domingo, agosto 10, 2008

A flor da selva, em cima do moinho vermelho de café, que como a senhora precisou, no restaurante do freixo, viera de um outro lado, uma estranha caneta como uma alavanca na parte de cima estava inclinada como espada erguida, a sua tinta eram grãos de café,

A f l o rda se l v a, e m c ima do moinho vermelho de ca fé, q ue co mo a se en hor ap rec is o un o restaurante do fr e ix o, viera de um o u t ro l ado, uma est ra anha can eta co mo uma al avanca na prat e dec ima est ava inc l ina da co mo es pada e r guida, as ua tinta e ram g ro es de ca fé,

Na madrugada das águias, que a senhora africana me mostrara em suas vestes amarela e negra, ou seja uma bela sol de pele negra, ficara a olhar para o montra, um barril, dos piratas, estava encostado a um vaso transparente de cactos, como dizendo, o barril dos piratas, tornou o vaso dos cactos transparentes, boas notícia certamente, uma foice pequena de ceifeira antiga por cima, e um peneira de aros metálicos, completava o arranjo da montra

Na ma dr ua gado das a gui as, q ue a se en hor a af rc ian ana me mo s t r ar a em s u as v est es am ar e la e ne g ra, o u seja uma be la sol de pele negra, fi cara a ol h ar do para do circulo do mo n t ra, primeiro barril dos piratas, est ava en co ns t ado norte sul vaso t ra sn parente de c at os, co mo di zen do, o bar r i l do s pi rata s, tor no u ova s o dos cat os t ra sn parentes, boa s no tica i ce rta mente, um foice pe q eu na de ce i fe ira ant i gap o rc ima, e um p e n e ira de ar os met primeira do circulo de corte de dez do cos serpente


Nessa mesma rua bastante mais adiante, quase sobre a ponte sobre a infante santo, das pastelarias manaus, da cobra, da cimitarra, do desejado encarcerado dentro dos prédios, da ca sas, do prédio do joe berardo, das tais instalações da transportadora das danças de noventa e seis das cargas nacionais e internacionais, do prédio da senhora da lassie e do simao, os cães, descobria eu em dia recente, que a gaby, a gabriela que comigo na latina trabalhou e que penso que agora trabalhará na tvi, ali mora, assim a vi ao longe um dia a entrar, gaby se reflectira tambem na rua ao lado da colina em salema, uma placa rectangular com uma seta apontava a entrada da colina quando ali pelo lugar em volta li o que aqui relatei, a simetria da queda com o pai de maddie, a imagem com os jovens angulo saxonicos e outras informações, em dia mais recente em frente a casa da gaby, ali estavam na montra, uns punhais tibetanos ou lado do restaurante do Nepal, ou seja das historias das montanhas, ou e o espirito me disse que tu senhora minha amada, já os tinhas visto tambem, masi uma vez pelo preço a indicação remetia para o grupo onze, assim um deles rezara a meus olhos quand o vira

Ness a me sam rua ba s t ante masi ad da di ian te, q u ase s ob rea ponte s ob rea infante santo, das pa s tela ria serpente de manaus da cobra, da c i m it ar ra, do de seja do enca rc e ra do den t ro dos pr é di os, da ca sas, do pr é di o do joe berardo, da serpente tais i ns t ala ç o es da t ra ns porta dora das dan ç as de n ove en ta e se is das cargas anc i on a ise in te rna cio na is do pr é di o da s en hor a da lassie e do simao, os cães do cae espanhol, de sc ob ria eu em dia rec en te, q ue a g ab y, a g ab rie la q ue co mig on a l at ina t ra bal dez ue q ue pe sn o q ue agora t ra b alha rá na tvi, ali mora, as sima vi ao dez m ge um dia a en t r ra, g ab y se r ef l e c t ira t am b em na rua ao l ado da co l ina em sal en a, uma p l aca rec tan gular com u ms s eta ap on t ava a en t ra dada co l ina q ua n do ali pe dez l u g ar em vo l tali o q ue aqui r e la teia si met ria da queda com o pai de madalena, a i mage mc om os j ove en ns a gn g dez s ax oni co se o u t ra s in for mações, em dia mais rec en te em fr ente ac asa da gaby, ali est ava am na mo n t ra, u ns p un ha is ti bet ano s o u l ado do r es tua ra n te do n e pal, o u seja da s hi s tori as das montanhas, o ue o es pei e rito me di s se q ue tu s en hor a m in h a am ad a, j á os tinha s vi s to t am b em, masi uma v e z pe dez pr e ço a in di caçao r e met tia para do circulo do gato do rup do circulo do onze, as si m um de le s r e zara a me us olhos q ua muito d ove ira

A flor da selva era parte do símbolo da porta á qual o espírito guiara pela noite meus passos em salema, a flor do ca da fé por debaixo do mar, da vela sufi, da roda da vida que no mar pela lua deitada debaixo da quilha como um onda se punha a rodar, e que foi descrito neste capitulo em texto anterior relacionado com salema, antes da morte do senhor do pin cliff, ou do pi em cliff, o richard, sendo que um cantor no algarve mora há muitas luas, e um outro richard se relaciona com outro que estranhamente desapareceu nos ares num voo, e que ainda não foi encontrado

A flor da ase elva e ra pa rte do s im segundo falo da porta á q ual o es pei rt to gui a ra pe la no ite me us passos em sal ema, a flor do ca da fé por de ba ix o do mar, da ave da vela serpente eu fi, da roda da vida q ue no mar pe la l ua deitada de ba ix o do ki da ilha co mo primeira onda se p unha a ro da r, e q ue f o id es c rito neste ca pi t u dez em texto ant e iro r e la cio n ado com sal ema, ant es da mor te do s en hor do pi n c l i ff, o u do pi em c l i ff, o richard, s en do q ue um cantor no al g ar vaso e mora h á mui t as l ua ase primeiro do outro richard se r e la cio naco m o u t ro q ue es t ra n h am en mente te de sap rec eu no s ar es n um v oo, e q ue a inda n cão f o i en c on t ra do

O símbolo da flor da selva, repercute-se em seu vestido, bela senhora de meu coraçao, nas duas cores preto e branco em que as trás falando de irao , do iraque e carta forjada a saddan, que ainda nem tempo tive para ver em pormenor que eventual carta se acusa seu país e a sua presidência ter feito

O s im b olo da flor da se l v a, r ep e rc cute do traço da inglesa se em s eu v es tid o, be la s en hor a de meu cora sao, nas do as co r es preto e branco em q ue as t rá s fala n do de ira o , do ira q ue e ca rta fr jade aa s ad dan, q ue a inda ne m te mp o t ive para ave rem pr ome no r q ue eve en tua l ca rta se ac usa seu pa is e s ua pr e si den cia te rf e i to

Por baixo de si nesse mesmo artigo, almajadin, e uma outra frase sua, o tempo se esgota para o irao na questão nuclear, almajadin, parece estar a frente de um folha canadiana, inclinada, com se tivesse a bandeira em posição vertical, a sua frente uma bola negra com um wind shield, e ao lado um cubo em aresta disposto amarelo, com um vaso duplo invertido em seu topo, um livro de pernas para o ar, um livro amarelo que estava disposto, ou que fora disposto de pernas para o ar

Por ba ix o de si ness em es mo a rigo, al maja din, e uma o u t ra fr ase s ua, o te mp o se es g ot ra pr ao o irao na q eu es tao nuc lea r, a l maja din, par rec e ce est ar a fr en te de um f o l h a c ana dina, inc l ina da, com set ive s sea bandeira em p os i sao v e rt ti ca l, a s ua fr en te uma b ola ane g ra com um w in ds hi e l d, e ao l ado um cu bo em ar e sat di s posto am ar e ele de dez, com um vaso do up dez in v e rid oe ms eu topo, um li v ro de pe rna s pa ra o ar, um li v ro am ar e dez q ue est ava di s posto, cantor vaso quadrado da ue forte do circulo uk do ra di s posto de pe rna spa ra circulo da ar

E saberá senhora de meu coraçao, que andam muitos a pescar à volta do canada e de gentes canadianas, sobretudo depois de alguns eventos relativos a salema se terem dado, que ainda não estão aqui no Livro da Vida, e consequentemente das navegações que eu fiz nessa onda, digamos assim, pela internet, assim se põem os pescadores a pescar, muitos deles a incriminar, outros com vista a que neste desvelar da verdade do acontecido em seu todo, se preparam e preparam as chamadas vendas a dinheiro, as trocas, eu te dou este em troco daquele, e por aí fora num comércio de almas que muito tem de infernal, e que eu meu ver, e no ver de todos os que são amantes da justiça, muito dano lhe faz, nem resolve o que há de resolver


E s abe rá s en hor ad e me u cora sao, q ue anda z am mui to sa pesa car à co l t ado can da e de g en te s c ana diana s, s ob r e tudo d ep o is de al g u ns eve en to s r e l at ivo s asa l ema set e rem dad o, q ue a inda n ão es tao aqui no Li v ro da V id a, e co ns e q u en te mn te das n ave g ac ç o es q ue eu fi z ness a onda, di g am os as si m, pe la in te rn net, as si m se poe emo s p esca dores a p es car, mui to s de le sa inc rimi ina ar, o u t ros com v ista aqui do quadrado eu da te de s v e l ar da v e rda de d o ac on tec id o em s eu todo, se pr epa ram e pr e pa ram as c ham da s v en da sa din he iro, as t roca s, eu te do u este em t roco da q eu le, e por a í f o ra n um com + e rc cio de alma s q ue mui to te m de in fe rn al, e q ue eu me uve reno v e r de todos os q ue são am ant es da j us to çam u i to dan o l he f az, ne m r e sol ve o q ue h á de r es sola ave rato

Estou contudo certo senhora, que nenhum de nós trará precipitação nestes complexos e por vezes delicados assuntos, e se eu como socrates digo que sou cidadão do mundo, e não só de Atenas, tambem não trago eu relaçao com assuntos nucleares no irao, que me façam sentir de algum modo falta de tempo, e de igaul modo trago eu assuntos com o nuclear em seu todo, ou sej visto no mundo em seu todo, ainda agora deve ter aparecido por cá a westingale ou outra pois de repente se levantou de novo uma campanha pelo nuclear, no mesmo tempo, quatro acidentes nucleares aqui na europa se deram, as noticias praticante nem os referenciaram, tal é a culpa e a estupidez assassina de quem as faz, e num dos casos os lençóis friáticos foram contaminados, e todas elas possuem um grau de perigo muito maior do que fizerem em rodapés crer, só o tratamento de que foram alvos, essa certeza fala, ora aqui temos nos o custo da actividade de alguns, pois o nuclear e o petróleo não são caminhos de Deus nem da Luz nem do Amor, nem salvaguardam a vida e tempo gostaria eu de ter para explicar tudo isto em pormenor a todos os Amantes do Mundo para que não restasse duvida, se é que ainda alguma resta, mas entre duvida e Luz vai sempre uma extensão, pois a Luz forte é travão da asneira, acrescente-se travão eficaz

Es to u contudo ce rto s en hor a, q ue en ne h um de nós t r a rá pr e cita sao nest es co mp l e xose por v e ze s deli ca do s as sun to se see vaso do c omo do socrates di g o q ue s o u cida dao do mundo, en cão s ó dea at en as, t am b em n cão t rago e vaso da relaçao com as sun to s nuc do ler es no ira ao, q ue me f aç am s en tir de al gum modo f al ta de t e mp oe de igaul modo t rago eu as sun to sc om o nuc lea rem s eu todo, o u se j vi s to no mundo em s eu todo, a inda agora de eve te r ap ar e cid o por c á a w es t in gale o u o u t ra p o is de r ep en te se l ava n to u de n ovo uma cam p anha pe dez nuc ler ano me s mo te mp o, q ua t ro ac id dentes nuc ler es aqui na eu r opa se de ram, as no ti cias pr ta i ca mn te ne mo s r efe ren cia ram, t al é a cu l pa e a est up pide dez zorro as sas sin ad e q eu m as f az, en um dos casos os l en ç o is fr ia tic s f o ram c on tamina do se todas el as po s su em um g ra u de pe rigo mui to maio r do q ue fi ze rem em roda p es c r e r, s ó o t rata men to de q ue foram alvo s, es sa ce rt te za do fala, o ra aqui t emo sn os o c us to da ac t iv id ad e de al g u ns, p o is o nuc lea reo pet ro leo n cão são caminho sd e De us ne m da L u z ne m do Am or, ne m sal v a guarda dam a v id a e te mp o g os t raia eu de te rp para e x p l i car tudo isto em pr ome nora todos os Am ant es do Mundo para q ue n cão r es tasse du v ida, se é q ue a inda n al g y u j ns r es tam as en t re du v ida e Luz v a ise mp r e u ma e x t en sao, po isa L u z forte é t rava o da as ne ira, ac r es cent e do traço da inglesa set rato do vao e fi do circulo az

Depois vejo-a senhora em outro pequeno video onde o senhor lhe pergunta qual dos belos rapazes do cinema das estrelas mais lhe toca o coraçao, e quase que vos juro que vos vi mesmo no final a corar, o que é sempre bom sinal do coraçao, um dos nomes, é de um belo rapaz de quem eu tambem gosto pelo seu ar de menino doce e me remete por tabela para condi, um nome que muito ressoa na facas das minha letras aqui nest livro da vida, condi, de conde da di, ou de uma di, e dou, por em minha estante estarem lado a lado e saídos um pouco da linha das lombadas, dois vídeos, um o talentoso mr ripley e ao lado, terapia de amor, em mim uma frase no espírito me trás com muitas outras em preocupação, liberta a lassie, e se bem que aqui em veja por extensão ou contracção de trela, melhor dizendo, de repente a bela uma me aprece ter traços de lassie, que é cadelinha das nossas infâncias que socorre com um barril, os náufragos nas montanhas, assim sempre recordo e trago as lassie deste mundo em meu peito, e um conde da di, em dia recente pelas pérolas no pulso aqui entrou, a dar por assim dizer, provimento a esta possibilidade, se estas dias lombadas me foram por mao alheia, a puxadas para fora de minha estante, a provar masi uma vez que por aqui entram como lhes calha sem pedir a necessária autorização, a seu lado está ainda um outro publicado tambem pelo jornal ds bandidos, com o tal belo rapaz, cujo segundo nome me remete para Washington, onde o espirito me desvelou, uma serie de belas meninas que eu trago em meu coraçao, e que apareceram nas revistas da nossa, deles, selecção, a dos bandidos do dn, serem todas do clube do duplo deus de Washington, por detrás na contra capa, tres palmeiras, ainda não vi o filme, mas consta que é uma história que se passe na baia da florida, e uma mulher com quem ele secretamente se encontrava, anne marai, interpretada pela saraa lathan aparece morta e de repente tudo o que parecia ser , deixa de o ser, ou sej temos aqui um belo baile de mascaras de salão e de véus, certamente, e tambem certa a bela eva mendes, do elenco fazer parte, out of time, que é uma frase que eu não gosto mesmo nada, e que sempre acho profundamente incorrecta e cega face a natureza da vida e do viver, e que não se deixa de repercutir na sua em relaçao ao irao. , trás esta copia o numero de registo, segundo set de sessenta e oito, donde de novo francês, o segundo do duplo circulo do quadrado do co do pi primeira de oitenta e oito , treze estrela, quando todas as evidencias o incriminam, é seu subtítulo em português, ao denzel, que não é ele mas o policia que aqui ele representa, familiar estória muito tentada em relaçao à minha própria pessoa, se bem que eu não seja policia


Dep o is v e jo do traço da primeira inglesa s en hor a em outro pe q eu no vi de o onda o s en hor l e hp e r gun ta q ual dos be dez s ra paz e sd circulo do cie en ma d as estrelas mais l he toca o co raçao, e q use q ue v os j ur o q ue v os vi me s mo no f ina l a c o ra ro q ue é se mp r e b om sin al do co raçao, um dos no mes do be dez ra p az de q eu me u t am b em g os to, pe dez s eu ar de me nino do ce, r e met epa ra condi, um no me q ue mui to r ess o ana f ac as das min h a l e y t ra sa ki nest el iv ro da v id a, e o du p o rem min h a est ante est a rem l ado a lada esa id os um po u co da linha da s l om b ad as, do is v id e os, um o t al en t oso mr rip ley e ao l ado, te ra pi a de amo rem mim uu ma fr ase no es pei rt tome t ra sc om mu it as o ur rta se mp reo cup sao, libe rta a l as si e, e se b em q ue aqui em veja por e x t en sao o u c on t raçao det r e la, mel hor di zen do, de r ep en te a b e la uma me ap rec e t r e t ra ç os de la ss ie, q ue é cade da linha da sn os sas inglesa fnac ia s q ue soco r rec om primeiro barril, os nau fr ago s na s mo n t anha sas si m se mp r e rec o r do e t rago as l as sie de st e mundo em me u pei to, e um conde da di, em dia rec en te pe la s p ero rolas no p u l s o aqui en t ro ua da r por as si m de ize rp rov i men to a est a p os sibil id ad e, se est as dias l om ba da s me f o ram por mao al he ia p ux ada spa ra f o ra de min h a est ante, a pr tovar masi uma v e z q ue por aqui en t ram co mo le h s calha se m pe di ra ne ce s sária au tori zz aç sao, a se u l ado est á a id dna o um o u t ro pub l ica do t am b em pe dez jo rna l ds bandidos, com o t al be dez ra p za, c u jo se gun do no meme r e met e p epa a ra de w as hi in g ton, onda o es pei e to me de s v e lo u, uma se rie de be la s me ninas q ue eu t rago em me u co raçao, e q ue ap ar e ce ram nas r e v ista sd ano s sa, del es, sele cc sao, a dos bandidos do dn, se rem todas do c l u be do d up dez de us de w as hi gato ton, por det rá sn a c on t ra c ap at r es palmeiras duplo gula do vi da primeira da id dna n cão vi o fil me, mas co ns ta q ue é uma h os tó ria q ue se passe na baia da flor rid a, e uma mule h rc om q eu m el e se sec creta mente se en c on t rava, anne ma rai, in t r e pet rada pe la sara a la t h an ap ar e ce mo rta e de r ep en te tudo o q ue par e cia se r , de ix a de o se ero u sej t emo s aqui um be dez baile da ilha de mas caras de sal ao e de v e us, ce rta mente, e ta m b em ce rta a b e la eva m en de sd o el enco f az e r p arte, o u to forte do time, q ue é uma fr ase q ue eu n cão g os to me s mo n ad a, e q ue se mp r e ac h o pr o fun damen te inc o rr e cta e c ega face a nat ur e za da v id a e do vo ove r, e q ue n cão se de i z xa de r ep e rc cut tir na s ua em relaçao ao irao. , t r as est ac o pi a o nu m ero de r e gi s to, se gun do set de se s senta e oito, don de d en ovo f ra n c es, o se gun do up dez circulo do quadrado do co do pi primeira de oitenta e oito , treze estrela, q ua n do todas as e v id en cia s o inc rim inam, é s eu s ub titu dez em pro tu gi es, ao d en ze l, q ue n cão é el e maso policia que aqui el e r ep r es neta, f a milia r es tó ria muito t en t ada em relaçao à mim n h ap do pr o p ria pessoa, se bem q ue eu n cão seja da poli cia


Senhora minha de meu coraçao, sabeis vós que eu jurei como a senhora em outro modo o terá feito , a paz e a defesa dos povos, de todos sem excepção neste momento difícil do mundo, e assim o sabe meu coraçao que o vosso tambem assim trazeis, como mui certo dizeis, está vosso pais mais seguro, mas mais seguro não se traduz na impossibilidade de novos ataques serem bem sucedidos, e tambem folguei em ouvir e acompanhar as recentes noticias que dao conta do que se mudou em termos de inteligência, e tambem do fecho de determinada unidade ou se preferir projecto neste âmbito ligado às vossas chefias militares,

S en hor a min h a de me u co rc de corte elevado cao, s ab e is vó s q ue eu j ur eri co mo a s en hor a em o u t ro modo o ter á fe i to , a p az e a de fesa dos p ovo s, det o do s se m es cep sao neste mo m en to di fic i l do mundo, e as simo s abe me u cora sao q ue ova ss ot ota am b em as si m t ra ze is, c omo mui ce rt o di ze is, est á v osso pa is mai serpente do seguro, mas mai s seguro n cão set ra du z na i mp os sibil id ad e de n ovo s at a q u es se rem b em s u ce dido se t a am b em fo l ge i em o u vi r e ac mp anha ra s rec en te s no tic ias q ue dao conta do q ue se mu do ue m te r mo sd e intel i gen cia, e t am b em do fe c h ode det r emi minada uni dad e o u se pr efe r i r pro ject o neste am bi to li gado às v os sas che fi as mi l ita r es,

Pois eu acredito senhora, como sei que o acredita tambem que proteger os seus é a melhor forma de a todos proteger, pois a protecção é só uma , e o mundo redondo e religado como sempre teve e foi e é e será

P do circulo da ise do vaso do ac red it to serpente da en hor a, co mo se e quadrado da ue do circulo do ac red ita cruz da manha e segunda em quadrado ue pro te ge ero serpente da se us é a mel hor forma dea todos pro te ge rp o isa por tec sao é s ó uma , e o mundo red do circulo do dn do e rato e li gado co mo se mp pr e teve e forte do circulo uk ee é e se rá

Depois existem guerra e actos de guerrear, alguns com suporte em ordens escritas ou verbais sujeitas a códigos de honra, e deveres de reserva, umas traçáveis , outras nem tantos, a sujeito de diversos pretextos que os homens quando decidem as guerra sempre trazem e construem, como as da segurança e do velho e ultrapassado e perigossimo paradoxo, que a segurança melhor se estrutura no segredo do que no conhecimento que por extensão de natureza, e transparente e obriga à nudez, e toda esta mudança de paradoxo, mao se faz como todos sabem de um dia para o outro e sem sobressaltos, e também abemos que nas vezes para guerrear, se necessário inventam, como aconteceu em tempo não muito ido sobre as armas de destruição maciça, e folgo eu em saber das mudanças tambem neste plano que tem corrido na América

Dep o is e x iste m guerra e ac to sd e g eu rr e ra, al g u ns com s up orte em ordem ns es c rita s o u v e rb a is u je ita sa co di go sd e hor a, e de v r es de reserva, uma t ra ç ave is , o u t ra ns ne m t ant os, as u je i to de di v e r s os pr e te x ts o q ue os h ome n ns q ua n do dec id ema s g eu e r ra se mp r e t ra ze me co ns t eu me, co mo as da segur ança e dove l h oe u l t rp passado e pr i g os simo para do xo, q ue a segur ança mel hor se e x t ru tura no se g red o do q ue no c on he cie mn to q ue por e x t en sao de nat ur e sa, e t ra sn parente e ob riga à nu dez, e toda esta mu dança de para do zo, mao se f az co mo todos s abe m de um dia para o outro e s em s ob r e sal to ze t am b e ms ab emo s que nas v e ze spa ra guerrear, se ne ce s sari o in v en tam, co mo aconteceu em te mp o n cão mui to id o s ob rea s ar mas de d es t rui sao massi çae f o l go eu em s ab e rda s mu danças t am b em nest epa l no q ue te m c o rr id o na ama e irc a

Curioso, parei um instante a escrita, e fui a janela e vi uma estrela cadente a cair em angulo demasiado fechado e perto para o seu normal, ao fundo, ao palácio da ajuda, com um torre verde, e em reflexo nas janelas do prédio duas luzes vermelhas da ponte de alcantara reflectidas, como uma outra que vi em salema, e que era assim distinta das do ceu, e sobre a qual o espirito me deu uma indicação precisa, de sua proveniência, semelhantes estas a outras, como as que uma noite relatei ter tres visto, e que me conduziram os passos nessa noite, uma delas a um amigo em precisão, a do Algarve trouxe uma assinatura precisa, efeitos especiais da di noventa e tres

Cu rio osso, pa rei um i sn t ante a es c rita, e f u ia j ane la e vi uma est r e la ca dente a ca i rem em gula dez de ema si ado fe cha do e pe r to para o s eu no r m al, ao fundo, ao p l ac io da ajuda, com um tor r eve r de, e em r efe l xo nas jane la s do pr e di o do as l u ze s vermelhas da ponte de al can tara r e f l e c tid as como uma o u t ra q ue vi em sal ema, e q ue e ra as si m di s tinta das do ceu, e s ob rea q ual o es pi rito me de u uma indica sao pr e cisa, de s ua pro vini ne cia, se mel h ant es eta sa o u t ra sc omo as q ue uma no ite r e la te it te rt r es vi st ro, e q ue mec em quadrado do vaso do zorro iram os passos ness a no ite, uma de l as a um amigo em prec isa o, ado al g rave t ro u xe uma as sin at u ra pr e cisa, efe i to s e spe cia ia sd a di no v en ta e cruz rato e zorro

Depois existem outras forma de guerrear, entendido guerrear em seu sentido lato, desde a matança de gentes desprotegidas, ou sem meios de se proteger, até assassinos selectivos, que se fazem nas vezes em forma menos traçáveis, do que um bala, ou uma poeira de antraz, que ontem se estendia a meu olhar, por tres territórios, dois deles , a Escócia e as casinhas em estacas sobre o mar, no sudeste asiático, mas certamente que isto tudo o sabeis tao bem ou mesmo em parte melhor do que eu, mesmo que sejam ainda possibilidades em vez de provas substantes e substantivas, se é que elas existem ou podem mesmo existir nalguns destes casos, a não ser quando caught in the rapture, as common sense say, e se bem que o homem se matou, o que não deixa de reverbar, em recente escutado no espirito , que apontava para a dedução que se não se tivesse ido, provavelmente todos cairiam

D dep o is e xis teo u t ra s forma de g eu r rea ren t en dido g eu r rea rem s eu s en t ido l at o, de sd e a mata n ç a de g en te s de s pro te gida s, o use m mei os de se pr ot e ge ra té as sas sino s sele c t ivo s, q ue se f az em nas v e z se m forma m en os t ra ç ave is, do quadrado ue primeira bala, o u uma poe ra dean t ra x, q ue on te ms e es sn te id aa me u olhar, por t r es terri tor is o, do is del es , a es co cia e as c asa in h as em est aca s s ob reo mar, no sudeste a si at tico, mas ce rta em t ne q ue is to tudo o s abe is tao b em ou me ms o em p ar te mel hor do q ue eu, me s mo q ue se j am a inda p os sibil id ad es em v e z de pr ova ss ub s t ant es e s ub s tan t iva ss e é q ue el as e xis t emo u p ode m me s mo e xis tir n al g u sn de st es casos, a não ser q ua n do c au g h t in t h e ra pt ur e, as com mon s en se sa y e se be m q ue o h omem se mato u, o q ue n cão de ix a de r eve rb ar, em rec en te es cut ado no es pi rito , que ap a on t ava para a id deia q ue se n cão se t ive s se id o, pr iva v l e mn te todos ca i riam

E depois no meio disto tudo, a investigação destes assuntos, é como todos sabem muito complexa, e ainda agora um advogado dizia com parte de sua razão em razão, que determinadas provas que foram admitidas em tribunal militar onde no vosso pais procedem a julgado, não teriam admissibilidade em tribunal criminal civil, e em parte assim poderá ser, e sabemos como se terá que lidar sempre masi preventivamente do que punitivamente e tambem se fala se determinados terao que estar presos para o resto de suas vidas, e se sabe que ao desvelar aos pedaços estas informações, terá eventualmente em alguns casos servidos para acertos de conta, no momento, através de actos de morte selectiva, ou assassinato, se preferirmos, fora de qualquer julgamento e de qualquer normal julgado nos estados que se reivindicam de ser de direito e democracias, a tal ténue fronteira, que nos separa de que escolhem a destruição, que se ultrapassado nos torna nas mais das vezes a eles semelhantes

E dep o is no mei o de ist tudo, a in v es ti g aç sao de st e sa as us sn to zé co mo todos s abe m mui to co mp l e xa, e a inda agora um ad vo gado di z ia com par te de s ua ra za o em ra z cão, q ue det r emi n ada s p o r v as q ue f o ra ad mit idas em t rib un al militar onda no v osso pa is pr o cede ema j u l gado, n cão te r iam ad miss i bil iade em t rib un al c rimi n al c iv i le em par te as si m p o de rá ser, e s abe mo sc omo se t e rá q ue lid ar se mp r e masi pr eve en t iva mente do que p uni t iva mente e ta m b em se fala se de te r mina do s terao q ue est ra pr es os para o r es to de s ua s v ida se s esa abe q ue ao de s v e l ar aos peda aço s es t as in for mações, te r é e v net ua l e m t ne em al g u ns ca s os se r v id os apara car teo sd e conta, no mo m en to, at rav es de ac to sd e mor orte sele c t iva, o u as sas sin at o, se pr efe r i r mo s, f o ra de q ual q eu r j u la ge mn teo e de q ual w eu r j u l ag do no r mal nos estado s q ue se rei vi dec am de se r de di rei to e demo c rac ia sata l t w en ue fr on te ira, q ue nos s ep r ar ad e q ue es co l h ema de s t rui sao, q ue se u l t rp passado nos t ron as na s mais das v e ze sa el es se mel home ant espanhol

E contudo sabemos nós que existem outras formas de perceber a verdade das coisas, dos actos e do acontecer, pois através do longe pode um outro confirmar pelo espirito se determinadas actos e fazer, assim se deram, por um omem que transporte a cena ou as evidencias ou os dois, que se deram ao longe, e tudo isto é real como eu estar aqui a escrever, e tambem é real que os normais tribunais do s homens não operam destas formas

E cont u do s ab emo sn ap os t dez da serpente o que e xis te mo u t ra s formas de pe rc e be ra ve ra de d as co i sas, do as ac to sed o acontecer, p o is at rav es do longe p ode um o u t ro c on fi r mar pe dez e s pei rito se de te r mina da s ac to se f az e ra ss i ms e de ram, por um omem q ue t ra sn p o rte ac en aqui da ue se de ua o longe, e t u do is to é real co mo eu est ar a q eu ia es ce r v e r, eta m b em é r e la q ue o sn o r masi t rib un asi do s h ome ns n cão opera ram de sta serpente das formas

Uma simples bolha de ar numa seringa injectada numa veia depois de um acto de sexo, uma embolia, um ataque de coraçao, assim se pode dizer, se não se vir ao perto de muito perto toda a pele

Uma simples bo primeiro homem ad e ar rn uma se rin gai maior ject ada muito uma ave ia dep circulo do is de primeiro ac to de sexo, uma em bo primeiro ia, uma ta quadrado da ue de co raçao, as si ms e dp ode di ze r, serpente en cão se vaso irao per to de mui to pe rt o to da primeira pele

Olhava em dia recente para o símbolo da wikipedia, e via por cima do omega, faltarem ainda masi ou menos tres peças, do puzzle para que esfera de novo se completasse, ou seja que este ciclo de averiguações se fechasse, assim era o sentido entre outros a detalhar, o sentido que em mim ao vê-la se imbuíra, e sei eu bem em minha consciência de que faltam ainda tres ou quatro assuntos do mundo em seu todo, aqui neste livro da vida serem escritos, contudo uma outra leitura como sempre nas leituras se desvelou, não deixam elas pela posição em que se encontram no globo, de referenciar russia e canada, que está como já disse em momento quente de cio de pescadores e de pescas diversas, e logo ontem quando os jogos se inauguram a guerra de novo entre a russia e ossetia do sul tinha em sua aparência estalado, a crer na noticia do jornal só no primeiro dia, se tinham ido mil e quatrocentas almas, contudo ossetia, declina tambem em os set tia do ia do sul, ao sul no Algarve onde o senhor árabe tinha acabado de ser morto, e portanto existe aqui tambem este reflexo


O l h ava em dia rec en te para o s im b olo da w ii ki ipe dia, e v ia por rc ima do ome ega, f al t a rem a inda masi o u m en os t r es p eça sd o pi zz l e para q ue es fera de n ovo se co mp el tasse, o u seja q ue este cic dez de ave ri g u aç o es se fe c h as se, as si me ra o s en tid o en t reo u t rosa de eta l h ar, o s en t id o q ue em mim ao ove do traço da inglesa de la se im b u ira, e se i e u b em e m min h a co ns cie en cia de q ue f al tam a inda t r es o u q u t ro as sun to sd o mundo em s eu todo, aqui nest el iv ro da v id a se rem es c ritos contudo uma o u t ra lie t rua co mo se mp renas l eu tura s se de s v e li u, n cão de ix am el as pe la p o siç sao em q ue se en c on t ram no g lobo, de refe en ria car russia e c ana da, q ue est á co mo j á di s se em mo m en to q u en te de cio de p esca dor es e de p esa ca s di v e r sas, e l ogo on te m q ua n do os jo g os se ina guru, ram a guerra de n ovo en t rea russia e os set ia do s u l tinha em sua ap rec ni a est ala do, ac r e rn ano ti cia do jo rna l s ó no pr i me iro dia, se t in ham id dom om da ile das q ua t roc en t as alma s , contudo os set ia, dec l ina t am b em e mo s set tia do ia do s u l, ao sul no al g rave onda o s en hor a r abe tinha ac ab ad dao de ser mor to, e pro t ant o e xis te aqui e vaso e tam segundo em este rato efe primeiro xo

De um mig pelo ar, se via um foguete como uma estrela brilhante a descer contra o que seria uma montanha, um pouco como estas estrelas que nas vezes vejo cair, ao que parece o conselho de segurança só tinha intervido doze horas depois e ainda não se chegar a consenso

De primeiro mig pe do elo dez ar, se vaso ia up rim e rio foguete co mo uma e ts r e la br ilha n tea de sc e rc on t ra o q ue se ria primeira monte anha, primeiro p circulo do vaso do coco do mo est as es cruz rato e la serpenet do quadrado da ue na serpenet do vaso e ze serpente do v e jo ca irao quadrado da ue par e ce o circulo co ns e primeiro ho de segur ança serpente do canto no acento do circulo tinha em cruz rato e vaso id o do ze hor as dep circulo da ise sea inda dan muito cão se che g ra ac on s en s o


A prioridade, nestas situações é sempre salvar civis, e como parecem todos ainda não se entender, sobre as fronteiras do que são lutas armadas de libertação, e actos de guerra e de violação de direitos das gentes, da terra ou mesmo de propriedade, e sendo que lutar com uma arma na mao, ou ter essa necessidade para obter a liberdade, já é em si expressão coxa, mas de um coxo cheio de força, que muito caminha em todos os lugres do uno lugar, pois só perderá força, quando tribunais existirem, onde estes direitos de independência e rea ranjo de territórios ou outro motivos, possam ser pela via das leis dirimidos, e quando funcionarem, e todos perceberem que funcionam, ou seja que conseguem resolver os conflitos mesmo antes de se manifestarem em guerra, então sim, as coxas lutas, com cheiro a sangue a limpezas étnicas, as tasi contas a que em texto anterior, a fla fizera hum, hum, como quem dizia, grandes duvidas, e outras tristíssimas memórias e feridas ainda abertas, algumas em regiões próximas, poderá finalmente acabar, enquanto assim não for, continuaram as guerras, locais que nas vezes se incendiam e incendeiam todo o lugar

A p rio rid ad e, nest as si tua ç o es é se mp r e sal alva rc iv is, e co mo par e ce m todos a inda n cão se en tender, s ob rea s fr ron te ira sd o q ue são l u ta s ar mada sd e liber rta sao, e ac to sd e guerra e devo la sao de di rei to sd as g en te sd a terra o u me s mo de pr o p rie dad e, e s en do q ue l u t ar com uma arma na mao, o u te r ess a ne ce s sida dade para ob t rea liber dad e, j á é em si e x press sao co x amas de um co xo che io de f o rça, q ue mui to caminha em todos os l u g re sd o un o l u g ra, p o iss o pe r dr á af orça, q ua n do t rin un asi e xis tir em, onda est es di rei to sd e in dep pn dec ia e rea r anjo det rr rito riso o u o u t ro mo t i vo sp os sam se rp e la v ia das l e is di rim id os, e q ua n do f un cio na rem, e todo sp e rc e br rem q ue f un cio n am, o u sej aqui da ue co ns e gume r es solver os c on fi l to s me s mo ant es de se m ani festa rem em guerra, en tao sima s co x as l u t as, com ce hiro a san g ue a li mp e za se t rin nicas, as tasi contas a q ue em texto ant e rio ra fla fi ze ra h um, h vaso mc omo q u em di z ia, g rand es du v id as, e o u t ra s t r is ti s sima s me mor ia se fe rid as a inda ab e rta s, al gum as em r e gi o es p o x imas, p ode rá f ina le mn te ac ab ar, en q au n to as si m n cão for, conti nu aram as g eu r ra s, l oca si q ue na s v e ze s se inc en di iam e inc en de ima todo circulo do primeiro vaso do gato da ar

O conselho de segurança não se atrasou doze horas mas muitas mais, pois sua acção tem que ser preventiva, e uma equação a todos deixo, tiremos de fora os nomes reais, russia e ossetia, e chame-nos pedro e joao que se puseram a bulha com filhos trocados de permeio como se fazia em tempos idos, o que agora existe em outras configurações, como conclaves ou etnias de origem distintas que vivem em outros territórios, situação bem semelhante a uma que recentemente se passou se bem se recordam, ou melhor que esteve para se passar, ardeu, um símbolo de uma águia, e uns tantos como de costume morreram, no alcançar de uma independência, e que na mesa comum onde todos se sentam com os mesmos deveres e direitos que trazem por serem países ainda distintos, onde estão por exemplo o nuno, o manuel, o peralta, o zorro, o vasco, e muitos outros nomes, e que decidem todos enviar uma força comum de imediato para o terreno, um imediato, friso que está sempre atrasado, se o conflito no terreno já estalou, pois a ideia e o bom e boa gestão de conflitos é fazer com que eles não estoirem, ou seja, agir sempre antes e preventivamente, e assim começam por tirar do terreno os que estão ameaçados para que nunca mias aconteçam limpezas étnicas, que se tornam sempre feridas muitos grandes com pus muitos extensos no tempo e nas vezes em muitas gerações, e depois de o fazer, ou quando o estão a fazer, lá vem um aviao do pedro, e outro do joao pelo ceu, e se vem para lançar bombas , desde logo os abatem, se juntam todos contra dois ou tres, mo tempo e no modo em que for necessário, estareis preparados para o fazer? Será justo faze-lo, face às justas reinvidicaçoes que muitos povos trazem por territórios, independência ou liberdade, ou direitos humanos roubados, alterará a equação moral e ética, o eventual tamanho do pedro ou do joao? Trazem os governantes que representam as gentes mecanismos comuns que dirimam estas questões em forma eficaz e real, para que não seja preciso a mais ninguém pegar numa arma para alcançar um direito universal, estaremos porventura de acordo que eles existem, e que eles são a base a todos comum e que a acção conjunta deve sempre neles se basear e que quando neles se baseia menos são as possibilidades de problemas e de sangue e de guerras!


O co ns e l ho de sg e g ur ança n cão se at ra o s u di ze hor as mas mui t as mai s, p o is s ua ac sao te m q ue ser pr eve en t uva, e uma e q ua sao a oto do s de ix o, tir emo sd e f o ra os no mes reia s, ru ss ia e o ss tia, e c h ame do traço ong l es en no s pedro e joao q ue se p use ram ab u l h ac om fil h s o t roca do sd e per mei o co mo se f a z ia em te mp o s id os, e q ue agora e x i te em o u t ra s c on fi g ur a ç o es, co mo c on c l ave s o u e cruz nisa sd e ori ge maior di serpente das tinta s quadrado da ue vi em emo vaso do cruz rato serpente do circulo terri to rio serpente, si tua sao b em se m l home ante a uma quadrado da ue rec nete mente se passou se b em se rec circulo rato dam, o u mel hor q ue est av epa ra se passa ra r de u, um s im b olo de uma g au ia, e u ns t ant os co mo de co s t u me mor r e ram, no al can ç ar de uma in de pen dec ia, e q ue na mesa co mum onda todos se z en tam com os me s mo di rei to s q ue t ra ze m p o r se rem pa si es a inda di s tinto son de es tao por e x e mp dez circulo do nuno, circulo do anu el, o pe ra primeiro do tao zorro, ova sc oe mui s to s o vaso da cruz ro sn circulo do me s , dec id em todos en vi ar uma f o rça co mum de imediato para o te rr eno, u mime dia to, fr is o q ue est á se mp r e at ra sado, se o c on f l i to j á no te rr eno est al o u, p o isa id e ia e o bo me boa ge ts sao de c on f l it os e é f az e rc om q ue el es n cão est o i rem, o u sej pr eve en t iva mente, e as si m co me ç am por t ira r do te rr eno os q ue s tao am e a ç ado spa ra q ue n un ca mia s ac on te ç am li mp e za s e t nica s, q ue se tor rn am se mp r e fe rid o as mui to s g rande s com p us muti s o es t en s o sn o te mp oe na s v e ze s em mui ta s ge rações, e dep o is de o f az e r, o u q ua n do o es tao a o fa ze r, l á v e m um aviao do pedro, e o u t ro do joao pe dez ceu, e sevem para l n a ç ar bom ba s , de sd e l ogo os ab at em, se j un tam todos c on t ra do is o u t r es, o te mp oe no mode em que for ne ce s sário, est a reis pr epa ra do s pa ra o f az e r foice Se rá justo o f az e, f ace às j us ta s rei n vi id di caçoes q ue mui to s p ovo s t ra ze mp o r terri tor is o, ind ep den d en cia o u liber dade al te ra rá a e q ua sao mor al e etic a, o eve en tua l tam n h o do pedro o u do joao foice T ra z am os g ove rn at es q ue r ep r es en tam as ge n t es meca ni s mo s co um ns q ue di r imam est as q eu s to es em f o ram e f cia ze real, para q ue n cão seja pr e c is o a mai s nin g eu mp ega r n uma arma para al can ç ar um di rei to universal, est ar emo s pr ove en t u rta de ac o r do q ue el es e xis te me q ue el es são a b ase a todos co mum e q ue a ac sao com jn u t a d eve se mp r e ne l es we ba sea r e se nel es se ab se isa me mo s são as po sis bil dia de es de pr ob l ema s e de san g ue e de g ue r ra s da l na ç no circulo de la maçao

Sabe senhora de meu coraçao, deveria eu estar mais dedicado a escrever a todos sobre estas matérias e sobretudo das que sei ainda faltarem e que pelo espírito oiço se ainda haverá mais, como em dia recente a seguir falar sobre temas de finanças, assim ouvi, se haveria um segundo pacote de medidas, que sim, que o há contudo sabe senhora que trago eu este compromisso de desvelar o que vejo e vou sabendo sobre o que no mundo inteiro se tem passado, e depois a mim mesmo me trazem roubados meus direitos de cidadania e maia grave meu filho e vejo nas vezes e me questiono de vossas ligações, da ligação de vosso país com certos escribas a quem parecem dar rédea solta, e que se comportam, como verdadeiros terroristas bandidos e cobardes, ainda por cima, recorrendo na mais das vezes a técnicas de insinuação, de bluff, e de induções várias que se traduzem como tenho feito demonstração nas vezes em mortes de inocentes que vao a passar,

S abe s en hor a d e me u co raçao, de eve ria eu est ar mai sd e di cado a es c r eve ra todos s ob re est as mat é ria se s ob r e t u da sd aqui da ue seia inda f al t a rem e q ue pe dez es pei r ot o i ço se a inda h ave rá mai s, co mo em dia rec en te ase gui r a f al r s ob re t ema sd e f ina ç as, as si m o u vi, se h ave ria um se gun do paco te de med id as, q ue si m, q ue o h á ap ps t olo, c on tudo s abe s en hor a q ue t rago eu este co mp rim iss ode de s v e l aro q ue vejo evo u s ab en do s ob reo q ue no mundo in te iro set em passado, e dep o isa mim me s mo me t ra ze m ro ub ad o as me us di rei to sd e cc id a dn ia e masi g rave me us fil h oe vejo nas v e ze se me q eu s ti one de v os sas l igac
O es, da l i g ac sao de v osso pa is com ce rto s es circulo do ribas a quem par ce cem dar red dea sol t a, e q ue se comporta rta tam, co mo v e rda de iro s ter r os rita s bandidos e co br ad es, a inda por rc ima, reco r ren do na ma sis das v e ze sa tec nica s de in sin ua sao, de b l u ff, e de indu ç o es v árias q ue se t ra du ze m c omo te mn h o fe it o demo sn t raçao nas v e ze se m mortes de inc en te s q ue vao ap as sar,

O terrorista joel neto das ilhas, trazia em sua coluna em dia recente, um estranha e profundamente desveladora, escrita do terrorista que é, e ao que parece ninguém pareceu perceber, dizia ele a propósito de bill clinton, que nós o preferimos recordar como o senhor que teve o affair com a senhora na sala oval, o que por si só é já uma profunda incorrecção , pois por nós, em lugar dele e só dele que assim o diz escrevendo, é um acto no mínimo de arrogância sobre os juízo alheio, e o meu neste caso que o li, é muito distinto, para alem de não gostar de usar o passado em relaçao ao um homem que ainda aqui está e que espero que esteja durante muitos mais anos e que não se reduz nem poderá nunca ser reduzido a este episódio, e sem que o episódio, como todos os episódios não tragam sempre sua substancia, o mais grave da crónica contudo, era outra afirmação em modo colectivo, que o preferíamos recordar assim, do que nos lembrar-mos de quando ele tinha aqui vindo limpar o nosso coco, que fizéramos nos tempos da guerra dos Balcãs, e isto é francamente grave, pois muitos não terao feito, e se ele acho que alguns o fizerem, sendo que na formulação gramatical a ele próprio se incluiu, deveria muito bem o explicar e não ficar por estas meias tintas, a pretender incriminar outros por seus eventuais actos

O te rr o r ista jo el neto das i l h a st ra z ia em sua co l un a em dia rec en te, um est ar anha e pr i fun dam n te de s vela dora, es c rita do te r rori ts aqui da ue é, e ao q ue par e ce nin gume pa rec eu per rc cebe r, di z ia el e a pr o pr o sio de bi ll c l in ton, q ue nós o pr efe rim os record ar co mo o s en h or q ue teve o a ff a irc om a s en hor ana sala o v bal, o q ue por si s ó é j á uma po r f un da inc o r rec sao , posi por né se m lu g ar del e es ó del e q ue as simo di zé um ac tom no min mo de ar r gn ac cia s ob reo s ju i zo al he io, e o me u nest ac as o , é mui to di s tinto, para al em de n cão g os t ar de usa ro passado em relaçao ao um home q ue a inda aqui está e q ue es p ero q ue es te ja duran te mui to s masi ano se q ue en cão se red u z ne m p ode rá nuc cna se r red u z ido a este e pi s o di o, e se m q ue o e ps is o dia o, co mo todos os e pi s o dio sn cão t ra g am se mp r e s ua s ub s tan cia, o masi g rave da c ron ica contudo, e ra outra a firma maçao em mode cole c t ivo, q ue o pr efe r iam os recorda ra s si m, do q ue nos l em br ar do traço do ingles mo sd e q ua n do el e tinha aqui v indo li mp aro no s so coco, q ue fi ze ramos no s te mp o sd a guerra dos bal ca se is to é fr anca mente g rave, p o is mui to sn cão terao fe it oe se ele ac h o q ue al g u ns o fi ze rem, s en do q ue na for mula ds sao g rama tica l a ele pr o pr io se inc lui u, de v ria mui to b emo e x p l ica ren en cão fi ca rp o r est as meia s tintas, a pr e t en der inc rimi na rp or se us eve en tua is ac to s

O senhor deveria explicar muito bem, o que está insinuando, começando por explicar o coco que fez, pois assim o formulou, e portanto assim o deverá ter feito, com quem mais fez, pois se bem se recorda muito mas muitos se foram nessa guerra, que em meu ver de facto passou por aqui, já o disse e expliquei em pormenor o meu raciocínio, e devia lembra-se que quem ateia guerras, pode e deve e deveria ser julgado no tribunal criminal internacional, veja lá se ainda lá se vai sentar, oh terrorista, com a cobertura do seus editores, provavelmente do seu patrão e certamente de muitos outros em diversos lugares do uno lugar, que lhe dao carta branca para fazer actos de terrorismo como esse, espantam-se meus olhos, como ainda escreve, ou melhor espantariam-se se as folhas onde escrevem, fosse na realidade um jornal!

Os en hor de vaso da ria e x p primeiro e car mui to b emo quadrado da ue est á e em sin ua muito do, c o meça muito do por e x p primeiro e car circulo do coco quadrado ue fez, p circulo da isa sas simo for mulo ue porta muit to as simo de vaso da reá te rf e it to co m quadrado eu maior do masi fez, p circulo do ise b em se record am vaso e to maior ass mui to serpente da se f circulo do ram ne ness serpente sa guerra, quadrado da ue em me uve rato de f ac to passo up circulo do ra ki, j á circulo da di serpente da see e x p primeiro e quadrado da eu ie mp o rato maior en o rato do circulo dao me vaso da rac e cio cin io, e de vaso ia primeiro em br ado do traço da inglesa se quadrado da ue quadrado da ua uam primeira teia guerra s, p ode e de terceira eve ria se rato do j vaso do primeiro gado not do tribunal, rib ua nl criminal em cruz rena cio na norte sul, veja primeiro à sea inda primeiro ase acento vaso primeira ise en cruz ar, circulo do homem da te rr os rita, com aco be rt tura do se us edi tor e ws, pr ova do vaso el mente do serpente eu pat ra oe ce rta e mn te de mui to serpenet do circulo do vaso da cruz dao rose maior di dos versos primeiro vaso do gato ar espanhol do un circulo do primeiro lu gato do ar, quadrado da ue primeiro he da ao ca rta br anca para af ze rato quadrado do ac to sd e terri st is tio co mo oe ess e, espanhol pan tam do traço da inglesa seme us circulo do primeiro homem os, co mo a inda es rata eve, circulo do vaso do mel hor espanhol pan cruz a r iam do traço da inglesa se sea serpenet sd das folhas onda espanhola circulo rata eve em, forte os sena real id ad e primeiro jo rn norte sul da cravagem, acido, da lança no circulo de la maçao

Se a policia aqui existisse, certamente que o senhor já teria sido levado para averiguações!

Sea poli cia aqui e xis ti serpente da se da ase da ce rta e mn te quadrado da ue os en hor j á te ria sid circulo do primeiro da eva do para ave rig ua ç oe es!

a w g o d