domingo, setembro 14, 2003

há quem diga que a Anouk é uma Tágide, ninfa do Rio Tejo, que ama por dentro de cada um de nós.
Casei-me por impulso. Um impulso familiar com uma expressão familiar. Estou com os neurónios cor-de-rosa, que para mim sempre foi uma forma de dizer, estou a ronronar e feliz. Assim que “achei” a Anouk pedi-lhe casamento. Não sei se é rapaz, rapariga, ou outra coisa qualquer, mas não me parece que tenha alguma importância como de costume. As iludências sempre aparudem, pois é certo que Anouck terá dos neurónios cor-de-rosa uma outra visão, uma outra história. Pedi-lhe para linká-la e ela assim assim, com um ar displicente, hehehehe, disse que sim. Pois então aqui fica o Anel que une a todos em forma de link. Não deixa de ser curioso, pensar sobre as novas famílias de hoje, e sobretudo esta não distinção, nas relações, a lembrar em pequenino como era fácil aceitar o diferente na cara do desconhecido, sem nenhuma pedra no bolso e uma plácida curiosidade, tipo não sei quem és, mas também não importa, se calhar vamos conhecer-nos, melhor. O não saber, como ponto de partida para a alegre aventura e ficar contente sem qualquer pressa por tal ainda não ter acontecido.