sexta-feira, junho 01, 2007

e se o x à frente do lino, se referisse a ele, o tal homem b que poem o x no socrates que o é, sem o ser?


diga lá, oh senhor ministro com inscrição na ordem da engenharia, tem piada, mas nem me recordo muito de si dos tempos em que foi comunista. terá mesmo sido? ouvi por aí no ar uns zunzuns de umas conversas com alvaro cunhal, ou seriam comentários seus sobre conversas de terceiros com ele?


de qualquer forma só lhe posso mesmo agradecer, se o sul do pais já não existe porque sua brilhante cabecinha pensante e acertada visão, assim o não viu, bom é e será, assim só falta mesmo fechar o centro e o norte para que ele deixe mesmo de existir.





700 milhões gastos indevidamente pelos senhores dos partidos no âmbito das suas prestações de serviço público às gentes, quase o valor do aparente dinheiro em falta para as necessidades, quantificadas, de forma esotérica, segundo esoterica interdimensional folha de calculo, que seriam necessários, e fecham os serviços, quando se deviam fechar, eram os senhores todos, parece-vos bem!





chegou-me agora mesmo mais um exemplo da ombriedade, da clareza, da transparência e do rigor, prometido, almejado, blá blá, blá







e vinha acompanhado pelo seguinte texto, porra, é uma palavra forte


Acho que vou deixar de reencaminhar estes e-mails….
Acho que estão a perder a graça por serem tão repetitivos

Acho que me fazem nascer baixos sentimentos humanos e desprezíveis…. E eu gostava de uma eternidade mais agradável, o ter nascido português (português e não Português, notem bem) nestes tempos tão tipicamente curiosos há-de ter alguma vantagem, nem que seja à posteriori.
Para mais a impunidade não só não deixa de existir com perde ainda cada vez mais pudor, mais graça e apenas perdura o sabor a fel… não me agrada….
Pior, torna-se sorridente para quem tem poder, enfadonha para quem assiste e, sobretudo, desesperante e revoltante para quem sofre na pele o roubo diário que o Estado y sus acólitos praticam em 75% dos Portugueses.


Eu explico, 9% são políticos e afins, pensem no pior possível: enquadra-se, outros dez acham-se protegidos por organizações de natureza francamente humanitária género Partido Político, governo ou não, Avental, clubes de futebol e outras, 1% não precisa realmente de se preocupar e o resto….. bom, o resto são os tais que sofrem o martírio impotentes, não têm poder, dinheiro, saúde e ainda pagam para trabalhar, vivem imersos em vergonha de terem a mesma nacionalidade que a corja acima descrita (menos o 1% realmente genuíno) …..
E esses 75%, dos quais faço parte sem qualquer vergonha de o afirmar, muito embora ainda seja um privilegiado dentro dessa percentagem, já nem força anímica (é um termo futebolístico corrente mas fica bem nos falhados que somos todos pois nem à Grécia ou à França fomos capazes de ganhar quando realmente foi necessário) têm para promover um golpe de estado para virar o estado de coisas a que chegámos….

E ainda alguém se admira que o Salazar tenha sido eleito o melhor Português de sempre, perdão, português, a letra grande hoje já não tem lugar…… caiu juntamente com a tal pesada herança…..
Isto não é amargura minha…. Como diria o Galileu quando lhe perguntavam a idade e ele respondia….. tenho quinze ou vinte anos, que são os que me restam de vida se a encarar com algum optimismo…., é apenas cansaço e tristeza pela herança que estou a preparar para as gerações vindouras….

Impotência de não poder fazer nada, ou melhor, vergonha de como todos vocês não ter aquilo que dá por nome de fruta para correr esta malta toda a pontapé no traseiro até ao meio do Atlântico……


Bom fim de semana a todos


F avorecimento ? NNÃÃÃÃOOOO

e foram estes que fizeram um barulho do caraças por aquele «simples» favorecimento da entrada automática da filha do ministro dos N.E. para a faculdade, (o paizinho tinha sido embaixador) e perdeu essa facilidade por ter passado um prazo qualquer . . .
-----------------------
Aprendam meninas e meninos, aprendam...

Antes de lerem este email vejam, por favor, a imagem.

Explicação do dito artigo:

1. Sabem em que consiste a "manutenção" do site do ministério da justiça?
Não? Ok! Eu esclareço: trata-se de actualizar conteúdos, um trabalho que provavelmente muitos dos v/filhos fazem lá na escola ou em casa "com uma perna às costas".
Por falar em "costas" acham que o ex- ministro António Costa - e agora candidato (porra !) à CM Lisboa - recorreu ao OTL e pediu um puto qualquer para tratar do assunto? Não!
Trata-se de uma tarefa altamente técnica que justifica uma remuneração de 3.254,00 euros mais o subsídio de almoço, claro!!!
2. E sabem quem tem o perfil adequado a essa extremamente especializada
função? Não? Ok! Eu esclareço. Trata-se de Susana Isabel Costa Dutra.
Susana Isabel Costa Dutra , é (por uma acaso daqueles que só acontecem... em Portugal!) filha do ministro Alberto Costa.

Et OUI!

Se puderem espalhem pois pode haver alguém que não tem acesso ao Diário da República, ficando assim prejudicado de saber que "lá vamos, cantando e rindo, levados, levados sim,.........."
Ai ai!
Imaginem agora o aumento de empregos que este Senhor irá proporcionar, se ganhar a Câmara de Lisboa (porra !)

certamente, acrescento eu, agora, existiu um concurso publico para o efeito e nada disto é incompativel com as leis que os criadores de gado entre eles criaram, de forma proteger o negócio das renas

Ah Amada minha que vinha para aqui, visto não saber a direcção de teus braços e ouvi no espirito o dizer, é o fado, não fado não é sinónimo de estupidez humana, nem Deus quer com nenhum fado, que os homens sofram pela iniquidade dos outros na condução dos negócios públicos, isto não é fado, pois tem letra e musica, instrumentistas e artistas da banha da cobra como falsos interpretes de coisa nenhuma para além dos fundos dos seus próprios bolsos e dos seus mil protegidos

Esta tarde ouvi- Te dizer, abraça-me, certamente que sim, sempre o farei quando te ouço, só não percebo mesmo porque não ao perto, seria mais agradavel.

vi-Te em pequeno ser alado a voar, chegas-Te em zum zums, mostraste-me um outro vidro martelado em desenho de cunha, depois passas-te ao lado dos veios da madeira escura e eu li então, o vidro martelado, é o homem da cunha, da máquina de triturar, cujos pernes se enfiam no veio da madeira, se me estás a entender, o tal do T de furação, assim se declina esta letras nas vezes, da varinha alemã de marca Krups, o kapa ru do ps, sendo ru de principe. e outro x num ru, numa conferência de imprensa com um outro senhor por cima condenado à morte, este no correio da manhã que abri agora

singela chegada e partida tua, depois fui a janela fumar um cigarro e me apareceste tu de novo, segui-te com o olhar e ao pé da matriz onde tenho feito algumas leituras, sendo a maior aquela que chega aos bilhões e reparei ao seguir-te com o olhar uma mancha na parede, pensei que era sujo, passei o dedo e apercebi-me que era um conjunto de pequenissimas larvas, que se agitaram quando meu dedo lhes passou, olhei-as ao perto e vi que pareciam pequenos espermatozoides, um conjunto grande de seres a crescer, a epidemia a expandir-se à medida da estupidez humana, e à hora de jantar os tiros de novo no médio oriente de novo a estalar, que bom está o futuro, quando daqui sair vou entregar a queixa na esquadra aqui ao lado e me pergunto em meu coração para quê, se pela experiência recente, me desentranharam as minhas alegações em forma corrupta e comprada, para quê então, ainda este crédito na justiça dos homens em Portugal, hoje tambem caducará as almas ontem penhoradas, veremos quanto se foram na escaramuça, hoje, e quantos daqui amanhã irão partir, ora uma boa noite para todos

é o ex da ex dos n xs a mim. é o electrico revolucionário dos n xs a mim, pum!!!!

ap, principe da rosa da dupla cunha, da dupla dor no Todo

a pj da dupla dor do todo, cb tf oz


Ah Amada, que o que nos vale é o Ceú ser Belo e as Andorinhas Beijarem-se em Pleno Voo da Primavera e Assim Nos Lembram que o Amor É Belo e Mesmo Quando Um País Não Existe Mais, Existem Sempre Nossos Lábios Para Como Elas Beijar

ontem depois de sair do café onde escrevera as palavras que publiquei, olhei o ceú e apareceu, um grande risco que se estendia por mais de meia abóboda celeste, estava do lado direito da Lua pelas suas nove dez horas e depois se foi deslocando até por ela passar e por fim se transformar numa cobra que dela saia no ceu, de seu lado esquerdo, uma pequena cobra sinuosa em relação ao tamanho do risco inicial, todo direitinho e perfeito que no inicio da visão, vi.

quando o traço começou a se deslocar, tentei traçar um azimute para calcular a origem do sitio donde parecia partir, seria mais ou menos o marquês de pombal, depois à medida que se deslocou, houve uma altura que se quebrou e que pareceu mostrar por momentos, asas, donde seria o sitio onde as asas foram quebradas, depois à volta da lua se formou um pequeno halo, com uma pontinha em cima, que parecia o simbolo da vodafone invertido, depois um omega invertido se formou por debaixo dela, e Ela assim repousou por um instante no que parecia ser um baloiço, depois ainda por debaixo dela se formou à sua direita um angulo com um y deitado com o vaso para a direita, que me lembrou o que me mostrara a foto de levi, no hotel de lisboa, de seguida um angulo recto com um L cujo vertice do abgulo estava para cima se desenhou, à esquerda da Lua e depois de lá de dentro, do angulo, surgiu um traço, recto, como uma seta, e depois por fim a apareceu a cobra no céu.

formaram-se dois números à volta da lua, primeiro um seis invertido, depois um 3, o terceiro do sexto, será então referncia ao homesm do texto na noite anterior, pois tudo istoeu vi ontem no céu depois da escrita.

hoje à hora do almoço, ali pelas bandas da basilica da estrela, era visivel outra vez o L em grande, cujo angulo apontava a assembleia da republica, onde mario lino, na foto do jornal de hoje, com os dedos de sua mão desenhava um x, ou seja o cotovelo, o angulo, a viera de alguem com asssento no parlamento, socrates, co cara de caso, a olhar para o outro lado e me recordei do ultimo dizer do espirito ontem no final da escrita, o homem gato das multiplas marcas no vaso da maria.

ontem ainda, ao caminhar para casa, li dois quadrados de prata de boliqueime em 83, e me recordei que o espeirito me dissera que a agressão de que fui alvo partira do grupo de boliqueime, e ontem quando isto li trazia ainda no meu pedaço do espirito interior, isto é do pensar, a história da assinatura do tornadao, que ontem referenciara com sendo decada de sessenta ou setenta e não sei agora dentro de mim , porque essas decadas, mais a mais porque a revista deverá ser de facto de oitentas, portanto deverá ter sido em 83, que dois quadrados se fizeram para provocar faiscas, que não terão sido as primeiras, como escreveu o Poeta, a bala é sempre a mesma, vem sempe de uma mesma familia, uma irmandade negra que se arroga o poder de obrar pelo negro.

em fátima, quando os pais da maddie lá foram, era visivel na foto do jornal, no céu, um vaso tapado, e um passaro com seu bico ao seu interior apontado, o vaso tapado que se desenhara no ceu, era um A invertido. depois em Roma ao sair do avião que os levara, o pé da Mãe calçado com um sapato que tinha dois triangulos negros que no bico se juntavam, como dois dos quatros que se juntando fazem pressão no centro e provocam as explosões das desgraças, seu pé pousava sobre o chão, onde era visivel uma mancha amarela, ou seja, roma, o sitio onde se pisara atrásves de dois triangulos negro , o sol, no chão, o avião, mostrava riscos negros na sua fuselagem, os mesmos que ontem no metro me aparecerem de repente na minha mão maracados, eram sete e eu quando deles me dei conta, ouvi o espirito dizer, vamos averiguar quem te pôs os sete traços, pelos vistos foram sete traços de giz ou equivalente que em cima de mim me puseram, hoje no metro uma bela criança indiana e sua mãe no banco em minha frente, vestia ela de amarelo e tinha diversas flores em seus desenhos e ia brincando com sua mãe e sua mãe com elea, depois por um instante se levantou, pôs as mãos em concha a fazer sombra e com a face colada, olhou a parede do metro que velozmente na proximidade desfilava, e eu segui seu olhar e lá vi, um conjunto de cabos que desfilavam, um de cor verde e outros de diversas cores, e me subiram no instante duas imagens recentes, a dos cabos da bateria do carro acidentado da Princesa Diana e ontem à noite, um pai e um filho, tambem no metro que se sentaram em banco perto, e a criança ia dizendo, sabesa pai, aqui no metro há muitos ratos, e depois acrescentou, mas não há problema porque quando ele vem, eles fogem todos e tambem ele fez o mesmo gesto, observando o exterior pela janela com as mãos em concha a cortar a a luz para melhor ver, seu pai atento, ia-lhe dando troco na conversa, como a mãe de hoje, ambos em tom infantil, a alinhar nas grandes conversas que as crianças, iam desvelando, o pai, ontem quando o menino se levantou, para olhar o fora, lhe pôs o pé a frente a travar uma eventual queda, a menina indiana, que parecia um coelhinho, com seus dentinhos a mudar e os dois da frente muito direitinhos, depois de olhar o fora, olhou a base interior da janela, e de seguida levantou para mim o olhar, dizendo em espirito, vê, e eu vi, seguindo seu olhar, sobre o azul, do rebordo, naquele preciso sitio, o metal estava risacado e muito, e eu recordei, já ter reparado nessa mesma janela e ter tomado notas sobre o que estava escrito no vidro, que ainda aqui não transcrevi, pois as imagens são nestes tempo interruptas nem mesmo me dá o tempo de as transcrever nos pouco tempo que tenho para o fazer, a um computador.

o avião na pista, tinha em sua jante da frente, alinhada no risco que marca a pista, uma estrela, tambem ela amarela, donde em roma, foi o local onde e estrela do sol, fora por dois triangulos negros em cunha outrora riscado, os mesmos que riscaram o azul do metro.

já imprimi, a queixa à policia e conto hoje ainda ir entregá-la a esquadra do Santo Condestável, de belo Lema e Mote que um dia aqui dei conta, no dia em que pela manhã, Te buscava de Rosa na Mão e na Nave da Igreja Frente a Mãe, nessa manhã no Chão Ajoelhei.

me acrescentou o espirito, o rato primeiro do homem do angulo, que fez o angulo, do b do gato, ou do gato B, o que está em back ground, ou seja, o que está por detrás e se esconde e escondido está, o que opera pelos bastidores, como um croma key de que bg, são iniciais, o que faz a imagem que se incrusta sobre quem está em primeiro plano, e assim faz a ilusão, sendo que neste caso, falamos de ilusionistas, de expert, de ilusões, que encenam situações com inocentes, para escamotear assim as suas negras responsabilidades.

ontem ainda me acrescentou o espirito, a quevedo é do palacio da musica, é a bambi, do palacio da musica dos cowbois, e a motorizada com as luzes que são com barbatanas de uma baleia a mergulhar, me remeteu ainda para para uma precisa onda, para um chapão que provoca uma onda, mas a cante ontem chegou a seu fim, não tomei nota escrita, e agora não me recordo, talvez depois, era um dos negros acontecidos.

a mulher do homem da cunha no vaso, gato da dupla dor , W
ny o oz nj, new york, o óó do oz dos multiplos principes da rosa, o que o pôs a dormir, oo, infinito deitado, da cruz dos aviões, que se desvelou na trajectoria das duas quedas
wwpes, da quadrupla dor do vaso, homem serpente do pe
bkgelfjx, back ground do elf do x no principe da rosa, ou ainda back ground do general eletrico do homem que com o bastão marcou o x no principe da rosa,
yvzugvb
o touro da marca no vaso do uganda, gato do vaso bom
wvhpcfk, a dor, os dois bicos, os dois dentes da serra no vaso do homem do pc frances, Kapa,
vfygdmw, vaso do anzol ao forte, no dia da dor maior
lhyiip, angulo ao homem do anzol do vaso do duplo ip, o hippie
n b xi he