segunda-feira, dezembro 11, 2006

Ah Amada, que a cidade parece estar morta sem viva alma nenhuma que se apresente, que abra a boca do coração e fale verdade, parecem todos já mortos em vida, todos assobiam baixinho para o lado e falam de tudo sem ser de nada do que importa e eu continuo aos gritos, pois agua mole em pedra dura, tanto bate até que fura.

Acordai, acordai a verdade, acordai a coragem que tendes dentro de vós, não querais assim viver em zonas de sombra ou com argumentos e luz encravadas em vossas gargantas, que assim vão como mortos vivos.

Ah Que Vos Hei-De Gritar Até ao Infinito E Todas as Flores Acordarão para o Sol

Ah Que Vos Hei-de Gritar Até que o Pássaro Se Solte e Voe Sobre a Cidade

Ah Que Vos Hei-de Gritar o Amor Até à Eternidade