sexta-feira, agosto 06, 2010

beijinho a ti

Oh amadinha, quando chegas, que coisa, que ainda faço um birra daquelas de deixar de respirar, sabes, aquelas coisas das setas no coração, é só mesmo assunto para o cupido, portanto fui falar com ele, e lhe disse, oh menino, atira muitas setinhas a minha amada, mas não lhe faças mal, e atira-lhe uma nas perinhas, para ela saber que é a mim que me ama

O h am mad ad dinha, qua n do c he gas, q ue co isaque a inda f aço es um birra daquelas de de ix zara de r es pira r, s ab es, a q u e al co ia s da s s etas no co raçao, é s ó me sm o ass un to para o cu pido, porta sn to fu if ala rato com dele, e l he di ss seo homem me nino a tir da ira mu it as set tinhas am in h a am ad a, ma s n cão l he f aça s es mal, e a t ira do traçi ingles l he, uma nas perinhas, para dela, saber, q ue é primeira mim q u e me am primeira

sabes, já nasceram os filhotes das andorinhas, ontem os vi, sabes como foi, nem vais acreditar, estava assim um belo casalinho espanhol ao final da tarde no muro do jardim a namorar, e quando passei por eles a bela rapariga que me pareceu assim ter estrelinhas na face beijou o rapaz, e apareceram nesse momento as andorinhas pequeninas, que são muito engraçadas a voar e sobretudo pelos sons de bebes que ainda fazem, são espantosas, tão pequeninas e já voam tão bem, só tu, minha amada, teimas em não descobrir teu ninho em meu coração

s ab es, j á n ac e ramos fil h ot es das ando das rinhas, on te maior os vi, s ab es c omo fo inem vaso ais ac red dita it da ar, est a av as si maior, um b elo c asa linho espanhol cao fina l da t arde no m ur rodo do jardim , a na mora rec ua ando p ass ei por el leas primeira bela rapariga q ue me pa receu as si maior teresa est rata el das linhas na face, bei jo u o r ap az, e ap ar ee r cam nes se mont, o as ando rinhas pe q u ninas, q ue sao mu it o en g r aça ad as av o ar, é sobretudo, p el s os on s de bebes q ue a inda f az e maior da sao es pantosas, tao pe q ue ninas e já v o am tao b em, s ó t vaso. Mina h am ad a, t ei imas em deco br iro circulo do ninho em me eva do vaso cora raçao

acusaçao à pt, acs e a muitos outros que se desvelam nesta analise, parte IX

continuaçao , nono parte


c on tin ua ac sao espanhola, o nono da puta da arte


na re al id ad é a fr ase di z, do quadrado do os do gi dos ft, dos financeiros, primeira do os mad ad red é us toda, primeira da gente, revista, reve eve do ista, é segundo em rec se bid da primeira, bid, aposta, ap da posta, id, da prime da ria ad aveiro


emi, ad hoc, a puta da pirataria, a ad puta, cruz he gi ft ato mic da bes bee es do pop do dell, com puta ad da dor, jel do raindogs, imagem das torres, aqui abordadao na capa de um cd do tow waits e tambem de um sozia que me apareceu à fgrente em dia recente, num passe com ligaçao a joana marques lopes, a joana, psi, do fantas ma serpente gato do servidor, in t he ma c home do inem, angulo do forte do circulo dp do primeiro da moon sp é onze, da lulu do blind, a ultima imagem aqui do aviao, e do blind e da forca e do redodndel de campo de ourique, do guarda nacional, da mad ad red de use da dulce, da italiana,quadrado vaso primeiro da se do pont espanhol, das pontes, fr ia ad os, f eri ad os,


a lulu do blind, deve ser entao a lulu, do circulo do ego, ou seja uma filha de um psi, talvel parecida com a lolita kompechaca qualquer coisa, um bela de um perfume, que parece uma das raparigas da loja trend , a da loja do principe real da cadeira das cuequeinhas vermelhas e da relva verde, ou seja do futebol de sangue, ou de amor, assim parece dizer


primeria al lulu do blind, d eve ser en tao primeira lu ludo circulo do ego, alcantara, o predio onde a marta lapa morou, o vaso do seja, uma filha de um psi, t al vaso el par e cida com da rimeria lolita k om pe cha aca q ual q ue rato co isa, um bel ad e um perfume,cc, q ue pa rece uma das raparigas da loja t renda da lop jado ad circulo do p rin ciep real, pi rn c ipe real da cade ira das c ue q ue in h as verme l h as é da relva verde, o vaso do seja do futebol de c angu emo vaso de am mor norte ye, as si maior ap r ee di ze rato ps


observo entao a imagem, da entrevista, sobre a qual o espirito me dissera a chave está na imagem, e em meus apontamentos, escrevi na altura, da queda das torres, se bem que me parece mais de furacoes, e outras desgraças como tremores, reparo que na vertical ao lado do telefone da secretaria em que o fio como cobra das missingas, ao lado da co luna, african, assim se pressume, diz, jose antonio cruz, ou seja a cruz feita pelo jose antonio, em africa , pelas missangas, e não deixa isto logo de ecoar na imagem que se manifestou em dia recente no ceu, do enorme coraçao como atravessado ao meio por uma seta ou por os musculos, que como te dizia obstam a meu coraçao salte do peito a cada vez que te vejo, relacionado com a cadeira do vinte e um, ou seja olivais, do tempo dos olivais, e ainda um, nome que aqui aflorou num dos recentes textos, o testas, dois irmaos, um deles que trabalhou na latina europa, da mesma forma que a imagem do fax, talvez de noventa e tres, ainda não o busquei, é dirigido à maria joao silveira, sendo que existem duas com este nome, a do dao, ligada ao icam, e a maria joao que foi apresentadora do eurorritmias, que é cabo verdiana, eurrotimias, tambem um a noçao que te explanava nesse mesmo texto, como imagem de tremores, de coraçao, seja qual for a escala, ou seja tanto os pequeninos, como por exemplo fica o meu a bater quando te beijo, que nem bem é uma arritmia, mas mais sim um acelarar, e os tremores de terra, arritmias, isso sim, do coraçao da mae terra


ob servo en tao aima ge maior da en t rato e vaso do ista, s ob re q u dela, o es pei it tome di ss sera da primeira chave e sta na ima ge me em me us pao nt tamen t os, es c rato e vina al tura, da queda das torres, se b em q ue me pa rece mais, fr, de fur rac raoes oe es, r epa a r o q ue na ver tic da al cao lado do tele fon one da secreta ria, creta ria, em q ue o fi do io c omo cobra das mis sin do gas, cao l ad do circulo da co luna, african, boer, as si maior da se pr es s um me, di zorro do jose antonio c ru zo do vaso do seja da primeira cruz, feita, p elo do jose antonio em africa , p delas mis s ang gas cabo às, e n cão de ix a is to l ogo gode é co da ar na ima ge maior q ue se man if , cristina coutinho, es to ue em dia rec en te no c eu, do e no rato do me co da raçao c omo at ravessa sado cao me io por uma s eta o u por os musculos, q ue c omo teresa di zorro do ia ob stam primeria me vaso cora ra çao sal te d o peito da primeira c ad a v e zorro q ue te do vejo,br, rato dela , do ac cc cio n ado com da primeria cade u ia do vinte e um, o vaso do seja olivais, do t e m podo serpente dos olivais, é a inda de um, noe maior q ue a qui a flor reo vaso nu maior dos rec en t es tex t os, o te sta s, do is iramo s, um del es q ue t raba bal al home circulo vaso na al tina europa, da m es ma da forma q ue da primeira ima ge maior do f ax, c it rato oe ingles, t alvez de n ove en a te t r es, a inda n cão o bus q u y ei, é di rigido da primeira da maria joao, primeira si l vaso da beira, s en do q ue, é xis te maior das duas com de este no mea do dao, kapa liga gada cao icam, é a maria joao, primeria q ue fo i ap pr es nt ad dor da primeira do euro dp rr it mias, q ue é cabo, ver diana, eu rr o tit cruz x maior mias, tam eb maior de uma no sao es q ue tess e x p lana ava ness e me sm o tex t o, c omo ima ge maior de t r emo mor rato es, de co raçao, seja quadrado da ual qaudra da for da primeria da espanhola cala, o vaso do seja t ant os pequeninos, c omo por e x e mp lo f ica circulo me ua bate rato ps qua n do te bei jo, q ue ne maior b, e mé uma ar r it mia, ma serpente masi si maior um ac e lara rata, é os t remo s de terra,br, ar r it tm mias, iss o si maior, do c o raçao da mae terra, do br


a imagem que se espelhou no ceu aqui em dia recente, tem um outro pormenor que não te contei, porque foi tao breve que nem me lembrava dele quando aaui te a escrevi, pois antes do coraçao enorme atravessado no ceu se formar, o tecto das nuvens, se abriu do lado direito por um instante e eu vi uma enorme estrela, como um cometa que me pareceu cair , num so instante e depois o ceu se fechou ali e no seu todo desenhou o coraçao, e depois de isto pensar, senti um perfume a canada, pois me recordei de um cometa que atravessara o ceu lá em dia não muito dias, e depois ainda, uns dias, na net dei conta de uma aviao a jacto que se estampara num festival de demonstraçao


primeira ima ge maior q vaso e se e es p le hi homem da ova vaso no c eu aqui em dia rec en te, te maior de um outro por men o rato ps, q ue n cão te c on t ei, por q ue fo i tao br eve q ue ne maior da me lem br ava dele, qua ando a au it e a es c capa ape rato e vip o is ant es do co raçao en o rato ma at ravessa sado no c eu se for mar, aro tec to das n uve s, se ab rato eu do l ado direito, por um isn t ante e eu do vi, uma en o rata me est rato e kapa l a, c omo um com eta q u e me pa receu c air , nu maior s o ins t ante e d ep o is o c eu se f e cho vaso ali, al lie ie, é no s eu todo d es en ho u o co raçao, e d ep o is de is to pen s ar, s en ti um perfume, cc, primeira c ana ad a, p o is me record ei de um com eta q ue at ravess sara o c eu l á em dia n cão mu it o di os, e d ep o is a inda, un serpente dias, psd, na net dei conta, de uma v aia o da primeira do jacto q ue se es tam a para nu maior f es t iva l de demo sn da cruz do x da raçao


contudo esta imagem sera ainda alvo de desenvovimento, posterior, pois encaixa temporalmente em sincronicidade com a ultima carat que escrevi a marion sobre o signo das suas belas paupieres que me remeteram ainda para a queda das torres, para lx e para a norma jean, loma, e que de novo remete para aqui, infante santo e hospital da cuf


c on tudo é sta da mage maior se ra a inda do alvo, de de s en v ov lie maior nt o, post e rio rato psd, , p o is anc aixa da loja temporal em nt e em sic n c r oni cida de com da primeira da u l t ima ca rat quadra da ue es c rata e via da primeria do mario, soares, s ob re os sig gn o das s ua s b ed dela, das p au pie ratos es q ue me re mete ram a inda para da primeira da queda das t r dp rato es, para lx e para primeira da norma jean, loma, é quadrado e vaso e de n ovo reme teresa para do qui , da infante santo, é ho ip pita al , ada cuf


este fax , que se calhar é mesmo do ano de noventa e tres, é uma historia estranha, como o aparecimento da maria joao tambem de certa forma, pois veio pela mao da puta maragrida rebelo pinto, que ainda ontem de novo entrou nem parte anterior deste texto, sendo que em dia recente uma outra relaçao na infante santo aflorou tambem em volta do nome dela, pois no ja , cabeleireiros, dali, onde tras um cartaz com uma bela em bikini, com um estranho dizer poko anos, ou algo assim, ao lado, apareceu o nome do rebelo,que li como o francisco rebelo ex spa, que se me aflorou naquele momento ser entao um a que a margarida, faria broches, faria, manuel faria, de novo spa


este f ax , q ue se cala home da ar é mesmo do ano de noventa e tres, é uma da hi s tor ia est ran ham am, c omo do circulo do ap ar rec cie maior nt o da maria joao tambem, de c e rta forma, p o is do veio, jason, p dela, a mao da puta maragrida rebelo pinto, q ue a inda on te maior de n ovo en t rato circulo do vaso ne maior da p da arte ante rato psd doiro d este tex t o, s en doque em dia rec en te uam outra do tribunal da relaçao na infante santo, a flor o vaso tam am tambem em v o l t ad o no me dela, p o is no do ja , cab dele ire iro serpente pn dali, onda t ra um ca ratz com uma bela em bi kin jn ni, com um est rato do anho di ze rato dos poks o ano serpente , 2005, , o ual goa ss si mao l dó ap ar rece uu, co pm com boio, o no med circulo do rebelo, quadrado do vaso é lic omo do circulo do francisco rebelo, é x spa, q ue se me a flor o vaso na q u dele moe en nt o ser en tao um da primeria quadrado , cruz rui zorro , é a primeira margarida, faria, manuel, br roc h es, comprimidos, rebelo, barco caracteristico tambem do doiro, rio, caves vinhos do porto


doiro do douro, o loiro do douro, das caves



pois acabara de conhecer a maria joao, e ela me telefona um principio da tarde para a latina europa, ainda na rua diogo do couto, e me pede uma ajuda que achei estranha mas que lha dei, dizia, ela que precisa de um lema para promover uma casa de cachupa, em cabo verde, e eu escrevi, ali no momento duas versoes desenhei um coraçao na capa do fax, atravessei-o com uma seta e lhe enviei, era assim algo com humor tipo picante como nas vezes a cachupa tambem o é, o estranho ao isto agora pensar, é tambem o facto de ter posto uma seta no coraçao, pois não é meu habito desenhar coraçoes atravessados, pois me fazem impressao, pois deve assim magoar, acho que o texto brincava com cachupa, chalupa, termo para loucura, e amor, calor, e sestinhas daquelas doces de barriginhas cheia com muito beijinhos molhados, portanto uma versao mais malandrinha e outra assim memos, que não sei o que ela fez com elas


p o is aca bar ad e c one hoem cera da primeira maria joao, é ed dela da me da lame, tele fon a um pric cip ip do io da t arde para da primeira da la tina euro ropa, italiana, a inda na rua dio godo do couto, icep, maria elisa, e restantes bandidos, e me do pede, uma da ajuda , mc, q ue ca homem do ei est ran anha masque dela, l h ad dei, di zorro do ia, dela, q ue pre cisa de um lem ema para por m ove rato numa c asa sade cac h upa, em cabo verde, e e u es c r e vi, al ino mo men to du as ver s o es d es en he ei um co raçao na capa, bandidos paulo portas, do f ax, at raves ss ei do traço ingles circulo com um da priemria s eta el he envie ei, e ra as si maior al g o c om h umo mor t ip o pi can te c omo nas v e ze sa c ac h upa t am tambem circulo é, o es t ran anho cao is to do agora pen s ar, é t am tambem do circulo do f ac ato de teresa post o uma s eta no co raçao, p o is n cão é me vaso do habito, padre, home ab bit circulo, d es sen h ar co raçoes es sd at raves sados, p o is me f az e ma impress cao, balsemao, p o is d eve ass si maior mago da ar, ac hoque o tex t o bric n ava com c ac h upa, cha da lupa, ter mo para lou cura, é am o rato, c alo re s es tinhas d q u q l es doc es de bar rig gin h as cheia com mu it o bei jin h o d mol h ad os, por anto uma ver sao mais ma lan d rina he u outra s si maio nemo s, q ue n cão s ei o q ue dela de fez com delas, chalupa, é tambem nome de jogador de futeol portugues, caha al lupa , cruz é atm eb maior no med do jogador de fute c irc clo

do primeiro p r oto gues, he hel lic co do pt do ero


o maluco da atm, aqui, em alcantara, parece ser o tal rapaz que se veste com fatos de futebol americano


o ma luc o da atm, primeira do qui aqui em al can da tara ara ar primeria, da ap do rece serpente do ero da cruz da al do ra da ap do zorro quadrado, é vaso da seda eve do vaso este com fatos, de fute b o l am erica no


sobre os testas, ambos do tempo dos olivais e do d dinis, o mais velho o luis, que hoje vive em angola, creio, pois o encontrei ainda não há muitos anos no centro dos olivais , já no meio desta confusao, me convidou há muito tempo atras, antes mesmo de eu ter fundado da latina europa para um trabalho que os dois fizemos em video no algarve, que creio aqui já ter mencionado a proposito da morte do arabe dos emprendimentos turisticos, e o curiso disto, ao agora o recordar, é que o trabalho foi feito para um produtor portugues que tambem trazia escritorio no seguimento da av praia da vitoria, nem sei se a rua ali continua a assim se chamar, ou seja, mais um ponto, na mesma estranha linha que ontem dava conta ao consciencializar, e que era o produtor da noticias que na altura eram difundidas nos cinemas, e portanto trazia relaçao com o antigo regime, como o pai da puta maria sobral mendonça, o predio dos ministros de salazar e caetano, tambem nos olivais, ou seja a teia se confima e se esclarece


s ob re os testas, am mb os do te mp podo s olivais, é do d dinis, o mais velho, circulo do luis, q ue h oje v ive em angola, c rei o, p o iso en c on t rei a inda n cão h á mu it os ano s no c en t rodo os serpente dos olivais , j á no me io de sta da confusao, c on fusa usa sao, me c on v id o vaso h á mu it o te mp o at r as, ant es do mesmo , de eu teresa fun dado da ala da tina euro ropa, it, para um t r ab la hoque os do is fi ze emo serpente em v id deo no algarve, q ue c rei o a qui j á teresa men cio n ad o primeira por rp rosi to damo da morte do arabe, o dos em pr e dim en t os t ur is tico seo c u rato iso di s to, cao do agora o recordar, é q ue o t ab la ho fo if e it o. feito, pa a um por du tor portu gui es q ue e eta da t am tambem t ar z ia es c rito ria no se gui int e to da av do paria da vito do ria, aveira, ne maior da puta ms, ei sea da primeira rua dali, c on ti in ua a as si maior ms se c ham mar da ar, o vaso do seja massi um ponto, na me sm a est rata anha lina homem q ue on te maior do quadrado da ava conta, cao co ns cie en cia liza req ue e ra o pod u ot da dop do ano not ti cias , a das noticias, q ue na al tura e ram difo fo do bn dida serpente nós cinemas, é porta, cabro cds, nt o t ra zorro do ia da puta da relaçao, com co circulo do antigo reg ue me do regime, , c omo do circulo do pai da puta maria sobral mendonça, o pre dido dos min s it ro s de sala az zorro da ar é, cateno, tam am tambem nós dos olivais, o vaso do seja da primeria te do ia da teia , se c on fi ima e se es c ape clare se, noticias, aqui, é caetano, caa, sic


o jose antonio, mais novo trabalhou na latina, curiosamente, se casou com uma bela rapariga africana que um dia lá apareceu na bando do joao filho do major do boavista, e depois perdi-lhe o rasto uns anos depois, quando se gravou o surrealizar por aí, curiosamente, com imagens nas docas onde hoje é capital ou por aí


o js, o jose do antonio gute ti ee da rr serpente, a dj do jose antonio seguro, mais , fr, n ovo t r aba bal al ho un a l a tina, cu r isa sam ante dase ca , serpente do circulo do vaso com de uma bela ra pr aiga africana q ue um dia la a pr receu na do bando do jo cao do filho do major do boavista, e d ep o is per di do traço ingles primerio dele, he o circulo do rasto, un sepente ano serpenet d ep o isque ando se g r av o u o sur rea liza r por raí aí, cu rio sam nt e, com ima mage ns nas docas onda homem do jonral oje, é c apit pita da al alo ova do vaso do por aí


continua....