quarta-feira, abril 07, 2010

pois nao tenho aqui a foto da nua heidi da rua

p o is n cao ten ho a qui a f oto da ano nu ua heidi da rua


assim fui procurar uma heidi, me saiu esta, a montag, a am amon tag
e uma relação com croacia

as si maior do fu oi por rc cura rata, uma heidi, mesa iu e sta, a montag, a am amon tag
éuma da relaçao com c ro ac cia



muito docinha como se pode calcular, assim é tua alma e tua pele a meus labios

contudo
para
a
outra
cinderela
visitares

na
nata l ia
tens
que
clickar

natalia, a ana da nata do natal, do primeiro do ia

mu it o do cinha c omo se da pode c al cu l ar , c on tudo do para da primeira da outra
cin der dela, v isi sita ares es na nata, t en s q ue c lic ck ar




me apareceu antes do rc, numa cassete que estava ao lado da do water time

me ap par rece eu ant es do rc, uma c ass sete q ue est ava aol ad, circulo do ad , o do water time


ah
princesa
de
kent

por gentileza
me
diga
um
coisa
se
a
souber


ou
deverei
perguntar

the serpent and the moon , two rivals for the love of a renaissance king

kina , kapa ina homem

primeira do homem da princesa, de, kent, a identidade secreta do super homem, por g en ti k le za me dig a um, co isa se a s o uber, o u d eve rei di ze rt he serpente and dt cross, he moon , two riva l s for t he l ove o f a rena iss ance da kin





na esquina entre o velho e novo, primeiro me apareceu na janela o gato, como que fazia festas no cabelo, e depois lambia as patas


na esu quadrado do vaso do ina en t reo ove do velho e en ovo, prime iro rome ap ar receu na jane la circulo dog do ato, c omo q ue f az ia f est as no cab elo, e d ep o is lam bia às das patas



depois o cao, ou cadela, um dos que eu chamo de duska

d ep o iso circulo 101 do cao, o vaso da cadela, um dos q ue e vaso do chamo am mode dedo do quadrado da uz ka


o olho, está aqui de novo, pois são dois como geralmente, e o curioso, foi ao dar a volta e entrar no jardim, e ver um rapaz de cabelo rapado , óculos escuros, que parecia o cantante pedro abrunhosa, e que parecia escrever o guião, de pernas cruzadas, no banco de pedra do jardim, e a sola, reproduzia com exactidão, não só o motivo como a cor

circulo do olho, é stá a qui id en ovo, p o is sao do is c omo ge rale lem n te, e o cu rio s o, fo ia do circulo do quadrado da ar, primeira av volta, é en t rato da ar no do jardim, e eve rum ra ap zorro de cab elo ra do pado , co u l os es curos, quadrado do vaso par rec e cia do circulo do cantante pedro abrunhosa, e q ue par e cia es c reve eve ero gui ia cao, de pernas c ru za d as, no do banco de pedra, o do jardim, é primeira sola, r ep pro do quadrado do zorro do ia com e x cat id dao, n cao s ó omo t ivo c omo primeira aco acor cor

depois se meteu num carro, passou por mim, levou a mão exactamente ao cinto de segurança que o cruzava deslizando como uma cobra que montava, a outra cobra, uma vermelha, que aparece simbolizada num dos meus últimos vídeos

d ep o is se met eu nu mai iro carro, rop p ass o vaso da por mim, l evo ua primeira mao, é x ac tae mn teao do cinto de se g ur rn aça q ue o c ru uza ava d es liza za ando c omo uma cobra rac do q ue que a montava, a outra cobra, uma ave vermelha, quadrado da ue ap par rece si mb o l iza za da n um dos me us sul tim imo s v id deo ss

na verdade nesta pichagem desta rua, está a heidi, ss, que de tranças declara que por muito que nos cruzem, assim é a formulação plural, que pretende como laçar quem passa num mesmo barco, podem muito nos traçar, que cá continuamos, mas heidi, me apareceu de seguida uma outra,

na ave verde dade ne sta pic h a g e m de sta da rua, é stá da primeira heidi do he id dd dig e rato heitor, , ss, q ue de t ra sn ç as es dec lara rac q ue por mu it toque ue nós c ru uze se massi mé a for mula ac sao da espanhola p l ural, q ue pr e ten dec omo l aç ar es , q ue maior da passa nu primeiro me sm o do barco, c á c on tin ua amo sm as he id di, me ap ar receu de se guida, uma outra,

aqui fica o link da analise da matrix, quarta parte, que é que se relaciona com esta sequência do ultimo rc , o da folha

este olho que fuma na parede, e que parece um pavão, e uma nota musical e um taco de golfe, me levou a ver

este olho, q ue fu mana ana da parede, é q ue pa rece um pavao, é uma not am tam da mu sic al e um t aco dd code golfe, me l evo ua ave rata


atrás do carro e da estrela invertida skoda, ad o ka, o segundo loco, da estrela inclinada, ou o segundo louco que inclinou a estrela, assim diz a comida e os plásticos mais finos que outros me fazem lembrar

rat ra serpente do carro, é a dd da estrela, bairro, do invertida skoda, ad o ka, o segundo loco da cod primeira estrela inclinada, o u o se gun do lou y coc q ue inc lino ua primeira estrela, as si mior di za comida, é os p l as tico s ma sif fi ino s q ue de outros da me f az ze ml em br ar





mota, mofa, falo, da cruz das fodas do ano dois mil, il aura quarente ans a l´anne deux mille

l emo da m am mota da ota m o fa, f alo, da ac ru zorro das fodas do ano dois mil, il au ra qua ren te ansa l´anne de ux mi da ille


uma aparente flor em cruz, e uma forquilha, certamente de um remo

uma a par da rente da en te flor em c ruze uze , uz ze de uma for quadrado do vaso da ilha do barco, por ject tor, cera rate mn te d e um mr rato emo



uma estranha peça tipo fibra que se confundia como um cameleão com as pedras da calcada, o curioso é que um cartão com filamentos de equivalente substância aqui estava a porta quando saíra de casa

uma est rata anha p eça t ip o fi braque se, c on fun dia c omo um cam el do leao com as das pedas da teresa calcada, c al c ad a, o cu ur do rato da iso, é q ue um car tao com fi da ila lam am men to serpente de qui iva do al lente s ub bta sn cia a qui est ava primeira da porta, cds, qa un do sado do onze da inclinação, inc lina ina ac sao, a espanhola





a coisa se desvelava pelas distintas posições da dança da folha, ou da folha que dançava, acrescentando assim aos ratos da tv, das bombas de noventa, o top da tap

a co isa se ed sd vela lava ava p el as di s tintas posi sic do sico oe es da dan ç ad a fo l h a, o vaso da fo l home da primeira que dançava, ac r es c en t ando as si mao a os ratos da tv, das b om, ba s de noventa, o top da tapa




e em frente a árvore da vida com um canto dobrado num instante se poisou

ue em fr en te a da arvore david, a ac om um do canto do brado nu maior da min ins t ante da se p o iso vaso
dos esgotos domésticos, certamente em sentido figurativo, como os próprios veios, cm, grupo dos quatrocentos

dos es sg g otos dom mes ticos, cera rate maior da net em s en t ido figo ur rat ivo, c omo os pro rop pi os dos veios e manivela cm, g rup, o dos qua t roc en toss



depois me indicou muito se embrulhando em si mesma, a caravela dos templário maçónicos, o chalé abandonado dos belos azulejos azuis e amarelos da estrela de David, e um outro pormenor que ali se encontra

d ep o is me indico vaso primeiro dam am mu it to ze em br vaso primeira dela, hd o em si me sm a, a cara da ave da vela dos te mp l ar iso maconicos, o cha ale le ab band dona do do sb dos elos az u le js ~,ps, circulo az u ise se dos am mar elos da est real de david, é um outro da rop por men circulo do rato tor q ue a li ise se en c on cruz ra


na verdade, aqui ficou o registo de uma onda, me pergunto qual

ana ver dade, a qui fi co u o regi s t ode uma onda, me per gun to q ua all




o ângulo de novo se formou em frente aos ratos da tv, assim reza a parede


deo do circulo do ângulo de en ovo se for mo vaso em fr ren en te a os ratos da tv, as si mr maior da reza da primeira da parede, lisboa, cascais






ao lado do portão da casa de Goa

o belo
símbolo
senhora

assim
sempre
te
desejo

repara
contudo
que

uma
cobra
amarela
desce
da
direita
de
cima

como
um
urubu

apanhando
a
árvore
da
vida
e
o
símbolo
do
casamento
sagrado

mais ou menos no eixo, a folha branca ali por um instante na sua dança se poisou ao lado do portao da casa de goa

o o pb elo si mb olo s en hora as si maior se mp re te de sej o, r epa ra c on tudo q ue
uma cobra am ar dela, de sc, é a da direita, dec ima c omo um do urubu, antonio cunha,
ap anha ando a da árvore david, a é o sí mb olo do lodo do ca sam en t tosa g r ad o ma sio u men os no ei xo, a fo l h a br anca al ip por um in s tam te na s ua dan circulo do espanhol primeira ase se p o iso vaso

esta
cobra
amarela
se
junta
com
uma
outra
vermelha

que
recentemente
apareceu

juntas
dizem
ml

e
ainda
uma
terceira

e sta da cobra am ar dela da se jun t a c om uma outra vermelha, q ue rec en te mente
a p a receu j un t as di ze maior do ml, é a inda uma da terceira




como aqui te contei, senhora, dos rc, na verdade um outro aqui se dera

iria jurar que deitastes as velas ao vento

sas

lhe podia chamar da dança da folha, que me mostrou um outro bico, como o que se desvela na foto de meus apontamentos, o triângulo que projecta a sombra sobre a teia que simboliza o metro em Moscovo

l he pod ia c ham am mar da dn aça da fi o l h a q ue me mo st ro u um outro bico, c omo o q ue se d esv ela na f oto de me us pao n tamen t os, o t rian gula q ue pro ject a as s om br a s ob rea da primeira te ia q ue si mb o l iza o metro rop em moscovo

nesta foto, a leve folha começara a descer a calçada do livramento

nest a f oto, a l eve fo l h a co meça es ra a d es cera da primeira da calçada, do l iv ram en to







aqui fica o link dessa coisa indiscritivel dos cromos da sic, assim se chamam ou chamavam