sexta-feira, agosto 10, 2018

OTHERS TODAT POST AT MY BLOG TTGBBO


215. AFTER THE EXPLANATION ON JENNA DE ROSNAIS IMAGE OF PHOTO, AND AFTER THE MORE RECENT DISCOVER OF GIRAFFE AS A DONKEY, IN THE LAST VIDEO PUBLISHED ON ZOOM 115, I NEW DISCOVER ON THIS THEME, 4 BLADES

https://tothegreatbritainbelovedone.blogspot.com/2018/08/215-after-explanation-on-jenna-de.html

216. A COMPLEMENTARY VIEW ON THE LOCK CRIME, 12 BLADES

https://tothegreatbritainbelovedone.blogspot.com/2018/08/216-complementary-view-on-lock-crime-12.html

217. ON BLADES AND STEELS, RECENT READINGS, IMAGE OF A DEVELOPMENT EXTRACTED FROM A VIDEO PUBLISHED UNDER

https://tothegreatbritainbelovedone.blogspot.com/2018/08/217-on-blades-and-steels-recent.html

WORLD WILD WAR

WORLD WILD WAR

Mais uma vez, DIA 26 07 2018, fiz prova através de uma publicação de que relativamente simples operações numéricas através dos sistema operativos da Microsoft e de aplicações terceiras mas nele integradas não funcionam e consequentemente nelas não se pode fiar.

Estando NASA de novo na mesa por diversas razões e encenações de diversos me fiquei a perguntar, mas será que a queda do Shuttle se deveu a um erro de cálculo devido aos sistemas operativos de computação?

E também me perguntei e vos pergunto, mas será que esta falta de fiabilidade existe também na América ou será só feita para exportação, que a ser verdadeira esta possibilidade diria de uma intenção planificada de dolo em relação a diversos países do mundo.

Ou são estes crime forma de alguns angariarem um exército e um vontade de guerra contra a América, pois a não resposta sempre lhes é assacada na consciência das vitimas.

Ou ainda, estas discrepâncias de cálculo são só feitas relativamente a quem os terroristas querem foder?

Vos fiz duas provas de semelhante natureza, onde numa soma de tempos parcelares relativo a conteúdos que são imagem e som, no produto final, ou total, o vídeo montado, isto é, com todos os takes em sequência e sem nenhum corte, alguns minutos desapareceram.

Quando um utilizador, ou uma vítima desta realidade nazi é confrontado com estes roubos através de cálculos simples se tem que perguntar e tem que vos perguntar, mas será só na soma da contagem do tempo, ou também serviu e serve para criar dívidas astronómicas a países para depois lhes pôr a canga?

Ou ainda, quando somo euros e cêntimos na minha empresa, ou num banco ou mesmo no ministério da economia, também desaparecem no total, alguns cêntimos, ou euros e em soma de todas as transacções, milhões ou mesmo mais?

Quantas transacções e cálculos financeiros e pagamentos e recebimentos fazem-se hoje em dia por segundo no planeta? Alguém sabe responder?

E ainda são usados e se o forem, em que percentagem, a mão, o papel e o lápis, ou o abacos, ou mesmo as máquinas que antigamente se chamavam de electrónicas para as gentes fazerem contas?

E me dizeis ainda, se ainda trouxeram boca, pois todos os dias o que vos fazeis no sistemático silêncio às queixas é a prova da vossa culpabilidade, os mesmos erros, se passam no cálculo de uma trajectória de um míssil de preferência com uma ogiva nuclear assistido por sistema de computação?

As estratégias de guerras desde que o homem é homem, sempre comtemplaram tácticas de estrangulamento, enfraquecimento e destruição do poder económico dos inimigos, ou vos haveis esquecido disso.

Com as maravilhosas capacidades destas tecnologias ao serviço do bem, é bem possível que quereis dominar o mundo inteiro sem mesmo lançar uma bomba nuclear, o que será sempre avisado, pois não há fronteiras nem taxas no ar e na água que circula na terra.

Mas qual inimigo, se não vós mesmos que fazeis e vendeis estas tecnologias e as usais em crimes de todo o tipo, ou a segurança é uma ilusão de propaganda da guerra global.

Para não relembrar aqui coisas menores, como filhos roubados, tortura, morte matada, desrespeito pelos direitos humanos, de propriedade, coisas assim insignificantes e obviamente sem qualquer importância, ah, já agora, também desse belo eufemismo funcional, direitos dos consumidores da carne de sempre para todos os canhões.

HOJE DIA 10 DE AGOSTO 2018 NO ACER, DIA 8 NO KUBO, E HORAS NO ACER 18:00 PM, DA SAGA DA EPAL

HOJE DIA 10 DE AGOSTO 2018 NO ACER, DIA 8 NO KUBO, E HORAS NO ACER 18:00 PM, DA SAGA DA EPAL

Capítulos anteriores publicados destes constantes crimes e passes que sempre tem montado através as empresa de fornecimento de água e electricidade ao longo de mais de uja década do roubo de meu filho, se encontram como sabeis publicados no meu blogue com todos os documentos de suporte, os últimos episódios desta telenovela real criminosa e nazi, sem bem vos recordais ao tempo de mais umas mortes.

Respostas, para quê, se são artistas portugueses, glosando a antiga publicidade da pasta medicinal Couto, se cá vamos, vamos, cantando e rindo (para quem não saiba ou não se lembre, o hino da mocidade portuguesa ao tempo do antigo regime).

Há dias um papelinho na porta do prédio a avisar que vinha hoje, dia 10 se dia dez, ou dia 8 no kubo, talvez uma das razões para terem mudado a referência das datas em forma criminosa, pois a coordenação e planificação deste crime é sempre um espanto de negro espantar.

Pelo kubo, ontem dia sete, pela madrugada já quase manhã, um contínuo silvo, parecido com os que às vezes se escutam nos canos por exemplo de água, mas sem o ser que se manteve até ao homem da EPAL se da EPAL, se da empresa sub contratada, se da empresa sub contratada da sub contractada, pressuponho que este som, terá sido uma acto de amor, como quem me chamava a atenção para o crime em curso, assim espera sempre o Amante da Amada, descontando a chatice de ter que levar com silvo de uma cobra inexistente a silvar durante umas horas, melhor seria beijar.

Estou com dores, a infecção tem crescido, e isso o sei em certeza pela conhecimento derivado da frequência com estes canalhas nazis me infectam ao longo de mais de uma década e portanto, nas vezes nem consigo dormir, e assim estava meio adormecido, quando de manhã de dia 10 pelo Acer, quando tocaram com alguma frequência e por diversas vezes a campainha à porta do prédio, ou seja, também aqui no sempre desejo amoroso de ter ver nua e muito lamber, pressuponho que seria ainda um outro aviso de amor, ou uma garantia estratégia de que a narrativa preparada se iria cumprir por parte dos demiurgos autores do diabos.

Me levantei e passado alguns minutos sem ninguém aparecer me disse, vou subir a ver o que se passa nesta ausência que me parece ser a tua de sempre amor, fechei a porta do escritório a chave, a pensar para meus botões, se calhar o delay introduzido na invisibilidade do sub contratado servirá para que eu o procuro no átrio e entretanto tem um outro combinado já dentro do prédio para aproveitando a minha ausência, logo entrar par vir roubar mais alguns documentos, ou foder mais alguma coisa ou dispor mais umas bactérias para reforçar a infecção.

Estou à porta dentro do átrio e vejo vindo caminhado um homem de jeans e de camisa branca com um ar meio aflito ou apressado, abro-lhe a porta e lhe pergunto é o senhor da EPAL? Que não mas que estavam no prédio no quinto andar, deve portanto ter um espécie de raio x que de fora do prédio lhe permite ver os homens da EPAL o do que for certamente usando uma telemetria nos reflectores dos casacos ou ainda um remake da linha contemporânea dos super-homens e das supermulheres e até certamente de super-ratos visto eu os teus flaps, aqueles pequeninos que habitam em torno da tua rosa, teimam em estar ausentes de meus lábios. Moi mouille, toi dur, belo lema de verão e de todas as estações em horários diferentes em fusos idênticos.

Então quem é o senhor, que eu não o conheço?

Eu sou o morador da última cave

Ah é, diga-me lá um coisa visto estar há dias um papel da Ibervial no átrio dizendo que tinha havido queixas de coisas lançadas aparentemente pelos moradores destes prédio pelas janelas que teriam caído nos pátios das duas habitações térreas, já falei com três vizinhos e todos eles me disseram eu não sabiam de nada…

Apareceram disse ele, uns papéis, umas beatas, e depois acrescentou e roupa também, uma senhora que depois apareceu com um saco par apanha-la e eu lhe disse, isso, (a última parte da narrativa dele), acontece, mas não são de actos de vandalismos, são coisa que sempre acontecem, a roupa cair dos varais, acrescentou, a não ser que seja do outro prédio, e eu,  beatas voadoras certamente em trajectórias curvas ascendentes que depois descem com orbitas de shuttles, assim pensava ironicamente para mim, poisa final tanto podia ou não podia ser do prédio ou do outro, ou até mesmo de Marte

Eu vim cá pernoitar nestas ultimas noites, a casa é de meu filho, está de férias, e eu me dizendo, mau maria, e lhe perguntando, mas então foi o senhor que se queixou à Ibervial, que não, espantam-se meus olhos e meu pensar se pensar sei sem te ver amada nuazinha através do buraquinho da lente do kubo.

A conversa ficou mais ou menos por aqui, desci, pois já estava a tempo demais perigoso para poder um outro escondido entrar pelas costas enquanto a conversa entretinha, e me perguntava, mas este homem não é o mesmo da última vez, que me disse um mesmo, que a casa era do filho, quando o encontrei com uma mulher loira assim meio platinada ao pé do ascensor, ou seja pela lógica impossível da batata com as discrepâncias dos fusos horários em máquinas de um mesmo ramo, esse jovem terá então dois pais distintos.

Passado nem dois minutos me aprece um homem grande, de fardamento com calções, certamente de um estilista contemporâneo, galerias lafayette Paris, com uns dizeres qualquer coisa menos outra, gás e electricidade ou água ou veneno ou silvo de cobra ou a puta que vos pariu a todos, lhe abri a porta, virou-se de costas durante dez segundos para os números do contador da água que roda a cabeça, que como sabeis é uma conceito que estes filhos da puta canalhas nazis me roubaram no âmbito deste crime de roubo de um filho e da minha escravatura, e disso, está feito, fiquei-me a perguntar, o quê, a leitura da água, o outro homem, a galáxia e o universo inteiro?

Ao voltar-se, o objecto tipo pedra kubrikiana, tinha uma luz branca no topo que me lembrou ainda um dos últimos passes no andar do Amílcar relatado ao tempo talvez porque também me pareceu ser brasileiro, como o outro, curiosa luzinha a luzir e os espelhos de antão que os contadores traziam em suas mãos, e que agora não são necessários para ler os números, mas que faltam nas solas com pregos das tabletes tipo kubos da Microsoft, uma delícia amada a vida nesta galáxia nazi, não achas.

DO ROUBO DA FACTURA DO KUBO E DO ANTIVÍRUS NORTON DELUXE, SEM TURBO



Comprados ao mesmo tempo na associação de malfeitores da Worten Sonae do CC Colombo, um detective não pirata mas com um problema no olho se bem vos recordais da suave personagem das séries TV, que como dei conta em dia recente foi roubado também cá de casa provavelmente da última vez que me puseram a dormir quando roubaram uma série de documentos, me dizeis filhos da puta nazis, que estratégia é a vossa para tal roubo?
Podia pôr-me a adivinhar

WWW OR WORLD WIDE WAR

WWW OR WORLD WIDE WAR

Amada e amados como sabeis de repetir só gosto mesmo de beijos e de beijar

Tempo dos homens houve quando as maquinas que sempre foram produtos, ou seja, cuja produção e o comércio se relacionava intimamente com a subsistência humana que quando elas eram defeituosas existia uma exigência na mais da vezes cumpridas de queixa, de escuta e de entendimento das queixas, da resposta a elas, e da exigência de reposição e do seu funcionamento em forma expectável.

Tal por exemplo se passava nos carros, pois todos se lembrarão quando um determinado modelo era lançado no mercado e depois se descobria que tinha um defeito perigoso que andava provocando dolos diversos acidentes e mortes, se ouvia das fabricas um comunicado dizendo para os carros tais e tais modelos e série xpto deveriam passar pela oficina de forma a corrigir o mesmo, alguns outros eram mesmos retirados do mercado e se nos lembramos desta realidade expectável nos negócios e na responsabilidade social, colectiva e individual sempre a eles associados, podermos pensar que tal exigência real, se devia ao facto de se tratar de máquinas que podiam matar e mais probabilidades tinham de o fazer se tivessem perigosos defeitos.

Matam os computadores e as tecnologias de informação?

Não se tornaram todas estas tecnologias e equipamentos como armas de guerra numa guerra mundial não declarada e ainda sem bombas atómicas?

Não vos chega o nível de perigosidade real e as consequências de morte de outros dolos, para tomares medidas?

A atender no que se vê e se o que se vê é verdade, parece que não, pois a impunidade sempre reina, ninguém responde ou assume o que seja, sempre as responsabilidades são escamoteadas e o sangue e a dor continuam a correr e assim continuará se a direcção não for distinta.


Cabelos longos de verão, I




Cabelos longos de verão, I

Diz-me Lamas neste verão quente de mais uma tua ausência nesta realidade nazi, do escravo negro Antara el –Absi conhecido por simplesmente Antar, que viveu outrora pelos lados da Pérsia, ao ver pela primeira vez Abla depois de ter rasgado um lobo até aos lombos e lhe ter cortado as patas e a cabeça e depois de as ter colocado no seu alforge,

Vi uma jovem branca e seus longos cabelos
Envolveram-me em noite sombria
Tenebrosa é a minha noite feita dessas madeixas negras
Nesta noite esconderei a minha felicidade
Esconderei o meu amor no fundo do meu coração
Até que a sorte me seja favorável
….
Não sei se foi no mesmo dia, talvez depois de por mim passar, se dirigiu a uma daquelas máquinas onde pela ranhura nem da tua rosa nem das lentes dos circulos cúbicos saem umas espécies de papelinhos depois de massajar com os dedinhos o teclado do amor inexistente, depois de agitar a longa crina, eu me dizendo, era capaz de dormir naquele leito, uns metros mais abaixo, numa revista de socialite o rei Filipe olhando de lado como se estivesse vendo o caminhar de frente da jovem e bela égua com face de espantado meio zangado e a rainha Letícia de frente olhando-me também com estanha expressão como quem dizia, voila, mas também de janga, como quem dizia, eu não te tinha dito ou avisado…. Faltando como sempre ou talvez não saber o que de resto, se alguma na tua ausência ou inocência…..
….

Alterações nas últimas publicações

Alterações nas últimas publicações

Continuam as alterações de tudo, o texto sobre os crimes na fechadura foi alterado nomeadamente numa palavra importante, Rhodes, palavra e lugar, bem como fazem erros diversos de escrita para sujar o sentido global do documento e da mesma forma as fotos que fiz e publiquei, se encontram desfocadas na parte lateral direita e creio que não estavam assim, ou seja devem ter aplicado um filtro a cada uma das fotos durante o upload ou depois e também assim estão nas minha cópias, que estes filhos da puta terroristas e ladrões tudo fazem para garantir o sucesso dos crimes.

Quero estes canalhas presentes em frente a um tribunal

Mas qual?

Haia, insisto!

ABOUT ANTENA 2 NEWS , FIRES AND OTHER CRIMES


THE CONSTANT NAZI REALITY OF THIS CRIME