domingo, julho 26, 2009


State matters

O estado importa? Excepção na foice da pergunta
Não creio que Deus alguma vez tenha criado algum estado
Os seres sempre mais de que um estado
Universos inteiros
campos e províncias rios e flores
E
Pássaros
Tudo e mais alem
Aquém, sempre o estado
Mais quando elefante se torna e é
Alma, matéria indizível, leve como um beijo
Haverá alguma vez algum estado sem um beijo

PT AM A H SM O È OO

S tate mat te r s O estado im porta foc cie E x ce p sao na foice da per gun t a
N cão c rei o q ue de us al gum ave zorro t en h ac ria ad o al gum es a td o
Os seres se mp re ema s i d e q u em estado Univer eros sin te iro s
Cam oi is, campos e pro ov vin cia se rio se flor es E P ass aro s Tudo e ema mais al lem
A q eu m, se mor e o te s td o Mais qua anda do elefante se torn a e é
Alma, mate ria in di z iv el, l v e com o um bei j o
H ave rá al g uam ave z al gum ea t d o s em um bei j p


Ah
Menina
De
Mao
De
Pássaro

AM MD DP
PDM DMA
HAEOEO
EOOEAH

Am m d dp pdm, p l ano muni cip al di rec tor, quadrado maior do dia maior, primeira homem da p rie mr ia e circulo duplo, e oo e primeira do homem
Ap he maior dia , primeira do circulo s mat tie es é circulo dd oe d me a pa o homem
A h M e n ina De Mao De P ass aro

Ainda
Agora
A
Vos
Vi

AAAVV
VVAAA
AAASIISAAA
A inda Agora A V os Vi

Que
Estranho

QUEQ EOOEq ue est ra do anho

De
Repente
Ao
Inicio
O
Mapa
E
A
Estrela
Parecia
Uma
Outra

D R A I O M E A E P U O
P U P E A E M O I A R D
EE OOO A E AAAAA
AAAAA E A OOO EE
De R ep en te A o In i cio O Mapa E A Estrela Par e cia Uma Outra

Depois
Vos
Vi
Agitada
Agitando
Se

DVVAASSAAVVDSSUAOEEOAISS
Ds se vao as o , vaso au ua av ai a v os sd es
D vv a as, as av vv v en d ad din he iro ss ua oe e o a iss
D ep o is v os Vi A gita da A gita anda Se


Se
Sempre
Sois
Bela
Em
Si
Vi
Preocupação
E
Então
Me
Preocupei

SS SB BES ES V PEE MPPM PME EP V E B S S S
EE SAM III EO E IIE OE II IMA ASE SEE
Se S e mp re S o is Be la Em Si Vi Pro e cup a ç a i E En tao tap Me Pro roc cup pei

Não
Sois
Assim
Tao
Boa
Actriz
No
Palco
Dos
Olhos
Do
Coraçao

NSATBANPDODCCDODPNABTASN
OSMOAZOOSSOO
PPS
OOSSOOZAOMSO
N co sd s a om td o bp az na z p ps o za pd os dt s i as ed o cn dc o
Ns sat cruz tb bam anp p d o dc
Cd dp pn na bta as sn
P ps o os s oz a om s o
N cão S o is As si m Tao Boa At r i z No P al co D os Olhos Do Cora sao


Como
Se
Tal
Não
Bastasse
O
Que
Em
Sua
Alma
Vi

CSTNBOQESAVVASEQOBNTSC
OElOEOEMAAIIAAMEOEOlEO


Seu
Gesto
Final
Desenhando
O
X
Mais
Claro
Não
Seria

SGFDOXMCNSSNCMXODFGSUOlOOCSOOA
AOOSXOOlOU


Como
Quem
Sugeria
Corta
Ou
Fim


CQSCOFFOCSQCOMAAUMMUAAMO
´
Certamente
Uma
Impossibilidade
Do
Coraçao

CUIDCCDIUCEAEOOOOEAE

Certamente
Um
Cisco
No
Olho
Ou
No
Olhar
Dele

CUCNOONODDONOONCUCEMOOOUOREEROIOOOME
Ce rta tam am que mente , primeiro circulo do isco no do olho, circulo vaso un no olhar dele, del el le, sin os el le

Fui
Cozer
Um
Ovo
Caíram
Os
Outros
Tres
Ao
Chao

FCUOCOOTACCATOOCOUCFIRMOOMSSSOO
OOSSSMOMRI
D do io c oz ze rato do primeiro ovo, ov circulo ca iram os de outros tres, primeira do circulo do cha o


Estupefacto
Fiquei
A
Olhar
Os
ovos
como
semente

EFAOOOSC
SCOOOAFEOIARSSOEEOSSRAIO
ah é um passe do ás das sementes, quem diria
se fosse puta fina poria este escutado entre parêntesis,
eu, c l ato, claro, escuro está

depois
comi
o
ovo
com
grao
de
qua
qua
atum
e
maio nesse

maio one nesse
DCOOCGDQQAEM
MEAQQDGCOOCDSIOOMOEAAMEE
EEMAAEOMOOIS
espantado
comia

ECCEOAAO

sabe
menina
hoje
a
dormir
tinha
sonhado
com
a
menina

SMHADTSCAM
MACSTDAHMSEASARAOMAAAAMOARAEAE

que belo passe nos fizeram sem duvida
digno de pro
um beijo invertido da lua, assim me desvelou agora o espirito pela noite ao passear, espero mais uma vez que a menina, em n ina, só tenha servido de inocente, inc en te

suporte
de
repente
no
sonho
percebi
que
era
a
menina
que
nele
estava

SRPNSPQEAMQNEENQMAEQPSNRDSEEEOOIEAAAEEAAEEAAAEIOOEEEE

e
hoje
a
vejo
assim
com
a
preocupação
estampada
em
sua
bela
face

EHAVACAPEESBFBFSEEPACAVAHEEEAOMMAOAMAAE
EAAMAOAMMOAEE

e
tres
ovos
me
saltaram
da
caixa
da
mao
ao
chao

ETOMSDCDMACCAMDAMSMOTE
ESSEAAAOOO
OOOAAAMESSE

e t es dos ovos me s al t aram da ca ix a, banco, dama mao prim ria do c irc u l do ca home da primeira do circulo


saltas
te
um
ovo
assim
hoje
escutei

STUOAHEEHAOUTSSTMOMEIIEMOMES

na
verdade
saltei
um
ovo
de
merda
do
gato
que
aqui
ontem
morreu

NCSUODMDGQAOMMOAQGDMDOSVNADIMOEASSEIMUUMIEOOAEOMIEA

Se
A
Merda
De
Pode
Chamar
De
Ovo

SAMDPCDOODCPDMASEAAEEREOOEREEAAE

obrigado
sempre
pela
lembrança

OSPl
lPSOOEAAAAEO

depois
um
pelo
branco
tipo
de
cao
ou
cadela
de
arame
na
mao
me
apareceu

DUPBTDCOCDANMMAAMMNADCOCDTBPUD
SMOOOEOUAEEAOEU
EUEOAEEAUOEOOOMS

como
a
dizer
assuntos
antigos

CADAAAADACOARSSSSRAO

No
Sonho
Íamos
De
Carro
Por
Uma
Estrada
De
Campo
Às
Curvas

NSIDCPUEDCAC
CACDEUPCDISNOOSEORAAEISS
SSIEAAROESOO
Ns s id dc cp ie dc c ac , c ac cd eu ep pc di is sn, oo se o ra a e iss, s ser a aro es oo
No Son h o Iam o s D e Car ro Por Uma Est r ad aD e Cam pi Às da s C ur v as

Havia
Um
Corpo
Nu
No
Meio
Da
Estrada
Em
Posição
De
Astronauta
Para
Cima
Voltado

HUCNNMDEEPSAPCVVCPADPEEDMNNCUHAMOUOOAAMOEAAAOOAAEOMAAOOUOMA
Homem avia prim rio corp circulo nu me do io da est ra ad da primeira em posi sic são de astra astro au da nata para c ima vaso circulo primeiro da cruz ad circulo

AImagem
Fora
Tambem
Um
Dos
Ovos
Que
Veio vom
Com
O
Gato

AIFTUDOQVCOG
GOCVQODUTFIAAMAMMSSEOMOOOOMOESSMMAMA

Ali
Estava
Uma
Espécie
De
Anjinho
Sem
Cabeça
Com
Pratos
No
Passeio

AEUEDASCCPNPPNPCCSADEUAEIAAEEOMAMSOOOOSMAMOEEAAI


Chamei
A
Atenção
Mas
Continuamos

CAAMCCMAACIAAOSSSSOAI
Cc is am as aa o om as a cc si
Cm a ac
Ca am c
Ss o aa i
Ia o ss
C ham me ia a ten são mas conti tim ni amo ser p rn te

Ainda
O
Vendo
A
Menina
Parou
Numa
Aldeia
Cuja
Estrada
De
Novo
Subindo
Ao
Meio
atravessava

AOVAMPNACEDNSAMA
AMASNDECANPMAOA
AOOAAUAAAAEOOOOA
AOOOOEAAAAUAAOA
A ova vam am mp pn ac ce dn sam am ama
Aama sn dec anp pm mao a
A oo a au aaaa e oooo a
A oooo e aaa ua aa aoa

A inda O V en do A M en ina Par ato u N uma Al de ia Cu j a Est ra da De N ovo S u b indo A o Me io a t rave ss eva


Fomos
Telefonar
A
Avisar

FTAAAATFSRARRAAS
Ft aa , aa t f , s ra ar ra as
Fa serpente art rat t a ra a t aa a fr s
sa ar ra rato serpente
forte cruz aa
aa cruz forte
F om os Tele fon ar A A v isa ar



Depois
Chegamos
Ao
Restaurante

DCAR
RACDSSOEEOSS

D ep o is C he g amo s Ao R es t aura ra n te
Dc ar ra ac cd ss oe e o ss, quadrado rato se, ca serpente circulo ac os rato quadra
espanhola
sed rato os ca os ac es rato quadrado
ra ac cd ar e o ss , ss oe

A
Menina
Cumprimentou
Uma
Senhora
Crescida
Assim
Meio
Loira
E
Forte
Com
Uma
Roseta
Azul
Turquesa
E
Doirado
No
Peito

AMCUSCAMLEFCURATEDNP
PNDETARUCFELACSUCMAAAUAAAMOAEMAAKAEOOOOOOEAKAAMEEAOMAAAUAA
AM e n ina Cu mp rim en to u Uma S en hora
C r es cida As si m Me io Loi ra E F orte Com Uma Rose s eta Az u l k T ur q u es a
E Do irado No Pei to
Am mc cu us sc c cam ml e fc ur ra rate te dn p
Pn d eta ter aro tra ruc f el la c s u cm a
Aa ua a amo o a ema aka a eo oo
Oo oe aka a am me e a oma a au aa

Eu
De
Novo
Espantado
Pois
Pensava
A
Menina
Se
Tinha
Enganado
Na
Mesa

EDNEPPAMSTENMMNETSMAPPENDEUEOOSAAAEAOAAAAOAEAAASOOEU
E dn ne ep pp p am ms st ten maior
Mne net ts sm ap pp pen de
Ue o os aa e a o aa
Aa o a e aaa s oo eu
Eu De N ovo Es pan t ad P o is Pen a s ava A M en nina Se Tinha
En g ana dona Mesa


Não
Era
A
Senhora
A
Minha
Mae

NEASAMM
MMASAENOAAAAAEEAAAAAO

N cão Era A S en hora A Min h a M a e
Ne asa sam mm
Mm asa en
Oe aaaa e
E aaaa circulo
Nm oe
Em aa
Aa aa
Ss aa
Me
Aa
Mn
Neo




Que
Nos
Esperava
QNEENQESAASE

Quadrado ne en quadrasdo es sa ase
Q eu Nos Es pera ava
Q ee a
Nn ss
Eq ae
Es a sec ne en quadrado

Depois

A
Cumprimentava
E
Nos
Sentava
Mos
E
O
Sonho
Acabava

DLACENSMEOSAASOEMSNECALDSÁAAESASEOOAAOOESASEAAÀS

D ep o is L acento A C um pr im en t ava E N os S en t ava Mos E O S on h o Ac ab ava
Dec re to da lei la ac c en ns sm meo as
As oe em sn ne eca al quadrado
Sá aa es sas ase se oo a
A o oe es sas ase sea a às
Da sa
Ls á o
Cao
Cea e
Em ee
Ns sa
Sn as
Me se sea
E cea
O do dez primeiro di circulo à
Ad às




Depois
Sabia
Eu
Que
Era
A
Menina

SDSEQEAMMAEQESDSÓSAUEAAAAAAEUASÓ

S ó D ep o is S ab ia Eu Q eu E ra A Menina
Sd ds se sec qu am
Ma eq es ds
Ó sa ue a aa
Aa a eu as Ó
Sm Ó a
D aa a
Se eu
QQ eu
Am a Ó
Ad as
Es aa


Imagine

O
Espanto
Quando
A
Vi

ILOEQAVVAQEOLIEÁOOOAIIAOOOÁE

Imagine La acento O Es pan to Qua anda
A Vi
Primeira coluna angulo oe eq primeira do vaso
Caso primeira aqui eo li
E primeira acento t rup lo circulo primeira cd da primeira coluna
Ia triplo circulo acento primeira E
Primeira coluna vaso EI
La acento primeira
Circulo quadrado em duplo circulo
Eq duplo circulo
Quadrado e duplo circulo
Primeira do t rip lo circulo
Vi ie

Bela
Arte
Feia
Dos
Indutores
Rem

BAFDIRRIDFABAEASSMMSSAEA

Be la da Arte Feia Dos Indu tor es Rem
Ba fore quadrado di rato
Rato id forte do ab
Ae as sm
Ms sa e primeira
Rato id fp forte ab
Ba quadrado do orte di rato art
Br am
Ai es
Forte quadrado as
Quadrado do forte sa
Rb ma

Ontem
Ouvira
Um
Clássico
Da
Linda

On te mo uv ira Um C lá s sico Da Linda

OOUCDLLDCUOOMAMOAAAAOMAM

Duplo circulo vaso corp o d ip l oma tico angulo
Angulo dc c ur culo delta vaso em duplo circulo
Ma am amo aa
Aa omam
Circulo ang gilo ma
Circulo do quadrado da primeira aa
Vaso cm circulo
C ur culo vaso om quadrado circulo do om
Quadrado do circulo aa
Angulo circulo am
On te mo uv ira U m C al s sico Da Linda
Ora, uma da nossa terra, pois creio, ce rio, ser inglesa a menina
Outra aqui mae do jesus

Que coisa estranha, bela sienna, parece no sonho sermos assim uma espécie de namorados, de tal forma que a levo a almoçar com a minha mae, e que a menina terá tido um ataque de miopia, e a confundiu com outra senhora, ou então, fiquei eu a pensar que a menina a confundira, mas se calhar estaria só a cumprimentar uma senhora que conhece, quase poderia ser a mae bush, pelo do que me lembro do sonho, bom sonhos, são sonhos, melhor mesmo era muito em seus lábios a beijar


Q ue co isa est ra anha, be la si e n na, par rece no do son h o ser mos as si m uma es pe cie de na mora do s, d e t al forma q ue al e v o a al mo ç ar com a minha mae e q ue a me nina te rá t id o um ataque de mi o pi a, e a c on fun di u com o u t ra s en hor a, o u en tao, fic eu i e ua pen sarque primeira menina ac on fun di ra, maior às da sec da alha rata de est aria, serpente do ó, primeira do ac un prim en cruz ra uma sem hor q ue circulo em homem da se, quadrado da ua ase pode ria se ra da ma e b us hp elo do q ue me l em br circulo, do s on home do circulo kapa, b om serpente em home os, são s on homem os, ml e hor me sm oe ra mui t o em serpente do vaso espanhol lá bi os a bei j primeira cruz

Um nome de uma localidade, a do sonho ecoava em mim ao acordar, sussex, não seria exactamente por aí, mas num outro nome ou lugar semelhante, assim declina

Um no me d e uma l oca cali li dade, ad do circulo do son h o e coa ava em mim a o ac o rda r, sussex, n cão se ria e x ac tam n te por rai primeira do acento, mas nu mo de outro me , no me o u lu g ra semem l h ante, as si m dec l ina

Sabe, fiquei a pensar se a sua preocupação que lhe senti em suas expressões, não teria a ver com a forma do perfume em seu interior que de repente ao vê-lo assim em breve, me ecoou ao momento na forma que era visível na peça do tupolev caido no irao

S abe, fic eu i a pen sar sea primeira s ua pr e o cup aç sao q ue l he s en ti em s u as e x press o es, n cão te ria primeira ave rc om da primeira forma do perfume, per rf um me, s us kin, em s eu inter ior q eu, inter de ny, de r ep en te a ove do traço ingles lo as si m em br eve, me e co o ua o m o men ton a forma q ue e ra v iss iv el na p eça do t up ole v ca id o no irao, ou ira circulo


Ah bela menina de meu coraçao, então, já sei como a andorinha voa, eu lhe dou assim muitos beijinhos no pulso, a menina vai abrindo as asas, eu tambem, assim fica maior o campo para lavrar, em beijos, entenda-se, antao a menina fica assim mais levezinha, sorri muito, eu tambem, fica mais leve, e vamos subindo os dois, e depois continuamos a amar-nos em cima da nuvens de algodão doce, doce, doce

A h be la menina de me u cora sao, en to a, j á se i com o a andorinha v o a, eu l h ed o u as si m mui t os bei jin h os no p u l s o, am en ina v a i ab r indo as asas, eu t am be, as si m fi ca maio r o ca mp o para la v r ar, em bei j os, en t en da do traço da ingles se, antao primeira menina fi ca as si m maís l eve z in h a, sor ri m u it o, eu tam b em, fi ca maís l eve, e va vam am mos s ub indo os do ise d ep o is conti nu amos a am ar dot rato do aço da inglesa dos nós em c ima da n uve en ns de al g o dao do ce, d o ce, doc e

SUSSESX, S IS US USS SE X ES ; USS SE E X, US S SEX; SERPENTE EX

Depois apareceu a joana amaral, que há muito tempo que não a via, e fiquei a pensar como ela de alguma forma é parecida com a menina, como se uma fosse espelho da outra

D ep o is a par e c eu a joana am ar al, q ue h á mui t o te mp o q ue n cão a via, e fic eu ia pen sar com o el ad e al gum a forma é par e cida com da primeira menina, com o se uma fosse es p el home do circulo da outra

Na verdade amada, tinhas razão neste particular, faltavam tres ovos, assim dizendo que o gatinho aqui tinha posto antes de se ir

Na ave rda dade am ad a, tinhas r az a o nest e p art ti c u l ar, fla t am t r es ovo s, as si made ria di z en do que do circulo uk , do circulo do gatinho a qui tinha post o ant es de se e rato

O primeiro que faltava está descrito no vídeo, na trave horizontal da cruz das tomadas, ou seja no braço direito da cruz, e do Crucificado

O prime iro q ue f al a tva e stá d es c rito no v id é circulo, na t rave h ori zon t al da cruz das tom ad a s, o vaso use seja no br aço direito da ac ru ze do c ru ci fi cado

O primeiro, foi o local onde primeiro ele se enfiou, em cima das batatas, no móvel onde está a maquina de café krups, quando de lá o tirei, li, batatas para assar e cozer, variedade mona lisa, quem diria, tres kapa gato,

O prik e me iro, f oi o l ocal onda prime i rato el e se en fi o u, em c ima das bat at tata s, no m ove l onda e stá a ma q u ina de c a fé k ru ups up ps serpente, qua ando del á o tir rei, li, ba tata s para as sar e c oz e r, v a rie dade mona lisa, q eu em di ria, t r es kapa gato,

E o outro que faltava, foi mais um coco, por detrás do móvel da aparelhagem, que se encontra agora fazendo uma cunha com a parede, por detrás da esquadria que tinha as duas torres dos cds que recentemente te descrevi em diversos aconteceres, tambem ao lado de uma tomada elevada montada na parede

E circulo de outro q ue f al tva, f oi ima maís primeiro coco, por det ra sd o m ove l da ap par el h a ge made ria, q ue se en c on tar agora do fazendo, primeira cunha com primeira da parede, por det ra sd a es qua d rai q ue tinha a s du as torres do serpente do cds q ue ren sete mn tete d es c r e vi em di versos ac on tec e r serpente tam am tambem ao l ado de um at oma mad a el eva ad a mon t anda na parede

Assim fica completa esta historia me parece

As si m fi ca co mp l eta e sta hi s tori a me pa rece






Logo a seguir ao ultimo texto publicado sobre a hidra do ps, apareceu em dia seguido a poeta das barbas, na aparência abandonando a assembleia da republica, com mais uma vez conversas em diagonal sem nexo nem lógica aparente, que como de costume desvela que se fala de toda uma outra coisa, nas costumeiras hipocrisias e diagonais de coisa nenhuma que demonstram assim mais uma vez à saciedade, que nem homens são, nem a luz nem a justiça se faz

Logo primeira ase se gui irao u l t imo te x to pub li cado s ob rea primeira da hidra do ps, ap ar e c eu em dia se guido primeira poeta da serpentes do barbas, na ap ar a en cia ab ban dona anda primeira da assembleia da republica, com maís uma ave zorro c on ver sas em dia g on al se maior ne do x o ne maior da lógica ap ar ren te, q ue com ode cos t um me d es vela q ue se fala de toda uma outra co isa, ana s cos t um e iras hipo, h ip circulo da cris ia sed dia ia gon ia sd e co isa n en h um a q ue demon s t ram as si m maís uma ave z à s ac cie dade, q ue ne maior h om en s são, nem a l uz da nema da justiça da se f az

Para já aqui fica esta nota sobre o assunto, sendo provável que a ele volte, pois uma coisa ouvi eu pelo espirito depois da publicação, do ultimo texto entre muitas outros ecos que vieram de muitos lados do mundo

Para j á a qui fi ca e sta not a s ob reo as sun to, s en do por v ave l q ue a el le v o l te, p o is uma co isa o u vi eu p elo es pi rito de pp o is da pub lica do caçao, do u l ç t imo e t x to en t re m u it as o u t ros e cos q ue vie ram de mui t os l ad os do mundo

O que ouvi primeiro pelo espirito, trás além de tudo lógica em si mesmo, no sentido do escutado, que levantava uma lebre lógica, pois, se a dedicatória da senhora puta teresa sobral da cunha em noventas, assim o dizia, dizia tambem , aquilo que o espirito falara, que eles teriam já que saber na altura o que se iria passar, com minha pessoa, e se assim o é, outra será a dedução lógica por extensão que se tem que fazer, se o sabiam, já, ou são na realidade quem o operou, ou sabiam desde essa altura quem o iria operar, e com o silencio, melhor das possibilidades, os cobrem e se tronaram assim cúmplices, o que não aquece , mais arrefece, o julgamento dos caracter, em questão, e em nada traduz alguma justiça feita

O q ue o u vi primeiro p elo es pi rito, t rá s al é made ria de tudo lógica em si me sm o, no s en t id o do es cu t ad o, q ue l eva van t ava uma lebre da lógica, p o is, sea da primeira de di cato da ria da s en hora puta teresa sobral da cunha em noventas, as si mo di z ia, di z ia t am tambem , a q u ilo q ue o es pi rito f al lara, q ue el es te ria am j á q ue s ab e rna al a tura o q ue se iria p as sar, com min h a pessoa, e se as si mo é, outra se rá a dedu da são da lógica por e x t en sao q ue se te maior q ue f az e r, se o s ab ima, j á, o u são na re la id ad e q u emo o pêro u, ou s ab iram de sd e ess a al tura q u emo o ira o pera rec om do circulo do silencio, mel hor das p os sibil bil id ad es, os co br rem e set rato on aram as si m cu mp l ice es, o q ue n cão a q ue ce , maís ar refe ce, o ju l gam en todos cara rac set r es, em q u es tao, e em n ad a t ra d uz al g u am da justiça feita

Fala tambem o texto de um conde da dita senhora, que assim se desvela nas entrelinhas, e me pergunto, se o conde da dita , será então o senhor, ou ainda outra possibilidade que se abriu num texto em parte escrita sobre o senhor, mas que ainda nem terminado está e fala tambem de um x ligado a alguém do correiro da manha, sendo que no entretanto ao que parece se foi um outro ligado ao record, cuja imagem que dele apareceu fora a de uma conversa na televisão, com outros, sentados a uma mesa que logo ao vê-la me evocou a imagem da ferradura que aparecera em cima da minha mesa, feita por uma colher, e aqui no Livro da Vida narrada

F al a tam am tambem o te t x ode um conde da dita senhora, q ue as si m se es vela nas en t re linhas, e me per gun to, se do circulo do conde da dita , se rá en tao do circulo do s en hor, o ua inda outra p os sibil bil id ad e q ue se ab rio io num te t xo em p arte es c rita s ob reo s en hor, masque a inda ne maior te r minado e stá e f al a t am b em de um x li gado a al gume do c o rr e iro da manha, s en do que no en te rta anta a o q ue pa rece se f oi um o u t ro li gado ao rc o r d, cu ja i mage made ria q ue dele, ap ar e c eu for a ad e uma c on versa na tele visao, com outros, s en t ad os a uma da mesa do q ue logo a o ve do traço ingles de la me e v o co ua i mage made ria da ferradura q ue ap ar e cera em c ima da min h a mesa, feita por uma co l her, e aqui no L iv roda V id a na rr ad da primeira

Sobre a questão técnica abordada no vídeo relativa a tumbra, se bem que possa ser viável, não me parece contudo, depois de ter continuado a nela pensar, a melhor, ou seja retirar é sempre cometer a mesma asneira, e a Terra Mae, é um organismo muito complexo e inteligente e tem os seus porprios métodos de retirar ou expelir o que lhe é necessário para manter o dela e o nosso equilíbrio

S ob rea q es u tao tec nica ab o r dada no v id é circulo re la t iva a t um br ase b em q ue p os sa ser vi ave l, n cão me pa rc e contudo, de pp onze s de ter conti nu ad o a ne la pen sar, a mel hor, o vaso do use seja re tir ar é se mp re com eta r a me sm a asne ira, e primeira da Tree mae, é um o r g ani sm o mui t o co mp l e xo e intel i gente e te m os se us po rp io s met o do s d e r e t ir ar o u e x p l iro que l he é ne c ess sario para mane t rode dela e o no ss o e qui li br io

Me parece ser melhor aquilo que no fundo já sei desde há muitas luas, atras e que de novo aqui o menciono, e que aponta para a intervenção na corrente ou do uso da agua como forma de arrefecer na medida necessária, a calote, e sendo que o que se sabe sobre o polo sul, estranhamente é muito menor sobre estes assuntos do que se sabe relativo ao norte,

Me par rece ser mel hor a q u ilo q ue no fun do j á se id e sd e h á um it as lu as, at ras e q ue de n ovo a qui o men cio no, e q ue ap ponta para a inter e v n sao na co rr en te o u do us o da agua como forma de ar refe ser na me dida ne c ess saria, a c al ote, e s en do q ue o q ue se s ab e s ob reo do p olo sul, est rana he mn te é um it o m en o r s ob re est es as sun t os do q ue se s ab e r e la t ivo a em no norte orte,

Me parece assim, que melhor será equacionar uma operação que pela agua consiga estabilizar a temperatura necessária, sem dar cabo de mais nada nos subsistema concomitantes, provavelmente pelo sal, se o poderá fazer, ou por geometria, como a propósito de um outro campo, um belo arquitecto chines recentemente lembrava, dessas possibilidades,

Me pa rece as si m, q ue me l hor se rá e qua cio n ar uma o per rc sao q ue pe la agua co nsi g ua e stab i liza zara a te mp era t ira ne c es saria, se maior d ar cabo de maís nada nos s ub sis t ema c on com it as n t es, pro ova ave lem n te p elo s al, se o pode rá f az e ero u por ge o te r mia, com o a pro p rosi to de um outro cam po, um b elo a q eu it e c to c h ine s rec en te mente lem br ava, de s sas p o s i ib li dad es,

A quadratura do circulo, é esta, vai ser necessário intervir em larga escala sobre aquilo que alguns chamam de bombas relógio que já se conhecem, e monitorizar em constância e unificar os modelos de compreensão global da componentes e das interacções, e digamos, assim, haverá necessidade de um componente pratica experimental, por muito estranho ou mesmo que seja assustador para muitos, de o tentar vir a fazer, mas para segurança temos o método da ciencia e a própria experimentação via modelos

A qua d rat da tura do circulo, é eta, serpente vaso da a ise ser ne c es sario inter v e rem l arga es cala s ob re a q u ilo q ue al gun s c ham am de bombas r e l o g io q ue j á se c on he cem, e moni tp r iza rem co ns tan cia eu ni fi car os modelos de co mp r es sn cao global da co mp k one net es e das ine t rações, e di gamos, as si m, hi vera ne c es sida dade de um co mp one nete pr a tica e x per rim en t al, por um i t o est ra anho o u me sm o q ue seja as su a td o r para um it os, de o t en t ra v ira f az e r, mnas pra se gun r aça te mos do circulo do método da cie en dn cia e a pro p ira e x per rim en taçao via mod elo serpentes

Este vídeo, a que dei o nome de fi me sessenta e seis, ao ser encodado, na primeira vez parou aos cinquenta e sete, zero um, vinte e quatro, ou seja estrela do circulo do primeiro de vinte e quatro, pressupõem-se dezembro, natal de dois mil e cinco, sudoeste asiático, onze pa au use do sessenta e seis, s can exe do ponto ts sn trinta e dois, en c on t ro u vaso um por rb primeira ema e eva e ser f e cha do, estava nesse momento com vinte e um , terceiro set mb, maior do segundo e circulo do primeiro nono de quarenta e tres, vinte e um quadrado do circulo do segundo sexto do circulo mod na me duplo vaso n v en cod dll, cento e onze, onze, circulo da estrela do sete das laranjinhas, o ff set duplo circulo cento e seis, kapa peugeot, treze triângulo de fogo,

Este v id é circulo, a q ue de io no me de fi me se s s en t a e se isa o ser en co do dado, na pi rm eira ave zorro par ro ua os cinquenta e sete, z ero um, vinte e quatro, o vaso use seja estrela do circulo do primeiro de vinte e quatro, por ess u p oe em traço da inglesa se dezembro, na t al de do is maior da ile c inc o, sudoeste asis tico, on ze pa au use do sessenta e seis, s can exe do ponto ts sn t re int a e do is, en c on t ro ova vaso um por rb primeira ema e eva e ser f e cha do, es tva ness e mo em n to com vinte e um , t rec e uri set m b, maio rato do segundo e circulo do primeiro nono de quarenta e t r es, vinte e um qua dr a dd o do circulo do segundo sexto do vi rc u lo mod na me duplo vaso n v en cod dll, cento e onze, onze, circulo da este r al do sete das lara n jin h as, o ff set duplo circulo cento e seis, kapa peugeot, treze t rai bg da gula de fogo,

No seu ponto narrativo, acabara de interpelar o bandido socrates e de seguida esse enorme bandido que se diz juiz, e que na televisão deixara por completo cair a mascara, a propósito do caso dos que cegaram em santa maria

No s e u do ponto na r rat ivo, aca bar ad e inter rp el aro do bandido socrates e de se guida ess e en o r me ban dido q ue se di zorro j u ize q ue na tele visão de ix xara por co mp le to c air am as cara, a por rp posi to do caso do s q ue ce g aram em s anta da maria

Ou seja entre o corte narrativo que corresponde a dois personagens, se deu o problema no encoding, ou seja uma relaçao com um dos dois se não os dois, se estabelece com aquilo que no parágrafo acima esta descrito e que corresponde à data do momento do aparente erro

O vaso use seja en t reo corte na r rat ivo q ue co rr es ponde ad oi sp per s on a ge en ns, sed eu o por rb l ema no en co ding, o vaso do seja uma da relaçao, com de um dos dois, se n cão os do is, se est stab e le ce com a q u ilo q ue no para g rf a o ac ima e sta d es c rito e q ue co rr es ponde à data do mo m en t o do ap ar ren teresa e rato ro

Sua besta, o senhor desvelou por completo a sua alma de traficante de carne de pseudo justiça, pois o que disse é inadmissível de se dizer, sendo que sempre melhor ser verdadeiro, e portanto, só temos, as gentes deste pais de agradecer ao amor e à luz, o que de si desvelou e esperar que seja homenzinho suficiente para hoje mesmo ao ler isto, se demitir de todos os cargos que leva na justiça e na cidade

S ua bes tao s en hor d es velo lou por co mp le to a s ua alma de t ra fi can te de car ne de ps eu do da justiça, p o is o q ue di ss e é ana ad di miss iv do el de sed di ze rato, s en doque se mp rem mel hor ser vera de iro, e porta anta, s ó t emo sas g ene net ts d este país de a g ra de s ra o am a o rea al uz, o q ue de si d es velo lou e es pera r q ue seja h om en z in h o sufe cie en te para h oje me sm o al ler is to, se d emi tir de todos os c argo s q ue l eva ana da justiça e na cida dade,

De novo apareceu aqui a vera, pressuponho que seja, então relacionado com essa puta vera saudade e silva envolvida no roubo de meu filho e da fina entourage das putas finas do ps, nomeadamente do pai tirano dos abusadores, mario soares, e muito tem aparecido nas letras, a existência de uma puta maior no campo da justiça em portugal, e eu me pergunto à luz do que em sua alma todos viram, se então não será o senhor, com duvidas, e com duvidas lógicas, pois se um mor sempre existira, que é aquele corrupto que cobre os abusadores e os ladroes e os bandidos, certamente como todos sabem, não será o único no polvo dos corruptos nos campo da injustiça em portugal,

De n ovo ap ar e c eu a qui primeira ave vera, pr ess u p on h o q ue seja, en tao re la cio n ad o com ess a puta vera saudade e silva en v o l v id ano do roubo de meu filho, e da fina en to ur da rage das putas finas do ps, no me ad dam am que mente, do pai tir ano do s ab usa dor espanholas, mario soares, e mito te maior ap ar e ce id donas serpentes das letras, a e x is ten cia de uma puta maio rn do circulo do onze do campo da justiça em portu gal, e eu me pr e r gun to à l uz do q ue em s ua alma todos vaso iram, se en tao n cão se rá o s en hor, com du v id as, e com d u v id as lo gi ca sp oi s se um mor se mp re e x s u t ira, q ue é a q u el le co r rp u to q ue co br e, das comunicações, os ab usa dor espanholas e os la d ro es e os bandidos, ce rta tam am maior net, com o todos sabem, n cão se rá o único no do polvo dos co rr u p o ts nos ca mp poda in ju tiça em portu gal

Pois não so pelo caso meu e de meu filho, como infelizmente de muitos mais, já todos os portugueses e não só, sabem bem que a justiça está podre neste país e que a corrupção e o compadrio se estende, em outras áreas da mesma actividade e penetra e manda em outros sectores, com ela ligada, e os escândalos de cobertura , são mais que as maes, e se mantém pelo tempo das gerações,

P o is n cão s o p elo caso me u e de me u fil h o, com o in f e liz mente de um it os maís, j á todos os portugueses e n cão s ó, s abe m b em q ue a justiça e stá pode re nest e país e q ue a co rr up sao e o co mp pad rio se est en de, em o u t ra s ar e as da mesma ac ti vi dade e p ene t ra e manda em o u t ro s sec tor es, com el a liga gada, e os es can d olo sd e co be r ur a , são maís q ue as maes, e se am ne t m p elo te mp o das ger rações,

E mais grave do que isto, é que este polvo, e concomitante e penetra e se estendeu tambem ao longo de gerações, como este Livro da Vida o demonstra à saciedade em muitas ares e muitas matérias e casos específicos, aos chamados políticos profissionais, e a realidade é que uma teia geracional está montada, sendo prova disse que todos , sem excepção neste campo, mutuamente se cobrem,

E mais sg gato do tp das rave do q ue is to, é q ue este polvo, e c on co mit ante e p ene t ra e se est en de u t am tambem a o long o de ge rações, com o este L iv roda david, V ida o demo ns t ra à s ac cie dade em um it as ares e mu it as ma te ria s e casos es pe ci fi cos, a os c ham ad os poli ticos por rf is sio na ise a re la id ad e é q ue uma te ia ger s a cio n al e stá montada, s en do por v ad iss e q ue todos , s em e x ce p aç são cortez nest e ca mp o, mu tua am que mente sec ob br rem,

Sem excepção, friso, este espantoso dado, prova de como a corrupção e a continua foda da justiça e partilhada pelo inteiro bordel de uma pequena minoria que tambem assim afunda em constância o pais ao longo de trintas anos, que por consequência todas as putas do bordel, trazem culpas e se cobrem mutuamente, se tornando assim cúmplices em extensões, que espero, alguns, deles nem façam exactamente o certo calculo, pois se o fizessem, a consciência, de que a corrupção em alguns casos corresponde a morte e sangue, já daqui se teriam ido embora

Se m e x ce p sao, fr is o, este es pan t osso do dado, pro da ova de c omo a co rr up sao e a conti nu a foda da ju s t u ç a e p art ilha da p elo ine tir iro do bordel de uma pe q eu na mino ria q ue eta tam am tambem, as si m a funda em co ns tan cia circulo do pais a o long o de t rin t as ano s, q ue por co nse u q n cia todas às das putas do bordel, t ra ze m cu l p ase da se cobre br rem mu tam anete, se tor nando as si m cu oi mp lic ice es em e x t en s o es, q ue es p ero, al gun s, d el es ne maior f aç am e x ac ta em n te o ce rto c al culo, p o is se o fi ze ss ema co ns cie en cia, de q ue a co rr up sao em al gun s casos co rr es poe en de a m orte e sangue, j á da q eu ise set teresa rato iam id o em bora

E mais um estranho lapsus esta na palavra quando refiro um dos maiores escândalos pelo enorme dolo criado e pela forma com que não lidou a justiça com ele em termos correctos, o da queda da ponte em entre rios, onde se foram se não me falha a memória noventa e seis almas e não duzentas como menciono, o que remete para outras semelhantes grandes matanças que ocorreram com este numero mais ou menos constante, e por contexto com outra parte da palavra no vídeo, remeterá para a de Londres, a dos metros e a dos autocarros

E m sis um est ra anho lap primeiro da pa do pus, us e sta na pala vaso ra q u q n do ref iro um dos mai o r es es can d olo s p elo en o r me d olo c ria ado e p el a forma com q ue n cão lido ua js tiça com el e em t r emo s co rr e ct os, o da q eu dada ponta, em entre rios, onda se do foram, pt se n cão me for mula one a h a am emo ria noventa e se si almas e en cão du z en t as com o men sio n o, o q u reme te para o u t ra s s en mel h ant es g rand es mat ancas q ue o cio rr e ram com este n um ero maís o um en os co ns t ante, e por c on texto com outra p arte da pala vaso do ra no v id é circulo, reme te rá para primeira da ad e Londres, a d os metros e a dp ps dos au toca car rosa

Ou seja mais uma vez emerge a ideia que o processo e o grupo operativo dos bums na europa, será um mesmo, que o processo começou a ser experimentado em entre rios, que é o primeiro na linha de sequência dos outras que depois ocorreram nas capitais europeias, da mesma forma que o fenómeno no algarve no mar, precedeu os tsunami

O vaso do use seja maís uma ave z e mer g ue a in de ia q ue o por rc cc esso e o g rup o o pera t iv o dos b um s n a europa, se rá um me sm o, q ue o pro c esso com e ç o ua ser e x per rie mn t ad o em entre rios, q ue é o prime iro na linha de sec eu en cia dos outras q ue d ep o is o c rr e rem nas c a pita is eu rop e ia s, da me sm a forma q ue o f en om en o no al g rave no mar, pr e ce sed eu os ts un am is

Para alem de estar completamente fora de contexto, no ponto do episódio do que eventualmente se passou em santa maria, à luz do que foi publicamente narrado e para alem dos considerandos que já produzi em viva voz, de que as compensações indeminizatoiras, nunca devem ser regateadas, pois regatea-las é fazer comercio de princípios que se o forem como devem ser, se estruturam em princípios de justa justiça, e portanto não são por natureza ou raiz flexíveis as circunstancias, mais do que o quadro particular de cada um dos casos que se apresenta em julgado

Para al lem de est ar e co mp el t a em n te for ad e c on texto, no ponto do e p i s o d io do q ue eve en tua al le lem n te se p ass o u em s anta da maria, à l uz do q ue f oi, pub li cam am que mente, na rr ad o e para al lem dos co ns id er ando s q ue j á por du zi em vaso do iva vaso do oz, de q ue às das co mp en s aç o es in dim in iza toi ira s, n unc a d eve em ser reg gat e ad as, p o is reg gate a do traço ingles la s é f az e r c om mer c id o de p rin cip io s q ue se o for rem com o d eve em ser, se est ru t ur am em pric ni piso de justa j u s tiça, e porta anta n cão são por na t ur e za ou rai z felix iv e is as co rc un s tan cias, maís do que do circulo do quadro p art tic u l ar dec ada um dos casos q ue se ap r es en t a em ju l gado

Como disse uma das senhoras de um senhor que foi afectado, que lhe ponham olhos novos, pois felizmente cada vez masi pelo avanço da medicina, é passível, traduzir em termos de justiça o velho principio de que quando até eventualmente se estraga velho, se repõem com novo, sendo obvio que um olho adulto, não é nunca um olho de um recem nascido, e da mesma forma não se procede a recolha de órgãos, organizando-os em escalas ou valorizando o seu maior ou menor, melhor ou pior, grau de funcionamento,

Com o di ss e uma das s en hor as de um s en hor q ue f oi a f e cta do, q ue l he p on ham olhos n ovo s, p o is f e liz em n te c ada ave z ma si p elo a v na ç o da mede cina, é p ass iv el, t ard u z e rem te rm os de js u tiça o ove do velho porn cip io de q ue qua anda a té eve en tua lem n te se e ts rag ave velho, se r ep poe em c om n ovo, s en do ob v io q ue um olho ad u l to, n cão é n unc a um olho de um rec em n as c id o, e da me sm a forma n cão se pro dede a rec o l h ad e o r g a os, o r g ani iza ando do traço ingles do os em es cala s o u valor iza ando o s eu maio ro um en o r, mel hor o u pi o r, a g r au de fun cio em a men to,

E depois é preciso ainda relembrar, as injustiças crónicas nesta matéria em termos do historial da justiça corrupta, como se o resultado assim pudesse ser outro, e a afronta suprema, que é prova cabal as bestas que sois, ao lidar com estas questões, de terem mesmo pretendido cobrar custas judiciais do processo, as gentes de entre rios, só este tremenda ousadia, vos condenou ao inferno!!!!

E ds sp o is é pr e c is o a inda r e lem br ar, as in js u tiça s c ron i cas nest a m a te ria em te rm s o do hi s tori al da justiça co r ru o ta, com o se o r es sul a td o as si m p u de ss e ser outro, e a a fr on t a s up r ema, q ue é por v a ca bal as be sat s q ue s o isa o lid ar com e sta s q eu s to es, de te rem me sm o pr e t en dido co br a r c s u t as ju di cia is do pro roc esso, as g ene ne t s de en t re rio s, s ó este t r emenda o usa dia, vaso do os conde no ua circulo do inferno, 66!!!!

A todos relembro em breve o que aqui detalhei no Livro da Vida no tempo de seu acontecer, que se passou em santa maria, em duas vezes que lá estive, a primeira por uma historia ligada a um rapaz que representava uma empresa distribuidora de filmes que me aparecera, e que na aparência fora lá parara, por volta da matança em beslan, e outra, onde me cruzei com a besta que dizia ser chefe de psiquiatria em santa maria, e do que aconteceu nesse dia em termos de passes ali feitos, com um folheto e um troco com uma minhoca ligado na aparência ao filipao, e certamente aos bandidos da federação portuguesa de futebol, como muito se tem desvelado neste Livro em outras visões, e de uma especifica imagem que ao agora ouvir esta noticia, logo subiu pela minha memória acima, a dos olhos estampados nos corredores do hospital, exactamente quando foi atras da rapariga que me fizera o passe, com o dinheiro e o tal deplian, olhos de horus, ali estavam em símbolo desenhados pelo corredores, no meio de um tremendo cio que por ali decorria nessa manha

A todos r e lem br o em br eve o q ue a qui del a t al hi do ino L iv roda da V i d a no te mp o de s eu ac on tec e r, q ue se p ass o u em s anta maria, em du as v e z es q ue l á est iv e, a prime ira por uma hi s tor ia lia gada a um do rapaz, q ue r e p r e s en t ava uma em presa di s t rib u id o ra ad e filmes, q ue me ap ar e cera, e q u en a ap a rec ni a for a l á para ra, por v o l t ad a matança em bes lam, e outra, onda me c ru ze e com primeira besta q ue di z ia ser c h efe de psi q ui tar ria ia em s anta maria, e do q ue ac one tec e i ness e dia em te r mo s d e p ass es al i feitos, com um f o l he to e um t roco com uma min h o ca liga do gado na ap ar rec ni a a o fi l ip do pao, e ce rta em ne a os bandidos da feder raçao portu gi es de futebol, com o mu it o se te m de w s vela ad o nest e L iv rem de outras vi s o es, e de uma es pe cif i ca i mage maior do q ue ao a gor a o u vi r e sta not ti cia ,am logo s ub bi io vaso da p el lam am in h a m emo ria ac ima, a dos olhos est tam am dos pado s nos co r red o r es do h o spit al, e x a ct tamen te q u en do f oi at ra s d a ra p rig a q ue me fi ze ra o p ass e, c om o d ine h iro e o t al d ep l ian, o l kapa h s o d e horus, al i est ava vam am em s im b olo de s en h ado s p elo co r red o r es, no me io de um t r e mendo cio q ue por al i d dec o rr ia ness primeira da am da manha

Portanto parece ser obvio pelo que mais uma vez nas entrelinhas aqui se desvela, que estamos a falar de gente envolvida na matança de beslan e tambem na morte de feder, e de passes associados a gente do hospital com ligações a gente da federação portuguesa de futebol,

Porta anta pa rece ser ob v io p elo q ue maís uma ave z na s en t re linhas a qui se d es vela, q ue est amo s a f al ar de g en te en v o l v ida dana matança de beslan e eta tam ama tambem na m orte de feder, e de p ass es ass cia do sa gente do h o ps it al com liga ç o es a gente da feder raçao portuguesa de futebol,

Se junta a isto, tres carros que estavam presos e eram figurados nas imagens destes acontecimentos, em frente ao hospital que era enquadrado de forma a sugerir anta da Maria, num dos planos e de um outro fio que poderá ter com este relaçao, da senhora que está a frente da ordem dos enfermeiros, que falava de que ter uma cédula não dá a um jovem enfermeiro, saber pratico que tem alguém que trás experiência real, e da necessidade correcta de se fazerem estágios


Se j un t a a is to, t r es carros q ue es tva am pr es os e e ram figu ra do s n as i mage ns d est es ac on tec cie mn t os, em fr en te a o h o spi t al q ue e ra enqua d ra do de forma a s u ger i r anta da am mr ria, nu made ria dos p l ano sede de um outro f io q ue pode ra teresa rc com este da relaçao, da s en hora q ue e stá a fr en te da ordem dos enfermeiros, q ue f al ava de que teresa uma ce d u lula n cão d á primeira a um do jovem enfermeiro, ps o saber, p art tico q ue te m al g u e m q ue t ra s e x per rie en cia re 4 al, e da necessidade, mne, co rr e sta de se f az e rem est a gi do os

Aguardo portanto a ver se sois ainda em restea homem , se respondeis ao aqui inquiro em sua toda extensão, e se o confirmares que renuncies de vez e para todo o sempre a todos e qualquer cargo no âmbito da justiça e outros de condução de assuntos comuns


A g ua ard o porta anta primeira ave rato se s o is a inda em r es tea h om em , se r es pond e isa o a qui inc u id o em s ua e x t en sao, e se o c on fi r mar es q ue r en un cie es de eve ze para todo o se mp rea prime ria de todos e q u q le ur c argo no am bit o da justiça e outros de condo do cao da sao de as sun t os com un serpente