quarta-feira, março 24, 2010

zoom na photo da queda das torres expressa no monitor

zo om mna ph oto da queda das torres express ano moni it tor, tvi



zoom na foto da estrutura partida das torres, leitura imagem aqui publicada

zo om na f oto da es t ru tura p art id a das torres, lei tura ima mage ge maqui pub lic ada

na estrutura que se quebra, a que fica em baixo, remete para o pavilhão da expo do siza, siza cujos esquissos, aparece na sequência do vídeo relativo a chave da queda das torres, aqui publicado e detalhado, ou seja grupo dos arquitectos do porto, e da puta mor do passe na expo noventa e oito, do adn muito antigo, ou seja do grupo do norte que sempre me perseguiu, uma cruz e visível por cima do edifício de portugal me diz o pau, o pico, do primeiro do ca fe da siza

na est ru tura q ue se q ue br a , a q u f ica em ba ix o, reme te para do circulo pav , vaso da ilha da é x pod o siza, s iza q cu j os es q u iss os, ap ar e ce mena seq un cia do v id deo r el ata ivo a chave da queda das atoores, a qui ip pub li cado e d eta la ho, o u seja g rupo dos arqu it tec to s do porto, é da puta mor do passe na expo em noventa e oito, do a d n mu it o antigo, o vaso seja do g rupo, o do norte, q ue se mp reme perse gui, uma c ru x e v isi v e por c ima do e di cic co ode sic portugal me di zo do pau, do circulo do pico, do prime do io doca cafe da serpente iza

adn , ad dn, da taça, do cálice, das mulheres e deusas, a quem a rosa serve, primeira do E invertido, primeiro do ângulo superior esquerda do nn dos dois arpoes do primeiro de stand 88, onze , sendo o primeiro o mais elevado da esquerda, o do grupo 66, ro ad to hell, sett, o primeiro do grupo 66, a semente o delta , o nze do ste , o duplo deus, o da coluna esquerda elevada real, trinta e um da armada,

adn mar cado dor r es, ad dn, da taça, do cali ice, das mul her es se de usa sa q u ema primeira rosa serve, prime ira do E in ve rt tifo, prime iro do angulo sp ue rasto ps iro esquerda do nn dos do is arpo es do prime iro de stand 88, onze , s en do o prime iro o mais,fr, el eva ad o da esu e rda, o do g rupo 66, ro ad to hell, set tt, o prime iro do g rupo 66, a se maior n teo delta , on ze do ste , o duplo deus, o da coluna es q u er a el eva a sd primeira da rea da al, da cruz do trinta e um da armada,

.-.--.-. dez quadrado de oitenta e um seth,
-.-
.-.-.-..88
.-...
.-..--. triangulo del delta deitado,

….. primeiro 661
-.-.
rato esso primeiras siza, pr i miro café da cruz no pavilhao de portugal

este pavilhão , o do portugal na expo, ressoa, também em miami, por uma relação na photo do tempo do andrew, ou seja também o do katrina, com relação a miami, costa americana,

phoenix do canhoto da minhota da palhota, assim declina o meu corrector

p ho eni x do can h oto da min h ota da pal h ota, as si m dec l ina om eu do corrector

este pav ilha o , o do portu gal na expo, r esso ata tam am tambem em mia mi, por uma dao tribunal da relaçao na ph oto do t e mp pod o andrew, o use seja t am tambem o do kat rina, com da relaçao da primeira am mia ami da costa am mer cia ana,

as vinte canetas do mo net blanc


as do vinte , das can etas do mo da net do blanc

na verdade me recordo da ultima vez que a vi, andava com um rapaz que falava muito e muito a beijava e quando estava para tomar o avião, reparava que a amava e não o tomava, tomava-a si para melhor voar certamente, e chovia muito, muito, e visitavam assim um belo casal que vivia num barco tipo arca de noe, no fundo de um grande buraco

na verdade m r reco corda do dó dao au l t ima ave zorro q ue a vi, anda vaso com um ra ap zorro do que fala ava vam am mu it oe mu it o abe ei java,é qua ando est av apa ar tomar do circulo do avaio, r epa ra vaso q ue da primeira ama ava e n x cão o tom ava, tom mna vaso da primeira do traço alo ingles da primeira asi sip ip para mel home ero vo ar ce rta em n te, e cho via mu it o, mu j it o, e v isi sita ava vam am as si maior de um b elo ca s al q w ue v iv ia num bar co t ipo arca cade noe, no fun do de um mg da ar da rn de burca cao b ur rac aco ac co

ontem o rapaz assinava o tratado da saúde para os pobres no pais dos ricos, com vinte canetas, eu nao vi, mas me perguntei se seriam mont blanc, estavam assim em madeiras como ondinhas do mar, ao lado um outro rapaz mais pequenino que ao que parece ficou sem a mãe porque não trazia ela acesso a saúde, well done, na plateia entre outros caroline, a bela, mas o ar não deixava de ser nesse grupo de alguma preocupação, ao que parece as vinte canetas seriam oferecidas, hoje olhando o wall strett na banca, um dos rapazes de barbas em pe por detrás de obama, que mostrava com a mão a asas brancas assim meio inclinada, estava com um ar muito forex, como se diz aqui, de fora , do real, como nas vezes acontece as moedas

on te emo mp do ra p az as sin ava o t ratado da saude, para os p ob br es no pais, tvi, dos ric os, com do vinte can tea serpente do eu nº cao ov do vi, ma s me per g un net ise se ri a m mont do blanc, est ava vam am as si maior em mad der as c omo ondinhas do m ar, aol ado um outro ra cao p zoro do fo do mais pequenino, q ue cao q ue pa rece fi co use ema primeira mae por q ue n cão t ra z ia dela ac esso a saude, we ll d one, na pal da teia en t re de outros carol ine, a bela, maso ar nº cao de ix ava de ser ness e g rupo de al gum a pro eu cp da ac sao es, x cao quadrado da ue epa da pad ad da primeira da rec , é às do vinte teca cc da can da cruz espanhola da se da ria da am do circulo do ferro rede das cidas, homem oje do circulo da dol do primeiro do homem ando do circulo do wall , s t re t t n a banca, um dos ra p az es de ba rb bd as em pep por det ra s de ob maque mo s t r ava com da primeira mao, a do às as si maior do mm me io inc l ina ada, es tva com um ar mu it o fo do for rex, c omo se di za primeira do qui, aqui id de for ad o real, c omo nas v e z es acontece as das moedas

depois de comprar um yugorte suíço assim com uma bela cor de leitinhos leitoso, meus olhos deram com poesias nas árvores do jardim, oh miss, os rapazes portugueses não são assim tão radicais, ou algo assim, e ainda de novo a coroa, que tanto se espelhou no céu outrora, ali estava associada a um marca quem diria de soutien, com quatro belas raparigas  e um belo lema, troca, troca, troca, ao que parece o dito cujo, por cinco cêntimos ou algo assim , a quem os irão dar, me pergunto, ou farão uma bela fogueira como ontem, no meio da praça publica, na verdade amada, os melhores, são quando ando com minha mão a volta dos teus


d ep o is dec circulo do om do mp pp da puta da  ar um delta do vaso do gato hugo  orte serpente vaso e co cortez as si mc om uma bela cor de lei tinho le it os om eu s olhos der am com poe es ia s bn as das arvores do jardim, o hm miss, os rapazes pro tug ue esses nao sao as si maior do tao ra di cais, o ual goa ss im, me a inda de en ovo primeira ac aco coroa, q ue t anto se es p el ho un o c eu o u t ro ra, ali est ava as soci ad am, a um marca q ue maior di iria ria de s o u tie en ns, com da quatro, tvi,  belas ra par rig gas, é um b elo l ema, t roca,  t roc a, t ro caa, o q ue pa e ceo do dito cu jo por  c inc o c en tim os o ual g o as sima q ue emo os irao da ar, me per gun to, o u f arao uma b dela fog ue ira c omo on te m, no me io da pr aça pub l cia, na ave verde ad e am ad a, os mel hor es, sao qa un dó ando com min homem da am mao av circo primeiro da cruz  adele es 


na verdade amada , esta matrix, me lembra assim uma outra de suaves e quentes e húmidos vortices



eu
e
tu
sempre
no
terceiro

que
habita
o
quarto

infinito


AMOR

apanhados pelos reflexos parte quarta

apanhados pelos reflexos parte quarta

ap anha os p elo s ref fro mula one lex xo s p arte q ua art rta


a matrix, a representação simbólica da matriz

pr ie emi mi ira mat r ix, a r ep pr es en taçao ci mb lo cica, sic primeira dama da matriz

0101010 no peru, zoom, mais aproximado a questão,

0101010 no do peru, zo do om, ph oto mais, fr, cao rato pro do x ima mad circulo da primeira q ue es tao,

e rato da efe do fel xo de sp, da arte do is


e reflexos parte dois


http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&client=firefox-a&rls=org.m
ozilla:pt-PT:official&q=0101010&start=0&sa=N

o101010 nte, california oak land


http://www.google.pt/imgres?imgurl=http://0101010.net/0101010_1
0.jpg&imgrefurl=http://0101010.net/&h=200&w=300&sz=40&tbnid=nZ0
01sAhsT7ZVM:&tbnh=77&tbnw=116&prev=/images%3Fq%3D0101010&hl=pt-
PT&usg=__zFr8P9stGs3WgyWq3afInDNHrh4=&ei=U6qpS57uNIvNjAe__Yz8BQ
&sa=X&oi=image_result&resnum=5&ct=image&ved=0CBwQ9QEwBA


o vortice digital da matrix

sat t usa +a ge d o traffic das estatisticas, aplicaçao blig,
on the go da jennefer efe ferro do fog, do tower lofts gel lin, do mail
sevice, 99, qaudrado abril, do martin da city do fat boy do jim do mike
black, 600 mile productions

o circulo do ovo rt do ice di git al dama da matrix

sat t us +a ge,. do t raf fic das es tati s ticas da ap lic caçao b li g,
on t he god da primeira jennifer do fog, do tower lofts gel lin, do mail
sevice, 99, quadrado abril mat do rin city do fat do boi do delta do boy jim do mike
b l ac k, do g rupo do circulo do 600 mi ile pro duc ti o ns
http://www.reddit.com/user/0101010/


red rede da it isa primeira da fonte pop u lar on line


http://www.halo3forum.com/pc-games/29

homem terceiro forte dos gladiadores do homem alo, gb matrix punch do cho g ra ap ph apostolo
serpente, gn mer regan

homem t rec e iro rof orte dos gal dia ad dor es homem alo, gb matrix punch do cho g ra ap ph ap ps ot y olo da serpente, gn mer regan

1066-world-warcraft-translating-gnomish-binary-0101010-a.html

http://answers.yahoo.com/question/index?qid=20081114210813AA4AB
pX

ki ll zorro one, do knigth john da ema bnu da elle, a da just ,
a do blog da agencia da just

capacitors and icº s firts language porgramation
machine cod

capa ac c it otr s and ic º s fi rt s lan guage por g rama ti on
ma ac hi ine cod

ou seja fenómenos magnéticos, tesla, fundamentos

o use vaso do seja fenómenos magnéticos, te s la, fun dam en t os

vide tudo o que escrevi sobre a impossibilidade da inexistência
de um constante terceiro na defeniçao  de dois termos,

vide , castelo, tudo o q ue es c r e vi s ob rea primeira i mp os sib li dade da ine x is ten cia
de um co ns t ante terceiro na d efe nic sao es dedo is te rato amo s,

e de como a energia nao passa de zero, convencionado como estado sem carga , a um, convencionado como carregado

e de c omo a a en r gi ana nau do pa s sado de z ero, c on v en cio n ado c omo
es tadeo, 24 h, se maior da carga, é a um, c on v en cio n ado c omo do carregado

pois a energia que e massa, é inseparável, só os olhos, ou os
microscópios ou o que for , os separam perante nosso ver, vide
princípios da quântica

p o isa primeira da energia q ue é massa, italia, é in s epa ravel, s ó os ol h os, o u os
mic rosc co pi os o u o q ue da for , os sea ap pr ram am pe ran te no osso ver, vide
pric cn ip e is qua ant ica

http://www.sciencedirect.com/science?_ob=ArticleURL&_udi=B6TVC-
43T26T8-3&_user=10&_coverDate=07%2F09%2F2001&_rdoc=1&_fmt=high&
_orig=search&_sort=d&_docanchor=&view=c&_acct=C000050221&_versi
on=1&_urlVersion=0&_userid=10&md5=5a6932870f703fba6ff0833143b5d
e82

Reflection symmetry breaking scenarios with minimal gauge form
coupling in brane world cosmology
Purchase the full-text article


References and further reading may be available for this
article. To view references and further reading you must
purchase this article.

Brandon CarterE-mail The Corresponding Author, a and
Jean-Philippe Uzanb

a DARC, CNRS–UMR 8629, Observatoire de Paris, F-92195 Meudon,
France

b Laboratoire de Physique Théorique, CNRS–UMR 8627, Bât. 210,
Université Paris XI, F-91405 Orsay Cedex, France
Received 16 January 2001;
accepted 4 April 2001.
Available online 21 August 2001.

Abstract

This article synthesises and extends recent work on the
cosmological consequences of dropping the usual Z2 reflection
symmetry postulate in brane world scenarios. It is observed
that for a cosmological model of homogeneous isotropic type,
the relevant generalised Birkhoff theorem establishing
staticity of the external vacuum in the maximally symmetric
“bulk” outside a freely moving world brane will remain valid
for the case of motion that is forced by minimal (generalised
Wess–Zumino type) coupling to an external antisymmetric gauge
field provided its kinetic action contribution has the usual
homogeneous quadratic form. This means that the geometry on
each side of the brane worldsheet will still be of the
generalised Schwarzschild anti-de-Sitter type. The usual first
integrated Friedmann equation for the Hubble expansion rate can
thereby be straightforwardly generalised by inclusion of new
terms involving 2 extra parameters, respectively, measuring the
strength of the gauge coupling and the degree of deviation from
reflection symmetry. Some conceivable phenomenological
implications are briefly outlined, and corresponding
limitations are derived for possible values of relevant
parameters.

Ref fl e c ti on s y m met r y br rea e ak king ing sc ena rio s w it h mini ima al gauge for m
co up l ing in br ane world cos mol o g y P ur chase t he fu ll-tex t art i cle Ref efe e ren c es sand f ur rt her rea ad ding may be ava ila ab ble for t hi is art tic le. To v ie w refer ren c es and f ur t her rea ad ding y o u must p ur chase t hi s art ti cle, Brand on Carter E-mail T he Cor r es pond ding ing Au thor, a and Jean-Phi l ip pp pe Uza nba D AR C, CNR S–U MR 86 29, Ob serva to ire rede Paris, F-92 1 95 Me u don, France, b Labo rato ire de Phy sique Thé o rique, CN RS–U MR 86 27, Bât. 21 0 Univer si té Paris XI, F-91 4 0 5 Orsay Ced dex, Fr anc e Rec e iv ed 16 Jan u ary do 2001; ac ce ep pt ted 4 April 2001, Ava ila ab ble on line 21 August 2001 Ab s t rac t T hi s art i cle syn t h es sis es and e x t en ds rec en t w o r kapa on t he cos mol o gi ca l co nse q ue en c es o f d rop pp ping t he usu al Z 2 ref fl e c ti on sy m met r y p os t u la te in br ane world s cena rio s. It is ob ser v ed t hat for a cos mol o gi cal model o f h omo g ene o us iso tr o pic t y pe, t he r ele eva van t g ene rali ise sed Bi r k h o ff the o rem e stab lish ing stat r ti city o ft, he e x te rn al v ac uu um in t he maxima ma ll y sy m met ric “bulk” o u t s ide dea fr eel y mo v ing world br ane will r ema in v al id for t he c ase o f mo ti on t hat is for ced b y mini ima al (g ene ra l ise sed dd
W ess–Z um mino t y pe) co up l ing to an e x te rn al an ti sy m met ric gauge fi e l d pro v id fed it s kine tic ac ti on c on t rib u ti on h as t he usu al h omo gene o us quadra tic form. T hi s me a ns t hat t he geo me t r y on e ac h s id deo ft, he br ane worl ds heat e t will still be o ft he g ene ra li ise sed Schwar z s child an ti-de-S it te rt y ipe. T he usu al fi r st in te g ra ted Friedmann, e qua ti on for t he H ub ble e x pan sion rate can t he r e b y be st rai g h t for war d l y g ene ra li sed b y inc lu sion o f ne w te r ms sin volv ing 2 e x t ra para meter s, r es pe c t iv el y , me as u ring t he
s t ren gt ho ft he gauge co up l ing and dt he de g ree o f devi a ti on f rom ref fl le c ti on sy m met r y. S ome c on ce iva ab ble p h en ome no logic al i mp lic a ti ons a re br i e f l y o u t l ine ned dd, and cc dc o rr es pond ing li mit a ti o ns a re deri v ed for p os sible v al ue s o f r ele eva van t
para meter s.

http://arxiv.org/abs/hep-th/0101010

como rails, comboios,cc ++ python de java, o do crime do ruby,
cruz do blofg, g it hub, lindekin, wor king rails, ren, a puta
da puta do ren, tambem a que tampou o blog

c omo rails, com boi iso cc ++ do python de java, o do crime do ruby,
cruz do b lo fg, gato it do hub, l inde kin, wor king rails, ren, a puta
da puta do ren, t am tambem ema primeira q ue tam p o u o b lo g
http://tcamilo.wordpress.com/

 h tt tp://t ca milo.word dp press , pr ess com bar do

mail net, servers sib bg sn bg ap ur a de sin gap ur a , vodafone, a avia o ca aido, mail net,
o da app star st ra da vodafone, da anal izza tore, chicago
de dic ca ted, 24 /7, any b la ac ck li st s

cisco c on fug ur ration, w ire l ess ac c ess p o int sw wi rr r el ess
ro u t r es, internet c onne nec ti on, dsl and c ab ble mode en ns

gamners with jobs, delta horus illuminat master do ero da w ra da war
craft net do 2010, rtp, do rich rambo, da cirana mage a te s ia do druida da cirana do shaman maior mo rpg j un tic on , juntion, o do impluse do raio

dos jogos de estrategia, e ts rate gi ad o wor l of war rc raf ft ts, rem en be rt he matrix do punch do cho grafico in all there sates, do data rescue do do tinker tank do iron forge

kiss me i m gn nim mich

natalie porta mn das rocks, a natalia do homem do porto das pedras do vv da vingança

http://en.wikipedia.org/wiki/Natalie_Portman

a eve da rosa das tres sementes, vermelhas e negras que sao bem mais do que tres, cinco, a linha do reflexo, na imagem montada da capa do publico aqui ontem publicada, e os tres mesmos reflexos na quebra das torres, e ainda na barata, na capa do livro infantil tambem aqui publicada

a eve da rosa, a das tres se maior net es, vermelhas e en g ra s q ue sao b em ma s id doque q ue das tres, a lina hd do circulodo ref fl e xo, na ima mage ge maior da montada, a da capa, do pub l cia a qui ponte maior pub lic cd a, é a os tres mesmos, dos r efe fel l xo x nas q u b r a das t oo r es, e a in d f ana barata, na c ap pado l iv ro in fan til tam eb maqui pub lic ada

natalie, como es bela senhora, qures casar comigo

a ana da nata da al da lie ie, c omo es bela s en hor a, q ur es ca s arco mig circulo

um degree em psicologia, quem diria , menina amada

um com degree em psi sic sico olo gi a, q ue maior da di da iria ria , menina amada
o leao da guerra das estrelas do pad me das amidala de dc

a laura do bell da boundy, dos cafes, where the hearty his, z zo
zoo land der checok chek ho vaso serpente

mr mago do rio um do wonder emporium

pr dide and p re judice z om bi es

All o fm y shoes es a re fr om Target and S tel la Mc C art ne y,"

s ong and dance troupe k no w n as World Pat rol K i d s
da
FINCA do george stephn ano poulos

"I al s o l ike Ob ama. I eve en l ike Mc Cain.

curioso, tambem eu assim o formulei, deviamos mesmo casar,
nao achas

c ur rato iso, t am tambem eu as simo imo for mule eri, devi a sm os me sm o ca s ar,
nº cao das achasac cha serpente

do issue vogue, lukas da moby da carmensita


0101010-D O-T HE-MATRIX-0101010 do 40 do ft do Giant Swing, 1 e do
segundo

de rosa em rosa, me lembrei de outra rosa, que é sempre a mesma rosa, a bela silvia, no unico encontro na rua da trombeta, provavelmente entao dos falos dos rinocerontes dos elefantes do abilio dos meninos da pt, que veio em vestido leve de verao, me mostrando e falando dos tres nós, das tres promessas do convento onde felizmente não entrou, mas que trasnportava ainda em seu cinto como recordaçao, que bela sois

de ero sa e mr ro da rosa, sd as sam am me lem vaso beri beri, br id deo de outra rosa, q ue é se mp rea primeira da mesma rosa, a b el a silvia, no do uni nico do encontro na rua da t r om beta, pro ova ave lem n te en tao dos f alo sd os rei ino c ero n t es do ps ele f an te sd o ab ilo do abilio, o dos meninos da pt, q ue da eve do veio em v es t id o l eve de vero am me mos t ra ando e fala lan ando do st r atos es nós, das tres pro rome ss as do c on vento onda f el liz , a que mente, n cão en t ro vaso, masque da ue t ra sn po da onda rta ava a inda em s eu c int o c omo rec reco o rda ac sao es, q ue bela da sosi

e os tres laços , expresso enigmatica, da teresa depois da separaçao como frase chave que assim desvelava a sua ligaçao do arte rato do isco, à puta falsa psi do gn ssi med , ana paula, eu alucinando, que historia e esta de trazeres tres laços, certamente que da ordem em questao, nao seriam, pois as qualidades da puta sao bem outras

e os dos tres laços, express o eni gm a tica, da teresa, sam d ep o is da s epa par da raçao c omo fr ase chave, q ue as si maior d es vela ava lava a s ua liga sao es do arte, do rato do isco à puta falsa psi do gn ssi med , ana paula, eu al u cina ando, q ue hi s tor ia ee sta de t r az ze ratos es tres laços, ce rta em n teque, madeira, da ordem em questao, n º cao serpente da ria am, p o isas quali id ad es da puta sao b em emo de outras

apanhados pelos reflexos, parte tres





apanhados pelos reflexos, parte tres

ap anha ad os p elo s ref fl lex xo os, p arte t rat is es se

cuirosamente o post anterior, que referencia atocha é o post 111, a tripla unidade do ato de atocha, ou seja os refelexos parte dois, é o grupo da tripla unidade

cu cuir iro rosa sam am que mente, do circulo do ps ot ante rato rai art doiro rio, q ue refer ren cia a ticha a p s oto lo + é o ps ot do 111, gale ria e livraria por baixo da esquina do pedofilo mor soares, ladrao de meu filho e de muitos outros, a t rata rip ip la uni dade do ato de atocha, o u sj é primeira os ref efe fel e xo p arte do is, é o g rupo pdd t rip ip la uni dade

o delta da rosa pb br ab ca, assim derivou na escrita, o nome rosa do delta da branca, ou seja ainda da br anca, que é o nome com que agora crisemi a foto primeira na ordem deste post

circulo do delta da rosa pb br ab ca, as si maior der ivo un a es circulo da rita, on om me rosa sado delta da branca, o vaso do seja a inda da br anca, quadrdo da ue é o no me c om q ue do agora c r ise s emi a f oto prime ira na ordem do quadrado de este post tmn

esta foto como aqui escrevi em dia recente é curiosa pois a posiçao dos tres reflexos,um deles é uma rosa branca no peito, ou no seio, e é uma rosa que remete em mim para um genero especifico, uma rosa nuclear, que pode trazer tambem o sentido restricto de cancro de peito

é sta desta foto, oto toc omo a qui es c rato e vicente em dia rec en te é cu rio sa p o isa posi sic sao es dos t r es r efe fel xo s, um del es é uma rosa br anca no pe it o, o un no se io, e é uma rosa q ue reme te em mim para um g ene ero es pe cif fi co, uma rosa nuc lea da ar, q ue da pode t ra serpente ze rato rta tam am tambem do circulo do s en t id da dor es da cruz do ricto, é coa anc rode pe it o

cancro do peito e do seio é uma imagem simbolica muito lata, que exprime o eco nos peitos pequenos ou maiores, do cancro da vida em seu todo no tempo actual, uma imagem de que voz falei a todos em Palavra Orada, sobre o veneno que hoje se sabe trazerem as maes em seus seios e a quebra assim do ciclo natural da alimentaçao de todos os filhos

can c ro do p e it o é do se io, é uma ima ge maior ms si mb o lic am mu it o lata, q ue e x prime do circulo e co nós das peitos pequenos ou maio rato es, do c anc roda david a em s eu todo, no te mp o ac tua al, uma iam mg ge maior deque, madeira, voz, fal lei ei primeira de todos em Pala av ra O rata ad a, s ob reo ove do veneno q ue h oje se sabe t ra ze rem as maes em se us, se iso é primeira quebra as si maior do cic lo nat ur lada ural, al e men do taçao de todos os fil homem do os, da morte de todos os filhos

a sequencia desse dia na montra me diz, romanov, joias bulgari, house hadit da mancha na rosa, da festa dos macacos que bebem vinho e que mordem o fruto, como a foto do blog da rosa leonor, que esta no principio desta sequencia da visao da rosa quebrada e da queda das torres,

a se primeira sec quadrado da un cia de esse diana montra me di zorro, roma ano do ov, jo ia s bul g ari da house do hadit da dama dam da mancha, na aro rosa, da festa dos m aca o c q ue b em vin h oe q ue mp rid ds sam amo do circulo do fruto, fr vaso to, c omo primeira f oto do ob lo gata da rosa leo nao rato, q ue é sta no p rin cip io de sta sec u en cia, a da visao da rosa quebrada e da queda das torres,

feito com o vinho do bebe, ou seja bebendo o sangue do feto morto

pela noite fazendo zoom a alguns aspectos que vem neste linha das tres sementes da queda das torres, e das vesperas do tremor de terra no chile, de novo busquei a sequencia digital da matrix e acabei dando com a outra bela rosa, parecida com a do desenho, uma como imagem da outra, como um espelho, como um reflexo, onde a rosa, se torna vermelha, se desloca para o centro do peito, para o local simbolico do coraçao, da rosa e das maças cortadas, onde entao o reflexo nuclear adquire outros sentidos, inclusive o da morte

p el ela lan ano da noite, 2005, fazendo, zo do om a al gun s as pe ct os q ue eve maior do neste da al da linha da st ratas es em en tg es da q ue dd as torres, é da s v es peras do t rato mor do tremor dade terra no do chi da ile, de en ovo bu s q ue ia seq u en cia di git al da mat r ix e aca b ei id do dando com da primeira da outra bela rosa, par e cia com ad circulo do d es en ho, uma c omo ima mage ge maior da outra, c omo um ep ps se el ho, c omo um ref for mula one lex xo, onda dea primeira da rosa, se tor na ave vermelha, se d es loca para do circulo do centro, c ds, do p e it o, para o l ocal si mb o lic codo co arçao es, da rosa e das maças cortadas, onda en tao ref fro mula one lex xo nuc lea ar ad q u ire reo de outros s en t id os, inc l us ive o da dama do dam da morte, orte o demo da morte

quando olhei a rosa vermelha, nela comecei por ver tres sementes, as do centro, nas cores vermelhas e negras e depois reparei que dessa tres mais algumas ali habitam como se espalhando pelas petalas da rosa, ou seja a doença da rosa, concreta e simbolica, como a rosa mistica, do misterio e da flor e do florir da propria vida em seu todo, a questao em cima da mesma desde o milenio

qua ando o l he ia rosa ave vermelha, nel ac com ne ce ip do por, ver t r es semen t es sado do centro,cds, nas cor es verme l h as e en negras e ep o is r epa rei q ue de ss ass t r es massi, it, al gum a mali h ab bit tam am c omo se es p la h ando p el as pet ala s da rosa, o u seja ad o ença es da rosa, c on c reto e si mb o lic o, c omo da primeira rosa mistica, do mi s ter io, é da flor e do flo rato e rda pro rop p ria v id a em s ue todo, a q ue es tao em c ima da m es ma de sd deo do circulo do bnco milenio, mi leni en eni io circulo

continua



apanhados pelos reflexos, parte dois

apanhados pelos reflexos, parte dois




assim ouvira pelo espírito antes da reflexo um, e me lembrei de um outro reflexo equivalente na disposição, como delta deitado, como não só a imagem aqui que se expressara no monitor bem como a que depois os rapazes mostraram na capa do publico e depois de muito navegar, ontem pela vela, dei com uma bela rosa , a quem pedi casamento

as si maior mo o uv vaso da ira p elo es pi rt o ant es da ref for mula one lex xo um, e me lem br ei de um outro r efe fel lex xo e qui iva al lente na di sp posi sic sao, a espanhoa, c omo delta deitado, c omo n cão s ó a ima mage ge maqui q ue se express sara no mini it do tor r b em c omo da primeira do q ue d ep ois os ra p az es mona t ram na capa do pub lic oe ep o is de mu it o navega rat, on te maior p el primeira da ave da vela, ded ei com uma bela rosa , a q ue maior pede di ca sm manto ant circulo da casa do manto fla xos

o curioso é que as rosas, se aproximaram, exactamente pelos reflexos, em sentido lato da palavra, por isso natalie, muito comigo se deveria no eterno sempre casar

o cu ur do rio sé q ue às das rosas, se ap pro ox ima ram, é x cat am , a que mente, p elo s ref for mula ono lex xo os, em s en t id o l ato da ap ala vaso ra, por isso nata al da lie ie no natal, mu it o co mig o se d eve ria no e terno se mp rec asa rato ps

a terceira imagem, ou reflexo, trazia reflexos de luzes mais ou menos semelhantes a algumas das que aqui em casa existem, as redondas no tecto falso, onde por cima moram os dossiers de mais ou menos dez anos de contabilidade da latina europa, e cujas linhas parecem as de um navio, que espero em seus abraços, nunca se afunde

primeira da terceira, azor rato do es rai ima mage ge emo ova dp vaso dor e fl e xo, t ra zorro do ia r efe fel l xo s de luzes mais, es fr, o um en os seme l h ant es sa al gum as da serpentes do que da a qui em casa, e xis te maior, às red das ondas no do tec to f also, onda por rc ima em cima, mora ram os d os si e r serpente de mais, o u men sode dd dez ano serpenet da contabilidade da latina europa, é cu da js das linha s pa par rece emas de um navio, q ue es pero em se us ab br aços es, nu n c ase sea primeira fun de, da funda

este reflexo do meio, por assim dizer, é de uma foto publicada , das ultima tiradas na montra da barata de campo de ourique, o que deve ser também entendida em expresso literal, na medida em que em em dois mil e seis, ou por ai, tive aqui uma infestação provocada por graciosa mão, certamente

este reflexo, rato e rf fel lex xo, do me do io, por as si maior di ze ré acento na rede, uma f ot pub l ciada , das sul t ima st rtas das iras nna montra da barata de campo de ourique, o q ue d eve ser tam am tambem en t en dida em expresso lite ra al, na med ad ia em q ue em e maior de dois mil e s ie s o up por rai ai, t iv e a qui uma if est taçao por vao c ad a por rc c rac io sa dam sam da mao, ce rate mn teresa

curioso, foi agora comprar cigarretes e vi na capa a dita canavilha, que me ecoa assim misto de anéis em amarras em cais de belen, numa foto quase artística de luz e sombra a falar de restrições à cultura, teoria do pouco mas bons com relação a economia, versão pobrezinho de horizontes curtos de ilhas e dei por mim de novo a escrever acima graciosa, depois de neste pedacinho já as ilhas se terem muito aparecido

cu ur rio osso, fo do io do agora co mp rato ps ara cigar r e te se vina vaso inam, capa da primeira dita c ana vaso vicente da ilha,es ws coa, q ue me es coa as si maior do mi st o de ane is em am mar ra se em cais, joker, de bel len en ns, numa f oto q ua ase art is tica dele del da uz ,ze é s om br rea f al da ar der e t ric ço es primeira cu l ur a, te iro ad o po u co oma sb on ns com r laco es coa primeira e cono mia, ver sao p ob bre x in h o de horizonte serpente do pedro curto,s de ilhas e dei , ip da por mim de en ovo a es c rever ac ima graciosa, d ep o is de nest e peda cinho j á a s i ilhas sete rem mu it o a ap pre c id o

na verdade os olhos da gata, me remetem de alguma forma para esse mesma imagem que creio de memoria ser de uma capa de um livro da ducla soares

na ave verde rda dade os ol ho sd a gata, me reme te maior de al guam forma para esse da dam da mesma mai ima mage maior q ue c reio de meo ria ser uma capa de um do vaso ml do primeiro iv da roda duc la do soares, dc cu dela, a do soares

na verdade tive o prazer de namorar em breve uma bela rapariga das ilhas que em meu coraçao se chama olhos de gata

na ave rda ed dt cruz ive o pra e rato ps de namora rem br eve uma bela ra p a riga das si das ilhas q ue em me eva vaso cora raçao sec da chama dos olhos de g ata

na verdade, ainda em verdade, que é boa sempre a verdade e nunca redundante, como é bom beijar-te sem fim nem começo, a rapariga que faz os desenho daqueles livros, trara maos, olhos e alma de fada, pois sao de uma graciosidade poetica muito delicada, recordo-me da ultima vez que fiz um trabalho para os bandidos ladroes da rtp, um doc sobre o vinte e cinco de abril a preto e branco ou algo assim como o crismou a teresa paixao, de pela primeira vez ter reparado naqueles desenhos e ter assim por eles, quanto eles, e nao só eles, muito me apaixonado

na ave verd rda dade, a inda em ver dae, q ue é boa se mp rea ave verdade e n unc a red un dante, c omo é b om bei homem do j ar .te se maior do fi mne em com meco es, a rapariga q ue f az os d es en ho da q ue l es l iv ros, t r ara maso, olho se al alma de fada, p o is sao de uma g ra cio sida ad dade poe etica tica mu it o deli c ad a, rec o r do .med, a u l t ima ave z q ue fi z um t raba bal do alho para os dos bandidos l ad ro es da r tp, um doc s ob reo vinte, t r ipe, e cio n code abril, a preto, é br anco o ual goa ss em c omo o c r is mo ua te r es ap a ixa ode p elo prime ira ave zoor teresa r epa r ado na q u deles d es en ho de teresa as si m por deles, qa un to eles, e s ó el le es, mu it tap ap pai xo on ad o


na verdade ainda, nesse tempo, pelo teu amor comecei a reparar no voo dos pombas em outra forma, tambem recebi nesse tempo uma marca na testa fruto de um omen que me fizeram, lembro me de montar o doc com uma grande dor e cabeça a perguntar me se teria inclusivamente o nariz partito, me lembrei disto agora, pois a chave desse omem me fora dado em telheiras, imagem que agora qui recordei, dos jardins de agua suspensos, e ainda nessa altura, desvelei aqui a minha indentidade, pois uma conversa com uma outra raapriga das ilhas, a maura, me fizera aperceber de como muitos jovens andavam assutados, falara me ela da sua viagem no lusitanea expresso no dia em que arrebentou o outro comboio em madrid e me dera um primerio indicio, da existencia da preparaçao, pois o lusitanea, ficara estranhamente parado na fronteira, pela noite, e assim nao chegou a atocha nessa manha provavelmente na hora do bum

na ave verde ad e a inda, ness e te mp onda od circulo p elo te eu am mor com e ceia primeira r epa rato ps da ar no v oo do spa serpente saro do aro, em outra forma, t am tambem re cebi ness e te mp o uma mar rca ana testa fr u to de um omen q ue me fi zorro x era, lem br o rome demo do montar, cao do circulo do doc com uma g rata ane do rec ab da bessa, e per gun tar me se te ria inc l us iva vam am, a que mente do circulo do na rata ar e z p art tito, me lem br ei di s to agora, p o isa c h ave desse omem , me for ad do dado em tel he das iras, sima mage maior do quadrado do vaso e agora do qui rec o r dei, do s jardin, sd e agua s us pen s os, e a inda ness a al tura, d es vele ia qui da primeira da m in h a in det id ade, p o is um c on ver s ac om de uma outra raapriga das ilhas, a maura, me f z ie r a per cebe rato de com mu it os job onda vens, ana d ava vam am assu t ad os, fala ra do ponto da me dela, da s ua via ge maior do no lusitanea, e x press on o dia em maior do q ue ar r e b en to u o do outro com boi em mad ri s, me der a um prime rio in di cio, da é xis t en cia da pre epa da raçao, p o iso lu s it ane nea, fi cara es t ran ham am que mentem ap pardo na fr on te ira, p ela lam ano da noite, é as si maior noa che g o ua primeira atocha ness primeira da manha por v ave lem net na hor ad do circulo do bum

continua...

reflexos, torres , segunda parte

reflexos, torres , segunda parte

r efe fel lex xo serpente das torres, a segunda parte da ap da arte, seg vaso dna, dn primeria do suplemento

ora vendo bem à lupa a capa do publico aqui publicada, a foto parece montada, ou seja os dois rapazes que caminham na passadeira vermelha, tem em seu contour, uns pixes distintas dos restantes elementos vistos em idêntica proporção, o que levaria a primeira questão, o que mais então ver a lupa, certamente que uma outra imagem a do wire frame quebrado das torres que aqui se manifestou, o que será feito em nupcia seguidas, bem , na verdade, núpcias, muitas fazia eu contigo ao vivo, minha amada, ontem o cio me dizia, que carpias o orgulho do amor, certamente pela imaginação ferido, sabes, trago eu excelente remédio, um elixir de beijinhos, portanto em vez de sofrer ama-me

ora v en do ob ema pr ie can tora mira da lupa da primeira da capa do pub lic coa , primeira do qui aqui, p ru rub l ciada, a f ot pa rece mon rt td da primeira, o vaso do seja os dois rapazes q ue ca min ham am na passadeira vermelha, te maior em s eu c on to ur, uns p ix es di s tintas dos r es t ant es elementos, vi st os em id en tica por rp do procao da sao espanhola, o que l eva ria da primeria q u es tao, o q ue mais, fr, en tao ove vera primeira al lupa, ce rta em n teque, madeira de uma outra imagem, ado do w ire fr am mec ue bar ado das torrres, q ue a qui se am nif est o u, o q ue se ra ,feito, em nu p cia se gui db em mna verd ad e, nu cop cia s, mu it as f az ia eu e c on tig o cao v ivo, min home da primeira amada, on te emo circulo do cio me di zorro ia, q ue c arp pi ia sor gul ho do amo rato, ce rate maior net p el a ima gina ac sao es fe rido, s ab es, t rago eu, é x cele do lente do remedio, y dreams, um é xi lira de bei jinho, po ar tat tnt o em vaso e zorro de s o fr era am ma do traço da in hp pm mem primeiro da es da sam me

depois trago ainda uma pomada assim tipo magica, que se muito te aplicar te faz sempre ouvir passarinhos que cantam, eu sou muito bela,

d ep o is t rago a inda uma po mad a as si maior t ipo magica, q ue se mu it te ap lic da ar te f az se mp re o uvi rato p as sarin h os q ue coa anta tam am eu s o um mu it ob dela,

como vez , só trazes razoes se bem pensares para comigo sempre muito te casares

c omo ave zorro , s ó t r az es ra zo es se b em p es n ares para co mig o sempre da mu it o te ca s ares es

ora continuarei se penso e bem,

sov, socrates, jump page e lactancias

Quebras e linha, saltos do page e lactancias, belos termos sobretudo a segundo que me lembra sempre teus leitinhos

Quadrado da ue da br primeira ase l ina he primeiro cat anc ia sb segundo elo serpente da teresa mo ss do sobretudo da primeira do segundo quadrado da ue da me do lem do br primeira ase da se mp da re teresa us da elite dos tinhos

na verdade depois de resolver em parte os layout do blog, e das quebras de pagina, aqui ditos jump page, win ver me dizer que a vingança fora , ox da psp do traço do segundo de sp br, pressuponho, relacionado então com o tal da mão da faculdade do outro lado do rio, visto ter sido o ultimo a entrar em texto, pelos visto relacionado com o correio da manha, também, como agora se desvelou, o gato do dr do sessenta e nove em noventa e um, duzentos e oito do ponto maçónico do maestro, ser vaso ice da p do ac kapa segundo, a segunda puta da kapa

na ave verde dade d ep o is der es sol ver em p arte os layout do blliog, e das qubras de pagina, aqui dotos jump page, win ver me di zorro do ze q ue da primeira da vin gan ab ça es for a x psp do t rato do ato do aço do segundo de sp br, pr ess u p om n ho, r el aico cona ad o en tao cm do circulo do tal da mao da f ac cu l dade do outro lado do rio, vi serpente to teresa s id oo u l t imo a ane net rata da ar em tex to, p el s ov is to r el ac cio n ado com o correio da manha, t am tambem, c omo agora se d es sc velo vaso do circulo do gato do dr do sessenta e nove em noventa e um, d uz n to ze o it o do ponto maconico do maestro, ser vaso ice p ac kapa segundo, a segunda puta da kapa

um primeiro sincronismo quando andava ontem mexendo no layout

um prime rio sin c ron is mo q ua ando da anda ava ontem, mex en dd on circulo do layout, ah com que entao putas que se dizem militares

mudei as cores como poderão ver da barra de cima, e pelo noticiário da noite, a puta bandido mor do Sócrates, aparentemente em Marrocos, falava num púlpito cuja parede da escadaria, mostrava as duas mesmas cores como dispostas em per centil inclinado, o contexto, era o rapazinho a dizer que para Portugal a prioridade era agora as novas energias, sendo sobretudo ele muito apto para elas, como todos sabem a vender painéis solares obsoletos, certamente com comissões para o tio da dentadura do céu lá para as bandas do freeport

mud ei as das cores, circulo omo pop der cao ove rda sd da primeira da barra de cima, é p elo not ti cairo da do ano da noite, primeira puta bandido mor do socretes, ap ar cen te mn te em mar roco s , f ala ava nu maior pulpito, polvo, cu j a cao pr rede da e esca da ria, mo s t rava ava às das duas, me sm as cor es c omo di sp serpente das postas em per c en til inp do cano do pelicano cado nado, o c on tex to, é ra circulo do ra p az in ho primeira di ze rac q ue para de portugal, a pr ie o rio porto dade era do agora ás das novas energias, e bn e ra t p gato do ia serpente, s en do sov br e tudo dele, mu it o ap pt o para delas, c omo todos s ab ema ve bn do der dos paineis solares ob sol e to s, ce rate mn te com co miss o es para do circulo do tio , o da dentadura, doc eu la para as bandom dom om às do fr e ep port circulo reell time