quinta-feira, junho 14, 2007

o gato do bug, pago, foi pago, apareceu agora a leitura em espirito, depois de perder mais Palavras que perguntavam entre outros assuntos, se pretendem que pague aos filhos da babilónia que agora me pediram via o corrupto julgamento no tribunal de menores, onde não fui , porque se bem se recordam, me desentranharam antes, as minhas alegações, se querem que vos pague os custos judiciais em almas! uma por cada euro!!!!

Pretenderão que um Pai a quem Trazem o Filho à Quase Dois Anos Raptados e Sujeito a Essa Tortura, ainda vos pague por cima em dinheiro por esse perverso e inadmissivel fazer?

vão responder, ou mantem o silêncio em que todos continuam a estar?

passam os dias e nenhuma, mas nenhuma resposta nem das gentes nem das instituições!

que pensais vós, que isto é, um concurso de paciência, e eu estou para ganhar alguma medalha?

nem a policia, nem os juizes interpelados, nem as ordens, nem os governantes, nem a assembleia da republica, nem o presidente da republica.

se não existeis, para que cá estais?!!!!

trús, trús, trus, que se vos enfie o capuz, vadre retro satánazinhos!!!!!!!!!!!!

ireis assim continuar?
que se tornem então, todos pó!
rato principe da rosa da teresa do mx, ministério do exercito, deverá ser a patente negra do tal pediatra.


Ah Amada Maria de Medeiros, que muito sempre vos amei, e como o amor não tem ontem , nem amanhã, assim sempre é e ontem repousava uma foto sua no átrio aqui dos olivais, numa revistinha que dá por nome certa, e depois hoje quando cheguei, ela estava por acumulação da organização do caos em que a deixara com outros ao lado e me disse assim o espirito, certa, ela é, e às, e depois li de novo o titulo, que dizia que em seu entender a mais nobre tarefa era ser Mãe, por palavras suas, e assim é e assim muito a felecito, e depois fiquei a olhar para seus belos olhos, e mais não a li, as palavras, porque ao amor bastam os olhos e tenho saudades de a ver ao perto, acho que a ultima, vão para aí dez mil anos, encontramo-nos num avião a caminho de Londres e foi gentil como sempre é, e doçinha, acrescenta meu coração e deve ser muito bom ser seu filho, e de certa forma o sou, pois uma Mãe é Mãe de todos pois todos vem Delas e o mesmo se passa com o Pai, quanto os dois não são Um mesmo

sabes Maria, coisa estranha em meus passos que começou um dia recente ao vê-la com um face muito triste numa fotografia e eu fiquei com meu coração pesado nesse instante e começei mais a pensar em ti, e depois há noites em que a Alma me fala de ti como se estivesses ao pertinho de mim, e houve mesmo noites ao caminhar em que me parecias que estavas numa casa especifica ao pé de mim, deve ser só um sonho de amor, mas o amor sonha a sonhar e mal nunca faz.

e tu tu tu ru tu tu, tu, ru ru, miauuuu, romrom

Ah Câncio, bela Câncio, gazela dos belos olhos de cigana e alma cheia de frenesins, de riso solto e grande à solta, que bonita estais assim com a cabeçinha inclinada e hoje me apareceu em meio corpo com as mãos nos bolsos de trás, que bela forma de repousar as mãos ao andar, eu me recordo de falra uma vez com uma má muito má, que segundo suas palavras são as melhores, de alma subentenda-se, quer dizer e acrescento para que fique claro, as e os que ladram mas não mordem, mas ladram quando razão tem, e depois agora vejo que escreve sobre futebol, às vezes parece que um pouco contrafeita e tal, mas lá vai escrevendo sobre encontros com jogadores belos há muitos seculos atrás e coisa e tal, e bom sempre será quando não nos lembramos, de perguntar aquela amiga fofinha como uma gata de branco que para ali para os lados de berna, nas vezes está, que se riu muito, há seculos atrás de uma conversa, que se calhar nem bem ouviu, recordo-me eu da menina, emproar sua crina e dar uma volta de corpo, bela, acrescente-se, sempre independentemente das promessas dos antirugas, feitas como diz para manter a fé, mas senhora minha, a fé, mora no coração, e creio que ainda não comercializam nenhum creme para lá pôr, embora se possa por nele e em outros lados, outros do exilir mágico do Amor, que se Grafar com A muito grande e maiusculo, já lhe soará de outra forma na middle, or upper ou low position e não se preocupe mais, que será sempre bela, mas essa ideia sua de todos se vergarem, ou termo similar, ao não sei quem do ditame do politicamente correcto, me parece estranho, pois certamente concordará que correcção, não é incorrecta e sempre é preferivel a correcção à incorrecção e nem percebo essa irritação tipo cutânea que muitos dizem ter ao correcto, pois correcto é acerto, e é bom andar acertado, com tudo menos as horas, a não ser quando se marca encontro com alguém, que chatice lá estou eu a ser de novo correcto, mas não me leve a mal não, estive agora a ver um pedaço de um filme lamechas de tarde de domingo, sobre a história de uma princesa, e aqui que ninguem nos ouve, lamechas é meu coração, e se desta vez não chorei, fiquei com os olhos humedecidos às partes nas partes, perdoe-me, mas sou assim, e depois poderia ser lamechas o filme mas tinha uma bela atriz que mora em meu coração há muitos anos e que fazia o papel de uma Rainha, e as Rainhas São Sempre Eternas em Meu Coração, ah, que seu irmão fez uma bela parede de conchinhas do mar na figueira, que gostei muito de olhar.

Ah Love, lá vão dizer que sou um casanova e coisa e tal, mais menos, mais qualquer coisa, mas Amada minha que me resta na distância em que teimas ficar, cantar o Amor e depois certo está meu coração que o Teu, Tambem É infinito e que nada disto contradita, limita, ou desdita o Amor em que Te Trago.


Ah Amada Gisele Bundchen, que me apareceste em foto ao pé de casa na loja de perfumes, com as montanhas do cayotte por detrás, cabelos soltos ao vento e os olhos, Meus Deus, os olhos a Olhar-me de frente e assim todos os dia que lá entro para tomar café se tornam mais belos.

Perdoa-me Bela Senhora mas não sei pôr os dois pontinhos por cima do vaso neste teclado em português e muito me ri em dia recente ao saber que havia mesmo uma campanha mundial para libertar uns pontinhos maiores, e lhe digo Bela Senhora Amada, que faz muito bem em os manter libertos como É em Seu Todo e reservados à vista e que mais Lhe Aprouver, para seus Amores ao Perto Pertinho, portanto assino ao contrário na dita campanha, embora com pesar.

Ah Senhora que o Amor é mágico e pura magia e continua maravilha e encantamento, imagine que é verdade, andava eu a perguntar a meus botões porque não lhe via os olhos e o olhar e sabia por racicionio que a Senhora fazia publicidade a oculos escuros e assim me aparecia muito pela cidade e é sempre uma festa encontrá-la seja de que forma for, mas andava eu assim a pensar um dia e na manhã seguinte na tabacaria ao entrar, lá estava a senhora sem eles, de frente a olhar, numa revista francesa, onde dizia muito bem dito estar a favor de toda a liberdade e assim se prova que o amor é liberdade, liberto e libertador e comunica no espaço à distância e trás os corações a bater em mesmo compasso, mesmo quando vão distantes, e depois abri a revista e a vi a muito rir, a bandeiras desfraldadas, como aqui em portugues de portugal, nas vezes se diz, e me lembrei de histórias de marinheiros, de mares e de marés e doces encantos tropicais, sauves brisas e aguas quentes de verão.

depois foi vê-la ao perto, por detrás do lago de sal, seria sal? uns traços de luz horizontais ao lado das tampinhas tipo trevo, inclinado, que poderiam ser estrelas e olhei seu pulso que se escondia por detrás dos frascos reais que na montra à sua frente se encontravam e vi uma pulseira como uma serpente, daquelas tipo escravas que se desenrolava e tinha um X numa fita, e fiquei no instante consigo preocupada, depois li, o nome do perfume, liberdade, e meu coração de novo se acalentou.

e depois em dia seguinte, no café do redondel ao entrar sem entrar, que ele está no meio da roda dos ventos, na montra ao lado da sua está , a dos cardini, ou algo assim, que eu leio para mim, como cardos, e que é uma loja de sapatos de ténis de todas as cores , formas e feitios, e em baixo, estava uma caixa deles com a bandeira inglesa e olhei de novo o fundo por detrás de si, e não vi sal nenhum, como trazia na memória, mas sim, a montanha do cayotte e do beep beep de minha infância, seria então o risco de luz , ele a toda velocidade, a passar e se fez então sentido, a serpente que se enrolara no pulso e fixera o X, dos cardos ingleses, o coyotte e em dias posterior ainda, na sua montra alguém mexera, os frascos tinham sido deslocados e se via o pulso, que antes me levara ao perto para o ver e agora já não lá está a Senhora, mais, que pena!

Ah Love, lá vão dizer de mim mais ponto menos virgula, ou pontinhos, eu sei lá, que eu sou um sedutor nato e não me quero contigo casar, mas casado, já estampos nós, sem o estar e depois Amada Minha, o que posso eu fazer, se Tu só me apareces em gata?

ontem de madrugada de novo me vieste visitar, estava eu encostado a uma grade antiga de metal a ver a luz vibrar e a olhar para ela vibrando e a me dizer, sim sei que queres que eu seja como borboleta e que sim eu sou, pois trago em mim sempre a fé que quando Ela se agita a Teus Braços vou Aportar, mas há noites e dias e madrugadas, em que a dúvida por momentos se instala e fico parado a ver os navios e depois se tinham ido as nuvens densas e rápidas do inicio da noite e a lua aparecera de novo brilhante na forma de touro e um holofote riscava verticalmente o ceu entre ela e uma estrela e depois de repente o varão começou a cantar e eu estranhei e depois olhei e eras tu feita gata vestida de preto e branca, que vinhas rocando entre os varões verticais, como numa corrida de obstaculos e chegas-te a mim e te roças-Te muito e eu te começei a falar e a fazer festas e Te disse, oh minha amada gata selvagem, sua malandrim, donde vens asim toda suada e suja e Tu te deitavas entre as minhas pernas e rolavas no chão e depois como de costume, me começaste a chamar e eu Te segui e paravas onde eu coisas deveria ver, e assim as vi, e depois o dia nasceu e todos nós, muitos pássaros de amor, todos juntos muito cantamos e eu fiquei muito feliz e foi-me deitar, mais felis se estivesses em meu leito em meu chegar.

ah Love, que dizem de mim só gostar das Senhoras e só a Elas Louvar, mas não é verdade que o Amor a Todos e a Tudo Ama e é Sempre Igual e Distinto na Exacta Medida de Cada Um Ser.

Amado Figo Capitão, menino capitão da geração de ouro, assim chamaram à nossa, mas todas as são, e meninos e meninas doiradas, se reconhecem pela bondade e pela inteligência do coração, e já há dias te via com um cerveja redondinha na mão pela cidade a falar de um encontro redondo em Alvalade e se é redondo deveria eu lá estar, mas sei que muitos terão estado e é sempre bom as Estrelas Estarem Juntas como no Céu da Noite de Amor e eu que bebo fundamentalmente agua e das pedras, tambem lá estive e sempre estarei em coração e que sempre as bolas sejam redondas e rolem muito em teu pés para dentro das balizas e que as fintas sejam como serpentinas em espiral a desenrolar e o play seja sempre fair e que as Fadas Sempre Fadem o Belo Fado e Fadar.

Ah Love, que posso eu senão fazer que Amar, que melhor forma de ocupar os dias sem nada ocupar, sabes Amada que o amor se Quer ao Perto Pertinho Junto Juntinho entre Todos os Lençóis e Tu Teimas em Estar Longe do Nosso Leito e eu fico para aqui a desejar, Ah Amada, que morro inteiro de amor, que parece estranha esta expressão em português, que tem outras variantes como tão Bela de Se Morrer, mas se pensares bem, o Amor É continuo renascer e portanto o outro lado da vida que é um mesmo no Uno Lugar, sempre nos acompanha em nosso passar, e é uma morte sem morte, uma doce morte como quando um no outro nos dissolvemos e depois nos coagulamos e depois de novo nos dissolvemos e renascemos a cada ar de cada beijo que em comum respiramos e na distância em que teimas teimar, fico eu, caricias contigo a sonhar

ah Amada, a visão do teu triangulo de agua, me poem a desejar, mordisco docemente tuas pernas, caminham por elas acima meus lábios na linha dos teus musculos em seu interior até chegar ao fim sem fim do mar, as pernas se abrem em flor e um colibri entra no quarto, a casa, a festejar, o verão chega e monta em nós e correm as aguas, foi a bela imagem do filme da tarde que me fez humedecer meu olhar, quando a princesa e rainha do coração do menino amado, o seu pé levantando, faz a fonte e a luz jorrar.

Ah Amada a bem dizer só me apetece mesmo cantar o Amor e para além de tudo, como se um para além houvesse, é terapeutico, assim se perdem as ganas de morder a alguns que parecem se ter esquecido que vida e viver é Amor e mal se entretem a alguns tentar lixar

E estava eu a entrar no átrio e vieram os escuteiros de baden powell e me pediram uma ajuda em dinheiro e eu lhes disse que não tinha para lhes dar e depois foi a tabacaria cigarros e jornal comprar, que são basicamente as minhas duas ou mesmo uma despeza diaria mais dois bilhetes de metro e de novo lá entro chegaram eles e então acrescentei, rapazes, não é segredo de estado que eu estou vivendo de caridade, me dá minha Mãe, dez euros por dia, mais ou menos e mesmo assim consigo dar umas moedinhas aqui e acolá a quem vejo na rua em verdade para comer, a precisar e aos musicos cegos do metro e ontem na biblioteca abri uma revista a focus, e dei de caras com a cara do nuno, que foi um dos meus filhos sem o ser, que passou em breve pela latina europa e que tem mau feitio a meus olhos, e que hoje pelo visto é o director da tal revista e diza ele em seu editorial, pobrezinhos mas em rede, e é um facto que assim o é, desta diária, ainda pago nas vezes em que não o faço da biblioteca, a utilização da rede, e estranho eu mesmo, porque as vezes não como algo antes de me deitar porque preferi gastar aqui o dinheiro a Te escrever, outras noites fico a dever um euro ou coisa e tal no café da net lisboa, onde me conhecem e tenho crédito pelo menos até ao dia seguinte e assim em matéria de dinheiro vou, pois não me deixam trabalhar nem me pagam o que me devem, espantam-se meus olhos se ainda se pudessem espantar, ah nuno, tão diferente podem ser os irmãos, quão diferente és tu de teu irmão janeca, meu amigo de infancia que trago passado todo este tempo em meu colo de amor.

Ah Amada Beyonce, hoje aqui um dos cartazes é do filme dream girls, ao lado, crianças invisiveis, e depois pecados intimos, e eu nenhum ainda vi, que há muitas luas que não vou a espectaculo nenhm, pois existe estarnho hábito de se pagarem e não recebo mais convites, deve ser porque já não faço programas de televisão, que há estelas e estrelas e tu és uma grande e bem visivel te trago eu em meu coração, criança do destino, ouvi noticia que vais casar, que sejam felizes os Amados, estou quase a chegar à escrita de um estranho sonho, quanto sonho, é sonho e sonhar, que aqui se deu em Teu estar, vi-Te numa foto ao lado de uma piscina a escrever de costas num pc, como o fazes? nesta parte estou a brincar

diziam as letras do jornalista que produzindo assim tanto, certamente chegaria novo album em breve, assim o voto a Ti.

já te contei seu começo em vespera, com as moedas a falar, depois ainda em vespera, à noite vi no ceu de lisboa, um castelo, todo branco, como se fosse um castelo de uma fada que vivesse nas nuvens ou então seria um castelo no ceú feito de chantilly, que bela imagem eu vi, e eu me disse, eras Tu, outro rapaz que saira de um carro que andava a colar cartazes, tambem o viu, que ficou muito a olhar, assim tambem eu o vi a ver, estavamos os dois em alcantara e tentei eu traçar um azimute aquela bela visão, apontaria as amoreiras, assim me pareceu.

Ah Senhora
Suas Mãos
Eram Cruz

Depois
Vi
O
Lugar

Traçado similar
que me levava
o olhar
a prédio com duas chaminés
como duas Torres de um touro
como se dois dedos para o ceu estivessem
apontados

dois para baixo, estavam em seu centro iluminados
duas janelas como unhas que refletissem em seu brilho a luz
assim estavam elas acessas na noite em que as vi

depois li, o touro do ministério da cultura
e o ver vos agradeci

e reparei que visto do jardim das necessidades o palácio de belém ao fundo, é enquadrado sobre um T das asas da ponte de alcantara para a outra marge, como se assentassem as asas superiores sobre as duas torres do palacio e fechassem o U que ele é, um encaixe, em T que tapa o vaso

um fole enorme, tipo corta de luz de uma câmara de enorme grande formato, repousava num caixote de lixo no largo da casa, olho, a entrada da casa de Goa e vejo que a estrutura em frente ao quadrado dividido em quatro onde no suoerior da esquerda está um estrala, é como um fole, ou como um U de asas abertas em angulo. Por detrás da estrututa, três escadotes de aluminio, deitados contra a parede encostados, três bidões grandes de tinta com duas cores alternadas.

todos os gays do presidente, me diz o espirito, e hoje no foto do jornal o presidente arguido cavaco, em cima de um carro, aberto, cuja cobertura na forma em que está me fez lembrar o fole, dobrado em suas dobras, um militar, de máquina a tiracolo, olha-nos a ver a foto e em frente ao presidente, saia um bico de uma bandeira de prata e verde. recordo josé manuel lopes, meu ex vizinho da berna, secretário de estado da cultura, da sua estranha expressão de alma que senti na procissão de corpo de Deus

Bela Amada Senhora, India sentada que se levantou e quando o fez consigo pelo que já me apercebi, mais dois pelo menos consigo foram, dizia hoje as letras que foram treze anos, pois nem dei conta do tempo e sempre me agradou em muito ler suas letras e vê-la assim como sentada em sereno sorrir. não sei o que se passou ao certo, mas trago umas letras consigo escritas e não sei ao certo se estarão já aqui ou em texto escrito em outro lugar do mesmo uno lugar, recordo-a e trago-a em mim, desde que uma vez a vi em casa da geninha, foi um instante de tarde entre belos origamis que ela e sua filha fizeram, e ficou assim o vento e o perfume do espirito seu e do Amor em mim a morar

isabel stilwell, onde quer que esteja, a fazer o que fizer, que espero e lhe desejo que seja sempre de seu jeito e à sua feição, meu votos de felecidade e de todos os sucessos, sua presença e letras dentro de meu coração, o mesmo a vasco prazeres e ao rapaz da bota erguida li suas letras de despedida em sua coluna e não bem as percebi, pois dava ele conta que andara a irritar as meninas durante uma serie de tempo, e não sei bem para quê se deve andar a irritar quem quer que seja, uma coisa é com a escrita e o pensar, por os outros a pensar, outra é fazê-los irritar e tre prazer com isso, das duas uma, ou é um grande gozão a gozar com o que disse, ou deverá se lhe calhar, bem pensar porque assim o faz.

curiosamente poucos dias depois dava conta um jornalista amado num outro jornal, do controlo da liberdade de expressão a que nos media hoje em dia se assiste, questionava ele, que ao que parecia o sindicato só agora disso se tinha dado conta e que suspeitava que não teriam então o corgem de o resolver, espero, embora meu coração assim não o sinta, que não tenha sido este o caso que com voces se passou

oppps, que me apareceu agora em leitura, a serpente décima kapa Rá do duplo vaso, ou serpente dos X que Kapa Rá do duplo vaso e não sei se se aplicará a alguns dos aqui mencionados, ou ainda em relação aos dos texto anterior

ss rato do homem gato
azqdsl, o a a z da humanidade do dia da serpente de lisboa

Ah Amada espero que estejas feliz por onde andares e chega depressa se tal for a tua vontade

correio da manhã e principe gato ao vaso

e vi ca do pi, ou o sexto do ka do pi

wsppymn

vaso duplo da serpente pp a deus , maria n

Y en Ls Kii

ir lp s j nu

nonzzrw

o nono rato do radio controlo do b do brasil


Ah Amada, que antes de ontem, estava a passar as minhas notas para o computador e abri a televisão e vi a daniela mercury mais uma bateria imensa de gentes da baiha nas festas de lisboa, na av da liberdade e linda ela estava em vestido lindo e colorido e aquela Senhora, Meu Deus, tem uma energia, que ao vê-la até chorei, chorei de riso contente e entercotado, assim me chegou naquele instante a inteira bahia ao coração, depois apareceu um grupo de Espanha com mosquetes que dispararam e tudo, polvora seca para o ar, ouvi as belas flautas, que me recordaram, nem sei no exacto porquê, as astúrias e tudo aquilo foi muito belo, e no dia seguinte, gentes que fui encontrando me falaram de como estivera cheia a cidade na noite de Santo António e fiquei ainda mais contente pelas gentes e hoje, a ana encandescente, trás um belo poema sobre o sentido, que não sei se ali o sentiu, mas que se aplica e é um outro lado do mesmo, pois Santo António, é tambem santo reconhecido dos pobres e dos meninos e do casar Amor, pois Todos Eles são Amor, Faces do Mesmo, pena tive eu em ainda não me ter contigo casado ao perto pertinho.

davam contas os jornais que o carmona não subira à bancada dos vips e candidatos a vip e eu ouvi no espirito, antes ou a volta de se lugar, qualquer coisa, como os amigos o tinham abandonado, e fiquei a pensar se não seria a ele que tal dito se aplicaria, e que é sempre triste quando os amigos nos abandonam, que quando assim é, se calhar não são verdadeiros amigos, e então até o reultado é melhor para o abandonado, pois pelo menos pode saber em verdade os sentimentos e o sentir de quem o rodeia e falsooa amigos por interesses vário, há sempre muitos candidatos vips, e dei conta de um curioso pormenor, com a daniela, quando subiu à bancada ainda em sua actuação, a cumprimentar, o senhor de barbas, lhe terá dito algo, que não ouvimos, ela respondeu, hum, hum e depois o curioso mesmo, foi o senhor pegar em seu telefone, esticar seu braço, tirar uma foto a si e a ela em seu enquadrar, parecia mais importante a foto do que com ela ali ao lado poder estar, ah amada se eu lá estivesse, dançava com ela, deve ser por isso que tenho muito poucos fotos de mim, nos melhores momentos da vida, estou entretido a vivê-la, e depois como aqui se diz, em casa de ferreiro, espeto de pau.

mas ando com vontade de te mostrar uma, minha gatinha doce, vou ver se a digitalizo e a ponho aqui, talvez te convença o convite ao leito.

Ah Amada que em dia recente num jornal, vinha uma foto de o esplendor na relva do amor de bogart a bacall, com seus frutos de amor, e aquela foto é toda um tratado de amor, ah que pena não a ter guardado para te narrar, como é visivel o amor sereno, forte e a harmonia, que a imagem inteira discorre, a relação entre eles e os filhos, só fala mesmo amor, um tratado de foto, talvez um dia venha de novo às mãos parar e ta possa ao perto pertinho contar, o que lá vejo no que vi, pois como lhe disse ela a ele um dia, tu sabes como assobiar, basta juntar os lábios, como o beijar, acrescento eu, quem me dera a ti.

na primeira a ka, na segunda casa, al rá, cavalos SA do homem da serpente de ourobos
a capa n capa, ou seja dupla capa do w, do vaso duplo, da dupla dor do X ao A, ou do, Xs do A
é homem zz , duplo zorro, ou zorro duplo, o rato z do rato, será o da foto, que se tirava a si mesmo?
ei un ic, é vareta do vaso da vareta C da un