sexta-feira, julho 12, 2013

534 M 12 07 2013 To Mr Juncker








...Si je ne arrive à obtenir l’appui immédiate de la cour je dois rentrer au Portugal, ou par la escalade de cette crime contre moi et mon enfant les dernier temps, me fais craindre pour ma liberté, sante et même de ma vie et de la vide( vie) du enfant...

letter of 2011 to Mr Juncker, that did not arrive to is cabinet according information there at 10 07 2013

To mr pm
of Luxemburg
4, rue de la congregation
1352 luxemburg
Lisbon, 08 11 2011


Dear sir,

I m writing to you, as a European citizen, asking you to make the letter in annex arrive at the proper
hand that by law in your country deals with crimes of the nature there described, acts of international
terrorist association and consequently can accept and take care of this complain

I decided to write to you, first of all because of your government functions, in the sense that as you can
see and judge by your self, this also mingle and arise many question in political level

Also because, the contacts, address, that I try to obtain trough the data base of the official company of
communications, where at portugal, PT, whore not clear enough to assure me that the letters arrived to
the rights hands

I also ask you, because by the reason of this crime I do not have money to send letters or make phone
calls, if by the reason also explain in the second letter, annex, the fact that this crime also occur on
french territory and with at least a Italian citizen, if by your official contacts you can send it also to the
french and the Italian prime minister

I would appreciate if you can after send me the contacts, name address and phone, of the Luxemburg
state institution and the person that will be in charge of this case

with my compliments

paulo forte

hereby I annex a signed copy of the letter, with four pages, with the criminal complain

and the invoice

http://113cc.blogspot.com/2013/07/poste-prove-of-invoice-of-letter-to-mr.html

apresentacao de queixa no Parquet do Luxemburgo



Como é do conhecimento publico à data, pois neste meu livro da vida, destes acontecimentos dei conta, em 2008, quando tentei meter um processo crime contra o estado portugues na Curia, pelo menos a primeira carta enviada em 8 07 2013 foi desviada, como foi posteriormente desviada outra carta enviada ao primeiro ministro do Luxemburgo, de 08 11 2011 onde lhe dava conta entre outros assuntos, relativos a crimes semelhantes em instituiçoes europeias, deste desvio, pedindo-lhe o favor de a transmitir ao procurador geral do Luxemburgo.

Nessa carta, a de 08 11 2011, estão tambem os links de alguns registos em video nomeadamente uma ou duas conversas telefonicas com pressupostamente a policia do Luxemburgo. Digo pressupostamente, pois o conteudo delas, e uma estranha musica de espera, tipo um tambor electronico como musica de guerra nas chamadas, me faz suspeitar que poderão ter sido desviadas para um genero de call center, como creio já ter acontecido em outras ocasiões. Numa delas, quem me atendeu, diz expressamente, que para apresentar queixa, teria que cá vir, o que tambem é incorrecto em si mesmo. Essas conversas telefonicas foram, nomeadamente, para dar conta deste primeiro crime de desvio de correspondência.

Depois de ter estado antes de ontem, nas instalações do procurador general como narrado em texto já publicado e de acordo com a informação fornecida pelo senhor não identificado que me atendeu, ontem de novo lá tornei a ir, desta vez, ao "Parquet",  onde apresentei a queixa, com uma carta de rosto explicativos e as cartas desviadas endereçadas ao tempo ao primeiro ministro e à Curia,  bem como outros elementos comprovativos destes crimes.

Abaixo, foto da carta de rosto da queixa que ontem lá apresentei, como poderão verificar, o senhor da recepção somente apensou um carimbo do Parquet com a data de ontem, sem assinatura, tendo eu insistido na pergunta, se era assim que protocolizavam as queixas ao que me disse que sim. Nada disto dá segurança a quem se queixa, pois à semelhança do que se passou na Greffe, Curia, tambem no carimbo, existe espaço para um número de processo, que não foi completado na altura em que o apensaram, e portanto isto diz, que a protocolização acontece depois, se acontecer, atendendo aos antecedentes de desvios anteriores e outros factos.

Do exterior do guichet, se via dois funcionarios, e pilhas e pilhas de processos, como se vêem em Portugal, ou seja, parece indicar falta de meios humanos necessários para o volume de trabalho. Estranhei, pensei que não iria encontrar situações como esta num país civilizado do norte da europa.

foto 1





Como sabeis, por outros factos antes desta viagem descritos, nomeadamente a análise feita através da minha segunda e recente visita virtual ao site da Curia que um "perfume" a 9 11 anda aqui à volta. Ontem ao chegar reparei que a pequena camara que uso a bloggie, que tem estado sem gravar desde que aqui estou, tinha como indicação do tempo de gravação possivel no formato 720 30 P,  exactamente, 9 11 minutos. Ontem gravei uma das cartas acima mencionada durante dois segundos e apresenta agora no visor 9 07, ao lado desta indicação no visor sobre a memoria se a usar em modo de foto, 96, que ontem era 97, ou seja parece isto indicar alguem relacionado com eventos nestes dois anos. nesta foto que tirei hoje de manha à camara, no visor aparece uma especie de mapa mundo, daqueles que se encontram nas paredes das recepçoes de grupo multinacionais, de negocios ou viagens.

no blogue documents of support

533 M 12 07 2013 a la court européene et a tous, sur la crise financeire et politique au Portugal




Neste video, 533 M 12 07 2013, faço um pequeno comentário em francês sobre a ilusão da crise política e economica em Portugal, que é de certa forma a explicação que faltava à metafora dos roubos de patromonio atraves dos off shores abordado no video 514 M 17 06 2013.

Relembro os factos que vieram a conhecimento publico aquando do apareciemento da divida publica e da sua justificação, em 2008,  caso do banco BPN, da sociedade Lusa e do Balcão virtual do banco, que num primeiro instante a divida anunciada, que pela soma dos factos, aponta, pura e simplesmente roubo atraves das plataformas digitais bancarias, era de 800 mil euros, e que passado uma semana, tinha subido ao dobro, e que portanto é de pressupor que grande parte da divida, se deve a roubos, ou seja crimes, e que eles continuam, a atender, ser for verdade, a informação que apareceu nos jornais aquanda da recente demissão do ministro das finanças, que mesmo tendo este governo contrariado a decisao do tribunal constitucional, indo ao bolso das pessoas, a divida tinha aumentado 14%. Depois apareceu uma justificação, que em parte não será mais do que isso, uma aparente guerra politica sobre se os fundos swap contractados pelo anterior governo, tinham sido comunicados a este.  

insisto, que se a divida é publica, então corresponde ao dinheiro de todos e que por esta primeira razão, e a do principio da transparencia e da responsabilidade politica, é exigencia de salvação nacional, o conhecimento do porquê da divida e de quem são os credores, ou seja quem está ser indeminizado pelo erário publico à conta pelo menos em parte do mau funcionamento das plataformas de transação digitais, e a responsabilização politica e criminal, e por que razão não foi feito um plano de recuperação do dinheiro roubado, como desde sempre digo ser necessário.

se a divida de facto aumentou, tendo ao mesmo tempo o estado aumentado as receitas em forma criminosa, quer isto dizer que o dinheiro continua a ser roubado todos os dias, e que o imperativo muitas vezes repetido da necessidade de rever o uso das plataformas digitais nestes dominios, continua em parte ausente das politicas mundiais

up date no texto anteriormente publicado, imagens do Luxemburgo

 (extracto)


..É um texto segundo a referencia que trago escrito e publicado em 03 07 2007 com o titulo, "deu conta o jornal, de uma intenção de lei que não permitia que os juizes pertencessem aos clubes de futebol, velha questão que já fora abordada", e o pedaço dele que espelha, a imagem de agora, é este.


...Entrei, e do lado direito assente e suportada pela parede branca, Cristo Grande Numa Enorme Cruz, quando sai de novo, reparei que a parede que a Sustenta, é meia com o Tribunal Constitucional, nunca tal tinha reparado...


http://113cc.blogspot.com/2013/07/imagens-do-luxemburgo-versao.html