domingo, abril 29, 2007

Ah Amada, hoje a cidade doce, cheia de estrangeiros de todos os lados do mundo, no jardim da estrela, um exposição de artesanta, uma bela senhora, deitada em seu manto amarelo, a ler ao sol, as crianças correndo em suas bicicletas e no espirito do amor muito dizer e muitas conversas, algumas das quais aqui darei mais em conta seu pormenor, disse, o espirito, deixa os jogos começar, e eu me pergunto quais , pois parece que diversos se apresentam no mesmo espaço ao olhar, como diria a bela senhora amada, o campo parece ser grande demais nas vezes para a vontade, outras, pequenos, como seios pequenos, que segundo outra senhora amada, a outras, parece ser rasteira de Deus, assim em suma li suas palavras, mas a Deus, todos os seios são seios, O Seio e quem os tem nunca é menor ou maior por seu tamanho, ou mesmo mais bela ou mais feia, e todos cumprem suas funções, que é ser beijados e aleitar vida e amor, e a Beleza habita na Alma e no Espirito antes de qualquer parte do corpo.

depois fiquei em relação à primeira a pensar, se lhe parece grande o campo e se cansa, porque vai então ao ginásio? conheço eu uns exercicios muito bons, para isto e para aquilo e ainda para aqueloutro, se quiser terei todo o gosto ao perto lhe explicar

e quando fizerem festas de t shirts e t shirts, avisem-me por favor, talvez eu tenha tempo de fazer uma bela, que fique bem num ecrã, pois para ser franco, festas apetecem-me mais de outras
curioso, como sempre o Destino se apresenta em seu desvelar, falei eu aqui de ratos a abandonar os navios em, singelo poema, e depois no dia seguinte acordo com noticias e uma polvorosa em torno de carmona que teria ido para fora, depois soube-se que estava em inglaterra e eu me fiquei a perguntar onde?

e subiu-me à memória, o episódio que aqui acabei de contar, sobre a parede cinzenta escura que ficou em pouco tempo como uma pele de cobra gigante e que depois foi de novo pintada, pois ao lado dessa fachada, existe uma antigachaminé de tijolo, tipo industria do principio do sec dezanove, como acrescentando ao significado significante a chaminé, ser a chaminé da cobra, a chaminé por onde a cobra faz cobrices, por assim escrever, como uma torre de fumos negros de sauron, e depois no reino unido, se deu um tremor de terra, coisa rara de acontecer naquelas terras e as imagens, mostraram casas de tijolos, de uma mesma epoca e parecidos com a que existe ao lado do prédio novo, que é dentro de um pátio operário, parecido com as casinhas pela rua abaixo que se viram na tv, como as que as imagens mostraram no reino unido, e um particular pormenor me saltou à vista, um tecto de uma chaminé, meio tombada, assente em colunas, como se algumas colunas tivessem feito tombar a chaminé, ou como se um pé de uma mesa se tivesse quebrado e o tampo dela se tivesse inclinado e a faiança se partido

fico-me a perguntar se o senhor não terá estado por aquelas bandas, salvo erro se bem percebi, pelos lados de Kent.

ah senhora santa clara, que a leio eu amiude, pois me conheçou a chamar à atenção sua grande rosa vermelha sobre indumentária vermelha, o que poderia parecer ser um redundância para uma rosa, mas uma rosa e sempre uma rosa, mesmo que seja pequenina como um franguinho antes de se tornar um galo ou galinha rainha numa capoeira, e depois que ganhei nas vezes o hábito intermitente de a virar, perdão de a ler, se insinuou no meu coração um singelo verso de um poeta contemporâneo, que diz, mais fácil é falá-lo que fazê-lo, certamente falará ele de virar os frangos na grelha e depois de a ouvir falar de espetos de vidro para aplicações a quente e outras coisas que tal do serviço publico dos galinacios amantes, quando o seu molho de letras, chegou nem de porpósito hoje, ao picante do drama, da franguinha boazinha e do frango, que por ciumes e coisas negras que tais, culpabiliza a coitadinha de todos os pecados inamagináveis, lembrei-me de lhe escrever estas letras, bem em verdade nascera antes disso em dia recente na semana passada, repousava num escaparate da biblioteca do Olival, um livro seu, com um titulo curioso, não me esperes para o jantar, o que é estranho pois falamos de frangos grelhados, se bem que se os possa grelhar, dependendo de seu tamanho, para um só e folheei suas letras e minha querida senhora rosa, aquilo parece-me um perfeito manual de terrorismo e de guerra entre as mulheres e os homens, manual instrutório de guerra, que me fiquei a perguntar, se os frangos na grelha depois de grelhados e comidos que são de leve digestão e podem levar diversos picantes, serão tambem armas de guerra e sempre implicarão leitos distintos, e depois senhora da rosa, só para relembrar que quem faz guerra, geralmente considera-se mais fraco, e tenta assim compensar-se, pela guerra, e que as mulheres e os homens são livres de fazer o que quiserem, e de serem mentirosos tambem, se assim optarem e que serem tudo isto e mais o que quiserem, não lhes dá direito de roubar um filho ao outro e que são muito graves estes actos, sejam feitos por um , ou por outro, e são geralemente actos de tortura para os filhos, coisa que nem uma rosa nem um frango ou um galo, devem fazer.

ponha lá , senhora minha, sem o ser, o molho que quiser em suas letras, mas não levante poeira sobre assuntos mais sérios, que parece mesmo a alucinação que se montou, sobre direitos dos suspeitos, dos acusados, dos investigados, dos pides e por ai fora ao infinito, que se levantou de repente no país, pois parece obvio a todos os galinácios de qualquer capoeira, que quando um que desempenha função, cargo ou competência publica, se encontra sobre uma investigação de corrupção no ambito essa actividades ou funções, o bom senso, obriga à suspensão imediata de funções, não vá o galinheiro pegar fogo, por pata que queira apagar provas indesejaveis, o que seria motivo mais que suficiente se outros não houvesse.

calhou-me na vida em recente, fazer o de sempre antigo, uma especie de sindicância à gestão do galinheiro e pelo que mais uma vez estou comprovando, aquilo vai muito mal, mesmo, pois nem a segurança de todos os animais, que é função e competência básica de qualquer administração de galinheiro, não se faz e depois responsabilidades, é um ver de aviões de papel a voar de bico em bico, e os galinhos gritam no galinheiro, não fui eu, não tenho nada a ver com isso, e depois sabe a senhora rosa, que agora de novo se fala na avaliação de funcionários, sempre da mesma torta maneira, que fundamentalmente permite aos frangos maiores, mesmo que sejam mais pequenos, fidelizar as hostes à trocos de milhos vários e a coisa é simples de resolver, pois quam avalia os que servem o publico dos frangos e das frangas somos todos nós do galinheiro, assim e visto os telefones terem todos nove numeros, é facil no tal plano do power point tecnologico e da janela de oportunidade, cada um que for atendido no fim da chamada marcar a respectiva pontuação, que depois de somada, dará a classificação, mas é evidente que tudo isto é demasiado complexo, para os que tomam conta do fogo, que por serem bombeiros, grelhadores , grelhador e carvão, nem tem pata a medir e frango ou franga sem pata não o pode fazer, pois a medida se faz a passo ao andar,

se quiser vir comer um franguino, ressalvo, comer e não falar de grelhas e espetos, esteja a vontade, será minha convidada, só terá que providenciar os ingredientes, o que não será dificil, pois é uma rosa, e depois tem trabalho e remuneração para comprar o carvão e concerteza agua em casa para eu poder lavar os pratos no final

e misturar tentativas e actos de homicido de uma franga por um frango ou vice versa como aqui mais versa, com alegados ciumes ou o que seja, francamente senhora, são fagulhas que ardem sem arder, disse-me um franga que era poeta, antes de se queimar, do amor, a paz, não a guerra, que as rosas e os rosos, quanto são dois, tem inteligência para isso e clara é sempre a santa e se sois santa e rosa santa, estranha me sabeis, as letras, claro.

com amor em paz entre os frangos e as frangas ou entre os galos e as galinhas

e que me fiquei a lembrar de fogos na cozinha dos fundos, não sei se saberá a senhor algo sobre isso?