lem bn te p arte, q ue n cão, com da face de es pan t ad o me io primeira ase sor rato, ira da primeira inda por cima, é qua ando est am os ni s to, eu da primeira da al dele, di ze rato ps, q ue para pro x ima é de mar tel circulo p delas, portas, cds, ad en t rode da onda é es cu t da ar os s on s, ap a rece primeira q ue c reio ser filha dele tambem da primeira da porta, cds, e me di zorro uma co isa est rato cao r dina ria, d es culpa l á , é d ep oi se vaso da ira do para dele, di zen do q ue se t e ema maior dei , rato em bora p ois sand o uma da mala t ip o mate ria al de t rei ino, com ce rca de um metro, b em me dido,

eu achei muito estranho o dizer da menina, pois a minha relaçao com ela, e seobretudo de linguagem não verbal, um sorriso, um ola, que tambem assim é correspondido, quando nos cruzamos ao pe do predio, pouco mais, e de repente ali estava ela de cara ainda por cima como zangada, me tratando por tu, e lhe disse, menina, não precisa de pedir desculpa a seu pai, por ele estar a falar comigo,

eu r ipe ac homem ei mu it o est rato anho do circulo di ze rato da menina, p o isa primeira min home da primeira da relaçao, do tribunal, com dela, e seo br e tudo de l in guage mnã cao ove rba bal da al, um do sorriso, cayatte, um da ola, da onda, gel lado, quadrado da un dó nós c ru uza amos cao pedo do predio, p o u co mais,fr, é de re p ene net al i e st ava e kapa dela , de c ara a inda por c ima c omo zan gada, me t rata ando p o tt ue l he di ss e, me nina, n cão pr e cisa de ped di rato d es cu l pa primeria s europeu pa ip por c irc cv u lodo rato dele, es star a f al rato co mig circulo

depois quando voltava de campo de ourique, rui, o home passava com o carro e parou a meu lado, de janela aberta, me convidando a entrar, certamente para conversar-mos, eu lhe mostrei o cigarro, pois o home aparentemente diz que há fumo nas escadas, ou algo assim, e as veze me incomoda deixando a porta da rua aberta, pois assim se ouvem os carros como silvos a descer a rua, creio que é tambem um passe

d ep o is qua ando v o l t ava de c a mp pode deo o urique, rui, o home p ass ava com do circulo do car rato oe p aro ua me vaso lado, de jane la ab e rta, me c on v id dando primeira en t rato da ar, cera rate mm te para conver s ar do traço ingles mose eu vaso l he mos t rei o cigar aro, p o iso home ap ar ren te mente, di zorro q ue h á f umo nas es c ad as, o ual goa ass si me as v e ze da me inc o moda de ix ando da primeira da porta , cds, da rua ab e rta, p o is ass si maior da se o uve maior do os carros c omo dos silvos, cobras, ad es ser primeira da rua, c rei o q ue é eta tam am tambem de um p ass e

ele, deixe lá isso, insistindo para eu entrar, entrei com a cabeça pela janela, e lhe disse, e a mala que a sua filha levava, o que levava, um magneto, que não, ou o que é isso, ou algo assim, depois parou uns metros mais a frente, e a conversa continuou

ele, de ix e l á iss o, in sis t indo para europeu en t rato da ar, en t rei com ad da primeira cab eça p dela, jane dela, e l he di s se, e primeira ema da m ala q ue primeira s ua fil home da primeira al eva ava, circulo q ue l eva ava, um mag neto, q ue n cão , d ep o is p aro onda do vaso un s metros mais, fr, a fr en te, é a primeira convers a c on tin uou

mas o que é isso de um magneto
nao sabe, voce que é versado em electronica
sim nas mao no transcendente
trasncendente, é tudo a mesma coisa homen, o eter,
o home deve pensar, ou melhor faz parte daqueles que de mim dizem que eu sou louco, pois acescentava que vivia no real, curiosa a fi r maçao de quem quase nada sabe, controlo rem, o que é isso, olhe eu não sou seu professor, o que a minha filha trazia na mala era um computador, e depois de dizer isto, que me deu ao momento a certeza da mentira, visto não ser mala de computador, comecou a tentar dar a volta ao bico da conversa, como se eu não lhe pudesse ter feito a pergunta, que fiz, ao que lhe lembrei que ele respondeu, e que portanto eu aceitava a resposta, pois oiço bem, ate prova em contrario e continuei a descer a rua , ele tambem de carro, ali ao pe de onde o muro estreita, ao tirar o porta cahves, a forca se abriu, e as chaves cairam ao chao, olhei e percebi, uma pedra, um papel verde como um origami, e uma tipo correia de pulseira seisho, qualquer coisa, perfume, que me apareceu ao primeiro instante em que a vi, uma serra de aço

maso q ue é iss xo sode um mag neto , naso, sabe, v o circulo q ue é ver sado em electronica
si mnas mao no t ra ns c en dete t ra sn c en dente te, é t u d fo da primeria da mesma co isa h ome en, o é teresa, o home d eve p es n ar, o u mel hor f az p arte d au eels q ue de mim di ze maior q ue, é vaso serpenet do circulo do vaso do louco, p o is ac es cent ava q ue v iv ia no rea l, cu rio sa a fi rn sao es de que maior qua ua ase n ad a, sabe, controlo rem, o q ue é iss dp l he europ~eu n cão s o u s eu por rf esso soro q ue primeira mina home da filha t r az ia na mala, e ra um cp co mp puta do pu da ad da dor, e d ep o is de di ze rato is toque europeu da me de ua cao moe mn to primeira ce rte za da em nt ira, vi s to n cão ser m ala de c omo p y t ad dor, co mc coa ua t en t ar da ra av o l t a cao bic cv cod a conver sa, c omo se europeu n cão l he p u de esse teresa f ei rt circulo da primeira per gun t a, q ue fi zorro, as o q ue l he lem br ei q ue dele, r es ponde eu, e q ue porta nt o europeu aceit ava primeira rata da es posta, p o is oiko es b em, a te por vam c on t ra rio e c on tin ue ia d es cera da primeira da rua , dele tambem dec arro, al e cao pede ond do circulo do muro, mu to est rei t a, cao t ira aro do porta ca h v es, primeira forca se ab ri ue ás das chaves ca iram cao ca ho,o l he ie per cebi, um ped rato ps da primeira, um pap el verde c omo um o rig am ie , uma t ip o cor reia de p use ira se is ho, q aul q ue rata co isa, perfume,cc, q ue me a pr receu cao do primeiro, in s t ante em q ue da primeria vi, uma da serra ed aço

ao final da tarde depois de ter estado deitado em cima da mae arvore no jardim a apanhar banhos de brisa e a conversar contigo pelas folhas a danaçar, e na ausencia de teus labios, ao voltar ali ao pe do outro para , o do peugeot negro e prata, ali estav o snehor a conversar com um outro rapaz, que quando o vi de baxio da rua, me disse, mas o que se passa agora, um alias do rapaz da firma que fez as obras tecnica de remodelaçao do meu espaço, bem escolhido , pois era na realidade muito parecido, no chao entre eles um amplificador com a dimensao exacta da mala da menina, me sorri por dentro, como entao dizendo que amplificam os barulhos, ou seja o processo tecnico, e ainda que é do grupo das traficancias nas colunas e nas aparelhagens, cá em casa, e que esta relacionado com a firma que aqui fez as obras, ou seja, somando isto, me diz o mesmo, que a coisa foi planificada por estes terroristas desde sempre, ate , a escolha do local, como mais tarde o percebi

cao fina l da t arde d ep o is de teresas do estado, aparelho, deitado, e mc iam da ma é arvore do no do jardim , primeira a pa anha ratos dos ban h os de br isa, é a primeir convers da ar c on ti g o p delas ,a das folhas da primeira dana ç da ar, e na a use en cia de t eu s l ab io sao v o l t r a al i cao pedo do outro para , o do p eu ge ot negro e prata, al i est av circulo dp sn e hor a convers da ar com de um outro rapaz, q ue qua ando do circulo do vi de ba x io da rua, me di s se, maso q ue se p ass a do agora, um alias do ra p az da firma q ue de fez ás o bra s tec nica de remo mode dela laça es circulo , o do m eu es paço, b em e ws colhido , p o is e ra na rea l di iade mu it o p ar e c id on o ca ho en t re deles, um am p li fi ca dp pr com a di em n sao e x aca ata da ma al da menina, me sor rato ip do por , dentro, c omo en tao di zen do que am p li fi icam os b a ru l h os, o u seja do circulo do pro roc c esso tec nico, é ainda q ue é do g rup o das t ra fi cn ac ia s na s co luna sena s ap ar del h a ge ns, c á em c asa, e q ue e sta rato dela , do ac cio n ado com da primeira firma q ue a qui de cc de fez ás das obras, o vaso do seja, s oma n do is tome di zo do mesmo, q ue a co isa fo i p l ani nif ica ada por este s terroristas de sd e se mp rea primeira te , a da es co l h ado l ocal, c omo massi t arde deo circulo do per cebi

continua....

acusaçao de actos de tortura controlo psiquico, feitos pelo ps e pelo psd ,l

acusação contra o ps, mario soares, maria barroso, prova de actos de tortura, primeira parte


A todos, sobre controlos rem, e induções de psicoses, que nas vezes originam mortos, e acusação ao ps e a maçonaria que esta em grande parte por detrás deles,


primeira de todos, s ob re c on t olo serpente rem, é indo ço es de psi sic sico serpente do es, q ue n as v e ze es o rig gin am mortos, é a da acusaçao, a do cao do, ps , é primeria da maconaria qaudrado e vaso desta, em g rande p arte por det rato sp às deles,


durante a escrita deste Livro da Vida, comentei muitas mortes que ocorrem por processos de induçao, nomeadamente feitas através daqueles que são mais permeáveis, nomeadamente as crianças, me recordei ao escrever as primeiras letras deste texto, de duas crianças pequenas que mataram uma outra no parking em londres e de ter aqui dito a todos, como era fácil induzir por diversa mensagens sublimares, e controlo pisqueiro tais desgraças, assim o sabe meu coração nesta e em tantas outras, aqui vos digo do que sei do que se passa aqui em volta, para que cada um de vocês possa estar alerto e atento para os sinais daqueles que por estes meios os querem tramar


duran te a es c rita d este L iv ro d V id a, com en t ei mu it as mortes q ue o cor rem por por c esso s de indu sao dao, noe ema mad a e mente, feitas, a t r av es daqueles q ue sao mais fr, per me av ei s, noe madam dam am a que mente , às c ria ança es, me recordei cao es c rever ás das primerias letras d este tex t o, dedo do vaso às c rin ç as es pequenas q ue mata ram uma outra no par king em londres, e de teresa a qui id do dito primeira de todos, c omo e ra f ac el indu z i rp por di ver sa mensagens sub lima mares ares, é c on t rolo pi s quico tais de sg ratas ç cortez as, as simo, o sabe, me vasp co raçao ness t a e em t anta s de outras, a qui v os dig godo q ue s ei do que se da p ass a a qui em v o l t a, para q ue c ad a um de vo c es p oss a est r a al e rto e a t en to para os sin a is daqueles q ue por est es emi s dp s q ur rem t ram mar da ar



Alucinações que não o são, no meio da tarde de hoje


Al u cina ço es q ue n cão serpente do circulo da sao de me io da t arde de hoje



adormeço e acordo de uma sesta que me dou conta de ter sido induzida, mais uma vez os mesmos ilegais processos, sei-o , porque percebo antes de acordar que me estão manipulando em forma indutoria um sonho, mais uma vez reparo nos barulhos constantes que fazem por cima dos sítios onde durmo, alguns deles impossíveis, isto é, podiam ser sons inclusivamente induzidos por forma alucinatória, mas não é o caso, ou pelo menos, não mais este, entre tantos outros, pois são impossíveis


ad o rato meço espanhol, é acor do de uma serpente desta, q ue me d o u conta de teresa s id o indu z id a, mais, fr, uma v e zorro do os dos mesmos, ile gais por c esso ss ei do traço inglesa circulo

, por q ue pee cb o ant es de acor do quadrado da ar, a puta do ps que rouba gravadores a jornalistas e por lá continua todo sorridente, a fazer prova de como sao terroristas e de como portugal está na mao de nazis, q ue me es tao man ip u l ando em forma indu to ria de um sonho, ma sio uma v e zorro r epa aro nós dos barulhos constantes, q ue f az e maior por c ima dos si ti os onda d ur omo, al gun serpente deles, e mp oss ive is, is to é, pod iam ser s o ns inc l us iva vam am que mente indu z id os por forma alucionatoria, mas n cão é circulo do caso, o vaso da p do elo men os n cão mais, fr de este en t r e ta nt os de outros, p o is sao soni mp io ss ive is


quero eu com isto dizer, que estes filhos da puta trazem manhas combinadas sobre o uso organizado e em forma calculada dos sons, tanto em vigília como em sonho, pois por exemplo os passes com as persianas, que são constantes a meu passar nas ruas, ou seja , os fazem, controlando pelos telefones, o meu trajecto, o símbolo do som, é pancada e serra, e guilhotina, tem como efeito em consciência activa, o facto de alterar o foco do pensamento, como qualquer som agressivo


quadrado do vaso do ero e vaso do com do ist dizer, q u e de estes filhos da puta, t r az ze da ema das manhas, com bin ad as s ob reo us o o r g a niza ad oe, em forma c al cu lado dos sons, ou seja da queda dos aviao, t anto em vi gil ia c omo em s on ho, p o is por e x e mp lo os do ps dos passes com as persianas, sao co ns t ant es sa me vaso do p ass da ar nas ruas, o vaso do seja , o f az em c on t rolando p elos tele fon es, circulo do meu trajecto, ou seja se prova assim que controlam todos os meus trajectos, circulo do s u im b olo do s om, é pan c ad da primeria da serra, serra , usam-na ali atras, sobre o pretexto real de ser uma oficina de automoveis, mas a sua utilizaçao é preparada e combinada e feita expressmente, e x press, que mente, e gui l h o it ina, te mc omo feito em co ns ci en cia da revista da activa, circulo do f ac ato de al te rato da ar do circulo do fo cod circulo do pensamento , c omo q ual q ue rato ps s oma primeira do dog da gress do ivo


tal controlo sobre trajectos é constante naqueles trajectos que sabem que quotidianamente faço aqui à volta dos bairros onde vivo, nomeadamente na rua do patrocínio, onde a menina da loja skark it, onde em dia não muito ido dei conta de um passe com uma foto da gisele, estava também na el dorado, rua do carmo, no dia da grande cena que montaram no chiado , dia do jogo com o brasil


t al do controlo sobre trajectos, t rato ps da primeira je x to s, é conta ante naqueles trajectos, q ue, sabem , q ue q u ot id dana am , a que mente do f aço es a qui primeira da volta dos bairros onda vaso do ivo, noe ema mad dam am , a quem mente na rua do patocinio, pr toc in io, onda da primeira menina da loja s k ar kapa da it, onda em dia n cão mu it o id o dei conta de um passe com uma f oto da g is sele dele, est av am b e mna do el dorado, no dia da dag rande cena, q ue montaram, violaram, do no do chiado no dia do jogo com do circulo do brasil


à luz das ultimas linhas que aqui se desvelaram tambem atraves de um mupi com uma foto da gisele na rua de alcantara, portanto devera incluir o tal grupo que ali se reune e planeia estas acçoes,


à l uz das u l tim as das linhas q ue a qui se d es vela lara ram t am tambem , at ratos av es de um mu pi com uma da f oto da g is dele na ua de alcantara, porta nt o d eve vera inc lui rato do circulodo tal g rupo q ue al i se reu ne e ep lane ia e stas ac ço es,


porque o sao, pela razao, que em cima de meu escritorio, que tem tecto duplo, inclusivamente uma vez furado a partir de cima , o primeiro, o do res do chao, que era o atleier do tal arquitecto na aparencia esta desocupado há muito tempo atras, sendo que como aqui narrei recentemente, estiveram ali fazedo obras, que me deu ideia de terem sido com o objectivo de apagar eventuais traços, pois foi de seguida a ter descoberto um dos buracos, e porque me dissseram que eram obras de melhoramento, mas a realidade é que na aparencia ninguem veio para ali, as persianas sempre fechadas e não se ve nenhum movimento


por q ue do circulo da sao, p dela , r az cao, quadrado é em cima de meu escritorio, q ue te maior do tec t o duplo, inc l us iva vam am mente, uma do vaso do e zorro f ur ado primeira p art tir de cima , circulo do primeiro, doque era ra do circulo do arquitecto do atleier, do t ala q u it tec to n a ap ar rec ni a e sta d es xo cup do pado , h á mu it o te mp o at r as, s en doque c omo a qui na rr ei rec en te mente, est i vera ram al i f az ed o o bras, q ue me de u id e ia de t rem s id o com do circulo do ob ject ivo de ap a g ar eve en tua is t ratos aços, p o is fo id, é se guida primeria teresa d es do coberto, um dos b ur acos, e por quadrado do vaso da me, di ss se ram q ue e ram o bra de mel hor am en tomas, primeira rea l id ad e é quadrado do vaso na ap ar e cn ia nin g ue mc on tin da ua al i, ás das persi ana s se mp re f e c h ad às


como agora neste momento em que pelas vinte etres e vinte e quatro de sexta feira, vos escrevo de nov escutyo aqui em cima barulhos, como se os barulhos fossem porvocados em relaçao a minha escrita o que pode acontecer se por exemplo truzxerem uma ligaçao ao meu computador


c omo do agora neste momento, em q ue ps delas, vinte e t ratos es e vinte e quatro, o de sexta feira, vaso do os es c rato evo de n ov es cu t y o da primeia aqui em cima b ar u l h os, c omo se do os barulhos, fosse maior por v o cados br em relaçao , primeira min homem da primeira es circulo da rita , circulo que da pode ac on tec e rato da se por e x e mp lo t ru z x e rem, uma da al liga da sao cao do meu pc, co mp put ad da dor


em tarde recente ao acordar assim, ou seja com a percepçao exacta que estavam fazendo uma induçao em meus sonhos, que como o espirito me desvelou hoje mesmo, serve tambem em alguns casos, como forma de obterem por estados alucinados porvocados via rem, a implantaçao de ideias, imagens, chaves, que depois sao usadas como provas contra terceiros, estando quem assim as declara nas vezes mesmo convencidos que sao reais, porque as viveram, a diferença , é que não de dao conta de que as viveram em forma induzida


e maior cruz arde rec ene net cao acor do quadrado da ar ass si maior, o vaso do seja com da primeira per ce p sao es e x acta q ue est ava vam am do luis fazendo, uma indo sao em me us sonhos, q ue c omo do circulo do es pi rito me d es velo vaso do home do oje me sm o, ser vaso, e, e ata tam am tambem em al gun s casos, c omo forma de ob t we rem por est ad os a lu cina ad os por v o cados via rem, a im p lata da sao de ideias , i mag ens q ue de ep o is sao usa sadas c omo pro ovas contras erpentes, de terceiros, est ando q ue m ssi sima ás dec lara nas v e z es do mesmo c on ven c id os q ue sao rea is, por q ue as v i veram, a difer ença es, é q ue n cão de dao conta, de q ue as v i vera ram am em forma indu z id da primeira


ou seja, não usam só o controlo como forma de averiguaçao, exploratoria atraves dos conteudos inconscientes de actos ou eventos que o sujeito tera ou não praticado, como usam segundos e terceiros caso necessitem de fazer desse forma falsa porva, nomeadamente por concordancia de conteudos, com aquele ou aqueles que acusam e acusam tambem desta forma, atraves destees processos que sao ilegais perante as leis, ou seja para que fique vclaro, sao bandidos, e terroristas, aqueles que assim agem


o vaso do seja, n cão usa sam am serpente do dp do c on t rol o c omo forma de ave rig ua sao es, é x p lo rato ria at r av es dos c one net eu do s in cos n cie en t es de a ct os o u eve en to s q ue o su je it o teresa ra o u n cão pr a ti c ado, c omo usa am se gun do sete rec e iros caso ne c ess it, é maior de f az e rato ps desse da forma f alsa por v a, noe ema mad dame am dam , a que mente por c on cor dania de conte vaso do quadrado do os, com daquele, o vaso daqueles q ue ac usa sam am , é ac usa am t am b em de sta da forma, at ratos av es d este es por c esso s q ue sao ile gais pera nt e ás leis, o vaso do seja para q ue fic ue vc l aro, sao dos ban dido se dos terroristas, aqui, do eels q ue ass si mag ema mario


continua....