terça-feira, março 01, 2011

sexagesima nona parte da arte das bombas em londres

sexagesima nona parte da arte das bombas em londres

se xa ge sima nona p arte da arte das bombas em londres

sobre o ultimo video, quando falo do tal dos cafes, a minha lingua provoca um alto na bochecha, e isto é a imagem do tal logo do roupao azul bebe que alguem deu para o meu filho, que trazia como descobri em tempo mais ou mnenos recente, um estranho logo, que tinha exactamente como que um corno que atravessava a bochecha, ou seja o corno que atravessou um bebe

s ob reo circulo do u l t imo v io de, qua n do f alo do t al dos cafes, primeira min homem da primeira l ing ua por vaso circulo doca , um al to na boc he cha, e is to é a iam ge md circulo da t al logo godo do ro u pau do azul bebe , q ue al gume d eu para do circulo do meu filho, q ue t r az ia circulo lobo omo d es co bri , em te mp o mais o u mne n os re cente, um est rato do anho l ogo, q ue da tinha , e xa aca cat , mente, c omo q ue um corno q ue at ravessa ava primeira boc he cha, o vaso do seja do circulo do crono, q ue at r ave ess o vaso de um bebe

corno declinou agora na escrita e crono, ou seja cronos, aquele deus que devora os filhos, ou seja o que literalemente come bebes, e me remete ainda para um pequeno video aqui publicado recentemente feito na altura do zero de audiencia, 1996, ou 1995, pois esse bebe é filho de um casal amigo da sara e portanto me remete ainda para o pedro elosegui, pois foi atraves dela que eu na altura o conheci, um rapaz que foi tambem morto, como aqui o narrei, e que fez um video nessa altura tambem para essa serie, sobre cronos

corno dec lino vaso do agora na es circulo do rita e é cor nom, crono, o vaso do seja de cronos, aquele de us q ue de evora os fil h os, o vaso do seja, circulo q ue lite rale lem nt é co me dos bebes, é me reme te a inda para um pec ue no vaso ide o aq primero ue ip pub l c iad re cente , mente, feito, na al tura do zorro do ero rode audi en cia, 1996, ou 1 9 de 95 maior, p o is esse do bebe , é fil hoem circulo de um ca sal am i goda da sara, é porta , cds a, n tome reme te a inda para do circulo do pedro elo se gui maior, p o is f oi at r ave es dela q ue , é vaso na al t ru ra aco co c on he si, um rapaz q ue f oi tam am tambem morto, c omo aqui do circulo na r rei, eq ue de fez , um vaso ideo ness primeira da al tura tam am tambem pa da ar , essa da se rie s obr , é cronos

acresço ainda sobre o acto de coorupçao na apresentaçao do projecto magic bus em 81 em tavira, que como aqui mencionei, no meu caderno de apontamentos, tomei eu na altura nota de que eram seis as entidades que deviam dar pareceres sobre a instalaçao, pois que é verdadeiro sobre o ponto de vista do que a lei assim nesse tempo determinava, e vos disse a todos, que dessas seis , uma, ou duas delas, deram parecer negativo, que pela argumentaçao apresentada, é prova desse mesmo acto de coorupçao, e consequentemente prova que a persiguiçao já nesse tempo, principios de oitenta me era feita em forma sistematica atraves dos partidos

ac rato do es cç co a inda s ob reo circulo do acto de co o rp u sao es na p + ar es n taçao do projecto magic bus em 81 em tavira, q ue c omo a qui men cio n ei, no me eu cade r no de ap on t ae maior nt os, tom ei europeu na al tura not primeira deque rea am se is às en t dida sed sd ds quadrado da ue do vaso devi ima da ar par, é ceres, coimbra, serpente do ob rea da primeira in s t al sao, poc ue é verda ad ed der iso s ob reo ponto de vaso ista doque da primeira da lei, ass si maior ness é te mp o de teresa min ava, é eva do vaso os di s sea primeira de todos doque dessas seis , umo vaso de duas delas der am ess e pa recer q ue p ela a ru ge maior n taçao ap r es net ad a, é pro da ova desse mesmo acto dec dp o rp u sao, é co ns q u en te maior nt , é pro p ur ava vaso d a primeira q ue da primeira peer persi sig ue io sao da já ness primeira te mp o, p rin cip io sd é oitenta me , e ra fei rta em forma sis t ema tica at rato ps ave espanhol dos p art id os

e quando mensionei as seis, me falta uma delas em meu caderno, ou seja, uma que esta ocultada, quer isto dizer, a que esteve na sombra e que terá mexido sos cordelinhos para que os pareceres negativos fossem apresentados por outras , uma ou duas entidades, pois assim fazem os corrruptos, nunca dao a cara pelos actos, coorompem outros, para se salvaguardar,e para que quem é vitima mais dificilmente os possa vir a identificar

eq ua ando men sio n ei às das seis, me f al t a uma delas, em me eu vaso cade rn no, o vaso do seja, uma que esta ocultada, quadrado do vaso dp é rato is to di ze ra rac ac q ue es tve na s om br primeira, eq da ue teresa sd primeria rá mex id o serpente os cor del linhos para q ue os par é ceres ne gat iv os fosse maior ap r es net ad os por de outras , uma o vaso de duas en t id a sd es, p o is ass si maior f az ze é maior os cor rr u pt o sd, n unc a adao dao primeira cara p elos actos, c oo rato do om pe maior de outros, para se s alva guarda re para q ue eq q q au dr ad oe mé vi rt ima mais , fr, di fi c ile lem nt e os p oss a vaso ira primeira id en ti fi car da ar

pensando nisto, porque como vos disse, sei que existe uma relaçao entre quem esteve por detras desta coorupçao e a queda de entre rios, e por extensao os bums de londres, na medida que como aqui se desvelou a queda de entre rios é a energia dessas matanças, ou a elevaçao daqueles que depois procedem a essas matanças e este saber se baseia na imagem das flores das amendoeiras, que remetem tambem para venenos, para um especifico veneno que as amendoas tem em si, e me remete ainda para os tempos em que essa puta da cristina coutinho esteve em minha casa na actor joao rosa, pois uma foto que ela lá tirou me deu, ou melhor me confirma, esse mesma chave, ou seja um grupo constante atraves de decadas tambem envolvidos nos passes no arieiro no tempo em que para lá mudei

p en s ando ni serpente to top por q ue circulo do omo ovos vaso do os di serpente se, serpente do ei q ue e x do site, moda, estado, uma do tribunal da relaçao en t rec q ue maior es teve por det ratos as de sta desta, a da c oo rp u sao, é a primeira da queda de entre rios, e por extensao do os bums de londres, na me dida q ue circulo do omo aqui da se d es vaso velo lou primeira da queda de entre rios, é primeira da energia, tambem radio, dessas das matanças, o ua da primeira, el ava sao daqueles, q ue d ep o is por ce d ema dessas matanças, e este , saber, se ba seia , lugar, na ima ge md as flor es das am en d oe iras, q ue reme te maior tam am tambem para dos venenos, para um es pe c if ico v ene no q ue às am en do as te maior em si, é me reme te a inda para os tempos em que essa puta da cristina coutinho , es teve rem min home da primeira da casa na ac t ior da joao da rosa, p o is uma f oto q ue ela, la tir iro vaso da meda desse, a mesma chave, o vaso do seja, um co ns t ante at r av es de decadas, empresa, tam eb maior men en vol v id os nós dos p ass es no arieiro, no te mp circulo em q ue para l á mu dei

pela logica, a entidade que falta na minha lista, é a camara muncipal , portanto a minha intuiçao somando isto, me diz que o agente da coorupçao , o que esta oculto, a face oculta sera da camara ou a camara estará ligado, e me diz ainda intuiçao que deverá existir pelas camaras, uma relaçao com a camara de entre rios, e se esta ligaçao for estabelecida, provada, ela dará grande peso a relaçao entre estes ventos,

p ela, logica, primeira en t id ad de ue fla t ana min home da primeira l ista, é a ca maca do mr primeira do maior da un cip al , porta , cds, nt circulo da primeira min home da primeria in tui, doiro, com boi s caidos, s cao s oma n dó ist io, me di zorro q ue do circulo do agente da c dp rup sao , o q ue desta, o oculto, primeira face oculta se ra da cama ra o ua da primeira cama ra est ara liga gado, é me di zorro da primeria inda in tui sao q ue d eve vera acentop , é xis tir p elas ca mr as, uma do tribunal da relaçao, rato el sao com da primeria cama ra ed entre rios, é se desta , liga ac sao es da for esta , sat stab be le cida ela da ra g rande peso, argentina, primeira r ela aço en t re de estes ventos, vaso en t os

acresço ainda uma outra deduçao, relativa a imagem de reverso do meu caderno em cujo outro lado esta a tal palanta do primeiro piso do autocarro, pois na tal historia do requerimento à universidade, o fernando soares, que hoje trabalha na tvi nos portais, aol, assim creio, ou seja, é imagem de porgramador e de programaçao, dá conta que se terá enganado no preenchimento de dois digitos , e a frase final é algo neste sentido, se nao lhe responderem, ele podera dizer que chumbou por se ter enganado no preenchimento de dois digitos, chumbo como sabeis, é imagem de tiro e de bala, e parece entao que aqui se dá corpo a ideia que alguem do grupo, eq, ou seja engklish cabala, se terá enganado num preenchimento de um codigo, um codigo de transliteraçao das palavras pelo seu valor numero, ou seja ainda,o exemplo que de novo em dia recente em palavra orada tinha de novo vos contado, a preposito do chines simplificado e da cruz dos noves , da coluna da direita, vide esse video

ac rato do rate es ço a inda de uma outra dedo sao es, rato ela t iva primeira rai ima ge md é rate ever sodo meu cade rato no em cu jo de outro do rol lado, esta, a t al pala nt ad o primeiro piso soda autocarro, coca cola, poratal sapo, p o is na t al hi s tori ad o rec ue rime en to à uni ver sida deo circulo do fernando do soares, q ue homem do oje t r ab quadrado da alha na tvi ni os porta is, o do aol, ass si maior c rei o, o vaso do seja, é ima ge mde por g rama da ad dor , é de pro g rama maçao, d á c on t a q ue da sete teresa rá en g ana dó no pr e en chi men to dedo is dig it os , éa prim,eira da farse , fina al é al fo nest é s en t id o, se n cao l he r es ponde der rem,. ele pode ra di ze rato q ue c h um bo vaso up do por sete rato en gan do dado , no pr e en chi men to dedo is dig it os, c h um boc omo sabe is, é ima ge maior de t iro , é a da bala, é pa rece en t ao q ue a qui da se d á corp circulo da primeira da ideia, q ue al g ue md dog rup circulo da eq, o vaso do seja eng kapa li sh ca aba do bal da bala, sete rá en g ana ad on um pre sw en cimen , sic, homem cruz circulo de um co dig o, um co dig gode trans lite raçao das pala av rato ps as p elo s eu do valor, ft, n um mer do rol, o vaso do seja a inda, circulo do é x e mp lo que de n ovo em dia re cente em pal av ra o r ad a tina hd eé en ovo vaso os do contado, dine h rio, ft, a pre posi to doc hi da ines si mp li fi cado, é da ac ru zorro dos noves , da aco co da luna da direita, vide esse cobra, vaso ide deo circulo

voltando entao à imagem onde estamos,





vos disse que um dos pormenores que logo me chamara a atençao fora a serra de arco que na direita da iamgem se encontra figurada em branco, o suporte braço da serra, e a lamina azul, ou seja br anca azul, ou seja casa real azul, ou seja ainda, tambem a queda do aviao frances , onde um deles vinha

vaso do os di serpente se sec q ue um dos por men o ratos es q ue l ogo gome da gda me chama circulo do hama, ra primeira at en sao for primeira, a da serra de arco, lugar no algrave, q ue na direita se en contra f if ur ad a em bar cn circulo, canal lisboa, c ana l lis boa, circulo lodo do s up o rte br aço da serra, é primeira lam , a da am mina do azul, o vaso seja da br anca azul, o vaso do seja da ca sa da real azul, io vaso do seja a inda da primeira queda do avia circulo do frances , onda de um del es vinha

e vos disse que esta lamina, ou serra de arco, me remete para o catalogo das manufacturas , aqui abordado há nao muito tempo conjuntamente com uma outra revista, a lx, onde na vinheta final , um fiscal, grita para um desenhador que falta um bilhete de metro, e tal relacionei eu na altura com o que poderia ser uma acusaçao, ou escrita enformadora, visto essa revista ter talvez dez anos, relativamente ao bum do metro de londres

é vaso do os di serpente da se sec , mc, estado, q ue é esta lamina, o vaso da serra de arco, me rem te para do circulo do cat alo goda serpente da manu f ac turas , 1 do qui ab o rda dado homem doca cae en to da primeira n cao há muito tempo , c on junta em nt , é com de uma outra da revista, a l x, onda dena vin homem eta fina al , um f iscal, gato da rita para um do d es s en h ad dor q ue f ala t um bil he te de metro, e t a l rato ela , a do ac cio n ei e vaso na al tura com do circulo q ue pode da ria ser uma ac cu usa sao es, o vaso da es circulo do ari rita en for m ad dora, vaso vito, mer cedes, serpente it circulo dessa da revista , teresa t alvez dez ano serpente , rato ela t ivam iva am , mente, cao do bum do metro de londres

da revista, realço assim de memoria, as historias de bd da diana a caçadora, e o dedo que falta, que foi ecoado em dois artigos do jornal dos bandidos , atraves do banqueiro do bn, os flechas destacamento de operaçoes especiais, e o metro da avenida onde essa acçao em parte se passa, e a historia do desenhor do tal bilhete de metro em falta,

da e r e v ista, rea al ço ass si mde meo ria, ás das hi s tori as de bd d a diana, primeira caça dora, é circulo do dedo q ue f al t a, q ue f oi e co ad o em dois, art ti g os do jo rn al dos bandidos , at r av es do ban q ue iro rodo do bn, os fl le el, é cha s d es t aca cam en to de o pera raçoes es pe ci a is, é circulo do metro da v en id a onda dessa , a da ac sao es em p arte se p ass a, é a hi s tori ad o d es en hor do t al bil he te de metro em f al t primeira,

do catalogo das manufacturas, o anel equivalente ao que a puta que me tras o filho roubado usava, ou seja imagem de espiral com uma pedra grande e marcas de x que foi aqui comentada em funçao de ourtos sincronismos que na altura se manifestaram, o colhao, bate cu bate colhao, adptaçao de um musica popular dos tempos de puberdade, o rui pregal da cunha, o poço do bispo, belen, mobiliarios dos ex nihilo, as mesas de asas, e as imagens das oficinas da casa pia, umas belissimas fotos que aqui publiquei, nessa sequencia, vide referencias

do c ata l ogo godas manu f ac turas, circulo do anel eq u iva al lente cao q ue da p + rime da ira da puta que me tras o filho r o u ib bad ad o usa vao vaso do seja ima ge md é es per ia al com de uma p e d r a g rande, é mar c as de x q ue f oi a qui com en t ad a em fun sao de o u rt os is n c r oni sm os q ue na al tura da se man if est aram, circulo do c o l h cao, bat é cu bat é cio prime ik rol homem cao, ad dp pata sao es de um mu sic a pop u primeiro da ar dos te mp ps circulo de p uber dade, circulo do rui pre gal da cunha, circulo do po ço do bispo, de belen, mob mobil bil li ari os dos e x ni hi da ilo, as me as de asas, é as ima g en d as o fi cina s casa, pia, uma s bel iss ima s f oto s q ue a qui pub ub liq u ei, ness a sec u en cia vide refer é cn ia serpente

foi essa foto de uma maquina de recorte de madeira com um belo jovem que a opera que me fez a ligaçao com este pormenor destas fotos manhosas do metro rebentado em londres, pois na verdade, o pormenor, a lamina da serra de arco, ou seja o facto de ela estar na vertical, e de memoria, isto é, sem ver, de novo essas imagens em mim uma outra relaçao anda a bailar, atraves da face desse menino, um outro que aparece num catalogo de moda de uma fotografa portuguesa, a ines, numa estranha historia como se fosse filho de uma modelo francesa, e umas paisagens e roupas tiradas nas zona da comporta, assim aqui comentei essa percepçao, e ainda algumas roupas que me remetem de alguma forma para um dos features das series do channel four, especificamente a tal passagem de estranhas roupas em cima dos telhados, que recentemente relacionei com um incendio em londres

f oi ess da primeria cobra, essa, a da foto de uma ma quina de reco rte de madeira, com um b elo j ove maior q ue da primeira da opera, q ue da me de fez primeira liga sao com de este por men o rato destas , f oto s man ho sas do metro r e b en t ad o e ml on dr es, p o is na verd ad deo circulo do por men o ra da primeria lam am mina da serra de arco, ova sio do seja do circulo do f ac ato de ela es tar rata na ver tic al, é de me mor ia, is to é, se maior ver, de n ovo ess as iam ge ns em mim , uma outra do tribunal da relaçao anda da primeira ba ila ar, at r ave es da face, revista, de esse do menino, um outro q ue ap rece n um cat al ogo gode do demo moda de uma fotografa portuguesa, a ines sm, n uma e t ran homem h s it toira circulo do omo , se da fosse fil ho de uma mod elo da francesa, é uma s pa isa sage en ns e ro u pa tir dada serpenets nas zon ad da primeria do com da porta, cds, ass si maqui co men tei essa perce p sao es, é a inda al gum as rop pupas, q ue da me reme te md , é al g u am forma para de um dos fe a t ur es das se rie sd circulo da channel do fo ur, es pe c if icam am, mente, primeira t al p ass a ge md é est ran homem as das r o upa serpente em c ima dos tel homem do ad os q ue re cente , mente, rato ela cio n ei com um inc en dio é ml on dr es

ou seja, abusos de crianças da escola de oficinas da casa pia, assim a suma parcial se apresenta, num acto colectivo, como uma igreja , cuja disposiçao das cadeiras parece ser catolica, ou universidade catolica, provavelmente num celeiro tipo hangar, como se deduz da estrutura da arcada, e um acto de invocaçao como uma reza, posiçao do primeiro personagem, e violaçoes, ou desfloramentos, pois o sangue e visivel nos falos, laranjas, ou seja relacionado com o psd

o vaso do seja, ab bus os de c ria anças da es sd cc ola de o fi cina sd da primeira da casa pia, ass sima ima serpente uma par cia al da se ap rese s en t a,do primeiro ano, n um acto cole c t iv o, ccirculo omo de uma da igreja , cu ja di s posi sic sao es das cade ira serpente pa rece ser cat o lic a, o u uni ver sida dade catolica, por v ave lem nt é en um c ele iro t ipo hana g ar, c omo se de d uz da est ru tura da arcada, é um dp acto de in v o caçao c omo uma ratoé za, p oi sç sao es do primeiro, o pers on a ge me viol laço aço es, o vaso do d es flor am en t os, p o iso circulo do s ang ue é vaso isi vaso el nós falos, l ar anjas, o vaso do seja rato ela , a do ac cio na ds circulo com, o do psd

como vos disse neste ultimo video depois de tentar dormir, encontrei no mesmo caderno, um desenho, um pormenor que é identico em sua forma a um dos falos presentes nessas cadeiras, que sera do lado dos da esquerda da imagem, pois fechando o caderno, ele assim fica, ou seja, fica nessa posiçao, depois de dobrado, ou depois da dobra

circulo do omo da o ava do vaso do sio os di s se nest cruz é u l t imo vaso ide deo d ep o is de t en tar dor mir, russia, en c on t rei no do mesmo ca der no, um d es en ho, um por men o rato q ue é id en circulo do tico, em s ua da forma da a um dos falos presentes nessas cadeiras, q ue se ra do l ado do os da esu , é rda da ima ge maior, p o is fe h an cd dp do cade rn no, ele ass si maior fi cao do vaso do seja, fi ca ness a posi sic sao d ep o is de d ob r ad circulo do ado, circulo do aso qaudrado da ep circulo do is , o da dobra

prova da relaçao das induçoes com os bandidos do dn, brochistas do soares, e crimes


20 02 2011
30,5 MB (32.084.202 bytes)

pro da ova da relaçao, tribunal,  das indu ço es com os bandidos do dn,  br roc hi sta serpentes do soares, é crimes, é circulo crime rime espanhol, ou seja atocha, t cao cha, ato cha, ato do cha,

um dos pormenores na comida, do nevoeiro, é ovo das aguas a navegar, ou bailar, vide os termos em especifico, nesse video uma rima

um dos por men o ratos es na comida, violada , viol lada ad a, ou morta, do n eve do oiro, é o ovo das aguas a an vega r, o u ba ila ar, vide  p os dos termos em es pec if ico, ness é vaso ide circulo de uma rata imam

zapatero, ou zap, heman jose, nuno das produçoes fiticias, silvia cunha, a da se,  recentemente aqui entrados os ultimos dois, zapatero, z ap za pat cruz ero, tie es,

zp, ze pinheiro, ata tat t ero,  o vaso  z ap, he mena jose, nuno das por duç oe es fi ti cia s, silvia cunha, re cente men net aqui entrados os u l tim s o do is, za pat ero, z ap za pat cruz ero, tie es,

neveoiro, parece ainda ate pela roupa que trago, remeter para o regresso do rei, aqui na mitologia referente a som sebastiao, ou o regresso do rei, dos tolkien, sebastiao, é um dos filhos da marta lapa, que uma vez me mostrou uma arvore apontando que lhe faltava em cima do lado direito salvo erro uma folha, aqui narrado no tempo de seu acontecer

n eve oiro, pa rec a inda a te p ela r o upa q ue t rago, reme meter para do circulo do re gress o do rei, aqui na m it olo gi a refe é ren te a s om sebastiao, ouo re gress o do rei, do s tol ki en, se bastiao, é um dos fil h os da marta lapa, q ue um ave zorro da me meo ostro vaso de  uma arvore ap on t ando q ue l he fala t ava em c ima do l ado di rei rt o sal cv , cabo verde,  é rr circulo,  uma fo l homem da primeira, a qui na rr ad on o te mp o pode s eu ac on tec é rato

tambem algrave, lagos