segunda-feira, outubro 11, 2010

precisando um pouco mais a imagem da manha, de domingo de manha, também um pequeno morcego apareceu aqui a voar, coisa rara e estranha para a hora , e me mostrou o laço do ar condi cio n ad primeira, ou seja remete ainda para a imagem do vídeo de dia vinte e quatro de agosto, aqui publicada, ou seja,  do fi baco segundo aca rato da di, alcantara, o trio do jorge lacao, o das finanças, e um terceiro,  o mancha negra

pré cisa ando um po u co mais primera ima ge md da am  manha, dedo mingo de manha, tam am também um pec eu nó mor ego ap ar receu a qui ,aqui, primeiro  v o ar, co is ar da ara e est rata anha para da primeira hora , é me mos t rato circulo 101 ouo, do  l aço da ar do condi cio n ad primeira, o vaso do sej, govern pt,  rem te a inda para da primeira iam meg gm o d ov id ed circulo  do  dia vinte e quatro, rode gas oto, a qui pub li c ad a

o bico que um dos pássaro me mostrou, equivalente como disse a um dos vídeos do choque de um avião contra as torres em ny, é visível na parede de um prédio aqui nas traseira descendo a rua, pois são gatos, três ou quatro, que reforçam essa mesma parede, e com um outro símbolo à esquerda desses uma vesica prismática, com um bico de fogo em baixo , do grupo da cc, agora mesmo se acrescentou a passar, bem como hoje diversos me disseram de uma outra relação que já ontem tinha aflorado, o 88, ou seja do grupo os carros antigos, relacionado também com o grupo do rui rio no porto, e provavelmente com o outro leo, o elo, que abandonou  programa dos bandidos da rtp , o dia seguinte, e ainda um relação desse com o grupo de noventa e quatro, o passe da capital da cultura

circulo do bico q ue de um dos p as aro me mor t rato circulo do vaso , eq vaso do iva al lente  c omo di  s se a um do s v id deos, o  do cho do choque de um aviao,  contra ás tor r es em ny, é v isi v el na pa rede de um pre di a qui na s t arse ira d es en dó da primeira pim da rua, p o is sao gt os os tres o u qa u t roc ue ref força cam am es , ess am da mesma pa rede, é com de um outro si mb olo da primeira da esquerda de esse es , uma v e six sa pr is sm a tica, com um bico de fogo em ba é xo do dog rupo cc, agra do mesmo da se e ac r es cent y o ua p ass da ar, be maior  mc omo ho e j di  ver s os me di ss e ram de uma outra do tribunal da relaçao,  q ue j cruz primeira on te maior da tinha a flor ad dp do 88, o vaso do seja do g rup pod os carros antigos, rato dela , o do ac cio n ado t am também com do circulo do g rupo do rui rio no do porto, é pro ova ave lem mairo mne net com do circulo 101 do outro leo, q ue a ban don o u  por g rama dos bandidos da rata do tp, gb, circulo do  dia seguinte, day after, viseu,  é a inda um da rato ed dela aç sao es dao ciruculo desse com do dog rupo de n ove en a te da qautro, tvi, au, di,  qa u t rato da dp do passe da capital , disco, da cu l tura

contiguo a esse prédio dos gatos na fachada  que os pássaros me mostraram, um outro que daqui se ve como um muro alto vertical, que parece terminar num outro pátio, onde parece um peça simbolizar como que um banco de betão, a ideia daquilo é uma fortaleza, ou seja remete ainda pelo tipo de parede para os prédios na zona do doiro no porto, na na parte de cima se vê árvores que deverão estar nesse quintal, se eleva pela memoria um perfume de o filme do manuel de oliveira, salvo ero , no porto, outra margem, uma casa humilde, e portanto afogamentos de crianças no doiro, e outro pássaro no momento me relacionou essa árvores com outras visíveis no pátio do prédio à direita , o de xisto, com árvores que parecem de alguma forma tropicais, ou seja parece isto do tempo da republica dominicana, ano de 92, e portanto mais se reforça a ideia da ligação com a cristina coutinho e recentemente o tremor no haithi, que de novo aflorara pela imagens dos scrimps no vídeo de vinte e quatro quando falo com o ban kin moon, ou seja a puta dos ban , do loureiro, do porto, da kin moon, ou seja a lua da cristina coutinho do ban

conti gn vaso doc irc culo da primeira desse pre di , circulo dos gatos, q u e os p ass aro s me mos t rato ps aram, um outro qaudrado do delta do , e , daqui , da s eve c omo um mur o al to ver  tic al, q ue pa rece te rato mina rato bn nu maior do po u t ro pat io, onda pa rece um p eça si mb loi iza rc omo q ue de um banco,  de beta circulo, primeira da id deia daquilo,  é uma fo rta le za, o u seja reme tea inda p elo t ipo pode pa rede para os pre di os na zon primeira, a do dodo do iro no do porto, nana pr e td dec ima s eve ar v o ratos  es q ue d eve vera verao es star ness e quin t al, se dele, eva p dela,  me mor ia um do perfume, cc,  deo do filme do manuel de oliveira, s alvo  ero  no porto, outra mat ge maior de  um c asa h um ilde, é porta nt circulo dos afogamentos,  a fog ae maior nt os no doiro, é outro p ass aro no me mon tome rato dela , do ac cio no vaso  dessa das ara v o r es com de outras,  v isi v ei s no patio do pr 4 ed ia da priemria da direita,  de xis to, com ar v o r es q ue pa recem de al guam forma t rop pi c is o u seja par ee is to do tempo da re pub l cia do mini ca, 92, e por rat tnt o mais se reo fr ca espanho al pri e mira da ideia da liga sao com da primeria da cristina co tui n ho e rec en te maior nt e o p t remo mor do tremor  no haithi, q ue de n ov a flor ara p ela ima ge ns dos sc rim ps no v id e o de vinte e quatro,  qa un dó do falo com do circulo do ban , a kin moon, o vaso do seja da primeria  puta dos bans , do loureiro, do porto, da kin moon, o vasp do seja da primeira  lua da cristina co da onda vaso do tinho do ban

o missel que se figura numa outra chamine, esta no predio em frente ás minhas janelas, ou seja define com os outros dois predios, um cruz, e a forma precisa ainda um outro elemento, como um foguete de festas, ou seja pelo que atras se complementa , festas de s joao no porto, e ainda comboios, acidentes, sendo que hoje vinha um numa capa de jornal, que deveria ser antigo, visto que o titulo era genérico, ou seja, referia estatisticas de acidentes

circulo do missel, miss el,  q ue da se figo ur ra numa outra c ham ine, e sta no do predio em frente,  ás minhas janelas, min home as da jane ll la serpente, o vaso do seja de fi nec omo serpente dos  outros dois,  pr ed io s, um da cruz, é a primeira da forma pre cisa ian da a um de outro dele , lem nt o, c omo um fo gute de f es sta s, o u seja p elo q ue at ratop ps as se com pel maior nt da primeira das festas de serpente do  jo cao ann do  porto das fetas, f etas, se  a inda com boi s os dos acidentes, s en doc ue ho je d a vinha um nu ma da capa , revista, q ue d eve ria ser antigo, vi s toque do circulo do tito,  vaso primerio do circulo  é ra g ene rc cio do io, o vaso do sej refer ia est a t is ticas de ac in det espanhola

um outro poisou numas esacdas por cima de um telhado de telhas inclinado, uma escada que do angulo em que se ve, remete tambem para parques infantsi, o que me salta agora a memoria, é a antiga imagem no parque da serafina em Monsanto, ou seja também a roca de Barcelona da onda de vinte metros, ou seja circulo rato ipe da onda do bum dos metros

um outro p o iso vaso nu mas es ac cd às por c ima de um tel , home ad o de tel homem  às inc l in ad o, uma es c ad a q ue do ang gula em q ue da  s eve, reme te tam am tambem para par q u es in fan ts io q ue me s al  t a agora, pri em mr ria   me mor do ia, é a antiga , ima ge maior do no par q ue da sera da fina em mons ant dp vaso do seja tam am tambem da priemria roca de bar celo n ad primeira da onda de vinte, maconico,  metros  roso, russia,  vaso do seja c irc culo rato ipe peda da onda do bum dos metros 
 
 
ah amada certamente dormi em teus braços pelo domingo fora, pois acordei como um bebezinho, sabes como é, fui-me espreguiçando lentamente ainda a dormir como um gato, e assim acordei bem disposto, pena foi de seguida olhar e não te ver a sorrir a meu lado em nosso leito

primeira homem ,  a am mda da cera do rate maior nt e da dor mi em te us br al cortez os es puta do elo do mingo for a, p  co circulo do is acor dei,  circulo do omo um do bebe,  zorro se in ho, s ab esc es cap ape  omo é, fu é pn ponto da .me es pre gui ç ando len tae maior nt e a inda , primeira dor mir c omo um gato, é ass si m acor dei b em di sp os to, pena fo id dee se guida o l homem da ar, é n cao teve vera sor rato da ira me vaso do lado em n osso leito

subi a campo de ourique, olhei a casa da esquina da tentadora que tem vitrais verdadeiros na janela, a ver se te via, pois durante o fim de semana ali estivera iluminado como um perfume de convite, uma pequena rosa era visível na janela, meia aberta, depois entrei a comprar cigarros, e quando o dinheiro do troco estava caindo na maquina, uma voz de rapaz me diz, parece que tiveste um jack pot, eu me sorri me virei vi o joao, um doce rapaz que ali estava  comprando cigarros para a namorada, sem bem se lembrar quais é que ela fumava, pois ao que parece só fuma de vez em quando, com sacos de compras a sues pés 

ser rp p ene net do vaso ub da bia de campo de ourique, o l he ia ca sada da es quina , a da tentadora,  q ue te maior v it rais verd ad e iros na jane la, ave rata da sete via, p o is duran teo fi md e se mana ali, al g r ave,  es ti da vera i lu min da mina do ad circulo do ado  c omo , um da cc, perfume , de c on vite, uma pequena rosa e ra v isi v el na jane la, meia ab e rta, d ep o is en t reia primeira co mp rato da ar cig ar rose qa un dó do circulo do dinheiro,  o di en homem do rio do t roco desta,  ca inda ana ma quina, uma vaso do oz de ra ap pr zorro da me di zorro pa rece quadrado da dp ue ti vaso de este,  um j a  ck do pote , radio por g rama, da vaso da  me s ori me v ire ie do vi do circulo do jo da a um do doc e ra p az q ue ali est av aco mp rato ps  qa n do cigar r os para da primeira  mano r ad as, se maior  be maior da ms  se lem br ar quais deque dela fu m ava, p o is sao q ue pa rece s ó fu am d e ve ze maior do qua n do, com dos sacos, ped rose eta,  de co mp rato ps asa serpente vaso do es p,  é serpente

saímos juntos e caminhamos um pedaço, se cruzou connosco uma bela rapariga que nos presenteou um belo sorriso, ficam bem as boinas nas raparigas, e os sorrisos sempre desvelam a beleza delas, e depois continuei , entrei no café do jardim da parada para ver  as capas dos jornais, e logo vi, mais um acidente com morte para três polacos, da vila do real do porto, um autocarro ao que parece de jogadores, embateu nesse carro onde os três polacos vinham, três jovens sorridentes, ou seja, se confirmou ali perante meu ver, a participação dos jogadores do porto, do bando do porto na matança polaca , e me subiu a memoria, uma recordação nessa autoestrada, de uma grande peça de automóvel que uma vez aparecera ao caminho quando por lá passara, que me levou a telefonar para os respectivos serviços, acho que aqui o contei uma vez, ou seja um perfume do grupo que preparou o meu acidente de carro ao chegar a Braga em noventa e quatro ou cinco, e a fresca memoria do eco dos aviões em nova yorque no que vira da relação da câmara do porto com eles

sa imo sj un to ze ca min hm os,  um ped dc sao es, se c ru zo vaso c on no sc o de uma bela rp a riga q ue nós pre s en teo vaso um b elo sor rato iso, fi icam be ema s b oi n as nas ra pa rig gas, é os sorriso, cayatte,  se mp re d es vela lam a onda da prime ria da  bel e za delas, é d ep o is c on tin ue ei , en t rei no cafe do jardim da parada,  para ver ps ás ca sp sado serpente sj dos  jornais, é l ogo do vi, mais, fr,  um ac inde dete com da morte,  para t ratos  es pol cos da vila do real do porto, um au toc aro cao q ue pa rece de jo gado das dores es, em bate vaso ness  carro onda os t r es polacos vinha ham am det ratos  es j ove en ns sor rid id dentes, o vaso do seja, se c on fi rato  omo vaso  ali pera zorro cabo nt e,  me uve vera primeira p art tic cp aç sao es dos jo gado das dores es do porto, do bando do porto na mat ança es pol primer aca da laca,  , é me s ub i ua meo ria, pt,  uma reco cor rda ac sao ness a au to est r ad a, de uma g r ande p eça de au tom ove l q ue uma v e z ap ar e cera x cao ca minho qua n do por l á p as sara, q ue me l evo ua tel é fon ar do para os r es pe c t iv os ser vic es  os, ac cho q ue a qui circulo onda c on t y ei , uma v e zo vaso do seja,  um perfume, cc,  cao g rupo q ue pre par ao u o m eu ac id dente de carro,  cao chega ra de braga em noventa e quatro,  o vaso  c inc oe primeria  fr es ca me mor ia do e , co dos avio es em nova yo ruc , é no q ue vaso da ira da puta do tribunal da  relaçao, a da cam mr ra do p oto com deles

vi também essa puta da judite de sousa da rtp, que aqui interpelara há pouco tempo, com a cara baixa, e um titulo que dizia que lhe tinham retirado sete mil euros e tal ao salário, imenso dinheiro para quem não o tem, se for em termos mensais, e a pensar mas quanto esta puta assassina, amazona, e branqueadora dos dentes das bestas politicas ganha à conta do erário publico, e me recordei ainda da imagens que vira no jornal dos bandidos em véspera , onde se viam essa duas festinhas do dia seguinte, a ilustre puta do antonio pedro vasconcelos e o outro do porto, com caras de mascaras impossíveis, a fazer um braço de ferro, sobre o tampo da mesa do tal programa, como um x, br aço do ferro, ou seja o x do ferro do br aço, dizendo que essa puta do porto, se ia embora do programa, porto top, ou melhor escrevendo o top dp porto, como aparecera em texto recente sobre queda dos aviões em ny publicado na Casa de Deus

vita da cruz da onda do tam am , o abe maior dessa puta da judite de sousa da rata do tp, londres, bum,  q ue a qui inter rp puta ela lara,  homem acento da primeria po u co te mp o, com da primeira  ca ra da baixa, é um tito vaso prime rio do circulo q ue di zorro do ia q ue l he tinha ham am rato etir ad o ste mi priemiro do euro se rose t al cao s al do rui rio, e men s o din he rio para q ue m na cao do circulo 101 da te maior da se for em termos mensais, men ns t rua ac sao es ,  é primeira pen s ar ma serpente  qua nt desta puta ass as ina, da am a zon, primeira é a  br anque ad dor ad os dentes, a  das bes t as po lito toca s g am homem da primeira, primeira   c p n t ad o e ra ri p ub lic oe da me reco dei a inda da ima ge maior do quadrado da ue vaso da ira ano jo rn al dos bandidos em vaso da espanhola pera , onda da se via maior dessa,  do vaso do às das bes tinhas do serpente do  ia do dia seguinte, a i lustre da puta do antonio pedro vasconcelos, e´circulo do outro, o do porto, com da caras, revista,  de ema má serpente do  car do sá , porto, em p oss ive isa primeira do f do ze rum do br aço de ferro, ps,  serpente do  ob do reo do tam da poda da dama da mesa, madrid, a do t al por gato da rama, c omo de um x, br aço dof e ero, o vaso do seja do ox do  x do ferro do br aco, di zen doque dessa puta do porto top, seda  ia em bora do pro gato da  rama do porto top, o u mel hor es c eve en dó do circulo do top da dp , o do porto, c omo ap a refer a em tex t o rec cent c en te  s ob re queda dos avio es em ny pub li cado na c a s a de de us

nao trago paciencia para putas independentemente do género como sabeis, e me fico a perguntar que treta é essa da diminuiçao de um salário, se será forma de pagar indeminizaçao compensatoria de crimes de mortes matada, vao levar todos no cu, de preferencia no inferno, ao final da tarde, no jardim a chover, tres reflexos das tres luzes no lago, eu por debaixo da arcada da igreja de paula, que estava de novo iluminada como tem estado pelas manhas ultimas destas putas, onde se ve o medalhão da semhora com a criança sem cabeça, que é imagem do mal que fizeram e fazem  a meu filho, ao fundo no predio recuado da av de ninguém  depois da primeira fiada, maria fia ad da primeira, reflexos equivalentes ao momento se davam, um carro a passar me disse ser relativo a cruz de noventa e dois, me lembrei das linhas sobre o passe da moda na foz,  e dentro do espírito se formou, o dizer o segundo, mas o sentido disto poderá ser ainda outro, como se percebera numa outra imagem do choque do avião em analise na casa de deus, pois três explosões como três sementes são ali visíveis, o segundo ,  a contar da esquerda, nessa imagem do dn, é a puta do antonio pedro vasconcelos, o do isco, assim se constelou ao momento na minha consciência, e o espelho dessa manha na foz, remete como sabeis para donna ka da ren do rato en de  ny
 

n cao t rago p ac ien cia para das putas do independente,  mente,  dog ene ero, roc omo , s abe is sabe, é me fi coa priemria  per gun da tar q ue cruz  rata eta rta,  é essa da dim min ui sao es de um s al do rio se , se rá da forma de pa g ar inde mini iza ac sao es co m p en sator sa tori ia de c rim dos crimes es demo das morte es serpente da matada, vao, ps mario soares,  l eva rato todos no do cu, de pre efe feren cia n oi n fer no, cao fina al da t arde, no do jardim , bcp, a cho ove rato,  t ratos es ref fro mula one le dos xos das tres,  l uze es no l ago, eu por de ba é xo da ar c ad a da igreja de paula, q ue est ava de n ovo i lu minada c omo te maior do estado,  p ed delas , as das manhas ultimas de sta s putas, onda da s eve circulo meda la homem  da prime ria  da se maior hor da ac om a criança se maior cabe da bessa, q ue é ima mage md o mal q ue fi ze ram am, e f az ema am eu fil ho, x cao fun do no pre di o rec u ad o da av de ni bn gun es sm  de ep o is da prim ria fia da, rf fel le dos xos eq u ia vaso dos lentes,  cao meo nt o da se da ava vam da onda da am,  um carro da pri e m ria  p ass ar da me di s se ser rato dela t ivo da primeira  cruz de no v en a te dos dois, me lem br ei das linhas s ob reo circulo do passe damo da  moda na foz,  é d en t rodo es pei rt o se for mo vaso, circulo  di ze ero do segundo, maso s en t id o dei to pode ra ser a inda de outro, circulo do vaso cruz rato ps serpente circulo, c omo se per ce da bera nu ma outra iam mg , é md o cho q ue do aviao em ana lise na c as dede us, p o is t r es das explosoes,  c omo t r es em en te sao ali, al g rato ave,  vi isi v ei serpente do circulo do segundo , ac aco n tar da esquerda, ness a ima ge md circulo do dn, é primeira puta do anton do  io do pedro vasconcelos, o do isco, ass si maior da se co ns telo vaso do cao mo men t on a min home da primeira  co ns cien cia,

e sem duvida uma outra bela noticia que só confirma como estas putas politicas andam a enrabar a todos, duzentos e vinte mil num jantar da administraçao publica, seu cabrao de puta que se diz ministro das finanças,

é se md uv id da a uma de outra, o put rato do ab dela, lan ano  not ti cia q ue s ó c on firma c omo destas putas pol it tca coa s anda do dam da am , primeiram  a en ra bar da primeira de todos, d uz zen to ze vinte, maconico, t rato ps ipe,  mi l nu maior j antar da ad mini serpente da cruz da raçao da publica, jornal,  serpente do  eu c abrao, circulo  de puta q ue se di zorro mini serpente da cruz rop das fina aças espanholas serpentes

olhe seu cabrão de bandido fora da lei, que ao que parece anda a alimentar os funcionários a caviar, faça a seguinte conta, divida o valor total pelas cabeças, e depois aplica a verba em desconto sobre os vosso imposto de ladroes, proporcionalmente a todos os mais idosos deste pais !!!   

o l he s eu cabro da prime ria do bandido fora da lei, q ue cao q ue par ee da anda da primeira  al em en tar os fun cio na ria sa caviar, russia,  faca  es da primeira se gui inte cio nt a, di v id cao do valor,  tota banco, primerio  p delas,  cabe l ç as es, é d ep o is ap l sic es primeria ,   ave rba em d es conto s obr e os vaso osso im post o de l ad rato circulo es, pro rop pro roci cio n al ,mente, primeria dea de todos os mais idosos, matança em frança , vaga de calor,  d este do pais, tvi !!!

e olhe ainda, sua puta terrorista de estado, aos reformados não se pode aplicar imposto sobre rendimento, sua besta ladrão, pois os reformados e os pensionistas já não auferem rendimentos, sua puta, e as reformas são fruto dos imposto sobre o rendimento no período de trabalho, seu ladrão de merda, e os outros rendimentos que eventualmente alguns reformados tem, são igualmente já taxados em sede própria do respectivo imposto, sua besta ladrão, está portanto proibido de taxar mais o que seja aos reformados e pensionistas, vá levar no cu, seu terrorista de estado!!! 

é circulo do prime ero ,he a inda, s ua da puta terrorista do estado, es sat td o, a os re for m ad os n x cao da se da pode ap lic circulo da ar im post o s on re r en dim en to, s ua bes t al ad ray to ps cao, p o is os re for mado se os pen sionistas j á n cao au fere maior mr ren dim en t os, s ua puta, é ás re das formas sao fr u to dos im post o s obr e o ren dim en to n o per iodo de t r aba bal primeiro do natal, s eu l ad rato do cao de merda, é os outro ren di e maior  nt os q u e eve en tua a l lem nt e al gus sn re for mad ad os te maio  sao i igual e maior nt e t axa ad os em sede pro rp piao do r es pec t ivo im post o, s ua bes t al ad rato do cao, e stá porta ,cds, nt o por e bid o de t axa r mais circulo q ue do seja os re for m ad os e pen sionistas, v á l eva ar no cu, s eu te rr o rato ori sta de estado!!!

o senhor se ainda é ministro das finanças aplique é o que falta, justiça fiscal, transparência, e rigor, em vez de blá blá de coisa nenhuma, ou ainda não percebeu que mais de metade dos portugueses deixaram de pagar imposto, por saberem que vós todos sem excepção vos comporteis como ladroes, com a agravante de com esse dinheiro patrocinam e fazerem crimes, dos quais ninguém quer ser cúmplice, pois assim é avisado , quem a lei cumpre, entreguem o poder a quem ele é !!! 

circulo do s en hor da se a inda é ministro das finanças , ap lic ue é circulo  q ue f al t a, j us tiça es fi do iscal, t ra ns paren cia, e rato do  igor, em vaso e zorro d eb l á b la acento do ed co isa n en home  uma, o ua inda n cao pec e beu q ue massi de me t ad dedo s portu gueses de ixaram de pa g ar im post o, por ,saberem,  q ue v ó serpentes   todos se mex e cp sao es vaso os com p orte sic omo dos ladroes, com da priemira,  a g r av van te de c om desse , dine homem ri pat rocio na rem e f az e rem c rim crimes es, do s quais nin g ue maior q ue rato ser cumplice, p o is as si mé a v isa sado , q u ema primeira da lei cu mp re, en t reg ue emo p der prik me da ira q ue maior dele,  é !!!

e invalide mais esse negocio de escândalo com a construtora do seu correlegionário dos bandidos do ps no cambalacho de sempre com as construtoras, pois ainda não vi foi nenhum dos da queda de entre rios acusados ou presos

é in v al lide massi,  esse do n ego cio de es can dolo com da primeira  da co ns t u tora do s eu cor rato dele le gi io an rio dos ban di os do ps no cama bala ac cho de se mp re com às  co ns t ru toras, p o is a inda n cao vi fo i ne h um do sd a queda de entre rios ac cu usa sado s o u pr es os
amadinha comi um peito de frango com arroz daqueles que vem do oriente e que são muito mais saborosos e perfumados dos que estes tradicionais daqui, e como estava pensando em ti, me deu assim um tipo de soninho cheio de tusa e assim me deitei e dormi até as duas da manha, e acordei cheio de tusa também

am ad dinha co mi um pe it o de fr ang o com ar roz daqueles,  do q ue v e do o ire ren en te e q ue sao mu it o mais, fr,  s ab o roso e per rf fu y mados do s q ue de estes , t r ad di cona is daqui, é c omo est tev a p en s ad dn nod em ti, mde de u as si maior um t ip o pode s o ninho c he ior é t usa e as si maior da me dei t ei e dor mi a té às das duas da manha, e acor dei c he io de t usa tam am tambem

me apareceu no final do sonho, uma bela mulher morena vestida de calças e camisa branca sentada como em pé num banco alto, como o do estirador , com três anéis, numa cozinha toda branca, parecia uma capa de uma revista da casa e decoração, e não sei por que razão o perfume da imagem me remeteu para o mosteiro dos jerónimos em belem

me ap a receu no circulo fina al do sonho, psi, uma bela mul her mor rena v est id ad e c al ç as es e cam s ia br ancas sena td a c omo em pé nu banco, dine iro,  al to, cop o do est ira da ad da dor , com t r es ane is, nu ma cao z ina h toda br anca, pa reci au,  uma da capa de um r e visa sat da c asa e deco raçao, e n cao s ei por q ue r aza dp cc,  per fu me da ima mage maior da  me reme t eu para do circulo do mos ter iro dos j ero nimo serpente  em bel , ele maior,  , 

sabes ontem domingo, já o dia se levantava, acabara de publicar o pedaço doze sobre os aviões em ny, e me fui deitar, mas ainda não tinha sonho, e de repente estava a pensar na bela keira, pois a vira também nessa ultima revista que abri, naquele anuncio de perfume, como uma bela variante, trazia assim o dedinho na boca, e eu me ri ao vê-la assim, pois parecia mesmo que estava a pensar intrigada , deverei por mais sal ou mais pimenta, para o comer, e sábado, passara nos bombeiros ali ao pé da musa do eça de queiroz, que esteve muitos anos sem braço e mão, mas é muito bela, pois vira antes ao passar por lá na sexta, uma nova loja que me chamara a atenção pelo canapé que tinha na montra, um canapé assim como o que a bela keira aparecia naqueles blogues que me fizeram aqui aparecer com um trio de três das mais bela mulheres do mundo, ela, a kate e a nicole, que me recordei agora, é a primeira da linha sobre os negliges, a propósito da ascensão e queda de mahagoni, que declinara em maga do homem primeiro da oni, numa conversa de vinte e quatro de agosto, que ressoa também em nome do jornal desse tadeu, que mais uma ressoou em palavras escritas recentes na Casa de Deus

s ab es on te do min ing o,j á o dia da se dele eva van da cruz x  ava, aca ba da ar de pub l cia aro peda ço es onze son re os avio es em ny, é me fo id ei tar, mas ian anda n cao da tina homem do  sonho, psi,  é de re pente est ava primeira  p en da sarna da ab ed dela, da  k ei ra,  p o isa vaso da ira tam am tambem ness a ultima da revista q ue ab rina naquela do ano un cio de per rf um me, cc,  c omo uma b ela v aria nt e, t ar z ia as simo de di dn ho na boc a, é eu da mer do rato  cao v e traço ingles la as si maior, p o is par e cia do mesmo , q ue est ava primeira p en s ar int riga da gada , d eve rei por massi s al o u massi do pimenta, nome,  c omo q ue maior da  me eva ai co mer,  é s ab bad ad o, p as sara nós b om be iros rosa  ali, al grave.  cao peda da musa usa do eça dec w ue iroz, q ue es tve mu it os ano s se maior br aço es, é mao, ma sé mu it o b dela, p o is vaso da ira na t es cao p ass ar por lána da sexta, uma n ova da loja q ue me c ham ara a at en çao es p elo c ana ape q ue da tinha na mon t ra, um can ape as si mc omo do circulo q ue da priemria da bela kapa eira ap pr we cia naqueles b lo g s qu  e me fi ze ram a qui ap a recer com de um do trio de t ratos  es das mais, fr,  bela,  mul her es do mundo, ela, primeira kat e é ani c ole, q ue me reco rato dei a g r o a, é a rime da ria lina home  s ob re os ne g lige sa por rp ps ot io da ascençao , mad red dd é use da queda de ma h a g oni, q ue dec lina ra em maga gado home prim rio da oni, nu ma c on ver sa ed v ei nt e e a q u t rode dea de agosto, q u ee r esso a tam am bn no no da do vaso da me do jornal de esse cobra do tadeu, q ue massi uma vaso, e , r ess o u em pal av r as es c rita s rec en t es na C a s a d e D e us

bela a loja que se instalou numa parte dos bombeiros, coisa estranha, pois por ali saia antes uma pequena viatura de emergência, tipo um jipe, olhei a montra, a ver o canapé, que tinha como se estivesse na parede por detrás um espelho redondo em lente, que quando antes passara, me remetera de imediato para um quadro de um pintor flamengo que uma vez aqui abordei em pormenor, pois trazia um reflexo impossível através de um espelho equivalente, em cima do canapé , peças de loiça chinesas , uma couve, um dragão,

b ela,  a da al loja , q ue se int alo vaso nu ma p arte dos b om be iros roco, c roma key, co isa est r anha, p  o is por ali, al g r ave,  s aia ant es uma pequena via da tura de e mer gen cia, t ipo um do j do ipe, o l he ia montra, ave ero roca c ana ape, q ue da rinha c omo se est ive ssse na ap rede , um es pel ho em lupa, q ue qua n do ant es p ass sara me reme teresa ra de imediato,  para um qua dr o de um pin ot f al lem n goc ue uma v e z a qui ab o r dei em por maior da  enro, p o is t ar za e um r efe do fel do xo im p o ss iv el at r ave es de um es pel hi o eq u iva al lente, em c ima do can pae , p eça s de loi ça es chi ne za s , uma co da uve, um draga circulo,


entrei, um mulher magra morena com cabelos negros em escadinhas com ar brasileira ao fundo me cumprimentou em modo alegre e jovial, como é caracteristico das gentes do brasil, bela forma de cativar um cliente, muito melhor do que os caras de pau mais ou menos indiferentes que por aqui geralmente se vem nas lojas, quente e escura a loja, pelos belos papeis acetinados de flores nas paredez, e lembrar ck, e o quarto da  monica panaguiao, pelos objectos e pelas luzes, olhei o reverso do canape, uma lupa grande, com cabo forrado a pele negra, que bela e boa , bem gostaria de ter uma assim grande, e perfumes, com outras sugestoes, muito engraçado tudo aquilo, lhe digo em voz alta, que belos objectos aqui tem, o dizer caiu mal, ali ao momento, assim o senti, de tal forma que me dirigi a ela e lhe disse, coisa, em portugues nao tem sentido depreciativo, no seu braço se desenhou ao momento,  meo maior nt o, como que uma marca,  depois sai, o guarda chuva que trouxera de casa de meu pai, que tem um curiso r invertido em doirado bateu ali ao sair, e depois ainda na calçada subindo para a a brass si eri de l en t reco te, da keira, nem ve-la, me perguntado qual, visto como também falo nesse vídeo de dia vinte  quatro, um outra da radio, me aparecer na tv de raspao, sentada num mesmo canape do bando dos cinco da cinco para a meia noite, programa da tv da rtp, 2


net rei, um mul her mag ra mor rena com cab elos negros em esca dinhas com da ar da brasileira cao fun do me c um pri men to u, em mod circulo do  alegre, ps,  é jo ov via al, c omo e ca´rac te r is tico da s g en t es do bra s el, b ela forma de cat iva rum c lie en te, mu it o mel hor do q ue os caras de pau massi,  o u men os inde feren teque por a qui ger la em nt e se v e m na s lojas, q u en te e es cura da prik eira da loja, p elos b elos pa ei s ac e tina ad os de flor es nas pa red dez, e lem br ar ck, é circulo do quarto, o  da  monica p ana gui cao p elos ob ject os to se p elas l uz es, vol he io r eve r sodo cana ape, uma lupa g rande, com do cabo for r ad o da primeira  pele negra, q ue bela é boa , be m gs ota ria de teresa, uma as si  mg rande, é perfumes,cc,  com o put r as s u g est toe es, mu it o en g r aça ado t u dp o aquilo, l he dig om voz al t a, q  ye bel s o ob ject os aqui,  te mo di ze rato ca eu do ai maior da al, ali,. algrave  cao moe maior do nt o, as simo s en ti, de t al da forma do que da me di rig ia ~dela, é  l he di s se, co isa, em portu gues n cao te maior s en t id o d e pre cia t ivo, d ep o issa io do guarda circulo do homem da uva , q ue t ro ux e ra de c as de meu ai, q ue te maior de um cu rato iso r in vert id em do irado, bate vaso do ali,  cao s air, é d ep o isa primeira  inda na c l ç ad a s u b indo para a ab brass si eri de l en t reco te, da keira, ne maior em  vaso, e, do traço ingles de la, me per gun t ad o q ual, vi s to c o o tam eb maior do falo nesse vaso id do circulo do de dia vinte e qautro, o t rato ps ipe da tvi,natal,  au qaudrado da cruz do rato circulo , um da outra da radio, me ap ar cer na tv de r as spa di ip do pao, s en t ad a nu um do mesmo c ana do ape do pedo do bando dos c inc o da ac inc do circulo do para , primeria meia do ano da  noite, 2005, pro gato da rama da tv da rt puta dois

já o dia se leavntava, como agora, acabou de aterrar o grande boieng da gazela como deslizando na noite agora quieta, belo piloto que se preocupa com o sono da gentes, o mesmo aviao que tras o sempre esquisito barulho  nas turbinas como a arranhar,  e pensava na keira ,  e me disse, vou por uma musiquinha para ela que ela vai gostar, lhe pus o piano concert do michael nyman e como um gato de quato patas  no parapeito fiquei a olhar a manha de domingo nascendo,

j á do circulo do dia da se lea v nt ava, c omo do agora, aca bo vaso de a te rr aro g ar n de boi eng da gaze la, c omo d es liza ando dona do ano da noite,  agora do qui eta, b elo pi loto, q ue se pre co u pa c o m o s on circulo  da g este serpente , circulo do mesmo aviao,  q ue t rato as o se mp re es qui si to mo tor nas t ur bina s,  c omo a ar ran homem da ar,  e p en s ava na kapa da eira ,  é me di s se v o u por uma mu six sic u in h a pa ar dela , q ue ela v ai g os tar,  l he pus do circulo do pi do ano do concerto do michael ny man, me c omo um gato de qua top das patas da me do pus no para pe it o da primeria do circulo do primrio do hoemm da ar,  a primeira da manha,  dedo mingo n ac en dó,   

saiu ao momento um passarinho que parecia o que encontrara na rua do buraquinho que existe aqui na parede em baixo, e depois eles, os passarinhos me mostraram assim, primeiro dois aviões levantavam ao contrario do habitual, desenharam na subida o delta dos aviões, os passarinhos acrescentaram, o bico, ou seja o elemento gráfico do vídeo antepenúltimo publicado na Casa de Deus, uma estrutura equivalente ao prédio hexagonal que é visível no vídeo ante penúltimo em ny, relacionado com o porto, e a câmara do porto, as escadas, ou seja processo de elevação em cima do telhado , e depois um outro poisou numa chaminé que é como um missel, assim os pássaros me confirmaram que fora um missel

s ai vaso do cao mo men to , um p as sarin hoque pa reci cio do cic circulo q ue en c on tara na rua do b ur rac kin,  home circulo oe  é xis te au ina per de em ba e xo, e d ep o is deles, os  p as sarin h os me mos t   r aram as si maior do prime rio do is avio es l eva van t ava am cao c on t rai do h abi u tal d es s en h aram mna s u bid dp delta dos avio es, os p as sarin h s o ac r es centa aram, circulo dd do bico, o vaso do seja o do  dele , lem nt o do grafico,  do v id deo ante pen u l t imo pub li cado na c as dede us, uam e~ts ru ra eq ue iva al lente a cao pre di o,  he onda xa gn al q ue e é v isi evel no v id deo ante p en u l t imo, rea l cio n ado com do circulo do porto, é priemria   cama do ra do porto, ás das escadas, o vaso do seja por rec e osso de elevaçao em c ima do tel h ad o , e d ep o is um outro p o iso un uma c ham mine mini ine q ue é c omo um miss el, as si maior os p assa aro s me c on fi r mar am q u e for a um miss el

continua...