domingo, dezembro 19, 2010

às autoriedades dos homens se ainda as houver, se nao, a Deus, seus pedofilos assassinos, 21

.





na tabacaria do antigo bairro de lisboa, então percebi o que a filha da maria me dissera naquele breve esvoaçar, pois a chave do carro de prata ali estava num jornal reflectido, uma estranha linha, que remete para a margarida, que já no dia anterior, tinha também aparecido, numa aparente conferencia sobre guionismo ou algo assim em portugal, género frase chapéu , pobrezinhos mas bons, a cheirar a mofo do nacional porreirismo de todas as misérias e desgraças


na t aba baca caria , a do antigo ba é rr circulo  rode lis boa, en tao per cebi circulo q ue da primeira da fil home da primeira dama da maria,  me di ss e rana ana quadrado vaso le br eve es vaso  circulo cortez ar, p  o isa primeira circulo home ave doca rr rode p rta ali, super mer cado,  es tva nu maior jo pr n al ref for mula one le ct id o, uma est rata da anha da linha, q ue reme te do para da primeira margarida, q ue já ano dia ante rato do ior, tinha tam am tambem ap ar e c id on vaso da ma ap a ren ct e c on feren cia s ob r e gui ni sm circulo  o ual goa ass si maior  em portu gal, g ene ero fr ase chapeu , p ob r e zinho serpente ma sb on sa c he ira ramo fodo do nacional , teatro, por rei rato p s  is mode todas as mise ria se d es g ratas aças espanholas

ali estava ela de novo, em cima no topo do jornal dos bandidos com ar de quem estava muito chateada , com um lugar vazio ao lado do que se pressuponha ser a tal mesa da dita conferencia, e por baixo em primeiro plano, uma foto do boieng da gazela africana de quem aparentemente tinha caído uma peça da cauda em cima de um tigra prata, aqui estava  relaçao, pois as minhas palavras tinham antes acabado de referenciar um tigra,

ali, super mer cado es tva dela de n ov, em c ima no t 6 o podo do jornal dos bandidos com da ar deque maior est ava mu it o cha te ad da primeira , com um lu gato da ar vasp az  do io cao lado doque da se pr ess u p on home da primera , sera t al da mesa, madrid,  da dita c on feren cia, é por ba do xo em primeiro puta lan primeiro ero do primeiro ano, uma fo to do boi eng da g az dela , a africana deque maior ap a ren te mente tinha ca id o,  uma p eça da c auda em c ima de um ti gato da ra p rta, a qui est ava  da relaçao, p o is as min home às pal av rato ps as tinha ham primeira ant es aca bdo de refer rn cia rum ti gato do ra

o tal avião que não muito tempo atrás aqui dera conta em suas aproximações em ligeiro slide, com um estranho barulho numa das turbinas, quase planando nas madrugadas por cima da casa fazendo se à pista de aterragem, ali estava aparentemente como tendo caído um pedaço de sua cauda e a puta olhava assim em ar de reprovação nesse segundo dia em que a puseram no pasquim dos bandidos

ota al avia circulo,  q ue n cao mu it o te mp o at r as aqui, id der da primeira conta em s ua s ap pro x ima maçoes em lige iro do sw serpente da lide, com um me ts rato do anho ba ru primero ho nu mad as t ur bina s, q ua ase pala na dn dona sw serpente mad ru gadas por c ima da c asa do fazendo, bloco de esquerda,  se à pi serpente sy delta cruz primeira de a terra rage mali es tva ap ar ren te mente c omo t en do ca id o um ped aço de s ua c auda, é primeira puta circulo do primeiro homem ava ass si maior em ar de r ep pro da ovaçao, editora ,  ness é se gun do dia em q ue da primeira p use ram no p  as quim dos bn didos serpenet


sobre essa puta, a margarida com o nome de família dessa outra puta mor ladra e abusador de crianças que é o bastonário da ordem dos advogados corruptos, pouco trago a dizer, quando o pai da monica lapa nos emprestou a casa na junqueira para nos vivermos, primeiro a irma, a marta para lá pouco depois se mudou e e seguida trouxe essa puta, que é uma das intriguistas de muitas merdas que me tem feito, e sei eu pelo espírito que trás culpas no cartório relativas à morte da monica lapa, por isso que arda no inferno, meu voto, é !!!!

serpente ob re dessa puta, a margarida com do circulo do no mede f am el do ia dessa outra puta mor ladra, é ab s ua da dor de crianças q ue é c irc uk lodo do bastonário da ordem dos advogados, ad vaso circulo do gados dos corruptos, p o u co t rag ho primeira di zorro we rato ps  , qua n dó circulo do pai da monica lapa,  nós em pr est o ua c asa ana da jun q ue ira , para n os v ive rato ps maior do os do  primeiro, da irma, primeira da marta,  para l á p o u code p~o is da se mud o ue, é se guida t rato toc circulo do ux, é essa puta, q ue é uma das int rig gui ista sd de muitas merdas q ue me te maior,  feito, é serpente ei europeu  puta do elo es p ei rt io q ue t ratos ás cu l p as no car tori o rato  dela t iva sa doca acento do damo da morte da monica lapa, por iss circulo q ue ard ano do inferno, me eu vaso oto, é !!!!


comprei o dvd, e me dirigi ao miradoiro de s vicente, aquela parte que corresponde agora ao tecto de uma garagem que por ali fizeram hás uns anos atrás, e reparei que lá existia uma esplanada, que ainda não tinha dado conta, com um estranho nome que logo me disse estar-mos também a falar do mesmo constante grupo de muitas desgraças, porta do sol, ou seja, praça de madrid, o lugar dos buns em atocha


com pr rei ei circulo do dv de me di rig ia cao do mira , do iro de serpente do  vicente, aquela puta da arte do quadrado da ue cor rato ps  espanhol da puta do one do agora,  cao tec cruz circulo,  de uma gara rage maior quadrado da ue por ali, super mer cado,  fi ze ram homem ás un serpente  ano sat rato sp pp as, é rato epa rei quadrado da ue kapa l á, é xis tia,  uma da esplanada, ep al ln ad da primeira, quadrado da ue da primeira  inda do n cao da tinha do dado da conta, com um me ts rato do anho n mec quadrado da ue primeiro do circulo lobo  do gome da di serpente da se es star traço inglês maior do os tam am também , primeira f al da ar do mesmo, o  co ns t ante g rupo de muitas desgraças, p orta do sol, o vaso do seja, pr aça de mad rid, o lu g ar do sb un serpente em ato toc cc cha

ali estava parado ontem pela noite na ponte sobre a av infante santo olhando o rio




e a vi chegar, passou por mim na ponte com seus amigos, Meu Deus , que sua face era próxima , tao próxima desta bela rapariga, trazia uma saia tipo anos vinte que abanava leve em seu mover enfiada numas belas pernas de meias suaves negras e um capuz de pelos brancos que lhe emoldurava a face, apontava a di da casa da pizza italiana, que bela sois, senhora

é primeira davi chega ar, p ass o u por dam mim mna da ponte com se us am mi gato os, M eu De us , q ue s ua face,  e ra pro x ima , tao por x ima de sta desta bela rapariga, t r az ia uma s aia t ipo ano serpente  vinte q ue ab ana ava l eve em s eu maior ove r en fia ada nu ma serpente de belas, lugar,  pernas de me ia s s u ave es negras, é um ca do puz de p elos br ancos q ue dele,  emo mol dur ava primeira face, a pont ava primeira di d a ca sa da pi zorro da za italiana, q ue b ela s o is s en hora
.
.
.

aqui vos deixo uma canção de tao bela que nunca me cansa seu ouvir
.
.
.

aqui vaso do os dei do xo , uma can sao es de tao bela q ue n unc a me can sa s eu o uv vi rato ps 
.
.
.

.
.
.
.
.

e tu fofinha, quando chegas, eu ando tapando as frinchas no ninho para estar quentinho à tua chegada

é cruz vaso  fo fi n home da primeira qua n dó chegas do gas, eu ando tap pando às fr inc homem  as no do ninho da para es star q u en tinho à tua chega gada

às autoriedades dos homens se ainda as houver, se nao, a Deus, seus pedofilos assassinos, 20

.
.
.
.
.




no dia do furação
 
no do dia do fur ração rac ac sao es do furação

tomara o vinte e oito na estrela, até ao poço dos negros, tudo normal na anormalidade dos dias, entrou primeio um rapaz de barbas que se chegou a mim, nos cumprimentamos com o olhar, e ele me disse, estou em ressaca, hoje nao tomei a minha dose, eu pensando para os meus botoes, mas trarei cara de quem ouve confissoes alheias, quando um africano entrou e uma discussão com o condutor estalou, ao lhe mostrarr o passe ou algo assim, saiu uma ou duas  paragens depois, ficando no ar, um perfume a racismo no tratamento e no tratar


tom oma ara do circulo do vinte e oito, o maestro na estrela, a té cao poc espanhol cod os negros, tudo norma al na ano rata mali dade do os dos dias, psd,  en t rato circulo do vaso prime do io de um rapaz de barbas, duvideo,  q ue da sec homem do ego, psi,  gato circulo da ua da primeira mim, nós cu mp rim en tam ms serpente circulo com do circulo do pri mr io home da ar, jaime gama, ps,  é ele,  me di serpente da se, est o vaso  em rato ps ess aca, homem oje n cao tome ia min homem ad o se, eu pen s ando para os me us boto es, ma serpente  t ra rei da revista cara,  deque maior circulo da uve c on fi ss o es al alheias, qua n dó , um africano en t rato o ue uma di s cu ss ºcao com do c irc uk lo do condu do tor est alo vaso, cao l he m ostra da rr circulo do passe o ual goa ss si maior, sa eu uma o vaso de duas  para rage en ns d ep o is, fi can do no da ar, um perfume, cristina coutinho,  primeira rac is mono t rata tamen toe no t ra tp cruz serpente  ata da ar
 
 
na baixa um segundo flare da má disposição do crescido condutor para uma senhora anafada que assim se viu obrigada a correr para o apanhar, entrou também uma belíssima rapariga de pele branca de uma rara alvura, cabelos solares, vestido de padrão verde como celta, demasiado leve para o frio do dia, com um senhor que poderia ser o pai dela, alto, moreno, a quem ela em pé se encostava, olhei-a na face e Meu Deus como era bela, e mais estranho ainda me parecia a face da filha da maria de assis, recentemente aqui comentada    
 
na baixa, um da se da gun do  fla red dama da má d i sp posi sic sao es doc rato es c id o condu tor do para de uma serpente da en hora ana fada q ue ass si maior da se vi vaso  ob riga gada primeira acor rato pse, rato para do circulo do ap anha ar, en t rato circulo do vaso  tam am tambem de uma bel iss ima ra pa riga gado pele br anca de uma rata da ara al vaso ur da primeira, cab elos solar es, vaso est id circulo  do padrao,  verde circulo omo celta, de ema si ado l eve pr primeira do circulo do fr io do dia, com um s en horque pode da ria serpente do ero rop do pai dela, primeiro cruz delta circulo da puta do moreno, primeira q ue maior dela,  em pé da se encosta ava, o l homem  ei traço inglesa ana da face, é Me vaso dd e us circulo  omo e ra da bela, é ema mais e ts rato do anho a inda da me par e cia primeira face da filha da maria de assis, re en te maior nt , cruz é qui aqui co men t ad da primeira
 
 
eu para mim pensando em meu botao, mas o que aqui se passa, de novo um puro sincronismo ou mais uma encenaçao em curso, pois me recordava da escrita recente, da estranheza que sentira pela cor demasiado alva dos braços da tori amos na entrevista, que afinal correspondiam a um maiot como de dança, e ali me aparecia uma anjo com o mesmo tom de pele
 
 
europeu do  para da mim pen s ando em me vaso  bota circulo, maso q ue aqui da se p ass ade en ovo , um p ur o sin c ron is mo circulo do vaso  mais, fr,  uma en cena ac sao es em circulo do urso, p o is da me record ava da es circulo da rita re cente, da est ran he za q ue s en t ira p dela,  acor de ema si ad circulo do alva dos br aços da tori am os na en cruz re vaso  ista, q ue a fina al cor r es pond iam a um maio cruz circulo do omo mode dança, é ali da me ap ar e cia uma anjo com do circulo do  mesmo,  tom de pele, br

mais estranho a coisa se tornou, quando sai em frente ao miradoiro da pequena igreja e subindo para o apanhar, a filha da maria de assis, a  mesma face de uma proximidade incrível, festejei-a com os dedos na face ao momento, ela me disse alguma coisa em tom desagradável, apontando um carro de prata que ali estava estacionado, mesmo em frente à paragem como dizendo então, é agora, eu sem entender ao momento o que ela me dizia, até chegar á pequena tabacaria onde fui comprar cigarros e ainda um dvd com um filme que nunca vi, je vous salue marie
 
mais est rato do anho da primeira  aco isa se tor mo vaso, qa un dó sa e em fr en te cao mira do doiro, roda da pequena da igreja, é s ub indo para do circulo do ap anha ar, primeira fil home da primeira ad da primeira dama da maria de assis, primeira  da mesma,  face de uma por x emi dade inc rato iv el, f este j ei traço inglesa com os dos dedos na face,  cao mo men to, ela da me di serpente da se al guy ma co isa em tom de sa g r ad ave primerio, ap pao nt ando um carro de prata,  q ue ali, super mer cado,  estav est ac cio n ado, do mesmo em fr en te à para rage maior mc omo di zorro do neo dó en tao, é agora, europeu  se maior men ten der cao moe maior nt o,  circulo  que dela, da  me di zorro do ia, a té chega ar á pequena t aba baca car ia onda fu oi com p da ar cigar rose , a inda de um dv dc om um fil mec ue n u n c a vi, je v o us sal ue da mar ie

às autoriedades dos homens se ainda as houver, se nao, a Deus, seus pedofilos assassinos, 19

.
.
.
.
.





pela noite, uma precisa noite recente, se pusera o nevoeiro, denso, daqueles que quase não se ve um palmo à frente, o dia assim nasceu e durante mais uma volta no céu assim ficou


p ela , lam ano da noite, uma pre cisa ano da noite re cente, se  p use ra circulo da neve oe iro, d en serpente circulo  daqueles,  q u eq vaso  ase n cão da se ve um pal mo à fr en teo circulo do dia ass si mna sc eu é duran te mais, fr,  um vol cruz primeira ass si maior fi co ova do vaso


ah tori amos, que ouvi pelo espírito um dizer que lhe espero que lhe faça sentido, pelo menos mais a si do que a mim, pois escutei, que a menina me teria dado uma faca, e que essa faca fora invertida contra mim, ou seja depreendo, que alguém, dirá que a menina lhe terá dado uma faca que era para mim, mesmo não sabendo em exacto que faca se trata, e que então, quem a teria dado, de alguma forma a invertera, que estranho, a não ser que o tal cd que me chegou pela mão do tal rui da CP, uma fosse

primeira homem  tor ia amo serpente, q u e o v i p elo es pi do rito,  um di ze rato ps  q ue dele,  es pero q ue l he f aça es ws  s en t id o, p elo men os mais primeira si id doque da primeira mim, p o is es cu t ei, q ue primeira menina da me teresa ria dado,  uma da fca, eq ue essa faca for primeira invertida da contra da mim, o vaso do seja d ep ren doque al g ue maior, di r ac q ue primeira menina,  l he teresa ra dado uma faca quadrado da ue we ra da para da mim, me sm circulo  n cao da sa bend do circulo  em, é x cat ato toc quadrado da ue faca set rata, eq da ue en tao, quadrado da ue da ema teresa ria do dado, de al gum primeira forma, primeira in verte rac quadrado da ue de est rato do anho ana circulo,  ser quadrado da ue do circulo ota al ala , prime rio do cd quadrado da ue dame mec circulo,  he ego vaso da p dela, prim eira da  mao dot da cruz da al rui da cp, uma da fosse

 ah bela amada tori, que a ouvi a dizer um mesmo numa entrevista, que só tinha pena das vezes muitas em que quebrara o seu coraçao, assim é senhora, a quem ama, a quem em verdade ama e sofre nas vezes no amor, e olhando o ontem, se pensa nas vezes então, que parece até desperdício de tempo e de tempo de dor, mas sabe, bela menina de meu coraçao, assim são os amantes e o amor, e assim somos transportados no braços da senhora saudade, que nos embala em seu peito, e nos regenera em dois no três,


 primeira do homem  bek la am mda  tori, q ue a o uv ia di ze rum de um mesmo,  nu ma en cruz  rato é vaso ista, q ue serpente do circulo do ó , tinha da pena, sintra,  da serpente  vaso e ze espanhol de muitas,  é maior do que q ue br ara do circulo da serpente eu cora raçao, ass si mé s en hora, primeira q ue maior  ama, primeira q ue maior  em verde ad,  e, é ama e s o fr rena serpentes  vaso e ze serpente es no am mor, é circulo do prim mr rio do io do homem ando do circulo de ontem, se pen s ana serpente  vaso e z es en tao, q ue par ee primeira té d es per di cio de te mp poe det em pode da dor, ma serpente,  sabe, b ela da menina de me eu vso  cora raçao, as si maior da sao os am ant gatos  es é circulo do am mor, é as si maior ms  serpente omo serpente t ra sn porta ad os no br aços da s en hor da primeira da vera  saudade, quadrado da  ue dos nós em bala, em serpente do eu p ei to, en nós do os reg ene ra em dois o cruz rui rato espanhol



no dia do tufão que a imagem de outras desgraças e de beslan também, onde ontem ouvi pelo espírito que já se sabia o que soprara os explosivos do telhado que originara a matança das crianças me meti no eléctrico do vinte e oito e decidi ir até ao largo de são vicente, pois de novo calhara nas minhas letras referencias a esse lugar, pela fundação espírito santo, pela cerca moura em memorias desse lugar antes habitual a meus passos quando trazia a latina europa por ali perto

no do dia do tufao,  q ue primeira rai ima mage mde de outras desgraças, é de beslan tam am também, onda o nt emo u v i p elo do espanhol do  pi  do rito q ue ja acento da se , sa bia,  o q ue s o pr ara os explosivos do tel home ad circulo do ado doque oi rato gina ra da dama dp rime ria da matança das crianças,  me me ti no do eléctrico, o  do vinte e oito,  é dec id di rato do rate,  a té cao l argo de sado do vicente, p o is de n ovo circulo ca da alha rana serpente ene  min do hi do me às das letras,.  refer en cia sa desse cobra do  l u gato da  ar, p ela, a da  fundação espírito santo, p dela, a d ac se é rca da moura em me do mor ia do sd desse, primeiro vasp gato da ar da ant espanhola homem do  ab do bit da it da ual, primeira de me us passos quadrado da un dó cruz ra zorro do ia da primeira da latina europa por dali per to


na verdade ontem pelo jantar vira um pouco dos telejornais, calhara ver a noticia da demissão do autarca do psd de coimbra, e o passos coelho com ar de caso muito mais grave do que a aparência de sempre dos motivos falsos das falsas demissões, e ressoara esta demissão , na linha recente de minhas palavras que me levara e novo a coimbra, e vira também a noticia do larry king, que ao que parece abandonara o seu show passado todos estes anos, ali estava ele figurando os suspensórios dos círculos vermelhos com o cenário dos leds coloridos sempre por detrás dele no estúdio, e os suspensórios me remetiam para fundas, fundas que servem para deitar cargas abaixo, ou ainda para david e golias, que é também nome de uma produtora aqui em portugal, de um rapaz que comigo há muito tempo trabalhou, mas o que me veio de elo recente a memoria, fora o tal catalogo de filmes do tal rapaz que me aparecera e que depois na aparência fora parar ao santa maria, na altura de beslan, o tal carlos, qualquer coisa

na verde ad e on te mp da onda da puta elo j antar vaso da ira de um , po u cod os telejornais, cala har ave rata primeria,  a do ano  not ti da cia,  da demi iss sao do autarca do psd de coimbra, é circulo do passos coelho com da ar , dec as circulo da mu it o mais, fr,  gato rato ave doque da primeira ap ar  é cna de sempre, a dos mo t iv os f al s os das f alsas demi miss iss o es, é rato ess oara e sta demi miss sao  na linha re cente , de min homem as pal av rato ps as q ue da me l eva do vara, ps,  en ovo da primeira de coimbra, é vaso da ira rata tam am tambem , primeira do ano do not da ti da cia dol rr delta dek do king, q ue cao q ue pa rece ab bando dona ara do circulo do  serpente eu , serpente ho do w  do passado,  todos este serpente  ano serpente do ali, super mer cado,  est ava dele figo ur ando os s us pen sorio ss dos irc culos vermelhos com do circulo da cena do rio dos led ds color id os sempre por det rato as dele no es stud di do io, é os s us pen sor iso da me reme ti am para fun d as, fun da s q ue ser vaso em para d ei t ar c argas aba do xo, o vaso  a inda do para de david, é gol ia s, q ue é eta tam am tambem no med, é  uma por d u ota aqui em portugal, de um ra p az q ue co mig o homem do acento da primeira à muito tempo , tg r aba bal ho uma serpente circulo q ue da me eve do veio,  de elo re cente da primeira me mor ia, for primeira do circulo do tal catalogo de filmes , do t al rapaz q ue da me ap rec cera,  eq ue ep o is na ap a rec cna if, cc,  for onda primeira par  da ar cao s anta da maria, na al tura de beslan