terça-feira, fevereiro 09, 2010



haithi, comment sur les nouvelles de aujourdi

h a it hi, com men t sur l es no uve veles ll es de au jo da urd di hi



http://www.time.com/time/world/article/0,8599,1960538,00.html?xid=yahoo-feat

two largest baseball teams, the Lions of Caracas and the Navigators of Magallanes, based in Valencia

two l ar g est ba ase bal ll te am ms, the Lions of Caracas and the Navigators, crocodilos, o for mula one Maga ll ane es, ba sed in V al en cia

pois é presidente chavez, esta linha das bolas de baseball,depois do haithi, continua a ecoar um pouco por toda a parte , Espanha, também na pessoa de zapatero que na america lera um versículo, de textos antigos onde se lembra a quem paga, para não se esquecer nunca de pagar todos os dias o trabalho a quem dá, seja da terra ou estrangeiro, e depois uma linha que remetia par os dell, pcs, un me p lot loy, dez delta, en men t, e ainda outras linhas numa seq2uncia de fotos no yahoo

p o is é pr es sd di id dente cha ave zorro, serpente é onda sta lin hd as bolas de ba seb do ball da all, ,de p oi sd onda do circulo haithi, conti nu a a e coa rum po u i co por to d a ap rte , espanha, tam am tambem na p esso ad e z xa pat ero q ue na america le ra um ver sic culo, de tex t os ant ti g os onda da se le em br a a q ue m p pa g a, para n cao se es q ue x ser nu n cade pagar todos os do dias, psd, o t r ab aba do bal do alho primeira q ue made ria d á, seja da terra, br, o u est range iro, e dep o p is uma linha que rem teia par os dell, pc s, un me p lot lo y, dez delta, en men te é a inda de outras linhas numa sec 2 un cia de f oto s no y a ho o

me lembrei de um eco aqui na rua de Alcântara nos dias a volta do tremor, um estranho rapaz que ali mora, vinha descendo a rua com um uniforme de basebol americano, assim cinzento claro com riscas finas e um logo bordado no lado direito, que me lembrou uma imagem de um filme do kevin costenr, que tanto andaram programando na tv portuguesa como aqui em parte já dei conta, o estranho daquilo é que o tipo trazia um saco de plástico negro numa das pernas por altura do sapato,

me lem br rei do ei, id de um e co a qui na rua de al canta r ano serpente sd do dias, psd, a v o l t ado do tremor, um est rato do anho ra p az q ue al da mora, vinha, d es cen d fo pr ie mr ia da rua com um uni for mede ba se bol am mer cia ano, as si m c in zen toc l aro com rato das iscas fina se, pr e emi iro do l ogo bor dado no l ad o direito, q ue me lem br o u uma ima ge made ria de um fil med o k e vin cos t en rato ps, q ue t anto anda aram ram am por g rama ando na tv portuguesa, c omo a qui ei em p arte j á dei conta, o est ar rn ho da q ue ilo é q ue ot ip o t ra zorro do ia um sc x co p la s tico negro numa das per na spor al tura do sa do pato,do porto, o pr inc ipe do princiep , o principe do porto
Um pormenor da imagem de ontem, que me reforçou a imagem da relação com o avião via londres, e portanto as bombas

Um por men o r da ima ge mc de on te maior, q ue me r e f orço es ua ima ge mc da da rel çao es com o avai o via londres, e porta n bto as das bombas, avai, havai, haithi

o segundo pingo me deu uma precisa leitura, vidraças, ou seja me remeteu de imediato para a asa de alumínio que dei conta de as putas terem levado de uma das janelas aqui em casa, e a cor era também próxima ao cinzento da fuselagem do avião da british airlines

o se gun do pin gome de eu uma pr cisa l ei it tura, vi d r aças, o u sej qa me reme te vaso do imediato para as asa de al um mini circulo do q ue dei conta, de as putas te w rato maior l eva ad o de uma das jane l as a qui em casa, é primeira cor e ra tambem pro ox ima ao cin z en to da fuse use sela da lage, az maderia do ava io da br it i s h air l ine es

evoquei aqui em texto recente, a propósito da cobra negra da manivela, ford T, a shafler, a gabriela schafler, e agora percebi porque a bela rapariga emergiu na minha memoria, eu que só a vi uma vez no aeroporto de lisboa, ia ela com sua viola a tiracolo, apanhava uma aviao para londres, salvo erro, estaríamos talvez no final de oitentas, a gabriele é uma cantora, que passara discreta aqui em portugal, eu que pouco a conhecia, me lembro desse cruzamento, e de ter sentido dentro de mim como era bela, e assim em mim ficou a morar

evo q u ei a qui em tex to r e c en te, a por rp os u it o dc cobra negra d man ani v e kapa la, ford T, a sh a fl e ra g ab r i e dela sc h a fl e r, e agora per cebi por q ue a bela rap a riga e mer gi o un a min h a meo ria, eu q ue s ó a vi uma ave z no aero do porto de lisboa, ia ela com s ua vi ola a t ira rac dop colo, pan h ava uma vaio para londres, s al v o e r rt o, est ar iam os t alve zorro no fina al de o it en t as, eu q ue p o u coa c on he cia, a g ab rie dele le é uma can tora, q ue p as sara di s creta a qui em portugal, me lem n br o de esse c ru za am mr n to, e de ter s en t id o d en t rode mim c omo e ra b el a, e as si m em mim fi co ua mora ratp

curiosamente também hoje vi a bela degeneres, que me mostrava o pagamento do cartão do vaso isa dos bancos, um carro negro tipo sport, talvez como um porche, e outro tipo de manivelas vegetarianas, antes vira lionel richie, we are the world, que com amigos me indicava assim tipo uma pistola nas cores vermelho e azuis, e tambem dei com a bela charlotte gainsbourg, que me desvelou uma outra linha

cu iro sam n t e ta tam, am tambem h oje via bela degeneres, q ue me mos t rava o pa gam en to do car tao do ova do vaso isa dos bancos, um car r o negro t ip o sp o rt, t alve zorro c omo u mp o rc he, é o u t ro t ipode man iv el as v e get arianas, ant es v ira zorro lio nel ric hi ie we pr ie mr ia aret he world, q ue com am i g os me indica ava as si m t ipo uma pi s t ola nas cor s vermelho e az u ise e ta tam am tambem dei com da primeira bela charlotte gain s bourg q ue me d es velo u uma outra da linha

hoje de manha percebi quem me fizera lembrar a bela gabriela schafler, uma outra bela menina que me olha a uns dias numa capa de uma revista espanhola, com um belo sorriso amoroso, e um nome que apetece logo dar dentadinhas assim amorosas, tamara falco, e desde que ela apareceu quando vou ali a banca, a cumprimento, e assim vamos namorando na distancia, que pena e que peninha hoje ao olha-la, entao me dei conta que fora ela que me avivara o arquetipo da gabriela schafler, embora parecida é muito distinta, o que também não deixa de ser curioso

h oje de manha per cebi q ue maior me fi ze ra lem bar a bela g ab r ile sc h fl e rat, de uma outra bela menina q ue meo l h a a uns dias, psd, numa capa de uma r e v ista es pan h ola, com um b elo sor r iso amo roso, e um nome q ue a pet e ce logo d ar d en t a din h as as si m amo rosas, at mar a f al co, e de sd e q ue dela ap rece u qua ando v o ua al ia bn aca, a cu mp rime en to, e asa si m v amos na mora ran dona di s t an cia, q ue da pena onda é q ue peninha, algarve, ho j mne cao o l h a do traço ingles de la, en tao medeia conta q ue for a el a q ue me a cabo v iva vara, ps, o arque t ipo da g ab r ie dela sc h a fl e r, em bora par ce id a é mu it o di s t int a, o q ue tam b en cão de ix a de ser cu iro roso, it

e hoje pela manha se dava conta de um incendio num lar de idosos em sevilha onde seis se foram

e homem oje pela manha da se da ava conta de um inc en dio num l ar de id os sd os em se v ilha onda se is se foram, pt

tambem vi a bela filha do lionel que tem uns olhos muito belos e docinhos, e percebi mais uma relaçao, pois ela é parecida com uma outra rapariga daqui que apareceu num catalogo de moda que aqui abordei em tempos, e me veio tambem á memoria ao ve-los de manha, o tal iate que aqui apareceu depois de ter visto um assim semelhante num clip do lionel, que foi o ultimo que dele vi, e a historia ecoa de cerrta forma em ilhas tropicais, como o haithi

tam am tabem via ab dela, fil h ad o lionel q ue te maior un sol h os mu it o b elo se d oc in ho s, é per cebi mais uma da relaçao, p o is dela, é par rec da cida com uma outra rapriga daqui, q ue ap rec eu num cat a logo gode demo da moda q ue a qui ab o r dei em te mp os, e me eve veio tam am tambem á me mor ia a ove do traço ingles l os de manha, circulo do tal iate que aqui apareceu, d ep o is de t e rato vi s to um as si m semel h ante num c l ip do lio one wel, q ue f oi o u l t imo q ue del e vi, a hi s tori a e coa de c e r rta forma em ilhas t rip pi cais, c omo o h a it hi

dos selos, e dos passaros, e tambem espanha, portugal via linha antiga afinsa, a imagem do numero que ontem os dois cintos depois da imagem vinda da persia, aqui me defeniram, me ficou na cabeça durante o sonho e o sonhar, pois os algarismos trazem assim uma estranha forma, ou seja, o nove tem um perna muita comprida, como que deitado, e o zero mais pequeno, quase como um nove, elevado

dos s el elos, e dos p ass aro rose e eta rta tam am tambem espanha, portu gal via da linha, antiga, a fi nsa, a ima ge made ria do n um ero roque on te emo os do is c in t os d ep o is da ima ge made ria v inda da persia, a qui ie med efe ni iram, me fi co un a cab beça dura z cabo n teo circulo do sonho. é oo s n h ar, p o is os al gar is mo s t ra ze m as si m uma e ts r anha forma, o use seja, o nove te m um per na mu it a co mp rid ac omo q ue de it ad o, é o z ero m qais pe q eu un o, qua ase c omo um nove, el eva ad c irc cu lol do ado

me disse, eu conheço aqueles numero num selo que aqui trago dos correios de portugal, e assim o fui porcurar, na verdade, não é o numero, mas as formas dos numeros, a similitude, euro, O, o2 ctt correios de portgual a cobrar, ou seja circulo ema nu elle, de noventa circulo do segundo do laranja vermelho, e um simbolo da moeda por detras que agora ao ve-lo me explica um pormenor que apareceu numa das fotografias que ontem tirei na bulhosa, tambem encontrei outros selos com passaros que me diz se sisao, ou seja, si sis isa sao, pb, cinquenta e tres circulo do ponto vermelho, euro circulo do ponte vinte e seis

med di iss se, eu c on he ç oa daqueles, nu mer do ero nu primeiro ms s elo q ue a qui it rago dos cor reio sd e portugal, e as imo fu ip por rc cura rna verde dd , n cão é o nu mer ero, masas, italia, formas dos nu mer eros, a si mi l it u de, , e ur o, O, o2 c tt cor rei iros de porto gula co br ar, o use seja c irc culo ema nu elle, de noventa circulo do se gun dodo laranja vermelho, é um si m b olo da moeda pop pr det ra s q ue agora zorro do cabo, ove do traço ingles l o me e x p lic a um por men o rato q ue ap rec eu numa das f oto g raf fias q u we on te m ti rei na bulhosa, tam ne m en c on t rio outros sel soc om passaros, q ue me di zorro do sw ee s isa sao, o use seja, si sis isa sao, pb, cin q y en t a é t r es circulo do ponto vermelho, euro circulo do ponte vinte e seis,

a divisao do oxigenio de noventa e dois, ou seja da vida, o nove é uma virgula, ou seja atraves de um bebe perdido, assim parce contar a histoira oxigenio, e tambem nome de programa de radio

a di visao do oxigenio de noventa e dois, o use seja da vida, on ove é uma vi r gula, o u sej a at rav es de um bebe per dido, as si m par ce c on tar a hi s toira, oxigenio, e ta am tambem no med e pro g rama de r ad dio do io

hoje aqui em casa se manifestaram os seguinte fios, dois cigarros sg, filtro amarelo , cairam ao chao, em frente ao aparador da cozinha e ficaram paraleos entre si, um ligeiramente avançado sobre outro, ou seja a imagem que aflorou ao momento, fora dois skis, abri a gaveta de baixo, e vejo nos objectos de plastico que servem para refrigerar coisas, freez pack, camping gaz m10 f g b d n l i e p, e em outros plasticos ao lado as cores, vermelho rectangulo, azul e rosa panos, tres circulos, laranja, tipo minie, transparente e negro

h oje a qui em casa, se man ani f es tara ram os se gui int e fi os, do is cigar ros s g, fil t ro am mar ar elo , ca ira cao cha o,china, em fr en tea o ap ar ad da dor da c oz in h a e fi car m para leo s en t re si, um lige ria am que mente, avan ç ado s ob r e de outro, o use seja a ima ge maior q ue al for u ao mo men to, for ad o is ski s, ab ria g ave eta de baixo, é vejo nós ob ject os de p la tic o q ue ser v em para r e fr i ger ar co isa s, fr ee zorro p ac ck, cam ping do gaz m10 for ground gb bd dn nl priemrio da mentira ie da pp ep, é emo de outros p la tico s ao lado as cor es, ver e ml ho rec tan da gulo, az u le rosa p ano s, t r es c irc culos, laranja, t ip o min ie, t ra ns pa ren te e n e g r o

antes a minha faca de crocodilo da republica dominicana caira ao chao e o bico apontou, as tomadas de ligaçao no chao do lado esquerdo em frente, o cabo que primerio vi, foi o que alimenta o pc express dell, que acabara de aparecer na conversa com as belas meninas, a proposito de amoreiras, ou seja imagem das torres,o bico do crocodilo aponta a roda que existe entre a primeira e a segunda anca da asa mais peqeuna, que agora esta disposta em angulo relativa a segunda, que em cima esta como rachada ao lado da terceira, onde esta minha aguia de momento, a mostrar-mo

antes es tesa, te sa film, mina home da faca de cor rc cod ilo da republica dominicana ca ira xx cao cha oe é o bico ap on to u, as tomas de liga da ac sao es no chao do l ad o es q urdo em fr en teo cabo q ue prime rio vi, f oi o q ue al im en tao pc e x press dell, q ue aca bar a de ap a rf ser na c on ver sa c om as b el as meninas, a por rp rosi to de amoreiras, o use seja ima ge made ria das torres, o bico codo dd circulo do crocodilo, ap da ponta primeira roda q ue e xis te en t rea primeira, é a segunda anca da as mais pe q eu na, q ue agora é sta di sp ota em angulo r el a t iva a segunda, , q ue em cia am e sta c omo rac h ad a cao lado da terceira, az, onda é sta min h a aguia demo men t o, a mos t rato ps da ar do ponto do mo, ou domo,

um terciro selo me apareceu ao caminho em frente a casa da capitao palas, a tal que agora esta para alugar, algum lá o pos porpositadamente, traz um selo cinquenta e um, portugal, profissoes e personaganes do sex xix , amolador, com uma tesoura na mao, home de bigodes e chapeu, cinto vermelho, calças brancas e casaco castanho, da leonilde valente, da rua do goncalo de abreu de setubal, para josefina sousa matos, da estrada nacional numero tres, abelha supermercado, 22 50 cnstancia

um t rec iro s el o me ap ar rece u cao ca min hi io em frte, a casa da capitao palas, a t al q ue agora é sta para al u gara , al gum l á o p os por rp posi it ad dam am n te m, t ra z um s el o cin q ue rn t a e um, portugal, por rf fi ss o es e per son gan es do se x xix , am mola ola ad dor, com uma te soura na mao, home de big gode es , é cha p eu, c int ove r nel ho, c al ç as br ancas é ca saco cas t anho, da leo ni l de eva valente, da rua do g on c alo de abreu de set u da onda ub bal da al, para jose da fina s o usa matos, da est ard ana ac cio n al nu mer ero t r es, ab bal alha super me rca doi, 22 50 c 0 ns tan cia

ontem ao sair um raapz que entrava num smart deitava um saco do carrefour ao lixo, me emergira a memoria do flash que vira ao ver a carta do taihti logo da primeira vez, e dar pelo nome de carrefour, uma marca de supermercados, tres mosqueteiros, linha antiga aqui desenvolvida, com uma morte inclusive

on teao s air um ra ap z q ue en t rava num sm mar da art de it ava um s ac o do car rf feo ur x cao l ix o, me mer gi ua a me mor ia do fla sh q ue v ira cao ove vera primeira ca rta do t a hi h ti logo da prime ira ave ze do quadrado da ar p elo no mede car rf feo ur, uma maraca de supermercados, t r es mosqueteiros, linha antiga q u id es en v o l v id ac om uma morte inc l us ive

a relaçao do primeiro selo com uma das fotos de ontem, se faz pelo simbolo do euro, ou seja a graça do antilope, parece entao estar relacionado com o que o selo agora desvelou

ar la º cao do prime rio do selo, com uma das f oto sd e on te ms sd se f az p elo si m b lo do euro, o use seja, a onda da dag da graça do antilope, par rece en t a es t ra r la cio na ado com o q ue o s el o elo do agora d es velo vaso

querida charlotte, gosto muito de si, e trago-a em meu coraçao, e só hoje soube que esteve muito doente, assim percebi o que ouvira pelo espirito sobre uma operaçao , que penso entao a si se aplicar, espero que se recomponha, sabe, um destes dias recentes estive escutando uma cançao do enigma, onde aparece uma linha que não sei ao certo se é sua ou da birkin, o je t aime, em remix, muito engraçado, fiquei com os pelinhos em pé, face a docura da voz, que é a docura que tambem lhe conheço a si, as putas espias do publico, logo no dia seguinte a traziam na capa, eu preferi até nem espreitar

q ue rid a charlotte, g os to mu it o de si, e t rago do tralo ingles da a em me u cora raçao, e s ó homem do oje s o ube q ue es tev mu it o do en te, as si m per cebi o q ue o uv ira p elo es pi rito s ob re uma opera raçao , q ue p en s o en tao a si se ap lic ar, es ps ero q ue se rec om p on h a, s ab e, um d estes dias, psd, rec en t es est ive e x cu t ando uma cna ac sao es do eni gm a, onda ap ar rece uma lina homem q ue n cão s ei cao ce rt o se é s ua o u da bi rato da kin, o je t da aime, em r emi mix do x, mu it o en g r aç ad o, fic ue ei com os p el in h os em p é, f ac e a doc ur a da voz, q ue é a doc ur a q ue tm be m k l he c on he çoa es si, as ds putas espias do publico, logo do no dia seguinte, rtp. A t r z iam na capa, pr efe r ine m es pr e it ar
...

ontem no caminho, também ouvi uma outra relaçao complementar sobre a cobra do st michel relacionado com o roubo de meu filho e o bando dos terroristas do ps, ser do jumbo do restelo, sete, dois ste

on te mno ca minho, tam am tambem o uv i uma outra rte la º o c om mp lem en tar s ob rea primeira cobra do st mic a hel r el ac cio em do cm circulo do roubo de meu filho, é circulo do bando dos terroristas do ps, ser do jumbo do restelo, sete, do is do ste

vá-se foder no inferno, suas putas, é meu voto!!!!

...
uma outra relação entre meninas, como imagens e espelhos a compreendi hoje de manha, a rapariga apresentadora, a tal do carro incendiado, , pelos olhos, é então uma espécie de mascara da tal rapariga irma da fadinha gwen, que então por sua vez deve corresponder talvez a merche

uma outra da relaçao, en t re meninas, c omo ima ge nse se dos espelhos, a co mp rn di homem do jornal oje de mana home da primeira, a rapariga apresentadora, a t al do c rr o inc en di iad o, , p elo sol h os, é en tao uma es pe cie de mascara da t al ra pari h a irma da f ad dinha g w en, q ue en tao por s ua ave z d eve cor r es pond der en tao t alve za mer rc he



a proposito de passarinhos, um beijinho a bela gisele a ver se me aparece mais bem disposta

a por rp posi to de p ass ar rinho s ,um bei jinho a bel gi ise sele primeira ave rato da se da me ap ar rece mais b em di s posta
Ah grande nação persa, que engraçada linha anda pelo ar, é mesmo caso para dizer em parte que não figurativa, a primeira peça me chegou com uma noticia que me pôs a rir, que o irão tinha posto no espaço alguns animais, mais concretamente alguns vermes e uns cagados, e no riso assim traduzi, vermes do ca do gado

A h g rande na çao es persa, q ue en g ra ç ad a da linha anda p elo ar, é me sm o caso para di ze rato rem p arte q ue nºcao figu rat iva, a primeira p eça me c he go u com uma not tica q eu me p + os ar e rato , q ue o iro da tinha post on o es paço al guy ns ani mais, mais com rt am tam que mente al gun serpente dos vermes e un s ca gados, e no r iso as si m t ra d uz i, vermes doca do gado

depois no dn, certamente por causa das radiações, uns senhores com uns óculos escuros que me fizeram lembrar a imagem da revista que recentemente mostrei num video onde abordo, a queda das torres

d ep o is on te m no dn, ce rta em n te por cu sd as radiaçoes, un s s en hor es com un soc culos es curos q ue me fi ze ram lem bara a ima ge made ria da revista, q ue rec en tem n te mo s t rei nu primeiro vaso id deo onda ab o rato do do, a queda das torres, tor r es

no telejornal de ontem, já com a curiosidade aguçada pela estranha historia que se vinha desenvolvendo, entao vi, um belo carrinho assim tipo smart, que se for eletrico ou mesmo só magnetico é de se tirar o chapeu, quem o use, depois falavam do avanço na euronautica militar com uma aviao bimotor, mas que pelo som parecia ser de combustao, depois o ayatoly, contra um fundo croma azul falando para os militares defenderem o irao caso disso, na sua caminhada para a independencia energetica

no da tele e do jornal deo on te maior, j á c oma cu rio sida dade a g u ç ada p el a e ts r anha d historia q ue se sd da vinha d es en volv en do, en ato vi, um b elo car rinho as si made ria t ipo sm mar art, q ue se for ele t rc cio o um es mo s ó mag gn net tico é de se t ira roc h ap eu, q u emo use, d ep o is f al ava vam am do av van ç o na eu ron au tica mi lit ra com uma vaio bimotor, masque eu p elo s om pa r e cia se rato de dec c om bus tao, d ep o is o aya tol y, c on t ra um fun do c roma az u l f al lan do para o sm i lit ra es defen der emo irao caso di ss on a s ua ca min h ad a para a inde pen den cia ene r ge etica

olhei o ayatoly e de repente fui ver o móvel e a parede de croma aqui em casa, abri a gaveta de baixo, e percebi então que ele me falava dos cintos, os dois que ali tenho, sendo um muito curioso, pois parece um colibri, ao mexer-lhes desvelaram um numero, noventa, anos noventa, ao lado de pares de meias e de calça, onde por baixo estão uns calções com um curioso numero, sessenta e nove,que devem ser dessa época, ou seja , a inversão feita nos anos noventa do século passado, a imagem do irao, mostrava ainda dois arcos de cada lado, o sentido cumulativo da imagem diz então o militar da inversão do ayatoli no ano de noventa, o da radiação, o serpente da art do mar, e me lembro ao isto escrever de uma capa do times com o ayatoli a sorrir com o ar doce que tinha, e uma traineira com redes de arrasto, e hoje ao que parece se foram dois pescadores na costa da caparica

ol he ei o aya tol y e de r ep en te fu do vaso da ive ero romo ov el lea pa rece de c roma a qui em c asa, ab ria g ave eta de ba ix oe per cebi en tao q ue dele, me f al ava do s c int os, os dois q ue al it en ho, s en do um mu it o cu rio s, p o is pa rece um coli br ia o m e x e r do traço ingles l he es d es vela aram um nu mer ero, noventa, anos noventa, aol ado de par es de me ia se de c alça, onda por ba ix o es tao uns c al ç o e sd com um cu rio snu mer ero, se s s en t a en ove, o u sw e seja , a in v e r sao feita no s ano noventa, do sec culo do passado, a ia mg em do irao, mos t rava a inda do is arco sd e c ad al ado, o s en t id o cu mula t ivo da ima ge m di z en tao o militar a do falo da in v e r sao do aya tol ino ano de noventa, o da ra dia º cao, o serpente da art do mar, e me l em br broa o is to es c r eve rato de uma capa do rt time es com o aya tol ia sor rato ps irc com omo do circulo da ar do ce q ue tinha, e uma t rai ne ira com red es de ar rasto, é homem do oje cao quadrado da ue primeria da ap do pr ee se do foram, pt, do is pesca dor es na costa da do ac sd da ap da ar ica

se precisarem de tripulaçao desta natureza, certamente que portugal vos podera provir, sobretudo vermes e congeneres, temos em quantidade suficiente

se pr e cisa rem de t rip u l çao es de sta nat ur e za, ce rta em n te q ue portugal vaso os pop der a pro rov i ra rato, s ob r e tudo ver mne es se c on g ene rato es, t emo s em q un tid ad dade e sufe cie en te
Oh bela gisele, depois de ter falado em si, logo apareceu a menina a meu olhar no yahoo, assim como uma estranha face olhando o lado, como quem nao estava assim muito bem disposta, com um rapaz em outra foto a seu lado assim tipo man in black, com olhar velado mas tipo inquiridor, e me fiquei a pensar que mosca lhe teria entao mordido

O h b el a gi sel el, d e s po is de ter f ala do em si, logo ap ar e c eu a me nina am eu o l h ar no yahoo, as si mc omo uma t es r anha face aol h a bn do o l ado, c omo q ue m nº cao e stav as si m mu it o b em di s posta, com um ra p az em outra f oto a s eu l ado as si m t ipo man in b l a c k, com o l j h ra vaso dela do mas t ip o inq u i rid for, e me fiq ue ia pen s ar q ue mosca l he te ria en tao mor rid o d

Ontem pelo final de tarde fui à livraria onde tinha estado em véspera, a bulhosa aqui em campo de ourique, depois de cumprimentar uma bela rapariga que estava sentada numa esplanada, assim em breve a passar, logo fiquei mais ligado à paisagem, por assim dizer,

On te mp elo fina al de t arde f u i à l iv ra ria onda deo da tinha eat td o em vaso da es pera, a bul home ho sa a qui em campo de ourique, d ep o is de c um pr rim e jr n ra uma bela rapariga q ue e stav s en t ad a n uma es pal n ada, as si m em br eve a p ass rato do ps da ar, lo gf fi q u ei mais liga do gado à pa isa ge m, por as si m di ze rato,

no café onde entrei para tomar café, só havia para baixo de kentuky, disse. Me o senhor, e eu até nem percebi, mas cheirou-me a galinha, e eu lhe disse kentuky, até nem é mal mas não quero , uma menina pequenina fazia um desenho, me meti com ela e disse-lhe, é um cão, daqueles com orelhas grandes e pelo macio, assim branco ou beije, ela me confirmou que era um cão, a avo acrescentou, é um cão como o da prima

no ca fé onda en t rei para tomar, ca fé, só h avia para ba ix ode ken t uk y, di ss e meo s en hor, e eu a té ne m per cebi, ma sc he iro u do traço ingles me a gal in h a, e eu l he di ss e k en t uk y, a té ne mé m al mas n cão q u ero , uma menina pe q ue nina f az ia um d es en ho, me met i com dd dela e di iss se do t y r ç o ingles l he, é um cao, da q u el es com orelhas g rand es e p elo ma cio, as si m branco o u bei je, el am me c on for mo u q ue e ra um cao, a avo ac rec en to u, é um cao c omo o da pr ima

no café de la salette, havia sg, alguém comentava na tv, sic que em seu entender manuela moura guedes, devia ao dar noticias menos opiniões, e mais factos, a menina da sic, tomava apontamentos, eu me perguntava, mas para que tomar aquele apontamento, visto que todos fazem a mesma misturada, habitualmente, para pagar o sg tive que dar um moeda do Leonardo da Vinci, que acabara de receber e que sempre gosto de ficar

no ca fé de l asa lette, h avia sg, al g ue m c om en t ava na tv, sic q ue em s eu en t en der manu le dele, a moura do guedes, de via ao d ar not ti cia s men os o pi ni o es, e mais f ac ts o, a me nina da sic, tom ava ap on tamen t os, eu me per gun t ava, ma s para q ue tomar a q ue le ap on tamen to, vi s to q eu todos f az ema da mesma mi s tura da, h abi bit ual lem n te, para pa g aro sg t iv e q ue d ar um moe dado leo r nardo da vin v cic ue aca bar ad e rec e be re q ue se mp re g os to de fi ica car

depois o espírito me desvelou ser um labrador, um homem de um labrador, com muito mau feitio, o homem entenda-se não me recordo ao certo do adjectivo com que se figurou, mas era pesado, muito pouco abonatório do carácter do dito, mais tarde, se acrescentou, ser do circulo do oitavo, do bmw x 5 , ou seja do x na estrela, onde acabei a volta, na esquina ao lado, da igreja com a infante santo, onde há uma instituição, onde vira pela ultima vez a esposa do bandido mor soares no dia em que a reina cá esteve da ultima vez, já o dia se pusera, o semáforo estava estragado, e começou a chover a seria

d ep o is o es pe it io me d eve lou ser um la br a dor, que me sou em lavrador, tambem ou seja um cao do gado, um home de um la br a dor, com mu it om a u feit io, o h om em en t en da do traço da inglesa se n cão me rec o r do cao ce rt o do ad ject ivo com q ue se figu ur o ru, mas e ra pesa sado, mu it o pouco ab bona tori, o do ca rac ter do dito, mais t arde, se ac rec en to use ser do circulo do oitavo, do b w m x 5 , o use seja do x na estrela, onda ac a bei av o l t ana es q ue ina cao lado da igreja com da pr ie mr ia infante santo, onda h á uma in s tui tiçao, onda vaso da ira pela u l t ima ave za es pao sa do bandido mor soares no dia em q ue a reina cá es teve da u l t iam v e zorro do j cáo id a se p use ra zo s ema for a est av e s t rag gado, e com eco ua cho ove vera se ria

na rua da livraria, um primeiro pingo me caiu em cima da cabeça, como muito as sim nas vezes acontece para me chamar a atençao, olhei e estãva ao lado de uma loja com um nome assim mais ou menos casa, casinha, ou casca da casinha, ou por aí, depois em frente ao banco mais ou menos outro pingo, olhei o ceu e vinha um aviao da british arways a aterrar, donde senti logo por dentro que estavamos falando de londres, visto que de novo as bombas no metro tinham em vespera aflorado, depois comecou mais tarde a chover à seria,


na ar ua da livraria, um pr me iro pin gome ca iu em c ima da cab ab beça, c omo mu it o as si mna s v e ze s acontece para me c ham mar da ar a a t en çao es, io l he ire es tva aol ado de uma loja com um no me as si m mais o um en os c asa ca sin h cao u ca s ac da ca sinha, o u p o r aí, d ep o is em fr en tea cao do banco mais o um en os outro pin g o, ol he ei o c eu e vinha um avia o da br it is h ar w y sa a te rr ar, don de s en ti logo por d en t roque est ava amos fal lan ando de londres, vi s to q ue de n ov as bombas no metro tinha ham am em v es pera al flor for ad os, d ep o is com eco u m a i s t arde a chiver à se ria,

uma rapariga num citroen tipo joaninha prata e negro ia-me passando a ferro na esquina depois, que apressadas e mal educadas andam algumas raparigas nesta cidade, se for esse o caso, que até tive de apressar o passo para náo levar com a dita joaninha em cima

uma ra ap rig a num c it ro en t ip o jo anin h a p rta e negro ia do traço ingles da me p as s a dn do a ferro na es q ue ina d ep o is, q ue ap r ess sadas e ma l e ducadas anda dam am al gum as raparigas nest a cidade, se for esse circulo do caso, q ue a té t ive de ap r ess aro passo para n cáo l eva rc om a dita jo aninha em c ima

tirei estas fotos na montra para te mostrar, o espirito me disse que elas eram arte do zo da bulhosa, ou assim algo no genero, antes numa outra livraria, uma relaçao entre elefantes, como indianos, me associava um outro nome de um escritor frances, a russia, achei curioso, pois acabara de aparecer os dois recentemente, ou seja , os dois territorios, na loja ao lado um bela vela ardia, com petalas em redor

ti ire rei ei e s d t as f oto s na montra par te mo st r aro es pi rito tome di ss sec ue delas, e ram arte do zo da bul ho sa, o ua ss im al g on o g ene ero, ant es numa outra da livraria, uma da relaçao entre elefantes, c omo in dida ano se rt tp en te , me as soc i ava um outro no me de um es c rito fr anc es, é a onda pr ie emi , can tora, mira s russia, ac he ei cu rio osso, p o is ac ab ra de ap ar recer os dois rec en te mn te, o use seja , os dois terri tori o s n a l j a aol ado um bela vaso dela ardi a, com pet ala s em red dor






um bonito pormenor de uma ilustração de um livro infantil que me pareceu ser muito apetitoso, mas eu e as coisas, agora, nestes últimos tempos , é mesmo só de ver as montra

um bonito por men o rato ps de u mai l us t raçao de um l iv ro in fan til q ue me par receu ser mu it o ape tito osso, mas e u e as co ia s, agora, nest e s ul t imo s te mp os , é me sm o s ó de eve vera as mon t rato ass




um curioso eco ou nao, à explicação sobre o colibri e a rosa, explicita em sua nomenclatura, tantrico, a coisa a que geralmente chamam de sexo, pelos visto os macaquinhos tambem assim o apreciam , em festas

um c ur io s o e co o un cao, a e xo k l cia çao es s ob reo coli br ie a rosa, e x p li c it a em s ua no men c la tura, tan t rico, a co isa ue ge ra al lem n te chama de se xo, p el s o vi s to os macaquinhos t am tambem as simo ap rec iam , em f es t as



das casas conicas, do hadid, com rfelxo de dor violeta

da sc asas c oni ca sd o h ad id, com rf fel el do xo de do da do rt viol eta


roman ano ob ov bulgaria,

e bela escultura das três graças que desde pequenino me fascina na Gulbenkian, a imagem de que te falava creio ser um modelo da mary quant, que depois está também numa das fotos recentemente abordadas com três belíssimas raparigas,

e bel a es cu l t u rta das t r es graças q ue de sd e pe q ue nino me f as cina na g u l ben k iana ima g em de que te f al ava c rei o ser um mode elo da mary qua nt, q ue d ep o is e stá tam am tambem nu mad as f oto s rec en te mn te ab o rda ds com t r es bn eli s sima s raparigas,