segunda-feira, novembro 24, 2008

»
A dark, dr ak ,star da red dawn

Quadrado do rato da ak da negra estrela da red dawn,

Da manha da madrid

Seguimento de uma conversa sobre assuntos espanhóis, ainda qui não transcritos,

Se gui mn en tod e uma c on versa s ob r e as sun to s es pan ho is, a inda qui n cão t ra ns c rito s,

Assim o sonho o desvelou,

As si mo son ho ode s velo circulo do corte do lou vaso,

Uma chave dupla com dentes em rectângulos, como uma onda sonora , ou melhor duas ondas, duas frequências, uma para cada lado do eixo

Uma chave, chove, chie na cave do circulo da eve dupla com dos dentes em rec tan gulas dez serpente, c omo uma onda sonora , ou mel hor duas ondas, duas fr e q eu en cia s, uma para c ad al ado do e nono see t maior bro circulo

Nove x onze, o x em nove do onze, semi circulo da onda sonora da esquerda, o treze, semi circulo da lamina do ovo negro , a rapariga que trás o ovo negro nas maos vindo do mar numa ilha tropical, como em concha o trás, que uma noite estava dentro de uma caro negro apontado a morgue da igreja de alcantara, enterros a oitenta contos, motor
To ba , ro quatro da primeira rola, o m oto tor tot do rato de ovar, vaso ada ar da ro al do olá, dos gelados, a vestido despida nos mupis em lagos na ultima estadia no Algarve,

N ove x onze, o x em n ove do on ze , s emi circulo da onda son a ra da esquerda, o t r e ze, s emi circulo da l am mina ina do ovo negro , a ra pa rig a que t rá s o ovo one gato ro nas mao s vaso indo do mar n uma ilha t rop ical, e omo em c on h a ot ra s, q ue uma no it e es stav vaso da primeira d en t rode uma caro negro apontado a mor g ue da igreja de al can tara, en te rr os a o i u t en t ac on t os, m o tor T ob ba , ro quatro da p rime ira da rola, o m oto tor tot do rato de ovar, vaso ada ar da ro al do olá, dos gel ad os, a ve s t is do de s pida no s m u pi se maior em lagos na u l t ima est ada ino al grave da rave,

O carro estava no largo em frente a igreja de alcantara, cujo nome é o do dia do meu nascimento, ou seja, o ovo negro de uma das minhas mortes, assim parecia ser o sinal da encenação que lá fizeram, relaçao ainda com um portuges que vive em nova yorque ligado as actividades de cinema que tambem apareceu nesse tempo na revista do dn, com o mesmo símbolo, aaa la principe, a bateria idêntica à do video estava deitada na cunha, rampa de acesso as janelas da lapa no dia seguinte ao video ultimo, jane primeiro às de la,

O carro es t ava no l argo em fr en te a igreja de al can t ra, c u jo no me é o do dia do me un ac cie mn to, o u seja, o ovo ne g ro de uma das min h as mo rt es, as si m par ceia s ero s ina al da en cena sao q ue lá fizeram, relaçao primeira inda com do prime rio portuges q ue vive em nova yorque li gado as ac t iv id ad es de cin ema q ue t eta am b em ap ar e c eu ness e te mp on a revista do dn, com o me s mo s im b olo, aaa la p rin c ipe, a bat rei a id en tica a do v id e o e stav ava deitada na cunha, ra mp a de ac esso as jane l a s da lapa no dia se gui n te ao vi deo vaso do primeiro da cruz imo, j ane p rie mr rio as de la,

Jantei na tasca, pedi um ovo estrelado com batatas fritas que vinham a boiar meus submergidas em molho tipo agua, depois e levantou um pombal, ou seja ligação com os dois triângulos maçónicos , os dois cayatte, sorriso, o pombal aqui atras, e o jardineiro do cabo , da tesoura de cabo vermelho, que corta dois sorriso em nova yorque, duas pessoas, o podador poda dad sexto rato dor, a poda do dad de oiro da dor, d ad sexto rato da dor, quadrado do triângulo de fodo dg, quadrado sexto do rato da dor do dao, ou a poda da dor, nelas, nove de setembro, assim falava o vinha da correcta temperatura a que devia ser conservado

J ante ina tasca, pe di um ovo es t r e lado com bat at as fr rita s q ue vinha do ham a boi ar me us s ub mer gida se m mo k h om t ip o agua, dep o ise l eva van to u um pombal, o u seja li g ac sao com os do is t rian gulas ds maçónicos , os dois ca y at te s, s oo riso, o p om bal aqui da eu i at ra se o j ardi e miro do cabo , da te soura de cabo ove rem l ho, q ue co rta do is sor rios em n ova yorque, m du as p esso as, o pod ad ro poda dad sexto rato dor, a poda do dad de oiro da dor, d ad sexto rato da dor, quadrado do t rin gula dez de fodo dg, quadrado sexto do rato da dor do dao, ou a poda da dor, ne l as n ove de setembro, as si m f ala ava o vinha da co rr c eta te mp e art da tura aqui da ue devis ser c on serva ad o

Imagem real no palácio, vinda provavelmente da cadeia da bt do fcp, o vinho estava na mesa embalado numa capa de gelo a sugerir o hexágono e a seu desenho era uma teia, a ecoar no imagem descrita do chora da rapariga cujo olho está rapado pelas nuvens do rio que tolo corre, e que chora na teia do hexágono, um choro tridimensional, que terá masi dimensões, uma quarta, um quinta e por ai fora, pois tudo é multidimensional e se liga, e lagrimas há que mais pesadas são, outras voam mais longe, o melhor é mesmo nunca sofrer

I mage m rea l no pala cio, vaso inda pro ova ave le mn te da cade ia da bt do fcp, o vinho es t ava na mesa em bala do n uma capa de g elo dez a s u ger iro he xa gn oe a s eu de sem ho e ra primeira teia, a e coa rn o i mage m de s c rita do cho ra da ra par rig a c u jo olho e stá ra pad o pe l as n uve s do rio q ue t olo co rr e, e q ue cho ra na teia do he xa g on o, um cho ro t rid di men sio n al, q ue te rá masi dimensões, uma q u art a, do primeiro da quinta e por ai f o ra, p o is tudo é mul ti de mn sio n al e se liga, e lagrimas, coimbra, judice, h á q ue mais pesa da s são, o u t ra s v o am mais l on ge, o mel hor é me s mo n un ca s o fr e r

Na avenida poeta mistral, o nono do soutien das mamas na cml, o amaral, ali estava nas vezes no final da tarde a conversar com o ruas da câmara de viseu, se não era ele, seria seu sósia

Na ave en nid a poe eta m is t ra l, o nono do s o u tie en das mamas na cnl nl, o am mara al, ali e stav nas v e ze sn o fi n al da t arde a c on versar com o ruas da ca mara de v ise use n cão e ra el e, se ria s eu s ó zorro ia

Os rectângulo no pombal, localidade do pombal, centro do pais, as folhas de prata a volta das arvores, no vendaval, os que atiraram o boomerang de prata ao goulag, g ou laq, gato do nono la seis, arquipélago do goulag, ao gigante das barbas que se isolou em seu castelo construindo um muro de tijolos à sua volta, até que as crianças chegam e ele, historias do ícaro, david contra golias

Os rec tan gula primeiro do circulo do no do pombal, l oca li dade do pombal, c en t ro do pa isas das folhas de prata av o l t ad as ar vo rs, no v en da av la, os q ue a t ira ram o boomerang de p rta ao goulag, g ou laq, gato nono iv la seis, arco p elo g o dog o u la g, ao giga gan te da s do barbas q ue se i sol o ue m s eu cas t elo dez c on t rui indo um muro de ti j olo as a s ua vo l ta, a té q ue as c rina sç che game e el e, hi s tori as do i caro do david c on t ra gol ia serpente

Queria um ovo estrelado, à senhora pareceu eu lhe ter pedido mexidos, ovo serpente mex xi chi id os , a me do leao, o chi id os , o dio serpente golden com pass, seis duplo circulo do seis dem, m dee, a história maso na pont neuf, casa de prazer, quarto cinco, a visao da coco chanel, a moura guedes, aqui tem o seu presente, senhor presidente, o presente do presidente, a girl next door, a lamina na chave cortou a virgula, ou seja o bebe, ou o bebe dos pums, das bombas, e dos serpentes alvos, serpente de prata , o principezinho gerado pelo guillaume, a louise, lou ise, o anel semelhante à da livni em imagem recente quando do problema da formaçao do governo com, os conservadores, favo as abelhas do favo, as abelhas do pentagrama, o jogo da bola, fcp, fc p , o clube que tem o pentagrama, ou que ganhou cinco títulos,

Q eu da ria do primeiro ovo e x t r el ado, as en h ro ap ar e cu eu t r e ped dido me x id os, ovo ser pente do mex xi chi id os , a me do leao, o chi id os , o dio serpente golden com pass, se is du p dez primeiro do circulo do seis dem, m dee, a hi s toi ira maso na pont neuf, c asa de pr az e r, quarto c inc o, a visao da coco ch ane ll anel e, am moura guedes, aqui t emo s eu pr es en te, s en hor pr e sid dente, o pr es en t ado presidente, a la mina n ac h ave co rt o ua vi r gula, o ise seja do circulo do bebe, o u o bebe dos p u ms, das b om base dos serpentes al v os, ser pente de p rata, o p rin cepe z in ho ger ado p elo gui i l au me, a lou ise, lou ise, a ane l semem l h ante a do l nono rif favo as abelhas do f avo, as abe l h as do penta g rama, o j go da bola, fcp, fc p , o c l ub e q ue t emo p en t a g rama, ou q ue gan h o u c inc o titu l os,

A carta, do no com da pt do toi do rato, o gui ll a me de cannes, ac can ne serpente , nn boy, em mil novecentos e noventa e nove, a mola vermelha da seda azul dos mercados em cannes, ou seja dos filmes, com a catherine d ene ovos do para da pol primeira z, az, pau do poll ax citroen fr, leo carax, ou seja o leo serpente do diamante, car da cara do rato do ax e depois da jóia em estojo azul, foguetão x seth dade na festa , que remete para a bateria ikarus, ika r os, o reflexo do le w a n e no espelho do gui ll ame da av me das garras, o freddy da kruger, as garras que fora cravadas no coraçao e que mata e assusta muita gente

A c o rta, ca rta, do no com da pt do toi do rato, o gui ll a me de can n es, ac can ne serpente , nn boy, em mil n ove cento toe en ove n t a en ove, a mol a vermelha da seda az u l dos mer cad os em can ne s, o u seja dos fil mes, com a catherine d ene ovos do para da pol p rime ira z, az, p au do p o ll ax citroen fr, leo s cara x, o u seja o leo ser pente do dia mna te, car da cara do rato do ax e depois da jo ia em es tojo az u l, foguete ao x seth dade na festa , q ue rem te para a bate ria ika ru s , ika r os, o r e formula one e xo do le w a n e no espelho do gui ll ame da av me das garras, o fr e dd y da k ruge ra s garras q ue f o ra c r ava da sn o cora sao e q ue mata e ass u tam u it a g en te

O filho na historia do quadrado do van dike, di , ou seja , no vam do di ike, dick, pric, o van holandês da coelinhos, remete tambem pra a actriz do copolla, once upon a time in américa, qua apareceu agora na sequência com a eve green, a eva dor verde, sessões de masoquismo, oi seja um filme , uma história vendida , como eu sendo masoquista, ou algo do genero

O fi l ho na hi s tor ia do quadrado do van dike, di , o u seja , no vam do di ike, di ck, p rick, o van hola lan dez da c oe linho, reme te t am b em p ra a ac ti z do cop o ll a, once up on a time na am erica, qua ap ar e c eu agora na se q u en cia com a eve green, a eva dor verde, se ss o es de maso qui s mo, o ise seja primeiro filme , prime rio gato do homem is tor ia vaso da en dida , com o eu serpente en do maso qui sta, circulo do vaso da al god do g ene ro

A mala vermelha da seda azul, é igual à mala de viagens da teresa , a cara da teresa em cannes, com do papilon, num encontro de mercados em cannes, numa feira internacional, provavelmente não de filmes mas de comercio e turismo, ou seja o filho que ela eventualmente perdeu, e que me disse, que não e depois que se fosse não seria meu

A m ala vermelha da seda azul, é o gula am ala de via ge ns da teresa , a cara da te r sa em can ne sc om do papilon, nume en c on t rode mer rca ados em can ne s , nu ma fe ira in tr en ac cio n al, por v ave l m net n cão de filmes mas de com e rc cio e turismo, o u seja o fil ho q ue el a eve v n tua l mente per de ue q ue me di ss e, q ue n cão e d ep o is q ue se f os se n cão se ria me u

O tridente do toiro com dois dedos para baixo, ou seja o tridente do toiro, tim time , we, ontem soube o nome de duas empresas de comunicações na infante santo, a outra jack lang lassale, a sala do jack lang , do pseudo ministro da cultura e bandido corrupto, a filho do dito salé, ou seja a suja filha, o mesmo cigarro do video, esta na mao do guillaume que aparece debaixo do g quatro que queimou a maça, o símbolo, é morder a maça, ou seja o adao que comeu a maça oferecida pela eva segunda certa lenda antiga , da queda dos dois no paraíso, ou seja o cabrão que rompeu o casal, o laurent do pasquier, ola la au r e b do pasquier, da p às do pasquier, ki do E rato o ki do , e , maçónico do rato, aque o vento é a rapariga que trouxe o ovo negro das aguas,

O t rin da de te do toi to com do is dedos para ba ix o, o use seja o t rid dente do toi to, do tim da time , we, on te s o ub e o no me de du as e mp r e sas de com única ç o es na in fan te s ant o, a o u t ra j ac kapa da lang la ss al e, a s ala do j ac k l ingles , do pe s eu do ministro da cultura e bandido co rr up pt o, a fi l h o do dito s al é, o use seja asu j a fil h a om es mo cigar ro do vi de o, est + ana mao do gui ll au me q ue ap a rece de bao do g q au t ro q ue quim o ua maça, o s im b olo, é mor de ra maça, o u seja o adao q ue com eu a maça p f e rec id ka ap e ka eva segunda ce rta l en da antiga , da q eu da dos do is no pa rai s o, o use seja o c abrao q ue rom pe u o ca sal, o l au rent do pas qui e r, o la, o la au r e b do pasquier, da p às do pasquier, ki do E rato o ki do , e , maco nic no do rato, aqui q ue o ve en to é a ra par rig a q ue t ro ux e o ovo ne g ro das aguas,

Pour onze frames, pelo do onze fr rames, ramses, pelo do onze fr ra da manha mês, ml, espanhol, pelo do angulo maior plaza maior, espanhol,

P o ur on ze fr ames, p elo do onze fr rames, ram s es, p elo do onze fr ra da manha mês, ml, es pam n hol, p elo do angulo maio r p al za mai ro, es pan hol,

O video ultimo tem 31/32, 31.28, assim estava a marcação quando isto analisei, treze to aba lise treze to ana analisada, ou seja da ana enrabada

O v id e o u l t imo te maior do 31 do bar do rá 32, rá 31 do um isco do vinte e oito, o eléctrico, ass em e stav v aa am mr caçao q u en dó is to ana lize i, t r e ze to aba l ise t r e ze to ana anal isa ad a, o u seja da ana en r ab ad a

O musico do trinta e um do car do ra do trinta e um da armada, o james blunt, o surdo mudo da escada de jaco, o musico da separação do circulo do trinta e um da armada, o da marinha do neptuno, ne pt no circulo, do trinta dois, cruz rim té do is da teresa rim da cruz

Om um da mu do sico do trinta e um do car do ra do trinta e um da armada, o je mes v l un t, os ur dom u dó da escada de jaco, o mu sico da serra da raçao do circulo dt rin t a eu um da ar am mad a, o da marina h do ne pt un one pt no circulo, do t rim te e do is, c ru z rim té do is da teresa rim da cruz

Trinat e um , trinta e dois, menos onze, igual a trinta e um vinte um , o dos olivais, teresa madredeus , cruz mulher do antonio uguru da madredeus, o do pomar espanhol, pon sar, as corrente, as maes, entre rios tsunami, o que me acha maluco, ou seja, algum capacitado na aparência para me julgar, o psi, teriam que o demonstrar, o teri, rima ima quadrado da eu do cem demo ns t rato da r, o que não fizeram, depois há regras no mundo, e aqui neste terra, br, há leis, aqui ki neste net das leis neste terra e portanto faça am f avo r de as respeitar, o cabra do irmão do sampaio, o daniel, o frame trinat e um trinta e dois, e o frame do fogo, f ogo, no g 4 da maça mordida, ou seja o que por computador mordeu a maça, 3, 13 , 2 E, circulo fr am me do f ogo, cab verde,

T rina te primeiro, t rin ta e do is, me en os onze, i g u ala t rina te e um vinte um , o dos o l iva si da teresa mad red e us , c ruze mul her do antonio u guru da mad red e us, o do pomar es pan hol, pon sar, as co rr es dn te, as mae s, en t re rio s t us na ami, o q ue me acha malu co, o ise je, al gum capa cita ado na ap ar en cia para me ju la g rop do psi, ter ima q ue o demon ns t ra aro teri, rima ima quadrado do eu o cem demo ns t rato da r, o q ue n cão fi ze ram, d ep o is h + á r e g ra sn no do mundo, e aqui nest e terra, br, há leis, aqui ki neste net das leis neste terra e pr t anto faca am f avo r de as r es pei t ra, o c ab ro a do i r mao do sampaio, o dani el, o fr ame t rina t e um trinta e do si, e o fr me do f ogo, f ogo, no g 4 da maça mor dida, o use seja o q ue por com puta dor mor de ua maça, 3, 13 , 2 E, cir culo do fr am me do f ogo, c ab verde,

Na gaveta david e golias, a produtora do fernado vendrell, e depois por baixo uma carta trazida da rua, nove de copas, de madris, das copas de madrid dos nove do bar do onze das velharias arte alfarrabista, das loiças do bordalo pinheiro, caralho das caldas, do cds dos vidros na marinha grande, ou seja do neptuno vinte um de oitenta e oito, cruz invertida do terceiro circulo do quadrado do primeiro, da rua augusta rosa nove do onze do rodado do traço do hi do forte ingles circulo de cinquenta e seis lisboa, o homem das barbas, o homem da nota de quinhentos escudos, ou paus, da t al embaixada o armeiro da casa da lapa da roda, da pedra na casa no rochedo, quarenta um de noventa e seis e setenta e quatro, da queda das quinas

Na g av eta do david e gol ia s, a por du ira do fernado v en dr e ll, e d ep o is por ba nono circulo da primeira carta rt ra z id a da rua, n ove de cop as, de mad r is, das copas de mad rid dos nove do bar do onze das velharias arte al f ar r e b ista, das loi ç as do bo rd alo pin h eri, cara do alho das caldas, do cds dos vi dr os na mar rin h a g rande, o u seja do ne pt un o vinte um de o it en ta e oito, cu r z in vertida do terceiro circulo do quadrado do primeiro, da rua a gus ta rosa n ove do onze do rodado do t r aço do hi do forte ingles circulo de cinquenta e se is l is boa, o homem da s barbas, o h ome m da n ota de quin h en to s es cu do s, o u paus, da t al em ba nono ad a o arme iro da csa c asa da lapa da roda, da pedra na casa no rochedo, q u art en t e primeiro de n ove en ta e se is e st en ta e q ua t ro, da queda da serpente do quadrado da un as

Primeiro laço do infinito rato do li ny da arvore com o ponto, à imagem do video no castelo, dos passo ly do vaso sessenta atravessado por uma linha, assim se le na nota de quinhentos escudos, o combói do Luck strike da porta ,ou dos portas, feito ao principezinho, angulo de prata ao cotovelo, ou seja relacionado com o jorge colombo

P rime iro l aço do infinito rato do li ny da arvore com o ponto, à i mage m do vi de o no castelo, do s p ass o l delta do vaso se s sena t at rave s sado por uma lin h a sm as si m se le na n ota de quin h en to s es cu dos, o com boi do l u ck st r ike da porta ,o u dos p ota s, f e i to ao p rin cepe, cepa do zorro em jo , angulo de p rta ao c oto velo o u seja r e la cio n ado com do circulo do jorge colombo

O cio mortal, o cio azul, clara andermatt, cabo verde, o ponto vermelho que se reflectia no blind num padrão idêntico ao do leito, comprado na loja de campo de ourique ao lado da igreja do condestável, que alguém que para os prédios da traseira agora se mudou, em dia recente acendeu, a falar do cio, e que apareceu ontem a piscar no canto do prédio em alcantara iluminado de azul, hoje com quatro rectângulos doirados, antes de verde estava

O cio mor rta l, o cio mat el, o cio az u l, clara ande r mat da cruz em cabo verde, o ponto vermelho q ue se r e f for mula one e ct ia no blind dn primeiro da padrão id en tico ao do lei to do c on d es t ave l, aqui da ue ak g eu m q ue para os pr é dio s da t r se ira agora se morou, moreira e q ue em dia rec en te ac en de ua f al r do cio, e q ue ap e rc eu on te ema pi sc ar no can to do pr e di o em al can t ra al i min dad ode az u l, h oje com q ua t ro rec tan gulas dez do irado s, ant es de verde e sta vv ava



A porta de cabo verde e Moçambique, a porta do passaporte, acrescentar data, do whisky velho, da memória, do cayatte passaporte , a sara, porta da home de s vicente, de cabo verde, o bêbedo do monte chora, que é monte cara, do monte do chora, ou seja primeiro bar, e das chuvas grandes, s vicente lisboa, o da escola das artes decorativas da fundação ricardo espirito santo,

A porta de cabo ove de e moca m bique, a porta do p ass a porte, sasporte gulbenkian, ac rec en tar data, do w is key do velho, da me mór ia, do ka y at te p assa porte , a sara, p o rat da home de s vicente, de cabo verde, ob e be bd o do monte chora, q ue é monte cara, do monte do cho ra, o use seja p rime rio bar, e das ch uva s g rand es, s vic en te l is boa, a es c ola das art es deco rat iv sa, f un da são do ricardo es pei rito santo,

Anónima imperial, ni circulo

Ano no do nimas nima em im pe reo l, do ni circulo, tambem declina no nome do actor ds, sopranos, michael imperador ou algo assim parecido

Os bastões, tubos metálicos de andaimes da elevação do helicóptero vermelho caido

Os basto es, t ub os met al i cos de anda e mes da el v ac sao do heli cop t ero vermelho ca ido

O mijo do admastor, da marisqueira de beslan, dos tremoços e do filo faz, pan circulo da rea serpente da cala , de barcelona ano nino serpente do primeiro infinito ao alto, ou seja a serpente da dupla penetração, imagem a ser mais detalhada em seu contexto em outro texto

O m mi jo do ad mas tor, da mar is e isqueiro de beslan, dos te r mo circulo de corte do coa sed circulo uk primeiro do circulo da filó f az, pan circulo da rea serpente da cala , de bar celo e m na ano nino serpente do primeiro infinito ao al to, o use seja primeira serpente da dupla p ene t raçao oma mage ma ser maís d eta alha ado em s eu c on texto em o u t ro te x to

Filo fax, filo forte da primeira do x, a filo , filomena, ex icam, filomena do algarve
Fax, filo, filoxera filoctrea , rectângulo da bd

Fi dez do fax da fil do circulo do forte da p rime ira do x, a filo , fi om en n a, ex icam, fil om mena do al g rave Fá do x, fi lo, filo te ra filo c t rea , rec tan gula dez da bd

A non ina, a francesa dos filmes, non ou a va gloria de mandar, da serpente do primeiro infinito, beslan, pan circulo da rua da rea serpente de barcelona, lanonima, tubos de andaime voadores, cruzados em slow motion, da calla, do ni , my principie js serpente kid segundo, ampex, dl, di gi t al primeiro, a mp e circulo cor pe da p do x, kapa sete vaso do homem serpente super áudio, da marisqueira da au di círculo

A non ina, a francesa do sd fi l mes, non ou a va gloria de mandar, da serpente do primeiro infinito, beslan, pan circulo da rua da rea serpente de barcelona, l ano no nima, tun, tio os de anda i me vo ad dor espanhola, c ruza o ds e es serpente primeiro do circulo do w da motion, da calla, do ni , my p rin ciep js ser pr rn teresa kapa id segundo, am mp e x, dl, di gi t al p rime iro, a mp e circulo cor pe da p do x, kapa sete vaso do homem se p ren teresa super au di o, da marisqueira da au di c rc u dez

Polaroid beta super color numero setenta e cinco, seis, junho, length, do bar do ra do longuer cento e cinquenta metros do hi fo forte ingles angulo maior dos quinhentos, latina eu do traço do madrid video, chave da sabrina vermelha do pc e cabo preto, das cabelo das vesicas das algas, primeira serpente da seta foguetão, bolacha de baixo do tampo dum dum barata mar, amarela e e preta

Pol a roi id beta super c olo r nu m ero set en t a e c inc o, se is, j un ho, l en gt homem, do bar do ra do l on g eu rc en to e cin q u en teresa am metros do hi ff o f orte ingles angulo mai ro dos quin he to s, latina eu do t r aço do madrid vi de o, c h ave da s ab rina vermelha do pc e cabo pr e to, das cab elo dez das vesicas das al gás, p rime ira ser ep pente da s eta foguetão, bo l acha de ba ino nono o do tam po d um du m bar rta mar, am ar e la ee ep pr eta

Celestino, mil novecentos e noventa e quatro, abril sexto, primeiro papa em noventa e seis , o segundo do sessenta e nove do bloco chic

Cele t ino, mi l n ove centos en ove en t a e q ua t ro, ab r i l sex to, p rime iro papa em n ove en at e se is , o se h gg un dodo se s senta en ove do b l o cc hic,

O homem da lanomina imperial é parecido com o laurent pasquier, é um outro laurent, o que lhe é parecido, o laurent du pasquier

St dk , caiu agora o segundo no laço do transformador da packard, e amplificador, ou seja pi one da ne rato, do os dos passos da lamina , no ar au da calha, do wire frame, o fio da fr au me

S t dk , ca e u agora o segundo no l aço do t ra ns for ma d or da p ac k ard, e a mp li fi cado rm o u seja pi one da ne rato, do os dos p ass os da la mina , no ar au da c al h a, do w ur e fr am me, o fi o da fr au me

Do os dos paus do loureiro, no au a colher, do wire frame, o fio da fr au me

O ponto , o menino pequenino, parece ser o bebé do tp no jardim da gulbenkian, bala imaginarium, aviao a passar , o filho da menina com saia de vaquinha, na imagem figurado pelo nome filipa, o pato no lago a passar, treze minutos, mais ou menos, o segundo do triunfo dos porcos, o joao minere, ou seja o joao do tripé, ou seja o joao maçónico, o pelo na relva, o bebe, o pelo do caracol do lobo, que fuma com capacete de mota de alce, bay bilos, a fechara era a noticia, a moto caída do caracol, episódio no jardim do império, o polvo da vaca das horas, ou de horus, duas menos dez hor as , a varinha da rapariga doirado com ar de gato, da vaca grande de chapéu de alma da austrália, do elefante de óculos cuja tromba levanta os lençóis e ve a vaca, o surfista da ar do língua da gata elegante dp circulo do dia do estendal do vestido vermelho e branco, e das roupas a voar do porco espinho dos espinhos , do espinheiro, episódio do que se diz juiz e do acidente do tir, do sapateiro dos bichos da ducla soares, se os bichos vestissem- se como gerente da teresa de lima, do principezinho de cabelos solares contente a voar no sei tapete voador, com suas filhos das cartas, do home equilibrado nas nuvens, rui, pato, ruivo, mec, do cisne voador, ou seja da menina que ema andas sobe nas nuvens e no ceu a ver o anjo voar, parker gravura, da lindíssima princesa de branco vestido com echarpe comprida branca, como a gisele, da floresta das bailarinas gansos, cas pia, das asas de ganso e cabeça de cisne que dançam para o homem com ancas de gazela, parecidas com a ultima foto de bruni no chuveiro , assim contam as imagens em bruto de um dos episódios do triunfo dos porcos, ou do documentário sobre o vinte e cinco de abril, uma cassete que se encontrava aqui na gaveta quando esta leitura se deu, e assim vi nela,

O ponto do menino pequenino, pa rece ser o be l é do tp no j ardi m da g u l b en k ian, b ala ima gina riu um, avi º ao a p ass ar , o fi l h o da menina com s aia de vaquinha, na i mage m fi g ur ado p elo no me fi l ip a, do circulo do pato no lago a p ass ar, t r e xe minu to s, maís o um en os, o se gun dodo t riu un f o dos po rc os, o joao mi le ero u seja o joao do tripé, o u seja o josao maco nico, o pe l k o na r e l va, o bv e be, o p elo do cara rac co l do lobo, q ue f uma com capa sete demo t ad e alce, ba y bil os, a f e chara e ra a no pt ti cia, am to ca id a do car q co l, do circulo do polvo da vaca das horas, time, o u de hor us, du as m en os dez hor as, primeira ava rinha da rapa rig a do ira ado com ar de agt circulo, o episódio da visao ao pé da casa da monica, aqui relatado, da vaca gt ande de ch ap eu dec l ue, austrália, do el e fan te d e o c u l os cuja t rom ba l eva van tao serpente dos lençóis eve primeira vaca, oo os e rf ista da ar do l un g ua da gata ele gan teresa da dp circulo do dia do est en de l ado v es tid o ve raro vermelho e branco, e das ro up as a vo ar do porco es pe in h o do s es pei n h os , do es pei n he iro, do sapa teresa iro dos bic h os dad ucla soares, se os bic h os v es t iss e ,mai traço ingles da se c om o ger t n te da te r sa de lima, do p rin cipe zinho de cab e los dez sola r es c on bt en te av o ar no se it a patê vo a dor, com s ua s fi l h os da s ca rta s, do h ome e ki loi ib br ado nas n uve ns, rui, pato, rui nono circulo do mec, do c is ne vo a dor, o u seja da me nina q ue ema andas s ob en as n uve ns e no c eu ave ro anjo vo ar, p ar k e r gravura, da l in di sis ma pin c e z a de branco v es tid o com e c h ape com pr ida branca, como a gi see k e, da floresta dd as ba i l a rinhas gansos, cas pia, das asas de ganso e cab eça de c is ne q ue can ç am pat a o home com anc as de g az e la, par e cida sc om a u l t ima f oto de br u ni no ch uve iro , as si m c on tam a si mage ns em br u to de um dos e pi s o di os do t rui n f o dos p or cos, o u do doc um en tar rio s ob re o vinte e cinco de ab r i l, uma ca s set q ue se en c on t r v a aqui na g av tea q un do e sta lei ruta sed eu, e as si m vi nela,

O car ina angulo cardinal, a cruz feita dupla, curiosamente duas testas se sobreponham assim em mesmo tempo, a minha e a de sarkozy, numa foto de capa de revista recente, dele e em semi arco no elizeu com toda a sua equipe ao fundo a sorrir e ele com ar muito zangado, do jogo do galo francês, vide diversas imagens no livro, as ultimas ali no palácio das necessidades

O car ina na gil dez primeiro do circulo do car din al, ac da cruz feita d up la, cu rio sam n te du as testas se s ob r ep on ham as si me m me ms o te mp o, a min h a e a de as r k oz i, nu am fi ota dele em s emi arc o no elize eu com toda a s al e q u ipe ao f un do a sor r i reel e com ar mui to z an gado, do j ogo do g alo fr anc es, vide di vera s ima ge ns no l nono do ro, as u l t ima s a l ino pala cio das ne ce s sida q au dr ado espanhol

Nest momento da escrita o pelo aparece aqui com um cabelo, no meu ecrã , da rego regua, o terceiro, da impressora, desenha o ponto do inicio do arco disposto em vaso em semi circulo que depois passa pela tabulação, ampulheta, e depois pelo ícone da colar e sobe ate a pressent ferra ra men t as ram un der sc core da dobra da nota sobre o bloco notas do triângulo de fogo que prende em cima com cor de fogo

Nest emo men to da es c rita o p elo ap arc e aqui com do primeiro cab do elo dez, no me uec ra , da reg vaso do regi do rego da regua, o te rc e iro, da im press sora, de ss n h a o ponto do in cio do arco di s post oe maior vaso em s emi cir cu dez q ue d ep o is passa pe la t ab bula da são da am mul do home da eta do tempo, r elo g gi os e d ep o is p elo dez i c one da co l ar e s ob e eta a pr es net ra ferra ra men t as ram un der sc core da do br a d a no ota s ob reo b l oco n ot as do t rina gula dez de f ogo q ue pr e dn de em sima com da co raro de forte do gato do duplo vaso do falo cravado na terra

Das aguas das pedras de abertura facial, trazidas pela miss , de abertura fácil, da revolução das mascaras, do chicco italia, sapatos de ténis vermelho e branco das pedras das garrafas com asas sapatos do miúdo de pernas para o ar, da revolução das moscas, g oo l din, comboio a passar, av d liber dade co do ,marques do fundo, onde so for mulas one em dia recente aceleraram

Da sa agua s das pedras de ab e r tura f ac cia al, t ra z ida s pe la mi ss , de ab r tura f ac i l, da r evo lu sao das mas caras, do chi cc o italia, spa patos de te ni s vermelho e br anco das ped ra s das garra f as com a sas spa to s do mu id o de pe rna s para o ar, da r evo lu sao das mo sc as, g oo l din, com boi o a p assa r, av d liber dade co do ,mar q u es do f un do, onda s o for mulas one em dia rec en te ac e lara ram

Masi barata do chicote do e w m varete de dos mosqueteiros, da região, regi cao segundo do doze, que acelera o ritmo cardíaco dos contadores de infra vermelhos, ou seja das caixas de supermercados, circulo da joana salgado leoa branca do jesus cristo

Masi bar rta do chico te do e w maior vaso do arete dedo s mos q eu te iro s , da regi ao, regi cao se gun dodo do ze, q ue ac e le ra o r it mo car dia aco dos c on t a dor es de in fr a ave vermelho s, o u seja das ca is xa s de super mer rca ado s, ci ru c dez da joana s al gado leo ab br anca do j es us c r is to

Tinha eu posto a seta maconde em cima da coluna da bang e olusen, em cima do circulo de prata com apoio calha negro forrado a pano, e pouco tempo passado, ela caiu, reparei que aquela seta , trás um sinal branco no seu tronco, que me ecoou na memória , logo na imagem do guillaume, que com as duas muletas, a ponta a vesica da arvore e tambem da noite no bosque das parminedes nos olivais,

Tinha eu do posto a s eta q ma conde em c ima da co l un a da bang e ol use en, em c ima do circulo de p rata com ap oio c al h ane negro forra do a p ano, e p o u co te mp o passado, e la ca i u, ref pa rei qq ue aqui da ue la s eta , t rr as um sin al branco no s eu t ron o c, que me e co o uma me mor ia , l ogo na i mage m do g u i ll am me, q ue com as du as muletas, primeira ponta ave isca da arvore e ta m b em da no ite no bo s q ue das par mini de sn os olivais,

Dois quadrados, ou sej oito macacos, para este fazer, e este feito

A seta ficou inclinada encostada contra a parte lateral do móvel da aparelhagem, que se reflectia no gabinete da bela senhora prenhe de suave força que é em embaixadora francesa em nova Yorque com uns belos rapazes dos assuntos financeiros, todos com muito pinta, ficou a cruz em assa, com a fenda onda entra o corda na flecha, a relembrar um dos passos da musica que o belo nuno tinha feito nas danças de lisboa, encostado à dobradiça de cima, que é como um capsula de prata, um comprimido prateado, que reverberava na imagem da menina da banda do plácido, com a canção da orquídea, e o escutado no espirito, ela está revistada de prata

A s eta fi co u inc l ina ada en c on s t ada c on t ra a porte la te r l ado m ove l da ap ar e lage em, q ue se r efe l ct tia ia ian ano gabi n te da n be l is sima s en hor a pr en he de s u ave for ca q ue é em ba nono ad dora fr anc e es sa em n ova y o i q ue com u ns be elo dez s ra p az es dos as sun to s fina ce iro s, todos com mui to pin ta, fi co ua ac cruz em ass ac om a primeira fenda onda en t ra o co rda na for mula one e cha, ar e l em br ar um dos passos da mu sica q ue o b elo dez do nuno tinha fe i to nas da sn ç as de l is boa, en c on t ado à do br a di ç a dec ima, q ue é com o um c ap ps u la de p rta, um com p rim ido p rate ado, q ue r eve r b ava na i me g am da me nina da banda do p l cio, com a c on sao dao r qui id dea, e o es cut ado no es pei rit, e la e stá r e v is ti d a de prata

Sua ponta ficou a apontara um das precisas circunvalações dos veios da madeira, a primeira imagem foi de um ilha vista de cima, mais precisamente uma atol onde em aguas claras e lápis lazuli, se vem as distintas gradações derivadas as areias e as diferentes profundidades das aguas, por detrás paralela a parede, a lá da sabrina vermelha e branca com cabo azul e anel doirado, ou seja um seta que foi cravada no atol da sabrina, ou melhor nos circulos das aguas , dos veios das aguas

S ua ponta fi co ua ap on tara um das pr e cisa s cir c un vala ç o es dos veios da madeira, a p rime ira rai mage maior f o id e primeiro da ilha vaso do ista dec ima, mais pr e cisa que mente primeira di atol onda em aguas clara se l ap is la zuli, se eve ema as di s tintas g rada ç o es der iva da sas ar reia areias sea s di fr en t es por rf un dida d es das aguas, por det ra s para lela a par rede, a l á da s ab rina vermelha e branca com do cabo az u le anel do irado, o u seja um s eta q ue f o i c rava ada no at al da s ab rina, o u mel hor nos circulos das aguas , dos veios das aguas

A leitura assim se deu, entre dois e sexto circulo do atol, e as das aguas , atol, igual a ilha, formosa, a sexta invocação da lingua de fogo que desce sobre os apóstolos, abertura o le to, b beto, doze apóstolos da serpente de agosto, o beto lete, mo mo mais colcheia incompleta do delta do apocalipse, eim fest seis burg lisboa, pois assim o video refere burg a ela, ist un ser seis forte ot t tt can tata kant a te cantate bw vaso oito do neil black oboé, do traço ingles jones brown, oboé da bola do cac traço do ingles da cia,

A lei rua as si mse d eu, en t re do ise ze s to cir c uk dez primeiro do circulo do atol, e as das aguas , at o l, il gula primeira ilha, formosa, a sexta in vo caçao da l on g ua de f ogo q ue de sc e s ob reo s ap a os t olo s, ab e r tura o leito, b beto, de ze a ps oto lo da serpente de agosto, o beto leito, momo mais co l che ia inc o mp l eta do delta do ap poca poça l ip se, e em f es t se is da burga da l is boa, p o is as simo vi de o r efe r e b u r g aa e la, ist un ser se i z forte ot t tt can tata k anta da te da cantate segundo w vaso oito do neil black ob do oe, do traço ingles jones brown, ob oe da bola do caca t r aço do ingles da cia,

Be still, segunda f oto, maior delta br sat homem ingles hert do cora são, he art homem, estrela dos dois circulo do trinta e dois do traço no fragil, g rai l ilha gil, t rec iro de cinquenta e nove, bala com bala, vida de bailarina, coca cola, co caco p rie mr ia la, can any one as k for more, a s en tim en t al b lu es miss grene grese les temps dificiles deuxieme version,

Depois um desenho de uma chaveta na vertical um parede, com um interruptor , anónima serpente cela primeiro infinito, beste caso a primeira serpente da dupla penetração, mijo do admastor da marisqueira de beslan, semi circulo vermelho como sangue na camisa branca lado do pâncreas, no preciso momento em que eu lhe falara de beslan, ela se levantara da mesa e assim me desvelara a mancha de sangue, eu até parei as palavras face ao visto

D ep o is primeiro de s en h ode uma ca h v eta na ave r t i ca al um par rede, com um in te rr up ot , ano nima serpente cela p rime iro rodo infinito, be s te caso, maluco, a p rime ria serpente da d up la p e ne t raçao do mi j o do ad mas tor da mar is da isqueiro fêmea, de b es l am, s emi cir u c de x z vermelho com o san g ue na cam misa branca l ado do pan c rea sn o pr e c is o m om en t o em q ue eu l he f ala ra de b es lan, e la ase l eva van tara da mesa e as si m me d es vera a m anc h ad e san g ue, eu a té ap rei as pala vaso do ra s da face ao vi serpente to

A sequência desta parte do texto se encontra mais a cimo, neste, vai desde o mijo, até a sete tres a vesica da arvore, jardim das parminedes nos olivais

A se seque , can non, q eu en cia d eta par e t do texto se en c on t ra mais isa c ie me nest, vai de sd e o mi j o, a té a set e t r es a ve dani dano ano isca da r vo rem, jardim das pam ine de sn os olivais
«

cruz rati, ra tim rato ti nu