quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Amada, que eu sou o eterno menino e o mais crescido dos avós sem ainda o ser e meu coração vai baralhado, é assim que ele se sente quando não sei de ti e trago-te dentro de mim, e sinto teu sofrer em meu sofrer, assim nos liga o amor e eu sinto meu coração assim, preocupado contigo e sento-me no varão por de cima da rua a observar os carros a passar e a pensar em bilhetes, se são de partida ou de chegada, e assim fico a vê-los passar, sorrindo versos em itálico como diria o Poeta e ouço-Te falar de hesitações e me digo, como pode o amor hesitar se sabe que é amor, que hesitação poderá haver no amor que se sabe casado no céu, que razão poderá ter para não se encontrar.

E ouço-te falar de morrer e verdade pode ser que manhã morreramos e morremos todos os dias e renascemos e assim é a vida e o viver, mas crês amada que o amor assim desejará aos amantes?

Porventura o amor em que nos trazemos, almejará o sofrer? almejerá o amor Sofrer?

E nas rádios, as canções falam de ruptura e fins e eu fico triste nas entrelinhas da melodia, mas como pode ter fim, o que não acaba, seja a forma em que se apresente?

No meu pc, quando ainda funciona, oiço, Ferre que canta Bethowen que canta Rimbaud e um verso fica-me a retinir no ouvido, um verso gritado que fica suspenso, a dor, a unica invenção do homem, radical verso como proposta da diferenciação entre especies, quanto de especies se pode em propriedade falar.

Ah Amada, Tu para mim És Um Farol e os Farois São Luzes e Espelhos e Refractam e Reflectem a Luz que Vai de Espelho em Espelho Pelo Caminho dos Coraçãos e os seres trazem-se ligados por fios que nas vezes se cruzam, quando o amor assim os liga e cruza, quando assim está desde sempre escrito no livro do destino, que é um nome indirecto e prova da existência de Deus, de Um Sentido de Amor, de Uma Intenção de Amor, assim te amo, assim te trago

Ah Amada, deve o Mundo e os Seres Muito Te Louvarem a Teu Passar, porque Tu És para Eles Face da Salvação, Em Ti Encontro Respiração, Inspiração e Compaixão, me faz o Amor Compassivo, Compaixão, por Ti e Assim Amo Melhor.

Ah amada, sonho eu com a primeira e a ultima letra do alfabeto de todos os alfabetos do amor e estou rodeado de amor, bailam comigo as Senhoras e os Senhores Mais Belos do Universo e me trazem e levam em tão imenso amor e eu me perco e me encontro em cada um e não consigo chegar a tuas mãos e penso, será este o desafio, a prova e a superação, que o amor do Espirito não necessita do Corpo, e estranho, amada, pois isso sei eu, sabendo que em certa medida os dois são e abro o jornal e leio Margarida que fala de imagens de namoros onde os homens são cães e para serem trazidos à trela curta em locais públicos, de como os cães giros não sabem que são giros, o que me parece um principio do belo em sua parte verdade, e de ciumes e ciumes em mil nomes do mesmo, ah amada, eu sou leal e a lealdade e não concebo um espaço intimo onde não posso ser o que sou em seu todo tamanho e assim tambem te anseio e outra senhora jornalista que se apresenta de perfil com uma grande rosa, diz que os homens só depois de os abrir como a um melão se conhecem e um outro caracteriza um sedutor e a Senhora, acrescenta a subclassificação de sedutores mas fiel em pensamento, como quem sugere ou poderá sugerir obssessão, e pouco pouco disto tudo, para alem da ironia e do humor me faz sentido.

Não sou eu um sedutor, sou Amor, Amo e nada mais, Sou doce, Sou gentil, Dou-me e me Ofereço a Sorrir Colhendo Sem Colher Sorriso e Penas Sem Penas de Amor.

Sedutor dizem os homens ser, aquele que seduz e seduz com um objectivo, pois o problema da avaliação e da carga negativa que por comum não senso atribuem à sedução, tem a ver com o fim, seduz para quê, o que busca, o que sacrifica nessa busca e o que de mal faz ou fará a outro nessa sua forma de ser.

ah amada, depois vejo-Te a ti no botão de rosa dos lábios de uma mulher, mais não se vê e cantam eles de que tudo o que faço é para me tornar conhecido, que no fundo o que eu quero é ser amado, e que amo , só e na proporção do que me amam, o que não deixa de ser verdade em seu sentido profundo, pois não habito eu sózinho no mundo, e inverdade, pois não é uma troca o amor, não me move o amor para ser amado, se bem que deseje o amor intimo de Ti, como Te trago em Intimo Amor e o Amor verdadeiro em Verdade, verdadinha, assim o É, dois em Um e muito vejo eu do que parec ser amor entre as gentes, sem o ser e assim sendo e não sendo, o melhor mesmo é acusar um outro, pequenos com os corações definhados, nos calculoa das suas misérias intimas, que sim, até as misérias são intimas.

e depois no jornal vejo o dicionário ilustrado que ilustra uma antiga imagem, uma senhora nua no meio de muitas outras senhoras nuas, está levantada em ombros e as outras a vem beijar e diz a entrada no dicionário, sem o citar em precisão, a ideia, que sado masoquismo, é alguém que tem prazer ao infligir a dor a outrém e mais uma vez se prova como muitas entradas de muitos dicionários, andam enganadas, pois nem a imagem fala disso, nem o prazer ou a dor é pertença de um só, se dois o fazem, ou seja deveria o dicionário acrescentar, que quem sujeita um outro a práticas que lhe dão prazer, por prisão, restrição ou dor, é um torcionário e assim estamos a falar de outra coisa, se bem que infeliz realidade para muitos, pois existem muitos que vão com fogueiras no coração a tentar outros queimar, ou denegrir.

ah amada quando eu brinco erótico em meu espaço privado, faço tudo o que a imaginação e o acordo com o outro me pede ou deixa fazer, este é sempre meu limite , meu claro limite, nada se força a quem se ama, mas se quiseres que te ate as mãos para melhor te beijar e fazer-Te esperar na espera o mar, é só dizer, se bem que das tuas mãos eu goste quando elas me afagam quando eu te afago, pois um homem gosta como uma mulher, quanto os dois são um, de sentir a vontade de seu amor, gosta de se sentir desejado, sem pudor na expressão de todos os desejos, pois todos os desejos cabem sempre no grande mar do amor e nada nele à partida me assusta, como poderia se Te trago em Amor?

ah amada, e agora falam os homens das gravidezes e das suas interrupções e esquecem-se como de costume de falar no que importa, de como por exemplo não chegar a uma gravidez se não desejada, começam sempre pelo fim, pelo mal fim, demonstram assim a sua cegueira, a sua pequenez, olhando as soluções para o mal feito, em vez do bem prevenir, e eu que gosto muito de bebes e crianças, me nasçe uma vontade , é de os abortar a todos de uma vez, mas não o farei, Teu Amor Assim não me Inspira.

ineveções, insinuações que sempre, sempre fizeram sobre a minha pessoa, tão primárias que veem da minha biblioteca de banda desenhada, que tenho em minha casa, e que pelos vistos foi sempre fonte de quem assim me quer denegrir. bestas, bestas , mesmo sem imaginação

dizia a folha, eram seis milhões, outrora, depois o pais zangou-se sem se zangar, quando levantou a voz e chamou alguns a razão e à pedra, preso por ter cão e preso por não ter e pequenas as pernas dos homens vão, para assim tremerem perante a razão, um pouco mesmo, escreveria, sado masoquistas.

Ah amada se eu me movesse por necessidade de ser reconhecido entre os homens ou meus passos fossem função do amor em que me trazem, já não me mexeria mais, mas não te preocupes, comigo, amada, que assim não será.

Sem comentários: