terça-feira, julho 06, 2010

nova acusaçao a socrates e seu bando de terroristas de estado

Prova

por pro da ova

hoje no telejornal se via a puta do ministro santos silva, a apresentar um livrinho de qualquer coisa sem a menor importância, lá estavam entre outros a puta pedófilo paulo pedroso, o terrorista de estado socrates, o bandido Sampaio, enfim a nata dos bandidos socialistas, no espaço como uma qualquer livraria, mostravam uma rapariga a olhar um livro na estante , era a rapariga de vermelho que um dia via spa, niza, me meteram no mesmo camarote num aniversario da sociedade de ladroes, a tal que depois um dia no jardim da estrela, me fez um passe com o cartão do meu telemóvel, e que terá portanto copiado os telefones e as mensagens, finalmente a chave das tais mensagens das tais escutas, produtos, como as putas que brincam a justiça neste pais e cobrem estes terroristas dizem, neste caso contra o socrates, como se ele fosse eu, esta é para rir se não fosse para chorar, metia a puta do socrates a mão no bolso, como se tivesse metido um dentro, pelas palavras do pedófilo paulo pedroso, algum da extrema esquerda

home do oje no do telejornal se da via da primeira puta do ministro santos silva, a pr es net da ar , um li vaso do rinho dec ual vaso quadrado é rato ps co isa s ema men o rato rim e mp orta tam am mc cia ia, l á est av maio en t re de outros da primeira puta do pedo da filo do paulo pedroso, circulo do terrorista de estado soc rat es, circulo do bandido sam do piao, en fi manta dos bandidos soci al ista serpente no es paço es c omo uma q u l q ue r l iv ra da ria de aveiro, mos t rata ava vam am uma rapariga a ol homem da ar um l iv ro na est ante , e ra primeira rapariga d eve rato ml do nata~l vermelho, q ue um do quadrado da di do ia da via spa, niza, me mete ram no me sm o cama rato o te nu maior ani ver sario da soci dade de l ad ro es, a t ak primeiro q ue d ep o is um dia do ano j ard dim da estrela, me fex zorro de um passe com do circulo do cara do rato do ato do me eu tele m ove el, e q ue teresa ra po ra tnt o cio pi ad o os telefones e ás mensagens, fina al mente, a c h ave das tais, br, men sage en ns das tais es cu t as, por du t os, c omo ás putas q ue br inc am a js u til sa espanhola nest ep pais, tvi, e cobre rem este terroristas, di ze maior, nest e caso contra do circulo do lobo do socrates, c omo se dele fosse europeu, e sta á é para rai rato ps se n cão da fosse do para x cho rato da ar, met ia da primeira puta do socrates, primeira mao no bolso, c omo s t ive esse me td id um dentro, p delas, pal av rato ps as do pedofilo paulo pedroso, al gum da e x delta cor dena ad as, rata ema da esquerda

refr en cia a ra p riga , ifp, e outras co sn tam, a qui no l iv ro da v i d a

prova de londres , agora mesmo em correlaçao com as noticias do canal dois

Na véspera da memoria de londres, a prova se fez, a faca nas moedas no prato inglês, que agora volto espalhando as moedas, duas delas delas me caiu no meio da cruz das quatro tomadas do lado direito da mesa onde me sento, uma de vinte cêntimos e outra e dez com a face de um homem e óculos de perfil e um A com dois traços, como espelhado no céu esta tarde, em almada, e sobre O Cristo Rei, com ao vértice a apontar a coroa, a chave do dia de nevoeiro com o símbolo da do cálice da cruz kapa 22, também se evidenciou ao momento , a agulha parte de espanha da estrela vinte circulo do segundo e aponta vinte cêntimos dos castelos portugueses,

Na ave es pera da me mor iade londres, a por vaso da primeira da se de fez, mar rocos, primeira faca nas moedas no pr ato ingles, q ue do agora vaso o l t o es pal h ando ás moedas, vaso ua asa delas, delas meca eu no me io da cruz, das qa u t ro tom mad ad as do l ad o di rei to dame da mesa,. Madrid, onda me s en to, uma de vine c en tim s oe e outra e dez com a f ad e de um home e co u l os per rf fil, é um A com dois t ratos caos es , c omo es p el h ad on o c eu e sta t arde, em al m ad a, é s ob reo c rato is to rei, com cao ver rt cruz ice primeria ap on tar primeira coroa, a c h ave do dia de nevoeiro, com o si mb olo dado cali seda c ru zorro da kapa 22, tam am tambem da se e vide en cio vaso cao mo mn to , a a gula hp home da p arte de e ps anha estrela do vinte circulo do segundo, é ap da ponta vinte c en ti da ms dos cat elo s pro tugue esses,


na base do prato inglês reparo um símbolo único neste conjunto de pratos, um S de serpente vermelha, ao lado de england, rid g way potter rui es l td , un der g laze do ro da ad do hell, 66, 56, a cobra acabei de a ver projectada por uma sombra num blind de um cabeleireiro da av infante santo, com um cartaz de uma rapariga a apanhar banhos de sol, com um nome que remete para pokes, pokes espanhóis, quem diria

na b ase sed o pr ato ing kapa l es r epa aro um si mb olo uni co nest e com n jj un to de pr atos, um S de ser pente eve vermelha, ao l ad o de eng l and, rid g way potter rui es l td , un der g laze do ro da ad do hell, 66, 56, a cobra aca bei dea ave r pro ject ad a por uma s om br ano primerio b l inde um cabe lei rato ps dio do iro da av infante santo, com um do cartaz, de uma ra pr riga a a pam home da ar ban ho s de sol, com um no mec q ue rem e te para p o k es, p o k es es pan ho isque, q ue maior da di da ria
pro a ova de londres , agora me sm o em cor da do tribunal da relaçao com ás not cia serpente do dao c ana primeiro do dois


entre roma e bari uma camioneta que levava moeda se estampou e as moedas caíram na estrada, se via na tv uma vassoura de bruxa, na porta da camioneta, uma estrela tipo bloco de esquerda, e imagem também do timbre , ou seja águia, na assinatura dos autos de acusação de crime de roubo e tortura de meu filho, onde os nomes que constam, são os da casa soares, do ps, vitorino, como general dos crimes, e judite como assassina

en t rea roma é bari, uma cam io net a qui ie l eva ava moe da se est am pi o ue as moedas ci aram na est rata ad da primeira da, se via na tv , uma v as soura de br ux a, na porta da cam io n t a, uma est rea l t ip o b loco cede esquerda, e ima ge maior t am tambem do t im br e , o u sej aguia, na as sin a tura dos au t os de ac usa sao es de c rim crime de roubo e to rut rata de meu filho, onda os no mes q ue cos sn tam, sao os da c as soares, do ps, vitorino, c omo g ene rato da al, o dos crimes, e judite c omo as sas sin primeira

prova relaçao ministro agricultura, copenhagen, chile, e canada

Depois de ontem aqui ter falado da imagem do tal ministro da agricultura, e da relaçao com copenhagem, do tremor de terra no chile e da relaçao com canada, via a conversa com a rapariga de lá na ultima cimeira do g8, hoje este eco, preciso, toronto hit by blacko ut,

Dep o is de on t y em a q u y it teresa fla ad o da ima ge maior do t al min s it roda da agricultura, a gi rc cu tuy ra, é a do tribunal da relaçao com cop en home da primeira do ge mn maior, do t remo emo mor do tremor de terra n oc hi da ile , é a da relaçao com canada, via da primeira c on ver sa com ad da primeira ra pari a gata dela, lana, na u l t ima si me da ira dog 8, h oje de este é co, pre ciso, toro nt o hi t b y b l a c k o u cruz,

http://news.yahoo.com/s/nm/20100705/wl_canada_nm/canada_us_toronto_power

na verdade ao final da tarde aquele estranho barco, tipo fortaleza saia do cais, li seu nome, ace do triton, o tridente do mar, o filme com a musica da meredith e a chave que nele li, aqui publicada no livro da vida

dana ana ver ad eva do vao, marios, canalizadores, cus, soares, fina al da primeira rato da cruz de aquele est rato do anho bar co, t ip o fo rta le za s aia do cais, li s eu no me, ace do t rito ton, o t rid id dente do mar, o fil me com da primeira mu sic ad a mer edith , edite estrela, é primeira c h ave q ue nele li, a qui pub lic ad ano l iv r o d a v id a

ouvi ainda o apaixonado da teresa, me pergunto se será então esta bestinha, pois outro muito sorridente por aqui chegou na capa de uma revista dos bandidos da spa onde trás a paula moura a fazer olhinhos de sedução de puta, nem eu sabia que ela era directora adjunta da antena dos ladroes e do abusadores da casa da televisão publica, sua puta, que tentam incriminar outros pelas desgraças que cometem

circulo do uv vi a inda do circulo do a pai xo n ad o da teresa, me per gun to ze se ra en tao e sta bes tinha, p o is o u t rato mu it o sor ride id dente por a qui circulo do homem do ego un da primeira da capa, de uma rata e visa isa sat dos bandidos da spa da onda da t rata asa da primeira da paula moura, primeira a f az e r ol hi n h os de sed ua sao es cd e puta, ne maio do eu sa bia q ue dela, e ra da di rec tora ad junta da antena, a d os ladroes, é do ab s u ad dor es da c asa da tele e da visao pub l cia, s ua da puta, q ue ten tam am inc rimi na ar de outros p delas, das de sg ratas aças es q ue co mete maior

na noticia leio,

na do ana ano noite it tica le lei circulo,

Toro nt o hi t b y b l ac k o u t a ft é rat transformer do fi da ire, cá estamos na linha das bolas de fogo do ca mr eron rea li az ad o r f r ance, da hidro do grupo one do west tor on to, black out 2003, da rainha eliza bet td do circulo do socrates, o do mi uni d o b ank, da stock, é circulo homem ang e

T he p o we r o u tage fo ll o ws w id es pr e ad di s rup pt io nin t he do wn to w n cor e l as t we e kapa w h en rio t ing br o k e o u t du ring t he G20 meet ing o f l e ad der s o f we al t h y an d d eve lo ping co un t rie es.
(R ep o r t ing b y Cam eron do French, a dd it io n al r ep ort ing b y P av da Jordan, Solar rina ina Ho and Ka Y an N g; E di t ing b y Fr ank Mc G ur t y)

ainda sobre derrames e afins, ultimas imagens, V

continuação, quinta parte

este sinal gráfico na parede da calçada do livramento corresponde ainda a um outro que aqui aparece no mac, desde algum tempo, um erro, geralmente associado à ligação da drive externa gb transcend, que por sua vez foi manipulada por rede, como me apercebi, bem como o próprio mac, que também remete para uma loja ao lado da tabacaria da pampulha, aqui alvo de algumas leituras, ainda ontem me apareceu, uma caixa de dialogo com uma bomba tipo do tempo das bombardas e afins, como as dos piratas, e ontem ao ve-la olhei e relacionei com maça mordida na caixa lateral do mac como é seu logo

este sin da al do grafico na parede, linha, o da calçada, do l iv ram en to cor r es ponde a inda da a um de um outro roc quadrado do vaso aqui ap a rece no do mac, de sd e al gum te mp o, um e rr o, ge rato al lem n te as soci ad o à liga da sao es, a da drive, é x te rn a gb t ra ns c en deque madeira, q ue por s ua v e zorro fo i ma n ip u lada por rede, circulo do omo da me ape per cebi, b em c omo o pro rop do circulo da puta do rio mac, q ue e eta tam am tambem rem e te para uma da loja, cao aldo da t a baca ria da pam pulha, a qui do alvo de al gum as lei turas, a inda on te maior me ap ar e c eu, uma ca ix a de di al ogo com uma b o mba rt ip podo te m cruz podas b om br ad as e a fi ns, c omo às dos pi das ratas, é on te ema mao ove do traço ingles primeira dela, o l he ie rato dela , do ac cio ne ei com da maça mor dida na caixa, banco, l sa teresa rato da al do mac c omo é s eu primeiro mr circulo do ogo


ninho remete ainda para china, para o estádio do ninho de pássaro, ou seja por extensão e correlação com muitas das desgraças que ali se passaram, sobretudo as nas minas que de alguma forma se prendem com a imagem da tabacaria da pampulha, visto ela estar em plano inferior ao pavimento, o chão tremer nas vezes em que os autocarros ali passam e as manhas dos dois tubos na ponte propriamente dita sobre a infante santo, bem como de outros locais do oriente pelo que ali deles se espelha e que portanto como espelhos serão usados para provocar as desgraças, e consequentemente nos diz também que há por ali quem o saiba, e saiba como as operam aqueles que as operam

nin ho, nata al natal, na crzu rato do x da ak l, rem e te a inda ara china, para do circulod o est ad io do ninho, de p ass aro, o vaso do seja da por e x t en sao, é cor rato dela aça es cao da p do com de mu it às das desgraças, q ue ali se p as sara aram ram, sobretudo, às nas minas q ue de al gum primeira forma se pr pre de mc oma primeira ima ge maior da t a baca ria da pampulha, vi s to dela es star em p lan ano primeiro, in fe rato do ior cao dos pavimentos, circulo do cha circulo lobo do tremer , tremores, na serpentes vasp e ze es em q ue os autocarros, al i p ass sam am, é ás das manhas dos dois t ub os na ponte, pro rop pi am , a que mente, dita s ob rea primeira da infante santo, b em c omo mode de outros l o cais do oriente, p do elo q ue dali deles, se 4 es p dela , homem da primeira e q ue port y anto c omo es p el ho s se rato do cao usa sados pa rta por v o car as deg ratas aças es , e co n sw e q un te mn te nós di zorro t am tambem, q ue homem do acento da primeira por aali, q ue w emo sa da iba, é sa iba c omo as opera ram am a q ue l ss q ue as sao cao pera am rem


e ao concluir a parte anterior se afigurou claro na consciência que a assassina principal é mesmo a puta do mario soares, a maria barroso

é cao c on c lui iro ap arte ante rato do ps iro rose a figu rato ps circulo do vaso, do circulo do primeiro rol do onze do aro na co ns cien cia q ue primeira as sas sin ina pric n i p al, é mesmo a primeira puta do mario soares, primeira maria barroso, mario do bar rosso, ou o barro do bar rosso, da matança na russia

recordo a todos que sines de novo recentemente aflorou , através da memoria de um rapaz de lá que trabalhava ou trabalha para um dos bandidos mor desta historia do outro ramo do mesmo bando o balsemao, e a ideia do escutado , de que fora ela que explodira o filme, me levara a pensar , nos filmes que em sines nos anos noventa fiz, bem como sobre um outro fio recentemente aflorado de uma historia de lençóis com sangue na actor joao rosa, quando a apareceu uma puta, a elza pais na tv, relacionada também com as desgraças na índia,e ainda a bota do militar de que alguma forma a esta historia do filme sobre o alberto, que não se encontra on line, mas que foi exibido num dos lusitanea expresso, está associado, ou melhor escrevendo, ali simbolicamente se desvela, associado a uma inversão, um sessenta e nove provavelmente contado a america, pela linhas da botas de comboi, e que remete ainda ao ricardo, outro, o carriço, e a kennedy, via o nome do medico que fez o relatório da autopsia do j f kennedy em dallas, aqui analisado nessa visão, ou seja um homem antigo com ligações ao antigo regime, a africa, à rede da matança de kennedy

recordo, primeira dea de todos q ue de sin ine es, de n ov rec en te mn te a flor o vaso , at rato ave serpente da dame da me mor ria ia de um rapaz dela , lac, q ue t r ab l homem ava o vaso t r aba bal da alha do para primeiro dos bandidos mor de ts da historia, o do outro ramo do me sm circulo do bando do circulo do balsemao, é a primeira da ideia, a do es cu t ad o , deque madeira, for primeira dela , lac, q ue e x p lo di rato cao do circulo do filme, me l eva vara primeira pen serpente da ar , nós dos filmes, q ue em sines, nós dos anos noventa fi zorro, b em c omo s ob re, um outro fi o rec en te maior mne net a fl rato circulo do ado, de uma historia de l en co is com do sangue na ac tor do joao da rosa, qua ando da primeira ap rece vaso de uma puta, a primeira da elza pais na tv, rato dela , a do ac cio n ada t am tambem com ás de g ratas circulo cortez ás na india, é a inda da primeira bota do militar deque, madeira, al g u am forma, primeira desta historia do circulo do filme s ob reo circulo do alberto, ue n cão da se en contra on l ine, masque ue fo e é x ib id on um dos lusianea do expresso, e stá as soci ad o, o u mel hor es c reve en dó, al iss si mb o lic cam am que mente se d eve dela, as soci ad o a uma inversao, um se s senta e en ove por v ave lm en te conta dó da primeira am erica, p dela, das linhas da botas de com boi, e q ue rem nete a inda cao ricado, outro, do circulo do carriço, é primeira k en ned y, via do circulo do nome do medico , q ue de fez do circulo do relatorio da au top ps ia do j f k en ned y em dallas, a qui ana lisa do sado ness primeira da visao, o vaso do seja, um homem antigo com liga ço es ao antigo regime, a africa, a rede da dama da mata ança espanhola de kennedy

continua...

ainda sobre derrames e afins, ultimas imagens iv

continuação , quarta parte

volto por um breve instante ao ninho, nada difícil em voltar sempre ao ninho, melhor é em ti fazer sempre ninho e na verdade la viver nunca de lá saindo, pois os ninhos são fofos e quentinhos e se fazem la leitinhos e se da a comer de boca a boca como nos beijos no ninho onde vive a passarinha

vaso circulo da cruz circulo do top por , um br eve is n t ante cao do ninho, n ad a di fi si l em v o l tar da cruz da ar se mp rea cao nin ho, ml mel hor é em ti f az e rato ps sempre nin homem oe na verd ad dela, do canal viver, n u nc a d e l á sa asa indo, p o is os nin h os sao fo fo ze que int tinhos e se f az e ml primeira dos lei tinhos e seda primeira ac aco co mer merde bo caa b o ca c omo nós bei j os no nin h o onda vaso ive primera pa ss sarin home da primeira passarinha

ninho casa, ninho família e filho, ninho ainda, instituição de acolhimento a jovens mães solteiras e prostitutas que devera ter portanto relação com o polvo da puta nazi maria barroso, sendo que uma dessas casas ou similar, aqui existe na rua ao lado da marinha , do trinta e um da armada

nin ho, natal circulo asa da aca à casa , nin h circulo da f am ila e fil ho, nin ho a inda, instituiçao de aco l hi men cruz do circulo da primeira do rato ps, a j ove en ns mae es sol te iras se pros tito vaso cruz ás q ue dee v ra teresa porta anto do tribunal da relaçao com do circulo do polvo da puta nazi maria barroso, s en do quadrado , quadrado da ue de uma dessas casas ou si mila ar, a qui e xis te na rua do cao do primerio rol do ado da marinha , o do trinta e um, do t delta rin cruz primeira , é um da armada, ar am ad mad primeira

ninho, pelo eco que é de certa forma extensão, da imagem da rapariga que me cruzou na pampulha, a das meias da teia cor de rosa e depois pela rosinha da sic no aquário que ao remeter para sines, abre também, ou melhor estende o tempo destes aconteceres, melhor ainda, fala de uma teia antiga que vem desde o tempo de sines ou mesmo antes, ou seja , a prova de uma constante teia e uma intenção de dano, pois ninho quebrado, corresponde também simbolicamente ao roubo do filho e a suma com a linha escutada pelo espírito de que fora ela que estoirara o filme, não deixa também de ecoar em outros estoiros, como o que aqui foi preparado em casa, que de certa forma era um ninho, meu e de meu filho na altura em que ele aqui comigo viveu, na verdade ontem pela tarde , ouvi eu um bum ao fundo, muito ao longe, como a confirmar este escutado

nin ho natal, , p elo e coc q ue é de c e rta forma e x ten sao, a da ima ge maior da ra par riga q ue me c ru zo un da primeria da pap, papa am pulha, a das meias da teia cor de rosa, é d ep o is ep dela, da rosinha, rosi sin homem primeira, a da sic do no do aquario, aqua rio, roma rio, q ue vao cao rem meter para de sines,sin es, a br e etatam am tambem, o u mel hor est en deo do circulo do te mp o d estes aconteceres, mel hor a inda fala de uma te ia de teia antiga, q ue vaso em de sd e o rt e mp pode de sin es, o u me sm o ant es, o vaso do seja , primeira por vaso da primeira, de uma constante da teia, é uma int n sao es de dano do ano, p o is nin ho nata al, q ue br ad o, cor r es ponde tam eb ms im bo lic cam am , a que mente, cao do roubo do filho, é a primeira suma com da primeira lina homem do socrates, es cu t ad a p elo es pei it o de q ue, madeira, for primeira dela, quadrado do vaso est toira do oi rato ps da ara fo circulo lobo do filme, n cão de ix a t am tambem de eco da ar em outros estoiros, c omo circulo delat dez, o qua da primeira do ki aqui , cc, fo i pre par ad o em casa, q ue dec v e rta forma e ra um nin hi do io da dp, me ue de me eu vaso fil ho na al tura em q ue dele aqui, co mig o v ive eu vaso, na verd ad e om nt e maior da p ela t arde , o uv i eu um b um cao fun dó, mu it o cao lounge, c omo a c on fi rato do mar de este es cu t ad o

pois outro facto confirma e remete para este tempo de sines, ou seja noventa , pois na tarde da ultima imagem no jardim , a primeira manifestação se dera com o primeiro sinal, pousara eu um instante ao lado do poste na subida da rua do livramento em frente ao portão da casa de goa, e as primeiras folhas da árvore caíram desvelando a meu olhar, um ponto preciso do grafite, da puta ss das tranças, a bomba antiga que ali esta pintada com uma precisa indicação, anos noventa, assim estava quando da casa de goa saíram os vizinhos aqui de cima, o tal militar que é elo destas manhas todos ou em grande parte, como aqui amplamente demonstrado por um conjunto de relações,

p o is de outro f ac ato c on firma e rem e te para este, te mp pode sin ine es, o vaso do sej, o cabrao de noventa , p o is na t arde dao vaso do primeiro rol tim, primeira vaso ima ge maior do no jardim , a primeira man if, crsistina coutinho, da fs est aç sao se der aco omo circulo do primeiro sin da al, p o usa sara europeu, um in s tam n teao aol lado, do post ana s ub id a da rua do l iv ram a que mente, em fr en teao porta circulo do da casa de goa, é ás prime ria serpentes das folhas da arvore ca iram d es vaso lena ad circulo da primeira me vaso do circulo do primeiro homem da ar, um ponto do top pp pr e ciso do g raf it ti, da puta ss das transças, t rato as sn ç as es, primeira da bomba antiga, q ue al i e sta pin t ad ac om uma pre sic a indica caçao dos anos noventa, as si maior es tva qua ando da c asa de goa sa iram os vizinhos aqui de cima, ota do primeiro militar q ue é el leo destas manhas, todos, o vaso em g rande p arte, c omo primeira quadrado do vaso do y i a mp lam am, a que mente, de ms on t ard o por um c on jun t ode das relaçoes, rat tp circulo dela, ac cortez cop espanhol

ainda sobre derrames e afins, ultimas imagens III

continuação, terceira parte

este reflexo recente feito por jogos de luz e espelhos, remeteu ainda para o tal palacete que é visível aqui das janelas de casa, o que se encontra por detrás do acesso da ponte vinte e cinco de abril, que em tarde antiga como aqui narrada, também num fim de semana salvo erro, alguns brilhos de luz dele emergiram, que na altura relacionei com as palmeiras pois trás uma grande árvore em sua fachada, o palácio que fora evocado na memoria recente nas tais gravuras da aip na tal reunião com a filha do rocha de matos, como acrescentando a origem ou pertença do mesmo palácio, e de seguida, para tornar mais estranha esta linha em suas consequências, alvo de um outro eco, num filme exibido na rtp, da tal rapariga ana, onde em italia, num palácio semelhante, era mantida como prisioneira de um senhor com dinheiro que trazia um filho aparentemente atrasado, e que acrescentava ainda uma explicação, pois ao ver o sexo da rapariga como uma folha esmagada como morta, ou seja uma rosa colhida, uma morte de crianças, que remete ainda para russia, ou seja em soma neste ponto para abusos de raparigas que levaram a morte de crianças, num ambiente de loucos ou psis, ou seja ainda a morte das crianças em beslan

este ref da fel delle, o do xo rec en te do feit, psd, por j ogo serpente de l uze es p el homem os, rem e cruz eu a inda para do circulo do t al pala circulo do sete, quadrado da ue é vaso isi vaso dele aqui, id das jane l as dec asa da casa, ou seja das tramoias que aqui nessa altura me fizeram, ou seja ainda, o que esta por detras delas, visto que muitas maos aqui tiveram que entrar para criar a armadilha, o quadrado da ue da se en contra por det rato ps ás do ac do esso da ponte vinte e cinco de abril, quadrado da ue em trade antiga, circulo omo da primeira do ki aqui na rr ad a, t am tambem nu maior fi maior de se mana salvo, é rr circulo, igreja roma, radio renascença, al gus sn br ilho serepnte de l uz dele, e mer giram, goa, india, quadrado da ue na al tura rato dela , do ac cc cio ne ei e com ás das palmeiras, p o is t ratos ás uma g rande arvore em s ua f ac homem da ad da primeira do dao circulo, o pala ac do cio quadrado da ue for primeira e vaso do circulo do cado , br, dona me mor ria rec en te nas tais, br, das g rtas av ur ás da aip, na t al da reuniao, tvi, com da primeira da filha do rocha de matos, circulo do omo ac ratos es cena t n dó primeira o rige em emo circulo do vaso dao, per da tensa es do mesmo, o do palacio, é de se da dag da guida, para ton rato da ar massi est rana ana homem desta, primeiro rol ina homem em s ua co nse sec q ue en cia serpente alvo de um outro e co, nu maior do fil me, é x i b id dona da rata do tp da rtp, da t al ra ap riga da ana, onda em italia, num pa al cio semel homem ante, e ra man t ida c omo pr ise io ne da ira de um s en hor com financeiro, dine hi do iro rato ps cc irc culo q ue t ra zorro do ia um fg gil ilha ap ar ren te mn te a t rato ps da pr pt time ira do sado, é quadrado da ue ac rato ps es cent ava primeira inda, uma é x p lic caçao cao vaso do ero da se do xo da rapariga, circulo do omo, uma fo l homem da primeira da am morta, o vaso do seja de uma rosa co primeiro da hi da ida, uma mor rede das crianças, quadrado do e rem é tua primeira inda para da russia, circulo da ova da onda do vaso do seja , em s oma nest do ponto top dps para ab bus usa sao serpente das raparigas, quadrado da ue l eva aram primeira am morte de c ria anças espanholas, nu maior am bi en te de loucos o vaso ps sis, o vaso do seja da primeira inda da primeira morte das cir n circulo cortez ás em bes lan

ou seja beslan, lugar da matança das crianças na russia, e bes lan, ou seja a rede do bando do banco do espírito santo, ss, o ricardo, como imagem de nome de rei inglês, co da cora ração , do leão, da judia, ou seja de israel, ricardo espírito santo, o banqueiro, que neste dia se demarcou do apoio que aparentemente através do banco trazia a zeinal, da pt, como a indicar uma divisão dos gangs que se dera nesta historia de véu, do folhetim pt telefónica e vivo, ou seja das desgraças em madrid, aqui, queda da ponte entre rios e muitas outras ainda no brasil

ovaso do seja de beslan, lu gato da ar da dama da matança das crianças na russia, é bes lan, o vaso do seja primeira da rede do bando do banco, do es sp pei it circulo do santo, ss, o ricardo, circulo omo ima mage maior de no mede do rei ingles, co da cora raçao , do leao, da judaia, o vaso do seja de is rato ps primeira dele, do ricardo espirito santo, es pe wi it o santo, circulo do banqueiro, quadrado dop da primeira da ue nest e dia da se d ema mar co vaso do da ap do oio, qaudrado da ue a pr ren te mn te at ratos ave es do banco t ra zorro do ia da primeria do zeinal, da pt, circulo omo a indica car uma da di v is ºcao do s g ang serpente q ue sede ra do bn e nest primeira da historia do veu, do fo l he tim da pt da tele fon ica, é vaso dop ivo, o vaso do seja das de g raça aca acs espanyholas, em madrid, primeira do ki aqui, ad da queda da ponte entre rios e muitas outras ainda no bar si primeiro do brasil

ora, aflora aqui também pela soma do que se desvela nesta primeira partes deste texto, em ressonância com a sincronicidade das linhas do filme e do eco com o que se passou, kas do minho, ren, ou seja paulo pedroso, vara, ps socrates, ria de aveiro, freeport, como imagem de dentadura do céu e dos branqueamentos, trafico de carne humana, redes de putas e de droga, passando pelo minho, ou norte do pais, e uma matança que já aqui aflorou neste livro da vida, a da discoteca das meninas queimadas, mea culpa,

circulo do rato , primeira, primeira flora da primeira do ki aqui, tam eb maio p elsa oma mad o q ue se d es vela nest da pp, primeira p art es d este tex t o, em r ess on ac cia com da primeira da sin c r oni cida dade, a das linhas do filme, é do e coc omo q ue se do que se passou, kapa do ás do minho, ren, o vaso do seja paulo ped roso da ova do vara, ps soc rate es da ria de aveiro, fr ee p ort, c omo ima ge maior de d en t ad ur ado dcc eu, é a dos branqueamentos, t ra f ico code da carne humana, red es de putas e de droga, p as s ando p elo do minho, o vaso do bn orte do pais, tvi, é uma marta ança es q ue j á primeira do ki aqui da onda a flor o vaso nest dele iv roda david a, ad da primeira da discoteca, di s cop pt teca, a da madeira, das meninas queimadas, me primeira da culpa,

continua...

ainda sobre derrames e afins, ultimas imagens II

continuação,


verdes plantas em casa de ferias ao lado de marinas me evoca ainda na memoria, sines, ou sin ine espanhola, onde correm mega pipelines que pouco mais servem, na megalomania dos tais desenvolvimentos concebidos nas cabecinhas dos bandidos que desgovernam em constância o pais e fodem a vida a imensa maioria das gentes, me remete ao poema de al berto, outro berto da norte sul, que recentemente se foi, que fala de tardes quentes de verão, de amor dos corpos, e de gravadores e de filmagens e de sémen derramados com inocência, e pelas imagens em mix, a ayres e madredeus e ainda agronomia e campos de milhos, e passes vários aqui descritos sobre estas imagens

verdes das p lan das antas em circulo do às de fe rui a sao lado de am rinas serpentes da me e v o caa inda na me mor da ria de sines, o vaso us sin da ine espanhola, onda cor rem da puta do mega das p ipe line es q ue po u co mais, fr, servem, na mega galo loma mania dos tais, br, os dos desenvolvimentos c on ce bid os nas cab das cinhas dos ban di iso soc q ue d es sg ove rata na maio em conta tan cia do circulo do pais, tvi, é fode ema v ida, primeira da em en sa maio ria das gentes, me reme teao cao do poe ema de al berto, outro berto do n o rta do sul, q ue rec en te mn te se f oi, q ue fal de t ard es q ue nets de vera ss circulo, de am o rato dos corp os, se de g r ava dor es e de fil mage ns se de se men der rama ad dao s c om ino cen cic a, é p delas , sima mage ge maior em mi x, primeira ayres e m ad red e use a inda a g r on o mia e cca cam p os de milhos, russia, é p ass es v a rio saqui, japao, d es c ritos , ps, s ob re e stas ima ge en ns

na casa de marta, ontem pela tarde, ao passar no trajecto da compra de cigarretes, uma das suas portadas das janelas entreaberta como não me recorda de nunca a ver, ali tinha ela ou alguém por ela, ou do grupo dela, deixado para meu ver, um projector de cinema em prata, na loja do indiano, me dizia ele em inglês, you smoke a lot, it seens so, a ausência de teus beijos, acrescentei para mim, estendia-me ele uma cereja, como um globo vermelho de sangue que eu em modo gentil ao momento declinei

na circulo da asa sade marta, o pn te mp dela, trade, cao p ass ar no t ra ject, o da compra de cigar ratos e t es, u y mad as s ua porta ad as das jane l as en t rea ab berta rta, c omo n cão me reco rda de n unc a ave rali tinha dela, o u al gume por dela, o vaso do g rupo dela, de ix ad o para me uve rato ps, um por ject tor dec cinema em prata, nome, na al loja do in di ian do ano da me di za dele em ingles, y o u sm o k e al lot, it se en ss circulo, a au use en cia de t e us bei j os, ac r es cente t ei para da mim de est, en di ado do traço inglesa me dele , uma cereja, c omo um do dog do globo, br, do ovo vermelho de sangue, q ue eu em mo do g en til cao mo men to dec line ei

como um acrescento, a imagem do passe no jardim, e antes na amurada do logo dos quatro caminhos, e do reflexo de luz como um potente espelho, que depois confirmei vir de cima da associação do porto de lisboa, onde no dia ontem de novo evocado, a da desvelaçao da queda das torres, no pátio de Lencastre e da imagens expressas na amoreiras, de alguma forma, imagem também de torres gémeas em sua arquitectura, se expressara a meu passar no cais, um reflexo solar, que as desenhara nessa mesma fachada, da apl, do pavilhão da policia marítima, como dizendo que o efeito fora provocado por um projector, um especifico projector, de luz branca, como se diz daqueles que tem temperaturas equivalentes a solar, cinco mil e seiscentos, ou circulo inc do circulo do mi da ile le dos seiscentos, ou seja de italia e de roma, ike gami, ou ike gato am mi, game do mi do ike, assim parece declinar esta linha em sua soma parcelar

c omo, um ac rato queijo, es en to, a ima ge maior do p ass se no do jr ard dim do jardim, bancos, , e ant es na am mr ur ad a dol ogo god os quatro ca do minhos, é deo ref fel xo de luz, c omo um pot en te es p el hoque ue d ep o is c on fi r m ie v i rato de c ima da as soci aç sao es do porto, de lis boa, onda no dia on te maior de n vaso cio do circulo do e v o cado, ad da primeira d es vela sao es, a da queda das torres, no pat io de l en castre, é da ima ge ns expressa serepente na am o reia s, de al guam forma, ima ge maior tam am tambem de torres , as gemeas em s ua arc u it tec da tura, da se express sara primeira me vaso da p ass ar no do cais, o joker, um ref fel xo da sola da rato top dp ps da ar, q ue ás desenhara nessa mesma fachada, da apl, do p av ilha circulo da policia maritima, c omo di zen doque ue do circulo do onze do efe it o for a por v o cd o por um pro ject o rato , um es pe cif fi co pro ject tor c irc uk lo do ps rato, de l uz br anca, c omo se di zorro daqueles, q ue te maior das temperaturas, e qui iva el n t es a sola rato ps, c inc om ile s ei centos, ou c irc culo inc do circulo do mi da ile le dos seiscentos, o vaso do seja de italia e de roma, ike gami, ou ike gato am mi, game do mi do ike, as sm pa rece dec lia n ratas desta, a da lina homem em s ua s oma p ar cela do ps

sendo ainda como vos recordais, que se passou parte desta leituras também a volta do vulcão que expeliu ao norte

s en dó a inda c omo v os reco rda isque ue da se p ass o u p a rte d esta lei tura s tam am tambem primeira ema v o l t ado vu l cao q ue é x p lio cao do norte

ainda sobre derrames e afins, ultimas imagens, I

beijinho a uma bela belinha, quer também dizer, bbb do bar do ra da norte s ul, coisa dupla em seu significado, grupo tvi, e bandidos de um dos ramos dos tais que se dizem socialistas, e que dizem pretender reforçar os laços sul norte, certamente dos pinguins e afins do polos, quem diria, assim hoje ao mais ou menos acordar, coisa que sempre me pergunto à tua ausência no leito, na consciência se me afigurou, ontem, ao calor do inferno, prenuncio do inferno que será este verão, me embalei em ti a sonhar, nos interlúdios das entrelinhas dos sonhos, um escutado, fora a rapariga que fizera explodir filme, estranho escutado, explodir um filme, pois explodir um filme, é explodir imagens, é quebrar sequências e linhas e laços que unem as gentes pelo amor em amor ou perversamente os prendem a margem e por debaixo das leis e dos tapetes, explodir filme, no contexto anterior, se associa ainda a ninho, lugar da família, e dos borrachinhos e dos patinhos, e belos seres infinitamente doces e afins, no guião do filme, temos ainda as flores verdes pelas paredes em ton sur ton avec les objects aussi vertes, e uma marina ao fundo com veleiros parados, marina ao fundo, é também sinonimo de porto afundado, menos um lugar de ancoras de marinheiros, oh my captain, sim sereiazinha..., está bom o mar, e suave balanço refrescante das ondinhas, ah, ah, oh, oh, ohh, yes, yes, i m comming, ah estas a chegar que bom, a que horas em que lugar, ah querido, esquece as horas que como sempre me recordas nem existem, agora sei que o amor que nos liga é eterno e que nos somos eternos pelo amor que nos liga, ah senhora, quando me falais assim, o colibri do meu coração tanto cresce, estou a ver que os girinhos a navegar nas aguas interiores te deram assim uma espécie de iluminação, que feliz fico, amada, ...


bei j hi in ho , da, a uma , da bela belinha, q ue r t a m tambem do qaudrado do vaso ize rato ps, do bbb do bar do ra da norte s ul, co isa sado da dupla, dp, em s eu sig gn ni f cado, g rup o da tvi, é bandidos, de um dos ramos dos tais, br, q ue se di ze maior soc cia ia al ista sec q ue di ze maior pre ten der ref for ma cortez rato dos os dos laços acos espanhois da sul norte, cera do rate te , a que mente, a dos ping gui ns, macons, e a fi ns do polos, q ue maior di da ria de aveiro, as si maior do homem do oje, cao mais, o u men os acor acorda r,c o isaque se mp rem me per gun to à do tua, comboio linha, a use en cia no do leito, na co ns cien cia se me a figo ur ro vaso , on te mao do calor do inferno, pr en un cio do inferno, q ue se ra de este vera ss circulo, me em bal ei em ti primeira s on home da ar, nos inter lu di da isso, soda das en t ratas e linhas dos sonhos, u mes cu t ad o, for a a ra par riga q ue fi ze ra e x p lo di rato fil me, est rato do anho e cu t ad o, e xo p lo di rato de um fil me, p o isé x p lo di rato da onda do primeiro do filme, é e x p l d oi r im ima mage en ns, é q ue do bar seq u en cia se das linhas e l aço s q ue une ema as g ene nets p elo amo rem amo doiro, norte, vaso per ver sa em tn e os pr ren de ema primeira da margem e por de ba i xo das leis e dos tap ape pete es, é x p l o di rato rf fu el me, no c on tex to ante rato do ps do ior, se as soci primeira a inda a ni n h o, lu gato da ar, o da familia, é dos bor rac hi n h os se dos patinhos, e bel es seres, in fi ni tae mn te doc es e a fi ns, no gui cao do filme, t emo sa inda ás flor es verdes p delas parede , lugar, se em ton s ur ton ave cles primeiro espanhol dos ob ject ts au s si verte sm, é uma mar rina cao fun dó com v dele el lei eiro s pa ratos dos ados da marina cao fun dó, é eta tam am tambem sin sino, macon dos filmes, nimo de porto afundado, men os um lu gato da ar de anc coras de ema marin, tvi, es, he iros, o hm delta c ap pt a in, si maior da se reia az in h a..., e stá b omo mar, e s ua ave bal anço es r ef fr rato ps es can te das ondinhas, a h, a h, o h, o h, o hh, yes, y es, si m c om ming ing, a h e stas sa primeira chega rato ps q ue b oma q ue hor as em q ue lu gato da gara da ar, primeira do homem querido, paulo, es q ue ce ás hor as q ue c omo se mp reme rem e rec cordas ne mex is te maior do agora se isque do circulo do am mor q ue nós liga, é e t reno e q ue nós s omo s et reno s p elo amo rato q ue nós das ligas, a h s en hor a, q ua a sn do quadrado da me fala is as simo imo do coli br ido , circulo lobo me vaso cor açao t anto c rato es ce es cortez, est o ua v e rato ps q ue os fg gi rt tinhos primeira ane ne eve gata rana, lugar, s aguas inter iro es da te der am as si maior uma es pe cie dei , da lu mina sao es, q ue fe kapa do liz fi co, a m a d a, ...