domingo, abril 22, 2018

DE FRIGORIFICOS E DE FRIOS NAZIS NA AUSENCIA DO TEU ORVALHO PRIMAVERIL

Como sabes estou cada vez mais jovem, fiz anos e o amor em que te trago assim me faz ao corpo e à alma, se algum, o primeiro.

das constantes provocações de meu pais, obrigados ou não que fruto deste imenso crime NAZI, assim os familiares se tornam nas vezes...

há alguns poucos fins de semana, mais precisamente dia 31 de Maio, um sábado como usual na mais das vezes, me chegaram os dois depois do almoço, o meu pai, como um toiro, assim nas vezes ele vem, me perguntando como sempre, mas por mote próprio, ou assim encomendado ou mesmo acelerado por terceiros, quiça os filhos da puta dos criminosos que os trazem vergados ou quiçá um dos quaisquer filhos da puta dos psiquiatras, encomendando a ele , uma expectativa de uma qualquer AB reacção que lhes possa servir um qualquer conflito, uma vulga má disposição que por exemplo se traduza em vinho à borla para canalhas assassinos, que me queria dizer uma coisa, uma coisa persistente e cíclica como haverás de saber, os que me acompanham, os frigoríficos, sendo as ultimas linhas porventura mais importantes sobre matérias de gelo,

... uma estranha encenação do criminosos por mim acusado, Antonio Gutierres, ONU, Russia, Putin, California sea tragedy, as pintas como de sangue na face, as estranhas sugestões de mesas de operações nas fotos das novelas criminosas dos filhos da puta dos criminosos e terroristas dos jornais portugueses como comentado ao tempo e como sempre com ecos preparados por terceiros criminosos em minha casa e até ao tempo no frigorifico em elevada acção pensada e envolvendo também uma mudança estratégica ao tempo no butcher , para que os sacos da carne não mais tivessem os useiros nozes, quem isto leia, neste preciso e especifico ponto,  dos nós dos sacos, há-de pensar, mas quem está maluco?, eu não, o Gutierres também não creio, quanto muito mais pro aflito, assim se espera de bandidos à frente da ONU, pois não só tem que inventar para cobrir crimes nacionais como mundiais, talvez mesmo incluindo quedas de aviões, na verdade como sabeis esta linha recua até Obama e o team dele, à California, e de frigoríficos até Ban Kin moon, e o extracto do saldo das invenções da ONu num dos anos da presidência dele, que mais parecia como comentei uma lista de produtos industriais, de mérito, sem duvida como se espera da ONU; onde pontuaria porventura os frigoríficos que arrefecem com os sopros na pele depois de muito te beijar, sem necessidade de electricidade, ora esta , diria Pessa, depois se pensares bem, uma das razoes destes NAZIS em te manterem afastada, certamente se prende com o almejado desiderio de arrefecer o clima global e quiçá até o mundo inteiro, todo inteirinho num frigorifico do Diabo, no inferno do céu.
 
A coisa fora mais ou menos assim, entrando como um toiro enraivecido, certamente depois de ver De Niro a salvar adolescentes prostitutas, ou acelerado quiçá até por doseamento cientifico dos nazis médicos no apoio e suporte à terceira idade, tipo umas anfetaminas disfarçadas quando querem o tal vinho, não o que corre nas tuas pernas por acção natural, e não também por terem nas vezes enfiado viagras ou quejandos em comidas, vê lá tu, como são gentis e sempre se preocupam que andes satisfeita, e me disse à queima roupa, tenho uma coisa para te dizer, isto depois de o assunto ter retornado uns fins de semana antes , o cíclico, o do frigorifico, tipo, não queres um frigorifico novo, sobretudo se te recordares que ao tempo de novo tinha recordado que antes do meu filho do qual nada sei e sobre o qual nunca nada me dizem, que antes do Francisco nascer, tinha eu comprado um tipo Ferrari  em branco modelo alemão, de duas gavetas turbo, ou será mais, está frio e masturbo-me a tua ausência com pepinos no cu para melhor sentir a memoria da tua vulva, e depois como muitas outras coisas e não só coisas, nacionalizado, palavra aqui equivalente para roubos e roubar e ladroes, pela puta da Teresa e desta vez a variante , era, 

...só tenho duas casas, o que deve ser uma mentira ou uma indirecta para me dizer que terá sido no entretanto roubado pelos filhos da puta, que tinham um frigorífico antigo e que precisa de o por na casa dele onde vivo, que como eu provavelmente não estaria em casa onde queria que ele o deixa-se, e eu , onde quiser, meu pai, se o for , esta ultima singela frase, a penso para mim cada vez mais ao fim de mais de dez anos de escravatura, e ele, queres que o deixe me cima da mesa?, que não, lhe respondi eu , certamente que terá o bom senso de o por em outro lugar, ou será uma mensagem cifrada,  quiçá da ONU, me falando de corpos mortos em cima de mesas de morgues? talvez ali ao fundo do corredor... assim ficou o minimalista dialogo, pois desde há muitas luas que assim é, e obviamente como ele o sabe, um grrr interior, que raio de pai é este, entra aqui como um boi e com esta conversa ....
 
continua a não estar nenhum outro frigorifico dentro de casa em cima da mesa ou por debaixo das pernas ou mesmo a dançar no meio do tecto, mas a coisa não ficou por aqui, me espantam as subtis induções a que os sujeitam também, estes nazis cobardes de merda e como os beijos que não te dou são normalmente extensos, porventura maiores do que os verdadeiros, deverei continuar a saga sádica dos frigoríficos em próximo episódio, muito agradecido por terem lido este episódio da saga nazi de um roubo de um filho e da iniquidade que por força deste crime um homem é forçado a aguentar....

Sem comentários: