quarta-feira, março 25, 2009

Durao, o senhor é uma besta, o grau da sua bestialidade, é exactamente a única coisa que me falta averiguar em pormenor na devida extensão dos seus verdadeiros créditos, e logo ontem o senhor, se o fosse, pois cobre um roubo de um filho e dos direitos de um seu conterrâneo, a e um que muito bem conhece, me apareceu na televisão com mais uma manobra de fuminhos, a tentar fugir com o seu rabo à seringa

Durao, o s en hor é uma best a, o g rato au da serpente da ua sal bestialidade, é e x ac tam n te a única co isa q ue me f al ta ave rig vaso da ar em por m en o rna de v ida e x ten sao do ss e us verde ad e iro serpente dos créditos, e p do rim mr input output do primeiro gato do falo cravado na terra por circulo duplo, do logo, on te emo mo do senhor, se o f os se, p o is cobre um rp o ub ode primeiro filho e dos direitos de um serpente europeu seu conterrâneo, a e um mui to b em c on he ce, me ap ar rece un da primeira da televisão, a puta maria elisa, certamente, com do mais da primeira manobra, mano br ra, de f vaso do minho sa t en tar f vaso do gi do irc do om do os seu rabo, primeira acento a se ring a, bell, a , be onze primeira, sin os,

Se o senhor se limitasse à representação da sua incompetência simplesmente, nem muito mais mal viria a europa, nem ao mundo, pois incompetência na condução dos cargos comuns, não é infelizmente coisa que não domine, e todos sabem do imenso bluff que o senhor é, e de como só se mantém por vampirismo alheio, mas quer o mundo, porque assim ele necessita o esclarecimento desta matérias em toda a sua extensão, pois para alem de serem crimes contra a humanidade, é caminho que enquanto aberto, como todos os dias infelizmente se faz negra e em sangue prova, diz claramente que essa tentativa de nova ordem continua sua marcha, e se assim for, o fim foi já anunciado, tudo e todos acabam

Se os do serpente da en hor se li mit asse à r ep r es en taçao da s ua inc o mp e t en cia simples, es, que mente, ne made ria mui t o ma is m al v iria a e ur rp da dd pa, ne mao do mundo, p o is inc o mp pet en cia na condo ua da ac sao dos cat g os com un sn cão é in fe liz mente co isa q ue n cão do mine, e todos s abe madeira do im en s ob lu ff q ue o s en hor é, e dec om o s ó se man te mp por vam pi r is mo al he io, mas que do ero do ro mundo, pric da ue ass em mel ele ne c es sita o es clare cimento de sta ma té ria s em toda a s ua e x t en sao, p o is para al e made ria de se rem c rim es contra a humanidade, é ca minho q ue en q ua anto ab berto, com o todos os do Dias infelizmente se f az negra e em san g ue pro da ova, di zorro clara em n te q ue ess a t en tat iva de n ova ordem conti nu as ua mar rc h a, e se ass em for, o fi mad e ria f o i j á anu un cia ado, tudo e todos ac ab bam

Como todos se recordarão, o senhor é um dos homens do quarteto que esteve por detrás da falsa guerra com falsa resposta a queda das torres, e só por este motivo , o senhor deveria ter-se afastado da condução fosse do que fosse, de todos e qualquer cargo publico, muito menos da presidencial de uma europa que à própria imagem da sua incompetência nem existe nem funciona e só dá cabo da vida a todos os europeus

Com do circulo de todos, da se recorde do arao, o s en hor é um dos h o mn es do quarteto q ue es tve por det ra sd primeira f al sa guerra com da f al sa rata da es posta primeira da queda das torres, e serpente do acento no circulo da emanuelle por est mit iv o , o s en hor d eve ria te rato do traço da inglesa se a f a st ado da condo da sao f os se do q ue f os sed e todos e q ual q eu rato do cargo do publico, mui to m en soda pr e side en cia de primeira da europa, q ue à pro p ria i mage made ria da serpente da ua i un co mp pet en cia ne m e x us te ne made ria fun cio n a e serpente do acento na ó d á cabo da v id a a todos, do os dos europeus

Contudo como todos no mundo trazem hoje bem sabido, a guerra é o segundo episódio da tentativa de implementação de uma nova ordem mundial, e muito, mas mesmo muito do que já se encontra esclarecido para trás, aponta para que quem deu o segundo passo, não poderia nunca estará desligado do primeiro, ou seja da queda das torres em si mesmas, e consequentemente das outras bombas e atentados e quedas de aviões, e das mortes das crianças em beslan, e de um conjunto vastíssimo de pseudo acidentes que se inscrevem e que são sequências de guerra, disfarçadas

Circulo em tudo, com do circulo de todos do no do mundo, t ra ze made ria homem do oje segundo em sabi do, primeira guerra é o se gun do e pi s o di o da t en tati iva de i mp le men taçao de uma nova ordem mundial, e mui tom as me s mo mui to do q ue j á see e circulo do non cruz do ra es clare cid o para t rá serpente da ap da primeira ponta do para do q ue q eu made ria de vaso do circulo do segundo passo, louco, n cão p ode ria n unc a es t ra d es li gado do primeiro, o vaso do seja da queda das torres em si me s mase co nse q u en te mn te d as das outras bombas e a t en t ad os se das quedas de ac cio es, e das mor e ts da sc rina sl a em bes lan, e de um c on j un to v as t iss simo mode ode ps eu do acide dentes q ue se i ns c reve em mec q ue são sec ca non, eu en cias de guerra, di s f arc cortez ad as

Que o senhor é uma besta, com laivos em sua personalidade, de comportamentos intimidatorios como eu lhe conheci e deles fui vitima pela primeira vez aos quatorze anos de idade, ou seja fui eu alvo de um acto de abuso do senhor ness altura o que não prefigura nada de abonatório do seu caracter e da sua forma de agir, pois abuso e negro e perigoso traço de caracter face a terceiros, na realidade quem os trás nem deveria nunca pretender conduzir nem que fosse uma carroça, a não ser que se tenha na realidade tornado uma espécie de condutor da carroça da foice larga da morte como aparecia figurada na biblioteca dos olivais relativa a beslan

Q ue o sn hor é uma b es t ac om lia av os se made ria serpente da ua per son a l id ad e, de co mp rta tam men to sin tim id dat dos toiros com o eu do prime rio ingles c on he cie del es f u iv it ima pe lap ap da prime ira ave zorro da primeira do os qua t ro o rato ze ano sd e id ad e, o vaso do seja f u i eu alvo de primeiro ac to de ab us o do sn hor ness al tura do circulo do q ue n cão pre figura n ad ad e ab bona toiro do s eu ca rac te red primeira serpente da ua forma dea gi rp p o is do abuso en negro e per rigo osso t ra corte primeiro de ca rac te r face a te rc e iro sn ar e la id aa de que mos t ra s ne m d eve ria n un ca pre t en der c on du zorro i rn em q ue f os se uma car rola, , an cão ser q ue se t en h ana r e la id ad e tornado uma es pe cie de condo do tor da co r rça da foice larga da m orte com o ap ar e cia figu r ad d ana bi l b lio teca dos o l iva si r e la t iva a b es lan

Todos se recordarão do que eu aqui já contei dos tempos em que o senhor era mrpumpum, e de como pela primeira vez nos cruzamos na primeira greve do d dinis, numa madrugada onde expressamente o senhor por lá apareceu para me intimidar, e de uma outra manha, seguida em que me iam levar até si, e um pião no carro que nos transportava obstou a esse encontro, um paio ali dado em cabo ruivo, ao descer para onde hoje é a expo, prenuncio de outro piões, ou melhor dizendo, de furacões, e maremotos a oriente, certamente, e o senhor ousa o silencio e o faz de conta perante este aqui desvelado

Todos se rec o r d arao do q ue eu aqui j á conte id o st e mp os em q ue o s en hor e ra mr p u mp um, e dec om o pe la prime ira ave zorro no serpente do circulo da ruza am os na prime ira gata r eve do d dinis, nu ma madruga da onda e x press sam que mente do circulo do senhor, por lá ap ar rece do vaso do para da me em tim id ar, e de uma circulo do vc caso da cruz do ra da mana do homem da se da guida em quadrado da ue me ia marxista leninista, sig la da est rato ema da esquerda, quadrado da ue tambem da cruz da am e segunda em se rec ala ama de mar x ista s leni ni sta ser rp pn te, primeira eva ra té si, e um pe ia on circulo do carro q ue nos t ra sn porta ava ob st o ua ess e en c on t ro, um pa io ali dad oe em cabo do ruivo, ao de sc e rp do para onda hp je é a e x po, pr en un cio de o u t ro pi o es, o vaso do mel hor di z en do, de f ur rações oe es, e mar m oto sa do oriente, ce rta que mente, e o senhor circulo da usa do circulo do silencio e circulo onze do f az dec conta pe ra ante este aqui d es vela lado velado

A mim, o seu acto de intimidação serviu-me logo de imediato nesse tempo para abandonar qualquer veleidade de vir a militar nesse grupelho de esquerdistas que tanto serviram como todos sabem os propósitos da extrema direita, com métodos de violência nesses tempos da revolução de idêntica violência, nomeadamente no que se convencionou chamara de verão quente, e hoje olhando este primeiro nosso cruzamento, é me claro que o senhor já sabia bem quem eu era

Am mim do imo serpente do eu do acto de in t im id ac sao ser vi u do traço da inglesa me l ogo do imediato, ness e te mp o ap do para ab ban don da ar q u l q eu r vele id ad e de vaso do ira militar ra ness e g rup el homem da ode esquerdistas q ue t anto ser vaso iram com o todos s abe emo do os por rp posi to sd primeira da e x t r ema direita, com dos met o do s d e viol en cia ness es tempos da r evo lu sao de id en tica viol en cia, no me ad dame dam en te no q ue sec on v en cino vaso do c h amara de eve do verão q eu en te, e home do oje ol h ando este prime iro no do osso do circulo da ruza zorro da am men to, é me c primeiro aro quadrado do ue do circulo do senhor, j á sa bia b em q eu em europeu e ra

Olhando tudo isto agora, de onde sou e estou, é me claro que o senhor agira por mando de outrem, da direita, da extrema direita como todos sabem que nesse tempo, tentava a inversão da chamada revolução, e ainda em texto recente, lembrei o facto de uma vez bem masi tarde em setenta e oito ter sido preso pela policia dos olivais à porta do liceu por manha e teia dos meninos da extrema direita, das juventudes centristas e ainda mais a direita, e de como até a senhora que hoje é mao direita do socrates, a judite estrela, ainda gozou com o prato, sendo ela na altura directora do conselho da escola, como se demonstra e demonstrou desde cedo a meus olhos, não havia grande diferença entre quem quer que fosse dos partidos, quaisquer que fossem, com a excepção dos verdadeiros homens que sempre existem em qualquer um, mas que hoje ao que parece, pela ausência de respostas devem ter todos já subido ao ceu


O l h ando tudo is to do agora, da onda s o ue est o u, é traço da inglesa me c primeiro do aro do q ue do circulo do senhor, j á a g ira pro man do de ot t rem, da direita, da e x t r ema direita com o todos sabem, que ness e te mp o, t en t ava a in versa sao da c ham madeira da r evo lu sao, e a inda em texto rec en te, l em br rei o f ac to de uma ave z b em masi t arde em sete n ta e oito t re s id o pr e os pe la poli cia dos o l iv isa do porta do lic eu por manha e teia dos meninos da extrema direita, das j uve en ted es centristas e a inda ma isa da direita, e dec omo a té a s en hor aqui da ue homem oje é mao di rei t ado socrates, a ju di te da estrela, primeira inda g oz o vaso do com do circulo da p do rato, s en do el ana al tura di rec tora do c on se l h o da escola, com o se demi sn t ra e demo ns t ro u de sd e ce do am eu s ol h os, n cão h avia g rande difer en ca en t rec eu maior do q eu rato do que f os sed os partidos, quais q eu rato do q ue f os se mc oma e x ce p sao dos verde ad e iro serpente do homem do om en ns q ue se mp r e e x i us te maior em q ual q ue rum, masque do hp do je ao q ue par ce, pe la au s en cia de r es ps ota sm d eve em te rato todos j á s ub bid circulo da aoc europeu

Para quem não saiba os olivais partem da construção de umas torres, que se chamavam as torres dos ministros, pois nela habitavam os que foram ministros de marcelo caetano e não me recordo ao certo se mesmo ainda do tempo de salazar, e o pai da maria sobral mendonça, era um dos homens dos jornais e da policia política ligada ao antigo regime, e a esquadra dos olivais , era na base do prédio, portanto as ligações, estão bem estabelecidas desde este tempo, e a perseguição que a mim e a outros meninos o regime já movia, prendem se com os episódios que se passaram na escolinha pequenina, o pestallozi, que aqui já narrei

Para q eu maior do n cão sa da iba os o l iva si p art em madeira da co sn t ru sao da primeira das serpentes das torres, q ue se c hama vam as das torres dos mini st ros, p o is nel a h a bit av vam da am do os do q ue foram mn in is t ros de marcelo caetano e en cão me record o a o ce r to ze me s mo a inda do te mp ode s la ze reo do pai da maria sobral mendonça, e ra primeiro dos homens dos jornais e da policia poli tica li gado ao antigo regime, e a es q ua dr ad dos o l iva si , e ra na bsa e do pr é di o, porta anto as das liga ç o es, es to ab em e stab e le cida s de sd e este te mp oe da primeira persi sig gui da sao quadrado da ue am mim e a outros meninos o reg i me j á m ov ia, pr e den do traço da inglesa lea se com do os dos e pi serpenet do circulo do dido, serpente do q ue se p ass ram na es co da linha pequenina, o p es t all oz e, q ue a qui j á na ar rei


E uma menina desapareceu masi tarde, uma menina ligada ao grupo dos troskistas do tempo do liceu, que mora num dos prédios condignos a este das torres dos ministros, um dia desapareceu e nunca mais ninguém soube dela, mais uma rapariga , a lia, irma de outra maria, e provavelmente terá sido morta por ter descoberto algum dos rituais que esta gentalha fez, me pergunto se no tempo do afundamento do navio com as meninas a bordo, com um dos homens da industria , salvo erro o salvador caetano

E primeira me nina de spa rec eu ma si t arde, primeira me nina li gado ao g rup o dos t ro kapa q u ist as do tempo do liceu, q ue mor an primeiro dos prédios conti gn os da primeira este das torres dos mini st ros, primeiro dia de sap rece ue n unc a mais nin g eu ms o ub e dela, mais primeira rapariga , a lia, irma de outra maria, e pro ova da ave le mn te te rá s id o m orta por te rato de sc o berto al gum dos ritu a is q ue e sta g en t alha de fez, me per gun to ze do no do tempo, jornal, do a fun dame do dam en to do n avio com do as das meninas a bor doc om primeiro dos homens da industria , s alvo e r ro o s al v ad dor da caetano

E como agora se desvelou na faca das linhas, existe uma relaçao entre a francesa do antiquário e a maria sobral mendonça


E com do circulo do agora da se d es velo lou na faca das linhas, e x is te primeira relaçao en t rea francesa do antiquário e a maria sobral mendonça

Essa primeira prisão, prenuncio da segunda, a serio, que enquanto não me prenderam não descansaram, conta-se em duas penadas, e o senhor deve ter tambem estado por detrás dela, se bem que na aparência a tentativa da invasão ao liceu d dinis, por cerca de quinhentos meninos arregimentados fosse feita em sua aparência pela extrema direita em todas os liceus de lisboa e da linha

Es ss sapo da primeira da prisão, pr en núncio, un cio, da se gun da, a se rio, q ue en q ua z n to n cão me pr en de ram n cão de s can sara am, conta do traço da inglesa se em du as pena da se do circulo do senhor, d eve te rt tam da manha e b em eta d o por det ra serpente dela, se b em q ue na ap ar rec ni a a t en tati vaso primeira da in v a sao ao lic eu d dinis, por ce rca de quin h en to s me nino s arri gm en t ad os f os se f e i t a em s ua ap ar e c nia pe la e x t r ema direita em todas os lic eu sd e l is boa e da linha

Pois um dia ou dois passada a grande batalha, porventura a maior que se passou nesse tempo nos liceus todos, pela razão do d dinis ser ainda um bastião da esquerda, o único que resistia depois da direita ter conquistado todas as associações de estudantes, um grupo de meninos do próprio liceu com outros de liceus masi próximos, como do baltasar, do padre antonio vieira, ali estavam de motas ao meu chegar masi um policia que tinham com eles trazido, começaram a dizer que eu fora o responsável pela batalha e o home me prendeu e eu consegui que ele me levasse ao conselho directivo, onde a puta da drogaria ambulante, como os meninos lhe chamavam, à edite estrela, ainda esteve a gozar com o prato, até dizer ao polícia para me libertar

P o is um dia do circulo do vaso do isp ass ad aa gata rande bata alha, por vaso da en tura primeira ami do circulo do rato do q eu da sec ca non, ue se p ass o un ness e te mp on os lic eu serpentes todos, pe la ra zorro da za do circulo do d dinis, ser primeira inda do primeiro bas da tia do circulo da esquerda, o ú nico q ue r e sis tia d ep o is da direita te rc on q eu is do estado, todas as das associações de estudantes, do primeiro g rupo de meninos do pro p rio lic eu com dos ss outros de liceus masi pro x imo sc omo do bal t as rato do padre antonio vie ria, ali e sat tva demo das motas prime ria do om eu che g ra ma si um poli ca q ue tinha do ham com el es t ra z id o, com e caram a di ze rato q ue e u for a o r es ponsa ave l pe la bata ç l h a é o circulo do homem que me prendeu, e eu c on se gui q ue el e me l eva asse ao c on se l h o di rec t ivo, onda da primeira puta da dr o g ra ira mabu lan te, com do circulo do os dos meninos do primeiro ingles ca h am ava ,made ria da edite estrela, primeira inda e ts eva g oz ar com do circulo da p do rato, a te apostolo da serpente made ria quadrado da ar primeira do circulo ordem ao pol i ca para me liber reel time cruz ra


Antes disto, apareceu e frequentou o liceu , o ruan, já aqui convocada neste Livro da Vida, um rapaz que veio da América latina e era dos piores com que alguma vez me cruzei, que certamente, visto o senhor ser dirigente do mrpp, nesse tempo, terá lá sido posto por sua ordem, com o conluio, se calhar até da judite estrela, pois o rapaz era um falso estudante, e terá sido a forma que o senhor nesses anos encontrou para andarem em cima de mim e de muitos outros

Ant es di serpente do to, ap ar e 4 c eu e fr e q u en to u o lic eu , o ruan, j á q au i c on vo c ada nest e L iv roda vida, um ra ap z q ue do veio da am erica la t ina e e ra do s pi o r es com do q ue al gum ave ze me c ruze i, q ue ce rta mente, vi s to o s en hor ser di rig en te do mr pp, ness e te mp o, te rá l á s id o posto por s ua ordem, com o c on c lui o, da se cala homem ra a té da judite estrela, p o is o ra p az e ra um f al s o es t u dante, e te rá s id o primeira forma q ue o s en hor ness es ano s en c on t ro u para anda rem em mc ima de mi me d e mui to s o u t ro serpentes

Ou seja, por aqui se prova na faca das linhas que o senhor pertence a uma ordem secreta, e que esta ordem esteve sempre por detrás das confusões em portugal, e assim mais se agrava a suspeita q2ue trago do seu envolvimento, como ordenante na morte de sá carneiro

O vaso do seja, por aqui se do pr da ova na faca das linhas do q ue circulo da s en hor per ten ce a uma ordem secreta, e q ue e sta ordem es teve se mp re por det ra ss da s c on f us o es em portu gal, e ass em maís sea gata rava primeira suspeita quadrado do segunda da eu da t rago do serpente eu en vo l vi men to do toco com do circulo do or d en ante na m orte de sá do car da ne do iro, en gui a, a inglesa guia primeira

E depois não o vi durante muitos anos, depois de um episódio na cantina da faculdade onde o senhor e um dos seus acabou partindo um vidro para se escapar à fúria da multidão

E d ep o is n cão do circulo do vi d ur da ante mui to san do os, d ep o is de um e pi s o dion a can t ina da f ac u l dade onda do circulo do s en hor e um do ss e us ac ab o u p art indo um v id ro para se esca par à f ur ia da mul ti do dao

Entretanto o senhor se casara com a uva, filha de um homem que teve sempre muito poder na radio televisão, e com quem eu tive algumas faíscas no inicio quando comecei a trabalhar como produtor independente para a rtp, sendo que este facto é prova da sal ligação e da influencia que o senhor sempre trouxe na rtp, pois para elm disso , a outra puta ladra como aqui fiz acusação e não tive alguma resposta, a maria elisa, foi quem lhe preparou a teia que de novo nos fez cruzar na altura em que so senhor ganhou aqui em portugal as eleições, e que como todos sabem, era só degrau para a subida á europa e persecução do tal plano da nova ordem mundial promovido pela sua ordem

En t r eta anto do circulo do senhor sec da primeira sara com primeira da uva vam, filha de um homem q eu da teve se mp rem mui top ode r na ra di o tele e da visao, e com q eu me e u t iv e al g delta uma s f a i us cas ni in i cio de c om a rtp com el ar a t ra bal home da ar, mas t am b em este f ac to é pro da ova da liga sao e da in flu en cia q ue o s en hor se mp re t ro ux en primeira da r tp, p o is para elm de iss circulo , primeira de outra puta ladra com do circulo do primeiro ki aqui fi zorro da z ad da primeira da acusação perante a américa, ac usa sao e en cão t iv e al gum a r es p ota, primeira da maria elisa, f o i q eu ml he pr ep aro ua da teia q ue de n ovo no serpente de fez, da minha prisão, c ruza ar na al tura em q ue s o s en hor gan h o u aqui em portu gal as el e i ç o es, e q ue com o todos s abe mer a s ó de g r au para a s ub ida á europa e pr ess e cu sao do t al p lan ano da n ova ordem mundial pro omo v ido pe l as ua da ordem

Portanto pela faca deduzo, primeiro o seu envolvimento com fez na teia que me levou a prisão, e depois tambem da teia que com a maria elisa, já conluiada com a teresa carvalho, me fez para lhe dar apoio a sua candidatura , teia essa que estenderam para que eu começasse a escrever no blog, e que serviu para alimentar o senhor, visto nunca lhe ter conhecido grandes ideias, o que o senhor sempre soube foi gerir teias , sobretudo bem escondido para que as gentes nem percebam quem por detrás delas está

Porta anto pe la f aca dedo do zo, prime iro os eu en vo l vi men to com de fez na te ia q ue mel e vo ua pr isa oe d ep o is t am b em da teia q ue com da primeira maria elisa, j á c on c lui ad ac om a teresa carvalho, me fez para l he d ar ap oio a s ua can dida tura , te ia ess aqui aa do q ue es t en de ram para q ue eu com e ça s sea es c reve r no b lo ge q ue ser vi vaso do para al ima n tar do aro s en hor, vi s to n unc al he te rc on he c id o g rand es id deia s, o q ue o s en hor se mp r e s o ub e f o i ger i r te ias , s ob r e tudo b em es conde di do para q ue a sg en t es ne m pr e ce b em q eu m por det rá s del , sin os sas e stá acento na primeira

A prova disto, e o senhor , ou alguns dos seus terem mandado retirar do you tube há umas luas atras um pequeno video de uma entrevista sua que desvelava a sua pobreza e reducionismo mental, como era característico de grupos que sempre serviram exclusivamente a confusão e os caos, e que portanto nem sabiam falar de política, como aquele pequeno trecho tao bem relembrava do senhor nesses tempos

A p da pro da ova do rov a di s to, é os serpente da en hora , circulo da ual gun s d os se us te rem man dado rato e ti ira ar do delta do circulo do vaso da cruz , ub e homem do primeiro acento à uma, serpente lu as at ra serpente do primeiro do p e quadrado europeu do en no do vaso id é circulo de uma en te rato vaso ista serpente da ua quadrado da ue do quadrado da espanhola vela ava as da ua p do ob da reza e red ux ion is mo men t al, com oe ra ca rac t r is tico de g rup os quadrado da ue da se do mp rato e ser vaso do iram e x circulo do lu serpente iva maior net primeira do ac on fusão e os do caos, e quadrado da ue porta anto ne ms ab iam foret de ala rato de poli tica, com doc circulo onze d aquele pe quadrado do vaso en da ot da rec ho tao segundo e mr e lem br ava do serpente do en hor ness espanhola te do mp os

Vamos lá recapitular em traços gerais, o que se sabe sobre os primeiro atentados de grande dimensao que se deram na américa em nove de setembro e os que depois e deram em londres, na altura em que o senhor tinha já colocado a maria elisa que sofre de uma doença de cansaço crónico, que pelos visto não a impede de receber umas valentes coroas na rtp, e participar na organização dos cios que tenho vindo a referenciar, como conselheira cultural em londres, e não é pro acaso que eu falo com ela depois, pedindo um contacto com a alguém da polícia que aqui tratasse de assuntos de prevenção , visto que estava a ter visoes premonitórias do que se ia passar, como aconteceu em Londres

Vam s o l á rec apit u l ar em t ra s ç o ger asi, o q ue se s abe s ob reo ss do prime iro dos atentados de g ran de dimensao q ue sede ram na am erica em n ove de s t em br o e os q ue d ep o is e de ram em l on dr es, na al tura em q ue o s en hor tinha j á c olo cado am aria da elisa q ue s o fr e de uma do ença de can s aç o c ron nico, q ue p elo s vi s to n cão a im pede de rec e br uma s valentes co roas na rtp, e p art ti cp ar na o r g ani iza sao dos cio s q ue t en h o vaso indo a refer en cia ar, com o co nse l he ira cu l tura al em londres, e n cão é pro ac caso q ue e vaso do falo com de ela, d ep o is, ped id dn do primeiro c on t ac to com a l g eu made ria da pol i ca q ue aqui t rata asse de as sun to s de pre eve en sao , vi s to q ue e stva a te r vi s o i es pro om ino tir ia s d o q ue sa ip ass ra, com o aconteceu em l on dr es serpente decima, dec ima

A torre em nova Yorque que caiu depois, sem ter levado com um aviao em cima, demostra que o processo das quedas é diferente dos aviões , que foram mais uma mascara e masi um sangrento ingrediente para compor o quadro, e para infundir o terror em grau necessário e bastante para que pelo medo pudesse emergir uma nova ordem e acender de novo uma guerra no médio oriente

A tor r e em n iva y o irc ue q ue ca i u d ep o is, se m te r l eva ado com do prime i rio avia o em c ima, demo st ra q ue o pro c esso das quedas é di fe rn te dos avio es , q ue foram maís primeira mascara e ema si um san g ren to in g red di en te para com por o qua dr a oe para in f un di ro t ero rem g r au ne c ess sario e bas t ante para q ue p elo medo p u de s se e mer gi rum ani iva ordem e ac n der de n ovo uma guerra no me di do circulo do rei em teresa


Outra prova , prova isto cumulativamente, o pentágono, que tambem foi arrebentado sem que nenhum aviao lá tivesse chocado, na realidade que como os outros foram desviado , provavelmente, esta é a possibilidade mais provável das que se estudou, por acesso ao sistema de condução dos aviões, entrando no computador e fazendo.os voar em rotas falsa, e dirigi-los como mísseis para embaterem,.

O u t ra pro da ova , por v a is to cu mula t iva que mente, o pen t a g on o, q ue t am b em f o i ar r e b en t ado se made ria q ue n en h um ava io l á t iv ess e cho cado, na r e la id ad e i q ue com os o s o u t ros for a d es viado , pro ova ave le mn te, e sta é a ps s oi bil id dade mais pro ova ave l da s q ue ess e es t u do u, por ac ess o ao sis t ema de condo º ao dos av o es, en r ando no do computador e fazendo.os do vo da ar em rotas f al s a, e di rig i do traço ingles do primeiro do circulo do com om us s u es para em bate rem,.

Pode-se dizer que à espectro, as contas saíram duas vezes duradas no onze de setembro se outras tambem não falharam, o teste feito em véspera, deve ter sido um teste feito ao contrario, ou seja para perceber se efectivamente estavam com capacidade operativa e técnica de desviar as rotas dos aviões,

P de do ponto da se di ze rato do q ue à espectro, as das contas sa iram du as v e ze s d ur ad as no do onze de setembro se o u t ra s t am b em n cão f al haram, o te st e f e it o em v es pera, d eve t rato es id o prim rio teste f e i to ao c on t ra rio, o vaso do seja para pr e cebe r se efe ct iva que mente e stav am com capa da cidade opera t iva e tec nica de d es vi ar as das rotas dos avio espanhóis,


É obvio que o governo americano conhecia, isto, e portanto é obvio que a tentativa da nova ordem fosse por alguns que dizem representar o povo, feita

É ob do vaso do io, di q ue o g ove r no am erica cano c on he cia, is to, e porta anto é ob vaso io q ue a t en tat iva da n ova ordem f os se por al gun s q ue di ze em r ep r es en tar o p ovo, fei cruz p rei me do ira

Depois a encenação do falso pretexto da guerra tambem o demonstrou, ou seja sabia-se pela cia que as razoes eram falsas, ou seja optou-se pela mentira, e tambem é obvio que o quarteto dos países europeus, onde o senhor pontificava como hospede, o saberia, pelo seus respectivos serviços de informação, ou poderia te-lo verificado, mas não, o que se viu foi avançar para a guerra, ou seja em termos práticos faz a demonstração que estiveram tambem conscientemente envolvidos, com elevado grau de probabilidade

D ep o isa en cena en primeira sao do f al s o pr e texto da guerra t am b emo demo ns t ro u, o u seja s ab ia do traço da inglesa se pe la cia q ue as ra zo es e ram f al sas, o u seja o pt o u do traço da inglesa se pe l a m en t ira, e ta m b em é ob vaso do io q ue o quarteto dos pa ise s eu rop e us, onda do circulo do senhor, ponti fi c ava com o g h os pede, o s abe ria, p elo se us r es pe ct iv os ser vic es do os de in for maçao, o u p ode ria te do traço ingles primeiro do circulo v eri fi cado, mas n cão, o q ue se vi u f o i a van car para da primeira guerra, o u seja em te r mos pr a ticos f az a demo ns t raçao q ue es t iv e ram t am b em co ns cie en te mente en vaso do circulo do primeiro v id os, com el eva dog rato da au de pro ob a b il id ad maçónica

O senhor é uma besta, ainda hoje o negro aniversário de uma matança grande na chamada europa que o senhor participou, pois trazia responsabilidades nos negócios estrangeiros a mando da outra besta e falso presidente da republica portuguesa, o que cobre os seus tres pecados, um deles o maior, ao ver as imagens de um prédio, de tijolos que parece uma construção de lego , dois edifícios de cada lado da rua em posições assimétricas, um perfume de semelhança com um outro por bandas de oeiras aflorou, como a afirmar a presença de uma assinatura comum

O s en hor é uma b es t a, a inda h oje one ne negro ani ver sário de uma mat n ç a g rande na c hama da eu rato da opa q ue o s en hor p art tic cp u o, p o is t ra z ia r es ponsa bil id ad es nos n ego cio s e ts rn ge i rosa man do da o u t r ab e sta f al s o pr e sid dente da r e publica p ot u gi es a, a ove ra s ima ge ns de um pr é di o, de ti j olo s q ue par ce uma co ns t ru sao del, sin os le e god o i e di fi cio sd e c ada lado da rua em posi sic ç o es ass i met ric as, um per ume de semem l h ança com do primeiro de outro por ban dea s d e oe ira s a for mula one o ro u, com o a a fi r mar a presença de uma as sin t aura com do primeiro

Ontem a imagem de mais uma das suas manhas, ou da sua confissão, para ser masi claro, aparecia o senhor em video a aplaudir o mourinho, o grande treinador de futebol de aqui em além mar, que dizia no fim, eu e o fair play, não sou muito dele, sabem que trago sempre tendência a por a perna a frente do jogador que vai a passar, as crianças na sala perante tamanho ídolo, aplaudiam ,biplano, sem coraçao como é, o senhor em video tambem

On t ema mai mage made ria de maís uma das s ua serpentes das manhas, o vaso da serpente da ua c on fi s sao, para ser masi c l aro, ap ar e cia o s en hor em v id e o a ap lua di ro do mourinho, o g rande t reina dor de fute bo l de aqui em al é maior mar, q ue di z ia no do fi me eu e circulo onze da fair p la delta, n cão s o um u it o del e, s ab em q ue t rago se mp re t en den cia ap do por da primeira pe rna a fr en te do jo gado da dor q ue eva i a p ass ar, as c rina s ç na sala, rr, pe ra ante tam en h o id olo, ap l au di am ,b ip l ano, se mc o raçao com o é, os serpente en hor em vaso id é circulo tambem

Que belo, os arrogantes, um as claras , outro disfarçado, na noite o espírito dizia que a faca apontava o do peito, a inglesa certamente soletrado, relativo a ultima conta dos pés a frente dos aviões a cair

Q ue b elo, os dos ar ro gan te se, um as c lara s , o u t ro di s fr aça ado, dona noite do circulo do es pei rt o di zorro ia q ue a f aca ap on t ava o do pei to, a inglesa ce rta em n te sol e t ra do, r e la t iv vc coa u l t ima conta dos pé s a fr en te dos avio es a ca i rato

Que engraçado colares, em v em cores prata cinza ardidas e negro com circulo doirado que não deve ser de oiro, pois não trazem as universidades de motricidade certamente dinheiro para tal, psibeque da tetra das convenções das vossas torres de pseudo marfim que sempre caiem

Q ue en g ra aça do de colares, em vaso em co rato es p rta cinza ard didas e negro com do circulo do irado q ue n cão d eve se rato deo iro, p o is n cão t ra ze ema as das universidades de m ot roci dade ce rta tam mn te din he iro para t al, psi beque da te rta da serpente dos sin c ron imo s das convenções das v os sas torres de ps eu do marfim q ue se mp rato e ca i em

Eu a ver os vasos, e a me dar conta que os cinco da cento e vinte cinco de alcantara são semelhantes aos que se encontram no edifício do trinta e um da aramada, da marinha, o espirito assim a mem desvelar, da ligação entre os dois edifícios, o da armada, e e de acalantará, como sendo o bando o mesmo, o tal grupo de onze, da equipe dos bandidos

Eu ua ave ero serpente dos vasos, e a med ar conta q ue os c inc o da cento e vinte cinco de al can t ra são semem l h ant es primeira do os q ue se en c on t ram no edi fi cio do trinta e um da ar am ada, dama mar rinha, o es pi rito ass ima me made ria d es vela ar, da liga da são en t reo s do is edi fi cos, o da armada, e e de ala can tar ac do om do circulo sem do circulo do bando o me s mo, o t al g rup o de onze, da e q u ipe do serpente dos bandidos

Na sala de repente me dei conta que a qualidade estava então equiparada, pois me apareceu o senhor da universidade alentejana, onde um dia nesta imensa e comprida historia do terror do mundo e da sua eventual salvação, friso cada vez mais , o facto de ser cada vez mais eventual que o mundo em seu todo se venha mesmo a safar, na ausência continuada da justiça, e de progresso real, foi parar a uma apresentação de um pequeno livrinho que o senhor apresentava na biblioteca municipal ao lado da praça dos toiros, ali estava ele e o tolentino na mesa, o tolentino o apresentar, e de repente o tal professor, lhe diz qualquer coisa que fez saltar uma cobra por dento ao tolentino por um breve momento, eu a alucinar, mas então este está a apresentar o outro, o livro , como amigo e de repente me dava conta que ali havia toda uma outra conta como sempre trazem, as bestas servis que se servem e devem favores, até ao inferno final das curtas existências

Na sala, rr, de r ep do pen teresa me de i conta q ue a q ual id ad e e stva en tao eu ip ar ad ap o is me ap rece vaso do circulo do senhor da universidade alentejana, onda primeiro dia nest a im en sa e co mp rid a hi s tori ad do circulo do terror do mundo e da serpente da ua eve en tua l s al vaso do ac sao, fr is o c ada ave zorro mais , o f ac to de ser c ada ave zorro mais eve en tua l q ue o mundo em s eu todo se v en ham da am es mo asa f ar, na au s en cia conti nu ad a da justiça, e de pro grés ess do circulo do real, f o ip do para ra uma ap r es en taçao de um pe q eu en o l iv rinho q ue o s en hor ap r es en t ava na b ib lio da teca muni cp al aol ado da pr a ç dos toiros, al i e stva e lee o tele en tino na mesa, o to len t ino o pap r es sn t ra, e de r ep en teo t al pr rf esso r, l he di zorro q ual q eu r co isa q ue fez s al t ra uma c b ra por d en to ao t ole en t ino por um br eve mo m en to, eu a al lu cina rato, mas en tap este e stá a ap r es net ra do circulo do outro, c irc u loo do livro , com o ami g oe de r ep en te meda ava conta q ue al i h avia toda uma o u t ra conta com o se mp r e t ra ze m, as b es t as ser vi serpente do q eu da se ser vaso vasp em e d eve em f avo rato es, a té ao inferno fina al das curtas e x is t en cia serpentes

No final da apresentação, uma senhora brasileira se meteu conversando comigo, que era da herbalife e me convidou para aparecer numa qualquer aparente sessão dos comprimidinhos que se realizaria do outro lado do rio tejo, masi tarde o espirito me disse que era uma armadilha para me matar, que engraçado teria sido, se lá tivesse ido

No fi n al da ap r es en taçao, uma s en hora br as i lei ira se met eu c on verso sand o co mig o, q ue e ra da her bal da life e mec on vi do u para ap a recer nu ma q u quadrado do primeiro do ero da ue rata da primeira do parente, av, se s sao dos co mp rimi din h os q ue se real iza ria do o u t rol ado do rio tejo, ma si t arde o es pi rito me di s sec ca non do quadrado da ue e ra da primeira armadilha para me matar, q ue en g r aça ado te ria s id o, se l á t iv esse id do circulo

Como ve, seu bandido durao, gente ao nível do seu calibre de assassinos, fico muito contente de se auto medalharam uns aos outros, assim sabemos todos quem são

C omo ove, serpente do eu bandido durao, g en te ao n iv el do serpente do eu cali br e de as sas sin do ino serpente, fi co mui toco n t en te de se au to med alha ram un sao serpente dos outros, ass em s abe emo serpentes todos quadrado do eu maior sa circulo são

Por isso senhor bandido sem coraçao, que me conhece e me ameaçou pela primeira vez aos meus quatorze anos, se calhar foi mesmo o que por detrás organizou, na tal cooperativa do povo, o engodo com os meninos que uns anos antes, me deram com uma flecha de aço no meio da testa, espero a sua confissão sobre os crimes contra a humanidade que aqui masi uma vez lhe inquiro

Por iss o s en hor bandido se mc co da raçao, q ue mec on he çe e me am e aço u pe la prime ira ave zorro a os me us qua tor ze ano s, se calha rf oi me s mo o q ue por det ra s o r g ani zo un a t al co opera da cruz iva do p ovo, o en god o com os dos meninos q ue un s ano s ant es, mede ram com da primeira flecha de aço no do mei o da testa, es p ero a s ua c on fi s sao s ob reo sc rim espanhol c on t ra a h uma ni dade q ue aqui ma si uma ave zorro primeiro ingles in quadrado do vaso da iro

Como o senhor nem parece ser pai, pois nunca me respondeu nem a uma linha, desde já lhe passo sentença condicional pelo espirito em Deus que se tornara Real, caso mantenha o silencio sobre tao graves matérias, que seus filhos adoeçam, por quatro anos com doença grave, quem sabe o senhor recuperará o seu coraçao e os salvará, pela verdade da sua confissão perante as centenas de milhares de almas que trás em sua conta

Com o os en hor ne mp primeira rece ser o pai, p o is n unc a me r es ponde vaso ema primeira da linha, de sd e j á l he p ass o s en t en ça condi cio n al p elo es pi rito em De us q ue se tor na ra Rea l, caso man t en h a o silencio s ob re tao s g rav es mat é rias, q ue se us fi l h os ad oe cam, por quatro aqui do no sc om da doença g rave, quadrado do eu ms abe o s en hor rec up pera ra os eu co da raçao e os s al v a rá, pe l a ave rda dade da s ua c on fi ss o ap e ra na te as c en t en as de mil h as r es de alma, morte da Di, serpente quadrado da ue cruz ra serpente em serpente da ua conta

Ao ver aquilo tudo, me lembrei de outro elefante, ou melhor do som de elefante, num video que fui uma vez fazer ao estádio de setubal para uma candidatura da tv cinco, a tal empresa do alemão da quinta da marinha, para o qual comecei a trabalhar apara sustentar a casa e a vida que trazia na altura com a monica lapa. E que depois me pareceu ser uma produtora tipo capa de outros negócios, fizemos um video sobre um treino de futebol, me pergunto mesmo se não seria o mourinho que la estaria, o elo de ligação foi o humberto coelho, que trazia tambem relaçao com a tal produtora, e depois na montagem, fiz assim uns efeitos com som de animais selvagens, como elefantes a urrar, sobre as imagens do jogadores, assim uma homenagem a tribo do futebol do tio morris, toda a gente achou muito bem, menos a santa casa da misericórdia que deve ter decidido por outra por causa dos prémios por debaixo da mesa ou mesmo por cima, os rapazes treinavam assim com pintura tipo de guerra, para afastar os reflexos do sol, achei tudo aquilo muito curioso

A ove rac do vaso do p rim e io do circulo tudo, me len rei de outro elefante, o um mel hor do serpente do om do elefante, n um v id é o q ue f u i um ave zorro f az e ra do circulo do estádio de setubal para da primeira can dida tura da tv c on coa t al em presa do al ema mao da quinta da marinha, para do circulo do q vaso do quadrado do primeiro com e ceia t ra da aba alha ar ap do para s us t en t ra ac asa e a vaso ida q ue t ra z ia n a al ru ra com da primeira da m oni nica da lapa. E q ue d ep o is me pa rece vaso ser primeira produtora t ip o capa de o u t ro s ne g o c is o, fi do ze mos um vaso id é o s ob re um t reino de fute bo primeiro, me per gun to me sm o s en cão da se da ria do circulo do mourinho q ue la est aria, circulo do elo de liga sao f oio h u im berto q ue t ra zorro do ia t am b em da relaçao do com da primeira da tal produtora, ed ep o is na mon tage em, fi zorro do ass si maior da un serpente dos efe it os com serpente do om de ani ima is se l ava ge ns, com o o ele f ante a ur r ar, s ob rea s ima ge ns do jo gado dor es, ass em uma h om en a gema da tribo do futebol do tio morris, toda a g en te ac ho um u it o b em, m en os a s anta circulo da asa da mi s rico rato do dia q ue d eve te e rato dec id di do por da outra por ca usa dos pr emi s por de ba ix o da mesa o um es mo por c ima, os rapazes t r reina ava vam ass em com da pin tura t ip ode guerra, para a f as tar os r e for mula one e x os do sol, ac he it tudo aquilo mui to cu rio serpente do circulo

Como te disse, amada, trazia, eu aqui uma outra imagem que se formou com o elefante anibal, que ainda masi uma vez se modificou, mas o seu sentido é claro, sua tromba aponta a bateria da canon ao alto com uma torre de nova Yorque, em cima da rive gauche, ou seja com francês, do inéditos de brassens, que esta tapado pela bateria da canon, e assim se le assens, com um selo dele a fumar uma pipe, com o valor de segundo do circulo terceiro brassens circulo do ponto da estrela do circulo, duas velas asas de anjo ardidas em cores do templários, sobre o songs from a room com duas penas tapando metade da face do cohen, e um parafuso ao alto por detrás da torre, ou seja o parafuso que aponta o ceu, ou que fez a elevação, como um sem fim, entrada recente na palavra do video, agora flauta rolou, e ali esta inclinada ficando a cunha do bocal ao lado das patas de trás do elefante fazendo sombra sobre oo gauche do rive, , das duas ondas tusnamis azule branco, ou seja cores reais, uma tesoura aponta o per go doc , do infinito for mula one en oz maior per s tor p for mula one do loo ring

Com o te di s se, am ad a, t ra z ia, eu aqui uma o u t ra i mage made ria q ue se for mo u com do circulo do elefante anibal, q ue a inda ma si uma ave zoror da se mod di fi co um as o s eu s en t id o é vc l aro, s ua t ron a ap da ponta a bate da ria da canon ao al to co mk primeira torre de nova y o i q ue, em c ima da rive g au che, o use seja com do francês, do ine di ts o de br ass en s, q u e sta ta ap do p e la bate ria da can one ass em se le as s en ns, com primeiro selo del lea f u mar uma pipe, com ova valor de se gun do do c irc u lo do terceiro br ass en s c irc culo do ponto da estrela do circulo, da us das v e ll as asas de anjo ard didas em co r es do te mp la rios, s ob reo s ong fr om a rom com du as das penas tap ando met ad e da face do co h en, e um para fuso ao al to por det ra s da torre, o use seja do circulo do para do fuso q ue ap da ponta o c eu, o vaso do q ue fez a el eva sao, com o um s em fi maior da entrada rec en te na pal av ra do vaso id é o, agora for mula one au tar rolo ue al i e sta inc l ina ada fi can do a c un h a do bo ca l ao lado das pat as de t ra s do el e fan te maior do fazendo s om br as ob reo o gauche do rive, , da serpente do du as das ondas ts un ami s az u le do branco, o vaso do seja cor es reais, uma te si ur a ap da ponta o per go doc , do in fi n to for mula one en oz maior per st serpente tor rp da pura da for mula one do loo ring

Pela vela da noite, isis me disse estar triste, tambem eu amada, depois fui buscar a outra revista que esta aberta em cima do tampo da mesa que está no quarto do francisco, que parace uma asa de um hidroavião, e que tem aberta uma foto da gisele vestida em suave la com o braço ao lato, viro-a e dou com a bela ruivinha, que diz my choice, olho a hora, o angulo defenido pelas horas do omega da bracelete tipo cobra vermelha, e circulo de diamantes, a oferta a teresa, da compra do filho, certamente, e olho o meu leque vermelho que trago aberto em cima desta mesa onde te escrevo, e repara que a abertura á mesma, que estranho o amor e a luz são, contudo a posição do relógio está inclinada, e marca as dez e sete, ou o seth de dez

Pe la ave da vela da noite, isis me di s se es star t r is te, tam b em eu am ad a , d ep o is f u i b us cara de outra revista q ue e sta ae rta em c ima do tam pod primeira da mesa q ue e stá no do quarto do fr anc do isco, q ue pa rac e primeira asa de um hi dr ov ia oe q ue te maior do ab e rta uma f ot da gi se l v es t id a em s ua ave la com do circulo do br aço ao la to, v iro do traço ingles da primeira e do u com da primeira da bela ruivinha, que di zorro zp da p sorro my cc homem do ice, olho primeira hora, o ang u lo d efe nid o pe l as hor as do t au g da bar cele te t ip o cobra vermelha, , e c irc culo de diamantes, a o f e rta a teresa, da co mp ra do fi l ho, ce rta mente e olho om eu leque vermelho q ue t rago ab e rto em c ima de sta mesa onda teresa es c r e vo, e r ep do para do q ue a ab e r tura á me s ma, q ue es t ra anho o amo rea da luz são, contudo a posi sic sao do r elo gi o e sta ap o rolo serpente inc lina ada, e ema rca as dez e sete, o u o seth de dez, circulo do mega

Pondo o relógio do omega da bela ruivinha, direito , as tres passam a doze, es nove a seis e obtenho assim cruzado com o meu leque que trás as mesmas hora certas, um delta dez, sete, sete, dez duplo sete, o setenta e sete, na extremidade do leque está o meu sinete da águia olhando a direita e trazendo o forte deitado

P onda do circulo do relógio, moradias dos olivais, do circulo do mega da bela rui vinha, di r e to , as t r es p as sam primeira do ze, es sn ove a seis e ot en ho ass em c ruza ado com do circulo do m eu leque q ue t ra sas me s mas hora ce rta s, um del t a dez, sete, sete, dez duplo sete, o set en ta e sete, na est reno en no dade dol do leque e stá om eu sin e te da a gui aol homem na da bdo, agencia do filho da puta dos olivais, tambem , o bidarra, primeira da direita e t ra z en do o f orte de it ado

A bela kidman, é mesmo bela de se ver, está muito bela nesta foto, melhor seria vê-la assim ao pertinho

A b e la ki d man, é me s mo be la de se eve r, est + am u it o be la nest a f oto, m mel hor se ria ave do traço ingles de la ass simao per do tinho


Isis, me dizia, pela noite, faz então festas a adolescente, grrr, isis, sabes como eu te amo, mas não vou ficar contigo casado na distancia, e não vejas nisto alguma espécie de pressão, pressão, so mesmo muito sempre vos beijar, há quantas luas vos espera meu coraçao por vós palpitando, senhora de meu coraçao, ou haveis perdido os dedos e a cabeça de contar

Isis, me di zorro do ia, pe la noite, f az en tao f es t as a ad l os c en te, g rr ra, isis, s ab es com o eu teresa amo, mas n cão vaso duplo do circulo do fi do car c on ti g o c asa sado na di s tan cia, en cão veja serpente ni s to al gum a es pe cie de press sao, press sao sw a os om es mo mui to se mp r e vaso do os bei j ar, h á q u antas lu as vaso os es pera me vaso do co raçao por vaso do ó s pal pita ando, s en hor ad em eu co raçao, o u h ave is per dido os dedo sea cab eça dec on tar