sexta-feira, julho 06, 2007

o ceu azul
o mar lapis exilis
o horizonte o pescador parado no entardecer

na duna relva no cimo do monte
no verde mar
os namorados beijam-se

no banco do cais
a rapariga de calças brancas
sentada sobre o rapaz

as bicicletas passam
os corredores tambem
da nave raia vem um som

o entardecer se poem

casais em resturantes de intimos espaços

eu vazio por dentro me embalo nas ondas do mar de palha
um rebocador empurra um batelão
e sou como areia que vai lá dentro
imovel e leve, junta e separada
como tudo na vida, meu amor

as ondas são mansas
como imagino teu olhar

olho o horizonte
e vejo a feiticeira de permeio
nada me diz
esfinge esfingica me olha
e impede a passagem
assim ela se pensa em seu secreto

trago uma rosa e uma espada para Ti
posso ir rápido subindo ou lento
como beijos meus


ah amada não sei por que te digo e te conto e te canto, a não ser por amor, que outra razão haveria para cantar, para ter vindo ao mundo com lábios e cordas eolicas e ter como companhia o sopro e tu teres as mais belas cornucópias para eu as mordiscar

sempre fiz meus espaços de morar, o morar e sempre pensei que o leito ideial para alem de ser redondo deve estar junto ao céu e ter um tecto de vidro que abra no verão ao nosso deitar e feche o frio no inverno, quando for grande, para o calor de nosso abraçar, uma cupula que nos deixe ver as estrelas e elas a nós velar nosso sonhar, ouvir o som da batega a cair e bater e o sussuro do ventos, suave e doce, lento e forte, como a luz do beijar

e estou pobre amada de dinheiros e afins e não deixo de assim pelos vistos sonhar, mas tudo isto com amor, se faz sobre a relva nos verões, a dormir sob o ceu das estrelas, ouvindo o marulhar na praia e estranho-me em todo este dizer de mim, sem mais saber dos meios das matérias e afins, só mesmo esta ansia de te beijar, que me persegue e me trás imperfeito em parte em mim, estranho-me e estranho este mundo, esta pressa de coisa nenhuma que nos faz correr, para quê se tenho teus braços e ouço no espirito o dizer, ah se o amor fosse só isso, e não é? sim diz-me que nasceste sem asas, que não sabes nem queres voar, que não tens em ti a inteligência do belo viver, que só sabes na quadratura dos circulos imperfeitos que se dispoem ao olhar, diz-me que não tens belas pernas que eu beijo e beijo e beijo e me deleito, diz-me que te esqueceste como caminhar, diz-me que os filhos são prisões e raizes que se justificam por todas as vantagens da moderna educação, diz-me amada que não gostas de adormecer hoje aqui e acordar amanhã acolá, diz-me amada se o mundo não é redondo, diz-me amada se o mundo, não é vale e montanha, diz-me amada, se o mundo não é agua e vento a passar e diz-me amada se tu não és tudo isto e mais além, além, ah amada além, te beijava eu se aqui ao perto por um instante pousasses, corria a teu lado beijando-te e nadava em ti beijando-te e fazia-me abelha e fazia mel e cozia pão doce

diz-me amada se a mulher não é um pássaro, se não tem asas , ou não sabe voar

ah amada que belo é o verão, usam sandálias as mulheres e se vem suas asas de mensageiras do amor em seu belos pés, ah amada uma mulher que assim caminha, não caminha, desliza, é leve como sempre o é, e trás em si desvelada a promessa do vôo, ah amada que bom é voar em tuas asas, estender as minhas sobre ti e cobrir-te sem peso, só como a maré

depois fiquei a ver-te caminhar pelo paredão, pestanejava meus olhos, pois nao sabia se andavas ou voavas, voavas, sim voavas, e eu ia contigo dentro de teu peito

a feiticeira me fala de compaixão, compaixão amada é sentir-te assim perto quando estás na aparencia longe, compaixão é amar-te como quem só sabe mesmo amar

e a feiticeira insiste, é a lei da otan, e deve estara falar de aeroportos, de n, de muitos aeroportos, e eu o que sei, sei aterrar em ti e contigo levantar voo, daqui um beijo à torre de controlo, autorização para aterrar, sim, autorizado, aterre suave no triangulo do sul, certo, certo, bela a pista, assim fazem meus dedos a mão

diz-me o espirito aqui que o zeferino chora, espero que de amor, ou que zé é forte do paulo homem, do controlo da cunha, me mostra o ser aladao, pequenino aqui a meu lado a voar, ah amada está calor muito calor

em cada dia que passo a sonhar se vão no uno mundo onze mil crianças pequeninas por fome sem nada para comer e eu para aqui a sonhar com cupulas de casas que abrem e fecham com um interruptor

do circulo do semi arco c do Ba que é zorro serpente ao Y, duplo vaso do home Te, B gato p do homem
Ah Amada Mais Um belo dia de Verão e tudo iria melhor se te tivesse a ti a meu lado e meu filho tambem e mais outros que os filhos e viver com o povo pequenino, é estar no paraiso a fazê-lo, e estes filhos da enorme babilónia ainda não se decidiram a parar o que de mal vão fazendo pela eternidade fora e burros como são ainda não percebem que a maldade, a deles, mais agravará suas condições e portanto em meu tempo certo terei mesmo que pegar no meu arco e flechas e dar-lhes caça um a um, que chatice, amada, pois o que me apetece mesmo era passar o tempo a beijar-te mas estes filhos da babilónia assim não deixam, são mesquinhos, cegos tolos e estupidos e vão tortos tortinhos, preferem as guerras à paz e ao amor,^às vezes apetece-me dar-lhes um grande chuto em seus rabiosques, ou então po-los a viver nas berlengas, tirando de lá os pássaros para que eles com eles não sofram, e depois ficariam os dias a chatearem as plantas que são seres muitos zen e que os aturam bem, e talvez um dia ao olhar o ceu, ao acordar, acordassem e percebessem que há melhores coisas na vida para fazer do que andar a tramar o parceiro, que é o que está ao lado

Há dias assim em que se abre o jornal e se vê as noticias do mundo e o coração inteiro sorri e até os pelinhos dos braços se poem logo em pé, tal é o amor das letras das fotos e das almas, ah amada que eu ando cheio de calores

e lá estavam os belos girrassois, pois que sim, razão tem sampaio bruno quando diz que esta oportunidade é oportunidade para criação de riqueza nos paises do terceiro mundo, se bem que não saiba bem o que é o terceiro mundo, e tambem não sei bem em que lugar devo pôr este pais numa qualquer escala, pois a ver como a justiça anda, às vezes penso se os valores negativos da escala inteira, que depende sempre do nosso olhar, daria para lá o pôr, e depois nem isto é verdade, verdadeira, verdadinha, pois não é o país, é mais meia duzia de gente, que todos gostam muito, pois deve ser por essa razão que desgovernam assim tanto, e nós os deixamos, mas o girassois são belos como tu, amada minha, pois se viram para todos os lados e seguem o sol, em deixar de estar em seu proprio e único lugar e será preciso muita terra para os plantar e calor, coisa que existe em africa e nas regiões onde existe agua, então, que se cultivem e depois cuidado, para que as plantá-los ou ao plantar milho ou o que seja que se invente, não fiquem regiões com a comida mais cara e em forma insustentavel como alertavam os que das totilhas de milho, fazem a base da sua alimentação, e razão tem o senhor com as mão sujas do menos sujo, ao dizer, que os negócios devem contribuir e almejar diminuir as distâncias e o fosso entre os poucos muito ricos ricos e os muito muito pobres e não esquecendo que um bom negócio, é bom quando serve a todos os que o fazem e como isto é uma especie de sangue, e o sangue corre no corpo inteiro, estas questões, em termos de bom ou maus negócios, ou nem assim ou assado, tipo paneceia que pouco serve, como um beijo rápido demais, jorra e pronto, são bons se forem bons para o corpo todo que é onde todos habitam e esta questão deveria estar em cima da mesa, perspectivada à séria, se o souberem, na cimeira com africa.

curioso e desvelador foi a saida da comitiva francesa do ccb, não sei se vista amada, mas bateram no U invertido da pedra rosa, à bruta a tentar sair e até lhes caiu um resguardo de cima da camioneta, branco como uma asa de um avião, o que leva a outras paragens e outras histórias, que ficarão para outras núpcias, aqueles rapazes, às vezes quando lhes mete uma na cabeça, nem param para olhar, como dizia antes de ontem a um rapaz na biblioteca com quem me pus a falar, deve ser do sol daquelas paragens, mas enfim, idiossincrisias, que é palavra que nasce de cecrisina , aquelas rodelinhas de sol, que fazem borbulhinhas nos vasos e que eu desde menino gosto muito de beber, pois me sabem a laranjas, se bem que, Amada, melhor são aquelas que moram em teu peito e que se remexidas, fazem outra especie de borbulhar, ah amada que muito me ri ao ouvir a conferencia de impresa dos rapazes amantes da comissão, da comunicação, sobre a conversa sobre o belo acto e métodas as suas variantes,cores, formas e feitios, em mutuo acordo e sem nunca ninguem ou nada forçar, let´s come together, que era o que eu contigo, entre outras, muito desejo fazer e fiquei a suspirar, pois no filme, um homem depois de seu amor poisa sua cabeça no peito de sua amada, que sorri e lhe festeja o cabelo, e amada, poisar a cabeça, sobre o peito, ou ter uma sobre o nosso bem pertinho do coração, é das melhores delicias do mundo e da vida e as palavras então todas se anaimam, em seus nichos do amor, e tudo é doce e se torna e faz belo, belo, Ah Amada que a intimidade é tão bela e preciosa, precioso dom, peróla do amor, que sabe tão bem, dois seres amantes que mutuamente se despem, se entregam e um no outro repousam depois de nadar, e a mulher menina sorria carinhos e é ela muito bela e mais fica quando sorri, assim é a função do sorriso e do sorrir, iradiar beleza, é isto que o Amor Faz

Ah Amada que ouvi no espirito em noite recente, um pedido de desculpa, paraceu-me ser de um voz femenina, que me pedia desculpa pela invenção de um história que me envolvia com meninas daquelas que ganha, assim a vida, e o que é chato para aleém de não me ter aparecido o nome de quem pedia desculpa, é que estas histórias às vezez magoam a outros que nos trazem em amor, e fico estupefacto, mais uma vez estupefacto de olhos abertos e arregalados, a me perguntar, esta gente é louca, parece que não tem mais nada para fazer, porque raio inventam sobre outros, histórias, incapacidade de fazerem as suas próprias, piores que cobras

Ah Amada, a melhor página no dn de hoje, um artigo conjunto, pois conjunto é sempre bom, é como ter a tua mão na minha ao andar e depois quando os conjunto é bom, em seus elementos que se sentam num mesmo circulo, então melhor, porque a ainteligência é como uma festa, eu faço-te uma e depois tu fazes outra a outro ao lado e assim melhor se torna tudo e mais forte, e fica tudo mais claro e alumiado e tudo tende a correr pelo melhor

Somos a primeira geração, que dispõe de recursos, tecnologia e conhecimentos para pôr fim à pobreza

joão cravinho, leire iraola, patrizia sentineli e eveline herfkens, Bem Ajam Amados

A fotografia fala por todos e por tudo, Ai Meu Deus, aquela criança com a ferida na cabeça!
feridos andamos todos nós enquanto houver motivos para fotos destas e o Amor é Cura e Curar


e amanhã é dia em que dois circulos divinos se juntam e juntam dois divinos e é dia de Festa no Mundo

Ah Deixai-me Louvar a um Homem que quase todos os dias me aparece a sorrir e que sempre me acalenta meu coração e talvez por vê-lo a sorrir todos os dias nunca o tinha aqui louvado

José Carreras

e os outro que a seu lado amanhã estarão e que já hoje e ontem estavam, pois os vejo todos os dias

Aí que aquelas senhoras e senhores, são belos e a todos apetece beijar e beijar passando os dias a beijar

e eu seu dinheiro para comprar mais um bilhete, irra! será que eu não existo e não terei necessidades.

Ah Câncio, ainda estou para te falar em peixinhos vermelhos em aquários redondos, mas só para te dar força, para a luta pela liberdade de imprensa, a ti e a todos, sempre, que os seres são livres e devem poder exercer a sua liberdade na forma que lhes aprouver, de qualquer forma digo-te já, o truque da longevidade para além do amor, é dar-lhes agua do luso, falo por experiência comprovada, como poderia de outro jeito falar.
que belo protesto e que bela forma de protestar, mandela e pelé , boas bolas, que os pés que nascem no coração, voces os tem

o janeca acabou de publicar um livro e eu telefonei-lhe por causa do rodapé que vi, e lhe perguntei, e ele me disse então que tinha andado a ver os cadernos eleitorais e que tinham mais votos que o total, quando das eleições , e assim se prova que tambem aqui houve chapelada, e que a chapelada é uma forma combinada com novos graus de sofisticação, e se vai haver mais votações, era melhor que olhassem para o assunto com olhos de ver e como o problema é no mundo inteiro, deveria mesmo existirem comissôes de observadores que venham de outras terras sempre aque as haja e fazer disto um hábito, pois quem não deve não teme, e abre as portas de sau casa, e asim se conhecem gentes de outros locais e por ais fora ao infinito e mais além, que isto não é só problema dos paises ditos de terceiro mundo

Ah Amada, hoje ganhei meu dia, estava a ler o jornal sentado, e um bebé com os incriveis olhos azuis cheios de luz que pareciam mesmo dois húmidos sois como luminosos faróis me olhava em seu carrinho a meu lado e me disse, ele puxando seus calçoes para cima e depois olhando para o lado, que era a dependência do bcp com um cartaz onde está um rapaz, o gabriel, com o dizer, aumentamos o seu salário em três por cento, coisa que eu não tenho, e assim sendo, percebi que ele me dizia então, que o do bcp é terceiro da agua, ou que o terceiro do bcp, é o que me levanta os calções, chama-se o bebé, pedro, e tinha sua irmã com a graça de beatriz e disse-me depois sua avó, desculpe, que eu já sou muito crescida, mas tambem tem uns olhos muito bonitos, e eu lhe sorri e lhe disse, que os olhos que vem não tem idade e que nada tinha de pedir desculpa.

e assim mais feliz fiquei

que belos cabelos tem a jenni, a hillary , a cisne, tambem é de uma grande beleza efez um grande filme com um dos meus mais amados realizadores e um grande homem, em noite recente dei com uma rapariga portuguesa que apresenta concursos na tv de madrugada e vi nela uma mistura de hillary e jolie, depois li algo nas palavras que estavam na grelha

ah amada porque não chegas!?

a vareta do homem dr, da direita, do semi circulo do dia da vareta do duplo vaso, da dupla dor

mu bb da dg
http://abramalas.blogspot.com/

Ah Amados Muito Muito Amados, que hoje foi aqui parar, e me ri a bandeiras desfraldadas

sobretudo o final é prova cabal dos noves x 9 de como alguns meninos se esquecem do que são quando crescem, pois aquele jeito de estar e falar em 93 não me parece encenado

o que se terá depois passado com o menino?
deveria contudo procurar de novo seu coração para a ele voltar e ser coerente com ele para ele melhor bombear

o do mar é muito vago, diz o rapaz esquecido de si
e depois caiu-lhe mesmo em cima nuns quaisquer passos do conselho
agora percebi a sua face de espanto naquele preciso momento

é o primeiro video

no dia a seguir a ter aqui contado a hsitória do dupla cruz que me fizeram, no dia seguinte a zita seabra vinha no jornal, e o titulo do seu livro me chamou à atenção, foi assim, e eu li em meu coração como a confirmação ao que acabara de escrever pelo que o amor de muitos me mostrar

ontem ouvi, um pedaço de uma sua entrevista, onde uma ideia ma ficou a ressoar, dizia elea com razão, sabiam os comunistas, quanto os há, nos partidos mesmo aqueles que portam seu nome, em sua consciência dos crimes durante staline e que não o admitiam, pãra não perderem a sau superioridade intelectual, e verdade que com muitos assim era, só que a superioridade nunca se pode basear em forma sustentavel e sustentante da espinha e do coração do amor, se fechar os olhos ao que sabe

espero que estejas melhor dos dentes, tambem eu andei com um pequena dor num deles

ab oz rb, ou ab do circulo do zagalo do rato B , gun 99 zu, do z no vaso