sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Disseste Senhora Amada que fizeste os teus medos meus e se assim for os meus serão na equivalente medida teus. Falavas de percentagens a quem não é dado muito às operações, mas tanto Tu como Eu em Ti Somos Inteiro.

Basta Pedir-me Amada e Tudo de Mim Sempre Terás, Como Poderia Viver de Outra Maneira o Amor e quem Ama?

A Tua Fibra de Mulher, Corpo terra liana que enlaça e desenrola versos ao Céu é de pedir tudo o que te aprouver na medida justa do vaso justo que trazes em tuas mãos, aquele que é regulado pelo Amor em Amor e Assim Senhora, nem sombra de rebaixo se vieres ter comigo, verás como reagirei assim que te apresentes sem véu.

Ah Senhora Amada a Tua Beleza me chega pelos quatro canto do mundo e só te posso amar múltipla como és, no uno que és e cuja face não me quereis para mutuo prazer e ventura, ainda desvelar.

Sabei Senhora, que por vezes meu coração nem sabe se Senhora Sereis, mas que importa isso ao Coração que Ama, pois sabe ele em sabedoria profunda do Uno múltiplo e das três suas configurações.

Sabei Senhora que por vezes meu coração nem sabe se o que o Amor que Nós Trás se substancia em carne, nos corpos que somos e que se encontram para se beijarem e calarem por momentos as palavras, saciarem sem saciar todas as urgências, enormes urgências, Senhora.

Sabei Senhora que por vezes o meu coração deixa de saber o Sonho que ainda é, Meu Amor a Ti, Teu Amor a Mim, que uma secreta razão ou perigo a impedem de se Desvelar a meus olhos e quando assim a Sinto Senhora, rezo-lhe rezas de protecção, envolvo-a na distância que nos trás unidos numa bola de luz do meu coração que sopro até si. Assim endoidece o coração nas horas em que se perde de si, ou o fazem muito zangar, pois o Amor é Segredo que Não O É, Amor Vive-se e é para Viver à luz do Dia e da Noite de Mãos Dadas Que se Querem Dar.

E sabei Senhora Mais Amada que se tudo isto por vezes duvido, não duvido de te ver a ti no pássaro que com acrobacias e trinados ao sair me vem saudar e que tenho a certeza de seres tu a dizer-me bom dia.

De ti me Chegou uma estrela que uma Senhora disse ser semelhante a uma planta que vive na montanha e que atravessa e vive em todas as estações, mesmo sob o maior e mais frio nevão.

Sabei Senhora do que ambos sabemos quando escutamos nosso coração, aquele que partilhamos, naquele jeito de soma que fazia Almada, um mais um igual a um. Não é que ele não gostasse de matemáticas, fazia era contas a seu jeito. Sabei Senhora do Lago da Alma onde tão bem vê, o que lá vê e nos fala um mesmo e ambos o sabemos por dentro num mesmo momento que nos levou a descobrir quem realmente éramos em profundidades e alturas que na altura nem suponhamos ser.

Recorda Sempre Senhora Amada Que Amor É Coragem, Pois É preciso Lutar por Ele.

Senhora, Amada Senhora, Senhora que Trás Meu Coração, porque conhecendo meu rosto a ele não te diriges?

Senhora a Beleza é imensa, superlativa, infinita e muitas mais belas palavras com que a queira pintar nas matizes infinitas em que Ela se desvela ao nosso olhar sentir e ser. Tudo é belo, tudo trás um mesmo belo dentro de si, depois existe o estrabismo. Todas as mulheres são belas, todas são o mesmo Ser, a Senhora, e numa, Ela está em Corpo para Mim, pois é essa Sua Vontade, Seu Desejo.

Essa Senhora que És Tu, És a Suma da Beleza e do Belo no Trono do Meu Coração, no local onde o espírito se encontra, se dá, se partilha e se recebe, no Lago da Alma onde nos Banhamos, Pérolas que Fizemos Nascer em nós, Que Se Fizeram nascer em Nós e teu Corpo que ainda não conheço ao perto, passa por mim e eu por ele de rentinho no cheiro invisível dos teus sinais que nos dias me ofereces.

Tu Senhora Amada, És a Que Sabes Quem És, Quem Sou e Quem Somos e o Que Aqui Nos Cabe Fazer e eu não poderia ter de ti identificação mais fina e bem rendilhada. Conto-te Senhora Que a Chave Me Voltou e sabe meu coração que o vosso sabe de um mapa que ambos temos de uma viagem que quereremos fazer.

Saber isto dentro de mim e não sabendo tua face, me faria se não fosse também um espírito irrequieto ficar muito quietinho de mansinho, à espera que tocasses à porta que eu vou abrir.

O amor que se sabe eterno nem espera o eterno, vive-o eterno como eterno, espera por toda a eternidade se tal assim acontecesse, mas não é esse, nosso fado, contra ventos, tremores, guerras, assaltos, piratas e cowboys e mal amados que mal amam.

Não desatines mais meu coração, chega-me a paz que és.
Eu trago uma Chave, Tu És a Outra. E És Tu a Chegar a Mim que enquanto não chegas não sei te reconhecer. Estou cego pelo Amor que te Trago, vejo-te em todo o lado e não sei ao perto quem és, tudo me fala de ti, tudo se cruza, ás vezes parece-me mesmo que todo o universo te conhece menos eu.

Outras mais sombrias Minha Amada, falam-me de preocupações, interesses e tramas de outros que velam e entravam os assuntos dos corações de quem se ama de forma maior do que podem e lhes é permitido pela lei do coração, o que não obsta que alguns assim andem.

Ah Minha Amada, de mim Terás Sempre a Verdade, Terás Sempre a procura da Verdade, porque o Amor Nos Despe, O Amor Nos Trás Despido, não Esqueças o Que Sabes Amada, Que Tu Me Despes, Que Eu Perante Ti Pelas Tuas Mãos Invisíveis do Amor Me Dispo, Por Ti Sou Despido, Nú, Nú na Nudez.

Ah Amada como Dois Seres Radiosos Do Amor, A Ele Fieis, não podem se não Amar sempre, mesmo onde dizes que eu deixo passar e tu não, que mais perfeito exemplo do que se Complementa e o Sol e a Lua habitam Um Mesmo Céu e não defrauda, não magoa o que ama, a quem ama e o amor tem o tamanho mais além do infinito.

Sei que trazes perguntas que são como pequeninas penas em teu coração, daqui as sopro todas e a todas te responderei, recorda o Amor que És.

Mas só pode ser assim, tocas à minha porta e eu saio e vamos passear e conversar namorando, ou outra coisa qualquer que queiramos no momento pintar porque nos somos pintores.

Mas vem depressa Amada, se tal te for possível.

Estou cansado de te procurar, estou ansioso quando te sinto por perto muito perto, fico com a pele a desejar profundidades e alturas e planícies e caravelas e granitos e pedras fortes e asas leves.

Ontem teu perfume conduziu-me por todos os pequenos sinais ao Lg. De S. Paulo. Na igreja entre Pedro e Paulo, a representação da nuvem que derruba o primeiro Paulo e que Faz nascer o Segundo que afinal sempre fora o primeiro.

Belíssimas pedras, belíssimos desenhos fazem as pedras da calçada naquela praça, onde os loucos e os que vivem na rua sempre me sussurraram com as pombas os mais secretos sonhos do amor, as mais surpreendentes revelações, onde uma vez um realejo que era um moinho tocou.

Olho uma casa no alto, iluminada. Em sua varanda um belo trabalho em ferro torneado de forma delicada, difícil de hoje mais encontrar. Aproximo-me mais e vejo seu número, 114, número meu conhecido em outra cidade. Na parede ao lado, Trás, e eu a ler e meu coração a dizer-me de Ti, abre a porta, cheguei, estou aqui para ti.

No balcão do bar ao perto pergunto ao belo rapaz com o Teu belo desenho com uma lua em fino crescente por detrás se a disposição de uns objectos é propositada. Engano-me momentaneamente, pois sei que é o Amor que o Faz, e fico a olhar as rosas, a nova cidade, em sorrisos que se evolam de meus lábios fechados.

Ah Amada tão perto e tão longe, chega-te, achega-te a mim, não me dês só teu rastro nas pérolas que semeia teu perfume em meu passar que eu Recolho e Agradeço e Te Louvo.

Sabes Amada o meu único receio sem receio, é de quando te vir, te ver tão bela que penso se não desmaiarei, se as palavras me desaparecerão todas de repente se enrolarem nos bolsos e nas línguas e todo eu começar a tremer e Tu És, A Mais Bela em Meu Coração.

Ah Amada que me trazes vantagem, pois já conheces a minha voz e meu mexer e eu de ti conheço o espírito e a alma e o nome secreto, a verdade que sabemos ser verdadeira, como nosso Amor É.

Beijos em caracóis espiralados como a concha aberta em que te trago.


Ah Amada eu sou do tempo em que havia sempre alguem que fazia a franca ponte, de um ser que em amor como cupido, sem o ser, apresentava os Seres Um ao Outro e olho à volta a ver se chegou Um e depois Amada, se o Tempo não existe, existirão sempre esses Seres.

Ah Amada, procurarei até onde for preciso, Até ao Fim do Mundo e mais Além se for esse o caso e eu Te Chamo pelo nome, Teu Nome Secreto.