quinta-feira, junho 12, 2008

sao quase nove horas da noite, republico o texto que já aqui parecu neste preciso post e divido em duas partes, uma normal , texto corrido, outro, a resultante da negritude que nas letras se desvela, como é habito nesta tremenda guerra civel mais ou menos oculta, assim creio cada vez mais no visto, que em propriedade se deve chamar




Sâo as dezassete e vinte e cinco de quinta feira, após o dia feriado, e nenhuma, friso e repito, nenhuma resposta tive até ao momento das entidades de policia e judiciais que contactei por assuntos de crimes de sangue, mais uma vez a prova se vai fazendo que no lugar destes cargos vao as bestas, os malandros e os assassinos e os ladroes de crianças e os que os cobrem

mais clara prova que a justiça nao existe nem se faz em Portugal

bandidos , cabrões e filhos da Besta, nem presidente, nem governo nem assembleia da republica, nem procuradoria, nem policia, nem juizes , nem tribunais, todos a assobiar para o chao baixinho como se nao trouxessem vossas mãos manchadas de sangue e de iniquidade, nao tardará a resposta, vos asseguro!!!!

pensais porventura que um chinês ou um japonês , ou seja quem for , é distinto de vós, e que podereis matar impunemente?!!!!

nao conhecem a gedeao, que nos explicou que todas as lágrimas são iguais , agua e sal e que o sangue é todo um mesmo!

no dia em que os bandidos oficiais e vampiros post mortem, montam passadeiras vermelhas e bancadas e põem sapatos nos tanques, e profanam a memória e honra deste país, apropriando-se do que nao é deles, pois nem homens sao, na terra dos corações doirados, a bancada dava a perfeita imagemtinha eu aqui falado dos bandidos do ministério que estão implicados nesta tramóia, de um laço que existe com a morte de kennedy, que espelha a minha tambem, através de frança e da ligação que alguns destes trazem com ela, e exigi ao presidente que demitisse o falso homem que vai com o colar da justiça, e ali estava ele tambem na tribuna quando o presidente está a discursar sobre a necessidade dia coisas que ele próprio nao faz nem cumprea bandeira inclinada, a cruz das quinas inclinada, fora da sua normal posição é a imagem de fundo por detrás destas bestas fantoches e ladroes e bandidos, como um cruz da bestas onde as qualidades e as virtudes por desequilíbrio se encontram tortas, mais clara nao poderia a imagem falar

a cabeça do presidente é a cabeça de uma peça de um cubo vermelho que se encontra no aro da esfera armilar e que a faz assim rodar, a fazer cabal prova so seu negro papel nisto tudo,

depois por debaixo da cruz das cinco quinas, e do escudo tambem torcido e fora de seu normal eixo do bom equilíbrio, temos tres figuras , mais tres bandidos,

o da esquerda da imagem, nem o reconheço, deverá ser de viana, pois ali trás o senhor duas torres do castelo assim inclinadas pelo seu ombro, ou pela turra que seu ombro deu

sua mao fala do quarto dedo, ou será o dedo metido no quarto dos amantes, do canivete suíços, ou na suissa a atender ao que a sua calça desvela com as pernas da cadeira, na cor do lápis lazuli, ou seja da faca do canivete suíço no uk, da primeira ap do primeiro pi, da primeira divisão feita pela serpente is do la zuli,depois o juiz bandido e presidente do supremo tribunal, e mais, onde em sua casa, foi tambem desviada a correspondência, fazendo prova assim da existência, de corrupção e onde mais uma vez fui mal tratado, sem respeito por quem já vinha encomendado para tal fazer

por detrás de sua cabeça, tres circulo brancos sobre o azul do escudo da primeira cruz inclinada, feita pelas cores dos monárquicos, bem no centro do desenho do escudo que é como a unha, a unha da marca num ritual

depois o gama, mais um bandido em lugar elevado de função mal medida e mal feita e em forma corrupta na assembleia das putas, como já aqui no Livro da Vida fiz a demonstração, a sua figura desvela , o triângulo das aguas das entre pernas, e tambem de entre rios, onde os cabos que desenham a esfera armilar, se tornam faca apontada à perna do homem do supremo tribunal, como um x acto, e tudo isto parece ser mais uma história de encantar , para substituir os corações que parecem nao mais trazer, nem a inteligência nem a honra, visto que nem a lei cumprem

falava eu no video do home que leva o colar da justiça, é este senhor, o actual presidente do supremo que aparecia com ele posto em foto nao muito antiga, com os quadro dos traços de giz, os riscos que sao bela imagens de como a justiça nao vai neste pais, uma medalha com as cores italianas, que se encontra ligado com o tremor na china, como aqui quando o terminar farei demonstração, se ainda alguém a necessitar, para entender o que se passou, e que continuou no Japão, e que desvelou-me um enorme trajecto por detrás , aqui, que parece ser ao olhá-lo em seus pormenores, quase como uma guerra civil secreta que foi acontecendo, e o vaso enchendo, enchendo, até seu grande de novo transbordar

depois a cadeira livre, do que vai indevidamente nas veste de presidente e que está no cubo a falar, como é que um presidente o pode ser e cobrir actos de roubos, rapto e tortura de crianças de filhos da nação, fugira-lhe a boca para verdade de seu negro pensamento, das castas, a raça, lá aparecera a palavra em véspera, a peçonha a sair-lhe do coração

a faca triângulo por detrás do gama, que é um triângulo maçon, quem diria, rachou o escudo ao meio, e o home do supremo, ficou aleijadinho, vide, como põem seus pezinhos de bode, assim para dentroe dia ep o is , o u t ros t r es bandidos, ao l ado, set ca de e rato asa do mei circulo na f ot ro ao mo m en do to ze maior nin gato europeu maior, ingles sm, e a espanhola fera ar mila rato den ovo quadrado eu br ad circulo, dia espanhol do circulo ingles da cruz dot ra da, com s o c rates à serpente ua fr ente, de serpente ua ca da beça, sai um peda do circulo da serra do circulo do ar madura quadrado ue primeiro ogo quadrado eu br a, co mo a di ze rf da al t a intel e gen cia es ab e rp para de serpente inglesa do homem do ar uma, ar madura red circulo dn dia a g l o bal, home ave ria da vaso vi id a, ao vi s to dia est primeiro gato do ove da rna sao!

e depois, outros tres bandidos, ao lado, set cadeiras a do meio na foto ao momento sem ninguém, e a esfera armilar de novo quebrado, descentrada, com socrates à sua frente, de sua cabeça, sai um pedaço da armadura que logo quebra, como a dizer, falta inteligência e saber, para desenhar uma armadura redonda e global, haveria duvida, ao visto desta governação!

segue-se o outro bode da justiça, o que tambem sonega a própria lei aos cidadãos deste pais, mais uma casa da justiça, onde os documentos, desaparecem, e nada se passa, nem a humildade de reconhecer os erros, as trafulhices, dar a mao e prometer emendar e emendar, seus pés marcam no chao a cruz, ao lado o bernard com um caderninho na mao, e um risco de sombra sobre o vermelho, cor do sangue, da bandeira inclinada, como quem diz as letras e o caderno do risco no sangue por detrás dele, um outro na posição simétrica, ao lado do presidente, sobre o verde, onde ele se projecta em sua sombra, o presidente, a sombra no risco na madeira, história recente aqui narrada e vejo a bush na sua viagem de despedida, um mesmo caderno em sua mao trás, na outra a palma aberta, abe e rta, como quem diz, cinco, é o quinto, no ocidente se conta a partir da esquerda, o quinto é o socrates, o bandido maior que quebra a armação da esfera e faz rodar os escudos e os casteloscontudo o quinto aqui trás um outro significado e representação, um que assim é figurado como dupla unidade, a cabeça do grupo onze, que é o que vai nas vestes de presidente, pois está sua cadeira sentada e ele em pé, o mais a direita da imagem, ou seja, se contra a partir dele, chego à sua cadeira, como sendo a posição do quinto elemento, lá estamos nós outra vez no bilal, e a pedra filosofal, o que trás a pedra do quinto elemento, daí a presença de bernard, da casa encantada, e das suas ligações a frança pelo cinema, e ao bandidinho do mexia, o pedro, agora recentemente por ele apadrinhado

vos poderia julgar de muitas maneiras neste Tribunal do Espirito, vos poderia tratar em decência se a merecessem, mas vós só assim vos sujeitais porque trazeis os calos muito apertados, e sabeis vós que eu nao considero decentes nem merecedor de decência abusadores de crianças, é uma ofensa a natureza intima de Portugal, e do Quinto Império, e nao trás grande perdão, seja por omissão ou verga vergado ou que qualquer outra razão que invocais para tao tremendo comportamento

síntese no subtítulo da noticia do público que trás esta imagem, as amizades contam, pois contam tantos as acertadas como as nao acertadas, mas nao trago eu amizade com ladroes e abusadores de crianças, e terroristas e assassinos, ou deles cobridores e corruptos e bestas infeccionadas que levam vestes que desonram, nem sou eu home de deixar as coisas por metade, toda a verdade será desvelada, pela Luz do Amor, nem a justiça se compadece com as amizades , como lhes chamais, deveriam sabe-lo e traze-lo claro em vosso corações, se ainda os levassem

acham pouco o sangue dos crimes que aqui se desvela, quanto trás em sangue, cada mao!

versao das entrelinhas

sao as de dez primeira do sete e do vin te do tee maçon e circulo da inc circulo do quin da cruz af da fe ira, ap os circulo do dia fe ria dia do oe nui to en homem uma, fr is oe rato e pito, muito en home uma rato da espanhola posta da cruz iv e at é ao mo do home en do to das en ti dad es de po li cia e j u di cia is quadrado ue circulo em tac te ip do circulo do ra serpente sun cruz os dec rim espanhol de san gato da ue, mai serpente primeira vaso e za pr ova se vaso a e fazendo quadrado ue no lu gato ar dia de est espanhol cargo serpente do vao as best as do os ma lan do rose os as sas sin da casa do sino os e os primeiro ad ro espanhol dec rato ian circulo de corte da ase os quadrado ue os co br em mai clara pr ova quadrado ue primeiro principe us tiç ana oe xis te da ene ne ms e forte az em Port vaso do gal

sao as dezassete e vinte e cinco de quinta feira, após o dia feriado, e nenhuma, friso e repito, nenhuma resposta tive até ao momento das entidades de policia e judiciais que contactei por assuntos de crimes de sangue, mais uma vez a prova se vai fazendo que no lugar destes cargos vao as bestas, os malandros e os assassinos e os ladroes de crianças e os que os cobremban dido sin c ron ni s mo do ab ao ro espanhola ilha da se do fil homem os da Besta, ne m p r e si dente, ne mg ove rato no ne maior as serpente em segunda da lei a da rata e publica, ne m pr do circulo do cura da ria ane m po li cia, ne maior ju i ze serpente , ne m t rib un a is, todos a as serpentes circulo da bia rp ar a circulo chao do ba ix in homem oco e mo sena ot ro ux ess em vaso os sas mao sm anc home ad as de serpente na gata da ue e de eni quadrado do vaso e dad e, muito cruzes do ar da rá ar espanhola posta, vaso os às ds do seguro!!!!p en sa is por vaso en tura quadrado ue primeiro c h ine serpente circulo do vaso primeiro j ap on es , circulo do vaso Seja quadrado eu maior da for , é di serpente do tinto de vasp acento no circulo da se quadrado eu da p ode do rei da mata rim p un e men te da foice dos quatro pontos dos x em circulo de la maçaon cao circulo em homem do circulo da ema do ge deão, quadrado eu do no sex p li co vaso quadrado ue todas as l á grimas da são e gata ua is , primeira gata ua e do sal e quadrado ue circulo san g ue é todo um me sm circulo do ponto de e x circulo la mação
no dia em quadrado ue os ban dido serpente do circulo do fi da cia is e do v am do piros do po st mo r te m, mo muitos tam passa de ira serpentes vermelhas e ban circulo ad as e poe maria sobral sapatos nos cruz na quadrado eu s,e pr circulo da f anam am me mor ia e homem em ra dia de este da pa ís, ap ro pr iam do circulo ingles ase do que muito cao é de le serpente, p circulo is ne maior homem do ome da ns sao, na te rato ra dos cora circulo de corte do circulo espanhol do ira dia os , sa ban circulo ad a da ava ap pe rato fe ita e mage maiortinha europeia aqui forte al ado do sn bv bandidos do minis té rio quadrado ue espanhol do tao e mp li ca dia os neste da cruz do ram circulo ia, de primeiro aço que e xis te com a mor te de kennedy, at rave serpente de fr ança e da li gata da ac sao quadrado ue al gato do vaso ns dia de este st ra ze mc om el primeira, ee xi gi ao pr e si dente do quadrado da ue dia emi cruz is se circulo f al s o h omem q ue vai c omo co do primeiro ar da j us tiç a, e al e est ava el e cruz da manha na rib da un a quadrado ua muito dia do duplo circulo do pr espanhol e id dente est á a di serpente do curs do ar serpente do tam pao, ob, da rea necessidade dc circulo e sas quadrado ue el e pr circulo do pr em e ao f az ne maior do cu mp rato e
da primeira do bandeira inc lina dia da aa cruz das q u ina serpente inc primeira do ina da, forte do circulo do ra da s ua no rna primeiro da p circulo da si sao é a mage maior de f un do por de cruz do rá serpente dia espanhola cruz as best as fan to che e spa n hil se e primeiro ad ro espanhol e bandidos, co mo primeiro da cruz da best as onda as quadrado ua li dad espanhol sea serpente vi rato da cruz do vaso dia espanhol e por de si q u i li br io se en circulo em cruz ram cruz orta serpente, maior si clara n cao pp ode ria a e mage maior forte do al ar

ac do segundo corte de la do pr e si dente é a primeira do ac da beça de uma p eça de um cubo vermelho quadrado eu da se inglesa do circulo em cruz do ra no ar circulo da es fera ar mila rato e quadrado ue primeira af forte az e as si maior ro dia ar, a f az e rc ca bal pr ova serpente do circulo da serpente da europeia gato do ro pa ep primeiro ni serpente to tudo,
dia da ep do circulo do is por de ba ix circulo da cruz das c inc o q u ina se do espanhol cu dot da am e segundo em tor cid oe do forte circulo do ra da serpente eu do no rato maior primeiro e ix circulo do bom e q u i li br io, te mo serpente da cruz espanhola do forte espanhol do vaso uguru as , maior si da cruz do ratos dos espanhóis bandidos,

o da esquerda e mage maior do, nemo rec em homem do circulo do corte do dia da eve rá ser de viana, p circulo isa do li da cruz do rá serpente do circulo do serpente ingles hor do as do to rr espanhol do castelo e as si maior inc lina do dia as p elo serpente europeia om br circulo, circulo onze do vaso do pe da primeira turra quadrado ue serpente eu do om br circulo de vaso sua mao fala do quarto dedo, circulo do vaso da se rá, circulo dedo met id circulo no quadrado do ua rt circulo dos am ant es, doc ani vasp e vaso da cruz serpente do vaso do iss circulo, ou na suissa em inglesa ra do circulo do quadrado ue as ua cal ç a dia espanhola vela com as pe rna s da ca de ira, na cor do primeiro a pi serpente da primeira az u li, circulo do vaso seja da f ac a do circulo da ani vaso da te serpente do vaso iss circulo do no uk, da pr e me ira da ap do pr e me i ro pi, da pr e me ira da di da visao fe ita pe la serpente is da primeira zuli,

dia ep circulo is circulo ju i z bandido e pr e si dente do s up r emo t rib un al, a nl, q ue n ao me r e cebi, r e ce bu do h ome m do cebi , e mai s onda em, sua casa, si ua cas, f circulo i ta m b em dia es vi ad aa co rr es pond en cia, fazendo pr ova as si m da e xis tem cia, e xx is ten cia, de co rup sao e onda mai s uma v e z f u ima l t ratado, se m r es pei to por q eu m j á vinha en comenda do para t al f az e rpor de t ra s dia es ua do ca da beça, cruz rato espanhol do ll do circulo do primeiro do branco ss do tam pao do reo azul do espanhol cu do dia ap rim e ria da cruz inc primeira ina da, fe ita do pe do primeiro as do co rato espanhol dos mo n ar quico sb segundo em no c en t ro do de serpente inglesa do homem do circulo do escudo do quadrado eu que é co do mo da primeira unha, a unha da ma rca no primeiro ritual
dia ep circulo do is, circulo do gama, mai serpente primeira bandido em lu gato do ar el eva do de forte un sao mal med id a e maior al da fe ita e em forma do co rr vaso da pt a na as serpente em segunda lei a das putas, circulo omo princesa á aqui no Li vaso do ro da Vi da f iza demo ns cruz da raçao, as ua do fi gato do ur ao primeiro dia da espanhola vela , circulo do tt rin da gula das aguas da serpente entre pe rna se da cruz da am segunda em entre rios, onda os ca bo serpente do quadrado ue dia espanhol e inglesa ham a espanhola fera do ar mila rato da, se do tor rn da manha do forte ac a ap em cruz ad a à pe do rna do homem do omem do serpente da elevação rato emo st rib un al, co mo do primeiro x do ac to, e tudo is to par rac e ser maior si vaso da ms homem hp is tó ria da inglesa da can cruz do ar , para serpente tam pao e ub serpente titu iro s do cora sao circulo de corte espanhol do quadrado ue par e circulo em n cao maior si da cruz do ra ze rato rn da ema da intel e gata inglesa cia muito ema do homem em ra, do vi s to quadrado ue da inglesa ema da lei do cu do mp rato emf al ava europeu no vi de circulo do home quadrado ue primeiro rp da eva circulo co l ar da ju s tiç a, é este serpente inglesa hor, do circulo do ac tua e primeiro do pr es i dente do s up r emo q ue ap ar e cia com el e posto em f oto muito cao mui to na ti gata a, c om os quadrado da ua dr do circulo dos t ra ç os de gi zo serpente dos riscos no quadrado eu da sao be la e mage ns dec circulo mo primeira ju s tiç ana circulo v a e neste da pa is, uma med alha com as co rato espanhola ita l ian da ns, quadrado eu da se inglesa do circulo em cruz do ra li gado com ot rato emo rn a china, co mo aqui quadrado ua muito do o te rato da mina ra ao fa rei demo serpente da cruz da raçao, se primeira inda al gato do vaso da ema ne ce serpente sitar, para da inglesa ten do dia ero q ue se passo ue quadrado eu do conti nu circulo un circulo j a p ao, e quadrado ue dia espanhol do vaso e lou da inglesa me primeira do ingles de or me da cruz do ra zorro do ject circulo por de cruz rá serpente , aqui, quadrado ue par e ce ser ao circulo primeiro home á do traço ingles dez em se us por homem ingles do circulo do rato espanhol, quadrado do vaso mn da ase c omo da primeira guerra c iv il secreta quadrado europeu do forte circulo do iac em tec en dia do oe circulo vasp as circulo do ingles che do en dia do circulo do ingles che muito, é serpente eu g rande den ovo cruz ra ns bor dia ar

dia da ep circulo da isa do ca de ira li vaso red circulo quadrado ue vaso primeira em devi damen te nas da vaso este de pr e si dente e quadrado ue est a primeira do no cubo af al ar, como é quadrado ue primeiro do pr ess sin de teo p ode ser e cu br e rac to serpente de ro ub os, ra pt oe tor vaso da cruz ad e circulo rato ian ç as de fil homem os dana sao, forte e vaso do g i ra inglês do primeiro a b oca para vaso e rat dad e de serpente eu do ne g ro pen sa men to, das castas, ar a ç a, primeiro á ap ar e ce ra a pala vaso ra em vaso espanhola pera, ap e ç oe maior homem aa sair do traço ingles do primeiro do cora sao pe ç on home do ingles to

a f aca cruz da ria ab gula por de cruz do ra serpente do gama, quadrado ue é primeiro da cruz da ria ab da gula maçon, quadrado europeu mna maior di ria, rac homem do circulo do vaso escudo ao meio, e o home do serpente da el eva sao da p r emo, fi do co vaso ua da lei jade di n homem co circulo do castelo de vide, co mo do poe ms se us pe zorro em homem os de b ode, as e mp para den cruz ro
e dia ep o is , o u t ros t r es bandidos, ao l ado, set ca de e rato asa do mei circulo na f ot ro ao mo m en do to ze maior nin gato europeu maior, ingles sm, e a espanhola fera ar mila rato den ovo quadrado eu br ad circulo, dia espanhol do circulo ingles da cruz dot ra da, com s o c rates à serpente ua fr ente, de serpente ua ca da beça, sai um peda do circulo da serra do circulo do ar madura quadrado ue primeiro ogo quadrado eu br a, co mo a di ze rf da al t a intel e gen cia es ab e rp para de serpente inglesa do homem do ar uma, ar madura red circulo dn dia a g l o bal, home ave ria da vaso vi id a, ao vi s to dia est primeiro gato do ove da rna sao!
se gato eu do traço da inglesa se oo vaso da cruz do ro de bode da ju s tiç a, o quadrado ue da cruz da manha segunda em son ega a pr circulo do pr ia da lei aos cida do espanhol dia este pa is, maior si da primeira c asa da ju s tiç a, onda os doc vaso primeiro do home ingles kapa espanhola, do to os , doc ue mn cruz os, dia esa par e ce me muito ad ase passa, muito ema homem do vaso mil dad e de rec one homem circulo cc ero se rato rosas cruz raf vaso primeiro homem ice serpente, da ra mao e pr circulo me t e r em en dia ar ee maior en dia ar, se us p é serpente ma rca maior no chao a cruz, circulo do ur do ze, ao primeiro ad oo be rna rato dc om primeiro ca de rato nin homem do circulo na mao, e primeiro r isco de serpente do om bras, circulo do b reo vermelho, cor do san g ue, da bandeira inc da primeira do ina da, co mo quadrado eu maior di za serpente e primeira cruz ra se circulo ca de rato no do risco no san g ue por de t rá s dele, um outro na p o si sao si met ric a, ao primeiro ado do pr e si dente, serpente do tam pao, ob, reo verde, onda el e se pr circulo do ject primeira em serpente da ua serpente do om br a, o pr e si dente, as om br ano risco na m ad e ria, h is tó ria rec da inglesa te aqui na rr ad a garo

eve jo ab us homem na serpente ua vi primeira gata em de dia espanhol ped id a, primeiro me s do mo ca de rato no em serpente au mao cruz rá serpente, na o u t ra a palma ab e rta, abe e rta, c omo quadrado eu maior di zorro, circulo inc circulo, é o quin to, no ocidente sec em cruz aa par tir da esquerda, o quin to é os circulo do soco c rates, o bandido maior quadrado ue quadrado europeu e br aa arma sao da espanhola fera e forte az do ro da ros do escudos e os do cas telo serpentes au mao, da p lada, lama e abe e rta , em palma, nas c aná ria serpente

s au mao, da p lada, lama e abe e rta , em palma, nas canáriascont vaso do circulo quinto aqui cruz rá serpente primeira do c ur c y l o do vaso da cruz ro si gn e f ica dia oe rato da ep rato espanhola san cruz ac sao, primeiro do quadrado ue as si mé do fi g ur a do co mo dia up la uni dad e, aca da ca do beça do gato rup circulo onze, quadrado ue é circulo quadrado ue vaso ai na serpente do vaso este s de pr e si dente, p circulo is est á serpente ua ca de ria s da inglesa cruz ad a e el e em pé, circulo da ma si a dia e rei ta da e mage mo vaso seja, sec em cruz dot ra a par tir de e, che ego à serpente ua ca de ira, circulo omo serpente inglesa do ap circulo da sic si sao do quin to el em en to, primeiro á est amo serpente dos nós do circulo do vaso da cruz dot ra vaso e zorro no bi l al, e a pe d ra filo serpente do circulo do f al, o quadrado ue da cruz da rata da asa da ped ra do quin to el é o home ingles do to, da í a presença de be rn ard, da c asa en can cruz ad a, e da ss ua serpenet do li g a ç o es * À fr n aça p elo cin ema, e ao ban didi n h o do me x ia, o pedro, agora rec da inglesa te, mn te por el e ap ad rin h ad o
vaso os pp ode ria ju primeira do gato do ar de mui t as maior da ane ira serpente neste T rib un al do Es pi rito, v ´ serpente do circulo da p ode ria cruz ratar em dec en cia sea mer e circulo ess em, maior serpente do vó ss ó as si maior vaso os serpente do vaso da ju de je ita si por quadrado ue cruz ra ze is os cal os mui to ap e rta dia os, e s ab e is vó serpente quadrado ue e un cao do co ns id ero dec da inglesa te serpente ne maior mer e ce da dor de dec da inglesa da cia do ab usa dores de c r ian ç as, é uma circulo forte ingles sa a nat ur e za em tim a de Port u gal, e do quin to do império, en cao da cruz do rá s gato da cruz do ande pe rato da dao, seja por circulo miss ao o ue r g ave rato do gado ou quadrado ue quadrado rea primeiro vaso do quadrado europeu do ro do vaso da cruz do ra rato az cao quadrado ue em vo cais para tao cruz rato mendo co mp orta men to

sin te seno si bi t vaso do primeiro circulo da no tic a do pub primeiro cio quadrado ue da cruz ra serpente do est a e mage maior, as ami za dia espanhol circulo em tam, p circulo is c on tam cruz ant circulo sas ac e rta dia as co mo as n cao ac e rta dia as, mas n cao cruz rago europeu ami za de com primeiro ad ro espanhol e ab usa dores de circulo da ria sn ç as, e te rr ori cruz ase as sas sino serpente do circulo uk vaso do primeiro espanhol co br id dores e co rr vaso do pt do circulo da se best as em forte al cio muito ad as quadrado ue da primeira eva am vaso est espanhol do quadrado ue dia espanhol son ram, ne ms circulo do vaso europeu home de dia e ix ra as coias por met ad e, toda ave rato dad e se rá dia espanhol do vaso e primeiro ad a, pe primeiro a Luz do Amor, muito ema j us tiç ase co mp ad e ç e com as ami za dia espanhol , c omo primeiro homem espanhol do circulo do homem ama is, dia eve rato iam sabe do traço inglês do primeiro oe da cruz do ra ze do traço inglês dez ca do primeiro ro em vaso osso cora ç o es, se a inda os primeira eva ss em acha m p o u co o sangue dos crimes que aqui se d es vela, q ua n to t rá se m san g ue, c ad a mao!


e j kapa do x primeiro dia kapa x dk
t gn x f vaso
b k bus
e z b n i x

ae x u circulo
kapa xo vaso n
fl t n b x v d

forte da w rato da kapa e zorro primeiro homem

principe primeiro y circulo da cruz segunda, ot b
Ontem, e continuando e concluindo este pedaço da analise da imagem hoje

On t em, e conti n ua n do e c on c lu indo este ped sao da ana lise da i mage m h oje

Saí agora na volta de meu final de tarde, uma criança vinha berrando contente pela rua acima, e quando nos cruzamos me disse, ganhámos por tres a um, sabendo eu que hoje era dia de jogo, nem dele me dei conta, a cidade vazia meia assim está, algumas buzinas, alguma boa disposição em alguns a passar e pouco mais, um certo contentamento misturado com uma certa indiferença

sa í Agora na vo l t ad e me u f ina l de t arde, um ac r ina ç vinha be rr and o c on t en te pe la rua ac ima, e q ua n don os c ru za mo s me di s se, gan h á mo s p o r t r esa um, sabendo eu q ue h o je e ra dia de jogo, ne m dele me de i conta, a cidade v a z ia meia as si m est á, al gum as b u z ina s, al gum a boa di s p o si sao em al g u ns a passa r e p ouco mai s, uma ce r to c on t en tamen to mis tura do com uma ce rta inde fe ren ç a

Antes de sair , abrir ao calhas quanto calhas o volume do Jung que trouxera para a minha mesa, abriu-se na pagina trezentos e quarenta, um nome saltou logo a vista, mayer, maria joão mayer, sendo portanto um das que está implicada na minha crucificação , por altura da mao direita, um relaçao dele com nova yorque certamente tambem.

Antes d e sa ira ab r ira o calhas q ua n to calhas o vo l u me do y un g q ue t ro xe ra pr aa min h a mesa, ab riu da inglesa se na pa gina te r zen toze q ua renta, um no me sal to u l ogo a v i sta, mayer, mar ia jo a oma y e r, s en do p orta n to um das q ue est á i mp li ca da na min h a c ru xi fi caçao , por altura da mao di rei ta, do primeiro da relaçao dele com n ova y o irq y e ce rta m en te t am b em.

Vejo agora com atenção, o texto e o que ele me diz, se tratava de um embuste assim começa a pagina, e muita coisa boa se podia ser realizada com ela, mes mer ofereceu a sua arte à ciência, tambem fez escola, mas não levou bastante em conta que, desde que existe ciência, existe tambem uma casta imorredoura que se coloca no topo mais alto da ciência, sabe tudo muito melhor do que qualquer outra pessoa e que , de tempos em tempos, protege a humanidade contra certos erros perniciosos. Ela nos protege contra crendices como: que o planeta Júpiter tem luas, que meteoros podem cair do espaço, que a febre puerperal é causada pelas maos sujas e que o cérebro tem estrutura fibrosa. A casta tambem protegeu a psicologia durante oitenta anos, contra a descoberta do hipnotismo desprezando o “ magnetismo animal” de mesmer... apesar da constante zombaria, os numerosos livros saídos da pena de JUSTINUS; KERNER; ECHEN MAYER; ENNEMOSER; HORST e outros... e LIÈBEAULT que nos anos de mil oitocentos e sessenta fez a tímida experimentação de publicara um livro sobre o assunto, ficou a edição estocada junto ao editor durante vinte anos


Vejo Agora com a t en sao teo x t oe o q ue el e me di z, se t rata v ad e um em b us te as si m co me ç a a pa gina, e mui ta co isa boa se po dia ser real iza d ac c om el a, mes mer o fe r e ce ua s ua arte à ci en cia, t am b em fez es c ola, mas n ão l evo u ba s t ante em conta q ue, d es de q ue e xis te ci en cia, e xis te t am b em uma ca st a omo r red o u ra q ue se c olo ca no top o ma si al to da ci en cia, s ab e tudo mui to mel hor do q ue q ual q u ero u t ra pessoa e que , de te mp os em te mp os, pr ot e ge a h uma ni dad e c on t ra ce r to s e rr os pe r ne cio s os. E la n os pr ot e ge c on t ra c ren di c es co mo: q ue o p l ane eta j u pi ter te m lu as, q ue met e or os p ode mc a i r do e s ap ç o, q ue a fe br e p eu rp e ra l é c a usa da pe l as maos sujas e q ue o cérebro te m est ru tura fi briosa. A c asta t am b em pr te g eu a ps o cilo g ia duran te o it en t a ano s, c on t ra a d es co be rta do h ip no t is mo d ep r es and oo a spa s ma g ne t is mo ani na l da spa de mês mer... ap e sar da co sn t ante zo m ba ria, os nu m ero s os li v ros sa id os da p en a de J US TIN US; K E R NE R; E CH EN MAYER; ENNE MOSER; H O R ST e outros... e LI È BEA U L T q ue no s ano s ded e mil o i toc en t os e se ss en ta fez a t i mida e x pe ri e mn taçao de pub l cia r um li v ro s ob reo as sun to, fi co ua edi ç ao s es toca d a j un to ao edi tor duran y te v in te ano sw serpente

Estes são os nomes em letra capital neste pagina, ao lado temos ainda

DESSIR FOREL; MOLL;VOGT; VON SCHRENCK_NOT_ZING e WSLDSTEIN; WALDSTEIN rei

Pego nos primeiros nomes de seguida e assim neles leio

J us t in us do ponto da gula do vi kapa e rn da ne do rato do ponto da gula do vi do e che n, ou seja do che en da mayer, en ne nemo emo da moser, mise r, do ponto da gula do vi dao homem do circulo do rato ds serpente da cruz e outros, do t r e ce i ro circulos do li da mentira da bea do vaso do angulo da cruz q eu en no serpente ano ded e

E junto os outros na página seguinte, de es ess sir f or el do ponto da gula da moll do vo gato da cruz da gula do von do sincronismo do ch ren da ck do under score do not underscore do zing e duplo vaso da serpente do angulo ds stein do wald ds do stein, serpente da te em rei

Ou seja um provável relaçao da mayer com ny via franceses

Estes são os no mes em l e t ra capital neste pa f do sargento deitado g ina, ao l ado t emo sa inda

DESSIR FOREL; MOLL;VOGT; VON SCHRENCK_NOT_ZING e WSLDSTEIN; WALDSTEIN rei

P ego no s pr i mei ro s no mes de se guida e as si m nel es lei s o

J us t in us do ponto da gula do vi kapa e rn da ne do rato do ponto da gula do vi do e c h en, ou seja do che en da mayer, en ne nemo emo da moser, m ise r, do ponto da gula do vi dao homem do circulo do rato ds serpente da cruz e outros, do t r e ce i ro circulos do li da mentira da bea do vaso do angulo da cruz q eu en no serpente ano dedo

E j un to os o u t ro s na pá gina se gui ny te, de es ess sir f or el do ponto da gula da moll do vo gato da c r z u da gula do von do sincronismo do ch ren da ck do under s o c red o not un de r sc o red o z inglês e d up l o v as o da serpente do angulo ds st e indo w a l d ds do st e in, se rp en te da te em rei

O u Seja um pr ova ave l da relaçao da mayer com ny via fr anc e se serpente

De madrugada caminhando pela rua, um só carro negro ao passar, assim acrescentou a este fio da história, o homem do sessenta e nove é o principe de noventa e quatro, ou seja da capital europeia de cultura, mais um bandido assim desvelado e confirmada num breve passar

De madruga da caminha n do pe l a rua, um s ó car ro ne g ro ao passa ra s si m ac r es c en to ua este fio da h is tó ria, o homem do sessenta e nove é o p rin c ipe de noventa e quatro, o u Seja da ca pi t al eu ro pe ia de c u l tura, mais um bandido as si m d es v e l ad oe c on firma d an u m br eve passa rato

Nessa noite, a de antes de ontem, ao ver e analisar o video, comecei a reparar no reflexo azul que primeiro se desvela no joelho direito ou rotula, e depois corre por cima de outras partes do corpo quando este se vai movimentado,

Ne s sa no ite, a de ant es de on t ema o ver e ana liza ro vi de o, co me seia ia r epa r ar no r e f l e x o az u l q ue pr i me i rose d es vela no joe l h o di rei to o u r ot u l a, e d ep o is co rr e por c ima de o u t ra s pa r te s do corp o q ua n do este se v a i movi e mn t na dia do circulo uk

E reparei que a posição da seta do cursor, do Windows , a branca, se encontra na mesma posição, ou seja no mesmo eixo e na mesma inclinação angular, e que em termos da dimensão da forma, ela encaixava na perfeição, dentro da proporção e tamanho do triângulo azul inclinado, na dimensão em que trazia dessa vez o player ao ver o video, trazia em rezise manual bem como centro do ecrã, pois em tamanho maior, começara de repente a entupir na reprodução, parando a imagem diversas vezes, na rádio ao preciso momento, vasco graça moura, era entrevistado na feira do livro, e eu me disse, cá está um dos malandros desta pseudo clique de bandidos da pretensa cultura e terroristas, recordei de imediato uma das ultimas vez que o vi, entre duas belas meninas apoiado, na sala do d maria, na altura do tal negro teta das encenações, das cabeças de touros postas nas paredes, um delas com uma mascara cirúrgica, agora ali estava ele se queixando muito como de costume, sobre o acordo ortográfico, e coisa e tal menos tal, e eu a pensar apara mim, este bandido é então o responsável por me terem alguns sectores, os do psd e da direita, congelado diversos vezes ao longo dos anos, assim o video reagira ao aparecimento da sua voz, ou seja melhor dizendo, assim a correlação das diferentes energias configuradas, acontecia naquele preciso momento e assim desvelava

E r epa rei q ue a p o sic sao da s eta do c urso r, do w indo ws , a br anca, se en c on t ra na me s ma p o si sao, o u seja no me s mo e ix oe na me s ma i mc lina sao na inglesa do gular, e q ue em t r e ms o da dimensão da forma, el a en caixa ava na pe r fe i sao, den t ro da pr o porcao e t ama n h o do t ria ab bn gula azul inc l ina do, na dimensao em q ue t ra z ia de ss ave zo p l ayer ao v ero vi de o, t ra z ia em r e z ise manu la b em co mo c en t ro d oe c ra, p o ise m t am anho maior, co me ç ar ad e r ep en tea en t u pi r na r ep ro du sao, pa ran do a i mage m di v e r sas v e ze s, na rá di o ao pr e c is o mo m en to, vasco graça moura, e ra en t r e v ista dona fe ira do li v ro, e eu me di s se, cá est á um dos ma l na dr os d est a ps eu do c l i q ue de dan dido s da pr e t en sa cu l tura e te rr ori t as, recorde id e i me da it o uma das u l tim as v e z q ue o vi, en t re du as be l as me ninas ap oi a d o, na sala do d maria, na al tura do t al negro t eta das en cena ç oe es, das ca beça s de to ur os p os t as nas pa rede s, um de la s com uma mas cara cir ur gi ca, Agora al i est ava el e se q eu ix ando mui to co mo de co s t u me, s ob reo ac o r do orto gráfico, e co isa e t al m en is t al, e eu a pen sar ap ar a mim, este bandido é en tao o r es ponsa ave l por me te r em al g u ns sec tor es, os do psd e da di rei ta, c on gelado di v e r s os v e ze sao l on g o d os ano s, as si m o vi de o r ega iara ao ap ar e cie mn to da s ua v oz, o u seja mel hor dizendo, as sima co r relaçao das difer en t es ene r gi as c on f uguru ad as, ac on tec ia na q eu l e pr e c is o moe mn to e as si m d es v e lava

Encaixava a seta branca do cursor no traingulo azul, assim eu ia brincando com ela à medida em que o video via e se entupia, e de repente me dou conta que uma dentro da outro desenha um perfeito triângulo isósceles, ou seja que estou perante um maçon, com um esquadro de escolinha antiga, ou seja de desenho e desenhar, o cabrão que andou a fazer muitos maus desenhos, como agora se desvela nos cortes das palavras, até vulcões e tudo, espantoso, sua besta, em que a voz em que o ouvia na rádio, bem desvelava, como ia tramendo por dentro e como trás dentro de si, a perfeita consciência de seus negros actos e várias avariadas vilezas, sua besta pretensa intelectual dos versos alexandrinos como exercício de estilo de mentes ociosas e perigosas em seus ocios, a laia de dedicações, e agora tupi, aqui a aparecer já por duas vezes e me recordo da história de um india tupi que fora deportada num aeroporto

En caixa ava a s eta br ana do curso r no t r ian gula az u l, as si m eu ia br inca can do com el a à me dida em q ue o vi de o v ia e se en tupi a, e de r ep en te me do u conta q ue uma d en t ro da outro d es en h a um pe r fe i to t r ian gula is os celes , o u Seja q ue es to u pe ra n te um maçon, com um es q ua dr o de es co lin h a an t i ga, o u Seja de d es en h oe d es en h ar, o c bra o q ue ando ua f az e r mui to s mau s de s en h os, co mo Agora se d es vela no s cortes das pala v ra s, at é v u l co es e tudo, es pan t oso, s ua best a, em q ue a v oz em q ue oo u v ia na rá di o, b em d es v e l ava, co mo ia t ram en do por den t ro e cono t rá s d en t ro de si, a p er fe ita co ns ciencia de se us ne g ro s ac to ze v ária s ava ro ad as vi le za s, s ua best a pr e t en sa in tele cut al dos versos al e x and rino s co mo e x e fr c is o de est i lo de m en te s o cio sas e pe rigo sas em se us o cio sa l aia de d e di caçoes, e Agora tupi, a q u ia ap ar e ce r j á por du as v e ze se me record o da h is tó ria de um india t u pi q ue f o ra d e porta d a nu m ae ro do porto

No visionamento , um x apareceu, e se relacionou com o do bar do rá de circulo de oitenta e nove, assim se desvelou por detrás da imagem cortando os signos dos nomes dos documentos que estão no desktop

No vi sio n am en to , um x ap ar e ceu, e se r e la cio no u com o do v bar do rá de circulo de o it en at e nove, as si m se d es v e lou por d e t rá s da i mage m co rta n do os si gn os dos no mes dos doc eu mn to s q ue es tao no d es k top

A seta encaixa tambem em perfeição num outro triângulo , o triângulo azul do botão que indica em português, a reprodução, que passa de duas colunas, ou seja grupo onze, dupla unidade, pausa, para reprodução, dois vasos um dentro de outro, inclinados, como um sargento inclinado, dois traingulos, isósceles, um no outro metidos, um esquadro , de um esquadro, ou seja de um desenho de um maçon, o home do boato e uma outra ressonância pelo nome, o graça, o paulo graça, tambem aqui em parte já na história

A s eta en caixa t am b em e m p e r fei rc sao n um outro t r ian gula , o t r ian gula az u l do b ota o q ue indica em port u guesa r ep ro du sao, q ue passa de du as co l un as, o u Seja g rup o on ze, d up la uni dada, p a usa, para r ep ro du sao, do is v as os um d e ny to de outro, inc i luna d os, co mo um sar g en to inc l ina do, do is t rain gulas, is os celes, um no outro met id os, um es q eu dr ado , de um es q eu dr ado, ou sej ad e um de s en h o de um m aç on, v o home do boa to, e uma o u t ra r ess on a cia p elo no me, o graça, o paulo graça, t am b em aqui em par te j á na h is tó ria

A seta no cursor corresponde ao triângulo azul no joelho direito, o homem na radio, o video entupido na reprodução, ou seja i que me cortou a fluidez do movimento, o graça moura, a história do toiro infectado

A s eta no ciu r sor co rr es ponde ao at r ina gula az u l no joe l ho di rei to, o homem na ra di o, o vi de o en t u pido na r ep ro du sao, o u seja i que me co rt o ua f lui dez do mo vi m en to, o graça moura, a h us tor ia do toi ro in fe cta d o

Seu macaco cabra, veja lá se não perceber esta lingua dos fractais portugueses de portugal, das múltiplas camadas dentro das camadas dos signos, diga-me que o irei ensinar a prisão!

S eu m a caco cabra, Veja l á se n ão pe r cebe r est a lin g ua dos f r ac tais , das mul ti p l as cam ad as den t ro das cam d as dos si gn os, di g a inglesa me q ue o i rei en sin ar a pr isa o!

De novo aqui aparece a manu, a manu era uma rapariga muito bela a meus olhos, coisa que não é difícil, pois muito vem eles a beleza em todas as suas múltipla e infinitas gradações, que um dia chegou a lisboa para vir estudar, sei isto porque um tarde estive num quarto que ela alugara em casa de alguém , nem me recordo onde, a conversar, para que as bestas não começem já para aí em negro a imaginar, e que fui encontrando pela noite nos bares e discotecas, estaríamos em finais de oitenta e uma noite de verão acabou um grupo em casa de meus pais aos olivais, e a manu lá esteva acompanhada por um rapaz, que nem me lembro o nome, mas que era ali de alvalade ou do arieiro, e um grande malandrim, e que depois se tornou uma espécie de bêbado crónico, e nessa manha, na cozinha estavam todos nus, a manu, disse que estava com frio , eu lhe disse que sabia como aquece-la e assim a sentamos com sua complacência e agrado, pois todo isto era uma brincadeira a brincar em cima da chapa electrica do fogão por uns breves segundos e obviamente com a chapa no mínimo, até que a rapariga deu um ahhh, e de lá saltou e nos todos nos rimos muito, ela inclusive, encontrei o rapaz muitos anos mais tarde, e em veio dizer, sabes com quem que a manu casou, eu que não, que geralmente nao sei, a não ser quando me convidam para os casamentos, que minha vida trás sempre outras ocupações, e o que eu quero e desejo é que quem case seja sempre muito feliz, como fulano de tal, que também me entrou por um ouvido e saiu por outro, e nem sei mesmo como creio que nunca o soube, qual o nome verdadeiro da manu, que deve ser manuela qualquer coisa de qualquer família, mas a ideia dessa conversa com o rapaz entremelado, era que ela tinha feito um bom casamento, entendendo o bom, no sentido de se casar com alguém importante, e rico e por ai fora, puta que so pariu a todos, menos os que em amor e por amor se casam, ora, está esta história em mim, pois me parece que estes bandidos em certo ponto antigo, deverão ter feito uma inversão sobre esta inocente história e brincadeira, e a posto ao contrário, ou seja feito um sessenta e nove, e se calhar dizerem mesmo que a rapariga ficara queimada, que era prova como eu mal tratava as meninas e por ai fora ao infinito torto, das bestas que mentem, para e como lhes dá jeito, nos seus jogos de poder e de crucificação, aqui fica a linha pois ela agora de novo apareceu, e relacionada com esta outra bestinha, talvez sejam os dois casados ou mesmo amantes, e se são pervertidos, que morram rápido,

De n ovo aqui ap ar e cea m un u, am anu e ra uma ra pa riga mui to be l aa me us olhos, co isa q ue n ão é di fi cia l, p o is mui to v em e l es a beleza em todas as s u as mul tp pi a l e in fi ni t as g ar da ç o es, q ue um dia che g o ua lisboa para vi r est u d ar, se i is to por q ue um t arde est iv e n um quarto que e la a lu g ar a em c asa de al g eu m , ne m me reo r do onda, a o cn v e r sar, para q ue as best as n ão co me ç em j á para a í em negro a i mag gina ar, e q ue f u i en c on t ra n do pe l a no ite nos bar es e di s co tecas, est aria ms o em f ina is de oitenta e uma noite de vera o ac ab o u um g rup o em ca sa de me us p a isa os ol iva ise a manu l á es t e v a cao mp anha d p o rum ra p az, q ue ne m me l em br o on o me, mas q ue e ra al i de al vala dd e o u do ar i e i r oe um g ar n de ma lan dr rim, e q ue d ep o is se torno uu ma es pe cie de be ba do c ró nico, e ne s sa manha, na c oz in h a est ava m todos n us, a ma nu, di s se q ue est av ac om fr io , e i u l he di s se q ue s ab bia co mo a q eu ce da inglesa l a e as sima s en t am os com s ua co mp l ac en cia e a g ra d ap o is todo us to e ra uma br inca de ira a br inca r em c ima da ch pa el e c t ric a do f o g ao por u ns br eve s se g un do ze ova iam que mente e com a c h ap ano mi ni mo, at é q ue a ra par gi a de u um a hhh, e de l á sa i ue nos todos no s rim os mui to, en c on t rei o ra p az mui to s an os mai s t arde, e em veio di ze r, s ab es com q eu m q ue a ma nu ca s o u, eu q ue não, q ue r ge ra l e mn te n º a º o seia n ão ser q ua n do me c on vi dam para os c asa m en t os, q ue min h a vi da t rá s se mp re o u t ra s o u cp aç o es, e o q ue eu q u ero e d e sej o é q ue q eu m c ase Seja se mp r e mui to fe l i z, co mo f u l ano de t al, q ue t am be mn me en t ro u por um o u vi do e as i u por o u t ro, e ne m se i me sm o co mo c rei o q ue n un cao s o ub re, q ual o no me vera de i ro da manu, q ue d eve ser manu e la q ual w q eu r co isa de q u q l q eu r f a milia, masa id deia de s sa c on v e r sa c om o ra p az en t r em e l a do, e ra q ue el a tinha fe i to um bo m c as am en to, en t en den do o bo m, no s en ti do de se ca sar com al g eu m i mp orta n te, e ric oe por ai f o ra, p u t a q ue so par i ua todos, m en os o s q ue amo r se ca sam, o ra esta est a h is tó ria em mim, p o is me par e ce q ue est es ban di do s em ce r to ponto ant i g o, d eve ra ot te r fe i to uma in v e r sao s ob re es ta ino c en te h is tó ria e bric na de ira, e a p os to ao c on t rá rio, o u seja fe it o um sessenta e nove, e se calha r di ze ram me s mo q ue a ra pa riga fi cara q eu i mad a, q ue e ra pr ova como eu ma l t rata v aa s me nina se por ai f o ra ao in fi ni to t orto, das best as q ue m en tam, para e co mo l h es d á k je i to, nos se us j ogo s de p ode r e de c ru x i fi caçao, a q u i fi ca a linha p o is el a Agora de n ovo ap ar e ceu, e r e la cio n ad a c om est a o u t ra best in h a, t alvez se j am os do is ca sd os ou me s mo am ane ts, e se são pr e r v e r tid os, el a inc lu s iv e, q ue mor ram ra pido, se ria m eu v oto, a manu ,muniu, o u seja c on to u e l a pr o pr ia por en comenda ce rta mente a h is tó ria ao c on t rá rio, as si mé m anu, q ue se te vir h o je me sm o, ne m ms e i te r e c one h ce r, d eve ss e riu ma puta g o ra da e fe ia e al da br on a e te us fil h o se ra o todos m en tir ossos à t ua i mage me i ra o ter pr ob l ema s na v id aa c on t ad o q ue t aa o b em ma l l h es en sin as te, se as si m f o r


Antes destes apontamentos sobre a visao da seta e do esquadro, por assim chamar, estão umas notas que tomei de um artigo do paulo teixeira sobre futebol aparente ou aparência de futebol, outro, falava ele da formaçao, quatro x dois x tres x um, o que é forma estranha de designar uma esquadra pois está sempre faltando o um , o guarda redes, se ainda sei somar,

Ant es d es t es ap on tamen t os s ob rea visao da s eta e do es q ua dr o, por as si c h ama, es tao uma s n ota s q ue tom a ie de um ar ti g o do paulo teixeira s ob re fu te bo l ap ar en teo u ap ar en cia de f u te bo l, o u t ro, fala v a el e da for maçao, q au t ro x do is x tres x um, o q ue é forma est r ana h de de se iga n r uma es q eu dr a p o is est á se mp re f al tan do o um , o g ur ad a red es, se a id dna sei s o mar,

Ora se dispormos os jogadores desta forma, obtemos uma cruz tripla
Ora assim sendo , desenhei, uma cruz que é composta pelo que está sozinho, coitadinho à frente, o tal chamado de ponta de lança, ou ponta na lança, ou lança da ponta que na cruz corresponde ao ponto onde geralmente se coloca o nome de Deus numa tabuleta com quatro letras

O ra se de is por moso s jo gado r es d es t a forma, ob te mos uma c ru z t ri p la
O ra as si m s en do , de s en he i, uma c ru z q ue é co mp posta p elo q ue est á s u z in h o, co ita din h o à fr ente, o t al c h amado de p on t a d e lança, o u p on t ana lança, o u lança da ponta q ue na c ru z co rr es ponde ao ponto onda ge rale mn te ze c olo ca o no me de D e us n uma t ab u l eta com q ua y t ro l e t ra s

Depois a vertical, , passa pelo meio dos dois em linha atrás do que está à frente, e dos quatro que estão em baixo, pressupõem-se a defender, e prolongamos ainda a linha do barrote vertical como se entrasse na cova para se poder manter vertical e em pé e temos um outro ponto , o guarda redes, tudo isto desenhado em planta, ou seja visto a quarenta e cinco graus de cima em relaçao ao plano da horizontal, o que logo faz um outra cruz entre o plano do solo e o d a cruz,

D ep o isa v eri cal, passa p elo mei s o dos do is em linha at rá s do q ue est á à fr w en te, e dos q ua t ro q ue es tao em ba ix o, pr ess u poe m da inglesa. se da sea defender, e pr olo g am os a inda a lib h a do bar r ot e v e r tica l c omo se en t ra s se na c iva para se p ode r man te r v e r tica l e em p é e te mo s um outro p on to , o guarda red es, tudo is to de s en h ad o em p l anta, o u seja vi s to a q ua renta e c inc o g ra us de c ima em relaçao ao p ç l no do h ori zon t al, o q eu l ogo f az um o u t ra cruz en t reo p l ano do s olo e o d a cruz,

Depois ao lado desenhei, juntando cada um dos da linha do meio, com os respectivos dois da linha de baixo, e obtenho assim de cada lado da viga vertical da cruz, dois traingulos de fogo , ou sej, os dois traingulo que erigem a cruz, a partir do ponto do guarda redes ricardo, um circulo entre duas cruzes deitadas cada uma para seu lado que representa a baliza, como um cursor, de movimento, por exemplo de controlo de som, ou direcção no player informática qualquer que seja, continuando na representação em planta, claro está, guarda redes ricardo, na altura do anterior campeonato

D ep o isa o l ado de sem he i, j un ta dn do c ad a um dos da linha do mei o, com os r es pe c u vo s do is da linha de ba ix oe ob te mn ho as si m de c ad a l ado da vi g a ve r tic al da cruz, do si t rain gulas de fogo , ou sej, os do is t rain gula s q ue e r e g ema cruz, ap ar tir do p on to do guarda red es ricard o, um cir cu lo en t re du as c ru ze s dei t ad as c ad a uma para seu l ado q ue r ep r es en t aa bal iza, co mo um curso r, de mo vi e mn to, por e x e mp l o de c on t rolo de som, ou di rea sao no p l ayer in for mat tic a q ual q eu r q ue s seja, conti n ua n do na r ep r ess en taçao em p l anta, c l at o est a´ guarda red es ricard o, na al tura do ant te rio r c a m pe on a to

Depois transformei os numeros em figuras e obtenho assim, o quadrado do x do percentil, ou seja da divisão, o dois, o segundo, do tres que são tres um , ou seja do cento e onze, da divisão do x primeiro, o circulo do x primeiro do ricardo, sem luvas, e sendo que percentil, está sempre tambem ligado com crianças, pois é terminologia de médicos, verdadeiros ou abusadores,

D ep oi s t ra sn f o me i os nu m erro s em f ii g ur ase ob te n ho as simo quadrado do x do per c en til, o u seja da di visao, o do is, o segundo, do tres q ue são t r es um , o u seja do c en toe on xe, da di visao do x primeiro, o cir cu l o do x primeiro do ricard o, s em l uva se seno d q ue per c en til, est á se mp r e t am b em li gado com cir ança s, p o is é te r mino l o gi a d e me ´ dc is os, v e r dad e i ro s o u ab usa dor es,

A posição do nono , de quem ocupa o vértice do triângulo de fogo da lado esquerdo da cruz, o que amplifica o primeiro triângulo da esquerda, o elevador que encaixa um vaso num outro vaso maior, dragonas de sargento, a serpente argenta, a capa da historia do sargento e da adopção

A p o si sao do nono , de q eu m ocupa o ve r tic e do t r ian gula de fogo da l ado esquerdo da cruz, o q ue a mp li f ica o pr i me rio t r ian gilo da esquerda, o el eva dor q ue e mn caixa um v as o n um o u t ro vaso maio r, dr g a on as de sargento, a se rp en te argenta, a cap a da h is to ria do sargento e da ad pc sao

Esquerdino, sadino, handicap, golfe, o golfe do sado, o pe ru do ponto do com do bar do rá da serpente do bar de oitenta e nove, o sessenta e nove, da tríade do sexto, este que agora na ultima visao se desvela, ligados aos esquadros, ou seja maçon

Es q eu r dino, s ad ino, h andi cap, g o l fe, o gofe do sado, o pe ru do p on to do com do bar do rá da se r pen te do bar de oitenta e nove, o sessenta e nove, da t riade do sex to, est a e q ue Agora na u l tim a vi sao se d es vela, li gado sas os esquadros, o u Seja maior aç on

Vai continuando....

cb s l t

w c jo mu z

rb ac m bil