segunda-feira, fevereiro 28, 2011

sexagesima oitava parte da arte das bombas em londres

sexagesima oitava parte da arte das bombas em londres


sexagesima oitava parte da arte das bombas em londres



retorno aos aspectos medicos, que aflorei na parte anterior, pois , tambem aqui nesta area esta conspiraçao contra um pai e um filho se mantem, pelo silencio criminoso dos corruptos, que me impossibilitam até ao momento, o responsabilizar deles, em actos criminosos aqui amplamente descritos, e isto dá corpo e sustentaçao, a esta linha, como motivo

rato é torno a os as pec t os medicos, q ue a flor ei na p arte ante rato do ior, p o is , tam am tambem aqui nest primeira ar rea , esta, a da conspiraçao, c on pira raçao, c on psi rç sao es contra de um pai, é um fil ho da se ema man te mp elo silencio, cc, c rimi ino n osso dos corruptos, q ue me imp oss sibil bil io tam do circulo r es ponsa sa bil iza rato deles, em actos criminosos aqui, am p lam am, mente, d es c rei it os, to ze is to d á cop pro, é s us ten taçao, primeira desta , a da linha, circulo do omo mo cruz ivo

pois só a culpa podera estar por detras do silencio criminoso

p oi serpente ó ad da primeira , cu l pa pode ra esa sate r pro det rato as do silencio c rim ino serpente circulop






olho de novo o espaço alterado que se ve e pressente nesta foto, e as linhas me dizem ainda, de uma janela em arco, e duas linhas de cadeiras frente a frente, a primeira imagem que me vem a consciencia é uma simetria do arco, com o desenho da retorta que se encontra no restaurante funil , o tal restaurante onde a puta que me tras o filho roubado jantava no dia do bum, e da tal tremenda gargalhada qui narrada

circulo do primerio ho de n ovo do circulo do es paço , al teresa rato do ado quadrado da ue serpente eve, é pr ess en te nest primeira desta foto, é as das linhas, lugar, me di ze maior ma inda, de uma jane la , é maior mar arco, é duas, das linhas de cade ira serpente fr en te primeira da frente, primeira da primeira rai ima ge maior q ue da me vaso ema primeira co ns cien cia, é uma si met ria do arco, feira de arte de madrid, e escola de arte em lisboa, na se, com do circulo do de s en homem do circulo da re da torta rta, q ue sd ase en contra no r es taura nt é fu nil , circulo do t al r es t au t ran te o pn dea primeira da puta que me tras o filho roubado, j ant ava no do dia do bum, é da t al cruz rato da rua da emenda gaga arga gal, rata da alhada do qui na rr ad da primeira

a segunda imagem que daqui aflora, pela forma do arco e pela disposiçao das cadeiras, é de uma igreja, catolica,

c irc uk ki do io do segundo do circulo, ima ge maior q ue a da qui da a flora, p ela, ad da forma do arco , é p ela di sp o siç sao es das cade ira sé de uma mai gata ra ja, da catolica, universidade, vide referencia de id sobre esta puta que já se desvelou neste livro da vida

esta leitura é ainda reforçada pela acçao dos tres personagens em cena pois algo aparentemente estranho ali está figurado, ou seja , parece que o que se encontra a tras, em frente ao arco, esta a filmar o local de cena, mas a posiçao e angulo que se dezuz, mais parece dizer que ele esta a filmar o cu do outro que se encontra de gatas, ou de quatro patas, e cuja posiçao dos braços e das maos mais parece simbolizar uma oraçao do que a busca de vestigios no chao,

esta , lei it ru ra é primeira inda ref for orca da forcada es, p ela, a da acçao dos tres peros sn a ge en ns em cena am , p o is al g o ap ar ren te mai ior nt , é est rato do anho ali, algarve, é stá acento figo ur ad o, o vaso do seja da pa da rece q ue da se en contra primeira de tras, em fr en teao cao do arco, esta, primeira fil mar aro l ocal dec cena, massa posi sic sao es, é ang da gula q ue da se de zorro da uz, massi par ce di ser serpente ze rato q ue deles, eta primeira da fil mar do circulo doc ,vaso do outro , q ue da se enc on tar dega gatas, o vaso de quatro patas, é cu ja posi sic sao dd os br aços, é a das maos mais , fr, pa erc , é si mb o liza rato de uma circulo da raçao doque da primeira bus cade, br, vaso est ti gi os no cha circulo do chao, ou seja dos tremores, nas minas, tambem

falamos entao de filmes, de gravaçoes feitas sobre eventuais abusos sexuais e de crianças pois um outro pormenor para isso aponta, na verdade, é a primeira chave que me apareceu nesta imagem depois de a ver pela primeria vez, e é consonante com outros fios que se tem desvelado nesta analise em partes anteriores, ou seja reforça e dá peso a esta possibilidade , como mecanismo

f al amos en t cao de fil mes, de g r ava ço es feitas s ob re eve en tua is a bus os se x ua ise de crianças, p o is umo de outro da rop do por men o rato rp do para iss circulo ap da ponta, na verd ad e, é primeira da prime ira rac ac circulo lodo do homem ave q ue da me ap receu nest primeria da imagem , d ep o is dea primeira ve rp dela , prime ria vaso é zorro,e é c on s on primeira te tec do com de outros fi os q ue da sete maior d es vela lado , nest primeira ana lise em p art es ante rio ratos es, o vaso do seja ref da forca, a orça, é d á do peso, moeda, primeira , esta, p oss sibil bil di iade , circulo do omo meca can ni sm circulo

à peça que se ve em primerio plano do lado esquerdo da imagem, a branco, e do sentido que adquire e desvela com o primeiro varao azul dos tres que sao visiveis na carruagem, pois esta forma desde o inicio me intrigou, e ela simboliza uma serra de arco, e em sentido mais amplo oficinas, e oficinas, me remetem pela analise do catalogo de manufacturas , para as fotos da casa pia, das oficinas da casa pia ou equivalente, e esta leitura foi ainda reforçada pelos sincronismo da linha de eventos no tempo em que olhei para esta imagem, ou seja final do ano , principio deste

à p eça q ue sd a eve em prime rio do plano , a puta da lan do pri mne iro do primeiro ano, do l ad circulo da esc ue rda da ima ge ema do branco, é do s en t id doque ad qui ire, é d es vela vaso, ela, com do circulo do pr mer do io ova do vaso do varao, filho, do arao , azul, d os de tres, q ue da sao vaso isi vaso ei serpente na carruagem, p o is desta, a da forma de sd deo inc cio do io da me int rigo ue dela , si mb o liza uma da serra de arco, e é maior ms s en t id o mais a mp primeroi do circulo das o fi cina se fic ina serpente , mr, é reme te mp ela ana lise do cat al ogo do gode da manu, f do ac das turas, , para ás f oto sd da primeira da casa pia, das o fi cv vina do ina sd da primeria ac aca circulo do as da pia , rua maria pia, o vaso do eq u iva al lente en te , é esta, a da lei it tura fo do oi ref forçada p elos sin c ron u is moda lina hd , é e vaso nt ts circulo no te mp circulo, é maior doque circulo do primeiro he do ei para desta ima ge maior, o vaso do seja fina primerio do ano , pr inc vip io de este, este

domingo, fevereiro 27, 2011

sexagesima setima parte da arte das bombas em londres

sexagesima setima parte da arte das bombas em londres


se xa ge sima set ima p arte da arte das bombas em londres



só um acrescento relativo aos oraculos, abaixo publicados, a imagem do celeiro a vira quado andara procurando o lars von trier, pois dera com a bela nicole num trailer de um filme dele que nao conheço onde encontrei a imagem uma vez aqui comentada, dela deitada no que parecia ser uma carroça com maças e de um cobra que se figurara perante meu olhar,

serpente ó um care s cent tor circulo do rato do ato dela, tivo primeira do os circulo da rac culos, abi xo pub li cados, a iam ge md circulo do c ele iro, celeiro loja em alacantara tambem, a do vaso da ira qaudrado vaso sio qa n do fo anda ra por cura n dó circulo da dol do ars do von t rie rato ps, p o is der ac om a b ela nicole n um t rai ler de um fi l med dele , leque n cao c on he ço onda en c on t rei qa da primeira imagem , uma v e zorro za do k ki aqui co men t ad adele deo it ad ano q ue pa rec ei ser uma car roça com das maças, ny, é de co br rac ac q ue da se figo ur ara pera nt é me vaso io primeiro do homema ar,

o filme se chama dog ville, ou seja o cao do vaso da ille, fr, ou ainda o cao da villa, uma outra actriz cuja ultima vez quer avi em capa de revista tarzia o cabelo em ondas acobreadas tambem

o fil me da se da chama do ham da primeira , dog ville, o vaso do seja do circulo do cao da ova do vaso da ille, fr, o ua inda do circulo do cao da villa, uma outra ac rato ti zorro cu ja u l t ima v é zorro q ue rato avi em ca pade da revista, t ar zorro do ia do circulo do cabelo em ondas aco bre ad as tam am tambem

o filme da conta pelo que vi de uma mulher que é acolhida numa villa e que vem perseguida por razoes que o trailer nao explica, e fala de como ela vem marcada , e de um segredo tenebroso que de alguma forma transportara

circulo do fil meda da conta p elo q ue vide , uma mul her q ue é ac ilhi id ano um, uma da villa eq ue vaso é maior pre se guida c irc uk lodo por r az o es q ue circulo da cruz da rai ler n cao é x p lic a, e fa da al de c omo eal vaso é maior maraca ad a , é de um do segredo t ene br roso q ue de al g u am forma trasn por rata tara ara

a rapariga que aparecia na camara, e que depois dizia que só tinha ido para a cama com ele, é magra alta, cabelos loiros compridos escorridos e franja, assim a vi no sonho, faz de alguma forma lembrar a tal das calças caqui que uma vez aqui apareceu a porta

primeira rapariga q ue ap ra rec ia na cama ra, eq ue de posi di zoror do ia q ue s ó da tinha id o para da primeira cama com dele, é mag ra alta, cab elos loi ratos os com pr id os es cor rid id os se fr anja, as sima primeria do vi no s on ho f az de al g u am forma lem br primeira, a t al das c alças ca q u ei q ue uam v e zorro aqui ap a receu p rie mk ria da porta, cds,

cada vez mais mem parece, atendendo tambem as mortes dos jovens, pois mais houve, nomeadamente de uma rapariga da tvi, que as autoriedades que cobrem estes crimes, cobrem na realidade um confronto que se tera dado entre jovens das duas televisoes, a tvi e e a sic e que é isso que estará por detras do bum em londres

circulo da ad primeria ave zorro do mais me maior pa rece, at en den dó tam am tambem ás das mortes dos j ove sn, p o is mais homem do circulo uve, no me ad dam am a que mente , de uam da rapariga da tvi, q ue ás au tori ed ad es q ue cobre rem est es crimes, co br é mna rea al d iade , um cd o do confronto, q ue da sete ra do dado en t re j ove sd as das duas televisoes, primeira da tvi , é primeria sic , eq ue é iss circulo quadrado da ue da est ará por det rato top do ás do bum em londres

a imagem do cafe para alem do que se desvela na narraçao me remete ainda para a maquina de cafe krups, e para as matanças na alemanha, ou seja o ca dad fe kapa do rup do ps

primeira ima ge md doca fe para al lem doque da se d es vela na na rr raçao me reme te a inda para da primeira ma quina deca fe krups, é para ás das matanças na alemanha, o vaso do seja do circulo ca da ad fe kapa do rup do ps

a imagem do aviao que nao o é em, correlaçao com o ta barco que depois vira no tejo sobre o qual ele pairava , me remete ainda para o tempo da ultima estada do porta avioes da usa aqui

a iam ge md circulo avaio, qaudrado da ue en cao do circulo é , eam do maior cor da relaçao com ota do bar coc qaudrado da ue do quadrado da ep do circulo do is do vaso da ira no tejo serpente ob reo quadrado da ual, fac, quadrado dele, par da primeria de riva , me reme te a inda para circulo da puta cruz delta ye mp da poda vaso do primerio do cruz ima de est ad, dado do porta, cds, avio es da usa aqui

o barulho que relato no final que nao sei se é rel ou do sonho, era a porta do quarto como uma guilhotina a correr tres vezes, ou seja tres bums, gui pri miro roda da hot tima, ou hot ina , ou da cruz da hot ina do ima

circulo lodo do bar u primeiro do hoque rato ela ato no fina l q ue n cao s ei se é rato elou do s on ho, é ra primeira port rat c omo uam gui l hot ina , primeira cor rato do es t r es v e ze serpente, o vasdodo seja de t ratos es buns, gui primiro da hot tima, ou hot ina , ou da cruz da hot ina do ima

ainda sobre o magic bus

na verdade me recordei agora que nao só vi um autocarro de mesmo modelo feito bar numa praia portuguesa uns largos anos depois, como passados outros tantos, apareceu uma frota completa deles nas cores da coca cola, penso entao que tambem me deveis dinheiro para o fundo final da miseria

na verd ad é me record dei , agora q ue n cao serpente do ó vi , um do autocarro do mesmo modelo, fi é to do bar n uma pr ia portu guesa un as l argo serpente ano serpente dd ep o is, circulo do omo p ass sados de outros t ant os, ap a rec e reu , um fr ota com p el t adele es nas cor es d aco ca c ola, pen serpente circulo en tao quadrado da ue e eta do tam am tambem da me d eve is dine homem do rio para do circulo do fun do dó fina al do din dn da m i s e ria

me recordo durante as viagens que fizemos ao algrave para preparaçao do projecto, de uma ser na primavera, e de ter sido talvez a vez onde achei mais belas as amendoeiras a florir, e esta memoria de novo em mim emergiu durante a analise desta parte, pois a minha intuiçao me diz, que quem esteve ligado ao acto de corrupçao do projecto magic bus, esta tambem ligado com a queda da ponte de entre rios, pois como sabeis, as gentes vinham exactamente da festa da amendoeira em flor e por consequencia estarao ligados aos bums em londres

me recordo c irc uk l o duran te ás via ge ns q ue fi z emo sao al g rato ps ave para ap rep par ad da raçao do por ject o, de uma ser na prim ave da vera, e de t rato, é rato s id o t alvez primeira vaso é zorro onda ac he ei mais de belas, lugar, as das am en do ei iras sa flor ire, esta, me mor do ia de n ov em mim e mer gi vaso duran te primera ana lise desta p arte, p o isa min home da primeira in tui sao da me di zorro, q ue q u é mairo da es teve li a gato do cao do acto de cor rup sao es do pro ject circulo do oma magi circulo do bus, esta, tam am tambem li a g do c oma primeria da queda da ponte de entre rios, p o is circulo do omo sabe is, as genets vinha do ham am , é xa aca cat em mne net, a da festa da am en do eira em flor , é por c on sw q u en cia est arao liga gados a os dos bums em londres

nao creio trazer mais elementos significativos em relaçao ao autocarro magic bus e das correspondencias que a partir desta visao com as fotos manhosas do google sobre o de londres, estabeleci, por isso passo de seguida à analise da foto do metro

n cao circulo lodo rei circulo t r az ze rato massi ele lem en t os sig n if ica cat ivo s em relaçao aco cao do autocarro magi circulo do bus use, é das cor r es ponden cia serpentes q ue da primeira ap pr do tir desta, a da visao , porjornal, com às das fotos man ho sas dog dp da dag le s ob reo circulol de l on dr es, esta es sat sata stabe be le ci, por iss circulo do passo , o louco, sode se guida à ana lise da fo to do metro

na realidade sao tres, as primeiras já aqui publicada em parte anterior, e portanto analisada em seus pormenores, sendo o mais importante o que estabelece a relaçao da forma com o radiador do autocarro, e o simbolismo das cores, e ainda uma outra relaçao detectada com a queda de um tupolev no irao, ultimo post na Casa de Deus

a outra , pelo tal gancho, que aparece a rasgar o chao, com as simetrias tambem detectadas e analisadas

primeira da outra , p elo t al do gancho, gan do cho, segur os do beijo invertido, q ue ap rece da primeira r as sg aro cha o, com as si met ria s tam am tambem de tec t ad ase é ana lisa sadas







na rea al lida da sao , tres, a primeria já primeira do qui pub lic ad a em p arte ante iro re porta, cds, nt circulo ana lisa sada em se us por men o ratos es, s en do dó circulo do mais im porta nt teo circulo q ue desta es stab be le cea da primeria forma com do circulo do ra ad di ad dor do autocarro, é circulo do s ei mb o lis moda serpenets das cor es, é a inda uma outra da relaçao de tec t ad a com da primeira da queda de um tupolev no irao, u l t imo post na Ca sade De us







a que falta analisar é esta, a de baixo

primeira au quadrado é f ak primeira cruz da primeira ana lisa rata é esta , ad e ba do xo



esta foto é estranhisima, pois a ausencia das paredes explodidas, altera a percepçao geral do espaço, e parece de repente estar-mos num cenario de uma nave espacial como as do filme do kubrick, o segundo, da odisseia do espaço

é sta fo to é est ran hi sm primeira , ap cruz circulo do oi da isa asu s en cia das parede serpentes, lugar, é x p l o didas, al teresa ra da primeria perce p sao es ger da al dop es paço, é pa rece de r ep en te es star ponto do maior mo do os n um c en a rio de uma ana ave da editora espacial, es spa ac si da al, circulo do omo ás do fil med circulo do kapa vaso ub br, é ck, circulo do se gun dó, o da odisseia do es paço, ou seja canal de tv, do es paco, odisseia, circulo di iss se de seia ia, seia, nome de vila portuguesa, tambem, para alem de refeiçao ligeira, tam am tambem, para al lem da refer é sao es da lige ira

temos entao um triangulo de tres humanos, vestidos com roupas anti contaminaçao, que sao carateristicas das investigaçoes, tipo csi, ou seja que fazem parte do imaginario colectivo de muitos atraves das series televisivas,

t emo serpente en cruz do cao de um do t ria ang gula de t ratos es h um ano serpenet , vaso est id os com das roupas ant circulo da contaminaçao, conta tamin mina ina sao es, q ue da sao cara rate teri serpente ticas das in v es tiga çeos es, t ipo poc circulo si, sio circulo do vaso do seja q ue f az ze maior p arte do ima gina do rio c ole circulo da cruz ivo de mu it os at r ave es das se rie es rte tele vaso da isi do iva do vaso às,

e logo no periodo acima abrem se dois abismos ou eventuais ligaçoes, contaminaçao, ao escrever esta palavra me lembrei da do livichenco morto em londres depois de ter estado num restaurante que tras o nome de um banco aqui, e das contaminaçoes aqui em casa, o tal pó verde que por aqui apareceu, nas escadas e outras , relacionadas com passes de veneno, bem como as linhas recentes no supermercado, e estas duas tentativas que fizeram agora para me envenenar , vide referencias

é pri meo primerio ogo no per rid id circulo do ac ima da se abr rem do is abi sm os o vaso eve en tua is liga ço es, c on tam ina sao, cao esc circulo da reve do rato da eta desta , es dt da primeira pal av ra da me lem brei dado livi c hen co mor to em l on dr es d ep o is de teresa estado, n um r es taura nt teque q ue t rato as o no mede de um aba do banco circulol do oi aqui, é das c on tam ina ço es au qi em casa, circulo do t al pó verde deque , por aqui ap ar receu, nas es c ad ase de outras , rato ela , a do ac cio n ad as com dos p ass es de v ene no, be maior circulol do omo ás das linhas re c en nets no do super mer cado, é estas, duas, ten tat iva serpenets q ue fi ze ram para da me en v ene en ar, vide refer rec cn ia serpente

a segunda , é imaginario colectivo, que tras correspondencia com o nome de uma firma aqui em portugal, ou mesmo duas, imaginario colectivo como empresa que alguns formaram com base numa ideia minha, ou melhor numa percepaço da existencia de um mercado que nao era respondido, o do aluguer de equipamentos, vide referencia no livro da vida, e a outra, imaginario, a que me rouba em constancia ideias que depois corporizam em objectos e jogos de crianças, como os puzzles das letras entre muitas, aqui de novo entrada a preposito da imagem da loja chineza , imaginario colectivo, me remete ainda para a praça de toiros de cascais, para os kuriakos e para o bus que filmei nesse clip, clip para a mk, pub, pois tera sido das ultimas vezes que a serviços deles recorri

primeira da se gun da , é imaginario c ole c t ivo, q ue t rato ps as cor r es ponden cia com do circulo do no da mede de uma da firma aqui em portugal, ova do vaso do mesmo de duas, ima gina rio circulo do ole , circulo da cruz ivo circulo omo da em presa quadrado da ue al gus sn for mar aram ram am com base, heroina, n uma id deia min homem da primeira, o vaso do mel hor n uma perce paço da xis ten cia , de um mer c ad priemira aqui quadrado da ue en cao, é ra rato ps do es pon dido, o do al luge ur de eq vaso do ipam ne do rt do os de vide, referen cia no liv roda david primeira, é primeira de outra rai ima gina rio, primeira quadrado da ue da me que me rouba, em co ns tan cia id deias q ue de ep o is cor p ori za am em ob ject o se dos jogos de circulol da dor do rato ian das anças es, circulo do omo os p uz zorro primerio es das letras, en cruz rede de muitas, aqui de en ov da entrada, primeira pre posi to da ima ge md da primeira da loja chineza , ima gina rio c ole c t ivo, me reme te a inda para da primeira pr çade es br, toiros de cascais, para os k ur i a k os , é para os bus quadrado da ue da fil da me da ines ness , é circulo do primero dol do ip, c primerio do ip pr da primeira, a da mk, circulo da pub, p o is teresa ra s id o da s u l cruz ima serpentes vaso é ze es quadrado cap ape da ue da primeira do do , ser viç os deles reco rr. i




estas figuras, nao simbolizam só investigadores tipo csi, ou de peritos de policias outras, como tambem nos remetem pelo vestuario para pelo menos duas outras situaçoes, uma delas relacionada com um dos oraculos do sonho, pois esse perfume me emergira antes ao ver esta foto agora de novo, ontem quando começei a escrever esta parte da analise

estas figo ur as, n cao si mb o liza am s ó in v es tiga dor es t ipo c si, sio vaso de pe ritos de pol icas, outras, circulo do omo tam am tambem nós reme rte mp elo v est ua rio para p elo men do os de duas si rt tua ço es, uma delas rato, ela , ado ac cio n ada com um dos orca u l os do sonho, p o is desse cobra do perfume, cc, me e mer da g ira ant es cao ver esta, a fo to do agora de n ovo, on te maior qua n dó co meçei primeira esc circulo do reve rata, esta p arte da ana lise

pois a primeira correspondencia que me veio de seguida sobre os fatos, é das quintas, nos sistemas de reproduçao de animais , tipo insiminaçao artificial, em massa, como um documentario que uma vez aqui abordei, ou seja, roubos e traficos de semem e de orgaos humanos,

p o is da isa primeira cor r es ponde dec cia ia, q ue da me eve do veio jason, de se guida s ob re os fato serpente, pedro marques, é das quintas, nós sis t ema sd é r ep pro u sao de ani mia serpentes , t ipo in si mina ac sao es art if fi cia al, em massa, italia, circulo do mo , um doc um nt ario q ue uma vaso é zz aqui ab o rato ato dei, o vaso do seja, roubos e traficos, de se me mede deo rato da g ato da primeira os homem primeiro ano serpenet , 2005 ou 2003

a segunda correspondencia , que aparece tambem no corte do paragrafo acima, pois semem, e roubos tras o contexto alargado de roubo de ideias e de patrimonio, é medicos, pois esse vestuario se ve nomeadamente nas operaçoes, e as linhas deste livro da vida aqui apontam o tal cirurgiao barroso, da famila soares, ou seja contaminaçoes e doenças em figados e similares, vide referencias,

primeira da se gun do acor r ep os sn dec ia , q ue ap rece tam eb maior no co rte do para rag rafo ac ima, p o is se me me orubu, cascais e filosofo do ps, serpenet cruz rato ps as o c one net do x to ala rag dode ro ub do bode , id dei as ase, é de pat rim oni oe dos medicos, p o is esse vaso est ua rio da se ve no me adam dam am, mente, nas o pera raçoes, é as das linhas de este liv roda david a aqui pao nt do am do circulo do t al si ru r gi cao do barroso, da fa mila do soares, o vaso do seja das conta am mina ço es , é do enças es em figo gados e si mila ares, vide refr en cia serpentes

temos tambem ainda linha da contaminaçao de sangue aqui em portugal ocorrida no tempo em que a leonor beleza era ministra da saude,

t emo s tam am tambem a inda da linha , da c on tam am mina ac sao es de s ang ue aqui cor rid ano te mp circulo em q ue da primeria da leonor beleza, é ra da ministra da saude maior, saude,

e um outro medico ingles tambem aqui citado, o ger, olu seja o desparecimento da maddie,

um outro medico ingles tam am tambem a qui c it ad circulo dp do ger ero lu seja do circulo do de spa rec ie maior nt circulo do desaparecimento da maddie, dama ad dd di , e, ie, a maconica da rede

um outro pormenor, melhor dois, reforçam este simbolismo de medicos e de atos medicos legais ou nem tanto, os fios que se desprenderam do tecto parecem fios de entubar, e tal ideia é ainda reforçada pela presença de plastios, sacos de plasma, que terao sido postos pelos investigadores, assim se deduz, para armanzenar vestigios

um outro da rop por men o rato ps, mel hor de dois, ref fr roça es am de este si mb o lis mode med di cos sede cat atos serpente medicos le gais o un é maior cruz anto, os serpente di os q ue da se d es pr en der am do t ex to pa recem fi os de en tub ub bar ar, é eta da t al id deia , é a inda refer roç ad a p ela pre s en çade es br, p l as t cio ss aco sd é plasma, q ue te ero da primeira s id o por st os p elos in v es tiga dor es, ass si maio da se d ed uz, para ar men zen ar vaso es ti gi os

o fio do lado esquerdo da imagem, parece uma cobra que liga de alguma forma o cima ao baixo, e os do lado direito figuram como que dois bicos , uma maior, atravessado a meio, como uma coleira de cao, que aponta um dos preciso falos dos bancos desse lado, parece ser o terceiro de quatro a contar do fundo da carruagem

circulo do fi io do circulo da dol lado esq ue rato dó da ima ge maior, pa rece uma cobra braque, ponti lis mo, liga gade dd al gum da primeria forma doc irc culo do c ima cao ba do xo, é os do lado di rei to figo ur am circulo omo q ue de dois bicos , uma mai circulo do rato, tar av es sado primeira me do io, circulo do omo , uma c ole ira de cao, q ue ap ponta um dos pre do ciso, dente dos falos dos bancos , de serpente se lado, pa rece serpente ero circulo do terceiro dec madeira, au t rato circulo da primeira conta rato do fun dó da car rua ge maior

como existe um outro desse mesmo lado, atras mais pequeno, que parece ser uma barriga, aprece estar-mos perante um caso de gravidez, e de falo de uma gravidez, e está um pedaço de papel pardo, como antes aqui se embrulhava os bacalhaus, por cima dos bancos que parece alguem ali ter colocado, tal imagem dos bacalhaus embrulhados em papel pardo, me remete ainda para o ano de 99 ou 2000, o video de gastronomia feito para o icep

circulo do omo é xis te , um outro rode desse mesmo, mao lado, at rato ps as mais pequeno, q ue pa rece ser uma bar riga, ap rece es sat rato traço ingles ms circulo pera nt , é um ca sode g ar v id dez, é de f alo de uma g r av id, é ze , e stá um peda aço de pap el p ard o, c omo ant es a qui da se em br u la hoem vao serpente baca calhaus, por c ima do os bancos q ue pa rece al g ue mali teresa colo , nec falo, c ad a, t al ima ge mdo s baca calhaus em br u l h ad os em pap el p ard o, me reme te qa inda para do circulo do ano de 99 o vaso de 2000, o v id deo de gas t rato on circulo da mia , feito para do circulo do icep

sendo estes bancos, ao fundo se ve muitos outros amarelos que sugerem pela cor spagetti, ou seja ainda italia,

serpente do en dó estes ba rn cos, cao fun dó sd da se ve mu it os outros a mr elos q ue s u ger rem p ela cor spa getti, o vaso do seja da primeira inda da italia,





um convite para te jantar, e dois oraculos em dois sonhos

um c on tite do vite, mer cedes,  para te j ana tar, é do is o rac culos em do is dos sonhos, psi 


 07 02 2011
30,4 MB (31.916.500 bytes)
ou seja o terceiro do circulo do quadrado, o da sic, trinta e um da armada, mb, ar ramada, noventa e um, seis, dos quinhentos, segundo delta cruz espanhola, quinhentos, linha antiga das notas, vide referencias, aqui

sábado, fevereiro 26, 2011

sexagesima sexta parte da arte das bombas em londres

sexagesima sexta parte da arte das bombas em londres


se xa ge sima , s e x t a p aret da arte das bombas em londres

retorno a um pormenor publicado em parte anterior, o que me diz o verso da pagina onde esta o esquisso, da planta do primeiro piso do autocarro, antes analizada, publicado em partes anteriores,

re torno da a um por men o rato rp pub l c iad o em p arte ante rato do ior, o q ue me di zo ver soda pa gina da onda ed desta, circulo do es q u iss o, da p l anta do pri mr io p iso sodo autocarro, ant es ana liz ad da primeira, pub li cado em p art es ante rato do iro espanhol,

esse esquisso foi a chave interpretativa do arpao, e do mecanismo do arpao se bem vos recordais da leitura recente deste ponto da analise, portanto o reverso me dira eventualmente mais sobre a id dessa mesma energia ou arpao

es se es q u isso fo ia da primeira c h ave inter rp pre eta tat iva ado ar pau, é do meca can is mo do ar pau sd da se be maior do vaso os reco rda is da lei it da tura re cente de este ponto , da ana lise, por rat ton crzu dp rato do aro da ar do vaso, rato do es circulo da me d ira eve en tua al lem nt é ema mais s ob re qa id dessa mesma , ene rato g ia circulo da ova do vaso do ar do pau







é uma minuta de um requerimento que o fernando soares, meu parceiro neste projecto rabiscou em meu caderno, embora nao se veja na pagina, está dirigido ao gabinete do coordenador do ingresso ao ensino superior,

é uma min vaso cruz primeira ade , um req ue rim en rt o toque do circulo do fernando, do soares, me eu par rec ei reo nest , é pro ject circulo r ab isco vaso em me vaso do cade rn do no, em bora n cao da se da eva do veja, br, na pa gina, esta, di rigido cao gabi nete nt , é dóc da dp rato da ar da dena , da ad dor do ing rato esso cao do en sino serpente do vaso do pedo iro,

vem ele solicitar a tal excelencia que lhe responda a um requerimento anterior no qual dava conta de um erro no preenchimento de dois digitos num formulario que o levara a ser colocado em coimbra, e que tendo apresentado uma exposiçao à c c p do ap, nao efectuou a matricula, e depois foi informado que estava assim em risco de comprometer o acesso a universidade, como entendeis, um dos mimos da burocracias portuguesas

vaso é maior dele , sol i citara t al é x e c len cia q ue le homem rea rato ap as on sd primeira da a um , req ue rim en to ante rato do iro no quadrado da ual da ava da conta de um me rr on circulo do pre en chi men to dedo is di g it os, n um for mula do rio q ue do circulo l eva do vara, ps, a ase ser c olo cado , br, em c oi mbr a, eq da ue t en dó ap pr rese sena td circulo, uma é x posi sic sao es acento da prime ria da cc, cristina coutinho, cp do da ap, n cao do efe circulo do tc cruz , circulo da ua da primeira mat ricula, é d ep circulo do is fo do oi do onze em for mado quadrado da ue de est ava primeira do si maior, é maior do rato do isco code com pro rome meter ero ac ess circulo da primeira da uni ver sida dade, circulo do omo en ten de is, um dos mimos da b ur coa rc ia serpente porto da guesa

coimbra terceira cidade do país, tras aqui algumas referencias nestes anos, e especificamente a marta ataca e ao tal deputado da ar, com ligaçoes a empresa de artes graficas e impressoras,

circulo oi mb ra da terceira, ilha, cida dedo do país, tvi, t rato as aqui al gum as refer ren en cias nest es ana os, é es pec if icam e rn tea da primeira da marta ata aca , é cao t al do deputado da ar, com liga ço es primeira da em pre s a d e art es g raf ica se impress , balsemao, circulo do rato às,

o primeiro aspecto que se realça é o aparecimento da ap, que aqui é uma sigla relacionada com o acesso ao ensino superior , donde ministerio de educaçao, mas tambem como sabeis, é sigla do porto de lisboa, que tambem apareceu, na analise como lugar de eventual confronto, entendido como imagem do mecanismo que tera depois levado ao bum, tambem ap, é alvo de muitas imagens e leituras constantes neste livro da vida, e de uma carruagem, locomotiva, loco maior ot iv circulo, salvo erro com o numero de 111 ,

circulo do primeiro as pec to do toque da se rea alça, é circulo do par rec ie maior nt circulo, o da ap, q ue aqui é uma sig la rato ela , a do ac cio n ada circulo do omo da primeria ac esso cao en sino super ior , don da onda min s it teri io de edu duc do caçao, ma serpente tam am tambem circulo do omo sabe , is sig lado do porto de lisboa, q ue é eta do tam am tambem a ap receu, na ana lise circulo do omo lu gato da ar de eve en tua al do confronto, en ten dido circulol do omo ima ge md circulo do meca can s imo q ue teresa ra d ep o is l eva ado cao do bum, e eta do tam am tambem ap, é al vaso circulo de mu it as ima ge ns e lei it turas co ns t ant es nest eli liv vaso roda david a, é de uma car rua ge maior , s alvo, é rr roco omo circulo n um do mer rodo do ero do 111

na verdade a sigla completa é apl, ou seja associaçao do porto de lisboa, que é a entidade responsavel em grande medida por toda a zona portuaria inclusive a do cais do sodre onde se deu a leitura recente da linhas das bicicletas aqui constante, em parte anteriores,

na verda dea primeira sig la com p l eta é apl, o vaso do seja ass soci cia da açao do porto, cidade, de lis boa, q ue é primeira en td iade rato es p os n ave l em g rande med ida por toda da primeria zon , primeira porto vaso da aria inc l us ive , primeira da doca is do s o dr, é onda da se d eu da primeira lei it da tura re cente da linha , sd as bic sic da ile eta saqui co ns t ante, em p arte ante rio rato espanhol,

ou seja inda ap, em si mesmo, quer tambem dizer , ass soci, grupo balsemao, sic, a sao do porto, cidade,

o vaso do seja da inda da ap, em si me sm o, q ue rata rata tam am tambem di ze rato do ass soci, gato do rupo do balsemao, sic, primeira sao do porto, cida dade

outra sigla que neste texto aparece se junta a esta, a C C P da Ap, ou seja , cristina coutinho, da cp, companhia de caminhos de ferro e antes tambem transtejo,

outra sig lac q ue nest é tex to ap a rece da se jun cruz primeria, a desta, a do ac CC Puta da Ap, o vaso do seja da cristina coutinho, da cp, com p anhi ad é ca do minho do home da sode do ferro, ps, é ant es tam da am tambem cruz ra sn tejo, trans do tejo, trans do rio, a trans morta no porto, cidade

nas entrelinhas sem cortar o texto, leio , o no , do ensino superior, e recordo a todas leituras nas intalaçoes do ministerio de educaçao aqui perto , na av de 24 de junho mesmo em frente ao cais da rocha conde de obidos, o no do ensino superior de coimbra, do tempo do ano propedeutico, que foi uma invençao do cardia, nos anos de agitaçao, um ano de compasso de espera para ingressar no ensino superior, o que me leva ainda a uma memoria dele, e de um pedido de desculpa dele, num debate aqui em alcantara sobre o filme , sex lies and video tape, aqui uma vez comentado, ou seja, um responsavel do ensino superior de coimbra, responsavel por mentiras desta natureza

n as en t r eli das linhas se mc orta aro tex to, lei dp no do en sino super ior, é recordo circulo da primeria dea de todas le it ur as nas intalaçoes do mini serpente cruz do rio de ed do caçao au ue per to , na av de 24 de junho , o mesmo, em fr en teao doca is da rocha do conde de ob id os, on circulo do nó do en sino super iro rode dd de c oi mb rato primeira, do te maior n podo ano prp pro dp ped ue tico, q ue f oi uma da in v en sao es do car do dia, nós ano sd é a gita taçao da açao, um do ano node do compasso, sode es pera do para ing r ess da ar no en sino super do ior, circulo q ue da me l eva a inda da a uma meo ria dele, é de um ped id o de d es culpa dele, n um de bate a qui aqui em al can tara s ob reo fil me , se do x l das lies ie es sand vaso ide deo circulo do tap ape, aqui uma vaso é zorro c oe maior nt ad dp vaso do seja, um rato do es ponsa ave el do enc sino s u pei r ort de co im br a r es p os navel por men t ir as de sta desta na tur, é za

este projecto do magic bus, era uma das ideias que trouxe do tempo antes, quando vivi em bruxelas, como forma de garantir meu rendimento, foi apresentado em requerimento em papel selado ao capitao do porto de tavira desse tempo, com seis copias pois esse era o numero das entidades que tinham de dar parecer sobre ele, a ria formosa, pois a praia se encontra numa zona protegida, o turismo, a direcçao geral dos portos que em meu caderno esta grafado como quadrado do se is puta, alfandega, e mais uma entidade que nao me recordo,

este por ject circulo, o do magi circulo do bus, é ra de uma das id deia serpentes q ue t r o ux , é do te mp o ant es, qua ando vaso iv ie maior de bruxe elas, c omo da forma de gara n tir me eu ren dim en to, f oi ap rese sena td circulo em req ue rie maior nt circulo, em pap el sela lado cao do capitao do porto de tavira desse tempo, com se is cop ia s p o is esse, e ra do circulo do n um mer do ero rodas en t id ad es q ue tinha do ham am de d ar pa recer s ob reo circulo do por ject circulo da primeira da ria for mosa, p o isa primeira da pr aia se en contra n uma zon primeira porte gida, o do turismo, primeira di rec çoa es ger da al do serpente dos portos , q ue é maior me vaso do cade rn circulo do noe sta g ra fado dc doc omo do quadrado do se is da puta , é al fan dega, é ema mais, uma en t id ad deque, madeira, n cao da me circulo do reco corda circulo co rda

da apresentaçao constou seis memorias descritivas, seis plantas da localizaçao, seis desenhos da instalaçao e o requerimento em si mesmo

da ap r es sn we taçao co ns to vao vaso use se is me mor ia s d es c rit iva serpentes, se is p l anta sd da primeria loca cali iza da ac sao es, se is de en h os da in s t ala sao es, é circulo do req ue rie maior n rt circulo em si do mesmo

como vos disse em parte anterior este projecto foi chumbado, por um acto de corrupçao e eventualmente , o seu comercio depois, e a prova é muito simples, pois o argumento que apresentaram para o chumbar, creio que uma ou mesmo duas das entidades, foi que ele, nao era, uma instalaçao de caracter nao permanente, ou temporaria, que era requesito para este tipo de instalaçoes, só lhe faltaria asas para melhor demonstrar esta falacia , visto que tem rodas e se move

circulo lodo omo vaso os di serpenet da se em p arte ante rato do iro de este por ject circulo , f oi circulo do homem, de um do bad da ad circulo do ado, por um acto de circulo da dp rup sao es, é eve en tua al , mente , o serpente do europeu co do mer do cio depois, é a primeira pro da ova , é mu it circulo do si mp primeiro es, p do circulo do iso ar g ue do maior do nt circulo do toque da ap da resen serpente en tar aram am para do circulo , circulo do home do um do bar do circulo do rei , circulo quadrado da ue de uma do circulo do ova do vaso do mesmo , duas das entidades, fo do oi quadrado da ue dele, elena n cao é ra de uma da in s t al ala sao es de cara rata do ac circulo da teresa n cao per mane te, serpenet do circulo do ó , primeiro he fala cruz da ria ad da asa , editora, serpente para mel hor demon da ostra da ar desta falacia, f ala ac cia ia , vaso do is to do toque te maior das rodas , é se maior do ove

sexagesima quinta parte da arte das bombas em londres

sexagesima quinta parte da arte das bombas em londres







se xa ge sima da quinta, a p arte da arte das bombas em londres






abro talvez pela segunda vez o diário de edipo, o perguntador , neste ultimos anos depois de zeza mo ter oferecido

ab br rato circulo t alvez p elsa é gun d ave zo di ra rio de ed ipo, c irc uk lodo per gun t ad dor , nest é u l t imo serpente ano 2005, sd ep o is de zeza mo teresa ero o fere circulo id , o

sonhara em breve com teus olhos grande luminosos e arregalados, e de repente me dera conta no recanto da memoria de que esses olhos correspondiam aos da rapariga que prefacia esta livro, numa bela exposiçao da estrutura da linguagem literaria e da porpria palavra ou verbo, e do conflito que esta narrativa, de alguma forma retracta, edipo , o que inquiri a cidade muda, que como esfinge que se pretende esfinge nao lhe reposnde ou teima o silencio, ou ainda nas vezes,. pelas respostas incompletas lhe adensa o enigma, pois a esfinge se quer esfinge, e os misterios ou se decifram ou se mantem misterios, elevados a deuses, e como diz alberto e bem, ao relembrar os potros castrados de jeminez, como imagem de todos os filhos que a cidade esfinge castra, até quando esfinge manteras este povo no pantano, por palavras semelhantes ou aproximadas, como uma interrogaçao, que é sempre um desafio e uma forma de desafiar, quando sairás meu povo deste pantano

s on primeira home ra em br eve com t es vaso olhos sg rande lu mino ossos , é ar re gala lados, e de r ep en te da me de r ac on tono re canto da me mr o ia deque desses, olhos cor r es pon di iam am cao da rapariga, q ue pre f ac ia desta liv rato circulo n uma b ela , é x posi sic sao es da est ru tura da lin gui a ge maior do lite ra rio primeira, é da por rp p ria pala vaso ra o vaso do verbo, é do c on for mula one kapa do lito, toque desta n ar rat iva, de al g ua am da forma r e t r ac cta, ed id dp o , o q ue inq u iri qa cida de mud a, q ue c omo es f inge q ue se pre ten de es fu ue inge n cao l he , r ep o sn deo vaso da te ima do circulo do silencio, o vaso da ua da primeria inda nas vaso , é zorro serpente p elas r es p o sats inc om p l eta s l he ad en sao eni gm a, p o isa primeira es f in ge da se q ue rato es fi n ge, e os mi s teri os o use dec if fr ram o vaso da se man te maior mi s teri os, ela ava lava ad os a d eu es sa sm, é c omo di zoror do sd a za do alberto, eb e mao ratyo dele, lem br art os potros c as t ard os de je mine zorro, c omo ima ge md é todos os fil homem os quadrado da ue da primeria da cida de es fu ing , é ca st ra, a té qua n dó es fi do ing , é manteras, vera, este p ovo no do pantano, por pala vaso rato as seme l h ane nets, c omo uma inter rato o g aç sao q ue é se mp re um de safio, é uma da forma de de sa fia ar, qua n dó sa ira serpente me eu p ovo d este pantano

maria lucia lepeki e dou por mim no leito ainda depois de sonhar com as tuas pernas, melhor te dizendo com o pedacinho que delas conheço ou presenti, em rede de malha fina rosa, e teus cabelos em ondas cor de cobre e teus olhso da cor dos meus a declinar o nome, , a maria da lucia, ou a maria lucia, le , pe do ki da da le, da latina europa, e me sobe na memoria uns outros olhos assim, da lucia sigalho , que um dia me apareceu na latina como pretensa jornalista de audiovisual, e pela conversa , me disse, esta rapariga é um bluff, hoje anda nas danças, ao que parece, tras uma companhia e recebe da tijela do ministerio como tantos outros toxico dependentes das migalhas dos subsidios, e de repente, ainda na cama, estou num quintal na rua que sobe do largo de neptuno, onde uma noite nestes anos foi ver umas curtas de um rapaz portugues que anda pela america tambem , essa rua, que é tambem da tv cabo e da pt e do restaurante arpao

maria lu cia le pe ki , é edu por do mim no do leito a inda d ep o is de s on homem da ar com as tua serpente das pernas, mel home ero te di zen do c omo peda cinho q ue delas, c on he ço o u pre s en ti, em rede de ma alha da fina rosa, é te us cab elos em onda sc cor de cobre, pt, é te us o l h soda da cor dos me usa primeira dec lina aro no me, , primeira da maria da lucia, o ua da maria lucia, le , pedo ki da da le, d a l tina da europa, é me s ob rena meo ria un serpente de ouras, o u t rato circulo do as dos olhos ass sima da lucia sig alho , q ue um dia me ap receu na la ti anc omo da pre ten sa do jornalista de audi vaso is ual, é p ela convers primeira , me di s se, esta , rapariga , é um b l u ff, home do oje anda nas danças, cao quadrado da ue da pa da rece, set cruz rato as uma cd da primeira companhia , é re ce bed da primeira ti jel ad o do ministerio, min s it rio c omo t ant os de outros to ox do xico dos d ep en dentes das mig alhas dos s ub s id io sede r ep en te a ina na cm primeira, est cao vaso n um quin t al na rua, q ue s obr redo l argo de ne pt un o, om n de uma do ano da noite nest es ano serpente fo ive rata uma serpenets das curtas, de um ar ap za port gues q ue da anda p ela am mer cia tam am tambem , essa rua, q ue é eta do tam am tambem da tv cabo, é da pt , é do r es taura nt, é ara pau

curiosa esta declinaçao de sigalho, em sig alho, pois talvez ontem dormia na cama, andava dentro do labirinto de londres as voltas, sem grande agitaçao, como fazendo uma circunvalaçao, estava doce o dormir, certamente que me trarias dentro de ti, e fui acordando devagar devagarinho, abri os olhos, olhei a parede e vi o calice doirado projectado pelo final do sol na parede, por cima da asa da demoiselle, olhei a sua cor quente e doirada, e nele vi depois ainda uma forma, como um lamina, que parecia um leme de barco , que apontava a asa branca esquerda onde agora em tua ausencia vai sentado o tigre do winnie the puff

cu rio sa , esta, dec lina sao es de sig alho, em sig alho, p o is t alvez on te maio dor mia ana cama, ana ad a av d en t rodo l abi rin to de londres ás volt as, se maior mg gato rande a gita taçao, c omo do fazendo , uma c irc un vala çao, est ava do ceo dor mir, ce rta em nt , é teque q ue da me t rata arias d en t rode das ti, é fu ue acord dande deo d eva gata da ar d eva g ar rinho, ab rio os olhos, o l he ia primeria da parede, lugar, e vi o cali ice do irado por ject ad o p elo fina l do sol na parede, por c ima da asa sada demo is elle, o l he ia s ua cor q u en te e dor id a, é nele vi d ep o is a inda uma da forma, c omo um lam am mina, q ue pa reci , um do leme eme mede barco , q ue ap ont ava primeira asa bar qa anca esquerda onda dea do agora em tua a use en cia vaso do ai s en t id dp ti g redo w in ni é t he puff

abro o livro e vejo nas folhas desta citaçao, logo em inicio duas marcas de feltro em cor semelhante a da forma da anta no cimo dos puffs

ab r dp liv r oe da eve do vejo n as das folhas de sta desta cita rta taçao, l ogo em i n i cio duas marcas de fel t rato circulo em cor seme l homem ante da primeira da forma da anta no c imo do sp u ff s

e penso para meu botao, curioso este mecanismo quer a lucia lepeki aqui descreve, que extraordinaria semelhança com as bestas desta cidade, quererem de mim fazer uma especie de edipo, e recordo como me vi neste espelho, como nos vemos espelhados em todos os bons livros e quando estou lendo, de novo a intruduçao dela, de novo,

é pen s o para me vaso bota circulo, c ur i so de este meca can is mo q ue ra luc ia le pe ki aqui d es c reve, q ue é x t r aco rato da dina rui a seme l h ança com as das bestas desta cida dade, q ue rato é rem de mim f az e rato de uma es pe cie de ed ip o, e recordo circulo, c omo da me vi nest é es p el h o, c omo nós v emo se es p el h ad os em todos os b on s liv rose q un dó est o u len do, de n ovo a int rud dc sao es dela, de n ovo,

... à medida que o drama se adensa em torno do fantastico, pas de deux executado por edipo e pela cidade, o discurso narrativo vai caminhando em direçao à grande concentraçao dramatica final, de natureza quase puramente romanesca: edipo na prisao

... à med id a q ue do circulo da dr am primeira ase se ad en sa em torno, o do fanta s tico, p as de de uz é x e cu t ado por ed i p o e, p ela cida deo circulo do di sc urso na r rat ivo vaso do ai ca min homem ando em di re çao à g rande c on c en t raçao dr am a tica fina l, dena t ur é za q u ase p ur ram nt e roman esca: ed ipo na pr isa sao

primeira fic sao es irc cu lodo omo da necessidade, mne, mec ess sida dade





corram is mais jovens da tribo...

o potro antes de ser castrado: era negro con tornasoles granas, verde y azules , todos de plata , como los escrabajos, y los cuervos, en suas ojos nuevos rojeaba a veces un fuego vivo,

o potro depois de castrado, pobre nuba vana rayo ayer templado y solido, parecia que ya no estaba sobre la tierra, que entre suas herraduras y las piedras um elemento nuevo lo aislaba ...

as vezes os mais jovens da tribo, os que ainda nao foram iniciados no ritual da tristeza , do enfado, e da inconscienca, saem entre os silvado , com os labios pretos de amoras, saltam e bradam nos rochedos de adamastor, saturados de maresia, relincham, penduram-se nas nuvens, logo, porem fitam a distancia já com saudades do que sao agora, ja´com melancolia herdada no sangue, já varados nas lagunas das frustraçoes ancestrais,

já com tudo isso nos olhos juvenis, mas relincham como o potro fogoso, antes de o esperarem ao caminho, cautro hombres, cruzados los velludos brazos sobre las camisetas de colores,

antes que os castre o exilio corram os mais jovens da tribo aos rochedos do admastor

cor ram is mais j ove en ns da t r ib o... o p dp t rato circulo da ant es de ser cat r ado: e ra ane negro con torn a soles g rana ana sm, verde y az uk l es , todos de p lata , c omo l os esc r aba j os, y l os c ue r v os, en s u as ojo sn ue evos roje aba primeira v e c es un f u ego vaso ivo, o potro de posi de c as t r ado, pobre n uba v ana ray o ayer, te mp lado y s o lido, par e cia q ue y ano est aba s ob r ela tie rr a, q ue en t re s u as her r ad ur as y l as pie dr as um ele lem en to n ue evo lo a is l aba ... as v e z es os mais jovens da t rib om, os q ue au inda n cao da forma in i cia ad os no rit ual da t r es ie t za , do en fado, é da inc on sc ien ca, sa é mairo men en t re os si l v ado , com os l abi os pre t os de a am moras, s al tam e br adam nós roc h ed os de ad dama man s t ior, sat ur ad os de mar es ia, r eli n cha am, ped ur am traço da inglesa se nas n uv es, l ogo, po rem fit ak la di s tan cia já com saudade , pes, advogada, saores, sd doque da sao do agora, ja´com mel anc coli a her dade no s ang ue maior da já v ar ad as nas la gun as das fr us t raçoes anc est rai s, já com tudo iss on nós olhos j uve ni s, ma s r elin c h am c omo do c o irc dc culo do potro fogo s o, ant es deo es pera rea am cao ca minho, ca u t ro h om br es, cruzados l os v ell u d os br az os s ob r elas, ca mise etas de c olo ratos es, ant es q ue os castre o e x e lio do io cor rom os mais jovens da t rib o a os roc h ed os do ad mas tor rt

se nao bastasse as razoes acima enunciadas, dou vos aviso para que nao o fazeis sem entender antes quem os manipulou, ou pagareis em decuplo!!!!!!!

s e n cao ba s tasse as r azo es ac ima en un ci ad as, do vas dd vos av isa sao para q ue n cao o f az ze is se maior men en tender ant es quadrado eu de um os man ip u lou, o u pa gare is em dec cup l o!!!!!!!

ontem pela noite, trazia em mim o estranho dizer da angela markel, nao mais ajuda enquanto nao houvesse novo guiao para a europa, entrei na net e fui procurar o europa do lars von trier, olhei o rapaz e me pareceu o namorado da marta lapa, o site dizia, larvs von trier, ele mesmo, depois vi o trailer do europa, um plano aqui ressuou, o do generico do lusitanea expresso, o comboio a passar debaixo dos olhos do rapaz, como uma linha identica ao pequeno video que aqui publiquei, a queda do muro, berlin

on te mp ela lan ano da noite, t r az x ia em mimo circulo do est r anho di ze rda da angela mark el, n cao mais da ajuda, mc, en q ua nt ton cao h o uve esse n ovo gui cao para da primeira do europa, tambem cinema aqui em campo de ourique, en t rei na net, é fu ip pro roc ur aro circulo do europa dol primerio da ars do von t rie rato ps , o l he io r ap az ze , cruz é mem pa receu do circulo da na mora ad a da marta lapa, circulo do site di iza, moda, l ar vaso serpenet von t rie rato , ele mesmo, d ep o is v io t rai da ler do europa, um p lan primeri ano o aqui r esso uou, o do g en rico do l us it ane nea primeria do jornal expresso, circulo do comboio , primeria ap ass da ar de ba e xo dos olhos do r ap az, c omo um da primeira da linha inde tica cao do pequeno, vaso ide o q ue a qui pub liq u ei, primeria queda do m ur o, be rato da lin







esta folha deverá ter sido a primeira da memoria descritiva do porjecto que apresentamos às entidades oficiais como pedido de autorizaçao do magic bus

e sta desta, a fo l homem da primeira da eve vera rá teresa s id o da priemria, primeira da me mor do ia d es c rit iva do por ject circulo, q ue ap resen t amo s às das en t id ad es o fi cia is c omo ped id circulo de au tori iza ac sao es do magi circulo do bus

a fui buscar as antigas caixas de meus arquivos nos olivais, e como repararao, tem a marca de tres agrafos, ou seja, quer isto dizer para mim, que deve ser mesmo a folha do rosto de diversas, por causa deste mesmo facto, nao encontrei as outras, portanto pressuponho tambem que as roubaram, provavelmente para depois apresentarem um projecto equivalente, pois como vos disse, anos mais tarde vi um assim nas praias portuguesas

primeira fu ue bus car às das antigas, ca ix as de me us arq u ivos nós olivais, é circulo do omo r epa rato arao, t ema primeira maraca de t ratos es a g ar f os, o vaso do seja, q ue rato disto, di ze rp do para da mim, q ue d eve ser do mesmo , primeira fo l h ad o rosto de diver sas por ca usa deste, o do mesmo , o do f ac ato, n cao en c on t rei às de outras, porta , cds, nt circulo , pre ess u p on ho tam am tambem q ue as r o ub aram, por v ave lem nt, é para de pop is ap resen t a rem um por ject o eq u iva al lente, p o is c omo vaso do os di serpente da se, ano serpente mais t arde, vi um ass si mna serpente pr aia s portu gato da ue ás

o corte das palavras deste requerimento, acioma, me diz,

circulo do co rte da as pal vaso rato as de estes req ue ei rato men to, ac cio oma, me di zorro,


me mor ia d es circulo dot rit iva refer é traço inglesa se , primeira pre es serpente en te me mo ria da pr ima mai air in st ala sao de um do bar da am bul lan te cu da ja loca cali iza sao es se serpenet da it tua na pr aia dec ab b ana serpente no c on circulo do el do ho da det av vaso da ira, circulo on fr rome p primero am nt a , a ane x ad da primeira de este bar, p da rate da ad primeira da ap pt ac acao, de um ex do traço do autocarro , da carris, mode elo circulo do mk 111, qq ue serpente circulo do fr reu ia serpente nec ess sara serpente da al teresa raçoes cao fi maior vaso ista man ten dó, no ent anto da primeria s ua ap pare ren maconica cia o rig gina da al, circulo do ac cu autocarro, de acor d c irc u loco md a p p primerio da anta d alo cali io circulo da iza sao ise ra serpente da it vaso da ad c irc u on primeira da ar reia, deo da onda se pre eve maconica, um da serpenet vaso da porte de madeira, ilho, en te rata par ent te sis t ipo est rato ado, qaudrado da ue da via ab a bb abi lize o primeira serpente da ua imp primerio rol da anta taçao é est stab bil id ade, cao do nivel, do primeiro, po iso , primeira sio l vaso sao, arqu it tec toni ca, ad pt ad a, éa prime ie ra de vaso bal cao cu rato vao circulo em madeira, é bancos, circulo do irc cu primero do ares, no do mesmo do primerio ocal, mar ria da al, quadrado da ue por do cura, igreja, es tt primeria da stab le ser por um do lado, uu mad ad da prik me ria da relacao da dinamica, com da primeira da es p lana ad da dp e 4 im eira , e x teri rato circulo do rato, é por de outro circulo da ria da a um es paço, rea ato ela cruz iva ivam mente, gato ra bd e no inte rio circulo do rao opnde as pessoas, se p oss sam maior do ov vim ne tar fá si l mente, primeira li fg ad da primeria sao, do prime rio oi do cao do segundo, p iso f ar tg r aço oi ing k l es seda da primeria ac é 3 n t o p dela, es circulo da ad dao circulo da rig gina da al , na p arte fe cha primeria do dado do segundo , p iso homem ave vera acento mesas , madris, rec t t ang gula ares, é ca iras de maderia, é na pa rte ab breta h omam vaso primeria é ra , uma da unica, mesa, circulo do irc cu l da ara, primeira eva cua sao das aguas, f ar ntraço inglesa se a ap dela, é xis ten cia de um es sg g oto, primeria in st ala rato de acor circulo com das cara rca ac teri ist ticas do terarto reno, circulo quaadrado da ual , se en dó da ar reia , per mite , uma da abs sor sao da revista maxima, acor primeria pre vaso ista pra do circulo, é x teri cvirculo rato da cera da se raa de an mar elo da caqui, cruz av da ira terceiro do circulo de jane iro de dez ano da ove de oitenta e um

sexta-feira, fevereiro 25, 2011

sexagesima quarta parte da arte das bombas em londres

sexagesima quarta parte da arte das bombas em londres


se x a ge sima qua rta p arte da arte da s b o mba se ml primeiro on dr es



volto a um pormenor que de alguma forma relaciona um dos nomes aqui apareceu na parte anterior com a lamina celta figurada pelo michael nyman no concerto do ccb, como aqui o contei, pois nesse concerto estava a fadista mafalda arnaut, foi a primeira vez que assim a vi ao pé e me pergunto se ela nao será da familia, dele,

volt circulo da a um por men enro q ue de al g vaso da am forma do rato dela , cio na a um dos no da mesa quadrado do vaso ap da primeira da receu na p arte ante rato ps do iro com da primeira lam am da mina celta, figo ur ad ap elo mic home da primeira, el ny man ano doc circulo on se rt , o do ccb, circulo do omo aqui , circulo on t ei, pop is ness é c on ce rt circulo da est ava da primeria fa di da ista da mafalda arnaut, fo da iad , a prime ria vaso é zorro quadrado da ue ass sima vi cao pp , é e me per gun to ze, universal, ela n cao é da familia, dele,

estava sentado no sofa e de repente vi a lombada do livro onde de certa forma, a forma de cima, a que caracterizei como uma especie de anta, se encontra reflectida, se bem que em cor distinta, vermelho sobre branco, ou seja com violeta, parece indicar a anta de um templario

p do circulo do is est av s en t ado no serpente circulo do fa , e de r ep en te via primeira da lomba , bad ad da primeira do ado dol liv rato circulo da onda de ce rta forma, primeira forma de c ima, primeira q ue ca rac teri ze ei c omo uma es pe cie de anta, se en contra ref for mula one le c t id a, se be maior q ue em cor di serpente tinta, verme primerio do ho s obr é branco, o vaso do seja com da violeta, pa rece indica ra primeira anta de um te mp primeiro da ar rio do io

é um livro que me foi oferecido nao há muitos anos, bem depois do bum de londres que uma vez pelo menos aqui entrou em pedaços , se chama , diario de edipo

é um liv ro que da me f oi o p der e c id on cao há muito top ps ano serpente, be md ep o is do bum de l on dr es q ue uma vaso é zp , ze pine hiro, elo men os aqui en t rato circulo do vaso em ped dç , eua es, os , sec circulo da chama ham a , dia rio de ed ip circulo

me foi oferecido pela zeza, filha do alberto ferreira no tempo em que ela me falou do tal aniumal, o dos pokers e do grupo do mourao ferreira, outros dos bandidos do audiovisual portugues, valentim de carvalho e restantes relaçoes e deduçoes aqui comentadas, vide red

me f oi o fere c id o p ela, zeze, fil homem da primeira ad circulo do alberto do ferreira, no te mp circulo em quadrado da ue dela, me do falo ova do vaso do t al da ani iva vaso do mal, circulo dos pokers , é dog do rupo do mourao ferreira, outros dos ban dido s do au di ov is ual portu gues, da valentim de carvalho , é rato est ant es relaçoes, é dedo vaso ço es aqui co men t ad as, vide red, zeze, remete para leonor beleza,

o mito de edipo nos diz das negras promoniçoes, das tentativas nas vezes infrutiferas de contrariar o destino, e de como o filho, de acordo com o vaticinio, nao conhecendo o pai, numa encruzilhada de uma estrada ou da vida, o pai matou

circulo do mito de ed ip on nós do os di zorro das ne g ratas as pro romo ni ço es, das t en tat iva sn as v e zoror ze es in fr u ti das feras de c on tara aria do circulo do quadrado do es do tino, navarro, cinema, é dec omo do circulo do fil ho, de acor dó com do circulo do vat ti cin vaso do io, n cao c on he c en dó do circulol da pia, n uma en circulo do ru da uz do zorro da ilha dade, uma de est rata do adao vaso david primeira, circulo do p ai mat circulo do vaso

olhando assim em rapido a estante, creio mesmo ser o unico livro que tras o titulo assim escrito,

circulo prime rio oi do homem ando ass si maior em ra pido primeira est ant ye, c rei circulo do mesmo ser serpente do ero uni co liv rt circulo q ue t rato ps as do circulo do tito vaso primerio do circulo , ass si maior es circulo do rito,



como podem observar nao deixa esta forma de escrita do titulo na lombada de ecoar a forma final dos puffs, que aparecem no desenho do alçado do magic bus

circulo do omo pode maior mob ob ser vaso da ar n cao dei xa desta forma , da es circulo da rita, a do tito da tit primeiro do circulo na lomba , camaras, salvo erro polacas, aqui abordadas na visita ao lx, da dee coa ra da primeira raf forma fina prim ero dos p u ff s, q ue ap recem no d es en ho do al çado, br, es, do magi circulo do bus

no titulo leio, di dia ia ari rio, soares, rio de ed acenti ipo, t uber primerio doc irc culo, o da se

no tir ti ru primeiro do circulo lei o, da di dia ia ari rio, soares, rio de ed acenti ipo, t uber primerio doc irc culo, o da se,

alberto, remete ainda para alberto costa e alberto martins, e uma semelhança aqui detectada há muitas luas, com o serial killer de santa comba dao

al berto, rem é te a inda para do alberto costa, é al berto do martins, é uma seme l h ança aqui det tec t ad a h á mu it as lua sc om o se ria l do ki primerio da ler, grupo ler, revista, de s anta co mba do dao

um etranho caso de um outro sargento da gnr, que ao que parece abusou e matou tres raparigas jovens, ou seja como aqui disse na altura, gasolina , e uma cobertura dessa mesma gasolina

um e ts r anho caso sede de um outro s ar gen to da gnr, q ue dao cao q ue pa rece ab bus circulo da ue mat o vaso  t r atos es ra par rig gas j ove en ns, o vaso do seja circulo do omo aqui di s sena al tura, gas o lina , é uma da co be r tura dessa mesma, a da gas o lina


estranha sombra aparece por cima do sofa italiana que me faz lembrar ao momento os lemes de profundidade da demoiselle do ikarus, o peqieno aviao que aqui te mostrei

est rata da anha da sombra , ap a rece por c ima do safa ital iana, q ue da me f az lem br ar cao mo men to os lem es de por rf fun d id ad e da demo ise selle da elle, do ika ru s, o pec ie no avia circulo q ue a qui te maior ostre ei



a capa em seu todo, com um pormenor, o cravo vermelho, indicando o tempo dos eventos, o tempo da chamada drevoluçao dos cravos, 74

primeira da capa, revista, é ms serpente eu , todo do com de um por men circulo rato ps, o do cravo vermelho, indica can dó do circulo do te mp o dos eve en nt os, o t e mp da poda c ham ad a dr evo vol luç sao es dos circulo ratos avos, 74, sete, quadrado, projornal, pr do jornal




o simbolo da editora na contracapa, que me remete para o anfiteatro de agronomia, linhas da filmagens do pedro ayres de magalhaes e ainda faculdades de um forma generica, ou seja direito , ou letras, am ph phi, divisao, terceiro do circulo do primeirio, tea , rato ,

circulo do si mb olo, o da ed it tora na contra da capa, q ue da me rem mr é t para do circulo an fite at rode a g ron o mia das linhas, da fi lam ge sn do pedro ayeres magalhaes, é a inda das fac u l dad es de um forma g ene ric a, o vaso do seja direito , o vaso das letras da am do ph do phi, divisao, treceiro do circulo do primeirio, tea , rato ,

sexagesima terceira parte da arte das bombas em londres

sexagesima terceira parte da arte das bombas em londres


se x a g s emi can tora da sida sa da mia da se gun da ap da puta da arte da arte das bombas em londres segundo do circulo mba serpente e m l on dr es



apareceu salvo erro na penultima parte o tal discoteca do algarve, a sacha, e depois ouvi, em espirito um outro nome de uma outra ao norte, creio, a paxa, que quer tambem dizer em portugal, um senhor das arabias, mas que me recordou, um outro confronto entre jovens nestes anos antes da morte daquele jovem actor loiro que morreu e cujo companheiro do pseudo acidente foi depois morto no hospital de almada como aqui narrei, ou seja, parece isto tambem dizer da natureza dos grupos que se confrontaram, jovens

ap ar é europeu saso alvo, é rr on primeira pen u l t ima p arte dp teo, o da t al di s co teca do al g rato da ave maior, a da sacha, é d ep o is o uv vi, em es pei rt o um outro no mede de uma outra cao do norte, circulo o rei circulo lobo da primeira pa xa, q ue q vaso é rato rta tam am tambem di ze rem portu gal, um s en home rodas das ar a bia s, masque da me recordo vaso , de um outro roco , o do confronto, c on fr nt o en t r e j ove en ns nest es ano serpente ant es da m noret do duplo, do quadrado daquele j da ove do maior do ac do tor loi roque mor reu , é cu jo com p anhi , é circulo do rato do do ps eu dó ac inde dete f oi d ep o is mor to no h os pita al de almada circulo do omo a qui aqui na rr ei, o vaso do seja, pa rece is to tam am tambem di ze rato dana rt ur , é za do sg rupos q ue se c on fr on t aram, j ov en ns

nao é displicente esta relaçao que pela memoria agora emergiu, a da luta dos grupos de jovens adoloscentes, pois como aqui escrevi na altura, ao analizar essa linha de acontecimentos, foi clara a prova de que depois do acidente onde o tal rapaz loiro morreu, o que o acompanhava, foi em verdade morto, depois num hospital, e me recordo bem de ter recebido a confirmaçao dessa afiramaçao na altura por terceiros e em espiritio, ou seja, essa morte, terá sido feita, para apagar a possibilidade de se vir a descobrir a verdade do que estaria por detras desse confronto que depois originou esse acidente, cuja forma de seu acontecer, nao deixa tambem de desvelar uma precisa assinatura que remete para sobreiros e sobreiros alentejanos, ou seja uma arvore, ou seja uma mulher, do alentejo, que tera estado de alguma forma por detras destes acontecimentos

n cao é di sp lic x cent e esta , a da tribunal da relaçao , q ue p ela me mor ia do agora , é mer gi ua da primeira da da luta do sg rupo s de jovens ad l os cent es, p o is c omo aqui es c rato ps , é vina da al tura, cao ana liza ratas dessa da linha de ac aco one net cie maior cruz dos nós, f oi clara, primeira pro da ova deque de ep o is do ac ie en dete onda deo do circulo do o tal rapaz loi rato omo rr reu, o q ue do circulo aco mp anha ava, f oi em verd ad e morto, d ep o is n um ho psi t al, é me reco rodo do be maior, de teresa rec ee bido, primeria c on fi ima maçao dessa, a fi rata da mna a sao na al tura por ter ce iro rose, em es pie rit io, o vaso do seja, dessa morte, mor rt re, teresa ra s id o feita, ap ara a paga da gara da primeira p oss sibil bil di iade de se vaso ira primeira d es cobrir , a verdade , dedo q ue est aria por det rato as desse confronto, q ue d ep o is o rig on o u esse do acide dente, cu da ja forma de serpente do eu aco one tc é rato, n cao dei xa tam am tambem de d es vela rato da uam pre cisa as sin taura qaudrado da ue reme teresa para dos s obr eiro roses , s obr eiros al en te j ano serpente , 2005, , circulo do vaso do seja, uma da primeira da arvore, o vaso do seja, de uma mulher, do alentejo, quadrado da ue da teresa ra essa do sado do sat do td circulo dea da al gata do vaso da am da forma por det rato ps as de estes aco one net serpente ei do maior do cruz nós

volto tambem ainda a pormenor que abordei na parte anterior, o tal simbolo maconico, e a cruz descentrada, que se expressam nesta folha,

volt otam be maior a inda ad da primeria por men o rato ps q ue ab o rato dei na p arte ante rato do iro, o t al si mb olo maconico, é prim eira da cruz d es cent r ad a, q ue da se express sam nest primeira desta , fo l home da primeira,

a cruz se define na propria folha, ao ter sido dobrada, isto é, o que dobrou este projecto, um do acto dessa corrupçao e mais tarde roubo, pois anos depois, vi um numa praia portuguesa,

ac rato da uz da se d efe ine na por rp p da ria fo l home da primeira, cao teresa s id o d ob r ad a, is to é circulo doque d obr o vaso de este pro ject o, um do acto dessa cobra da cor rup sao , é mais t arde do roubo, p o is ano serpente 2005, d ep o is, vi um n uma pr aia porto vaso dag da guesa,

depois temos o simbolo maconico que é composto por um esquadro que corresponde a forma que se define nos rasgos maiores, que atravessa o autocarro, e que sobre de novo apontando a outra forma desse mesmo simbolo, um compasso, que esta figurado por cima do radiador do autocarro, e esta figurada em forma clara, isto é, esta todo aberto, ou seja desenha um circulo, ou seja 360 graus, ou seja ainda, uma imagem antiga das campanhas do bes, ou seja um maconico ligado ao bes ou a essa campanha de pub,

d ep o is t emo serpente circulo do si mb olo maconico , q ue é c omo post circulo do por, um esc qaudrado do au do dr do circulo quadrado da ue cor rato do es da p od circulo da inde dea da primeria forma , quadrado da ue da sed efe ine nós ra sg os maio ratos es, q ue at ravessa do circulo do autocarro, eq da ue s obr rede en ovo ap o nt ando da primeria de outra forma , a desse mesmo , si mb olo, um do com do passo, o louco, q ue e sta figo ur ad o por circulo do ima do ra dia dor do autocarro, é esta, figo ur ad a em fom mr ra da clara, is to é e sta todo do aberto, teatro, o vasodo seja d es en home da a um c irc cu primerio, o do cir cuco, o vaso do seja 3 60 g ar rus o vaso do seja da primeria inda, uma ima gm é antiga , a das cama pn homem as do bes, o vaso do seja de um maconico liga do gado cao bes o ua dessa cama p anha de p ub

este simbolo maconico me remete para um livro de um ex grao mestre , o antonio arnaut, tambem ligado ao ps, que uma ou mais vezes aqui entrou, ou melhor dizendo, entraram poemas desse livro, e trás na capa as colunas do tempo maconico, a pedra em bruto e as flores vermelhas que de novo se figuraram nestas ultimas leituras nos olivais, numa precisa imagem, uma moldura de prata que emoldura um casal de duas crianças que trazem uma flor vermelha, simbolo do fruto e da semente, e que quando agora o peguei, se moveu a moldura, como me mostrando que a acusaçao em londres, que contra mim fizeram sobre o envolvimento neste crimes, tera feito mexer a estabilidade desse mesmo casal, do menino e da menina que parecem estar como sentados à porta de um templo ou de uma casa

este si mb olo maconico da me reme te do para , um liv rode, um é x grao mestre , o do antonio arnaut, tam am tambem liga do gado cao do ps, q ue uma o vaso mais, fr, vaso é zorro do es que aqui entrou, o vaso do mel hor dei zen dó, en t raram poe ma serpente desse livro, é cruz rato da art as na capa, as co luna sd coc circulo do tempo maconico, primeira da pedra em br vaso toe , as flor es verme l h as q ue de n ovo da se figo ur da arda am ne sat sul t ima s lei it turas nós ol iva si, n uma pre cisa ima ge maior , uma mol dura de pa rata q ue emo mol dura um ca sal dedo de duas c rin ç as q ue t r az ze maior, uma flor verme l h a, si mb olo do fr u to, é ad da primeriea se mente, eq da au qa un dó circulo do pe g eu ise m ove ua da primeria mol dura, c omo da me m ostra rando q ue primeira da acusaçao em londres, q ue c on tar da mim fi ze ram s ob reo c irc uk lodo do envolvimento, en vol v ie maior nt circulo nest é c rim es, teresa ra f ei rt o mex é ra primeira es stab bil id ad e de esse conra do mesmo c asa al, do me nino , é da me nina q ue pa recem es star circulo do omo sena td circulo da priemira da porta, cds, de um te mp l00 vasp de uma circulo da asa à casa

compasso remete ainda, por sincronismo com estas linhas recentes à bela amada , nicole kidman, ao filme em que ela participou com essse mesmo nome, e ainda para australia e nova zelandia, vide referencias a estes assuntos, aqui, as recentes e as antigas

com do passo, do louco, o do laço, ou do gol pe, reme te a inda, por sic nor i ni sm circulo com destas , as das linhas , re cent es à b ela am ad a , nic ole k id man mao fil me é maior do que dela , p art tic p o vaso com ess se da se do mesmo , no me, é a inda pa rta au s t rali primeira, en ova ze lan dias, psd, vide ref ren cia sa de estes ass un t os, a qui as re cent es e às das antigas, ant ti gás

olho os dias recentes, nao muito idos, e me recordo daquela carta que há poucas luas aqui queimei, em, cima da pedra mesclada do lava loiças, e me recordo com precisao de meus olhos espantados ao ver a forma exacta carbonizada em que ficou, como um pao negro, um papo seco, uma pedra negra, e entendo as letras que ela continha, aquela estranha carta que um dia antigo recebi da agata, um psicodrama manhoso, onde o que ela contava, dava a quem a lesse e muitos a terao lido, estou certo, seus filhos da puta, que teriamos sido amantes em tons de negritude e de dor mutua, ou nao, eu que nunca te beijei os labios , assinada a carta por um beijo vermelho de baton e sinto aqui um perfume de veneno tambem nesta linha

circulo do pri mr circulo lodo do circulo do primeiro do ho os dias, pds sm, re cent es, é me recordo daquela carta , quadrado da ue do homem do acento da primeira po vaso circulo do as da lua serpente quiqui maior do ei rem, circulo ima da pedra mes circulo lada do l ava loi oiças, é me recordo com pre cisa isa sao de me us o l j homem do os es pan t ad os cao vera , primeira forma , é x cat primeira car boni z ad a em ue fi co vaso , circulo do omo , um pau negro, um pap circulo do sec, apv, estado, o, uma pedra negra, é en t en do às das letras que ela continha, primeria quadrado do vaso delta, ela, est rana homem da carta, que um dia , icaro, antigo re cebi da agata, um psi dc o dr ama mann hoemm osso, onda deo circulo q ue dela , c on t ava dava primeira q ue ema má le s se, é mu it os a terao do lido, est to ue ce rr t delta circulo, se us dos filhos da puta, q ue teresa ria amos s id o am man ant es em ton sd ene g rit urde, é dedo da dor mu tua, o vaso n cao, europeu q ue n unc a te bei jei os l ab io s , as sin ad da primeira, a da aca x carta da rta por um bei jo do ove vermelho de bat do ton , o circulo do bart , do ba tone sin to a qui aqui , um per fu ue da cc mede do veneno tam am tambem meco nest da o primeira linha









vos mostro acima a segunda foto desta mesma folha que tem dimensao superior a A 4, onde se ve o alçado dos outros lados do autocarro, e o que parece ser uma palette de corres, como verao no alçado em que ele esta da esquerda para a direita, se ve um toldo em cima , pois a ideia era abrir o telhado nessa zona, a tal mesa circular, unica que o autocarro como magic bus , teria, reparai ainda que esssa mesma zona, ou seja, uma mesa grande circular, está como esborratada a guache negro, ou seja parece indicar o sitio de onde veio a mancha negra, ou seja o ladrao, ou o grupo do ladrao e na mancha em baixo , de novo , se ve o arpao, ou seja açores, sendo mancha ainda ref a canal da mancha, onde se deu um fogo se bem vos recordareis,

vaso si os mo cruz rato circulo aba do xo da primeira da se gun da f oto desta, a me sm a foda da ilha, q ue te maior da dimensao, tapete, tap pete, a do super ior da primeira A 4, ou seja au di, onda s eve do circulo do al çado, br es, dos outros lados do autocarro, é circulo doque pa rece ser , é uma p lette de cor ratos rr es, cv omo vera do verao, no al cado em q ue dele , esta, a da esq ue r dd a para da primeira da di da ire do rei da rta, s eve um tol dó em c ima , p o isa ie deia e ra ab r iro tel home ado ness primeira da zon a , a t ak l da mesa , madrid, c irc u l ar, uni ca q ue do circulo do autocarro roc circulo do omo magi circulo do bus , teresa da ria, r epa rai a inda q ue ess sa da mesma zon a, o vaso do seja de uma da mesa g rande c irc u l ar, esta, c omo es bor rat td a, a g u ac he maior do negro, o vaso do seja pa da rec indica aro siti , fac, o de onda do veio, jason, primeira mancha negra, o vaso do seja do circulo do ladrao, ouo gato rupo do kapa ladrao , é n am ac homem da primeira em ba e xo de n ovo s eve do circulo ar pau, o vaso do cao do seja do açor es aco s en dó da mancha, a inda ref primeira ac aca c anal da mancha, onda da se d eu um fo gose be maior vaso os record ar ei serpente,

este toldo aqui desenhado por cima do alçado original remete ainda para uma imagem de londres de 2000, recentemente publicada nesta analise, um dos quadros de madeira da alice do 88 de porto do bello, a que chamei , a sombra nos olhos ou na visao do imperador do mundo, em video tambem aqui publicado há muitas luas tras, a imagem se move, e essas sombras sao como ondas, tras uma capa de arminho esse rei sentado em trono com o globo e a vara e a cruz, e me remete arminho para carminho, uma rapariga que conheci em principios de noventa que creio ter vindo de londres, ou era tambem meia inglesa

este tol do dó aqui , de sena hd circulo por c ima do al çado es br, o rig gina da al reme te da priemria inda para de uma mai ima ge md é londres de 2000, re cente , mente, pub lic ad da primeira ane nest primeira da ana lise, um dos qua ad os da madeira, a da alice do 88, de porto, a do bello, a q ue c ham ei de dea da primeria sombra dos nós dos olhos, o vaso na e da visao do im pera da dor do mundo, em vaso ide circulo meco tam am ata mb ema do qui id do circulo da pub do lic da ad da primeria, home do ac da cruz primeria mu it as lua serpente t rato ps as, a ima ge maior da se maior do ove, é ess as das sombras, sao circulo do omo dn das ondas, t rato as , uma capa do pade ar minho p,esse do rei serpente da en cruz da ad do circulo em cruz do rato, em circulo com do circulo dog lobo da globo , é primeria ava do vara , ps, é a da primeria cruz, é me reme te da ar do minho para car minho, uma rapariga quadrado da ue circulo one homem si em pric ni do pi do piso de noventa, n ove en a teque circulo do rei , o da tinha tam am tambem vaso in deo de l on dr es o vaso , é rata do tam am tambem da me ia da inglesa

esse arpao que parece tambem o icone da tecla enter, aponta com precisao a quarta cadeira ou puff, no que se pode considerar uma serie delas encaixadas umas nas outras, a que aponta é uma cadeira rosa, a quarta a contar de baixo,

es se do arpao , ar do pau do cao , q ue pa rece do tam,eb mo icone da tec la en teresa, a da ponta com pre c isa sao da p da crus do rime da meda ira quadrado da ua dc x ru zorro dora cade do irao vaso p vaso do ff, dn, noque da seda pode dec circulo em on serpenet id der da ar de uma da se da rie del delas, as enca caixa ad às de uma serpente nas outras, primeira rac ac quadrado da ue da ponta, é uma cade ria da rosa, a qua rta primeira circulo em da t ar da art de ba bad ad ado circulol do nono do xo

na verdade aponta com precisao, a asa da terceira no ponto do sitio onde nascem as costas da quarta que por sua vez como que fecha o C, verde em cima dela

na verdade a ponta com pre cisa sao, primeira asa da terceira, acores, teresa rec ira ano ponr to do siti circulo da onda n as cem ás costa sd do circulo da primeria do quadrado do vaso da rta q ue por c ua v e zorro circulo do omo q ue fe cha circulo do C, s emi can tora, verde , é mc ima dela

temos entao uma pilha de cadeiras ou puffs ou mesmo algumas almofadas, que nos dao um codigo de cor e de formas, cores que se figuram, os rosas e os violetas, num outro desenho aqui publciado, de um estudo da forma e da cor para os puffs do segundo andar do autocarro,

cruz emos en t cao uma p ilha de cade ira serpenet circulo do vaso pu ff serpenet o vaso do mesmo , al gum as al mo das fadas, q ue nós do dao, um co dig do gode dec cor rede fr romas, cor es q ue da se figo ur am os rosas, é os viol tea serpente de um outro , rode do de serpente en ho da primeria do qui aqui, ip do puy segundo dol do priemro do rol circulo do iad da primeria, um do est stud td vaso circulo decor, para os p u ff do se gun do anda da ar do autocarro

primeira da cc, ou seja da cristina coutinho

almofada violeta, dois puffs, um terra outro cor de rosa escuro, uma cadeira rosa, e por cima desta pilha duas formas distintas, um C, verde, com branco sujo em seu interior, e por cima como que uma anta violeta sobre rectangulo amarelo, claro como um ovo

al mo fada viol eta, dois p vaso do ff da sm , um da terra, br, outro roco cor de rosa espanhol curo, uma cade ira da rosa, é por circulo do ima desta, a p da ilha de duas formas di serpente das tintas, um C, verde, com do branco serpente vaso do jo em serpente eu inter ior, é por c ima c omo q ue uma da anta viol eta s obr e rec tan gula am ar do elo, circulo do primerio rol do aro circulo omo , um ovo, ou primeiro ovo

minha intuiçao me diz ainda que o local onde esse confronto se terá dado trará uma pallette de cores semelhante a esta, e por suma, com o outro desenho do pormenor dos puffs, provavelmente equipamento semelhante

min homem da primeria in tui sao es da me di zoror da za a inda qaudrado da ue do olo, cv da al onda desse , o do confronto, se te ra do dado , t rato ara acento , ac en t o, uma pale rato da tt, é d e c o r es seme primeiro rol homem ante ted da primeira desta, é por serpente uma, com do circulo do outro , rode desenho, do por men enro rodos pu ff s, por vaso da ave el , mente, eq vaso do ipam, instituto do estado, en to seme primerio homem ante

como vos escrevi em parte anterior me entreti durante a minha estada na prisao, a fazer a maquete deste autocarro em balsa, nao tinha telhado, para exactamente se poder ver a decoraçao do interior, passado alguns anos esta maquete me desapareceu, nao me recordo como, se na mudança de uma casa , mas certamente por mao de alguem, em mim uma memoria de mo terem pedido para latina para uma qualquer serie para filmar e talvez depois tenha desparecido, me lembrei de ve lo , ou seja, um equivalente em desenho, num dos episodios do icaro em dia nao muito ido, mas nao me recordo o contexto, embora achasse estranho te-lo ali visto, e nao posso como sabeis, agora o verificar, pois nao trago acesso aos arquivos, contudo uma copia está na rtp, ou seja se as policias quiserem que façam a peritagem

circulo do omo vaso do sio do os es cap ape rato é vi , em p arte ante ratpo do iro de rome en t rat ro da eti duran te a min homem da primeira est ad ana da prisa sao, a f az se é rato da maquete, d este autocarro em bal sa, n cao da tinha tel homem do ado, para e x aca cat ae maior nt , é se poder vera primeira deco raçao do inter ior, p ass sado primeira al gun ns serpente ano serpente , 2005, esta, a da maquete, me de sapa re eu, n cao da me recordo c omo, sena mud dn aça de uma circulo da asa , mna serpente ce rta em nt , é por mao de al gume, em mim , um me mor do iade demo teresa rem ped id o para ala t ina, para uma quadrado do vaso pri mr roc circulo cortez , quadrado vaso we rato da se rie para fil mar , é t alvez de posi ten homem da primeira de spa rec id o, me lem brei id eve velo olo , o da ova do vaso do seja , um eq do vaso do iva da al lente, é maior de serpente da en ho, n um dos ep da puta do iso , dido sd do circulo do ica ra em dian cao mu it o id circulo , ma serpente n cao da me recordo circulo , cone one t x to, em bora ac homem do ass da se de est rato do anho tel elo do ali, algrave, vaso serpente da it oe en cao da p do osso soc circulo do omo sabe is, ov vaso do eri fi car p do circulo do is n cao da cruz do rago , o do ac ess sio do io da primeria do os aqui do ruivo serpente, circulo em tudo , uma co p ia é sta na rtp, circulo da ova do vaso do seja se às pol icas quadrado da ue is rem do quadrado ue f aç es mad da primeria do pe da rita tage maior

exactamente como outros autocarros que por aqui muito anos depois aparecerem, os das visitas guiadas, tambem sem tecto, vermelhos, ingleses modelos mais recentes, passava um em dia recente na rocha conde de obidos, li em sua frente em cima, ho, ho, ou seja o pai do natal, ou dana dona na cruz al, mas a imagem foi assim preparada a meus olhos, pois mais uma vez atrasaram o comboio, fim de semana, salvo erro há dois

e xa aca cat ae maior nt , é circulo do omo de outros auto car da rosa q ue por a qui aqui, mu it o ano serpente de posi ap ar rte ce rem, os das bv is tita s gui ad as, t am,be maior da se maior do tec to, vaso é mr le h os, ingleses mode elos mais re cent es, p ass ava um em dia re cente na rocha do conde de ob id os, lie maior ms serpente da ua fr en te em c ima, ho, ho, o vaso do seja do circulo do pa id circulo do natal, o vaso da dana da dona na cruz al, massa iam ge maior, f oi ass si maior pre da parada, campo de ourique, primeria me us olhos, p o is mais, fr, uma vaso é zorro ata tar sara ram do circulo do comboio, fi md é se mana serpente alvo , é rr circulo, homem doca do acento da primeira de dois , ou dedo is,



estas cores, ressoam ainda em mim memorias recentes, o quarto da monica calle e os buracos no colchao feitos pelos caes , assim como aquelas formas, e me remete isto ainda para a imagem de bella jennifer O connely, que o espelhava de certa forma,no cartaz, mas este beijo, a ela, está em curso, e se tem a ver com o magic bus tambem, ficará para nupcias seguintes, fosse a menina minha amada, seriam nupcias antes e sempre, sem depois

é sta serpente das cor es, rato do esso ds doc sco circulo da am aina em mim me mor ia serpente re cent es, circulo do quarto, qa ur to damo do moni, tvi, nic calle , é os b ur acos no o l sao es feitos p elos ca es , ass si mc omo daquelas formas, é me reme te is to da primeira inda para da primeira ima ge md e b ella jen ni fero do c on nely, q ue circulo do es p el homem ava de ce rta forma, ma serpente de este beijo, primeira dela, é sta desta, em circulo do urso, é se te ema ave ero rc omo magi c irc uk loi bus tam am tambem, fica ra para nu p cia s se gui nt es, fosse da primeira em nina min home da primeira am ad a, se ria am nu p cia s ant es é se mp pre se md ep circulo do is

trás contudo uma destas formas da pallete, uma ressonancia aqui, pois acabei de a ver no dia em que te beijei

cruz rato ás c on tudo , uma destas das formas da pal do onze do lete, uma r esso n aica aqui, p o is ca bei dea ave rn circulo do dia em quadrado da ue da te do bei, j ei

prova dois, ou o desenvolvimento pormenorizado da prova da imagem no video a kiss to jennifer

prova dois, ou o desenvolvimento pormenorizado da prova da imagem no video a kiss to jennifer


pro da ova , dois, do is, maco n vaso é cos o u circulo do de s en vol vim met o por mor iza ad o da pro da ova da iam ge maior no vaso ide circulo da primeira kapa do ki da iss do to jen ni do ferro

ainda voltando ao video do kiss to jennifer, ou da jeni do ferro, ps, que de novo estive a observar, e do qual isolei ainda estes frames de forma a completar esta linha, pois a tornam mais clara em seus significados

primeira inda volt ando cao v ide o do kapa do iss, o to da jennifer, o vaso da jeni do ferro, ps, q ue de n ovo es ti teve primeira ob ser vaso da ar, e doc vaso do quadrado da al iso lei primeira inda de estes fr am es de forma da primeira com p primeira da etar , esta da linha, lugar p o is isa primeira torn am mais da clara, em serpente eu sig n if fi cv ad os

uma parte do tapete da dimensao, para alem de nome da loja em alvalade, tambem como sabeis cooperativa de ensino com ligaçoes aos bandidos do ps, reproduz em aproximaçao, em suas linhas, as paralelas, as linhas do alçado traseiro do autocarro,

uma p aret do tap pete do da fa di men sao, para al lem de no meda da loja em al ava lade, tam am tambem circulo do omo sabe , is da circulo da dp pera rat iva de en sino, maçon, loja , cascais, com liga ço es primeira do os bandidos do ps, r ep pro do uz em ap por x e maçao, em s ua serpentes das linhas, as para das lelas, as das linhas do al çado , es br, o traseiro, cruz rato ps ase iro rodo, do autocarro




1.24, ou seja primeiro do circulo de dezembro

observando este tapete em seu todo, temos portanto uma parte onde as linhas estao perpendiculares entre si, visiveis em pedaço na parte esquerda da imagem acima e uma outra onde as linhas se cruzam em perpectiva definindo, ou melhor simbolizando a matriz, ou seja rede

ob ser vaso da ad do dn do dó de este, tap pete em serpente eu todo, t emo s porta , cds, nt circulo do irc do uk lio, uma p arte ted onda às das linhas, lugar, est cao per rp pen di cu l ares en cruz re si, vaso da isi vi vas ie do es em ped aço na p arte esc quadrado da ue rda da ima ge maior do ac imam , é uma outra da onda ás das linhas, sec circulo do ru zorro da me em per rp p es ct iva de efe fi nid id circulo, fi nin indo, o vaso do mel hor si mb o liza ando da primeria dama da matriz, o vaso do seja da rede

isolei os seguinte frames desse video, com indicaçao do tempo na time line para todos os que fizerem download do video e o ponham num editor que permita andar frame a frame, os verifiquem se quiserem

iso serpente lei os se gui nt é fr am es de esse v ide circulo, com indica caçao do te mp on primeira do time l ine para de todos os q ue fi ze rem do dó da dp nl circulo da ad , o do vaso ide oe , circulo p on ham n um ed it tor do torque per mit primeira anda ar rata ps fr a me , primeira fr am é os vaso eri rif if fi q ue maior da se qui ise rem

o primeiro é o que vos mostrei no post anterior onde comentei esta prova, depois de ter escutado no espirito que a prova tinha aparecido na imagem

o primeiro é circulo quadrado da ue vaso os mao maior ostre rei no ps ot am nt teri o rato da onda co men t ei, desta por vaso da primeira, d ep o is de teresa rex é x cu t ad on circulo es pe rito q ue da primeira por vaso da primeira tinha ap rec id dona da imagem



primeiro da di da visao do circulo, assim pelo numero que agora ao fotografar lhe dei, me acrescenta

prime iro da di da visao, o do c irc u lo, ass si mp elo n um mer ero q ue agora o da primeira fo tog raf ar ll he d ei, me ac rato es cent primeira

escrevi nessa primeira leitura, que figurava a nave da entreprise, e uma anemona e ainda uma explosao pois é visivel isso mesmo, ou seja essa sugestao no moviento da imagem, e falo no video de spielberg, do lucas e companhia, e do indiana

es circulo rato é vi ness da priemria, primeira lei it da tura, q ue figo ur da ava da priemira ana da nave da en t r ep rise, é uma ane da mona ,é a inda uma da explosao, p o is é vaso isi vaso el iss circulo do mesmo, o vaso do seja essa sg u g est cao no m ov ien t delta circulo da imagem, é falo no vaso ide circulo de spie l do berg, do l u ca se com p anhi a, é dó in diana

anemona, tras ainda qui no livro da vida as seguintes correspondencias mais antigas, a estranha multiplicaçao delas no mar do japao, e ainda me remete para medeia, ou seja lisboa capital da cultura, ou seja ainda ano de noventa e quatro, e linhas restantes de jason, aqui descritas em profundidade, e para o grupo do constancio do ps, actual governador do banco central depois da historia do calibres dos pepinos

ane da mona, macaquinha, nl, arvore, t rato as a inda do qui no liv roda david primeira, ás se gui nt es cor r e ws ponde en cia serpentes das mais antigas, a est rata da anha mu l t ip lic caçao delas no do mar do japao, é a inda da me reme te para da dame da medeia da mede do ia, o vaso do seja da lis boa da capital, a da cu l tura, o vaso do seja da inda do ano de noventa e quatro, é linha serpentes, r es t ane nets sd é jason, a do qui d es c rita serpenets em por fun ni id ad e, é para os g rupo do constancio do ps, ac tua al g ove rn ad dor do banco c en t rato da al d ep o is da hi s tori primeira do cali br es dos pepes do ino serpente, pedro marques lopes, ou o pedro do marques do lopes, do santana,

entreprise remete ainda para empresa, ou seja a ane de uma mona que tera estsdo na latina europa, como esteve a filha do ferro rodrigues, ex secretario do ps, nesse mesmo tempo, ou um pouco antes, na serie lentes de contacto

en t re pr ise da rise , reme te a inda para em presa, o vaso da seja da primeira ane , de uma mona q ue teresa ra es ts sd dona la t ina da europa, circulo do omo es teve primeira da filha do ferro rodrigues, é x sec rea cruz do rio do ps, nesse mesmo tempo, o vaso de um pouco ant es, na sw é rei l ene ts de contacto



o onze da primeira di da visao, ou ainda o onze da divisao da di da visao, aqui neste frame vos mostro um pormenor do desenho da zona que corresponde a matriz, pois acabara de a ver tambem simbolizada no desnho dos respiradoiros do autocarro mk 111, e tras ainda uma correspondencia, com um outro desenho uma vez aqui publicado, um desenho que meu filho francisco fez no colegio moderno para me oferecer como presente de aniversario salvo erro, um pad para rato de computador, ou seja a p ad do rato , do ladrao do computador, onde esta este mesmo desenho que figura tambem um peixe, pois é tambem uma espinha, ou um peixe comido, esse desenho me diz, do satelite do filho da puta da DD , o invertido, ou seja do bruno cerveira, tambem aqui entrado no livro da vida, e sendo que um da latina tambem por lá passou talvez nesse tempo, o pedro fradique, que pelo segundo nome , ecoa num outro muito presente, eça, eça de queiros, nome de uima personagem de um livro dele

circulo do onze da primeira di da visao, o ua da priemria do ac da inda do circulo do onze da divisao da di da visao, a qui aqui nest é fr am evo serpenet maior ostro, um por men o rato ps do de s en ho da zon primeira, q ue cor r es ponde primeira am at rato can tora zorro , p o is aca bar da primeria dea ave rato ps tam am tambem , si mb o liza ad ano do desenho, d es sd dn ho dos r es pira doiro sd do circulo do autocarro, maior kapa do quarteto 111, jogos de cama, t rato as a da inda de uma cor r es ponden cia, com de um outro rode do desenho , uma vaso é zorro da za do qui aqui, pub li cado, um de s en ho hoque me eu fi do olho do fr anc do isco de fez no da p cole gi do io do mode rn c irc uk lo para meo fere ser c omo pr es en tede ani ver sario s alvo é rr circulo, um p ad para do rato de com put ad da dor, o vaso da seja da primeira da ap da ad do rato , do l ad dr cao do com put ad dor, onda desta, este, o mesmo de s en hoque figo ur primeira tam am tambem , um pei xe, p o is é ta do tam am tambem uma es p ein h a, o vaso de um peixe com id o, esse d es en ho da me di zorro , do sa sate tele da leite, do fil homem do circulo da puta da DD , o in ver rt td io, o vaso do seja do br un circulo da cerveira, tam am tambem aqui en t rato do ado no l iv roda david a, é s en doque de um da latina tam am tambem , por l á p ass o vaso cruz alvez nesse tempo, o pedro fradique, q ue p elo se gun do n o me , é coa n um de outro mu it o pr es en te, eça, eça deke ue iro serpente , no mede vaso do ima pers on a ge md, é um liv rato circulo dele

o tempo da linha deste frame, me diz duplo circulo, ou dp, quadrado do sete, projornal de noventa e quatro, ou seja na capital da cultura, bar do ra de alfama, o pat do io do treze, de cinquenta e quatro da di da visao de 88, ou seja carros antigos, relaçao com londres tambem

o do tempo da lina , hd de este fr am, é med ze duplo circulo, o vaso da dp, qa u dr ad o do ds do sete, por do jornal de noventa e quatro, o vaso do seja na ca pit ak primero , o da cu l tura, bar do ra de alfama, o pat do io do treze, de cinquenta eq au t roda da dida da visao de 88, o vaso do seja carros antigos, relaçao, com de londres tam am tambem



este frame, é do movimento a seguir a ter mostrado esse pormenor da espinha, e é um cinzeiro de vidro com o toiro da latina europa gravado a jacto de areia que um rapaz uma vez ofereceu a latina creio que é da marinha grande, ou seja relaçao ainda com este furacao recente, e ao lado está o isqueiro, ou seja a chama, azul, bic, can eta negra amarela, mais uma vez nos numeros, noventa e quatro, e 88

este fr am me, é do movimento , primeira se gui ra teresa ms ot ard desse cobra por men rodada es espinha, e é um cin ze iro rode vaso id dr roc omo ti o rata da la tia n europa g r ava ad o primeira do jacto de ar reia , q ue um ra p az uma vaso é zorro o fer c eu ad da primeria la t ina c rei , o q ue é da marina home g rande, o vaso do seja ad do tribunal da relaçao , a inda com de este fur racao re cente, e cao lado , esta, o circulo do isq ue iro, o vaso do seja da primeira da chama, circulo ham ama azul, bic, can eta negra a am mr , ela, mais, uma vaso é zorro nós mu noe rato ero do os de noventa e quatro, é 88, ross,

em cima do sofa da asa vermelha de roma,

em si am do serpente doc irc culo dao fada sado da asa do verme do primerio homem da ad , é roma,



isolei este pormenor quando filmo a cadeira, pois figura as laminas, e sendo duplas a tal cobra boa, de oeiras, e a narrativa diz do joe o primeiro do ho,do natal, um x e um delta esta figurado no tapete tambem

iso lei de este por men enro qa un dó fil mo da primeira cade ira, p o is figo ur primeira as lam am minas ina se s en dó das duplas, primeira t al da cobra boa, de oeiras, é primeira ana da na rr rat iva di zorro do joe do circulo do primeiro do ho,do natal, primeiro x , é um delta e sta desta figo ur ad on circulo do tap pete eta do tam am tambem

oeiras alto santo amaro, ou seja tambem relacionado com o manuel amaro que comigo trabalhou

oe das iras al to do s anto do amaro, o vaso do seja tam am tambem ratyo ela , a do ac cio n ado com do circulo do man eu primeiro do manuel amaro quadrado da ue co do mig do circulo da ot da cruz do rato da aba bal primerio natal circulo





um E invertido, um pormenor do desenho do tapete e das dois motivos que o compoem, sendo esse E, correspondente às linhas do bus, nos alçados, dos desenhos do magic bus, as linhas da direita correspondem ao que aqui chamei de matriz,

um E ine vaso rt id o, um por men enro rodo d es en ho do tap pete , é da serpenet dos dois m ot ivo sd q ue o com poe maior , s en dó desse E, cor r ep n dente da primeira as linhas do bus, nós dos al çados, br, es, dos de sn é home do os do magic bus, as das linhas, a da direita cor r e es pond ema aco cao q ue a qui , c ham ei de mat ema ma cruz do riz,

primeiro de dez ase is , do bar do ra de alfama estrela do quadrado do 88, o do stand

prim ero de dez ase is , gato do bar do rito, bar do ra de al fam a est rata da al a quadrado do 88, o do stand




isolei este frame, dos pormenores das junçoes da cadeira, porque a camara para os mostrar , alterou o horizonte, ou seja desenhou um movimento de rotaçao, torsao, que é equivalente em termos simbolicos ao que a matriz do tapete nos mostra, ou seja,. porque o entendo como dizendo que a cadeira , que tem a asa, que é tambem simbolo do s emi arco do bum do metro em londres, vide ref leitura da estaçao dos olivais e da manha que la fizeram, é a mesma id do rebentamento, ou seja das cartas, dos parafusos hexagonais,

iso lei de este fr a med os por men ior es da s jun ço es da cade ira, por q ue da primeira cama ra para os mao maior ostra da ar , al teresa ero vaso do circulo do home ori da zon teo , o do vaso do seja d es en ho vaso um m ov ie maior nt circulo, o der ero taçao, tor sao, q ue é eq u iva al lente em termos, si mb o lic os cao q ue da primeria dama da matriz do tape te nós maior ostra, o vaso do seja,. por q ue do circulo do en t en doc omo di zeno q ue da primeira cade da ira , q ue t ema primeira da asa, q ue é eta do tam am tambem, da ms im b olo do lodo da se da mia do arco, madrid, do bum do metro em l on dr es, vide ref lei rt ur a eta taçao dos oli vaso is é a da manha que la fizeram, é a me sam id do r e ben t ae maior nt circulo , o vas do seja maior, da s ca s rta sd os para raf fusos he xa g on a is,

o primeiro mr circulo do dia a seguir ao natal, ou seja rn da rata da tp, da nata da al, circulo do treze , est r ala q au dr ad o do stand




este é porventua um dos mais importantes, pois relaciona pela forma e cor com a entreprise, anemona, medusa, é um copo de cafe com leite, cor de pele, br, que ali se encontra e define uma lua, invertida como reflexo que se ve no video da viagem de metro, aqui no livrod a vida comentado, e mostra o percentil sobre a zona do tapete que figura o alçado de tras do autocarro, ou seja , o cu , do bum,

este é por vaso do en do tua , doiro, um dos mais im porta nt es, p o is rea al cio na p ela DA forma , é cor com da primeria da en t r ep rise, ane mona, med usa, é um cop pode ca fe com da leite, cor de pele, br, q ue ali se, algrave, en contra e d e fin ine uma lua, invertida, circulo do omo ref for mula one do le xo q ue da se eve no vaso ide circulo da via ge md é metro, aqui no liv roda v id a co men t ad oe , emo maior ostra do circulo do per cen til, o medfico pediatra, s ob rea primeria zon ado tap pete q ue fi rua circulo do al çado de t rato ps as do aco do cu tor rr circulo , o vaso do seja , o cu , do ob segundo do primeiro , gato rito, o segundo do circulo do quadrado , porgrama sic,




frame que ficou com o numero, 111, como primeiro do onze ou ainda da divisao do onze, e que mostra um pormenor no canape de meus avos, há muito tempo comentado, pois alguem aqui entrou e o furou e queimou nesse preciso ponto,

fr a mec q ue fi co vaso com do circulo n um do mer do ero do 111, circulo do lodo do omo pri mr io dp do onze, o vaso da a inda da di da visao do onze, eq da ue maior ostra, um por men enro no c ana ape pede me usa vaso av os, homem do acento da pr ie mr ia há muito tempo , co men t ad o, p o is al g ue maqui en cruz rato circulo do vaso do oe , circulo do fur o ue quim o vaso do ness é pre c is sd circulo do ponto,



isolei este frame do tapete onde se ve a matriz, como movimento, ou seja imagem da rede e e do movimento das explosoes,

iso lei de este fr a med circulo do tap pete onda da se ve primeira mat ruiz, circulo do omo moviemento, mo ov ie maior nt circulo , o vaso do seja ima ge mda da primeria, rede , e edu movimento das é x p l os o es,



e o x

é o ox do x



falo eu do joelho e começo a ler a id da tampa do hamelet do pakard, se figura o x de novo, ou seja relaciona a id do joe, canalizador, das cartas da caderia do arco, dos parafusos hexagonais, com essa id, que nos leva ainda, a uma outra recente que se desvelou , preparada, assim se clarificou no corte das palavras na zona do cais do sodre nas bicicletas, os dois xx, do ab do alberto do caeiro, ou seja do al berto, o do caeiro, cae rio iro rop

falo europeu do do joel, dn, ho serpente cruz é co meço es, primeira da ler, primeria id da tam pado ham mel lete do p aka rato ps do quadrado da se figo ur primeira do circulo do ox do x, de n ovo, o vaso do seja rata, ela , a do ac cio na primeira id do joe, c ana liza dor, das ca rta sd da primeira cade rato do ia do arco, feira madrid, dos pa raf fusos he xa g on sic om , essa id, q ue nós primeira eva da primeria inda, a uma deo de outra, o ur cruz ra re cent eq da ue da se d es velo lou , pre parada, ass si maior da se clare if fo cu no co rt red as pal av r as na zon ado ca si do dó do sodre nas bic sic ile etas, os dois do xx, do ab do alberto do caeiro, o vaso do seja do al berto, o do caeiro, cae rio iro rop fotografo,





a peça que parece um mufflin, ou seja remete para chiado, e o traço pb, ou seja maconico, e ainda a furaçao dos parafusos que remete para a id da cadeira outra vez,

primeira p eça q ue pa rece um mu ff lino, ps, vaso do seja reme te do para do chiado, é circulo do t rato do aço do traço do pb, o vaso do seja maconico, é a inda primeira fur raçao dos para raf fusos q ue reme te para da primeria id da cade da ira, o vaso cruz da rata primeria ave zorro, prime ik rodo joaquim jose,

este frame que aqui vos mostro, estabelece tambem a relaçao com a cadeira, que representa uma matriz de circulos de parta, na cadeira tambem da dimensao, onde vos mostro as junçoes laterais dizendo que figuram cartas, pela proporçao dos envelopes, mas na verdade as cartas melhor se figuram nessa mesma cadeira nas junçoes por debaixo do assento visiveis de frente, pois ai se ve mesmo, o bico, ou a dobra, ou seja, dois rectangulos de hexagonos, parafusos pentagonais, que estao relacionados com as cartas,

este fr a mec q ue a qui aqui vaso do os maior do ostro, es stabe le ce tam b ma da relaçao , com da primeira cadeira, q ue re ps en t da a uma ma tg rato ar rr rato oz, de c irc u l os de pa rta, na cadeira tam am tambem da dim en sao, onda devo vaso do os maior ostro ás das jun ço es la te rais di zen doque figo ur am ca rta s, p ela por porcao dos en velo lopes, mas na verd ad é as circulo da qa rta serpente do mel hor da sef if fg ur am ness da primeira da mesma cadeira, na sj un ço es por dea do bi do xo do ass en to v isi vaso ei sd é fr en te, p o is a ó s eve do mesmo , o do circulo do bico, o ua dao primeira dobra, o vaso do seja do sis, policia, r es cta n gu l sode he xa g on os, pa raf fusos penta g on a isque est cao rato ela , a do ac cio n ad os com às das cartas,

cadeiras , puffs, esta tambem espelhado no autocarro, pallete de cores, ultima foto aqui abaixo publicasda

cadeiras , cade ira sp vaso f f s, esta, tam am tambem es p el homem do ado no autocarro, pal do lete de cor es, u l t ima f oto a qui aba do xo pub lic a sd da primeira



o primerio de dezembro, o pormenor do parafuso na tampa

a relaçao destes parafusos, militares, pentagonais se ve tambem aqui figurada no furo de fixaçao desta da placa traseira do hamelet packhard, ou seja do principe do ham mel do lete do pa ck homem adt, ard, ad dt, ad dina mic tracking, cruz do x rac king, kapa inglesa, onde tambem se ve na propria estrutuira desta tampa, a figuraçao da rede, como um muffle, ou seja mu for mula one da le, onde como sabeis a jeni do ferro rodrigues andou na altura do lentes de contacto

primeira do tribunal da relaçao de estes pa raf vaso do os, militares, penta g on a iss serpente eve tam am tambem aqui figo ur ad ano do fur , circulo da fi xa acs sao, laca, de sta desta da p laca t ra se ira do ham ele tp a ck h ard, o vaso do seja do pr inc ipe pedo do ham mel do lete do pa ck homem adt, ard, ad dt, ad dina mic tracking, c ru zorro do x rac king, kapa inglesa, onda tam am tambem sd da se eve na por rp roi primeira est ru tui ira de sta desta da tam pa, primeira figo ur raçao da rede, circulo do omo , um mu f f leo do vaso do seja da mu for mula one da le, onda circulo omo sabe is, a jeni do ferro rodrigues anda o un da primeira al tuy ra do l en cruz do es dec circulo em cruz do ac do ato



do delta do x





primeira lamina da dupla figurada tambem na tampa



um por men enro rodo rato do ank , o do oficial





a cadeira alinhada com a matriz, como desvelando que é da matriz,

a cade da ira al lina hd da primeira com da primeira matriz, c omo d es vela ando q ue é da ma t riz, na ar ara roz, rato ps oz, ou ross,

como ves amada, a kiss is never just a kiss, volto agora de novo onde estava , a analise dos desenhos do autocarro magic bus

circulo do omo vaso do es am mad ad da primeira, ak iss is n eve rato just primeria, ak iss, volt circulo lodo agora de n ovo onda est ava , a ana lise dos de sw en h os do au toca rr circulo do magi sic rc culo do gato rito do bus