terça-feira, agosto 28, 2007

ah amada amadinha
a lua cheia e grávida e redondinha no céu como meu desejo de toda te beijar

porque não chegas amada, amadinha

que triste os dias assim
sem Ti ao perto pertinho

Amada não te recordas no céu nosso casar

não te recordas de como mergulhamos um no outro pelo olhar
não te recordas o sorriso da fonte do amor pelos olhos a jorrar

só te conheço no céu assim
não te conheço o corpo ao perto de outro jeito ou modo

como posso assim a ti chegar

dá-me a mão
que eu não posso viver sem ti

é amor ou sonho de amor amando-te
e é o amor um sonho que sonha amor

porque não chegas?

disse-me um pássaro que comigo estavas zangada
sem eu mesmo saber nem porque

ontem assim a noite triste em mim e o dia melhor não fora, ah amada, rapidinhas, rapidinhas, a mim me parecem mais para o lento, em verdade te digo, que já terminei os textos em mão ou na lingua ou no ver do visto desvelado e pensado e no entretanto se encheu de novo um caderno todo e há dias comprei um novo, hesitei, a ver se lá vinha teu nome e morada no interior, mas ainda não, e dia que passa mesmo que economize a caneta, lá se vai paulatinamente enchendo e tudo isto podia ser assim, contigo ao perto, que não vejo razão para que não

se fosse médico metia no entretanto férias, mas promessa é promessa e é para se cumprir, e estas bestas que para aqui andam em meu país, trazem-me o filho de mim desentranhado e continuam em seu silêncio que lhes irá ser mortal, por isso continuo a escrita, fecho os olhos um bocadinho à paisagem quanto se pode fechar, que ele nunca fechada está e sonho com encaixes, contigo em nuvens brancas e doces feitas colchões, onde o braço direito, não se cansa nem adormece durante toda a noite em ti encaixado

sabes amada, tambem gosto nas vezes de dormir sobre finos colchões onde o corpo repousa sem se mexer, tipo zen, muito quietinho todo o sonho a dormir, o corpo a sorrir, estático sopro como planta pausada em tuas petalas de amor, cheiro, doce doces colchões de penas, delicados afudanços e doces levitações, e o corpo, em posição de chocolate derretido como no ventre da mãe, ah amada o amor, esse levanta e poisa e dança e voa em redor

sabes amada, em verdade não me apetece muito dormir, apetece-me sempre amar-te sem fim

e o amor é redondo redondinho como a andorinha a voar e os seres redondo à sua imagem são e faz o ser com seus dedos circulos que representam a esfera que é, e dividiu o circulo do dia, um dia, em doze pedacinhos do mesmo pedaço e dá a volta completa ao chegar à decima segunda badalada divisão

a questão é saber se continua depois, o ponteiro, quem o fez, quem o pensou

não existem seres médios nem médias de seres, mas vê o video que tem um belo gatinho e vê-o só uma vez e repara que a velocidade e o tempo das imagens é imagem da velocidade do modo de viver, e pensa então assim, ao estarmos na décima primeira hora, se por exemplo passases este video numa assembleia onde os seres se entretem a fingir governo e governação, ou numa repartição publica, ou mesmo num tribunal superior, quantos reconheceriam cada imagem, quantos saberiam dizer de seu conteudo, quantos saberiam identificar as boas práticas, as ideias de inovação que urge implementar e depois no final lhes perguntarás a todos, o que quer dizer a cada um, sente-se preparado para dar a boa e urgente e necessária resposta à gravidade da situação?

e ainda, é isso que faz em seu dia a dia, em seu fazer e agir?

e pergunta ainda a cada um, se não o faz, acha que os filhos terão possibilidade?
e diz-lhes então, porque não se reformam, porque não reformam a demo cracia e dão espaço a amorcracia e aos mais novos?

e relembra-lhes o principio universal que quem não sabe, erra sempre, e diz-lhes para ir explicar isso a seus filhos quando se forem como tordos, pela inépcia, o mal fazer, e o apego colectivo ao suicidio, por opções variadas de status e das mil moedas que não levarão nem servirão em mais lado nenhum




já reparas-te que o sistema politico que temos com os actores que temos não dá resposta ao que é necessário responder?

e se existe sempre espaço no permeio, ou no interstiscio,para que ele se corporize, não podem as margens funcionar com caduca e velha represa, sem imaginação criadora

demo cracias, aqui terra, temos um problema!

eu por mim tenho diversos, a saber

não ter teus lábios ao perto para beijar molhado

o meu filho raptado

viver num país de tontos, surdos, perversos, cobardes

e contudo o Amor, Só o Amor, Tudo Compõem e Cuida


No berço da antiga civilização que a todos no moldou, a imagem se manifestou, a Mãe com seus filhos em seus braços, dentro de um artefacto da civilização dos artefactos, incapaz de a eles salvar

a esta imagem em maior detalhe voltarei porque mais nela vi

beijo-te muito amada, onde quer que estejas e Te digo Sempre Que o Amor É a Vida, que o Amor Cuida e É Cuidado Sem Cuidar




gato do vaso do principe forte do fm da maria do vaso de ny
união europeia vaso da cruz, ou da té do circulo do Z do is
po, portugues, do circulo do vaso himem do homem x da dupla dor do homem do vaso do principe kapa serpente principe primeiro quadrado kapa, sja
Ah Amada, era a noite noite recente e me deitei por um instante no sofá e do bolso me caiu um primeira moeda, de um euro, depois uma outra de vinte centimos e por fim a terceira de cinco centimos e ficaram todos com os numeros para baixo voltadas desenhando um triangulo, que era o exacto triangulo que na manha seguinte via na capa de um jornal de três estrelas assim alinhadas por debaixo do que parecia ser um neblusa onde se desenhava um seis e um nove

depois caiu o isqueiro, que rolou por debaixo do sofá, um isqueiro azul com a cabeça em semi circulo de prata e um homem com uma caneta com a cabeça toda negra, e a imagem se completou, o homem do fogo do sesenta e nove feito no porto,que trás as cores azuis e prata caiu ao chão,foi-se no buraco da neblusa

evocara eu nas palavras a menina do norte do cordão do triplo voto e aparecera em dia seguinte o menezes com a mão na cabeça, como quem exclamava uma qualquer confusão, depois fui percebendo que a confusão fora com o seu blog, que ao que parece não é escrito por ele, embora tivesse seu nome por cima, mas sim por um tal de pedro não sei de que familia que nem fixei, e de uma outra acusação que apareceu de o blog ter extractos que nem são dele nem do outro mas simples e integral copy paste

no correio da manhã costuma o menezes aparecer numa secção que eu praticamente todos os dias leio cujas letras de diversos me agradam particularmente, pela frontalidade dos muitos que aí escrevem e pela inteligência de seus olhares

perfilhava-se menezes nessa altura como candidato ao psd, afirmando que consigo, o nacional porreirismo do nacional podre compadrio não teria continuidade e logo o ataque lhe foi feito de lisboa por parte dos fieis a mendes

nesses dia falara eu do sinédrio, na queda da ponte de miniapolis dizendo que não me parecia que existia um de novo em preparação, mas um comentarista dizia à laia de pergunta, e porque não é de avançar o menezes, e eu em meu peito, me disse, se ele quiser que avance, o direito tanto a ele como a outro lhe assiste agora que há directas no partido, e sendo que mesmo com directas nem todos terão as mesma iguldades de oportunidades, ou um dos problemas dos partidos, e da partidarite não fosse neles existirem os sub partidos dentro do partido, e as ordens e confrarias das vénias das obediencias e das benesses no rapa tacho multiplo em que há trinta anos todos sem grandes excepções se entretem

para que alguem não o faça tem primeiro que se purificar em toda a extensão ao seu coração necessária, coisa que menezes pareceu ainda não ter comprendido, pois não o traduziu na sua resposta, e quase seria caso para dizer, entre os dois, que venha o ... e escolha, que eu tambem não escolho, nem voto mesmo, donde é com cada um e todos

bom mesmo foi ver a iniciativa dquele social democrata gentil, calmo e simpatico, a fazer cursos de verão para aspirantes politicos, era bela a imagem daqueles jovens, de pequnino se torce sem torcer o pepino

dia do quadrado do homem europeu, serpente do circulo todo cia demo circulo rat primeira gato inglês do til, cal mo e serpente em pat e có a forte az e rato curse, cruz dior, pe quadrado un nino tor rato ce raro circulo pep ino

o tal pedro é o senhor do duplo circulo dos ee, dos electricos do porto, me acrescentou agora o espirito, do quadrado da ua da vareta dp gato do vaso de la ad primeiro pai e me subiu agora ao instante em que completo este texto uma outra imagem que hoje se manifestou, através do gato do telejornal da hora de almoço da rtp, do norte e dos futebois do norte, qe portanto a eles conhece e que falava num tom particularmente incisivo, hoje, como quem gritava, e dizia no eter do não dito, qualquer coisa como, da zanga dos generais electricos do norte me tom de ameaça e truculento que eu não gostei e depois fiz ums setinha e depois de novo acordei e vi uma bela menina que corria com seus dois cães de oiro, sendo um , um perdigueiro, que bela imagem em meu acrdar e depois olhei a torre das quatro torres em frente e lá estava mais um reflexo luminoso, onde apareceu em outro dia o bacalhau, que assim me contou, é a capa da borboleta do homem do circulo ee, norte sul, do circulo da serpente do mar da teresa carvalho, a raptora de meu filho, do circulo da sg triade, 81, o treceiro do sexto do 66 em noventa e um, gpc da dupla dor , as das duas setas de prata e negr do duplo quadrado electrico ao circulo da estrela, o primeiro da esquerdad da primeria coluna dos quatro colunas duplas com circulo inca de cinco andares cada uma, 4 da vareta dos raios do porto


o primeiro da maria sobral setinha, ou a set pequenina, a pequenina seth
o homem dos futebois, o tal pedro do blog do menezes, do circulo da maria sobral , primeira seta, a do porto e a dos nós, e é a do dia de 98, do 69 em noventa e oito, na expo, da maria ua



depois vi o sesenta e nove de novo em imagem no ar a passar, um red bull, de asas inclinada entre dois cones a passar, naquela posição das asas que não se pode durante muito tempo manter com pena de cair no chão e se me fez o sentido, do sesenta e nove que me fora feito no porto,não literal convenhamos, ou não, que é posição de meu agrado como todas, mas da inversão que terão feito sobre factos comigo relacionados ou com a minha pessoa

do os si da são toda pistola toda gume da faca na asa da ten primeira do quadrado do portugues uri do rif car ex ten são a circulo se vaso cora cão ne ce ss ária

ontem ao chegar a casa depois de aqui escrever, olhei a cuvette da cozinha e nela pela disposição em que deixara os objectos assim li, o cone de prata da segunda la mina ou das duas lã minas krups, kapa do ru, ratão do vaso, do ps estava por de cima do circulo doirado do cinzeiro de sintra do castelo, com quatro cigarros em cruz deitados com canecas de cerveja do barros de gingas sem elas, com três lâminas como velas pretas de um moinho pintadas e com o simbolo de um calice invertido, como um vaso alquimico e e um dó em escrita musical espelhado na sua vertical, como um taco de golfe

e pr da vieira do esteves que faz um laço de pelo entre a vareta em cuja ponta está o circulo do primeiro centimo, e duas facas africanas em posição de sesenta e nove sendo que a mais pequna tem no cabo u chumbo, que parece de pressão de ar, que se encosta ao tringulo da bainha da maior de marfim e ferro no tringulo da bainha com uma linha de vesicas e ondas do mar, no cubo azul e lápis lazali e do asa delta ultra ligeiro e balão invertido, circulo do gato do cavalo marinho principe do vaso do gato un circulo e pr do cuplo circulo acentuado ao cubo no circulo de prata da arcada azul da sam serpente gato un, samsung, alberto ferre diap e di dan te a di VI na co do mé dia circulo inferno, a travessia da barca de c ro ente do dn fo no, gancho das letras vermelhas entre os cachecois azuis aos quadradinhos, do banco frances do by tt el da ilha do piso do realizador invertido sobre a saquete de picos master, quadrado ua muito te gy porto sis serpente kaa ordálio book , vic bo, invertido ge na ou mia sexta do bico gos da vareta partida pela seta de prta e vermelha qie sai da meia azul , ra muito dei pa arte nú e co mo serpente olivo com, primeiro vaso angulo deitada, para a esquerda ob ico

principe kapa rp rpk circulo do vaso, duplo gato com teresa em meio da frente nacional, circulo quadrado kapa e dupla dor da dupla vareta, ou das das colunas, da dupla unidade, do onze