sexta-feira, agosto 21, 2009


o rapaz que fizeram ontem no canal dois aparecer, a ressoar nas semelhanças em que apostaram que eu delas me aproximaria, faz na realidade lembrar o vicente borges , o tal rapaz que um dia apareceu vindo das ilhas, e mais do que esta aposta fizeram, na medida em que um outro de mesmo arquetipo, me fizeram cruzar com ele em vespera na rua de alcantara, ali estava ele enconstado, a um poste, a espera que eu chegasse, para comigo se cruzar, levava um livro amarelo e uma face de provocaçao, assim criaram e estebeleceram o simbolismo, contudo, nada de concreto dizem, sobre nada, como de costume, tudo tretas e meias tintas de coisas nenhuma e de nada a tentar empatar a foda, como se diz em portugues vernaculo, para salvar uns rabinhos e tramar outros,


c irc uk , o do ra p az que fi ze ram on te maior no do no do canal dois, ap par e recer , primeira da ar esso ar rna semem l primeiro das anças cortez, em q ue ap ps posta do aram, q ue eu del as me ap pro xi marria f az na re la id ade del lem br aro ov vi vaso s argento, en te do borges, o t al rato ap zorro, q ue um dua ap pare rece u vaso indo das ilhas, e maís doque desta ap da posta, fo ser, si ze ram nba, na med iad primeria em q ue de um outro, de me sm circulo arquet ip circulo, me fi ze ram c ru zorro da ar, com ele le em vaso espanhoal pera, ba rua de al can tara, al e est ava el e en co ns t ad di c ur, a um poste, primeia espanhola pera, q ue e vaso chega asse , para co mig ise sec criculo ruza zorro da ar, l lava ava primerio l iv ro am mar elo e uma gata face, de pro ovo do caçao, ass se em c ria raram e este be le ce ram do circuo s im bo lis mo, contudo, n ad da primeira dec on c reto, di zem ms ib reba ad a de costume, dec os t um me , tido t ratos etas se me ia s das tin t as dec o ia s ne en home da primeira, e de na ad da a t en t ra em mp pat ar primeira foda, com i se di zorro em porto g ues ve ran culo do para s al vaso da ar un ns ra bin home os e cruz ram am mar de outros

...

Falei-vos de uma foto na republica dominicana, onde os meus óculos de sol, dentro daquelas aguas tépidas e mansas, desvelaram un olhos de crocodilos que remeteram para os crocodilos de miami, numa revista de fotografias aqui abordada em algum pormenor, relativa ao andrew

F al leo traço ingles vaso do os de uma f ot n na r e pub lica do mini c ana, onda os me us o l cu l os de seol, d en t ro da q eu l as aguas te pida se man sas, d es ve aram un olhos de c roco di ilos q ue reme y t r am para os c roco di l os de mia mi, numa r e v ista de f oto g ra u f as a qui ab or a ad a em al gum por men o r, re la t iva a o andrew

Remete a forma do reflexo, para u8ma outra imagem aqui publicada, dos meus óculos na parede, por debaixo do casco da north star, e de umas setas que na altura aqui atirei, e o elo de ligação se estabelece em meu ver, pelos reflexos dos óculos na parede de madeira, fazendo como que duas vesica que parecem então ser o elo dos olhos do crocodilo, ou seja um crocodilo ou grupo de crocodilos, parece estar presente nestes eventos distintos

Reme te primeira forma do ref fl e xo, para u 8 mao de outra rai mage maqui pub lica dado s me us o cu l os na parede, por de ba ix o do ca sc o da not g h star, e de um s s eta s q ue na al tura a qui a ti rei, e o elo de liga sao se este bal e ce em me uve r, p elo s ref el xo s dos co u l o ana pr e dede madeira, fazendo com o q ue du as v e sica s q ue pa rece m en tao s ero elo dos olhos do c roc cd ilo, o u seja um c toco coc di lo o u g rupo de c o rc o di lo as, pa rac e es star pr es en te nest e es eve en t os d i s t in t y os

Em dia recente , os óculos me desvelaram mais um fio, através de um livrinho de moda que foi usado num dos programas de televisão que produzimos, ficaram assim dispostos em cima da capa, e estabeleceram uma ligação entre as tres meninas que estão na capa

Em dia rec en te , os o cu lo s me d es vela ram maís um fi o, at rav es de um l iv rinho demo da moda q ue f oi usa do n um dos por g rama s de tele v isa o q ue pro du z imo s , fi caram as si m di s post os em c ima da capa, e est ra bel e ce ram uma liga sao en t re às tres meninas q ue est o ana capa

A id vem pelos nomes dos modelos que apresentam, mil novecentos e trinta e tres, paquin, velvet gown, com uma boquilha na mao que parece estar espetada na cabeça da segunda menina, tambem loira como as tres da capa, que trás um vestido azul com ondas laterais como um peixe em padrão de agua, e um pássaro como uma cruz invertida que mergulha no seio direito com a mai na anca direita tambem, e por suas vez as onda parecem ligar à terceira, que trás uma espécie de plumas que remetem para van gogh, num vestido amarelo onde em sua base se vê o bico do sapato amarelo, que sai do triângulo de fogo da roda do vestido que parece uma jarra, uma flor, e que trás a mao na anca esquerda com tres traços por debaixo como marcas de garras,

A id v em p elo s n b o ms do sm ode elo s q ue ap r es en tam, mil novecentos, ot, e t rin t a e t r es, paquin, vele eve t g o w n, com uma bo qui l j h ana mao q ue pa rece est ra es peta ad ana cab eça da se gun di o menina, tam am tambem lo ira com o as t r es da capa, q ue t ra s um v es t id o az i ul com ondas la te ria s c omo um peixe em padrão de agua, e um p ass aro com o uma c ru z in v e t id a q ue mer g u l h ano seio direito com a mai na anca direita t am tambem, e por s u as v e z a s onda pa rec e me li gara t rec e ira, q ue t ra s uma es p cie de p luma s q ue reme te m para van m gogh, num v e ts id o a am r elo onde em s ua base se eve o bico do s pato am ar elo, q ue sa id o t rina gula de fogo da roda do v est id o q ue pa rece uma j ar e r, uma flor, e q u ee t ra sa mao na nba ca esquerda com tres t rr a ç s o por de ba ix o com o mar ca s de garras,

Sobre esta terceira uns pontinhos, desenham um delta de cinco pontos, entre as suas coxas

S ob re e sta da terceira un s ponti tinho s, de s em ham am u y m de k l t ad e c inc o pontos, en t rea s s u as c ox as

A de azul é um modelo de mil novecentos e trinta e cinco , rochas, taffeta dress, e curiosamente , no boneco para recortar na plate dez, um outro pormenor trás o pássaro, em sua cauda, umas antenas como de borboleta, ou seja uma pássaro da alma

A d e azul é um mode elo dez de mil ni v en cn t o ze trinta e com nc o , roc h as, t a ff eta dr ess, e cu rio sam am que mente , no b one co para rec o rta r na p la te dez, um outro por men o r t ra s o p assa aro, em s ua c auda, umas ant en as com o de bo r b o l eta, o u seja um ap ss aro da alma

A terceira é mais difícil de eu a identificar, porque não está dentro do pequeno livro, mas penso poder ser a mil novecentos e trinat e um , mainbocher, coat and dress ensenble

A t rec ira é ma ski di fi c i l de eu a id en ti fio car, por q ue n cão e stá d en t ro do pe q un o l iv roma s p en s o p der se ra do am mi l noventa se t rina te um , mai boc her, coa t anda dress en s en ble , je, o u seja au di

A posição dos óculos, que ali poisaram, mostrava então a primeira como sendo um dos olhos, e a terceira a outra e a segunda do semi arco do nose,

A posi sic sao dos o cu l os, q ue al ip o isa sara am, mos t rav a en tao a prime ira c omo s en do um dos o l h os, e a terceira a primeira de outra e a se gun da do s emi arco do nose, don os se e

Se chama o catalogo, tom tie rn e y g rar t fashion designs, o f t he thirties paper dolls un full, color, 32 haute couture costumes, by schiaparelli, malyneux, mainbocher, and others,

Se c ham a o cata logo, tom tie rn e y g rar t f a ws hi on de si g ns, o ft he t hi rt tie is es pap e r do ll s un f u ll, c olo r, 32 haite, co u ture cos t um es, b y s c h u ap ar e ç ll i, m al y ne ux, main boc her, and a ot her serpente,

uma outra ténue semelhança entre o vestido da terceira da capa, se estabeleceu, pelo genero das formas das plumas que nela fazem como rosas de sol, e que me remeteram por perfume para a senhora que em dia recente, apareceu no jardim do mna, e qua trazia uma capa de pompons e que fora onde a leitura sobre o cruzeiro do tejo se dera, o primeiro fio mais recente da sequência dos veleiros, onde hoje frente ao sean, para ele virado, estava uma lancha rápida da marinha com a identificação trezentos e trinat e nove, ou seja doc do nono, ou de setembro e alguma agitação rápida se dava no convés do primeiro ao momento em que ao jardim de novo hoje cheguei

uma outra t en ue se ml h ança en t reo ove st id o da terceira da capa, se este bel e c eu, p elo g ene ero das formas das p luma s q ue nel a f az em com o rosas de sol, e q ue me reme te ram por do perfume , para a sem hor a q ue em dia rec en te, ap ar e c eu no j ardi dim do mna, e qua t ra z ia uma capa de p on pm s o sm e q ue for a onda da primeira da lei tura s ob reo c ru ze iro do tejo se der a, o prime rio fi o maís rec en te da sec u en cia dos vele iro s, onda h oje fr en te a o sean, para ele v irado, est ava uma lan cha ra pida da mai rn h ac om a i dn cia sao dos trezentos, e t rina te en ove, o u seja doc do nono, o u de sete m b r o e al gum a gi raçao ra pida se d ava no c on v es do prime iro ao mo men to em q eu ao j ard dim de n ovo h oje che g eu i

depois mostrarei o catalogo para que todos o possam ver

d ep o is mos t ra rei o cat a logo para q ue todos o ps s am vaso e rato

na realidade a ondina de hamburgo, o segundo veleiro a chegar, não se foi embora, só atracou em outra posição do cais, e desenha com o primeiro um angulo em sua nova posição

na re la id ad e a on dina de h am burgo, o se gun do eve lei to a che g ar, n cão se f oi em bora, s ó at rav o ue mo da outra posi sic sao do cais, e de sn e h ac om o primeiro um ang gula dez em s ua n ova posi sic são

os espiões múltiplos, como cá entraram outra vez, faziam assim num jornal aparecer o tarantino, que ressoa num destes vestidos, com um subtítulo de capa de jornal de hoje a dizer, qualquer coisa bandidos sem lei, como ontem eu chamava mais uma vez com total propriedade, aos pedofilos fora da lei que dizem levar o governo


os es pi o es mul t ip lo s, com o c á en t r aram o u t ra ave z, f az iam as si m nu m jo rna la par recer o tar en tino, q ue r esso a numa de sta s v es t ido s, com um s ub titu loo de c capa de jornal de h oje a di ze r, q ual q e ur co isa bandidos se m lei, com o on te m e u c h am ava mais uma ave z com tota l pro p rie dad e, ao s p e d filos for ad a lei q ue di ze m l eva aro do circulo do dog ove rn no do governo

...

sobre os objectos que se dipuseram desvelados pelas setas simbolicas da torres gemeas, abordado em video, e aqui detalho em mais um dos seus aspectos que se relacviona com uma das revistas de fotos abordadas, special usa,

s ob reo serpente dos ob ject , os q ue sed ip ise ram d es vala ad os p el as s etas s em b ol i cas da tor r es gemeas, ab o ra do dado em v id é cir

simbolo da fisica e da quimica, ou seja das reaçoes,

s im b olo da fi sica e da qum mica, oi use seja das rea aç cortes oe esp an homem da al, norte sul

o simbolo no cd do joaquim sabina, e uma coluna em cima de um delta para cima, por cima de um, M,

o s im b olo no do dc do jo da primeira do kim do sa da bina , é uma coluna em mcima de vaso do primrio delta para c ima por rc ima de primeiro maria

delta para cima que significa tambem a salvaçao descendo das alturas e se espalhando pelo mundo, a ressoar na imagem do triplo cordao

del t ap para ar a rec ima q ue sig ni fic a t am tambem primeiraz as l vaso ac sao d es c en do d as al tiras e se es pal home ando p elo do mundo, a r esso da ar na ima magem dot t ip primeiro cor d do circulo da primeira dez, corda da primeira

em seu reverso se le, forquilha, ou seja tridente, do home contemplando o ceu com braços abertos expectante, duplo vaso da forquilha, da primeira vareta,

em s ue r eve veros sele el le da for quilha da ilha, o use seja t tid dn net e do home c on te pl primeiro ando do circulo do ceu com br as cortez os ab e rt os e x pe c t ante d up lo vaso da for quadrado da ilha da prum ira vaso ar eta

os tir ru l os das can ç o e s, di ze m, delta da for q u e ilhas do nós, di eron , la serpente dez primeiro, condu c tor espanhol s u id didas, do delta do c ur c u lo do li do vaso do iero ser una chica al mod ovar, t rec e ira, a la o r illa de la chi men e a, todos m en os t u, la del pi rata co jo, de la can cio em de l as noches, per dida s, li os cu en t os q ue y o c u en t o, pe o r para el do sol , da s pastilhas, para no son ola da ar, d ru ff s

na foto , revista, o simbolo se mistura, na camisa de um organizador de car naval, ou de mas cara serpente, e de veus de isis,

A chave comum entre cd do joaquim sabina e a photo como vos digo, é o símbolo e o símbolo é comum e estabelece a ponte com uma das fotos, daquele rapaz com uma face estranha, que ao que parece organiza festas de carnaval, e o curioso é que o padrão da camisa dele, trás o mesmo símbolo mas em forma composta, daí a dificuldade que tive na segunda leitura de o encontrar de novo

A c h v e cv om um en t re cd do jo a q eu m s ab ina e a ph oto com ovo s di g o, é o s im b olo e o s im b olo é com um e e stab e le ce a ponte com uma das fotos, da eu le ra ap z com uma da face est ra anha, q ue a o q ue par ce o r g ani iza f est as de car da naval, e o c ur io s o é q ue o pad r ado da cc am isa dele, t ra s o me sm o s im b olo mas em forma co m s posta, da í a duf u c l dade q ue t iv en a se gun do lei tura de o en c on t r ar de en ovo

O logo do joaquim sabina, tem duas cores, que assim declinam am, manha, e fi isi sic a primeira e qui, am mica, ou seja um home por cima de uma rapariga na manha que levou a um qui, ki, uma divisão

O logo do jo q eu im s ab ina, te made ria du as co r es, q ue as si made ria de eva vam am cam am, mana he fi isi sic a prime ira e qui, am mica, o vaso use seja um home por c ima de uma ra pa riga na mn h a q ue le v o ua um qui, k u, uma di da visão , vaso isa são

Sabina é tambem nome de uma família que trabalha na rtp, e me recordo de um documentário que o porventura o mais novo um dia fez sobre a inundação da aldeia da luz, no alentejo, quando da criação de uma barragem, ou seja imagem de cheia, das aguas, que sobem na aldeia da luz, ou de outras aguas simbólicas, que subiram outrora na aldeia da luz, uma outra a do Algarve, o caso maddie

S a bina é eta tam am tambem no me d e uma f am i l ia q ue t ra bal alha na r tp, e me record ode um doc eu mn t ar io q ue o p + o r v en tua o maís n ove o um dia de fez s ob rea i mun da ac sao da al de ira da l uz, no al en tejo, qua anda da c ria sao de uma bar rage em, emo o ova vaso use seja i mage made ria de c he ia, das aguas, q ue s ub em mna da aldeia da luz, ou de outras aguas s im bo lica s, q ue s ub iram o u t ro rana ana al de ira d a l uz, uma outra a do al g rav e, circulo do caso, do louco, mad ad di e

Se bem estão recordados, depois do caso de maddie, um outro houve, na zona da raia, do outro lado do rio, ou seja em espanha

Se b em es tao rec o r dados, d ep o is do c caso de mad di e, um outro h o uve, na z iam da r a i a, do outro rol l ad o do rio, o use vaso do seja em es pan anha

Cio r us da plume, como declinou o titulo, pela posição em que estava, cirque de plume, ou seja a imagem que figura a menina do gás, num anuncio que apareceu salvo erro a primeira vez na aluara do mundial , ou seja em dois mil e quatro, esta por cima do circulo do sica e da am mica e desequilibra esta segunda, umas maos que se estendem para o ceu como uma prece, ou seja uma relaçao com o vídeo que me pediram para fazer para o tal sarau, de poesia em lamego, desequilibra, trás tambem o sentido , de desequilibrar o sir do circulo da rapariga da plume, ou plume, ou seja, a pesos ligeiros, ou seja a rapariga do insolence, do belíssimo filme , e certamente de alguém que aqui a espelhara, ou através de quem aqui a espelha e que poderá ter sido usada neste ritual

Cio r us d a p l um e, p luma, da gal p energia, o vaso use seja primeira rai mage made ria q ue figu ra primeira menina do gás, nu primeiro home do anu un cio q ue ap ar e cu s alvo e r ro a prime ira ave z na al ur ad o mundial , o vaso use seja em do is m i le da quatro, est ap o r c ima do circulo do sic a e da am mica e de sec u i libra e sta se gun da, uma s maos q ue se est en de made ria para do circulo do c eu, com o uma prece, o u seja uma da relaçao, com o v id é o, q ue me p id ram para a f ze r para o t al sara u, de poe s ia em lam meg o, de sic u libra t ra s t am tambem do circulo do s en t id o , dede sec u i li bar aro sir do circulo da rapariga da p u l me, o u p l um e, o i u sej primeira dos pesos lige iro s, o u seja a ra pa rig ad o do insolente , in sol en ce, do belíssimo fil me , e ce rta am tam nete de al g eu made ria q ue q qui a es pe l hara, ou at rav es de q eu ema maqui a es pe l h a e q ue pod e ra t r e s id o i usa sada nest t s rit ua l

...