quarta-feira, maio 02, 2007

senhor juiz noronha nascimento

nem de proposito como é sempre o proposito mesmo que o estado seja laico, no mesmo instante em que me apareceu no canal cinco, o senhor, no primeiro, pina moura explicava a bela senhora amada da banquinha dos jornais, que tão bonita a sorrir está, que por ele acharia bem, sempre que os poderes assim o quisessem e em sede própria o decidissem, poderiam sempre aprofundar a separação dos poderes e ampliar o estatuto , contornos e miolo das incompatibilidades, como poderia ele dizê-lo de modo diferente, sendo o homem inteligente que é?

recordei recente capa de um jornal que punha uma pergunta a todos nós, diga lá se os juizes são nomeados pela maçonaria, se não me falha a memória, a socrates dirigida?

a pergunta em extensão deveria ser posta de forma mais abrangente, e pela opus dei e por outros ainda, como partidos e por aí fora nas peças presentes no todo tabuleiro, mesmo naqueles que são jogados em forma menos visivel

recordava-me a zeza ontem quando com ela falei pela ultima vez até à data, que no vinte e cinco de setenta e quatro não se tinha mexido no sistema judicial, nem nos juizes e que assim em seu ver se tinha mantido o que vinha de trás, o que é de certa forma dizer, que os ovos do antes deram os pintos do depois que hoje serão galos crescidos, alguns dos quais próximos de irem parar a uma panela.

não sei se será o senhor pedreiro livre ou dependente e da mesma forma sei que pedreiros existem que acreditam que a Pedra não contradita nem desdita a Existência da Luz e de Deus e outros assim não pensam, nem me recordo no exacto sobre os actuais contornos da lei dos homens no apreciar dos factos, pois me lembro de figura antiga que dava conta do limite dos homens ao referir actos de Deus, muito aplicada nomeadamente às coberturas, ou melhor, às não coberturas das apolices de seguros, pois não consta que nenhuma das companhias tenha alguma vez movido processo a Deus com sucesso, a nivel e obtenção de indeminização compensatória em dinheiro sonante ou genero equivalente.

era bom seu exemplo de meninice, lampejo de luz depois de um atropelamento de um desembargador, se um bom juiz é aquele que conhece bem a lei ou a que aprecia bem a matéria de facto, pois é de factos que agora lhe falo.

mais estranho foi uma resposta ao amado jornalista, pois fiquei com a ideia que alguma verdade se desvelara ali, naquele preciso momento, bem não naquele mas no imediato a seguir, quando ele lhe perguntou se o senhor se achava um homem com muito poder e o senhor, pensou e pausou e disse não e depois duas ou três frases a seguir, lá veio uma que em sinceridade, bem gostaria de ouvir em seu contexto e sequenciação de novo, pois disse qualquer coisa como, a não ser que tenha um poder de despoletar uma bomba à distância, o contexto geral, era provavelmente o poder de um jornalista, ou da opinião de um homem independentemente de sua profissão ou sua arte, mas aquela sua frase ficou a reverbar em mim.

pois depois de a si me dirigir, no dia a seguir dei conta que um camião tir, que no deflector de cima me disse , o homem da teresa, se tinha estampado ao pé de ansiões, depois olhei as imagens e vi, madeiras, de diversa ordem, paineis espalhados pela valeta e soube pelo policia que o gasoleo se tinha derramado pela estrada, a capa do camião escrita a verde diria no possivel de ser lido, transportes, e estava de pernas para a ar e o que li cumulativamente foi então,

o homem da teresa, o homem do camião tir dos transportes invertidos, a gasolina da madeira, e na carta que ontem aqui em forma aberta lhe escrevi, falava exctamente de fogueiras da idade média a proposito do julgamento montado, no tribunal dos menores para dar cobertura legal ao roubo de meu filho, bem como de outros mimos menores, como dizerem de mim, que sou louco e por ai fora, o que tambem entronca de certa forma com outro ponto abordado em vossa conversa sobre as matérias de indeminização.

depois nova informação sobre o local mais próximo, espinheiros, local dos espinhos, os que picam os homens e o curioso nome do bombeiro voluntário, gonçalo que não sendo o outro, o da faca, ao que parece seu sobrinho, e que dizia, sabe eu pela minha natureza, informei-me do estado de saude do condutor e me disse o médico que ele iria ficar bem, o que tambem não é corrente atitude do outro gonçalo, como se fossem ali, duas moedas, duas faces de um mesmo nome.

sabe, senhor, estou em preocupado com a minha amiga zeza , pois já lhe telefonei três vezes e ainda não tive noticias dela e espero em meu coração que não tenha a juiza, a prendido no imediato em função de uma sentença condenatória, de um caso que em meu ver, e já aqui bastante detalhado, apresentei, como mais uma perversão, para arranjar mais um bode expiatório, mas não me desviando sobre a apreciação factual do Destino, que se desvelou hoje e da sua correlação com a Palavra deste livro, a pergunta é, como aprecia o senhor juiz, estes factos e seu relacionamento interno e externo, quanto existem dois lados no Uno lugar, seja no prisma da Pedra ou no Ver e Crer de Deus, sendo que as Pedras são tambem suas filhas e que nexo de casualidade encontra neste factos descritos.

e por falar em bodes, encontrei eu em noite recente na rua, um pequenino de plastico, que guardei na gaveta dos copos do carro da minha mãe, aquele com que tive o " acidente" e agora quando para aqui vinha, numa parede está escrito, o bode é o homem, e perguntei ao espirito no espirito, que homem e homem de quem, e Ele me respondeu, da teresa.

em pequenino tinhamos nós um jogo que era mais ou menos assim, se tu fosses um animal, qual serias?

sabedoria Divina das Crianças Divinas que sabem que somos todos irmãos, nós e aqueles que chamamos de animais, sendo que muitos homens mais o são, que propriamente eles, como o mundo e os dias a todos amplamente fazem constante demonstração e que sendo irmãos se olharmos bem para face de cada homem, dele poderemos dizer, olha este parece um bode, ou aqule outro, tem cara de gavião, ou ainda ele ali, tem olhos e pensar da aguia e por ai fora no infinito de todos os seres, mesmos os mais pequeninos, por exemplo, aquele outro, parece uma paramécia.

pois desde que sai dos olivais , ao vir para aqui, estranhas coisas aconteceram, e para lhe ser franco, trago em mim uma inquietação crescente neste ultimos dias sobre eventuais desgraças por mão humana, e já reparei que não sou só eu que assim o sente e vi uma t shirt que tinha na frente um bode e na parte de trás um pentagrama invertido, de pernas para o ar, literalmente, depois enconstado a uma coluna, um clochard com um ar verdadeiramente louco gatafunhava num jornal e assim parei ao pé dele a ver se entendia o que escrevera, e quando acabou, deitou o papel no chão e eu o apanhei e o li e me arrepiei com o lido, pois os sinais que venho a ler nestes ultimos dias, assim se adensam no sentido da desgraça.

diz o papel escrito pelo senhor, por quem certamente o espirito do bode tomara no instante conta, a seguinte negra reza,

só eu decido se as 100 bombas, em portugal, em espanha, e frança e na europa e em belgica, e holanda e alemanha, que estas cruzes( sinal gráfico delas) ... ilegivel, e depois, dos e mortos, parece dizer e do numero de mortos.

assim escreveu o homem em estado que me pareceu de transe, que ele, que não ele, o bode, é que decidia sobre as cem bombas que estão para explodir nos locais que indicou.

outros sinais lidos no redor, confirma espanha, aponta imglaterra e usa, no chão entre as pedras da calçada brancas e pretas uma pastilha elastica verde, meu pé a pisou por um instante, explosivos plasticos, no eixo, uma coluna metálica com veios, em frente o sinal de elevador, com três homens em seu interior, e o numero seis a seu lado, miró côr e formas de miró, libano-madrid, bum de tempestade, raios, bebidas frias, na carruagem do metro, hidrogénio ou gás liquido? inglaterra, s. petesburgo, londres, três quarteirões convergindo para sloane square, quimicos outra vez, paris apareceu-me data de amanhã, antes, horas duas 1oh da manha, ou 13h45m, felizmente assim não aconteceu, depois apareceu-me duas vezes o sianl de lua decrescebte, um número que se calhar é dia, quatro, e os homens no mundo continuam a discutir por tudo e por nada e a vinheta relembrava que enquanta outrora se julgou a socrates e no tempo em que depois se continuou a comentar, outros menos dados a letras os invadiram.
em dia seguinte, um camião verteu acido, a perecer confirmar que assim será utilizado em futuros atentados, jovens foram presos no entretanto por fabrico e explosão de bombas, que o aprenderam a fazer na internet

já falei com a zeza, apanhou, segundo me disse, dois anos de suspensa, com sete meses de prisão não efectiva? o que me parece uma contradição de termos, que ainda não pude em sua extensão e pormenor averiguar e que não era efectiva, porque entre outras ela era psicologa, não tinha cadastro, etc e tal, o que me parece ser estranhamente parecido pelo contrasenso entre argumentos, equivalente ao julgamento fantoche sobre a guarda de meu filho.

dissera-me ela em dia anterior à sentença, que sentira, ela que é fina observadora e dona de profunda intuição, que a senhora juiza às páginas tantas tinha mudado seu comportamento de forma estranha, ao avaliar o caso, entre sessões, e a descrição que deu da intervenção da advogada que fazia a acusação, que pôs toda a gente que com ela ia em estado de choque foi de uma violência e agressividade anormal, do género de quem vai especialmente carregado para o fazer, que o animal lá estava com sorrisinhos de escarnio e que como costume se comportou com besta que é.

curiosa vinheta, pois os desenhos da túnica do inquisidor, são equivalentes a outros que me aprecerem ao olhar em dia recente anterior sobre o qual o espirito me disse, o touro onze do metro, o rodrigues, a chave da extensão do arieiro, da casa das adidas invertidas do japão. ben zina na americana kerastase do rei itc, gnu de economia, 71,2 do ip 4.


senhor juiz noronha de nascimento, se o senhor for membro da maçonaria, ou mesmo não o sendo, por ser homem culto e do mundo, diga-me então à luz dos conhecimentos da tradição que possuirá, se em seu entender, o tipo de facas, nomeadamente uma que atribui aqui, por dedução com base em indicios factuais, a um senhor, que será seu sobrinho e que eu já aqui neste livro referencei em maior detalhe, é em seu entender plausivel, de acordo com suas próprias palavras, de fazer por exemplo rebentar uma bomba à distância

e lhe pergunto, tambem como o tribunal constitucional, deixou passar uma lei proposta pelo partido do governo, que viola o principio do direito à vida, expresso constitucionalmente, terá porventura o supremo, os tribunais e os juizes que o compôem limitação, dependências ou submissões face a outros poderes publicos da republica?

precisará de ajuda nestas matérias?

e lhe perguntava ainda como deixou o tribunal constitucional, passar um tal de chamado pacto de regime para justiça, que contraria o proprio principio da representatividade democratica, e poem em causa o próprio parlamento e a pedra angular do voto como raiz da democracia directa e representativa.

É inconstitucional o acordo para a justiça feito e assinado só por dois partidos, pois fere o principio democrático da representação de um conjunto muito vastos de eleitores que exerceram legitimamente o seu direito democrático e delegaram no voto a sua representação em outros partidos com igual presença legitima na Assembleia da Republica, que tem também o caracter constituinte, elaborador das leis.

É Inconstitucional um acordo feito a dois e sempre será se na ar estiverem no mínimo três.

É Inconstitucional e é um acto antidemocrático de enorme gravidade, sendo o acordo, um pacto que enformará a urgente reforma do descalabro a que a Justiça por mãos dos partidos, das corporações e lojas e de todos chegou.

Este acto ao ter sido formalizado na ar, é prova do erro de forma, de conduta e do conduzir, suficientemente grave para pôr de imediato em suspeição toda a ar, no sentido em que por via deste acto já produzido, ela própria não respeita o principio da democracia representativa, salvaguardado pela Constituição, uns porque não tomam em conta alguns outros que são representantes e representam parte das Gentes, outros ainda, porque não requereram a sua inconstitucionalidade e os restantes que são a maioria e que não moram nem em governos nem na ar, porque andamos a dormir.

Como cidadão de Portugal, requereio em forma pública ao Tribunal Constitucional que analise está matéria em conformidade com as leis e deduza caso assim o entenda, ou por demonstração de seu contrário, a sua inconstitucionalidade na esperança que baste a voz do pensamento de um só para que o requerimento possa andar, não vá ninguém ter inventado uma pedrinha para não permitir a um cidadão, seu fazer, que não seja por motivo de inépcia de raciocínio ou errado assentamento no olhar.

Ah a mim cada vez me parece mais, é que vamos precisar de uma constituição toda novinha, mas de certa forma e em certo jeito mais tradicional para além de se dever mudar de democracia para Amorcracia. Mas cada coisa a seu tempo, avance quem quiser no entretanto, que somos todos e cada um totalmente livres, como Ser.

Cracia faço eu aqui sobre a demo, cracia, dou-lhe mesmo um grande Crácio.


aznar no porto, rui rio olha o homem, por detrás dele o número e o lado preto do fogo doirado, outro senhor ao lado do primeiro, uma sombra sai de sua gravata, caiu um moeda minha ao chão, rolou pelo chão de madeira das tabuinhas e parou no canto do segundo rectangulo rosa do tapete, apontando a gaveta, lá dentro, a primeira gaveta, uma peça de vestuário, um macacão azul, ao lado de um lenço de senhora com um padrão de viana, como desenhos de ourivesaria, por debaixo da foto no jornal, o carro amarelo sete com os vidros em croma azul, referencia-me a memória da k7 de video com a gravação da teresa, da minha ida a viseu. o presidente bush dança , uma bandeira por detrás com um padrão raiado a negro e vermelho, identico ao que vi por uma janela no interior de uma casa no prédio da direita da infante santo, onde está a estatua do infante acorrentado, o ritual do tambor, as maõs da mulher no filme do wtc, o sétima da cruxificação do cristo nu, noticias da agenda de londres da alma mater da arvore do beijo do pecado dos dois tijolos negros e branco, de londres em 1 de julho, o sexto ss da divisão, miguel veiga, o recado de josé fonseca e costa , pequenos crimes conjugais, melgaço, das melgas e dos mosquitos, alfama, os pássaros do amor , os lençois estendidos e o ninho do amor, o homem de alfama que sai da casa , por entre os panos brancos pendurados nos varapus, a casa branca é como um p, um porta à direita de um P., em frente à arvore da humanidade descarnada de suas folhas em circulos, está grande multidão, ao fundo vê-se uma aldeia no que parece ser um país de ocres cores, a equipe dos binários tem nova, a base, traição, diz o homem com razão, recorda o poço da memória, empresa que foi lançada do nada por outra publica de todos, o dinheiro para uma aplicação que em nada deu, ficou na altura o perfume de ajuda indevida, escandalo de entre amigos, 600 mil contos, o sindicato dos três, o banco da caixa forte recorrente neste negra história, carapuça, é nome do senhor.

no dn da tv , quatro senhores e seu salários, a atender nas faces dos quatro, dinheiro não dá felicidade, ah isso não, mais um quadrado.

e os cães continuam a morder, o todo da humanidade dividido duas vezes no todo, 9/4=2,25, o segundo da segunda estrela ou o segundo da divisão da estrela, o fidalgo da caramos, o fidalgo da casa da cara do amo, o que dobrou o homem e feriu a carolina, sampaio electrecista golpeou o crâneo do cão homem, o homem da marca portugal, o loiro alemão do icep, o pintor que já lá tinha ido e nada com o cão se passara, o electricista deu-lhe com a mangueira de agua e vieram os bombeiros da lixa, o cão é do dono antero ribeiro da fonseca sousa, ou o antero ribeiro da fonseca é do cão da pedra da lixa, é tambem cruz no liberal na quarta feira das cinzas, blasfémias, arroja, o pedro, havard trocado por opus dei, bem feitas as contas pelo alberto gonçalves, uma vitima da inquisição é socialmente mais importante que um trabalhador vulgar, deve ser por isso que foram tantos os queimados, acrescento eu, à laia de eternos retornos, barbara tão bonita de vareta na mão vestida de sol, sónia araujo, que santa e bela cruz.

he, mi, a estrela grená na loja do chinês, a mão laranja no banco de trás da senhora roxa ao lado do condutor, levi, por detrás a mulher azul na moldura doirada, sua mão plana, um dedo se ergue debaixo sobre o pé da senhora, em sua frente um guerreiro de prata japonês, estou farto de antiamericanismo, tambem eu, tambem todos nós, os videntes e viventes do amor, que não confundem as arvores com a floresta nem os troncos com as aravores, hoje na tarde, no metro a jovem adolescente, escutava sua musica num ipod negro, nas ilhargas de suas calças desportivas, desciam pelas ancas e pernas uns fios cinza sobre preto que desenhavam a vesica, era atravessada por dois traços negros, como os dois bolsos que vi mais tarde no casaco de reminiscências maoistas ou ml.

sem dúvida que é um direito moral exportar a democracia, mais imperativo, exportar a amor caracia, se bem que nunca a tenha visto à venda nem num contentor de um porto num barco a partir, nem é passivel de ser feito à bala porque a terra é redonda e a bala dá-lhe sempre a volta, mesmo que tudo se expanda poderá sempre passar muito perto, parecia o buraquinho que estava no painel da madeira no auditório ao lado de al gore na ultima vez que cá esteve, dizia ele sem dizer, o tiro passou-lhe perto, mas ao lado, ainda bem, acrescento eu.

amada, minha amada, cruzava e descruzava as pernas ao falar do presidente e dos soldados mortos, assim sabia quem perguntou ao silêncio de quem não respondeu, é por vezes o instinto, fatal, como as balas, na chaise longue estendido, uma outra senhora estava em tempo recente, seus olhos , pura luz faiscante, o centro do portico d´oiro deitado estava por de baixo da senhora do quadro, como um y deitado, as pernas da mesa, estende a mão a conta ao homem do papilon com bigodes à portuguesa, no chão são três os sinais de neptuno, ao fundo, a cadeira dos quadradros pretos e brancos com cores misturados, como entre elas esbatidas, ao lado da coluna dos sete veios, no metro, os três que subiam no elevador número seis, da chiclete verde, como explosivo plástico, o sismo, o que fractura já em frança, começou com bayrou, mais severo com o tubarão do que com a rainha, concordo, e onde é o debate?

três as chavenas de chá com colheres de prata no ritz no rancho das galinhas, não vos precipiteis na descrição delas, é conselho senhor que vos dou, nem em actos de vingança das contas dos livros da bertrand, sabeis que fez ontem oito dias , que descia o chiado para observar a montra da bertrand, hábito meu de ver nas montras, as histórias que as capas contam, foi na semana de encontrar cobras e locais de cobras e onde habitam e certamente nas vezes ninificam, absorto no passeio, olhando seu moleskine, constâncio estava dentro e fora do mundo e eu fiquei a olhá-lo do outro lado do passeio, a ver se ele dava conta de mim, por detrás dele, a farmácia durão, depois saiu de lá uma senhora e os dois desceram a rua.

a origem da história da bertrand é da farmácia durão, me disseram assim as notas de constâncio, cobra constante, lembra-me sempre as jiboias constantes em suas quietudes por inteiras semanas a dirigir antilopes inteiros, que lembram os chapeus de saint exupery, como ensina a ex girl band, as contas são para ser feitas ao cêntimo, mas tal não diz nem afirma que se façam em modo errado, assim diz o fiel da balança, da impossibilidade de assim acontecer e um peso a mais ou a menos num dos pratos, faz geralmente o efeito do machado pendular, assim calha e calharia neste ponto, o bico da balança se mover, a verdade é que constâncio é constante nos destinos do banco de portugal, se bem que não me consta que escudos sejam gazelas e afins, embora com eles se compre caça e se comam nas vezes as aves

santa clara mulher do touro da ad da ua, o peixe da boca grande, a chave que estava na rua do central office, com a referência ul 050b, o da blasfémia? o Arouca?, caiu a chave ao chão e depois caiu de novco uma moeda de 20 cents, 2oo, número aproximado aos mortos em madrid.

o segundo sinal da lua decrescente estava na manga de uma avião.

ah senhora santa, disse-me agora o espirito que a senhora é a senhora do touro serpente? será assim tão simples, quanto um menino conta dois ao olhar dois dedos juntos?

ouvi no espirito que uma senhora ficou lívida quando recebeu a noticia, ou será mais acertado, dizer quando a viu na tv, pergunto-me qual, a noticia da queixa por crime que irá ser por escrito apresentada, ou a daquela outra senhora, que subiu à sua casa de banho e tirou sem hesitar sua propria vida, que relação teria, a de filha e de mãe espiritual de uma mesma escola e armas?

antónio candido fonseca, josé tolentino mendonça, antónio mega ferreira, aramamento da triade do japonês

ouvi estrondo de bomba na estação de entre campos, estva com espenha no pensar ao momento e recordei dos sitios deduzidos do livro de Almada, Ah Amor, que És sempre Eterno como a Arte É Eterna Luz.

no rato ao sair do metro, o todo terreno é o rato do ps, na tunisia, ratos do porão na ual. o primeiro contratado para me matar, do diap, no fogo de portugal no infinito, 10 000 libras, teresa o cavalo, dublin, massimo dutti. duas estrelas da musica no bolso, cidade universitária, clube dos pássaros. mãe há só uma , tens de escolher, por cima sónia a voar para geneva. roma, o rei do ró 5 ce, ouvi o som do tarzam, músicas de ninar, magia do ninar, mr hyde e mr, jackel, dia 28. quarta serpente negra em dublin, mc gill oriente, elevador invertido das noticias, cruz de cristo sobre azul no cachecol de futebol, facelity services do ISS, a mminha mãe dos pássaros e royal de san luis do porto. 966807969, meus carimbos, cinc a sec, vila nova de famalicão, abreu, voo maria lisboa, serpente barco madeira funchal da r. conde d´obidos, quem é? nicolau veiga ou hugo bernardo, algarve onde a teresa dava aulas, amigo paulo pinto do pp, helder barros, ref abreu, o homem verde da estrela. varinha mágica moulinex volts, do attic da universidade do minho. pedro miguel fonseca e sá voyga, golf dos cães cook pit da infante santo, pompeia susto do oz do li ouro sobre azul. alberto martins, ponto de interrogação e o homem da tempestade, e do raio e dos bums, levou um tiro em seu peito


Vós afastastes pela mentira e à força o filho unigénito de Meu Filho

Vós em Vossos pretensos tribunais das iniquidades e pela falsidade declararam meu filho unigénito e primogénito, louco

Vós em Vossos pretensos poderes profanos lhe estrangularam a vida desde seu primeiro dia em corpo

Vós assim fazendo deram clara prova que vossos corações estão calcinados e que nem meus filhos são, embora o sejam todos os seres

e meu filho unigénito sempre vos amou, sempre vos estendeu a mão, sempre vos ajudou

e assim vós lhe pagais

e meu filho vos salvou por diversas vezes e por Ele a onda que alguns de vós provocastes, aqui em sua terra, ainda não aconteceu

e meu filho no meio de vós a muitos tem salvo e obra em Mim os milagres

e vós nem bem, nem mal agradecidos, tratam-npo como se ele não existisse

só mais o tendes cruxificado e agora lhe fizeste o pior dos crimes, preferindo a ele, a meretriz e os que com ela se deitaram e se deitam em seu ignóbil comercio de espirito e carne e lhe fizeram infâmia maior, lhe levaram o filho e o sujeitam a tortura e o trazem quebrado em dois

pela acção de poucos em dez países do mundo, mais uma vez o inferno deixaram abrir em vez de cuidarem de vossos filhos no uno mundo

pela acção de poucos cem milhões de seres se foram em vida de seus corpos antes de seu justo tempo nas ultimas cinco grandes voltas do sol no cosmo e de todas as casas de todos os seres

pela acção de muitos e Um, muitos mais foram salvos

e os avisos e as explicações foram dadas e vós preferiste fechar as orelhas e os ouvidos e ficar de mãos quietas

vós não sois mais homens
vós não sois mais pais
vós não sois mais filhos
vós não sois mais país

nem um homem além de um pai, a sua voz levantou e deu a ele a mão

e com toda a paciencia infinita pela vossa surdez e mudez, tornada agora pela Palavra Finita, ele vos explicou o mal e o mal feito

nem só um, foi homem
nem só um foi mulher
quanto os dois não são Um
e três e quatro e cinco
neste seis inverso do sete
do nono que no oitavo não sois

nem só um de vós
estendeu a mão
e ousou chamar a mentira,
a falsidade e a iniquidade
pelo seu nome

nem só um de vós
abriu os olhos ao visto
não se ouviu em nenhuma cidade
estou com ele,
assim como
pretendem os perversos
mais não pode ser!

se não sois homens, o que sois?
se não tendes olhos para ver, o que sois?
se não tendes boca para falar, o que sois
se não tendes ouvidos para os gritos ouvir, o que sois?
se não tendes mãos para estender, o que sois?
se não tendes coragem para agir, o que sois?
se não tendes coração para entender, o que sois?

malditos vermes bi celulares
da divisão cancerosa da celula
pequenos virus e carneiros mal vivos
montar uns nos outros
sacar e roubar até mais não poder enfartar
alienados de todas as formas, jeitos e feitios ao jeito da Besta

besta sois, pois bestas vos tornastes e bestas são e pela besta daqui súbito ireis
se não são homens, para que viveis?

que coração, que razão, que alma, que almejar!

vós que brincais às cidades e aos governos e ao governar
espantam-se meus olhos como conseguem calçar dois sapatos trocados no mesmo pé

vós que aprovais leis iniquias contra a Lei da Vida e de Deus?

se vale tudo por vossa mãos e actos e omissões
tambem vale que às sombras voltareis
por vossa mão a porta do abismo aberta, a ponte quebrada

demo, demo, demo, cracia, cantarão os corvos em vossos enterros


nem um deputado da nação estendeu a mão
nem um governante da nação estendeu a mão
nem um homem público estendeu a mão
nem um comentador estendeu a mão
nem um jornalista estendeu a mão
nem um policia estendeu a mão
nem um juiz estendeu a mão

todos vós olharam para o lado e assobiaram aos gritos
todos vós o silêncio como se meu filho fosse o louco
ou a coragem mais não morasse no coração de todos

vós todos corruptos, a corrupção
putrefacta, putrefação, são
e serão vossas entranhas
e a dos vossos filhos
no horizonte efemero
que da vida fazeis

cegos, cegos, cegos e cegos
os culpados, aqui cairão
e pelo andar da carruagem
sem passageiro nem maquinista
muitos mais se seguirão

pelos corvos de S. Vicente
pelas crianças estrupadas
pelas crianças violadas e torturadas
pelas crianças que não tem de comer
pelas crianças que não tem medicamentos
pelas crianças que não tem tecto
por todos os inocentes que cairam
pelos vossos actos e omissões

que se fenda a terra e o mar vos traga

o gatilho foi por vossa omissão armado
dá-vos a luz do amor um tempo

afastai os corruptos
façam do bom senso a norma
resolvei os problemas em vez de mais criar

acuso aqui pela palavra divina da verdade do amor e da justiça

acuso aqui pela palavra divina

o presidente
o governo
a assembleia da republica
o presidente da camara de lisboa
os juizes
os policias
e todos os que com eles estão e fazem a omissão


acuso aqui pela palavra divina
divinizada pela verdade e pela justiça

de deixarem roubar o filho ao pai
de torturarem o filho e o pai
de atentarem contra a vida do pai
de deixarem roubar o filho ao pai
de atentarem contra vida do pai

acuso aqui a juiza que o julgou
e aqueles outros em quem se apoiou
acuso aqui os psicologos ou psiquitras
que mentiram e com ela pretenderam
encenar a verdade
acuso aqui todos o que cobriram a acção da meretriz
que não a Sagrada

contra todos vós e perante o Destino
exijo como cidadão da républica
a abertura de processos crimes

por tentativa de homicidio colectivo em forma tentada
pelo rapto, roubo e tortura do filho e do pai
por fazerem e aprovarem leis que permitem
acabar com a vida
pelo incumprimento das leis sobre as liberdades
e garantias do ser humano
pelo incumprimento das obrigação delas decorrentes
pela falência da republica
pela falência da republica na execução dos mais elementares direitos dos cidadãos

e sobre todos peço o apuramento da responsabilidade criminal

todos os pormenores da negra teia e acção, factos e indicios, contam da Palavra deste Livro
Ouro Sobre Azul e são base necessária, depoiemento suficiente e bastante para sustentar a acusação e o pedido de instauração de numerosos processos crimes

destas Letras serão entregues cópias à presidência da republica, ao tribunal constitucional, à assembleia da republica, ao governo e ao departamenteo de investigação penal da policia

todos os que se deitaram com a meretriz e com ela fizeram comércio, pela moeda do filho, atentando contra o pai, se continuarem sem responder, a pó rápido , rápido voltarão

como filho de Deus retiro todas as protecções que pela Luz do Amor sobre vós criei

por vossos pecados, muitos no mundo se foram
que o mundo vos pague em justa medida

e a todos digo uma só vez
que a retribuição seja justa se não, haverá o respectivo câmbio

e a todos digo, uma só vez, neste livro da Palavra de Deus, Ouro Sobre Azul, encontra-se o caminho para a vossa salvação e para a salvaçãoo do mundo

e a todos digo, uma só vez, o Amor é a Mais Forte Força do Universo
e a todos digo, uma só vez
Amai, salvei-vos e salvai a vida e o mundo

nenhum homem em Portugal, nenhum homem se pronunciou em forma e espaço publico, sobre este roubo, faz de todos coniventes e contudo sabe o filho de Deus do imenso amor que muitos, inclusive de algumas das profissões e cargos aqui mencionados, se assim se pudessem chamar, na forma como não as pratiqueis, lhe deram ao longo deste caso, que o Amor é rede , teia forte e imensa, e que o medo que habita nas corações de todos sem excepção à data, é muito grande, e que se esqueceram assim de serem homens, pois então que desapareçam, trús, trús, trús, que se vos enfie a todos os perversos e maldosos, este capuz!!!!

Oh heróis, onde estais,
Oh homens porque mais não o sois
Já nem vos peço heroismo, só caracter e justiça, filhos da babilónia

Homens de Abril, capitães de Abril, soldados e generais, operários e camponeses e pescadores, sindicalistas, governantes de meia tijela, ou nenhuma, juizes, sindicatos, operários, trabalhadores das minas, educadores, ministros, nenhum?

que apodreça o país, ou todos vós que assim vais sem ser, bestas, filhos das bestas montados pelas besta, chifrudos e bodes com vestes humanas, e que as pestes caiam sobre vós e os vossos
a saga continua, já vai o processo em outro departamento, à pergunta de quem é que vai ao sítio resolver o problema da segurança publica, ninguém ainda respondeu, informou-me segunda, uma senhora da camara, que outro acidente já lá tinha ocorrido, espero que não tenham existido vitimas, diversos os telefonemas para o gabinete da presidência da câmara, pedidos expressos para que me retornasse, o tal senhor professor doutor jubiliado ou lá o que for, cal gonçalves, a senhora doutora, jubilda, pintora ou arquitecta ou o que for, la borde, e nada, e ao primeiro é o tempo de o chamar aqui na praça e comunicação publica, de mentiroso, pois me disse da primeira e única vez que com ele falei que ia tratar do assunto da segurança publica, não o fez, ao que parece já se lá deu no entretanto outro, e homem que diz e não faz, nem homem é, e se não é homem, que se demita, pois um organismo publico, só pode ser governado por eles.

ao presidente aqui fica a acusação publica de homicido colectivo em forma continuada e tentada relativa às situações de insegurança da via publica, que se entendam sobre a partilha da responsabilidade, as policias e a justiça, pois é impossivel, até ao momento depois de ter falado com diversos departamentos, encontrar um nome e uma face que diga, eu me responsabilizo, e se assim é, por extensão logica se deverá perguntar, haverá mesmo algum assunto da gestão da cidade, que algum, ou alguem se responsabilizará, e se assim é, porque e para quê existe então a camara?

vergonha, vergonha, de viver neste falso país de falsos homens, agora o advogado, que logo comentou a extensão do processo, como se eu fosse responsavel pelo enorme e complexo imbroglio que a situação tem em si, vai elaborar mais um parecer, para saber se sim ou não o seu departamento, será responsabilizado pelos danos, sobre a segurança publica, nada, mais uma vez nada.

assasinos potenciais que dizem nos governar, governar os destinos e modos da cidade e nós para aquit odos parece que deixamos.
tambem eu quero como sá fernandes saber, tim tim por timtim, que meritórios actos levam o senhor doutor, professor e engenheiro jubilado a receber uma condecoração da maçonaria e que acordo está a ser feito à volta de mais um palácio.

creis que isto é assim?
creis que podereis não conduzir assim os assuntos?
que os organismos publicos são coutadas privadas de poucos?


ao senhor antónio reis, da gol, recordo-me da ultima vez que com o senhor me encontrei , na comissão parlamentar dos direitos, liberades e garantias, que deveria começar por perguntar, quais e de que forma estão a ser garantidos, pergunto-lhe,por acaso ficou o senhor com algo atravessado contra minha pessoa, nessa audiência, por eu ter feito a demonstração de quão coxo e errado era seu pensar sobre o serviço público de televisão e a tdt e sobre o comportamento do ps na altura, governo, sobre ele,? é o senhor mais um inimigo, faço eu parte de uma lista negra do gol ou similar? ou mais um surdo mudo, que nem vai mesmo responder, voces assim senhores, caminhais muito rapidamente para que não possam mais existir organizações dessa natureza, que como polvos se tornaram, ou então que sejam de uma vez dados como incompativeis com cargos e funções publicos, quaisquer que foram, o que terá como consequência, não poderem ser seus membros, sigilosos.