sexta-feira, março 13, 2009




MIN AM S D A TE DI S DA SE

Minha
Amada
Sempre
Te disse

Min h a am ad ase mp r e Te di s se

Q PS MP TE


Que
Penso
Sempre
Melhor
Proteger
Te

Que penso sempre mel hor Pro te ger Te

Q TE TT TAP

Quando
Te
Trago
Ao
Perto

Quando Te T argo ao per to

E MS MC VASO DO PM QUADRADO DO MNA VASO


E
Mais
Pesado
Meu
Coraçao
Vai
Pois
Mais
Do
Mundo
Afastado
Nele
Vou

Ema mais pesa sado me u cora são v a ip o is ma sid o mundo a fat a don nel e vo u


ST TE EE LE OT DC SS OT

Sendo
Tu
E
Eu
Livres
Espíritos
O
Tempo
De
Chegar
Será
Sempre
O
Teu

S en dot eu e u l iv r es e s pi ritos o te mp ode ca he g ar se rá se mp reo te delta


E EL SAS S AM MP P


E
Espirito
Livre
Sempre
Aqui
Se
Sujeita
A
Maior
Perigo

E Es pito Lovre Se mp r ea qui se s u je it aa maio rp per i g o

P O AS N AR N RIQ EL DC U E O REO MEO P

Porque
O
Amor
Sendo
Não
Ainda
Reina
No
Reino
Inteiro
Que
É
Lugar
De
Cada
Um
E
O
Redor
O
Meio
E
O
Permeio


Por q ue O Amor s en don cão a inda Reina No Te ino Ine te iroque É Lu g ar decada dec um E o Red deo ro me io E O Per me io

INC T RAGO ME U CORA SAO

Inquieto
Trago
Meu
Coraçao

Ii n qui e to t rago Me u Cora sao

F FT A CEA Q NE LA HOMEM AB BIT AM


Falei
Tudo
À
Cidade
E
Aos
Que
Nela
Habitam

J a f al lei tudo ac cidade EQ os do quadrado eu ne la homem do ab bit tan da am


AE A A P A N A SA

Acusei-os
Em
Amor
Amando-os
Pelo
Amor
No
Amor
Sendo
Amor



Ac use e traço ingles os em am o ra man do traço ingles os P elo Am o rn do rato no da am circulo rato serpente en do am circulo do rato


SC TS DEO SD TE PI SM

Seus
Crimes
Terríveis
Sem
Desculpa
E
O
Silencio
De
Todos
Eles
Pecadores
Inalterável
Se
Mantém

Se us c rim es Terri v e iss em d es culpa E O Silencio Q de Todos El es P eca dor es Ina l te ravel se man te maior

SEA S A PN AP

Se
Esgota
Assim
Esgotam
As
Palavras
Nunca
A
Palavra

Se Es gita as si m es g o tam as pa l av ra sn unc a ap ala v ra


CAN E P E EO Q N CD EM CO FR

Contudo
Aparecem
No
Espaço
Publico
E

Encenam
O
Que
Nem
Conseguem
Dizer
Em
Modo
Claro
Ou
Frontal

Contudo Aparecem mo es ap do co do Publico E En c en am O Q eu Ne mc on se gume di ze rem Mod o C al ro o u fr on t al

NS H TS SI F


Não
São
Humanos
Tornaram
Se
Infra
Humanos

N cão são dos humanos tor na aram se in f r a dos humanos

M D U A PI OE DC O A J FF


Menos
De
Um
Ano
Para
Inverter
O
Estado
Das
Coisas
O
Aviso

Foi
Feito

Me en os De um Ano Para In verter O Estado da sc co ia s o Ab v is o J á F o e F e it o

O FOR RA E ME EN OS DD MUNDO DE US PRIMEIRO S IM SEGUNDO FALO DUPLO CIRCULO ME AP DO PER DO CEBI

Ontem
Fora
E
Menos
Dentro
Do
Mundo
De
Um
Símbolo
Me
Apercebi

On te m for tora E Me ni s D en t rodo mundo De um S im b olo me Ap e rc cebi


UN M UR DN CE FT

Uma
Bela
Mulher
Uma
Ruiva
De
Meu
Coração
Estranha
Face
Trazia

Uma bela mul her uma tui iva de me u cora são Es t ra anha da face T ra z ia


N CD RN C OV D AC UU RIE R E

Na
Casa
Da
Rp
Na
Cozinha
O
Vaso
De
Aquários
Com
Uma
Ruiva
Invertida
E
Rachado
Estava

Na c asa da rp pn ac oz inha O vaso do as ode Aqua rio us ci muma rui v a iv e rt di E rac homem do ado es t ava

NN CNA

Nele
Não
Corria
Nenhuma
Agua


Ne le n cão co r ria n en h uma agua

No
Arranjo
Da
Mesa
Tres
Belas
Borboletas
Figuradas
Estavam
Poisadas
Nos
Ramos

No Ar r anjo da mesa t r es nelas Bor rb o l eta s figo ra da s es t av vam p o isa da s n os
Ramos

V E MD MAO U G F A

Vem
Essa
Mulher
De
Meus
Antípodas
Onde
Uma
Grande
Fogo
Aconteceu

Vem ess am mul her de me us Ant ti ip pod as onda Uma gt tam madeira e Fogo
Ac one tc eu



A GAN JS NA EQ TE

As
Gaivotas
Aqui
No
Jardim
Sentado
Na
Arvore
Em
Que
Te
Escrevo

As das gai v ota sa do qui do no do jardim s en t ado dna dona arvore em q eu Te Es c r evo

A ANC CE GM CS C

Apareceram
Agora
No
Ceu
E
Grasnam
Muito
Como
Se
Chorassem

Ap ar e ce ra m Agora no c eu E G ra sn am mui to c o mo sec hor a ss em

CID S

Como
Imagem
Do
Sofrer

Com o ima ge madeira do s o fr e rato

SID OM

São
Irmas
Das
Ordens
Menores

São irmas, d a s o r de ns m en on r es

O SAM M A P N M A

Outra
Sala
Antes
Me
Mostrava
As
Pedras
Nas
Maos
Agitadas

Outra do sala ant es me mos t rav a as das pedras nas mao sa gita ad as

H O T C FA

Hoje
Ouvia
Tua
Cidade
Foi
Apedrejada

Hoje O u v ia Tua da cidade f o ia ap pr e d e jad a

CE T N DE DC DD

Cidade
É
Tambem
Nome
Da
Esposa
Do
Cordeiro
De
Deus

Cidade É Tam b em no meda Es posa do co r de iro rode de is

MC FPA IE

Meu
Coraçao
Ficou
Pesado
Ao
Isto
Escutar

Meu Cora são Fi co u Pesa ado ao is to Es cut ar

A F R A H SAT

A
Flauta
Reservada
Aos
Homens
Segundo
A
Tradição

A For oe mula one au ta r es serva ad aa os H om en ns se gun do a T ra di sao

F A R O U DR Q AM N TITO

Fora
A
Regra
Ou
Uma
Das
Regras
Que
A
Mulher
Na
Televisão
Infringira

For a ar e g ra o u uma das Reg ra s q eu am mul her na te le da visão in fr rin dag ira

P DD F D V P HE U TC M MP C V A O S

Por
Debaixo
Da
Flauta
Desta
Vez
Pelo
Homem
Empunhada
Uma
Taça
Como
Meio
Mundo
Para
Cima
Virada
Amplificava
O
Som


Por deb aixo da For mula auta de sta ave zorro do P elo H om em E mp una hd a Uma
Taça com o mei om un do p a r a c ima vaso ira da am do mp li fi c ava O S om

E
O
Sentido
Das
Coisas
É
Sempre
Múltiplo

E O S en tid o d as co isas É se mp r em mul vaso primeiro t ip primeiro circulo dezembro

CE T L OO HH CO F

Cidade
É
Tambem
Lugar
Onde
Os
Homens
Habitam
Caso
O
Fossem

Cidade eta tam am b em lu g ar onda os homem do om e ms homem do ab bit am caso o fo s se m

E A S L DC DT E P O CE O S M V

Estes
Aqui
São
Ladroes
De
Crianças
Delas
Torturadores
E
Propiciam
O
Crime
E
O
Sangue
De
Muitas
Vitimas


Es t es sa qui são La quadrado do ro es dec r ian ancas del as tor tura dor es ep por rp pi cia am de oc rime e os na g eu de mui t as vi tim as

CE ETA ACO CO E HP PM F R A E

Contudo
Esta
É
Tambem
A
Cidade
Onde
Estou
Habitando
Pois
Meu
Filho
Roubado
Aqui
Está

Contudo e sta é eta tam am e b em primeira da cidade, radio, onda es to u H ab bit tan ado p o ii s me u fi l h o ro ub ado a qui e stá

N COA AM MP PT TS U


Na
Cerimonia
Onde
A
Mulher
Parecia
Ter
Sido
Ultrajada

N ac eri moni a onda a am mul her par e cia te rato sid o vaso do primeiro da t ra jad a

U O L SD U HE DM CUCU O

Uma
Outra
Linha
Se
Desvelava
Um
Home
Entre
Duas
Mulheres
Cada
Uma
Com
Um
Oscar

Uma outra L on h a se D es vela ava um H om e en t red ua s mul her es c ad a Uma c om um os car

UM BR DM CS MAD Q E P N CD BO E C UE


Uma
Das
Belas
Raparigas
De
Meu
Coraçao
Chegava
Mesmo
A
Dizer
Que
Em
Pequena
Na
Casa
De
Banho
O
Oscar
Era
Como
Uma
Escova
De
Seu
Cabelo


Uma das belas ra par rig gás de m eu cora são she ega ava me sm o ad di ze rato do aro do q eu em pequena na c da asa de ban hi o oscar, e ra c omo uma es c ova de cab elo, ele o oscar

ON RA N Q M A Q TD R AL S D C
U

O
Belo
Rapaz
Acrescentava
Nervoso
Que
Ra
Bom
O
Mundo
Atender
Que
Tem
De
Respeitar
A
Liberdade
Sexual
De
Cada
Um


O B elo Ra p az Ac r es c en t ava ne r v osso q eu ra b om o Mundo At en de rato q eu Te madeira e R es pei t ra a Liber dade Sec ual dec ad a um

ERO H Q NE BATA ALHA CACA IRAM ON LP Q LIBER


E
Relembrava
Outro
Homem
Que
Nesta
Batalha
Caiu
Como
Caíram
Outros
Na
Luta
Por
Qualquer
Liberdade

R el em br av cao de outro H ome maior q ue me sta bata alha ca i u com o ca iram it rt os na Lu t ap o r qual q eu r Liber dade


Pois
Liberdade
Tem
Sido
Questão
De
Diferença
E
Aceitação
De
Géneros
Enquanto
A
Destrinça
Entre
Os
Géneros
E
Feições
No
mundo
Se
Fizeram

P o is liber dade te ms id o q eu s tao de difer rn sa e ac e i taçao de g en erro s en q ua n to a di s t rin sa en t reo s g en ero rose E fei ç o es mo mundo se fi ze ram

CC SS INP DC TD E DD UM CU MEO OV


Curioso
Como
Sempre
Se
Irmana
Neste
Ponto
Duas
Chamadas
Transgressões
De
Expressão
Distinta
De
Um
Mesmo
Com
Um
Morto
E
Outra
Viva

Cu rio soc omo se mp rese Irmana Nest ep dp on to Du as do sc do circulo do homem da amada st ra n sg grés serpente do circulo do espanhol de E do x press são di serpente tin bta de um m es mo com primeiro mor to E outra do vaso do iva

Ol DP D M Q A OM C SPA EE O L NS P OM T SJ


Outra
linha
Do
Programa
Da
Médée
Quando
Aborda
Os
Mitos
Circundantes
Se
Parece
Aqui
Espelhar
E
Outros
Linhas
Nesse
Dizer
Por
Outros
Mais
tarde
Se
Juntaram


O u t ra Kapa da linha, do Pro g rama da Médée Q ua ando Ab o rda os mito serpentes Cir irc c un dante es se pa rac e aqui es pe l h ar E , outros L on h as ness e di ze rp por
Outros do mais t arde se J un ta aram ram


A E BA R B E H USA E T L SAS NE A TO SD A MASQUE I BT B J AP F DS DD T A C D SJ B

Ah
Eu
Beijei
A
Tua
Boca
E
Havia
Um
Sabor
Amargo
Em
Teus
Lábios
Saberá
A
Sangue?
Não!
É
Antes
Talvez
O
Sabor
Do
Amor
Mas
Que
Importa
Beijei
Tua
Bica
Joao
As
Palavras
Finais
De
Salome
Depois
De
Ter
A
Cabeça
De
S
Joao
Numa
Bandeja



A h eu bei je ia t ua b oca E homem avia um Sabor Am mor goe m te us l á bio ss abe rá as na g eu foice, n cao s eta c rava no chao é, ant es t al v e z os ab o r do am o rm as
q eu em mp porta ne e je it ua bica joao as pal av ra serpente de salome de o po is de te ra cab beça de s joao sj nu ma ban de j ao in fe r no da p os see E do doc cio me
E da void en t ad e mui tom al me dida

R L DP DC D V DP DC A


Tremenda
Loucura
Da
Posse
Do
Ciúme
Da
Vontade
Desmedida
Pathos
Das
Carnificinas
Anunciadas

T r emenda Lou cura da p os sed o cio meda do cisne e dos patos da von t ad e d es me dida Pat h os da sas
Car ni fi das cina sc inc as, c inda s, c in j as, das cintas, circulo em za serpente zorro do cinema e un cia ad as

CO NM DV E V P DP V D AA CAB ECA D Q D A


Como
Ousais
Na
Mascara
Da
Vossa
Egoísta
Vontade
Pedir
Disfarçado
Perante
Vós
De

Amor
A
Cabeça
De
Quem
Dizeis
Amar

Com oo u sis na M as cara da V os se da egoísta da vontade, pe di r di s f a rc ado Pe ra n te vó sd e amora cab eça de q eu em di ze da isa mar Ac to dea mor a Lou cura uma
Vaso e zorro d es masca ra da l eva ao Ban ni men to nin g eu mm mais q eu rf fi car c om O san g eu em s ua mao todos q eu rem ap a gara me mor ia da p art ti c ip ac são

N P A N P B G A U I A D DD S J B


No
Peru
A
Noticia
Pela
Bela
Gisele
Acrescentava
Uma
Indicação
Á
Declinação
Do nome
De
S
Joao
Baptista

No do peru ano not ti cia P le Be l A gi sele Ac r e s w c en t ava uma Indica caçao
à dec lin ac sao do no mede S Joao B a pt i st aa da kapa jean Ba t is te La c roi x
O ua Jean do baptista, de la croix circulo do roi circulo do ox do x

ME PN C Q S TE MIA MC

Mais
Estranho
Porque
Necessita
Conhecimento
Que

Tiveram
Em
Modo
Indevido
A
Minha
Casa

Mais Es t ra n h o por q eu bec ne c ess it ac on he cimento q eu s ó Ti iv vera ram da manha em mod, o Inde vi do a min h ac asa

AP E D I DN FN CD BP D DAD


A
Pequena
Escova
De
Infância
De
Meu
Filho
Na
Casa
De
Banho
Por
Debaixo
Dela
Assim
Diz

A Pequena Es c ova De In fan cia de me u fi l h on a ac casa de Ban h o por De ba ix ode la ass em di zorro

O F EX CG O H


Os
Fungos
É
X
Cândida
Gel
Oral
Hiv

Os dos fun g vaso do os é X Can dida do gel O ra al Hiv

LEE CP EFE EM GEL

Lactentes
E
Crianças
Pequenas
Efeitos
Em
Gravidas
E
Lactantes


Lac t en t es e c rian ancas aço pequenas efe it os em G rav id as e
Lac t ant es



D ak ti rin
Posologia
E
Modo
De
Administração
Medidas
A
Tomar
Em
Caso
De
Sobredosagem
Conselhos
Ao
Utente
Precauções
Particulares
de
conservação
Jansen
traço ingles cu
circulo ila la gat
da
farmacêutica

D ak t ur un Ps olo do oso pp gi a E Mod ode Ad min si t raçao ,e didas a tomar em caso, louco, de S ob red os sa ge mc on se l h os são u t en te pr e c au ç o es p art ti cu l ases de c on serva são do j an s en do t r aço ingles do l es cu do circulo ila la gat da f am ac ceuta ti ca

OV NM S O A D S S E C EE

Outra
Vox
No
Mundo
Sobre
O
Assunto
Da
Sexualidade
Se
Escuta
Chegar
Em
Espirito


Outra da vox do no do mundo s ob reo ass sun to da sex ual id ad e se es cut ac he g are em maria es pi rito

P DO F DO CIRCULO DO QUADRADO DP DELTA DA AD R ADO AD MEC D L SEA GF Q E F

Parece
Fazer
Crer
Que
Antes
De
Mais
Estas
Questões
Da
liberdade
sexual
é
a
grande
fractura
que
é
fracturante

Pa rece F az e rc r e r q eu ant es de mais es t as Q eu s toe es da liber dade sex ua l
É a g rande da f ra c tura q eu é f rac t ur ante


AA E A UM U TD O TP DDS SE A TENDER POR E X MP IO
Q EU QUADRADO ANAL LISE DA ESTRELA E C INC O POR C EN TO DA POP VASO LA SÃO DO UNO M UN DOP ASS F OM ME E V IV E MISE RIA


Analise
E
Argumento
Muito
Duvidoso
Donde
Suspeito
Se
Atendermos
Por
Exemplo
Que
Quarenta
E cinco
Por
Cento
Da
População
Do
Uno
Mundo
Passa
Fome
E
Vive
Miséria


Ana l ise e ar gume en to m ui t o d u vi do s o don de s us pei to se a t en der mo sp por
E x em mp l o q eu qua renta E c inc o por c en to da Pop u la são do Un o Mundo P ass a F om me E V iv e Misé ria

C DO Q TP Q P V C Q S ES TE F AC TO E MUI TO MAIS F RA C TURA ANTE E X POSTA ME S MA LUI IRAO

Certamente
Que
Todos
Os
Que
Pensam
Verdade
Concluirão
Que

Este
Facto
É
Muito
Mais
Fracturante
E
Capaz
De
Fractura
Exposta
Mesma

Ce rta a que mente, q eu todos os q eu au pen sam verde dade c on c lui irao q eu S ó este F ac to É Mui to mais F r a c t ur ante E Ca paz de F rac tura E x posta Me s ma

CU UM G RANDE T EMO RATO DE TERRA, CO MO Q EU J A AC ON TECE E CERA RAM

Como
Um
Grande
Tremor
De
Terra

Como
Outros
Que

Aconteceram

Com o um g rande T r emo r de Terra, Com o outros q eu J á Ac on tec e ram

C T L D A P RO D Q SED D C D S

Chegam
Tambem
Linhas
De
Antigas
Profecias
De
Quebra
De
Selos
E
Da
Chegada
Do
Senhor


Che vaso g am Tam be m linhas de Anti gás Por rf e cias de
Q eu br ad e Se l os E
D ac h ega da d o S en hor

D A D D RA Y TE D PERE SE US PAP E IS

Da
Acção
Do
Drama
Até
De
Personagens
E
Seus
Papeis

D av Ac sao do Dr ma A y té de Persona ge ns E S e us Pap e is

DP PRO TE O VALOR TE MNA S CONDI C O ES Q EU J A D ETA ALHE DA LEI


E
Profecias
Tem
O valor
Que
Tem
Nas
Condições
E
Variáveis
Que
A
Todos

Detalhei

E Pro f e cias Te mo valor Q eu Te mna s Condi ç o es E V aria ave is Q eu A Todos
Jade t al he e

U P F AZ CU MET UMA BOB O L ETA Q UE J A KI ME VEIO V ISI TAR AP PAR RECE A MO DO CU DO MET DA METRALHADORA DE ALMA; OU SEJA DA MORTE DA PRINCEZA

Um
Pássaro
Faz
Como
Um
Metralha
Uma
Borboleta
Que

Aqui
Me
Veio
Visitar
Aparece
Ao
Momento
Como
Uma
Metralhadora
De
Alma

Um Pá ss aro F az com o um Metralha, Uma Bo r b o l eta q eu J á A qui Me Veio
V isi tar Ap par rece ao Mo men to co mo uma Met ra alha do ra de Alma


URD L EN NO CAB ELE E C Al CAS VIOL ETA S LA DEIA O LAGO DO IS PATOS DE BI ICAM DE P EN AS O U FP PR MULA ONE E CH AS


Uma
Rapariga
De
Lenço
No
Cabelo
E
Calças
Violetas
Ladeia
O
Lago
Onde
Dois
Patos
Debicam
Uma
Palmeira
De
Penas
Ou
Flechas

NA AR Al UM E T CIN BR E CAS D BICA OO VERDE DP TO O OB

Na
Realidade
Um
Em
Tons
Cinzentos
brancas
E
Castanhos
debica
O
Outro
Verde
De
Pescoço
Torcido
Observa
O
Observar

Na aR e la id ad e Um E m To ns Cin z en to s bt ancas E Cas t anho s d e bica, o outro
Verde de p es coco tor c id o ob e s r vao ob serva ar

U L SE J UN T A E ESTE PEDA AÇO VI S TO


Uma
Linha
Se
Junta
E
Este
Pedaço
Visto

NO L A DO , DO MAR O UN NI O ME S MO VI S TO EM NO MEDE IM G H RUP O DE UM CLA

No
Outro
Lado
Do
Mar
O
Único
Mesmo
Visto
O
Nome
De
Um
Grupo
De
Um
Clã

ES TAM OS P O IS TAM B EM UMA G EU R RA DEC LA ONDA PRIMEIRA SERPENTE C OMO SE MP REA TO DO S D I ISS SE

Estamos
Pois
Tambem
Perante
Uma
Guerra
De
Clãs
Como
Sempre
A
Todos
Disse

E UM G RUP O MAIO RO PR E TEN DE DI RIG IRA RA A ORQUE EU STA A COM MP PN DO AS TAIS C H AMAMDAS F RAC TURA ANT ES O VASO O U TABUS, T ABUS, T A BUS

E
Um
Grupo
Maior
Que
Pretende
Dirigir
A
Orquestra
Compondo
As
Tais
Chamadas
Fracturas
fracturante
Ou
Tabus

AP DA PER GUM T AV AI LID A ASS SI EM SE MAN TÉ MAIOR

A
Pergunta
Válida
Sempre
Assim
Se
Mantém

SE REIS VO OS TODOS, OS LADOS USA DO S POR TERCEIRA P ARTE Q EU V OS R RÁ SERPENTE O C EU R REA AR

Sereis
Vós
Todos
Os
Lados
Até
Que
Ponto
Usados
Por
Terceira
Parte
Que
Vos
Trás
O
Guerrear

O AD E VC A l FORMA AS E O CAS PARA Al D Q E S AM G EU PA GARA EU ERAM

O
Aprofundar
Disto
Em
Vossa
Consciência
Alterará
De
Alguma
Forma
A
Sentença
E
O
Castigo
Para
Além
Dos
Que
Em
Sangue
Pagaram
?

O Ap pi rf un da r di s to em V os s ac on cie en cia A ç te r a rá de Al gum a F o l ma a Set en as E P PP O Cas ti g o Pata al é madeira dos q eu em s na g eu pa g aram foice

CP U SI EM S EU CORA SÃO S AB RA A R ES POSTA

Cada
Por
Um
Si
Em
Seu
Coração
Saberá
A
Resposta

C ada Por um si em s eu Cora são p S abe rá aR es posta

C AV P Y SEMEM NO EN RED O


Contudo
Alerto
Vos
Para
Uma
Semelhança
No
Enredo

Contudo Al e r to V os Para Uma Semem l h ança No En red o

P DI DI DE DIO Q AU UMA ME DI AD UM A PAO O RTA R

Pois
Dizem
Diversos
De
Diversos
Quadrantes
Uma
Mesma
Direcção
De
Um
Mesmo
Aportar

P o is di ze m Di versos de Di ove r s os Q au dr ant es uma Me s ma Di rec são de um
me sm ap a orta r

Q A U N AP ORTA AR R


Que
Será
Ou
Não
Aportar


Q eu se ra o un cão ap orta r

PE A A ES SD SEA


Pois
Em
Aberto
Ainda
Está
Antes
Sempre
Do
Seu
Eventual
Acontecer

P o is E m Ab e r to A inda E stá Ant es Se mp red o S eu Eve en tua l Ac on te ser

DC DP E DE JED M D S F AA

Da
Confusão
Dos
Povos
E
Dos
Errados
Julgamentos
E
Do
Martírio
Dos
Santos
Fieis
Ao
Amor

D ac on f u são dos P ovo se dos E rr ado sj u l game en t os E do Mar tit io dos santos Fi e isa o amo rato

E DS TOM


Este
Dizer
Serve
Tambem
O
Martírio

Este Di ze r serve Tam b emo Mar it ti rio

P V A TP P V E AR


Pensai
Vos
Assim
Tao
Pequenos
Para
Vos
Entregares
À
Rejeição

Pen sa iv os ass em Tao pequenos para V os En t r ega r es a R e je e são

Q AC MR Q S

Que
Assim
Com
Martírio
Terá
Que
Ser

Q eu ass em Cp Mat ti rio T r e ra q eu ser

Q V N P Q A T Q S

Que
Vem
No
Pacote
Que
Assim
Tem
Que
Ser

Q eu V em No Paco te Q eu Ass em Te m Q eu Ser


E D Q S P Q N V Al GUN SA O DI

Esquecestes
Do
Que
Sempre
Aconteceu
Quando
Nas
Vezes
Alguns
Assim
O
Disseram

Es q eu c es t es do q eu s em pre ac on t rec eu q au n do s
sn sas vaso e ze s al gun sas s em o di iss e ram

EN DD
e
nada
deste
dito

en ad d de este dito

SADO DADO AS OS, D ES DITA

desdita
a
dor
ou
a
sofrer
o
sofrido

d es dita ad o ro ua s o fr e ro s o fr id o

T AP DP SS Q A G N E AP AZ

Todos
As
Partes
Da
Parte
Sempre
Sofrem
Quando
A
Guerra
Não
É
A
Paz

To dos as p art es da p arte se mp r es fr em rem qua ando n cao é a paz

O F S J N O T D E

Outro
Fio
Se
Juntou
Numa
Outra
Terra
Da
Europa

O D F DN MIA

O
Documentário
Falava
De
Nossos
Irmãos
Animais

O doc um en tá rio f ala ava de mo ossos si rato mai mao serpente ani nima is

AD Q E D P E DE D N I OT M MAR AM MR TE L I OS

As
Desafiantes
Qualidades
Extraordinárias
Da
Percepção
E
Do
Entendimento
De
Nossos
Iramos
Os
Tubarões
Martelos

As D es afia ant es Q ua li dad es E x t ra o r dina ria sd a per rc ep são E do En t en di men to de No ossos Iram os circulo do stud barões es m art elo s

A E DR TS M
A
Explicação
Do
Redor
Trás
Sempre
Múltiplo

A e x p li caçao do red o rt rá serpente se mp rem mul ui tip primeiro do circulo

S EP SAS AZ N P D U J


Se
Estende
Por
Simetria
Analogia
Semelhança
Nas
Partes
Do
Uno
Jardim

Se est ten de por si mer ria ana lo g ia semem primeiro ança na serpente as da p das art espanholas do un do circulo do jardim

N J D F O CE A FF AP

No
Jardim
Dos
Faunos
O
Casal
Entrevista
A
Futura
Fille
Au
Pair

No do jardim do serpente dos faunos, f au un os doc irc culo do ca s al en cruz revista a f vaso da tura fi ille ll au p air

CAN L S OX CE F A

Com
Algo
No
Licor
Soltam
O
Êxtase
E
Com
Ela
Fazem
Amor

Com al gato do circulo no lic circulo do rato serpente circulo do primeiro tam amo do e x cruz ase e, com el a f az em amo rato tp

S F S DAN DA S RA N C ASE C AB D P A EL D


Suas
Faces
São
De
Animais
No
Dia
Seguinte
A
Rapariga
Acorda
Numa
Cama
A
Serva
Entra
Com
A
Bandeja
Do
Pequeno
Almoço
E
Lhe
Diz

S ua s face es são de ani mais no dia se gui n tea ra par riga ac corda nu ma ac ama as serva en cruz ra com a ban de j a d circulo do pe q eu no al moço e l he di zorro


POS PAR RO ES T IV RAM Q EU AS MAIS CD DI PARA Q EU A ME FI CASSE A VON T AD E

Os
Patrões
Tiveram
Que
Sair
Mais
Cedo
Disseram
Para
Que
A
Menina
Ficasse
À
Vontade

A OM D HD LINDA QUI LL ART AIME

Assim
O
Mapa
Da
Historia
Da
Linda
Qui
L´aime
L´ art

Ass emo map ad a hi s tor ia da linda ki angulo a p s o to l o ser pente aime do angulo a ph os t rof e ser pente de la art

DD F DS E DO DC

Depois
De
Falar
Dos
Símbolos
E
Das
Ordens
Das
Constelações

D ep o is de f al ar dos s im b olo sed oo de ns d as c on ns te l ç oe s







OS DV N TS E Al DC F EN C


O
Símbolo
Da
Vesica
Nessa
Terra
Se
Expressou
Como
Alpendre
Da
Casa
Farmacêutica
Em
Negra
Cor

O s im b olo da ave sica ness a terra se e x press o vaso com omo circulo da c asa f arma ceuta tica em ne g ra co ra to
CE T N L N DN UA OO CC MM C ON VO CD PN


Constelação
É
Tambem
Nessa
Lingua
Nesse
Dizer
Nome
De
Um
Aviao
Onde
Outrora
Coco
Chanel
me
mostrou
com
outros
na
visao
o
cavaleiro
da
pont
neuf
Co ns tela são é t am b em ne ss a lin g ua ness e di ze rn ome de um Avia o onda
o vaso da cruz do ro ra coco c h ane l me mos t ro u c om outros na visao o c ava le iro roda p on t ne eu f

AP NE E O C AVA LEI RO DOG RANDE F UR RA SAO

a
point
neuf
e
o
cavaleiro
83
ano
do
grande
furacão

ap on in teo c ava lei iro ro dog rande f ur raçao

DO S A LEI A C OLE CC SÃO DU AS AB CAB ECA S CHI INE ZA SERPENTE

depois
o
senhor
a
leiloar
a
colecção
onde
estão
duas
cabeças
chinesas

d ep o is os en hora lei primeiro do circulo da ar onda espanhola t onda circulo du as ca beças c h ine z as,


AU SC Q REC AS DU AS CAB ECAS TE REM SI D O RO UB AD AS DE OUTRORA NU P ILHA GEMA DO A UM PALA DC COC O CIO


aparecia
um
senhor
chines
que
reclamava
as
duas
cabeças
terem
sido
roubadas
outrora
numa
pilhagem
a
um
palácio


ap ar e cia um s en hor c h ine s q eu rec l ama ava as du as das cab eça s te rem sid o ro ub ad as de o u t ro ra nu ma pi ilha gema a um p al pala do ac do cio doc dc galo

N RA V I P E T S AD U QQ AS


na
realidade
ao
ve
las
pareciam
elas
terem
sido
arrancadas
de
um
qualquer
corpo
que
as
suportaria

ne real id ad e a ove l as par e c iam el as te rem sid o ar ra n c ada sd e um q aul q eu rc corp o q eu as s u porta ria

O S F DE Q L F V EL Q TO C D C
o

senhor
francês
disse
então
que
lhe
foram
vendidas
em
forma
legal
que
trazia
os
comprovativos
dessa
compra


o s en hor fr anc ê s d di ss e en t ã o q eu l he forma v en dida s em for m a l e gal q eu
t ra z ia os co mp rova t iv os de s as co mp ra s ab emo s todos q eu p eça s por v en tura
o u t r ira ro ub ad as pod em vi ra ira ter s up o rt es com t abi lis ticos for jad os e
q eu em co mp ra pen sar q eu co mp ra le gal

EST Q P P O R P F V AR C C D S O C I


e
sabemos
todos
que
peças
porventura
outrora
roubadas
podem
facilmente
vir
a ter
comprovativos
contabilistico
da
sue
origem
como
legal

es ab emo s todos q eu p eça s por v en tura o u t ro ra ro ub ad as p ode em f ac ile mn te vi ra te rc om pro ova t iv os c on t ab i lis ticos d a s eu o rig em com o le g al

OS F E DE T ROCA DN P AP
o
senhor
falava
então
de
troca
e
dizia
na
proposta
a
proposição

o s en hor f ala ava en tao det orca e di z ia na por rp posta a pro posi sic são

( troca , trás na minha escritura, o símbolo que já apareceu algumas vezes, a primeira numa coluna do pedro rolo duarte, que remetia por via do sinal gráfico, essa é tambem sua função, o asterisco, para o miguel esteves cardoso, ou o gato esteves, ou o cat do steve, o t, aqui ficou asterisco, que eu declino em a arte do isco, da roca, da pedra, ou seja diversos outros sentidos aqui se abrem, nomeadamente na imagem que vem da linda aime l art, que faz parte de uma bd, que tem curioso nome, canal zero, como imagem de big brother e de uma sociedade que se tornou voyerista, o mesmo nome que dei eu ao canal zero, a aplicação na internet, que desenvolvi )

( t roca , t rá s na min h a e c rit ur a, o s im b olo q ue j á ap a rece u al gum as v e ze, a prime ira nu ma co l un ad o pedro rolo duarte, q ue reme tia por via do sin al g raf fi co, ess pata é t a m b em s ua f un sao, o arte r isco, para do circulo do miguel esteves cardoso, o u o gato es teve es, o u o cat do steve, o t, a qui fi co u arte r isco, q ue eu dec lino em a art e do is co, da roca, da pedra, do cabo da roca o use seja di dos versos de outros sentidos a qui se ab rem, noe ema dam que mente em en te na e mage made ria q ue eve made ria da linda aime l art, q ue f az p arte de uma bd, q ue te m c ur rio son om me, c ana l z ero, com oi mage made ria de bi g br it her e de uma soci e dade q ue se tor no u vo y e r ista, o me s mo no mec ue de e eu ao c anal z ero, a ap li caçao na internet, q ue d es en vo l vi )


M D C N CE R D T C E L


mais
direitos
civis
na
china
e
reconhecimento
do
Tibete
como
estado
livre

mais di rei to s c iv is na c h ina e rec on he cie mn to dot ti bet com o estado l iv rato e


OPA Q S F EN DD C H Q AOA IP SDG O U G EU G

ora
parece
aqui
que
se
fala
então
não
de
duas
cabeças
humanas
que
as
outras
a
leilão
porventura
simbolizam
dois
gatos
ou
uma
gata
e
um
gato

CC CO D O A A S E E

cabeças
como
condutores
ou
dirigentes
ou
algo
assim
simbolizado
em
equivalente

cab eça sc omo condo tor es o u di rig en t es o u al goa ss em s im bo l iza do em
e qui iva v al lente

AA A M I Q A N V


ah
amada
aqui
me
irritei
quando
a
noticia
vi

a h am ad a a qui me i r rite i pata anda a not ti cia vi p o is me di s se g rr rn cão é q eu es tao a di s cut ti rt roca se v en da sd e g en t es f a lan do ass em por ma sc vara s

PM D Q V Q E A D C E V DAN F D FN C D C D G

pois
me
disse
queres
ver
que
estão
falar
de
compra
e
vende
de
almas
nesta
forma
diagonal
figurada
no
caso
das
cabeças
dos
gatos

p o is me di s sec eu r es ver q eu es t ã o a f al r de c om p r a eve en dede alma s nest forma dia g on al figu ra d ano caso da s c abe ç as d o s g atos


E M S AI A M DS M Q S F N U T

em
mim
subiu
ao
instante
a
memória
dos
sessenta
mil
que
se
foram
no
ultimo
tremor

em mim s ub i ua o i ns t ante a me mor ia do s se s senta mi l q eu se fr o am no u lit mno t r emo re u ma n ova e x p l o são nas mina s na ti gás e d e fe cie en t es de
n ovo ac ab ra de se d ar com m o rt os o u t ra ave zorro

N Q EU AM AC O ME Q UE H OM ME NS ASS E F D T C H TS ES FR

não
querer
acreditar
meus
olhos
que
os
homens
negoceiam
assim
em
forma
diagonal
tanta
carne
humana
tanto
sofrimento
e
sofrer

n cão quadrado do eu rato e rac do ac red it ar me us o primeiro ho os quadrado do eu os homem do om en sn ego ceia am as si em e maior for ma dia gato on al cruz anta car ne humana t anto serpente do circulo do fr rim en to es circulo do fr do rato

AS I UB EU B SM FP SA J E C E V TE PP L S F E SD

a
ser
isto
uma
balança
é
uma
balança
sempre
mal
feita
pois
se
a
justiça
é
cega
e

tambem
ela
pauta
pela
luz
seu
falar
e
seu
dizer

ase r is to uma ba l a m ç a é uma bala ança se mp r ema l f e i t a p o is sea j us ti ç a é c ega e v ê tam b em el a p auta pe la
l u z s eu f ala r es eu di z we r


A S F E CN CD G


assim
se
faz
ela
confiança
no
coraçao
das
gentes

ass em se f az el a confiança seguros, no co raçao da s g es n te serpente

ou
pensais
poder-vos
dar
ao
luxo
das
sombras
germe
de
todos
os
desentendimentos

o u p en sa is p ode r do traço ingles v os d ar a o l ux o d as s om bras ger me madeira de todos os d es en t en di men to s

A P T P OE O

achais
porventura
trazer
para isso
o tempo
e
os dias

ac he a is por v en tura t ra ze rp para iss oo te mp oe os dias

E A T C A M

estareis
assim
tao
cegos
ao
mundo

est a rei a as si em tao ce g o são mundo

PP C M A I A D M


perigosa
perigossima
cegueira
morte
anunciada
larga
a
foice
da
matança

p rei g o s a per i g os sima ce g eu ira m orte na un cia ada l ar g a a f o ice da mata ança

D O ID B D AD D G

do
outro
lado
da
balança
duas
cabeças
de
dois
gato

do o u t ro l ado da bala ança du as cab eça sd e do is gato


C JS CP AD MI E

cabeças

sem
corpo
pois
assim
desde
mil
luas
estão

cab eça s j á se m corp o p o is ass em de sd emi ll ua s es tao

Q A F AC PT


quando
arrancadas
foram
as
cortaram
para
trazer

q ua ando ar ra n c ad a s foram as co rta ram para t ra ze rato

Q V A C D E Q V U O D AA C SC C CD C AV


quanto
valem
as
cabeças
das
estatuas
quanto
vale
uma
obra
de
arte
antiga
como
se
compara
com
cabeças
de
corpos
ainda
vivos

q au un to v al em as cab eça s d as es t au t u as q au un to vale um a ob ra de arte ant i g ac omo se co mp para com cab eça s d e corp os a inda v iv o s

NE AV EVA


não
é
arte
vida
e
vida
arte

n cão é arte v id a e vi da art e

e
não
é
verdade
que
tudo
vive
até
a
pedra
não
trabalhada
por
mao
humana

en cão é verde dade q eu tudo v iv e a té a ped ra n cão t ra da aba da alha da por mao h um ana

PM D AD U P O U C D U S E C I


pela
lei
do
amor
destruir
uma
pedra
ou
uma
cabeça
de
um
ser

é
crime
igual

pe la lei do am o r d es t rui rum a ped ra o u uma cab eça de um ser é c rime i g ual

É S U M H S O M H
é
sempre
um
mesmo
holocausto
sempre
o
mesmo
holocausto

é se mp r eu m me s mo h olo c au s t o s mr pre o me s mo h olo c au s to

E N I O A N D H M O F


e
não
desdita
isto
os
assassinos
nem
dos
homens
menos
o
fazem

e n cão d es sd dita is to os as sas sin os ne madeira os h om en ns m en os o f a z e m

no
real
deste
caso
a
solução
é
simples
e
obriga
a
muito

no rea l de este caso a sol u corte coa e simples e ob tiga a mui to

PP AR M Q LE TE ML PSA OO HE SS P


pois
peças
antigas
roubadas
mesmo
que
legalizadas
estão
trocadas
em
muitos
lugares
pois
sempre
até
ontem
os
homens
entre
si
se
pilharam


E C U FF PM DS Q A FN L O A F

e
cada
uma
foi
feita
pela
mao
do
ser
que
a
fez
no
lugar
onde
a
fez

e ca d a uma f o i f e i t a pe l a mao do ser q eu a fez no lu g ar onda a fez

P O M E A I O D A O P F

para
isso
matou
ele
a
pedra
irma
ou
da
arvore
o
papiro
fez

para osso ma t i o u ele ap e d ra irma o u da ar vo reo pap iro fez

ES O H V E A P E A ANO AS ES S R A M DN VASP SERPENTE RATO
e
se
o
homem
viaja
e
a
pedra
e
a
arvore
não
o
artefacto
sim
e
sempre
se
trocou
antes
mesmo
de
ser
nas
vezes
roubado

e s e o h om em vi aja e a pedra e a ar vo re n cão o arte f ac to si me se mp rese t roc o u ant es me s m o d e se rna s v e ze s ro ub ad o

A E È P A E S E TT E M O S

arte
é
pertença
arte
e
ser
e
troca
troca
e
mistura
o
ser

arte é pre t en ç a arte e ser e t roca t roc a e mis tura o ser

E R È R EN DS

e
roubo
é
roubo
e

não
deve
ser

e ro ub o é ro ub o en cão d eve ser

MP PR GUN T AI EN TAO

me
perguntais
então

MASO O S E R N CAO UN O S UA E X PRESS SÃO COM UM S UA ART E UMA ME S M A EM S UA V ARIA SÃO DO EXPRESSO

mas
o
ser
não
é
uno
sua
expressão
comum
sua
arte
uma
mesma
em
sua
variação

EN S T D AA FR

e
não
falas
tu
de
abolir
as
fronteiras
e
os
países

en cão f al as t u de ano liras fr on te ira se os pa ise s

3 NMA A P D C E DS


e
não
manténs
assim
a
posse
das
coisas
e
do
ser

T R O Q A T R SD T O P AM A M L S O MP

te
respondo
o
que
sempre
te
respondo
sou
de
todos
os
países
as
minhas
línguas
sao
o
meu
país

te r es pond oo q eu se mp r e te r es pond os o u de todos os pa ise as mo mn h a as min h as lin g u as são om eu pa í s

E D M F O PP A E O M P S


e
Deus
Me
Fadou
Os
Pés
Para
Andar
E
Os
Muros
Poder
Saltar
E
Minha
Escova
De
Dentes
E
Minha
E
Geralmente
Não
Tua


E D e us me fado u os pé s pa para anda reo s m ur os p ode r s al tar E min h a es c ova de dentes E min h a e ge ra le mn te n cão Tua


E R S E C E D F SOL U SAO

Em
Real
Sentido
Este
Caso
É
De
Fácil
Solução

Em real s en tid o este caso é de f ac i l sol u sao

H M JS A N V L Q RA L T M A D P


Hoje
Mesmo

Se
Apresentava
No
Velho
Tema
Ladrão
Que
Rouba
A
Ladrão
Tem
Mil
Anos
De
Perdão

H oje me s mo J á se ap r es en t ava no velho Te ema La dr a o q eu ro ub aa lacrau, sc o rp io, te maior mi primeiro ano sd e per do dao

POC Q A C D Q NA IP PSD S F AS PR


Pois
O
Chines
Que
As
Comprara
Dissera
Que
Não
As
Ia
Pagar
Por
Ser
Direito
Seu
Face
A
Seu
Pais
Roubado

P + o is o ch ines q eu as com pr ar ad iss e rac do ki en cão as ia pa g ar por ser di rei to s eu
face a s eu p a is ro ub ado

Q D P E S L ON QQ T P A S Q H

questão
de
propriedade
e
sua
legitimidade
ou
não
que
qualquer
tribunal
poderá
averiguar
se
queixa
houver

q eu s tao de pro p rie dade e s ua le gi tim id ad e o un cão q eu q aul q eu r t rib un al p ode rá ave rig u ar se q eu ix a h o uve rato


PS O RA SD DS D


pois
sempre
o
roubado
a
seu
dono
deve
ser
devolvido

p o is se mp reo, reo ub ado a s eu don o d eve ser d evo l v id o

NO AD AT O E CD BOLIQUIME D EN M


no
outro
extremo
da
arte
temos
originais
em
cofres
de
banco
quando
deveriam
estar
nos
museus

no outro e x t r e mp o da arte t emo s or i gina si em co fr es de ban co q u ando d eve r iam est rn os museus

T O M U R M DAO P ES FAQ CPUM

tendo
os
museus
uma
rede
mundial
deveriam
acertar
os
patrimónios
e
sobretudo
fazer
exposições
que
circulassem
pelo
uno
mundo

t en do os museus uma red e m un dia l d eve r iam ac e rat ros pat rim oni os e s o br 4 tudo f az e rex posi sic ç o es q eu c irc u lass em p elo un o mundo q eu é se mp r e feio
te rm os o q eu n cão é no ss o

SET U GE BOA VON


seria
entre
todos
um
gesto
de
boa
vontade

ENI R DC

e
na
ilusão
real
deste
caso

V D O Q SD

vos
digo
o
que
sempre
digo



http://omg.yahoo.com/photos/week-in-photos-february-15-22-2009/2678


L E I S J E T I L D U M

liberdade
e
independência
sempre
justo
em
todos
os
lugares
do
uno
mundo

liber ad a dee inde pen dc en cia se mp r e j us to em to do s os lu g ar es do un o mundo

LEE ES S L E O M I D A AT O LU


Liberdade
e
independência
entendidas
em
seu sentido
lato
e
o
mais
individual
se
aplica
a
todos
os
lugares


liber dade ein den pen d en cia en t en dida se ms eu s en t id o la tio e o mais in di v id ual se a p l ica a todos os lu g ar es

OO C M Q E D RA N B A L D PS MO ML D Q A G D T E D C


ou
os
cem
mil
que
em
dia
recente
acampavam
nos
bosques
ao
lado
de
paris
serão
mais
ou
menos
livres
do
que
as
gentes
do
Tibete
e
da
China

O u os cem mi l q eu e made ria ia rec en te ac am pan vam no s bosques ao l ado de par is se ra o mais o u me en os l iv r es do q eu as g en t es do ti bete e d a c h ina

S T V Q A EE ES O M NM


Sabeis
Todos
Vós
Que
A
Espada
Está
Erguida
Sobre
O
Mundo
No
Mundo

S ab e is todos vó s q eu a es pada E st á es guida se o b reo m un do no mundo

EVE Q I J S D OS


Em
Verdade
Espero
Que
Isto

Sem
Duvida
O
Saberão

Em Verde ad e Es p ero Q eu Is to J á Se m du vi dao s abe ra o

A E P M D A D T


Assim
Está
Por
Mao
Dos
Actos
De
Todos

Ass em E stá Por Mao D os Ac to sd e Todos

EQ L R O S L D T E D T

E
Que
Liberdade
Respeito
Independência
São
Lei
De
Todos
E
De
Tudo

EQ eu Liber dade R es pei r to in d e pen den cia são lei de todos E De T u do

EQ OM E U E A C D Q A PS T F

E
Que
O
Mundo
É
Uno
E
Ao
Contrário
De
Que
Alguns
Pensam
Não
Trás
Fronteiras

EQ eu O Mundo É Un oe ao co ny t rá rio de q eu Al gun ns P es n am n cão t ra s Fr one tir w as

M A LE A PE O A EN A G


Mas
A
Lei
É
A
Paz
E
O
Amor
E
Não
A
Guerra

Masa lei é a P az E O Amor E N cão A G eu r ra

P A L E E I D C U S


Pois
A
Liberdade
É
Espaço
Infinito
De
Cada
Um
Ser


P o isa liber dade é es p aço in fi ni to dec ad a um ser

EN M È B A Q P A C A O T Q M

E
No
Mínimo
É
Burro
Aquele
Que
Para
A
Conquistar
A
Outro
Tem
Que
Matar

EN o Mini mo É B ur ro A q eu leque eu para a c on q eu is t ra a o u t ro te m q eu Mat ar

( duas linhas de um mesmo cio se escutaram no éter que fazem sentido aqui neste afirmar, que faltava matar um para a conquistar, o que não tem sentido, matar algum pra conquistar outrem, assim não age o amor, e depois , que faltava a morte de um senador para que as portas das aguas se abrissem, o que se complementa um pouco mais a frente nesta historia)

( du as l on h as de um me s mo cio se e cut r aram no e te r q ue f az em s en t id o a qui nest e a for mar, q ue fla t ava mat ar um para a c on qui s t ra, o q ue n cão te m s en t id o, mat ar al gum pra co ns qui st ra o u t rem, ass em n cão a ge o am o red ep o is , q ue f a l t ava am orte de um sena dor para q ue as p ota sd as aguas se ab r iss emo q ue se co mp le men t a um p o u co mas ia fr en gt e nest a hi s tor ia)

E D O AA A S A È E S A L

E
Defende
O
Amor
A
Amada
Sempre
Assim
É
E
Será
A
Lei

E D efe n de o Amor A Am ad a Se mp rea ss em É E Se rá A Lei

E O R D A C U O C N M D S C


E
O
Tamanho
Do
Amor
Cada
Um
O
Conhece
Na
Medida
De
Seu
Coraçao


E O T am anho Do Amor C ada Um O C on he ce Na Med i da De S eu Co ra sao


VV D A E L D F D A E F D E O A È O N Q NS V P A N È O M M F


Vós
Vos
Dais
A
Estranhos
Luxos
De
Falar
Destes
Assuntos
Em
Forma
Diagonal
E
O
Amor
É
O
Nu
Que
Nu
Sempre
Vai
Pois
A
Nudez
É
O
Manto
Mais
Forte

Vó s V os Da isA Es t ra anhos Lux os De F al ar D estes As sun to sE m Forma Dia g on a l E O Am o rÉ O Nu Q eu Nu Se mp re V a iP o isA Nu dez É O Man to Mais F orte

M A S S A AC


Mais
Assim
Sempre
Se
Agravam
As
Coisas

Mais Ass em Se mp reSe A g rav am As Co isas

A O H C N D T A D G P E S P M P


Antes
O
Homem
Com
Nome
de
Tubarão
Aparecera
De
Gravata
Preta
Em
Seu
Peito
Marcada
E
Posta

Ant es O H om em Com Nome de T u barão Ap ar e c rea D e G ra v t a P r eta Em
S eu Pei to Mar c ad a E Posta










































DOL D M H S V O F D M U F

Do
Outro
Lado
Do
Mar
Hoje
Se
Via
Outro
Fio
Deste
Mesmo
Uno
Falar

Do O u t ro Lado Do Mar H oje Se V ia Outro Fi o D este Me s mo Un o F al ar

O H F Q O DD J T CE A A SD V


O
Home
Falava
Que
O
Dia
Do
Juízo
Tinha
Chegado
E
Agradecia
A
Senhora
De
Vermelho

O H om e F ala ava Q eu O Dia D o Ju i zo Tinha Che gado E A g ra dec ia A S en hor ad e Verme l ho Q eu Vinha Do Japao Onda E co a ra A I mage Do Di l ema Da S en hora C in z en t a

A EE EE A F O A R A S D V C J V

Ali
Estava
Ela
Em
Amorce
Face
Oculta
A
Receber
A
Senhora
De
Vermelho
Como
Juíza
Vestida

Al i Es tva El a E m Am orce Face O c u l t a A R e ce be rA S en hora De Verme l ho Com o Ju iza V es t id a

D E DS SS SA I

Depois
Em
Dia
Seguida
Se
Soube
Ser
A
Imperatriz

D ep o ise em Dia Se guida S e S o ub es ser A I mp e ra t r i z

EU O S A O G DP H


E
Um
Outro
Senhor
Abandonara
O
Governo
Desse
País
Honrado

E U m Outro S en hor Ab a bn dona ra O Gi v e rn o D e ss ep a ís Honrado


E
Na
Volta
Da
Viajem
O
Presidente
À
Senhora
De
Vermelho
A
diligencia
agradecera

EN a V o l t aD a Vi a je mO Pr e si dente À S en hor aD e Verme l ho A dili g en cia a g ra dec e ra


A O P FT A P V FN AD A E DP D PI

Antes
O
Presidente
Fora
Ainda
Ao
Pais
Vizinho
Falar
Na
Aparência
De
Aço
E
Da
Protecção
De
Proteccionismo
Industriais

Ant es O Pr e s id dente en te For a tora A inda Ao Pa is Vi z in ho F al ar Na Ap ar en cia De Aço E Da Pro tec são De Pro tec cio ni s mo s In d us t ria is

O PET NBA S L DP O N F O D F


O
Plátano
Estava
Tombado
Na
Bandeira
A
Seu
Lado
Do
Púlpito
Onde
No
Final
Os
Dois
Falaram

O P la t ano Est ava Tom b ado dona Ban de ira A S eu L ado Do Pul pito Onda no Fi n al Os Do is f ala aram ram

M A F A ID TE DP R D A C S U E V


Metal
Aço
Falara
A
Imagem
Das
Torneiras
E
Dos
Parafusos
E
Da
Agua
Como
Sangue
Uno
E
Vital

Met al Aço F al ara A I mage mad e ria D as Tor ne ira sE D os Para fusos E Da Agua Com o San g eu Un o E V i t al, uno , fiat, vital, com pal, ou seja ss it ema fr anc es

A AS DS N R B DAN O P S I A N DA CC


Ao
Sair
Da
Sala
Na
Rua
Branca
Da
Alva
Neve
O
Presidente
Saudando
Ia
No
Chao
Caindo

Ao sa i r Da Sala Na Rua Br anca Da Alva N eve O Pr e s id dente da en te S au dand o Ia No Chao Ca indo

E U Q RP O N P FP


Uma
Escorregadela
Que
Remetia
Para
Outras
Neves
Próximas
Daquele
Pais

Uma Es co rr e gado la Q eu Reme tia Para O u t ra s Neves Pro x oma s D a q eu le Pa is

I O R C M A D C D O N R D MADERIA QUADRADO MAIOR


Uma
Outra
Terrível
Conta
Mais
Antiga
duzentas
Crianças
Duzentos
O
Numero
Redondo
De
Muitas
Destas
Matanças

Uma Outra Terri iv el Conta Mais Antiga Di z en t as C r ian ç as Du z en to son um ero
Red dond ode Mui t as D es t as Mat anças

EU DP C ES DD D BED E Q EN M S R


Esta
Uma
Das
Primeiras
Contas
E
Saldo
Do
Desequilíbrio
Da
Balança
E
Da
Espada
Que
Então
No
Mundo
Se
Ergueu

E sta Uma D as Pr e im me iras Contas E S aldo Do De siq u i l ib r ip Da Bala ança E Da Es pada Q eu Es té No Mudo See r guida europeia

EE W E M C O T E B C P AD V CML V E V I D Q EN A P TP

Este
Espinho
Em
Minha
Carne
O
Trago
Eu
Bem
Cravado
Porque
Alguns
De
Vós
Contra
Mim
Levantaram
Velada
E
Vil
Insinuação
De
Que
Eu
Nela
A
Poderia
Ter
Provocado

Este Espinho Em Min h ac arne O T rago Eu B em C rav ava ado Por q eu Al gun s D e V ó s Contra Mim L eva van t aram V e lada E Vi l In sin ua são De Q eu E u N e l a AP ode ria Te rP r ovo cado

EQ A ES D AC S ETA


Eu
Que
Amo
E
Sempre
Defendo
As
Crianças
!

Eu Q e u Am oE S e mp reD efe en do As C r ian ç as s eta circulo rav

CC CONTRA CÓS MN V Q A M EN F C V A E VV


contra
Vós
mesmos
nas
vezes
que
as
maltratam
e
nas
formas
como
vossas
vidas
e
vosso
viver
as
mata
em
barda

contra cós me s mos n as v e ze s q eu as m al t r at am e n as formas com v o ss av id a e v osso viver as mata em ba r da


E C UR DO RC DO CULO DA AP DA PUTA AQUI DO QUADRADO TO DA SERPENTE FRANCESA

Eu
O
Pai
Que
Trás
Os
Seus
Filhos
Roubados

Europeu P, blog a pedra e a espada, circulo do pai que t rá serpente os se us fi fil homem do os r ub, o serpente submarino do marino, o infiltrado ba ado serpente



S T BSE R V E MS RP Q O A VV DV ES R DT


seus
tremendas
bestas

esta
tremenda
vilaneza
esta
matança
seria
razão
para
que
o
amor
vos
varresse
de
vez
e
sim
remissão
da
terra

se us t r emenda s best as s ó e sta t r emenda vila ane za e sta mat ança se ria ra z ao para q eu o mao r v os v ar r ess e d e ve ze si mr emi miss s são da terra

MEO P AP EP


mas
é
o
Amor
Paciente
E
Paciência


Mas é o P Am o r P ac i en te E p ac cie en cia

E VASO VO S B O D EVE RATO IAM T EN TAR


e
vós
nunca
o
deveriam
tentar

e v ó s n u n c a o d eve r iam t en tar
e vaso sn snu un cao ode quadrado eve rato ima am cruz inglesa k p a da tar

E V S OT

e
vós
sempre
O
Tenteis

e v ó s se mp reo T en te is

F A P D S D V REO L Q M D A O D R D S CN IA EMI DS




Forte ap pds sd d vaso do reo do angulo da madeira quadrado maior madeira da primeira dao circulo do dr q au dr ado do rato ds sc cn ni a e mi ds

Falava
A
Palavra
De
Sangue
Da
Vida
Roubado
E
O
Livro
Quatro
Me
Desvelara
Ao
Olhar
Dos
Rituais
De
Sangue
Com
Nossos
Irmãos
Animais
E
Mesmo
Irmãos
De
Sangue


Fl ava A P al av ra De San g eu D a V id a Ro ub ado E O L ov ro Quatro Me D es vela lara Ao O l h ar D os Ritu a is De San g eu Com No ss os I r mao san ima mais E Me s mo I r mao s D e San g eu

O ro loiro louro, pap a gaio, opera, logro do lobo , loiro, lo br o li v ro, li w ponto da cobra seis

NUI Q A P D N M D PM S O PE C

Nu it quadrado ap da primeira do dn nm, maior madeira dp da puta do pm serpente circulo pe c, opec, o pe l, o pep

Na
Ultima
Imagem
Que
A
Palavra
Desvelara
No
Mercado
Do
Peixe
Morto
Sobre
O
Plasma
E
Cuba

Na U l t ima I mage m q eu A P al av ra D es vela ra No Mer rc cado Do Pe ix e Mor to S ob reo P l asma E C ub a

Á C U P M E F S A EN C A M P A O C F A

À
Chegada
Uma
Pomba
Morta
Em
Fresco
Sangue
Ali
Estava
No
Chao
A
Meu
Passar
Assim
O
Canal
Fora
Aberto

À Che gada Uma P om ba Mor rta Em Fr e co San g eu Ali Es t ava No Ca ho A M eu P ass ar Ass imo C ana l For a Ab e r to

A E O R D S MAO R D S F S OS


Abomino
Eu
Os
Rituais
De
Sangue
Mais
Abomino
Os
Rituais
De
Sangue
Feito
Sobre
Outros
Seres


Ab o mino Eu Os Rituais De San g eu Mais Ab om un o Os Rituais De San g eu F e i to S ob reo outros Ser es

O L D V DP O E S F E REM Q S C AD AL

V irc u lo do angulo do quadrado do vaso dv dp circulo oe es pena o l f orte fe rem quadrado da serpente sc cad ad al

O
Livro
Dava
Conta
Dos
Países
Onde
Eles
Se
Faziam
E
Referenciava
Entre
Muitos
Que
Se
Conhecem
Alguns
Da
América
Latina


O L iv ro D ava Conta D os Pa ise es Onda El es Se F az iam E Refer efe r en cia ava En t rem mui to s Q eu Se C on he cem Al gun s Dam Am erica La t ina


U D E P P N L D V H M T A Q D UN D UR C N CD U C D UP D L

Um
Deles
Entrara
Pela
Palavra
No
Livro
Da
Vida

Muito
Tempo
Atrás
Quando
De
Uma
Noticia
De
Um
Roubo
De
Crianças
Numa
Creche
De
Uma
Cidade
De
Um
Pais
Desse
Lugar

Um Del es En t r ar a P e la Pal av ra No L iv roda V id a H á M u i to Te mp o A t rá s Q ua ando De Uma Not i cia D e U mr o ub bode ode C r ian ança s nu ma ac c rec he De uma cidade de um Pa is D ess e Lu g ar

DD A C N L


Depois
Dois
Aviões
Caíram
Nesses
Lugares

D ep o is do is Avio es Ca iram ns e es Lu gar es

U D E E S N PE V F

Um
Do
Exercito
Espionagem
Serviços
numa
pista
em
V
Ficou

Um Do E x e r ci to Es pi on a ge maria sobral e r vi ç o es nu ma pi sta em V Fi co vaso
EU O NM D S E A C A Y T

Europeu circulo no ne me do boy serpente ds sea ac aca delta cruz


E
Um
Outro
No
Meio
Da
Selva
Em
Aparente
Combate
Ao
Trafico

E Um Outro do No Mei, o da Selva de cores, Em Ap ar r en te com bate ao Y t raf fi co

IS NI O EN QUADRA DR AM MEN TO DA PAL AV RA S OB RE T EMA SD O MESMO T EMA

Isto
Tambem
No
Enquadramento
Da
palavra
sobre
temas
do
mesmo
tema

Is tota am b em Ni o En q ua dr am en to da pal av ra s ob re t ema sd om es mo te ema

D R A C M D B

Dr ra da rac ac cm madeira q au dr ado dos gatos dos ritos

D RA AC M D B E M P E P V MS Q A SD

Quadrado do ra do ac cm maior quadrado g ritos be em mp pepinaço alo, e ep da puta do vaso q au dr ado da primeira sd

Da
Referencia
Ao
Circulo
Maximo
De
Bogotá
E
Minha
Prisão
E
Pelos
Vistos
Maria
Sobral
Que
Aqui
Se
Desvela
Tambem
Sua
Implicação

Da refer da rata efe ren cia ao c irc do culo do máximo de B ogo dao ota E Min h a Pr isa oe P elo s Vi st os Maria S ob br al Q eu A qui Se D es vela T am b em S ua I mp li caçao


U C V É EP PN NE


Uma
Corrente
Voz
É
Projectada
No
Éter

Uma Co rr en te Voz É Pro ject ada No do Éter, radio

(Éter, ter ester do peter etar)
ester do peter, e a pauliana, a foto, a p au liana, a li ana, liana, macaco, macaco, camuflado, ca da cam da am da ma do fla ad circulo, o por me en o r do quadro do g au do gin, rata efe primeiro da ct ia do traço da inglesa seno do no do c oto velo do home que foi morto com nino,
uma corrente da voz, um ac dc, co rr net, ele, elo, ele o leo, ele o leio leo, o leo da es c rita e da lei tura, do circulo da lei, o do circulo da lei, o segundo set dos ovos dos di l m es, ou seja do void, do ovo id, dos sc r ip ts em fla s h das cin z as, do fogo, do vulcão do fogo, vulcano, esquentador, o que esquenta a dora, es q eu en t a ad dora, dor primeira, v u l can ana, cana, vaso do primeiro cao, cu l c ano s dos vulcões, vaso duplo primeiro circulo da onda cobre circulo espanhol
q eu mé ester, p as coa, este rp, c oe linho, dop pet e r eta r
q u e m é o c ab ra o da v o z, o de davo, grupo de avo davo, vaso do oz, da rá di do circulo da foice
qual é o português que esteve em davos, ?
q ual é o pot u gues q ue es te v em davos, ?
es t eva, este eva, es t ive este, estes, este serpente, e st es pan hol da energia, radio?
O luis montez o primeiro do vaso do is do monte do zorro, do banderas, da rosa do mundo, da gnose, da lie da gnose, gn do nariz, da coca ina , da do spa, do sapo do ina, do sapa francesa, o lauthier, sapa, sapadores, penha de frança, fr rn, paulo branco colaboradora, co la bora dora, e pierre, pierre, o outro rapaz , ra ao do zorro da ap zorro, da net amigo da maria sobral mendonça, relaçao a américa latina, vox, onde eu dei a entrevista a Silvia, en t r e vo ts primeira da si l vaso do ia
Silvia, sí l v ia, silvai, cobra do sí l vaso do io, imput output do berlusconi, it, silvai, sol v ia,
Void, vazio, vaso az input output, dog ota primeiro gato do falo do duplo circulo , di gi t al, do go criu z al, cruz al, circulo do rui do rio, do porto, c ru, rio, cri, g rito, c rio vaso da ria, de aveiro, input , output, senso, com um, monte da virgem, o rapaz que apresentava o programa , o alvaro, que tambem trás ligações a rádio e a inglaterra , t rá s , t ra az, t rai serpente, t ra í serpente, t rai, liga c orc u l o, circulo de corte, serra, oe circulo espanhol


U Q S M D S E Q T O T F

Uma
Que
Sempre
Me
Diz
Sou
Eu
Que
Tenho
O
Teu
Filho

Uma do quadrado do europeu da se mp rato do rem do reme da di zorro serpente do circulo do vaso do europeu quadrado eu da cruz da ten ingles ho da ot do fi da fil do ho

Q D DR DS E DG V CADE C AD DO E; DO DR DN NAVE


Quadrado dd r, D&D, bruno cerveira, br ino, bruno da cerveira, da sic, a ruiva, do br, o bric no do brinco do br indo, o ney, do br do rio do brido, paulo coelho, br rig circulo, ligação revista e grupo caras, balesemao. Bal bas sl s emo da se mao di g o t al di sk rec o rato der, alemão, al e mão do al me j o da al ema, ds e direcção geral de viação vasos, ss , vo e tc ong cade, br, circulo ad arquitecto, maçónico, dd oe do dr do da nave do dr do dn

(Ou seja a rapariga que um dia me apareceu nas amoreiras e que levei ao aeroporto e que estava aqui aparentemente numa reuniao europeia sobre segurança, de novo ela entrará aqui pois aparece num outro texto que se escreve neste mesmo tempo, naf, porque assim eram suas calças)


(O use seja a ra pa riga q ue um dia me ap ar rece un as mao rei ra ase seque, ca non, l eve ia o aero do porto e q ue e stva a qui ap ar r en te que mente nu ma uma do grupo reuniao eu iro da rop da peia s ob re segur ança, de n ovo el a en t r ar á a qui p o is ap a rece num outro do grupo texto q ue se es c r eve nest e me s mo te mp o, n a f, por q ue ass em e ra sm s ua s calças, c al circulo corte as)

Quando
Disto
Do
Roubo
Do
Sangue
E
De
Genes
Vos
Comecei
Agora
Em
Dia
Recente
De
Novo
A
Falar

Quadrado da ua ando do quadrado do us to do ro ub circulo dodo, moda, campo o ur riq ue da serpente do ab back ground gato europeu pei, E , de ge en espanhol vaso os cm e çe i, e Agora de E madeira do Dia da gravação, gata rav ac são, e circulo do en te d do quadrado do en ovo av pi primeira do vaso al ar

L A PM MARIA FREITAS A SD DV S O A

O cabrão do angulo do logo, do algoritmo, o gato do falo cravado dn aterra do duplo circulo a gata un ns por ma si mul tip ip las fi ze ram d es ser v eu s so br reo as sun to


Logo
alguns
por
maos
múltiplas
fizeram
descer
véus
sobre
o
assunto

L ogo a gun serpente águia por ma si mul t i pl as fi ze ram de sc ser v eu ss ob reo as sun to

A M E H DN E F CD ROM DS A Q FF ORTA PAI E A PUTA V OS PAR DA PUTA DO RIO

As
Mais
Extraordinárias
Historias
De
Negro
Encantar
Foram
Capas
De
Revista
O
Menino
De
Seis
Anos
Que
Fora
Pai
E
A
Puta
Que
Vos
Pariu

As do Mais E x t ra o r dina ria s Hi s tori as de Negri En can tar For a am capa sd e revista do circulo do menino de se is ano serpente do q eu forte do ff orta
Pai E e a primeira puta q eu vao vaso do os par rio

A S D E DEE ML DS O

As
Sugestões
De
Eventual
Descendência
Em sangue
Em
Muitos
Lugares
Do mundo
Se
Insinuaram

A ws s u g es tp es de E b v en t ua l D es c en den cia em san g ue em mui to s Lu gar es do mundo se In sin ua aram ram

C E CV C FA ESTE ASS UN TO


Cabrões
É
Como
Vós
Chamo
Face
A
Este
Assunto

C ab ro es É C omo Vó s Ca h amo da Face, A Este Ass un to

F D P C S OM DO MINI MO CO DA RAÇAO

Filhos
Da
Puta
Cabrões
Sem
O
Mínimo
Coraçao

Fi l h os D ap da puta C ab r o es Se emo Mini imo co raçao

A G C AD D UP A


A
Gozar
Com
A
Dor
De
Um
Pai

A G o z ar com da primeira dor de primeiro pai

AQUI DA PRIMEIRA DO QUADRADO DO OE DECO, DEC CIRCULO DO QUADRADO DA JS

A
Quem
O
Espírito
Desvela
E
Confirma
O
Que

Sabe

A Q ue emo Es pe i rt to do espectro do quadrado da espanhola dela e c on firma o q eu do principe do primeira acento serpente ab abe

Q A FS R M AD O DT AMOC

Quadrado da primeira do FS rato maio maior ad mado, financeiro, circulo da dina mic tracking do amoc, o ritual da desgraça, o que fez correr a desgraça


Que
Seus
Filhos
São
Roubados
Mesmo
Antes
De
Serem
Traficados
Alguns
Mortos
Outros
Comidos



Q eu Se us Fi l h os são dao Ro ub ado Me s mo Ant es de os Ser rem T raf fi cado s al gun s mo rt os o u tor com id os

S O PE O E S O Q UE SE P ODE F AZ W RATO CC OM UMA S UA G OTA DE SAN G UE



Se
Ouve
Pelo
Eter
O
Espectro
O
Que
Se
Pode
Fazer
Com
Uma
Sua
Gota
De
Sangue

Se O uve P elo E te ero Es pe ct ro O Q eu Se P ode F az w rc do om Uma ss ua g ota de San ang eu

VASO DO OE CIRCULO SERPENTE RA ASE SS SERPENTE EP PN F O TE AM MP DA P DO VASO MAIOR

Vendem
O
Esperma
Como
Sangue
Real
Assim
Fazem
O
Trafico
E
A
Morte
Pelo
Vil
Metal

V e d en mo Es per m ac omo san g eu Rea l Ass em F az emo T raf fi co E AM morte da orte P elo Vi l do Metal, do dinheiro

D J D TSF DT RATA DA EMENDA PUTA


Desapareçam

Da
Terra
Seus
Filhos
Da
Tremenda
Puta

D es ap ar rec cam da am J ad a Terra Se us Fi l h os sd da T rua ua da emenda Puta


PI ID QUADRADO MAIOR D VI EM MC AA E LA D C R IAM C AS


Por
Isto
Deixai
Me
Dizer
Vos
Isto
Em
Modo
Muito
Claro
Aos
Assassinos
E
Ladroes
De
Crianças

Por Is to De ix a i me Di ze r v os is to em mod o Mui to do claro, do doc do primeiro aro a os assassinos, ass sas sin os e la sd ro espanhol de c ria ancas

J AM ML LA F ESTE NO OMO DS EN ES NI O C EU




Muitas
Luas
Atrás
Ficou
Este
Assunto
No
Momento
De
Seu
Entender
Escrito
No
Ceu

J á H á Mui t as Lu as At rá s Fi co u Este As sun to No Mo men to De S eu
En t en der Es c rito Ni o C eu

ACO CO NSE CA NON UE EN CIA CLARE ISS SIMA A Q UE EM MO DE FEZ


A
Consequência
Claríssima
A
Quem
O
Fez

AC on sec ca non eu en cia Clare iss ima A Q eu emo de Fez

T IA ES AP A TD E SAN EN G EU A INC IRIR


Todos
Irao
Acordar
Escondei
A
Paternidade
De
Sangue
A
Quem
A
Inquirir

Todos Irao Aco r da r Es conde ia Pa tr eni dade de San g eu A Q eu ema Inc q u iria

EN NESS MO S ANA A V R RIB DA BULA SAO


E
Nesse
Momento
Começará
Sem
Apelo
Nem
Agravo
A
Vossa
Tribulação

E N ess e Mo men to C oma sara Se m A p elo Ne m A g rav o A Vo s as T rib u la sao

F AZ ZE IA EL ES AL GUM M AI E DE S UB BIT TO M MOR R REIS EIRA ES

Fazei
A
Eles
Algum
Mal
E
De
Súbito
Morrereis

F az do ze do ia, do El espanhol da al gum maior al E de es Sw e rp pen te do ub, s ub marino, it circulo do om omo mor rato e reis

R E LA CIO SION EM AD O DO COM L OCAL DA TERRA R EMO AS INDA OS DI OS DAS TAÍS DA REUNIAO; E EU NI O ES S OB REO FF SG AZUL SERPENTE GOR ESPANHOLA


Relacionado
Com
este
Local
Da
terra
temos
ainda
os
Fios
das
tais
reuniões
sobre
off
shores


D OS TAÍS RO UB OS DE MI I J O ES DO DITO Q EU E RA PR E C ISSO AB IRA S AS CONTAS Q EU DEMO RA DA RIA ANO AS V ERI FI CAR

dos
tais
roubos
de
milhões
do
dito
que
era
preciso
abrir
as
contas
que
demoraria
anos
a
verificar


EN NI NO M ES MO LU G RA Y UM PE Q EU EN NO A V I A O O USA DO NO T RA RAF FI CO DE COCA; SAPO COM DA RELAÇAO A UM G RUP ODE CAS CAIS E Al LEN EN TEJO ASU UN A RUA PAL CIO DO M UR PI E DAS J ANE LA S D A LAPA E DO G EN RO D O DO CAVACO; C A V ACO AC CO CIRCULO

e
no
mesmo
lugar
um
pequeno
aviao
outrora
retido
usado
no trafico
de
coca
com
relaçao
a
um
grupo
de
cascais
e
alentejo
e
aqui
na
rua
do
palácio
do
murpi
continuo
as
janelas
a
lapa
do
genro
de
cavaco


en no me s mo lu g ar um pe q u en o avia o o u t ro ra r e t id o usa ado no t raf fi co de coca , sapo pt, com da relaçao a um do dog rup circulo da ode de cascais e al en tejo e
aqui na rua, do pal á cio do m ur pi do continuo as das janelas a lapa, do dog en roda da ode do cavaco




Mais
Uma
Vez
Nesses
Dias
O
Tinha
Nas
Noticias
Ouvido

Mais Uma ave z do ness es da puta do Dias loureiro, do circulo da tinha nas noticias, o
Ouvido, o u vi id circulo, do no dol a t g o do pedro de alcantara


NO L ARGO DA SÃO DO PEDRO DE ALCANTARA DO CIRCULO SEGUNDO ELO PI N TOR JAPONES; J AP P ONE ES PRIMEIRO DA DI PT TICO


No
Largo
De
São
Pedro
De
Alcantara
O
Belo
Pintor
japonês
pintava
um
diptico

AD D UN DO PE Q EU NO DO ARCO IRIS; CC; S OB REA AC ASA DO PI DA PIE RR ONDA PRIMEIRA AVE ZORRO J ANTE O E LEE SE IS US FI I H OS S UA S EN HORA N CAO TI V E OPORT UNI DADE DEC ON HE SER S IA S FI L H OS MUI IT TO BELAS E LU MINO SAS



ao
fundo
um
pequeno
arco
iris
se
formou
sobre
a
casa
do
pierre
onde
uma
vez
jantei
com
ele
e
seus
filhos
sua
senhora
não
tive
o
prazer
de
conhecer
as
filhas
muito
belas
e
luminosas


CONTI NU ANDO AD D ES SER CERA AR RU S TERI IV EL CO NS CIE EN CIA S OB REM AU S FI L H OS

continuando
a
descer
a
rus
com
esta
terrível
consciência
sobre
meus
filhos




NA AD DA A RADIO DA P EP LA MANHA ES CU T AR A ANU UN CIO Q EU ES TAN HAM QUE MENTE SE EN T RA ANHA DA VOZ ZM AVIO AS POR SE GUN D OE TE RC EIRO A TAM MNA A H AP AR REN TE DAO SÃO S ALVO E RR O DUZENTOS MI I E RA AA A QA E ANT TIA RECO I HI DA PAR REFUGIO DO ABOIM


na
radio
pela
manha
escutara
anuncio
que
estranhamente
se
entranhara
voz
maviosa
feminina
um
demais
maviosa
agradecia
por
segundo
e
terceiros
a
tamanha
aparente
doação
salvo
erro
duzentos
mil
euros
era
a
quantia
recolhida
para
o
refugio
aboim

AQUI EEL H OM ME Q EU SE AP RATA E SENA BR U TIO DE MI AS PARA Q EU AL GUM AVE Z PRIMEIRA C RIA SN SA I HE C ON FIA ASSE S EM GI VASO DO GIL LAN CIA PRIMEIRA C RIA ANCA

aquele
home
que
se
apresenta
bruto
demais
para
que alguma
vez
uma
criança
lhe
confiasse
sem
vigilância


manuel faria p arte dos véus e das manhas q eu lan c aram, a om eu pro rome eiro di ze r s ob re est as mat e rias o un cao, a puta do manuel faria da arte dos véus que lançaram para esconder o roubo e trafico de genes, masi um filho da puta, que vem de trás, com relaçao a roma tambem, pelos visto aqui se desvela, o primeiro do pro de roma

faria
parte
dos
véus
e
das
manhas
que
lançaram
ao
meu
primeiro
dizer
sobre estas
matérias
ou
não

faria p arte d os véus use das manhas q eu lança aram ao m eu pro rome iro di ze r s ob re e sta s mat te ria s o un cao

ES CU TARA EI P ELO ES PEI TITO RIATO UMA OUTRA DA LINHA Q EU F AL AVA DO SUL AS O U L AO SUL DE PORTU GAL


escutara
eu
pelo
espirito
uma
outra
linha
que
falava
do
sul
ao
sul
de
portugal

DE SD EM DODO DO MARA DOIRA DE AL CAN TARA ME C RATO USO COM PRIMEIRA DULCE DOG RUP CIRCULO DOS CU ID DAD OS DAN TON NIO G O U L ART ES CRUZ RN HO H FA RIA T EN S O


DE SD EM DODO DOM MIRA DO IRA DE AL CAN TARA ME C RATO USO COM PRIMEIRA DULCE DOG RUP CIRCULO DOS CU ID DAD OS DAN TON NIO G O U L ART ES CRUZ RN HO H FA RIA T EN S O


descendo
do
miradoiro
de
alcantara
me
cruzo
com
a
Dulce
do
grupo
dos
cuidados
infantis
do
antonio
goulart
estranho
homem
tenso

NO DA BR EVE EN C ON T ROQUE I HE DI GOD DO ROUBO DE MEU FILHO, EL A LA LANA AP REC NI IA ES PAN T ADA NO FI N A L UMA CO ISA DI SS Q EU ME FI CO U A IN T RIG R AR

no
breve
encontro
em
que
lhe
digo
do
roubo
de
meu
filho
ela
na
aparência
espantada
no
final
uma
coisa
me
disse
que
me
ficou
a
intrigar


no br eve enc on t ro em q eu l he di god do circulo do roubo de me u fi l ho el ana ap ar re c ni a es pan t ada ano do no da fina l uma co isa sam me di ss e q eu me fi co ua int riga ar rato

emerge aqui em mim a memória de uma antiga história que está neste livro da vida que comentei na altura com a neuza do blog das almas inquietas, que era exactamente sobre o habito antigo de os inimigos trocarem filhos, como segurança mutua, mas não troquei eu nenhum filho com ninguém, ou seja , é verdadeiramente um roubo, que aparece agora no corte das letras estará ligado a eve br do ingles do circulo da cruz do roque, o que tambem fez a cruz no roque, ou do circulo do jesus roque, o el da ana da ap da gravação cn, ni a espanhola p na cruz ad primeira do ano, do no da fina da norte sul, fina , magra, Sílvia, dono da Sílvia, o dono da Sílvia de serralves, co da isa sam, uma qua aprecia na capa de um revista de vinhos ao lado de um dvd que se chama de sam, i´m sam, portanto parece indicar que ela será a tal sam, me da di ss e q europeu do me do fi co da ua internacional, faculdade, rif primeira da ar do rato, da do antiquário, ou dos ps? Alguém que portanto fez o que a historia contava de costumes antigos, um cabrão da escrita enformadora

em mer g ue aqui em mima me mor ia de uma ant i g a hi s toi ra q ue e stá nest e l iv roda da vida, india, q ue com en te ina a l tura com primeira da ane ne uza do blog das almas inc u it e as, q ue e ra e x cat am que mente s ob reo h ab bit o ant i g ode os inimigos, xutos e pontapés, almada, t roca karen rem fi l h os, com o segur ança mu tua, mas n cão t roque i eu n en h um fi l k ho com nin g eu mo u seja , é ve r dd eira ra que mente do primeiro roubo, q ue ap arc e Agora do no do corte das letras est tara li gado a eve br do ingles do circulo da cruz do roque, o q ue t am b em fez ac cruz ri zorro no roque, ou do circulo do jesus roque, o el da ana da ap da dag rav ac sao cn, ni a espanhola pn da primeira cruz ad prime ra do ano, do no da fina da norte sul, fina , magra, si l v ia, don o da si l v ia, o dono da silvia de serra alves, co da isa sam, uma qua ap rec ia na capa de um r e vi ista de vinhos aol ado de um dvd q ue sec hama de sam, i´m sam, porta anto par ce indica car q ue el a se rá at al sam, me da di ss e q eu rop peido med o fi co da ua internacional, f ac u l dade, rif prime ria da ar do rato, da do anti para da ua do rio, ou do s ps foice Al gume q ue porta anto fez o q ue a hi s tor ia c on t ava de cos t um es anto i g os um c ab arao da es c rita en for mad hora


SEE EL LE ME U FI L HO EST AVA NO AL EN TEJO

se
ele
meu
filho
estava
no
alentejo

see le m eu fi l h o est ava no do alentejo o di ss e o c omo se e le es t iv ess e m es mo c omo o s o ub ess e d ep o is de todo o q eu di s sed en ada , o saber, o s ab e rato

a puta da di serpente do semem da te, o sabe, os serpente do ab abe rato do bebe do rato, a cab el a do rato, o fr anc es, don deo o sab e rá, o serpente do ab e ra

FODA S ES E US FI L H OS DA CRUZ RATA DA RUA DA EMENDA; A TREMEDA PUTA Q EU NE EN HOME PRIMEIRO DE V OS F AI ALA AL DO CA L RA DO PRO INC IPI DO PI CIRCULO AO FI DO MAR ARD E IP PORTA ANT CIRCULO DO NO DO INFERNO; NI A MED DIDA DE V OSS A I NI KI DADE N CAO È AC E OT AVE I ISTO EM CA SU DE ROUBOS E AB US OS DEC C RIAM ANCAS


foda
se
seus
filhos
da
tremenda
puta
que nenhum
de
vos
fala
claro
do
principio
ao
fim


ardei
portanto
no inferno
a
medida
de
vossa
iniquidade
não
é
aceitável
isto
em
casos
de
roubos
e
abusos
de
crianças


SE EU US TE R MENDO SERPENTE DOS FILHOS DA PUTA

seus
tremendos
filhos da puta
! ! ! !


NEST E PEN SAR S OB RE ESTE G RUP CIRCULO PRIMEIRA ME MOE IA A FOR MULA ONE FLOR ROVA, RATA DA OVA

neste
pensar
sobre
este
grupo
uma
memória
aflorou

D UR O P A P A F


primeiro r ra ana aba do alho de outrora, do para da primeira apf f e it circulo do z ac ria serpente

de
um
trabalho
outrora
para
a
APF
Feito

Z CC SP O D O S AP

ZC
Como
Sempre
Pouco
O
Dinheiro
Ou
Sempre
Assim
Pareceu

U P Q A N T R D Q PS A EP O JE O J MAIS NE CE SIAT TD OS

Um
Parecer
Que
Assenta
No
Triste
Reconhecimento
De
Quão
Pouco
Se
Apoia
Em
Portugal
Os
Jovens
E
Os jovens
Mais
Necessitados

Um Par ser, q eu da Assenta No , Triste Rec on he cie mn to De Q ua o Po u co se da Ap da poia do circulo do ia em Portu gal os J ove en se os j ove en ns mais Ne ce si a td os

(8 me ap rec cera ao ove ra vera da revista da p hot, os bo rn ne, os do borneo use seja do os da fic , h om em da prime ira, do t rui n f o do sp orc os,

8 me aparecera ao ver a revista da photo, osborne, os do borne, ou seja do os da fic , homem da primeira, do triunfo dos porcos,)

DC S P C A D S P F

De
Como
Se
Portam
Como
Assassinos
De
Seus
Próprios
Filhos

Dec omo se P orta tam am c omo Ass as sin os de s eu s pro p rio serpente fi l h os

D ESS AVE Z C HE GARA AM PRIMEIRO VASO ID E CIRCULO DE AIM MAÇAO CANADENSE; C ANA D EN SE MUI TO B ELO S OB R E P PR EBE EB SÃO SEC DO SEX X UAL NA S ES CO LA S

Dessa
Vez
Chegaram
Com
Um
Video
De
Animação
Canadense
Muito
Belo
Sobre
Prevenção
Sexual
Nas
Escolas

D ess ave zc che gara am com do primeiro vaso maior do video, vaso id e o doc circulo de anim maçao canadense mui to b elo S ob re p r eve en são S e x ual N as Es co l as


C OMO O DI INN HOR RATO MAIOR DO RIO N CAO PRIMEIRA BUNDA AVA FI ZE EMO S DOS NÒS PR ROP RIO SAS AS DAS VOZ ES DA DOBRA BR RA PRIMEIRA GE MARIA


Como
O
Dinheiro
Não
Abundava
Fizemos
Nos
Próprios
As
Vozes
Da
Dobagem

C omo do circulo do Di ne homem do rio n cão Abunda ava Fi ze emo sn nós
Pro p rio sas V oz ze es da Dobra br ra ge em Ass em Fi cam os com do circulo do
Dinheiro dop para p a g ar os c us to sa mim ca l alho h o um me f az e r de Per serva t iv o

E RA UM TOM BR INCA INA ALHAO E MUI TO C OMO NÒS DI IVE TIM OS CM CC COM SE MP REA F A Z E L O

Era
Um
Tom
Brincalhão
E
Muito
Nos
Divertimos
Como
Sempre
A
Faze
Lo

DI Z IA EU NA AL TURA O I H AQ DO Q EU ME D F OI ACONTECER DA RA A VOZ A U M PER SERVA T IVO

Dizia
Eu
Na
Altura
Olha
O
Que
me
Foi
Acontecer
Dar
A
Voz
A
Um
Preservativo

H OJE NEST ES DO DIAS OIKO C O VOZ ES Q EU DI ZE MARIA FREITAS U O V A T

Hoje
Nestes
Dias
Oiço
Nas
Vezes
Outras
Vozes
Que
Dizem
Fazer
Uma
Outra
Variação
Ao
Tema
Eu
Que
assim

LA TAM CAO L HE ES F AL T A ASS SI EM DEC ID DOMOS OMO S TE NO NA ZO L LIVI AT A PR ES SUMO EU Q EU AS PE Q EU EN AS BEST BEA AS DI G AM


Lata
Não
Lhes
Falta
Dizem
Assim
Decidimos
Manter
Te
No
Anzol
Do
Liviata
presumo
eu
que
assim
as
pequenas
bestas
digam

F D G RANDE PUTA D A B A AB BIL ONI NI A

filhos
da
grande
puta
da
babilónia

Q EU PAR REC CE IS MEC ON F UN DI RC OM O U DELTA RO EN CAO S AB E R D ES A O CE R TO Q EU MS O U

que
pareceis
me
confundir
com
outro
e
não
saberdes
ao
certo
quem
sou

Pois
O
Ireis
Saber
Em
Vossa
Própria
Carne

AP P ESCA DOR ES D AS DOR ES NA S DOR ES I REIS CA IRE FI CAR

pescadores
Das
Dores
Nas
Dores
Ireis
Cair
E
Ficar

CE DN V ESTE Z FIO NO CO EU AM C TE O L D UM


Estamos
De
Novo
Via
Este
Fio
No
Canada
Onde
Eu trago
Amores
Como
Trago
Em
Outros
Lugares
Do
Uno
Mundo

Cá Es t amo sd en ovo via este fi o input output no C s ana ad a onda eu t rago Am o r es
C omo T rago em O u t ros Lu gar es do Un o Mundo

EU UM OUTRO F IO DO VI V ID O JE SE J UN TO VASO

E
Um
Outro
Fio
Do
Vivido
Pela
Memória
Se
Juntou

OS O PS EU S DT T RELAÇAO COM O CIRCULO CAM MAD A CANADA

O
Sonho
Ou
Pseudo
Sonho
Da
Teresa
Tem
Relaçao
Com
O
Canada


OS se on h oo u Ps eu do S on ho da sá da teresa T em Relaçao com do circulo do cam ada do canada, c ana ada

V OMO DO NO DO CANADA NE ME S MA TORRE DEC OM M UNI CACPOES ; EL LA EST TEVE NA S TAIS VIA GE EN MS DO ICEP COM O ANT ES A MO ONI CA DA LAPA ES T EVE TI VERA, EX MC CANN


Como
No
Canada
Ne
Mesma
Torre
De
Comunicações
Ela
Esteve
Nas
Tais
Viagens
Do
Icep
Como
Antes
A
Monica
Lapa
Estivera

V omo no Canada Ne Me s ma T o rr e de Com única caçoes El a Es teve
Na s Tais Via ge en ms Do Icep C omo Ant es A M oni ca
Lapa es t iv vera

CO D I O CO OB RATO DA RURA Q EU O REC CT RAC TO DAS CA SAS AM EU S AB ER; D ES VELA, o sas europeu o sabe

Cobertura
De
Uma
Outra
Cobertura
Que
O
Retracto
Das
Casas
A
Meu
Saber
Desvela


Cob e r tura De Uma Outra Cob e r tuta Q eu O Rec t rac to D as C a sa s AM eu S ab e r D es vela


C H ANT DO TILY; COM O MORANGOS COM DO C H ANT TILY; UM OUTRO G EN ERO; O VASO COC CC C H A ISES


Chantily
Como
Morangos
Com
Chantily
Ou
Duchaises


C h ant tily Com o dos Morangos Com do Chantily O u duc h a is es
Que se bem se recordam tem uma espécie de leitinhos assim na fendinha do bolinho

P C R TE P U B R Q H MC


Pois
Chantily
Remete
Para
Uma
Bela
Rapariga
Que
Habita
Meu
Coraçao

P o is C h na tily Reme te Para Uma Be la Ra pa riga Q eu H ab bita Me u Cora sao



Q E N E U V C N AD ME Q E TE LE CN EP DEC B OLO Q EU FI Z PARA ANA FPA

Que
Eu
Na
Europa
Uma
Vez
Conheci
Nas
Andanças
Dos
Medias
E
Que
Esteve
Tambem
Em
Lisboa
E
Cujo
Nome
É
Próximo
De
Um
Bolo
Que
Eu
Fiz
Para
Angariar
Fundos
Para
A
Uec


Q eu E uN a Europa Um aVe z C on he cina s Anda danças dos Medias E Q e Es tve Tam b em E ml is boa E Cu jo No me É Pro x imo De Um B olo Q eu E u Fi z Para
Ana g ar ia rf un do s Para A U e c

EQ Q EU FI CARAM UMA DELI CIA NA PR ME IRA E ÚNICA VASO E XORRO Q EU OS FI ZORRO

E
Que
Ficaram
Uma
Delicia

Na
Primeira
E
Única
Vez
Que
Os
Fiz

O S U R C O H M D H Q A T U C S LIGA AC ANA AD A

Ou
Seja
Um
Relaçao
Com
O
Home
Morto
Da
Historia
Que
A
Teresa
Um
dia
Contou
Se
Liga
Ao
Canada

O u seja um da relaçao com do circulo do homem morto da h si tori a q eu a teresa um dia conto vaso se liga ao canada

MR D OB M D M T Q S A AL E S M

Me
Recordei
De
Outra
Bela
Mulher
Da
Mesma
Terra
Que
Sempre
Amei
Ao
Longe
Em
Sua
Musica

Me record e id e outra be la mul her da m es ma Terra Q eu Se mp rea am e ia o Longe em s ua mu sica

AE A AM S M D B P O A O DD A FN NI C

Amei
E
Amo
A
Musica
Das
Mulheres
Daquele
belo
país
onde
agora
obama
depois
do
aço
falar
na
neve
ia
caindo

Ame i E Amo AM u s i c a d as Mul her es da q eu le b elo pa í son de agora ob ama d ep o is do aço f al ar na n eve ia ca indo


N RA E MC S Q EP A NE LE


Na
Realidade
Essa
Mulher
Calhou
Ser
Quem
Em
Portugal
A
Apresentei
No
lusitanea
Expresso

Na Real id ad e ess am mul her Ca l h o use r q eu em E mp portu gal A Ap r es en te ino Lu si t ane A x p r ess o

E MR D E C MO Q A V S AA

E
Me
Recordo
De
Ele
Como
Muitos
Outros
Que
A
Vós
Aqui
A
todos
Apresentei

E Me Record ode El e com om ui t os outros Q eu AV ó s sa qui A todos Ap r es en te i

L A U B E M I N M D UA F


Laurie
Anderson
Uma
Bela
Rapariga
Muito
Inventiva
No
Modo
De
Sua
Musica
Fazer

L au rie Anderson Uma Be l a R ap a riga Mui to In v en t iva No
Mod ode S ua mu sica f az e rato


O P G O C D N E M D B E T O B I

O
Piano
Gravata
O
Chao
Das
Notas
E
Microfone
De
Bochecha
E
Tantas
Outras
Belas
Invenções

O Pi ano G r av tao Chao D as Not as E Mic o rf one De Boche ch a E T anta s O u t ra sb de belas In v en ç o es

U D AA EE RN DC E O QQ MR A TS ME E O COS A EN D F AA EE A


Um
Dia
Aqui
A
Escutei
E
Relembrei
Nesse
Dia
Como
Em
Outros
Que
Quem
Mais
Tarde
A
Trouxe
São
Mal
Educados
E
Oportunistas
Como
O
Senhor
Antonio
Do
Ex
NCI
E
Da
FPA
Aqui
Agora
Em
Alcantara


Um do Dia A qui A Es cu te i E R e l em br ei Ness e Dia Com o Em O it rosque, porca, Q eu m Mais T arde A T ru xe São Ma l Edu cado sE O por uni s t as Com o O S en hor
Antonio De E x N vi E Da FPA A qui Agora Em Al can tara

PP LC QQ FN FP EN


Provavelmente
Pelos
Louros
Com
Que
Quiseram
Ficar
No
Fórum
Picoas
Em
Noventas

Pro ova ave l mente P elo s Louros Com Q eu Q u ise ram Fi car No fórum Pi coa s E m No ove en t as e oito, ou seja na expo

MR O N R Q È F D H

Mais
Recente
Outra
Bela
Ruiva
Que
É
Fio
Desta
História

PM C P C D R D C P

Primeiro
Me
Chegou
Pelos
Clips
Do
Rui
Da
Cp

O CD MG

O
Clip
Dos
Meninos
Girassóis

O C l ip Dos Meninos G ira ss ó is

A N D U O F D G DT DP Q O PA E S H J

Ainda
Nestes
Dias
Um
Outro
Fio
De
Girassóis
Da
Terra
Do
Pintor
Que
Os
Pintou
A
Estes
Se
Juntou

A inda Nest es Dias Um Outro Fi ode G ira s s ó is Da Terra Do Pi n tor Q eu Os Pin to ua Est es Se J un to u

D V E VV N M D B G D C B CO A R C FM

Desta
Vez
Em
Versão
Vermelha
Nas
Maos
Da
Bela
Gisele
De
Calçoezinhos
Brancos
Como
Outros
Antes
Relacionados
Com
Foguetões
Tipo
Magnéticos

De sta ave ze em V e r são Verme l h ana s maos sd a Bela Gi sele De C a l ç oe z in h os Branco sc omo Outro san te s R e la cio n ad os Com Fo g eu to es T ip o
Mag ne ticos

Querida gisele, vejo a menina quase todos os dias ali na rua ao passar, devia acabar com esse seu contrato de óculos escuros e muito grandes que lhe tapam esses belos olhos de gatinha, pois fico eu assim com muita peninha em meu peito

P A D D B E L A S O N B E LA A V IBRA Ç O ES

Por
Assim
Dizer
Das
Belas
Ou
Não
Belas
Vibrações

NO S COP OS DAS BELAS PE Q EU N AS TE RA S E D OS T UB BAROES Q EU NELAS OS CAMA P OS MAP PE IAM AM

Nos
Corpos
Das
Belas
Pequenas
Terras
E
Dos
Tubarões
Que
Nelas
Os
Campos
Mapeiam

A C O D Q O T U U S A AVA O R IU BARAO CORP O DA PRO PRIA TERRA OS EU MAG N E T IS MO PARA SE C ONDO Z I RATO

Assim
Contava
O
Documentário
Que
O
tubarão
Usava
O
Corpo
Da
Própria
Terra
O
Seu
Magnetismo
Para
Se
Conduzir

Q EU MADERIA MAIOR QUDRADO IRIA DET AL INTEL LI GEN CIA E T AL F AZ E RATO

Quem
Diria
De
Tal
Inteligência
E
Tal
Fazer

D A M R C B R E S N P Q A C A L D O B C D MC

Depois
Apareceu
Mais
Recentemente
A
Bela
Rapariga
Em
Salema
Nos
Passes
Que
Aqui
Contei
Ao
Lado
De
Outro
Belo
Cantor
De
Meu
Coraçao

D ep o isa par rece u Mais Rec en te mn te AB e la Ra pa riga Em S al ema No s P ass es Q eu A qui Conte iao L ad ode outro B elo can tor de me u cora sao

I D D T F C Q JS D E L A

Iva
Do
Rui
Foi
Coisa
Que

Se
Desvelou
Em
Letras
Anteriores

P U AB F ORT E N A L TURA D OS C LI PS AL G EU EM FEZ AX ACONTECER

Pois
Um
Ab
Forte
Na
Altura
Dos
Clips
Alguém
Fez
Acontecer


UA AB Q EU C OMO EM TODOS J A B EM E X P LIC EU E SE MP REO UMA ABC REA SAO

Um
Ab
Que
Como
A
Todos

Bem
Expliquei
É
Sempre
Uma
Abc
Reacção
Pois
Não
Existem
Dois
Termos
Sem
Um
Terceiro
Numa
Equação

O T E U D A OO R E U D A M

O
Trinta
E
Um
Da
Armada
Ou
O
Trinta
E
Um
Da
Amada

OT rin t a E Um Da Armada, O u O T rin t a E Um Da Am ad a


UN N S E M E M I A N TE AM E DEC LINA SÃO INGLESA AP PAR REC EU EM DIA REC EN TE PE LA PAL AV RA

Um
Nome
Semelhante
Ao
Meu
Em
Declinação
Inglesa
Apareceu
Em
Dia
Recente
Pela
Palavra

AGORA A O IS TO DO ES ESCREVER R REVE EVE RATO LI NO DO LINO DO ANGUULO IV RO DO TINTIN POR TIN T IN Q EU VEIO DA LOJA DA TUA DA SEC CULO DO VI DA DO RING LAND DA ENERGIA RADIO

Agora
Ao
Isto
Escrever
Li
No
Livro
Tintin
Por
Tintin
Que veio
Da
Loja
Da
Rua
Do
Século
Vi
Da
Ring
Land

DA ENERGIA DA TERRA ; BR; DO ANEL ANE NE PRIMEIRO, U M S Ò ANE PRIMEIRO PARA TODOS PR EN DER

Da
Hi
Da
Terra
Do
Anel

Um

Anel
Para
Todos
Prender

E RA ON OM ME AP PAR REC ID O NIME DO H OM ME C OM Q EU EM AM MONICA JN JANTA TARA NA TORRE DAS COM ÚNICA CC CACOES DA C IRC U L AR DO QUE RODA S OB RE S EU E IX DO CIRCULO EM T O R O T O N T O

Era
O
Nome
Aparecido
Nome
Do
Homem
Com
Quem
A
Monica
Jantara
Na
Torre
Das
Comunicações
Circular
Que
Roda
Sobre
O
Seu
Eixo
Em
Toronto

P UA PRIMEIRO S A N T O JE A N O U O PAN T ANO DO SERPENTE JOAO DO CIRCULO DO PAULO A B R U N H O SA; PAULO SA, DO PORTO NA AL TURA DO S J OAO D OS ALHOS PORROS COM DO CIRCULO DOS MARTELINHOS; ELETRICOS AQUI NAS OBRAS EM CIMA DO COM DO BATE EM C IMA DAS CAB CINHAS DO S Q E N A F O LIA DO CARNAVAL VAO A P ASS AR, O CABRAO DA AR LIGADO AO M A R O C A S ZORRO DO BANDIDO MOR

Paul
Saint
Jean
Ou
O
Paúl
Do
S
Joao

O
Paulo
Abrunhosa
Do
Porto
Na
Altura
Do
S
Joao
Alhos
Porros
Como
martelinhos
com
que
se
bate
nas
cabecinhas
dos
que
na
folia
do
carnaval
vao
a
passar


P AU U I O U TINHA AP PAR REC ID O Q UANO D LE ME L EM BREI DO SE G UB D SI GNI FI CADO DA DEC LINA SÃO DS LX R ES T AURA RANTE LI BOA I X E IX ES T RA L ARGO ;MODA Q EU È IN VERT IDO P O IS È X L

paulo
tinha
aparecido
recentemente
quando
me
lembrei
do
segundo
significado
da
declinação
de
lx
restaurante
Lisboa
lx
lx
estra
largo
moda
lx
que
é
invertido
pois
é
Xl

U lo tinha ap ar e c id o rec en te mn te q ua ando me l em br rei do se g ub bdo, pub,
Se gn i fi cado da dec l ina são de l x r es t aura ra n te li boa l x l x es t ra l argo da
Moda do l x q eu é in vert id o p o is é x l

X L ME A PERE REC EU NA TV EM DIA REC EN TE ANO REX XICAS E DR O GÀS E RA OT EMA DO ANZOL

XL
Me
Apareceu
Em
Dia
Recente
Na
Tv
Anoréxicas
E
Drogas
Era
O
Tema
Do
Anzol

P AV L EN B P M L C P O B E C BEE S T U PIDO

Pois
Ao
Ve
Li
Em
Breve
O
Breve
Para
Me
Lembrar
Como
Parece
O
Bowie
E
Como
É
Burro
E
Estúpido

P o isa ove Li Em N br eve O Br eve para da me L em br ar com o Pa rece O Bo w ire C omo É B ur ro E Es t u pido

U MS IM B OLO DE UMA BA RATA AO MO MEN TOME AP AR REC EU


Um
Símbolo
De
Uma
Barata
Ao
Momento
Me
Apareceu

E CD DN ME

Em
Cima
De
Meu
Casaco

Em c ima de me u ca do saco, o pedro ex ministro da c u l rt ru ur a


E C D M C O VI E RA PRIMEIRO PED AÇO DE CO TT ON E EU ME DI S SE


Em
Cima
De
Meu
Casaco
O
Vi
Era
Um
Pedaço
De
Cotton
E
Eu
Me
Disse

Em C ima De Me u Ca saco O Vi E ra Um Ped aço De Cotton, coto vaso, coto serpente, velas serpente, co t to, b ot ton E Eu Me Di s se

PRA ME U BO OT TAO

Para
Meu
Botão

COM Q EU ES SN TAO ESTE RA PAZ È UMA AB BA RATA

Com
Que
Então
Este
Rapaz
É
Uma
Barata

COM O E STA EM C IMA DA MIN H AR RO UP PA È EN TAO UMA DAS AB BA RATAS Q EU AQUI EM CASA ME AP PARA REC RAM Q ANDA PRAGA DAS BA RATAS A SE GUI RATO AO RO UBO DO CIRCULO DO FRANCISCO

Como
Está
Uma
Em
Cima
Da
Minha
Roupa
É
Então
Uma
Das
Baratas
Que
aqui
em
casa
me
apareceram
quando
da
praga
das
baratas
a
seguir
ao
roubo
do
francisco


Com o E stá Uma Em C ima Da Min h ar o up a É En tão Uma D as do ab Ba ratas Q eu a qui em c asa me ap ar e ce ram q ua ando da pr g ad as ba ratas a se gui ra oroubo do
francisco


BO TAO RIM IMA COM DA MODA COM


botão
rima
com
moda
com

À PRO DO CURA DO BO OT ATO TAO PRIMEIRO FI L ME DE O U T RO RA PARA O LUSITANEA EXPRESSO; LX MADRID; NA ES R AC SÃO ARABE; AR ABE DO RO S SIE PRIMEIRA CHEGADA; DIABOS; DO COM BOI DE SINTRA PRIMEIRO PERFUME FRANCES; AZINHAGA DOS BESOUROS DAS ROUPAS E DOS MOD ELOS; DE UM PORCHE ; AL EMA MAO R EP LI CA P ART A, P RATA DO NOVE DE SET E M BR O DO CIRCULO DO CA DO SINO DO ESTORIL, ÀS DAS S LOT M AC H INE S E DA RO L ETA E ÀS DAS ME NINA S M ORTA S EN T R E E LA ASA A TIRO, GREGA, É A SIN O PSE Q UE F AZ L LEM R A R O U T RA C Q EU S TAO

à
procura
do
botão
um
filme
de
outrora
para
o
lusitanea
expresso
na
estação
árabe
do
rossio
a chegada
do
comboio
de
sintra
um
perfume
francês
das
roupas
e
dos
modelos
um
porche
911
prata
replica
o
casino
do
estoril
as
slot
machines
e
a
roleta
e
as
meninas
mortas
a
tiro
entre
elas
assim
é
a
sinopse
que
faz
lembrar
outra
questão

AGORA EM DIA REC EN TE PRIMEIRO DO OUTRO B OTA O AP PARA RECE EU NA MAO DE HI ll AR Y NU PRIMEIRO ENCONTRO COM DO CIRCULO DO S EN HOR DA GÀS PROM


agora
em
dia
recente
um
outro
botão
apareceu
na
mao
de
hillary
num
encontro
com
o
senhor
da
gás
prom

pere gato do vaso do zorro do ka co circulo do n oni ce homem co ang u lo circulo botão, moda, verme espanhol corte, ce ho da car rena ge madeira do homem do heli, do co da pt da energia, edp, do mexia, da vermelha energia, ou seja do sangue

pereguzka
circulo
do
nono
checo
angulo
circulo
botão
vermelho
da
carnagem
do
homem
do
heli
copt
do
ero
da
vermelha
energia


OM EU PE Q EU EN NO HE LI COP PT ERRO E STA ACONTO COM CIRCULO DO TO TOR DE C AUDA DANI FI CADO Q UA ANDO ES T RA ANHA QUE MENTE DO IA DO FI CAN DO SE EM CAB EÇA DO NO DO GEREZ ; GER E ZORRO ESPANHOL

o
meu
pequeno
helicóptero
está
com
o
rotor
de
cauda
danificado
quando
estranhamente
ia
ficando
sem
cabeça
no
geres

POR C IMA DO EM MP PR ESS R DE BE RING E RATO S ON NY QUADRADO DO SET I MAGE MADEIRA EST REI T O E DO L OVA l ENE RATO G IA VERME VERMELHA

por
cima
do
compressor
de
beringer
e
do
sony
quadrado
set
imagem
do
estreito
e
do
local
do
vermelho
sangue

O R OTO DE C UDA DE SIC KI l BRA E ESR RU TI U RA MET Al LICA D AS TORES GEMEAS COM DO IS BAN DC O DE PESCA DOR ES T RIPES RICARD O MILL EN ENI PRIMEIRO E A O LADO PRIMEIRA DOLY F DO FR MAN FR OTO
o
rotor
de
cauda
desequilibra
e
estrutura
metálica
das
torres
gémeas
com
dois
banco
de
pescadores
tripés
ricardo
millenium
e
ao
lado
a
doly
doll
f
do
fr
manfroto


me x ia ap ar e cia o g rande luc ro d as id das ideias roubadas, ou in spi t r ad as, m coca, para se maís s ua ave

mexia
aparecia
o
grande
lucro
das
ideias
roubadas
ou
inspiradas
para
ser
mais
suave

PRIMEIRA I MAGE MNA TV MOS T RAVA O S EMI CC IRC U C L O DO EDI FI CIO DO MARQUES E DET RA SE PRIMEIRO DAS FITAS; CINEMA; QUIM HE EN TO ZE; AM MAR DO ELO COM O DO FIAT DA TERESA

a
imagem
na
tv
mostrava
o
semi
circulo
do
edifico
do
marques
e
de
trás
um
fita
quinhentos
amarelo
como
o
da
teresa





AGORA A O IS TO L EM BR AR ME REC O R DE Q EU A EN C ON T AR AA O FI CINA DAS REPLICAS Q UANDO FOR AC ASA DO MIGUEL H RTA O RATO MAO DO RUI

agora
ao
isto
lembrar
me
recordei
que
encontrara
a
oficina
das
replicas
quando
fora
casa
do
miguel
horta
Irmao
do
rui

Q Q EU NESS AR UA EN T REA A PR ACA DE TOIROS ; TOI IRO SEA AV DE ROMA TAMBEM MOR A AVA DO PR D RATO DO DOIRADO, OU SEJA TAMBEM RESPONSAVEL PELO AB QUE LEVOU A MORTE; POR V AVE L MENTE UM DOS QUE ES C R EVE NO CO REI O S OB RE LID ES; OUTRAS PA E LO SA VI S TO S

e
que
nessa
rua
entre
a
praça
de
toiros
e
a
av
de
roma
tambem
morava
o
pedro
doirado


OU SEJ A AB RATA DO TE MP O DO AS DAS MANO BRAS DO MAIO FEITA POR UMA DAS IRA RAM MS DA LAPA LI IPE ES ALVES DO LOPES; E A B B ON DANZA E O MARIO MATOS DO RIBEIRO; OU MARIO O LOUCO DO RIBEIRO

ou
seja
a
barata
do
tempo
das
manobras
de
maio
feita
por
uma
das
irmas
da
lapa
lopes
alves
e
abbondanza
e
mario
matos
ribeiro

E U M O I OUTRO RA PAZ AU USE S EN TE Q EU EM DIA REC EN TE ME L EM BR REI DO O LUIGI AB BIN DANZA CA SADO COM A PRIMEIRA EDU ARD A

e
um
outro
rapaz
ausente
que
em
dia
recente
me
lembrei
o
luigi
abbondanza
casado
com
a
eduarda

O ES SE PEI IT TO DE ISSE UM DIA EM TOM Q UA ASE DE AC USA SÃO S EN CAO T IVE R ES ON OME ME DA AB BO N DANZA NO DO EN RED O Q UAL Q EU R CO ISA DE E RATO RA AD O ES TARA ASS EM DI ZE M BEST AS SE EM FACE NE MAIOR ROSTO P ELO DO ETER

o
espirito
disse
um
dia
em
tom
quase
de
acusação
se
não
tiveres
o
nome
de
abbondanza
no enredo
qualquer
coisa
de
errado
estará
assim
dizem
bestas
sem
face
nem
rosto
pelo
éter

P S J ES TEVE EM L IS BOA NO NI ALGARVE A LIGA AC SAO

paul
saint
jean
esteve
tambem
em
lisboa
no
algarve
a
ligação

paul, pan t ano do sa int da jean es teve tam b e me l is boa no ni, bombeiro vo l un t a rio, am bula lan cia do no do al g ar vo re a liga ac sao


COM PRIMEIRO ES PE CTA CULO DE ES PE I H OS ES PIRA RAI IS RO OTA TATI IV OS E ASS SI EM MEI O H IP NOT I CA PRIMEIRO GATO RUP O M U SIC AL X H IP PN NOSE È P ASS DO EL MO


com
um
espectáculo
de
espelhos
e
espirais
rotativos
e
assim
meio
efeito
hipnótica
que
é
tambem
um
grupo
musical
x
hipnose
é
passe
do
elmo

( hipnose feita com base em sequências de flash com cores e formas, via net)

( h ip nose f e i t a c om base em seque ca non, en cia s d e fla s h do com cores e formas, da via net)

MAÌS PRIMEIRA AVE ZORRO DO ZE ES CU TARA P ELO ES PI RITO DO CIRCULO DO COBARDE; CO BA ARDE DI ZE RATO SERPENTE CIRCULO LP DO VASO D EU Q EU T EN HO OT EU FI L HO


mais
uma
vez
escutara
pelo
espirito
o
cobarde
dizer
sou
eu
que
tenho
o
teu
filho

UMA OUTRA EN R EA DA NO DO DIARIO ASS SI MR E ZA

uma
outra
entrada
no
diário
assim
reza

CO DI GOD ODE BAR RA S DO PAN PN AA RICO DA OVE L H ADO CRATO RUI SALGUEIRO; S AL G EU IRO DO REF U GI O DO ABO UN EN G L ES


Codigo
De
Barras
Pan
Rico
Ovelha
Do
Crato
Rui
Salgueiro
Refugio
Aboim
Ingles

MER RT O LA FOICE

Mertola
?

AL EN TEJO S O U EU Q EU T EN H O TE U FIL HO DO CIRCULO DO RE RC CE IRO EL EVA AD NEGRO E AM MAR DO ELO

Alentejo
Sou
Eu
Que
Tenho
O
Teu
Filho.
O
Terceiro
Elevado
Negro
E
Amarelo