quarta-feira, fevereiro 13, 2008

minha amada, muito eu te amo, e hoje é dia dos namorados, que eu não sei bem o que é, deve ser para vender swatches e coisas assim, que se vendem em todos os dias do ano, que são sempre de namorar a quem se ama, pena, pena tenho eu de não te ter ao perto, fazia-te assim em casa um jantarinho , que dinheiro para mais não trago ainda, e depois a sobremesa, era-mos nós e nossos lábios, que pena trazem meus lábios de ainda não te poder ao perto beijar, quando chegas?

ontem soprou um recado teu de amor, um jornal se mexeu no jardim, trazia um elefante e dizia india, um belo elefante desenhado, com uma estrelinha em seu casaco e com a perninha direita da frente asim meia dobrada como quem vai a ajoelhar, diz para ir conhecer a india no corte inglês, que sitio estranho para se conhecer a india, mas a India se conhece sempre pelo coração

lee fan te e di z ia india, circulo da asa do cio, da f e rn te asim me ia ob ra do a co moo v aia, a jo oe e primeiro home do ar , di zorro para e rato circulo em homem ce ra a india no corte inglês x, q ue si tio es t ra muito homem do circulo para se c on he ce ra india

trás assim poe debaixo dele um dizer, forte do circulo do angulo do anzol do homem que parece ter duas aberturas no infinito, uma em cima , outra em baixo, angulo do vaso do home do infinito duplamente abaerto do vaso do rato do y nove, vaso rato do ban, gps do corte inglês

circulo do vaso do ra em ba ix circulo , angulo do vaso do home do infinito dia up primeria manha homem ingles te ab aba e rato to

depois as palavrfas cruzadas diziam assim,

aia, es quadrado europeu e circulo do i da alma, au te vaso ar, cheia ia cheta ia de la, al s us e homem, ro in usa rato rc , c e p ace quadrado europeu e ci rato um do vaso primeiro aa da a ep, el circulo do angulo do ac, clac, ac arras, ar ra serpente casino vaso circulo di pr epa par ro circulo aa ar

d ep o is as pala vaso rato f as c ru uza za ad as di z iam as s em a ua a um ama che ia

xpnnih
x no pn ni homem
zxiwosxk
zorro xi dupla dor os x kapa

pjrjr, pj arto duplo do principe
quando acabei a conversa no gabinte da senhora teresa almeida garret, ambos nos levantamos a senhora acompanhou meus passos pelo labirinto, ali estava na parede o desenho, o desenho que aparece em constancia por detrás dos senhores, a fiz parar um instante e lhe disse, já reparou como esta imagem é ilustrativa do que se passa nesta casa e no sector em Portugal, o que parece ser um quadro, uma ardósia cinzenta cheia de cinzas, com uma serie de riscos brancos, sem ponto de fuga nenhum, sem harmonia nem qualquer equilibrio, é bem uma imagem que fala do real, disse-me ela então, vou começar a olhar para ela de uma outra forma, agora que assim mo mostrou

ac ca bei à conversa do no da gabi muito te da senhora teresa do escritos de almeida garret, o labirinto que aparece em cosntancia e que se refelectíu até no mover da ponte lá do sitio em dia mais ou menkos recente, a fi zorro para ar do primeiro isn tia ou cruz ab te e primerio homem da di serpente da sé, co do mo esr primeira mage maior é e l u s trato cruz ra cruz iva, com uma serie de riscos brancos, se maior haron ia

poderia pensar, que sentando-se os senhores como se sentam, à frente do dito quadro, talvez emergisse um outro sentido, que estando eles à frente do caos , lhe dariam pela sua acção , eles, o justo sentido, mas se o que veem por detrás , ou no fundo deles, é o caos , como podem estruturar nele a justiça e ser justos, e nada deste dizer, desdita ou contradita que a ordem se opoem ao caos, da mesma forma que o caos é uma ordem, ou quando se pensa que nele não estão a ordem

quadrado europeu serpente net neta and circulo da inglesa sé, cruz alves e mer gi serpente da sé, primeiro homem d aria maior , é o caos, c omo p de maior est rato do uu cruz rato ar, na luta en tre a ordem e o caos, da me sam da manhã forma do quadrado europeu de que o caos é uma ordem, quadrado primeiro un se pen sa quadrado europeu nel

na sala lhe tinha dito em breve ao que vinha, o mesmo que já tinha repetido a duas pessoas no mesmo palacio, que queria falar com um os juizes do supremo, para lhes peguntar o que deveria fazer, se deveria pedir à Mae e Pai, para que a casa venha abaixo, visto que mais justiça nela não se faz, e o que achavam que eu deveria fazer, visto que todos os mecanismos, entidades e pessoas me tem negado a justiça aqui neste país e que assim mais não pode ser, tomou nota, me disse que falaria até com o presidente se fosse possivel e que me daria uma resposta até ao final da semana por email, a ver vamos, a a ver irei ver, qual a resposta às imensas perguntas que estão aqui neste Livro da Vida

na serpente sala de la do primeiro homem tinha, di to em br eve ao quadrado europeu da vinha do mesmo que ja´tinha repetido, a duas pessoas , no me sm circulo pala cio, quadrado europeu do ur ia do forte aa primeiro rato com, sistema operativo juizes supremo, serpente tereceira dia eve ria, pe di rá mae e pai, para do quadrado europeu do circulo da asa do vaso do primeiro homeminglês, vi serepnte to maior sis t ema infor mação, dos q1ue me tem negado a justiça, portuguesa ema do vaso da erav do mo serpente aa vaso e rato rei , quadrado ual quadrado europeu às e m en sa, quadrado es tão am qaudrado do vaso e ns te li vaso ro da vaso ida id primeira

no corredor para a sala onde nos sentaramos, uma fila de retratos, feitos quadros de diversos juizes, todos a sorrir, olhando de cima, como se acima de alguma os homnes estivessem, só mesmo acima montados na iniquidade, todos sorriem nos quadros, que até parece que fora o mesmo pintor que os pintara, e eu a passar, olhando o sorrir, para eles me sorri, a dizer, que malandrins, ainda sorriem e me fazem sorrir, e o assunto é sério, muito sério, aqui estão a sorrir em quadro, ao vivo, não lhes consigo pôr eu a vista em cima

homem mn e s a pn a hol est ive ss em, se rp enet do acento do circulo da me sm mo circulo p in tot, as s sn to é sé rio

que belo quadro tem por detrás da sua cadeira, não sei se já reparou, se calhar até é de proposito, mas está inclinado assim ligeiramente no sentido da espada, a senhora quando a ele se dirigiu, lá o pôs em seu correcto horizonte, em mim a imagem interna, começa a pôr-se o horizonte correcto nesta casa, esperança, verdadeira ou falsa, o tempo em breve responderá

da sé do ka primeiro homem do ar a té é, de pr circulo p os si to, maior serpente espanhol tá inc lina no serpente inglês tid circulo da espada, nest as c sas

e de quem é tão belo quadro, era eu que ali estava com um pomba na cabeça sentado a olhar em frente o que parece ser um templo ou algo assim que se encontra incompleto no desenho, ah é da graça morais, foi um dos propostos para o concurso, mas foi escolhido o do giz, claro me disse por dentro, todas as escolhas e não escolhas são espelhos de quem escolhe ou não, era apropriado à pintura geral daquela casa, daquele torto , tão torto fazer

e ra europeu quadrado europeu a li est eta vaso primeiro com prim e ia pomba no c ab e ça sentado, em co mp primeiro to no dia es ne homem io, primeiro homem é da graça mor ia serpente, tão tot f az e rato

acabei de parar um instante agora ao momento da escrita e fui lá fora fumar um cigarro, com a frase anterior a desenhar-se na cabeça, um jovem com um jornal na mão, o titulo assim reza, ao gosto do leão, ah então existe lá dentro um que parece ser leão, está giro a quinta dos animais, hoje um outro falava do crocodilo da boquinha grande, o que será então o crocodilo, um outro dos que vão, nas vestes de juiz, hoje lhe punham o dizer na boca, que trás reservas a nomeação dos pares, sem ser entre exclusivamente pares

ac be i d e p aa ar n, co no primeiro j ove maior na mão, serpente e rato electrico leão na quinta dos anim a is , h o je do fal ava primeiro do c roc di l circulo da boquinha grande do crocodilo, vaso primira is, s em en t rato e x c lu s iva m en te que mente no spa serpente rato e s a p n hol

trazia a primeira senhora uma joia de viana ao pescoço, mais uma vez meu coração ao instante por um pouco adocicara, perante a enorme confusão que a senhora fazia ao que eu lhe dizia ser a minha intenção, falar com um juiz, lá acabara a conversa, vou chamar a senhora do gabinete do presidente

curz da ra z ia a primeira senhora de viana, ao pescoço, ad circulo cic a ra, di za e se ra min homem primeiro in ten são


cá embaixo na entrada, espreitava o passar do tempo em meus passos perdidos circulares, e olhava escadaria principal, um enorme quadro no meio delas, uma cena rural ali das campinas, uma feira no terreiro, o homem ao centro com uma galinha nas mãos de pernas para o ar, a feira onde se vendem as galinhas de patas para o ar, e me dizia em meu interno, que curiosa imagem, que curiosa fala e ilustração, no meio das escdas a subir, ali estava o home do campo rodeado de um grupo com a galinha de pernas para o ar, já tinham chamado discretamnte um policia que ali ficara a rondar na recpção, já pensariam que eu seria um louco perigoso talvez armado com uma bomba, por ali tinha poisado um pedaço, enquanto se esperava o desenvolvimento do primeiro golo

cé em ba ix circulo na entrada, es pere tita av a circulo passa ar do te mp circulo em me us pasos, primeiro ingles or me q ua dr o com uma galinha gali primeiro ina homem nas mãos de pernas para o ar, a f e ira onde se vendem as pat as para o ar, quadrado europeu ur e sa e mage maior fal rato e lu s t ração, no mio circulo es cd as a s ub bi rato, ali home est av a do cam p circulo ro dea, di s c rato eta mn te primeiro policia, rato e cp são, an au quadrado n to se es pera avo circulo dia es se ovo primeiro v ine to do pr e me rio em pat e gato olo

bom dia, quero falr com um dos juizes do tribunal, não pode, não posso como e por ai fora até quase o torot infnito, então se não posso me mostre o regulamento ou a lei, ou o que for que assim o diga, que um cidadão da republica que aqui se dirge e não pode falar com um juiz, meia hora depois, desceu a senhora , que era a secretária do palacio, desta vez , neste epalacio, lá apareceu um

quadrado ue ero fal rato com, primeiro dos juizes do tribunal, toto r ot em f ni to , quadrado europeu rato ep pub primeiro cia se edi rato gi e, aa primeiro rato com vaso maior juiz, ser eta ria do pala cia circulo, nest epa primeiro ac cio lá ap par e c eu do primeiro

assim foi a visita ao tribunal do palacio raton, ou melhor será porventura dizer, o palácio do raton, do grande rato, essa é uma das perguntas especificas, qual a sua inteira graça, ou mais correcto será dizer, sua desgraça

circulo do pala ac cio do rat on raton, qaudrado do vaso quadrado primerio ine c ur c ira graça

x i p z j mu
x no ip do principe do zorro da mu, ou maior vaso

homem rr vaso gato quadrado
cópia do mail enviado a associação dos juizes pela cidadania, a ver se o são na realidade


ah senhores, esta é profunda e devereis considerá-la como ligeira introdução, pois ao assnto em aguas mais profundas terei que voltar, assim me obrigam

p circulo do as serpente sul norte do to, ou, ou , ou e e , da cruz no circulo,

antes de mais a honra, ah quando a honra é afectada, cada qual deve sempre se poder defender, embora não seja o caso de muitos que levam em cima com processos inquinados e juizes corruptos, pois não é o facto de um trazer estas vestes, que o torna impune à corrupção, ao limite cada vez que uma celula respira, se corrompe, ou melhor, oxida-se, a vantagem do mais pequeno sobre o maior onde deveria estar a consciencia, a espinha correcta ,assente no travamento correcto, o coração acertado, a que se chama de consciencia, e que é o local onde moram as questões, nomeadamente a honra, é que nem sempre parece ter a intelegencia da mais pequena parte do corpo, que se, se oxida, tambem se renova e assim nunca perde a honra nem a vê questionada

quando assim não acontece entre uma e outra, ou mesmo numa só que seja, então nascem as doenças

quadrado europeu da cruz do ton ra e mp u ne à co rr up são, pe segundo do ue no, a es pei em homem a co rr e cta, a ss en teresa, cruz rav am en teo , o cora são ace rat do a quese chama de consciencia, onda morm, pa aa ar ce eter a in tele g en cia da maior si
as em n ão circulo primeiro cont e ce inglês té

meus senhores, que possam sempre defender a honra e as Gentes, e que as leis e os regulamentos assim sempre o permitam, pois são seres e cidadãos antes da veste que levais, e não conhecendo eu vosso estatuto em pormenor, mas sendo o nome, um bom lema e substãncia, pois trás ligado o juiz e o julgar e o julgado aos cidadãos, venho para já pedir que levantem processo, com vista a caçar a licença, à que se diz ser juiza do tribunal de menores de lisboa, que por acto de corrupção, contribui para me levarem o filho raptado e sujeito à mais de dois anos a tortura, e na totalidade da extensão da queixa, bem como pretendo a vossa clara posição sobre toda esta imensa tramoia, na qual nem meus direitos de queixa, e de defesa e de defesa de meu filho me são garantidos, quanto mais a honra, se ela fosse, só assunto externo, e onde colegas vossos, se dão a actos de corrupção, ao arquivar queixas sem mesmo o explicar, certamente que não defenderão um sistema de justiça com diferentes pesos e distintas medidas, ou memso uma balança sem Fiel, e saberão que não é assim que se defende a cidadania, que é composta por cidadões, que sofrem quando assim a justiça não vai

vaso este primeira eva si, sis t ema de infor mações , serpente ub s tam mn cia, vaso inglês hor, vi os sa clara p o sio s são, ce rta e mn te quadrado da dupla dor ue dia efe inglês primeiro sis t ema me id as didas , circulo vaso ,e maria sobral circulo , primeira balança sem fiel

a substancia da queixa,se encontra em ourosobreazul.blogspot.com

paulo forte

wnteevz

dupla dor da cruz ee vaso do zorro

b vqkd
b vaso quadrado kapa D
à ordem do advogados
cópia do mail enviado agora mesmo a ordem dos advogados


senhor, se o for, marinho, na qualidade de ilustre bastonário e coisa e tal e tudo de bom pela justiça, serve a presente de queixa no sentido que a ordem levante processo crime, para já, a dois dos vossos associados, à senhora, que nem assim a posso chamar, vera saudade e silva e ao advogado que com ela trabalha, de acordo com as leis , a queixa apresentada em forma publica com o relato substante da queixa, se encontra em local de comunicação publica no seguinte endereço, ourosobreazul.blogspot.com e se constitui a base do processo que venho aos senhores pedir para levantar e prosseguir, de forma identica e visto que esta situação, que é um caso de corrupção protagonizado com o concluio dos dois advogados mencionados, causou e causa ainda prejuizo de diversa natureza, o mesmo que peço em relação as médicos igualmente nela envolvidos, pretendo, para além da cessação da respectiva carteira profissional uma indiminização de cada um no valor de dois ferraris ultimo modelo, convertido em dinheiro de ovelinhas, e sendo que metade mais um será posto directamente ao dispor de todos os infelizes que não tem posses para contratar advogados e que depois como bem disse, enchem as cadeias deste país enquanto os gabirus de gabarito de nada e de coisa nehuma, andam a solta e parece que tudo fazem, e na esperança que não!

reparei que esteve com o senhor que vai nas vestes de presidente a quem hoje de novo escrevi, e calhou mencioná-lo, e assim sendo aqui lhe deixo na esperança da sua resposta a tão enigmática e dupla questão, a cabeça da carta a ele enviada


exmos senhores , ratos e ratinhos do palácio de belem, mais assim parecem ser, na medida em que algum ou alguns, ou roubou o meu ultimo queijo que desta forma vos enviei e pior ainda se puseram por cima todos a mentir, o que é coisa feia, muito feia, tantos para senhores, senhoras, ou mesmo ratoz , ratinhos e ratazanas, ah me dizem agora as letras que é da casa do rato do oz, o tal feiticeiro das maquinas, se calhar dos f desasseis que depois caiem, bom aqui vai de novo um queijo, a pedir que o levem numa bandeja de prata ao senhor que vai nas vestes de presidente com urgência, pois está em seu ponto curado, e em verdade, eu até gosto dele e da sua familia, portanto muito me chateará ter mesmo que lhe lançar maldição, e lhe digam então assim, se fazem favor e se sabem ler, que aguardo até dia quinze do corrente, uma resposta ai da sua casa, pois se não a tiver então no da seguinte, nada mais me restará que fazer uma exposição a Deus sobre este assunto,complexo, e cheio de buraquinhos de diversa ordem e natureza, nomeadamente o incumprimento das leis e da justiça, que se traduz em rapto e tortura de uma criança por mais de dois anos,

adeus ratinhos, só para confirmar que sabem ler, farão então desta vez, em vez de brincar a comer o quijo e depois mentir a dizer que não se o comeu, que receberam esta missiva e que a transmitiram ao senhor, será?, que vai nas vestes da presidencia, ainda hoje o senhor marinho, dizia depois de ai ter estado, que cavaco está atento a justiça, a mim, a preposição mais correcta é seu inverso, se cavaco está atento à injustiça, despedia-se o marinho nas letras do jornal com uma enigmática frase, ainda há quem se julgue em Portugal dono da justiça, o enigmático, aqui , é duplo, primeiro se falassemos em donos , teria que ser donos da injustiça, pois Ela não tem dono nunca e vai até vendada para não tropeçar, depois o enigma adensa-se, diz o marinho que existe quem se julgue dono dela, mas será porque certamente come muito queijo, esqueceu-se de dizer, quem, espantariam-se as minha orelhas pequeninas e meus bigodes longos, se ele tivesse dito quem, se calhar são tantos que não caberia no jornal

com um queijinho e um abracinho, o gato


para finalizar, a si senhor marinho, duas coisas mais acrescento, se explica em modo clarinho como se eu tivesse quatro anos, a tal linguagem gestual que recentemente protagonizou ao subir as escadas do palácio raton

e um desafio aqui lhe faço e deixo, sabe o senhor que os governos do mundo comprometeram-se a alguns anos a cativar zero virgula cinco por cento dos seus orçamentos para aplicar no compor dos males do mundo nomeadamente na erradicação da probreza mundial, e que depois ao que parece, pela ausência de noticias, se esqueceram, assim sendo e assim sendo não o é, pois sem carcanhois, não se compra nem se distribui alimentos e medicamentos e por ai fora, venho em nome do Pai do Império do Espirito Santo, perguntar-lhe se a Ordem dos Advogados de Portugal, se disponibiliza para levar em nome do Amor e do Amado, esta batalha aos tribunais internacionais e europeus de forma a passar a intenção ao tanto necessitado acto

brxiiyxp

br x onze y do x no p

nhskgzrf

muito homem serpente k gato zorro do rato f
exmos senhores, gatinhos e ratinhos em convivência democratica e em paz no reino de todos os animais, assim para a saude publica se espera e vota

fazei o favor de transmistir esta missiva ao senhor dos bigodes de gato gentil, com ar de quem bem lambe o mel, todo tudinho, que certamente o fará a este pires de leitinho da vaquinha, mu,mu

agradeço, a promessa feita de que irão, alterar o douto código deontologico, noticia que à minha trompa, instrumento musical, muito agradou, se precisarem de ajuda musical, será só pedi-la, que os animais todos são musicais

tambem me agradou saber que as camisinhas vão ser distribuidas, embora não perceba bem porque é que não em entendem em toda a extensão do meu dito, quanto meu, e porque não fazem a inteira vontade à minha filha Razão, e porque razão querem então que os jovens para as receber estejam como condição prévia, inscritos nos centros de saude, o amor não é nunca moeda de troca nem se troca, nem serve de engodo, para tão meritória intenção de ter os jovens a frequentar os centros de saude, deverão ter que ser mais brilhantes, criadores e criativos para garantir tal presença, e depois se pensarem um bocadinho, melhor sempre será como vos disse por as máquinas na escola, pois assim reduzem o impacto da medida e consequentemente da almejada protecção e bom cuidar de vossos filhos e assim fazeis demonstração de como são burros e de como podereis continuar a ser acusados perante Deus do Amor, de cumplices por omissão, em homicidio colectivo, individual e em forma continuada

agradecia informação detalhada sobre o procediemnto que irão ter perante esta queixa crime que aqui vos apresento, nomeadamente em relação aos processos que vos peço para levantar a vossos associados nele mencionado


com um pratinho de leite de vigor que dá saude e faz crescer a inteligência no prato comum e tudo se tornar menos autosuicidário e mais alegre

paulo forte

e não se esqueçam de devolver a mim a garrafa, com uma resposta lá dentro,

ah me disse o espirito ser o senhor dos bigodes e das barbas que creio ser vosso associado mas que se senta numa outra habitação da mesma casa, assim o espero, se bem o duvide pelo que não vejo, que é o zagalo do satelite das comunicações francesas, que engraçado, anda ele preocupadao com nem sei mesmo o que , hoje no jornal, ah já sei, com o fumo nos casinos, e me disseram agora as letras que é o pr do circulo da cup adão, do dão, por outro lado ainda, vi o senhor pedro com uma face de tristeza em dia recente, e de noite ao passar na av estava um gato cinzento atropelado em frente ao que me pareceu primeiro ser a vossa habitação, mas que depois no dia seguinte vi ser a dos colegas enfermeiros, mas a mim me apreceu que um gato, talvez mais da habitação dos gatos, algo lh tinha acontecido, poderá este assunto tambem me iluminar

À Ordem dos Médicos de Portugal , seu respectivo bastonário, conselho directivo ou de administração ou seja o que for e ao conselho ético, que duvido que possam ter

Pressupostamente os médicos trarão olhos, e ouvidos, mãos para curar, e cabeça para pensar e como os pastores do campo geralmente não chegam a médicos porque não existem faculdades nas aldeias, e a renda não dá para estudos superiores, para já não falar de numero clausus e coisa que tais, bem mais gravosas, que demonstram a eterna incompetência dos agentes do sector da saúde em portugal, vide o exemplo crónico da falta de acerto nas previsões das necessidades de médicos, desde que nasci, e se calhar mesmo de depois de mortos e na esperança que assim não o seja

Sendo pessoas de bem, cultas e formação media alta e esmera educação, e respeitosos cumpridores da lei, e obrigados pelo juramento do pai da Medicina, e tambem pelas leis nacionais, a primeira pergunta que vos faço é a seguinte

Não leram por acaso, ou não terão conhecimento do vosso regulamento que pressupostamente elaboraram, e votaram e vos em parte rege, do comentário da jornalista fernanda cancio sobre a questão da laqueação das trompas de falápio, ou serão os senhores elefantes com trombas grandes e massa cinzenta curta, se fosse esse o caso dos verdadeiros, o que de acordo com o meu conhecimento cientifico e médico, duvido

Creis porventura que vivemos na idade média e que os homens e as mulheres não tem os mesmo direitos e não são donos na parte certa em que o são, de seu próprio corpo

E se tem os mesmo direitos, as mulheres e os homens como podem os senhores ter um tal chamado código deontológico que vos regue e ao qual sois obrigados, em que a mulher para o fazer, só o pode, mediante autorização do seu respectivo esposo, porventura existirá algum tratamento ou operação, nomeadamente castração mental de homens que necessite de uma autorização inversa, ponto de interrogação, que meu teclado já não o tem, e assim sendo é melhor mesmo afirmar, por gentileza me respondereis, que serpente e que cadinho medievo tendes vocês em vossas cabeças,

Sois assim como cobras sem pilar assente no coração, para assim ir desconfiando de vossas esposas, que um dia quereis ser pai, e para vosso espanto, vossa senhora não mais o possa fazer,

Sereis tão pouco homens e esposos, que viveis e ireis no medo do engano e de por elas seres enganados

Não pensais porventura que quando o amor entre esposos não é semeado nem regado nem colhido, sem o ser, o engano tanto acontece e se dá tanto da parte de um ou do outro, e assim sendo, como vos arvorais maior poder sobre vossas esposas, como escreveis em linha de letra de vossa lei tal dizer, não tendes vergonha na cara, ao dizer como dizem, que então vosso amor, que não o é, se funda no direito de posse, e se em parte os esposos, em certa forma certa se possuem, se ainda vos lembrai do significado preciso do termo e do acto dos beijos e do beijar, não é a posse, uma relação mutua entre duas partes, como um composto químico que misturais no cadinho, e se assim o é, e sendo é, com que cegueira trazeis em letra de lei que a posse só é valida, ou maior, para uma das partes unidas


Ao supremo tribunal da republica se ainda o houver, e se lá existirem homens não trepanados nem com os ditos castrados, às policias, ao procurador da republica, ao governo, a assembleia da republica, aos pássaros, aos cães e por ai fora, como é possível uma ordem qualquer que ela seja, possuir códigos deontológicos ou outros, que contrariam a igualdade do sexo e a autonomia de decisão sobre os corpos nos actuais parâmetros das leis, entre mulheres e homens

Agi em conformidade com elas, é meu pedido que nem devia ter razão em razão e por razão, de ser expresso, é o que aqui vos peço, para ser gentil, no modo de o pôr, espantariam-se meus olhos e meu pensar se ainda se pudessem espantar

Para os burros, distraídos e envergonhados e cobardes, que se vergam a todos os mandos, o parágrafo anterior é um pedido expresso, devidamente expressado, como queixa, nos conformes da lei e das denuncias nos quadrantes da lei, para que a republica actue desde já suspendo o actual código e obrigando, a ordem a alterar o que contrarie a lei neste e em outros casos

Eu me recordo de um rapaz que uma vez denunciou firmas das industrias farmacêuticas e que teve durante anos diversos problemas e falou ele de uma situação que se sabe desde sempre existir das chamadas promoções farmacêuticas juntos dos médicos, onde determinadas drogas são sugeridas com cenouras à mistura, para aliciar os burros, ou os espertos que não são inteligentes mas burros ou que querem os outros fazer passar por burros, cenouras essas, como viagens, vales de correio diversos, chupa chupas de diversa natureza.

pergunta, o que faz o ordem para que tal não aconteça, como vai a situação, que mecanismos de controlo transparentes e abertos ao conhecimento do cidadão possuem, se é que possuem alguma coisa, pois inteligência parecem não ter

Havia na minha terra um pastor que gostava de andar de ferrari, dizia ele basicamente, que existem coisas fantásticas e o motor dos ditos é muito afinadinho e cheio de viagra e o rapaz gostava de montar ovelhinhas cegas, ou meio cegas, masoquistas e sádicos, me disse uma tarde o chaparro onde ele costuma dormir, que lhe escutava os sonhos e o sonhar

Mas tinha um problema, disse-me um pássaro que era seu vizinho, é que o pastor não tinha cobres, vulgo plim, nem para ter ido a faculdade de medicina estudar e tirar um curso, quanto mais para comprar um ferrari, assim constava que quando andava, quanto muito, montado num burro

Sabeis vós minhas gentes do uno mundo que os princípios activos que estão na base de todos, friso, todos, os medicamentes serão talvez no máximo uma dúzia, até há uns anos eram só meia dúzia, mesmo, é como uma sopa, que tem por exemplo batatas, cenouras e tomate e pedras e feijão encarnado, e alho porro, e o que varia no menu, é arte do cozinheiro, as quantidades e a forma do preparo,

Recordando a receita da sopa da pedra, é a habilidade que a faz boa, chega o pastor com um tacho só com uma lá dentro, bate à porta e pede, sabe queria fazer uma sopa de pedra, já tenho o tacho e a dita, mas isto ficava melhor com um pedacinho de agua, será que me podia dar, e assim vai de porta em porta pedindo mais ingredientes chegando mesmo a obter carninha, um ingrediente em cada porta do jardim, e por fim têm uma rica sopa de pedra, geralmente como não é burro de todo, pois até gosta de ferraris e sabe que eles existem, deita a pedra fora, pois não existem dentistas lá no campo onde pastoreia, não fosse sem querer trincar a dita e partir um

Ora os médicos são como os pastores, ou mesmo os sapateiros, credo, que nos caiem ao chão, os pergaminhos e os rolinhos dos ilegais ditos códigos de escravatura e de posse de corpos por parte dos homens negreiros no amor a suas esposas, como qualquer um tem que fazer o que faz e de preferencia se tiver tempo entre a boa vida, fazer bem, para não falar desde já nas dedicações exclusivas, ou na acumulação entre privado e publico que coitadinhos como todos sabem é das profissões piores remuneradas

Ora, os médicos para fazer bem as suas profissões, precisam de ter centros de saúde a funcionar, visto que as doenças, essas ainda existem, e não se sujeitam a planeamentos financeiros ou administrativos e precisam eles, os médicos, não as doenças, isto é, se eles não estiverem leles da cuca, das condições necessárias para poderem curar, nomeadamente dinheiro suficiente que advém do orçamento do estado, ou seja, dos bolsos de todos os pastores e de todas as ovelhinhas e como todos aqui, no belo jardim à beira mar plantados, à espera do caixão, visto que viver, é difícil de se fazer, atendendo a brilhante forma como desgovernamos as casas, o dinheiro para a saúde está sempre em déficit desde que eu aprendi na escolinha pequenina a contar, se bem me lembro

Em dia recente, não muito ido, escrevi eu aqui ao dar-me conta do real, que é mais ou menos saber quantos ferraris e porches existem em Portugal, para já não falar se temos estradas para eles, ou mesmo inteligência de mãos e perguntando-nos sempre para que precisamos de um carro que vai a trezentos e cinquenta à hora, se as auto-estradas tem limite de velocidade, ao que se pode ainda pensar, se precisamos de ir a trezentos e cinquenta a hora, mas a atender a estupidez reinante da forma de viver, parece que todo trazem muita pressa em chegar ao caixão no cemitério da burrice com o nome de velocidade excessiva por falta de neurónios e de certo pensar e das estradas mal feitas e mal sinalizadas e por ai fora ao infinito, que se não, certamente a vida tinha menos piada no filme sádico e masoquista em que vivemos que tanto contraia diariamente e a todas as horas o juramento de hipocrates, ou será, hipócritas

Dizia eu que me dei conta como outros se deram que parte do déficit da saúde que provinha das justas comparticipações nos medicamentos, que salvo erro era de novecentos milhões, na altura, se calhar com um bocado de sorte e habilidade agora já duplicou, poderia ser por si só o déficit anulado se se usassem genéricos, ou seja se genéricos fossem consumidos, a divida ficara sem o ser, e é evidente que em muitas outras rubricas, lados e fazeres, se podem optimizar os custos, traduzindo, pô-los mais baixo, ou seja, poupar dinheiro, pois todos sabemos como é eximia e excelsa a belíssima gestão de tudo e de nada, seja publico ou privado nesta terra, e que alguns poucos bolsos com isto conseguem-se sempre encher, e quando enterrados debaixo da terra, tal é o peso, que vai direitinhos ao setimo circulo do inferno

O que eu me lembro, quando da discussão publica sobre o uso dos genéricos foi de uma dominante das falsa virgens ofendidas, que não podia ser, que não se pode meter bisturi em corpo alheio e que os médicos tem o direito de prescrever os medicamentos que entendem, pois acham mais ou menos bem, que existe diferença nas sopas com base nos cozinheiros e no cardápio que tem sempre a tal dúzia de elementos activos, pois não existem mais na horta das pedras e das flores, mas convém que as cozinhas tenham paredes, fogões, tachos panelas e diversos utensílios e ajudantes e até gente que faça a limpeza e garanta higiene

E a venda à dose necessária que consta das próprias receitas, quantos anos ireis precisar para o resolver, se as farmacêuticas tem falta de dinheiro, se um processo destes afecta o seu normal funcionamento, que se fale com elas à mesma mesa, que se lhes peça clara demonstração que assim é, e se assim for, que com elas pelos dinheiros públicos se façam acordos complementares, por exemplo de desenvolvimento de novos e necessários remédios para combater as doenças do mundo inteiro, como a tuberculose, pois ninguém quererá que uma industria qualquer que ela seja, que deixe de poder funcionar

E agora mais um escândalo, com o cirurgião Barroso, um caso de policia, pois existem seres deste pais à espera de serem operados a rins há mais de quinze anos, e o senhor na tv, que era normal e coisa e tal, encaixar duzentos e tal mil euros em prémios por operações , que tinha que prender os médicos, vejam lá o gabarito da escolha das palavras e se nada se tem contra prémios de rendimento, não se escamoteie mais este verdadeiro escândalo, prémios terão que ser revisto, enquanto a coisa assim não funcionar, isto é do piorio e não pode ser, quem estabelece os prémios, que critérios, quem os define, respostas na esquadra se faz favor, que plano tem as gentes que operam na saúde para resolver mais este escândalo, noventa mil euros pagos a hospitais espanhóis por cada operação, e aqui se fecham porque dizem não dá rendimento, já agora que paguem, aos selenitas, e enviem os malandros para marte primeiro, os que tão bem gerem, e os que na aparência não se preocupam com gestões danosas, pois enchem seus bolsos e ainda tem o descaramento de falar em médicos como presos, coitadinhos, é assim que se resolve a dedicação, em que tratamento moral assentam tal opção, não sabem que morre gente à espera de operação neste país desde que eu sou pequenino que disso sempre ouvi falar e dizer, vós sois assim cúmplices de homicídios por ganância m negligencia e estupidez e se assim é nem praticar deveriam, deveriam mesmo, era estar presos, que é o que a lei reserva a comportamentos criminosos, daqueles de morte matada

As virgens ofendidas, ofendidas ficaram, mas tem razão em ter ficado, só não tem em se considerar virgens bronzeadas em viagens e congressos de biquinis e óleos de cocos em massagem com montes e vales, e gostam muito as virgens do campo lá do pastor das ovelhinhas, de fazer vrum, vrum, e sonhar com ferraris, e depois como são todos exímios participantes e responsáveis na sua quota parte no sistema, proveram a uma excelente eficácia do serviço, que permite abrir centros de saúde a cada mês que passa, e chegar ao fim do ano e comprar ferraris para distribuir pela classe

Poderia perguntar-vos ilustres médicos deste meu pais de brincar, se considereis respeitar o juramento de hipocrates, ver os centros de saúde a fechar

Ou se pensais que se podem salvar as vidas, ou mesmo tratá-las, quando o a balança das moedas da divisão da casa chamada de saúde, está na aparência sempre em déficit, ou seja, falta sempre o dinheiro

Ou vos pôr simples questão, que plano tem os médicos e de que forma, de que maneira e que com calendário e cronograma de tarefas para resolver o enorme rol de problemas do sector, que como todos os outros, assim não vai, e se me podem informar, a mim mera ovelha e pastor, quando teremos o problema finalmente resolvido, ou deverei esperar que a arvore onde estou dormindo lhe cresça barbas brancas e a cobra suba do caduceu pelo bastão acima até chegar ao mais uma vez ao ceu

Ou poderia ainda perguntar-vos, o que acham e o que estão fazendo ou não fazendo sobre a prevenção da sida nas escolas, sendo que um, os adolescentes amam-se, dois , as doenças se transmitem, três, estão todos surdos ou já puseram maquinas de preservativos nas escolas, a preço tendo em linha de conta a realidade das mesadas, concordarão com esta medida, parece-vos digna de hipocrates, que outras tem, precisam de ajuda para as concretizar, e deixem-se de tretas os pássaros que cantam lá ao fundo, de que só isto não chega, pois todos o sabemos, mas tambem sabemos, que o dever e o direito é salvar, e se o preservativo salva, então que se facilite o uso, e da mesma forma, se pode em justeza e justiça então dizer, que quando uma coisa que se sabe que salva, não se usa, estão os senhores logo de imediato condenados por tentativa continuada por omissão de homicídio colectivo, ou até de genocídio, crimes que pela moldura da estante do boticário, dá inclusive direito a prisão

Será hipocrates ou hipocrisia, melhor será abandonar a segunda se querem que os vossos filhos possam continuara a viver

Se fosse populista, recordava-me da noticia de ontem, esmeralda que não o é de nome, sendo que as crianças sempre a são, fui três vezes a consulta, para ser diagnosticada, disseram-se assim, chegas lá fora e pulas que isso passa, passou, morreu, infelizmente passa-se nas vezes, quem saberá qual a percentagem, em relação a de outros países, e nas outras questões decorrentes destas situações, como processo ganhos em tribunal cujas indemnizações se arrastam por décadas

Poderia perguntar-vos tudo isto, e pergunto-vos e venho por este meio perguntar ainda outras coisas, na esperança que me respondeis, se bem que atendendo ao clima e a doença congénita que grassa nesta terra não trago muita esperança, nem eu de resposta nem provavelmente os senhores de cura e de curar

Sabeis vós que a psiquiatria e a psicologia, nem falamos desta segunda, não trás ordem própria em portugal, não se considera profissão digna , mais ou menos como ser ovelha e pastorear lobos

Se eu fosse normal, ou estivesse deprimido estaria certamente com uma depressão aguda e uma crise existencial e estaria aqui a perguntar, quem sou eu, serei homem, ser, fantasma, pássaro ou mesmo nuvem, será que serei um genérico, será que ninguém me conhece, ninguém sabe das minhas reclamações, pois ninguém me atende, será que os médicos e a douta ordem, não estará a par do rapto e tortura que meu filho e eu próprio somos vitimas à quase dois anos, onde existe o conluio de bandidos com carteira medica encartada

Mas sabe senhor muito simpático com uma carinha muito redondinha e uns bigodinhos de gato que lambe bem o mel, e olhos doces e sorridentes, sei eu como ovelha ler as almas, caso elas existam, claro está sobre o plano cientifico, e já lhe vi em sua face, que não é alma, mas na qual em meu entender de pastor se a vê, que o senhor está ao corrente deste caso

Assim sendo, ou não sendo, venho pedir à ordem dos médicos e aos seu conselho de Ética ou deontológico ou o que for que traga as respectivas competências, um inquérito às senhoras, senhoras, enfim me desculpais, mas não posso chamar a ladrões e torturadores de crianças, seja mulher ou homem, e como tambem não sou com elas casados, não posso de bom grado dar autorização para o respectivo laqueamento das trompas, ou mesmo um trepanação mais radical a mioleira de minhocas, mas sendo tudo isto e sendo tambem na aparência médicas e estando na alçada da ordem, assim no meu direito de cidadão , vos peço inquérito e processo, sendo que as minhas declarações se encontram em local sujeito a leis de comunicação publica, tendo por isso toda a validade processual em situação de queixa e infracção as leis, sendo acessíveis em ourosobreazul.blogspot.com

É minha intenção que a licença de exercício da profissão seja caçada a ana paula valente, teresa maia e à terceira, que nem mesmo me recordo o nome de momento mas cuja identificação está nos autos públicos

É minha intenção e expresso pedido que investigação seja aberta e feita ao senhor que se diz ser médico responsável pelo serviço de psiquiatria do hospital de sta maria em lisboa, de acordo com as informações constantes nos autos públicos, nomeadamente no que neste texto vem especificado

Em dia recente ouvi , um ilustre colega de profissão na palestina que fritava o que pareciam ser tubaros, e que dizia que o consumo de viagra tinha aumentado cerca de oitenta por cento, devido as neuroses normais a atender ao modo de violência e pobreza vária em que vivem desde muitas décadas, talvez fosse boa solução envia-las para lá, se os palestinos não se importarem, obviamente

Saberão os senhores, que aqui na escola de psiquiatria a doutrina na geração actual dos formados ficou mais ou menos pelo que se denomina a escola freudiana, eu que andei na escola do campo e aprendi a ler com as ovelhas, sou de outra, a yungiana, que em meu entender foi um bocadinho mais a frente, ou está mais a frente que o pensamento freudiano, e isto já o dizia era eu pequenino aos futuros psiquiatras, e actuais deste pais, e calculo que aquilo os tenha já na altura muito irritado, se bem que sendo obrigados a fazer analise, deveriam controlar bem suas próprias neuroses

Certamente que conhecem a teoria da ab reacção que eu estendi por ABC reacção e trago fortes suspeitas e indícios que essas cúmplices de actos de rapto de meu filho e tortura, a terão provocado, sendo que neste caso terão agravante pois não poderão alegar desconhecimento da matéria, e que fruto disso entre outros factores e com outros, de outras profissões, terão provocado, apoiado, ou contribuído para actos de terrorismo internacional, portanto é possível que para além de não mais exercerem, venham mesmo a ser presas em guantanamo, depois vos alerto para não levares a questão levianamente pois à volta daquele grupo, existem diversas mortes que em meu entender são estranhas, nomeadamente a do al berto e a do herminio, pergunto-me mesmo se o sócio da assírio, não será o grande responsável e mentor disto tudo, acrescento ainda, que na rua onde a raptora ana paula valente trás com outros consultório coisa muito estranhas se passaram, ali naquele marques, na av praia da vitoria tive eu um encontro com um senhor que trabalha ou trabalhava no centro comercial e que media tensão arterial as pessoas, que quando percebeu quem eu era, fugiu como do diabo perante a cruz, depois ao lado é o consultório do que é pediatra de meu filho, sobre o qual pedia igualmente investigação, e que creio pelo que lá vivenciei estar tambem no cambalacho, depois ainda, a segurança social, onde tambem senti estranhos perfumes, à cena com o loirinho do banco, e do outro lado da rua o colégio onde foi raptado há muitos anos uma criança e ainda uma quase explosão de gás ao pé da casa de um dos membros dos xutos e pontapés que tambem é coisa que não tem faltado nesta história

Quero tambem uma indemnização para mim e meu filho de cada uma das raptoras envolvidas em montante equivalente a um ferrari por cada uma, ultimo modelo, conversível em dinheiro de ovelhas, e sendo que cinquenta e um por cento do valor deverá ser dado directamente à unicef e onu, especificamente ao projecto escolas para África da responsabilidade de Mandela

Aguardando a vossa resposta, a todos as melhoras

Paulo forte, pai de francisco forte, raptado e torturado há quase dois anos


Aqui tambem à policia, e ao procurador da republica e restantes membros da ordem e coisa e tal, o tal, é porque não sei deles, visto que tambem não me respondem aqui fica queixa complementar para que investiguem as finanças do tal grupo de psi qualquer coisa acima mencionados, visto que um dia me passaram um recibo em nome de gnose e em outros recibos verdes, o que não augura nada de bom, por outro lado gnose, gnose, vos garanto que lá não vi nenhuma, depois fico a pensar nas ligações com o cidadão iam da gnose, e do mccan e por ai fora, mas porque vos fazer perder tempo, se não respondem, será porque certamente não existem, fica aqui como memória em Deus neste Altar onde Pelo Espirito Estão Sendo Julgadas, correi muito depressa à a rtp para passar de novo grande ditador do chaplin, é que eu sou com ele parecido, e talvez me confondam e confondam as gentes, não é verdade, mentes brilhantes das malvadas tretas das induções várias das psicoses colectivas

informação detalhada em ourosobreazul.blogspot.com

zahsona
za homem serpente son on a
cópia da missiva agora mesmo enviada para a casa dos ratinhos, na rua de belem, casa da presidência, ao senhor, será?, que vai nas vestes de presidente



exmos senhores , ratos e ratinhos do palácio de belem, mais assim parecem ser, na medida em que algum ou alguns, ou roubou o meu ultimo queijo que desta forma vos enviei e pior ainda se puseram por cima todos a mentir, o que é coisa feia, muito feia, tantos para senhores, senhoras, ou mesmo ratoz , ratinhos e ratazanas, ah me dizem agora as letras que é da casa do rato do oz, o tal feiticeiro das maquinas, se calhar dos f desasseis que depois caiem, bom aqui vai de novo um queijo, a pedir que o levem numa bandeja de prata ao senhor que vai nas vestes de presidente com urgência, pois está em seu ponto curado, e em verdade, eu até gosto dele e da sua familia, portanto muito me chateará ter mesmo que lhe lançar maldição, e lhe digam então assim, se fazem favor e se sabem ler, que aguardo até dia quinze do corrente, uma resposta ai da sua casa, pois se não a tiver então no dia seguinte, nada mais me restará que fazer uma exposição a Deus sobre este assunto,complexo, e cheio de buraquinhos de diversa ordem e natureza, nomeadamente o incumprimento das leis e da justiça, que se traduz em rapto e tortura de uma criança por mais de dois anos,

adeus ratinhos, só para confirmar que sabem ler, farão então desta vez, em vez de brincar a comer o quijo e depois mentir a dizer que não se o comeu, que receberam esta missiva e que a transmitiram ao senhor, será?, que vai nas vestes da presidencia, ainda hoje o senhor marinho, dizia depois de ai ter estado, que cavaco está atento a justiça, a mim, a preposição mais correcta é seu inverso, se cavaco está atento à injustiça, despedia-se o marinho nas letras do jornal com uma enigmática frase, ainda há quem se julgue em Portugal dono da justiça, o enigmático, aqui , é duplo, primeiro se falassemos em donos , teria que ser donos da injustiça, pois Ela não tem dono nunca e vai até vendada para não tropeçar, depois o enigma adensa-se, diz o marinho que existe quem se julgue dono dela, mas será porque certamente come muito queijo, esqueceu-se de dizer, quem, espantariam-se as minha orelhas pequeninas e meus bigodes longos, se ele tivesse dito quem, se calhar são tantos que não caberia no jornal

com um queijinho e um abracinho, o gato

paulo forte

a oito do oito de dois mil e sete, pelas onze e quarenta e nove, foi-vos enviada a tal missiva que comeram e depois disseram que nunca tinha existido, caso não o saibam, existe remédio para ratos na drogaria em frente, contudo o melhor é aquele que apanha os mentirosos e lhes dá uma grande dor de barriga


Era uma vez um presidente que parecia ser presidente mas não presidia a coisa nenhuma

Era uma vez um primeiro ministro que parecia ser um primeiro ministro mas não governava coisa nenhuma,

E rá primeiro ave do primeiro zorro do pr espanhol, serpente xi, ipssisimus dente do dia dos parente do quadrado europeu pa e ar da cia serpente e rato pr e sid ente, maria serpente muito ladrar pe e sid do ia ne homem hum, como o paulo portas nas transcrições fazia,

E ra primeira vaso e z primeiro no primeiro ministro quadrado europeu que pa ara ra da ceia ser, o primeiro do primeiro ministro maria às um do tio que muito l ad ra aa gato circulo vaso e rna ava da av primeira semicírculo isa muito inglesa né, homem um a

Era uma vez não sei quantos deputados de não sei quantas comissões que se reuniam sobre o pomposo vazio de republica e que nada de certo faziam, como, se não sabiam

Era uma vez uma serie de presidentes e secretários gerais de partidos de sortidos variados completamente avariados que só sabiam viver das quotas dos seu militantes e nada mais sabiam fazer

E ra da primeiro vaso e z serpente vareta exclamação do quadrado ua muitas cruzes no circulo da serpente dia ep ao peu europeu do vaso do Templo ad os muito cão quadrado das formigas da migas da ua, co das missões europeias serpente re uni da primeira manhã, serpente tampão ob br E circulo p mp or serpente circulo vaso az io do rato ep pub primeiro lica e europeu muito ad a de ce rato to do forte az da azia da primeira manhã, co mo serpente que ladra sabi da manhã, serpente ab abi da manhã, circulo da bomba da serpente do duplo circulo

E ra primeiro vaso e z , primeira serpente eri e dia de pr e sid dentes do sentes ingleses e sec rato eta ari os do gato que era sis de par da art id os de serpente or rti dia circulo citroen, vaso aria ad os semicírculo mp, primeiro eta homem da teresa que mente ava da aria do dia os da ria completamente avariados europeus serpentes da acentuação do circulo sabe, cabo verde, e iam viver, vaso ive do rato do quadrado ua ota serpente dia os serpente europeia das mil militantes da formigas esa sap pn holas da cruz do li e muito ad dos maiores ais s abi primeira manhã forte az e rato

Era uma vez uma policia cheia de ramos e raminhos, em que nenhum pássaro jamais pousaria, e que se entretinha a fazer ronha e a arquivar as queixas que as gentes lhes apresentavam, com excepção dos filhos da babilónia ricos e com caros advogados e e com padrinhos nos acima descritos

E ra primeiro vaso e z sobre a primeiro policia do p oli da cia che do ia dos ramos do rato amos do rá da serpente mo e ra ami da min ho serpente do minho, em quadrado europeu muito inglês hum! do pp, pá ss a ro, príncipe ami às da pousada do rio do po usa da do rio europeu serpente ene da net cruz do rato duplo rin da rinha p rim ria do forte az e rato ron há E aa ar do quadrado uivar, do vaso do iva ar às ao quadrado europeu e ix primeira serpente europeia as gentes do primeiro homem espanhol ap re sentado serpente inglesa das muitas cruzes na ava, alva da manhã com., ex ce da ep do pão dia d os fi primeiro homem ho serpente da babi primeiro acento no circulo do ni primeiro, segundo ab abi primeiro do circulo ni a ricos, ric os e com., semicírculo ar ro serpente ad vaso circulo do gado serpente ee com., p ad de rin ho serpente no as semicírculo ima no indiano do dis espanhol serpente do semicírculo dos ritos

Era uma vez um exercito de homens sem os ditos que faziam vénias todos os dias com as espingardas de brincar e lambiam o chão dos terreiros com as línguas grandes de cães

E ra primeiro vaso dos z no primeiro do exercito dos homens serpentes do ho serpente em os di It os quadrado europeu forte az azim ima vaso do acento inglês ni às cruz dia do os do circulo duplo do dia com., os espanhóis espiões no gato ard às, na av da liberdade com as espingardas de brincar, e cordeiro da primeira manhã, o segundo da primeira manhã circulo ch cão dia os terre te rato ce e ros com., as lin gato ua serpente gato grande da cruz no duplo circulo dia espanhol dos cães

Era uma vez um enorme vaso de corruptos e cobardes e ignorantes e pseudo vesgos que um dia todos arrebentaram por dentro e cheirou a porcaria na cidade durante um ano, tanto era a que tinham dentro de si

E rá primeiro vaso e z primeiro eno rato mé vaso do as do circulo de cor rip cruz os e cobra do dia do ar ard espanhol e gato no da chuva da nora do rá muito teresa serpente e ps europeu do vaso espanhol do gato os europeu primeiro dia cruz do dia do duplo vaso serpente, no dia em que todos arrebentaram, ar re bem ra ram p circulo do rato dia inglês da cruz do circulo ró e che e ro vaso primeira porcaria da aria porca, rá dio da cidade Dy ra muito teresa primeiro a no cruz na formiga da tia e ra primeira europeia tinha da primeira manhã dia inglês cruz ro do si

Era uma vez um pais que se pensava ser de homens mas era afinal de ratos e quando a nave afundou foram os primeiros a se afogarem

E rá primeiro vaso e z no primeiro da pá is do quadrado europeu serpente do pen inglesa as da av a e serpente e rato de ho homem norte sul maria às e rá af ina primeiro dos ratos do rá da cruz do circulo da serpente e quadrado ua muito dia do circulo primeira nave na ave afundada, af fun un dia do circulo do vaso forte ra do ra ram da manhã os pr e me e ro serpente primeira serpente af circulo gato ar da ar em set a

Era uma vez um pais que nem protegia as suas crianças nem seus pais

Era um pais que morreu

E ra primeiro vaso e z no primeiro pai serpente quadrado europeu ne em pr It e gi a aa serpente às as serpentes da ua semicírculo ria muito serra as ne am ria serpente dupla europeia do pai serpente e ra primeiro pai serpente europeia que morreu, mo r aro réu do rei

Veio o mar grande e a todos de uma vez levou, a terra tremeu e abriu e a todos de uma só vez engoliu e as suas crianças adoeceram com doenças fatais.

Vaso eio da escola do circulo do mar do g ar to ra do rand E e todo cruz do dia do duplo circulo da serpente do primeiro vaso do z , primeiro evo vaso da primeira da terra que tremeu, cruz re me do vaso e ab riu e primeira cruz dia circulo duplo da serpente primeira da acentuação do circulo vaso e z x do vaso inglês do guli e das suas, serpentes ua do s emi do grito do vaso do semicírculo do lo das crianças ad oe e ca ram que adoeceram, na escola, com., dia oe inglês primeira ká serpente do f rte do nó dos ais da serpente is

Oh senhor presidente de coisa nenhuma, porque não me responde as cartas que lhe envio?

Circulo maior do homem serpente inglesa pr re side die e dia ene da net, co semicírculo isa ne muito homem uma pr roque do ro do quadrado europeu muito ladrar me rato espanhol so ponde às semicírculo art rta serpente europeia primeiro homem inglês vaso io da foice grande do céu do dente da net do pr ei em rim do rio espanhol do primeiro e as pn ho l

Em que corrupção está implicado?

Em quadrado europeu cor rup cão da faca est , primeiro acento agudo e mp li cad circulo uk

É por saber da chapelada que o elegeu?

É por sabe rato serpente do ab ao abe do chá do ape pelado ac ap ch pire miro ad que ro peu circulo do homem primeiro do le gato europeu do eliseu, homem Eli da ce serpente

Quem fez a ponte de entre rios cair?

Quadrado maior europeu em fez , primeira ponte, p em teresa do inglês, primeira cruz re rios ca e rato da foice

Quem ordenou a sua queda para que o leme político mudasse?

Quadrado maior europeu em or do den circulo do vaso primeiro da sua queda, quadrado europeu da p ara ar rá europeia circulo lem , primeiro em po li tic circulo um da ss E da foice grande do céu

Quem é o master mind do seu grupo por detrás de si nesta sujas estratégias?

Quadrado europeu maior é, circulo do master do dia da min dia circulo do g rup o da serpente europeia p or dia et rá serpente do si ne es serpente da primeira cruz est, serpente do vaso do príncipe às espanhol cruz rá raté do gi às

Recordai-vos de quantos morreram em Londres?

Rato ec circulo Rato dia ai da set a vi os do quadrado das formigas ua cruz os mo rr e rato da primeira manhã em londres, angulo grande dr espanhol , foice, ou ceifado

Não vos expliquei tintim por tintim as simetrias entre os ataques a mim e a meu filho e o seu rebentar??

Muito ladrar vo serpente e x p li quadrado europeu do ui da b le fada, cruz em tim po do rato das cores do tim às si me cruz ria sw serpente inglesa cruz re os aqui do europeu serpente a mim e a meu filho, primeira me do vaso do fo rte do primeiro ho e circulo serpente europeia re bem inglesa t ar

Porque cobris a mãe e quem a cobre no rapto e tortura do filho?

Po do rato quadrado europeu co do is do br primeira mãe e quadrado europeu em a co br de cobre, no rap cruz circulo e tor ut, ur primeira dia circulo do fi do primeiro ho da foice

Preferis cair a emendar a mão enquanto ainda a podeis se a podeis?

Pr efe eis rato is ká, a cair ,primeira em inglesa dia ar, primeira mão inglesa quadrado ua muitas cruzes no circulo dos ai muito dia da primeira pt ode do is serpente primeira da foice is

Quantos matou ou mandou matar, ou deixou matar, para chegar onde chegou?

Quadrado ua muitas cruzes os do circulo do vaso do mat , homem dia cor c u lo vaso matar, p ara do rá che em che gato do circulo do vaso da foice e ix do circulo do vaso cee

Quantos pedofilos do partido de onde vem , protege?

Quadrado ua formigas cruz os pe ed circulo filo serpente do par da art rti ido em vaso pr ot teresa general

Quem são eles?

Quadrado europeu em são e pr ie miro espanhol da foice

Porque é que protege as senhoras que se comportam como putas e roubam os filhos aos pais?

Po rato quadrado europeu é, quadrado europeu pr ot teresa general às serpente inglesas hora do circulo da serpente do rá do quadrado europeu serpente semicírculo mp porta rta maria co mo p ut as e ro un da primeira manhã os fi primeiro homem os dis os pa is da foice

O que diz a meu filho, seu grandessisimo filho da babilónia, como lhe explica o que se passa?

E depois anda fazendo festinhas às criancinhas nas escolinhas para disfarçar, e mostra o quão bondoso leva seu coração, a ver se melhora o jeito

Circulo maior europeu di do z primeiro a meu filho, a me do vaso da fil ho serpente europeia gato ra muito dia espanhol si si mo imo fi primeiro ho do segundo ab abi o ni pp primeiro, com do mo primeiro homem e x p li ka circulo europeu ser pen rte pa ss primeira da passa

Como lhe dará de volta o tempo que com seu pai lhe roubaram, e que o senhor em seu silêncio se torna assim cúmplice desse negro fazer?

Co mo do semicírculo da lavagem primeiro homem da rá vo primeiro rá circulo tempo quadrado europeu com., serpente europeia pai primeiro homem rato circulo ub ara ram da manhã e quadrado europeu serpente inglesa homem ho re em serpente europeia sile silve s do cio inglês serpente ron na as serpente em circulo primeiro mo li da ce dia esse ne gato ro forte az e rato da fo ica e circulo em cruz do vaso do dia do circulo da né inglesa homem primeiro de le, primeiro eléctrico


Senhor cavaco silva que mal vai nas vestes de presidente da republica portuguesa, é este um momento de pesar e tristeza pela falecimento de seu pai e comecei eu a escrever esta Palavra bastantes dias antes de seu passar

S en h o r c av ac o silva q ue m al v a i na s v es t es de pr es id en te da r ep ub li ca portu guesa, é este um mo m en to de p es ar e t r sit e za pe l a f al e cie mn to de seu pai e co me ç e i eu a es ce r v e r es ta Pal av ra ba s t ant es dias ant es de se u pa ss ar

Gostaria de lhe expressar o meu pesar pela sua perca, contudo não seria verdadeiro se lhe dissesse em toda a extensão o que me vai no peito e muito decepcionado vou consigo nas vestes que mal veste e mal vestidas trás

Se a sua qualidade como homem está demonstrada aos olhos de muitos e de sus pares tambem, já daquele que foi seu tutor e que hoje leva as vestes presidenciais, mais esperaria, esperaria tambem por essas vestes que leva, que não se refugiasse no silencio cobarde, eventualmente até estribado numa primeira mentira, que o foi, ou a ele foi ocultada, esperaria do senhor, o cumprimento rigoroso das suas funções, e a garantia real dos direitos daqueles a quem porta e vela guarda, a todos nós e a cada um individual, mas tambem não pagará o justo pelo pecador, nem carapuça em cabeça alheia, será por alguma mão ou lingua afiada, aqui vos digo, O escrevendo.

Est seta demo sn t ra ad o aos olhos, eve n tua le mn te , é est riba do n uma pr e me ira homem inglês c ur z ira espanhol pe ra rio da q eu primeiro serpente a q eu maior p orta e vela guarda, mao li b gato ua e fia ad a circulo maior es c vaso rato eve n dia do circulo

Se a s ua q ua li dad e c omo homem est ´ d emo s n t ra do aos olhos de mu it os e de s us par es tam b em, j á da q eu le q ue foi s eu t u tor e q ue h oje l eva as v es t es pr es id en cia is, ma is es pe ra ria, es pe ra ria tam b em por q ue es sas v es te s q ue l eva, q ue não se r e f u gi as se no si l en cio co bar de, eve n tua l e mn te at é es t riba do n uma pr i me ira m en t ira, q ue o f o i, o u a e le f o i o c u l t ad a, es pera rio do s en hor, o c u mp r i m en to rigo roso das s ua s f un ç õ es, e a g ar ant ia real dos di rei t os da q eu l s a q eu m p o rta e vela guarda, a t o d os n ó sea c ad a um in d i vi d u al, ma s tam b em n ão pa g a rá o justo pe l o pe ca dor, ne m cara p u ç a em cab eça al he ia, se rá por al gum a mao ou li b g ua m e fia d a, a q u i vo s di g o, O es c v r eve n d o.

Me pergunto, se aquela brusquidão súbita que dizem ter tido, quando recebeu a noticia da saída, talvez melhor dizendo a fuga para a frente, do seu pupilo, o que me verdade , se devia chamar de iluminação, naquele momento o atravessou, que ver no visto , que desgraça, e que ligação naquele momento tomou consciência, e se ela se esgotava em si e no seu pupilo

S ub it a s aia da tal v e zorro li g a çao tom circulo vaso circulo on se p r en te cie n cia

Me pe r gun to, se a q eu l a br us q u i dão s ub it a q ue di ze m ter t id o, q ua n d o re cebe ua no ti cia da s aia d a, t al v e z me l hor di zen d o a f u g a para a fr ente, do s eu p up i l o, o q ue me v e rda d e , se de v ia ch amar de i lu mina ção, na q eu l e mo m en to o at rave ss o u, q ue v e r no v is to , q ue d es graça, e q ue li g a çao na q eu le mo m en to tom o u c on s cie n cia, e se e la se es g ota v a em si e no s eu p up i l o

E contudo meu coração mesmo vendo, que melhor se vai trazendo, junto aos meninos, quando com eles está, pouco de si espera, de vossa esposa que me parece ter e trazer coração mas simples luminoso e acertado com o Amor, que ela vos inspire e guarde, pois todos ao assim ir e proceder, fazeis ferida grande ao amor, à justiça e ao justo e quando assim os ou um ser vai, sofre geralmente as consequências, pensais porventura que eu quero a guerra?

E cont vaso dia maior europeu cora são espanhol as posa teresa co ra são gato ur ra ad e ge ra primeiro e mn te as c on seque en cia s p en sa is da por v en t ur a


E cont u d m eu co ra çao me s mo v en d o, q ue mel h o r se vai t ra zen d o, j un to ao s me nino s, q ua n do com e l es est á, p o u co de si es pera, de v o s sa esa posa q ue me par e ce ter co ra çao ma s simples l u mino s o e ac e rta d o com o Amor, q ue e la vo s ins pire e g ur ad e, p o is t o d os ao as s im ir e pr o ce de r, f az e is f eri d a g rande ao amor, à j us ti ç a e ao justo e q ua n do as s im os o u um ser vai, s o fr e ge ra l e mn te as c on se q u en cia s, p en sa is por v en t u ra q ue eu q u ero a guerra?

Como ousais não responder a um Pai e um cidadão e lhe recusais todo o apelo quando neste terra do diabo onde todos os órgãos da republica lhe sonegam as vias da justiça acordada, e lhe mantéis assim, sendo disso por via do vosso silencio, cúmplice o roubo, rapto e tortura de seu filho unigénito!!!!!

Rato e circulo usa serpenet aia circulo rato gato da primeira onda os da re publica primeiro homem s one gato manha as vi as da justiça ac circulo rada dada e primeiro homem ante is as sis maior s en do di ss o, circulo vaso mo li ce circulo ro ub circulo ra pt circulo e tor cruz ur ra de serpente europeia fil homem do circulo uni g eni to

Co mo o usa is n ão r es p on de ra um Pai e um cida dão e l he re c usa ia todo o ap elo q ua n do ne s te terra do dia bo onde t o do s os or g ã os d a r e publica l he s one g am as vi as da j us t i ç a ac o rda d a, e l he man t e is a sis m, s en do di ss o por v ia do v osso si l en cio, c u mp li ce o ro ub o, ra pt o e tor t u ra de s eu fil h o uni g é ni to!!!!!

A que poder vos vergais!

A q ue p ode r vo s v e r ga is!

A quem obedeceis, ao Amor ou ao diabo!

A q eu m ob e de ce is, ao Amo r o u ao dia bo!

Devereis pensar se ainda porventura trouxeres coração, no que fazeis não fazendo, e como desempenhais vossas funções e como sois pai, pois não o sendo, certamente que não tereis filhos!!!!!

D eve reis p en sar se a in da por v en t u ra t ro u xe r es co ra çao, no q ue f az e is não f a z en do, e co mo d es e mp en h a is v os sas f un ç õ es e c o mo s o is pai, p o is n ão o s en do, ce rta e mn te q ue n ão te reis fil h os!!!!!

Enganai-vos redondamente, sou homem de paz

En gana i inglês vo s r e don d am en te, s o u homem de p az

O senhor mentiu e me recordo eu gravado a ferro e a fogo o ar displicente com um sorrizinho trocista por meias palavras de ter dito publicamente em forma meio cifrada que não recebera o pedido que por escrito lhe enderecei para lhe pedir uma audiência, e esse sorriso cínico que preferiu na mentira arvorar, deita por terra a segunda possibilidade acima expressa, pois duvida não me resta, foi o senhor mesmo que se encarregou, de a esclarecer, pela sua mentira, simples lógica senhor, sem apelo nem agravo e de muita gravidade, e assim senhor perdeu todo e qualquer restea de respeito que eu ainda por si trouxesse, deixou de ser homem, passa em meu coração a ser como um animal, uma animal da mentira sem coração e vergado ao diabo e aos que roubam crianças a seu pais

O s en h o r m en ti u e me record o eu g rav ad o a ferro e af o g oo ar di s p l e c en te com um s or r isi z n h o t roc ista por mei as pal av ra s de ter dito p ub li ca mn e te em forma mei o c i fr ad a q ue n ão r ee be ra o ped id o q ue por es c rito l he en de r e ce i para l he ped i r u ma au di en cia, e es se s or r is o c in i co q ue pr efe r i una m en t ira ar vo r ar, dei ta por terra a se gun d a p os si bi l i dd e ac ima e x press a, p o is du v id a n ão me r es ta, f oio s en hor me s mo q ue se en ca rr e g o u, de a es clare ce r, pe la s ua m en t ira, simples l ó gi ca s en hor, sem ap e l o ne m a g rav o e de mu it a g ra vida de, e as s im s en hor m pe r d eu t o d o e q ua l q eu rr es tea de r es pei t ro q ue eu a in d a por si t ru xe s se, dei xo u de ser homem, pa s sa em m eu coração as e r um anim al, uma na ima l da m en t ira sem coração e v e r gado ao diabo e aos q ue ro u b am c r ian ç as a s eu pa is

O senhor mentiu como uma criança mal educada, seu pai certamente dará voltas em sua campa na terra e no espirito do ceu, ao dizer que o palácio não tinha recebido o e mail que eu lhe enviara

O s en hor m en ti u c omo uma c r ian ç a ma l edu c ad a, s eu pa si ce rta mente da rá vo l t as em s ua ca mp a na terra e no es pei rito do ceu, ao di ze r q ue o pal a cio n ão tinha r e cebi do o ema i l q ue eu l he en v ia ra

Calha o senhor quanto senhor não posso assim mais chamar, ser o homem que vai empossado no mais elevado cargo da nação, e a si nesse estatuto me dirigi, pois tudo me tem roubado, a vida, o trabalho, o filho, e a capacidade de recorrer à justiça nos seus certos locais dos homens, e o senhor me traiu, e traiu as suas funções e traiu a republica e traiu as leis dos homens, pois não assegura o seu cumprimento nem vela por aqueles que são alvo de perseguições, e uma razão terá que estar por detrás de isto, o facto que o senhor tambem faz parte dos grupo que me persegue, a quem me rouba o filho, a vida e o vier, directamente ou em forma indirecta e cúmplice, é inimigo das leis da republica e de mim, do Amor e de Deus assim o declaro para que fique a todos claro

Calha o s en hor q ua n to s en hor não p osso as s im ma si ca h am ra, ser o homem q ue v a i e mp os sado no ma is e l eva d o ca r g o da n aç ão, e a e le ne s se est at u to me di r gi, p o is t u d o me te m ro ub ad o, a v ida , o t ra b alho, o fil h o, e a capa cidade de r e co rr e r à j us ti ç a nos se us ce r to s l o cias do s homens, e o s en hor me t rai u, e t rai u as s ua s f un ç õ es e t rai ua r e p ub li ca e t rai u as le is dos homens, p o is n ão as segur a o s eu c u mp r i e mn to ne m vela por a q eu l es q ue são l avo de pe r se gui ç õ es, e uma ra z ão te rá q ue est ar por de t rá s de is to, o f ac to q ue o s en hor tam b em f az par te do s g r up o q ue me pe r se g ue, a q eu m me ro ub a o fil h o, a vi da e o vi e r, di rec tamen te o u em forma in d i r e cta e c u mp li ce, é i ni mig o das le is da r e pu b li ca e de mim, do Amor e de Deus as s im o dec l a ro para q ue fi q ue a t o d os c l a ro

Isto aqui não é a América, canção de david bowie, onde em dia recente se dava conta que tinham andado a contar as mentiras do presidente que eram no tempo da contagem mais do que duzentas e dos seus assessores mais de quatrocentas ou por ai, nem aqui é pais onde os homens não pensam, que a mentira e a omissão não trás consequências, nem sofrimento ou sofrer

Is to a q u i não é a ma rei ca onde em dia r e c en te se dava c on ta q eu in ham anda do a c on t ar as m en t ira s do pr e sid en te q ue e ram no te mp o da c on t a ge mm a si do q ue du zen t as e do s se us as s es sores mai e de q ua t roc en tao s o u por ai, ne m a q u i é pa is onde os homens n ão p en sam, q ue a m en t ira e a o mis são n ão t rá s c on se q u en cia s, ne m s o fr i e mn to ou s o f e r

O senhor para ser senhor, já se devia ter demitido, visto que o que não faz se constitui um ultraje as leis e a republica e ao Amor, e ao que parece são muitos em todos os órgãos da republica que se tambem andam vergados e sem espinha, e triste é ver altos dignatários da republica como juizes constitucionais a fazerem rodriguinhos de meias imagens com simbologia gestual para as fotos, como quem quer dizer alguma coisa inteira e só diz metade, se assim o fosse, pois Deus tudo vê e entende e conhece, e não venham com areia de seguros para erros judiciais, quando é de claro dolo intencional que se trata , e quando assim é para fazer justiça e se poder que ela foi feita, só acontecesse quando o dolo é minorado nas formas que lhe for possível de minorar

O s en hor para ser s en hor, j á se de v ia ter d emi t id o, v is to q ue o q ue n ão f az se c on ti t u i um u l t ra je as le is e a r ep ub li ca e ao Amor, e ao q ue par e ce são um it os em t o d os o s o r g ao s da r ep u b li ca q ue se t ame b me anda m v e r gado s e se m es pi n h a, e t r iste é v e r al to s di gana t a rios da r e publica co mo j u ize s c on s ti t u i c on a is a f az e r em ro dr i gui n h os d mei ss i mage n s com s im bo li g ia g es t ua l para as f oto s, c omo q eu m q eu r di ze r al gum a co isa ine ira e s ó di z met ad e, se as s im o f os se, p o is De us t u d o v ê e en ten de e c on he ce, e n ão v en ham com a rei a de se g ur os para e r ros j u di cia is, q ua n d o é de c l a ro d olo in ten cio na l q ue se t rata e quando as s im é para f az e r justiça e se p ode r que ela foi feita, só ac on te ce s s e quando o dolo é mino ra do n as formas q ue l he f or p os s íve l de mino r ar


Por isso a si cavaco silva, quando as cinzas se levantarem, e um quarto de lua passar, se não tiver emendado em forma clara e frontal sua mão, sua acção e sua palavra neste caso, em Deus e a Deus e por Deus , lhe lançarei maldição eterna sua toda a sua família, de forma a que nunca mais nenhum ramo desabroche e que todos os que existem feneçam pelo inferno em vosso peito, na exacta medida em que a outros o fazeis, vós condenareis a vós mesmo e em extensão em remissão por vossas negras acções, sois pó, nada mais que pós adiado, em breve

S ua ac à são e serpente ua pal av rá e t rena f ami lia d esa br roc ce homem f ene ne and pe l o in ferno em v osso pei to ba na de e xis te maria forte ene , é s ac rá med id a, vao s eta pós e em e x ten são rato emi miss são ac ç o es

Por is s o a si c av ac o silva, q ua n do as c in za s se l eva n t ar em, e um q ua r to de l ua passa r, se n ão t ive r e m en dad o em forma clara e fr on t al s ua mão, s ua ac çao e s ua pal av ra ne s te c as o, em De us e a D eu s e por De us , l he lança rei mal di ção e t r e na s ua toda a sua f ami l ia, de forma a q ue n un ca ma is ne n h um ramo d esa bro ce h e q ue t o d os o s q ue e xis te m f ene an pelo in f e r no em v osso pei to, na e x ac ra med id a em q ue a o u t ro s o f az e is, vó s c on dena rei s a v´ p os me s mo e em e x ten são em r emi s sao por v os sas ne g ra s ac ç o es, s o is po, n ad a ma is q ue pó s ad ia do, em br eve

A socrates lhe digo, pensais que trago prazer em vós tratar assim como mereceis usando palavras que vos definem com precisão, tambem pensais porventura que não vos prefiro trazer com todos, ao colo, Ele que é grande e para todos chega!
A s o c ra te s l he di g o, p en sa is q ue t ra g o pr az e r em vó s t rata r as s im c omo mer ce is usa n do pal av ra s q ue vo s d efe inem c om pr e c i são, tam b em p en sa is por v en t u ra q ue n ão vo s pr e fi ro t ra ze r com todos, ao c olo, E l e q ue é g rand ee pat a t o d os che g a!

Mas deixai-me vós alternativa, na forma de vos tratar!

Mas de ix a i inglesa me vó s al te ra n t iva, na forma de vo s t rata r!

Alternativa sempre há

Al te ra n t iva se mp r e h á

Degolar um por um, simbólica ou literalmente entendido, quanto distintos, porque me tenteis , parque tentais a justiça e o Amor? Não sabeis que perdeis sempre o mau jogo e jogar

D ego l ar um por um, s im bo li ca ou li te ra l e mn te en ten di do, q ua n to di s tintos, por q ue me t en te is , par q ue t en at is a j us t i ça e o Amor? N ão sa bei s que pe r de is s en pr e o m au jo g p e jo g ar

Que mais provas quereis do céu, vêm agora em passo apressado e lingua afiada, dizer que a criança naquelas condições, estava condenada a morrer, imagem mais clara não podia ter existido, dentro de uma ambulância à porta do hospital fechado, porventura terão até disso convencido o seu pai, como tentaram convencer aos muitos que tem morrido por tratamento em deficientes condições, o que não conseguem convencer mesmo, pois nunca O poderão convencer, é que um hospital não tem as mesmas condições que uma ambulância, que se bem se recordam tem por limite de sua própria natureza, o doente transportar, não são blocos de parto ou de operações, nem os desfibriladores salvam, se quem deve com eles operar não tiver a respectiva formação, como se sabe que é caso acontecer, fica sempre assim aberta a duvida, mas fechada e bem fechada fica em relação à estupidez e homicida gestão dos actos dos homens que não podem ficar impunes, não é essa a natureza do exercício do poder, só um dos seu lados, uma balança incompleta, como pensais, como ousais pensar seres maior que o Fiel

Q ue ma is p o r v as q eu reis do c é u, v ê m agora em passo ap r es sado e li n g ua af ia da, di ze r q ue a c r ina ç na q eu l as c on di ç o es , est av a com dena da a mor r e r, i mage m ma is clara n ão p o dia ter e xis t id o, d en t ro de uma am bula n cia à p o rta do h o spi ta l f e c h ad o, por v en t u ra te rão at é di s so c on v en cid oo se u pai, co mo ten tara m c on v en ca e aos mu it os q ue te m mor rid o por t rata m en teo em d efe c i en te s c on di ç õ es, o q ue não c on se g eu m c on v en ce r me s mo, p o is n un ca O p ode rão c on v en ce r, é q ue um h o spi tal n ão te m as me s mas c on di ç o es q ue uma am b u l  n cia, q ue se be m se reco r dam te m por li mit e de sal pr ó p r ia nat ur e za, o d oe n te t ra s n p o rta r, n ão são b l oco s de par to o u de opera ç õ es, ne m o s d es fi br ila d o r es sal v am, se q u en d eve com lee s opera r n ão t ive ra r es pe c t iva forma çao, co mo se sabe q ue é c as o ac on te ce r, f ica se mp r e as s im ab e rta a du vida, mas f e ch ad a e b em f e ch ad a f ica em relaçao à est up i dez e home i cida g es tão dos ac t os dos homens q ue não p ode m f ica r im p un es, n ão é es sa a nat u r e za do e x e r c i cio do p ode r, s ó um do s se u l ad os, uma bala n ç a i m c i mp l eta, c omo p en sa i s, c omo o usa is p en sar se maio r q ue o Fi e l

As gentes de portugal lanço aqui acusação e abro perante a Luz e Deus e o Amor processo contra a procuradoria geral da republica portuguesa, por conluio na sistemática inépcia na prossecução do esclarecimento dos actos de corrupção e por retirar aos cidadãos a sua capacidade de queixa, pelo desrespeito das leis que obrigam a persecução das investigações quando declaradas em forma publica no espaço publico como tenho vindo a fazer ao longo de diversos anos, com a agravante de terem sido entregues na esquadra sendo portanto este facto uma dupla agravante e total demonstração cabal de incumprimentos das leis e actos de corrupção por parte da procuradoria da república portuguesa, a quem peço na praça publica esclarecimentos, visto que até a data ninguém me respondeu, e se faz assim demonstração da sua corrupção, que negras razões de promoção, conluio ou encobrimento trará relativas a estas matérias, pois se assim não o fosse, as teriam certamente investigado, e demonstra esta situação em seu todo e em suas parcelas, que a procuradoria deixou de a ser e assim sendo se pede a demissão e reformulação legal e autonômica nos seus distintos graus de sua natureza e funcionamento de forma a que um novo corpo possa começar em realidade a operar, e mesma consideração é feita em relação a polícia judiciaria, que nas vossa eternas guerras de nada, que só servem para empatar, deitar areia para os olhos da gentes, escamotear as responsabilidades de diversos, e manter o incumprimento sistemático das leis da republica e da justiça,

Lan são ac usa são porto g eu serpente co n c lui circulo sis t ema tica ine p cia pr es ser pen to circulo do s emi sir c u l o da são es clare cie mn to ao rat up são cida do es d es r ee pei to das leis, pr es s u co são, p un li c ano esa p são pub lio, di vaso ero serpente a no serpente a ar rac c v te de teresa e at o em sid circulo en t rato e gus na es q au dr ram ax x to de ms os t ração ca bal rato e cruz pub primeira cia portuguesa, es clare cie mn t os nin g eu maior me demo s t raçao da se pr n te ua co r r u o p são c un circulo lui circulo en co br i po e demo sn t ra sita au são, de emi miss missão e rato e f circulo rato maior mula são le gal e eu t on nm min ca no su es id tintos g ra us de s eu ana t ur e za opa rato ar me sam c on side ra são po li ca esca m ot teresa as rato ep son as nile dad es di veros e man teresa circulo um mp rato e home inglês to sis t ema tico das leis da republica e da justiça

As g en te s de port u gal l an çao a q u i ac usa çao e ab ro pe ra n te a L uz e De us e o Amor pr o ce s so c on t ra a pr o cura do ria ge ra l da re publica port u g u es, por c on c lui o na sis t ema tica ine p cia na pr es s o c u ção do es clare cie mn to dos ac t os de co r up ção e por r e t ir ar aos cida do es a s ua capa cidade de q eu ix a, pe l o d es r ee pei to das le is q ue ob riga m a pr es s u c o ção da s in v es ti ga ç õ es q ua n do dec l ar ad as em forma p ub l i c ano esa p çao p ub li co c omo ten h o vin do a f az e r a o l on g o de di v eros ano s, com a g ar av n te de te r em sid o en t r e gus na es q au dr am s en do p o rta n to este af x to uma d up la a g rav ante e t ot al d e m s os t ra çao ca bal de inc u mp r i m en t os das leis e ac to s de co rr up ção por par te da pr o cura do ria da re + p ub l cia portuguesa, a q eu m pe ç o na pr a ç a publica es clare cie mn tos do por q ue vi s to q ue at é a data nin g eu m me r es p on d eu, e se f az as s im demo s t ração da s ua co rr up çao, q ue ne g ra s ra z õ es de pr omo ção, c un c lui o ou en co br i men to t r a rá r e l at iva s a est as mat é ria s, p o is se as s im não o f os se, as te r iam certa mente in v es ti gado, e demo sn t ra est a sita u ça õ em seu todo e em s ua s par ce l as, q ue a pr o cura do ria de ix o u de a ser e as s im s en do se ped e a d emi s sao e r e f o r m mula ção le gal e au ton min ca no sues id tintos g ra us de se u ana t u r e za e f un cio n am en to de forma a que um n ovo corp o p os sa co me ç ar em real i dad e a opa ra r, e me sam c on side raçao é fei ta em re l a ç ão a p o li ca ju di cia ria, qu e na s v os sa te r na s guerras de n ad a , q ue s ó se r v en para e mp at ar, dei t ar a rei a para os olhos da g en t es, esca m ot er as r ep son sa bil i dad es de di v ero s, e man ter o i mc u mp r i m en to sis t e ma tico das le is da r ep u b l i ca e da j us t i ç a,

E blá e blá reconheceu feito cortina de fumo, e veio o marinho e parece que caiu mais uma vez sem cair o carmo e a trindade, e blá e blá e o banco afinal trabalhava com n offshores e nada se sabe sobre processos criminais, mas disse constâncio que era muito grave e coisa e tal que durou o regabofe mais de vinte anos e depois veio o procurador blá bla e depois veio o Alípio sobre o caso maddie e a canção da sereia ou do bandido dou do bandido da sereia e que afinal se calhar não era assim nem assado, o pulido acrescenta a ginga da negra flor, é cultura, estúpido, se fossem presos ia o pais inteiro, e eu nem sei em qual ele vive, mas quando a justiça não se garante aos cidadãos são eles autorizados pelo regabofe a faze-la por sua próprias mãos, e assim sendo e não o sendo , e sendo não o é, só resta ser na justiça pela própria mão e assim estão todos amnistiados a prior, é roubar e matar minha gente, que nada se passa, a não ser como o mourinho bem relembra, as prisões estão cheias de pobres e desgraçados, e como os ricos e cuidados para lá não vão, então que passem de imediato ao talhão do cemitério, quando descobertos no acto ilícito, vinculando desta forma a mao a lei da mao no pescoço com ou sem faca a pedir delicadamente as confissões e se por acaso a mão resvalar, porque o pescoço alheio se mexeu, nada se passara certamente, canta ou não canta, canta cantando mesmo morto

É b lá e b lá reco em he ceu fei to cortina ford taunus, de f umo e veio circulo marinho e par ace que caiu maior si car no carmo e ar rin dad e trindade, bao on co a f ina primeiro com o f s z hores das putas esa pn holas, e p or c es s os c rimi ni as di z s se c on sat n ciao, c on sat n ciao, italiano, do ro vaso rato e gab cir c l o fe maior si deo i e s veio circulo procurador, b lá e b lá veio circulo a li pi o sobre o caso maddie e a can ç ao circulo da se rei a circulo do vaso do ban dido q ua fa ina primeiro se calha ar , circulo pulido , es ru pi do, h j us tica ao as cida dao s são p or pi as mao s, s eno d e n ca o circulo s s en do pr o rp ia es tao ami mini s tia d os a pr ior , é ro ub bar a na r a r min h a gente, na circulo ser com o met in homem do cir c u l b em rato ele maior br rá, pr is oe s es tao , in g l es tao imediato i li cito c on f is o es pa ss ra certa e mn te canta, me s mo morto

E b lá e b l á r e c on he ceu fei to co r t ina de f umo, e veio o marin h o e par a ce q ue ca i u ma si uma v e z se m ca i ro car no e at rin dad e, e b lá e b l á e o bao n co a f ina l t ra ba l h av a com n o fs hores e n ada se sabe s o br e p or ce s so s c rimi ni as, mas di z s se c on s tan cia o q ue e ra mu it o g rave e co isa e t al q ue do ro u o r e gab o f e ma si de vi n te ano s e d ep o i s veio o pr o cura dor b l á b l a é e d ep o is veio o al i p io s o br e o c as o m ad di ee a can ç aa o da se rei a o u do ban d d o do u do ban d ido da se rei a e q ua f a ina l se calha r n ão e ra as s im ne m as sado , o p u lido ac r es c en ta a gin g a da ne g ra flor, é c u l t u ra, es t u p id o, se f os s em pr e s os ia o pa is in te i ro, e eu ne m sei em q ual ele v ive, ma s q ua n do a h j us tiça n ão se g ar ante ao as cida dao s são e l es au tor iza d os pe l o r e gab o fe a f az e inglesa l a por sua p o rp ia s mãos, e as s im s en o d e n ão o ss en do , e s en do n ão o é, s ó r es ta ser na justiça pe la pr or pi a mao e as s im es tao todos am i ni s tia d os a pr ior i, é ro ub ar e mata r min h a gente, q ue n ad a se passa, a não ser com o met in h o b em r e l em b ra, as pr is o es e s tao che ias de p ob r es e d es g r a ç ado s, e c omo os ric os e c u i dad os para l á n ão v ão, en tao q ue pa ss em de i me di a tio ao ta l h ão do c emi té rio, q ua n d d es co be r t os no ac to i li cito, vin c u l and o d es ta forma a mao a lei da mao no pe s coço com ou se m f ac aa pe di r deli ca da m en te as c on f is s o es e se por ac as o a mao r es vala r, por q ue o p es coço al hei o se me xe u, n ad a se pa ss ra ce rta e mn te, canta o u n ão can ta, ca n ta can t and o me ms o mor t o

Um bocadinho mais a brincar ou mais a sério, o senhor procurador que avalie se ainda souber alguma coisa em independência de pensar e agir, a minha lista de indícios vários de corrupções avariadas constantes deste livro que certamente e seguramente nunca leu, nem será do seu conhecimento, como tambem não é de seu conhecimento a queixa que na polícia apresentei, dariam para ocupar uma procuradoria inteira durante um ano para alem dos que já lhe ocupou e até daquilo que já consegui por minha via, digamos assim, resolver, mas diga-me lá o que quer que eu lhe faça a si ou a qualquer dos marialvas ladroes que passe a encontrar na rua, na minha lista pessoal, consta, rapto e roubo e tortura de meu filho, atentados diversos a minha integridade de pessoa, inclusive por parte de gente encartada como pseudo médicos, agressão na via publica, roubo por parte da rtp, roubo por parte da pt , roubo por parte da spa, roubo por parte da universal, e muitos mais roubos, inclusive por estrangeiros e sociedades off shores e por ai fora e nada se passa, responda então quando a faca escorregar na garganta, com que base jurídica e que moralidade não me irá levantar processo, sendo a faca, faca e não faca, e se caso não se demita ou se mantiver mudo, se acha bem que lhe encomende no próximos tempos seu corpo a Deus

In di cios vários de co rr rp pu ç õ es ava ria dia es ap n hol c on he cie mn to a queixa, ou gueixa na p oli ca par es s en teu da r iam, ine t ira c on se gi u por min h a via duran te mar ila av as a g r es são na via publica, maior si ro ub o por parte pt inc lu s ive, s hi r es ju rid i ca e q eu mora ra a li ali dad e s en do af ca faca pr ox e mo se pr en te t e mp os s ei corp a d e us

Um bo cadinho ma isa br inca r, s en hor pr o cura dor, a min h a l ista de in di cios v ari os de co r rp u ç õ es av aria d as c on s t ant es d este li v ro q ue ce rta mente e segur am en te n un ca l eu, ne m se rá do s eu c on he cie mn to, c omo tam b em n ão é de s eu c on he cie mn to a q eu ix a q ue na p oli ca par es en tei, da r iam para o cup ar uma pr o cura do ria ine t ira dura n te um a no para a l em do s q ue j á l he o cup o u e at é da q u i l o q ue j á c on se gi u por min h a v ia, di g amo s as s im, r e sol v e r, ma s di g a inglesa me l á o q ue q eu r q ue eu l he f a ç aa si ou a q ua l q eu r dos m ari l av as l ad r o es q ue passe a en c on t ra r na r ua, na min h a li sta pe ss o a l, c on s ta, ra pt o e ro ub o e tor t u ra de me u fil h o, at en t ado s di v e r s o sa min h a in te g rid ad e de pe ss o a, inc l us ive por parte de gente en ca rta da c omo ps e u do mé di co s , a g r es sao na v ia publica, ro ub o por par te da r tp, ro ub o por par te da pt , ro ub o por par te da s p a, ro u b o por parte da uni v e r sal, e mu it os ma si ro ub os, inc lu s ive por es t ra n geiro s e soci e dad es of s h i r es e por ai f o ra e n ad a se passa, r es p on da en tão q ua n do a faca es co rr e g ar na g ar gan ta, com q ue b ase j u rid i ca e q ue mora li dad e n ão me i rá l eva n t ar pr o ce s so, s en d o af ca f ac a e n ão faca, e se c as o n ão se d emi t a o u se man t ive r mu do, se ac h a b em q ue l he en co m en de no pr ox i mo s te mp os se u corp o a D e us


E a maria josé morgado, tenho para aqui andado a pensar, se o facto de uma noite teremos feito amor tambem em corpo, não servirá ou entravará a ausência de resposta por parte da judiciaria Às minhas diversas inquirições sobre maldades diversas, não estritamente as orientadas para a minha pessoa, sendo que a nossa história de amor, tem capitulo que o poderá justificar, e que bem vistas as coisas, poderá ser utilizado em se u inverso, e assim podendo ser, e visto, que me mandaste dar uma curva ao bilhar grande da ultima vez que vos telefonei, há largos meses atrás se não anos, por questões salvo erro, no momento de segurança publica, aqui fica em forma de letra publica para conhecimento de todos e aguardando assim uma resposta , e sendo ainda que a senhora foi camarada do durao conjuntamente com o seu marido e que não deixa de ser curioso, mais esta ligação, aqui se encontrar, tudo ex marxista leninista de extrema esquerda e muito pragmáticos na acção, se bem que a senhora tenha crescido mais rapidamente

Maria josé morgado, t am e b me maior corp circulo, ua s en cia, est ric ta tamen te mao rato co ia se pr en te sp ode dia inglês do ser, circulo do ur vaso ao bil a homem rato,, primeiro ar do c up l o circulo serpente das meses co da c on pan h ia do homem mn a g aura dan, li g a ão primeiro eni ni serpente da cruz às, ac cc de c r te ao se b em quadrado eu o rp eu da senhora ten do homem primeiro, e x mar xis ta e primeiro eni ni da extrema esquerda, e muito p ra g ma t i c os na a c ç ao , ra pai da dama da manhã en te

E a mar ia jo s é mor gado, ten h o para aqui anda do a p en sar, se o f ac to de uma no ite te r emo s fei to amo r tam e b m em corp o, n ão se r v irá ou en t rav a rá a ua s en cia de r es p os ta por parte da judiciaria Às min h as di v e r sas in q u i r ç o es s o br e mal dad es di v e r sas, não es t r i cta mente as ori en t ad as para a min h a pessoa, s en do q ue a no s sa h is t ó r ia de mao r, te m c ap it u l o q ue o p ode rá j us t if i car, e que bem v ista s as co ias, p ode rá ser ut i liza do em se u in v e r s o, e as s im sp o d en do ser, e visto, que me man d as te dar uma c ur v a ao bil a h r g rande da u l tim a v e z q ue vos tele f one i, h á l ar o g os mes es at rá s se não ano s, por q eu s t õ es salvo e r ro, no mo m en to de segur ança publica, a q u i f ica em forma de l e t ra publica para c on he cie mn to de todos e a g au ra dan do as s im uma r es posta , e s en do a in d a que a s en h o ra foi cam a ra da do durao c on j un tamen te com o s eu mar ido e q ue não de ix a de ser c u rio s o, ma is esta li g a çao, aqui se en c on t ra r, tudo ex mar xi s ta l eni ni s t as de e x t r ema esquerda e mu it o pr a g má t i c os na a c ç ao, se bem q ue a s en h o ra t en h a c r es cid o ma is ra pai d a m e n te

Na década de oitenta , existiram as noites longas, organizadas pelo zé da guiné, que foi durante uns meses dos sítios mais interessantes das noites lisboetas, pelo eclectismo de gente que lá se encontrava para se divertir e calhou assim encontrar-vos aos dois uma noite, de diversas em que vos vi lá, durante o que foi um curto período, e uma noite , a primeira em que os três começamos a falar acabamos em leito de amor em vossa casa depois de vos transportar aos dois como um chaffeur no meu belíssimo e muito antigo e muito magoadinho carro, que eu tinha nessa altura, um descapotável inglês, que tinha comprado a uma caravana de meus amigos ciganos por vinte contos, e que andava entretido a por a andar e a travar tambem e pintar e a tirar a capota e a compor

Década de oitenta, noites longas, zé da guine, eclectismo, mistura confusão, amor rás sn porta rato, circulo do homem af ff e ur no mei b e primeiro do onze si mo, mago ad din homem do circulo, primeiro da esca capo ota vaso el inglês

Na dec ad a de it en ta , e ix rita m as no it es l on g as, o r gan iza d as pe l o zé da g u iné, q ue f o i dura n te uns mes es dos si tios mais in te r es san t es das no it es lis b o eta s, pe l o e c l e ti sm de g en te q ue l á se en c on t ra v a para se di v e r tir e ca l h o u as s im en c on t ra va r inglês vo s aos do is uma no ite, de di v e r sas q em q ue vo s vi l á, duran te o q ue f o i um curto pe rio do, e uma no ite , a rp ie mr ia em q ue os t r ê s c o me ç amo s a f al ar ac ab amos em lei to de amo r em v os sa c asa d ep o is de vo s t ra sn p o rta r ao s do is c omo um ch a ff e ur no mei be l ii s i mo e mu it o ant i g o e mu it o mago ad in h o car ro, q ue eu tinha ne s sa al t u ra, um d esca p ot a v el inglês, q ue tinha c o mp ra do a uma cara v ana de m eu s ami g os c i g ano s por vi n te c on t os, e q ua anda v a en te r tid o a por a ana d ra e a t rave r tam b em e pi n t ar e a ti ra r a ca p ota e a c om por


Portanto o zé da guine trás uma relaçao com o porta, o rato do circulo do homem a f f f
E ur no mei segundo e primeiro do mo si do grupo eleven, com relaçao a um vaso com relaçao entre espanha e inglaterra, provavelmente com judice a lá page, a atender na historia do rubicão,, na sua margem quando o flautista aparece radioso como o sol, vos pelo andar da carruagem em que alegremente participeis como corso, quando não ficaste a falar para uma parede e o rogério aparece em foto tambem meia cifrada em ciam de livros antigos que depois mao incógnita me deixa porta, e são livros de juristas brasileiros e andam assim todos no dizer sem em verdade o dizer, continuam a procurar o caminho da hipocrisia, o que ainda não percebeste, que a hipocrisia nas vezes mata e deixa matar, quando dela se faz a moeda do estar e do trocar o estar, e ele graça em rendimento colectivo com juros de pandemia de uma qualquer pestes, pois são tantas as sementes delas que todas as manhas tão bem cuidais em tratar , livros esses que aqui em casa se mantiverem embalados até que os abri e no dia seguinte uma enxurrada no brasil, com uma serie de gente morta, entre outros, uma criança e uma avó

O zé d gato do vaso do ine primeira relaçao com porta, circulo do gome f f f, e pr e miro do mo si grupo eleven, rato ela aa entre es penha e inglaterra, ju di ce a lá page, rubi ca o , p elo a ana d a da car u g em ae e rato do home ingles par tic cip e is c omo corso, q eu e d ep o sis mao inc o g ni ta me de ix a porta, pr o c u ar cir c u l caminho da h ip o cris s ia es t ra ren di e mn t po e são e em mn ne t es ani ive rato em bala en xo rada no brasil , com mu o r te de uma av onda sobre o circulo

P o rta n to o zé da g u ine t rá s uma relaçao com o porta, o rato do circulo do homem a f f f E ur no mei se gun do e pr ie miro do mo si do g r up o el eve n, com relaçao a um v as o com r e l aa o entre espanha e inglaterra, pr ova v el mente com ju di ce a l á pa ge, a at en d e r n a h is t o ria do ru bi cao, na s ua mar g em q ua n do o f l au t ista ap ar e ce ra di o s o c omo o sol, vo s pe l o a and ar da car ru g em e m q ue al e r e men te par ti cip e is c omo corso, q ua n do n ão f ica s te a f al ar para uma pa red ee o ro g é rio ap ar e ce em f oto tam b em mei a c i fr ad a em c iam de li v ro s ant i g os q eu e d ep o is mao inc o g ni ta me de ix a porta, e são livros de j u r ista s br as i lei ro s e anda m as s im todos no di ze r sem em v e rda d e o di ze r, conti n uam a pr o c u ar o caminho da h ip o cris ia, o q ue a in d a n ão pe r cebe s te, q ue a hipo cris ia na s v e ze s mata e de ix a mat ar, q ua n d o dela se f az a m oe da do est ra e do t roca ro est ar, e e l e graça em r en di e mn to co l e c t ivo com j ur os de pan de mia de u ma q ua l q eu r p es t es, po i são t antas as se mn e t es de l as q ue todas as manhas tão b em c u i da is em t ratar , li v ro s es s es q ue aqui em cas se ani v e r em e m bala d os at é q ue os ab r i e no dia se g ui n te uma en xo ra da no br as il, com uma se r i e de g en te mo rta, en t re o u t ro s, uma c r ian ç a e uma av õ

E quando no leito, o saldanha apareceu, e foi ao armário e trouxe de lá uma calcinhas de rendinhas vermelhas e queria que eu as vestisse, coisa que eu lhe disse, estás maluquinho e assim ficamos os dois a amar e desde esse única noite que a trago assim num cantinho especial de meu coração, como com todas as senhoras que me dão a alegria do seu amor intimo, de manhã já alta , almoço seria, a senhora ficou em casa a trabalhar imensos dossiers da policia e seu esposo me convidou para almoçar, no vavá, onde almoçamos em modo muito agradável, e foi assim a única vez que vos visitei a vosso convite, e a única vez até ao momento em que juntos os três estivemos

C ur is o s o, curioso entrelinhar, rendinhas , maluquinho, cantinho, coração, bt ra ba do home do ar dos si e raro seprnet da policia e s eu e spa ao osso me vavá, ag ra d ave espanhola, quase aparece uma pr o ps ota de gui ao de marca por t g ual ema a c ç ao concertada para o de sec red it ar, um negro gui ao de relações publicas com a miss sao de en v en ar e matar, estranha r es s on a n c ia

E q ua n do no lei to, o sal d anha ap ar e ceu, e f o i a o ar mário e t ro ux e de l á uma cal c in h as de ren di n h as v e r me l h as e q eu r ia q ue eu as v es ti s se, co isa q ue eu l he di s se, est ás malu q u in h o e as s im f ica mo s os do is a ama r e d es de es se única no ite q ue a t ra g o as s im num can t in h o es pe cia l de m eu co ra çao, c omo com t o d as a s s en h o ra s q ue me dão a al e g r ia do se u amor in t i m o, de manhã já al t a , al moço se r ia, a s en h o ra f i co u em c asa a bt ra ba l h ar i m en s os d os si e r s da policia e seu e spa oso me c on vi do u para al mo ç ar, no vavá, onde al mo ç amo s em modo mui to a g ra d ave l, e f o i as s im a única v e z q ue vo s v isi tei a v osso c on vi te

Não era eu menor nem coisa que se parecesse, e cada um faz amor como quiser, com quem quiser, com mutuo consentimento e dentro dos parâmetros do que trazemos nestas mateiras do amor dos corpos acordado, e resguardando sempre as crianças e velando pela sua protecção, e o que ando para aqui a perguntar, parte de um ouvido há muito tempo atrás em espirito que me disse, ele protege um conhecido abusador de menores, e de ter desde essa data em que assim o o ouvi, ficado a pensar, mas de quem é que se trata, a única pergunta é se o saldanha, o será, será quem encaixe nesta resposta

Quadrado europeu mm quadrado ei se rato com dos para metros s corp os acordado e rato espanhol ss guarda dan ase mp rato as c r ina c às e vela e s ua pr ot te são mu i ot te mp o at rá s em es pe e rito

Não e ra eu m en or ne m co isa q ue se par e ce s se, e c ad a um f az amo r c omo q u ise r, com q eu mm q u ie se r, com mu t u o c on s en tim en to e den t ro dos para metros do q ue t ra ze mo s ne s ta s mat e iras do amo r do s corp os ac o rda do, e r es s guarda n do as e m p r e a s c r ian ç as e vela n do pe l a s ua pr ot e ção, e o q ue ando para a q u ia pe r gun t ar, parte de um o u v ido h á mui to te mp o at rá s em es pei rito q ue me di s se, e l e pr ot e ge um c on he cid o ab usa dor de me n o r es, e de ter d es de es sa data em q ue as s i m o o o u vi, f ica do a p en sar, mas de q eu m é q ue se t rata, a única pe r gun t a é se o sal d anha, o se rá, se rá q eu m en ca ix e ne s ta r es posta

Agora me dizem as letras ao escreve-las, relações publicas da pi e mr pum pum , ria

Agora me di ze m as l e t ra s ao es ce r ve inglês l sas, relações p ub li cas da pi e mr p um pu m , r ia

Agora, again, me da di ze maior as das letras, ao espanhol ce rato do vaso ingles primeiro sas e r ela ça o es publicas da di vi sao e da ria dos mrpp

Parece que começa a ser respondido e a ficar esclarecido, por isso sempre não quiseste falar comigo, bom seria bom o que sempre é bom, tratar as pessoas dentro das regras, principalmente se são gentes a ela encarregue de velar e proteger e almejar, o que não deixa de ser um contra-senso daqueles com o tempo insanáveis, se não mostrar melhoria, a doença quando assim se instala, pois quem assim vai no ir da justiça, não pode, nunca, bem velar por ela, não é verdade, tão simples

Quadrado da ise se pr en te espanhola da te da a um do antonio forte co k mig circulo, do pr ie miro contra a zen se pr ente do circulo ins ana ce is mo s t a ar do tal da justiça, ta ao simples, tao simples

Par e ce q ue co me ç aa se rr es p o sn dido e a f ica r es clare cid o, por is s o se mp r e não q u ise s te af al co mig o, bo m se r ia bo mo q ue se mp r e é bo m, t ratar as pessoas den t ro das r e g ra s, pr in cip l am en te se são g en t es a e la en car r e g ue de vela r e pr ot e ge r e al me j ar, o q ue não de ix a de ser um c on t ra zen s o da q eu l es com o te mp o ins ana ce is, se não mo s t aa r me l h o r ia, a do en ça q ua n do as s im se ins tala, p o is q eu m as s im vai no ir da j us ti ç a, não p ode, n un ca, be m vela r por ela, n ão é v e rda d e, ta ao simples


Onde estão as investigações aos casos apresentados?

Onde estão os resultados, ou sereis todos vós policias e tribunais, coisa de brincar, sem mesmo saber brincar, q quem vos vergueis, que merda é esta, vem o senhor bastonário e o senhor juiz lado a lado a subir as escadas do tribunal com o senhor cavaco de permeio e põem-se a brincar em meios ditos, meios ditos de coisa nenhuma a propósito de setenta e sete almas que se forma para o ceu na Argélia!

Vaso em sn horus ba s tó na ar rio e senhor juiz ad circulo primeiro com o senhor cavaco de permeio p em mario maior oe em inglesa sé a br inca dei t os pr o p os it o de set inglês ta e set al amas, em setenta e sete, para o ceu na Argélia

Onde est ão os r es u l t ad os, o u se reis todos vó s p o li cia s e t rib una is, co isa de br inca r, se m me s mo s ab e r br inca r, q q eu m vo s v e r g eu is, q ue me rda é esta, v em o sn hor bas t ó na rio e o s en h or j u i z l ad o a l ad o a s ub i r a s esca d as do t rib una l com o s en hor c av a c o de pe r mei o e p oe m inglesa se a br inca r em mei os dei t os, mei os di to s de co isa n en h uma a pr o p os it o de set en ta e set al amas q ue se forma para o ceu na ar g é l ia!

E vem outros fazer de coitadinhos, que nem sei quem , porque nem o dizem, e o pássaro e o gato e talvez o rinoceronte, que os desrespeitou no âmbito das vossa actividades, quais? Cabe aqui em modo claro e frontal perguntar-vos, actividade, senhores pressupõem resultados, ou estaremos aqui a falar de actividades lúdicas como coçar os ditos?

Mne cir c u l di zé maior d es rei pei t circulo d vaso am bi to , fr on tal pe ra g un t ra inglês vo ac ti vi dad , pe rs s up oe m es t r emo se pr e n te lu di cas

E v e m o u t ros f az e r de co it ad in h os, q ue ne m sei quem , por q ue nme o di ze m, e o pá ss a ro e o g at o e tal v e zo r ino ce ron te, q ue os d es rei pei t o u no am bi to das vo s sa ac t iv i dad es, q ua is? C abe a q u i em modo claro e fr on ta l pe r g un t ra inglês vos, ac t iv i dad e, s en h o r es pr es s up o em r e sul t ad os, ou es t r emo s a q u ia f al ar de ac t iv i dad es lu di cas c omo co ç ar os di to s?


O que pretendem assim como vosso andar enviesado e sem nada de claro dizer, tramar um incauto, um inocente que vá a passar à mao de semear e que até dê jeito incriminar? Ou ainda arranjar uns tantos bodes expiatórios, como disse marinho, sem posses e desgracadinhos e ignorantes, para melhor servirem, os que vocês põem nas prisões, a carne para canhão e Lei feita morta nos vossos corações cobardes e cheios de medo, e dizem viver?,

O q eu pr e te den nm as s em co mo ana d ra en envi o sado se maior na ad a claro di ze rato t rama ar primeiro inc auto , primeiro ino c en te , mao ode e x pi ia tó riso como di s se marinho, e d es graça din h os vo ce s p oe maior cr ne can hão e Lei, co ra ç oe s co bar d es e che i os de medo e di ze maior vao s viver ive rato


O q ue pr e te den m as s im c omo v osso ana d r a en vi o sado e se m n ad a de claro di ze r, t rama r um inc auto, um ino c en te q ue v á a p as sara à mao de se me ar e q ue at é d ê je it o inc rimi n ar? O u a ind a ar ra n j ar un s t ant os bo d es e x pi a tó riso, co mo di s se marinho, se m p os s es e d es g rac ad in h os e i g no ra n t es, para me l hor se r vi r em, os q ue vo ce s p oe m nas pr is õ es, a c r ne para can h ao e Lei fe ira mo rta nos v ossos co ra ç o es co bar d es e che i os de med o, e di ze m v ive r?,

não sabeis que a lei é a mesma para todos?

não sabe u is q ue a lei é a me s ma para todos?

Não vos cumpre assim a vós fazer?

Não vo s c um pr e as s im a vó s f az e r?

Porventura o que veio a lume dos contornos do caso millenium, não é suficiente para a abertura de inquéritos crimes à luz das leis, querereis ser acusados de cúmplices de actos de terrorismo quando a próxima bomba rebentar, ou não sabeis que o terrorismo se financia por estas formas, não pretenderá o próprio banco, não trarão os accionistas o bom senso necessário, para eles próprios o exigir em função da necessidade de fazer a todos demonstração que as irregularidade cometidas, são apuradas, são apuradas sas responsabilidades, e que tudo volta ao normal, porque se tornou normal, e depois venham queixar-se de crises financeiras nos mercados, parvalhões, componham-se , sejam homens com coração e pensar acertado, e depois vem os pássaros dizer, que são desrespeitados em vosso fazer, mesmo e até quando para tratar dos vosso preciosos lucros, eu ainda aguardo das policias a ligação entre a morte do livechenko e o pormenor significativo e significante, que ele foi envenenado num millenium em londres, isto é um espelho, burros, uma semântica idêntica, e portanto necessariamente correlativa, serviu para quê esses fluxos, para financiar a recruta e a idealização da nova ordem, mascaradas de pretextos religiosos, e assim engodada, que culminou nas mortes em Londres? Ou o a tal marca amarela portugal, esse tal plano, qual a sua relação e a relação das viagens, vós brincais a comboios que nem mesmo sabem onde está o alvo, quanto mais a pistola e a pontaria, disparem com flores, sempre , daquelas que nascem no coração e na inteligência e no inteligir

Sufi e cie n te para in q eu ritos c rim es à luz das leis, c u mp li ce se pr en te b oma f ina cia pr o pri io ban co t ra rao a cio ni s t as pr o pr i os o e x gi rato em f un cc são da ne ce s sida d es demo da cruz do ar da são i rr e g uk l ari dad es c o met id o as, são f ina ce iras no s mercados, c o mp on ham inglesa se com cora çao e pen sar os p as saro s di ze t rat ra dos vosso preciosos lucros, a g ua r d das policias a ligação entre a morte do l ive che m k o e o si g ni f cat ivo e si g ni f i can te, l o dr es, s ema n tic a id en tid ne ce s sari e mane te id e o li g a ção da nova ordem, c u l me ino u c o m boi s co r a çao e na intel i g en cia e no in te li gi r

Por v en t u ra o q ue veio a l u me dos c on tor no s do c as o mi ll eni um, n ão é sufe cie n te para a ab e r t u ra de in q eu rito s c rim es à l uz das leis, q eu r e reis ser ac usa d os de c u mp li ce s de ac to s de te r rori s mo q ua n do a pr ó xi ma bo ma r e b en t ar, ou não s ab e is que o te r rori s mo se f ina cia por est as formas, não pr e ten de rá o pr o pr io ban co, não t r arao os a cio n is t as o bo m senso ne ce s sário, para eles pr o pr i os o e xi gi r em f un c ç ão da ne ce ss sida d e d e f az e ra todos demo sn t a r çao que as i rr e g uk l ari dad es c o met id o as, são ap ur ad as, são ap u ra d as sas r es pon sa bil i dad es, e que tudo vo l ta ao no r mal, por q ue se tor no u no r m al, e d ep o is v en ham q eu ix ar inglesa se de c r ise s f ina ce iras nos me rca d os, par v a l h õ es, co mp on ham inglesa se , se j am homens com cora çao e p en s ar ac e rta do, e d ep o is v em os pa ss ar os di ze r, q ue são d es r es pei t ad os em v osso f az e r, me s mo e at é q ua n do para t rat ra dos v osso pr e cio s os lu c ros, eu a inda a g u ard das policias a li g a ção en t re a mor te do l ive ch em k o e o pormenor si g ni f c at ivo e si g ni f i cante, q ue e le foi en v ene n ad o n um mi ll eni um em l o dr es, is to é um es pe l h o, b ur ros, uma s ema n tica id en tid a, e po r ta n to ne ce ss ari e mane te co rr e l at iva, se r vi u para q u ê es s es f l ux os, para f ina n cia ra r e c r u ta e a id e o li g a ção da n ova ordem, m as cara d as de pr e te x to s r e li gi os o s, e as s im en g o dad a, q ue c ul mei no u nas mor t es em L on dr es? O u o a t al ma rca amarela portugal, esse tal p l ano, q ua l a s ua relação e a relação das vi a g en s, vó s br inca is a co m bois q ue ne m me s mo sabe m onde es tá o alvo, q ua n to mais a pi s tola e a p on t aria, di spa r em com flor es, se mp r e , da q eu l as q ue n as ce m n o co ra çao e na intel i g en cia e no in t e li gi r

Ou que porque alguns se crêem muito poderosos porque tem dinheiro e com ele compram influencias, ou por que se dão com políticos que os cobrem a trocos vários, far-se-á então de conta que nada disto existiu até à próxima? Que algum de vos dê antes um tiro, é preferível, e livrais-vos sempre deles, se ainda vos for possível

A l g u mn s se c rato ee em p ode ro os por q eu te ma dim he e ro e com e le co com mp ram in li ên cias influências poli tico s cobre en a t roco s v árias, en tao pr ox ima al gume vo s de antes pr i me rio tiro , é pr r ge rato ive pr i me rio se emo mor e del es se a inda vo s f or p os s ive primeira

Ou q ue por q ue al g u mn s se c r ee m mu it o p ode r o os por q ue te m din he i ro e com ele c o mp ram in f l eu n cia s, ou por q ue se dão com poli tic os q ue os cobre en a t roco s v á ri os, f ar inglesa se da inglesa á en tao de conta que n ad a d is to e xis tiu at é à p r ox i ma? Q ue al gume vo s de ant es um tiro, é pr efe r ive l, e li v rai s inglesa vo s s emo re de l es, se a ind a vo s f or p os s ive l

É trago eu tambem caso pessoal, personalíssimo com vós todos, pois me trazeis o filho raptado e sujeito a tortura há mais de dois anos e a nada respondeis, por que cabeça devo começar, pela do presidente, que é quem maior responsabilidade tem em deixar andar esta bandalheira toda de país, pensai que os tempos va melhorar?, acham que já o se fez o bastante o certo e justo, para se pensar em bonança, até quando e a custo deixeis andar esta bandalheira toda onde quem se queixa, nem se pode mesmo queixar, que merda de pais é este que fazeis, assente em que, Oh cabrões, em que princípios suas bestas, não conheceis o resultado da obra torta seus diabos, e assim fazeis a cama a vossos filhos, ou o jardim radiante, cabrões, desmiolados, minhocas sem coluna vertebral, que importância terá a Deus levar umas quantas em favor de muito, quereis assim que comecemos a pensar a agir e fazer

P es so a il is s i mo r es p circulo dna bil e dad ba s tan ante re maior circulo certo e justo do rancho do bonança, para se p es n ar em bo na a ça at é de ix e es ana d ra q ua ix a o h pr in cip i os s ua s best as c one h ce e os e mo orta n cia da teresa rá a Deus, co me c emo serpente a pensar aa gi rato e a f az se rato, e o jardim todo contente a sorrir

É t ra g o eu tam b em c as o p es s o al, p es s o a i li ss i mo com vó s todos, p o is me t ra ze is o fil h o ra pt ad o e s u je it o a tor t u ra h á ma is de do is ano s e a n ad a r es pon de is, por que cab eça d evo co me ç ar, pe l a do pr es i dente, q ue é q eu m maio r r es p o dna bil i dad e te m em de ix ar anda r esta ban da l he ira toda de pa í s, p en sa i q ue os te mp os v a me l h o ra r?, ac ham q u e j á o se fez o ba s t ant em o ce r to e justo, para se p es n ar em bo n aç a, at é q ua n do e a c us to de ix i es ana d ra esta ban da l he ira toda onde q eu m se q ua ix a, ne m se p ode me s mo q eu ix ar, q ue me rda de pa is é este que f az e is, as s en te em q ue, o h c ab r õ es, em q ue pr in cip i os s ua s best as, n ão c one h ce i os o r es u l t ad o da ob ra t o rta se us dia bo s, e as s im f az e is a c ama a v ossos fil h os, o u o j ar dim ra dia n te, c a b r õ es, d es mi ola d os, min h ocas se m co l una v e r te br al, q ue i mp or ta n cia te rá a De us l eva r u ma s q ua n t as em f avo r de mu it o, q eu reis as s im q ue co me ç emo s a p en sar aa gi r e f az e r

E é assim meus senhores, preto no branco, para ser curto que paciência, já cá mora mesmo, mesmo muito pouquinho a cada dia de injustiça em que leveis meu filho e a mim mesmo, e sabeis que a questão de meu filho e minha é um bocado mais extensa, é tambem eu poder viver aqui em portugal, ou seja sem sistematicamente roubado e ainda por cima e por via, caluniado em constância e crucificado, eu sei o meu valor, vos sabeis o vosso, e conheceis o meu, sabem do que eu posso contribuir, mas sou eu obrigado a viver num pais, pois tenho cá meu filho, cujo ministério da solidariedade nem me responde? Puta que os pariu a todos, é o que claro vai em mim dentro do coração,

S en hore preto e branco para se do rato curto, q eu pac cie en cia j á ca mora me ms circulo um it o p o u q u in h oe m primeiro c ada a dia da injustiça, q eu est tao aa ind por c ima e pr v ia calu uni adão em so s tan cia fil homem do circulo , circulo vaso jo minis te rio da dol ed ad rato ie dad cora são

E é as s im me us s en hore, preto no branco, para se r curto q ue pac i en cia, j á cá mora me s mo me ms o mu it o p o u q u in h aa c ad a dia de in justiça em q ue l eve is m eu fil h o e a mim me s mo, e s abe is q ue a q eu s tao de m eu fil h o e min h a é um bo c ad o ma is e x ten sa, é tam b em eu p ode r v ive r aqui em portugal, ou seja se m sis t ema tica mente ro ub ad o e aa inda por cima e por via, calu ni adao em c os tan cia e c ru c i f ica do, eu sei o m eu valor, vo s sabe is o v osso, e c on he ce is o m eu, sabe m do q ue eu p osso c on t rib u i r, mas sou eu ob riga do a v ive r n um pa is, p o is ten h o c á m eu fil h o, c u jo mini s te riso da sol id ad r i e dad e ne m me r es ponde? P ut a q ue os par i ua todos, é o q ue claro v a i em mim den t ro do co ra çao,

E depois no meio desta tremenda iniquidade em que me trazeis, já por duas vezes portugal tremeu quando interpelei dois juizes do tribunal constitucional, e portanto é certo para mim, que um juiz no tribunal trará com constância e com outros conluiados, que provavelmente o seduziram à causa, responsabilidades no cartório, e os senhores se põem a brincar por pseudo sinais de fumo de índios da tetra que nem o são a brincar com o fogo, quem é? Qual seu nome ?, qual a relação com o espelho da imagem da Argélia, o embaixador, a quem ouvi eu em espirito o dizer, em minha glória, em minha glória, cabrões filhos da puta assassinos, em vossa profunda e eterna danação, vos no mínimo estais loucos, se a ingenuidade aqui morasse e o desconhecimento da historia do bode expiatório, cabrões, assassinos

In quadrado vao e dad v e ze serpente porto vaso gal te r e m eu t rib una primeiro c on t i t o cio na al pr ova ave e pr i me i r mn te s en hor e pe cir c u l maior os e ii d os on di os te rta br ric n ar com o f o g o Argélia, circulo em ba ix ad or, g l é ria e t rena dana são, mini mo dec o mn he cie mn to e x pei ia to rio as sas s as sin s ino os

E d ep o is no mei o d est a t r e m en da in q u i dad e em q ue me t ra ze is, j á por du as v e ze s portugal te r em eu q ua n d o inte rp e lei do is j u i ze s do t rib ua nl c on t it u cio n al, e p orta n to é ce r to para mim, q ue um j u i z no t rib una l t rá r a com c o ns tan cia e com o u t ro s c on lui ad os, q ue pr ova v el e mn te o se du zi ram à ca usa, com r es ponsa bil i dad es no car tó rio, e os s en hore se pe o m a br inca r por ps eu d os s ina is de f u mo de in di os da te rta q ue ne m o são a br i c na r com o f o g o, q eu m é? Q ua l se u no me ?, q ua l a relação com o es pe l h o da i mage m da Argélia, o em ba ix a d or, a q eu m o u vi eu em es pi rito o di ze r, em min h a g l ó ria, em min h a g l é ria, cabrões fil h os da p u ta as sas sino s, em v o s sa pr o f un d a e e t r en a dana ção, vo s no mini mo est ais lou co s, se a in g e n u i dad e a q u i mora s se e o dec on he cie mn to da h is t o ria do bode e x pe ia to rio, cabrões, as sas s as ino s

E só vos digo mais uma coisa, quando d aterra tremeu , nada eu fiz, não voltei no espaço ,não dei pinotes nem amolei minha faca, e assim sendo encaro como sinais de Deus, em mim aberto está uma questão que me reservo de fechar quando entender, de rezar mesmo para que o edifício vos caia a todos em cima, de preferencia cheio de inocentes, , cujo único pecado, foi a complacência e o compadrio e a indiferença e a falta de respeito pela justiça, para equilibrar a balança dos outros, uns quaisquer que iam ali ao fundo num autocarro, mera carne para canhão, sem valor nem significado, cabrões, trago eu ou não razão em duvidar se assim o deva fazer, a reza, o que me tenteis, o que me pedis, o que me dais neste país e neste regime de ficção de merda, perigosa acrescente-se, com a ajuda da mao vossa, qual, a quem não tem, pois são burros suicidas

Q eu tao e re r evo edi fi cio inc en t es cam p primeiro ac en cia e o mp ad rio inde efe rena ç e e re pei t ro e q u e li ba ra a balança ca hão ca b r õ es mat en te us fi cc são de me rda com a mao da ajuda

E s ó vo s di g o ma is uma co isa, q ua n do d at e r ra t r em eu , n ad a eu fi z, não vo l tei no e spa ç o ,n ão dei pi n ot es ne m amo lei min h a f ac a, e as s im s en do en ca ro c omo sin a is de D e u s, em mim ab e r to está uma q eu s tao q ue me r es r evo de f e ch ar q ua n do en ten der, de r e za r me s mo para que o edi fi cio vo s ca ia a todos em c ima, de pr efe ren cia che io de in c en t es, , c u jo único pe c ad o, f o ia cam p l ác en cia e o o mp ad rio e a ind efe r en a ç e a fa l ta de r es pei t ro pe l a j us ti ç a, para e q u i li ba ra a balança dos o u t ros, un s q ua is q ue r q ue iam a li ao f un do n um auto car ro, me ra car ne para ca h ão, se m valor ne m si g ni f ica do, c ab r o es, t ra g o eu o u não ra z ão em du vi d ar se as s im o d eva f az e ra r e za, o q ue me ten te is, o q ue me pe di s, o q ue me da is ne s te pa ís e ne s te r e gi me de fi c ç ao de me rda, pe rigo sa ac r es c en te inglesa se, com a ajuda da mao v os sa, q ua l, a q eu m n ão te m, p o is são b ur ro ss u i cida s

Quero justiça para meu filho e para mim, exijo-a outra e outra a outra vez, as que necessário, e vós como entidade colectiva, deveis-ma todos, assim trazeis o saldo comigo e com muitos, muitos ,muitos mais, e aqui tenho que meter todos, todos os calados, todos os que não tomam uma posição, não dão uma mão ao perto de ajuda

E x gi gato circulo inglês primeiro, en ted e id dad e cole c t iva d eve is inglesa m t ar se is e r n homem do cir u c l o q eu met raro e todos

Q u ero j us tiç a para meu fil h o e para mim, e x i g o inglesa a o u t ra e outra a outra v e za s q ue ne ce s sário, e vó s c omo en ted i dad e cole c t iva, d eve is inglesa ma todos, as s im t ar ze is o sal do co mig o e com mu it os, muitos ,muitos ma is, e a q u i e t n h o q ue met r e todos, todos os calados, t o d os o s q ue n ão tom am uma p o s i ção, n ão dão uma mão ao pe r to de ajuda

Quero esta merda toda esclarecida, exijo justiça, quero restituídos em sua total abrangência e amplitude face ao que as leis da republica me garante enquanto cidadão deste pais de merda, que fazeis de merda , pela merda que sois

Es cal rato cida e xi gato circulo justiça, q u e ra e a t o es ti u id os sem s ua t ot al ab ra n g en cia am pi da pi l t u de face cida dão d este pa is me ra d q eu f az ze w is de me rda , pela m rato da q eu s circulo sis

Q u ero est a me r da toda esca l r e cida, e xi g o justiça, q u ero r es ti u id os em s ua t ota l ab ra n g en cia e am pi l t u de face ao que as le is da republica me g ar ante en q ua n to cida dao deste pa is de me r da, q ue f a ze w is de me r da , pe la me r da q ue s o sis

E quero o que consta deste livro investigado por quem de direito e quem tem o dever, e isto nem é preciso ser dito face à lei, pois é uma queixa no domínio publico, e já há muito que vos expliquei isto de forma muito clara, e não pesais em ser displicentes e tentar depreciar este trabalho, que é trabalho feito em amor pelo amor, e mesmo que nas vezes os amantes possam andar desavindos, o amor e todos os amantes da luz da verdade da justiça do amor, sempre estão fazendo o amor, e nada a Ele resiste, ou ainda trazeis duvidas, quereis a sua concretização, apresento-vos quanto antes a factura, a ver se a recebo enquanto cá estais e a podeis pagar


Paulo forte

hzwepuh
homem zorro da dupla dor ep do vaso do homem

hbcyfjx
homem segundo circulo do Y , do forte do principe X