quarta-feira, janeiro 26, 2011

vigesima primeira parte da arte das bombas em londres

vigesima primeira parte da arte das bombas em londres


volto ainda a esta imagem para analizar mais alguns pormenores, as cadeiras nao deixam de simbolizar aqui tambem dentes, ou seja dentes azuis laranjas, ou seja casa real, filiaçao politica social democratica, e os varoes que ficaram para cima, que em parte anterior numa perspectiva de entendimento, figuraram, uma mesa, vide parte anterior sobre este ponto, aqui adquirem um significado de raizes e ou drenos, olhando, entao a fiada dos dentes do lado esquerdo, onde o arpao, se encontra na cadeira da direita, os dois de cima desenham com o abre latas, puxador, um semi arco, ou seja aponta uma ligaçao entre essa cadeira, a onde por detras esta o arpao, ou seja a mascara do pinoquio, ou seja o homem por detras de quem o socrates neste processo se tem escondido, e o abre latas, ou seja a mao de quem fez o bum


volt circuo a inda, a desta sat desta ima ge mairo do para anal iza rato mais, fr, al gun serpente por men o ratos es, às das cadeiras, n ao dei x da am de si mb o liza rato da rac da ac da aca aqui, tam am tambem dentes, o vaso do seja d en t es az u is laranjas, o u seja da casa real, fi li aç sao es poli tca soci da al demo c rat ica, é os vaso do aro espanhol, q ue fi caram para c ima, que em p arte ante rato ps do iro numa per psp pec circulo da cruz do iva, de en ten di em nt o, figo ur aram, uma da mesa, madrid, vide, castelo, p arte ante rato do ior s ob re de este ponto, aqui ad qui ire rem , um si gn if, cc, fi do cado de rai ze se o u dr en os, circulo do primerio kapa homem da anda ane tao, a da fia da fiada, a dos dentes, do l ad o esquerdo, onda deo do arpao, se en c on t rana cade ira da direita, os dois de c ima de s en ham com do circulo ab re l ata serpente, p ux ad dr, um s emi arco, o vas do seja pao nt da a uma liga sao es en t delta re, essa da cae der ia, primeria da onde por det rato as e sta do circulo do arpao, o vaso do seja da ma da cara do pin o qui io, o vaso do seja do circulo do homem por det rato ps ás deque maior do emo do circulo do socrates, nest é pro roc circulo do esso sete maior es condi dido, é circulo do abre latas, o vaso do seja da primeira mao deque mairo de fez, circulo do bum



dentes nesta historia nao faltam, nao sera tambem por acaso que um dos textos que me despareceu em consequencia do ataque terrorista neste natal que passou, foi o final da acusaçao à ordem dos medicos onde as linhas ainda não publicadas sobre os constantes passes com dentistas que me tem feito se encontravam, nomeadamente os da cila, a mulher do pedro do imo, um dos bandidos do dn, com o consultorio perto do tal predio da linha do filme frances, o tal da imagem do roubo, aqui recente publicada, e uma outra que aflurou agora ao ver esta imagem neste ponto de vista, que foi tambem um dos passes nos dentes, numa clinica ao lado da casa de meus pais aos olivais, onde puta se preparava para me tratar os dentes com os aparelhos cheios de sangue, como aqui narrei, e que me pos dois drenos, num dente que entretanto caiu e que inclusivamente aqui foi mostrado,

quadrado da en da cruz es nest primeira desta historia, n cao do f da al, o do tam, n cao da sera do rato do tam be maior por acs circulo, quadrado da ue , um dos tex t os quadrado da ue dame do quadrado espahol par receu em co nse quadrado do vaso dao da en cia do ata quadrado da ue terrorista nest , é nata da ak do pri mr io quadrado da ue da p do ass circulo do vaso do fo do io fina al , a da acusaçao à ordem dos medicos, onda ás das linhas ian dan cão pub lic circulo da ad as serpenet do obr, é os co ns t ane net s ap ps serpente es com dos dentistas, o do quadra sd , o da espanhola nt ista serpente doque dame te maior, feito,. se en circulo em cruz rata ava vam am, noe mad a é maior tn é os da cila, a mulher do pedro do imo, um dos ban dido serpente do dn, com do circulo do sono, rem, us primeiro tori, o do circulo do per to dot cruz da al pre dio da linha, o do filme frances, o t al da ima ge md o roubo aqui, re cente pub lic ada , é uma outra q ue a flo ur do agora cao ver esta, ima ge maior do nest ponto devi vaso do ista, quadrado do ur fo i tam tam am tambem, um dos passes nos dentes, nu am clinic primeira cao lado, da do circulo do às de me us pais, tvi, a do os dos olivais, onda da puta da se pr par rata ava, para me t rata do rato os dentes com os aparelhos, cascais, ap rec primeiro homem do os da ce do homem hi id circulo iso sode sangue, circulo omo moda da qaqui, na rata rei, eq da ue da me p os do is dr en os, nu primeiro dente q ue en t r eta tat tn circulo ca eu eq ue inc primeiro do us iva ivam am , mente, aqui f oi maior ostra ad circulo do ado

uma relaçao que se tinha tornado evidente e que creio que constava desse texto perdido, era que a irma da cila, é a imagem da nicole kidman, ou seja tinha consciencializado que os cios com ela serao de alguma forma feitos atraves da irma

um da ar dela, o do aço da primeira quadra da ue da seda tinha do tornado, é vaso id dente , eq ue circulo do rei, circulo do quadrado da ue da cona cruz ava desse cobra tex t o per dido, é ra rea erc rac do ac da ue primeira irma da cila, é primeira ima ge mda nicole kidman, o vaso do seja da tinha do circulo em si en cia liza doque os cios com dela, se ra do circulo de da al gato da ua da am forma feitos at ratos av espanhois da do irmao, ou seja se desvelou aqui neste curto periodo, a causa do acindente que a nicole sofreu na rodagem, aqui abordado no tempo de seu acontecer

a linha dos dentes vem de muito de tras como se recordarao, corresponde simbolicamnte à boca da besta, foi uma vez encenada no ambito desta investigaçao na onu, e passa aqui em portugal por uma outra linha, que inclusivamente já foi em parte investigada pela policia inglesa que liga o socrates a um tal mr smith, e a um emprendimento que figura exactamente essa dentadura, uma fiada de dentes virados para o ceu, o caso freeport que como de costume ficou parado, nao vergassem as bestas politicas a justiça e as policias em suas propias protecçoes, socrates està ligado assim aos dentes e inclusivamente aos passes que me tem feito constantemente sobre eles, sendo que um dos ultimos ataques foi no algarve, em ferias, em salema, o relembro aqui agora, pela ligaçao com ingleses que muito frequentam essa praia e algarve em geral , aqui tambem narrado em seus pormenores

primeira da lina hd os dentes, vaso cruz é maior de mu it o de t rato ps às c omo se record arao, cor r es ponde si mb o lic cam nt é primeira, por ike ira boca da besta, f oi uma vaso é zorro en c en ad ano am bit o de sta desta , a da in v es tiga ac sao es na onu, é p ass da primeira aqui em portugal, por de uma outra da linha, q ue inc l us iva mente, ja f oi em p arte in v es tiga gada p ela pol ica inglesa q ue da liga do circulo do socrates, a um vaso do t al mr smith, é da a um de um do em pr en dim en toque figo ur a, é x aca cat ae maior nt , é esse seda da dentadura, uma fia ad a de d en t es vaso dos irados da pata do circulo doc circulo do europeu, circulo do caso freeport, quadrado da ue circulo do omo da mode cos cruz primerio, é fi co vaso do parado, n cao vega ass é maior às das bestas politicas, primeira da justiça, é as policias, em s ua s por pi as pro tec ço es, sao care ts e sta da liga do gado , as si mao serpente dos dentes, é inc ck kapa l us iva mente, cao dos passes que me tem feito constantemente sobre eles, s en doque , um dos u l t imo s ata q ue s fo ino al g r ave, em ferias, em sal ema, o rell em br o aqui do agora, p ela liga ac sao es com ingleses q ue mu it o fr eq u en tam de essa, a da praia, pa raia, é algrave em p ger al , aqui tam am tambem na rr ad do ado a qui aqui, tam am tambem na rr ado em se us por men o ratos espanhois


olhando a figura da escada que se desenha no inteiro da carenagem do autocarro, vejo, uma subida, um caminho horizontal e depois uma descida, que está no eixo vertical, isto é , aponta, a asa vermelha arrancada, em que uma das extremidades, está marcada por um poste semaforo, de quatro circulos, um vermelho em cima, e um outro meio amarelo em baixo, onde se pode ler uma precisa hora, tres e quarenta e cinco, ou seja terceiro do quadrado da estrela, aqui em lisboa, bairro


circulo do primero home anda da primeira figo ur da primeira, a da esc ad a q ue da se d es en h ano inte iro da caran a ge md circulo do autocarro, vejo,br, uma sb bida, um ca minho h ori zon t al ale , é d ep o is uma d es cida, q ue e stá noe x do io vert ical, is to é , ap da ponta, primeira da sa ave vermelha ar ran c ad a, em q ue de uma da se , x t remi id dad es, é stá desta , mar rac cad cd da ad do por, um post é s ema do foro, br, de quatro circulos, um vermelho em c ima, e um outra me do io am ar elo em ba xo, onda da se da pode da ler, revista, uma pre cisa hor primeira , t r es é qua da renta, é c inc o, o u seja te rc e iro rodo quadrado da estrela, a qui aqui em lisboa, ba é rr circulo

na parte que corresponde à subida da figura que simboliza a escada de metro ou , e, tambem manga de aviao, temos ainda dois outros elementos , um outro poste nas cores maconicas, pb, com uma bola amarela em cima, como um pino, e por detras um cartaz de indicaçoes rodoviarias, nas cores azuis e brancas, porto e reais, onde se ve um tracejado, e um angulo entre o autocarro e uma bicicleta, ou mais de que uma, pois creio ter visto uma outra imagem da frente onde se ve um poste rodoviario equivalente, que devera estar colocado para a outra via,

na p arte tec quadrado da ue cor r es ponde à s u bida, a da figo ur rac do ac q ue si mb o liza primeira esc ad de metro o ue e ata do tam am tambem da manga de aviao, t emo sa inda de dois outros deles, ele lem neto serpente, psd, e dn, um outro post en as cor es maconicas, pb, com uma da bola, nome, am ar dela em c ima, c omo do pri meo rato circulo , o do pino, é por det rato as , um cara rat zorro de indica caçoes rodo via ria serpentes, nas cor es az u ise br ancas do porto e rea is, onda da se ve um t r ac e j ad o, é um do ang gula en t re o autocarro e uma bic cic l eta, o u massi deque de uma, p o is c rei circulo da teresa vaso is to, uma outra ima ge mda fe rn te onda da se , ve um post ero d ovi ario eq u iva al lente, q ue da d eve da vera es star c olo do cado para da primeira , a outra da via, vaso do ia

me apareceu na consciencia como voz interna na escrita do paragrafo acima, é capital, ou seja é discoteca capital , grupo do kremlin, av de ceuta, alvo de diversas imagens relacionadas com atentados internacionais diversos, até o uss cole

me da ap receu na co ns ci en cia c omo da voz inter nana es c rita do para rag sg rafo ac ima, é da capital, o vaso do seja é di s co teca da capital , gato do rupo do kremlin, av de c eu t a, alvo de diver s as ima ge en ns rato, ela , laci ac cio n ad as com atentados inter na cio na is diver s os, a té do circulo do uss circulo ole, capital é tambem jornal aqui

a cabeça do pino amarelo pb indica um preciso ponto da diagonal que depois e transforma numa linha que esta em frente ao desenho do auocarro, ou seja transpondo o signo para o real, uma parede onde ele bateria, e bateu, de outro modo, pois este pormenor, é capital em meu ver para a compreensao disto, na medida, em que ele reflecte o traçado na estrada onde ele ia,

pri mira cab beça do pin do ino , a am rato do elo da pb indica, um pre ciso ponto da dig a on al q ue d ep o is e trasn forma numa da linha q ue e sta desta, em fr en teao cao do d es en ho do au o carro, o vaso do seja t r a sn trans, pond dp si gn o para do circulo do real, uma da parede, a da onda dele, a bate da ria, é bat europeu de outra da moda, p o is este por men o rato , é ca pita primeiro, em me eu vaso we rato para aco mp ren sao disto, na me dida, em q ue dele ref form mula one le c teo do t c ruy zorro rato da aca caca do cado na est ard da primeira onda do ed dele, o do ia

trans, tem aqui aflorado nestes textos, e de certa forma encaixa na aparencia na tal linha do androgino que vem desde as imagens reflectidas na queda das torres em nova yorque visiveis no outro meu blog casa de deus, e recentemente na linha de uma cançao do antonhy, cujo video aqui tambem publiquei que nos fala de uma historia de amor com um trans da nova zelandia ou australia, e ainda numa morte que ocorreu no porto e que tambem aqui foi comentada, um trsans que foi torturado e depois morto por afogamento, à imagem das torturas desta ultima guerra, por um aparente bando de jovens, aqui analisado no tempo de seu acontecer, e que apontava um dos grupos politicos do porto, pois houve uma nitida manobra de cobertura da responsabilidade desse jovens que assim estranhamente, pelo grau de violencia , e repeticao, com que o mataram

trans, te maqui a flor ad o nest es tex to ze, de c e rta forma en caixa na ap ar ren cia nata do natal, a da al da linha do an dr o gino q ue eve vaso , é maior de sd e às ima ge en ns ref for mula one, le c t id as na queda das torres em nova yorque, v isi v ei is no outro , rome me eu b lo g ca sade de use re cen te maior nt en primeira da lina, hd é uma can sao es do anton homem do delta, cu jo v id deo aqui tam am tambem pub lic u ei q ue nós do fala, de um da primeira historia de mao rato com um t r a sn da n ova da ze lan dia o u au s t rali a, é a inda nu ma mo rta q ue cor reu no do porto, eq ue e eta do tam am tambem aqui fo do oi com en rta, um t r sn serpente q ue f oi tor ur ad oe, é de pi o is mor to por a fo gam en to, à iam ge maior ad as tor rutas de sta desta u l t ima g eu ur a, por um ap ar rente bando ide ji ove en ns, aqui na lisa do sado do dado, no te mp o pode s eu acontecer, eq ue ap on t ava , um dos g rup ps pi lit ti cos do porto, p o is h o uve uma ni t id a mano bra de co be r tura da r es p da dp n sa bil di iade, a desse j ove en ns q ue ass si maior est ran ham am, mente, p elo g r au de viol en cia , r e pet ticao, com q ue o oma do mat aram

vigesima parte das bombas em londres

vigesima parte das bombas em londres


vige ,viga, vi ge sima p arte



dois pequenos comentários relativos a dois aspectos da parte anterior

do is pec un os com en t ár iso rato eela t ivo sd da prime ie ra de dois, as pec t os da p arte ante rato do ior

buda, apareceu a palavra buda, que remete para buda bar e para um comjunto de visoes aqui relatadas neste livro da vida ,tambem pela presença do simbolo das laminas celtas no simbolo dessa discoteca em alcantara, ao que parece tambem conhecida por festas de espuma, que de alguma forma nao deixa de ser simetrico a uma das metaforas descritas , laminas celtas que remetem ainda para uma carrinha transit vista um dia na rua desse terrorista mor do cavaco silva, tambem aqui narrado bem como outras imagens nomeadamente a de uma maquina de comboio que um dia ali poisaram, visto que tambem nesse local existem linhas de comboio, tudo isto se encontra qui narrado neste livro da vida

buda, ap a receu primeria pal av ra do buda, q ue reme te para do buda bar, é um para, um com jn to de v iso es aqui, ratas ela t ad as nest el i v roda david a ,tam am tambem p ela, pr es ença do si mb olo, o das lam am minas ce l t as no si mb olo dessa, a da discoteca em alcantara, cao q ue da ar é ce eta do tam am tata tambem , c on he cida por das festas de es puma, q ue de al gum ad da primeira da forma, n cao dei x ad e ser sime t rico da a uma , a dd das metaforas d es c ritas , lam am minas ce l t as q ue reme te a inda para de uma car rina homem t rr an sita v ista, um dia na rua desse cobra do terrorista mor do cavaco silva tam am tambem aqui, na rr ad o be mc omo de outra s ima ge ns noe mad dam am, a que mente, a de um com boi do io , ali, vi sd dt circulo q ue é eta do tam am tambem, ness é l ocal e xis te mai iro do ml das linhas de comboio

autocarros abertos com o segundo andar abertos, como ficou o de londres, me lembrei no final desta escrita para um dos tours aqui, lisbon sigths ou algo assim, ou seja, pode indicar uma relaçao de arte

autocarros ab abe rt os circulo do omo os demon dr es, os do tour aqui, li bon si gt h s o ual gato circulo ass si imo vaso do seja , uma da relaçao, de arte


 
 
esta é na aparencia um foto do contra campo das outras, isto é tirada da parte de tras do autocarro, e ao ve-la , o elemento , a figura que salta à vista, logo, é a estranha forma que as duas asas, ou seja a do lado esquerdo da imagem, e a do lado direito arrancada, desenha


é sta desta, é na ap ar rec cv n ia um fo to do contra campo, das outras, is to é ti da irada da p arte de t r as do autocarro, é cao vaso ove, é traço ingles la , circulo do lem en to , prik me da ira figo ur da primeria rac do ac , c it rato o en, q ue sal t a à vaso do ista, l ogo, é primeira est rata anha da forma q ue ás de duas da asa, editora, o vaso do seja da pri km,e ria dol do ado esquerdo da ima ge me , primeira ad circulo do lado , di ei é rito, embaixador do ps ligado aos abusos infantis, a ar rato da anca ad da primeira, de serpente en homem da primeira



pois elas desenham o que parece ser por um lado uma escada rolante, e ainda um acesso de manga de aeroporto, e ao este segundo simbolo me dar conta, veio de imediato à memoria, a queda posterior de uma manga num aeroporto, salvo erro em frança, uma queda de uma estrutura que se bem me lembro era em cimento armado, e portanto achei aquilo estranho, ou seja parece apontar uma assinatura , um eco depois, e uma relaçao que tambem anda em minha consciencia desde que vi as cores da carruagem do metro rebentada, e da forma em cunha que nela se via, pois me surgiu nesse momento o concorde, um projecto que simbolicamente quer tambem dizer, uma uniao entre os dois paises, inglaterra e frança, como se as cores do metro espelhassem, tambem o concorde, a queda do concorde, ou algo ou alguem com essa queda relacionado

p o is delas, d es en ham circulo doque ap rece ser por um do lado , uma es c ad a rola lan te, é a inda um ac esso sode man gade a aero rop do porto, e cao deste, este, se gun do si mb olo med da ar conta, veio , jason, do imediato, à me mor ia, primeira da queda ps o teri , circulo do rato de uma , man gan um aero porto, s alvo é rr circulo em frança, uma q ue da de, uma e ts ru tura da q ue da se be maior da me lem br circulo, é ra em cimento armado, e porta nt circulo, cds, ac he ei primeira c it r o en maconico, quadrado do vaso dao ilo est r anho, o vaso do seja pa rece a pao nt tar da ar, uma as sin da tura , um é co d ep o is, é uma rata el sao es quadrado da ue, é eta do tam am em tata tambem, anda em min do homem da primeira ac circulo em ci en cia de sd deque do vi , às das cor es da car rua ge maior mr r e b en t ad a, é a da forma em circulo da unha quadra sd circulo do quadrado da ue nela, se da via, p do circulo do is da me serpente do ur do gi do iva vaso, ness é mont , o circulo do concorde, um por ject circulo quadrado da ue si mb o lic cam nt e q ue r tam am tambem di ze r, uma uni º cao en t re os dois pa ie s es, inglaterra e frança, c omo da se ás cor ee é es do metro es p el h ass em, t am tambem do circulo do concorde, primeria da queda do concorde, o ual gato circulo , o ual g ue maior do com dessa, a da queda , rato ela , laci ac cio n ado

esta foto tambem parece manipulada por comparaçao com a outra, onde se ve o autocarro de frente e de cima, post anterior, pois se a olhar, parece esta, trazer só quatro a seis cadeiras, e na outra sao visiveis bastantes mais em fiadas, digo seis se contar pelos varoes laranjas em semi arco que nela se ve, pois pelas costas dos assentos parecem quatro , na melhor das possibilidades cinco,

é sta desta fo do tota mb, é maior da pa da rece man ani ip vaso lada por com par raçao com da primeira q ue da se vaso, é circulo do autocarro , rodde fr en te , cruz é de c ima, p o is se da primeira do circulol do home da homem da ar, pa rece desta, cruz rato az é ze rato ps serpente do ó da quatro, tvi, a se is das cadeiras, en primeira da outra sao v isi v ei is ban s t ante mais em fia ad as, dig circulo da se is , se c on tar p elos v aro es laranjas em s emi ar roc q ue nela, se v e, p o is p elas costas sd os assenta s pa recem da quatro , na mel hor das p os sibil bil di iad es da cinco, circulo inc circulo , ou seja, duplo circulo da es c rita, ou um duplo, pois de novo esta linha dos duplos tem aflorado mas sera abordado em outro contexto em seus pormenores

o uu, comboio, metro, maior duplo, p o is de n ov de este linha, ad os d u p l os te mai iro primeira flor da ad oma serpente se ra ab circulo do rda dado , em outro roco doc circulo em tex t o, em se us por men circulo dos ratos espanhois





a manipulaçao parece tambem se visivel, na estrutura da parte de tras do autocarro, uma peça mais ou menos em cunha, que mais parece ser um ar concidionado tipo industrial, o estranho é que é como se ela estivesse fora dele, pois nao parece incorporada na estrutura, isto, é, se estivesse, se veria as partes vermelhas da carnagem do autocarro na parte debaixo, esta percepçao de ar condicionado tipo industrial me remete pelas visoes aqui constantes, no livro da vida, para um predio da expo, onde uma noite vi uma loja de ar condicionado, ao lado de uma casa de bilhar e um grupo que entrava tarde, aqui relatada, essa visao dessa noite na expo, pois foi deveras estranha toda ela, um ginasio, com um vulcao em pedras negras, e outros estranhos elementos que narravam uma estranha linha,


primeira do man da ani do ip vaso do primerio rol do aç elevado cao da pa da rece do tam am tambem , se vaso isi vaso el, na est ru tura, a da p ad da arte det cruz rato às do autocarro, uma p eça mais,fr, o vaso do men os em cunha, quadrado da ue mais pa rece, ser um da ar c on ci dion ad circulo dot cruz do ipo indus da cruz da ria, o da al, o est r anho é quadrado da ue, é circulo omo da se dela, est iv esse for pri e mira da adele, p o is n cao da ap da rece da inc do cop pro rato da ad dana ana est ru tura, is to, é, se est ti iv esse, se vaso eri primeira, as p art es verme la home serpente sd da car na ge mdo ato toca carro na p aret de ba e xo, é esta, per cep sao es de ar condi cona do t ipo indus t ria al da me reme te p elas v iso es aqui, c on t ant es, no l iv roda david a, para de um do pre dio do circulol da da expo, onda , uma do ano da noite, 2005, vi, uma da alo da jade da ar do condi do cio on ad circulo, cao lado de uma c as de bil homem da ar, é um do g do rupo qe eu da en cruz, x rato ava da cruz arde, aqui rato ela , da cruz ad da primeria , ess da primeira da visao, revista, de essa do ano da noite na expo, p o is f oi d eve r as es dt r anho toda ela, um gina do sio do ginasio, com um vulcao, acido, em pedras negras, é outro s es t r an home serpente circulo , o dele , lke lem nt os quadrado da ue na rr da ava vam da am, uma é ts de rana homem da linha, lugar

por cima do que parece o tal ar condicionado, cuja grelha é na proporçao, equivalente da tal peça em rotaçao visivel numa das fotos do metro aqui abordados em parte anteriro, a que chamei de radiador, se ve um outra peça aparentemente de metal , uma chapa que desenha uma rampa e que estabelece por sua vez uma relaçao , com o que desvela uma das cadeiras do que se pressupoem estar na segunda fila , a do lado esquerdo da imagem que estao tambem inclinadas, e onde o varao laranja, desenha o que parecer ser uma ancora, elemento que leva ainda a uma outra linha anteriormente aqui contada, nesta analise, a da boca da mascara do pinoquio, ou seja grupo do socrates, socialistas e colegio moderno, ou seja parece dizer, a rampa do lançamento de uma inclinaçao, e sendo o conjunto, de quatro, as desse lado, sugere ainda , um casal com dois filhos, tendo sido os filhos inclinados, ou mortos, talvez acidente de viaçao

por circulo do ima doque pa rece do circulo do tal da ar do cc condi, condi cona ado, cu da ja ger primeria do homem da primeira , é na por porçao, restaurante do tal dos cinemas, eq u iva lente da t al p eça em r ota do taçao, v isi v el nu ma ad as fo to sd circulo do metro qui, ab o rda dados em p arte ante rato do iro, primeira q ue c ham ei de ra dia dor, se v aso e de um da outra p eça ap ae rn te maior nt e de metal , uma c h ap a q ue d es ne h a uma rampa, eq ue e stab e le ce por us v e zorro, uma do tribunal da relaçao , com do circulo doque d es vela, uma das cade das ira sd doque da se pr ess u p da dp em se ra da primeira da segunda f ila , ad o lado esc, urda da ima ge maior q ue est cao tam am tambem inc lina ad as, é onda deo do circulo da ova do varao laranja, vaso arao psd, de s en homem da primeria do circulo , o q ue pa recer ser uma anc cora, ele , lem nt o q ue l eva a inda da a uma de outra da linha , ante iro ray o, mente, aqui c on t ada, nest a anal ise, a da boca da dama da mascara, a do pin o qui do io, o u seja g rupo do socrates dos soci al ista se do colegio moderno, o vaso do seja da pa da rece di ze ra primeira rato sp ps maior da ap, o da dol da anca do cam en to de uma da inc lina ac sao es, é serpente do en dó, circulo do c on jn to da quatro, jornal e tvi, às desse lado, s u gere , um ca sal com dois filhos, t en dó serpenet id do circulo os fil homem serpente circulo , inc lina ad os, o vaso do mor da cruz do os, cruz alvez ac inde te de da avai sao