quarta-feira, maio 09, 2007

para além do marão, ou será do maranhão, ou das montanhas altas do norte deste meu país, assim me disseram as letras do amor nos ventos diversos do amor, depois das ultimas letras aqui escrever, que o homem da hipnose colectiva, o mágico, da ilusão que hoje passava escrito na tarde numa t shirt, abençoada, como todas e seus belos conteudos, reforçava, que o tal de frederico, era o do pra lá do marão ou do maranhão ou o arranhão, pum, e me lembrei de outros bigodes ao norte e pedras neles para os correr, que me recordou as campanhas de alfebetização no primeiro verão da chamada revolução, onde alguns, incentivaram outros a pegar em pedras e correr os jovens que iam ensinar a ler e escrever a quem quisesse, e assim em alguns sitios aconteceu, deveriam ser tipo pré al quaedas, se este mago dos bigodes à portuguesa, que faz lembrar o senhor que recibia a conta do senhor francês no ritz, da ilusão dos efeitos especiais de noventa um, fosse assim tão bom, não diria para agarrarem nas pedras com a mão, farias-as chover do céu, tipo espinhos dos espinheiros do granizo do céu, aquele que para lá recentemente tambem tombou e me disse espirito amigo, que já sabiam meu próximo passo, que bom, que me poupariam mesmo o trabalho de vos anunciar, pois vão os passos à assembleia da ré pública, a que se deita com todos, à comissão chamada dos direitos e das liberdades e das suas garantias, a primeira da última da hipocrisia, para pedir aos doutos jubilados e joboiadas se me recebem em audiência, a pergunta é simples, e o prazer será meu, vos perguntar na cara se ainda são homens ou paramécias, como deixam roubar um filho a um pai, se ainda há direitos, garantias e deveres, se endireitam o torto ou não, como aprovam um pacto de regime, com parte dele, como aprovam a desconsideração da vida, pois assim o fizeram e visto que ela é contínua, vos poderei sempre chamar a todos de abortos, palavra bonita que usam para feto, ou terroristas, ou apoiantes de terroristas e cumplices de terroristas e de actos de terror e de toda a bagunça da justiça e da investigação, e dos perversos julgar e assim sendo fetos ou abortos de homens, talvez vos começar a interromper um por um, visto só ser preciso a vontade de Um para tal fazer, mesmo quando são sempre dois que o fazem, assim as cabecinhas pensantes, bem o pensaram, não foi?

e mais me disse o espirito e isso já o ouvi há mais de uma semana, mas tenho andado ocupado com outros assuntos de vossas ilusões e veús sobre as verdades, que faz parte das intenções do que me levam o filho e a guerra de proceder a uma contumância contra a minha pessoa, e arresto de bens por questões de finanças ou de impostos.

as minhas contas com vós são claras da minha parte, da vossa é que não, vejam lá se tem a coragem de dizer claro o que só insinuam, estou mesmo à espera de mais esta desfaçatez, até pulo por dentro de ânsias na expectativa, olhem para meu olhar a ver como até brilha, malandros e perversos.

façam-no a ver como será cobrado o saldo, é o que só vos digo uma vez!!!!

terão enlouquecido de vez?
terei que vos pôr a todos no hospicio?
ou vos abortarei um por um até ao fim das ervas daninhas?
eu que como pai tenho uma paciência infinita para filhos rebeldes adolescentes e até mal comportados, vós assim me tentais?
querem medir meu elástico da minha paciência universal?

não tem um homem o direito de viver com seu filho?
não tem um homem o direito às suas opiniões, às suas crenças, as suas ideias, aos seus principios?
não tem um homem direito a se defender e a defender os seus?
não tem um homem a liberdade de poder trabalhar e criar rendimento sem ter que fazer vénias a outro ou abrir as pernas ou o que for para o fazer?
não tem um homem o direito de viver livre sem ser sujeito a perseguições desde que nasce?

meus senhores, sejam homens ou declarem que são paramécias, e que o país é um país de paramécias e não de homens.

e digam-me lá de forma clara, frontal e substante, quando estes elementares direitos não são pela ré publica garantidos a um cidadão, quando contra um a corrupção e o compadrio se estende , vivifica e frutifica como neste caso, com concluio de diferentes autoriedades e estatutos diversos, terá o cidadão direito ou não de vos matar?

para onde querem então caminhar, vós que para além de decidirem ser paramácias, tem a agravante de ser paramécias surdas, nenhum responde!!!!

filhos da grande babilónia
ladrões e cumplices de roubo e tortura infantil e morte de infantes!!!!!!

e se são mudos não são surdos, pois vos veja a ouvir nas ruas, portanto não se escudem na surdez, do não sabe, não ouvi, não sei nem quero saber, que isto aqui é assunto sério e grave, a ver se me dão o preazer de vos dizer isto na cara, venham todos os menbros partidos da primeira comissão, os secretários e os subsecretários, os continuos, as secretárias e mesmo os cães.

os ortodoxos, queixam-se das expressões de abrir as pernas, mas esquecem-se de principio elementar, que nenhum cá chega de pernas fechadas e que as abrem para coisa belas como caminhar, que é a vida e o viver, homens sem nada no permeio delas

e pensais porventura que todas as palavras não são filhas de Deus, creem verdadeiramente em vosso intimo que Deus se ofende ou ofenderá por um seu filho usar as mais fortes, aquelas que expressam nas vezes as entranhas, enganam-se, Deus é muito maior do que isso, e sabe que a ofensa habita seus filhos, quando tem ouvidos e do que fazem com o que ouvem e pensarão que Deus não conhece todas palavras? enganam-se outra vez, na realidade só vos enganeis, constantemente, oh paramécias, ou ainda se recuperarão como homens?


porque razão ainda não afastaram a juiz do tribunal de menores?
porque razão não lhe abriram um processo e fizeram uma investigação?
porque razão os advogados que estão neste processo, ainda exercem?
porque razão não foram investigados por sua ordem?
porque razão as psiquiatras ainda não foram investigadas
porque razão ainda não foram suspensas em suas actividades
porque razão o juiz do supremo a nada do que interpelei, respondeu?

deverei então, interpretar, que quem cala consente, e do silêncio só posso deduzir duas, a primeira que assim pretendem continuar a alimentar os fogos, que assim se tornam os que tem responsabilidades politicas, todos sem excepção, cumplices e cumplices de mortes passadas, presentes e futuras pois são estes processos, que criam mortes, como já se sabe pelo que a negra realidade que assim fazeis, demonstra?

disse eu aqui um dia que os meus passaportes tinham desaparecido, pois assim foi feito, por terceiros e depois que apareceram, dois deles, um dos quais o português, mas a malandragem não ficou por aqui, pois o que apareceu, está caducado, ponham na minha caixa do correio, o que está actual !!!!

nojo, me dais nojo, e enjoo, relembrava um pai, que quando desapareceu sua filha, só houve direito a uma escavadora e compare-se os meios que estão no terreno para este novo caso, ou ilusão de caso, pois o espirito me continua dizer com alguma insistência que a menina está bem, e por outro lado em mim, ouvi dizer que aparecia ao fim do quinto dia, e já ele passou, e assim sendo, cada vez me cresce fundo que esta história é uma cortina de fumo para outras, que alguns parecem saber e outros, a maioria não, e digam-me lá se há um retrato robot, para que servem eles, e não inventem com teorias de hipotese de linchamento por parte das gentes, pois nem autoriedade moral nem processual tem para o fazer, visto que nem no imediato o sistema e as policias fizeram logo o que é de básico fazer, avisar e fechar as fronteiras e depois que brincadeira é esta do sigilo, vos precisais de ajuda, de todas as ajudas e as gentes bem vos a tem dado, brincais, não vos dei conta que para apresentar uma queixa no diap, me responderam à terceira vez que lá fui, que só por escrito, a realidade é a inépcia da burocracia , do mal feito e do mal fazer, sejam pelo menos humildes nesse reconhecer, ainda hoje no jornal, mais uma prova, são precisos mais creio cinquenta funcionários que não existem para fazer notificações, nojo, imenso nojo e mais uma vez a ideia de que muito disto, se faz por competição entre policias, como se o desaparecimento de uma criança, a sua recuperação, fosse uma taça a ganhar ?

se bem me lembro, desaparecem setecentas por ano neste país, e são menos as que se recuperam dos que as que se vão, e o hiato cresce.

no caminho para cá, quinhentos eram os envelopes que já estavam no lixo, serão assim ao menos, as boas noticias?