terça-feira, agosto 10, 2004

chegou
a hora
em
que as
crianças
entram
nos prédios
e
esta
é sem
sombra
uma
das horas
mais
felizes
dos dias
mesmo
os
que
nos
parecem
tristes

todos
os dias
ecoam
nas
escadas
dos prédios
o arrulhar
dos
risos
Altos
Infantis
Música
das
Esferas
do
Amor

Vida
Vivendo
Em Si


Como
Pequenos
Pardais
Alegres
Riscados
Trinados
Vôos
Pequeninos
Seres
Frutos
Nossos

Desde
Que
Nascem
Voltam
A
Casa
Nas
Horas
Dos
Adultos
Como
Se
Adultos
O
Fossem



Fogos de verão
A temperatura
Média
Sobe
Portugal
É
Pequeno
Em Território
Em Meios
Em Praticas
Nalgumas
Formas
Da
Posse
Da
Terra



Fogos de verão
Problema
Português
Espanhol
Grego
Italiano
Talvez
Norte
Africa


A Temperatura
Média
Da Participação
Do Crer
Dos
Cidadãos
Na Europa
Desce

Se
União Faz
Força
Se Ajudar
Ajuda
E
Contentar
Faz Crer

Porque
Não
Uma
Europa
Ou
Mesmo
Uma
Aliança
Mediterrânea
Sinal
Boa Vizinhança
Com Africa
Contra
Os Fogos
De Mãos
Dadas



Dividido
Por todos
Equidistante
Ao Centro
Do Circulo
Dos
Territórios
Mais
Quentes
Mais
Afectados

Um Sistema
Um Investimento
Um Financiamento
Comum
Aviões
Dos
Exércitos
De Cada Um
No Bem de Todos

Objectivo

A Partir do
Ponto
Central
Poder
Sempre
Fazer
Os
Necessários
Contínuos
Carrosséis
Do Ar
Em
Tempo
Útil
E
Eficaz

Somaríamos
Todos
Vitória
Vitórias
Que Fazem
O Crer
Porque
O Crer
Então
Se Torna
É

Talvez
Assim
Subisse

A
Temperatura
Do
Amor
Entre
Seus
Filhos
E
A
Mãe
Europa


Ontem vi uma coisa espantosa num telejornal. Dava-se conta que outrora os c130 do exército português, poderiam ser instrumento do combate aos fogos, tendo mesmo sido feita uma demonstração da sua adaptabilidade à função. Segundo informação, a opção politica tinha sido entregar este serviço aos privados. O espanto é, quais privados? Sim que eles existem, freta-se aviões e helicópteros, mas não chegam, pois não?

Depois posso pensar que uma das funções de um exército, que nunca é de fazer a guerra, pois melhor do que ninguém conhecem os militares o seu preço, deveria e poderia ser de serviço público ao país como é sua essência por natureza. Assim vendo, parecia lógico que tal tarefa pudesse ser por ele feita, da mesma forma, que a boa ajuda que deram no ano passado, se calhar poderia ser estendida durante o resto do tempo (tarefas de manutenção das florestas, limpezas, desbravamentos…)

Por outro lado a adjudicação de tarefas desta natureza a instituições que são públicas, donde financiadas por todos nós, pudesse contribuir para uma melhoria tão necessária das condições que geralmente tem.
Esta cordenação e envolvimento comum poderia ser estendida a outros níveis da actuação para além dos carrosseis de aviões.
Lembro-me de nas ultimas grandes cheias que afectaram os paises do norte, a espantosa quantidade de meios que esses mesmos paises pela dimensão que tem possuiam e bem fizeram actuar. um me ficou na memória, comboios hospitais alemãos que serviram para tratar as vitimas e recolher os desalojados. Se o Fogo é no Sul , Pois a Agua é mais a Norte e assim sendo se se pensar a Europa como um todo, constituido por distintas partes com carateristicas e necessidades especificas, se possa resolver de formas mais dinamicas e poderosas, porque construidas no dar das mãos, para que cada qual possa resolver os seus e dos outros seus irmãos, problemas.

Se calhar ficava um problema para resolver, se os necessários C130 dos exércitos dos países participantes estivessem envolvidos nestas tarefas, se calhar não poderiam levar os homens às guerras, mas como elas não existem, então certamente está tudo bem.